SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE. Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE. Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global"

Transcrição

1 SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE WHA60.26 Ponto da Agenda de Maio de 2007 Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global A Sexagésima Assembleia Mundial de Saúde Considerando o projecto do plano de acção global para a saúde dos trabalhadores; Retomando a resolução WHA49.12 que endossava a estratégia global de saúde ocupacional para todos; Retomando e aceitando as recomendações da Cimeira Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Joanesburgo, África do Sul, 2002) no reforço da acção da OMS na saúde ocupacional e na sua ligação à saúde pública; Retomando a Convenção sobre o Quadro Promocional para a Saúde , e os outros instrumentos internacionais na área da segurança ocupacional e saúde adoptados pela Conferência Geral da OIT; Considerando que a saúde dos trabalhadores é determinada não só pelos riscos ocupacionais, mas também por factores sociais e individuais e acesso a serviços de saúde; Atendendo a que existem intervenções para a prevenção primária dos riscos ocupacionais e para o desenvolvimento de locais de trabalho saudáveis; Constatando a existência de grandes diferenças entre os países e dentro dos próprios países no que respeita tanto à exposição dos trabalhadores e comunidades locais aos riscos ocupacionais como no seu acesso a serviços de saúde ocupacional; Salientando o facto de que a saúde dos trabalhadores é um pré-requisito essencial para a produtividade e desenvolvimento económico, 1. APROVA o plano global de acção sobre Saúde dos Trabalhadores ; 2. CONVIDA os Estados Membros a: (1) delinear, em colaboração com trabalhadores, empregadores e suas organizações, planos e políticas nacionais apropriados para a implementação do plano global de acção para a saúde dos trabalhadores e estabelecer mecanismos e directivas legais adequados à sua implementação, monitorização e avaliação; 1

2 (2) trabalhar para a cobertura total de todos os trabalhadores, incluindo os da economia informal, pequenas e médias empresas, agricultura e trabalhadores migrantes e contratados, com intervenções essenciais e serviços de saúde ocupacional básicos para a prevenção primária das doenças e lesões ocupacionais e relacionadas com o trabalho; (3) adoptar medidas para estabelecer e fortalecer o núcleo das capacidades institucionais e competências dos recursos humanos para lidar com as necessidades especiais das populações trabalhadoras e gerar evidência em saúde dos trabalhadores, traduzindo-a em políticas e acções; (4) desenvolver e disponibilizar orientações específicas para o estabelecimento de serviços de saúde adequados e mecanismos de vigilância para as situações de risco humanas e ambientais e doenças surgidas nas comunidades locais em que a mineração, outras actividades industriais e agrícolas foram instaladas, de modo a satisfazer as necessidades inerentes a estas comunidades; (5) garantir a colaboração e acção concertada entre todos os programas nacionais de saúde relevantes para a saúde dos trabalhadores, tais como os relacionados com a prevenção das doenças e lesões ocupacionais, doenças transmissíveis e crónicas, promoção da saúde, saúde mental, saúde ambiental e desenvolvimento de sistemas de saúde; (6) incentivar a integração da saúde dos trabalhadores nas políticas nacionais e sectoriais para o desenvolvimento sustentado, redução da pobreza, emprego, comércio, protecção do ambiente e educação; (7) incentivar a implementação de mecanismos efectivos para a colaboração e cooperação entre países desenvolvidos e em desenvolvimento nos níveis regional, sub-regional e nacional, na implementação do plano global de acção para a saúde dos trabalhadores; (8) incentivar o desenvolvimento de estratégias compreensivas na área da saúde e afins para assegurar a reintegração dos trabalhadores doentes ou lesionados na sociedade activa, em coordenação com diferentes organizações governamentais e não governamentais; 3. SOLICITA ao Director que: (1) promova a implantação do plano global de acção de saúde dos trabalhadores aos níveis nacionais e internacionais, com um horizonte temporal definido e indicadores para a criação de serviços de saúde a nível global; (2) reforce a colaboração com a OIT e outras organizações internacionais relacionadas e estimular os esforços de articulação regional e nacional para a saúde ocupacional; (3) mantenha e reforçe o trabalho da rede de centros colaboradores da WHO para a saúde ocupacional, como um importante meio de implementação do plano de acção global; relate à Assembleia de Saúde os progressos feitos na implementação do Plano de Acção Global através do Secretariado Executivo nas sessões 132ª (2013) e 142ª (2018). 2

