ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS"

Transcrição

1 - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso = igual; ptera = asas). Atualmente existem cerca de 2900 espécies de cupins identificadas, distribuídas principalmente em regiões tropicais e subtropicais, com algumas espécies em lugares de clima temperado e outras em regiões desérticas. A fauna de Isoptera da Região Sul-americana, com mais de 500 espécies é a segunda no mundo em número de espécies. A fauna de cupins da nossa região ainda é pouco conhecida, com um grande número de espécies ainda não descritas. Os cupins são chamados de insetos sociais por apresentarem: cuidado cooperativo com a prole: os ovos e os jovens são cuidados pelos irmãos mais velhos; casta reprodutiva: (alados, rei e rainha) em convivência com castas estéreis (operários e soldados); sobreposição de gerações: pais (rei e rainha) e filhos (operários e soldados) convivem numa mesma colônia. Os cupins se alimentam de materiais celulósicos e lignocelulósicos como: madeira viva (árvores), madeira morta (em diferentes estágios de decomposição), gramíneas, raízes, sementes, fezes de herbívoros, húmus, etc. A digestão da celulose é feita com auxílio de microorganismos simbiontes intestinais: bactérias, fungos ou flagelados. Estudos têm mostrado que podem ocorrer ação de enzimas (celulases) produzidas pelos próprios cupins ou ainda uma combinação destas enzimas com ação de bactérias simbiontes. Importância Ecológica Todos sabem da importância dos cupins enquanto pragas, porém a maioria desconhece sua importância ecológica. Nos ecossistemas tropicais, desde áreas de vegetação aberta como o cerrado até as florestas tropicais úmidas, os cupins têm um papel importantíssimo e ainda pouco estudado em nossa região. Junto com as formigas constituem enorme parte da biomassa nestes ecossistemas, funcionando como consumidores primários e decompositores.

2 - Folha 2 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Como decompositores, reciclam os nutrientes alocados nas plantas mortas e seus túneis nestes materiais, propiciam a entrada de fungos e de outros microorganismos, acelerando o processo de decomposição. Através das atividades de construção de ninho e /ou de galerias junto ao solo, acabam sendo responsáveis pela distribuição de vários nutrientes. Outras propriedades dos solos também são alteradas pela atividade dos cupins, que podem mesmo ter um papel semelhante ao das minhocas, na aeração do solo. Como consumidores primários são fonte alimentar para vários animais como formigas e outros artrópodes, peixes, anfíbios, lagartos, aves e mamíferos. Várias tribos indígenas utilizam cupins como parte de sua alimentação. Controle Tradicional: O controle químico convencional de Coptotermes havilandi é realizado por empresas especializadas e elas geralmente utilizam produtos químicos como clorpirifós ou permetrina ou deltametrina. Estes produtos são usados para criar uma barreira química que vai isolar e proteger a casa da colônia de Coptotermes havilandi. Para que haja um controle efetivo, o solo ao redor da estrutura deve ser perfurado e o produto cupinicida aplicado. Controle através de Iscas: Esse tratamento consiste na colocação de armadilhas celulósicas atrativas ao redor e dentro de residências infestadas. Após a atração dos cupins, as armadilhas são substituídas por iscas que contenham um inseticida de ação retardada ou uma substância que interfere com o crescimento dos insetos. Os cupins que se alimentam destas substâncias retornam ao ninho e as transmitem para seus companheiros, contribuindo para o extermínio da colônia ou grande parte dela. Esta metodologia de controle atua diretamente sobre a colônia, o que não acontece no tratamento tradicional.

3 - Folha 3 Cupins Subterrâneos Método / Controle CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS Como vimos anteriormente, cupins subterrâneos necessitam de umidade para sobreviver e por causa disto colônias são geralmente encontradas no solo. Os operários deixam a colônia em busca de alimentos retornando à colônia para alimentar outras castas (soldados, reprodutores alados, rei e rainha) e em busca de umidade. A necessidade de umidade é uma característica que pode, assim, ser utilizada para ajudar no controle destes insetos. Quatro estratégias básicas devem ser consideradas para se controlar cupins subterrâneos: a. Alteração mecânica Por outro lado, locais onde pisos de madeira ou outras estruturas de madeira encontramse em contato constante com o solo úmido, provêem fácil acesso entre o local da colônia e a fonte de alimento. Alterações mecânicas, incluindo eliminação de pontos de contato da madeira com o solo, substituição de madeira ou objetos atacados, remoção de restos de celulose e redução do excesso de umidade na estrutura podem também ajudar no controle de infestações de cupins. b. Tratamento de Solo c. Tratamento da Madeira d. Uso de Iscas Alteração mecânica Chamamos de alterações mecânicas qualquer medida que faça com que a estrutura fique menos susceptível ao ataque de cupins. Estas medidas podem incluir:

4 - Folha 4 Cupins Subterrâneos Método / Controle a. Alterações estruturais feitas com o objetivo corrigindo-se canos com problemas de de se evitar o acesso de cupins ao alimento ou vazamento, paredes com problema de à umidade. Neste caso, assumimos que a impermeabilização, pontos de drenagem no estrutura já esteja construída, não restando terreno, etc. outra alternativa senão corrigir situações que d. Criação de mecanismos que facilitem a levem à proliferação da população de cupins, inspeção de áreas críticas ou vulneráveis da como corrigir pontos de umidade, vãos estrutura. Como por exemplo, portas de estruturais, etc. acesso a caixões perdidos em edifícios, b. Instalação de barreiras mecânicas (como porões ou telhados de casas. chapas metálicas), para impedir a entrada de Tratamento de Solo ou Barreira Química cupins. A seta branca acima mostra onde são feitos c. Remoção de entulhos de celulose ou os furos para o tratamento do solo, para o excesso de umidade do ambiente, controle de cupins subterrâneos, de maneira a formar uma barreira química contra a entrada destes insetos. Em cinza é mostrado o piso e em marrom, a parede da estrutura No caso de cupins de madeira seca, sugerimos o tratamento direto da madeira atacada, procurando injetar o cupinicida nas galerias que formam o ninho do cupim que, como vimos encontra-se restrito à peça atacada. O tratamento, neste caso, é efetivo para o controle da infestação. No caso de cupins subterrâneos, a colônia encontra-se fora do local de ataque. Desta maneira o tratamento da peça atacada não é suficiente para controlar a infestação, pois os cupins simplesmente podem passar a atacar outro local ainda não tratado. Desta maneira, duas alternativas podem ser adotadas: o uso de uma barreira química ao redor da estrutura e o uso de iscas colocadas no solo. A barreira química nada mais é do que o tratamento do solo imediatamente adjacente à estrutura com o objetivo de evitar com que o cupim encontre frestas de acesso à mesma, havendo necessidade de ser tratar tanto o solo abaixo da estrutura (interior) quanto ao solo ao seu redor (exterior), próximos à fundação da estrutura.

5 - Folha 5 Cupins Subterrâneos Método / Controle As intervenções necessárias para se fazer este Para se atingir o outro lado da fundação, é tratamento em estruturas envolvem um necessário tratar o solo abaixo da estrutura, trabalho intensivo, apresentando muitas vezes injetando-se o produto através do piso de necessidade de se furarem pisos e paredes. cimento, no interior da estrutura. O Desta maneira, as melhores oportunidades tratamento de solo no interior da estrutura só para se tratar cupins aparecem durante as é possível com o estabelecimento de furos reformas de imóveis, quando têm-se maior verticais através do cimento próximo às liberdade para realizarem-se as intervenções paredes estruturais. O tratamento apropriado necessárias. Outra oportunidade a ser de estruturas de cimento envolvem a considerada é tratar o solo antes do imóvel aplicação da solução cupinicida em áreas ser construído, prevenindo-se assim futuros onde os cupins podem entrar na estrutura ataques. através do cimento, através de juntas de Aplicações no Exterior da Estrutura expansão, falhas no cimento e aberturas através de encanamentos de água ou elétricos. Quando um piso de cimento impede o acesso ao solo para o estabalecimento de uma barreira química ao redor, ou dentro de uma estrutura, é necessário furá-lo para a posterior injeção do produto através dos furos. Nestes casos, a solução cupinicida é também aplicada na dose de 5 litros de calda por metro linear de perímetro, para cada 30 centímetros de profundidade da sapata. As perfurações são usualmente feitas de 30 a 45 centímetros de distância uma das outras, dependendo do tipo de solo e grau de compactação e a cerca de 7 centímetros das paredes estruturais. O tratamento do interior de construções com estrutura de cimento envolve riscos específicos por causa da presença de encanamentos que podem atravessar o piso, tanto de gás, quanto de água ou até mesmo tubulações elétricas. Estas tubulações podem ser danificadas por ocasião da perfuração do piso para a aplicação do produto. Por causa dos riscos inerentes ao tratamento, como mencionamos acima, o controle de cupins subterrâneos requer obrigatoriamente a contratação de uma empresa especializada para a realização do serviço. Não obstante, todos os cupinicidas registrados para este fim são de uso profissional, podendo apenas serem manipulados

6 - Folha 6 Cupins Subterrâneos Método / Controle A necessidade de furos em toda a estrutura é um trabalho intensivo e muitas vezes de difícil orçamentação o que faz com que, muitas vezes, a empresa responsável não o considere como parte do tratamento de cupins subterrâneos. Este procedimento pode levar a um tratamento incompleto e posterior reincidência do ataque de cupins naquela estrutura. Assegurar-se que a empresa fará um tratamento correto da estrutura é imprescindível para o efetivo controle deste cupim, assim como selecionar uma empresa devidamente capacitada para a realização deste serviço. Iscas A tecnologia de iscagem para o controle de cupins subterrâneos está sendo comercializada nos Estados Unidos da América desde No Brasil ainda não temos uma isca registrada pelo Ministério da Saúde. O uso de iscas para cupins subterrâneos é comum nos Estados Unidos, onde foram lançadas há mais de 3 anos. No Brasil ainda não existem iscas registradas para o controle de cupins. Por este sistema, os cupins operários se alimentam em um material celulósico que contém o ingrediente ativo tóxico e, sem perceberem, distribuem o produto por toda a colônia ao alimentarem outros indivíduos Tratamento de Madeira O tratamento das madeiras infestadas, conforme mencionamos acima, é apenas de carácter paliativo quando se trata de cupins subterrâneos. No entanto, quando a infestação é aparente e deseja-se eliminar os cupins que circulam pelas madeiras, o tratamento através da injeção de produtos, conforme mencionamos para cupins de madeira seca, pode ser utilizado. No entanto, deve-se ter em mente que o tratamento da madeira já colocada na estrutura é sempre limitado, deixando-se sempre pontos sem tratamento que poderão ser infestados pelo cupim posteriormente. No caso de cupins subterrâneos, o uso de madeiras já tratadas durante a construção ou reforma de uma determinada estrutura, seja ela para fins residenciais ou comerciais, deve ser priorizado como uma estratégia de prevenção dos ataques futuros. Isto não impedirá o cupim de entrar na estrutura, como já vimos. Mas com certeza diminuirá os danos que ele possa causar, evitando com que consuma a madeira tratada. O estabelecimento de uma barreira contínua ao redor da estrutura definitivamente.

7 - Folha 7 Cupins Subterrâneos Método / Prevenção Antes da Construção - O local da construção deve ser inspecionado e se detectada alguma atividade do cupim Coptotermes havilandi ele deve ser erradicado - O local da construção deve ser limpo de restos vegetais (troncos e raízes) e fragmentos de madeiras. Durante a Construção - Tratamento químico do solo. - Evitar enterrar no solo ou deixar dentro da edificação restos de madeira que não forem utilizados na construção. elétrica em substituição às de madeira. - Utilizar madeira previamente tratada na edificação Depois da Construção - Inspeção regular para detecção do ataque de Coptotermes havilandi. - Tratamento curativo Para sabermos como prevenir a infestação por cupins, devemos entender como eles entram na estrutura e o que eles necessitam para sobreviver. De uma maneira geral, prevenir uma infestação de qualquer praga implica em se limitar o acesso desta praga ao ambiente estudado - Utilizar caixas metálicas para a instalação e a disponibilidade de fatores que permitam sua sobrevivência. Estes fatores são basicamente três: alimento, umidade e abrigo. Vias de Acesso dos Cupins Quando estudamos o comportamento dos cupins, chegamos à conclusão que eles podem penetrar em uma estrutura de várias maneiras, sendo as principais: 1. Através da revoada dos alados Colônias de cupins subterrâneos são formadas a partir do vôo de dispersão que caracteriza a revoada dos alados. Assim, a infestação de ambos os cupins pode ter origem da revoada. A sobrevivência deles e o sucesso na formação de um novo ninho irá depender da disponibilidade do abrigo. Os alados de cupins subterrâneos terão preferência por solo, seja ele solo de floreiras, vasos e jardins, ou então madeira, desde que esteja próxima a um ponto de umidade.

8 - Folha 8 Cupins Subterrâneos Método / Prevenção 2. Através de madeiras já infestadas O transporte de madeira em grande quantidade, com um ataque pronunciado de cupins subterrâneos, pode fazer com que os indivíduos remanescentes formem uma outra colônia por cisão da colônia principal. 3. Através de frestas e Ranhuras Os cupins subterrâneos, em sua busca por alimentos, entram nas edificações por rachaduras e frestas na estrutura, principalmente quando as mesmas se apresentam em uma área de contato com o solo ou próximas ao solo. Como frestas existentes na estrutura podemos citas os blocos ocos (tijolo "baiano"), juntas de dilatação, juntas frias existentes entre duas estruturas de concreto, inserções de canos hidráulicos e conduítes elétricos, rachaduras existentes em pisos de concreto, etc. As formas aladas dos cupins também podem dar origem a uma infestação na estrutura, embora esta possibilidade seja particularmente pouco expressiva quando comparada com infestações originadas por colônias localizadas no solo. Neste particular, novamente as rachaduras e frestas na estrutura desempenham um papel fundamental na proliferação desta infestação para outros locais da estrutura. Desta maneira, quer a infestação seja originada de colônias estabelecidas no solo ou de cupins alados que formarão seus ninhos na estrutura, rachaduras e frestas são fundamentais para que o cupim adentre a estrutura e devem ser, por este motivo, corrigidos. Fatores que favorecem o ataque - Dentre os fatores que favorecem a intensidade de infestação por cupins em uma estrutura quando se encontram nas proximidades da mesma, podemos citar: 1. Enterro de entulhos É muito comum em prédios, durante a construção, que restos de madeira utilizados nas formas de concreto, sejam deixados nos chamados "caixões perdidos", espaços entre um andar e outro semfunção específica, a fim de diminuir custos com o descarte de entulhos. Da mesma maneira, o solo ao redor da estrutura é utilizado para o enterrio deste material, rico em celulose, que se transforma em fonte de alimento para os cupins, favorecendo a proliferação destes insetos ao redor da construção. Em sua busca contínua por novas fontes de alimento, os cupins encontrarão passagens naturais para infestarem a estrutura.

9 - Folha 9 Cupins Subterrâneos Método / Prevenção 2. Espaços entre estruturas, tais como vãos 4. Árvores cortadas ou agredidas (mal livres e frestas podadas) Estes espaços, muitas vezes pouco ventilados, Quando os troncos de árvores são cortadas e permitem um abrigo útil ao desenvolvimento seus raizames são deixados no solo, eles se de uma colônia sem que seja perturbada por tornam fonte de alimento para cupins. fatores externos. Muitas colônias em prédios Muitas vezes, em inspeções, encontramos são encontradas nestes espaços disponíveis na ninhos de cupins associados ao raizame estrutura. morto de uma árvore cortada. Nestas 3. Solos orgânicos (com raízes abaixo das situações vale a pena retirá-los do solo por construções) ocasião do corte do tronco. Da mesma maneira, raízes deixadas abaixo de Já árvores mal podadas ou agredidas, construções são fonte de material celulósico, apresentam ferimentos onde os cupins servindo de alimento para cupins. alados podem se alojar e, a partir daí, desenvolverem uma colônia. 5. Condições de Umidade - Áreas mal drenadas em gramados e outras condições que favorecem a umidade excessiva em um determinado local (tal como colocar pneu em volta de árvores, áreas com torneiras gotejando, etc.), podem favorecer o desenvolvimento de cupins pelo fato dos mesmos necessitarem de umidade para sobreviver. umidade devem ser corrigidas para um efetivo controle da infestação. Outras Medidas Preventivas - Existem ainda, uma série de medidas que podem ser consideradas preventivas do ataque de cupins de madeira seca, a saber: a. Uso de madeiras tratadas durante a construção do imóvel ou montagem dos móveis. b. Colocação de telas (20 mesh) para prevenir a entrada de alados nas áreas internas da estrutura. c. Uso de madeiras naturalmente mais resistentes. d. Proteção da superfície exterior das madeiras com tintas, vernizes ou outras coberturas apropriadas, com o objetivo de tapar frestas e ranhuras onde os cupins possam se alojar.

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins de Madeira Seca - Biologia O Cryptotermes brevis, chamado popularmente de cupim de madeira seca, é um cupim que encontra-se normalmente restrito à peça atacada. Ele não tem capacidade

Leia mais

A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins-

A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Faculdade de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- Francisco Tarcísio Moraes Mady Introdução

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR TERMO DE REFERÊNCIA/ESCOPO HMR.02.06.04 HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SAÚDE AMBIENTAL (DESRATIZAÇÃO, DESCORPINIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

Pirâmides de números

Pirâmides de números Fluxo de energia Pirâmides de números COBRA (1) RATO (15) MILHO (100) PROTOZOÁRIOS CUPIM (100) (1) ÁRVORE (1000) ARANHAS (100) MOSCAS (300) (1) BANANA NAO HA PADRAO UNICO!!! - Massa de matéria orgânica

Leia mais

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd Instalação e Uso BB ALERT PASSIVE Bed Bug Monitor BED BUGS 1 Bed Bugs são pequenos, ovais, noturnos e se alimentam do sangue de animais mamíferos. com uma forte preferência por humanos. Eles são similares

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA

SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA Laboratório Regional de Engenharia Civil Ponta Delgada 06 de Dezembro de 2013 Catarina Amaral Catarina Amaral 1 INTRODUÇÃO Assuntos:

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Objetivos e Metas Alavancar a empresa de uma forma sustentável, não apenas ambiental mas financeiramente. Introdução Histórico Tijolo Muralha da China construída

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar...

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... http://www.milkpoint.com.br/anuncie/novidades-dos-parceiros/agita-as-moscas-podem-ate-voar-mas-nao-vao-escapar-69463n.aspx Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... 07/02/2011 Muitas pessoas

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Urbanas Marcelo Yoshito Wada Grupo Técnico da Raiva COVEV/CGDT/DEVEP/SVS/MS / /S S/ S Outubro, 2008 Importância para saúde pública Aproximadamente

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil ÍNDICE DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROJETO 2. CONSTRUÇÃO 3. INSTALAÇÕES 4. COBERTURA 5. DISPOSIÇÕES FINAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins são insetos sociais que apresentam castas reprodutoras e não reprodutoras, vivendo em colônias permanentes chamadas de termiteiros ou cupinzeiros. São mastigadores

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município

RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município EE JARDIM XXXXX XXXXXXXXXXX - XXXXXXX MUNICÍPIO CÓDIGO 00.00.000 OBJETO DO CONVÊNIO: Xxxxxxx DATA: 00.00.2008 Profissional

Leia mais

Caixa d água Brasilit

Caixa d água Brasilit Caixa d água Brasilit Catálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo uma tendência mundial,

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA sca.com.br Parabéns! Agora, a mudança faz parte da sua vida. Neste manual, você encontrará as principais informações para garantir que seu mobiliário S.C.A.

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

Pragas Urbanas Mosquitos:

Pragas Urbanas Mosquitos: Pragas Urbanas Eles são pequenos em tamanho, mas têm potencial para tirar qualquer marmanjo do sério. Atire a primeira pedra quem nunca se perguntou para que servem pernilongos, baratas, formigas e cupins,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Segmento: Bioarquitetura. Amarildo Ávila Douglas de Jesus Juliana Ferrari Lívia Corazza Viviane Santos

PLANO DE NEGÓCIOS. Segmento: Bioarquitetura. Amarildo Ávila Douglas de Jesus Juliana Ferrari Lívia Corazza Viviane Santos PLANO DE NEGÓCIOS Segmento: Bioarquitetura Nomes: Amarildo Ávila Douglas de Jesus Juliana Ferrari Lívia Corazza Viviane Santos Baobá Nome Científico: Adansonia grandidieri BioArquitetura Vertente Ecológica

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio Relações Ecológicas Tema: Ecologia Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR

COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR 03 TUBOS DE ALTA PRESSÃO Nestes tubos estão instaladas as membranas, onde os espelhos de travamento, tubulações e mangueiras devem estar bem encaixados e sem vazamento.

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

158009.32015.72556.4678.4039841750.595

158009.32015.72556.4678.4039841750.595 158009.32015.72556.4678.4039841750.595 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2015

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA Nota-se claramente que a prova de biologia da segunda fase da UFPR refletiu um esforço no sentido de privilegiar questões que envolvam raciocínio lógico aplicado ao domínio

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 3 - Número 2-2º Semestre 2003 Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE [1] Welber Eustáquio de Vasconcelos; [2] Érika

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

Sistema Laminar. Ecotelhado

Sistema Laminar. Ecotelhado Sistema Laminar Ecotelhado 2 Especificação O Sistema Modular Laminar Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Membrana Ecotelhado de Proteção Anti-Raízes Membrana Ecotelhado de Retenção de Nutrientes

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Manual de proteção de cercas e currais contra raios

Manual de proteção de cercas e currais contra raios Manual de proteção de cercas e currais contra raios Nem sempre é bom quando a eletricidade chega ao campo. Previna-se contra prejuízos causados por raios na sua criação. A Belgo Bekaert Arames te ajuda

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP.

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. Apresentação MDF E MDP Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. MDF (Medium Density Fiberboard) Fibra de Média Densidade Painel de fibras de madeira encoladas com resina

Leia mais

GRANDES BIOMAS DO MUNDO

GRANDES BIOMAS DO MUNDO GRANDES BIOMAS DO MUNDO O que é bioma? É um conjunto de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica, onde predomina certo tipo de clima. Regiões da Terra com latitudes coincidentes,

Leia mais

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas.

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas. BIOMAS TROPICAIS Os ecossistemas tropicais se encontram entre as latitudes 22 graus Norte e 22 graus Sul. Os ecossistemas predominantes na maioria das áreas tropicais são as florestas tropicais e as savanas.

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES DIVAL/GEVAC/NUNOR Brasília, agosto de 2015 ESCORPIÕES 1 - O que é um escorpião? O escorpião, assim como as aranhas, carrapatos, entre outros, são animais que fazem

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais