MARIANA PRAVATTO. EFEITOS DO ULTRA-SOM TERAPÊUTICO 3MHz ASSOCIADO À ENDERMOTERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE E DA GORDURA LOCALIZADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARIANA PRAVATTO. EFEITOS DO ULTRA-SOM TERAPÊUTICO 3MHz ASSOCIADO À ENDERMOTERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE E DA GORDURA LOCALIZADA"

Transcrição

1 MARIANA PRAVATTO EFEITOS DO ULTRA-SOM TERAPÊUTICO 3MHz ASSOCIADO À ENDERMOTERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE E DA GORDURA LOCALIZADA FLORIANÓPOLIS - SC 2007

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE ED. FÍSICA, FISIOTERAPIA E DESPORTOS CEFID MARIANA PRAVATTO EFEITOS DO ULTRA-SOM TERAPÊUTICO 3MHz ASSOCIADO À ENDERMOTERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE E DA GORDURA LOCALIZADA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenadoria de Trabalhos Monográficos do Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos da Universidade do Estado de Santa Catarina para obtenção do grau de Bacharel em Fisioterapia. Orientadora: Prof. M.Sc. Mirella Dias FLORIANÓPOLIS SC 2007

3 MARIANA PRAVATTO EFEITOS DO ULTRA-SOM TERAPÊUTICO 3MHz ASSOCIADO À ENDERMOTERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE E DA GORDURA LOCALIZADA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenadoria de Trabalhos Monográficos do Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos da Universidade do Estado de Santa Catarina como requisito para obtenção de título de Bacharel em Fisioterapia. Banca Examinadora: Orientadora: Prof. M.Sc. Mirella Dias Universidade do Sul de Santa Catarina Membro: Prof. M. Sc. Micheline Henrique Araújo da Luz Koerich Universidade do Estado de Santa Catarina Membro: Prof. M. Sc. Ana Paula Fraga Lopes Universidade do Estado de Santa Catarina Florianópolis, 05 de Junho de 2007.

4 Dedico este trabalho aos meus pais, pelo amor, incentivo e participação em todos os momentos da edificação da minha formação pessoal e profissional.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço à Deus, pela presença em todas as horas; Aos meus pais, por terem me proporcionado todas as condições possíveis à minha formação, por estarem ao meu lado em todos os momentos compartilhando comigo as conquistas mais difíceis sendo assim capazes de transportar o sonho da realização profissional na mais fiel reprodução da realidade; À Tia Dulzi, pelo carinho e dedicação em todos esses anos; Ao meu irmão, Thiago, pela amizade e paciência, nas horas boas ou ruins, mas que sempre esteve ao meu lado; Ao meu noivo, Andrei, por todo amor e compreensão, pelo apoio e companheirismo, por todas as alegrias e o restaurador conforto dos seus braços nos momentos mais difíceis; Aos amigos, pelas conversas incentivadoras, pelas festas e horas de muita risada, fundamentais a cada dia; À minha orientadora, Mirella, pela força, atenção e ajudas concedidas até aqui; Às pacientes, por terem acreditado em mim e pela confiança depositada em minhas mãos; Enfim, agradeço à todos que, de alguma forma, compartilharam comigo e participaram deste momento único em minha vida!

6 Não basta ter belos sonhos para realizálos. Mas ninguém realiza grandes obras se não for capaz de sonhar grande. Podemos mudar o nosso destino se nos dedicarmos à luta pela realização de nossos ideais. É preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho; de examinar com atenção a vida real; de confrontar nossa observação com nosso sonho; de realizar escrupulosamente nossa fantasia. Sonhos, acredite neles. LENIN

7 RESUMO PRAVATTO, M.; DIAS, M. Efeitos do ultra-som terapêutico 3MHz associado à endermoterapia no tratamento do fibro edema gelóide e da gordura localizada. Monografia (Graduação em Fisioterapia) Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, A gordura localizada é definida como uma distribuição regional de gordura e pode ser classificada em ginóide ou andróide de acordo com o local da deposição excessiva. O fibro edema gelóide (celulite) é uma afecção encontrada em mais de 80% das mulheres e manifesta-se sob três tipos clássicos, independente de idade ou constituição física. Este estudo propõe o tratamento destas patologias através da associação de duas técnicas (ultra-som terapêutico 3MHz e endermoterapia) abordadas pela Fisioterapia Dermato-Funcional, visando comprovar cientificamente seus resultados. O objetivo deste é descrever as alterações promovidas pela associação de técnicas, relacionar as reduções de medidas e dos graus de celulite obtidos nas avaliações. A amostra é do tipo não-probabilística intencional, composta de 5 mulheres com idade entre 20 e 30 anos e que praticam atividade física, por pelo menos, duas vezes por semana. As pacientes foram submetidas à, no mínimo, 14, e no máximo, 24 intervenções de, aproximadamente 1 hora, em regime de três sessões semanais no período de dezembro de 2006 à fevereiro de Antes e após o tratamento foram avaliadas as variações de perimetria e de peso. A evolução do tratamento também foi analisada por meio de registro fotográfico e questionário objetivo quanto à satisfação das pacientes frente às técnicas propostas. Valores significantes de redução de perímetro corporal foram obtidos após a conduta terapêutica, bem como foram observadas também alterações cutâneas visíveis, sugerindo que o ultra-som terapêutico 3MHZ associado à endermoterapia, de fato, contribui para a redução do fibro edema gelóide e da gordura localizada. Palavras-chave: Fibro edema gelóide (celulite). Gordura localizada. Ultra-som. Endermoterapia.

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Regiões e tempos de terapia com Ultra-som...50 Tabela 2 Regiões e tempos de terapia com Endermoterapia...50 Tabela 3 Média, por região, da perimetria pré e pós-fisioterapia nas 5 pacientes...57 Tabela 4 Variação da perimetria, por região, nas 5 pacientes...59 Tabela 5 Graus do fibro edema gelóide, por região, pré e pós-fisioterapia - Sujeito Tabela 6 Graus do fibro edema gelóide, por região, pré e pós-fisioterapia Sujeito Tabela 7 Graus do fibro edema gelóide, por região, pré e pós-fisioterapia Sujeito Tabela 8 Graus do fibro edema gelóide, por região, pré e pós-fisioterapia Sujeito Tabela 9 Graus do fibro edema gelóide, por região, pré e pós-fisioterapia Sujeito Tabela 10 Perimetria pré e pós-fisioterapia SUJEITO 3 24 sessões...73

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Representação das profundidades da pele...22 Figura 2 Camadas da tela subcutânea: hipoderme e tecido adiposo...23 Figura 3 Sistema linfático...25 Figura 4 Constituição física andróide e ginóide...27 Figura 5 Fibro edema gelóide consistente (duro)...33 Figura 6 Fibro edema gelóide flácido...34 Figura 7 Fibro edema gelóide edematoso...34 Figura 8 Teste da casca de laranja...36 Figura 9 Teste da preensão...37 Figura 10 Equipamento Ultra-som terapêutico...38 Figura 11 Equipamento endermoterapia...42 Figura 12 Cabeçote endermoterapia...42 Figura 13 Nível de atividade de vida diária das participantes...53 Figura 14 Nível de stress das participantes...54 Figura 15 Uso de anticoncepcional...54 Figura 16 Percentual da redução de peso das pacientes...55 Figura 17 Médias de peso inicial e peso final das pacientes...56 Figura 18 Regiões com celulite: pré-tratamento Sujeito Figura 19 Regiões com celulite: pós-tratamento Sujeito

