Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II"

Transcrição

1 Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01

2 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na indústria petrolífera e química e na geração de energia para reduzir a temperatura de um caudal de água por meio da transferência do calor para um caudal de ar que é lançado na atmosfera, ou seja, são equipamentos para a remoção de calor do processo para a atmosfera. As torres de refrigeração têm muitas variações de tamanho e podem ser desde pequenas unidades instaladas nos telhados dos edifícios até gigantescas torres hiperbólicas que podem atingir até centenas de metros de diâmetro e altura. Também podem ser estruturas retangulares com dezenas de metros de altura e comprimento. As unidades são construídas em oficinas e as de maior tamanho são construídas in loco ou no lugar final da instalação. Na Figura 1.1 vemos alguns tipos destas torres. Figura Termos técnicos usuais Vamos ver antes de tudo a definição de termos técnicos usados nesta tecnologia. Isto é muito importante para compreendermos melhor o assunto. Arraste: são as gotículas de água que saem pela torre com o ar de exaustão da torre. Estas gotas de água têm uma concentração de impurezas semelhante à da água de entrada da torre e sua quantidade é reduzida instalando-se eliminadores de gotas na saída da torre. O ar que sai da torre passa por estes eliminadores que separam grande quantidade de gotas. Escape: são as gotículas levadas pelo vento na área da entrada de ar na torre. Poderá ser perdida uma quantidade de água mesmo sem vento devido a salpico ou formação de névoa. Para limitar este efeito podem ser instalados defletores de salpico ou espirro, venezianas, telas contra vento ou desviadores de água. Pluma: é uma corrente de ar de exaustão saturada com água que saí da torre. A pluma é vista de longe quando o vapor de água se condensa em contato com o ar mais frio e forma uma nuvem em um dia mais frio. Sob certas 1

3 condições em climas mais frios pode-se formar gelo nas proximidades da torre. A pluma contém água que é mais pura quando comparada com as gotículas que saem pela exaustão da torre. Descarga: é a parte do fluxo de água de circulação que é removida para manter a quantidade de sólidos dissolvidos e outras impurezas em um nível aceitável. Apesar de que um alto teor de sólidos dissolvidos (TSD) resulta em um potencial mais alto de eficiência da torre, este mais alto teor causa um maior risco de deposição ou incrustação da torre, um maior crescimento biológico e uma corrosão maior por isso o TSD deve ser mantido em certo nível baixo. Lixiviação: é a perda de produtos químicos que protegem a madeira pela ação de lavagem do fluxo de água através da estrutura das torres construídas com partes de madeira. Ruído: é a energia de som que é emitido pelo equipamento da torre de resfriamento que pode ser ouvido a certa distância e certa direção da torre. Este ruído provém da água que cai pela torre, dos ventiladores, pelos motores e acionamentos. Aproximação: é a diferença de temperatura entre a temperatura da água que entra na torre e a temperatura de bulbo úmido do ar que entra. Como as torres de refrigeração se baseiam no resfriamento por evaporação a eficiência máxima depende da temperatura de bulbo úmido do ar que entra na torre. Faixa: é a faixa da diferença de temperatura entre a temperatura de entrada da água e sua temperatura de saída. Enchimento: na construção das torres são utilizados enchimentos que aumentam a superfície de contato ar/água com o fim de aumentar o tempo de contado entre eles. A razão disto é aumentar a eficiência da transferência de calor. Existem dois tipos de enchimentos: de película e de espalhamento. 3. Esquemático da torre Vemos na Figura 3.1 um esquema mostrando os componentes de uma torre. 2

4 Figura Tipos de torres de resfriamento Existem basicamente dois tipos de torres: de tiragem natural e a de tiragem forçada. A torre de tiragem natural não utiliza ventiladores para provocar a tiragem, mas somente a diferença de temperatura e densidade entre o ar exterior mais frio e o ar mais quente interno na torre. Já as torres de tiragem forçada usam ventiladores para circular o ar através das torres Torres de tiragem natural Vamos iniciar vendo a construção da torre de tiragem natural. Este tipo de torre usa a diferença de temperatura entre o ar ambiente e a ar mais quente dentro da torre. Vemos este tipo de torre na Figura

5 Figura 4.1 O ar quente se movimenta dentro da torre para cima, pois ele está mais quente e sua densidade é menor do que o ar externo que, por sua vez, é puxado para dentro da torre por uma abertura na parte inferior da torre. Devido a essa construção não há necessidade de ventilador para forçar a tiragem. Estas torres podem atingir 200 metros de altura e são usadas somente para altas capacidades devido ao alto custo de sua estrutura de concreto. Como vemos na Figura 4.2, existem dois tipos de torres: de fluxo cruzado e de contra fluxo. Figura 4.2 A torre de fluxo cruzado à direita recebe a água quente por meio de uma caixa de distribuição que circula toda a torre e entra em fluxo cruzado com o ar que entra na torre cruzando o enchimento em relação à entrada de ar. O enchimento está situado ao lado da torre circundando a mesma. Na torre de contra fluxo à esquerda a água quente entra por um chuveiro em sentido contrário ao sentido do ar. O enchimento está localizado dentro da torre. 4

6 4.2. Torres de tiragem forçada Nas torres de ventilação forçada temos também dois tipos de fluxo de ar: contra fluxo e fluxo cruzado como veremos abaixo. Estas torres têm a instalação de ventiladores para forçar o ar a circular pela torre e elas são também chamadas de torres de ventilação mecânica. A água cai sobre enchimentos na parte superior da torre que têm a finalidade de aumentar a superfície e o tempo de contato entre o ar e a água ajudando a maximizar a transferência de calor entre eles. As taxas de resfriamento deste tipo de torre dependem de diversos parâmetros entre eles: diâmetro das pás dos ventiladores, velocidade de operação, disposição e tipo de enchimento, etc. Estes tipos de torres estão disponíveis para diversas capacidades e podem ser de fabricação em oficina ou pré-montadas ou de fabricação no local como as torres em concreto. Estas torres podem ser construídas de torres individuais agrupadas ou células de torres agrupadas, podendo então ter duas ou mais unidades montadas juntas dependendo da capacidade necessária para o conjunto. As formas das torres podem ser quadradas, redondas ou lineares ou em fila e o ar pode entrar pelas laterais ou no fundo das células. Vemos na Figura 4.3 uma torre de tiragem forçada com o ventilador instalado na base da torre. Figura 4.3 Esta torre é adequada para onde a resistência do ar é muito grande devido à instalação de ventilador. A desvantagem é a possível recirculação do ar devido à altas velocidades de entrada do ar e baixas velocidades de saída. Isto pode ser evitado instalando dutos de descarga do ar. 5

7 Na Figura 4.4 vemos à uma torre de tiragem forçada de contra fluxo. Na esquerda a torre não tem enchimento e na direita a torre tem um enchimento para melhorar a eficiência. Figura 4.4 Nesta torre a água entra por cima e o ar entra pelo lado da torre em lados opostos e o ventilador de exaustão aspira o ar que sai por cima da torre. A vantagem desta torre é a menor recirculação, pois o ar saí a velocidades altas pela parte superior da torre. Por outro lado sua desvantagem é que os motores e acionamentos devem ser à prova de umidade e devem estar protegidos contra a corrosão da umidade ambiente. Na Figura 4.5 temos uma torre em corrente cruzada. 6

8 Figura 4.5 Neste caso a água entra por cima e o ar entra pela lateral e cruza com a água que desce pelo enchimento lateral. 5. Tratamento da água das torres de resfriamento Um ponto muito importante nas torres de resfriamento é a qualidade da água no sistema. O conteúdo de minerais dissolvidos na água pode variar muito e podem se tornar agressivos aos metais e, além disso, também podem se depositar no sistema por ser o conteúdo de sais no sistema for muito alto. Por essa razão é usual adicionar produtos químicos para o tratamento dessa água para ajustar o ph e para produzir o mínimo de deposição e corrosão. Também é usual a adição de biocidas e algicidas para impedir o crescimento de algas e outras espécies de organismos vivos. Uma razão importante para o uso dos biocidas é a eliminação da Legionella, uma bactéria que provoca a doença do legionário ou legionelose uma espécie de pneumonia provocada pela Legionella pneumophyla. Essa doença pode ser provocada pela água resfriada nas torres de resfriamento e outras fontes de água e as gotículas de água que saem das torres podem também ser uma fonte destas bactérias. Os eliminadores de gotículas podem quando bem instalados e funcionando bem eliminar essas gotículas até ao redor de 0,001-0,0005% da taxa da água em circulação. Os eliminadores de gotas provêem normalmente muitas direções de circulação do fluxo de ar e impedem o escape das gotas de água e dessa forma um eliminador de gotas bem desenhado pode eliminar muito o potencial de Legionella ou outros tipos de exposição química. 7

9 6. Nota Final Nas instalações das torres de resfriamento podem acontecer sob certas condições climáticas nuvens de umidade ou parecida com uma cerração e muitas pessoas confundem isso até com a possibilidade de incêndio nas instalações, pois confundem com fumaça de uma queimada, por exemplo. A formação desta nuvem pode acontecer nos dias úmidos e frios, mas em certos climas raramente acontece. 8

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO

TORRES DE RESFRIAMENTO TORRES DE RESFRIAMENTO Torres de Resfriamento Introdução Em muitos sistemas de refrigeração, ar condicionado e processos industriais, gera-se calor que deve ser extraído e dissipado. Geralmente utiliza-se

Leia mais

Á g u a d e R e s f r i a m e n t o U m R e c u r s o P r e c i o s o

Á g u a d e R e s f r i a m e n t o U m R e c u r s o P r e c i o s o Á g u a d e R e s f r i a m e n t o U m R e c u r s o P r e c i o s o Os processos de resfriamento de água estão entre os mais antigos que o homem conhece, e o abastecimento de água resfriada é um sério

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências João Paulo Moretti Leandro Corazzini Rafael Pagan Stefan Camargo Wilson Domingues Resumo Este trabalho procura apresentar

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Este informativo consiste em uma junção de dados obtidos em artigos científicos e livros especializados em tratamento químico. As informações nele contidas

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO PANORAMA DOS SISTEMAS Resultados Imediatos à vista Qualidade e melhor apresentação no seu Produto final Redução de Florescentes na superfície dos Concreto Resistências

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Refrigeração Professor: Wanderson Dantas Ventoinhas Ventoinhas são pequenos ventiladores que melhoram o fluxo de ar dentro do computador, trazendo ar frio para dentro do computador e removendo

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

FCM 208 Física (Arquitetura)

FCM 208 Física (Arquitetura) Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos - IFSC FCM 208 Física (Arquitetura) Umidade e Conforto Prof. Dr. José Pedro Donoso O ar atmosférico contém sempre uma certa quantidade de vapor

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

spxcooling.com Produtos e Serviços

spxcooling.com Produtos e Serviços spxcooling.com Produtos e Serviços Resfriamento evaporativo Industrial pesado Processamento químico, refinamento Geração de energia Torre de resfriamento de fluxo natural Torre de contrafluxo de fluxo

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome:

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- Imagine que o quadriculado abaixo seja uma representação da composição do ar. No total, são 100 quadradinhos. PINTE, de acordo com a legenda, a quantidade

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

A foto mostra o Climatizador Vesper com o deslocamento de ar em banda larga espalhando a névoa evaporativa com ampla dispersão.

A foto mostra o Climatizador Vesper com o deslocamento de ar em banda larga espalhando a névoa evaporativa com ampla dispersão. Climatização Ambiental Apresentação Os climatizadores Vesper utilizam os Ventiladores Vesper que são fabricados há mais de 50 anos e dispoem dos mais variados modelos e tipos que vão de 46 cm a 1 (um)

Leia mais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CEP 21.530-000 Telefax: (21 3372-8484 vendas@trocalor.com.br www.trocalor.com.br

Leia mais

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP 'HVFULomRGDSODQWD Neste capítulo, será descrita a planta de produção de vapor para secagem do fermento. Os dados desta descrição correspondem às instalações em funcionamento durante o ano de 2002 de uma

Leia mais

Redução do Consumo de Água em Sistemas de Água de Resfriamento em Refinarias do Brasil. Nilson de Moura Gondim Petrobras/Abastecimento

Redução do Consumo de Água em Sistemas de Água de Resfriamento em Refinarias do Brasil. Nilson de Moura Gondim Petrobras/Abastecimento Redução do Consumo de Água em Sistemas de Água de Resfriamento em Refinarias do Brasil Nilson de Moura Gondim Petrobras/Abastecimento 28/11/2014 1. INTRODUÇÃO Motivação: A bacia do alto Tietê, abriga uma

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios.

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios. Relatórios Técnicos TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE Av. Pueyrredón 524-6to PISO (C1032ABS) Buenos Aires, Argentina Tel/Fax: (54-11) 4963 8282 / 9577 1 TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE. CÂMARA DE SECAGEM SPRAY

Leia mais

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR TROCADORES DE CALOR Trocador ou permutador de calor é um equipamento utilizado para aquecer, resfriar, vaporizar ou condensar fluídos de acordo com as necessidades do processo, utilizando-se uma parede

Leia mais

Quem fabrica o CALMAT? CALMAT é um produto fabricado na Alemanha pela CWT Christiani Wassertechnik GmbH, empresa fundada em 1948, com sede em Berlim.

Quem fabrica o CALMAT? CALMAT é um produto fabricado na Alemanha pela CWT Christiani Wassertechnik GmbH, empresa fundada em 1948, com sede em Berlim. O que é CALMAT? CALMAT é um aparelho para tratamento físico das águas calcárias, que elimina os inconvenientes das incrustações causadas pelos sais de cálcio e magnésio. Além disso, remove as incrustações

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Princípio de Funcionamento dos Filtros do Ar

Princípio de Funcionamento dos Filtros do Ar MÓDULO 3 Sistema de Alimentação do Ar Após passar por um filtro do ar que é responsável pela eliminação das impurezas contidas no ar ambiente, o ar é aspirado pelo motor através de seus êmbolos. Figura

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

Como os seres vivos modificam o ambiente?

Como os seres vivos modificam o ambiente? Como os seres vivos modificam o ambiente? O ar e a água possibilitam a integração dos seres vivos na dinâmica planetária. Por que a parede do copo com água fria fica molhada? Será? Toda matéria é constituída

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DA ÁGUA DE REFRIGERAÇÃO DO CIRCUITO SECUNDÁRIO DO REATOR IEA-R1. Miriam A. Cegalla e Marcos Rodrigues de Carvalho

TRATAMENTO QUÍMICO DA ÁGUA DE REFRIGERAÇÃO DO CIRCUITO SECUNDÁRIO DO REATOR IEA-R1. Miriam A. Cegalla e Marcos Rodrigues de Carvalho TRATAMENTO QUÍMICO DA ÁGUA DE REFRIGERAÇÃO DO CIRCUITO SECUNDÁRIO DO REATOR IEA-R1 Miriam A. Cegalla e Marcos Rodrigues de Carvalho Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN-CNEN/SP Av. Prof.

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

NUVENS/PRECIPITAÇÃO/BALANÇO HÍDRICO

NUVENS/PRECIPITAÇÃO/BALANÇO HÍDRICO NUVENS/PRECIPITAÇÃO/BALANÇO HÍDRICO NUVEM É um conjunto de partículas minúsculas de água líquida ou de gelo, ou de ambas ao mesmo tempo, em suspensão na atmosfera. Atlas Internacional de Nuvens, (OMM)

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 21 Medição e Regulagem do Superaquecimento e Sub-resfriamento 03/05 Neste boletim vamos abordar os procedimentos de verificação e regulagem do Superaquecimento através da válvula

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

Aula5 UMIDADE DO AR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula5 UMIDADE DO AR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula5 UMIDADE DO AR META Abordar o elemento climático umidade em sua expressão mais signifi cativa, na tentativa de fazer compreender seus mecanismos.. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: defi

Leia mais

Sistemas de Climatização

Sistemas de Climatização Sistemas de Climatização PROFESSOR: FÁBIO FERRAZ 1 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO Climatizar ambientes - processo de tratamento de ar em recintos fechados, de modo a controlar simultaneamente a sua temperatura,

Leia mais

NR-23 Proteção Contra Incêndio

NR-23 Proteção Contra Incêndio NR-23 Proteção Contra Incêndio Fatores de Êxito na Prevenção de Incêndio PREPARAO PRÉVIO ESTAR EM DIA COM OS DOCUMENTOS DO BOMBEIRO; MANUTENÇÃO EM DIA; EQUIPAMENTOS ADEQUADOS AO RISCO; SINALIZAÇÃO; FAMILIARIZAÇÃO

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

CONDICIONADOR DE AR. Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga

CONDICIONADOR DE AR. Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga CONDICIONADOR DE AR Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga Introdução A industria automotíva esta sempre tentando inovar e tentar fazer carros mais economicos, resistentes e confortáveis.

Leia mais

EQUIPAMENTOS Rod. Anhanguera, Km 33. Fone:(11) 3531.6199 Fax: (11) 3531.6198 email: hd@hd.ind.br site: www.hd.ind.br

EQUIPAMENTOS Rod. Anhanguera, Km 33. Fone:(11) 3531.6199 Fax: (11) 3531.6198 email: hd@hd.ind.br site: www.hd.ind.br RESFRIADOR A AR PARA FLUIDOS DRY COOLERS / AIR COOLERS Módulos de 5 a 250 Toneladas, aplicações de 2.000 ou mais toneladas para água, água e glicol, salmoura, óleo e outros fluidos. EQUIPAMENTOS Rod. Anhanguera,

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

FLSmidth Cross-Bar Cooler (resfriador de clinker)

FLSmidth Cross-Bar Cooler (resfriador de clinker) FLSmidth Cross-Bar Cooler (resfriador de clinker) 2 O padrão em tecnologia de resfriamento de clinquer Principais vantagens - Confiabilidade/disponibilidade superiores - Manutenção baixa, simples e previsível

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas Introdução a Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação Introdução a Hidrologia de Florestas A. Umidade atmosférica A soma de todo o vapor

Leia mais

Equipe: Eliton Baltazar; Ednaldo Luciano; Anderson Cisne; Jeferson Carlos; Antônio Rodrigues. 10 Período Engenharia Mecânica Prof : Fernando Corade

Equipe: Eliton Baltazar; Ednaldo Luciano; Anderson Cisne; Jeferson Carlos; Antônio Rodrigues. 10 Período Engenharia Mecânica Prof : Fernando Corade Equipe: Eliton Baltazar; Ednaldo Luciano; Anderson Cisne; Jeferson Carlos; Antônio Rodrigues. 10 Período Engenharia Mecânica Prof : Fernando Corade OBJETIVO Conforto térmico. Extrair o calor de uma fonte

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais

TANQUE DE PULVERIZAÇÃO ( SPRAY-POND ) OU TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA? Por: Engº Carlos von Wieser * Rev. 4 Agosto/2002 E Q U IP A M E N T O S

TANQUE DE PULVERIZAÇÃO ( SPRAY-POND ) OU TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA? Por: Engº Carlos von Wieser * Rev. 4 Agosto/2002 E Q U IP A M E N T O S E Q U IP A M E N T O S TANQUE DE PULVERIZAÇÃO ( SPRAY-POND ) OU TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA? Por: Engº Carlos von Wieser * Rev. 4 Agosto/2002 UMA ANÁLISE COMPARATIVA As características fisioquímicas

Leia mais

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação)

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Conservação de Volume O princípio de conservação de volume ou Equação de Continuidade deriva do facto de a compressibilidade da água

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Todos os elementos são montados sobre rodas e retraem-se uns dentro dos outros. Por isso o funcionamento é muito flexível.

Todos os elementos são montados sobre rodas e retraem-se uns dentro dos outros. Por isso o funcionamento é muito flexível. Índice 1 Modelos... 2 2 Detalhes Técnicos... 11 3 Materiais Utilizados... 17 4 Principais Benefícios... 17 5 Segurança... 18 6 10 Boas Razões para escolher CZN-Coberturas Telescópicas... 18 7 CZN-Coberturas

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima - Conceitos e definições (iniciais) importantes: - Atmosfera: camada gasosa que envolve a Terra (78% Nitrogênio, 21% Oxigênio e 1% outros). A camada gasosa

Leia mais