PRIORIDADES DA UNIÃO EUROPEIA PARA A 60.ª SESSÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRIORIDADES DA UNIÃO EUROPEIA PARA A 60.ª SESSÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS"

Transcrição

1 PRIORIDADES DA UNIÃO EUROPEIA PARA A 60.ª SESSÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS Introdução 1. A União Europeia está profundamente empenhada nas Nações Unidas, na defesa e desenvolvimento do direito internacional, assim como no multilateralismo efectivo, elemento central da sua acção externa. Este empenhamento foi reafirmado com vigor pelo Conselho Europeu nas suas conclusões de 16/17 de Junho. Durante a 60.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, a União Europeia dará a maior prioridade, ao lado dos seus parceiros das Nações Unidas, à aplicação dos acordos alcançados na Cimeira de revisão do Milénio, a realizar em Setembro. Com esses parceiros, empenhar-se-á igualmente noutras questões essenciais, tais como a cooperação na gestão de crises, os refugiados/deslocados, as negociações do próximo orçamento das Nações Unidas e o plano de equipamento. Plenário de alto nível de A 60.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas reveste-se este ano de especial significado, atendendo ao encontro dos Chefes de Estado e de Governo, em de Setembro de 2005, na reunião plenária de alto nível da Assembleia Geral em Nova Iorque. Cinco anos após a Cimeira do Milénio de 2000, da ONU, a Cimeira de 2005 avaliará a implementação da Declaração do Milénio, as Metas de Desenvolvimento do Milénio e o resultado das grandes cimeiras e conferências da ONU nos domínios económico, social e afins. A Cimeira constituirá igualmente a oportunidade de a ONU se adaptar às novas realidades e de definir tarefas específicas neste contexto.

2 3. A União Europeia salienta que o relatório do Secretário-Geral intitulado "Uma liberdade mais ampla" é uma boa base para a negociação de um documento final tendo em vista a Cimeira de Setembro e considera fundamental chegar a um acordo sobre um pacote de reformas em matéria de desenvolvimento, de direitos humanos, de segurança e de reformas institucionais da ONU. O resultado deveria ser uma Organização das Nações Unidas fortalecida e mais eficaz, mais bem preparada para fazer face às ameaças e desafios interligados e multidimensionais com que se defrontam a paz, a segurança e o desenvolvimento internacionais. A UE intensificará os seus esforços para tentar, em conjunto com os outros parceiros, obter resultados ambiciosos e equilibrados na Cimeira e está empenhada em trabalhar construtivamente com os parceiros da ONU durante a 60.ª Assembleia Geral, assim como noutros fóruns, para implementar os acordos alcançados na Cimeira. 4. A UE salienta a extrema importância das questões relativas ao desenvolvimento na 60.ª Assembleia Geral da ONU. O recente compromisso da UE de assegurar novos níveis de APD, nomeadamente de alcançar um valor colectivo de 0,56% de APD/RNB até 2010 e de 0,7% até 2015, que resultará num montante anual adicional de 20 mil milhões de euros de APD até 2010, põe em evidência a prioridade que a UE atribui ao financiamento do desenvolvimento. A UE empenhar-se-á num programa de acção ambicioso e concreto, que deverá traduzir-se num maior e melhor financiamento do desenvolvimento, nomeadamente através de mecanismos inovadores; em compromissos e medidas, adoptadas a nível nacional pelos países em desenvolvimento, para criar e reforçar as estruturas de governação e o ambiente necessários ao crescimento económico, e bem assim na adopção de estratégias e políticas nacionais de desenvolvimento ambiciosas e na especial atenção a prestar às necessidades específicas de África. Neste contexto, a UE recorda o seu compromisso colectivo de consagrar à África pelo menos 50% do aumento acordado dos recursos afectados à APD. A 60.ª Assembleia Geral da ONU deverá assinalar claramente a necessidade de reformas a mais longo prazo e mais radicais da arquitectura da ONU na área do desenvolvimento. 5. A UE salienta a importância de se ter em conta a dimensão social da mundialização nas diferentes políticas e na cooperação internacional. A UE promoverá o emprego e um trabalho digno para todos.

3 6. No que se refere à questão da paz e da segurança, a União Europeia considera que as suas prioridades, ao preparar a Cimeira, são a criação da Comissão de Consolidação da Paz, a prevenção de conflitos, a luta contra o terrorismo, a adopção de princípios gerais para o uso da força, o desarmamento, a não proliferação de armas de destruição maciça e respectivos vectores e o reforço das capacidades das Nações Unidas em matéria de manutenção da paz. 7. A UE saúda e apoia energicamente o estabelecimento de uma Comissão para a Consolidação da Paz, que deverá ajudar os países a fazer a transição entre o fim de um conflito armado e o reatamento das actividades de desenvolvimento sustentável, bem como a melhor coordenar a acção de todos os intervenientes a nível bilateral e multilateral. A UE trabalhará em prol de uma Comissão para a Consolidação da Paz eficaz, com capacidade para prevenir conflitos recorrentes. 8. No que diz respeito à luta contra o terrorismo, a UE congratula-se com a proposta de uma declaração que deixe bem claro de que a violência dirigida contra civis e não combatentes é sempre injustificada seja em que circunstâncias for. Exorta todos os Estados a unirem-se para apoiar a clara declaração política sobre esta matéria proposta pelo Secretário-Geral. A UE apoia igualmente a estratégia global da ONU proposta pelo Secretário-Geral em Madrid, incluindo a elaboração de uma definição universal de terrorismo. A UE apela a um acordo na 60.ª AG relativamente ao texto da Convenção Geral sobre o Terrorismo Internacional, proposto pelo Coordenador, e à assinatura e ratificação de todas as 13 Convenções da ONU contra o terrorismo.

4 9. A UE congratula-se igualmente com o lugar de destaque atribuído nas propostas de reforma aos direitos humanos, ao Estado de direito e à democracia. Neste contexto, a UE reafirma a importância do conceito da "responsabilidade de conferir protecção" e apoia as propostas do Secretário-Geral no sentido de reforçar o papel e os recursos do Alto Comissário para os Direitos Humanos e de criar um Conselho dos Direitos Humanos, com um mandato forte, para conferir um estatuto claramente mais elevado à Comissão dos Direitos Humanos. A UE seria favorável à criação do Conselho dos Direitos Humanos como um dos principais órgãos estatutários autónomos da ONU, ligado à Assembleia Geral, que se reuniria durante o ano e que seria o reflexo, a nível institucional, da universalidade dos direitos humanos e da sua posição central no sistema da ONU, bem como da preocupação de colocar os direitos humanos em pé de igualdade com as questões relacionadas com o desenvolvimento, a paz e a segurança. Enquanto se aguarda a decisão que a Assembleia Geral poderá tomar sobre a criação de um órgão dessa natureza, o Conselho dos Direitos Humanos deverá ser instituído como órgão subsidiário da Assembleia Geral, estabelecendo assim uma ligação com um órgão universal. A UE apoia o reforço da igualdade entre os sexos em todas as actividades da ONU. 10. A UE apoia o desenvolvimento da cooperação entre as Nações Unidas e as organizações regionais como uma forma efectiva de maximizar a eficácia na abordagem dos numerosos desafios com que a comunidade internacional é confrontada. 11. A UE reconhece que a reforma da gestão e a modernização do Secretariado da ONU serão decisivas para a concretização dos resultados da Cimeira e para permitir à ONU cumprir melhor o seu mandato. Em especial, a UE apela a uma maior responsabilidade, transparência, profissionalismo e eficiência no Secretariado da ONU, bem como a uma maior autoridade do Secretário-Geral da ONU na atribuição e reafectação dos recursos dentro de um orçamento global e de um limite máximo de lugares.

5 12. A UE apoia igualmente o prosseguimento das reformas estruturais dos sistemas e das políticas da ONU no domínio do desenvolvimento, da ajuda humanitária e do ambiente, a fim de melhorar a coerência e a eficácia de todo o sistema e de promover o desenvolvimento sustentável, e aguarda com expectativa a oportunidade de trabalhar com todas as partes sobre propostas específicas a apresentar na 60.ª Assembleia Geral da ONU no sentido de reforçar a governação ambiental. A este respeito, a UE apoia o lançamento de um processo destinado a estabelecer uma agência da ONU para o ambiente, baseada no PNUA, dotada de um mandato revisto e reforçado, apoiada por contribuições financeiras estáveis, adequadas e previsíveis e que funcione em pé de igualdade com outras agências especializadas da ONU. 13. No domínio das reformas institucionais, a UE reconhece a necessidade de reformar os principais órgãos da ONU, entre os quais a Assembleia Geral, o ECOSOC e o Conselho de Segurança, tendo em vista reforçar a representatividade, a transparência e a eficiência do sistema. 14. A UE apoia o prosseguimento da reforma e da revitalização da Assembleia Geral como elemento essencial do programa global de reformas da ONU. Assim, é nossa intenção apoiar uma maior racionalização do trabalho dos Comités da Assembleia Geral na sequência da Cimeira, e empenhar-nos-emos plenamente nos domínios que constituem prioridades claras do programa da ONU, incluindo aqueles em que são necessárias acções de seguimento após a Cimeira. Mas, no que diz respeito às prioridades menos urgentes, ou a questões sobre as quais os dirigentes já tenham adoptado decisões de fundo na Cimeira, a UE está determinada a que, no rescaldo da Cimeira, a Assembleia Geral não volte simplesmente a ocupar-se das suas tarefas rotineiras. 15. A UE apoia a reforma do modus operandi do ECOSOC e dos seus órgãos subsidiários com vista a garantir que o ECOSOC cumpra o seu mandato de forma mais eficaz. O ECOSOC deverá estar em melhores condições para promover, a nível mundial, o diálogo e a parceria nos domínios económico, social, ambiental e da ajuda humanitária. Deve igualmente promover mais eficazmente abordagens coerentes e coordenadas do sistema da ONU e tem um papel importante a desempenhar nas situações pós-conflito.

6 Assistência humanitária 16. A UE apoiará a melhoria dos compromissos de resposta humanitária no que se refere à previsibilidade do financiamento e dos meios, assim como dos acordos de confirmação, e também do acesso seguro e sem entraves às populações vulneráveis. A UE salientará a necessidade de observar os princípios humanitários e o direito internacional humanitário. Orçamento ordinário da ONU para A UE procurará adoptar um orçamento que permita à ONU executar melhor as propostas da Declaração do Milénio e os acordos alcançados na Cimeira de A UE está empenhada em garantir a disponibilidade de recursos para a ONU, embora mantenha o seu apego ao princípio da disciplina orçamental, que é nosso objectivo de longa data, a fim de assegurar uma gestão eficaz dos recursos. Plano de Equipamento 18. Dada a urgência e a necessidade de renovação da sede da ONU em Nova Iorque, a UE atribui grande importância a que se chegue a acordo sobre um plano de equipamento global e coerente. A UE considera que é urgente tomar decisões a este respeito.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão B8-0587/2016 9.5.2016 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência de declarações do Conselho e da Comissão apresentada nos termos do artigo 123.º, n.º

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS Nós, os Ministros da Saúde e Chefes de Delegação da Região

Leia mais

Declaração de Bratislava

Declaração de Bratislava Bratislava, 16 de setembro de 2016 Declaração de Bratislava Reunimo-nos hoje em Bratislava num momento crítico para o nosso projeto europeu. A Cimeira de Bratislava de 27 Estados-Membros foi dedicada a

Leia mais

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000;

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE VIH/SIDA (ONUSIDA) E A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) RELATIVO A APOIO PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho Europeu (28-29 de Outubro de 2010).

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho Europeu (28-29 de Outubro de 2010). CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 29 de Outubro de 2010 (OR. en) EUCO 25/10 CO EUR 18 CONCL 4 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 28-29 DE OUTUBRO

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Junho de /11 FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 NOTA

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Junho de /11 FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 NOTA CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 8 de Junho de 2011 11268/11 NOTA de: para: Assunto: FREMP 66 JAI 405 COHOM 159 DROIPEN 60 Secretariado-Geral do Conselho Conselho (Justiça e Assuntos Internos) Projecto

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.10.2011 COM(2011) 638 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES FUTURA ABORDAGEM DO APOIO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades 16 de Dezembro de 2002 PE 323.514/1-49 ALTERAÇÕES 1-49 Projecto de relatório (PE 323.514) Lissy Gröner sobre

