Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique"

Transcrição

1 Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição Junho de 2013 Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique 1

2 Breve Historial Mais de 70%vivem da agricultura Pequenos agricultores dominam 99%, 72% <2ha. BAIXÍSSMA productividade e nenhum crescimento Fertilizante, semente melhorada, extensão, irrigação, mecanização Tudo muito limitado Infraestruturas igualmente rurais, acesso a créditos, níveis de educação Pobreza muito elevada: rendimento e nutrição 2

3 Quadro Político Programa Compreensivo para o Desenvolvimento Agrícola de África (CAADP) Liderado pela África objectivo de crescimento, alocação de orçamento e quadro de planeamento para a agricultura 10% e 6% Quatro áreas-chave: Gestão sustentável de Terras e Água Acesso ao Mercado Fornecimento de Alimentos e Fome Investigação Agrícola Abordar a capacidade institucional + M&E Planos de Investimento a serem definidos e endossados pela NEPAD 3

4 Políticas Governamentais PEDSA 2011 Enfoque sobre o sector familiar e agricultores comerciais emergentes Abordagem multi-sectorial + papel do sector privado para os investimentos + melhorias tecnológicas 6 corredores de desenvolvimento (alto potencial) Maputo, Beira, Nacala, Pemba- Lichinga, Zambézia, Limpopo Alinhado com o plano de investimento CAADP 4

5 Linha Cronológica do PNISA 1. O pacto CAADP para as principais prioridades: Assinado em Dezembro de O Plano de Investimento estabelece o quadro para futuros programas públicos na agricultura 3. Plano de investimento CAADP/PEDSA: PNISA lançado no Encontro de negócios em Abril de

6 Abordagem do PNISA Reafirma a visão do PEDSA Um sector agrário, próspero, competitivo e sustentável, capaz de oferecer respostas aos desafios da segurança alimentar e nutricional e atingir mercados agrários ao nível global Metas: i) crescimento médio anual de pelo menos 7% ao ano, ii) Redução da desnutrição crónica de 44% para 30% em 2015 e 20% em 2020 e iii) Reduzir para metade a proporção das pessoas que sofrem de fome. 6

7 Objectivos: Abordagem do PNISA i) Acelerar a produção de alimentos básicos ii) Aumentar a renda iii) Garantir acesso e posse segura de recursos naturais iv) Prover serviços tendo em conta a cadeia de valor v) Impulsionar o desenvolvimento das zonas de maior potencial agrário e vi) Contribuir para a balança de pagamentos. 7

8 Os 5 Pilares do PNISA 1 Produtividade e produção agrária com vista ao aumento da competitividade 2 Acesso ao mercado e melhoria de infraestruturas e serviços Segurança alimentar e nutricional 3 Gestão 4 sustentável de recursos naturais (Água, terra, florestas, fauna bravia e recursos pesqueiros) As 5 componentes integram 22 programas; Os 22 programas subdividem-se em 32 subprogramas; Os 32 subprogramas concentram-se em 25 produtos e 6 corredores de desenvolvimento agrário 5 Reforma e fortalecimento institucional 8

9 Orçamento do PNISA %quota COMPONENTE 1. PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 61 COMPONENTE 2. ACESSO AO MERCADO 8 COMPONENTE 3. SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL 4 COMPONENTE 4. RECURSOS NATURAIS 16 COMPONENT 5. REFORMA E FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL 11 NECESSIDADES TOTAIS NotA1 ambição geral Nota 2 a distribuição US $4.4bn 9

10 Apoio dos Parceiros do PNISA 1. Encontro de Negócios: Os parceiros de Cooperação comprometeram-se em alinharse ao PNISA 2. Os parceiros fizeram compromissos financeiros superiores a 700 milhões de Dólares americanos 3. Os recursos do governo para os próximos 2-3 anos têm um nível semelhante 4. Objectivo do governo: 40% público, 60% privado 10

11 PNISA Próximos Passos? Finalização do documento do PNISA, com: Quadro de política Quadro de M&E Quadro de Coordenação Necessidades institucionais Priorização de défices de financiamento 11

12 PNISA Nutrição? 1. Nutrição está entre os objectivos gerais 2. O capítulo sobre nutrição é curto mas a visão está expressa 3. Orçamento alocado limitado 4% of PNISA 4. Existem questões de integração noutros componentes do PNISA 5. Existem questões sobre sectores de nutrição 12

13 Lições da CAADP sobre a Nutrição O perfil nutricional está a crescer Aumento da Nutrição, G8 Nova Aliança para a Segurança alimentar, programas dos doadores 26 Lançamento dos Planos de Investimento da CAADP A nutrição continua a ter uma abrodagem pobre Mas existe um amplo consenso sobre a importância da agricultura para a nutrição e a necessidade de haver uma agricultura sensível à nutrição 13

14 Resumo de uma página : Princípios orientadores Incorporar os objetivos explícitos e indicadores de nutrição no seu desenho, e acompanhar e mitigar os possíveis danos. Avaliar o contexto a nível local, para projectar as atividades apropriadas para lidar com os tipos e as causas da desnutrição. Visar as pessoas vulneráveis e melhorar a equidade, através da participação, do acesso a recursos e do emprego decente. Colaborar com outros sectores (saúde, ambiente,protecção social, trabalho, água e saneamento, educação, energia) e programas. Manter ou melhorar a base de recursos naturais. Gestão dos recursos hídricos, em particular, para reduzir doenças transmitidas por vector e para assegurar fontes domésticas de água que sejam sustentáveis e seguras. 14

15 Resumo de uma página : Princípios orientadores Empoderar as mulheres. Facilitar a diversificação da produção, e aumentar a produção de culturas ricas em nutrientes e pecuária em pequena escala. Melhorar o processamento, armazenamento e preservação, como forma de preservar o valor nutricional e garantir a segurança alimentar, reduzir a sazonalidade da insegurança alimentar e as perdas pós-colheita, e para tornar mais conveniente o preparo dos alimentos saudáveis. Expandir o acesso ao mercado para os grupos vulneráveis, especialmente para a comercialização de alimentos nutritivos. Incorporar a promoção da nutrição e a educação, o que complementa os conhecimentos locais, as atitudes e praticas já existentes. 15

16 Próximos Passos? 1. O documento do PNISA : Reflecção com o governo sobre a integração da nutrição 2. Sensibilizar os ministério-chave 3. Melhorar a sensibilidade sobre a nutrição dos programas dos doadores na agricultura e outras áreas 4. Partilha de conhecimentos práticos e colecta de evidências 5. Ponderar sobre como os investimentos privados apoiam a nutrição 16

17 A Nível da UE O Comunicado sobre a Nutrição em 2013 Identifica três prioridades estratégicas para este trabalho: 1. Melhorar a mobilização e compromisso político no âmbito da nutrição (maior ênfase no aumento da Nutrição) 2. Aumentar acções a nível nacional (aumentando abordagens favoráveis à nutrição, incluindo a nutrição como um objectivo, e reconhecimento dos papéis multi-sectoriais) a) Capacidade do sistema humano e institucional b) Aumento de intervenções específicas de nutrição c) Aumento de acções sensíveis à nutrição 3. Conhecimentos para a nutrition (pesquizas, sistemas de informação) Programa de Iniciativa ODM programa de segurança alimentar: procura envolver a nutrição em todas as actividades e também diversificar alimentos 17

18 OBRIGADO! 18

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PEDSA O PACTO A SER IMPLEMENTADO PELO PEDSA: PRIORIDADES Impacto esperado com a implementação do PEDSA através

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO NO CONTEXTO DO CAADP

PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO NO CONTEXTO DO CAADP República de Moçambique Ministério da Agricultura PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO NO CONTEXTO DO CAADP O PACTO DO CAADP Apresentação aos Parceiros 01 de Dezembro de 2011 1 CONTEÚDO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Políticas Pública de Redução da Pobreza

Políticas Pública de Redução da Pobreza Políticas Pública de Redução da Pobreza Ministério da Planificação e Desenvolvimento Direcção Nacional de Planificação Por: Cristina Matusse (Técnica de Planificação) Maputo, 16 de Abril de 2009 Estrutura

Leia mais

CAADP Moçambique. Até onde o processo avançou com o PNISA. Seminário sobre Crescimento e Transformação do Sector Agrário

CAADP Moçambique. Até onde o processo avançou com o PNISA. Seminário sobre Crescimento e Transformação do Sector Agrário CAADP Moçambique Até onde o processo avançou com o PNISA Seminário sobre Crescimento e Transformação do Sector Agrário Maputo, 09 de Dezembro de 2013 CAADP em Moçambique Estrutura I. Enquadramento/CAADP

Leia mais

Importância do CAADP para Moçambique

Importância do CAADP para Moçambique Breve Reflexão Apresentada na Revisão Técnica Anual do MINAG/ PROAGRI de 2010 Importância do CAADP para Moçambique Hélder Gêmo (Maputo, 14.04.2010) Agricultura é importante, em especial nos 7 países de

Leia mais

Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique. Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013

Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique. Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013 Balanço dos Compromissos Políticos do Governo de Moçambique Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 10 e 11 de Abril de 2013 1 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio República de Moçambique Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Ponto de Situação, Progressos e Metas Conferência Cumprir Bissau Desafios e Contribuições da CPLP para o cumprimento dos ODMS 5 de Junho

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

10392/16 arg/ip 1 DG C 1

10392/16 arg/ip 1 DG C 1 Conselho da União Europeia Luxemburgo, 20 de junho de 2016 (OR. en) 10392/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 20 de junho de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 10339/16

Leia mais

Progresso PARP Perspectivas

Progresso PARP Perspectivas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DIRECÇÃO NACIONAL DE ESTUDOS E ANÁLISE DE POLÍTICAS Progresso PARP 2011-2014 Perspectivas 2013-2017 Apresentação ao Seminário Conjunto:

Leia mais

Quadro Catalisador para Pôr Termo à SIDA, Tuberculose e Eliminar a Malária em África até 20130

Quadro Catalisador para Pôr Termo à SIDA, Tuberculose e Eliminar a Malária em África até 20130 Quadro Catalisador para Pôr Termo à SIDA, Tuberculose e Eliminar a Malária em África até 20130 Introdução O quadro catalisador para pôr termo à SIDA, tuberculose e eliminar a malária em África até 2030

Leia mais

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Workshop Colaboração entre Moçambique e Portugal nos Sectores Agrícola, Alimentar e Florestal, Maputo, 2 de Junho 2015

Leia mais

ANÁLISE SITUACIONAL DA NUTRICAO EM MOÇAMBIQUE - NA PERSPECTIVA AGRICOLA. Por: Dercio Matale

ANÁLISE SITUACIONAL DA NUTRICAO EM MOÇAMBIQUE - NA PERSPECTIVA AGRICOLA. Por: Dercio Matale ANÁLISE SITUACIONAL DA NUTRICAO EM MOÇAMBIQUE - NA PERSPECTIVA AGRICOLA Por: Dercio Matale SUMARIO DA APRESENTACAO Magnitude e impacto das deficiências de micronutrientes em Moçambique Tendencia de Malnutricao

Leia mais

James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo

James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo O que é o MozSAKSS? um programa colaborativo entre Direcção de Economia do Ministério da Agricultura

Leia mais

AGRICULTURA E SEGURANCA ALIMENTAR (Reuniao da ASSECA-PLP) Castro Camarada

AGRICULTURA E SEGURANCA ALIMENTAR (Reuniao da ASSECA-PLP) Castro Camarada AGRICULTURA E SEGURANCA ALIMENTAR (Reuniao da ASSECA-PLP) Castro Camarada 23-11-2014 CONTEUDO Dimensoes da Seguranca Alimentar Seguranca Alimentar em Africa e na CPLP O papel Fundamental da Agricultura

Leia mais

Balanço dos 10 anos de delimitação de terras comunitárias

Balanço dos 10 anos de delimitação de terras comunitárias GOVERNO DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Direcção Nacional de Terras e Florestas Balanço dos 10 anos de delimitação de terras comunitárias 2008 Nampula, 9-11 de Março de 2010 Estrutura da apresentação

Leia mais

Preparado por: Meneses ROBERTO Cell: Dulce Mavone Novela Cell:

Preparado por: Meneses ROBERTO Cell: Dulce Mavone Novela Cell: WORKSHOP TECNICO SOBRE OS PRINCIPIOS ORIENTADORES DOS NOVOS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA Maputo, 23-24/04/2015 Preparado por: Meneses ROBERTO chiteleka57@yahoo.com Cell: 824021466 Dulce Mavone Novela Cell:

Leia mais

POLÍTICAS DE INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES EM PAÍSES DA CPLP CASO DE MOÇAMBIQUE

POLÍTICAS DE INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES EM PAÍSES DA CPLP CASO DE MOÇAMBIQUE POLÍTICAS DE INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES EM PAÍSES DA CPLP CASO DE MOÇAMBIQUE Titulo da Comunicação, Título da Comunicação Nome do Orador Empresa/Instituição Rede de Estradas Classificadas (DM. 03/2005)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REUNIÃO FINAL DO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DO QUADRO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA 2012 Intervenção de Sua Excelência, Aiuba Cuereneia

Leia mais

Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique,

Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique, Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique, 2014-15 Ministério da Economia e Finanças Outubro 2016 Introdução O PARP 2011 2014 estabelece que A avaliação do PARP 2011 2014 [ ] será

Leia mais

Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5

Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5 Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5 P1 Fomentar a transferência de conhecimentos e a inovação nos setores agrícola e florestal e nas

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017 DISCURSO DE S.E. NELSON COSME, EMBAIXADOR DE ANGOLA NO BRASIL NA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA CPLP, SOBRE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E ERRADICAÇÃO DA POBREZA POR MEIO DA AGRICULTURA UBERABA, 13 A 15 DE

Leia mais

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Apresentação: Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Objectivo: Qual a razão da Zambézia, com grande

Leia mais

O PACTO DO CAADP A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PLANO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO (PEDSA)

O PACTO DO CAADP A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PLANO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO (PEDSA) O PACTO DO CAADP A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PLANO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO (PEDSA) 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. Essência do PEDSA 1. Fundamentação 2. Desafios 3. Visão

Leia mais

Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável. Center for International Forestry Research

Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável. Center for International Forestry Research Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável Center for International Forestry Research Quem somos O Centro Internacional de Pesquisa Florestal é uma organização global,

Leia mais

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP )

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP ) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CONFERENCIA DE INVESTIDORES DO CORREDOR DE NACALA Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em

Leia mais

O Impacto da Política Agrária em Moçambique

O Impacto da Política Agrária em Moçambique O Impacto da Política Agrária em Moçambique Dezembro de 2010 ORAM e ROSA Pesquisa realizada: Centro de Estudos Moçambicanos e Internacionais CEMO António Álvaro Francisco Hortêncio Sunde Manuel Lopes e

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MECANIZAÇÃO AGRÁRIA (PNMA) Brazil, Minas Gerais,Uberaba, 14 de Fevereiro de 2017

PROGRAMA NACIONAL DE MECANIZAÇÃO AGRÁRIA (PNMA) Brazil, Minas Gerais,Uberaba, 14 de Fevereiro de 2017 PROGRAMA NACIONAL DE MECANIZAÇÃO AGRÁRIA (PNMA) Brazil, Minas Gerais,Uberaba, 14 de Fevereiro de 2017 ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO I. CONTEXTUALIZAÇÃO II. III. IV. OBJECTIVOS ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO RESULTADOS

Leia mais

Mortalidade de Adultos na zona rural, definição de prioridades e programas de investigação

Mortalidade de Adultos na zona rural, definição de prioridades e programas de investigação MINAG IIAM DE Mortalidade de Adultos na zona rural, definição de prioridades e programas de investigação Apresentado por Raúl Pitoro pitorora@msu.edu Centro dos Estudos Sócio-Económicos Instituto de Investigação

Leia mais

Apresentação por António Saíde Director Nacional de Energias Novas e Renováveis

Apresentação por António Saíde Director Nacional de Energias Novas e Renováveis MINISTÉRIO DA ENERGIA Estratégia de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis veis e o seu impacto na electrificação rural em Moçambique Apresentação por António Saíde Director Nacional de Energias

Leia mais

Competitividade das Culturas de Rendimento em Moçambique: O caso da Castanha de Caju

Competitividade das Culturas de Rendimento em Moçambique: O caso da Castanha de Caju Competitividade das Culturas de Rendimento em Moçambique: O caso da Castanha de Caju Monitoria e Análise de Políticas Agroalimentares (MAFAP) RESULTADOS PRELIMINARES Helder Zavale (CEPPAG-UEM) Luis Monroy

Leia mais

Actividades da Direcção de Desenvolvimento de Zonas Áridas e Semi-Áridas. Maputo, 03 de Outubro de 2014

Actividades da Direcção de Desenvolvimento de Zonas Áridas e Semi-Áridas. Maputo, 03 de Outubro de 2014 REPÚBLICA DE MOCAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRACÃO ESTATAL INSTITUTO NACIONAL DE GESTÃO DE CALAMIDADES DIRECÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DAS ZONAS ARIDAS E SEMI- ARIDAS(DÁRIDAS) Actividades da Direcção de Desenvolvimento

Leia mais

O projecto SALSA - Agricultura familiar,

O projecto SALSA - Agricultura familiar, O projecto SALSA - Agricultura familiar, pequenas empresas agroalimentares e segurança alimentar sustentável 28 de Outubro de 2016 O Projecto SALSA (Small farms, small food businesses and sustainable food

Leia mais

Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO

Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO 23 de Março de 2017 1. Desafios à Produção Alimentar 2. O contexto nacional A diversidade económica social

Leia mais

Experiências de Moçambique com as abordagens baseadas no alimento: Fortificação e Biofortificação

Experiências de Moçambique com as abordagens baseadas no alimento: Fortificação e Biofortificação Experiências de Moçambique com as abordagens baseadas no alimento: Fortificação e Biofortificação Por: Dercio Matale Helen Keller International A Fome Oculta=Deficiências de Micronutrientes No mundo, aproximadamente

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

Reflexões sobre emprego e redução de pobreza no PARP : Desafios para uma abordagem alternativa

Reflexões sobre emprego e redução de pobreza no PARP : Desafios para uma abordagem alternativa Reflexões sobre emprego e redução de pobreza no PARP 2011 2014: Desafios para uma abordagem alternativa Yasfir Ibraimo Seminário de divulgação do livro Desafios para Moçambique 2012 Universidade Católica

Leia mais

A expansão dos recursos naturais de Moçambique. Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Algodão em Moçambique?

A expansão dos recursos naturais de Moçambique. Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Algodão em Moçambique? A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Algodão em Moçambique? O algodão esta entre as 10 principais exportações de Moçambique

Leia mais

Desenvolvimento de sub-produtos a base de frutos de espécies tropicais e nativas

Desenvolvimento de sub-produtos a base de frutos de espécies tropicais e nativas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR INSTITUTO DE FOMENTO DO CAJU (INCAJU) Desenvolvimento de sub-produtos a base de frutos de espécies tropicais e nativas Reunião Anual

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade

O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade "A caminho da EUROPA 2020" Conferência Crescer & Competir Porto, 6 dezembro 2013 Virgílio Martins Unidade G3 Portugal Direção-Geral Política

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

Década da Água e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

Década da Água e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável Seminário Balanço da Década da Água Década da Água e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável Angela R. C. Ortigara Ph.D. WWAP 15 de Dezembro de 2015 Auditório da Rede Gazeta Vitória, ES Objetivos

Leia mais

Seminário Nacional sobre a Avaliação do Programa do FIDA em Moçambique nos últimos 10 anos

Seminário Nacional sobre a Avaliação do Programa do FIDA em Moçambique nos últimos 10 anos REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Seminário Nacional sobre a Avaliação do Programa do FIDA em Moçambique nos últimos 10 anos Discurso de Abertura de Sua Excelência o

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 OBJECTIVOS - Contribuir para o desenvolvimento económico e social de Angola - Garantir a sustentabilidade

Leia mais

Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional

Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional Sumário do 2º Encontro dos parceiros de SAN 31 Consultivo do MINAG 1 Dezembro 2012 Introdução No dia 14 de Dezembro de 2012, no anfiteatro do Ministério

Leia mais

Apresentação da Estratégia Nacional de Mudanças Climáticas. DONDO, 20 de NOVEMBRO de 2014 MICOA/DPCA-Sofala

Apresentação da Estratégia Nacional de Mudanças Climáticas. DONDO, 20 de NOVEMBRO de 2014 MICOA/DPCA-Sofala Apresentação da Estratégia Nacional de Mudanças Climáticas DONDO, 20 de NOVEMBRO de 2014 MICOA/DPCA-Sofala Estrutura da apresentação da estratégia Introdução Processo da elaboração da ENMC Estrutura ENMC

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 853 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Madeira, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

Estratégias para Desenvolver o Sector Agrário rio em Moçambique. Introdução

Estratégias para Desenvolver o Sector Agrário rio em Moçambique. Introdução Estratégias para Desenvolver o Sector Agrário rio em Moçambique Componente de Pesquisa: Comercialização Agrícola Por Danilo Carimo Abdula (MINAG-DE DE-DAP/MSU) DAP/MSU) Julho,, 2007 Introdução Objectivo

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA, Turim, 08 de Abril de 2014

República de Angola MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA, Turim, 08 de Abril de 2014 República de Angola MINISTÉRIO DA AGRICULTURA FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA, Turim, 08 de Abril de 2014 1 SUMÁRIO 1. ANGOLA, POTENCIALIDADES NATURAIS DO SECTOR AGRÁRIO 2. SITUAÇÃO DE ANGOLA-EVOLUÇÃO

Leia mais

MINAG. Os Conteúdos da Apresentação

MINAG. Os Conteúdos da Apresentação MINAG Análise da Renda e Dinâmica de Pobreza nas Zonas Rurais de Moçambique 00- Apresentação no Seminário Nacional de Harmonização da Planificação para 009. Namaacha, -3/Junho/008 Apresentado por Gilead

Leia mais

LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS... iv. SUMÁRIO EXECUTIVO... vi. PREFÁCIO... Error! Bookmark not defined. INTRODUÇÃO... Error! Bookmark not defined.

LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS... iv. SUMÁRIO EXECUTIVO... vi. PREFÁCIO... Error! Bookmark not defined. INTRODUÇÃO... Error! Bookmark not defined. CONTEÚDO LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS... iv SUMÁRIO EXECUTIVO... vi PREFÁCIO... Error! Bookmark not defined. INTRODUÇÃO... Error! Bookmark not defined. Contexto Geral... Error! Bookmark not defined.

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA UNIDADE DE GÉNERO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA UNIDADE DE GÉNERO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA UNIDADE DE GÉNERO PLANO ESTRATÉGICO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE DO GÉNERO DO SECTOR DA ENERGIA (2008-2013) VIII Conselho Coordenador Nampula, 17 de Agosto

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BISSAU. Celebração da Jornada Internacional da Mulher 2015 pelas Mulheres de Pesca Artesanal Africana. Guine-Bissau, 08 de Março de 2015

DECLARAÇÃO DE BISSAU. Celebração da Jornada Internacional da Mulher 2015 pelas Mulheres de Pesca Artesanal Africana. Guine-Bissau, 08 de Março de 2015 Celebração da Jornada Internacional da Mulher 2015 pelas Mulheres de Pesca Artesanal Africana Guine-Bissau, 08 de Março de 2015 DECLARAÇÃO DE BISSAU!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Leia mais

1.Historial 2.Situação Actual 3.Projecto Kitembú Digital 4.Realizações 5.Dificuldades e desafios 6.Prioridades. Conteúdo

1.Historial 2.Situação Actual 3.Projecto Kitembú Digital 4.Realizações 5.Dificuldades e desafios 6.Prioridades. Conteúdo Olinto Daio 1.Historial 2.Situação Actual 3.Projecto Kitembú Digital 4.Realizações 5.Dificuldades e desafios 6.Prioridades Conteúdo Em 2002: Historial - Comité de Governação Electrónica e Gestão de Conhecimento.

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 850 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Açores, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

DESTAQUES UM PASSO À FRENTE DO SEU TEMPO

DESTAQUES UM PASSO À FRENTE DO SEU TEMPO DESTAQUES 2016-2017 UM PASSO À FRENTE DO SEU TEMPO DESTAQUES Apresentamos posições de LIDERANÇA em nossos mercados 2016-2017 N 1 na França 3 o grupo açucareiro no mundo N 3 no Brasil N 3 em amido na Europa

Leia mais

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009 FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO Lisboa, 20 de Junho de 2009 INTRODUÇÃO O FUNAB é uma pessoa colectiva, de direito público, com personalidade jurídica e dotado

Leia mais

Padrões dos Projectos ABC

Padrões dos Projectos ABC Padrões dos Projectos ABC Adaptação com Base na Comunidade (ABC) é uma nova área para muitos profissionais do desenvolvimento. A ABC envolve reflexões sobre questões novas e por vezes complexas. Ela envolve

Leia mais

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Workshop: A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Luanda, 27 de Outubro de 2016 Graduação de Angola de PMA e os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Sustentabilidade Alimentar e Agrícola Desafios para a Saúde Humana

Sustentabilidade Alimentar e Agrícola Desafios para a Saúde Humana Sustentabilidade Alimentar e Agrícola Desafios para a Saúde Humana Simpósios Anipla 2017 Inovação e Tecnologia na produção de alimentos Simone Fernandes Desenvolvimento Sustentável ONU Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

Mercados e Políticas Agrícolas

Mercados e Políticas Agrícolas Mercados e Políticas Agrícolas Aula 7: Introdução às Políticas Agrárias. Objetivos das Políticas Agrárias. Tipos de Políticas Agrárias. Análise dos efeitos das políticas de suporte de preços e rendimentos,

Leia mais

LANÇAMENTO DO PROGRAMA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DAS CHUVAS 3 DE OUTUBRO DE 2014, MAPUTO DIMENSÃO ENERGÉTICA DA EXPLORAÇÃO DA ÁGUA DAS CHUVAS PARA IRRIGAÇÃO DE PEQUENA ESCALA EM MOÇAMBIQUE boaventura.cuamba@gmail.com

Leia mais

A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos

A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos Benedito Cunguara, David Mather, David Tschirley Presentation at MSU/IFPRI conference on Agricultural Public Investments, Policies, and Markets

Leia mais

Campanha de sensibilização do pnase

Campanha de sensibilização do pnase São Tomé, 28 de Fevereiro de 2017. Campanha de sensibilização do pnase Em alusão a 1 de Março, Dia Africano da Alimentação Escolar, o Ministério da Educação Cultura de São Tomé e Príncipe dá início à campanha

Leia mais

Instrumentos e estratégias para o mercado. Colóquio ACBM Ovibeja. 29 de Abril de 2012

Instrumentos e estratégias para o mercado. Colóquio ACBM Ovibeja. 29 de Abril de 2012 Instrumentos e estratégias para o mercado David Gouveia Director de Serviços de Produção e Mercados Agrícolas Gabinete de Planeamento e Políticas-MAMAOT Colóquio ACBM Ovibeja 29 de Abril de 2012 Produção

Leia mais

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS Green Business Week Lisboa, 15-17 março 2017 Paula Pinho Head of Unit Energy Policy Coordination European Commission DG ENERGY OPORTUNIDADE O SISTEMA ENERGÉTICO DO

Leia mais

Quadro Resumo. Metodologias de Elaboração do Orçamento do Estado

Quadro Resumo. Metodologias de Elaboração do Orçamento do Estado Quadro Resumo Metodologias de Elaboração do Orçamento do Estado Introdução A programação do orçamento do estado na base do género significa que os seus distintos classificadores e a estrutura da despesa

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão B8-0000/2016 4.5.2016 PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B8-0000/2016 nos termos do artigo

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

Gestão Integrada de Recursos Hídricos

Gestão Integrada de Recursos Hídricos Gestão Integrada de Recursos Hídricos 1. O que é GIRH? 2. Porque GIRH? 3. Princípios 4. Usuários 5. O Processo 6. Políticas 7. Instituições 1. O que é a GIRH? (1 de 3) A base da Gestão Integrada de Recursos

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

Os conteúdos de apresentação

Os conteúdos de apresentação MINAG IIAM DE Fortalecimento da Capacidade Moçambicana para Aumento da Produtividade, Segurança Alimentar e Redução da Pobreza MSU- FOOD SECURITY III/MZ PROJECT Uma apresentação no workshop sobre Reforçando

Leia mais

AGRICULTURA BIOLÓGICA, O que é? A Estratégia e Plano Acção Nacional em Agricultura Biológica

AGRICULTURA BIOLÓGICA, O que é? A Estratégia e Plano Acção Nacional em Agricultura Biológica AGRICULTURA BIOLÓGICA, O que é? A Estratégia e Plano Acção Nacional AGROBIO Missão: Promover e divulgar a Agricultura Biológica em Portugal Desde 1985 7600 ASSOCIADOS (agricultores; empresas; consumidores)

Leia mais

Agricultura familiar: políticas e ideologias. João Mosca

Agricultura familiar: políticas e ideologias. João Mosca Agricultura familiar: políticas e ideologias João Mosca Conferência Sector Familiar e Desenvolvimento em Moçambique Maputo 4 de Dezembro de 2014 Apresentação 1. Paradigmas 1975-2014 2. O ciclo vicioso

Leia mais

FarmPath Transições na Agricultura: Trajectórias para a Sustentabilidade Regional da Agricultura na Europa

FarmPath Transições na Agricultura: Trajectórias para a Sustentabilidade Regional da Agricultura na Europa FarmPath Transições na Agricultura: Trajectórias para a Sustentabilidade Regional da Agricultura na Europa DRAPAL, 8 Abril 2014 Teresa Pinto Correia (mtpc@uevora.pt) Cecília Fonseca (ceciliaf@uevora.pt)

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

Áreas Afectadas Moçambique Classificação INSA aguda IPC Julho/16 a Fev/17

Áreas Afectadas Moçambique Classificação INSA aguda IPC Julho/16 a Fev/17 CLASSIFICAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR AGUDA EM FASES JULHO 2016/FEVEREIRO2017 República DE MOÇAMBIQUE Áreas Afectadas Moçambique Classificação INSA aguda IPC Julho/16 a Fev/17 Números agregados de PIOR

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural são uma

Leia mais

Custos de Produção de Milho. Joao Mutondo, CEPPAG-UEM ReNAPRI

Custos de Produção de Milho. Joao Mutondo, CEPPAG-UEM ReNAPRI Custos de Produção de Milho Joao Mutondo, CEPPAG-UEM ReNAPRI Outline 1. Descrição de ReNAPRI 2. Produção de milho em Moçambique 3. Metodologia de Agribenchmark 4. Resultados: benchmarking custos de produção

Leia mais

NOTAS PARA A INTERVENCÃO NO ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA DO MOZEFO NO DIA 4 DE DEZEMBRO 2015, MAPUTO, MOCAMBIQUE

NOTAS PARA A INTERVENCÃO NO ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA DO MOZEFO NO DIA 4 DE DEZEMBRO 2015, MAPUTO, MOCAMBIQUE NOTAS PARA A INTERVENCÃO NO ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA DO MOZEFO Finn Tarp NO DIA 4 DE DEZEMBRO 2015, MAPUTO, MOCAMBIQUE 1. Introdução Vossas excelências, caros colegas e amigos de Moçambique. É uma grande

Leia mais

Características do Sector Doméstico e Regional Hortícola e Prioridades para a Sua Modernização

Características do Sector Doméstico e Regional Hortícola e Prioridades para a Sua Modernização Características do Sector Doméstico e Regional Hortícola e Prioridades para a Sua Modernização David Tschirley Cynthia Donovan Fazila Gomes e Jenny Cairns MSU Food Security Group Apresentado no 1o Forum

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 1. Situação de referência A agricultura é produção de alimentos Contribuir para a preservação da biodiversidade e recursos

Leia mais

Desafios para a realização do Direito à Alimentação no Hemisfério

Desafios para a realização do Direito à Alimentação no Hemisfério Desafios para a realização do Direito à Alimentação no Hemisfério San José de Costa Rica, 22 Agosto 2013 Ricardo Rapallo Oficial de Segurança Alimentar do Escritório Regional para a América Latina e o

Leia mais

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

O DESAFIO DO ACESSO À ÁGUA E SANEAMENTO NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS QUINZE ANOS

O DESAFIO DO ACESSO À ÁGUA E SANEAMENTO NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS QUINZE ANOS O DESAFIO DO ACESSO À ÁGUA E SANEAMENTO NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS QUINZE ANOS Antonio da Costa Miranda Neto Fórum Pernambucano de Construção Sustentável,

Leia mais

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água Blueprint Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal IPQ 9 Abril 2014 Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas

Leia mais

Dinâmica do Sector Agrário em Moçambique

Dinâmica do Sector Agrário em Moçambique Dinâmica do Sector Agrário em Moçambique O Papel da Agricultura Comercial Familiar na Redução da Pobreza A transformação estrutural da economia: papel do sector agrário Nível macro: Ao longo do tempo,

Leia mais

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Temos uma abordagem singular

Leia mais

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF 1988-2011 CLÁUDIA COSTA; RITA SANTOS; ADRIANA LOUREIRO; PAULA SANTANA Intervenção do IMVF Perfil Instituto

Leia mais