TGC alto e HDL baixo... A dislipidemia aterogênica. Cristina da Silva Schreiberde Oliveira Endocrinologista HU UFSC Doutorado USP Ciências Médicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TGC alto e HDL baixo... A dislipidemia aterogênica. Cristina da Silva Schreiberde Oliveira Endocrinologista HU UFSC Doutorado USP Ciências Médicas"

Transcrição

1 TGC alto e HDL baixo... A dislipidemia aterogênica Cristina da Silva Schreiberde Oliveira Endocrinologista HU UFSC Doutorado USP Ciências Médicas

2 Lipídios Lipídios são moléculas hidrofóbicas, insolúveis ou poucos solúveis em água Reserva de nutrientes = triglicerídeos Precursores de esteroides adrenais, gonadaise sais biliares = colesterol Mensageiros extra e intra-celulares(pg e fosfatidilinositol)

3 Lipoproteínas

4

5

6

7

8

9

10 Dislipidemia aterogênica Concentrações elevadas de TGC, HDL baixo, LDL normal ou pouco aumentado (porém com LDL pequena e densa) Fenótipo lipoprotêicopresente em pacientes com : cardiopatia isquêmica estabelecida, IRC, Sdmetabólica e Diabetes tipo 2 sendo responsável pelo Alto risco cardiovascular destes indivíduos Apesar dos guidelinesserem importantes para o médico, não há na maioria deles menção de como tratar esta combinação

11

12

13

14

15

16

17

18 Dislipidemia aterogênica Apesar dos guidelinesserem importantes para o médico, não há na maioria deles menção de como tratar esta combinação As variáveis observadas HDL, TGC, Dislipidemia aterogênica, Colesterol não HDL, apolipoproteínab, se estabeleciam algum objetivo terapêutico e se propunham algum fármaco para tto.

19

20 Dislipidemia aterogênica... Guidelines? FifthJoint TaskForce European: Considera HDL separado do TGC, ou seja, o TGC deve ser visto separado como objetivo (HDL > 45 e TGC < 150 ) e que não há evidência significativa de que sejam vistos como objetivos conjuntos de uma terapêutica. Sugere HDL < 45 para mulheres e < 40 para homens como limite EASD e ESC : Colesterol não HDL menor que 100 para os DM e de muito alto risco / Menor que 130 para os de alto risco / Não recomenda terapia para aumentar a [HDL]

21 Dislipidemia aterogênica... Guidelines? Soc. Card. Canadá = LDL objetivo principal / Comenta que tratamento com fármacos em pacientes com HDL baixo e TGC alto pode ter algum benefício Sociedade Bras. Cardiologia = Dislipidemia mista / Cita o ACCORD, destacando que o subgrupo com TGC alto e HDL baixo poderia se beneficiar de fibratosmas que esta possibilidade deve ser confirmada em outros estudos. NICE = prioriza uso do colesterol não HDL em substituição do colesterol LDL como meta. Assinala que os fármacos não estatinas (ác. Graxos ômega 3, fibratos, etc) não devem ser utilizados na rotina por não haver evidência benefício cardiovascular

22 Dislipidemia aterogênica... Guidelines? Sociedade Japonesa de Aterosclerose : não se refere a dislipidemia aterogênica e uma vez cita o TGC alto com HDL baixo e recomenda o fibratoou ácido nicotínico... Coloca o Colesterol não HDL como objetivo secundário quando o paciente já alcançou o objetivo do colesterol LDL IAS : Se colesterol não HDL e TGC estão elevados, alcançar objetivo com LDL e então adicionar fibrato, ou niacina ou ômega 3 em doses elevadas para diminuir TGC NationalLipidAssociation: Tem em conta TGC > 150 e HDL baixo como componente da SM. Objetivo de ttopara colesterol não HDL e apo B em função risco cardiovascular

23 Dislipidemia aterogênica... Guidelines? ACC / AHA: Propoemmudança de paradigma não considerando objetivos para LDL e não falam em dislipidemia aterogênica. Marcadores como a Apo B, Lp(a) e tipo de LDL para guiar decisões ADA : ItensificarMEV / Melhor controle glicêmico se TGC > 150 e /ou HDL baixo (< 40 homem) e < 50 para mulheres se paciente com TGC > 500 avaliar causas secundárias e tratamento (C). -Assim mesmo ressalta que estatina + fibratoou estatina + niacina não demonstrou benefício cardiovascular adicional a terapia com estatina em monoterapia(nível de evidência A)

24 Dislipidemia aterogênica... Guidelines? EUA = (exceção NationalLipidAssociation) = não consideram HDL e TGC na prevenção cardiovascular. * NLA ressalta a relevância da DLP aterogênica IAS e NICE = importante o Colesterol não HDL e TGC (porém poucos estudos com evidência para tratamento ) Europa, Brasil, Japão as principais evidências são de subanálisesde estudos clínicos... OS GUIDELINES NÃO CONSIDERAM A IMPORTÂNCIA DA DISLIPIDEMIA ATEROGÊNICA E A ABORDAM DE FORMA POUCO CONVINCENTE...

25 Dislipidemia aterogênica... Guidelines? Fisiopatologia complexa, mas principalmente porque nas intervenções para aumento de HDL e diminuição de TGC não houve benefícios cardiovasculares concretos (desfechos ) Prioridade com redução de LDL parece ter contribuído com o ceticismo terapêutico em relação a dislipidemia aterogênica EMA = aprovou fenofibratoem pacientes com DLP mista e alto risco cardiovascular em combinação com as estatinas quando os TGC e o HDL estão fora da meta..

26

27

28

29

30

31 RISCO CARDIOVASCULAR TRATAMENTO LDLe TGC alto aumentam risco cardiovasc. Que se exacerba com HDL baixo TGC e HDL devem ser quantificados para avaliar risco residual para pacientes já tratados com estatinas Colesterol não HDL pode ser melhor marcadorde risco que o LDL Lipoproteínas remanescentes ricas TGC requerem atenção especial como Fatrorisco mais do que os TGC isolados (simples marcadores Objetivo deve ser colesterolnão HDL para controle de risco cardiovasc. em pacientes com DLP aterogênica Especial atenção aospacientes com SM e Aumentode Colesterol Não HDL e TGC com HDL baixo Abordagem individualizadae multifatorial Os pacientes com HiperTGCe HDL baixo beneficiariam-secom tratamento de estatina + fenofibrato

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Nota: Estas alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo são válidas no momento

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS

EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS CINTIA AREND POZZATTI MILESI 1 ANA VALQUIRIA DA FONTOURA CORNEL 2 ROSELIANE NAZARÉ AMARAL DOS SANTOS 3 CATI RECKERBERG AZAMBUJA 4 RESUMO

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

Coração Outono/Inverno

Coração Outono/Inverno Coração Outono/Inverno O que posso fazer pelo doente idoso com: Risco Cardiovascular Elevado Maria João Vieira Interna de Formação Específica em Cardiologia 1ª Ano Hospital Distrital de Santarém Cátia

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 208/2013 Brasília, agosto de 2013. Princípio Ativo: ácido nicotínico Nomes Comerciais 1 : Acinic, Metri, Cordaptive. Sumário 1. O que é o ácido nicotínico?... 2 2. O medicamento possui registro

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Funções: Precursores hormonais Armazenamento e fonte energética Componentes funcionais e estruturais

Leia mais

Thiers R Chagas SOCEBA/2017

Thiers R Chagas SOCEBA/2017 TRIGLICERIDES Thiers R Chagas SOCEBA/2017 Conflito de Interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 102/2000 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro:

Leia mais

Lipídios. Prof Karine P. Naidek Setembro/2016

Lipídios. Prof Karine P. Naidek Setembro/2016 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC BIOQUÍMICA BIO0001 Lipídios Prof Karine P. Naidek Setembro/2016 Lipídios Biomoléculas insolúveis em

Leia mais

Metabolismo dos Lipídios

Metabolismo dos Lipídios QUÍMCA E BIOQUÍMICA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Metabolismo dos Lipídios Professor: Adriano Silva Os lipídios são um grupo de biomoléculas e/ou compostos orgânicos caracterizados por serem insolúveis

Leia mais

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de 19 V- RESULTADOS A idade no grupo de pacientes virchovianos, apresenta uma média de 54,5 anos, desvio padrão de 16,35 anos e coeficiente de variação de 29,96%. Quanto à distribuição dessas idades, 35,4%

Leia mais

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1 GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS GLICEMIA 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante 2) Métodos para determinação da glicemia: Baseados

Leia mais

Monitorização do consumo de Antidislipidémicos. no ambulatório da ARS Norte

Monitorização do consumo de Antidislipidémicos. no ambulatório da ARS Norte Monitorização do consumo de Antidislipidémicos no ambulatório da ARS Norte -2015 Comissão de Farmácia e Terapêutica Agosto 2016 As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte, contando-se

Leia mais

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL colesterol 1 2 3 fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL O que é o colesterol? O colesterol é uma gordura (designada por lípido ) que existe no sangue, em todas as células do corpo humano. É um componente

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA Dislipidemia, também chamada de hiperlipidemia, refere-se ao aumento dos lipídios (gordura) no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos.

Leia mais

Alberto Mello e Silva1. Carlos Aguiar2. Revisão Dislipidemia aterogénica. N.º38 Out-Dez 2015 Pág

Alberto Mello e Silva1. Carlos Aguiar2. Revisão Dislipidemia aterogénica. N.º38 Out-Dez 2015 Pág N.º38 Out-Dez 2015 Pág. 99-104 Alberto Mello e Silva1 Carlos Aguiar2 Revisão Dislipidemia aterogénica Palavras chave: R isco cardiovascular; Dislipidemia aterogénica; Colesterol não-hdl; Colesterol HDL;

Leia mais

Programa. 19º Curso Avançado em Tratamento do Diabetes. Hotel Sheraton São Paulo WTC São Paulo - Brasil 10 e 11 de Março de 2017

Programa. 19º Curso Avançado em Tratamento do Diabetes. Hotel Sheraton São Paulo WTC São Paulo - Brasil 10 e 11 de Março de 2017 19º Curso Avançado em Tratamento do Diabetes Hotel Sheraton São Paulo WTC São Paulo - Brasil 10 e 11 de Março de 2017 Programa Prezado(a) Colega, Este é o nosso 19º Curso Avançado em Tratamento do Diabetes.

Leia mais

Classificação LIPÍDIOS

Classificação LIPÍDIOS LIPÍDIOS DEFINIÇÃO Substâncias caracterizadas pela sua baixa solubilidade em água e alta solubilidade em solventes orgânicos. Suas propriedades físicas refletem a natureza hidrofóbica das suas estruturas

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

OVO UM ALIMENTO FUNCIONAL. Gabriel de Carvalho

OVO UM ALIMENTO FUNCIONAL.  Gabriel de Carvalho OVO UM ALIMENTO FUNCIONAL Gabriel de Carvalho Nutricionista Funcional e Farmacêutico Diplomado pelo The Institute for Functional Medicine Professor do Curso de Extensão em Nutrição Funcional desde 1999

Leia mais

Colesterol e triglicerídeos

Colesterol e triglicerídeos Colesterol e triglicerídeos Colesterol e triglicerídeos O organismo precisa do colesterol, tanto que o fabrica. Ele exerce funções importantes como a produção de hormônios sexuais e de vitamina D. Contudo,

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

Influência dos Ácidos Graxos Saturados da Dieta

Influência dos Ácidos Graxos Saturados da Dieta Influência dos Ácidos Graxos Saturados da Dieta A presença de lipídeos em uma dieta é altamente valorizada para obtenção de energia. Porém, a ingestão de uma dieta rica em ácidos graxos saturados tem sido

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

Insulino-resistência e obesidade

Insulino-resistência e obesidade 62 Manual sobre Insulino-resistência Insulino-resistência e obesidade A associação de obesidade visceral com resistência à insulina, hipertrigliceridemia, aumento da apolipoproteína B, aumento das LDL

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

XXV JORNADA DE CARDIOLOGIA DA SBC- REGIONAL FSA SEXTA, 04/08/2017

XXV JORNADA DE CARDIOLOGIA DA SBC- REGIONAL FSA SEXTA, 04/08/2017 7:30-8:00 Inscrições, entrega de material e recepção 8:00 8:15 Abertura- Israel Costa Reis Presidente da SBC-FSA 8:15 9:50 MESA REDONDA: PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR XXV JORNADA DE CARDIOLOGIA DA SBC- REGIONAL

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

10 as Jornadas de Prevenção do Risco Cardiovascular para Medicina Familiar

10 as Jornadas de Prevenção do Risco Cardiovascular para Medicina Familiar Albufeira, Centro de Congressos Santa Eulália - 24 e 25 de Junho de 2016 10 as Jornadas de Prevenção do Risco Cardiovascular para Medicina Familiar PRESIDENTE DE HONRA PRESIDENTE SECRETÁRIO-GERAL Dr. Pedro

Leia mais

Síndrome Metabólica. Curso de Reciclagem SBC-SC Artur Haddad Herdy

Síndrome Metabólica. Curso de Reciclagem SBC-SC Artur Haddad Herdy Síndrome Metabólica Curso de Reciclagem SBC-SC 2006 Artur Haddad Herdy Mestre e Doutor em Cardiologia - UFRGS Chefe do Serviço de Reabilitação Cardiovascular- ICSC Especialista em Medicina Esportiva Não

Leia mais

DIABETES E DISLIPIDÉMIA

DIABETES E DISLIPIDÉMIA DIABETES E DISLIPIDÉMIA Almeida Nunes Maio 2016 Cerca de 70 % dos diabéticos apresenta HTA e 55% Hipercolesterolemia O TEDDI foi um estudo observacional, transversal que analisou 1.395 diabéticos tipo

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul XVI Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul ANGINA ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃ ÇÃO O E ABORDAGEM Campo Grande, outubro de 2010 nsmorais@cardiol.br Epidemiologia da DAC Estável Suécia 80 França Escócia

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR Março de 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. ESTRATIFICAÇÃO INDIVIDUAL DE RISCO CARDIOVASCULAR... 4 4. CALCULE O SEU RISCO E DE SEUS

Leia mais

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL)

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) Autor: João Paulo Moreira Eusébio E-mail: eusebio.jp@gmail.com Título do trabalho Reabilitação Cardíaca - Educação

Leia mais

Digestão, absorção e transporte plasmático dos lipídeos -lipoproteínas- Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

Digestão, absorção e transporte plasmático dos lipídeos -lipoproteínas- Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Digestão, absorção e transporte plasmático dos lipídeos -lipoproteínas- Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes LIPÍDEOS DIGESTÃO, ABSORÇÃO, TRANSPORTE PLASMÁTICO DIGESTÃO DE TRIGLICERÍDEOS,

Leia mais

6.2. Composição das Lipoproteínas 6.3 Metabolismo do quilomícra 6.4/ 6.5/ 6.6 Metabolismo das lipoproteínas de densidade alta, baixa e muito baixa

6.2. Composição das Lipoproteínas 6.3 Metabolismo do quilomícra 6.4/ 6.5/ 6.6 Metabolismo das lipoproteínas de densidade alta, baixa e muito baixa 6.2. Composição das Lipoproteínas 6.3 Metabolismo do quilomícra 6.4/ 6.5/ 6.6 Metabolismo das lipoproteínas de densidade alta, baixa e muito baixa Lipoproteínas: São associações entre Proteínas e Lipídios

Leia mais

LIPOPROTEÍNAS LIPOPROTEÍNAS SANGUÍNEAS COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS

LIPOPROTEÍNAS LIPOPROTEÍNAS SANGUÍNEAS COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS LIPOPROTEÍNAS LIPOPROTEÍNAS SANGUÍNEAS COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS LIPOPROTEÍNAS RELACIONADAS AO METABOLIS- MO DE TRIGICERÍDEOS E COLESTEROL SANGUÍNEO SISTEMAS LIPOPROTÉICOS - O termo lipoproteína é empregado

Leia mais

História Clínica. Fatores de Risco e Fisiopatologia Parte 1. Dislipidemia e Hipertensão. Annie Bello PhD

História Clínica. Fatores de Risco e Fisiopatologia Parte 1. Dislipidemia e Hipertensão. Annie Bello PhD História Clínica Fatores de Risco e Fisiopatologia Parte 1. Dislipidemia e Hipertensão Annie Bello PhD Doutora em Fisiopatologia - UERJ Prof. Adjunto Nutrição clínica - UERJ Nutricionista Ensino e Pesquisa

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 01 FISIOLOGIA ANIMAL E NUTRIÇÃO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 01 FISIOLOGIA ANIMAL E NUTRIÇÃO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 01 FISIOLOGIA ANIMAL E NUTRIÇÃO Taxa metabólica rato coelho homem vaca elefante Peso corporal 6CO 2 + 12H 2 O luz C 6 H 12 O 6 + 6H 2 O + 6O 2 6CO 2 + 6H 2 O energia de oxidação

Leia mais

ESTATINAS Variações regionais e internacionais GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO

ESTATINAS Variações regionais e internacionais GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO ESTATINAS 2000-2013 Utilização Despesa Variações regionais e internacionais GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO 1 Sumário Executivo Utilização A utilização de antidislipidémicos em Portugal

Leia mais

Classes de Lipídeos. I. Ácidos Graxos: Estrutura

Classes de Lipídeos. I. Ácidos Graxos: Estrutura Lipídeos Lipídeos (grego lipos, gordura) são moléculas apolares, solúveis em solventes orgânicos (metanol, clorofórmio, etc) e essencialmente insolúveis em água Lipídeos I. Classes de lipídeos II. Funções

Leia mais

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária 30/01/2017 0818 DN 25/10/1946 / 70a 3m Página 1 de 7 Protocolo 1701.001.083-6 Documento ACIDO URICO 7,5 mg/dl Enzimático. EXAME REVISTO E CONFIRMADO. 2,5 6,5 mg/dl

Leia mais

PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE

PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE Beatriz de Oliveira Matos1 Milene Peron Rodrigues Losilla2 1 Graduanda do Departamento de Nutrição/Centro

Leia mais

Lipids E N V I R O. Hypertension. Obesity. Diabetes. Diet. Vascular disease Age E T I C. Smoking E N. Gender Family history T A L. Sedentary lifestyle

Lipids E N V I R O. Hypertension. Obesity. Diabetes. Diet. Vascular disease Age E T I C. Smoking E N. Gender Family history T A L. Sedentary lifestyle DISLIPIDÉMIAS Terapêutica Nutricional Fernando Santos Aterosclerose Uma doença multifactorial E N V I R O N M E N T A L Obesity Diet Smoking Sedentary lifestyle Lipids Hypertension Thrombotic factors Diabetes

Leia mais

ISQUEMIA SILENCIOSA É possível detectar o inesperado?

ISQUEMIA SILENCIOSA É possível detectar o inesperado? CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL Florianópolis 20-24 de setembro de 2006 ISQUEMIA SILENCIOSA É possível detectar o inesperado? Celso Blacher Definição Documentação objetiva de

Leia mais

DIGESTÃO DOS LIPÍDIOS

DIGESTÃO DOS LIPÍDIOS DIGESTÃO DOS LIPÍDIOS - A maior parte das gorduras da dieta são predominantemente triacilglicerois 80% Função da bile: Sais biliares Quebra a gordura, aumentando a área total disponível à ação enzimática

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Definição: Lipídios são substâncias solúveis em solventes apolares. Classes de Lipídios mais abundantes no ser vivo

Definição: Lipídios são substâncias solúveis em solventes apolares. Classes de Lipídios mais abundantes no ser vivo LIPÍDIOS Definição: Lipídios são substâncias solúveis em solventes apolares Classes de Lipídios mais abundantes no ser vivo Ácidos Graxos Triacilgliceróis Fosfolipídios Esteróides Possuem estruturas e

Leia mais

Abordagem intervencionista no IAM em diabéticos, Qual stent utilizar? È possível minimizar a reestenose?

Abordagem intervencionista no IAM em diabéticos, Qual stent utilizar? È possível minimizar a reestenose? Abordagem intervencionista no IAM em diabéticos, Qual stent utilizar? È possível minimizar a reestenose? Dr.Roberto de Almeida César: Cardiologista Clínico do Centrocor Hemodinamicista e Intervencionista

Leia mais

ARRASTE FECAL DE LIPÍDIOS EM RATOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES DE GORDURA.

ARRASTE FECAL DE LIPÍDIOS EM RATOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES DE GORDURA. ARRASTE FECAL DE LIPÍDIOS EM RATOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES DE GORDURA. Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOURA, Fernanda Aline; NUNES, Débora Vargas; TAVARES,

Leia mais

PERFIL LIPIDÊMICO EM PACIENTES DE UMA COMUNIDADE RURAL ATENDIDOS PELO PROGRAMA CRUTAC NO DISTRITO DE ITAICOCA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA - PR

PERFIL LIPIDÊMICO EM PACIENTES DE UMA COMUNIDADE RURAL ATENDIDOS PELO PROGRAMA CRUTAC NO DISTRITO DE ITAICOCA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL LIPIDÊMICO EM PACIENTES

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel Cardiologia Introdução Disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Origem congênita ( já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas) Origem infecciosa ( bactérias

Leia mais

Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis. Lucas Alexandre Pedebôs

Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis. Lucas Alexandre Pedebôs apresentam Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis Lucas Alexandre Pedebôs Por que construir um protocolo de enfermagem? Lei 7.498/1986 Art. 11 - O enfermeiro exerce

Leia mais

Clínica médica e Geriatria

Clínica médica e Geriatria Sérgio Murilo Clínica médica e Geriatria O que é? Qual o foco? Quero todos os exames. Mais benefício ou prejuízo? Como decidir que condições serão avaliadas e como serão avaliadas? Condições (não o teste)

Leia mais

Tratamento nutricional Dislipidemia e Hipertensão

Tratamento nutricional Dislipidemia e Hipertensão Tratamento nutricional Dislipidemia e Hipertensão Annie Bello PhD Doutora em Fisiopatologia - UERJ Prof. Adjunto Nutrição clínica - UERJ Nutricionista Ensino e Pesquisa - INC Rica em frutas e vegetais

Leia mais

Outros terpenos. q Cada grama de gordura è 9 kcal. q Fonte de ácidos graxos essenciais q Maior reserva energética

Outros terpenos. q Cada grama de gordura è 9 kcal. q Fonte de ácidos graxos essenciais q Maior reserva energética 23/02/17 DEFINIÇÃO Substâncias caracterizadas pela sua baixa solubilidade em água e alta solubilidade em solventes orgânicos (éter, álcool e clorofórmio). HIDROFÓBICAS (APOLARES) LIPÍDIOS LIPÍDIOS Ácidos

Leia mais

Sumário. Data: 19/11/2013 NTRR 224/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 19/11/2013 NTRR 224/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 224/2013 Solicitante: Dr. João Batista Simeão da Silva Comarca de Bom Despacho Minas Gerais Data: 19/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0035442-11.2013.8.13.0074

Leia mais

Aterosclerose. Natália Borges de Melo Patrícia Gabriella Zapata Paulo Henrique Maia Vilela

Aterosclerose. Natália Borges de Melo Patrícia Gabriella Zapata Paulo Henrique Maia Vilela Aterosclerose Natália Borges de Melo Patrícia Gabriella Zapata Paulo Henrique Maia Vilela Uberaba MG 31 de Agosto de 2011 Artigo Nature, May 19th 2011 Conceitos: ATEROSCLEROSE: Doença crônica, de origem

Leia mais

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto.

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto. COLESTEROL ALTO Colesterol é uma substância essencial ao organismo, mas quando em excesso, pode prejudicar. Cerca de 40% da população tem colesterol alto. MAS O Colesterol Total não é o valor perigoso,

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,07 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Programação Preliminar do 71º Congresso Brasileiro de Cardiologia

Programação Preliminar do 71º Congresso Brasileiro de Cardiologia Programação Preliminar do 71º Congresso Brasileiro de Cardiologia Sexta-Feira, 23 de Setembro de 2016 Auditório 01 (Capacidade 250) (21338) Atualização Ergometria, Reabilitação Cardíaca e Cardiologia Desportiva

Leia mais

NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2

NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2 NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2 DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes Hospital do Rim Universidade Federal de São Paulo UNIFESP

Leia mais

Trabalho realizado sob a orientação da Professora Doutora Helena Quaresma. Ana Duarte Marco Correia

Trabalho realizado sob a orientação da Professora Doutora Helena Quaresma. Ana Duarte Marco Correia Trabalho realizado sob a orientação da Professora Doutora Helena Quaresma Ana Duarte Marco Correia CASTELO BRANCO julho, 2016 PORQUÊ FALAR DE ALIMENTAÇÃO? DADOS EPIDEMIOLÓGICOS Remissão após o primeiro

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

Que tipo de gordura estou consumindo?

Que tipo de gordura estou consumindo? Que tipo de gordura estou consumindo? Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN Ciclo de palestras Palestrante: Cinthia de Carvalho

Leia mais

Dislipidemia no adolescente: fator de risco de aterosclerose na idade adulta? quando pesquisar?

Dislipidemia no adolescente: fator de risco de aterosclerose na idade adulta? quando pesquisar? ARTIGO ORIGINAL 31 Rogério Lachtermacher Dislipidemia no adolescente: fator de risco de aterosclerose na idade adulta? quando pesquisar? RESUMO Dislipidemia é qualquer forma de alteração lipídica e/ou

Leia mais

25/08/2009. Saturado (Animal) HDL LDL. Saturada (semi sólida) Hidrogenação. Mesmo conteúdo calórico

25/08/2009. Saturado (Animal) HDL LDL. Saturada (semi sólida) Hidrogenação. Mesmo conteúdo calórico Conceitos Os Lipídios são substâncias muito abundantes em animais e vegetais. Lipidios Renato Marques Compreendem os óleos, as gorduras, as ceras, os Lipídios compostos (fosfolipídios, por exemplo) e finalmente

Leia mais

ÔMEGA 3 PÓ. EPA e DHA suplementados na forma de pó

ÔMEGA 3 PÓ. EPA e DHA suplementados na forma de pó ÔMEGA 3 PÓ EPA e DHA suplementados na forma de pó INTRODUÇÃO O desempenho mental exige um tipo específico de gordura, encontrado mais frequentemente em peixes, conhecido como ácido graxo Ômega 3. O ácido

Leia mais

Cap. 3: Componentes orgânicos celulares As moléculas energéticas. Equipe de Biologia

Cap. 3: Componentes orgânicos celulares As moléculas energéticas. Equipe de Biologia Cap. 3: Componentes orgânicos celulares As moléculas energéticas Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas Carboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais

SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM APS

SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM APS SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM APS DISLIPIDEMIA E PREVENÇÃO QUATERNÁRIA João Carlos Schneider, MFC Unidade de Saúde Estrela SMS Curitiba jschneider@gmail.com V DIRETRIZ DE DISLIPIDEMIA

Leia mais

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica Informações Técnicas ORLISTATE SINTÉTICO Agente antiobesidade de ação periférica FÓRMULA MOLECULAR: C 23 H 53 NO 5. PESO MOLECULAR: 495,73. CAS N : 96829-58-2. DCB: 06635. NOME QUÍMICO: N-Formyl-L-leucine

Leia mais

Booster Termogênico Natural Rico em Bioativos e Fibras

Booster Termogênico Natural Rico em Bioativos e Fibras Booster Termogênico Natural Rico em Bioativos e Fibras Potente antioxidante Combate da gordura corporal Aumento da taxa metabólica Auxílio na absorção de glicose via intestinal em dietas hipercalóricas

Leia mais

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO SEÇÃO 1 Capítulo 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO 1 Epidemiologia da prevenção do acidente vascular cerebral e urgência do tratamento 2 Introdução / 2 Incidência e prevalência

Leia mais

ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA

ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA Coordenadora da equipe de Nutrição Clínica do AMBULIM Especialista em Distúrbios Metabólicos

Leia mais

Insulino-resistência e infecção por VIH IR DA SÍNDROME DE LIPODISTROFIA DA INFECÇÃO POR VIH INSULINO RESISTÊNCIA

Insulino-resistência e infecção por VIH IR DA SÍNDROME DE LIPODISTROFIA DA INFECÇÃO POR VIH INSULINO RESISTÊNCIA 54 Manual sobre Insulino-resistência Insulino-resistência e infecção por VIH IR DA SÍNDROME DE LIPODISTROFIA DA INFECÇÃO POR VIH Alterações do metabolismo e redistribuição da gordura: Gordura visceral

Leia mais

EDUCAÇÃO REVISÃO 2 REVISÃO 3

EDUCAÇÃO REVISÃO 2 REVISÃO 3 FÍSICA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 UNIDADE II - CULTURA: A pluralidade na expressão humana Aula 4.1 Lazer: conceitos Aula 4.2 Atividade física e exercício físico: uma questão cultural? Aula 5.1 Doenças

Leia mais

Cerca de 70% do colesterol é fabricado pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% vêm da dieta.

Cerca de 70% do colesterol é fabricado pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% vêm da dieta. O colesterol é um tipo de gordura (lipídeo) encontrada naturalmente em nosso organismo, assim como os fosfolípides, os triglicérides (TG) e os ácidos graxos. O colesterol é o componente estrutural das

Leia mais

Coelhos Himalaia. c h c h c h c h c h c h c h c h. Acima de 29 C. Abaixo de 2 C. Próximo a 15 C

Coelhos Himalaia. c h c h c h c h c h c h c h c h. Acima de 29 C. Abaixo de 2 C. Próximo a 15 C Coelhos Himalaia c h c h c h c h c h c h c h c h c h c h Próximo a 15 C Acima de 29 C Abaixo de 2 C Herança Multifatorial Genética Mendeliana Os sete traços que Mendel observava em suas ervilhas eram os

Leia mais

BENEFIT e CHAGASICS TRIAL

BENEFIT e CHAGASICS TRIAL BENEFIT e CHAGASICS TRIAL Estudos Clínicos em Chagas Patricia Rueda Doença de Chagas Terceira doença parasitária mais comum do mundo (Malária e Esquistossomose) Cardiopatia chagásica é a forma mais comum

Leia mais

MODELO DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM ANIMAIS SUBMETIDOS À DIETA HIPERCALÓRICA À CUSTA DE LIPÍDEOS

MODELO DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM ANIMAIS SUBMETIDOS À DIETA HIPERCALÓRICA À CUSTA DE LIPÍDEOS MODELO DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM ANIMAIS SUBMETIDOS À DIETA HIPERCALÓRICA À CUSTA DE LIPÍDEOS Pedro Bruno Estevam Teófilo¹, Ana Flávia Araujo Celestino¹, Keyvid dos Santos Pereira¹ e Tharcia Kiara Beserra

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Bioquímica Celular (parte II) Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos Nucléicos

Bioquímica Celular (parte II) Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos Nucléicos Bioquímica Celular (parte II) Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos Nucléicos Lipídios Possuem função energética e estrutural. 2ª fonte de energia do organismo. Apresentam maior quantidade de energia que

Leia mais

os lipídeos não são polímeros, isto é, não são repetições de uma unidade básica

os lipídeos não são polímeros, isto é, não são repetições de uma unidade básica LIPÍDEOS Conceito Grupo de compostos distribuídas em animais e vegetais que, ao contrário das outras classes de compostos orgânicos, não são caracterizadas por um grupo funcional comum, e sim pela sua

Leia mais

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico?

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico? REUNIÃO CONJUNTA DOS GRUPOS DE ESTUDO DE CUIDADOS INTENSIVOS CARDÍACOS E DE FISIOPATOLOGIA DO ESFORÇO E REABILITAÇÃO CARDÍACA Compliance to a Cardiac Rehabilitation Program: what are the benefits and impact

Leia mais

Definições básicas. Bom X Mau. Onde encontramos: São compostos orgânicos heterogêneos, de origem animal ou vegetal;

Definições básicas. Bom X Mau. Onde encontramos: São compostos orgânicos heterogêneos, de origem animal ou vegetal; Definições básicas São compostos orgânicos heterogêneos, de origem animal ou vegetal; lique para editar o estilo do subtítulo mestre Profa. Fernanda Tomé São insolúveis em água e facilmente solúveis em

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Lovastatina Jaba 20 mg comprimidos APROVADO EM Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois contém informação importante

Leia mais