3 ANEXO PLANO DE ACÇÃO GLOBAL EM SAÚDE DOS TRABALHADORES INTRODUÇÃO 1. Os trabalhadores representam metade da população mundial e são os maiores contribuintes para o desenvolvimento económico e social. A sua saúde é determinada não só pelos riscos no local de trabalho mas também por factores sociais e individuais e pelo acesso aos serviços de saúde. 2. Apesar da existência de formas de intervenção efectivas para prevenir os riscos profissionais e proteger e promover a saúde no local de trabalho, grandes hiatos existem entre os países e dentro dos países no que respeita ao estado de saúde dos trabalhadores e à sua exposição aos riscos ocupacionais. Apenas uma pequena minoria da força de trabalho a nível global tem acesso a serviços de saúde ocupacional. 3. O aumento da movimentação internacional de postos de trabalho, produtos e tecnologias pode contribuir para divulgar soluções inovadoras para a prevenção de riscos profissionais, mas pode também levar a uma modificação desses riscos para os grupos menos favorecidos. O crescimento da economia informal está frequentemente associado a condições de trabalho de maior risco e envolve grupos vulneráveis, tais como crianças, mulheres grávidas, idosos e trabalhadores migrantes. 4. O presente plano de acção aborda todos os aspectos da saúde dos trabalhadores, incluindo prevenção primária de riscos ocupacionais, protecção e promoção da saúde no local de trabalho, condições de emprego, e uma melhor resposta dos sistemas de saúde às necessidades de saúde dos trabalhadores. É suportado por alguns princípios comuns. Todos os trabalhadores devem poder usufruir do mais elevado nível possível de saúde física e mental e condições de trabalho favoráveis. O local de trabalho não deve ser prejudicial para a saúde e bem-estar. Deve ser dada prioridade à prevenção primária dos riscos para a saúde ocupacional. Todos os componentes dos sistemas de saúde devem estar envolvidos numa resposta integrada às necessidades de saúde específicas das populações trabalhadoras. O local de trabalho também pode servir para a prestação de outras intervenções essenciais de saúde pública, e para a promoção da saúde. As actividades relacionadas com a saúde dos trabalhadores devem ser planeadas, implementadas e avaliadas com o objectivo de reduzir as desigualdades na saúde dos trabalhadores entre países e dentro dos países. Os trabalhadores e empregadores e os seus representantes deverão também participar nestas actividades. ACÇÕES 3

4 5. Devem ser consideradas e adoptadas pelos países as seguintes acções, se adequadas, às suas prioridades nacionais e circunstâncias específicas, de modo a atingir os objectivos descritos abaixo. Objectivo 1: desenvolver e implementar instrumentos de política em saúde dos trabalhadores 6. As estruturas políticas nacionais para a saúde dos trabalhadores devem ser formuladas levando em conta as convenções internacionais do trabalho relevantes, e devem incluir: promulgação de legislação; constituição de mecanismos para a coordenação intersectorial das actividades; mobilização de fundos e de recursos para a protecção e promoção da saúde dos trabalhadores; reforço do papel e das capacidades dos ministérios da saúde e integração dos objectivos e acções para a saúde dos trabalhadores nas estratégias nacionais de saúde. 7. Os planos de acção nacionais para a saúde dos trabalhadores devem ser elaborados pelos ministérios envolvidos, tais como Saúde e Trabalho, e outros parceiros nacionais importantes, levando também em consideração a Convenção para o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde Ocupacional, Tais planos devem incluir: perfis nacionais; prioridades para a acção; objectivos e metas; acções; mecanismos para a implementação; recursos humanos e financeiros; monitorização, avaliação e actualização; informação e responsabilidade. 8. As abordagens nacionais para a prevenção das doenças e lesões profissionais devem ser desenvolvidas de acordo com as prioridades dos países e de forma concertada com as campanhas globais da OMS. 9. Devem ser tomadas medidas para minimizar as diferenças entre diversos grupos de trabalhadores no que diz respeito aos níveis de risco e estado de saúde. Deve ser dada particular atenção aos sectores de actividade económica de risco elevado, e às populações desprotegidas e vulneráveis, tais como os trabalhadores jovens e idosos, pessoas com deficiências e trabalhadores migrantes, considerando as diferenças de género. Devem ser criados programas específicos para a saúde ocupacional e segurança dos trabalhadores da saúde. 10. A OMS irá trabalhar com os Estados Membros para reforçar as capacidades dos ministérios da saúde em promover a liderança de actividades relacionadas com a saúde dos trabalhadores, formular e implementar políticas e planos de acção, e estimular a colaboração intersectorial. Nas suas actividades estarão incluídas tanto campanhas globais para eliminação das doenças relacionadas com o amianto tendo presente uma abordagem diferenciada para regular as suas variadas formas de acordo com os instrumentos legais internacionais relevantes e a mais recente evidência de intervenções efectivas, como a imunização dos trabalhadores da saúde contra a hepatite B, e outras acções orientadas para resultados prioritários de saúde relacionados com o trabalho. 4

