ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA"

Transcrição

1 ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

2 Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda sonora não muda de meio, retorna com direção que depende da diferença entre os meios e do ângulo de incidência. Absorção

3 Atenuação: Obs. A atenuação também depende da freqüência de aplicação do ultrasom Como é produzido o ultrasom? Obs.: As rajadas de ultrasom são provocadas por excitação/nãoexcitação no elemento piezo-elétrico

4 ULTRA-SOM Física As ondas do US são produzidas por energia mecânica. Frequência de 1 a 3 MHz são usadas em Fisioterapia. Variáveis que dependem da Frequência (F) Aumenta F Diminui comprimento de onda Diminui colimação do feixe (paralelismo) Diminui profundidade de penetração

5 Propriedade piezoeletrica Causada pela compressão e dilatação do cristal (efeito vibratório) Material com características de gerar tensão elétrica quando submetidas a stress mecânico (deformação) - PZT (titanato de zirconato)

6 US (1MHz) A taxa de absorção da gordura é muito baixa US (3MHz) Estruturas mais superficiais Penetra menos, pois absorve mais Melhores efeitos terapêuticos que 1 MHz

7

8 KLD Biosistemas (2005)

9 Absorção do US Depende: Tº, densidade e viscosidade do tecido, quantidade de proteína, água e gordura, frequência do US. Quanto mais proteína, mais absorve Quanto mais água, menos absorve Quanto mais gordura, menos absorve APLICAÇÃO SUBAQUÁTICA

10 TIPOS DE US Contínuo - Emite ondas sônicas contínuas - sem modulação - efeitos térmicos - alteração da pressão - micro-massagem - efeitos não-térmicos Pulsado - Emite ondas sônicas pulsadas - modulação em amplitude (F = 16 a 100 Hz) - alteração da pressão - efeitos térmicos minimizados - efeitos atérmicos

11

12 EFEITOS FÍSICOS Agitação acústica Oscilação dos tecidos e movimento dos fluidos Aumento da permeabilidade das membranas Aumento transporte Ca ++ p/ interior das células (síntese protéica) * 16 HZ ou múltiplos (regeneração tecidual acelerada) abre canais Ca ++ Alberts 1989 Liberação de histamina (agentes para cicatrização)

13 Frequência de Pulso - Modulação Pacote 100 Hz 16 Hz 48 Hz 50% ,25 31, % , % 1 9 6,25 56, % 0,5 9,5 3,125 59, Hz = 1 ciclo por segundo 1s = 1000ms Na F = 100 Hz abaixo 10% não gera calor, acima 20% começa com pouco calor Na F = 16 Hz nem com 10% se pode usar em fase aguda pq causa calor em todas os pacotes Para contrabalancear usa-se 48 Hz que é múltiplo de 16 Hz e não causa calor com 10%

14 Contínuo calor 16 Hz (síntese protéica/regeneração) Modo F pulso 48 Hz (US) 100 Hz (AIF e analgésico) Pulsado Pacote 50% (crônica) 20% (subaguda) 10% (aguda e subaguda) 5% (aguda)

15 Efeitos biológicos Aumento permeabilidade das membranas Aumento transporte de íons Ca ++ Degranulação de mastócitos (fagocitose) Liberação histaminas Diminui atividade elétrica dos tecidos Aumenta atividade enzimática nas células Aumenta síntese de colágeno e proteínas

16 Efeitos terapêuticos Regeneração tissular Síntese de proteínas Estimulação do calo ósseo (?) Aumento circulação Diminuição de espasmos AIF, RELAXAMENTO MUSCULAR, ANALGÉSICO E REGENERAÇÃO TECIDUAL

17 Indicações Traumatismo tecido ósseo e muscular Tendinites e bursites OA e artrite Espondilite anquilosante Transtornos circulatórios (Raynaud, Sudeck, edema) Anomalias tróficas (tecido cicatricial, Dupuytren, úlceras)

18 Contra-indicações Olhos / coração / útero gravídico (? ), testículos Placas epifisárias Tecido cerebral Endoprótese / material osteossíntese Tumores Tromboflebites e varizes Inflamação séptica

19 Frequência 1 MHz tecido profundo 3 MHz tecido superficial Tempo: 15 minutos (máximo) Cabeçote: Varia de 1 a 5 cm 2 ERA (área efetiva de radiação) Técnicas e aplicação Meios condutores (gel, óleo, pomadas, água)

20 Cavitação É a formação de pequenas bolhas gasosas nos tecidos como resultado da vibração do US. Quando as bolhas implodem (US estacionário), causam aumento da pressão e mudanças de temperatura, resultando em danos aos tecidos

21 DOSIMETRIA Dose = Intensidade x Tempo de aplicação Contínuo Máximo: 2 W/cm 2 Intensidade baixa < 0,3 W/cm 2 Intensidade média 0,3 a 1,2 W/cm 2 Intensidade alta 1,2 a 2 W/cm 2 A Intensidade alta é utilizada para diminuir aderências, soltar tecido fibroso Acima destes valores há risco de lesões dos tecidos superficiais

22 Half-Value Distance (D/2) Como não há uma profundidade na qual toda energia tenha sido absorvida, é usual especificar uma profundidade da metade do valor, ou seja, a profundidade ou distância na qual metade da energia inicial tenha sido absorvida. D/2 é 50% de atenuação

23

24 US Pulsado Nervo 1,0 a 1,2 w/cm2 Músculo 0,8 a 1,2 w/cm2 Cápsula 0,6 a 0,8 w/cm2 Tendão 0,5 a 0,7 w/cm2 Ligamento 0,4 a 0,6 w/cm2 Bursa 0,3 a 0,5 w/cm2 Para nervo e músculo, a I é maior por ter muita água na formação

25 TEMPO DE APLICAÇÃO Máximo de 15 minutos AREA A SER TRATADA / ERA DO CABEÇOTE Tempo mínimo de 1 minuto por cm de ERA Início após 24-36h do trauma (poderá danificar os vasos sanguíneos em recuperação) Quadro agudo: sessões diárias / Quadro crônico: 2 a 3 x semana

26 Ex. Lesão 8 cm 2cm 8 x 2 = 16 cm 2 16 / 4 = 4 minutos Áreas maiores que esta usaremos OC, CIV, etc

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Painel Setorial de Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Prof. Dr. Rinaldo R J Guirro Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Universidade Metodista de

Leia mais

Descrição da Eletroterapia :

Descrição da Eletroterapia : Descrição da Eletroterapia : A Eletroterapia consiste no uso de correntes elétricas dentro da terapêutica. Os aparelhos de eletroterapia utilizam uma intensidade de corrente muito baixa, são miliamperes

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

ULTRA SOM - HISTÓRIA

ULTRA SOM - HISTÓRIA ULTRA SOM Usa ondas de som para interagir com tecidos Mostra características específicas de tecidos Ondas mecânicas e longitudinais que viajam através da matéria Em ondas longitudinais, o movimento do

Leia mais

TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM

TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM Rev. 00 Elaborado por: Bianca Pínola Longo baseado em literatura. PARTE I Introdução O ultra-som consiste em vibrações mecânicas de alta freqüência. São ondas

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

ondas de choque Terapia

ondas de choque Terapia ondas de choque Terapia contato@btlnet.com.br www.btlnet.com.br Todos os direitos reservados. A elaboração deste catalogo foi efetuada com todo o critério para fornecer informações corretas e atualizadas

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

ULTRA SOM TERAPEUTICO

ULTRA SOM TERAPEUTICO INTRODUÇÃO ULTRA SOM TERAPEUTICO Prof. Vinicius Coca www.viniciuscoca.com www.fb.com/profviniciuscoca Som é toda onda mecânica perceptível ou não ao ouvido humano. Onda é toda perturbação que se propaga

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Química

Biofísica Bacharelado em Química Biofísica Bacharelado em Química Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 3 Ondas, som e introdução a bioacústica. Objetivos: Nesta aula iremos rever os conceitos sobre as ondas mecânicas em particular

Leia mais

Princípios de Ultrassom

Princípios de Ultrassom Princípios de Ultrassom Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.edu.br SUMÁRIO AULA 1 - Princípios de Ultrassom - Introdução - Princípios físicos - Transdutores - Sistemas de Imagens de Ultrassom AULA 2 Aplicações

Leia mais

VANESSA LUZIA PADILHA,

VANESSA LUZIA PADILHA, VANESSA LUZIA PADILHA, fisioterapeuta graduada pela Universidade Positivo (2004). Especialista em Fisioterapia Dermato Funcional (estética) pela Faculdade Evangélica do Paraná (2005). Consultório: Rua

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

11/28/2012 ULTRA SOM. Professora : Ms. Rubia Dutra BIOFÍSICA 1) PROPAGAÇÃO

11/28/2012 ULTRA SOM. Professora : Ms. Rubia Dutra BIOFÍSICA 1) PROPAGAÇÃO Professora : Ms. Rubia Dutra BIOFÍSICA 1) PROPAGAÇÃO As ondas sonoras necessitam de um meio para se propagarem (líquidos, gases, e sólidos). Não se propagam no vácuo. A velocidade da onda ultra sônica

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

Manual de Instruções. ULTRA SONIC 1 e 3MHz

Manual de Instruções. ULTRA SONIC 1 e 3MHz Manual de Instruções ULTRA SONIC 1 e 3MHz Índice Introdução... 3 História do ultra-som... 3 Ultra Sonic 1 e 3MHz Fitto... 3 Ultra-som... 4 Impedância acústica... 4 Reflexão... 5 Refração... 5 Absorção...

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

Ecocardiografia Intracardíaca

Ecocardiografia Intracardíaca Universidade do Minho Engenharia Biomédica Ramo de Electrónica Médica Projecto (4º ano / 2º semestre) Docente: Paulo Mateus Mendes Débora Ferreira nº 39234 Gualtar, 14 Julho de 2006 Plano da apresentação

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

Lasers. Lasers em Medicina Diagnóstico e Terapia. Interacção da luz laser com tecidos. OpE - MIB 2007/2008. - Reflexão, absorção e scattering

Lasers. Lasers em Medicina Diagnóstico e Terapia. Interacção da luz laser com tecidos. OpE - MIB 2007/2008. - Reflexão, absorção e scattering Lasers OpE - MIB 2007/2008 - Reflexão, absorção e scattering Lasers II 2 1 - Absorção A luz que se propaga no interior de um material sofre, muitas vezes, absorção pelo material. A atenuação da irradiância

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência.

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência. PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: ONDAS Física Dudu 01. F.M. Triângulo Mineiro MG. III) No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas caminham com uma mesma velocidade, independentemente

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

Programa de Revisão Paralela 4º Bimestre

Programa de Revisão Paralela 4º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Revisão Paralela 4º Bimestre

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Sistemas de Medidas e Instrumentação

Sistemas de Medidas e Instrumentação Sistemas de Medidas e Instrumentação Parte 3 Prof.: Márcio Valério de Araújo 1 Medição de Nível Capítulo VII Nível é a altura do conteúdo de um reservatório Através de sua medição é possível: Avaliar o

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

Manual de Instruções. ULTRA-SOM 3MHz

Manual de Instruções. ULTRA-SOM 3MHz Manual de Instruções ULTRA-SOM 3MHz Índice Introdução... 4 História do ultra-som... 4 História da iontoforese... 4 Ultra-som Tone Derm... 4 Ultra-som... 6 Impedância acústica... 6 Reflexão... 7 Refração...

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

Fisioterapia Geral 1

Fisioterapia Geral 1 ),6,27(5$3,$ *(5$/! #"$% &('*)+-,./)102!+4& 57698:6@?A46 :5B:C=1;DE=1:F;K%H Fisioterapia Geral 1 Termoterapia 2003.2 LMONQPSRTVU TERMOTERAPIA... 6 CONCEITO:... 6 CLASSIFICAÇÃO:...

Leia mais

Introdução a eletroestética

Introdução a eletroestética Agentes físicos: Introdução a eletroestética -Corrente elétrica, ondas eletromagnéticas, ondas ultrasônicas -Calor -Luz -Água -Movimento Interação dos agentes físicos (aparelhos) x tecido biológico (pele/corpo

Leia mais

Escola Secundária Vitorino Nemésio

Escola Secundária Vitorino Nemésio Escola Secundária Vitorino Nemésio Ano lectivo 2008/2009 Fisica e Química B 11ºAno 3º Teste de Avaliação Sumativa Nome: Nº: Classificação: Enc.Educação: A professora: 1. Todas as afirmações são falsas.

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ONDAS 01. (F. M. Triângulo Mineiro MG) ENTÃO MAFALDA, O QUE ESTÁ ACHANDO DO MAR? ATÉ AGORA, UM INDECISO f (10 14 m) λ (10-7 m) 6,7 Violeta Azul 4,8 5,6 Verde x Amarelo 5,8 5,0

Leia mais

Torres de Telefonia Celular: Minimizando a Exposição Ocupacional a Campos Eletromagnéticos. Alexssandro Ramos da Cruz; Maria Cristina Aguiar Campos

Torres de Telefonia Celular: Minimizando a Exposição Ocupacional a Campos Eletromagnéticos. Alexssandro Ramos da Cruz; Maria Cristina Aguiar Campos Torres de Telefonia Celular: Minimizando a Exposição Ocupacional a Campos Eletromagnéticos Alexssandro Ramos da Cruz; Maria Cristina Aguiar Campos Sistemas de comunicação sem fio telefone celular internet

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

MANUAL DOS EQUIPAMENTOS SONIC COMPACT 3 MHZ SONIC COMPACT 1 E 3 MHZ

MANUAL DOS EQUIPAMENTOS SONIC COMPACT 3 MHZ SONIC COMPACT 1 E 3 MHZ MANUAL DOS EQUIPAMENTOS SONIC COMPACT 1 MHZ SONIC COMPACT 3 MHZ SONIC COMPACT 1 E 3 MHZ REGISTRO ANVISA nº: 80212480001 HTM Indústria de Equipamentos Eletro-Eletrônicos Ltda. Av. Rio Nilo, 209 CEP:13904-380

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Série 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Mensal Capitulo 1 1) A figura a seguir representa, nos instantes t = 0s e t

Leia mais

ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS

ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS Ricardo Aranha 20703040 Ana Ferreira 20803028

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2 Física Unidade Movimentos na Terra e no spaço QUSTÕS PROPOSTS 4. Duas forças F» e F» 2 são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» mais intensa que F» 2. s forças podem atuar na mesma direção

Leia mais

Ondas Estacionárias Apostila 2

Ondas Estacionárias Apostila 2 Ondas Estacionárias Apostila 2 1. (Uece 2015) Uma corda de violão vibra de modo que, num dado instante, a onda estacionária tenha duas cristas e três nós. Considere que o comprimento da corda vibrante

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C Questão 46 O movimento de uma partícula é caracterizado por ter vetor velocidade e vetor aceleração não nulo de mesma direção. Nessas condições, podemos afirmar que esse movimento é a) uniforme. b) uniformemente

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio 1. (Ufu 2006) João corre assoviando em direção a uma parede feita de tijolos, conforme figura a seguir. A frequência do assovio de João é igual a f(inicial). A frequência da onda refletida na parede chamaremos

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Facial 1 2 3 indicação de cada cliente ou resposta ao tratamento. Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva

Leia mais

SINAIS COMUNICAÇÃO. Numa grande parte das situações, o sinal enviado comporta-se como uma onda.

SINAIS COMUNICAÇÃO. Numa grande parte das situações, o sinal enviado comporta-se como uma onda. SINAIS Um sinal é uma perturbação, ou seja, uma alteração de uma propriedade física. Um sinal mecânico é a alteração de uma propriedade física de um meio material (posição, densidade, pressão, etc.), enquanto

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

QUESTÃO 01. a) Qual a temperatura do forno? b) Qual a variação de energia interna do bloco do latão. QUESTÃO 02

QUESTÃO 01. a) Qual a temperatura do forno? b) Qual a variação de energia interna do bloco do latão. QUESTÃO 02 Quando necessário considere: g = 10 m/s 2, densidade da água = 1 g/cm 3, 1 atm = 10 5 N/m 2, c água = 1 cal/g. 0 C, R = 8,31 J/mol.K, velocidade do som no ar = 340 m/s e na água = 1500 m/s, calor específico

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

MECÂNICA ONDULATÓRIA - IGL

MECÂNICA ONDULATÓRIA - IGL 1. (Enem 2011) Ao diminuir o tamanho de um orifício atravessado por um feixe de luz, passa menos luz por intervalo de tempo, e próximo da situação de completo fechamento do orifício, verifica-se que a

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA Profa. Rita Pereira Ecografia ou Ultrassonografia SOM: onda mecânica,portanto precisa de um meio material para se propagar. Meios: ar, líquidos, materiais sólidos.. Produção

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Física IV. Interferência

Física IV. Interferência Física IV Interferência Sears capítulo 35 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Interferência Arco-íris = Bolha de sabão refração interferência Princípio da superposição Quando duas ou mais ondas se superpõem,

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g.

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. REPARIL Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. APRESENTAÇÕES Gel com 10 mg/g (escina) + 50 mg/g (salicilato de dietilamônio). Bisnagas com 30 g ou 100 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

MITOS E VERDADES RADIOFREQUENCIA TERMOTERAPIA. RF na Medicina (Ablativa) RF na Medicina (Ablativa) 03/05/2013 RADIOFREQUÊNCIA NÃO ABLATIVA

MITOS E VERDADES RADIOFREQUENCIA TERMOTERAPIA. RF na Medicina (Ablativa) RF na Medicina (Ablativa) 03/05/2013 RADIOFREQUÊNCIA NÃO ABLATIVA S E S RADIOFREQUENCIA ESTÉTICA IN RIO 04 A 06 MAIO 2013. RIO DE JANEIRO 7º CONGRESSO CIENTÍFICO BRASILEIRO DE ESTÉTICA Ludmila Bonelli bellebonelli@bellebonelli.com.br TERMOTERAPIA NÃO ABLATIVA RF na Medicina

Leia mais

Aula Gratuita. #OperaçãoEBSERH. www.editorasanar.com.br

Aula Gratuita. #OperaçãoEBSERH. www.editorasanar.com.br 1 Aula Gratuita #OperaçãoEBSERH Olá concurseiro(a)! 2 É com imenso prazer que disponibilizamos esse Ebook-Aula voltado para quem almeija passar nos melhores concursos em Fisioterapia do país. Preparamos

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

de energia anteriores representa a forma correta de energia.

de energia anteriores representa a forma correta de energia. 1 a fase Nível II Ensino Médio 1ª e 2ª séries LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta prova dest ina-se exclusivamente a alunos das 1ª e 2ª séries do ensino médio. Ela contém vinte e cinco questões.

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS

EXTERNATO MATER DOMUS EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: 02 /03/2015 ASSINATURA DO

Leia mais

s t 2) V m s = V m . t = 35. 2240 (km) s 7,9. 10 5 km

s t 2) V m s = V m . t = 35. 2240 (km) s 7,9. 10 5 km 14 A foto, tirada da Terra, mostra uma seqüência de 12 instantâneos do trânsito de Vênus em frente ao Sol, ocorrido no dia 8 de junho de 2004. O intervalo entre esses instantâneos foi, aproximadamente,

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO 1 ANALISIS OF THERMAL BEAM OF EX VIVO BOVINE UDDER AFTER THERAPEUTIC ULTRASOUND APLICATION ANDRESSA DE CASTRO SOUZA

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica Aula 04 Atenuação de RX 2012 http://www.upscale.utoronto.ca/generali nterest/harrison/flash/nuclear/xrayinte ract/xrayinteract.html 2 Propriedades do alvo Boa Condutividade Térmica:

Leia mais

GUIA DE REVISÃO DO 4º BIMESTRE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO / 2013 Semana de 11/11 a 22/11

GUIA DE REVISÃO DO 4º BIMESTRE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO / 2013 Semana de 11/11 a 22/11 GUIA DE REVISÃO DO 4º BIMESTRE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO / 2013 Semana de 11/11 a 22/11 Tema: Língua Portuguesa Geografia Tema: Globalização e Níveis de Desenvolvimento Biologia Tema: Genética Filosofia Tema:

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A 1. (UFRGS-2) Ao resolver um problema de Física, um estudante encontra sua resposta expressa nas seguintes unidades: kg.m 2 /s 3. Estas unidades representam (A) força. (B) energia. (C) potência. (D) pressão.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

Catálogo de EQUIPAMENTOS

Catálogo de EQUIPAMENTOS Catálogo de EQUIPAMENTOS Estética Mais Setembro de 2015 comercial@esteticamais.com 1 Apresentação da Empresa A Revivre é uma marca italiana, fundada nos anos 70, e desde sempre fortemente orientada para

Leia mais

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia PATOLOGIA GERAL CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR VETERINÁRIA INDISPENSÁVEIS PARA OS SERES VIVOS CRESCIMENTO - multiplicação celular formação normal dos organismos e reposição TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO

Leia mais

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO:

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSOR: Erich/ André DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2 a EM Circule a sua turma: Funcionários: 2 o A 2ºB Anchieta:2 o NOME COMPLETO:

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: / /2015 ASSINATURA DO PAI/RESP.

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Corporal 1 2 3 Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva ao aparecimento de radicais livres de oxigênio (O--)

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

A dor que aparece após o exercício intenso, entre 24 e 48 horas após, é a consequência do acúmulo de ácido láctico. MITO OU FATO?!

A dor que aparece após o exercício intenso, entre 24 e 48 horas após, é a consequência do acúmulo de ácido láctico. MITO OU FATO?! A dor que aparece após o exercício intenso, entre 24 e 48 horas após, é a consequência do acúmulo de ácido láctico. MITO OU FATO?! MITO! DELAYED ONSET MUSCLE SORENESS DOR MUSCULAR DE INÍCIO TARDIO DOR

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais