1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV"

Transcrição

1 O perfil das mulheres de 10 anos e mais de idade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília - PMB segundo a ótica raça/cor 2010 Lucilene Dias Cordeiro 1 1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV

2 INTRODUÇÃO A desigualdade socioeconômica de gênero e raça é de conhecimento de todos e tema de inúmeros estudos e pesquisas no Brasil 2 (IPEA, 2011). O conhecimento dessas diferenças possibilita aos gestores e à sociedade civil procurar meios para a sua redução. Nesse sentido, este estudo tem por objetivo traçar o perfil das mulheres negras e não negras de 10 anos e mais, no Distrito Federal e nos municípios da Periferia Metropolitana de Brasília PMB, constituída por 12 municípios goianos: Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso de Goiás (Figura 1). Figura 1 - Municípios da PMB Fonte: IBGE. Dados elaborados pela Codeplan. Consideraram-se os resultados do Censo Demográfico de 2010, com vistas a evidenciar que as diferenças, também se dão por questões de raça ou cor, mesmo ao se analisar apenas o universo feminino. As informações foram analisadas com base no critério raça/cor autorreferida, segundo o padrão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que utiliza categorias de cor: preta, parda, amarela, indígena e branca. As mulheres autoclassificadas pretas e pardas compuseram o grupo de mulheres negras, e as brancas, amarelas e indígenas foram agrupadas como não negras. 2 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Retrato das desigualdades de gênero e raça. [et al.]. - 4ª ed. - Brasília: Ipea,

3 O estudo analisa as características das mulheres negras do Distrito Federal e da PMB com 10 anos e mais de idade, por sexo, faixa etária, nível de escolaridade, renda e ocupação por setor de atividade e compara tais informações com a situação das não negras. RESULTADOS Distrito Federal 1 - COMPOSIÇÃO ETÁRIA Segundo dados do Censo Demográfico de 2010, o total da população com 10 anos e mais no Distrito Federal, foi de , sendo 52,74% do sexo feminino. Os resultados mostraram que a população do Distrito Federal ainda é jovem, mas com menor participação entre os com idade de 10 a 19 anos. A maior proporção, 35,1, deu- se no grupo de 20 e 34 anos, destacando-se a faixa etária entre 20 e 24 anos (12,27%). Outra informação importante é o de que as mulheres foram maioria em todos os grupos etários, exceto entre a população entre 10 e 14 anos de idade. Esses resultados mostram que a transição demográfica vivida pelo DF, o coloca em uma situação privilegiada onde a participação da população em idade ativa é expressiva (Gráfico 1). Considerando apenas a população feminina, (54,99%) declararam ser da raça/cor negra e (44,97%) não negra (Gráfico 2). Do total de mulheres, 0,04% não declarou ou não informou a sua raça ou cor. Verificou-se que a maior concentração feminina deu-se entre 20 e 34 anos (34,71%), sendo 12,2 com idade entre 25 e 29 anos. Ao analisar a distribuição proporcional das mulheres por faixa de idade e raça/cor, observou-se uma maioria negra até os 59 anos de idade. A partir desta idade, há uma mudança no perfil, onde a proporção de mulheres não negras passa a ser maior. Esses resultados sugerem uma expectativa de vida maior das não negras. Por outro lado, que esteja também havendo uma maior conscientização da população feminina negra quanto à sua cor (Gráfico 2). 2

4 Masculino Feminino Gráfico 1: Pirâmide etária - Distrito Federal 2010 Gráfico 2: Pirâmide etária de mulheres segundo raça ou cor Distrito Federal Periferia Metropolitana de Brasília Em 2010, pessoas residiam na PMB. Dessas, 50,52% eram mulheres com 10 anos e mais de idade, denotando maior equilíbrio entre homens e mulheres na composição populacional. A população dessa região é mais jovem que a do DF, pois 48,41% concentravam-se entre 10 e 29 anos, sendo 13,08% crianças entre 10 e 14 anos. Esses resultados apontam que a PMB ainda está num processo de transição demográfica, já vivenciado pelo DF (Gráfico 3). Analisando apenas a composição por sexo e idade das mulheres segundo raça/cor, os dados censitários mostraram que a população feminina é predominantemente negra: 65,55%. Considerando-se a distribuição entre os grupos de idade, há maior participação das negras em todas as faixas de idade, sendo maior entre as mais jovens (Gráfico 4). Entre 10 e 29 anos as mulheres negras representaram 31,99% do total de mulheres. Enquanto entre as não negras esse percentual foi de 16,18%. Na composição da população feminina da PMB, a participação das mulheres negras entre 10 e 19 anos foi o dobro das não negras (Gráfico 4) Masculino Feminino Gráfico 3: Pirâmide etária PMB 2010 Gráfico 4: Pirâmide etária de mulheres segundo raça ou cor PMB

5 2 ESCOLARIDADE Considerando o nível de instrução, os dados censitários de 2010 mostraram que, no DF, é maior a participação das mulheres negras entre aquelas com menor nível educacional. Entre a população feminina de 10 anos e mais que declarou estar sem instrução ou com o fundamental, 63,94% eram da raça/cor negra. Entre aquelas com fundamental e médio, o percentual também foi maior entre as negras: 60,67%. A menor diferença proporcional entre as negras e não negras ocorreu entre as que se encontravam com ensino médio e superior. A diferença acentuada volta a se apresentar nas mulheres com superior, com maior participação das não negras (65,25%). As negras, apesar de representarem mais da metade da população feminina, apenas 34,75% se encontravam com nível superior (Gráfico 5). Na PMB, as mulheres negras foram maioria em todos os níveis de educação, exceto entre as com superior, onde a participação das negras foi praticamente a mesma das não negras, o que aponta para o fato das negras não terem as mesmas condições de acesso aos níveis mais elevados de escolaridade, mesmo considerando que 64,82% das mulheres com 25 anos ou mais de idade são negras (Gráfico 5) ,06 39,33 45,84 65,25 31,17 32,98 39,27 50, ,94 60,67 54,16 34,75 68,83 67,02 60,73 49,90 Sem instrução e fundamental Fundamental e médio Médio e superior Sem instrução e fundamental Fundamental e médio Médio e superior DF PMB Gráfico 5: Distribuição percentual das mulheres negras e não negras com 10 anos e mais segundo nível de instrução - DF e PMB 2010 Ao se analisar o nível de instrução por idade, deve-se atentar para o fato de que, nas faixas etárias até os 59 anos, a proporção de mulheres negras foi maior. Neste contexto, observou-se que o percentual de mulheres negras sem instrução ou com o fundamental 4

6 foi maior em praticamente todas as faixas etárias. Por outro lado, entre as mulheres com superior, as não negras têm maior participação em todos os grupos de idade 3. (Tabela 1a e 1b; Gráficos 6 e 7). Tabela 1a: Mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade segundo nível de instrução - Distrito Federal 2010 faixa etária Sem instrução e fundamental Fundamental e médio Médio e superior Sem instrução e fundamental Fundamental e médio NÍVEL DE INSTRUÇÃO: NÃO NEGRA NEGRA TOTAL Médio e superior Sem instrução e fundamental Fundamental e médio Médio e superior Na faixa de 15 a 19 anos, 844 jovens declararam ter nível superior, o que correspondeu a 0,76% do total de jovens dessa faixa etária. Considerando apenas as mulheres desse grupo etário com nível superior, 58,06% eram não negras. 5

7 Tabela 1b: Distribuição percentual das mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade segundo nível de instrução - Distrito Federal 2010 faixa etária Sem instrução e fundamental Fundamental e médio NÃO NEGRA Médio e superior NÍVEL DE INSTRUÇÃO: Sem instrução e fundamental Fundamental e médio NEGRA Médio e superior ,95 46, ,27 61,05 53, , ,91 40,35 49,01 58,06 40,34 70,09 59,65 50,99 41,94 59, ,58 32,76 44,51 61,60 42,32 70,42 67,24 55,49 38,40 57, ,64 33,97 41,88 63,51 44,25 71,36 66,03 58,12 36,49 55, ,40 33,38 42,14 64,80 44,38 70,60 66,62 57,86 35,20 55, ,59 38,04 42,77 61,95 44,29 68,41 61,96 57,23 38,05 55, ,15 36,38 44,97 64,02 45,64 64,85 63,62 55,03 35,98 54, ,40 40,17 46,73 67,11 47,38 64,60 59,83 53,27 32,89 52, ,54 46,12 49,23 68,55 47,62 67,46 53,88 50,77 31,45 52, ,09 46,42 54,10 68,95 49,83 62,91 53,58 45,90 31,05 50, ,32 47,82 60,13 67,99 51,20 59,68 52,18 39,87 32,01 48, ,12 57,74 58,90 73,95 51,88 58,88 42,26 41,10 26,05 48, ,45 60,76 72,64 73,99 56,10 53,55 39,24 27,36 26,01 43, ,70 75,25 70,27 74,58 57,29 51,30 24,75 29,73 25,42 42, ,26 73,15 82,19 89,91 61,74 46,74 26,85 17,81 10,09 38,26 36,06 39,33 45,84 65,25 44,99 63,94 60,67 54,16 34,75 55, Gráfico 6: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade sem instrução ou com fundamental por grupo de idade Distrito Federal

8 Gráfico 7: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade com superior por grupo de idade Distrito Federal Na periferia metropolitana, as mulheres da raça/cor negra são maioria em todas as faixas etárias, representando mais de em todos os grupos etários até os 69 anos. Considerando o nível de instrução, 63,15% das mulheres de 10 anos e mais que tinham até o superior eram da raça/cor negra. No entanto, apesar da maioria delas serem negras, verificou-se certo equilíbrio na maioria das faixas de idade, entre as mulheres com nível superior, isto é, o percentual de mulheres negras que se encontrava nesse nível de instrução foi próximo ao das não negras (Tabela 2a e 2b; Gráficos 5, 8 e 9). 7

9 Tabela 2a: Mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade segundo nível de instrução PMB 2010 faixa etária Sem instrução e fundamental Fundamenta l e médio NÍVEL DE INSTRUÇÃO: NÃO NEGRA NEGRA TOTAL Médio Sem Fundamenta Médio Sem Fundamenta Médio e instrução e l e e instrução e l e e superior fundamental médio superior fundamental médio superior Tabela 2b: Distribuição percentual das mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade segundo nível de instrução PMB 2010 NÍVEL DE INSTRUÇÃO: NÃO NEGRA NEGRA Médio Médio faixa etária Fundamental Sem Fundamental Sem instrução e instrução e e e fundamental e superior e superior médio fundamental médio incomplet incomplet o o ,07 37, ,32 67,93 62, , ,01 33,59 37,61 44,57 32,50 71,99 66,41 62,39 55,43 67, ,32 29,73 39,32 49,70 34,81 71,68 70,27 60,68 50,30 65, ,30 31,18 38,81 50,66 34,85 72,70 68,82 61,19 49,34 65, ,37 29,30 40,32 51,07 34,20 72,63 70,70 59,68 48,93 65, ,92 32,11 34,33 46,72 32,73 70,08 67,89 65,67 53,28 67, ,30 32,36 38,96 45,86 34,99 67,70 67,64 61,04 54,14 65, ,24 34,12 39,40 53,11 34,42 69,76 65,88 60,60 46,89 65, ,76 40,72 44,60 48,63 35,04 70,24 59,28 55,40 51,37 64, ,71 46,98 48,00 51,59 38,18 66,29 53,02 52,00 48,41 61, ,64 35,43 47,74 55,99 37,51 64,36 64,57 52,26 44,01 62, ,94 45,66 57,82 55,03 38,47 64,06 54,34 42,18 44,97 61, ,59 64,79 41,16 92,74 42,29 60,41 35,21 58,84 7,26 57, ,40 57,99 88,37 100,00 43,75 59,60 42,01 11,63-56, ,09 42,11 58,87 100,00 46,15 54,91 57,89 41,13-53,85 31,17 32,98 39,27 50,10 34,45 68,83 67,02 60,73 49,90 65,55 8

10 Gráfico 8: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade sem instrução ou com fundamental por grupo de idade PMB Gráfico 9: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade com superior por grupo de idade PMB OCUPAÇÃO Segundo o Censo Demográfico de 2010, considerando a condição de ocupação, do total de mulheres residentes com 10 anos e mais no DF, 52,2% ( ) eram ocupadas. Dessas, 53,74% eram negras e 46,26% não negras. Entre as mulheres negras, 51, eram ocupadas. Entre as não negras, o percentual de mulheres ocupadas foi de 53,67%. As negras apresentaram maior percentual de ocupadas que as não negras até os 55 anos de idade (Tabela 3; Gráfico 10). 9

11 Tabela 3: População feminina por grupo etário total e por condição de ocupação segundo raça/cor - Distrito Federal 2010 Grupo Etário Não Ocupadas Desocupadas Ocupadas Desocupadas Pop. Fem. seg. condição ocupação Ocupadas Desocupadas Pop. Feminina total* s s * Exclui a população feminina de raça cor ignorada. 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10, ,64 24,52 59,68 68,75 69,87 70,14 70,23 66,26 59,24 48,31 31,59 20,85 11,59 5,98 4,28 2,69 24,12 59,05 72,76 74,91 73,93 73,03 72,41 64,01 47,86 32,04 21,21 13,28 10,78 7,84 Gráfico 10: Percentual de mulheres negras e não negras ocupadas por faixa etária Distrito Federal 2010 Na Periferia Metropolitana de Brasília, 44,76%, ( ) das mulheres eram ocupadas, sendo 64,17% negras e 35,83% não negras. Esse percentual mais elevado de mulheres negras, provavelmente se deve ao fato de elas representarem mais de do total da população feminina com 10 anos e mais como já foi apresentado (Tabela 4; Gráfico 11). Ao se comparar a participação das mulheres ocupadas por faixa de idade, observou-se que, entre as mulheres negras, o maior percentual de mulheres ocupadas (cerca de 62%) 10

12 estava na faixa de 30 a 44 anos de idade. Para as não negras, a maior participação foi nas idades de 25 a 49 anos (Tabela 4; Gráfico 11). Tabela 4: População feminina por grupo etário total e por condição de ocupação segundo raça/cor - PMB 2010 Grupo Etário Não Pop. Fem. seg. condição ocupação Pop. Feminina total* Ocupadas Desocupadas Ocupadas Desocupadas Ocupadas Desocupadas s s * Exclui a população feminina de raça cor ignorada. 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10, ,02 24,37 49,83 57,70 62,48 65,17 62,46 57,96 50,18 40,25 27,67 15,57 13,33 6,96 6,35 3,56 26,17 57,31 62,82 65,02 65,56 65,20 62,06 52,18 42,84 31,25 14,41 10,39 10,24 4,28 Gráfico 11: Percentual de mulheres negras e não negras ocupadas por faixa etária PMB 2010 Ao se analisar a distribuição da participação das mulheres ocupadas segundo a raça/cor, em 2010, no DF, 53,74% era negra, e menos da metade (46,26%), não negra. Na PMB, essa diferença foi maior, uma vez que o percentual de mulheres negras ocupadas foi de 64,17% e o das não negras 35,83% (Gráfico 12). No Distrito Federal, do total da população feminina, as negras, representavam 28,06% das ocupadas, enquanto as não 11

13 negras, 24,15%. Na PMB, o percentual de negras ocupadas no total das mulheres foi de 28,72%, enquanto a participação das não negras, 16,04% ,26 38,27 35,83 31,04 53,74 61,73 64,17 68,96 Pop.Ocup Pop. Desocup. Pop.Ocup Pop. Desocup. DF PMB Gráfico 12: Distribuição percentual das mulheres negras e não negras com 10 anos e mais segundo condição de ocupação - DF e PMB 2010 Os dados censitários mostraram que, no DF, as mulheres negras até os 59 anos eram maioria entre a população feminina ocupada. A partir dessa idade, as não negras passam a ter maior representatividade (Tabela 4; Gráfico 13). Proporcionalmente, cerca de das jovens ocupadas entre 10 e 19 anos eram negras. A partir dos 60 anos, a condição muda, uma vez que as mulheres não negras ocupadas passam a ter maior peso (Tabela 4; Gráfico 13) Gráfico 13: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupada por grupo de idade - Distrito Federal 2010 Na PMB, a participação das mulheres negras entre as ocupadas foi superior à das não negras em todos os grupos de idade. Na faixa de 10 a 14 anos, o percentual de meninas negras ocupadas foi 2,4 vezes maior que o das não negras (Tabela 2; Gráfico 14). 12

14 Gráfico 14: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas - PMB 2010 Considerando o emprego no trabalho principal, no Distrito Federal, observou-se que as mulheres negras foram maioria entre as trabalhadoras domésticas com e sem carteira de trabalho assinada. Entre as essas com carteira assinada, a participação das mulheres negras com 10 anos e mais foi 2,3 vezes maior que as não negras e, entre as sem carteira assinada, 2,2 vezes maior (Gráfico 15). Nos demais empregados com carteira assinada, as mulheres negras representaram 52,1. Entre as demais empregadas sem carteira assinada, também há um maior percentual de mulheres negras (56,84%). Por outro lado, entre as mulheres ocupadas militares e funcionárias públicas estatutárias, a participação das mulheres não negras foi superior: 58,69% (Gráfico 15) ,31 31,23 69,69 68,77 Trabalhadores domésticos com carteira de trabalho assinada Trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho assinada 47,90 52,10 Demais empregados com carteira de trabalho assinada 58,69 41,31 Militares e funcionários públicos estatutários 43,16 56,84 Demais empregados sem carteira de trabalho assinada Gráfico 15: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas segundo categoria do emprego no trabalho principal Distrito Federal

15 Assim como no DF, na PMB o percentual de mulheres negras foi maior em todas as categorias do emprego no trabalho principal. Isso se deveu ao fato de que, além do número de mulheres negras ser maior que o das não negras, na PMB as diferenças observadas entre elas foram menos acentuadas que as verificadas no DF, o que demonstra a sub-representação das mulheres negras nos níveis de escolaridade mais elevados tanto no DF quanto na PMB (Gráfico 16) ,47 27,29 72,53 72,71 Trabalhadores domésticos com carteira de trabalho assinada Trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho assinada 40,23 39,52 37,13 59,77 60,48 62,87 Demais empregados com carteira de trabalho assinada Militares e funcionários públicos estatutários Demais empregados sem carteira de trabalho assinada Gráfico 16: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas segundo categoria do emprego no trabalho principal PMB RENDA Segundo os dados censitários de 2010, no Distrito Federal, mulheres de 10 anos e mais declararam algum rendimento nominal. Dessas, as negras tiveram maior participação nas faixas de renda em valor nominal de até dois salários mínimos (SM). A partir dessa faixa de renda, as não negras apresentaram maior participação. Entre as com renda até um SM, 65,11% das mulheres eram negras e 34,89%, não negras. As que se encontravam na faixa de renda mais elevada (acima de 20 SM), as não negras representaram 75,35%, enquanto as negras, apenas 24,65% (Tabela 5; Gráfico 17). Considerando as faixas de idade, a situação é a mesma, ou seja, enquanto as mulheres negras são proporcionalmente maioria com ganhos de até dois SM, as não negras estão em maior proporção entre aquelas com renda acima dos cinco SM (Tabela 5). Entre 25 e 49 anos de idade, proporcionalmente, o dobro das mulheres negras tiveram ganhos até um SM. Das que declararam ganhos acima de 10 salários mínimos a maioria 14

16 eram mulheres não negras. Praticamente o dobro delas tiveram ganhos acima dos 10 SM quando comparadas às não negras (Tabela 5). Tabela 5: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas segundo classe de rendimento Distrito Federal 2010 faixa etária ATÉ 1 SM NÃO NEGRA MAIS DE 1 MAIS DE 2 MAIS DE 5 ATÉ 2 SM ATÉ 5 SM ATÉ 10 SM MAIS DE 10 A 20 SM FAIXA DE RENDA EM SALÁRIOS MÍNIMOS ACIMA DE 20 SM ATÉ 1 SM MAIS DE 1 MAIS DE 2 MAIS DE 5 ATÉ 2 SM ATÉ 5 SM ATÉ 10 SM MAIS DE 10 A 20 SM ACIMA DE 20 SM ,50 29,01 40,51 100, ,68 59,50 70,99 59, , ,63 42,67 52,45 58, ,95 62,37 57,33 47,55 41, , ,43 41,70 53,08 65,05 94,99 62,12 42,06 65,57 58,30 46,92 34,95 5,01 37,88 57, ,79 38,48 56,67 66,25 70,97 69,52 45,65 67,21 61,52 43,33 33,75 29,03 30,48 54, ,34 38,31 51,88 65,98 69,29 77,56 46,10 68,66 61,69 48,12 34,02 30,71 22,44 53, ,25 37,50 50,46 59,51 71,88 74,44 45,59 67,75 62,50 49,54 40,49 28,12 25,56 54, ,35 40,98 49,28 59,06 59,82 75,53 46,61 67,65 59,02 50,72 40,94 40,18 24,47 53, ,20 41,04 50,92 58,04 64,90 78,71 49,60 63,80 58,96 49,08 41,96 35,10 21,29 50, ,66 38,12 49,64 58,39 68,39 71,91 49,56 62,34 61,88 50,36 41,61 31,61 28,09 50, ,36 38,44 48,97 58,87 70,41 74,70 49,59 62,64 61,56 51,03 41,13 29,59 25,30 50, ,38 45,21 53,40 55,41 66,96 67,40 51,56 54,62 54,79 46,60 44,59 33,04 32,60 48, ,84 52,12 49,90 47,25 71,32 87,89 52,31 58,16 47,88 50,10 52,75 28,68 12,11 47, ,37 43,69 68,36 69,91 68,88 82,03 59,45 46,63 56,31 31,64 30,09 31,12 17,97 40, ,44 46,39 65,77 100,00 73,75 69,01 70,73 32,56 53,61 34,23-26,25 30,99 29, ,93-74,12 81,15 100,00 100,00 74,62 22,07 100,00 25,88 18, ,38 34,89 39,65 52,20 61,31 67,94 75,35 46,26 65,11 60,35 47,80 38,69 32,06 24,65 53,74 NEGRA ,89 39,65 65,11 60,35 52,20 47,80 61,31 38,69 67,94 32,06 75,35 24,65 Gráfico 17: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas segundo classe de rendimento Distrito Federal 2010 Na Periferia Metropolitana de Brasília os resultados censitários de 2010 mostraram que, apesar das mulheres negras terem maior representatividade em todas as faixas de idade, ao se comparar os ganhos nominais, 68,27% das mulheres com ganhos de até um SM eram negras, enquanto entre a população feminina com ganhos acima de 20 SM, 55,06% eram não negras (Tabela 6; Gráfico 18). 15

17 Comparando-se os grupos etários, observou-se que, independentemente da faixa de idade, o peso das mulheres negras entre as com ganhos de até dois SM é maior. Entre as meninas do grupo etário de 10 a 14 anos, mais de 7 das que recebiam até dois SM eram negras. No entanto, mais da metade das mulheres entre 30 e 34 e 40 e 49 anos, que declararam receber mais de 20 SM eram negras, sugerindo menores diferenças de renda na PMB (Tabela 6). Tabela 6: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas segundo classe de rendimento PMB 2010 faixa etária ATÉ 1 SM MAIS DE 1 ATÉ 2 SM MAIS DE 2 ATÉ 5 SM NÃO NEGRA MAIS DE 5 ATÉ 10 SM MAIS DE 10 A 20 SM FAIXA DE RENDA EM SALÁRIOS MÍNIMOS ACIMA DE 20 SM ATÉ 1 SM MAIS DE 1 MAIS DE 2 ATÉ 2 SM ATÉ 5 SM MAIS DE 5 ATÉ 10 SM MAIS DE 10 A 20 SM ACIMA DE 20 SM ,67 22,22 100, ,76 70,33 77, , ,81 45,63 28,52-100,00 100,00 34,08 69,19 54,37 71,48 100, , ,24 40,38 47,35 63,81 50,00-38,05 65,76 59,62 52,65 36,19 50,00-61, ,27 37,20 46,10 50,77 77,91 65,52 36,81 67,73 62,80 53,90 49,23 22,09 34,48 63, ,43 34,89 44,18 55,92 71,56 45,45 35,10 69,57 65,11 55,82 44,08 28,44 54,55 64, ,07 33,57 40,59 44,27 33,12 62,16 32,86 70,93 66,43 59,41 55,73 66,88 37,84 67, ,05 37,33 44,56 49,58 59,83 48,57 35,97 68,95 62,67 55,44 50,42 40,17 51,43 64, ,80 35,85 46,71 49,64 19,29 43,14 35,99 68,20 64,15 53,29 50,36 80,71 56,86 64, ,29 37,23 48,00 55,88 60,00 58,00 35,93 70,71 62,77 52,00 44,12 40,00 42,00 64, ,71 42,43 47,13 49,04 14,29-39,68 63,29 57,57 52,87 50,96 85,71 100,00 60, ,50 40,23 43,98 46,91 37,04-40,39 60,50 59,77 56,02 53,09 62,96-59, ,04 34,50 64,44 100,00 100,00-36,68 66,96 65,50 35, , ,52 20,18 27,27 100, ,32 60,48 79,82 72, , ,78 100, ,36 50,22-100, , ,45 100, ,65 67, ,35 31,73 37,12 44,66 51,34 49,35 55,06 35,83 68,27 62,88 55,34 48,66 50,65 44,94 64,17 NEGRA ,73 37,12 68,27 62,88 44,66 55,34 51,34 49,35 55,06 48,66 50,65 44,94 Gráfico 18: Distribuição percentual de mulheres negras e não negras de 10 anos e mais de idade ocupadas segundo classe de rendimento PMB

18 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados apresentados corroboram com outros estudos e pesquisas já realizados: apesar da mulher negra ser maioria na população, ainda assim está em desvantagem em relação à mulher não negra nos quesitos socioeconômicos. Tanto no DF quanto na PMB, as diferenças são acentuadas, uma vez que, apesar de quantitativamente a população de mulheres negras ser maior que a não negra, ainda assim a proporção de mulheres negras entre as com menor escolaridade é bem maior que a das não negras, levando-as a ocupar os postos de trabalho que exigem menor qualificação e consequentemente auferir menor renda. 1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: Distrito Federal e Goiás, microdados. Rio de Janeiro,

As mulheres no Distrito Federal e nos municípios metropolitanos

As mulheres no Distrito Federal e nos municípios metropolitanos As mulheres no Distrito Federal e nos municípios metropolitanos Perfis da desigualdade VERSÃO PRELIMINAR BRASÍLIA MARÇO/2015 Companhia de Planejamento do Distrito Federal Codeplan SAM, Bloco H, Ed. Codeplan

Leia mais

Analfabetismo no Brasil: Tendências, Perfil e Efetividade dos Programas de Alfabetização de Adultos. Reynaldo Fernandes. Inep/MEC e FEA-RP/USP

Analfabetismo no Brasil: Tendências, Perfil e Efetividade dos Programas de Alfabetização de Adultos. Reynaldo Fernandes. Inep/MEC e FEA-RP/USP Analfabetismo no Brasil: Tendências, Perfil e Efetividade dos Programas de Alfabetização de Adultos Reynaldo Fernandes Inep/MEC e FEA-RP/USP Evolução dos indicadores de analfabetismo no Brasil Tabela 1

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2012 O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 Em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego podem

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 *

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * Lucilene Dias Cordeiro Mônica de Oliveira Marques França Resumo: O estudo pretende analisar o fluxo migratório na Área Metropolitana

Leia mais

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NO MUNICÍPIO DE PELOTAS

EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NO MUNICÍPIO DE PELOTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA - UFPEL INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA INFORMAÇÃO - FURG OBSERVATÓRIO SOCIAL DO TRABALHO NÚCLEO DE ANÁLISES URBANAS - NAU

Leia mais

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2011 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado A população

Leia mais

GÊNERO E RAÇA NO ACESSO AOS CARGOS DE CHEFIA NO BRASIL 2007

GÊNERO E RAÇA NO ACESSO AOS CARGOS DE CHEFIA NO BRASIL 2007 GÊNERO E RAÇA NO ACESSO AOS CARGOS DE CHEFIA NO BRASIL 2007 Bárbara Castilho 1 Estatísticas evidenciam desigualdades sociais entre homens e mulheres e entre indivíduos de distintas características de cor

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

SEMINÁRIO TRABALHO E EMPREENDEDORISMO DA MULHER. Dados Estatísticos

SEMINÁRIO TRABALHO E EMPREENDEDORISMO DA MULHER. Dados Estatísticos SEMINÁRIO TRABALHO E EMPREENDEDORISMO DA MULHER Dados Estatísticos Características da População de Taguatinga, Brazlândia, Vila Estrutural e Ceilândia População Residente Taguatinga, Brazlândia, Vila Estrutural

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2011 06 2011 PANORAMA GERAL Os microempreendedores

Leia mais

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução fotos saiba mais De 2014 para 2015, houve, pela primeira vez em 11 anos, queda nos rendimentos reais (corrigidos pela inflação).

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

Palavras-chave: Arranjos domiciliares; Benefício de Prestação Continuada; Idoso; PNAD

Palavras-chave: Arranjos domiciliares; Benefício de Prestação Continuada; Idoso; PNAD Idosos atendidos pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC) que vivem em domicílios com outros rendimentos: perfil sociodemográfico e comparação com os idosos que vivem em domicílios com presença de

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, data consagrada

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 11 Resultados de novembro de 2014 TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA 1. As informações produzidas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego PED no Distrito

Leia mais

Demografia População residente por situação do domicílio (urbana e rural) e sexo a 2025

Demografia População residente por situação do domicílio (urbana e rural) e sexo a 2025 2 Demografia 2.1 População 2.1.1 População residente por situação do domicílio (urbana e rural) e sexo - 1970 a 2025 ANO População total Urbana Rural Homens Mulheres 1970 100.275 86.492 13.783 49.186 51.089

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados 1 RAIS: 1. A RAIS - Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto nº 76.900/75, com declaração

Leia mais

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho 1 Pesquisa Mensal de Emprego Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre 2003-2008 Rio de Janeiro

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional Rio de Janeiro, 13/11/2015 Abrangência nacional Características Temas investigados no questionário básico Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 211 Mercado de trabalho Janeiro de 213 RESULTADOS DA PNAD 211 MERCADO DE TRABALHO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio

Leia mais

Salário Mínimo: trajetória recente

Salário Mínimo: trajetória recente Salário Mínimo: trajetória recente Elevação do SM: conquista das Centrais Sindicais aumentos expressivos em 2005, 2006 e 2007 e política de valorização a partir de 2008 (lei em 2011) Contrariamente à visão

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Aspectos Metodológicos da Pesquisa em São Paulo

Aspectos Metodológicos da Pesquisa em São Paulo Campo Limpo Capão Redondo Fonte: Fundação IBGE, Censo Demográfico 2000. Campo Limpo Capão Redondo Município de São Paulo 2008* 2000** Taxa Geométrica de Crescimento* 213.197 (1,95%) 191.527 (1,18%) * Fundação

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Goiás A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

Diferenciais Socioespaciais da População sem Registro Civil de Nascimento: uma análise das informações do Censo Demográfico 2010

Diferenciais Socioespaciais da População sem Registro Civil de Nascimento: uma análise das informações do Censo Demográfico 2010 Diferenciais Socioespaciais da População sem Registro Civil de Nascimento: uma análise das informações do Censo Demográfico 2010 Claudio Dutra Crespo Palavras-chave : subregistro de nascimento, censo 2010,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 - Número Especial MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 Os valores aqui apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais indicadores

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

AVALIAÇÃO SÓCIOECONÔMICA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS POR MEIO DA ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA

AVALIAÇÃO SÓCIOECONÔMICA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS POR MEIO DA ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA AVALIAÇÃO SÓCIOECONÔMICA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS POR MEIO DA ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA Heverton Rodrigues Fernandes 1, Nádia Giaretta Biase 2, Maria Imaculada de Sousa Silva

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL. Mercado de trabalho no Distrito Federal em 2011

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL. Mercado de trabalho no Distrito Federal em 2011 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL Mercado de trabalho no em 2011 Os resultados apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais indicadores da Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Os estudos contemporâneos sobre desigualdades raciais no Brasil Raça, desigualdades e política no Brasil contemporâneo. Aula 9 -

Os estudos contemporâneos sobre desigualdades raciais no Brasil Raça, desigualdades e política no Brasil contemporâneo. Aula 9 - Os estudos contemporâneos sobre desigualdades raciais no Brasil Raça, desigualdades e política no Brasil contemporâneo. Aula 9 - Roteiro O modelo de realização socioeconômica de Carlos Hasenbalg e Nelson

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Outubro 2010

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Outubro 2010 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Outubro 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº %

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº % Quanto à existência de Plano de Saúde observa-se em Ceilândia que 80,9% não contam com este serviço, enquanto 11,0% possui plano empresarial, o que é previsível dado o expressivo percentual de domicílios

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE REFORMA DA PREVIDÊNCIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE REFORMA DA PREVIDÊNCIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE REFORMA DA PREVIDÊNCIA FEVEREIRO DE 2016 JOB0112 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é investigar o conhecimento e percepção

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher

REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher Edição Especial INSERÇÃO DAS MULHERES DE ENSINO SUPERIOR NO MERCADO DE TRABALHO Introdução De maneira geral, as mulheres

Leia mais

Capítulo 4 Mestres, doutores e os brasileiros de todos os níveis educacionais: revelações do Censo 2010

Capítulo 4 Mestres, doutores e os brasileiros de todos os níveis educacionais: revelações do Censo 2010 Capítulo 4 Mestres, doutores e os brasileiros de todos os níveis educacionais: revelações do Censo 2010 Eduardo Baumgratz Viotti Consultor legislativo do Senado Federal (licenciado) e pesquisador associado

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE 2011 Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável De acordo com as informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

Relatório sobre a realidade juvenil no município de Campinas. 18 outubro 2013

Relatório sobre a realidade juvenil no município de Campinas. 18 outubro 2013 Relatório sobre a realidade juvenil no município de Campinas 18 outubro 2013 22/11/2013 1 A juventude em Campinas Fatos relevantes 170 mil jovens (15% da população) 20% são chefes de família (de 18 a 24

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2016 MARÇO - 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal Inúmeras têm sido as abordagens sobre a crescente

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Estabelecimentos e Empregos nas Micro e Pequenas Empresas 1

Estabelecimentos e Empregos nas Micro e Pequenas Empresas 1 Estabelecimentos e Empregos nas Micro e Pequenas Empresas 1 Neste texto é analisada exclusivamente a base de dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), com destaque para algumas características

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE SATISFAÇÃO COM A DEMOCRACIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE SATISFAÇÃO COM A DEMOCRACIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE SATISFAÇÃO COM A DEMOCRACIA SETEMBRO DE 2015 JOB1250 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é monitorar a satisfação com

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Curitiba, PR 08/07/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 437,42 km² IDHM 2010 0,823 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 1751907

Leia mais

Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década ( ) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008

Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década ( ) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008 Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década (1998-2007) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de

Leia mais

A situação da mulher no mercado de trabalho

A situação da mulher no mercado de trabalho Secretaria de Política para as Mulheres Curso de Formação Módulo III UNICAMP-CESIT/SNMT-CUT A situação da mulher no mercado de trabalho Eugênia Troncoso Leone Professora Instituto de Economia da Unicamp

Leia mais

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana

Leia mais

DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL

DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 12 Resultados de dezembro de 2014 DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa de desemprego total

Leia mais

PLURIATIVIDADE E RENDA NO MEIO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLURIATIVIDADE E RENDA NO MEIO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLURIATIVIDADE E RENDA NO MEIO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Neste trabalho analisa-se a participação das atividades não-agrícolas no meio rural do Estado do Rio de Janeiro, observando-se dois grupos:

Leia mais

Síntese Informativa de Indicadores Socioeconômicos e Educacionais da Região de Guajará-Mirim e Nova Mamoré SIM

Síntese Informativa de Indicadores Socioeconômicos e Educacionais da Região de Guajará-Mirim e Nova Mamoré SIM Síntese Informativa de Indicadores Socioeconômicos e Educacionais da Região de Guajará-Mirim e Nova Mamoré SIM Porto Velho, Fevereiro de 2016 1 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Retrospectiva 2003-2011 9 anos 1 1, 26/01/2012 1 Produz indicadores mensais sobre a força de trabalho que permitem avaliar as flutuações e a tendência, a médio e a longo prazos,

Leia mais

O MAPA DA EXTREMA INDIGÊNCIA NO CEARÁ E O CUSTO FINANCEIRO DE SUA EXTINÇÃO

O MAPA DA EXTREMA INDIGÊNCIA NO CEARÁ E O CUSTO FINANCEIRO DE SUA EXTINÇÃO CAEN-UFC RELATÓRIO DE PESQUISA Nº5 O MAPA DA EXTREMA INDIGÊNCIA NO CEARÁ E O CUSTO FINANCEIRO DE SUA EXTINÇÃO (Apresenta um Comparativo com os Estados Brasileiros) Autores da Pesquisa Flávio Ataliba Barreto

Leia mais

Anuário. Educação. Profissional da. Volume II Bahia

Anuário. Educação. Profissional da. Volume II Bahia da Anuário Educação Profissional da Bahia Volume II - 2012 DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Anuário da Educação Profissional da Bahia (Volume II) Salvador, 2012

Leia mais

no mercado de trabalho

no mercado de trabalho A Desigualdade de Gênero no mercado de trabalho Eugenia Troncoso Leone 1 Agradeço ao GT Gênero da Abep a oportunidade de participar desta mesa redonda e agradeço, principalmente, a Moema Guedes que me

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

RENDIMENTO COMO MEDIDA? UMA AVALIAÇÃO DOS ÚLTIMOS CENSOS DEMOGRÁFICOS NAS CIDADES DE BRASÍLIA, RIO DE JANEIRO E BELÉM (2000 e 2010).

RENDIMENTO COMO MEDIDA? UMA AVALIAÇÃO DOS ÚLTIMOS CENSOS DEMOGRÁFICOS NAS CIDADES DE BRASÍLIA, RIO DE JANEIRO E BELÉM (2000 e 2010). RENDIMENTO COMO MEDIDA? UMA AVALIAÇÃO DOS ÚLTIMOS CENSOS DEMOGRÁFICOS NAS CIDADES DE BRASÍLIA, RIO DE JANEIRO E BELÉM (2000 e 2010). Área Temática: População, gênero e identidade Valéria Grace Costa Fundação

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

A INSERÇÃO PRODUTIVA DOS NEGROS NOS

A INSERÇÃO PRODUTIVA DOS NEGROS NOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2016 A INSERÇÃO PRODUTIVA DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência

Leia mais

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal Dia da Comunidade Luso-Brasileira (22 de Abril) Censos 11 19 de abril de 13 Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal De acordo com os Censos 11, na última década a comunidade

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

Panorama do Mercado de Trabalho. Centro de Políticas Públicas do Insper

Panorama do Mercado de Trabalho. Centro de Políticas Públicas do Insper Panorama do Mercado de Trabalho Centro de Políticas Públicas do Insper Março de 2017 Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho e difundir informações

Leia mais

Mercado de Trabalho INDICADORES GERAIS. Ortigueira Aspectos sócio-econômicos MERCADO DE TRABALHO

Mercado de Trabalho INDICADORES GERAIS. Ortigueira Aspectos sócio-econômicos MERCADO DE TRABALHO Mercado de Trabalho A leitura do mercado de trabalho foi embasada em dados de empregos formais, trabalhados pelos dados do RAIS (Relação Anula de Informações Sociais), agência do trabalhador e CAGED (Cadastro

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO As informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE. Março de Brasil, em .

O EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE. Março de Brasil, em <www.oitbrasil.org.br>. O EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Março de 2010 O trabalho doméstico é exercido predominantemente por mulheres. Esta é, portanto, uma atividade histórica e culturalmente ligada

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Belo Horizonte

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Belo Horizonte PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A inserção da população negra no mercado de trabalho da Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela

Leia mais

Vestibular na USP e Inclusão Social

Vestibular na USP e Inclusão Social Vestibular na USP e Inclusão Social Os dados a seguir mostram um claro progresso na inclusão social entre os alunos ingressantes na Universidade de São Paulo. Em essência, revelam sucesso, ainda que parcial,

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2013

OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2013 NOTA CONJUNTURAL FORMALIZAÇÃO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS no Estado do Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2013 20 2013 PANORAMA GERAL No Brasil,

Leia mais

A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde

A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde Fernanda Lopes Rio de Janeiro, maio de 2011 O mandato do UNFPA

Leia mais

Panorama do Mercado de Trabalho Brasileiro

Panorama do Mercado de Trabalho Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Março de 2014 Panorama Educacional Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho e difundir informações

Leia mais

Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça 1995 a 2015

Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça 1995 a 2015 Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça 1 O Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, estudo que o Ipea produz desde 2004 em parceria com a ONU Mulheres, tem como objetivo disponibilizar dados sobre

Leia mais

Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial

Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial 1 Introducão Mônica Josélly Gonçalves Soares 1 Marinalva Cardoso Maciel 2 Natália Cyntia Cordeiro 3

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE 2011 Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento Em março, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou crescimento

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper

Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua Centro de Políticas Públicas do Insper Dezembro de 2016 Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho

Leia mais

Características Conjunturais do Emprego no Comércio Varejista de Araraquara

Características Conjunturais do Emprego no Comércio Varejista de Araraquara Características Conjunturais do Emprego no Comércio Varejista de Araraquara Délis Magalhães Economista do Sincomércio Araraquara em parceria com Núcleo de Extensão em Conjuntura e Estudos Econômicos (NECEE)

Leia mais

AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO

AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 04 Resultados de abril de 2015 AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria de Estado

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

8 dados que mostram o abismo social entre negros e brancos

8 dados que mostram o abismo social entre negros e brancos 8 dados que mostram o abismo social entre negros e brancos Fonte: Exame.com São Paulo - A população negra brasileira ainda enfrenta um abismo de desigualdade. São os negros as maiores vítimas da violência

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Maio de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 JUNHO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 02/ 2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 02/ 2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 02/ 2012 Diferenciais de inserção no mercado de trabalho de beneficiários e não beneficiários do Programa Bolsa Família segundo o Censo Demográfico 2010 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil

Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Ricardo Paes de Barros DIPES/IPEA Rosane Mendonça UFF/IPEA Gostaríamos de agradecer a toda a nossa equipe no IPEA pelo excelente trabalho de assistência

Leia mais

JUVENTUDE POR QUE MONITORAR INDICADORES DE JUVENTUDE? Juventude é um segmento da população brasileira de 15 a 29 anos caracterizado por representar um momento da vida com muitas inquietações e descobertas.

Leia mais

Capítulo III. Demografia. SBC Detroit Brasileira Pierino Massenzi 1996, óleo sobre tela 100 x 100 cm 69

Capítulo III. Demografia. SBC Detroit Brasileira Pierino Massenzi 1996, óleo sobre tela 100 x 100 cm 69 demografia História Capítulo III Demografia SBC Detroit Brasileira Pierino Massenzi 1996, óleo sobre tela 100 x 100 cm 69 sumário de dados 2012 São Bernardo do campo Características gerais da população

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

Indicadores IBGE O TRABALHO A PARTIR DOS 50 ANOS DE IDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

Indicadores IBGE O TRABALHO A PARTIR DOS 50 ANOS DE IDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO Indicadores IBGE O TRABALHO A PARTIR DOS 50 ANOS DE IDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO (RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO E PORTO ALEGRE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Salvador: Transformações Sociais e Demográficas

Salvador: Transformações Sociais e Demográficas Leitura de Bordo No. 06 (*) NOTA TEMÁTICA Salvador: Transformações Sociais e Demográficas Gilberto Corso (**) Em termos de densidade populacional, o estado da Bahia apresenta uma nítida concentração espacial

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Entorno do DF Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor

Leia mais