5 Objectivo 2: proteger e promover a saúde no local de trabalho 11. A avaliação e gestão dos riscos para a saúde no local de trabalho deve ser implementada por: definição das intervenções essenciais para a prevenção e controle dos riscos mecânicos, físicos, químicos, biológicos e psicossociais no ambiente de trabalho. Tais medidas incluem também a gestão integrada de químicos no local de trabalho, eliminação do fumo de tabaco passivo em todos os locais de trabalho cobertos, melhoria da segurança ocupacional, e avaliação do impacto na saúde das novas tecnologias, processos de trabalho e produtos na fase de concepção. 12. Proteger a saúde no local de trabalho também requer a publicação de regulamentos e a adopção de um conjunto básico de padrões de saúde ocupacional para garantir que todos os locais de trabalho cumpram com as condições mínimas de saúde e segurança, garantindo um nível adequado de cumprimento, reforçando a inspecção de saúde nos locais de trabalho, e construindo a colaboração entre as agências reguladoras competentes de acordo com as circunstâncias específicas nacionais. 13. As capacidades devem ser construídas para a prevenção primária dos riscos, doenças e lesões ocupacionais, incluindo o reforço de recursos humanos, metodológicos e tecnológicos, formação de trabalhadores e empregadores, introdução de práticas e organização do trabalho saudáveis, e a promoção de uma cultura de saúde no local de trabalho. É necessário estabelecer mecanismos que estimulem o desenvolvimento de locais de trabalho saudáveis, incluindo consulta e participação de trabalhadores e empregadores. 14. A promoção e prevenção de doenças não transmissíveis devem ser mais estimuladas nos locais de trabalho, em particular defendendo uma dieta saudável e actividade física entre os trabalhadores, e promovendo a saúde mental e familiar no trabalho. Ameaças para a saúde globais, tais com a tuberculose, HIV/SIDA, a malária e a gripe das aves, podem ser igualmente prevenidas e controladas no local de trabalho. 15. A OMS irá trabalhar na criação de instrumentos práticos para a avaliação e gestão dos riscos ocupacionais, recomendando requisitos mínimos para a protecção da saúde no local de trabalho, fornecendo orientação para a implementação de locais de trabalho saudáveis e promovendo a saúde no local de trabalho. Objectivo 3: melhorar o desempenho e o acesso aos serviços de saúde ocupacional 16. A cobertura e a qualidade dos serviços de saúde ocupacional deve ser melhorada mediante: integração do seu desenvolvimento nas estratégias nacionais de saúde, nas reformas do sector da saúde e nos planos para melhorar o desempenho dos sistemas de saúde; determinação de padrões de organização e cobertura dos serviços de saúde ocupacional; fixar metas para aumentar a cobertura da população trabalhadora com os serviços de saúde ocupacional; criar mecanismos para angariação de recursos e para financiar a prestação de serviços de saúde ocupacional; assegurar recursos 5

6 humanos suficientes e competentes e estabelecer sistemas de garantia de qualidade. Os serviços de saúde ocupacional básicos devem ser prestados a todos os trabalhadores, incluindo os da economia informal, pequenas empresas e agricultura. 17. As capacidades nucleares institucionais devem ser constituídas a nível nacional e local de modo a fornecer suporte técnico aos serviços básicos de saúde ocupacional, em termos de planeamento, monitorização e qualidade dos serviços prestados, projectos de novas intervenções, divulgação da informação, e disponibilização de apoio especializado. 18. O desenvolvimento dos recursos humanos para a saúde dos trabalhadores deve ser reforçado por: mais formação pós-graduada nas matérias relevantes; capacitar os serviços de saúde ocupacional básicos; integração da saúde dos trabalhadores na formação dos médicos dos cuidados de saúde primários e outros profissionais necessários aos serviços de saúde ocupacional; criar incentivos para atrair e fixar recursos humanos nos serviços de saúde ocupacional, e encorajar a organização de redes de serviços e associações profissionais. Deve ser dada particular atenção não só à formação pós-graduada mas também à formação básica para os profissionais de saúde em várias vertentes, tais como a promoção da saúde dos trabalhadores e a prevenção e tratamento dos problemas de saúde dos trabalhadores. Esta deveria ser uma prioridade especial nos cuidados de saúde primários. 19. A OMS distribuirá orientações aos Estados Membros para o desenvolvimento de pacotes básicos, material de informação, instrumentos e métodos de trabalho e modelos de boas práticas para os serviços de saúde ocupacional. Também apoiará os esforços internacionais no desenvolvimento das competências humanas e institucionais necessárias. Objectivo 4: fornecer e comunicar evidência para a acção e prática 20. Devem ser concebidos sistemas para a vigilância da saúde dos trabalhadores com o objectivo de identificar e controlar rigorosamente os riscos ocupacionais. Este esforço inclui o estabelecimento de sistemas nacionais de informação, o desenvolvimento de capacidades para estimar a importância das doenças e lesões ocupacionais, criando registos da exposição aos riscos elevados, acidentes de trabalho e doenças profissionais e melhorando a notificação e detecção precoce destes acidentes e doenças. 21. A investigação das necessidades em saúde dos trabalhadores deve ser mais desenvolvida, em particular criando agendas de investigação especiais, dandolhes prioridade nos programas nacionais de investigação e esquemas de atribuição de bolsas, e favorecer a investigação prática e participativa. 22. Devem ser elaboradas estratégias e instrumentos, com o envolvimento de todos os parceiros, para melhorar a comunicação e aumentar o conhecimento acerca da saúde dos trabalhadores. Deverão ter como alvo os trabalhadores, empregadores e suas organizações, decisores políticos, público em geral e a comunicação social. O conhecimento dos profissionais de saúde acerca da relação entre a saúde e trabalho e as oportunidades para resolver os problemas de saúde mediante intervenções nos locais de trabalho devem ser melhorados. 23. A OMS vai definir indicadores e promover plataformas regionais e nacionais de informação para a vigilância da saúde dos trabalhadores, determinará a exposição internacional e os critérios de diagnóstico para a detecção precoce de doenças 6

7 profissionais e incluirá as causas de doenças profissionais na décima primeira revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas de Saúde Relacionados. Objectivo 5: integrar a saúde dos trabalhadores nas outras políticas 24. Deverão ser reforçadas as competências do sector da saúde para promover a integração da saúde dos trabalhadores nas políticas de outros sectores. Medidas para proteger a saúde dos trabalhadores devem ser incluídas nas políticas de desenvolvimento económico e nas estratégias de redução da pobreza. O sector da saúde deve colaborar com o sector privado de modo a evitar a transferência internacional de riscos ocupacionais e proteger a saúde no local de trabalho. Devem ser incluídas medidas semelhantes nos planos e programas nacionais para o desenvolvimento sustentável. 25. A saúde dos trabalhadores deve ser igualmente considerada no contexto das políticas comerciais quando se tomam medidas como as especificadas na resolução WHA59.26 sobre comércio internacional e saúde. 26. As políticas de emprego também influenciam a saúde; deve ser incentivada a avaliação do impacto na saúde das estratégias de emprego. A protecção ambiental deve ser reforçada relacionando-a com a saúde dos trabalhadores, por exemplo, através da implementação das medidas de redução de riscos constantes da Abordagem Estratégica da Gestão Internacional de Químicos, e considerando os aspectos da saúde dos trabalhadores nos acordos e estratégias multilaterais de redução do risco ambiental, sistemas de gestão ambiental e planos para preparação e resposta em situações de emergência. 27. A saúde dos trabalhadores deve ser referida nas políticas sectoriais para diferentes ramos da actividade económica, em particular naqueles que apresentam mais elevado risco para a saúde. 28. Aspectos da saúde dos trabalhadores devem ser considerados nos níveis de educação primária, secundária e superior e no treino vocacional. IMPLEMENTAÇÃO 29. A melhoria da saúde dos trabalhadores pode ser conseguida através de esforços bem coordenados da sociedade como um todo, sob a orientação do governo e com participação significativa de trabalhadores e empregadores. A combinação de acções, adaptadas às especificidades e prioridades nacionais, é necessária para atingir os objectivos acima mencionados. As acções são concebidas para implementação a nível nacional e através da cooperação internacional e interregional. 30. A OMS, apoiada pela sua rede de Centros Colaboradores para a Saúde Ocupacional e em parceria com outras organizações intergovernamentais e internacionais, vai trabalhar com os Estados Membros para implementar este plano de acção mediante:. promoção e comprometimento em parcerias e acções conjuntas com a OIT e outras organizações do sistema das Nações Unidas, organizações de empregadores, 7

8 associações comerciais e outras entidades da sociedade civil e sector privado de modo a reforçar os esforços internacionais na saúde dos trabalhadores;. estabelecimento, em consonância com as acções desenvolvidas pela OIT, de padrões para protecção em saúde dos trabalhadores, divulgação de orientações, promoção e monitorização da sua aplicação, e contribuição para a adopção e implementação de convenções internacionais do trabalho;. articulação das opções políticas na definição das agendas nacionais para a saúde ocupacional baseando-se nas melhores práticas e evidências;. fornecimento de suporte técnico para satisfazer as necessidades específicas em saúde das populações activas e para a construção de competências nucleares para intervenção na saúde dos trabalhadores;. consideração e monitorização de tendências objectivas em saúde dos trabalhadores;. estabelecimento de mecanismos científicos e consultivos adequados para facilitar intervenções em saúde dos trabalhadores a nível global e regional. 31. O progresso na implementação do plano de acção deve ser revisto e avaliado usando um conjunto de indicadores de execução nacionais e internacionais. Décima primeira assembleia plenária 23 de Maio de 2007 A60/VR/11 8

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS Nós, os Ministros da Saúde e Chefes de Delegação da Região

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Apresentado por: Alfredo Sitoe Objectivo Geral da Politica da qualidade Contribuir para a melhoria contínua da qualidade de vida da

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA. Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide

Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA. Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide Índice Decreto-Lei n.º 147/2008, de 29 de Julho Obrigações do operador Formulário de reporte

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN)

Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN) Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN) República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional Maputo, 19 de Novembro

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Organização Internacional do Trabalho (OIT) Representação Eventual 18ª Reunião Regional Americana da OIT Representante Lidiane Duarte Nogueira Advogada

Leia mais

Função Principal do Cargo: Promover a paz e a segurança na Região. Áreas Principais de Resultados

Função Principal do Cargo: Promover a paz e a segurança na Região. Áreas Principais de Resultados ANÚNCIO DE VAGA O Secretariado da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) convida os cidadãos dos Estados Membros da SADC, devidamente qualificados e com experiência, a candidatarem-se para

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa

O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa Prevenção das lesões músculo-esqueléticas (LME) O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa Os objectivos comunitários no âmbito da Estratégia de Lisboa prevêem a criação de empregos

Leia mais

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO DA REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Considerando: Que o 5.º

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição Junho de 2013 Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique 1 Breve Historial Mais de 70%vivem da agricultura Pequenos

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Workshop: A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Luanda, 27 de Outubro de 2016 Graduação de Angola de PMA e os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 A comissão interministerial

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA AVALIAR O PROGRESSO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO CONTINENTAL PARA A DÉCADA AFRICANA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS ( )

QUESTIONÁRIO PARA AVALIAR O PROGRESSO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO CONTINENTAL PARA A DÉCADA AFRICANA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS ( ) AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Adis Abeba, ETIÓPIA, P. O. Box 3243 Telefone 115517 700 Fax : 115517844 www.afica-union.org QUESTIONÁRIO PARA AVALIAR O PROGRESSO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Ocupacional (PNSOC): o estado da arte

Programa Nacional de Saúde Ocupacional (PNSOC): o estado da arte Programa Nacional de Saúde Ocupacional (PNSOC): o estado da arte Carlos Silva Santos Coordenador do Programa Nacional de Saúde Ocupacional Carolina Nunes Equipa de Coordenação do Programa Nacional de Saúde

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PMA PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PMA PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PMA PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 PMA O QUE É O PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS? As pessoas que vivem com HIV têm direito à alimentação e boa nutrição.

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios.

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios. CADERNO FICHA 8. PREVENÇÃO 8.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO

GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO CALENDARIZAÇÃO PARA NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2016 Destinados a quem gere a Segurança na Empresa ou é Interlocutor com a Prestadora externa de Serviços GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO Legislação laboral -

Leia mais

Apresentação de São Tomé e Principe

Apresentação de São Tomé e Principe REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DOS PEQUENOS ESTADOS INSULARES DA REGIÃO AFRICANA Apresentação de São Tomé e Principe Comores, 09-12 Mar. 2011 Por: Dr. António Lima Sumario 1. Preparação e resposta às catástrofes

Leia mais

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Termos de Referência Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Título: Consultoria para o planeamento

Leia mais

O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Maria Conceição Gomes, Pneumologista Coordenadora do CDP da Alameda Consultora da DGS Secretaria-Geral ANTDR,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS Lisboa, 10 de Dezembro 2007 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS LIÇÕES DE UMA DÉCADA DE EXPERIMENTAÇÃO Alberto Melo Delegado Regional IEFP, Delegação Regional do Algarve

Leia mais

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO COM PESO e MEDIDA Enfermeira Lara F. C. Monteiro Março, 2008 0. Sumário 1. Introdução... Pág. 02 2. Justificação do projecto... Pág. 03 3. Nome do projecto...

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Apresentado por: Julia Ussy Félix Maputo, Fevereiro de 2014 SEQUÊNCIA

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Audiência na Comissão de Saúde

Audiência na Comissão de Saúde Audiência na Comissão de Saúde Balanço e perspetivas para o futuro Lisboa, 08 de Junho de 2016 Comissão Saúde e a questão VIH e SIDA: um balanço - Criação do Grupo de Trabalho VIH (2009, reconstituído

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

V ENCONTRO NACIONAL DE RISCOS Risco, Sociedade (s) e Segurança

V ENCONTRO NACIONAL DE RISCOS Risco, Sociedade (s) e Segurança Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra 29 e 30 de Maio 2009 Teresa Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Riscos, Sociedade (s) e Segurança A ESTRATÉGIA INTERNACIONAL

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD SEMINÁRIO SINDICAL SOBRE O PLANO NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD Paulo Sergio Muçouçah Coordenador dos Programas de Trabalho Decente e Empregos Verdes Escritório da OIT no Brasil Roteiro da apresentação

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

FINANCIAMENTO. PEDRO FILIPE Director Geral-Adjunto para a área de Segurança Social ENAD. 22 de Março MANUEL MOREIRA - Coordenador PSGSS

FINANCIAMENTO. PEDRO FILIPE Director Geral-Adjunto para a área de Segurança Social ENAD. 22 de Março MANUEL MOREIRA - Coordenador PSGSS Acções O SISTEMA do INSS DA para PROTECÇÃO o Cumprimento SOCIAL EM das ANGOLA: Obrigações Declarativas FUNDAMENTOS, e Contributivas OBJECTIVOS pelos E Contribuintes MEIOS DE FINANCIAMENTO PEDRO FILIPE

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC2020/2030) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 O Programa

Leia mais

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas Constança Urbano de Sousa Notas preliminares Imigração e Asilo Conceito comunitário de estrangeiro Cidadão comunitário Estrangeiro: nacional de Estado

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II)

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II) Distr.: Geral Data: 10 de Março 2008 COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA Terceira Sessão de CAMEF Primeira Reunião Conjunta Anual da Conferência da UA de Ministros de Economia e Finanças e Conferência da CEA de

Leia mais

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2017 CALENDARIZAÇÃO 1º SEMESTRE GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO. REALIZAÇÃO Individual. 1 7h. 2 36h

PLANO DE FORMAÇÃO 2017 CALENDARIZAÇÃO 1º SEMESTRE GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO. REALIZAÇÃO Individual. 1 7h. 2 36h PLANO DE FORMAÇÃO 2017 CALENDARIZAÇÃO 1º SEMESTRE Destinados a Técnicos de Segurança Externos I a quem gere a Segurança na Empresa I ao Interlocutor com a Prestadora externa de Serviços DE SST GESTÃO DA

Leia mais

A Cooperação na Área do Trabalho Infantil nos Estados membros da CPLP

A Cooperação na Área do Trabalho Infantil nos Estados membros da CPLP A Cooperação na Área do Trabalho Infantil nos Estados membros da CPLP Documento de Projecto Âmbito geográfico: Estados membros da CPLP. Data de início das actividades: 15 de Fevereiro de 2007. Entidades

Leia mais

Padrões dos Projectos ABC

Padrões dos Projectos ABC Padrões dos Projectos ABC Adaptação com Base na Comunidade (ABC) é uma nova área para muitos profissionais do desenvolvimento. A ABC envolve reflexões sobre questões novas e por vezes complexas. Ela envolve

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015 PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO 2015-2018 Maputo 11 de Novembro de 2015 Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Contextualização 3. Análise da situação e Justificação 4. Visão e

Leia mais

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP )

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP ) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CONFERENCIA DE INVESTIDORES DO CORREDOR DE NACALA Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades 16 de Dezembro de 2002 PE 323.514/1-49 ALTERAÇÕES 1-49 Projecto de relatório (PE 323.514) Lissy Gröner sobre

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

Pesquisa Formação e Ação Sindical No Fomento da Agenda de Trabalho Decente no Brasil

Pesquisa Formação e Ação Sindical No Fomento da Agenda de Trabalho Decente no Brasil Pesquisa Formação e Ação Sindical No Fomento da Agenda de Trabalho Decente no Brasil Desafios Disseminar o conceito de Trabalho Decente junto às direções e lideranças sindicais: Emprego, Normas, Proteção

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Revisão do regime de renda apoiada

Revisão do regime de renda apoiada Revisão do regime de renda apoiada Conselho Municipal de Habitação Lisboa, 24 de Setembro de 2012 Helena Roseta Enquadramento Durante 20 anos, a prioridade da política de habitação em Lisboa foi erradicação

Leia mais

Comissão do Desenvolvimento Regional PROJETO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

Comissão do Desenvolvimento Regional PROJETO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2016/0276(COD) 20.12.2016 PROJETO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional dirigido à Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

Esta declaração foi adoptada na 4ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, de Julho de 1997 Jacarta, República da Indonésia

Esta declaração foi adoptada na 4ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, de Julho de 1997 Jacarta, República da Indonésia Esta declaração foi adoptada na 4ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, 21-25 de Julho de 1997 Jacarta, República da Indonésia Declaração de Jacarta sobre a Promoção da Saúde no Século XXI

Leia mais

Prestação de Serviços Recursos humanos da saúde. Informação. Produtos medicinais, vacinas e tecnologias. Liderança e governação.

Prestação de Serviços Recursos humanos da saúde. Informação. Produtos medicinais, vacinas e tecnologias. Liderança e governação. 4.0 3.5 3.0 2.5 2.0 1.5 1.0 0.5 0.0 Prestação de Serviços Recursos humanos da saúde Informação A OMS apoia os países na construção de sistemas de saúde resilientes e com capacidade de resposta centrada

Leia mais

Rumo a um Espaço Europeu de Segurança Rodoviária: orientações políticas sobre segurança rodoviária

Rumo a um Espaço Europeu de Segurança Rodoviária: orientações políticas sobre segurança rodoviária Rumo a um Espaço Europeu de Segurança Rodoviária: orientações políticas sobre segurança rodoviária 2011-2020 LUIZ SÁ PESSOA Comissão Europeia, Representação em Portugal 1 http://ec.europa.eu/roadsafety

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais