História. Revolta dos Cabanos. Professor Thiago Scott.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História. Revolta dos Cabanos. Professor Thiago Scott."

Transcrição

1 História Revolta dos Cabanos Professor Thiago Scott

2

3 História REVOLTA DOS CABANOS A REGÊNCIA ( ) Sendo um período de muitas agitações sociais, a Regência apresentou-se como uma fase de extrema importância para história do Brasil, em especial nas questões de centralização ou descentralização, o grau de autonomia das províncias e a organização das forças armadas. A falta de consenso entre as elites locais e a falta de clareza em relação ao papel do Estado foram os principais fatores da difícil governabilidade do período. Os liberais moderados formaram a principal tendência política da regência, destacando-se os políticos de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, contando também com um número significativo de padres, muitos proprietários de terras e de escravos, destacando-se Bernardo Pereira de Vasconcelos (magistrado mineiro formado em Coimbra), o Padre Diogo Feijó (paulista, futuro regente) e Evaristo da Veiga (responsável pelo jornal Aurora Fluminense, o mais importante jornal liberal da época). A oposição se dividia: os exaltados (defendiam a federação e as liberdades individuais, sendo alguns, como Cipriano Barata e Borges da Fonseca, republicanos) e os absolutistas ( caramurus, muitos portugueses, burocratas, militares do Exército e comerciantes, lutavam pela volta de Dom Pedro I. Em 1834, com a morte deste, o grupo se desfez). As Reformas Institucionais Criar uma nova organização militar, que reduzisse o seu papel, e suprimir ou diminuir as atribuições de órgãos da Monarquia foram as duas principais preocupações das reformas institucionais. Em 1834, o Código de Processo Criminal entrou em vigor (maiores poderes aos juizes de paz, instituiu o júri e criou o habeas corpus). Uma lei de agosto de 1834, chamada de Ato Adicional (fez adições e alterações na constituição de 1824) determinou a impossibilidade de uso do Poder Moderador durante a Regência, supriu o Conselho de Estado, criaram-se as Assembléias Provinciais, permitiu que as Províncias conseguissem recursos próprios, à custa do enfraquecimento do poder central e deu às Assembléias Provinciais o direito de demitir e nomear funcionários públicos, (colocando nas mãos dos políticos locais um grande instrumento de poder). Em agosto de 1831, foi criada a Guarda Nacional, substituindo as antigas milícias. Tinha por objetivo criar um corpo de cidadãos confiáveis, recrutando todos os cidadãos com direito de voto nas eleições primárias que tivessem entre 21 e 60 anos, desfalcando assim o Exército. 3

4 As Revoltas Provinciais e a Guerra dos Cabanos Resultado de questões específicas, as revoltas regenciais apresentaram em comum as dificuldades de vida e as incertezas da organização política. O fortalecimento dos poderes provinciais em decorrência do Ato Adicional de 1834 aumentou consideravelmente a disputa interna pelo poder local. No Rio de Janeiro, entre 1831 e 1832, houve cinco levantes, o que colocou, inclusive, a vida do imperador em perigo. Muito diferente dessas revoltas foi a Guerra dos Cabanos, em Pernambuco, entre 1832 e 1835, um movimento essencialmente rural que se diferenciou também das anteriores insurreições pernambucanas, por seu conteúdo. Os cabanos reuniam pequenos proprietários, trabalhadores do campo, índios, escravos e, no início, alguns senhores de engenho. Lutaram em nome da religião, pelo retorno do imperador contra os chamados carbonários jacobinos. Os cabanos contaram com o apoio de comerciantes portugueses do Recife e de políticos restauracionista na capital do Império. Depois de uma guerra de guerrilhas, os rebeldes foram afinal derrotados, ironicamente, por Manuel Carvalho Pais de Andrade, a mesma pessoa que proclamara em 1824 a Confederação do Equador. 4

5 História Revolta dos Cabanos Prof. Thiago Scott A Guerra dos Cabanos Cabanada foi a rebelião ocorrida no Brasil entre 1832 e 1834, iniciada logo após a abdicação de Dom Pedro I, ou seja, no período da Regência. Dificuldades financeiras do novo Regime, com o comércio exterior quase estagnado e a queda das cotações do algodão e da cana-de-açúcar, além do privilégio aduaneiro à Inglaterra, em vigor desde 1810, fizeram com que eclodissem diversas revoltas no Império do Brasil nesse período. O movimento da Cabanada se deu em Pernambuco, Alagoas, e Pará, porém são insurreições diferentes e em locais diferentes. A primeira se trata da revolta em Pernambuco e Alagoas e a segunda na região do atual Pará. Em Pernambuco, onde também foi chamado de "A Guerra dos Cabanos", a rebelião foi conservadora pois pretendia a volta do monarca português ao trono do Brasil (para alguns historiadores, uma pré-canudos). Desenrolou-se na zona da mata e no agreste. Teve como líder Vicente de Paula, com seguidores de origem humilde, predominando índios (jacuípes e outros) e escravos foragidos (chamados de papaméis). Com a morte de Dom Pedro I em Portugal (1834), o movimento deixou de ter razão de existir, e em uma Conferência de Paz com participação do bispo Dom João da Purificação Marques Perdigão, a rebelião terminou. Mesmo assim, os governadores Manoel de Carvalho Paes de Andrade e Antônio Pinto Chichorro da Gama mandaram um exército de 4000 soldados cercarem o local, prendendo centenas de revoltosos. Já bem antes da revolta começar o bispo Dom João da Purificação Marques Perdigão, estava arrumando um jeito de acabar com ela, pois ele já tinha em mente que iria acontecer isso, estava mais preocupado com como terminar que com como começar. A insurreição da Cabanagem no Pará foi mais grave, pois foi nacionalista e queria a independência da província. Durou cerca de 5 anos, pacificada pelo Marechal Soares de Andréa, o barão de Caçapava, a custa de vários conflitos sangrentos e execuções dos insurretos. Ao final da Cabanada, o líder Vicente de Paula foi preso e enviado para a ilha de Fernando de Noronha Leitura complementar: as Revoltas Regenciais Após o Ato Adicional de 1834, ocorreram a Cabanagem, no Pará ( ), a Sabinada, na Bahia ( ), a Balaiada, no Maranhão ( ) e a Farroupilha, no Rio Grande do Sul ( ). A Cabanagem: explodiu no Pará, região frouxamente ligada ao Rio de Janeiro. A estrutura social não tinha aí a estabilidade de outras províncias, nem havia uma classe de proprietários rurais bem estabelecida. Era um mundo de índios, mestiços, trabalhadores escravos ou dependentes e uma minoria branca, formada por comerciantes portugueses. Essa minoria se encontrava em Belém, uma pequena cidade de 12 mil habitantes. Por aí escoava a modesta produção de tabaco, cacau, borracha e arroz. Uma contenda entre grupos da elite local, sobre a nomeação do presidente da província, abriu caminho para a rebelião popular. Foi proclamada a independência do Pará. Uma tropa cuja base se compunha de negros, mestiços e índios atacou Belém 5

6 e conquistou a cidade, após vários dias de dura luta. A partir daí a revolta se estendeu para o interior da província. Em meio à luta, destacou-se na liderança dos rebeldes Eduardo Angelim. Angelim tentou organizar umgoverno, colocando como seu secretário, um padre, uma das poucas pessoas capazes de escrever fluentemente. Os cabanos não chegaram a oferecer uma organização alternativa ao Pará, concentrando-se no ataque aos estrangeiros, aos maçons, e na defesa da religião católica, dos brasileiros, de Dom Pedro II, do Pará e da liberdade. A rebelião foi vencida pelas tropas legalistas, depois do bloqueio da entrada do Rio Amazonas e uma série de longos e cruéis confrontos. Calcula-se que 30 mil pessoas morreram, entre rebeldes e legalistas, ou seja, 20% da população estimada da província. A Sabinada: deriva a designação de seu principal líder, Sabino Barroso, jornalista e professor da Escola de Medicina de Salvador. A Sabinada reuniu uma base ampla de apoio, incluindo pessoas da classe média e do comércio de salvador, em torno das idéias federalistas e republicanas. Seriam libertos os cativos nacionais que houvessem pegado em armas pela revolução; os demais continuariam escravizados. Os sabinos não conseguiram penetrar no Recôncavo, onde os senhores de engenho apoiaram o governo. Após o cerco de Salvador por terra e mar, as forças governamentais recuperaram a cidade através de uma luta corpo a corpo que resultou em cerca de 1800 mortos. A Balaiada: maranhense começou a partir de uma série de disputas entre grupos da elite local. As rivalidades acabaram resultando em uma revolta popular. Ela se concentrou no sul do Maranhão, junto à fronteira do Piauí, uma área de pequenos produtores de algodão e criadores de gado À frente do movimento estavam o cafuzo Raimundo Gomes, envolvido na política local, e Francisco dos Anjos Ferreira, de cujo ofício fazer e vender balaios derivou o nome da revolta. Paralelamente, surgiu um líder negro conhecido como Cosme sem sobrenome pelo menos nos relatos históricos à frente de 3 mil escravos fugidos. Os balaios chegaram a ocupar Caxias, Segunda cidade da província. De suas raras proclamações por escrito constam vivas à religião católica, à Constituição, à Dom Pedro II, à santa causa da liberdade. As várias tendências existentes entre os balaios resultaram em desentendimentos e os rebeldes foram derrotados em meados de Cosme foi enforcado em No comando das tropas imperiais estava um oficial com presença constante nos confrontos políticos e nas Batalhas do Segundo Reinado: Luís Alves de Lima e Silva, que na ocasião recebeu o título de Barão de Caxias. (Boris Fausto, pp ). A Guerra dos Farrapos Em 1835, a Guerra dos Farrapos (ou Farroupilhas), maltrapilhos, gente vestida com farrapos, referencia inicial aos trajes usados por Cipriano Barata, quando nas Cortes de Lisboa. Onome trás uma incorreção pelo fato de seus participantes representarem a elite dos estancieiros, criadores de gado da província. 6

7 História Revolta dos Cabanos Prof. Thiago Scott As relações dos gaúchos com o mundo platino, em especial com o Uruguai, sempre foi muito grande, pois os grandes proprietários da região possuíam fortes contatos com os caudilhos uruguaios, inclusive com relações de casamentos. Por outro lado, a economia da província também apresentava uma integração com as demais regiões brasileiras, em especial pela criação de mulas, até as últimas décadas do século XVIII pela produção de trigo, pela criação de gado e produção de carne bovina em charque, que era fortemente consumindo nas demais regiões, na alimentação das populações pobres e escravos. Os criadores de gados e os produtores de charque formavam dois grupos distintos: os primeiros encontravam-se na região da Campanha, na fronteira com o Uruguai e os charqueadores tinham suas industrias no litoral, nas áreas das lagoas, como Rio Grande e Pelotas. O primeiro problema apontado pelas elites locais era o sistema tributário muito pesado, que acabava subsidiando outras províncias do sulcomo, por exemplo, Santa Catarina. Quando a revolta teve seu início, os estancieiros da fronteira contaram com o apoio de muitas camadas médias urbanas, contudo não contaram com os charqueadores que, por dependerem do Rio de Janeiro, acabaram apoiando o governo central. Os revoltosos pretendiam acabar com a taxação do gado ou reduzi-la na fronteira com o Uruguai, criando a livre circulação dos rebanhos e resistiam à criação da Guarda Nacional pois temiam que esta viesse a diminuir os seus poderes locais, já consolidados pelos pequenos exércitos regionais. Com os revoltosos, duas dezenas de revolucionários italianos refugiados no Brasil, entre eles Giuseppe Garibaldi. O principal líder do movimento foi Bento Gonçalves, filho de um rico estancieiro, organizador de muitas lojas maçônicas na fronteira, que foram utilizadas no movimento de conspiração contra o governo central. Bento Gonçalves e Davi Canabarro estenderam a guerra para o norte da província, tendo conquistado, inclusive, temporariamente o controle de Santa Catarina. Em 1838 foi proclamada a República do Piratini, tendo Bento Gonçalves como presidente, que estimulou à criação de gado e à exportação de charque e de couros. A reação do governo foi alternada por repressões e concessões, como o decreto de uma taxa de importação de 25% sobre a carne salgada vinda do Prata. Em 1842, Caxias foi nomeado presidente e comandante de armas da província e, em 1845, assina com Canabarro o acordo de paz. Foi concedida anistia aos revoltosos, os oficiais farroupilhas foram integrados ao Exército e o governo central. Embora não haja consenso entre os historiadores em relação ao caráter separatista do movimento, pode-se afirmar que todos os revoltosos lutaram pelo aumento da autonomia da província, com aumento da arrecadação interna e um pouco mais livre do centralismo do Rio de Janeiro. 7

8

BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS. Professor: Edson Martins

BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS. Professor: Edson Martins BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS Professor: Edson Martins Cabanagem (1835 1840) A rebelião explodiu no Pará Causas: revolta dos liberais contra o presidente nomeado pelo governo regencial situação de

Leia mais

Período Regencial Prof. Thiago História C Aula 11

Período Regencial Prof. Thiago História C Aula 11 Período Regencial 1831-1840 Prof. Thiago História C Aula 11 Regência Trina Provisória formada desde que Dom Pedro I abdicou ao trono do Brasil, responsável organizar a eleição da Regência Trina Permanente.

Leia mais

Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX. Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri

Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX. Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri Revoltas provinciais do período regencial Devido a excessiva centralização do poder político

Leia mais

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO DA HISTÓRIA DO BRASIL GOVERNO PADRE FEIJÓ

Leia mais

Rio de Janeiro Brasil Império

Rio de Janeiro Brasil Império Rio de Janeiro Brasil Império As revoltas regencias foram movimentos armados contra o governo e ocorreram em vários pontos do país entre 1835 e 1845 CABANAGEM BALAIADA MALÊS SABINADA FARROUPILHA CABANAGEM

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo BRASIL IMPÉRIO Primeiro e Segundo Reinados Prof. Rodrigo Toledo PRIMEIRO REINADO Definição O primeiro Reinado do Brasil é o nome dado ao período em que D. Pedro I governou o Brasil como Imperador, entre

Leia mais

O PERÍODO REGENCIAL ( ):

O PERÍODO REGENCIAL ( ): O PERÍODO REGENCIAL (1831 1840): Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente (1831

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO ( )

BRASIL IMPÉRIO ( ) Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente (1831 1834); Regência Una do Padre Feijó

Leia mais

CONSERVADORES LIBERAIS

CONSERVADORES LIBERAIS CONSERVADORES desejavam a criação de um governo fortemente centralizado, com uma monarquia dotada de amplos poderes LIBERAIS desejavam a criação de uma monarquia constitucional e a descentralização administrativa

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( )

PRIMEIRO REINADO ( ) PRIMEIRO REINADO (1822 1831) 7 de setembro de 1822 Independência ou morte? O grito do Ipiranga. Pedro Américo. 1888. A proclamação da Independência. François- René Moreaux. 1844. Os desafios após a independência

Leia mais

Está correto o que se afirma somente em a) II e III. b) I. c) I e II. Página 1 de 5

Está correto o que se afirma somente em a) II e III. b) I. c) I e II. Página 1 de 5 1. (Uece 2014) O período historicamente conhecido como Período Regencial foi caracterizado a) por rebeliões populares cujas ações exigiam o retorno da antiga realidade social com a volta de Pedro I ao

Leia mais

Primeiro Reinado. Professora Adriana Moraes História

Primeiro Reinado. Professora Adriana Moraes História Primeiro Reinado O Primeiro Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro I. Tem início em 7 de setembro de 1822, com a Independência do Brasil e termina em 7 de abril de

Leia mais

PERÍODO REGENCIAL O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes

PERÍODO REGENCIAL O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes PERÍODO REGENCIAL 1831-1840 O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes REGENTES são governantes que substituem o rei ou Imperador se forem menores

Leia mais

O Primeiro Reinado

O Primeiro Reinado O Primeiro Reinado 1822-1831 Contexto Pós proclamação da independência : Em 7 de setembro de 1822. Independência ou Morte!(Autoria Pedro Américo,1888 Contexto A nova Nação necessitava de organização político-administrativa;

Leia mais

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( )

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( ) ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO (1822-1831) Jean Baptiste Debret O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL INDEPENDENTE Estados Unidos da América A Doutrina Monroe (A América para os americanos )

Leia mais

Período Regencial ( )

Período Regencial ( ) HISTÓRIA DO BRASIL Período Regencial (1831-40) No período que foi de 1831 até 1840, o Brasil foi governado por regentes, uma vez que D. Pedro de Alcântara (futuramente D. Pedro II) ainda era menor de idade

Leia mais

H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder.

H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder. H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder. Período Regencial no Brasil Situação política no Brasil Grupos e Disputas

Leia mais

Primeiro reinado

Primeiro reinado Primeiro reinado 1822-1831 Professor: Tácius Fernandes Blog: www.proftaciusfernandes.wordpress.com Coroação de D. Pedro I (1 Dez 1822) Ordem social e econômica do período colonial: Latifúndio, monocultura,

Leia mais

SEGUNDO REINADO D. PEDRO II

SEGUNDO REINADO D. PEDRO II SEGUNDO REINADO D. PEDRO II 1840 1889 Golpe da Maioridade Proclamação da República GOVERNO = MONARQUIA PARLAMENTARISTA Segundo Reinado, a estrutura e a organização política, econômica e social do Brasil,

Leia mais

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil.

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado 1822-1831 As primeiras dificuldades do

Leia mais

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN SEGUNDO REINADO 1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS SEGUNDO REINADO Golpe da maioridade 1840 Novo gabinete do governo Liberal de curta existência. Conservadores retornam ainda no mesmo ano ao governo.

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO

BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO PRIMEIRO REINADO Portugueses em várias províncias tentaram resistir à independência: Bahia Pará Cisplatina apareceram camadas populares para derrotar resistências portuguesas

Leia mais

História do Brasil Império

História do Brasil Império História do Brasil Império Aula VII Objetivo: estudar as revoltas do período regencial. A) A Cabanagem no Pará. A situação do Pará estava conturbada desde a independência, quando a elite tradicional de

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 8º História Carol Av. Subst./Optat. 24/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 29 AS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 29 AS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 29 AS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL Como pode cair no enem (UFU) Durante o período das Regências e início do Segundo Reinado, diversas rebeliões colocaram em risco a estabilidade

Leia mais

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na Atividade de Estudo Geo/História 5º ano Nome: 1- LIGUE os itens abaixo corretamente. 2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na América? 3- ASSINALE as afirmativas erradas

Leia mais

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos.

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos. GOLPE DA MAIORIDADE Desde 1838, estava claro tanto para os LIBERAIS, quanto para os CONSERVADORES que somente a monarquia plena poderia levar o país a superar a sua instabilidade política. O golpe nada

Leia mais

Período Regencial ( )

Período Regencial ( ) HISTÓRIA DO BRASIL Período Regencial (1831-40) No período que foi de 1831 até 1840, o Brasil foi governado por regentes, uma vez que D. Pedro de Alcântara (futuramente D. Pedro II) ainda era menor de idade

Leia mais

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO DA HISTÓRIA DO BRASIL GOVERNO PADRE FEIJÓ

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 1 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 1 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou à Unidade 1 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê História 5 o ano Avaliação 1 o bimestre 1 Avaliação História NOME: ESCOLA:

Leia mais

BRASIL: SEGUNDO REINADO

BRASIL: SEGUNDO REINADO Período: 1840 1889 Golpe da Maioridade deu início ao Segundo Reinado CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO As Eleições do Cacete Disputa eleitoral entre: Partido Conservador e Partido Liberal Nessas eleições aconteceram

Leia mais

Movimentos nativistas e emancipacionistas

Movimentos nativistas e emancipacionistas Movimentos nativistas e emancipacionistas Crise do sistema colonial A Revolta de Beckman (1684) Conflito entre os proprietários de terras, a Companhia de Comércio e a missão jesuítica na região. Atividades

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA BRASIL IMPÉRIO E PERÍODO REGENCIAL PRIMEIRO REINADO 1822-1831 PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840-1889

Leia mais

O Império se fortalece

O Império se fortalece A UA UL LA MÓDULO 5 O Império se fortalece Nesta aula A luta contra o autoritarismo de D. Pedro I não havia sido fácil. Foram praticamente nove anos de conflitos entre o imperador e as elites brasileiras.

Leia mais

História. Confederação do Equador e Revolução Praieira. Professor Cássio Albernaz.

História. Confederação do Equador e Revolução Praieira. Professor Cássio Albernaz. História Confederação do Equador e Revolução Praieira Professor Cássio Albernaz www.acasadoconcurseiro.com.br História CONFEDERAÇÃO DO EQUADOR E REVOLUÇÃO PRAIEIRA Movimentos Liberais: Confederação do

Leia mais

Mantendo a unidade. Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos MÓDULO 5. Abertura. Movimento. Rio de Janeiro, a nova Lisboa?

Mantendo a unidade. Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos MÓDULO 5. Abertura. Movimento. Rio de Janeiro, a nova Lisboa? A U A UL LA MÓDULO 5 Mantendo a unidade Abertura Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos habitantes da zona tórrida; imitai os valentes das províncias que vão estabelecer seu governo debaixo do melhor

Leia mais

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil.

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado 1822-1831 As primeiras dificuldades do

Leia mais

Segundo Reinado Guerra do Paraguai

Segundo Reinado Guerra do Paraguai Segundo Reinado Segundo Reinado Guerra do Paraguai A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul no século 19. Rivalidades platinas e a formação de Estados nacionais

Leia mais

História 5 o ano Unidade 7

História 5 o ano Unidade 7 História 5 o ano Unidade 7 Nome: Unidade 7 Data: 1. A Revolução de 1930 ocorreu: ( ) durante a construção de Brasília. ( ) durante as eleições para a presidência do Brasil naquele ano. ( ) logo após a

Leia mais

Principais revoltas do período: Cabanagem, Balaiada, Sabinada e Revolução Farroupilha.

Principais revoltas do período: Cabanagem, Balaiada, Sabinada e Revolução Farroupilha. Principais revoltas do período: Cabanagem, Balaiada, Sabinada e Revolução Farroupilha. Observe no mapa abaixo a localização das principais revoltas do período regencial. A CABANAGEM (1834-1840) A Cabanagem

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

BRASIL COLÔNIA ( )

BRASIL COLÔNIA ( ) 2 - REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS: Século XVIII (final) e XIX (início). Objetivo: separação de Portugal (independência). Nacionalistas. Influenciadas pelo iluminismo, independência dos EUA e Revolução Francesa.

Leia mais

À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO. Peça de Arquitetura. A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano. Antônio Carlos Rios

À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO. Peça de Arquitetura. A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano. Antônio Carlos Rios À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO Peça de Arquitetura A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano Antônio Carlos Rios Marechal Deodoro da Fonseca Iniciado na Maçonaria em

Leia mais

GIVALDO CARIMBÃO (PSB/AL),

GIVALDO CARIMBÃO (PSB/AL), DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GIVALDO CARIMBÃO (PSB/AL), NA SESSÃO SOLENE REALIZADA EM.../.../..., PELA CÂMARA DOS DEPUTADOS EM HOMENAGEM AOS 188 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO ESTADO DE ALAGOAS. Senhor

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL - REGÊNCIA

HISTÓRIA DO BRASIL - REGÊNCIA 1. (Uece 2014) O período historicamente conhecido como Período Regencial foi caracterizado a) por rebeliões populares cujas ações exigiam o retorno da antiga realidade social com a volta de Pedro I ao

Leia mais

Transição da condição colonial para o país livre

Transição da condição colonial para o país livre CUBA Transição da condição colonial para o país livre Cuba era uma ilha habitada por povos indígenas quando tornou-se uma colônia da Espanha em 1509. Após o esgotamento dos metais preciosos, a exploração

Leia mais

QUESTÃO 01 EXPLIQUE o processo político que resultou na abdicação de D. Pedro I em 1831.

QUESTÃO 01 EXPLIQUE o processo político que resultou na abdicação de D. Pedro I em 1831. DISCIPLINA: História PROFESSORES: Leonardo, Renata e Paula. DATA: /12/2014 VALOR: 20,0 pts. NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 8º ANO/E.F. TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Caro Aluno (a), A avaliação

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: História Série: 8ª Ensino Fundamental Professora: Letícia História Atividades para Estudos Autônomos Data: 03 / 10 / 2016 Aluno(a): Nº: Turma:

Leia mais

EVOLUÇÃO POLÍTICA DE ROMA

EVOLUÇÃO POLÍTICA DE ROMA EVOLUÇÃO POLÍTICA DE ROMA Aula 08 história 01 Profº Thiago POVOAMENTO DA ITÁLIA E ORIGEM DE ROMA Ocupação da Península Itálica (2000 a.c.) Gregos Italiotas (latinos, sabinos, samnitas, volscos, etc.) Etruscos

Leia mais

História. Professores Oto & Silney

História. Professores Oto & Silney História Professores Oto & Silney Grécia ANTIGUIDADE OCIDENTAL Atenas Península Ática Jônios Comércio e Cultura Democracia Grécia Península do Peloponeso Dórios Militarismo Aristocracia Roma ANTIGUIDADE

Leia mais

PERÍODO COLONIAL

PERÍODO COLONIAL PERÍODO COLONIAL 1530-1808 POLÍTICA ADMINISTRATIVA 1º - SISTEMA DE CAPITANIAS HEREDITÁRIAS 1534-1548 2º SISTEMA DE GOVERNO GERAL 1548-1808 PERÍODO COLONIAL 1530-1808 ATIVIDADES ECONÔMICAS CICLO DO AÇÚCAR

Leia mais

UFSC. Resposta: 11. Comentário

UFSC. Resposta: 11. Comentário Resposta: 11 01. Correta. 02. Correta. 04. Incorreta. A divisão em períodos da história feita por historiadores europeus não necessariamente deve ser empregada, e não é por diferentes povos do mundo. Foi

Leia mais

Regências e Segundo Reinado. Alan

Regências e Segundo Reinado. Alan Regências e Segundo Reinado Alan O Período Regencial Inicia-se com a abdicação de D. Pedro I, em 07 de Abril de 1831 e segue até o Golpe da Maioridade, em 1840. Trata-se de um período marcado por especial

Leia mais

SEGUNDA REPÚBLICA A REVOLUÇÃO TRAÍDA GETÚLIO ASSUME E FICA A República Armada ( ) (Recapitulação)

SEGUNDA REPÚBLICA A REVOLUÇÃO TRAÍDA GETÚLIO ASSUME E FICA A República Armada ( ) (Recapitulação) Paulo Victorino 1930-1945 - SEGUNDA REPÚBLICA A REVOLUÇÃO TRAÍDA GETÚLIO ASSUME E FICA 005 - A República Armada (1889-1930) (Recapitulação) A Proclamação da Independência (1822) - A Proclamação da República

Leia mais

O IMPÉRIO NAPOLEÔNICO E O CONGRESSO DE VIENA COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O IMPÉRIO NAPOLEÔNICO E O CONGRESSO DE VIENA COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O IMPÉRIO NAPOLEÔNICO E O CONGRESSO DE VIENA 1799-1815 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS OS SIGNIFICADOS DA ASCENSÃO DE NAPOLEÃO O esgotamento político e social após 10 anos de revolução na França.

Leia mais

DIPLOMATAS PORTUGUESES NO BRASIL Por Carlos Eduardo Barata. Parte II (Continuação) = 1844 = 12 D. JOSÉ DE VASCONCELOS E SOUZA [o mesmo do ítem 11-2]

DIPLOMATAS PORTUGUESES NO BRASIL Por Carlos Eduardo Barata. Parte II (Continuação) = 1844 = 12 D. JOSÉ DE VASCONCELOS E SOUZA [o mesmo do ítem 11-2] DIPLOMATAS PORTUGUESES NO BRASIL Por Carlos Eduardo Barata Parte II (Continuação) = 1844 = 12 D. JOSÉ DE VASCONCELOS E SOUZA [o mesmo do ítem 11-2] A partir de 1844, aparece servindo na função de Encarregado

Leia mais

1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES

1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES 1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA A ERA JOANINA D. JOÃO VI Em 1806 Napoleão Bonaparte, seguindo sua política expansionista, decreta o Bloqueio Continental,

Leia mais

Campos Salles ( ), firmou um pacto de poder chamado de Política dos Governadores.

Campos Salles ( ), firmou um pacto de poder chamado de Política dos Governadores. Campos Salles (1898-1902), firmou um pacto de poder chamado de Política dos Governadores. Um compromisso político entre o governo federal e as oligarquias que governavam os estados tendo por objetivo acabar

Leia mais

O processo de independência do Brasil. Prof. Dieikson de Carvalho

O processo de independência do Brasil. Prof. Dieikson de Carvalho O processo de independência do Brasil Prof. Dieikson de Carvalho Levantes no Brasil A chegada da Família Real no Brasil Contexto sóciopolítico da Europa A chegada da Família Real no Brasil INGLATERRA MAIOR

Leia mais

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas Aula 13 e 14 A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Economia Mineradora do Século XVIII Setor 1601 2 As Reformas Pombalinas 3 ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar a crise do Antigo Sistema Colonial

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Série: 5ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professora:

Leia mais

Crise dos monopólios e pactos. Contestação do antigo regime, eclosão das revoluções liberais, ascensão burguesa.

Crise dos monopólios e pactos. Contestação do antigo regime, eclosão das revoluções liberais, ascensão burguesa. Período Joanino: 1808-1821 Contexto: Bloqueio continental napoleônico em 1806. Ameaça de intervenção francesa. recebe um ultimato franco-espanhol: fechar os portos aos ingleses, confiscar seus bens e Ascensão

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016 8º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula Programada (As tensões na Colônia) Páginas Tarefa 1 As tensões na Colônia 10 e 11 Mapa Mental 2 A viradeira 12 Exerc. 1 a 5

Leia mais

CADERNO 2 CAP. 2 AS REGÊNCIAS

CADERNO 2 CAP. 2 AS REGÊNCIAS EXERCÍCIO DE SALA Competência PARA ESTE EXERCÍCIO 3 CADERNO 2 CAP. 2 AS REGÊNCIAS Habilidade H15 Avaliar criticamente conflitos culturais, sociais, políticos, econômicos ou ambientais ao longo da história.

Leia mais

PRIMEIRO REINADO RESUMO

PRIMEIRO REINADO RESUMO PRIMEIRO REINADO RESUMO 1. INTRODUÇÃO: A independência brasileira foi uma revolta contra a recolonização que as Cortes portuguesas propunham e representam uma continuidade com o período joanino. O Império

Leia mais

GOVERNO DEODORO DA FONSECA

GOVERNO DEODORO DA FONSECA GOVERNO DEODORO DA FONSECA GOVERNO PROVISÓRIO (1889/1891) 1- Primeiras medidas: Fim do Senado vitalício e do conselho de Estado, Dissolução da Câmara dos Deputados, Separação entre Igreja e Estado (extinção

Leia mais

Trabalho de Regulação. 4 bimestre

Trabalho de Regulação. 4 bimestre V Nome: Ano: 6 ano Disciplina: História Data: Professor: Eder Nº: Trabalho de Regulação 4 bimestre 1 - Complete abaixo a Linha do Tempo da Roma Antiga e responda a seguir com suas palavras o que diferenciou

Leia mais

II- Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE HISTÓRIA

II- Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE HISTÓRIA 1) Leia a afirmativa abaixo que relaciona as conquistas territoriais às profundas alterações políticas, sociais e econômicas ocorridas entre os séculos II e I a.c. A República conquistara para Roma o seu

Leia mais

6 - INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA INGLESA

6 - INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA INGLESA 6 - INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA INGLESA Antecedentes históricos Inglaterra durante os séculos XVI e XVII Disputas religiosas (anglicanos x puritanos) e cercamentos de terras (enclosures) Motivaram as minorias

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 6 5 Unidade 6 Nome: Data: 1. Observe o esquema e responda às questões. Matérias- -primas Gêneros tropicais Colônia Pacto colonial Metrópole Escravos Produtos

Leia mais

Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos

Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos proprietários de terras, cujo objetivo era elaborar a primeira

Leia mais

Prof. Tácius Fernandes História

Prof. Tácius Fernandes História Prof. Tácius Fernandes História 1808 - Chegada da Família Real ao Brasil Abertura dos portos às Nações Amigas - Ruptura do Pacto Colonial. Capitalizar a economia inglesa - Vencer Napoleão. Adquiriu maior

Leia mais

Revolução Russa 1917

Revolução Russa 1917 Revolução Russa 1917 1 A RÚSSIA PRÉ-REVOLUCIONÁRIA Economia Predominantemente rural (latifúndios) com vestígios do feudalismo, muito atrasado economicamente. Mais da metade do capital russo provinha de

Leia mais

História Rafael Av. Trimestral 09/04/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

História Rafael Av. Trimestral 09/04/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 9º História Rafael Av. Trimestral 09/04/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17.

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17. 9. América Latina: lutas pela emancipação política Páginas 04 à 17. Mas por que essa parte da América é denominada latina? TROCA DE IDEIAS LEITURA DO TEXTO PÁGINA 04. QUESTÕES 1 e 2 PÁGINA 05. América

Leia mais

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com Conteúdo Multimídia Liberalismo e Democracia no Brasil do século XIX O ministério de José Bonifácio A Assembleia Constituinte A Carta outorgada de 1824 A Confederação do Equador (1824) Dificuldades e contradições

Leia mais

T I V I D A D E ALUNO (A): Nº

T I V I D A D E ALUNO (A): Nº SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2º TURMA(S):

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: História Série: 2ª - Ensino Médio Professora: Amanda Rezende História Atividades para Estudos Autônomos Data: 25 / 04 / 2016 Aluno(a): Nº.: Turma:

Leia mais

Brasil Império Período Regencial ( )

Brasil Império Período Regencial ( ) Brasil Império Período Regencial (1831 1840) Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 5.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 5.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 5.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

- SEGUNDO REINADO GUERRA DO PARAGUAI. Batalha Naval do Riachuelo A Batalha Naval do Riachuelo é considerada um dos maiores triunfos da História das

- SEGUNDO REINADO GUERRA DO PARAGUAI. Batalha Naval do Riachuelo A Batalha Naval do Riachuelo é considerada um dos maiores triunfos da História das 2 Reinado - SEGUNDO REINADO GUERRA DO PARAGUAI. Batalha Naval do Riachuelo A Batalha Naval do Riachuelo é considerada um dos maiores triunfos da História das Forças Armadas do Brasil. A sua deflagração

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 Queda da Bastilha) Antecedentes: - Ideais iluministas (liberais); - Abuso de poder da nobreza; - Pompa das cortes; - Déficit orçamentário;

Leia mais

REVOLUÇÃO RUSSA. Monique Bilk História

REVOLUÇÃO RUSSA. Monique Bilk História REVOLUÇÃO RUSSA Monique Bilk História CONTEXTO Rússia Feudal até 1860. (XIX) Monarquia absolutista, teocrática Czarismo. Aristocracia rural. No começo do século XX, a Rússia era um país de economia atrasada

Leia mais

Fontes manuscritas. Dilton Oliveira de Araújo

Fontes manuscritas. Dilton Oliveira de Araújo Fontes manuscritas Dilton Oliveira de Araújo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ARAÚJO, DO. Fontes manuscritas. In: O tutu da Bahia: transição conservadora e formação da nação, 1838-1850. Salvador:

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS Fixação 1) (FGV) Outra preocupação da Coroa foi a de estabelecer limites à entrada na região das minas. Nos primeiros tempos da atividade mineradora, a

Leia mais

PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO

PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO Prof. Alexandre Goicochea PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO PRÉ-COLONIAL:1500-1530 Prof. Alexandre Goicochea CARACTERIZAÇÃO Período Pré-colonial período da viagem de Cabral até 1530; Nas primeiras décadas de colonização,

Leia mais

A REVOLUÇÃO RUSSA. Professor: TÁCIUS FERNANDES Blog:

A REVOLUÇÃO RUSSA. Professor: TÁCIUS FERNANDES Blog: A REVOLUÇÃO RUSSA Professor: TÁCIUS FERNANDES Blog: www.proftaciusfernandes.wordpress.com RÚSSIA CZARISTA Final do século XIX 170 milhões de pessoas Economia agrária 85% da população vivia no campo camponeses

Leia mais

REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso

REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE/ TURMA: 1º ANO MÉDIO ABC BIMESTRE: 4º NÚMERO 1. Módulo 16 - Política e economia no Antigo Introdução do módulo, com aula em slides

Leia mais

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA ENSINO FUNDAMENTAL

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA ENSINO FUNDAMENTAL HISTÓRIA 8 ANO PROF.ª ISABEL SARAIVA ENSINO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 15.1 Conteúdos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PRISE - 2ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I MUNDOS DO TRABALHO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PRISE - 2ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I MUNDOS DO TRABALHO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PRISE - 2ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I MUNDOS DO TRABALHO Competências - Identificar e analisar as relações de trabalho compulsório em organizações sociais, culturais

Leia mais

PEP /2013-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0)

PEP /2013-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) 1 PEP /2013-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) Do estudo dos seguintes fatos históricos: Entradas e Bandeiras (1554 1725); União Ibérica (1580 1640),

Leia mais

Domínios Estrangeiros e Economia Colonial. Alan

Domínios Estrangeiros e Economia Colonial. Alan Domínios Estrangeiros e Economia Colonial Alan A França Antártica Passo inicial: expedição de Nicolas Durand de Villegaignon Chegaram à baía da Guanabara (RJ), em 1555 Junto de 290 colonos, aliaram-se

Leia mais

REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA)

REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA) REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA) PERÍODO JOANINO (1808 1821) PROF. JOÃO GABRIEL DA FONSECA joaogabriel_fonseca@hotmail.com Voltaire Rousseau Declaração de Independência

Leia mais

Economia do Brasil Imperial

Economia do Brasil Imperial Economia do Brasil Imperial Desde o início do Período Imperial, que se deu com a Independência do Brasil, em 1822, a economia do novo país era baseada na exportação de matérias-primas. Isto reduzia a força

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos)

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 1º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) Diagnóstico e atividades preparatórias (2 tempos) Rever a última matéria de 5ºano 3.3. A vida

Leia mais

BRASIL COLÔNIA ( )

BRASIL COLÔNIA ( ) 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor. Alto valor na Europa. Participação

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: História / ESTUDOS AUTÔNOMOS Série: 5ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professora: Data: 28 / 6 / 2016

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS DA PRIMEIRA REPÚBLICA ( )

MOVIMENTOS SOCIAIS DA PRIMEIRA REPÚBLICA ( ) VÍDEOAULAS MOVIMENTOS SOCIAIS DA PRIMEIRA REPÚBLICA (1889 1930) - PROF. JOÃO GABRIEL DA FONSECA joaogabriel_fonseca@hotmail.com Conflitos sociais: Movimentos Messiânicos: Líderes religiosos. Guerra de

Leia mais