Financiamento de PSA no RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento de PSA no RS"

Transcrição

1 Financiamento de PSA no RS Valéria Borges Vaz Presidente do Comitê Pardo Coordenadora Fórum Gaúcho de Comitês de Bacias Coordenadora do Núcleo de Gestão Pública - UNISC VI Fórum Internacional de Gestão Ambiental Porto Alegre - RS 01/11/2016

2 PSA Regulamentação Legal: Lei /1994 Política Estadual de Recursos Hídricos: CRH DRH FEPAM Comitês Bacias Agências RH - Plano Estadual de Recursos Hídricos (PL 233/2014 arquivado; PL109/2015 aguarda parecer da CCJ); - Plano de Bacias Hidrográficas (mapa) - Outorga (SIOUT lançado em 2015) - Cobrança pelo Uso Recursos Hídricos (cadastro) - Rateio de Custo de Obras de Uso e Proteção Recursos Hídricos (acordos)

3 Decreto /2015 Política de Conservação do Solo e da Água:... necessidade de reduzir perdas de solo e aumentar capacidade de infiltração de água nas propriedades rurais... (PL 294/2005 Política Estadual do Uso, Manejo e Conservação do Solo Agrícola projeto arquivado) Planos Estratégicos de Desenvolvimento Regional (28 COREDES 9 Regiões Funcionais de Planejamento (em elaboração) Projetos Estruturantes (ex. COREDE Vale Rio Pardo PSA) ZEE RS (em elaboração) Política Estadual de Gestão de Riscos e Desastres Naturais (em elaboração) Eventos hidrológicos extremos secas e inundações pior seca últimos 60 anos 145 mun. situação emergência 4 milhões perfuração poços

4 Objetivos Desenvolvimento Sustentável da ONU : Tornar cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros e resilientes e sustentáveis - rápida urbanização está exercendo pressão sobre a oferta de água potável mais de 1 bilhão de pessoas não tem acesso à água potável... Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos - De 1880 a 2012 a temperatura média global aumentou 0,85 C... Vide Sumário do Relatório do IPCC AR5 voltado aos tomadores de decisões

5 Objetivos Desenvolvimento Sustentável da ONU : Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável - 40% dos oceanos estão altamente afetados pela poluição, diminuição da pesca e perda de habitats costeiros o valor de mercado de recursos marinhos e costeiros das indústrias é de 3 trilhões de dólares por ano, representando 5% do PIB global... Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade - 2, 6 bilhões de pessoas dependem diretamente da agricultura e 52% da terra utilizada para este fim está afetada pela degradação do solo e anualmente cerca de 12milhões há são perdidos devido à seca e a desertificação...

6

7 Bacias com insuficiência hídrica em períodos de baixa vazão: Região Hidrográfica do Guaíba: Gravataí (quali./quant. abastecimento humano e irrigação) Sinos (quant. abastecimento humano e irrigação e quali. abastecimento humano, lazer e preservação ambiental) Caí (quali. abastecimento humano, lazer e preservação ambiental) Taquari-Antas (quant. geração energia e preservação ambiental e quali. abastecimento humano, turismo, lazer e preservação ambiental) Vacacaí-Vacacaí-Mirim (quant. abastecimento humano e irrigação) Lago Guaíba (qual. abastecimento humano e indústria) Pardo (quali./quant. abastecimento humano e irrigação)

8 Bacias com insuficiência hídrica em períodos de baixa vazão: Região Hidrográfica do Uruguai: Apuaê-Inhandava (quant. abastecimento público) Passo Fundo (quant. abastecimento humano, geração energia elétrica e preservação ambiental) Turvo - Santa Rosa - Santo Cristo (quant. geração de energia e preservação ambiental) Ibicuí (quant. orizicultura, quali. mineração) Quaraí (quant. entre irrigantes) Santa Maria (quant. abastecimento humano e orizicultura) Negro (quant. abastecimento humano e entre irrigantes) Butuí-Icamaquã (quant. entre irrigantes) Piratinim e Várzea

9 Bacias com insuficiência hídrica em períodos de baixa vazão: Região Hidrográfica do Litoral: Tramandaí (quant./quali. abastecimento veranistas e irrigação) Litoral Médio (quant. irrigação e preservação ambiental) quali. salinização) Camaquã (quant. irrigação lazer e qual. mineração) Mirim - São Gonçalo (quant./quali. orizicultura, abastecimento humano, mineração) Mampituba (quant. orizicultura, lazer e turismo, preservação ambiental)

10 Nossos Desafios: - Implantação completa da Política Estadual Recursos Hídricos, Política de Solo e Água, ZEE, Projetos Estruturantes dos COREDES, Política de Gestão de Riscos e Desastres, ODS,...P.S.A... - Crises: hídrica, ambiental, econômica, valores humanos... Hora de reciclar (conceitos, atitudes)... A saída é uma ESCOLHA DIÁRIA. - Abandonar o Ego e buscar parcerias (Humildade). Ações conjuntas tem mais força para ser implantadas e mais durabilidade/credibilidade, e estabelecem conexões importantes. - Devemos ser mediadores de conflitos e não geradores de conflitos; - Deixar de lado as síndromes: - Gabriela: eu fui sempre assim, serei sempre assim Pensamento Único: só há um modo de fazer Vira Lata: o que vem de fora é que é bom, o que temos não presta

11 Se planejar é sinônimo de conduzir conscientemente, não existirá então alternativa ao planejamento. Ou planejamos ou somos escravos da circunstância. Negar o planejamento é negar a possibilidade de escolher o futuro, é aceitá-lo seja ele qual for. (Carlos Matus, 1996:14)

12 Contato: Facebook Comitê Pardo Telefone: (51) Sede: Núcleo Gestão Pública NGP/UNISC Avenida Independência, 2293 Bloco 27 Sala 2700 Santa Cruz do Sul-RS

13 Obrigado!!!

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste. Antonio R. Magalhães Agosto 2007

Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste. Antonio R. Magalhães Agosto 2007 Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste Antonio R. Magalhães Agosto 2007 ROTEIRO Introdução Definições Cenários Impactos Adaptação e Mitigação Vulnerabilidade Desenvolvimento

Leia mais

Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos COMITESINOS

Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos COMITESINOS Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos COMITESINOS Oportunidade histórica de termos dois planos em elaboração: Plano de Bacia & Plano de Saneamento Com sintonia das suas entidades

Leia mais

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES Instruções para acesso ao sistema Acessar Serviços on line no site do Ibama e clicar e cadastro, abre a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS RELATÓRIO ANUAL SOBRE A SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDIÇÃO

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo

Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo Perspectivas Política Estadual de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) Princípios gerais: Criação de programas estaduais Focos principais:

Leia mais

AGRICULTURA CONSERVACIONISTA

AGRICULTURA CONSERVACIONISTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL FAEM DEPARTAMENTO DE SOLOS AGRICULTURA CONSERVACIONISTA MARIA CÂNDIDA M. NUNES nunes.candida@gmail.com UFPEL

Leia mais

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras);

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); - 97,5% é água salgada - 2,5% apenas é água doce Distribuição:

Leia mais

ZA5223. Flash Eurobarometer 290 (Attitudes of Europeans Towards the Issue of Biodiversity, wave 2) Country Specific Questionnaire Portugal

ZA5223. Flash Eurobarometer 290 (Attitudes of Europeans Towards the Issue of Biodiversity, wave 2) Country Specific Questionnaire Portugal ZA5223 Flash Eurobarometer 290 (Attitudes of Europeans Towards the Issue of Biodiversity, wave 2) Country Specific Questionnaire Portugal FLASH 290 BIODIVERSITY Q1. Já alguma vez ouviu falar no termo biodiversidade?

Leia mais

REQUISITOS PARA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA CANA DE AÇÚCAR:

REQUISITOS PARA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA CANA DE AÇÚCAR: REQUISITOS PARA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA CANA DE AÇÚCAR: Karina de Toledo Bernardo. Doutoranda no PPGSEA/EESC/USP. ktbernar@sc.usp.br Eleri Rafael Muniz Paulino Doutorando no PPGSEA/EESC/USP eleripaulino@sc.usp.br

Leia mais

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Brasília, 09 de dezembro de 2009 Objetivos do estudo: Ilustrar com o

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Audiência Pública na Câmara dos Deputados Comissão Especial sobre a Crise Hídrica Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas VI Semana da Geografia Unesp Ourinhos, Maio 2010 Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas Henrique Marinho Leite Chaves Faculdade de Tecnologia-EFL Universidade de Brasília-UnB

Leia mais

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil Aparecido Hojaij Presidente da Assemae XV Assembleia da Assemae Regional de Santa Catarina 25 de agosto de 2015 Sobre a Assemae

Leia mais

Naturais em Santa Catarina

Naturais em Santa Catarina MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA Seminário ALESC Mudanças as Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina LUÍS EDUARDO SOUTO Promotor de Justiça Coordenador-Geral do Centro de Apoio

Leia mais

Debates sobre produção irrigada reuniram 400 especialistas no Submédio São Francisco Irrigação subterrânea, direitos e deveres do engenheiro agrícola

Debates sobre produção irrigada reuniram 400 especialistas no Submédio São Francisco Irrigação subterrânea, direitos e deveres do engenheiro agrícola Debates sobre produção irrigada reuniram 400 especialistas no Submédio São Francisco Irrigação subterrânea, direitos e deveres do engenheiro agrícola e experiências em agroecologia ambiental foram alguns

Leia mais

Desafios. Impactos nos pobres urbanos

Desafios. Impactos nos pobres urbanos Alimento para as cidades Nem as Metas de Desenvolvimento do Milênio nem as metas da Cúpula Mundial da Alimentação serão atingidas se não for dada a devida atenção às cidades e aos vínculos rural-urbanos.

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014 Natália de Oliveira Fontoura Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, março de 2014 Apesar das conquistas das mulheres, são ainda observadas muitas desigualdades

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL SUMAC/PECOC CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Governo 21/12/2009 Superintendência de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Introdução

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155)

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio

Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio ODILON LUÍS FACCIO Instituto Primeiro Plano São Paulo, 24 de junho de 2008 Grupo de Excelência

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior Area Profissional: 0007 - CONSTRUCAO CIVIL Area de Atuacao: 0152 - ATEND.CLIENTE/CONSTR.CIVIL

Leia mais

Projeto de Escopo de Trabalho de Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e medidas mitigadoras para Bacia do Rio Itajaí

Projeto de Escopo de Trabalho de Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e medidas mitigadoras para Bacia do Rio Itajaí Anexo 1 Projeto de Escopo de Trabalho de Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e medidas mitigadoras para Bacia do Rio Itajaí 1. Contexto As pessoas que vivem na Bacia do Rio Itajaí

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano Projeto 1 Condições que permitem a vida na Terra Ciências Naturais Compreender o ambiente! Tempo Previsto: 1 quinzena 1.ª Fase: Posição da Terra no Sistema Solar 2.ª Fase: Condições da Terra que permitem

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROPOSTA DO GRUPO DE TRABALHO ABERTO PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

INTRODUÇÃO À PROPOSTA DO GRUPO DE TRABALHO ABERTO PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INTRODUÇÃO À PROPOSTA DO GRUPO DE TRABALHO ABERTO PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. O documento final da Rio +20, O futuro que queremos, entre outras coisas, definiu um mandato para estabelecer

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

VIII ENESE Maio / 2015

VIII ENESE Maio / 2015 Propostas voltadas para a futura Reforma Urbana, considerando a experiência do Estatuto da Cidade do Estatuto da Metrópole... e do processo de planejamento de Curitiba VIII ENESE Maio / 2015 FATORES CRÍTICOS:

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

ISO 9000, ISO 12207 e ISO 15504. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

ISO 9000, ISO 12207 e ISO 15504. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 5 (Versão 2012-01) 01) ISO 9000, ISO 12207 e ISO 15504 Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 82, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - UGL/PDRS: 05/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE WEB PORTAL PARA RESERVA LEGAL

TERMO DE REFERÊNCIA - UGL/PDRS: 05/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE WEB PORTAL PARA RESERVA LEGAL TERMO DE REFERÊNCIA - UGL/PDRS: 05/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE WEB PORTAL PARA RESERVA LEGAL 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONTRATANTE 1.1. Contratante: Projeto

Leia mais

9. Ao Pacto das Águas, construir com as lideranças e Associações comunitárias dos povos indígenas e populações tradicionais das áreas supracitadas,

9. Ao Pacto das Águas, construir com as lideranças e Associações comunitárias dos povos indígenas e populações tradicionais das áreas supracitadas, Carta Aberta Dos Representantes dos Povos das Terras Indígenas Rio Branco, Uru Eu Wau Wau, Igarapé Lourdes, Rio Guaporé e Seringueiros da RESEXs Federal e Estadual do Rio Cautário, tornam públicas suas

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

Energias Renováveis BIODIESEL

Energias Renováveis BIODIESEL Energias Renováveis BIODIESEL Profª Elisa Helena Siegel Moecke UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Apresentação Com o Protocolo de Kyoto (1997) muitos países se comprometeram com a redução da

Leia mais

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Paulo Salles Universidade de Brasília psalles@unb.br 5 a Reuniao da Camara Tecnica Rio Quente, 7-8 de maio de 2009 Esta apresentação Objetivos

Leia mais

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Conceito dos empregos verdes Setores de alto potencial Agricultura: problema ou solução? Empregos verdes na agricultura do Brasil Conclusões Muito mais

Leia mais

Implicações do PL 1876/99 nas áreas. Presidente do IPEA

Implicações do PL 1876/99 nas áreas. Presidente do IPEA CÓDIGO FLORESTAL Implicações do PL 1876/99 nas áreas de Reserva Legal Marcio Pochmann Presidente do IPEA Pelo PL 1876/99 o que mudaria? Reserva Legal (RL) - Novos Recortes MF p O que é um Módulo Fiscal?

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA)

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações: Agenda Água na Escola (SEA); Cartilha de atividades de sensibilização, pesquisa

Leia mais

TOTAL - FISCAL 899.545 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 899.545

TOTAL - FISCAL 899.545 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 899.545 ORGAO : 32000 - MINISTERIO DE MINAS E ENERGIA UNIDADE : 32314 - EMPRESA DE PESQUISA ENERGETICA - EPE ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 0750 APOIO ADMINISTRATIVO

Leia mais

O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA A adoção de uma estratégia multidimensional coordenada, com objetivos e metas claros e mensuráveis, é uma das iniciativas mais importantes dos países que buscam reduzir seus

Leia mais

BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL

BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL 4. CONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica 17 de Setembro

Leia mais

PROEN Pró-Reitoria de Ensino SIBIUN Sistema Integrado de Bibliotecas da UNIVALI

PROEN Pró-Reitoria de Ensino SIBIUN Sistema Integrado de Bibliotecas da UNIVALI PROEN Pró-Reitoria de Ensino SIBIUN Sistema Integrado de Bibliotecas da UNIVALI GERÊNCIA DE BIBLIOTECAS Allan Roberto de Almeida Cristiani Regina Andretti Edina Maria Calegaro Rodrigo Pereira de Barros

Leia mais

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Brasília, abril de 2014 Sumário da Apresentação Política Nacional de Desenvolvimento Regional PNDR; Programa Rotas de Integração

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CHUVA É TESOURO! 2,5% de água doce total 0,77% de água doce 1,7% nas disponível calotas polares 97,5% de água salgada Prof. Dr. Adacto Ottoni Prof. Dr. Adacto

Leia mais

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO Eng.ª Gabriela de Toledo, Msc Saneando Projetos de Engenharia e Consultoria Salvador/BA, 17 de Julho de 2015 METODOLOGIA:

Leia mais

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados Esta publicação é um produto do Banco de Dados que o Programa Gestão Pública e Cidadania vem construindo desde 1996 a fim de reunir informações sobre os programas inscritos em todos os ciclos de premiação.

Leia mais

6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos

6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos 6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Brasília, 22 de outubro, 2015 Roteiro I. Atuação da Renai II. Parceria Renai Secretarias Estaduais III. Atividades Previstas Parte I O que é a Renai?

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I Anexo I Diretivas Diretiva Quadro da Água (DQA) Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Diretiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2000, que estabelece um quadro de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Mintzberg Define planejamento estratégico como sendo processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível

Leia mais

O Impacto das Mudanças. as Climáticas na Gestão de Recursos Hídricos: H Implicações para o Setor Mineral

O Impacto das Mudanças. as Climáticas na Gestão de Recursos Hídricos: H Implicações para o Setor Mineral O Impacto das Mudanças as Climáticas na Gestão de Recursos Hídricos: H Implicações para o Setor Mineral - MÁRIO CICARELI PINHEIRO - 13 º CONGRESSO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO Belo Horizonte, 24 de setembro

Leia mais

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1 1ª AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O INSTITUTO NACIONAL DO SEMI-ÁRIDO. Manoel Abilio de Queiróz Universidade do Estado da Bahia - UNEB

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O INSTITUTO NACIONAL DO SEMI-ÁRIDO. Manoel Abilio de Queiróz Universidade do Estado da Bahia - UNEB ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O INSTITUTO NACIONAL DO SEMI-ÁRIDO Manoel Abilio de Queiróz Universidade do Estado da Bahia - UNEB O Semi-Árido Eixos de desenvolvimento do Semi-Árido Pontos de estrangulamento

Leia mais

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE CLIMA Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE Curitiba, PR 9 de novembro de 2009 Laura Valente de Macedo, Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade, Secretariado

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Coordenadoria de Relações Institucionais CESAN Terezinha de Jesus S. R. Vanzo LEI 11.445 de 05/01/07 Lei De Regulamentação do Setor de Saneamento Básico Introdução

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa em Itabira

Responsabilidade Social Corporativa em Itabira Responsabilidade Social Corporativa em Itabira D E N I S E T U B I N O, M S C J O H N F. D E V L I N, P H D N O N I T A Y A P, P H D U N I V E R S I T Y O F G U E L P H, C A N A D A R i o d e J a n e i

Leia mais

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia

Leia mais

CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA LOGÍSTICA

CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA LOGÍSTICA CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA LOGÍSTICA Fábio Siccherino Novembro de 2013 CABOTAGEM POR QUE? 2 O BRASIL TEM MAIS DE 8.000 KM DE COSTA NAVEGÁVEL Incluindo o Rio Amazonas são 10.000 Km (Eficiência Geoeconômica).

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SMA CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - 18 DE MAIO DE 2006 Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo Rui Brasil Assis Coordenador

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel SÃO MIGUEL DO OESTE, JUNHO DE 2015. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SULCREDI SÃO MIGUEL 1 ABRANGÊNCIA Esta política orienta o

Leia mais

Período Letivo: 2010.2 Nº de créditos: 3 (45 horas) Monitora: Cintya

Período Letivo: 2010.2 Nº de créditos: 3 (45 horas) Monitora: Cintya A ENGENHARIA E O MEIO AMBIENTE Período Letivo: 2010.2 Nº de créditos: 3 (45 horas) Monitora: Cintya PROFESSORA: DAYSE LUNA BARBOSA A VIDA E SEUS PROBLEMAS Quantos somos no mundo hoje? Como é possível obter

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Conteúdo

GESTÃO AMBIENTAL. Conteúdo 04/09/2012 1 / 9 Conteúdo 1. PARTES INTERESSADAS (STAKEHOLDERS)... 2 2. OPINIÃO POR PARTE DOS STAKEHOLDERS DE ALGUMA ÁREA QUE SE ENQUADRE NO CONCEITO DE FAVC.... 2 3. DAS REGIÕES RIBEIRÃO BRANCO, ITAPEVA,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Plano Operacional Anual (POA) 2014

Plano Operacional Anual (POA) 2014 Plano Operacional Anual (POA) 2014 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS COORDENADORIA DE PROTEÇÃO À BIODIVERSIDADE SUPERVISÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL MONUMENTO

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade

Indicadores de Sustentabilidade Indicadores de Sustentabilidade - A ONU e os países que possuem dados históricos e consolidados têm produzido indicadores de diversos tipos (saúde, educação, transporte, renda, produção nacional, etc.)

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

RELATÓRIO DIRETORIA 2011-2012

RELATÓRIO DIRETORIA 2011-2012 RELATÓRIO DIRETORIA 2011-2012 FEDERACITE REALIZA ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA Encontro de citeanos em assembléia Análise da movimentação financeira do exercício Apresentação do parecer do conselho fiscal Apresentação

Leia mais

animais microscópicos.

animais microscópicos. Regina Coeli Vieira Machado Servidora da Fundação Joaquim Nabuco pesquisaescolar@fundaj.gov.br A definição de mangue pode ser dada a partir de uma paisagem vista como um mar de lama, onde floresce um tipo

Leia mais

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL AJAP Associação dos Jovens Agricultores de Portugal José Firmino B. Cordeiro 21/01/11 Idanha-a-Nova Estrutura Jovens Agricultores / Jovens Empresários Rurais Considerações

Leia mais

ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO

ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO CURSO ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO CARGA HORÁRIA: 160 HORAS PROJETO: IMPORTÂNCIA DA ASTRONOMIA NA NAVEGAÇÃO PROGRAMA: EU E O MAR PROFESSOR RESPONSÁVEL: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE COORDENADORA DO PROJETO:

Leia mais

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Estima as Receitas e Fixa as Despesas do Município de Gaúcha do Norte, Estado de Mato Grosso, para o Exercício Financeiro de 2008 e dá outras providências. EDSON

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 CONCEITO PSA: transação voluntária, na qual um serviço ambiental bem definido é comprado por um comprador de um provedor, sob a condição

Leia mais

Metrologia em apoio à competitividade e inovação. Laboratório de Metrologia Mecânica / CTMetro / IPT

Metrologia em apoio à competitividade e inovação. Laboratório de Metrologia Mecânica / CTMetro / IPT Metrologia em apoio à competitividade e inovação Laboratório de Metrologia Mecânica / CTMetro / IPT Out / 2014 Importância da Metrologia Metrologia: competitividade e inovação Sobre o IPT Missão Criar

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. AS QUESTÕES AMBIENTAIS NO PLANEJAMENTO DAS CIDADES DO FUTURO Palestrante:

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX ANEXO 1 FORMULÁRIO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO 1.1 Área temática (ver Anexo 1.1) 1.2 Linha de extensão (informar em qual (is) linha(s) se enquadra

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

DESPESA DO PROGRAMA DE TRABALHO

DESPESA DO PROGRAMA DE TRABALHO Órgão: 19000 - Secretaria de Estado da Administração Unidade: 19204 - Companhia de Processamento de Dados da Paraíba Esf Ft [F] Ciência e Tecnologia 22752000 6273700 14274500 2203800 [S] Administração

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais