Elementos que favorecem o aprendizado do aluno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos que favorecem o aprendizado do aluno"

Transcrição

1 Elementos que favorecem o aprendizado do aluno Acesso ao computador e à internet Nas escolas públicas encontramos os alunos oriundos das camadas sociais mais pobres e carentes, com renda familiar de 1 a 2 salários mínimos. O que significa esse fato? Estamos diante de um aluno que não possui os meios tecnológicos básicos essenciais à vida moderna, tais como: computador e internet. Hoje é da maior importância que o aluno tenha o acesso à informação através da web. A escola pública possui o laboratório de Informática, nem sempre com aparelhos atualizados ou em perfeito estado de manutenção, onde realizam aulas e permitem que o aluno tenha um tempo reduzido de acesso. O fato de existir esse espaço de interação com uma realidade mais ampla é positivo, mas é reduzido a um tempo insignificante de 30 minutos por semana. Veja a diferença, o aluno de poder aquisitivo alto fica o tempo que necessita para fazer as suas pesquisas e o aluno das escolas públicas podem ficar na internet por um tempo x, em 1 dia da semana. Considerando as 4 semanas que compõem o mês, ele teria 2 horas de possibilidades para realizar a sua pesquisa. Outros professores e mesmo você podem eleger diversos tópicos, mas deve-se considerar da maior importância que as escolas se preocupem em estar no mundo de hoje, não no de ontem ou no de amanhã. 1

2 O livro didático: é importante? Outra fonte de consulta e de pesquisa é o livro adotado pela escola para servir de base ao estudo do aluno. O MEC encaminha para as escolas, considerando os dados do censo do ano anterior a quantidade de livros, por série e matéria, para que o aluno possa estudar nele. O livro nem sempre é o que o professor desejava. Apresentam conteúdos defasados no tempo e no espaço. Não é feita a atualização das edições com a rapidez necessária. O Governo Federal, objetivando realizar a compra pelo menor preço, adquire grandes quantidades que distribui para os estados e os municípios. O professor deve estar atento para reavaliar o conteúdo do livro e situar o aluno nas impropriedades encontradas. E a pergunta que fazemos é: quando o professor não tem o seu próprio saber atualizado vai identificar como? O aluno da escola de educação básica que estuda em uma instituição privada compra o seu próprio material escolar e todos os livros que são solicitados pelos professores. A escola tem a liberdade de escolher uma edição que esteja atualizada e o professor pode acrescentar outras leituras complementares de conteúdo ou obras literárias. Novamente, o aluno das escolas públicas sai perdendo. Ele pode estudar e saber tudo o que existe em seu livro e estar construindo seu conhecimento de forma precária. A biblioteca: existe nas escolas públicas? Nas escolas públicas são realizadas atividades envolvendo leitura, mas nem sempre possuem um espaço como uma biblioteca. Quando possui a biblioteca o acervo existente, normalmente é pequeno e reduzido aos livros encaminhados pelo MEC. O órgão central de gestão do estado ou município não contempla, anualmente, a rede 2

3 de escola com novos volumes. Os pais das crianças das classes populares não possuem recursos financeiros para a compra de livros de literatura. O aluno pode ler o que não existe na sua escola ou na sua casa? Como cobrar um nível de leitura compreensiva quando não há condições necessárias para tornar o aluno um leitor? Algumas escolas públicas possuem a biblioteca sob a responsabilidade de um professor e não de um bibliotecário escolar. Esses fatores concorrem para o quadro atual em que a criança e o jovem apresentam nos exames internacionais um baixo nível de desempenho na leitura e na escrita. Como ele vai ler? Como vai compreender textos de literatura quando não teve as oportunidades e os incentivos para uma leitura mais cuidadosa das obras dos autores brasileiros ou dos clássicos como Machado de Assis, José de Alencar ou Dante ou Dumas? Espaço físico e equipamentos: favorecem a aprendizagem? Os prédios escolares são construídos de acordo com a concepção de educação que se tem. Quando o estado ou o município apresenta uma gestão predominantemente pedagógica eles são feitos de forma planejada e de acordo com o nível de ensino para o qual serão usados. Nem sempre esse é o cenário encontrado. As escolas públicas se caracterizam por apresentar um aspecto pouco convidativo a seus alunos e não são extensamente equipadas com os aparelhos disponíveis no mercado para o desenvolvimento de seus conteúdos. São prédios que normalmente possuem salas de aula fechada e com basculantes, salas para a secretaria e para a equipe de gestão. Algumas possuem um auditório onde se 3

4 podem projetar filmes e realizar reuniões de professores e dos pais. Possuem refeitório ou improvisam em pátios internos, varandas ou corredores largos. Depois de construída, a manutenção de suas instalações e da pintura é feita com pouca frequência o que provoca um desgaste em suas condições de funcionamento. Os sanitários são na maioria inadequados por sua localização ou disposição interna. Podemos observar que as instalações elétricas e hidráulicas apresentam uma grande precariedade podendo provocar acidentes envolvendo professores e alunos e até mesmo impedindo que a escola instale aparelhos que necessitam de maior fluxo de energia. As escolas públicas também, geralmente, não possuem laboratórios para a realização de uma aula prática. Os professores improvisam na sala de aula os experimentos que consideram indispensáveis para o desenvolvimento no aluno do pensamento científico. Nem todos são possíveis de serem realizados. A mesma coisa não acontece nas escolas privadas que foram construídas para ter todos os ambientes para o desenvolvimento de seu currículo. As salas de aula da escola pública são pouco ventiladas e a luz reflete no quadro de giz. Nas escolas privadas, consideradas de qualidade, a sala tem ar-condicionado e não se usa com frequência o quadro para escrever. O professor traz o seu pendrive contendo os tópicos da aula e faz a sua apresentação usando o PowerPoint no data show. Você não acha que é muito diferente a dinâmica da escola quando o professor não possui na sua sala de aula nem uma televisão ou um aparelho para DVD, os laboratórios para as aulas de ciências e equipamentos para ilustrar ou objetivar as noções de história ou geografia? Então, para o começo de nossa conversa ficou bem claro que a escola de qualidade está circunscrita pelas condições que possuímos para desenvolver a proposta pedagógica? 4

5 Porém, queremos propor outra questão: vamos imaginar que temos um prédio com todos os ambientes e todos os equipamentos modernos para desenvolver os conteúdos, haveria algo que nos impediria de ter uma boa escola pública? Os professores da escola: importância da sua formação Outro elemento a considerar é a formação do professor. Podemos ter todos os professores equipados com um material didático inovador e as aulas serem dadas da mesma maneira que há 50 anos. A formação do professor é outro elemento que garante a qualidade da educação ou da escola. Não se discute mais se a formação em nível universitário é necessária ou não. Todos concordam que a educação superior é indispensável para se melhorar a qualidade do ensino. Os professores, sejam pedagogos ou licenciados nas várias disciplinas que compõem o currículo da educação básica, devem possuir o seu diploma para estarem habilitados a exercer o magistério. Outras situações existentes devem ser encaradas como transitórias, como uma meta para ser alcançada em um determinado prazo. A lei admite a formação em nível médio apenas para a educação infantil e para as primeiras séries do ensino fundamental. O censo escolar apontou que existem no Brasil, ainda hoje professores sem a formação profissional adequada em escolas públicas de localidades reconhecidas como de difícil acesso existentes no país. Esse dado precisa ser entendido como um desafio para o governo federal e assumido pelo MEC, para que se estabeleçam políticas públicas consistentes para a solução dessas situações. A educação continuada permite ao professor rever os seus conteúdos, suas práticas e enriquecer as suas experiências pela troca de informações e vivências. O professor não pode ficar aguardando que seja convocado a fazer um curso para se atualizar. Ele 5

6 deve buscar o seu aperfeiçoamento pela leitura de periódicos, frequência a seminários, e a busca da pós-graduação. A verdade que se impõe é uma só: não é possível ter uma boa escola se não contamos com os professores com uma formação adequada. O que é preciso fazer então? 6

Relatório Parcial Comissão Própria de Avaliação 2015

Relatório Parcial Comissão Própria de Avaliação 2015 Relatório Parcial Comissão Própria de Avaliação 15 Infraestrutura - DISCENTES Quadro 1. Questões respondidas pelos discentes em relação à estrutura da Instituição QUESTÕES ITEM AVALIADO 1 Espaço físico

Leia mais

Experiências na formação de professores sobre o uso de TIC no Ensino de Química

Experiências na formação de professores sobre o uso de TIC no Ensino de Química Experiências na formação de professores sobre o uso de TIC no Ensino de Química 13º Simpósio Brasileiro de Educação Química - SIMPEQUI 05 a 07/08 - Fortaleza-CE Prof. Dr. Airton Marques da Silva UECE /

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1.2.4.3.1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º - As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica: inicial e continuada. Dr. Delarim Martins Gomes

Diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica: inicial e continuada. Dr. Delarim Martins Gomes Diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica: inicial e continuada Dr. Delarim Martins Gomes INTRODUÇÃO As DCN-FIC propõem a ordenação do futuro, alicerçadas na educação

Leia mais

Caracterização da escola

Caracterização da escola Caracterização da escola Bolsistas responsáveis: Isabel e Magno 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Nome da escola: Escola Estadual Professora Ana Júlia de Carvalho Mousinho 1.2. Localização: Rua Estrela do leste,

Leia mais

Página 1 EMEF PROF. REGINA MARIA DA SILVA. Diretora: Djenane Santos Freitas Silva. .:

Página 1 EMEF PROF. REGINA MARIA DA SILVA. Diretora: Djenane Santos Freitas Silva.  .: EMEF PROF. REGINA MARIA DA SILVA Diretora: Djenane Santos Freitas Silva E-mail.: emefrms@vitoria.es.gov.br Endereço: Rodovia Serafim Derenze, s/n Bairro: Inhaguetá CEP.: 29.026-470 Telefone: (27) 3223-1538

Leia mais

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância. 30 de maio de 2005

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância. 30 de maio de 2005 Curso de Licenciatura em Matemática a Distância 30 de maio de 2005 Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Licenciatura em Matemática a Distância Curso de Licenciatura em Matemática

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS DE TABULEIRO NA EVOLUÇÃO DA APRENDIZAGEM

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS DE TABULEIRO NA EVOLUÇÃO DA APRENDIZAGEM UNIFEOB Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA MATEMÁTICA LICENCIATURA A UTILIZAÇÃO DE JOGOS DE TABULEIRO NA EVOLUÇÃO DA APRENDIZAGEM

Leia mais

INFRAESTRUTURA FÍSICA E ACADÊMICA

INFRAESTRUTURA FÍSICA E ACADÊMICA INFRAESTRUTURA FÍSICA E ACADÊMICA Percentual 1) Como sua instituição viabiliza o acesso dos estudantes de graduação à Internet para atender às necessidades do curso? 60 50 48,65 47,64 40 30 20 10 0 3,37

Leia mais

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento O Centro 4Brain é um Projeto Pedagógico Inovador, que trabalha o aluno como um todo, centrando os esforços tanto na Aprendizagem

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO CONTINUADA- BACHARELADO EM ARTES APLICADAS

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO CONTINUADA- BACHARELADO EM ARTES APLICADAS FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO CONTINUADA- BACHARELADO EM ARTES APLICADAS Objetivos: Com o intuito de manter a comunicação aberta com os estudantes, bem como aperfeiçoar continuamente o currículo e os instrumentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Os recursos humanos que atuarão no Curso de Licenciatura

Leia mais

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada.

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada. A Sociedade Educacional do Centro Oeste SOECO mantenedora da Faculdade de Chapadão do Sul FACHASUL segue o planejamento de construção e ampliação das instalações físicas necessárias para o oferecimento

Leia mais

Página 1 CMEI MENINO JESUS. Diretora: Neli Maria Rodrigues. .: Fundação: 25/12/1936. Criação: Lei nº 3.

Página 1 CMEI MENINO JESUS. Diretora: Neli Maria Rodrigues.  .: Fundação: 25/12/1936. Criação: Lei nº 3. CMEI MENINO JESUS Diretora: Neli Maria Rodrigues E-mail.: sbcp.meninojesus@yahoo.com.br Fundação: 25/12/1936 Criação: Lei nº 3.905 Endereço: Rua Sete de Setembro, 321 Bairro: Centro CEP.: 29015-000 Telefone:

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano º ano º ano º ano 55 4ª série 68 1.

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano º ano º ano º ano 55 4ª série 68 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano 45 1.1 2º ano 36 1.2 3º ano 56 1.3 4º ano 55 4ª série 68 1.4 5ª série 57 1.5 6º ano 70 1.6 7º ano 40 1.7 8º ano 45 1.8 9º ano 0 1.9 EJA 1ª à

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA Adiene Silva Araújo Universidade de Pernambuco - UPE adienearaujo@hotmail.com 1- Introdução A Biologia como ciência, ao longo da história

Leia mais

AEMS-ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA DE MS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS RELATÓRIO GERAL RESPOSTA DE ALUNOS DA I.E.S. 2º SEMESTRE DE 2015

AEMS-ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA DE MS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS RELATÓRIO GERAL RESPOSTA DE ALUNOS DA I.E.S. 2º SEMESTRE DE 2015 AEMS-ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA DE MS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS RELATÓRIO GERAL RESPOSTA DE ALUNOS DA I.E.S. 2º SEMESTRE DE 2015 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 EDITAL N.º 01/2011, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 EDITAL N.º 01/2011, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. DA 1 / 14 PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM EDITAL N.º 01/2011, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. Cargo 01 PROFESSOR LICENCIADO PLENO PEDAGOGIA MAGISTÉRIO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

Leia mais

Pro-Reitoria de Graduação PROGRAD

Pro-Reitoria de Graduação PROGRAD CIAPES.PROGRAD@UFJF.EDU.BR 2012 Universidade Federal de Juiz de Fora Pro-Reitoria de Graduação PROGRAD Coordenação de Inovação Acadêmica e Pedagógica no Ensino Superior CIAPES Profª. Drª. Adriana Rocha

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 CONCURSOPÚBLICON.º01/2011DASECRETARIAMUNICIPALDEEDUCAÇÃO SEMEC 1 / 15 PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011. ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS Cargo 01 PROFESSOR LICENCIADO PLENO PEDAGOGIA

Leia mais

7. INFRAESTRUTURA CURSO DE TADS GUARÁ

7. INFRAESTRUTURA CURSO DE TADS GUARÁ 7. INFRAESTRUTURA CURSO DE TADS GUARÁ 7.1 Infraestrutura da instituição A Faculdade Projeção do Guará está localizada na Área Especial nº 10 Lote C guara II DF, dispõe de instalações administrativas adequadas,

Leia mais

Página CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados. 1º grupo 0

Página CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados. 1º grupo 0 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 50 1.1 2º grupo 49 1.2 3º grupo 46 1.3 4º grupo 88 1.4 5º grupo 71 1.5 6º grupo 74 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral

Leia mais

Página 1 EMEF OTTO EWALD JUNIOR. Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza. .: Fundação: 04/09/1970

Página 1 EMEF OTTO EWALD JUNIOR. Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza.  .: Fundação: 04/09/1970 EMEF OTTO EWALD JUNIOR Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza E-mail.: emefoej@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 04/09/1970 Criação: Decreto nº 4.922 Endereço: Rua Daniel Abreu Machado, 546 Bairro:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Curso: Licenciatura Plena em Ciências Biológicas Projeto de Estágio Supervisionado do curso de Ciências Biológicas Profa.: Angela Martins Baeder 2005 PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Relatório de Ações referente a avaliação Institucional de 2014

Relatório de Ações referente a avaliação Institucional de 2014 Relatório de Ações referente a avaliação Institucional de 2014 Questões Eixo/ Item EIXO 1 - PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Ações desenvolvidas para manter ou melhorar 1.1 Como você avalia a Comissão

Leia mais

DIMENSÃO 7 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA

DIMENSÃO 7 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA DIMENSÃO 7 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA 7.1 INSTALAÇÕES GERAIS: ESPAÇO FÍSICO 7.1.1 Instalações gerais e acadêmico-administrativas Quadro por Localização Localização/ Descrição Área (m 2 ) Câmpus Prof. José

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Pedagogia Missão O Curso de Pedagogia tem por missão a formação de profissionais de educação autônomos e cooperativos, capazes de pensar, investigar, decidir, planejar,

Leia mais

Curso de Direito - Unidade Guará

Curso de Direito - Unidade Guará Curso de Direito - Unidade Guará Infraestrutura da instituição A Faculdade Projeção do Guará está localizada na Área Especial nº 10 Lote C guara II DF, dispõe de instalações administrativas adequadas,

Leia mais

A gratificação da função foi implementada pela Lei Complementar nº de 15/10/2007 e pela Lei Complementar nº de 01/07/2013.

A gratificação da função foi implementada pela Lei Complementar nº de 15/10/2007 e pela Lei Complementar nº de 01/07/2013. A Diretora da EE NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES, em Guarujá com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, torna público o processo para seleção de docente para a função gratificada de Professor Coordenador

Leia mais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais Ler e buscar informações Nas aulas de Geografia, é importante que a criança tenha espaço para desenhar e representar as situações,

Leia mais

Ensino de Matemática e Física Objetivo do curso:

Ensino de Matemática e Física Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso Ensino de Matemática e Física é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

Página 1 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA. Diretora: Marlinda Haddad Rabello. .: Fundação: 04/09/1970

Página 1 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA. Diretora: Marlinda Haddad Rabello.  .: Fundação: 04/09/1970 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA Diretora: Marlinda Haddad Rabello E-mail.: emefacs@vitoria.es.gov.br Fundação: 04/09/1970 Criação: Lei nº 4.922 Endereço: Rua Presidente Rodrigues Alves, 255 Bairro: República

Leia mais

A Pós-Graduação em Ensino de Física no IF-UFRJ. Carlos E. Aguiar

A Pós-Graduação em Ensino de Física no IF-UFRJ. Carlos E. Aguiar A Pós-Graduação em Ensino de Física no IF-UFRJ Carlos E. Aguiar IF-UFRJ, 25/10/2007 A Física no Vestibular da UFRJ Média na prova específica de Física em 2006: 1,9 (em 10) 20% dos candidatos tiveram nota

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira

Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira Concurso Público Osasco PEB I - 2017 SLIDES Prof. Amarildo Vieira PEDAGOGO UNIb ESPECIALIZAÇÃO EM DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR PUC/SP BACHARELANDO EM DIREITO Uninove DIRETOR DE ESCOLA PMSP/SP PROFESSOR

Leia mais

Contribuições da tecnologia para a formação de profissionais

Contribuições da tecnologia para a formação de profissionais Contribuições da tecnologia para a formação de profissionais M E S T R A D O P R O F I S S I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A E G E S T Ã O A P L I C A D A S À R E G E N E R A Ç Ã O T E C

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009.1 CORPO DOCENTE 2009.1 Auto-avaliação docente - 2009.1 Pontualidade no início e término das aulas 14,29% 28,57% Compatibilidade

Leia mais

Caderno de apoio. Gestores Escolares

Caderno de apoio. Gestores Escolares Caderno de apoio Gestores Escolares 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Escola Digital e os Gestores Escolares... 4 AÇÕES DO DIRETOR ESCOLAR Navegue pela plataforma... 4 Analise resultados e escolha projetos pedagógicos...

Leia mais

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa:

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Sabendo que o aluno tem pouco contato com a leitura em seu ambiente familiar, apresentando na escola dificuldades de aprendizagem, decorrentes dessa

Leia mais

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA EM NANOTECNOLOGIA

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA EM NANOTECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA EM NANOTECNOLOGIA O projeto EnTenda C&T se propõe a contribuir para a divulgação e desmistificação da ciência e tecnologia através da introdução da mais nova e mais

Leia mais

anexo 7 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DISPONÍVEIS EM SUA ESCOLA semana pedagógica 2012

anexo 7 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DISPONÍVEIS EM SUA ESCOLA semana pedagógica 2012 anexo 7 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DISPONÍVEIS EM SUA ESCOLA 2012 3 2 INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DISPONÍVEIS EM SUA ESCOLA Olá, professor! Que

Leia mais

PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL

PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL A vida tem mais imaginação do que carregamos dentro dos nossos sonhos. Cristóvão Colombo APRESENTAÇÃO O crescimento atual da robótica tanto educacional como competitiva, nos

Leia mais

Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: TEL/FAX: (013) TEL: (013)

Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: TEL/FAX: (013) TEL: (013) Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: 11740-000 TEL/FAX: (013) 3422-4975 TEL: (013) 3422-4985. EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR OORDENADOR A Diretora da Escola Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DOCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

Página 1 EMEF PROF. EUNICE PEREIRA SILVEIRA. Diretora: Sônia Maria Machado Fraga. .: Fundação: 24/02/2010

Página 1 EMEF PROF. EUNICE PEREIRA SILVEIRA. Diretora: Sônia Maria Machado Fraga.  .: Fundação: 24/02/2010 EMEF PROF. EUNICE PEREIRA SILVEIRA Diretora: Sônia Maria Machado Fraga E-mail.: emefgm@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 24/02/2010 Criação: Lei nº 7.883 Endereço: Av Cel José Martins de Figueiredo,

Leia mais

Pensando por este lado, o trabalho tem objetivo principal de contribuir na formação desses alunos de uma forma que chame mais a atenção e lhe traga

Pensando por este lado, o trabalho tem objetivo principal de contribuir na formação desses alunos de uma forma que chame mais a atenção e lhe traga O USO DE APLICATIVOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA ENSINO DE GEOGRAFIA Alex Lourenço dos Santos Odelfa Rosa Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão alexlourenco1@hotmail.com rosaodelfa@gmail.com

Leia mais

O Superintendente. Um diretor de EBD deve contribuir para a formação de sua equipe, encaminhando, entre outras coisas:

O Superintendente. Um diretor de EBD deve contribuir para a formação de sua equipe, encaminhando, entre outras coisas: O Superintendente Um diretor de EBD deve contribuir para a formação de sua equipe, encaminhando, entre outras coisas: Como contribuir para a formação de uma boa equipe? Reunião pedagógica periódica para

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA DE QUALIDADE NO ESTADO DE SÃO PAULO. Edição nº 2

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA DE QUALIDADE NO ESTADO DE SÃO PAULO. Edição nº 2 GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA DE QUALIDADE NO ESTADO DE SÃO PAULO Edição nº 2 Apresentação Esta é a segunda cartilha do Grito pela Educação Pública de Qualidade no Estado de São Paulo, movimento que reúne

Leia mais

Resolução 032/94 - CONSEPE

Resolução 032/94 - CONSEPE Resolução 032/94 - CONSEPE Altera grade curricular e define ementas de disciplinas do curso de Pedagogia oferecido pelo Centro de Ciências da Educação - FAED. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A ESCOLA SANTI

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A ESCOLA SANTI R. Abílio Soares, 425 04005-001 São Paulo SP (11) 3884.0566 www.escolasanti.com.br santi@escolasanti.com.br PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A ESCOLA SANTI A escolha de uma nova escola é um momento muito especial

Leia mais

A Interação entre a Educação Básica e a

A Interação entre a Educação Básica e a A Interação entre a Educação Básica e a Educação Superior: a visão do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação das Universidades Brasileiras) Jorge Audy Presidente FOPROP Nacional audy@pucrs.br

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR Sendo assim, Diretor/Vice, o Conselho de Classe é uma reunião avaliativa em que você e o vice, o coordenador e os professores (em determinadas

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR 5 º E 9 º A N O D O E N S I N O F U N D A M E N TA L Caro Professor(a): este questionário faz parte de uma importante pesquisa sobre a educação no nosso estado o SPAECE. O objetivo

Leia mais

O questionário a seguir é parte do processo de avaliação de nossa Instituição. Suas respostas serão protegidas pelo mais absoluto sigilo.

O questionário a seguir é parte do processo de avaliação de nossa Instituição. Suas respostas serão protegidas pelo mais absoluto sigilo. Cuiabá, agosto de 2009. Prezado Acadêmico, O questionário a seguir é parte do processo de avaliação de nossa Instituição. Precisamos da sua participação. Para tanto, você deve responder a todas as questões,

Leia mais

PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE SISTEMAS DE EAD. Silvane Guimarães Silva Gomes. e-tec Brasil Tópicos em Educação a Distância.

PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE SISTEMAS DE EAD. Silvane Guimarães Silva Gomes. e-tec Brasil Tópicos em Educação a Distância. 5 PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE SISTEMAS DE EAD Silvane Guimarães Silva Gomes e-tec Brasil Tópicos em Educação a Distância Gokhan Okur Fonte: www.sxc.hu Meta Apresentar as bases para o planejamento e a

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DISCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 3.044, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº 3.044, DE 2008 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3.044, DE 2008 (Apenso o PL nº4.536, de 2008) Dispõe sobre a universalização das bibliotecas escolares e determina outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

ESTAÇÃO DO SABER. Introdução

ESTAÇÃO DO SABER. Introdução SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Público Alvo... 3 Justifcativa... 3 Distribuição... 4 Descrição Estação do Saber... 5 Defesa do produto... 6 Resultados Esperados... 7 Recursos... 8 Acervo Bibliografico...

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA ATENDER OS CURSOS

INFRAESTRUTURA PARA ATENDER OS CURSOS INFRAESTRUTURA PARA ATENDER OS CURSOS CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS CPD No térreo do prédio principal funciona o setor de Processamento de dados, local onde está localizado o servidor na sala com 17,20

Leia mais

2. Quantidade de alunos na Lista de Espera

2. Quantidade de alunos na Lista de Espera 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano 47 2º ano 62 3º ano 75 4º ano 59 4ª série 84 5ª série 127 6ª série 87 7ª série 90 EJA 1ª à 4ª 57 EJA 5ª à 8ª 166 1.1 Dos alunos matriculados,

Leia mais

Documento apreciado e aprovado pelo CAEX como lavrado em Ata. 1

Documento apreciado e aprovado pelo CAEX como lavrado em Ata. 1 RESOLUÇÃO DO CONSELHO ACADÊMICO DE EXTENSÃO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE EXTENSÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO Art.1º - Os Cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão 03 A questão 03 solicita a opção correta, considerando o que dispõe o texto Pergunte ao autor: Relação família-escola na contemporaneidade. O Gabarito dessa questão é a letra D, como se prova na

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

PLANO GESTÃO Números de alunos da escola e sua distribuição por turno, ano e turma.

PLANO GESTÃO Números de alunos da escola e sua distribuição por turno, ano e turma. PLANO GESTÃO 2016 1. Identificação da Unidade Escolar E.E. Professora Conceição Ribeiro Avenida Sinimbu, s/nº - Jardim Vista Alegre Cep: 13056-500 Campinas/SP 1.1 Equipe Gestora Diretor: Sueli Guizzo Bento

Leia mais

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA VISÃO GERAL DA DISCIPLINA Antes eu não gostava de Matemática, mas agora a professora joga, conta história e deixa a gente falar né? Então é bem mais divertido, eu estou gostando mais. Pedro, 9 anos. Neste

Leia mais

Educação e Autonomia Processos Educativos no Assentamento Elizabeth Teixeira

Educação e Autonomia Processos Educativos no Assentamento Elizabeth Teixeira Educação e Autonomia Processos Educativos no Assentamento Elizabeth Teixeira RESUMO DO PROJETO O presente projeto tem por finalidade viabilizar financeiramente a continuidade das atividades pedagógicas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL RESPOSTA DE ALUNOS DA I.E.S. 1º SEMESTRE DE 2016

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL RESPOSTA DE ALUNOS DA I.E.S. 1º SEMESTRE DE 2016 ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL RESPOSTA DE ALUNOS DA I.E.S. 1º SEMESTRE DE 2016 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão

Leia mais

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores.

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. ATIVIDADES PERMANENTES COM GÊNEROS TEXTUAIS Aula 8 META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

Considerando a Resolução CSE/UFCG nº 26/2007, que homologa o Regulamento de Ensino de Graduação.

Considerando a Resolução CSE/UFCG nº 26/2007, que homologa o Regulamento de Ensino de Graduação. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS RESOLUÇÃO

Leia mais

MEC - UAB - Formulário de Avaliação de Pólos Versão 2.0

MEC - UAB - Formulário de Avaliação de Pólos Versão 2.0 Secretária de Educação a Distância - SEED MEC - UAB - Formulário de Avaliação de Pólos Versão 2.0 Data: 28/11/2006 MEC - UAB - Formulário de Avaliação de Pólos Versão 2.0 1 - Identificação do Pólo Pólo

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa Enade com os Estudantes do Curso de Odontologia

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa Enade com os Estudantes do Curso de Odontologia Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa Enade com os Estudantes do Curso de Odontologia A presente pesquisa foi realizada em junho de 2013, no Campus de Duque de Caxias, tendo como

Leia mais

Modelo de autoavaliação (RBE)

Modelo de autoavaliação (RBE) Modelo de autoavaliação (RBE) B I B L I O T E C A S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E E U G É N I O D E C A S T R O E S C O L A B Á S I C A D E E U G É N I O D E C A S T R O Índice 2 1. Pertinência

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: PEDAGOGIA. Disciplina: TECNOLOGIA NA SALA DE AULA I. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO. Curso: PEDAGOGIA. Disciplina: TECNOLOGIA NA SALA DE AULA I. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: PEDAGOGIA Disciplina: TECNOLOGIA NA SALA DE AULA I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Histórico da informática, situação atual e

Leia mais

INFRAESTRUTURA O espaço físico do UniProjeção, no Campus I de Taguatinga, localizado na Área Especial 5/6, Setor "C" Norte s/n, Taguatinga-DF, é

INFRAESTRUTURA O espaço físico do UniProjeção, no Campus I de Taguatinga, localizado na Área Especial 5/6, Setor C Norte s/n, Taguatinga-DF, é INFRAESTRUTURA O espaço físico do UniProjeção, no Campus I de Taguatinga, localizado na Área Especial 5/6, Setor "C" Norte s/n, Taguatinga-DF, é composto por: 105 salas, 02 salas multimídia, 03 salas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Parecer n.º 031/2012 CME/PoA Processo n.º 001.062962.09.4

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

EXPERIÊNCIAS A CERCA DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO

EXPERIÊNCIAS A CERCA DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO EXPERIÊNCIAS A CERCA DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO Wilian Schmidt wstschmidt@hotmail.com Lidiane Buligon buligon.l@ufsm.br Carmen Vieira Mathias carmen@ufsm.br

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN AVALIAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFAM Lei Nª 11.872/2008 Art. 7ª - Objetivos dos Institutos Federais: I - ministrar educação profissional

Leia mais

Curso de Serviço Social - Unidade Sobradinho

Curso de Serviço Social - Unidade Sobradinho Curso de Serviço Social - Unidade Sobradinho Infraestrutura da instituição Instalações administrativas A IES dispõe de instalações administrativas adequadas, confortáveis, climatizadas, com mobiliário

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO MÉDIO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO MÉDIO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SANTOS EE MARECHAL DO AR EDUARDO GOMES Av. Castelo Branco s/nº Jd. Enguaguaçu - Vicente de Carvalho/Guarujá-S.P.

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação.

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. 41 Conforme as Diretrizes Nacionais Gerais para a Educação Básica, a

Leia mais

Manual de Acesso ao Ambiente Virtual do Aluno AVA

Manual de Acesso ao Ambiente Virtual do Aluno AVA Manual de Acesso ao Ambiente Virtual do Aluno AVA Para realizar o acesso ao ambiente virtual do aluno digite no seu navegador a url abaixo: Como mostra a figura abaixo: eadgraduacao.unifeob.edu.br 1 Realizar

Leia mais

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1.

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 20 1.1 2º grupo 72 1.2 3º grupo 75 1.3 4º grupo 100 1.4 5º grupo 75 1.5 6º grupo 85 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral

Leia mais

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis CÂMPUS DIANÓPOLIS UNITINS SUDESTE A avaliação interna da Unitins destacou como principais problemas identificados pelos discentes, docentes e técnicos administrativos, nas instalações físicas da universidade:

Leia mais

RELATÓRIO AVALIAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO

RELATÓRIO AVALIAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO RELATÓRIO AVALIAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO Em 2016, foram oferecidos os seguintes cursos de Pós-graduação: Engenharia de Segurança no Trabalho; Engenharia de Softwares: ênfase Web; Gestão Ambiental; Psicopedagogia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 ETEC Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão Pires Eixo Tecnológico:

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Batatais Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Batatais Estado de São Paulo PROCESSO SELETIVO - EDITAL Nº 01/2016 ANEXO II PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES RETIFICAÇÃO Nomenclatura Professor de Educação Básica I - Ensino Fundamental e Educação Infantil Fundamental (Arte) PRINCIPAIS

Leia mais

Avaliação Externa do INEP na Biblioteca Pontos Mapeados nos Relatórios (2013,2014 e 2015)

Avaliação Externa do INEP na Biblioteca Pontos Mapeados nos Relatórios (2013,2014 e 2015) Avaliação Externa do INEP na Biblioteca Pontos Mapeados nos Relatórios (2013,2014 e 2015) SPDC. Seção de Planejamento e Desenvolvimento de Coleções. Márcia Silvestre Bibliotecária silvestre@ndc.uff.br

Leia mais

Educação Especial (Transtorno Global de Desenvolvimento): Quantidade de alunos. SIM Possui sinalização em Libras: NÃO Possui material em Braile:

Educação Especial (Transtorno Global de Desenvolvimento): Quantidade de alunos. SIM Possui sinalização em Libras: NÃO Possui material em Braile: CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados: 285 Quantidade de alunos na lista de espera: Não há lista de espera Educação Especial: Quantidade de Alunos Cegueira 0 Baixa Visão 1 Surdez 0 Deficiência

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR Cargo: Professor Classe: A,B,C,D, ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR Orientar a aprendizagem dos alunos; Participar das atividades da escola: Organizar as operações inerentes

Leia mais

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento O Centro 4Brain é um Projeto Pedagógico Inovador, que trabalha o aluno como um todo, centrando os esforços tanto na Aprendizagem

Leia mais

NOVIDADES E PARCERIAS

NOVIDADES E PARCERIAS ......... Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-1712 / 3371-2265 / 98837-0282 Site: www.escolafazendinhafeliz.com.br / Email: contato@escolafazendinhafeliz.com.br

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA 048 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA 048 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA 048 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: Projeto OEI/BRA/10/002 - Atualização dos Processos

Leia mais

PIBID 2011 SUBPROJETO LETRAS

PIBID 2011 SUBPROJETO LETRAS PIBID 2011 SUBPROJETO LETRAS PLANOS DE AULAS BOLSISTAS: Jéssica Pereira, Denise Oliveira e Taiana Azevedo DATA DA AULA: 10 /09/2012 AULA No.: 1 PLANO DE AULA CONTEÚDOS: Dinâmica de grupo OBJETIVO GERAL:

Leia mais