Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle"

Transcrição

1 Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir visam orientar o consumidor para que possa estar ciente do problema que está enfrentando. O uso de alguns produtos para o controle de cupins é restrito a entidades especializadas e, mesmo produtos de venda livre devem ser manipulados com segurança por profissionais que conheçam o seu ofício. Recomendamos que, após compreendido o tipo de tratamento que será necessário fazer, seja solicitado um orçamento para controle de uma empresa especializada no controle de pragas urbanas. O ponto mais importante na contratação de uma empresa profissional é a certeza de estarem utilizando as ferramentas corretas para fazer o controle, com toda a segurança para os moradores ou frequentadores da estrutura tratada e os termos de garantia de controle. CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS Como vimos anteriormente, cupins subterrâneos necessitam de umidade para sobreviver e por causa disto colônias são geralmente encontradas no solo. Os operários deixam a colônia em busca de alimentos retornando à colônia para alimentar outras castas (soldados, reprodutores alados, rei e rainha) e em busca de umidade. A necessidade de umidade é uma característica que pode, assim, ser utilizada para ajudar no controle destes insetos. Por outro lado, locais onde pisos de madeira ou outras estruturas de madeira encontram-se em contato constante com o solo úmido, provêem fácil acesso entre o local da colônia e a fonte de alimento. Alterações mecânicas, incluindo eliminação de pontos de contato da madeira com o solo, substituição de madeira ou objetos atacados, remoção de restos de celulose e redução do excesso de umidade na estrutura podem também ajudar no controle de infestações de cupins. Quatro estratégias básicas devem ser consideradas para se controlar cupins subterrâneos: a. Alteração mecânica b. Tratamento de Solo c. Tratamento da Madeira d. Uso de Iscas Alterações Mecânicas Chamamos de alterações mecânicas qualquer medida que faça com que a estrutura fique menos susceptível ao ataque de cupins. Estas medidas podem incluir: a. Alterações estruturais feitas com o objetivo de se evitar o acesso de cupins ao alimento ou à umidade. Neste caso, assumimos que a estrutura já esteja construída, não restando outra alternativa senão corrigir situações que levem à proliferação da população de cupins, como corrigir pontos de umidade, vãos estruturais, etc. b. Instalação de barreiras mecânicas (como chapas metálicas), para impedir a entrada de cupins. c. Remoção de entulhos de celulose ou excesso de umidade do ambiente, corrigindo-se canos com problemas de vazamento, paredes com problema de impermeabilização, pontos de drenagem no terreno, etc. d. Criação de mecanismos que facilitem a inspeção de áreas críticas ou vulneráveis da estrutura. Como por exemplo, portas de acesso a caixões perdidos em edifícios, porões ou telhados de casas.

2 Tratamento de Solo ou Barreira Química A seta branca acima mostra onde são feitos os furos para o tratamento do solo, para o controle de cupins subterrâneos, de maneira a formar uma barreira química contra a entrada destes insetos. Em cinza é mostrado o piso e em marrom, a parede da estrutura No caso de cupins de madeira seca, sugerimos o tratamento direto da madeira atacada, procurando injetar o cupinicida nas galerias que formam o ninho do cupim que, como vimos encontra-se restrito à peça atacada. O tratamento, neste caso, é efetivo para o controle da infestação. No caso de cupins subterrâneos, a colônia encontra-se fora do local de ataque. Desta maneira o tratamento da peça atacada não é suficiente para controlar a infestação, pois os cupins simplesmente podem passar a atacar outro local ainda não tratado. Desta maneira, duas alternativas podem ser adotadas: o uso de uma barreira química ao redor da estrutura e o uso de iscas colocadas no solo. A barreira química nada mais é do que o tratamento do solo imediatamente adjacente à estrutura com o objetivo de evitar com que o cupim encontre frestas de acesso à mesma, havendo necessidade de ser tratar tanto o solo abaixo da estrutura (interior) quanto ao solo ao seu redor (exterior), próximos à fundação da estrutura. As intervenções necessárias para se fazer este tratamento em estruturas envolvem um trabalho intensivo, apresentando muitas vezes necessidade de se furarem pisos e paredes. Desta maneira, as melhores oportunidades para se tratar cupins aparecem durante as reformas de imóveis, quando têm-se maior liberdade para realizarem-se as intervenções necessárias. Outra oportunidade a ser considerada é tratar o solo antes do imóvel ser construído, prevenindo-se assim futuros ataques. Aplicações no Exterior da Estrutura Quando o acesso ao solo é fácil, pode se fazer uma trincheira para o tratamento do exterior da estrutura. Este método envolve cavar uma trincheira ao longo do perímetro externo da fundação e então colocar a solução com o cupinicida na dose 5 litros por metro linear para cada 30 centímetros de profundidade da sapata. O solo é recolocado na trincheira a medida que é colocado o cupinicida, de modo a ser igualmente tratado. A trincheira deve ser cavada em um ângulo tal que forme uma cunha contra a fundação. Desta maneira, a solução cupinicida tenderá a se depositar próximo à estrutura e não longe dela. A largura da trincheira deve ser de cerca de 15 centímetros enquanto que a profundidade irá depender da profundidade da sapata. Uma trincheira deve ser cavada tão profundamente o possível para atingir o topo da sapata. Em alguns casos, pode ser interessante que a trincheira seja preenchida com um pouco mais de terra tratada de maneira a evitar que aja acúmulo de água próximo ao perímetro externo da estrutura.

3 Exemplo de uma trincheira feita com o objetivo de se formar uma barreira química ao redor da estrutura. O uso de trincheiras é limitado a sapatas com uma profundidade de no máximo 45 centímetros. Sapatas mais profundas exigem que se injete o produto no solo para que ele possa penetrar em todo o perfil a ser tratado. Esta técnica envolve a colocação do produto, sob pressão, através da superfície do solo, com um equipamento injetor direcionado ao topo da sapata. Sempre quando possível, a trincheira deve ser usado em conjunto com a injeção de solo. A trincheira ajuda a prevenir que a calda aplicada saia da área tratada. O injetor deve ser inserido cerca de 15 centímetros de distância da estrutura, formando um pequeno ângulo com o solo de modo a se aproximar da sapata. Este procedimento, assim como no ângulo da trincheira, ajuda para que o produto se mantenha próximo à estrutura da casa. O injetor deve ser inserido a intervalos regulares de 30 centímetros no solo e a solução cupinicida deve ser aplicada a razão de 5 litros por metro linear para cada 30 centímetros de profundidade. Como no método da trincheira, o solo retirado do local deve ser tratado com a solução cupinicida quando é colocado de volta. Aplicações no Interior da Estrutura Para se atingir o outro lado da fundação, é necessário tratar o solo abaixo da estrutura, injetando-se o produto através do piso de cimento, no interior da estrutura. O tratamento de solo no interior da estrutura só é possível com o estabelecimento de furos verticais através do cimento próximo às paredes estruturais. O tratamento apropriado de estruturas de cimento envolvem a aplicação da solução cupinicida em áreas onde os cupins podem entrar na estrutura através do cimento, através de juntas de expansão, falhas no cimento e aberturas através de encanamentos de água ou elétricos. Quando um piso de cimento impede o acesso ao solo para o estabalecimento de uma barreira química ao redor, ou dentro de uma estrutura, é necessário furá-lo para a posterior injeção do produto através dos furos. Nestes casos, a solução cupinicida é também aplicada na dose de 5 litros de calda por metro linear de perímetro, para cada 30 centímetros de profundidade da sapata. As perfurações são usualmente feitas de 30 a 45 centímetros de distância uma das outras, dependendo do tipo de solo e grau de compactação e a cerca de 7 centímetros das paredes estruturais.

4 O tratamento do interior de construções com estrutura de cimento envolve riscos específicos por causa da presença de encanamentos que podem atravessar o piso, tanto de gás, quanto de água ou até mesmo tubulações elétricas. Estas tubulações podem ser danificadas por ocasião da perfuração do piso para a aplicação do produto. Por causa dos riscos inerentes ao tratamento, como mencionamos acima, o controle de cupins subterrâneos requer obrigatoriamente a contratação de uma empresa especializada para a realização do serviço. Não obstante, todos os cupinicidas registrados para este fim são de uso profissional, podendo apenas serem manipulados por empresas especializadas. A necessidade de furos em toda a estrutura é um trabalho intensivo e muitas vezes de difícil orçamentação o que faz com que, muitas vezes, a empresa responsável não o considere como parte do tratamento de cupins subterrâneos. Este procedimento pode levar a um tratamento incompleto e posterior reincidência do ataque de cupins naquela estrutura. Assegurar-se que a empresa fará um tratamento correto da estrutura é imprescindível para o efetivo controle deste cupim, assim como selecionar uma empresa devidamente capacitada para a realização deste serviço. Iscas A tecnologia de iscagem para o controle de cupins subterrâneos está sendo comercializada nos Estados Unidos da América desde No Brasil ainda não temos uma isca registrada pelo Ministério da Saúde. A foto acima ilustra dois passos de uso do Sistema Sentricon*, da Dow AgroSciences: a isca, à esquerda e a estação de solo, à direita. Este é um dos sistemas registrados nos Estados Unidos. O uso de iscas para cupins subterrâneos é comum nos Estados Unidos, onde foram lançadas há mais de 3 anos. No Brasil ainda não existem iscas registradas para o controle de cupins. Por este sistema, os cupins operários se alimentam em um material celulósico que contém o ingrediente ativo tóxico e, sem perceberem, distribuem o produto por toda a colônia ao alimentarem outros indivíduos. Tratamento de Madeira O tratamento das madeiras infestadas, conforme mencionamos acima, é apenas de carácter paliativo quando se trata de cupins subterrâneos. No entanto, quando a infestação é aparente e deseja-se eliminar os cupins que circulam pelas madeiras, o tratamento através da injeção de produtos, conforme mencionamos para cupins de madeira seca, pode ser utilizado. No entanto, deve-se ter em mente que o tratamento da madeira já colocada na estrutura é sempre limitado, deixando-se sempre pontos sem tratamento que poderão ser infestados pelo cupim posteriormente. No caso de cupins subterrâneos, o uso de madeiras já tratadas durante a construção ou reforma de uma determinada estrutura, seja ela para fins residenciais ou comerciais, deve ser priorizado como uma estratégia de prevenção dos ataques futuros. Isto não impedirá o cupim de entrar na estrutura, como já vimos. Mas com certeza diminuirá os danos que ele possa causar, evitando com que consuma a madeira tratada. O estabelecimento de uma barreira contínua ao redor da estrutura definitivamente impede a entrada destes cupins por um certo período de tempo. Texto publicado com autorização do Eng.Agr. Marcos Potenza, Pesquisador do Instituto Biológico de São Paulo.

5

Ciclo de Vida do Cupim

Ciclo de Vida do Cupim Geralmente ao entardecer dos dias quentes em algumas épocas do ano, podemos observar as revoadas de cupins ao redor de um ponto luminoso, as formas aladas dos cupins se mostram nos ambientes formando grandes

Leia mais

CENPRO - CONCURSOS MILITARES E TÉCNICOS 2ª REVISÃO DE MATEMÁTICA - CURSO PREPARATÓRIO CMBH Nome Completo: 16/10/12

CENPRO - CONCURSOS MILITARES E TÉCNICOS 2ª REVISÃO DE MATEMÁTICA - CURSO PREPARATÓRIO CMBH Nome Completo: 16/10/12 ª REVISÃO DE MATEMÁTICA - CURSO PREPARATÓRIO CMBH 013 Nome Completo: 16/10/1 Instruções ao candidato: * Esta prova é composta de 0 questões de múltipla escolha; * A duração da prova é de horas, incluindo

Leia mais

Compostagem Caseira. por José Furtado

Compostagem Caseira. por José Furtado Compostagem Caseira por José Furtado 1 O que é compostagem Compostagem é o processo de decomposição aeróbica de matéria orgânica (restos de frutas, verduras, jardinagem, poda, etc). Se auxiliamos este

Leia mais

Fabricando tijolos de adobe

Fabricando tijolos de adobe Fabricando tijolos de adobe Karen D. Cartaxo Sprenger julho de 2009 A preparação para o curso de bioconstrução me apresentou o desafio de fabricar tijolos de adobe. Muito havia ouvido falar mas nunca tinha

Leia mais

8 Linha Alta Pressão Linha Alta Pressão Regulagem de Detergente Montagem ASPIRAÇÃO DO DEPÓSITO INCORPORADO: 1. Encha o depósito interno como mostra a figura 1. Selecione a baixa pressão acionando a lança

Leia mais

Matemática - 3C12/14/15/16/26 Lista 2

Matemática - 3C12/14/15/16/26 Lista 2 Matemática - 3C12/14/15/16/26 Lista 2 Poliedros Convexos 1) Determine qual é o poliedro convexo e fechado que tem 6 vértices e 12 arestas. 2) Determine o nº de vértices de dodecaedro convexo que tem 20

Leia mais

Avaliação de Pernambuco

Avaliação de Pernambuco Avaliação de Pernambuco 2013 Matemática 9º ano do Ensino Fundamental Caro(a) Estudante, Siga as orientações básicas a seguir: Leia com atenção cada questão antes de respondê-la. Cada questão tem uma única

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Gás natural É composto por uma mistura

Leia mais

1 POTÊNCIA DE PONTO 2 CIRCUNFERÊNCIAS TANGENTES. 1.1 Potência de ponto interior. 1.2 Potência de ponto exterior

1 POTÊNCIA DE PONTO 2 CIRCUNFERÊNCIAS TANGENTES. 1.1 Potência de ponto interior. 1.2 Potência de ponto exterior Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA XV 1 POTÊNCIA DE PONTO Sejam um ponto interior ou exterior a uma circunferência e uma reta que passa por e corta a circunferência nos pontos e. A potência do ponto

Leia mais

Lista de exercícios Prisma e cilindro

Lista de exercícios Prisma e cilindro Lista de exercícios Prisma e cilindro 1. Na figura a seguir, que representa um cubo, o perímetro do quadrilátero ABCD mede 8(1 + Ë2) cm. Calcule o volume do cubo em cm. 4. Em um tanque cilíndrico com raio

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 06 : Processo de 01: Introdução Princípio e potencialidades do processo. 02. Etapas envolvidas no processo 03. Matérias Primas Utilizadas: Cascas cerâmicas: lama e reforço Modelos: cêra (constituintes

Leia mais

Fundações em Tubulão

Fundações em Tubulão Fundações em Tubulão Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manuel Vitor 01/12/2010 Fundações Diretas Rasas Blocos Sapatas Radiers

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE MATERIAIS E MÉTODOS

MEMORIAL DESCRITIVO DE MATERIAIS E MÉTODOS MEMORIAL DESCRITIVO DE MATERIAIS E MÉTODOS MEMORIAL DESCRITIVO DADOS DA OBRA: ESTACIONAMENTO COBERTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM Cidade: Novo São Joaquim/MT Imóvel: Publico Quadra: 07 Lote:

Leia mais

DECK WPC UNIKA. A união perfeita do plástico com a madeira.

DECK WPC UNIKA. A união perfeita do plástico com a madeira. DECK WPC UNIKA A união perfeita do plástico com a madeira. Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil;

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Daniel/Rogério Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Matemática Resultado

Leia mais

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega NBR NM 65 CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega OBJETIVO: CIMENTO TEMPO DE PEGA Determinar os tempos (intervalos) de início e fim de pega da pasta de cimento Portland; DEFINIÇÕES: CIMENTO TEMPO

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

Manual de uso dos Móveis

Manual de uso dos Móveis Manual de uso dos Móveis 1 LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1.1 Armários, portas e tampos Utilizar um pano limpo e macio umedecido com água morna, secando logo em seguida. Para manchas mais resistentes, use pano

Leia mais

Escrito por Assessoria de Comunicação Sex, 13 de Maio de :23 - Última atualização Sex, 13 de Maio de :56

Escrito por Assessoria de Comunicação Sex, 13 de Maio de :23 - Última atualização Sex, 13 de Maio de :56 O verão acabou, mas a luta contra o mosquito Aedes aegypti está longe de terminar. Com casos cada vez mais frequentes de doenças transmitidas pelo mosquito, como Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela,

Leia mais

Perigosos. Definições Classificação Normas Ambientais. Autor: Alonso Goes Guimarães Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional

Perigosos. Definições Classificação Normas Ambientais. Autor: Alonso Goes Guimarães Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Resíduos Sólidos S e Perigosos Definições Classificação Normas Ambientais Autor: Alonso Goes Guimarães Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Definições: Resíduos sólidoss Sólidos, líquidos

Leia mais

COMPOSTO ORGÂNICO Materiais Quantidade no composto

COMPOSTO ORGÂNICO Materiais Quantidade no composto Composto Orgânico COMPOSTO ORGÂNICO A quantidade de esterco produzida pelas criações é muito pequena. Não chega para toda a terra que se deseja estercar. Mas é possível aumentar essa quantidade, ajuntando-se

Leia mais

manual produtos conservação e limpeza

manual produtos conservação e limpeza manual produtos conservação e limpeza indústria + arte índice 3 limpeza e conservação geral 4 ferragens puxadores dobradiças 5 oslo e cube alumínio 6 MDF 7 cezanne pintura gofratto italiano 8 madeira lâmina

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DO VASO DE PRESSÃO COM VIABILIDADE DE MUDANÇAS EM SUAS CARACTERISTICAS

TÍTULO: ESTUDO DO VASO DE PRESSÃO COM VIABILIDADE DE MUDANÇAS EM SUAS CARACTERISTICAS 16 TÍTULO: ESTUDO DO VASO DE PRESSÃO COM VIABILIDADE DE MUDANÇAS EM SUAS CARACTERISTICAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES):

Leia mais

Tocandira Subfamília: Paraponerinae. Família Formicidae. Subfamílias Subfamília Aenictinae CAÇADORAS SUBFAMÍLIA ECITONINAE

Tocandira Subfamília: Paraponerinae. Família Formicidae. Subfamílias Subfamília Aenictinae CAÇADORAS SUBFAMÍLIA ECITONINAE Família Formicidae Subfamílias Subfamília Aenictinae Subfamília Heteroponerinae Subfamília Aenictogitoninae Subfamília Leptanillinae Subfamília Agroecomyrmecinae Subfamília Leptanilloidinae Subfamília

Leia mais

Ajuste Laser Lens potência óptica

Ajuste Laser Lens potência óptica Redigido por: agronbac INTRODUÇÃO Isso corrige o problema de discos de jogos não está sendo lido corretamente. FERRAMENTAS: Nintendo GameCube Ferramenta Bit (1) Phillips # 1 chave de fenda (1) Phillips

Leia mais

DEFEITOS DE FUNDIÇÃO AREIA VERDE RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR/2017

DEFEITOS DE FUNDIÇÃO AREIA VERDE RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR/2017 DEFEITOS DE FUNDIÇÃO AREIA VERDE RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR/2017 DEFEITOS DE MOLDAGEM Inclusão de areia Causas:.erosão (lavagem).explosão (reação de oxidação).escamas.rabo-de-rato.quebra de cantos do molde..fechamento

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV Prof. Marco Pádua Exercício: Calcular o consumo de materiais considerando uma concretagem em conjunto com uma alvenaria de blocos de concreto. profmarcopadua.net------------------------------------------exercício

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA DE INSPEÇÃO DATA: 27/07/2010 BAIRRO: SÍTIO MARIA JOANA ACP Nº

RELATÓRIO DE VISITA DE INSPEÇÃO DATA: 27/07/2010 BAIRRO: SÍTIO MARIA JOANA ACP Nº RELATÓRIO DE VISITA DE INSPEÇÃO DATA: 27/07/2010 BAIRRO: SÍTIO MARIA JOANA ACP Nº 10.394-7 A Rua Terezinha Arnoni Castelucci teve seu leito carroçável melhorado, mas continua sem pavimentação. Na parte

Leia mais

Professora: Engª Civil Silvia Romfim

Professora: Engª Civil Silvia Romfim Professora: Engª Civil Silvia Romfim CONTRAVENTAMENTO ESTRUTURA DE COBERTURA As telhas se apóiam sobre as ripas que se apóiam sobre os caibros Que transmitem toda carga para as treliças(tesoura). que se

Leia mais

3ª Série do Ensino Médio

3ª Série do Ensino Médio 3ª Série do Ensino Médio 01. Num laboratório, foi feito um estudo sobre a evolução de uma população de vírus. Ao final de um minuto do início das observações, existia 1 elemento na população; ao final

Leia mais

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa.

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. Distribuição gratuita Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. 1 Este folheto fornece informações úteis para orientá-lo na construção ou reforma de sua casa. Qualquer construção ou

Leia mais

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO F.I.S.P.Q. N 13 - Página 1/5 MERCOTRADE IMP. E EXP. LTDA Matriz: Av. Panamericana, 641 91050-001 Porto Alegre - RS Fone: 51-3208.5000 Fax: 51-3208.5050 Fax:11-3796.6116 CNPJ: 94.583.788/0001-50 Informação

Leia mais

Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1

Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1 Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1 - Cenário A modernização do setor agrícola implica em: maior demanda de energia maior preocupação/legislação com relação aos aspectos sanitários Uma maior

Leia mais

ANEXO I LOTES / ESPECIFICAÇÕES E QUANTITATIVOS LOTE 01 CADEIRAS

ANEXO I LOTES / ESPECIFICAÇÕES E QUANTITATIVOS LOTE 01 CADEIRAS Página de 5 ANEXO I LOTES / ESPECIFICAÇÕES E QUANTITATIVOS LOTE 0 CADEIRAS 5 Cadeira ergonômica giratória para uso industrial, com regulagem vertical do assento e horizontal do encosto (em polipropileno).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - DEMAT 3 a Lista de Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - DEMAT 3 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - DEMAT 3 a Lista de Exercícios 1. Um triângulo isósceles tem base medindo 8cm e lados iguais com medidas de 5cm. Qual é a área do triângulo? 2. Em um triângulo retângulo,

Leia mais

Aldeia de Banrezes Levantamento do Existente 1 / USO 1.1. original 1.2. actual 2. TIPOLOGIA

Aldeia de Banrezes Levantamento do Existente 1 / USO 1.1. original 1.2. actual 2. TIPOLOGIA Aldeia de Banrezes Levantamento do Existente 1 / 6 Edificação 1 N Vias Caminhos de terra batida Curso de Água Planta de Localização Escala 1:5000 1. USO 1.1. original habitação 1.2. actual armazém 2. TIPOLOGIA

Leia mais

Aluno(a): Código: x função real f(x) = 1-2sen. , determine o conjunto-imagem e o. período de f(x).

Aluno(a): Código: x função real f(x) = 1-2sen. , determine o conjunto-imagem e o. período de f(x). Aluno(a): Código: Série: 3ª Turma: Data: / / 01. Determine a área do quadrilátero ABCD, sabendo que seus vértices possuem coordenadas A(0,2), B(3,4), C(4,-1) e D(1,-2). x função real f(x) = 1-2sen 2 período

Leia mais

Professor: Pedro Ítallo (UFSCar SP) Em um terreno retangular com 20 m de comprimento por 15 m de largura, foi feito um gramado com área igual a

Professor: Pedro Ítallo (UFSCar SP) Em um terreno retangular com 20 m de comprimento por 15 m de largura, foi feito um gramado com área igual a Professor: Pedro Ítallo 01 - (UFSCar SP) Em um terreno retangular com 0 m de comprimento por 15 m de largura, foi feito um gramado com área igual a 1 4 da área de um círculo de 10 m de raio, conforme mostra

Leia mais

Estrutura de uma Edificação

Estrutura de uma Edificação Sumário 1 - Apresentação...2 2 As Partes da Estrutura e Suas Funções...3 (a). Fundação...3 (d). Pilar...3 (b). Viga...3 (c). Laje...3 3- Estrutura em Concreto...4 (a). Fundação...4 a.1 Fundação Superficial

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Sumário. 1 - Avaliação de defeitos em peças injetadas de termoplásticos.

Sumário. 1 - Avaliação de defeitos em peças injetadas de termoplásticos. Sumário Estudo defeito em peças plásticas 1 - Avaliação de defeitos em peças injetadas de termoplásticos. 2 - Origem e Resolução dos Problemas de Moldagem A) Condições do equipamento B) Molde C) Material

Leia mais

2. (Fgv 2005) a) Obtenha a área de um triângulo eqüilátero em função da medida h da altura.

2. (Fgv 2005) a) Obtenha a área de um triângulo eqüilátero em função da medida h da altura. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Uerj 2004) No triângulo ABC abaixo, os lados BC, AC e AB medem, respectivamente, a, b e c. As medianas AE e BD relativas aos lados BC e AC interceptam-se ortogonalmente no ponto

Leia mais

ALTO FORNO E ACIARIA. Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros

ALTO FORNO E ACIARIA. Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros ALTO FORNO E ACIARIA Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: 2017.1 Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros 1 Alto forno Serve para produzir o ferro gusa, que é uma forma

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS www.gerdau.com.br GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS VENDAS SÃO PAULO Tel. (11) 3094-6500 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br NORTE / NORDESTE Pernambuco

Leia mais

CUIDADOS CONTRA O INTERNO CUIDADOS CONTRA O V ZAMENTO

CUIDADOS CONTRA O INTERNO CUIDADOS CONTRA O V ZAMENTO CUIDADOS CONTRA O V ZAMENTO INTERNO 1 A DAE ALERTA É preciso ficar sempre atento às variações da conta de água, pois, muitas vezes, o hábito de consumo não mudou, porém o consumo de água aumentou. Essa

Leia mais

INSTRUÇÕES. Esta prova é individual e sem consulta à qualquer material.

INSTRUÇÕES. Esta prova é individual e sem consulta à qualquer material. OPRM 016 Nível Segunda Fase 4/09/16 Duração: 4 Horas e 30 minutos Nome: Escola: Aplicador(a): INSTRUÇÕES Escreva seu nome, o nome da sua escola e nome do APLICADOR(A) nos campos acima. Esta prova contém

Leia mais

Manejo de formigas cortadeiras

Manejo de formigas cortadeiras Manejo de formigas cortadeiras MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Maria Fernanda Simões fernanda@dinagro.com.br História Dinagro Fundada em 1968 Maior produtora mundial de sulfluramida Trading na China Prêmio

Leia mais

CONCEITO WHITE BOX COORDENADOR DE VENDAS TÉCNICAS FABIO TORRES SIKA S/A

CONCEITO WHITE BOX COORDENADOR DE VENDAS TÉCNICAS FABIO TORRES SIKA S/A CONCEITO WHITE BOX COORDENADOR DE VENDAS TÉCNICAS FABIO TORRES SIKA S/A Definições para Impermeabilizações Integrais Concreto Impermeável O queé concreto? Mistura de cimento, água, areia, agregados, aditivos

Leia mais

3 ÁREAS E VOLUME DO TRONCO DE PIRÂMIDE 1 TRONCO DE PIRÂMIDE 2 SEMELHANÇA ENTRE AS PIRÂMIDES. 3.1 Área lateral. 3.2 Área das bases. 3.

3 ÁREAS E VOLUME DO TRONCO DE PIRÂMIDE 1 TRONCO DE PIRÂMIDE 2 SEMELHANÇA ENTRE AS PIRÂMIDES. 3.1 Área lateral. 3.2 Área das bases. 3. Matemática Pedro Paulo GEOMETRIA ESPACIAL VIII 1 TRONCO DE PIRÂMIDE Chamaremos de tronco de pirâmide de bases paralelas a porção da pirâmide limitada por sua base e por uma secção transversal qualquer

Leia mais

Matemática. 3-3) As diagonais do cubo medem x / ) As diagonais da face do cubo medem 2 y 1/3. Resposta: VFFVV.

Matemática. 3-3) As diagonais do cubo medem x / ) As diagonais da face do cubo medem 2 y 1/3. Resposta: VFFVV. Matemática 01. Seja x a área total da superfície de um cubo, e y, o volume do mesmo cubo. Analise as afirmações a seguir, considerando essas informações. 0-0) Se x = 54 então y = 27. 1-1) 6y = x 3 2-2)

Leia mais

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas Enquanto a norma 568B divide os subsistemas de cabeamento estruturado em 7 subsistemas, a norma 569A trata dos detalhes dos caminhos e espaços bem como a infra-estrutura de dutos para as seguintes áreas:

Leia mais

Do Brasil Ltda AVALIAÇÃO E BIORREMEDIAÇÃO DO POLO DO ATUBA NA CONTAMINAÇÃO POR ÓLEOS MINERAIS

Do Brasil Ltda AVALIAÇÃO E BIORREMEDIAÇÃO DO POLO DO ATUBA NA CONTAMINAÇÃO POR ÓLEOS MINERAIS AVALIAÇÃO E BIORREMEDIAÇÃO DO POLO DO ATUBA NA CONTAMINAÇÃO POR ÓLEOS MINERAIS O Pólo Atuba, um dos mais antigos campos operacionais da Companhia Paranaense de Energia, abriga, desde 1960, depósitos dos

Leia mais

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2 1 ESTALEIRO 1.1. Execução de montagem e desmontagem de estaleiro, adequado à natureza dos trabalhos a executar e à dimensão da obra, incluindo reposição de pavimentos e solo, fornecimento, montagem e desmontagem

Leia mais

TRATAMENTO MULTIFUNCIONAL PARA MOTORES DIESEL

TRATAMENTO MULTIFUNCIONAL PARA MOTORES DIESEL TRATAMENTO MULTIFUNCIONAL PARA MOTORES DIESEL A Actioil Líder mundial no tratamento do combustíveis Diesel, a multinacional ACTIOIL traz ao mercado brasileiro suas variadas soluções para limpeza, proteção

Leia mais

Costa Fortuna Fundações e Construções

Costa Fortuna Fundações e Construções Jet Grouting 1 Costa Fortuna Fundações e Construções A Costa Fortuna Fundações e Construções Ltda opera no mercado de fundações e contenções e tem por filosofia o desenvolvimento empresarial baseado em

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. QUESTÃO 17. Letra E. QUESTÃO 02. Letra E. QUESTÃO 03. Letra B. QUESTÃO 14. Letra C. QUESTÃO 05. Letra C. QUESTÃO 06.

LÍNGUA PORTUGUESA. QUESTÃO 17. Letra E. QUESTÃO 02. Letra E. QUESTÃO 03. Letra B. QUESTÃO 14. Letra C. QUESTÃO 05. Letra C. QUESTÃO 06. SEMANA 03 LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÃO 01. Letra E QUESTÃO 02. Letra E QUESTÃO 03. Letra B QUESTÃO 04. Letra C QUESTÃO 05. Letra C QUESTÃO 06. Letra C QUESTÃO 07. Letra D QUESTÃO 08. Letra C QUESTÃO 09. Letra

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Introdução Linhas e Capacidades Acessórios Características Técnicas Partes do Equipamento...

SUMÁRIO. 1. Introdução Linhas e Capacidades Acessórios Características Técnicas Partes do Equipamento... SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Linhas e Capacidades... 2 1.2. Acessórios... 3 1.3. Características Técnicas... 4 1.4. Partes do Equipamento... 5 2. Instalação... 6 3. Operação... 7 4. Segurança... 8 5.

Leia mais

AGRÁRIA MANUAL PARA ARMAZENAGEM DE PRODUTOS AGRÁRIA MALTE DISTRIBUIDORES/ REPRESENTANTES MANGMA0 12 ÍNDICE 1 IDENTIFICAÇÃO OBJETIVOS...

AGRÁRIA MANUAL PARA ARMAZENAGEM DE PRODUTOS AGRÁRIA MALTE DISTRIBUIDORES/ REPRESENTANTES MANGMA0 12 ÍNDICE 1 IDENTIFICAÇÃO OBJETIVOS... ÍNDICE 1 IDENTIFICAÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 3 ABRANGÊNCIA... 2 4 PUBLICO ALVO PARA DIVULGAÇÃO... 2 5 FORMA DE DIVULGAÇÃO... 3 6 TERMOS E DEFINIÇÕES... 3 7 NORMAS CORRELATAS... 3 8 DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

MURFOR Reforço de aço para alvenaria

MURFOR Reforço de aço para alvenaria Aços Longos MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos ARCE1109-0218_Folheto_Murfor_21x28cm.indd 2 MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor é uma treliça

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@hotmail.com www.vigoderis.hol.es Permitir possível expansão Evitar obstrução

Leia mais

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Adriano Divino Lima Afonso 1, João Batista Guerra Júnior 2, Marcelo José da Silva 2 69 1 Professor Adjunto da Universidade Estadual

Leia mais

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL. Manual de Instruções

*Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL. Manual de Instruções *Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL 1200 Modelo Velocidade sem carga Pressão de ar Entrada de ar 1/4 V8-LX-1200

Leia mais

Instruções de uso de Levemir TM FlexPen. Leia cuidadosamente as instruções a seguir antes de utilizar Levemir TM FlexPen.

Instruções de uso de Levemir TM FlexPen. Leia cuidadosamente as instruções a seguir antes de utilizar Levemir TM FlexPen. Instruções de uso de Levemir TM FlexPen Leia cuidadosamente as instruções a seguir antes de utilizar Levemir TM FlexPen. Introdução Levemir TM FlexPen é um sistema descartável de aplicação de insulina.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 4 - MATEMÁTICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 4 - MATEMÁTICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 4 - MATEMÁTICA Nome: Nº 8º Ano Data: / / Professores: Diego, Marcello e Yuri Nota: (Valor 1,0) 4º Bimestre 1. Apresentação: Prezado aluno, A estrutura da recuperação bimestral paralela

Leia mais

Processos de Fundição do Alumínio. Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. LABATS/DEMEC/UFPR 2017

Processos de Fundição do Alumínio. Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. LABATS/DEMEC/UFPR 2017 Processos de Fundição do Alumínio Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. LABATS/DEMEC/UFPR 2017 Matéria-Prima Forno de Fundição A fundição é o ponto de partida para a fabricação de todos os produtos. É lá

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 70 CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 71 DESCONTINUIDADES MAIS FREQÜENTES NAS OPERAÇÕES DE SOLDAGEM Podemos definir descontinuidade como sendo uma interrupção das estruturas típicas de uma junta

Leia mais

ÁREAS. Com base nos dados apresentados nessa figura, é correto afirmar que a área do terreno reservado para o parque mede:

ÁREAS. Com base nos dados apresentados nessa figura, é correto afirmar que a área do terreno reservado para o parque mede: ÁREAS 1 A prefeitura de certa cidade reservou um terreno plano, com o formato de um quadrilátero, para construir um parque, que servirá de área de lazer para os habitantes dessa cidade O quadrilátero ABCD,

Leia mais

Projeto. Reciclagem de resíduos orgânicos urbanos utilizando composteiros de tela de arame. Realização:

Projeto. Reciclagem de resíduos orgânicos urbanos utilizando composteiros de tela de arame. Realização: Projeto Reciclagem de resíduos orgânicos urbanos utilizando composteiros de tela de arame Realização: Projeto Iniciativa de compostagem urbana desenvolvida em Visconde de Mauá, Resende RJ, a partir de

Leia mais

REVISÃO ENEM 2013 Professor: FABRÍCIO MAIA

REVISÃO ENEM 2013 Professor: FABRÍCIO MAIA REVISÃO ENEM 013 Professor: FABRÍCIO MAIA ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: Problema 01 Para trocar uma lâmpada, Roberto encostou uma escada na parede de sua casa, de forma que o topo da escada

Leia mais

NOÇÕES ESTRUTURAIS. Sistemas Estruturais. Profª Joana Pinheiro

NOÇÕES ESTRUTURAIS. Sistemas Estruturais. Profª Joana Pinheiro NOÇÕES ESTRUTURAIS Sistemas Estruturais Profª Joana Pinheiro Noções estruturais A estrutura é responsável pela sustentação do imóvel. É o sistema que recebe as cargas (peso próprio e adicionais) e às transfere

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Definição Balanço de massa é o processo matemático pelo qual se representa as quantidades de materiais presentes em um dado processo. É possível devido ao Princípio

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES TURMA PM-PE FUNÇÕES

BANCO DE QUESTÕES TURMA PM-PE FUNÇÕES 01. (ESPCEX-AMAN/016) Considere as funções reais f e g, tais que f(x) x 4 e f(g(x)) x 5, onde g(x) é não negativa para todo x real. Assinale a alternativa cujo conjunto contém todos os possíveis valores

Leia mais

01- Assunto: Equação do 2º grau. Se do quadrado de um número real positivo x subtrairmos 4 unidades, vamos obter o número 140. Qual é o número x?

01- Assunto: Equação do 2º grau. Se do quadrado de um número real positivo x subtrairmos 4 unidades, vamos obter o número 140. Qual é o número x? EXERCÍCIO COMPLEMENTARES - MATEMÁTICA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - ª ETAPA ============================================================================================== 01- Assunto: Equação do º grau.

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS 91 7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS A maioria dos equipamentos dos sistemas de refrigeração rejeita calor para a atmosfera. Embora existam aplicações onde o calor rejeitado do ciclo

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

MÓDULO VII SISTEMAS DE UNIDADES DE MEDIDA 2ª PARTE

MÓDULO VII SISTEMAS DE UNIDADES DE MEDIDA 2ª PARTE MÓDULO VII SISTEMAS DE UNIDADES DE MEDIDA 2ª PARTE No módulo anterior, estudamos os Sistemas de Unidades de Comprimento, Massa e de Tempo. Nesse módulo iremos estudar outros Sistemas de Unidades de Medidas,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt Pág. 2 silitop barreira utilização

Leia mais

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra Geologia e conservação de solos Luiz José Cruz Bezerra SOLO É a parte natural e integrada à paisagem que dá suporte às plantas que nele se desenvolvem. Parte mais superficial e fina da crosta terrestre.

Leia mais

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS 1.1- FUNDAÇÕES Blocos em concreto simples 0.45mx0,40mx0,24m 1.4- COBERTURA Em telhas recicladas de tetra pack e alumínio. Uma cobertura ecologicamente

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

22 - As dimensões de uma porta comum são 2,10m x 70cm. A expressão fisicamente correta da área desta porta é:

22 - As dimensões de uma porta comum são 2,10m x 70cm. A expressão fisicamente correta da área desta porta é: QUESTÕES OBJETIVAS FÍSICA MÓDULO 1 - Física 3 a série do Ensino Médio 21 - No rótulo de um vidro de óleo à venda no mercado, obtêm-se a informação de que o volume contido é 500mL. Pesando-se o conteúdo

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 02 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil CONTEÚDO AULA RESERVATÓRIOS SUPERIOR INFERIOR RESERVAÇÃO DE ÁGUA FRIA CONSUMO DE

Leia mais

Loctite Composite Repair System Pipe Repair Extendendo a vida da tubulação em até 20 anos

Loctite Composite Repair System Pipe Repair Extendendo a vida da tubulação em até 20 anos Loctite Composite Repair System Pipe Repair Extendendo a vida da tubulação em até 20 anos Indíce 1. Visão Geral 2. A Norma ISO/TS 24817 3. Processo de Certificação 4. Loctite Composite Repair System Pipe

Leia mais

Questionamento Item da planilha: "Cabo Unipolar (cobre)"favor informar a bitola do cabo. Resposta O CABO UNIPOLAR DE COBRE DEVE SER 35mm²

Questionamento Item da planilha: Cabo Unipolar (cobre)favor informar a bitola do cabo. Resposta O CABO UNIPOLAR DE COBRE DEVE SER 35mm² da empresa Concorrência 007/2009 Item 4.2.37 da planilha: "Luminária tipo calha, de sobrepor, com reator partida rápida e lâmpada fluorescente 4x40w, completa, fornecimento e instalação".esclarecer se

Leia mais

O jardim como um todo

O jardim como um todo Prof. Marcos Valin Jr O jardim como um todo O paisagismo tem a função de influenciar a harmonia da população, do relacionamento e da convivência comunitária. Antes de iniciar o plantio do jardim, é preciso

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 1

Investigações Geotécnicas Parte 1 Investigações Geotécnicas Parte 1 FUNDAÇÕES SLIDES 03 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS Reconhecimento do subsolo Investigação preliminar Verificação

Leia mais

Teste de inspeção visual e tátil-auditivo

Teste de inspeção visual e tátil-auditivo Teste de inspeção visual e tátil-auditivo A SAN-LEX alerta É preciso ficar sempre atento às variações da conta de água, pois, muitas vezes, o hábito de consumo não mudou, porém, o consumo de água aumentou.

Leia mais

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x.

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x. INSTITUTO DE MATEMÁTICA -UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA LIMITES E DERIVADAS MAT B a LISTA DE EXERCÍCIOS - 008. - Prof a Graça Luzia Dominguez Santos. Prove que entre duas raízes consecutivas de uma função

Leia mais

Como limpar Epson Stylus C84 almofada de

Como limpar Epson Stylus C84 almofada de Como limpar Epson Stylus C84 almofada de tinta Ao longo do tempo, a tinta a partir do cartucho de tinta é absorvida na almofada porosa. Eventualmente, a almofada porosa torna-se saturado com tinta e necessidades

Leia mais

Nintendo GameCube Regional Modificação

Nintendo GameCube Regional Modificação Nintendo GameCube Regional Modificação chave seletora Modificar o seu Nintendo GameCube para jogar jogos de importação. Redigido por: Grandmaster Xiffle ifixit CC BY-NC-SA /Www.ifixit.com Página 1 de 13

Leia mais

TELHADOS COBERTURAS. Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira

TELHADOS COBERTURAS. Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira TELHADOS COBERTURAS Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira dayengcivil@yahoo.com.br Cobertura O TELHADO é uma categoria de COBERTURA, em geral caracterizado

Leia mais

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT DATA DA REALIZAÇÃO DA VD: / / Profissional Avaliado: N O SEQUI: Modalidade Nível: Data da certificação: Empregador: Supervisor Responsável: Empreendimento/Obra: Fabricante / Fornecedor: Empresa de Inspeção:

Leia mais

MÓDULO 5. Números. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 5. Números. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 5 Números 1. (OBM) A prefeitura de uma certa cidade fez uma campanha que permite trocar 4 garrafas de 1 litro vazias por uma garrafa

Leia mais

Manutenção e Restauro de Obras

Manutenção e Restauro de Obras de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 - Inspeção predial não era usual no país; - Obrigatória a partir de 2001 com a publicação da primeira Norma Técnica em SP; -

Leia mais