Programa Livro de Resumos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Livro de Resumos"

Transcrição

1 Programa Livro de Resumos

2 09h00 09h30 Receção e Entrega da documentação Secretariado, Auditório 09h30 09h50 Sessão de Abertura Auditório 09h50 10h45 Conferência Plenária Auditório PROGRAMAS DE MATEMÁTICA 2013 CONSTRANGIMENTOS E OBSTÁCULOS A UMA MATEMÁTICA COM COMPREENSÃO Henrique Manuel Guimarães, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa 10h45 11h00 11h00 12h45 Intervalo Sessões Práticas Sessão Prática 1 Sala 1.2 CONSTRUÇÃO DE RELAÇÕES NUMÉRICAS: OS JOGOS DE DOMINÓ Cristina Mesquita-Pires, Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Bragança Sessão Prática 2 Sala 0.28 APLICAÇÕES INTERATIVAS PARA O ENSINO DA TRIGONOMETRIA Edite Cordeiro, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Instituto Politécnico de Bragança Sessão Prática 3 Sala 1.10 E SE NESTA AULA EU UTILIZASSE O SCRATCH? Paula Maria Barros, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Inst. Politécnico de Bragança Marcela Seabra, Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Bragança 13h00 14:30 Almoço (Restaurante Esplanada) 14h30 16h30 Painel Plenário Auditório AS NOVAS ORIENTAÇÕES CURRICULARES OFICIAIS EM MATEMÁTICA: QUE CONSEQUÊNCIAS SÃO (JÁ) VISÍVEIS? Intervenção João Carlos Afonso, Agrupamento de Escolas de Macedo de Cavaleiros Lurdes Figueiral, Escola Artística de Soares dos Reis, Porto; Presidente da direção da APM Maria de Jesus Cepeda, Agrupamento de Escolas Emídio Garcia, Bragança Maria Manuel Nascimento, ECT, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Moderação Manuel Vara Pires, Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Bragança 16h30 17h00 Sessão de Encerramento Auditório 2 Programa & Livro de Resumos, BragançaMat 2014

3 Conferência Plenária Geral 09h50 Auditório PROGRAMAS DE MATEMÁTICA 2013 CONSTRANGIMENTOS E OBSTÁCULOS A UMA MATEMÁTICA COM COMPREENSÃO Henrique Manuel Guimarães, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa Iniciou-se este ano letivo a aplicação do Programa de Matemática para o Ensino Básico homologado em 2013 e foi recentemente homologado um outro programa de Matemática A para o Ensino Secundário. Desde o momento em que foram conhecidos estes novos documentos programáticos, as alterações curriculares que contêm, e que no primeiro caso estão já em implementação em alguns anos de escolaridade, foram muito contestadas e mereceram profundas críticas, em particular no seio da APM, por se reconhecer que põem em sério risco os progressos nas aprendizagens matemáticas dos nossos alunos, de que já íamos tendo indicação. Nesta conferência, com particular incidência no ensino básico, procurarei mostrar o que nas alterações curriculares, agora determinadas, vêm em contra-corrente face ao que desde já há muitos anos têm sido as principais orientações para o ensino da Matemática, a nível nacional e internacional, no que diz respeito a conteúdos matemáticos a ensinar e às abordagens e ênfase principal no ensino. Com alguns testemunhos e exemplos da experiência de alguns professores relativos à implementação do programa que começou este ano letivo, procurarei ilustrar como essas alterações curriculares contrariam uma perspetiva de um ensino da Matemática com compreensão. Programa & Livro de Resumos, BragançaMat

4 Sessão Prática 1 Pré-Escolar, 1.º Ciclo 11h00 Sala 1.2 CONSTRUÇÃO DE RELAÇÕES NUMÉRICAS: OS JOGOS DE DOMINÓ Cristina Mesquita-Pires, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança A sessão prática que se pretende desenvolver centra-se na utilização de jogos de dominó como estratégia facilitadora da construção de relações numéricas. Os participantes terão oportunidade de experimentar e refletir sobre a utilização de jogos que envolvem a contagem e a realização de operações simples, como meio que permite desenvolver o cálculo mental e a compreensão do sentido das operações. A análise das tarefas a propor terá em conta a sua intencionalidade, a sua sequência e os contextos onde podem ser usados. O trabalho desenvolvido pretende salientar a importância do educador/professor planear e implementar trajetórias de aprendizagem tendo em conta: o seu conhecimento pedagógico, na construção e exploração de experiências de aprendizagem com as crianças/alunos, o conhecimento sobre o sentido de número, a contagem e as operações simples. Pensamos que só o aprofundamento de conhecimentos dos educadores/professores sobre a intencionalidade da educação matemática nos primeiros anos poderá impulsionar a disseminação de boas práticas e a reflexão em torno de problemáticas situadas. 4 Programa & Livro de Resumos, BragançaMat 2014

5 Sessão Prática 2 2.º e 3.º Ciclos, Secundário 11h00 Sala 0.28 APLICAÇÕES INTERATIVAS PARA O ENSINO DA TRIGONOMETRIA Edite Cordeiro, Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Bragança Nesta sessão prática propomos construir materiais dinâmicos de avaliação dos conceitos da trigonometria, com recurso ao software GeoGebra. Também serão disponibilizadas construções que constituem desafios a propor aos alunos, para a compreensão dos conceitos subjacentes à trigonometria e a outros assuntos da Matemática do Ensino Básico e Secundário. Por integrar funcionalidades da geometria da álgebra e do cálculo e dado seu caráter dinâmico, entendemos que este sistema computacional pode influenciar fortemente a Educação Matemática. Programa & Livro de Resumos, BragançaMat

6 Sessão Prática 3 Geral 11h00 Sala 1.10 E SE NESTA AULA EU UTILIZASSE O SCRATCH? Paula Maria Barros, Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Bragança Marcela Seabra, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança A utilização de tecnologias na sala de aula pode trazer ao aluno um maior protagonismo na sua própria aprendizagem, passando de ouvinte atento e passivo do saber do professor para interveniente ativo na construção do seu próprio conhecimento. O Scratch poderá impulsionar este processo, visto que permite que os alunos se envolvam dinamicamente nas tarefas propostas, desenvolvam a sua capacidade criativa e de resolução de problemas, possibilitando abordagens com importantes contributos para a aprendizagem da matemática. Mas afinal o que é o Scratch? O Scratch é um ambiente gráfico de programação inovador, concebido no Massachusetts Institute of Technology (MIT), que torna a programação mais cativante e acessível às crianças, e a todos os que não possuem competências nessa área. A programação em Scratch é efetuada através da criação de sequências de comandos simples, que correspondem a blocos de várias categorias (movimento, controlo, aparência, sensores, som, operações, caneta e variáveis), encaixados e encadeados de forma a produzirem as ações desejadas. Como o Scratch torna fácil a combinação de gráficos, imagens, fotografias, música e som, em criações interativas, é possível criar histórias com cenários variados, conceber um jogo, fazer uma apresentação interativa para as aulas, representar e simular situações problemáticas, construir figuras geométricas, entre muitos outros exemplos. Nesta sessão prática pretende-se apresentar o Scratch, explorar algumas tarefas no domínio da matemática e refletir sobre as suas potencialidades educativas. 6 Programa & Livro de Resumos, BragançaMat 2014

7 Painel Plenário Geral 14h30 Auditório AS NOVAS ORIENTAÇÕES CURRICULARES OFICIAIS EM MATEMÁTICA: QUE CONSEQUÊNCIAS SÃO (JÁ) VISÍVEIS? Intervenientes João Carlos Afonso, Agrupamento de Escolas de Macedo de Cavaleiros Lurdes Figueiral, Escola Artística de Soares dos Reis, Porto; Presidente da direção da APM Maria de Jesus Cepeda, Agrupamento de Escolas Emídio Garcia, Bragança Maria Manuel Nascimento, ECT da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Moderador Manuel Vara Pires, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança O principal propósito deste painel é proporcionar momentos de reflexão sobre as consequências já visíveis no trabalho matemático dos alunos e dos professores (em especial, no ensino básico) resultantes da introdução das novas orientações curriculares. Que avaliação global pode ser feita do processo de implementação do novo programa do ensino básico? E sobre as orientações para o ensino secundário? Quais as dificuldades mais sentidas pelos professores? E as dificuldades mais reveladas pelos alunos? Reconhecem-se melhorias? Quais? De que tipo? Em que dimensões? E a formação para o programa tem sido a necessária? Como tem chegado às salas de aula? Tem havido ações de acompanhamento? De que natureza? Qual o grau de satisfação dos professores? E dos alunos? E das famílias? Que materiais de apoio têm sido produzidos? Que ajudas de aplicação em aula têm sido concretizadas?... Com toda a certeza, estas serão algumas das questões que atravessarão o debate de modo a compreender melhor as implicações das novas orientações curriculares oficiais em Matemática na vida escolar de professores e alunos. Programa & Livro de Resumos, BragançaMat

8 Comissão Científica C. Miguel Ribeiro, Universidade do Algarve Cristina Martins, Instituto Politécnico de Bragança José António Fernandes, Universidade do Minho Manuel Vara Pires, Instituto Politécnico de Bragança Maria Manuel Nascimento, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Paula Barros, Instituto Politécnico de Bragança Comissão Organizadora Célia Afonso, Agrupamento de Escolas Abade de Baçal, Bragança Cristina Martins, Escola Superior de Educação, IPBragança Manuel Vara Pires, Escola Superior de Educação, IPBragança Marcela Seabra, Escola Superior de Educação, IPBragança Paula Barros, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, IPBragança Teodoro Nunes, Agrupamento de Escolas Abade de Baçal, Bragança Organização Associação de Professores de Matemática Núcleo Regional de Bragança Colaboração Departamento de Matemática Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Apoios Escola Superior de Educação de Bragança Instituto Politécnico de Bragança Câmara Municipal de Bragança União das Freguesias de Sé, Santa Maria e Meixedo Porto Editora 8 Programa & Livro de Resumos, BragançaMat 2014

Programa Livro de Resumos

Programa Livro de Resumos Programa Livro de Resumos BragançaMat 2013 O 17.º Encontro Regional de Educadores e Professores de Matemática, BragançaMat 2013, insere-se no plano de atividades do Núcleo Regional de Bragança da Associação

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra 1 Plano de formação e atividades 2016 1ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra - A emergência da escrita no pré-escolar. Uma abordagem à escrita em contexto pré-escolar Formadora: Manuela Guedes Destinatários:

Leia mais

2000 Ano Mundial da Matemática

2000 Ano Mundial da Matemática 2000 Ano Mundial da Matemática Projecto de Actividades Semana da Matemática 20 a 25 de Março de 2000 Organização: Escola do Ensino Básico de Tondela Escola Secundária de Tondela O ano 2000 foi declarado

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

ATAS. Grupo Educação e Formação de Professores Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

ATAS. Grupo Educação e Formação de Professores Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo ATAS Grupo Educação e Formação de Professores Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Comissão organizadora do Encontro Coordenadora: Isabel Vale Ana Barbosa Ana Peixoto

Leia mais

Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch

Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch 1.º ciclo /4.º ano Pedro Silva dezembro de 2011 Planificação das atividades Designação: Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

ESTUDO DA GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA NO AMBIENTE DE MATEMÁTICA DINÂMICA - GEOGEBRA

ESTUDO DA GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA NO AMBIENTE DE MATEMÁTICA DINÂMICA - GEOGEBRA ESTUDO DA GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA NO AMBIENTE DE MATEMÁTICA DINÂMICA - GEOGEBRA Marcelo Pirôpo da Silva 1 Universidade Estadual de Santa Cruz marcelopiropo@hotmail.com Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Nome: Fátima Cristina Dias Pereira. Data de Nascimento 15 de Maio de Naturalidade Monte * Funchal. Nacionalidade Portuguesa

IDENTIFICAÇÃO. Nome: Fátima Cristina Dias Pereira. Data de Nascimento 15 de Maio de Naturalidade Monte * Funchal. Nacionalidade Portuguesa IDENTIFICAÇÃO Nome: Fátima Cristina Dias Pereira Data de Nascimento 15 de Maio de 1971 Naturalidade Monte * Funchal Nacionalidade Portuguesa Bilhete de Identidade 957 60 42 Número de Contribuinte 168 257

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 9.ºANO 1º Período 39/42 aulas previstas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016 Reunião - Encarregados de Educação 1.º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 09 de setembro de 2016 Ordem de Trabalhos 1 Projeto Educativo 2 Normas de funcionamento 3 Apresentação 4 Plano Anual de Atividades 2 Ordem

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 203/204 Planificação a Longo Prazo Matemática 9º ano Finalidades, avaliação e organização temporal Grupo Disciplinar 500 Departamento de Matemática e

Leia mais

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ANO LETIVO

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ÍNDICE ENQUADRAMENTO DO PLANO DE FORMAÇÃO... 4 OBJETIVOS GERAIS:... 6 PROPOSTAS E NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES.... 7 Departamento Curricular

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades ANO LECTIVO 2011 / 2012 Índice Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Procedimentos adoptados -----------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES À DISTÂNCIA DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. TRAINING CENTER,

Leia mais

Sexta-feira, 15 de Fevereiro

Sexta-feira, 15 de Fevereiro Programa (versão longa) Sexta-feira, 15 de Fevereiro 9.00 Entrega da documentação (entrada do CIFOP) 9.30 Sessão de abertura (anfiteatro do CIFOP) Comissão organizadora, presidente do DDTE e coordenador

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 24 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.337, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO

REGULAMENTO DO PRÉMIO REGULAMENTO DO PRÉMIO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1.A Fundação Ilídio Pinho, o Ministério da Educação e o Ministério da Economia celebraram um Protocolo com vista à instituição de um prémio

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

» INTRODUÇÃO. Realização de Provas e Exames JNE/2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais, da

» INTRODUÇÃO. Realização de Provas e Exames JNE/2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais, da INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA MATEMÁTICA PROVA 52 2015 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO Este documento foi construído de acordo com a Informação

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Pós Graduação em Ensino de Música Ciclo: 2º Ramo: Ano: 1º Designação: Psicologia da Aprendizagem Créditos: 6 Departamento: Ciências Sociais e Pedagogia Tipo: S Área

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Marques Fernandes, Fernando Manuel Quaresma Coelho

Marques Fernandes, Fernando Manuel Quaresma Coelho INFORMAÇÃO PESSOAL Marques Fernandes, Fernando Manuel Quaresma Coelho Sexo Masculino Data de nascimento 21/10/1967 Nacionalidade Português ÁREA FUNCIONAL De 22/10/2013 VEREADOR DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA

Leia mais

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente 851 Tecnologia de Proteção do Ambiente Educação Ambiental de Adultos Destinatários Público em geral. Requisitos de acesso 9º ano de escolaridade. Modalidade de Formação Formação Continua. Objetivo Geral

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

Museu da Chapelaria São João da Madeira. 20 a 23 de setembro. Organização:

Museu da Chapelaria São João da Madeira. 20 a 23 de setembro. Organização: Museu da Chapelaria São João da Madeira 20 a 23 de setembro Organização: Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva Objetivos: Relacionar

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

José Luís Ramos CIEP/CC TIC da Universidade de Évora

José Luís Ramos CIEP/CC TIC da Universidade de Évora José Luís Ramos jlramos@uevora.pt CIEP/CC TIC da Universidade de Évora Comunidades Escolares de Aprendizagem Gulbenkian XXI Apoio: Comunidades Escolares de Aprendizagem Gulbenkian XXI Comunidades Escolares

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA Maio de 2012 REGULAMENTO DO ESTÁGIO Preâmbulo De acordo com o previsto na alínea 3

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 7º Ano (PCA) TIC Planificação Anual 2015-2016 METAS CURRICULARES DOMÍNIO A informação,

Leia mais

MATEMÁTICA NÍVEL MÉDIO

MATEMÁTICA NÍVEL MÉDIO MATEMÁTICA NÍVEL MÉDIO 1. CONJUNTOS 1.1. Representação e relação: pertinência, inclusão e igualdade. 1.2. Operações: união, intercessão, diferença e complementar. 1.3. Conjuntos numéricos: Naturais, Inteiros,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

A Educação Especial na Escola

A Educação Especial na Escola A Educação Especial na Escola O currículo escolar consiste em todas as atividades planificadas ou encorajadas por forma a promover o desenvolvimento intelectual, pessoal, social e físico dos alunos. Inclui

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Documento de critérios de avaliação

Documento de critérios de avaliação Disciplina - PORTUGUÊS Metas curriculares (Despacho n.º 5122/2013, de 16 de abril) As Metas Curriculares identificam a aprendizagem essencial a realizar, tendo por base os conteúdos do programa em vigor.

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

Curriculum Vitae. Identificação

Curriculum Vitae. Identificação Curriculum Vitae Identificação Nome: José Francisco Nunes Guilherme Data de nascimento: 03/12/1960 Residência: Urbanização da Tavagueira, lote 5 R/C B Guia 8200-427 Albufeira Telemóvel: 969727947 Email:

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA COMUM

INFORMAÇÃO- PROVA COMUM INFORMAÇÃO- PROVA COMUM 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova comum, do ensino secundário, da disciplina de, a realizar em 2015, conforme decisão do Conselho Pedagógico

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Forma e Design (prática laboratorial) Área Científica: Design de Produto Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS:

Leia mais

Desenvolvimento de competências em leitura funcional

Desenvolvimento de competências em leitura funcional Balula 2010 Desenvolvimento de competências em leitura funcional João Paulo Balula jpbalula@esev.ipv.pt Paulo Martins Plano Introdução Objectivos Percurso didáctico Materiais/Instrumentos Tratamento dos

Leia mais

A visualização e a leitura de informações gráficas em Matemática são aspectos importantes, pois auxiliam a compreensão de conceitos e o

A visualização e a leitura de informações gráficas em Matemática são aspectos importantes, pois auxiliam a compreensão de conceitos e o PORTAL POSITIVO A visualização e a leitura de informações gráficas em Matemática são aspectos importantes, pois auxiliam a compreensão de conceitos e o desenvolvimento de capacidades de expressão gráficas.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230. Planificação Anual / Critérios de Avaliação

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230. Planificação Anual / Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230 Planificação Anual / Critérios de Avaliação Disciplina: Matemática 6.º ano 2016 / 2017 Domínio (Unidade/ Tema) Subdomínio/ Conteúdos Meta de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 1.º ano 2014/2015

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 1.º ano 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de Disciplina: Matemática 1.º ano 2014/2015 Domínio (Unidade / Tema) Números e Operações Subdomínio/Conteúdos

Leia mais

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome: Telefone: e-mail: 1. Sexo: a.( ) Masculino b. ( ) Feminino 2. Idade: a. ( ) 21 30 anos b. ( ) 31 40 anos c. ( ) 41 50 anos d. ( ) Mais de 50 anos FORMAÇÃO. Obs.: Caso

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

Aprendizagem de Matemática no Jardim de Infância. Glória Ramalho 2 Dezembro de 2014 II Seminário de Psicologia e Orientação em Contexto Escolar

Aprendizagem de Matemática no Jardim de Infância. Glória Ramalho 2 Dezembro de 2014 II Seminário de Psicologia e Orientação em Contexto Escolar Aprendizagem de Matemática no Jardim de Infância Glória Ramalho 2 Dezembro de 2014 II Seminário de Psicologia e Orientação em Contexto Escolar Temas Princípios e constrangimentos na abordagem da Matemática

Leia mais

Agenda Início do ano letivo

Agenda Início do ano letivo Agenda Início do ano letivo 2016 / 2017 Período de funcionamento das aulas de acordo com o horário normal 1º Período Início : 16 de (Pré-escolar e 1º Ciclo) 19 de (2º e 3º Ciclos e E.S) Termo : 16 de dezembro

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (Francinaldo de Meireles Silveira - Autor; Franciclaudio de Meireles Silveira - Coautor; Eduardo da

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião

Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião Plano de Formação 2014 2015 Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender. Blaise Pascal 2 1. Introdução

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DOS CURSOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho DISCIPLINA APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Prova 303/2016

Leia mais

C URRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA GUIMARÃES PORTUGAL. Solteira.

C URRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA GUIMARÃES PORTUGAL. Solteira. C URRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome ANDREIA SOFIA MIRANDA SOARES. Morada RUA DOS MÁRTIRES, Nº 742, 2º DIREITO AZURÉM, 4810-054 GUIMARÃES PORTUGAL. Telefone 253513750 / 965619858. Bilhete de Identidade

Leia mais

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período JANEIRO Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período Receção dos alunos e diálogo sobre as férias de Natal Elaboração de um texto sobre as mesmas Prof./Educ. e Responsáveis Dia de Reis Comemoração desta

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

A PRESENÇA DA LINGUAGEM ESCRITA NOS PROJETOS CURRICULARES DE GRUPO

A PRESENÇA DA LINGUAGEM ESCRITA NOS PROJETOS CURRICULARES DE GRUPO A PRESENÇA DA LINGUAGEM ESCRITA NOS PROJETOS CURRICULARES DE GRUPO MARIA HELENA HORTA (hhorta@ualg.pt) CONVERSAS SOBRE A INFÂNCIA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE FARO ---- Outubro 2012 Nota introdutória Conhecimento

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

Formação de professores para a construção de autómatos

Formação de professores para a construção de autómatos Formação de professores para a construção de autómatos 1. Introdução Esta é uma proposta de um currículo de formação de professores para a construção de autómatos em contexto de sala de aula. A oficina

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática _ 7º ano 2016/2017 Início Fim

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso.

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso. Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas Programa do Curso www.areapedagogica.com 2 Programa do Curso de Formação Pedagógica de Formadores blearning 90 Horas Objetivos Gerais No final

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

Ficha técnica. Título FORMAÇÃO DE ADULTOS Desafios, articulações e oportunidades em tempo de crise. Organização Susana Mira Leal Suzana Nunes Caldeira

Ficha técnica. Título FORMAÇÃO DE ADULTOS Desafios, articulações e oportunidades em tempo de crise. Organização Susana Mira Leal Suzana Nunes Caldeira Ficha técnica Título FORMAÇÃO DE ADULTOS Desafios, articulações e oportunidades em tempo de crise Organização Susana Mira Leal Suzana Nunes Caldeira Capa Sandra Fagundo, Nova Gráfica, Lda. Revisão do texto

Leia mais

AS DIFICULDADES DO PROFESSOR NO ENSINO DA GEOMETRIA ESPACIAL NAS ESCOLAS ESTADUAIS NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ

AS DIFICULDADES DO PROFESSOR NO ENSINO DA GEOMETRIA ESPACIAL NAS ESCOLAS ESTADUAIS NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ AS DIFICULDADES DO PROFESSOR NO ENSINO DA GEOMETRIA ESPACIAL NAS ESCOLAS ESTADUAIS NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ Rosângela Araújo da Silva Instituto Federal do Rio Grande do Norte rosangela.silva@ifrn.edu.br

Leia mais

X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março

X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março isabelfernandeslopes@gmail.com SUMÁRIO» Conceito NEE/ NEEcp» Medidas educativas -Adequações do processo de ensino e de aprendizagem CEI» Construção

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2007/2008 Estabelecimento de Ensino: Escola Básica do 1º ciclo Agrupamento de Escolas: Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Nome: Data de Nascimento: Morada:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Fundamentos e Metodologia nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental II Código da Disciplina: EDU 325 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável:

Leia mais

1. Introdução. 2. Objeto de avaliação

1. Introdução. 2. Objeto de avaliação AGRUPAMENTO ESCOLAS PROFESSOR CARLOS TEIXEIRA Código 150502 Informação - Prova Final a nível de Escola Matemática Prova 82 2016 9º Ano / 3.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho Normativo n.º 1-G/2016 art.º

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade de Évora Universidade de Aveiro Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Edital Abertura do Mestrado Gestão e Poĺıticas Ambientais Ano Letivo 2015/2016 1. O Curso

Leia mais