Leia mais

8833/16 fmm/tmc 1 DG C 1

8833/16 fmm/tmc 1 DG C 1 Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2016 (OR. en) 8833/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 12 de maio de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 8577/16 Assunto:

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa CURSO DE MESTRADO EM DIREITO E SEGURANÇA. Sofia Santos:

Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa CURSO DE MESTRADO EM DIREITO E SEGURANÇA. Sofia Santos: Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa CURSO DE MESTRADO EM DIREITO E SEGURANÇA Sofia Santos: sofiasantos@ymail.com 1 Tópicos da sessão: I. Primeiros passos rumo a uma política europeia de

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 15.12.2016 2017/0000(INI) PROJETO DE RELATÓRIO que contém uma proposta de recomendação do Parlamento Europeu ao Conselho

Leia mais

Declaração dos membros do Conselho Europeu, reunidos em Malta, sobre os aspetos externos da migração: a questão da rota do Mediterrâneo Central

Declaração dos membros do Conselho Europeu, reunidos em Malta, sobre os aspetos externos da migração: a questão da rota do Mediterrâneo Central Valeta, 3 de fevereiro de 2017 (OR. en) Declaração dos membros do Conselho Europeu, reunidos em Malta, sobre os aspetos externos da migração: a questão da rota do Mediterrâneo Central 1. Saudamos e apoiamos

Leia mais

6693/17 mc/jc 1 DGE 2A

6693/17 mc/jc 1 DGE 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 28 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6693/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 28 de fevereiro de 2017 para: Delegações TRANS 82 MAR 47

Leia mais

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS 1. A Antecessora da ONU Sociedade das Nações A Sociedade das Nações era também conhecida como Liga das Nações Foi idealizada a partir dos 14 Pontos de Wilson Foi criada na

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

ACORDO DE AMIZADE E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A UCRÂNIA

ACORDO DE AMIZADE E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A UCRÂNIA Resolução da Assembleia da República n.º 9/2002 Acordo de Amizade e Cooperação entre a República Portuguesa e a Ucrânia, assinado em Lisboa em 25 de Outubro de 2000 A Assembleia da República resolve, nos

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Intervenção de Sua Excelência Georges Rebelo Pinto Chikoti, Ministro das Relações Exteriores, na Reunião de Alto Nível do Comité

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

6767/17 cfs/jv 1 DGC 2A

6767/17 cfs/jv 1 DGC 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 28 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6767/17 CH 25 AELE 27 MI 168 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações n.º doc. ant.: 6160/17 CH

Leia mais

Assuntos Económicos e Monetários PROJECTO DE PARECER. da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários

Assuntos Económicos e Monetários PROJECTO DE PARECER. da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Assuntos Económicos e Monetários 17.9.2009 2009/0096(COD) PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários dirigido à Comissão do Emprego e dos Assuntos

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Dezembro de 2008 (11.12) (OR. fr) 16775/08 RECH 411 COMPET 551

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Dezembro de 2008 (11.12) (OR. fr) 16775/08 RECH 411 COMPET 551 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Dezembro de 2008 (11.12) (OR. fr) 16775/08 RECH 411 COMPET 551 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Conselho (Competitividade) de 1-2 de Dezembro de 2008 n.º doc. ant.:

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

10312/09 VLC/aam 1 DG C III

10312/09 VLC/aam 1 DG C III CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 29 de Maio de 2009 10312/09 Dossier interinstitucional: 2009/0047 (COD) TRANS 218 MAR 89 AVIATION 89 CAB 20 RECH 177 CODEC 772 RELATÓRIO de: Presidência para COREPER

Leia mais

Fundação Europeia da Juventude

Fundação Europeia da Juventude Fundação Europeia da Juventude Apoio aos jovens na Europa Dedicado à juventude Diálogo Oportunidade Comunidade Parceria Todo coração Interativo Flexível Intercâmbio Profissional O CONSELHO DA EUROPA O

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA CRI(97)36 Version portugaise Portuguese version COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA RECOMENDAÇÃO DE POLÍTICA GERAL N. 2 DA ECRI: OS ÓRGÃOS ESPECIALIZADOS NA LUTA CONTRA O RACISMO, A XENOFOBIA,

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II)

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II) Distr.: Geral Data: 10 de Março 2008 COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA Terceira Sessão de CAMEF Primeira Reunião Conjunta Anual da Conferência da UA de Ministros de Economia e Finanças e Conferência da CEA de

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

Sumário. Adis-Abeba (Etiópia) 28 e 29 de Março de 2011 NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA

Sumário. Adis-Abeba (Etiópia) 28 e 29 de Março de 2011 NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA Quadragésima-quarta Sessão da Comissão Quarta reunião anual conjunta da Conferência dos Ministros de Economia e Finanças da União

Leia mais

CONSELHO EUROPEU DE TURIM 29 DE MARÇO DE 1996 CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA

CONSELHO EUROPEU DE TURIM 29 DE MARÇO DE 1996 CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA CONSELHO EUROPEU DE TURIM 29 DE MARÇO DE 1996 CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA O Conselho Europeu iniciou os seus trabalhos com uma troca de opiniões com o Presidente do Parlamento Europeu, Klaus Hänsch, sobre

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.6.2016 COM(2016) 395 final 2016/0184 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à celebração, em nome da União Europeia, do Acordo de Paris adotado no âmbito da Convenção-Quadro

Leia mais

5321/17 mpm/jcc 1 DGC 2B

5321/17 mpm/jcc 1 DGC 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 6 de fevereiro de 2017 (OR. en) 5321/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 6 de fevereiro de 2017 para: Delegações MAMA 12 CFSP/PESC

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu MÓDULO VI A e os Desafios do Século XXI O papel da no Mundo Ajuda ao Desenvolvimento PESC Processo de integração Manutenção da Paz Democracia uro Direitos Humanos Globalização Criminalidade Justiça Mercado

Leia mais

Plano de ação para 2017 da Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos Comité das Regiões Europeu

Plano de ação para 2017 da Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos Comité das Regiões Europeu Plano de ação para 2017 da Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos Comité das Regiões Europeu A Plataforma de Intercâmbio de Conhecimentos é uma forma de cooperação entre o Comité das Regiões Europeu

Leia mais

9101/16 mam/jcc 1 DG C 1

9101/16 mam/jcc 1 DG C 1 Conselho da União Europeia Bruxelas, 23 de maio de 2016 (OR. fr) 9101/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 23 de maio de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 8890/16 Assunto:

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

PT Unida na diversidade PT A8-0023/8. Alteração

PT Unida na diversidade PT A8-0023/8. Alteração 4.3.2015 A8-0023/8 8 Anual sobre os Direitos Humanos e a Democracia no Mundo em 2013 e a política da União Europeia nesta matéria N.º 1-A (novo) 1-A. Insiste no direito inalienável dos povos à autodeterminação,

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM

TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM UMA GERAÇÃO EM RISCO maio 2013 Estrutura da apresentação O que é a OIT. Origem e importância Emprego jovem Breve descrição. Porquê centrar a atenção nos jovens. Começar

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva.

Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A NOSSA PERSPECTIVA COMUM Nós, Autoridades

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/

Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/ Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/2015 01-10-2015 Assunto: Cria a Comissão de Coordenação das Políticas de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo Por

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

União Europeia Bruxelas, 14 de novembro de 2014 (OR. en) Assegurar o respeito pelo Estado de direito na União Europeia

União Europeia Bruxelas, 14 de novembro de 2014 (OR. en) Assegurar o respeito pelo Estado de direito na União Europeia Conselho da União Europeia Bruxelas, 14 de novembro de 2014 (OR. en) 15206/14 FREMP 198 JAI 846 COHOM 152 POLGEN 156 NOTA de: para: Assunto: Presidência Conselho Assegurar o respeito pelo Estado de direito

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 5.3.2009 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a governação mundial e a reforma das organizações internacionais Co-Relatores: Ronald Ramotar

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PARTE II - CRITÉRIOS DE

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Junto se envia, à atenção das delegações, a versão desclassificada do documento referido em epígrafe.

Junto se envia, à atenção das delegações, a versão desclassificada do documento referido em epígrafe. Conselho da União Europeia Bruxelas, 22 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6424/01 DCL 1 PROBA 7 DESCLASSIFICAÇÃO do documento: 6424/01 CONFIDENTIEL data: 22 de fevereiro de 2001 novo estatuto: Assunto: Público

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNFPA O QUE É O UNFPA? O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) se esforça para oferecer um mundo

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ACNUR ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ACNUR ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ACNUR ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 ACNUR O QUE É ACNUR? Estigma e discriminação continuam a ser um importante obstáculo para

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas Constança Urbano de Sousa Notas preliminares Imigração e Asilo Conceito comunitário de estrangeiro Cidadão comunitário Estrangeiro: nacional de Estado

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de junho de 2016 (OR. en) 10434/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações SOC 419 EMPL 278 ECOFIN 630 SAN 271 EDUC 243 n.º

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.11.2015 C(2015) 8642 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 30.11.2015 que aprova o programa operacional «Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas Programa Operacional

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Delivering as One (DaO) Angola

Delivering as One (DaO) Angola Delivering as One (DaO) Angola RASCUNHO DE FICHA TÉCNICA PARA DISCUSSÃO Luanda, 13 setembro 2016 Que é Delivering as One? Delivering as one (DaO) ou Unidos na Acção é uma iniciativa das Nações Unidas que

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE

Leia mais

S/RES/2267 (2016) Security Council. United Nations. Resolução 2267 (2016) *1502254*

S/RES/2267 (2016) Security Council. United Nations. Resolução 2267 (2016) *1502254* United Nations Security Council Distr.: Geral 26 fevereiro 2016 S/RES/2267 (2016) [tradução oficiosa] Resolução 2267 (2016) Adoptada pelo Conselho de Segurança durante a sua 7632 a reunião no dia 26 de

Leia mais

Discurso de Sua Excelência O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Rui Machete

Discurso de Sua Excelência O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Rui Machete Discurso de Sua Excelência O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Rui Machete na Cimeira de Chefes de Estado e de Governo para a adoção da Agenda do Desenvolvimento Pós-2015 MOD07 PR07/V02 Senhor

Leia mais

OBJECTIVOS U.PORTO 2010

OBJECTIVOS U.PORTO 2010 OBJECTIVOS U.PORTO 2010 Durante o ano de 2009 foi publicada ou entrou em vigor vária legislação que introduziu inúmeras alterações às disposições legais que enformam a actividade da U.Porto (LVCR, acreditação

Leia mais

Acordo mundial de luta contra as alterações climáticas: de Paris a Marrakech

Acordo mundial de luta contra as alterações climáticas: de Paris a Marrakech INFORMAÇÃO NOVEMBRO 2016 Acordo mundial de luta contra as alterações climáticas: de Paris a Marrakech ACORDO DE PARIS Na 21.ª Conferência das Partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações

Leia mais

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 9 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6170/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações COHOM 16 CONUN 54 SOC 81 FREMP 11 n.º doc. ant.:

Leia mais

O CESE e a América Latina

O CESE e a América Latina O CESE e a América Latina Comité Comité économique Económico et e Social social Europeu européen As relações entre o CESE e a América Latina Há mais de dez anos que as relações do CESE com a América Latina

Leia mais

13023/1/15 REV 1 hs/ec/ml 1 DGG 2B

13023/1/15 REV 1 hs/ec/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 30 de outubro de 2015 (OR. en) 13023/1/15 REV 1 NOTA PONTO "I/A" de: para: Secretariado-Geral do Conselho FIN 685 FSTR 64 FC 63 REGIO 78 SOC 585 Comité de Representantes

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

Esta declaração foi adoptada na 4ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, de Julho de 1997 Jacarta, República da Indonésia

Esta declaração foi adoptada na 4ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, de Julho de 1997 Jacarta, República da Indonésia Esta declaração foi adoptada na 4ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, 21-25 de Julho de 1997 Jacarta, República da Indonésia Declaração de Jacarta sobre a Promoção da Saúde no Século XXI

Leia mais

Gestão Integrada de Recursos Hídricos

Gestão Integrada de Recursos Hídricos Gestão Integrada de Recursos Hídricos 1. O que é GIRH? 2. Porque GIRH? 3. Princípios 4. Usuários 5. O Processo 6. Políticas 7. Instituições 1. O que é a GIRH? (1 de 3) A base da Gestão Integrada de Recursos

Leia mais

5734/17 mam/jv 1 DGG 1A

5734/17 mam/jv 1 DGG 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de janeiro de 2017 (OR. en) 5734/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações n.º doc. ant.: 5188/17 Assunto: ECOFIN 50 UEM 14

Leia mais

Revisão do regime de renda apoiada

Revisão do regime de renda apoiada Revisão do regime de renda apoiada Conselho Municipal de Habitação Lisboa, 24 de Setembro de 2012 Helena Roseta Enquadramento Durante 20 anos, a prioridade da política de habitação em Lisboa foi erradicação

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE 3 3. IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 5 4. CONTROLO E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Mecanismo de Gestão de Relação com as Comunidades

Mecanismo de Gestão de Relação com as Comunidades Mecanismo de Gestão de Relação com as Comunidades Introdução O diálogo constante e regular com as partes interessadas e afectadas pelo projecto florestal é uma prioridade para a Portucel Moçambique. Para

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

ESCRITÓRIO DAS ACTIVIDADES PARA OS TRABALHADORES (ACTRAV) A OIT E OS TRABALHADORES ESCRITÓRIO INTERNACIONAL DO TRABALHO

ESCRITÓRIO DAS ACTIVIDADES PARA OS TRABALHADORES (ACTRAV) A OIT E OS TRABALHADORES ESCRITÓRIO INTERNACIONAL DO TRABALHO ESCRITÓRIO DAS ACTIVIDADES PARA OS TRABALHADORES (ACTRAV) A OIT E OS TRABALHADORES ESCRITÓRIO INTERNACIONAL DO TRABALHO SUMÁRIO UM MUNDO EM PLENA MUDANÇA A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO COMO FUNCIONA

Leia mais

Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola;

Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola; REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola;

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-4. PT Unida na diversidade PT 2012/2026(INI) Projeto de parecer Michèle Striffler (PE v01-00)

ALTERAÇÕES 1-4. PT Unida na diversidade PT 2012/2026(INI) Projeto de parecer Michèle Striffler (PE v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Desenvolvimento 10.10.2012 2012/2026(INI) ALTERAÇÕES 1-4 Michèle Striffler (PE496.311v01-00) Estratégia da União Europeia para o Corno de África (2012/2026(INI))

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA Estratégia da ONUSIDA para 2016-2020: Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA www.itcilo.org INTRODUÇÃO Estratégia global orientar e apoiar a resposta à SIDA, a nível global e assente em princípios

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

CARTA AFRICANA SOBRE OS VALORES E PRINCÍPIOS DA FUNÇÃO PÚBLICA E ADMINISTRAÇÃO

CARTA AFRICANA SOBRE OS VALORES E PRINCÍPIOS DA FUNÇÃO PÚBLICA E ADMINISTRAÇÃO CARTA AFRICANA SOBRE OS VALORES E PRINCÍPIOS DA FUNÇÃO PÚBLICA E ADMINISTRAÇÃO 1 Preâmbulo Nós, Estados Membros da União Africana (UA); Reiteramos o nosso compromisso político de reforçar o profissionalismo

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE)

Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) O que é o Programa LIFE? O Programa LIFE - cujo acrónimo traduz L Instrument Financier pour l Environment é um instrumento financeiro comunitário que

Leia mais

Função Principal do Cargo: Promover a paz e a segurança na Região. Áreas Principais de Resultados

Função Principal do Cargo: Promover a paz e a segurança na Região. Áreas Principais de Resultados ANÚNCIO DE VAGA O Secretariado da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) convida os cidadãos dos Estados Membros da SADC, devidamente qualificados e com experiência, a candidatarem-se para

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA SOBRE A PAZ E SEGURANÇA NA REGIÃO DO GOLFO DA GUINÉ

DECLARAÇÃO DE LUANDA SOBRE A PAZ E SEGURANÇA NA REGIÃO DO GOLFO DA GUINÉ DECLARAÇÃO DE LUANDA SOBRE A PAZ E SEGURANÇA NA REGIÃO DO GOLFO DA GUINÉ I - Preâmbulo Animados pela vontade de desenvolver e estreitar as relações de boa vizinhança entre Estados da região do Golfo da

Leia mais