O DESAFIO DO ACESSO À ÁGUA E SANEAMENTO NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS QUINZE ANOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESAFIO DO ACESSO À ÁGUA E SANEAMENTO NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS QUINZE ANOS"

Transcrição

1 O DESAFIO DO ACESSO À ÁGUA E SANEAMENTO NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS QUINZE ANOS Antonio da Costa Miranda Neto Fórum Pernambucano de Construção Sustentável, Novembro/2015

2 RESUMO Cenário mundial hoje Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU Serviços de água e esgotos no Brasil Marcos legais e institucionais Perspectiva de investimentos no médio e longo prazos Desafios e oportunidades para os próximos 15 anos

3 Cenário mundial hoje Mais de 1 bilhão de pessoas sem acesso a água com segurança de potabilidade Cerca de 2,4 bilhões de pessoas sem acesso a instalações sanitárias melhoradas Mais de 1 bilhão de pessoas praticando defecação a céu aberto

4 Cenário mundial hoje Fórum Econômico Mundial (Davos, 2015): Crise da água no topo da agenda mundial Impacto mais temido para o desenvolvimento econômico, seguido por Rápida e Maciça Disseminação de Doenças Infecciosas, e por Armas de Destruição em Massa. Mudanças drásticas relacionadas à água secas e enchentes: face mais visível das mudanças climáticas. COP 21 (Paris, Dezembro/2015)

5 Cenário mundial hoje Sucesso parcial dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ( ) Mais ousadia nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ( ), a serem lançados na Assembleia Geral da ONU

6 ONU Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Assembleia Geral, Setembro/2015) 1. Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares 2. Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável 3. Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades 4. Assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

7 ONU Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 6. Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos 7. Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia, para todos 8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos 9. Construir infraestruturas resistentes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação 10. Reduzir a desigualdade entre os países e dentro deles

8 ONU Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 11. Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis 12. Assegurar padrões de produção e consumo sustentáveis 13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos 14. Conservação e uso sustentável dos oceanos, mares e dos recursos marinhos, para o desenvolvimento sustentável

9 ONU Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra, e estancar a perda de biodiversidade 16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis 17. Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

10 Objetivo 6 - Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos até 2030, alcançar o acesso universal e equitativo à água potável, segura e acessível para todos até 2030, alcançar o acesso a saneamento e higiene adequados e equitativos para todos, e acabar com a defecação a céu aberto, com especial atenção para as necessidades das mulheres e meninas e daqueles em situação de vulnerabilidade até 2030, melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas, e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura globalmente

11 Objetivo 6 - Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos até 2030, aumentar substancialmente a eficiência do uso da água em todos os setores e assegurar retiradas sustentáveis e o abastecimento de água doce para enfrentar a escassez de água, e reduzir substancialmente o número de pessoas que sofrem com a escassez de água até 2030, implementar a gestão integrada dos recursos hídricos em todos os níveis, inclusive via cooperação transfronteiriça, conforme apropriado até 2020, proteger e restaurar ecossistemas relacionados com a água, incluindo montanhas, florestas, zonas úmidas, rios, aquíferos e lagos

12 Objetivo 6 - Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos 6.a - até 2030, ampliar a cooperação internacional e o apoio à capacitação para os países em desenvolvimento em atividades e programas relacionados a água e saneamento, incluindo a coleta de água, a dessalinização, a eficiência no uso da água, o tratamento de efluentes, a reciclagem e as tecnologias de reuso 6.b - apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais, para melhorar a gestão da água e do saneamento.

13 SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (*) E ESGOTAMENTO SANITÁRIO (**) NO BRASIL (*) Água distribuída em ligações prediais (**) Coleta, tratamento e destinação final adequada

14 Abastecimento de água

15 Cobertura POPULAÇÃO DOMICÍLIOS (x 1.000) COBERTURA (%) DÉFICIT (DOMICÍLIOS x 1.000) DÉFICIT (POP., MILHÕES) Urbana ,5 Rural ,6 BRASIL ,1 Fonte: Censo 2010

16 25% dos municípios tem, regularmente, cortes no abastecimento ou programas de racionamento (Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2008) 9,8 milhões de domicílios não são atendidos por redes de água, 4 milhões em áreas urbanas (Censo/2010) Alto índice de perdas 37 % (Sistema Nacional de Informações de Saneamento/2013) Oferta desigual, geograficamente Abastecimento de água 7% da água distribuída não é adequadamente tratada (PNSB/2008)

17 Natureza institucional do operador 65,2% 4,5% 30,3% Azul: Estadual; Amarelo: Municipal; Vermelho: Privado Base: municípios Fonte: PNSB (2008)

18 Esgotamento sanitário

19 Cobertura POPULAÇÃO DOMICÍLIOS (x 1.000) COBERTURA COM REDE DE ESGOTOS + PLUVIAL (%) COBERTURA REDES + FOSSAS (%) DÉFICIT (POP., MILHÕES) Urbana ,3 Rural ,8 BRASIL ,1 Fonte: Censo/2010

20 Esgotamento sanitário 49% dos domicílios sem coleta de esgotos; nas áreas urbanas o déficit é de 36% (Censo/2010) 32% dos esgotos coletados não são tratados (SNIS/2013) 61% dos esgotos gerados não são tratados (SNIS/2013) 45% dos municípios não têm qualquer sistema de esgotos (PNSB/2008) 72% dos municípios (4.000) não dispõem de nenhum tipo de tratamento de esgotos (PNSB/2008)

21 Pernambuco Número de municípios atendidos: 180 com abastecimento de água 44 com esgotamento sanitário Cobertura (população urbana): 85% com abastecimento de água 24% com esgotamento sanitário Índice de perdas de água: 54% Receita total: R$ 1,1 bilhão/ano Fonte: SNIS/2013

22 MARCOS LEGAIS E INSTITUCIONAIS

23 2003 Criação do Ministério das Cidades Retomada das operações de crédito para água e esgotos 2004 Criação do Conselho Nacional das Cidades Lei das PPPs 2005 Lei dos Consórcios Públicos 2007 Lei do Saneamento Básico PAC US$ 20 bilhões ( ) 2008 Plano Federal de Saneamento Básico, PLANSAB 1ª etapa ª etapa do PAC US$ 23 bilhões( ) 2011 PLANSAB, versão final

24 Área Investimentos necessários para as metas do PLANSAB (R$ bilhões) Fontes federais Até 2015 Até 2030 Outras fontes (*) Planos, projetos, estudos, capacitação, desenvolvimento científico e tecnológico, adaptação climática etc., comuns a todos os componentes. Total Fontes federais Outras fontes Abastecimento de água 19,1 13, ,1 48,4 115,5 Esgotamento sanitário 37,6 14,7 52,3 123,2 50,2 173,4 Resíduos sólidos 8,8 3,3 12,1 10,6 7,5 18,1 Drenagem urbana 9,2 9,7 18,9 30,1 30,6 60,7 Subtotal 74,7 40,9 115,6 231,0 136,7 367,7 Investimentos gerais (*) 13,2 13,2 26,4 47,6 47,8 95,4 Total 87,9 54,1 142,0 278,6 184,5 463,1 Total

25 DESAFIOS E OPORTUNIDADES

26 Mais que dobrar o valor anual investido, ao longo dos próximos quinze Ampliar as fontes de financiamento Reduzir a dependência do orçamento federal Demandas ambientais crescentes, em especial as adaptações climáticas Empreendimentos estratégicos Aumento das demandas de habitação e desenvolvimento urbano Ambiente legal favorável Lei de Saneamento, Decreto do Saneamento, Lei das PPPs, Lei de Consórcios DESAFIOS E OPORTUNIDADES

27 Fontes de financiamento sólidas (tanto para o setor público quanto para o privado) FGTS FAT/BNDES Melhoria no desempenho dos serviços Redução das perdas Melhoria na gestão e administração dos serviços Melhorar a qualidade do investimento público Reduzir o tempo de implementação dos projetos Adotar soluções e tecnologias adaptadas às realidades e capacidades locais Economia de escala na gestão dos serviços Valorizar o planejamento de médio e longo prazos Melhorar a qualidade dos projetos de engenharia DESAFIOS E OPORTUNIDADES

28 Implementar e consolidar a Lei de Saneamento Institucionalizar os mecanismos de controle social e regulação Ampliar a capacidade técnica e institucional das agências reguladoras Trazer todos os prestadores para padrões de serviços legais e regulados Elaborar os Planos Municipais de Saneamento Básico Desenvolvimento do cluster de água e saneamento Estudos, projetos e consultoria Obras Prestação de serviços (operação, manutenção, atendimento ao cidadão,...). DESAFIOS E OPORTUNIDADES

29 Mais informações:

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E SANEAMENTO. Prelector: Lionidio de Ceita 25 Julho 2016

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E SANEAMENTO. Prelector: Lionidio de Ceita 25 Julho 2016 ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E SANEAMENTO Prelector: Lionidio de Ceita 25 Julho 2016 Alterações Climáticas: Mito ou Realidade? O assunto das alterações climáticas tem sido amplamente discutido em termos políticos,

Leia mais

Década da Água e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

Década da Água e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável Seminário Balanço da Década da Água Década da Água e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável Angela R. C. Ortigara Ph.D. WWAP 15 de Dezembro de 2015 Auditório da Rede Gazeta Vitória, ES Objetivos

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

Geodiversidade e sustentabilidade: um desafio para o século XXI

Geodiversidade e sustentabilidade: um desafio para o século XXI Geodiversidade e sustentabilidade: um desafio para o século XXI José Brilha jbrilha@dct.uminho.pt Seminário Nacional Eco-Escolas 2017 Ilhavo Fonte: Internet 6 000 000 000 População mundial em 1999 7 000

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

II PRÊMIO SESI ODS 2017 SELO SESI ODS 2017 REGULAMENTO

II PRÊMIO SESI ODS 2017 SELO SESI ODS 2017 REGULAMENTO II PRÊMIO SESI ODS 2017 SELO SESI ODS 2017 REGULAMENTO O Serviço Social da Indústria, Sesi no Paraná, visando reconhecer boas práticas para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

Leia mais

Pacto Global das Nações Unidas Rede Brasil. Workshop Sustentabilidade na Prática e Modelo de Negócio

Pacto Global das Nações Unidas Rede Brasil. Workshop Sustentabilidade na Prática e Modelo de Negócio Pacto Global das Nações Unidas Rede Brasil Workshop Sustentabilidade na Prática e Modelo de Negócio São Paulo, 27 de setembro de 2016 Pacto Global das Nações Unidas Lançado em 2000 por Koffi Annan; Mais

Leia mais

MUNICIPALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DO MILÊNIO 2000/2015 PARA OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 2015/2030

MUNICIPALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DO MILÊNIO 2000/2015 PARA OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 2015/2030 MUNICIPALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DO MILÊNIO 2000/2015 PARA OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 2015/2030 A FEDERAÇÃO CATARINENSE DOS MUNICÍPIOS E OS ODM A FECAM já aderiu ao Movimento Nós Podemos Santa

Leia mais

A participação no Call4Ideas do The Big Hackathon sujeita todos os participantes aos termos deste Regulamento. INTRODUÇÃO 1

A participação no Call4Ideas do The Big Hackathon sujeita todos os participantes aos termos deste Regulamento. INTRODUÇÃO 1 REGULAMENTO Call4Ideas para The Big Hackathon Banco de ideais para o CampusParty Hackathon A participação no Call4Ideas do The Big Hackathon sujeita todos os participantes aos termos deste Regulamento.

Leia mais

Dos ODM aos ODS com uma lente de CPD? Mónica Ferro,

Dos ODM aos ODS com uma lente de CPD? Mónica Ferro, Dos ODM aos ODS com uma lente de CPD? Mónica Ferro, mferro@iscsp.ulisboa.pt; mferro@psd.parlamento.pt Dos ODM aos ODS, à Agenda Pós-2015 O que é a Coerência A Coerência e a Agenda Pós-2015 Desafios atuais

Leia mais

Anna Virgínia Machado UFF-CDEN. Valmor Pietsch ABEAG-CDEN. Evandro de Alencar Carvalho (Presidente do Crea-PE)

Anna Virgínia Machado UFF-CDEN. Valmor Pietsch ABEAG-CDEN. Evandro de Alencar Carvalho (Presidente do Crea-PE) Palestrantes: Moderador: Igor Rusch SANEPAR Anna Virgínia Machado UFF-CDEN Valmor Pietsch ABEAG-CDEN Debatedor: Evandro de Alencar Carvalho (Presidente do Crea-PE) De acordo com a Organização Mundial da

Leia mais

GLÓRIA GONÇALVES A EDUCAÇÃO DAS (IN)CERTEZAS

GLÓRIA GONÇALVES A EDUCAÇÃO DAS (IN)CERTEZAS GLÓRIA GONÇALVES A EDUCAÇÃO DAS (IN)CERTEZAS RAM MUNDO GLOBALIZAÇÃO PORTUGAL EUROPA Governo Português Ministério da Educação Governo Regional- SRE EDUCAÇÃO Legislação Nacional Legislação Regional Currículos

Leia mais

Como a prática e as políticas públicas de apoio à agroecologia poderão ajudar o Brasil cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável até 2030

Como a prática e as políticas públicas de apoio à agroecologia poderão ajudar o Brasil cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável até 2030 Como a Agricultura Orgânica ajudará o Brasil a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU? Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável 17 Objetivos, 169

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

SEMINÁRIO: SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA NOS PROCESSOS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO E PRODUTIVOS NO BRASIL

SEMINÁRIO: SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA NOS PROCESSOS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO E PRODUTIVOS NO BRASIL SEMINÁRIO: SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA NOS PROCESSOS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO E PRODUTIVOS NO BRASIL Políticas Públicas, Financiamento e Regulação JOHNNY FERREIRA DOS SANTOS Diretor Campinas - SP,

Leia mais

As Conquistas dos ODMs e os Desafios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Haroldo Machado Filho

As Conquistas dos ODMs e os Desafios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Haroldo Machado Filho As Conquistas dos ODMs e os Desafios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Haroldo Machado Filho Curitiba 20 de agosto de 2015 Declaração do Milênio Em setembro de 2000, durante a Cúpula do

Leia mais

GIANCARLO GERLI GOVERNADOR DO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA São Paulo, 08 de outubro de 2013

GIANCARLO GERLI GOVERNADOR DO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA São Paulo, 08 de outubro de 2013 GIANCARLO GERLI GOVERNADOR DO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA São Paulo, 08 de outubro de 2013 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DOCE NO MUNDO DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA DOCE E SALGADA 97,5 8% 22% 70% 2,5 Indústria Agricultura

Leia mais

PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL

PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL Johnny Ferreira dos Santos Diretor Ministério das Cidades São Paulo, 15 de Março de 2016 Itens 1. Saneamento: Aspectos Gerais 2. Importância do Saneamento para a

Leia mais

Desafios do saneamento e o compromisso dos candidatos

Desafios do saneamento e o compromisso dos candidatos Desafios do saneamento e o compromisso dos candidatos Dante Ragazzi Pauli O Brasil é um país repleto de desafios. Com dimensões continentais e muitas diversidades entre suas regiões. É a sétima economia

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

GT CRIANÇA E ADOLESCENTE O GUIA GPS SOB AS LENTES DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. 1. Eixo Governança: 2. Eixo Bens Naturais Comuns:

GT CRIANÇA E ADOLESCENTE O GUIA GPS SOB AS LENTES DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. 1. Eixo Governança: 2. Eixo Bens Naturais Comuns: O GUIA GPS SOB AS LENTES DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Uma das mais difíceis questões que desafiam o Brasil e tantos outros países é como equilibrar o desenvolvimento econômico com a sustentabilidade ambiental

Leia mais

III Concurso Cultural

III Concurso Cultural O 3º Concurso Cultural de Desenho e Redação/ Poesia, é dirigido aos estudantes do ensino fundamental (do 1º ao 9º ano), promovido pela OJI PAPÉIS ESPECIAIS, em parceria com a OSCIP PIRA 21 Piracicaba realizando

Leia mais

ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Setembro de 2013 2 Introdução: A situação do saneamento básico no Brasil A situação

Leia mais

Mortalidade Infantil E Populações tradicionais. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Mortalidade Infantil E Populações tradicionais. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Mortalidade Infantil E Populações tradicionais Objetivos de Desenvolvimento Sustentável OS ODM s Muito a celebrar... O Brasil alcançou a meta relacionada à mortalidade infantil. Mas com muita desigualdades

Leia mais

Objectivos para o desenvolvimento sustentável: Os desafios dos ODS e a Saúde

Objectivos para o desenvolvimento sustentável: Os desafios dos ODS e a Saúde ENCONTRO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL Ilha de Santiago, 8 a 12 de Agosto de 2016 Objectivos para o desenvolvimento sustentável: Os desafios dos ODS e a Saúde 1 Transformar o

Leia mais

Projeto Brasil-Alemanha de fomento ao aproveitamento energético do biogás no Brasil

Projeto Brasil-Alemanha de fomento ao aproveitamento energético do biogás no Brasil Projeto Brasil-Alemanha de fomento ao aproveitamento energético do biogás no Brasil Acordo bilateral de cooperação 2008: Governo brasileiro e alemão ratificaram interesse em aprofundar parceria estratégica

Leia mais

Veja como participar. Prêmios. Cronograma e Inscrições

Veja como participar. Prêmios. Cronograma e Inscrições A Câmara Oficial Espanhola de Comércio no Brasil abre as inscrições para o Prêmio Câmara Espanhola de Sustentabilidade, que reconhece o mérito das iniciativas das empresas associadas que promovem ações

Leia mais

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Natal RN, 27 de julho de 2017 Etapas da Agenda 2030 ETAPA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Marco Antônio Câmara Superintendente da FUNASA SUEST/MG Edicleusa Veloso Moreira Assessora Especial A FUNASA tem por finalidade promover SAÚDE PUBLICA e a

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB 1º. Seminário Franco-Brasileiro Sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Gerente de Projetos Especialista em

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental 1o. SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL A Lei 11.445/07 e suas implicações na gestão do Saneamento Básico do Brasil. Alexandre

Leia mais

sustentabilidade Futuro em construção futuro em construção

sustentabilidade Futuro em construção futuro em construção futuro em construção ONU apresenta relatório com a síntese de todo o trabalho desenvolvido até agora para definição e negociação da agenda pós-2015, com ações que guiarão o desenvolvimento global a partir

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial do índice médio de atendimento

Leia mais

A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico

A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico O que é sustentabilidade? Um caminho para a sustentabilidade: Recursos Naturais Degradação

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROPOSTA DO GRUPO DE TRABALHO ABERTO PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

INTRODUÇÃO À PROPOSTA DO GRUPO DE TRABALHO ABERTO PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INTRODUÇÃO À PROPOSTA DO GRUPO DE TRABALHO ABERTO PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. O documento final da Rio +20, O futuro que queremos, entre outras coisas, definiu um mandato para estabelecer

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental Mesa Redonda 1 Universalização do Saneamento e Sustentabilidade As Leis 11.445/2007, 11.107/2005 e 11.172/2008 e a Universalização 12 de julho de

Leia mais

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição Junho de 2013 Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique 1 Breve Historial Mais de 70%vivem da agricultura Pequenos

Leia mais

LINHAS DE FINANCIAMENTO E INCENTIVOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PEQUENOS SISTEMAS DE SANEAMENTO

LINHAS DE FINANCIAMENTO E INCENTIVOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PEQUENOS SISTEMAS DE SANEAMENTO LINHAS DE FINANCIAMENTO E INCENTIVOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PEQUENOS SISTEMAS DE SANEAMENTO Juliana de Senzi Zancul 21 de Junho de 2013 População Rural Cerca de 30 milhões de pessoas residem em localidades

Leia mais

Desenvolvimento & Infraestrutura Impactos na Economia e Sociedade. Martin Raiser Diretor Banco Mundial, Brasil

Desenvolvimento & Infraestrutura Impactos na Economia e Sociedade. Martin Raiser Diretor Banco Mundial, Brasil Desenvolvimento & Infraestrutura Impactos na Economia e Sociedade Martin Raiser Diretor Banco Mundial, Brasil Infraestrutura ajuda no crescimento e empregos Crescimento per capita como resultado de diferentes

Leia mais

Objetivos de Desenvolvimento do Milénio

Objetivos de Desenvolvimento do Milénio Direito a Não Viver na Objetivos de Desenvolvimento do Milénio Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milénio com diversas metas a ser atingidas. Adoptados pela

Leia mais

Otimizar a água nos centros comerciais

Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais A Sonae Sierra necessita de energia, de água e de matéria-prima não renovável para que seja possível construir e operar os

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial

Leia mais

12 de dezembro de 2016

12 de dezembro de 2016 PNSR Programa Nacional de Saneamento Rural Panorama delimitado pela pesquisa qualitativa os trabalhos de campo 12 de dezembro de 2016 Política Federal de Saneamento Básico / PLANSAB / PNSR O CONCEITO DE

Leia mais

Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável. Center for International Forestry Research

Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável. Center for International Forestry Research Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável Center for International Forestry Research Quem somos O Centro Internacional de Pesquisa Florestal é uma organização global,

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO RESUMO DO PLANO DE GOVERNO GOVERNANÇA 1. Fortalecer os processos de decisão com a promoção dos instrumentos da democracia participativa. 1.1 Continuar a desenvolver uma perspectiva comum e de longo prazo

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp 2º Congresso de Saneamento do Nordeste O protagonismo dos municípios na gestão do saneamento. Eng. Leonardo Rodrigues

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES 21 de junho 2017 A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES é

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Soluções e Parcerias para o Desenvolvimento dos Municípios. Helio Luiz Duranti Diretor Regional de Negócios

Soluções e Parcerias para o Desenvolvimento dos Municípios. Helio Luiz Duranti Diretor Regional de Negócios Soluções e Parcerias para o Desenvolvimento dos Municípios Helio Luiz Duranti Diretor Regional de Negócios Missão da CAIXA Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País, como

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS.

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Nos últimos vinte anos fala-se com mais intensidade da crise energética, em sua dupla vertente: 1. O esgotamento dos combustíveis fósseis.

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

Política de Recursos Hídricos e Saneamento. Prof. Carlos E. M. Tucci

Política de Recursos Hídricos e Saneamento. Prof. Carlos E. M. Tucci Política de Recursos Hídricos e Saneamento Prof. Carlos E. M. Tucci 1 Precipitação Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento da erosão, sedimentos e resíduos sólidos;

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Cenário Atual do Saneamento

Cenário Atual do Saneamento Cenário Atual do Saneamento Conhecimento ainda é privilégio de poucos 31% da população desconhece o que é Saneamento, somente 3% o relacionam à Saúde e 41% não pagaria para ter seu domicílio ligado à rede

Leia mais

Carta de Poços de Caldas

Carta de Poços de Caldas Carta de Poços de Caldas 1. A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento Assemae, entidade sem fins lucrativos com 31 anos de atuação, realizou, no período de 24 a 29 de maio de 2015, em

Leia mais

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016 Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação São Paulo, 31 de Março de 2016 Agenda 1. Introdução: porque um curso sobre regulação de saneamento 2. Sobre a Cooperação

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

SEGURANÇA HÍDRICA PARA A PRODUÇÃO INDUSTRIAL. Patrícia Boson

SEGURANÇA HÍDRICA PARA A PRODUÇÃO INDUSTRIAL. Patrícia Boson SEGURANÇA HÍDRICA PARA A PRODUÇÃO INDUSTRIAL Patrícia Boson titaboson@gmail.co Agosto de 2017 CENÁRIO DISPONIBILIDADE HÍDRICA/CONJUNTURA ÁGUA NO MUNDO DISPONIBILIDADE HÍDRICA/CONJUNTURA ÁGUA NO BRASIL

Leia mais

Advocacia de WASH e os Objectivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável

Advocacia de WASH e os Objectivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável Advocacia de WASH e os Objectivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável Resumo executivo Este folheto informativo proporciona uma visão geral dos novos Objectivos Globais da ONU - também conhecidos

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

Mecanismos Financeiros no contexto da COP-9. Pedro Leitão Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP-9 da CDB 6 de maio de 2008

Mecanismos Financeiros no contexto da COP-9. Pedro Leitão Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP-9 da CDB 6 de maio de 2008 Mecanismos Financeiros no contexto da COP-9 Pedro Leitão Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP-9 da CDB 6 de maio de 2008 Quem paga a conta? Recursos e mecanismos financeiros é um dos tema

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO. Reunião Almoço Saneamento Ambiental em Foco ABES-RS 14/DEZEMBRO/2016

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO. Reunião Almoço Saneamento Ambiental em Foco ABES-RS 14/DEZEMBRO/2016 COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO Reunião Almoço Saneamento Ambiental em Foco ABES-RS 14/DEZEMBRO/2016 1. CENÁRIO ECONÔMICO Investimento em infraestrutura (% do PIB) no Brasil nas últimas duas décadas

Leia mais

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e a Agenda Ação global para as pessoas e para o planeta

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e a Agenda Ação global para as pessoas e para o planeta O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e a Agenda 2030 Ação global para as pessoas e para o planeta Desemprego, escassez de recursos, mudanças climáticas, insegurança alimentar e desigualdade

Leia mais

Danilo Forte Presidente Fundação Nacional de Saúde

Danilo Forte Presidente Fundação Nacional de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICAP XI MARCHA A BRASÍLIA EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS: A VISÃO DOS MUNICÍPIOS SOBRE O PACTO FEDERATIVO AVALIAÇÃO SOBRE

Leia mais

Secretaria de Habitação e Saneamento Departamento de Saneamento - DESAN

Secretaria de Habitação e Saneamento Departamento de Saneamento - DESAN II Diálogos do Saneamento "Plano Estadual de Saneamento como ferramenta de gestão, os desafios na sua implementação e sua contribuição para a universalização dos serviços." Pedro Dall Acqua Rafael Zaneti

Leia mais

Informações da Organização

Informações da Organização Informações da Organização Nome: ICOM - Instituto Comunitário Grande Florianópolis CNPJ: 07.756.988/0001-62 Endereço: Rua Lacerda Coutinho Endereço Complemento: Numero: 100 Bairro: Centro Cidade: Florianópolis

Leia mais

Jornalismo, meio ambiente, saneamento

Jornalismo, meio ambiente, saneamento Cabo Frio 12/09/2016 Jornalismo, meio ambiente, saneamento Por menos que se queira analisar por esses ângulos, hoje é praticamente impossível tratar qualquer tema no jornalismo sem tratar também de suas

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental 10. Metas e Indicadores As metas representam os resultados a serem alcançados pelo tribunal para atingir os objetivos propostos. Elas permitem um melhor controle do desempenho da instituição, pois são

Leia mais

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias Parcerias entre Setor Público e Iniciativa Privada - Ferramenta

Leia mais

Apresentação da Estratégia Nacional de Mudanças Climáticas. DONDO, 20 de NOVEMBRO de 2014 MICOA/DPCA-Sofala

Apresentação da Estratégia Nacional de Mudanças Climáticas. DONDO, 20 de NOVEMBRO de 2014 MICOA/DPCA-Sofala Apresentação da Estratégia Nacional de Mudanças Climáticas DONDO, 20 de NOVEMBRO de 2014 MICOA/DPCA-Sofala Estrutura da apresentação da estratégia Introdução Processo da elaboração da ENMC Estrutura ENMC

Leia mais

Apoio Institucional 2

Apoio Institucional 2 Cap-Net Brasil - Rede Brasileira de Capacitação em Recursos HídricosH 2 Apoio Institucional Apresentação 1. Contextualização para GIRH 2. Rede Mundial de Capacitação em GIRH (Cap-Net) 2.1 Estrutura Organizacional

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica. Mario Pino. Março/2017

Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica. Mario Pino. Março/2017 Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica Mario Pino Março/2017 Seminário: Mudança do Clima e Segurança Hídrica Reflexos e Impactos para a Sociedade Introdução Passado Presente Futuro

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017.

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017 O BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis tem como objetivo apoiar investimentos em geração e distribuição

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS Gestão de Inundações urbanas Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS tucci@rhama.net Tipos de inundações Inundações ribeirinhas: inundações naturais resultado da flutuação dos rios durante

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP

APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP PONTES E PARCERIAS NOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - PLATAFORMA DE PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E CONHECIMENTO NO SETOR DA ÁGUA APDA, ENEG, Porto, Dezembro de 2015 Jaime Melo

Leia mais

As Perguntas Mais Frequentes sobre os Objetivos de Desenvolvimento

As Perguntas Mais Frequentes sobre os Objetivos de Desenvolvimento ? Sustentável As Perguntas Mais Frequentes sobre os Objetivos de Desenvolvimento (ODS) ERRADICAÇÃO DA POBREZA FOME ZERO E AGRICULTURA SUSTENTÁVEL SAÚDE E BEM-ESTAR EDU CAÇÃO DE QUALIDADE IGUALDADE DE GÊNERO

Leia mais

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL)

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL) 0. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL) Produto : Definição do processo de elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Produto 2: Diagnóstico da Situação do Saneamento Básico

Leia mais

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA nos Processos de Abastecimento Público e Produtivos

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Sustentabilidade nas Contratações Públicas Agosto de 2013 Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Fernanda Capdeville Analista Ambiental, Especialista em Gestão Pública Departamento de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA

1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA 1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA Quinto Encontro Técnico Ibero-Americano de Alto Nível Curitiba -17 a 19 de outubro de 2012 Controle da Poluição de Águas e Solos por Processos Biológicos 05 de

Leia mais

ANEXO. Guia GPS. Indicadores do Programa Cidades Sustentáveis e Orientações para o Plano de Metas

ANEXO. Guia GPS. Indicadores do Programa Cidades Sustentáveis e Orientações para o Plano de Metas ANEXO Guia GPS Gestão Pública Sustentável www.cidadessustentaveis.org.br/gps Atualizado com os ODS Indicadores do Programa Cidades Sustentáveis e Orientações para o Plano de Metas ANEXO GPS - Indicadores

Leia mais

RESÍDUOS: CLASSIFICAÇÃO E LEGISLAÇÃO. Proibida a reprodução Pré elaborado por Michelle Barcellos

RESÍDUOS: CLASSIFICAÇÃO E LEGISLAÇÃO. Proibida a reprodução Pré elaborado por Michelle Barcellos 34 ESTADUAL - SANTA CATARINA Lei 407, de 2009 Dispõe sobre a coleta dos resíduos sólidos inorgânicos nas áreas rurais. Lei 11.347, de 17/01/2000 Dispõe sobre a coleta, o recolhimento e o destino final

Leia mais

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014 PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Considerando que a Bacia do Rio Paraguai abrange a maior planície inundável do planeta, o Pantanal; Considerando que a bacia abriga mais de 8 milhões de habitantes com

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio República de Moçambique Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Ponto de Situação, Progressos e Metas Conferência Cumprir Bissau Desafios e Contribuições da CPLP para o cumprimento dos ODMS 5 de Junho

Leia mais