10 Figura 20 Regiões com celulite: pré-tratamento Sujeito Figura 21 Regiões com celulite: pós-tratamento Sujeito Figura 22 Regiões com celulite: pré-tratamento Sujeito Figura 22 Regiões com celulite: pós-tratamento Sujeito Figura 24 Regiões com celulite: pré-tratamento Sujeito Figura 25 Regiões com celulite: pós-tratamento Sujeito Figura 26 Regiões com celulite: pré-tratamento Sujeito Figura 27 Regiões com celulite: pós-tratamento Sujeito Figura 28 Satisfação quanto à metodologia da avaliação...69 Figura 29 Satisfação quanto à evolução do tratamento...69 Figura 30 Satisfação quanto aos resultados específicos do tratamento...69 Figura 31 Satisfação quanto aos conhecimentos da pesquisadora...70 Figura 32 Satisfação quanto à expectativa, tempo gasto e continuação do tratamento...70 Figura 33 Registro fotográfico antes (esq) e depois (dir) da paciente 3 submetida à 24 sessões de US 3MHz e endermoterapia. Vista posterior...,71 Figura 34 - Registro fotográfico antes (esq) e depois (dir) da paciente 3 submetida à 24 sessões de US 3MHz e endermoterapia. Vista lateral direita...72 Figura 35 Registro fotográfico antes (esq) e depois (dir) da paciente 3 submetida à 24 sessões de US 3MHz e endermoterapia. Vista lateral esquerda...72 Figura 36 Registro fotográfico antes (esq) e depois (dir) da paciente 3 submetida à 24 sessões de US 3MHz e endermoterapia. Vista anterior...73

11 LISTA DE ABREVIATURAS CEFID FEG UDESC US mmhg cm Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos Fibro Edema Gelóide Universidade do Estado de Santa Catarina Ultra-som Milímetros de Mercúrio Centímetros % Porcento min Minuto(s)

12 LISTA DE APÊNDICES APÊNDICE 1 - Ficha de Avaliação APÊNDICE 2 - Questionário de satisfação quanto ao tratamento APÊNDICE 3 - Consentimento para fotografias, vídeos e gravações APÊNDICE 4 - Declaração de ciência e concordância das instituições envolvidas APÊNDICE 5 - Termo de consentimento livre e esclarecido APÊNDICE 6 - Validação Ficha de Avaliação / Validação Questionário de satisfação quanto ao tratamento

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Gerais Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA DELIMITAÇÃO DO ESTUDO LIMITAÇÕES DO ESTUDO DEFINIÇÃO DE TERMOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TECIDOS E CÉLULAS Tecido Conjuntivo Tecido Adiposo Célula adiposa Pele Hipoderme ou Tela Subcutânea SISTEMA LINFÁTICO PATOLOGIAS Gordura Localizada Fibro Edema Gelóide (Celulite) Definição Etiopatogenia Fatores predisponentes Fatores determinantes Evolução histopatológica Classificação clínica Identificação do fibro edema gelóide Estágios do fibro edema gelóide RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS Ultra-Som terapêutico 3MHz Endermoterapia O EXERCÍCIO FÍSICO E A QUEIMA DE GORDURA METODOLOGIA DO ESTUDO TIPO E NATUREZA DO ESTUDO...46

14 3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ANÁLISE DOS DADOS Instrumentos Coleta de dados TRATAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA FATORES PREDISPONENTES AO FIBRO EDEMA GELÓIDE EXAME FÍSICO Peso corporal Perimetria Escala gráfica visual do fibro edema gelóide Questionário de satisfação quanto ao tratamento Registros fotográficos CONCLUSÃO E SUGESTÕES...76 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...78 APÊNDICES...82 ANEXO - Protocolo de aprovação para regulamentação da pesquisa Comitê de Ética em Seres Humanos...94

15 1 INTRODUÇÃO Com o intuito de devolver ao indivíduo seu equilíbrio funcional, as buscas incessantes por conhecimentos mais precisos sobre as causas dos desequilíbrios não param (CARDOSO, 2002). O excesso de peso alcança valores relevantes e atinge todas as classes sócio-econômicas, estando diretamente relacionado com o índice de morbidade, incluindo hipertensão, diabetes mellitus tipo II e moléstias cardiovasculares. O aumento do percentual de gordura é conseqüência da elevação da ingestão calórica em detrimento da demanda energética (MILREAU, 2005). Guirro & Guirro (2004) afirmam que a celulite, mais corretamente denominada Fibro Edema Gelóide (FEG), é um distúrbio que afeta os tecidos cutâneo e adiposo em diversos graus, que serão abordados ao longo deste estudo. Provoca alterações vasculares, estruturais, morfológicas e químicas que resultam no inestético aspecto macroscópico. Além disso, é uma afecção que acarreta problemas álgicos nas zonas acometidas e provoca sérias complicações, podendo levar até à quase total imobilidade dos membros inferiores, além de dores e problemas emocionais. A gordura localizada, apresenta-se como um desenvolvimento irregular do tecido conjuntivo subcutâneo. Neste caso, os adipócitos apresentam-se aumentados em regiões específicas com irregularidade do tecido e aparência ondulada, conforme afirma Cardoso (2002). Além dos meios convencionais como dieta hipocalórica e/ou exercícios físicos, o tratamento com Ultra-som associado à Endermoterapia possibilita efeitos de grande importância para redução de medidas e diminuição do grau do Fibro Edema Gelóide, mais conhecido como celulite, por aumentar o metabolismo local e melhorar a vascularização das células, determinando uma maior hidrólise dos triglicerídeos dos depósitos de gordura (LEITE, 2006). O Ultra-som e a Endermoterapia já tiveram sua eficiência comprovada na medicina e mais recentemente na estética apresentando-se como um importante, porém novo método terapêutico no combate ao Fibro Edema Gelóide e à gordura localizada. A associação destas duas técnicas aliada a uma atividade de vida diária saudável, à prática de exercício regular e a uma alimentação balanceada visa

16 melhorar a qualidade de vida e satisfação pessoal das pessoas que se submetem a este tipo de tratamento. À partir daí, surge o problema que será abordado nesta pesquisa: O tratamento com ultra-som e endermoterapia poderá reduzir o Fibro Edema Gelóide e a gordura localizada? 1.1 OBJETIVOS Objetivos Gerais - Verificar se o tratamento com ultra-som associado à endermoterapia poderá reduzir o Fibro Edema Gelóide e a gordura localizada Objetivos Específicos - Descrever as alterações providas pelo tratamento com ultra-som e endermoterapia aos indivíduos da pesquisa; - Relacionar numericamente, se ocorrerem reduções de medidas em locais prédeterminados pelo tratamento; - Verificar se houve redução dos graus de celulite detectados na avaliação inicial dos indivíduos. 1.2 JUSTIFICATIVA Este estudo experimental visou demonstrar os resultados do tratamento com a associação de duas técnicas utilizadas na fisioterapia dermato-funcional (ultra-som e endermoterapia) no Fibro Edema Gelóide e na gordura localizada. Estudos como este surgem para demonstrar que métodos mais recentes, mas não menos cientificamente comprovados, são subsídios fundamentais, tanto na cura quanto na prevenção de patologias como o Fibro Edema Gelóide.

17 Mulheres com excesso de peso e presença de celulite, isto foi o ideal de beleza de um passado muito remoto. Este ideal ou padrão de beleza é abominado pelas mulheres atuais, que tem como critério de beleza feminina o tipo magro, corpo malhado com formas definidas e ausência de celulite. Sabe-se que a celulite é desencadeada à partir de um acúmulo de líquidos nos espaços intercelulares, que gera uma série de alterações dérmicas e hipodérmicas severas, que, se não forem tratadas precocemente evoluem para um estágio extremamente grave, conhecido como casca de laranja (MASTROROCCO, 2001). Para q ue se estabeleça um tratamento adequado é necessário que se faça uma criteriosa avaliação e diagnóstico do grau ou estágio da celulite e a presença de gorduras localizadas, como serão descritos neste estudo. Tendo em vista o conceito de saúde difundido pela Organização Mundial de Saúde - OMS que diz que saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença, destaca-se, aqui, a importância desse experimento e seus resultados, com o intuito de promover recursos que previnam e tratem qualquer tipo de agravo que abale o bem estar do indivíduo na sua totalidade. 1.3 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Este estudo delimitou-se à aplicação de terapia com Ultra-som 3MHz associado à Endermoterapia em 5 pacientes, por, no mínimo, 14 sessões, 3 vezes por semana. Os sujeitos da pesquisa foram 5 mulheres de 20 à 30 anos que apresentaram celulite e gordura localizada em regiões de abdômen e quadril (todas ou em partes), que praticavam atividade física (pelo menos 2x por semana), nãofumantes, e foram submetidas às avaliações e ao tratamento proposto. 1.4 LIMITAÇÕES DO ESTUDO Registram-se aqui as limitações encontradas quanto ao número de sessões e tempo de duração das mesmas.

18 Das 5 mulheres que participaram da pesquisa, apenas uma (1) realizou na sua totalidade o programa de tratamento (24 sessões). As restantes assim distribuídas realizaram: 20, 18, 17 e 14 sessões cada uma, pela simples falta de adesão pelas mesmas ao tratamento inicial proposto de 24 sessões. A terapia indicada inicialmente deveria ter duração de 28 minutos em cada equipamento, segundo cálculos realizados pela autora, de acordo com Guirro & Guirro (2004) que afirma serem necessários 2 minutos para áreas próximas de 10 cm². Porém, devido ao grande movimento de clientes na clínica durante o período de coleta dos dados, este tempo teve que ser reduzido em 7 minutos cada (US e Endermoterapia), não prejudicando a logística do atendimento das mesmas. 1.5 DEFINIÇÃO DE TERMOS - Fibro Edema Gelóide: desordem localizada que afeta o tecido dérmico e subcutâneo com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante, que resulta no inestético aspecto macroscópico (GUIRRO & GUIRRO, 2004; NETO et al., 2003). - Gordura localizada: distribuição regional de gordura que pode ser classificada em ginóide (quando a deposição excessiva está localizada em quadril e coxas) e andróide (quando a deposição excessiva é na área abdominal) (SANDOVAL, 2005; GUIRRO & GUIRRO, 2004). - Edema: acúmulo de quantidades anormais de líquido nos espaços intercelulares ou nas cavidades do organismo e é conseqüência de um aumento nas forças que tendem a mover os fluidos do compartimento intravascular ao insterticial (DANGELO & FATTINI, 1995; GUIRRO & GUIRRO, 2004).

19 - Ultra-Som Terapêutico 3MHz: equipamento de eletroterapia capaz de converter energia elétrica em mecânica e transmiti-la através de transdutores pizoelétricos para penetrarem no corpo, exercendo efeitos sobre células e tecidos mediante mecanismos físicos térmicos e atérmicos (LOW & REED, 2001; KITCHEN & BAZIN, 2001). - Endermoterapia: equipamento que engloba a técnica da drenagem linfática com sucção/aspiração acrescida de uma mobilização tecidual efetuada por ventosas e rolos que fazem compressão sobre o tecido com celulite e gordura localizada, promovendo assim uma mobilização profunda da pele e da tela subcutânea permitindo um incremento na circulação sanguínea superficial (FALCÃO, 2006; GUIRRO & GUIRRO, 2004). - Fisioterapia Dermato-Funcional: Área de atuação da fisioterapia que contempla a estética. Se ocupa em restaurar e melhorar a aparência mas também a função em benefício da saúde do paciente no seu mais amplo sentido (GUIRRO & GUIRRO, 2004).

20 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O sucesso do tratamento de qualquer patologia depende, essencialmente, do seu pleno conhecimento. Os distúrbios abordados pela Fisioterapia Dermato- Funcional produzem alterações fisiológicas importantes, tanto no nível celular quanto no tecidual (GUIRRO & GURRO, 2004). Portanto, cabe aqui uma breve revisão de alguns conceitos fundamentais à compreensão dos mecanismos envolvidos. 2.1 TECIDOS E CÉLULAS Tecido conjuntivo Os tecidos conjuntivos caracterizam-se por apresentar tipos diversos de células, separadas por abundante material intercelular, que é sintetizado por elas e representado pelas fibras do conjuntivo e pela substância fundamental amorfa. Banhando este material e também as células há uma pequena quantidade de fluido, o líquido intersticial. Há uma homeostasia nos tecidos conjuntivos, isto é, a quantidade e a qualidade de colágeno nos diferentes órgãos ou tecidos são ativamente reguladas em nível local. O material intercelular do tecido conjuntivo é formado por substância fundamental e fibras. O tecido conjuntivo apresenta fibras colágenas, elásticas e reticulares, podendo existir mais de um tipo de fibra em um mesmo tecido. As fibras predominantes de um determinado tecido são as responsáveis pelas propriedades do mesmo, sendo assim classificado o tecido conjuntivo propriamente dito em: tecido conjuntivo frouxo, tecido conjuntivo denso e tecido conjuntivo de propriedades especiais, onde neste encontram-se os tecidos adiposo, elástico, reticular e mucoso (FERREIRA, 1995).

21 2.1.2 Tecido Adiposo Uma grande quantidade de lipídeos está freqüentemente armazenada em dois tecidos importantes do corpo, no tecido adiposo e no fígado. O tecido adiposo é, em geral, designado como depósito lipídico ou, simplesmente, depósito de gordura. Sua principal função é o armazenamento de triglicerídios até que estes sejam necessários para fornecer energia em outra parte do corpo. Uma função subsidiária, contudo, é a de proporcionar isolamento térmico do corpo. As células adiposas do tecido adiposo são fibroblastos modificados capazes de armazenar triglicerídios praticamente puros em quantidades iguais a 80 a 95% de seu volume. Elas também podem sintetizar uma quantidade muito pequena de ácidos graxos e triglicerídios a partir dos carboidratos, esta função suplementa a síntese hepática de lipídios. As lipases teciduais estão presentes em grande quantidade no tecido adiposo. Algumas dessas enzimas catalisam a deposição dos triglicerídios derivados dos quilomícrons e de outras proteínas. Outras, quando ativadas por hormônios, promovem clivagem dos triglicerídios das células dos ácidos graxos, os triglicerídios nas células adiposas liberando ácidos graxos livres. Devido às rápidas trocas dos ácidos graxos, os triglicerídios nas células adiposas são renovados, aproximadamente, uma vez a cada 2 a 3 semanas, o que indica que os lipídios armazenados, hoje, nos tecidos não são os mesmos que estavam armazenados mês passado, enfatizando o estado dinâmico dos lipídios armazenados (GUYTON, 1998). O tecido adiposo tem como função principal o armazenamento de energia em forma de triglicerídeos, suas células, os adipócitos, apresentam seu desenvolvimento a partir de células semelhantes aos fibroblastos, multiplicam-se durante a infância e adolescência, permanecendo um número constante durante a vida adulta. Sendo que no adulto pode variar a quantidade de lipídio depositado em seu interior (FERREIRA, 1995) Célula adiposa As células adiposas, ou adipócitos, ocorrem isoladamente ou em grupos nas malhas de muitos tecidos conjuntivos, sendo especialmente numerosas no tecido

22 adiposo. À medida que a gordura se acumula, as células aumentam de tamanho e se tornam globulosas, a gordura aparece, primeiramente, como pequenas gotas que, posteriormente, juntam-se para formar uma só gota. A mobilização da gordura está sob o controle nervoso e hormonal que leva à liberação de ácidos graxos e glicerol, os quais passam para o sangue. A noradrenalina liberada nas terminações pós-ganglionares dos nervos simpáticos do tecido adiposo é, particularmente, importante a este respeito, quando o organismo está sujeito a atividades físicas intensas, jejum prolongado ou frio (GARTNER, 1999). Guirro & Guirro (2004) citam que, acredita-se que os adipócitos evoluam dos fibroblastos, tanto no desenvolvimento normal como em várias circunstâncias patológicas, como no caso da distrofia muscular, onde ocorre a destruição de células musculares e substituição por tecido conjuntivo adiposo. Estas células estão em contato com a porção profunda da derme, sendo que o seu conjunto constitui a hipoderme, e são encontradas sobre a rede de colágeno. Também conhecidas como adipócitos, são agrupadas em forma de cachos de uva, os lóbulos adiposos, que são separados por paredes de conjuntivo, os septa lobulares. A troca gasosa entre as células adiposas e a corrente sanguínea é intensa, contribuindo para isso a rica vascularização do tecido conjuntivo. Pelas paredes interlobulares conjuntivas passam os vasos sanguíneos e as terminações nervosas (JUNQUEIRA & CARNEIRO, 1995) Pele A pele é o maior órgão do corpo humano, o mais extenso e revestido de grande complexidade. Com cerca de 1,5 2 m² de área, a pele é muito mais do que o simples invólucro do corpo (SIMÕES, 2001). A pele é composta de duas camadas principais: 1) a epiderme, camada superficial composta de células epiteliais intimamente unidas e 2) a derme, camada mais profunda composta de tecido conjuntivo denso irregular (Figura 1). Apresenta múltiplas funções, entre as quais a proteção contra agentes físicos, químicos e biológicos do ambiente, e ser relativamente impermeável, graças à camada de queratina que recobre a epiderme (GUIRRO & GUIRRO, 2004).

23 Figura 1 Representação das profundidades da pele Fonte: HIPODERME OU TELA SUBCUTÂNEA Tecido sobre o qual a pele repousa, formado por tecido conjuntivo que varia do tipo frouxo ou adiposo ao denso nas várias localizações e nos diferentes indivíduos. A hipoderme conecta frouxamente a pele e a fáscia dos músculos subjacentes, o que permite aos músculos contraírem-se sem repuxar a pele. Dependendo da região em estudo e do grau de nutrição do organismo, a hipoderme pode ter uma camada variável de tecido adiposo, sendo que nele se deposita a maior parte dos lipídios nas pessoas obesas. A distribuição de gordura não é uniforme em todas as regiões do corpo. Nos indivíduos normais, algumas regiões nunca acumulam gordura, como a pálpebra, a cicatriz umbilical, a região esterna, o pênis e as dobras articulares. Em outras regiões, pelo contrário, há maior acúmulo de tecido adiposo: a porção proximal dos membros, a parede abdominal, especialmente as porções laterais (GUIRRO & GUIRRO, 2004).

24 Sampaio, Castro e Rivitti (1992) citam que, além da função de reservatório energético, o tecido adiposo apresenta outras funções, tais como: 1) isolamento térmico do organismo, por ser um mau condutor de calor; 2) modela a superfície corporal, e dependendo do sexo localiza-se em diferentes regiões; 3) os coxins adiposos servem para absorção de choques; 4) tecido de preenchimento e auxiliar na fixação dos órgãos; os rins podem sofrer ptoses nos indivíduos magros ou naqueles que diminuem de peso muito rapidamente, pela falta de gordura perirrenal. O metabolismo do tecido adiposo é complexo, nele intervindo também o hormônio de crescimento, os glicocorticóides, a insulina e o hormônio tiroidiano. A tela subcutânea (Figura 2) compõe-se, em geral, de duas camadas, das quais a mais superficial é chamada areolar (adipócitos globulares e volumosos) onde os vasos sanguíneos são numerosos e delicados. Na camada lamelar, mais profunda, sendo ocorre aumento de espessura e ganho de peso, com aumento do volume dos adipócitos. Na camada lamelar ocorre a maior mobilização de gorduras quando o indivíduo obeso inicia um programa de redução ponderal (GUIRRO & GUIRRO, 2004). Figura 2 Camadas da Tela Subcutânea: Hipoderme e Tecido Adiposo Fonte: Os mesmos autores afirmam ainda que as mulheres em qualquer faixa etária possuem em média maior quantidade de gordura total que os homens. A

25 mobilização de lipídeos acontece com velocidades diferentes nas regiões femoral e abdominal. Estes são mobilizados mais lentamente na região femoral pois os adipócitos desta região são maiores e sofrem a influência dos hormônios sexuais femininos. Estes se caracterizam por serem metabolicamente mais estáveis e resistentes à lipólise. A concentração de tecido adiposo das regiões glúteo-femorais caracteriza a obesidade ginóide ou do tipo feminino. Diversos fatores influenciam a lipólise ou lipogênese, como a insulina que estimula a lipogênese. Sua afinidade é aumentada pelo estrógeno e prolactina, sendo diminuída pela progesterona, testosterona, hormônio luteotrófico e glicocorticóides. Uma dieta rica em carboidratos e hipercalórica estimula a lipogênese por aumentar a ação da enzima lipoproteínalipase (LPL), assim como a progesterona. O exercício físico diminui a concentração plasmática de insulina. 2.2 SISTEMA LINFÁTICO O sistema linfático (Figura 3) representa uma via acessória pela qual os líquidos podem fluir dos espaços instersticiais para o sangue. E o mais importante é que os linfáticos podem remover proteínas e grandes partículas dos espaços teciduais e nenhum deles pode ser removido por absorção diretamente para o sangue capilar. Essa remoção de proteínas dos espaços intersticiais é uma função absolutamente essencial, sem a qual morreríamos em, cerca de, 2 horas. Com exceção de alguns, quase todos os tecidos do corpo possuem canais linfáticos que drenam o excesso de líquido diretamente dos espaços intersticiais. A maior parte do líquido que filtra dos capilares arteriais flui por entre as células e finalmente é reabsorvida de volta para as extremidades venosas dos capilares sangüíneos; mas cerca de um décimo de líquido entra nos capilares linfáticos e retorna ao sangue pelo sistema linfático e não pelos capilares venosos. O sistema linfático também é uma das principais vias para a absorção de nutrientes do tubo gastrintestinal, sendo responsável principalmente pela absorção de gorduras. Após uma refeição com alto teor de gordura, a linfa chega a conter até 1 a 2 % de gordura (LEDUC & LEDUC, 2000).

26 Figura 3 Sistema Linfático. Fonte: CRUZ, O sistema linfático assemelha-se ao sistema sangüíneo, que está intimamente relacionado anatômica e funcionalmente ao sistema linfático. Esse importante sistema possui várias funções importantes: retorno do líquido intersticial para a corrente sangüínea, destruição de microorganismos e partículas estranhas da linfa, e respostas imunes específicas, como a produção de anticorpos. Quando o líquido intersticial passa para dentro dos capilares linfáticos recebe a denominação de linfa que apresenta uma composição semelhante à do plasma sangüíneo. A linfa

27 consiste principalmente de água, eletrólitos e de quantidades variáveis de proteínas plasmáticas que escaparam do sangue através de capilares sangüíneos. A linfa difere do sangue principalmente pela ausência de células sangüíneas. O fluxo da linfa é relativamente lento; aproximadamente três litros de linfa penetram no sistema cardiovascular em 24 horas. Esse fluxo é lento porque, ao contrário do sistema cardiovascular, depende de forças externas e internas ao organismo para fluir, tais como: a gravidade, os movimentos passivos, a massagem ou a contração muscular, a pulsação das artérias próximas aos vasos, o peristaltismo visceral e os movimentos respiratórios (DANGELO & FATTINI, 1995). A quantidade de líquido nos espaços intersticiais depende da pressão capilar, da pressão do líquido intersticial, da pressão oncótica, da permeabilidade dos capilares, do número de capilares ativos, do fluxo linfático e do volume total de líquido extracelular. Alterações em algum desses parâmetros leva a variações no volume do líquido intersticial. O excesso de líquido é fator determinante do que classificamos como edema. O termo edema refere-se ao acúmulo de quantidades anormais de líquido nos espaços intercelulares ou nas cavidades do organismo e é conseqüência de um aumento nas forças que tendem a mover os fluidos do compartimento intravascular ao intersticial (GUIRRO & GUIRRO, 2004). Destacando-se as funções básicas do sistema linfático defesa contra agentes invasores, formação do mecanismo imunológico e retorno do excesso de líquido intersticial e proteínas à corrente sanguínea pode-se também destacar que um dos principais papéis dos linfáticos é a prevenção do edema (CAMARGO & MARX, 2000). 2.3 PATOLOGIAS Gordura localizada Definida por Guirro & Guirro (2004) como distribuição regional de gordura, os mesmos afirmam que ainda há bastante confusão quanto a esta distribuição. A obesidade marcada por deposição na área abdominal é denominada obesidade

28 central ou andróide. Quando à deposição excessiva estiver localizada nos quadris e coxas, a obesidade é denominada periférica ou ginóide (figura 4). Figura 4 Constituição física andróide e ginóide FONTE: Há 8 a 10% mais gordura corporal no sexo feminino do que no masculino, em média. Devemos recordar que nas mulheres a gordura essencial representa entre 9 e 12% e, nos homens, 3%; isso faz uma grande diferença, que é devida à diferenciação hormonal de cada sexo. As mulheres em idade universitária mantêm entre 20 e 25% de seu peso corporal em gordura. As que se mantêm ativas no esporte e possuem uma alimentação saudável e balanceada possuem, em média, entre 15 e 18% de gordura corporal, mas, nas sedentárias, observa-se entre 25 e 27%. Para as esportistas essa quantidade de gordura é inaceitável porque diminui seu rendimento (SANDOVAL, 2005). Apesar de vários recursos prometerem ações isoladas nessas regiões de acúmulo de gordura, como a determinação é genética, se o indivíduo engordar, esse acúmulo de gordura será novamente distribuído para estas regiões (GUIRRO & GUIRRO, 2004).

29 2.3.2 Fibro edema gelóide (celulite) Definição É um espessamento não inflamatório das capas subepidérmicas, às vezes doloroso, que se manifesta em forma de nódulos ou placas de variada extensão e localização, assim definido clinicamente por Guirro & Guirro (2004). O fibro edema gelóide é uma afecção benigna que atinge as mulheres, não apresentando risco de vida ou potencial inabilitante, porém, um problema que afeta a vida afetiva, causando importante desconforto emocional (NETO et al., 2003). Os mesmos autores ainda afirmam que, sem dúvida, trata-se de uma desordem localizada que afeta o tecido dérmico e subcutâneo com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante, que resulta no inestético aspecto macroscópico. O fibro edema gelóide, além de ser desagradável aos olhos, no seu ponto de vista estético, acarreta problemas álgicos nas zonas acometidas e diminuição das atividades funcionais. Trata-se de um tecido mal-oxigenado, subnutrido, desorganizado e sem elasticidade, resultante de um mau funcionamento do sistema circulatório e das consecutivas transformações do tecido conjuntivo. Consoante Cardoso (2002), o fibro edema gelóide resulta, na maioria dos casos, de um problema circulatório, uma vez que a circulação se processa lentamente. Assim, os capilares se enfraquecem, propiciando a perda do plasma para o exterior dos vasos sanguíneos e conseqüentemente levando ao aumento de líquido nos espaços intercelulares. O organismo então reage criando uma barreira fibrosa, que encarcera as células adiposas, desenvolvendo, então, o fibro edema gelóide. A popularmente conhecida celulite, cientificamente denominada lipodistrofia ginóide (L.D.G.) configura-se como uma alteração do relevo cutâneo, que ocorre principalmente nas mulheres, nas regiões da cintura pélvica, membros inferiores e abdômen, caracterizada por um aspecto acolchoado e em casca de laranja (CONTI & PEREIRA, 2003). Para Horibe (2000), o fibro edema gelóide é uma alteração genuína e locorregional do panículo adiposo subcutâneo, determinante do formato corporal

30 característico da mulher, com perda do equilíbrio histofisiológico local e que atinge principalmente a região dos quadris e das coxas Etiopatogenia Ciporkin & Paschoal (1992) mencionam destaque à múltiplos fatores causadores de FEG que podem se classificar como: - Fator Predisponente: a herança: corresponde à susceptilidade genética; - Fator Desencadeante: o hiperestrogenismo; - Fatores Coadjuvantes: endógenos e exógenos - todos aqueles que participam no processo tanto para provocá-lo quanto para agravá-lo Fatores predisponentes São fatores que somados a outros de pode ter uma probabilidade razoável de instalação do fibro edema gelóide (LOPES, 2003 e ROSSI, 2001). - Genéticos: Fornecidos pela presença de genes múltiplos com capacidade de expressão em pele de tecido celular subcutâneo de certas regiões (ROSSI, 2001). Segundo Guirro & Guirro (2004), a incidência para o desenvolvimento do FEG é maior na raça branca quando comparada às raças negra e amarela. - Sexo: Acomete preferencialmente as mulheres, em 95% dos casos (ZANI, 1994). Guirro & Guirro (2004), ressaltam que a mulher apresenta um número duas vezes maior de adipócitos em relação ao homem e que, o corpo feminino tem tendência ao acúmulo graxo nos glúteos e coxas, gordura sexoespecífica, ao passo que no homem, tais acúmulos situam-se predominantemente no abdômen. Os estrógenos estimulam enzimas que produzem uma acumulação de gordura nos adipócitos, com conseqüente aumento de tamanho e provocam retenção de líquidos gerando o edema (BERTRANOU, 2003).

31 - Idade: As primeiras alterações do FEG apresentam-se muitas vezes ainda durante a puberdade, período em que alterações hormonais elevam a taxa de estrogênios no sangue (URLICH, 1982). - Desequilíbrio hormonal: Os estrógenos e a progesterona induzem um tamanho maior dos adipócitos e um número maior em certos locais. A testosterona faz com que o tamanho e o número de adipócitos localizados em regiões trocantéricas sejam reduzidos. Os catecolestrógenos que são metabóllitos dos estrógenos são produzidos com o extravasamento causado pela estase circulatória, e competem com as catecolaminas, ocasionando diminuição de glucagon e cisteína. Esta redução retarda o metabolismo celular com acúmulo de toxinas e metabólitos. Por outro lado, ocorre também redução dos hormônios tireoidianos, com conseqüente diminuição da lipólise produzindo um maior acúmulo de triglicérides intra adipocitários (ROSSI, 2001) Fatores determinantes - Estresse: Campos (1999) afirma que o estresse leva ao fibro edema gelóide por produzir alterações hormonais, por causar uma tensão maior na musculatura, comprimindo ainda mais os vasos e por alterações na oxigenação. A ansiedade afeta as secreções hormonais, interferindo no tecido gorduroso subcutâneo. Assim, pessoas agitadas, sobrecarregadas de preocupações e problemas, têm maior propensão para adquirir o fibro edema gelóide (ZANI, 1994). - Maus hábitos Alimentares: Uma dieta rica em gorduras e hidratos de carbono ou mesmo o baixo consumo hídrico e excessivo consumo de sal agravam o quadro microcirculatório com aumento da resistência capilar. Açúcares refinados, alimentos gordurosos, chocolate e refrigerantes são alimentos que agravam o quadro metabólico (ROSSI, 2001). O gás das bebidas, o gás carbônico CO2, transforma-se, quando dissolvido em água, em ácido carbônico. O excesso desta substância na derme e hipoderme provoca a acidificação dos tecidos, cujo ph é normalmente alcalino. Esta alteração

32 provoca endurecimento das fibras protéicas (colágeno e elastina), que perdem sua capacidade de reter líquido, com diminuição da elasticidade da pele e do tecido adiposo, além de induzir alterações de permeabilidade e resistência dos capilares sangüíneos (LEITE, 2003). - Fumo: O uso isolado ou concomitante de café, fumo e álcool favorece em grande escala o aparecimento e o agravamento do fibro edema gelóide, por alterações da microcirculação e diminuição da oxigenação, ocorrendo também a formação de radicais livres e o aumento da lipogênese em função do uso de álcool (ROSSI, 2001). - Sedentarismo: A falta de exercícios físicos pode levar a uma hipotonia muscular de glúteos e coxas, levando ao aparecimento ou agravando o fibro edema gelóide. Nürnberger & Muller (1978) apud LUZ (2003) confirmaram isto após observarem a inexistência de celulite em mulheres atletas. Além disso, ocorre também uma diminuição da circulação loco-regional, com diminuição do gasto calórico, redução dos estímulos adrenérgicos nos receptores adipocitários, diminuição da utilização de glicose pelo músculo e aumento da massa gordurosa (IBRAPE, 2001). - Desequilíbrios e pertubações metabólicas: Diabetes, hipotireioidismo e altas dosagens de cortisona determinam aparecimento do FEG (ROSSI, 2001). - Alterações posturais: As alterações posturais como hiperlordose lombar, anteversão pélvica e joelhos valgos ou varos são atribuídas, mas não confirmadas, como perturbações hemodinâmicas importantes (GUIRRO & GUIRRO, 2004) Evolução Histopatológica À seguir são descritas as alterações que ocorrem no nível tecidual, sendo divididas em quatro fases histológicas, segundo Guirro & Guirro (2004): - Primeira fase: Hipertrofia das células adiposas, um acúmulo patológico de lipídeos se desenvolve no adipócito provocando a hipertrofia da célula e empurrando o núcleo para a periferia. Ocorre um atraso na facilidade de drenagem do líquido intercelular e o tecido fica inundado. É a fase congestiva simples que pode ser temporária ou transitória. A persistência dessa congestão e conseqüente tensão do

33 tecido conjuntivo implicam em alterações nos vasos e criação de um círculo vicioso que evolui para a cronicidade da patologia. - Segunda fase: Os produtos residuais não utilizados pelas células desempenham o papel de um corpo estranho no tecido conjuntivo, provocam reações químicas como tentativas de defesa contra esses elementos anormais. Ocorre proliferação das fibras colágenas e o tecido adquire uma consistência gelatinosa. É o processo de floculação e de precipitação de substância amorfa no tecido conjuntivo. - Terceira fase: Ocorre irritação das fibras teciduais dissociando-as em fibrilas promovendo uma lesão acelerada. Origina-se um tecido fibroso, comprimindo os elementos do tecido, formando uma barreira a todas as trocas vitais. Alguns autores consideram esta fase irreversível. - Quarta fase: O processo é contínuo e nota-se o espessamento do tecido conjuntivo interadipocitário. O tecido fibroso torna-se esclerosado. Com o endurecimento tecidual muito denso é produzida uma irritação contínua nas terminações nervosas, resultando em dores à palpação, desproporcionais à pressão exercida ou mesmo sem motivo exterior Classificação Clínica O FEG exterioriza-se e manifesta-se sob diferentes aspectos. De acordo com Guirro & Guirro (2004), embora com características diferentes, a afecção primária permanece a mesma. Possui sempre as mesmas causas, as mesmas transformações essenciais e fundamentais do tecido conjuntivo, os mesmos sinais e sintomas e as mesmas conseqüências. Segundo classificação feita por Leonard apud Guirro & Guirro (2004), os tipos de fibro edema gelóide distinguem-se pelas alterações teciduais como decorrência da tonicidade muscular associada ao problema. Já para Betrand apud Guirro & Guirro (2004), as formas clínicas levam em conta a consistência do infiltrado. Segundo estes autores, as alterações podem caracterizar os seguintes quadros: Fibro edema gelóide consistente (duro): Grande espessamento da pele, aumento dos tecidos superficiais, nítido acolchoamento sem mobilidade ao teste da preensão. Percebem-se equimoses, varicosidades e extremidades

34 frias, além de edema. É encontrado em obesos, peso médio ou ligeiramente elevado que nunca tenham tido uma anterior perda de peso importante, também vista em indivíduos de peso inferior ao normal. Pode ser observada em indivíduos que praticam atividade física constantemente, inclusive com musculatura bem definida, onde o sedentarismo não é fator de influência, o que dificultará o tratamento (Figura 5); Figura 5 Fibro edema gelóide consistente (duro) Fonte: LUZ, Fibro edema gelóide brando ou difuso (flácido): É a forma mais importante, tanto em número quanto nas manifestações aparentes. Apresenta-se em indivíduos com hipotonia muscular. Distribui-se sem resistência ao contato dos elementos exteriores, segue a forma determinada pela posição: deitada, sentada ou em pé. Na palpação nota-se vários núcleos endurecidos e placas rígidas. São comuns as varicosidades e sensação de peso nos membros acometidos, e pela diminuição da tonicidade muscular, tem-se a impressão de estar arrastando um peso. Edemas pela resistência dos tecidos que permite o acúmulo fácil de líquido e déficit circulatório associado. Encontrado em indivíduos que obtiveram perda de peso sem associação da atividade física, nos acima do peso que não praticam atividade física ou nos de peso normal, porém sedentários (Figura 6);

35 Figura 6 Fibro edema gelóide flácido Fonte: LUZ, Fibro edema gelóide edematoso: Aspecto exterior de um edema tecidual puro e simples. À palpação, percebem-se placas rígidas, aspecto enrugado ou casca de laranja e pressão dos tecidos superficiais. Pode acometer indivíduos adultos ou jovens, obesos ou não (Figura 7); Figura 7 Fibro edema gelóide edematoso Fonte: LUZ, 2003.

36 Fibro edema gelóide misto: Podemos encontrar fibro edema gelóide firme nas coxas associado a flácido no abdômen, ou então um fibro edema gelóide muito firme na coxa lateralmente, e um muito flácido medialmente Identificação do Fibro Edema Gelóide Uma das funções desempenhadas pelo tecido conjuntivo é de ligação entre os planos musculares e o revestimento cutâneo. As transformações deste tecido, principalmente o aumento da sua densidade, em vez de permitir a mobilidade da pele, fixam-na aos planos profundos. Tais alterações nem sempre se fazem por igual, de maneira que a pele apresentará um aspecto acolchoado, o pregueamento cutâneo, um espessamento aparente, irregular, que nos mostra uma sucessão de saliências e depressões, correspondente ao edema intercelular, hipertrofia e hiperplasia adipocitária, além da fibro esclerose (GUIRRO & GUIRRO, 2004). Ciporkin & Paschoal (1992) afirmam que os sinais e sintomas ao exame físico são detectados: - À inspeção: superfície irregular, com depressões alternadas com protuberâncias. Pele em casca de laranja por tumefação dos planos superficiais e dilatação dos poros foliculares, aspecto acetinado por diminuição da camada epidérmica, estrias por ruptura das fibras elásticas da derme, equimoses por fragilidade capilar, microvarizes por tentativa de revascularização superficial; - À palpação (que deve ser feita por pinçamento, palpação profunda, pressão deslizante ou palpação profunda com movimentos de rolamento): aumento da espessura do celular subcutâneo, da consistência, da sensibilidade à dor e diminuição da sua mobilidade por aderência. As quatro evidências clínicas encontradas na palpação do fibro edema gelóide, citadas por Guirro & Guirro (2004), classicamente conhecidas como tétrade de Ricoux são: Aumento da espessura do tecido celular subcutâneo; Maior consistência tecidual; Maior sensibilidade à dor;

37 Diminuição da mobilidade por aderência aos planos mais profundos. No exame físico, é importante a propedêutica de inspeção e palpação, na posição ortostática, pois em decúbito acontece acomodação dos tecidos, capaz de mascarar o grau de acometimento dos tecidos. O primeiro teste para reconhecer o fibro edema gelóide consiste no teste da casca de laranja (Figura 8), onde pressiona-se o tecido adiposo entre os dedos polegar e indicador ou entre as palmas das mãos, e a pele se parecerá com uma casca de laranja, com aparência rugosa. Figura 8 Teste da casca de laranja Fonte: GUIRRO & GUIRRO, O outro teste é denominado de teste da preensão (pinch test) (Figura 9). Após a preensão da pele juntamente com a tela subcutânea entre os dedos, promove-se um movimento de tração. Se a sensação dolorosa for mais incômoda do que o normal, este também é um sinal do fibro edema gelóide, onde já encontra alteração da sensibilidade.

38 Figura 9 Teste da preensão Fonte: GURRO & GUIRRO, Na palpação das regiões atingidas, podemos notar, rolando entre os dedos, numerosos nódulos muito duros, semelhantes a grãos de chumbo, que são os nódulos do infiltrado tecidual. Além disso, encontra-se um aumento local da sensibilidade dolorosa, aumento do volume e da consistência do tecido celular subcutâneo, além da deformação da pele e dos tecidos pelas aderências (GUIRRO & GUIRRO, 2004) Estágios do fibro edema gelóide Embora a classificação do fibro edema gelóide possa ser dividida em até quatro graus, de acordo com o aspecto clínico e histopatológico, a mais utilizada na anamnese de rotina é a classificação em três graus distintos, a qual apresenta as alterações clínicas mais marcantes (GUIRRO & GUIRRO, 2004). Segundo Ulrich apud Guirro & Guirro (2004), as lesões teciduais surgem em três estágios, subdivididos segundo a gravidade de cada um: a) Fibro edema gelóide brando (grau 1): somente percebido pela compressão do tecido entre os dedos ou da contração muscular voluntária. Não é visível à inspeção e não há alteração da sensibilidade à dor; b) Fibro edema gelóide moderado (grau 2): As depressões são visíveis mesmo sem a compressão dos tecidos, mas ficam ainda mais aparente mediante a

39 compressão dos mesmos e já pode haver alteração da sensibilidade e é freqüentemente curável; c) Fibro edema gelóide grave (grau 3): Percebido em qualquer posição, ortostática ou em decúbito. A pele fica enrugada e flácida. A aparência por apresentar-se cheia de relevos, assemelha-se a um saco de nozes, a sensibilidade à dor está aumentada e as fibras do conjuntivo estão quase totalmente danificadas. Considerado incurável ainda que passível de melhora. De acordo com o autor, o fibro edema gelóide brando é sempre curável, o moderado é frequentemente curável e o grave é considerado incurável, ainda que passível de melhora. 2.4 RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS Ultra-som terapêutico 3 MHz O ultra-som (Figura 10) refere-se às vibrações mecânicas que são essencialmente as mesmas das ondas sonoras, porém com uma freqüência mais alta. A vibração se incorpora ao som com freqüências em torno de 20Hz. A forma de onda longitudinal associada com som não é de natureza magnética. O som segue as regras da física no que diz respeito à reflexão, absorção, refração e dispersão, e está compreendido entre 500 KHz e 3 MHz (KAHN, 2001; BISSCHOP, 2001 e LOW & REED, 2001). Figura 10 Equipamento Ultra-som terapêutico. Fonte:

