A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013"

Transcrição

1 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana de Brasília.

2 1. INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é tema de vários estudos que procuram compreender a transição demográfica e epidemiológica, a fim de contribuir para a formulação de políticas públicas que visem a melhoria da qualidade de vida. Compreender a mortalidade da população idosa vai de encontro às necessidades de conhecimento das fragilidades dessa população, cada vez mais numerosa, bem como as causas que levam esse grupo ao óbito. Estas análises possibilitarão conhecer a evolução da mortalidade em ambas as localidades estudadas, suas similaridades e suas diferenças de forma a melhor orientar os gestores na adoção de medidas preventivas, principalmente em relação às causas de morte evitáveis. O objetivo deste estudo foi analisar a evolução da mortalidade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília PMB 2 da população de 60 anos e mais, entre 2000 e 2013, considerando os agrupamentos de causas de morte elaborados pela Organização Mundial de Saúde. 2. MATERIAL E MÉTODOS As análises realizadas referem-se à mortalidade da população de 60 anos e mais, no período de 2000 a Os dados utilizados neste trabalho são provenientes do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), sistema gerido pelo Departamento de Análise de Situação de Saúde da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, em conjunto com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. Estas informações estão disponibilizadas no site do Departamento de Informática do SUS Datasus (www.datasus.gov.br). As causas de morte são agrupadas segundo o Código Internacional de (CID), que permite que as classificações sejam utilizadas de forma padronizada em todo o mundo. Como são realizadas atualizações periódicas, a partir de 1996 passou-se a utilizar a CID-10, por estar na sua 10ª revisão, a partir da qual passou a ter a seguinte denominação: Classificação Estatística Internacional de e Problemas Relacionados à Saúde CID Considerou-se para este estudo como sendo a Periferia Metropolitana de Brasília PMB, o conjunto dos municípios limítrofes do Distrito Federal, a saber: Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso de Goiás. 1

3 Para a classificação das causas de óbito foram utilizados os capítulos da CID 10 e a lista de categorias de causas de morte proposta pela Organização Mundial de Saúde-OMS (Becker et al, 2006). Inicialmente, será apresentado o ranking de morte dos idosos considerando os capítulos da CID-10. A partir da lista da OMS, que por agrupar as categorias de causas de morte de forma mais detalhada, será possível identificar grupos de causas de morte mais específicos. Assim, será também apresentado o ranking das 10 principais causas de morte para o DF e para a PMB, considerando a lista proposta pela OMS. A partir dessa lista, foi calculada a taxa específica de mortalidade ou risco (TEM) 3, por sexo das pessoas com 60 anos e mais de idade.. Para a análise de risco foram considerados os óbitos em dois períodos a fim de obtermos informações robustas passíveis de análises comparativas, de forma a analisar a evolução do risco de morte em dois pontos da década. Os períodos considerados foram os seguintes triênios: o primeiro triênio, no início da década, considerando os dados dos anos 2000 a 2002; e o segundo triênio considerando as informações mais recentes disponíveis, que foi o período entre 2011 e Para tanto se considerou a média de óbitos dos triênios e a população com 60 anos e mais no meio de cada período. Neste caso, a população de 2001 para o primeiro triênio e a população de 2012, para o segundo triênio. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dentre os óbitos das pessoas de 60 anos e mais, verificou-se em todo o período, tanto no Distrito Federal quanto na PMB, maior participação das mortes por doenças do aparelho circulatório, neoplasias e doenças do aparelho respiratório. No período analisado, houve um aumento do peso das causas externas, que passou a ser a sexta causa de morte tanto no Distrito Federal quanto na PMB (Quadro 1 e Quadro 2). Há que se destacar o fato das causas mal definidas ainda estarem entre as 10 principais causas de óbitos tanto em 2000 quanto em 2013 na PMB, enquanto que, no Distrito Federal, este grupo de causa deixou de constar na lista dos 10 principais grupos de causa de morte em 2013 (Quadro 1 e Quadro 2). 3 A taxa de mortalidade (ou risco) é dada pela razão de óbitos de determinada causa, sexo e idade e a população residente do mesmo sexo e faixa de idade. Essa taxa é dada pela razão entre o número de óbitos pela causa analisada e a população da faixa de idade estudada, ajustada ao meio do ano, multiplicada por 100 mil. 2

4 Quadro 1 - das principais causas de morte da população de 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. DF e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 X. do aparelho respiratório 3 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 XI. do aparelho digestivo 5 XI. do aparelho digestivo 6 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XVIII. mal definidas 7 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 8 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 VI. do sistema nervoso 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 XIV. do aparelho geniturinário 10 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais. Quadro 2 - das principais causas de morte da população de 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. PMB e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 XVIII. mal definidas 3 X. do aparelho respiratório 4 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XI. do aparelho digestivo 8 XI. do aparelho digestivo 8 XVIII. mal definidas 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 VI. do sistema nervoso 10 VI. do sistema nervoso 10 XIV. do aparelho geniturinário Considerando os diferenciais por sexo, foram poucas as diferenças entre homens e mulheres tanto no DF quanto na PMB. Em 2000, os mesmos capítulos da CI 10 aparecem tanto para homens, quanto para mulheres. Na PMB, a diferença, foi que, entre os homens, os transtornos mentais aparecem entre as principais causas de morte e, entre as mulheres, foi o capítulo de doenças do sistema nervoso (Quadros 2,1a 2.4). Em 2013, os capítulos da CID 10 são os mesmos para ambos os sexos no DF e na PMB, exceto pelo fato de aparecer o capítulo das causas externas apenas PMB para homens e mulheres (Quadros 2,1a 2.4). 3

5 Quadro das principais causas de morte de homens com 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. DF e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 X. do aparelho respiratório 3 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 XI. do aparelho digestivo 5 XI. do aparelho digestivo 6 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 8 XVIII. mal definidas 8 VI. do sistema nervoso 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 XIV. do aparelho geniturinário 10 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais Quadro das principais causas de morte de mulheres com 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. DF e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 3 X. do aparelho respiratório 4 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 5 XI. do aparelho digestivo 6 XI. do aparelho digestivo 6 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 7 XVIII. mal definidas 7 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 VI. do sistema nervoso 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 XIV. do aparelho geniturinário 10 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais Quadro das principais causas de morte de homens, segundo capítulos da CID-10. PMB e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 XVIII. mal definidas 3 X. do aparelho respiratório 4 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 7 XI. do aparelho digestivo 8 XI. do aparelho digestivo 8 XVIII. mal definidas 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais 10 XIV. do aparelho geniturinário. 4

6 Quadro das principais causas de morte de homens, segundo capítulos da CID-10. PMB e XIV. do aparelho geniturinário 10 XIV. do aparelho geniturinário Riscos de Morte Distrito Federal Os resultados mostraram que, no DF, a mortalidade de idosos caiu 14,11%, entre os triênios considerados. Foram mortes para cada 100 mil idosos no 2º triênio, contra mortes para cada 100 mil no 1º. Na PMB, a redução do risco de morte foi menor: 3,38%, passando de 3.439/100 mil pra para cada 100 mil idosos. Foi observado que, enquanto no 1º triênio a chance de morte das pessoas com 60 anos e mais foi maior no DF, no triênio , o risco passa a ser maior na PMB, tanto para homens quanto para as mulheres. Considerando os diferenciais por sexo, observou-se que em ambas as localidades, o risco de morte dos idosos do sexo masculino foi maior (Tabela 1). 1 IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 XVIII. mal definidas 3 X. do aparelho respiratório 4 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 X. do aparelho respiratório 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XI. do aparelho digestivo 7 XI. do aparelho digestivo 8 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 VI. do sistema nervoso 9 VI. do sistema nervoso 9 XVIII. mal definidas Tabela 1: Taxas Específicas de Mortalidade da população de 60 anos e mais segundo sexo e razão de risco. Distrito Federal e Periferia Metropolitana de Brasília, triênios e (por 100 mil) Localidade Homens Mulheres Total Razão de Risco (Homem/Mulher) Homens Mulheres Total Razão de Risco (Homem/Mulher) DF , ,32 PMB , ,24 Considerando a lista das principais causas de morte proposta pela OMS, para os triênios e , verificou-se que, no Distrito Federal, no 1º triênio, o principal grupo causa de morte da população com 60 anos e mais de idade foi de doenças cerebrovasculares, cuja TEM encontrada foi de 458,47/100 mil idosos, seguido das 5

7 doenças isquêmicas do coração, com 399,60/100 mil e diabetes, com 239,04/100 mil. No 2º triênio, o ranking das dez principais causas de morte pouco muda. No entanto, enquanto quase todas as causas apresentaram redução nos risco de morte dos idosos, o grupo de causas influenza e pneumonia apresentou aumento de 58,10% na chance de morte da população estudada. As doenças crônicas das vias aéreas inferiores registraram aumento de 32,96% nas taxas de morte. A demência e doenças de Alzheimer, que no período não haviam aparecido entre as primeiras causas de morte, aparecem entre as principais causas e o aumento da chance de um idoso vir a óbito, aumenta em cinco vezes quando comparado ao 1º triênio. (Tabelas 2a e 2b) Tabela 2a: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,29 mal definidas ,15 Total de óbitos por causas definidas ,14 1 cerebrovascular (I60-I69) ,47 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,60 3 Diabetes (E10-E14) ,04 4 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,31 5 hipertensivas (I10-I15) ,66 6 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,15 7 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,12 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,98 9 Cardiomiopatias (I42) 10 Demência e doenças de Alzheimer (F01, F03, G30) ,24 Tabela 2b: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,17 mal definidas 50 24,55 Total de óbitos por causas definidas ,62 1 cerebrovascular (I60-I69) ,94 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,64 3 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,00 4 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,33 5 Diabetes (E10-E14) ,02 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,56 7 hipertensivas (I10-I15) ,25 8 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) ,76 9 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, ,10 A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 10 Demência e doenças de Alzheimer (F01, F03, G30) ,24. 6

8 Entre os homens, observou-se que, praticamente todas as dez principais causas no triênio , se repetiram no período , O único grupo de causas que apareceu no 1º triênio e não mais no 2º, foi o das cardiomiopatias. E aquele que só apareceu no 2º triênio foi o da Insuficiência cardíaca e complicações e doenças cardíacas mal definidas, cuja TEM passou de 130,48/100 mil homens com mais de 60 anos de idade para 213,53/100 mil, representando um aumento de 63,65% no período. O outro grupo de causa que apresentou aumento foi o de influenza e pneumonia, cujo risco de morte aumentou 41,83% entre os triênios (Tabelas 3a e 3b) Tabela 3a: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,08 mal definidas ,67 Total de óbitos por causas definidas ,41 1 cerebrovascular (I60-I69) ,83 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,82 3 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,88 4 Diabetes (E10-E14) ,81 5 Neopl malig da prostata (C61) ,58 6 hipertensivas (I10-I15) ,57 7 Cardiomiopatias (I42) ,55 8 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,55 9 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) ,52 10 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75- A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,52 Tabela 3b: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,84 mal definidas 24 27,41 Total de óbitos por causas definidas ,44 1 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,54 2 cerebrovascular (I60-I69) ,97 3 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,53 4 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,53 5 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,41 6 Diabetes (E10-E14) ,85 7 Neopl malig da prostata (C61) ,16 8 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) ,32 9 hipertensivas (I10-I15) ,63 10 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 72 82,22 Entre as mulheres com 60 anos e mais, os dez principais grupos de causas de morte, pouco mudou entre os triênios estudados. Assim como o verificado na população 7

9 masculina, as cardiomiopatias, que se destacou no 1º triênio, deixa estar entre as principais causas de morte. No entanto, observou-se aumento no risco de morte em alguns grupos. A chance de uma mulher nessa faixa de idade vir a óbito por influenza e pneumonia aumentou 70,84% entre os triênios considerados. A TEM por Insuficiência cardíaca e complicações e doenças cardíacas mal definidas passou de 131,63 para 144,75 por 100 mil idosas, representando um aumento de 9,97%. No entanto o que mais chamou a atenção para as mulheres nessa faixa de idade foi o aumento do risco de morte por demência ou risco de Alzheimer. No 1º triênio a TEM dessa causa foi de 16,05 para cada 100 mil idosas. No triênio , a chance de morte por essa causa aumentou 4,9 vezes, passando a 78,40 para cada cem mil (Tabelas 4a e 4b) Tabela 4a: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos (média ) Taxa de mortalidade (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,64 mal definidas ,73 Total de óbitos por causas definidas ,91 1 cerebrovascular (I60-I69) ,99 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,86 3 Diabetes (E10-E14) ,23 4 hipertensivas (I10-I15) ,73 5 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,07 6 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,63 7 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,63 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82- A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,76 9 Cardiomiopatias (I42) 53 85,08 10 Neoplasia maligna da mama (C50) 43 69,02 8

10 Tabela 4b: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (óbitos/ (média ) hab.) Total de óbitos ,32 mal definidas 26 22,40 Total de óbitos por causas definidas ,92 1 cerebrovascular (I60-I69) ,00 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,35 3 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,87 4 Diabetes (E10-E14) ,09 5 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,75 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,44 7 hipertensivas (I10-I15) ,33 8 Neoplasia maligna da mama (C50) 95 81,85 9 Demência e doenças de Alzheimer (F01, F03, G30) 91 78,40 10 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 85 73,23 Ao se comparar as principais causas de morte, verificaram-se semelhanças no ranking das dez principais entre homens e mulheres com 60 anos e mais em ambos os triênios analisados, sendo que as taxas de mortalidade foram maiores para o sexo masculino. No triênio , os riscos de morte são maiores para os homens na maioria das causas, exceto para diabetes e doenças hipertensivas. No período , há uma inversão das TEM por essa causa de morte, uma vez que, o risco dos homens passa a ser maior que o das mulheres. Por outro lado, as mulheres com 60 anos e mais passam a ter maiores chances de óbito por influenza e pneumonia (Figuras 1a e 1b). 500,00 450,00 497,83 426,99 493,82 400,00 350,00 325,86 Homens Mulheres 300,00 250,00 200,00 150,00 238,88 146,07 218,81 255,23 154,57 163,73 150,55 131,63 140,52 110,76 100,00 50,00 - cerebrovascular hisquêmicas do coração crônicas das vias aéreas inferiores Diabetes hipertensivas Influenza e pneumonia Algumas bacterianas, virais e de protozoários Figura 1a: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Distrito Federal, triênio (por 100 mil) 9

11 500,00 450,00 400,00 374,54 369,97 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 234,35 305,00 213,53 144,75 213,53 224,87 188,41 140,44 175,85 155,09 101,63 91,33 Homens Mulheres 82,22 73,23 50,00 - hisquêmicas do coração cerebrovascular Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. Influenza e pneumonia crônicas das vias aéreas inferiores Diabetes hipertensivas Algumas bacterianas, virais e de protozoários Figura 1b: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Periferia Metropolitana de Brasília - PMB Na PMB, o que chamou a atenção foi o elevado número de óbitos por causas mal definidas em ambos os triênios considerados. No período , esse grupo de causa de morte ficou em primeiro lugar e em Apesar da redução de 45,62% entre os triênios, permaneceu em terceiro, com uma TEM de 230,51/100 mil idosos (Tabelas 5a e 5b). Em ambos os períodos, a lista das principais causas de morte se assemelham à do DF. No triênio , a principal causa de morte dos idosos na PMB foi o das doenças cerebrovasculares, cujo risco de morte foi de 404,92 para casa 100 mil pessoas com 60 anos e mais de idade. As doenças isquêmicas do coração e o grupo das doenças bacterianas, virais e de protozoários, que só tiveram óbitos notificados decorrentes da doença de chagas, apareceram em segundo e terceiro lugar, com TEM de 300,52/100 mil e 234,10/100 mil, respectivamente (Tabela 5a). 10

12 Tabela 5a: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Total de óbitos ,68 mal definidas ,90 Total de óbitos por causas definidas ,77 1 cerebrovascular (I60-I69) ,92 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,53 3 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,10 4 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,62 5 Diabetes (E10-E14) ,13 6 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,81 7 hipertensivas (I10-I15) ,66 8 Cardiomiopatias (I42) ,05 9 Influenza e pneumonia (J10-J18) 30 94,90 10 Neopl malig da prostata (C61) 20 63,27 No triênio , o risco de morte por causas mal definidas ficou em terceiro lugar (de cada 100 mil óbitos de idosos residentes na PMB, 230,51 eram por causas mal definidas), considerando todos os grupos de causas de morte segundo a OMS (Tabela 5). No período , o risco de morte em alguns grupos de causa foi muito superior na PMB, como as doenças hipertensivas aonde a chance dos idosos virem a óbito foi 2,17 vezes maior que no DF, assim como a TEM por doenças bacterianas (que neste caso se resumiram ás doenças de chagas) cujo risco de morte foi 1,62 vezes maior na PMB. O diabetes, terceira causa de morte entre a população de 60 anos e mais residentes na PMB, cuja TEM foi de 228,84 por 100 mil, foi 1,4 vezes maior que a observada no DF (Tabela 5b). Óbitos (média ) Taxa de mortalidade (óbitos/ hab.) 11

13 Tabela 5b: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,36 mal definidas ,18 Total de óbitos por causas definidas ,51 1 cerebrovascular (I60-I69) ,61 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,72 3 Diabetes (E10-E14) ,84 4 hipertensivas (I10-I15) ,80 5 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,09 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,40 7 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,96 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 9 do sistema urinário (N00-N39) 40 66,81 10 Cardiomiopatias (I42) 40 66,81 Entre os homens com 60 anos e mais residentes na PMB, as causas mal definidas apareceram em primeiro lugar no 1º triênio e em terceiro no 2º. Dentre as 10 principais causas definidas de morte, destacaram-se, em ambos os períodos estudados, as doenças cerebrovasculares, as isquêmicas. Na primeira, para cada 100 mil homens com 60 anos ou mais, o risco de morte foi de 432,90, entre No triênio , esse risco aumentou 4,02%, passando para 450,30% para cada 100 mil. Na segunda principal causa de morte doenças isquêmicas, a chance de um idoso vir a óbito foi de 307,42/100 mil, no 1º triênio. No período , esse risco aumentou 18,73%, passando para 365,01/100mil. Entre as 10 principais causas, a chance de um homem idoso vir a óbito por diabetes, aumentou 40,46% entre os triênios estudados e o risco de morte por influenza e pneumonia dobrou no mesmo período (Tabelas 6a e 6b) ,28 12

14 Tabela 6a: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,08 mal definidas ,27 Total de óbitos por causas definidas ,81 1 cerebrovascular (I60-I69) ,90 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,42 3 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,96 4 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,41 5 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,49 6 hipertensivas (I10-I15) ,67 7 Diabetes (E10-E14) ,57 8 Neopl malig da prostata (C61) ,48 9 Cardiomiopatias (I42) ,93 10 Influenza e pneumonia (J10-J18) 15 94,11 Tabela 6b: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,84 mal definidas ,08 Total de óbitos por causas definidas ,75 1 cerebrovascular (I60-I69) ,30 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,01 3 Diabetes (E10-E14) ,50 4 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,27 5 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,86 6 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,28 7 Neopl malig da prostata (C61) ,22 8 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,28 9 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) 24 81,87 10 Cardiomiopatias (I42) 23 78,46 Entre as mulheres residentes na PMB, em ambos os triênios estudados, observou-se que as dez principais causas de morte são quase as mesmas verificadas para os homens na mesma faixa etária. Também se destacaram as doenças cerebrovasculares, cuja TEM foi de 376,47/100 mil (entre ) e de 405,85 por 100 mil no triênio , e as isquêmicas do coração, que figuraram em segundo lugar, em ambos os período considerados (Tabelas 7a e 7b). 13

15 Chamou a atenção o risco de morte das mulheres com mais de 60 anos por doenças do sistema urinário, que dobrou entre os períodos estudados, passando de 25,52/100 mil para 130,83 por 100 mil (Tabelas 7a e 7b). Tabela 7a: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média ) Total de óbitos ,83 mal definidas ,85 Total de óbitos por causas definidas ,99 1 cerebrovascular (I60-I69) ,47 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,52 3 Diabetes (E10-E14) ,47 4 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,33 5 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,04 6 hipertensivas (I10-I15) ,52 7 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,52 8 Cardiomiopatias (I42) ,24 9 Influenza e pneumonia (J10-J18) 15 95,71 10 Neoplasia maligna do útero (C53-C55) 10 63,81 Tabela 7b: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ Total de óbitos ,43 mal definidas ,11 Total de óbitos por causas definidas ,05 1 cerebrovascular (I60-I69) ,85 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,02 3 Diabetes (E10-E14) ,57 4 hipertensivas (I10-I15) ,29 5 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,38 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,20 7 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,38 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,10 9 do sistema urinário (N00-N39) 18 58,91 10 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) 17 54,55 Assim como no DF, ao se comparar os riscos de morte das dez principais causas entre homens e mulheres da mesma faixa etária, residentes na PMB, verificou-se que, na maioria delas as chances de morte foram maiores para os homens. No 1º triênio, os riscos das mulheres são maiores, apenas para diabetes e cardiomiopatias. No 2º triênio, considerando as principais causas de morte em comum a ambos os sexos, as mulheres só superaram os homens nas chances de óbito por diabetes (Figuras 2a e 2b) Taxa de mortalidade (óbitos/ hab.) 14

16 500,00 450,00 400,00 432,90 376,47 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 307,42 293,52 238,41 223,33 194,49 185,04 250,96 159,52 150,57 242,47 175,67 159,52 112,93 121,24 Homens Mulhers 94,11 95,71 50,00 - cerebrovascular hisquêmicas do coração Algumas bacterianas, virais e de protozoários Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. crônicas das vias aéreas inferiores Diabetes hipertensivas Cardiomiopatias Influenza e pneumonia Figura 2a: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) 500,00 450,00 400,00 450,30 405,85 365,01 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 288,02 211,50 246,57 201,27 158,20 197,86 184,38 143,28 109,10 143,28 136,38 Homens Mulhers 81,87 54,55 50,00 - cerebrovascular hisquêmicas do coração Diabetes crônicas das vias aéreas inferiores Influenza e pneumonia Algumas bacterianas, virais e de protozoários Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão Figura 2b: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O envelhecimento populacional traz consigo questionamentos acerca de como oferecer a essa população condições para vivenciar essa fase com qualidade. Nesse contexto, conhecer o processo de envelhecimento, muitas vezes acompanhado de doenças comuns à essa fase da vida, vem de encontro à necessidade de conhecer a evolução da mortalidade desse grupo populacional. 15

17 Neste sentido, as políticas públicas terão que enfrentar, por um lado, a situação das famílias e, por outro, a demanda por políticas de saúde que respondam eficazmente às necessidades da população com 60 anos ou mais. Os resultados apresentados mostram que, ainda persistem causas de morte devido a não melhoria da qualidade da assistência médica e do correto diagnóstico. As doenças do sistema circulatório se destacaram em ambas as localidades estudadas, mas chamou atenção a presença do diabetes na lista das principais causas de morte, principalmente entre as mulheres tanto no DF, quanto na PMB.O mesmo acontece com a influenza e pneumonia. Ambas podem ser controladas, o que aponta a necessidade de maior atenção a essas causas. A doença de chagas, que está incluída no grupo de Algumas bacterianas, virais e de protozoários, também se faz presente, de tal forma a incluir este grupo de causas entre as 10 principais. Há que se ressaltar o aumento considerável do risco de morte por demência e doenças de Alzheimer. No DF a chance de um idoso vir a óbito por esse grupo de causa aumentou 5,2 vezes entre os triênios estudados. Na PMB, apesar de não constar entre as dez principais, ficando em 16º lugar no período , o risco de morte por essa causa foi 13 vezes maior que o período anterior, uma vez que a TEM para o 2º triênio foi de 43,43/100 mil contra apenas 3,16/100 mil do 1º. Conforme a publicação da Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Área Técnica Saúde do Idoso do Ministério da Saúde de 2010: O preconceito contra a velhice e a negação da sociedade quanto a esse fenômeno colaboram para a dificuldade de se pensar políticas específicas para esse grupo. Ainda há os que pensam que se investe na infância e se gasta na velhice. Deve ser um compromisso de todo gestor em saúde compreender que, ainda que os custos de hospitalizações e cuidados prolongados sejam elevados na parcela idosa, também aí está se investindo na velhice. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério da Saúde. Datasus. Informações de Saúde: demográficas e socioeconômicas. Disponível em: visualizado em 30/3/2016. Organização Mundial da Saúde (OMS). CID 10. Tradução do Centro Colaborador da OMS para a Classificação de em Português. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, volume 2,

18 BECKER, R. et al. A method for deriving leading causes of death. Bulletin of the World Health Organization, [S.l.], v. 84, n. 4, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção à Saúde da Pessoa Idosa e Envelhecimento. Série Pactos pela Saúde. v. 12. p.39 17

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

João Paulo dos Reis Neto

João Paulo dos Reis Neto ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTERNAÇÕES POTENCIALMENTE EVITÁVEIS João Paulo dos Reis Neto Diretor-Técnico UNIDAS Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Compreendem grupos de problemas de saúde cujas

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 *

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * Lucilene Dias Cordeiro Mônica de Oliveira Marques França Resumo: O estudo pretende analisar o fluxo migratório na Área Metropolitana

Leia mais

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9 Tabela de conteúdo 1 Definição 2 Objectivo 3 Estrutura 4 Implementação 5 Publicações 6 Notas 7 Ver também 8 Data da criação desta página e data da última modificação significativa Definição 9ª revisão

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total 99.859 População por Gênero Masculino 50.346 Participação % 50,42 Feminino 49.513

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu DEMOGRAFIA População Total 91.340 População por Gênero Masculino 48.691 Participação % 53,31 Feminino

Leia mais

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios.

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. Características demográficas do envelhecimento Vera Andrade, 2014 Pirâmide Etária Pirâmide

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

Levantamento de Indicadores sobre os Hospitais Psiquiátricos de Sorocaba e Salto de Pirapora. FLAMAS (Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba)

Levantamento de Indicadores sobre os Hospitais Psiquiátricos de Sorocaba e Salto de Pirapora. FLAMAS (Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba) Levantamento de Indicadores sobre os Hospitais Psiquiátricos de Sorocaba e Salto de Pirapora FLAMAS (Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba) Prof Dr Marcos R. V. Garcia (UFSCAR-Sorocaba) Prof Leandro

Leia mais

Data de elaboração 31/03/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Data de elaboração 31/03/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208RM Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito

Leia mais

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a 2005 Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio INTRODUÇÃO As doenças respiratórias estão entre as principais

Leia mais

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011)

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011) Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (0) Sobre o estudo Objetivo: sistematizar conhecimento sobre vitimização por causas violentas na cidade de São Paulo identificando

Leia mais

FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Saúde. MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE SÃO PAULO, 1988 a 1998

FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Saúde. MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE SÃO PAULO, 1988 a 1998 FUNDAÇÃO ONCOCENTRO MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO, 1988 a 1998 Apresentação Os dados aqui disponibilizados fazem parte de um estudo de mortalidade realizado pela Fundação Oncocentro de São Paulo e apresentado

Leia mais

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208 Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Clauceane Venzke Zell ÍNDICES DE MAGNITUDE, TRANSCENDÊNCIA, VULNERABILIDADE

Leia mais

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010)

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010) Roraima Em, no estado de Roraima (RR), moravam 4,5 mil habitantes, onde uma parcela ainda discreta (3,5%, 15,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 15 municípios, dos quais sete

Leia mais

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, SETEMBRO DE 2011 03 2011 PANORAMA GERAL O crescimento

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010)

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010) Mato Grosso do Sul Em 21, no estado de Mato Grosso do Sul (MS), moravam 2,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,6%, 162,2 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios,

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve Tábuas de Mortalidade 2013-2015 30 de setembro de 2016 Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve A esperança de vida à nascença foi estimada em 80,41 anos para o total

Leia mais

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade. Mortalidade perinatal e evitabilidade risco atribuível aos óbitos com peso acima de 2,5kg na Cidade do Rio de Janeiro, segundo áreas de planejamento, 1995 a 2014. Palavras-chave: mortalidade perinatal,

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos no 1.º ano, pela 1.ª vez, em estabelecimentos de ensino superior 1 Em 2014/15, inscreveram-se em estabelecimentos

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

MORTALIDADE EM CAMPINAS

MORTALIDADE EM CAMPINAS MORTALIDADE EM CAMPINAS Informe do Projeto de Monitorização dos Óbitos no município de Campinas Boletim de Mortalidade nº. 52 MORTALIDADE POR INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Publicado em Dezembro/2014 Secretaria

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010)

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010) Paraíba Em, no estado da Paraíba (PB), moravam 3,8 milhões de pessoas, onde uma grande parcela (8,5%, 321,2 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 223 municípios, dos

Leia mais

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos.

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos. ANÁLISE DAS REAÇÕES ADVERSAS OCORRIDAS DEVIDO AO USO DE ANTIDEPRESSIVOS EM IDOSOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA CRASPI DE GOIÂNIA Gislaine Rosa de SOUZA 1 ; Ana Elisa Bauer

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 Edição n o 3 agosto de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão sustentada,

Leia mais

PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ ( )

PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ ( ) PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ (2008-2012) Pedro Henrique Teixeira Soto 1 ; Gabriela Martini Raitz 2 ; Ludmila Lopes Bolsoni 3 ; Cássia

Leia mais

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde Seminário Internacional de Atenção Primária/Saúde da Família Expansão com qualidade e valorização dos Resultados Dr. Jorge Gomes Secretário Estadual de Saúde Organização do Sistema Organização do SUS em

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

Distrito Federal. Tabela 1: Indicadores selecionados: valores do Distrito Federal (1991, 2000 e 2010) Indicador Ano Valor

Distrito Federal. Tabela 1: Indicadores selecionados: valores do Distrito Federal (1991, 2000 e 2010) Indicador Ano Valor Distrito Federal m, no Distrito Federal (DF), moravam 2,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante de 5,% (127,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. No ano de, esta proporção era de apenas 2,5%. esperança

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Total. Analisando os custos para os países até 2030, o estudo foca naqueles passíveis de impactar diretamente o PIB, dentre eles:

Total. Analisando os custos para os países até 2030, o estudo foca naqueles passíveis de impactar diretamente o PIB, dentre eles: Resumo do estudo Impactos econômicos das doenças crônicas na produtividade e na aposentadoria precoce: o Brasil em foco (Victoria University - Austrália) 1. Resumo Executivo O envelhecimento da população

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE MEDICINA DO TRABALHO VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Medicina do Trabalho em 24 de Junho de 2015 (: as inclusões

Leia mais

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos Taxa de participação feminina tem comportamento diverso nas regiões E ntre 2014 e 2015, a proporção de mulheres com dez anos ou mais inseridas no mercado

Leia mais

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2013

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2013 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4546 FAX: (62) 3201-4545 e-mail: imunoprev.resp@gmail.com

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos. Pré-Natal também é coisa de homem!

Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos. Pré-Natal também é coisa de homem! Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos Pré-Natal também é coisa de homem! Agosto, 2016 DIAGNÓSTICO: homens morrem mais que mulheres e doenças que mais matam podem ser prevenidas

Leia mais

Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório. Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima

Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório. Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima São Paulo, SP Rio de Janeiro, PR Curitiba, PR Introdução O

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem Brasília, 17 de novembro de 2015 Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Diretor

Leia mais

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA RESUMO Sidnéia Mardegan¹ Fabiana Skiavine Moya da Silva² ¹Acadêmica do Curso de Nutrição UNIAMERICA ²Nutricionista docente da Faculdade União das Américas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul 6. SAÚDE 6.1 Introdução A mortalidade infantil e o perfil de morbidade são importantes indicadores das condições de saúde de grupos populacionais. Entretanto, as dificuldades na obtenção de estatísticas

Leia mais

INTRODUÇÃO. maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período

INTRODUÇÃO. maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período INTRODUÇÃO Nos últimos anos temos assistido a um rápido crescimento da população com idade maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período 1975-2025 a Era do Envelhecimento.

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarabira, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,77 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 55326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010)

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010) Espírito Santo Em, no estado do Espírito Santo (ES), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,1%, 249, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios, dos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Políticas de Proteção à Pessoa Idosa

Políticas de Proteção à Pessoa Idosa Políticas de Proteção à Pessoa Idosa Maria Alice Nelli Machado Email.marialicemachado@ig.com.br O processo de envelhecimento traz conseqüências para os indivíduos, para as sociedades e para os Estados;

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Casserengue, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 202,67 km² IDHM 2010 0,514 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 7058 hab. Densidade

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de s no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 s no Brasil... 2 Óbitos por Arma de Fogo... 4 Determinantes

Leia mais

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta NOTA TÉCNICA N. 0011/2013 Brasília, 08 de março de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta REFERÊNCIA: PORTARIA Nº 152, DE 31 DE MAIO DE 2012

Leia mais

Masculinidade na Construção da Saúde do Homem

Masculinidade na Construção da Saúde do Homem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Masculinidade na Construção da Saúde do Homem Autores Marianne Cardoso Julio Neuza Cristina Gomes da

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Cristiane Olinda Coradi, Marina Guimarães Lima Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia da Universidade

Leia mais

Abaixo tem-se a relação dos 91 municípios considerados e suas respectivas populações estimadas para o ano de 2014.

Abaixo tem-se a relação dos 91 municípios considerados e suas respectivas populações estimadas para o ano de 2014. de Acesso à informação pelo Poder Executivo nos Municípios Goianos. Introdução O presente trabalho é uma compilação dos relatórios diagnósticos disponibilizados pelo Tribunal de Contas dos Municípios do

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana

Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Mobilidade Urbana Superintendência de Serviços de Transportes de Passageiros Gerência de Regulação e Outorga de Estrutura da Apresentação

Leia mais

GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO

GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO 25-213 GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO Equipa de Estudos e Políticas de Segurança Social Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Eventualidades: Insuficiência de recursos,

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF- 209 Pré-requisito:

Leia mais

O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E AS DESPESAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E AS DESPESAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO 13 O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E AS DESPESAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE André Nunes Da Diretoria de Estudos Sociais do IPEA e da UniCEUB É fato bastante conhecido a melhora significativa das

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2014 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2014 Programa

Leia mais

Condições e tendências em saúde

Condições e tendências em saúde Capítulo 4 Condições e tendências em saúde Mortalidade nas Américas O conhecimento sobre uma série de problemas de saúde pública é coletado principalmente a partir de estatísticas de mortalidade, que tradicionalmente

Leia mais

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2014 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2014 Programa

Leia mais