40 O ultra-som terapêutico pode ser utilizado nas freqüências de 1 ou 3 MHz, dependendo da profundidade da estrutura a ser irradiada. É de conhecimento geral que as freqüências maiores apresentam índice de atenuação maiores, sendo portanto, indicadas para o tratamento de tecidos superficiais como ocorre no fibro edema gelóide. Vale destacar que apesar de a profundidade de penetração da onda ultrasônica ser menor nas freqüências maiores, o maior nível de freqüência proporciona um aquecimento maior nos tecidos superficiais (GUIRRO & GUIRRO, 2004). Para fins terapêuticos são usados transdutores pizoelétricos que convertem energias elétricas em mecânicas e as transmitem à partir do ultra-som de altafreqüência. Apresentam cristais adequadamente cortados em seu interior, sendo que o mais utilizado é o quartzo, e são influenciados por carga elétrica, isto é, o aparelho de ultra-som é composto de um gerador de alta freqüência e um disco de quarto pizoelétrico movido pela corrente elétrica, fechado dentro de um invólucro metálico (projetor, transdutor ou emissor). O transdutor deve ser utilizado adequadamente através de movimentos circulares repetidos que devem sobrepor-se (BISSCHOP, 2001; LOW & REED, 2001). Segundo Kitchen & Bazin (1998), quando o ultra-som penetra no corpo, este pode exercer um efeito sobre as células e tecidos mediante dois mecanismos físicos: térmico e atérmico. Quando o ultra-som desloca-se através dos tecidos, uma parte dele é absorvida, e isso conduz à geração de calor dentro do tecido. A quantidade de absorção depende da natureza do tecido, seu grau de vascularização, e da freqüência do ultra-som. O aquecimento controlado pode produzir efeitos desejáveis como: alívio da dor, aumento do fluxo sangüíneo, entre outros (KITCHEN & BAZIN, 1998). Um de seus efeitos fisiológicos são as reações químicas, pois as vibrações do ultra-som estimulam o tecido a aumentar as reações e os processos químicos locais, e assegurar a circulação dos eletrodos e radicais necessários por recombinação. A resposta biológica se dá pelo aumento da permeabilidade das membranas o que acentua a transferência dos fluidos e nutrientes aos tecidos. Quanto às respostas mecânicas, existe a cavitação que nada mais é que a vibração em alta-freqüencia que deforma a estrutura molecular das substâncias tão fortemente unidas (KAHN, 2001).

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC Índice de Massa Corporal Classificação quanto a Distribuição de Gordura: Difusa: distribuição generalizada por todo o corpo Androide: relacionada a

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P.

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P. 1 AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P. RESUMO Na atualidade a nova arma de combate à lipodistrofia ginóide é o Heccus, um aparelho computadorizado

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição Produto INCI Definição SLIMBUSTER H Water and Butylene Glycol and PEG-40 Hydrogenated Castor Oil and Ptychopetalum Olacoides Extract and Trichilia Catigua Extract and Pfaffia sp Extract Biocomplexo anticelulítico

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

C O NJUNTIVO D I C E T

C O NJUNTIVO D I C E T C NJUNTIVO TECIDO ORIGEM EMBRIONÁRIA Mesoderma OBS.: Os tecidos conjuntivos da cabeça se originam das células das cristas neurais (neuroectoderma). CARACTERISTICAS MORFOLÓGICAS Formado por inúmeros tipos

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

LIPOXYN Tripeptídeo-41

LIPOXYN Tripeptídeo-41 LIPOXYN Tripeptídeo-41 O poder dos FATORES DE CRESCIMENTO no tratamento de GORDURA LOCALIZADA e CELULITE Mecanismo de ação INOVADOR: INIBE a diferenciação de adipócitos e combate a recidiva do panículo

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). A PELE CONHECENDO

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000).

O termo celulite foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000). O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000). Desde então alguns termos são utilizados para designá-la,

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Celulite. O que é? LIPO = relativo a gordura DISTROFIA = demonstra desordem nas trocas metabólicas do tecido. GINÓIDE = gino = mulher Oide = forma de

Celulite. O que é? LIPO = relativo a gordura DISTROFIA = demonstra desordem nas trocas metabólicas do tecido. GINÓIDE = gino = mulher Oide = forma de MOISKIN Corporal O que é? Celulite Conjunto de alterações no tecido conjuntivo subcutâneo em conjunto com alterações na microcirculação e consequentemente aumento do tecido fibroso. Conhecida como lipodistrofia

Leia mais

A patroa quer emagrecer

A patroa quer emagrecer A patroa quer emagrecer A UU L AL A Andando pela rua, você passa em frente a uma farmácia e resolve entrar para conferir seu peso na balança. E aí vem aquela surpresa: uns quilinhos a mais, ou, em outros

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA DE POMPAGEM. Pompagem

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA DE POMPAGEM. Pompagem Pompagem Dentre as várias técnicas da terapia manual, a Pompagem é uma das mais simples de ser aplicada e traz benefícios aos pacientes quase de imediato. Foi desenvolvida por um osteopata Norte-Americano

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

COMPLETE R. Redução da Celulite. Informações Técnicas

COMPLETE R. Redução da Celulite. Informações Técnicas Informações Técnicas COMPLETE R Redução da Celulite INCI NAME: Water, Propylene Glycol, Caffeine, L-Carnitine, Imidazolidinyl Urea, Methylparaben and Propylparaben. INTRODUÇÃO A celulite é uma deformação

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E RUGAS

ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E RUGAS ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E RUGAS BIOTIPOS CUTÂNEOS Pele normal Pele lisa, fina, firme, sólida; Há um equilíbrio das secreções sebáceas e sudoríparas; Elástica e flexível; Ausência visível de lesões ou desconforto.

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS

FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS ESTRIA DEFINI DEFINIÇÃO ÃO Atrofia tegumentar adquirida, de aspecto linear Dispõem-se paralelamente umas as outras perpendicularmente às linhas de fenda da pele Desequilíbrio

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada.

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. Produto INCI Definição Propriedades SLIMBUSTER L Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. - Diminui a gordura localizada

Leia mais

Catálogo de EQUIPAMENTOS

Catálogo de EQUIPAMENTOS Catálogo de EQUIPAMENTOS Estética Mais Setembro de 2015 comercial@esteticamais.com 1 Apresentação da Empresa A Revivre é uma marca italiana, fundada nos anos 70, e desde sempre fortemente orientada para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES COMUNS ENTRE MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE ATENDIDAS EM UM CENTRO ESTÉTICO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ ENTRE 2006 E 2008.

ANÁLISE DOS FATORES COMUNS ENTRE MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE ATENDIDAS EM UM CENTRO ESTÉTICO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ ENTRE 2006 E 2008. ANÁLISE DOS FATORES COMUNS ENTRE MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE ATENDIDAS EM UM CENTRO ESTÉTICO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ ENTRE 2006 E 2008. ¹Carine Gotardo - Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia em

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO

DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO 4.00.00.00-1 - CIÊNCIAS DA SAÚDE 4.08.00.00-8 - Fisioterapia e Terapia Ocupacional DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO SUZANA APARECIDA

Leia mais

EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE)

EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE) EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE) Elaine Pickler Oenning 1 Melissa Medeiros Braz 2 RESUMO O fibro edema gelóide (FEG), popularmente conhecido

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares.

Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares. Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares. Hábitos alimentares normalmente se referem a um amplo conceito de preferências, costumes e modos de comer, de um indivíduo ou população. Vários fatores

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE AMBIENTE TÉRMICO O ambiente térmico pode ser definido como o conjunto das variáveis térmicas do posto de trabalho que influenciam o organismo do trabalhador, sendo assim um fator importante que intervém,

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO

A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO Andressa da Silva Luz 2 Roberta Pires da Silva 3 Prof. Adriana Caixeta 4 O fibro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais