A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013"

Transcrição

1 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana de Brasília.

2 1. INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é tema de vários estudos que procuram compreender a transição demográfica e epidemiológica, a fim de contribuir para a formulação de políticas públicas que visem a melhoria da qualidade de vida. Compreender a mortalidade da população idosa vai de encontro às necessidades de conhecimento das fragilidades dessa população, cada vez mais numerosa, bem como as causas que levam esse grupo ao óbito. Estas análises possibilitarão conhecer a evolução da mortalidade em ambas as localidades estudadas, suas similaridades e suas diferenças de forma a melhor orientar os gestores na adoção de medidas preventivas, principalmente em relação às causas de morte evitáveis. O objetivo deste estudo foi analisar a evolução da mortalidade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília PMB 2 da população de 60 anos e mais, entre 2000 e 2013, considerando os agrupamentos de causas de morte elaborados pela Organização Mundial de Saúde. 2. MATERIAL E MÉTODOS As análises realizadas referem-se à mortalidade da população de 60 anos e mais, no período de 2000 a Os dados utilizados neste trabalho são provenientes do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), sistema gerido pelo Departamento de Análise de Situação de Saúde da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, em conjunto com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. Estas informações estão disponibilizadas no site do Departamento de Informática do SUS Datasus (www.datasus.gov.br). As causas de morte são agrupadas segundo o Código Internacional de (CID), que permite que as classificações sejam utilizadas de forma padronizada em todo o mundo. Como são realizadas atualizações periódicas, a partir de 1996 passou-se a utilizar a CID-10, por estar na sua 10ª revisão, a partir da qual passou a ter a seguinte denominação: Classificação Estatística Internacional de e Problemas Relacionados à Saúde CID Considerou-se para este estudo como sendo a Periferia Metropolitana de Brasília PMB, o conjunto dos municípios limítrofes do Distrito Federal, a saber: Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso de Goiás. 1

3 Para a classificação das causas de óbito foram utilizados os capítulos da CID 10 e a lista de categorias de causas de morte proposta pela Organização Mundial de Saúde-OMS (Becker et al, 2006). Inicialmente, será apresentado o ranking de morte dos idosos considerando os capítulos da CID-10. A partir da lista da OMS, que por agrupar as categorias de causas de morte de forma mais detalhada, será possível identificar grupos de causas de morte mais específicos. Assim, será também apresentado o ranking das 10 principais causas de morte para o DF e para a PMB, considerando a lista proposta pela OMS. A partir dessa lista, foi calculada a taxa específica de mortalidade ou risco (TEM) 3, por sexo das pessoas com 60 anos e mais de idade.. Para a análise de risco foram considerados os óbitos em dois períodos a fim de obtermos informações robustas passíveis de análises comparativas, de forma a analisar a evolução do risco de morte em dois pontos da década. Os períodos considerados foram os seguintes triênios: o primeiro triênio, no início da década, considerando os dados dos anos 2000 a 2002; e o segundo triênio considerando as informações mais recentes disponíveis, que foi o período entre 2011 e Para tanto se considerou a média de óbitos dos triênios e a população com 60 anos e mais no meio de cada período. Neste caso, a população de 2001 para o primeiro triênio e a população de 2012, para o segundo triênio. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dentre os óbitos das pessoas de 60 anos e mais, verificou-se em todo o período, tanto no Distrito Federal quanto na PMB, maior participação das mortes por doenças do aparelho circulatório, neoplasias e doenças do aparelho respiratório. No período analisado, houve um aumento do peso das causas externas, que passou a ser a sexta causa de morte tanto no Distrito Federal quanto na PMB (Quadro 1 e Quadro 2). Há que se destacar o fato das causas mal definidas ainda estarem entre as 10 principais causas de óbitos tanto em 2000 quanto em 2013 na PMB, enquanto que, no Distrito Federal, este grupo de causa deixou de constar na lista dos 10 principais grupos de causa de morte em 2013 (Quadro 1 e Quadro 2). 3 A taxa de mortalidade (ou risco) é dada pela razão de óbitos de determinada causa, sexo e idade e a população residente do mesmo sexo e faixa de idade. Essa taxa é dada pela razão entre o número de óbitos pela causa analisada e a população da faixa de idade estudada, ajustada ao meio do ano, multiplicada por 100 mil. 2

4 Quadro 1 - das principais causas de morte da população de 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. DF e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 X. do aparelho respiratório 3 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 XI. do aparelho digestivo 5 XI. do aparelho digestivo 6 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XVIII. mal definidas 7 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 8 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 VI. do sistema nervoso 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 XIV. do aparelho geniturinário 10 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais. Quadro 2 - das principais causas de morte da população de 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. PMB e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 XVIII. mal definidas 3 X. do aparelho respiratório 4 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XI. do aparelho digestivo 8 XI. do aparelho digestivo 8 XVIII. mal definidas 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 VI. do sistema nervoso 10 VI. do sistema nervoso 10 XIV. do aparelho geniturinário Considerando os diferenciais por sexo, foram poucas as diferenças entre homens e mulheres tanto no DF quanto na PMB. Em 2000, os mesmos capítulos da CI 10 aparecem tanto para homens, quanto para mulheres. Na PMB, a diferença, foi que, entre os homens, os transtornos mentais aparecem entre as principais causas de morte e, entre as mulheres, foi o capítulo de doenças do sistema nervoso (Quadros 2,1a 2.4). Em 2013, os capítulos da CID 10 são os mesmos para ambos os sexos no DF e na PMB, exceto pelo fato de aparecer o capítulo das causas externas apenas PMB para homens e mulheres (Quadros 2,1a 2.4). 3

5 Quadro das principais causas de morte de homens com 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. DF e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 X. do aparelho respiratório 3 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 XI. do aparelho digestivo 5 XI. do aparelho digestivo 6 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 8 XVIII. mal definidas 8 VI. do sistema nervoso 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 XIV. do aparelho geniturinário 10 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais Quadro das principais causas de morte de mulheres com 60 anos e mais, segundo capítulos da CID-10. DF e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 3 X. do aparelho respiratório 4 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 5 XI. do aparelho digestivo 6 XI. do aparelho digestivo 6 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 7 XVIII. mal definidas 7 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 VI. do sistema nervoso 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 XIV. do aparelho geniturinário 10 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais Quadro das principais causas de morte de homens, segundo capítulos da CID-10. PMB e IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 XVIII. mal definidas 3 X. do aparelho respiratório 4 X. do aparelho respiratório 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 7 XI. do aparelho digestivo 8 XI. do aparelho digestivo 8 XVIII. mal definidas 9 XIV. do aparelho geniturinário 9 VI. do sistema nervoso 10 V. Transtornos mentais e comportamentais 10 XIV. do aparelho geniturinário. 4

6 Quadro das principais causas de morte de homens, segundo capítulos da CID-10. PMB e XIV. do aparelho geniturinário 10 XIV. do aparelho geniturinário Riscos de Morte Distrito Federal Os resultados mostraram que, no DF, a mortalidade de idosos caiu 14,11%, entre os triênios considerados. Foram mortes para cada 100 mil idosos no 2º triênio, contra mortes para cada 100 mil no 1º. Na PMB, a redução do risco de morte foi menor: 3,38%, passando de 3.439/100 mil pra para cada 100 mil idosos. Foi observado que, enquanto no 1º triênio a chance de morte das pessoas com 60 anos e mais foi maior no DF, no triênio , o risco passa a ser maior na PMB, tanto para homens quanto para as mulheres. Considerando os diferenciais por sexo, observou-se que em ambas as localidades, o risco de morte dos idosos do sexo masculino foi maior (Tabela 1). 1 IX. do aparelho circulatório 1 IX. do aparelho circulatório 2 II. Neoplasias (tumores) 2 II. Neoplasias (tumores) 3 XVIII. mal definidas 3 X. do aparelho respiratório 4 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 4 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 IV. endócrinas nutricionais e metabólicas 5 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6 X. do aparelho respiratório 6 XX. externas de morbidade e mortalidade 7 XI. do aparelho digestivo 7 XI. do aparelho digestivo 8 XX. externas de morbidade e mortalidade 8 VI. do sistema nervoso 9 VI. do sistema nervoso 9 XVIII. mal definidas Tabela 1: Taxas Específicas de Mortalidade da população de 60 anos e mais segundo sexo e razão de risco. Distrito Federal e Periferia Metropolitana de Brasília, triênios e (por 100 mil) Localidade Homens Mulheres Total Razão de Risco (Homem/Mulher) Homens Mulheres Total Razão de Risco (Homem/Mulher) DF , ,32 PMB , ,24 Considerando a lista das principais causas de morte proposta pela OMS, para os triênios e , verificou-se que, no Distrito Federal, no 1º triênio, o principal grupo causa de morte da população com 60 anos e mais de idade foi de doenças cerebrovasculares, cuja TEM encontrada foi de 458,47/100 mil idosos, seguido das 5

7 doenças isquêmicas do coração, com 399,60/100 mil e diabetes, com 239,04/100 mil. No 2º triênio, o ranking das dez principais causas de morte pouco muda. No entanto, enquanto quase todas as causas apresentaram redução nos risco de morte dos idosos, o grupo de causas influenza e pneumonia apresentou aumento de 58,10% na chance de morte da população estudada. As doenças crônicas das vias aéreas inferiores registraram aumento de 32,96% nas taxas de morte. A demência e doenças de Alzheimer, que no período não haviam aparecido entre as primeiras causas de morte, aparecem entre as principais causas e o aumento da chance de um idoso vir a óbito, aumenta em cinco vezes quando comparado ao 1º triênio. (Tabelas 2a e 2b) Tabela 2a: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,29 mal definidas ,15 Total de óbitos por causas definidas ,14 1 cerebrovascular (I60-I69) ,47 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,60 3 Diabetes (E10-E14) ,04 4 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,31 5 hipertensivas (I10-I15) ,66 6 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,15 7 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,12 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,98 9 Cardiomiopatias (I42) 10 Demência e doenças de Alzheimer (F01, F03, G30) ,24 Tabela 2b: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,17 mal definidas 50 24,55 Total de óbitos por causas definidas ,62 1 cerebrovascular (I60-I69) ,94 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,64 3 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,00 4 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,33 5 Diabetes (E10-E14) ,02 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,56 7 hipertensivas (I10-I15) ,25 8 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) ,76 9 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, ,10 A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 10 Demência e doenças de Alzheimer (F01, F03, G30) ,24. 6

8 Entre os homens, observou-se que, praticamente todas as dez principais causas no triênio , se repetiram no período , O único grupo de causas que apareceu no 1º triênio e não mais no 2º, foi o das cardiomiopatias. E aquele que só apareceu no 2º triênio foi o da Insuficiência cardíaca e complicações e doenças cardíacas mal definidas, cuja TEM passou de 130,48/100 mil homens com mais de 60 anos de idade para 213,53/100 mil, representando um aumento de 63,65% no período. O outro grupo de causa que apresentou aumento foi o de influenza e pneumonia, cujo risco de morte aumentou 41,83% entre os triênios (Tabelas 3a e 3b) Tabela 3a: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,08 mal definidas ,67 Total de óbitos por causas definidas ,41 1 cerebrovascular (I60-I69) ,83 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,82 3 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,88 4 Diabetes (E10-E14) ,81 5 Neopl malig da prostata (C61) ,58 6 hipertensivas (I10-I15) ,57 7 Cardiomiopatias (I42) ,55 8 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,55 9 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) ,52 10 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75- A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,52 Tabela 3b: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (média ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,84 mal definidas 24 27,41 Total de óbitos por causas definidas ,44 1 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,54 2 cerebrovascular (I60-I69) ,97 3 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,53 4 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,53 5 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,41 6 Diabetes (E10-E14) ,85 7 Neopl malig da prostata (C61) ,16 8 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) ,32 9 hipertensivas (I10-I15) ,63 10 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 72 82,22 Entre as mulheres com 60 anos e mais, os dez principais grupos de causas de morte, pouco mudou entre os triênios estudados. Assim como o verificado na população 7

9 masculina, as cardiomiopatias, que se destacou no 1º triênio, deixa estar entre as principais causas de morte. No entanto, observou-se aumento no risco de morte em alguns grupos. A chance de uma mulher nessa faixa de idade vir a óbito por influenza e pneumonia aumentou 70,84% entre os triênios considerados. A TEM por Insuficiência cardíaca e complicações e doenças cardíacas mal definidas passou de 131,63 para 144,75 por 100 mil idosas, representando um aumento de 9,97%. No entanto o que mais chamou a atenção para as mulheres nessa faixa de idade foi o aumento do risco de morte por demência ou risco de Alzheimer. No 1º triênio a TEM dessa causa foi de 16,05 para cada 100 mil idosas. No triênio , a chance de morte por essa causa aumentou 4,9 vezes, passando a 78,40 para cada cem mil (Tabelas 4a e 4b) Tabela 4a: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos (média ) Taxa de mortalidade (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,64 mal definidas ,73 Total de óbitos por causas definidas ,91 1 cerebrovascular (I60-I69) ,99 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,86 3 Diabetes (E10-E14) ,23 4 hipertensivas (I10-I15) ,73 5 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,07 6 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,63 7 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,63 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82- A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,76 9 Cardiomiopatias (I42) 53 85,08 10 Neoplasia maligna da mama (C50) 43 69,02 8

10 Tabela 4b: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Óbitos Taxa de mortalidade (óbitos/ (média ) hab.) Total de óbitos ,32 mal definidas 26 22,40 Total de óbitos por causas definidas ,92 1 cerebrovascular (I60-I69) ,00 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,35 3 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,87 4 Diabetes (E10-E14) ,09 5 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,75 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,44 7 hipertensivas (I10-I15) ,33 8 Neoplasia maligna da mama (C50) 95 81,85 9 Demência e doenças de Alzheimer (F01, F03, G30) 91 78,40 10 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 85 73,23 Ao se comparar as principais causas de morte, verificaram-se semelhanças no ranking das dez principais entre homens e mulheres com 60 anos e mais em ambos os triênios analisados, sendo que as taxas de mortalidade foram maiores para o sexo masculino. No triênio , os riscos de morte são maiores para os homens na maioria das causas, exceto para diabetes e doenças hipertensivas. No período , há uma inversão das TEM por essa causa de morte, uma vez que, o risco dos homens passa a ser maior que o das mulheres. Por outro lado, as mulheres com 60 anos e mais passam a ter maiores chances de óbito por influenza e pneumonia (Figuras 1a e 1b). 500,00 450,00 497,83 426,99 493,82 400,00 350,00 325,86 Homens Mulheres 300,00 250,00 200,00 150,00 238,88 146,07 218,81 255,23 154,57 163,73 150,55 131,63 140,52 110,76 100,00 50,00 - cerebrovascular hisquêmicas do coração crônicas das vias aéreas inferiores Diabetes hipertensivas Influenza e pneumonia Algumas bacterianas, virais e de protozoários Figura 1a: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Distrito Federal, triênio (por 100 mil) 9

11 500,00 450,00 400,00 374,54 369,97 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 234,35 305,00 213,53 144,75 213,53 224,87 188,41 140,44 175,85 155,09 101,63 91,33 Homens Mulheres 82,22 73,23 50,00 - hisquêmicas do coração cerebrovascular Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. Influenza e pneumonia crônicas das vias aéreas inferiores Diabetes hipertensivas Algumas bacterianas, virais e de protozoários Figura 1b: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Distrito Federal, triênio (por 100 mil) Periferia Metropolitana de Brasília - PMB Na PMB, o que chamou a atenção foi o elevado número de óbitos por causas mal definidas em ambos os triênios considerados. No período , esse grupo de causa de morte ficou em primeiro lugar e em Apesar da redução de 45,62% entre os triênios, permaneceu em terceiro, com uma TEM de 230,51/100 mil idosos (Tabelas 5a e 5b). Em ambos os períodos, a lista das principais causas de morte se assemelham à do DF. No triênio , a principal causa de morte dos idosos na PMB foi o das doenças cerebrovasculares, cujo risco de morte foi de 404,92 para casa 100 mil pessoas com 60 anos e mais de idade. As doenças isquêmicas do coração e o grupo das doenças bacterianas, virais e de protozoários, que só tiveram óbitos notificados decorrentes da doença de chagas, apareceram em segundo e terceiro lugar, com TEM de 300,52/100 mil e 234,10/100 mil, respectivamente (Tabela 5a). 10

12 Tabela 5a: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Total de óbitos ,68 mal definidas ,90 Total de óbitos por causas definidas ,77 1 cerebrovascular (I60-I69) ,92 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,53 3 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,10 4 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,62 5 Diabetes (E10-E14) ,13 6 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,81 7 hipertensivas (I10-I15) ,66 8 Cardiomiopatias (I42) ,05 9 Influenza e pneumonia (J10-J18) 30 94,90 10 Neopl malig da prostata (C61) 20 63,27 No triênio , o risco de morte por causas mal definidas ficou em terceiro lugar (de cada 100 mil óbitos de idosos residentes na PMB, 230,51 eram por causas mal definidas), considerando todos os grupos de causas de morte segundo a OMS (Tabela 5). No período , o risco de morte em alguns grupos de causa foi muito superior na PMB, como as doenças hipertensivas aonde a chance dos idosos virem a óbito foi 2,17 vezes maior que no DF, assim como a TEM por doenças bacterianas (que neste caso se resumiram ás doenças de chagas) cujo risco de morte foi 1,62 vezes maior na PMB. O diabetes, terceira causa de morte entre a população de 60 anos e mais residentes na PMB, cuja TEM foi de 228,84 por 100 mil, foi 1,4 vezes maior que a observada no DF (Tabela 5b). Óbitos (média ) Taxa de mortalidade (óbitos/ hab.) 11

13 Tabela 5b: Taxas Específicas de Mortalidade da população total de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,36 mal definidas ,18 Total de óbitos por causas definidas ,51 1 cerebrovascular (I60-I69) ,61 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,72 3 Diabetes (E10-E14) ,84 4 hipertensivas (I10-I15) ,80 5 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,09 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,40 7 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,96 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) 9 do sistema urinário (N00-N39) 40 66,81 10 Cardiomiopatias (I42) 40 66,81 Entre os homens com 60 anos e mais residentes na PMB, as causas mal definidas apareceram em primeiro lugar no 1º triênio e em terceiro no 2º. Dentre as 10 principais causas definidas de morte, destacaram-se, em ambos os períodos estudados, as doenças cerebrovasculares, as isquêmicas. Na primeira, para cada 100 mil homens com 60 anos ou mais, o risco de morte foi de 432,90, entre No triênio , esse risco aumentou 4,02%, passando para 450,30% para cada 100 mil. Na segunda principal causa de morte doenças isquêmicas, a chance de um idoso vir a óbito foi de 307,42/100 mil, no 1º triênio. No período , esse risco aumentou 18,73%, passando para 365,01/100mil. Entre as 10 principais causas, a chance de um homem idoso vir a óbito por diabetes, aumentou 40,46% entre os triênios estudados e o risco de morte por influenza e pneumonia dobrou no mesmo período (Tabelas 6a e 6b) ,28 12

14 Tabela 6a: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,08 mal definidas ,27 Total de óbitos por causas definidas ,81 1 cerebrovascular (I60-I69) ,90 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,42 3 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,96 4 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,41 5 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,49 6 hipertensivas (I10-I15) ,67 7 Diabetes (E10-E14) ,57 8 Neopl malig da prostata (C61) ,48 9 Cardiomiopatias (I42) ,93 10 Influenza e pneumonia (J10-J18) 15 94,11 Tabela 6b: Taxas Específicas de Mortalidade da população masculina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ hab.) Total de óbitos ,84 mal definidas ,08 Total de óbitos por causas definidas ,75 1 cerebrovascular (I60-I69) ,30 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,01 3 Diabetes (E10-E14) ,50 4 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,27 5 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,86 6 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,28 7 Neopl malig da prostata (C61) ,22 8 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,28 9 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) 24 81,87 10 Cardiomiopatias (I42) 23 78,46 Entre as mulheres residentes na PMB, em ambos os triênios estudados, observou-se que as dez principais causas de morte são quase as mesmas verificadas para os homens na mesma faixa etária. Também se destacaram as doenças cerebrovasculares, cuja TEM foi de 376,47/100 mil (entre ) e de 405,85 por 100 mil no triênio , e as isquêmicas do coração, que figuraram em segundo lugar, em ambos os período considerados (Tabelas 7a e 7b). 13

15 Chamou a atenção o risco de morte das mulheres com mais de 60 anos por doenças do sistema urinário, que dobrou entre os períodos estudados, passando de 25,52/100 mil para 130,83 por 100 mil (Tabelas 7a e 7b). Tabela 7a: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média ) Total de óbitos ,83 mal definidas ,85 Total de óbitos por causas definidas ,99 1 cerebrovascular (I60-I69) ,47 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,52 3 Diabetes (E10-E14) ,47 4 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,33 5 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,04 6 hipertensivas (I10-I15) ,52 7 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,52 8 Cardiomiopatias (I42) ,24 9 Influenza e pneumonia (J10-J18) 15 95,71 10 Neoplasia maligna do útero (C53-C55) 10 63,81 Tabela 7b: Taxas Específicas de Mortalidade da população feminina de 60 anos e mais das dez principais causas de óbito (em ordem decrescente). Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) Óbitos (média Taxa de mortalidade ) (óbitos/ Total de óbitos ,43 mal definidas ,11 Total de óbitos por causas definidas ,05 1 cerebrovascular (I60-I69) ,85 2 hisquêmicas do coração (I20-I25) ,02 3 Diabetes (E10-E14) ,57 4 hipertensivas (I10-I15) ,29 5 Influenza e pneumonia (J10-J18) ,38 6 crônicas das vias aéreas inferiores (J40-J47) ,20 7 Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. (I50-I51) ,38 8 Algumas bacterianas, virais e de protozoários (A20,A44, A75-A79, A82-A84, A85.2, A90-A96, A98.0-A98.2, A98.8, B50-B57) ,10 9 do sistema urinário (N00-N39) 18 58,91 10 Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão (C33 E C34) 17 54,55 Assim como no DF, ao se comparar os riscos de morte das dez principais causas entre homens e mulheres da mesma faixa etária, residentes na PMB, verificou-se que, na maioria delas as chances de morte foram maiores para os homens. No 1º triênio, os riscos das mulheres são maiores, apenas para diabetes e cardiomiopatias. No 2º triênio, considerando as principais causas de morte em comum a ambos os sexos, as mulheres só superaram os homens nas chances de óbito por diabetes (Figuras 2a e 2b) Taxa de mortalidade (óbitos/ hab.) 14

16 500,00 450,00 400,00 432,90 376,47 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 307,42 293,52 238,41 223,33 194,49 185,04 250,96 159,52 150,57 242,47 175,67 159,52 112,93 121,24 Homens Mulhers 94,11 95,71 50,00 - cerebrovascular hisquêmicas do coração Algumas bacterianas, virais e de protozoários Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. crônicas das vias aéreas inferiores Diabetes hipertensivas Cardiomiopatias Influenza e pneumonia Figura 2a: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) 500,00 450,00 400,00 450,30 405,85 365,01 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 288,02 211,50 246,57 201,27 158,20 197,86 184,38 143,28 109,10 143,28 136,38 Homens Mulhers 81,87 54,55 50,00 - cerebrovascular hisquêmicas do coração Diabetes crônicas das vias aéreas inferiores Influenza e pneumonia Algumas bacterianas, virais e de protozoários Insuficiência cardíaca e complicacões e doenças cardíacas mal def. Neoplasia maligna da traquéia, bronquios e pulmão Figura 2b: Razão de risco da mortalidade das mulheres em relação aos homens de 60 anos e mais das principais causas de óbito. Periferia Metropolitana de Brasília, triênio (por 100 mil) 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O envelhecimento populacional traz consigo questionamentos acerca de como oferecer a essa população condições para vivenciar essa fase com qualidade. Nesse contexto, conhecer o processo de envelhecimento, muitas vezes acompanhado de doenças comuns à essa fase da vida, vem de encontro à necessidade de conhecer a evolução da mortalidade desse grupo populacional. 15

17 Neste sentido, as políticas públicas terão que enfrentar, por um lado, a situação das famílias e, por outro, a demanda por políticas de saúde que respondam eficazmente às necessidades da população com 60 anos ou mais. Os resultados apresentados mostram que, ainda persistem causas de morte devido a não melhoria da qualidade da assistência médica e do correto diagnóstico. As doenças do sistema circulatório se destacaram em ambas as localidades estudadas, mas chamou atenção a presença do diabetes na lista das principais causas de morte, principalmente entre as mulheres tanto no DF, quanto na PMB.O mesmo acontece com a influenza e pneumonia. Ambas podem ser controladas, o que aponta a necessidade de maior atenção a essas causas. A doença de chagas, que está incluída no grupo de Algumas bacterianas, virais e de protozoários, também se faz presente, de tal forma a incluir este grupo de causas entre as 10 principais. Há que se ressaltar o aumento considerável do risco de morte por demência e doenças de Alzheimer. No DF a chance de um idoso vir a óbito por esse grupo de causa aumentou 5,2 vezes entre os triênios estudados. Na PMB, apesar de não constar entre as dez principais, ficando em 16º lugar no período , o risco de morte por essa causa foi 13 vezes maior que o período anterior, uma vez que a TEM para o 2º triênio foi de 43,43/100 mil contra apenas 3,16/100 mil do 1º. Conforme a publicação da Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Área Técnica Saúde do Idoso do Ministério da Saúde de 2010: O preconceito contra a velhice e a negação da sociedade quanto a esse fenômeno colaboram para a dificuldade de se pensar políticas específicas para esse grupo. Ainda há os que pensam que se investe na infância e se gasta na velhice. Deve ser um compromisso de todo gestor em saúde compreender que, ainda que os custos de hospitalizações e cuidados prolongados sejam elevados na parcela idosa, também aí está se investindo na velhice. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério da Saúde. Datasus. Informações de Saúde: demográficas e socioeconômicas. Disponível em: visualizado em 30/3/2016. Organização Mundial da Saúde (OMS). CID 10. Tradução do Centro Colaborador da OMS para a Classificação de em Português. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, volume 2,

18 BECKER, R. et al. A method for deriving leading causes of death. Bulletin of the World Health Organization, [S.l.], v. 84, n. 4, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção à Saúde da Pessoa Idosa e Envelhecimento. Série Pactos pela Saúde. v. 12. p.39 17

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV O perfil das mulheres de 10 anos e mais de idade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília - PMB segundo a ótica raça/cor 2010 Lucilene Dias Cordeiro 1 1 Secretaria de Estado de Educação

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo Causas de Morte 23 de maio de 2017 Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo As doenças do aparelho circulatório continuaram a ser a principal causa de

Leia mais

Aumento dos suicídios em 2014

Aumento dos suicídios em 2014 Causas de Morte 2014 23 de maio de 2016 Aumento dos suicídios em 2014 As doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de 30,7% dos óbitos registados em 2014, mais 2,4% do que no ano anterior. Devido

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5.1. Introdução A criação de sistemas de informação que permitam a recolha sistemática de dados de morbilidade e mortalidade é indispensável para o estudo e vigilância

Leia mais

Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEXT) PUC-CAMPINAS

Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEXT) PUC-CAMPINAS Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEXT) PUC-CAMPINAS Boletim do Observatório de Políticas Públicas & Migrações da Região Metropolitana de Campinas (OPP-RMC) O perfil dos óbitos na RMC

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 *

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * Lucilene Dias Cordeiro Mônica de Oliveira Marques França Resumo: O estudo pretende analisar o fluxo migratório na Área Metropolitana

Leia mais

Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca

Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca 264 Vol 17 N o 4 6 Artigo de Revisão Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca Francisco Manes Albanesi Filho Universidade do Estado do Rio

Leia mais

João Paulo dos Reis Neto

João Paulo dos Reis Neto ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTERNAÇÕES POTENCIALMENTE EVITÁVEIS João Paulo dos Reis Neto Diretor-Técnico UNIDAS Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Compreendem grupos de problemas de saúde cujas

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS*

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Daisy Maria Xavier de Abreu Cibele Comini César Elisabeth Barboza França * Parte integrante da Tese de Doutorado apresentada

Leia mais

Priorização em Saúde. Novembro/2015. Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão

Priorização em Saúde. Novembro/2015. Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão Priorização em Saúde Novembro/2015 Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão liviasouza.cav@gmail.com O que é prioridade? É possível definir prioridade em saúde? Por que definir prioridades

Leia mais

Mortalidade nas capitais nordestinas: uma breve perspectiva sociodemográfica em 2010 *

Mortalidade nas capitais nordestinas: uma breve perspectiva sociodemográfica em 2010 * Mortalidade nas capitais nordestinas: uma breve perspectiva sociodemográfica em 2010 * Eliana Mesquita da Silva Lára Melo Barbosa Maria Helena Constantino Spyrides Resumo O processo de transição demográfica

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL

MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL Autores: Wilton Rodrigues Medeiros, Grasiela Piuvezam, Andressa Vellasco Brito Costa, Felipe da Fonseca

Leia mais

INDICADORES DE MORTALIDADE - Porto Alegre

INDICADORES DE MORTALIDADE - Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Agravos e Doenças Não Transmissíveis SUMÁRIO

Leia mais

Saúde Brasil Uma análise da situação de. e internacional de. Brasília, 14 de dezembro de 2010

Saúde Brasil Uma análise da situação de. e internacional de. Brasília, 14 de dezembro de 2010 Saúde Brasil 2009 Uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde Brasília, 14 de dezembro de 2010 INTRODUÇÃO O Saúde Brasil 2009, em sua sexta edição, foi

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total 99.859 População por Gênero Masculino 50.346 Participação % 50,42 Feminino 49.513

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu DEMOGRAFIA População Total 91.340 População por Gênero Masculino 48.691 Participação % 53,31 Feminino

Leia mais

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9 Tabela de conteúdo 1 Definição 2 Objectivo 3 Estrutura 4 Implementação 5 Publicações 6 Notas 7 Ver também 8 Data da criação desta página e data da última modificação significativa Definição 9ª revisão

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2008

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2008 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL Ana Elisa P. Chaves (1), Kleane Maria F. Araújo (2) Maria Luísa A. Nunes (3),Thainá Vieira Chaves (4), Lucas Chaves Araújo (5) 1 Docente Saúde Coletiva-UFCG e-mail:

Leia mais

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento Joaquim Valente jvalente@ensp.fiocruz.br Organização Geral Nível Local Nível Regional Nível Central Estadual Nível Central Federal Fluxo da Informação

Leia mais

Agentes Comunitários de Saúde Brasil, Agentes

Agentes Comunitários de Saúde Brasil, Agentes Em 2, 3.19 municípios em todos os estados já contavam com equipes de Saúde da Família em atuação, com efeito direto na queda dos índices de mortalidade infantil e de nascimentos de bebês com peso baixo,

Leia mais

GT Saúde do Servidor Amostra Nacional Gestão do Absenteísmo-Doença entre Servidores Estaduais Biênio

GT Saúde do Servidor Amostra Nacional Gestão do Absenteísmo-Doença entre Servidores Estaduais Biênio Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Administração Pública Subsecretaria de Saúde, Segurança e Previdência dos Servidores GT Saúde do Servidor Amostra Nacional Gestão do Absenteísmo-Doença

Leia mais

O Impacto das diferentes causas de morte na esperança de vida em Portugal

O Impacto das diferentes causas de morte na esperança de vida em Portugal O Impacto das diferentes causas de morte na esperança de vida em Portugal Filipe Ribeiro, Universidade de Évora/MPIDR Maria Filomena Mendes, Universidade de Évora Évora, 13 de Setembro de 2012 Introdução

Leia mais

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba CIR LITORAL NORTE Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba População e Território Em 2016 a população estimada da região é de 308.843 habitantes, com 98% residindo em áreas

Leia mais

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil APRESENTAÇÃO No Brasil os homens vivem em média 7,2 anos menos do que as mulheres, segundo dados do IBGE em 2015, a expectativa de vida da população masculina

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-15 MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Resumo Eva

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 16 DEMOGRAFIA: CONCEITOS E TRANSIÇÃO

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 16 DEMOGRAFIA: CONCEITOS E TRANSIÇÃO GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 16 DEMOGRAFIA: CONCEITOS E TRANSIÇÃO C ANOS POPULAÇÃO AUMENTO r (milhões) (milhões) (%) b m (por mil) (por mil) NASCIDOS (milhões) ( 1940 41,0 10,9 2,39 44,4 20,9 20,6 1950 51,9

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

Ideal de Saúde. Ideal de Saúde. Morte. Morte

Ideal de Saúde. Ideal de Saúde. Morte. Morte Conceito de Saúde e Doença O que é saúde? O que é doença? Doença Saúde Mundo impregnado por constantes opostos:. Se nunca ficássemos doentes, não saberíamos o que significa a saúde (Heráclito c.540-480

Leia mais

ACES Santo Tirso / Trofa

ACES Santo Tirso / Trofa Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Ano V Set./2017. Adrieli L. Dias dos Santos, Paulo Henrique dos S. Grange, Prof. Dr. André Costa Lucirton e Prof.ª Gabriela Souza Assis

Ano V Set./2017. Adrieli L. Dias dos Santos, Paulo Henrique dos S. Grange, Prof. Dr. André Costa Lucirton e Prof.ª Gabriela Souza Assis Neste relatório serão apresentados dados e índices referentes à saúde na Região de Saúde (RS) de Ribeirão Preto/SP. Segundo o Ministério da Saúde (Decreto Nº 7.508, 2011) define-se como região de saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Clauceane Venzke Zell ÍNDICES DE MAGNITUDE, TRANSCENDÊNCIA, VULNERABILIDADE

Leia mais

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil segunda-feira, outubro 03, 2016 Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil André Medici Kaizô Beltrão Introdução Este artigo é a revisão de parte de um documento mais amplo escrito no ano de 2013 (Aspectos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

ACES Póvoa de Varzim / Vila do Conde

ACES Póvoa de Varzim / Vila do Conde Perfil Local de Saúde 2009 ACES Póvoa de Varzim / Vila do Conde Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso

Leia mais

PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EVITÁVEIS EM IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE PB.

PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EVITÁVEIS EM IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE PB. PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EVITÁVEIS EM IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE PB. Renata Clemente dos Santos 1 Thalita Lisboa de Menezes 2 Therezza Virgínia Vital Freire 3 Juliana Carvalho Andrade Guerra

Leia mais

Desigualdades intraurbanas: uma análise da mortalidade por causas na Área Metropolitana de Brasília*

Desigualdades intraurbanas: uma análise da mortalidade por causas na Área Metropolitana de Brasília* Desigualdades intraurbanas: uma análise da mortalidade por causas na Área Metropolitana de Brasília* *Trabalho apresentado no XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em São Pedro/SP

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

Mortalidade por acidentes de transporte e homicídios da cidade do Rio de Janeiro 1990 a 2002

Mortalidade por acidentes de transporte e homicídios da cidade do Rio de Janeiro 1990 a 2002 Mortalidade por acidentes de transporte e homicídios da cidade do Rio de Janeiro 1990 a 2002 Souza, V. R. Souza 12 R. V. C. Oliveira 3 L. H. Oliveira 4 Introdução Para a utilização de índices demográficos

Leia mais

ACES Douro Sul. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Douro Sul. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

ESPERANÇA DE VIDA E CAUSAS DE MORTE EM BELO HORIZONTE E NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE:

ESPERANÇA DE VIDA E CAUSAS DE MORTE EM BELO HORIZONTE E NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: ESPERANÇA DE VIDA E CAUSAS DE MORTE EM BELO HORIZONTE E NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: 1990-1999 Mirian Martins Ribeiro 1 Laura de Almeida Botega 2 Carla Jorge Machado 3 RESUMO Objetivo: Analisar

Leia mais

ACES Gerês / Cabreira

ACES Gerês / Cabreira Perfil Local de Saúde 2009 ACES Gerês / Cabreira Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica

Leia mais

ACES Alto Tâmega e Barroso

ACES Alto Tâmega e Barroso Perfil Local de Saúde 2009 Tâmega e Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência

Leia mais

Vigilância em saúde Vigilância das Doenças Crônicas não Transmissíveis Aula 1

Vigilância em saúde Vigilância das Doenças Crônicas não Transmissíveis Aula 1 Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto. Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia IV Vigilância em saúde Vigilância das Doenças Crônicas não Transmissíveis Aula 1 1 Vigilância das doenças

Leia mais

ASPECTOS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DO IDOSO SERGIPANO E DEMANDA POR POLITICAS PÚBLICAS

ASPECTOS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DO IDOSO SERGIPANO E DEMANDA POR POLITICAS PÚBLICAS ASPECTOS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DO IDOSO SERGIPANO E DEMANDA POR POLITICAS PÚBLICAS Neilson Santos Meneses Departamento de Geografia - Universidade Federal de Sergipe - nmeneses@bol.com.br Introdução Em

Leia mais

Medidas de freqüência

Medidas de freqüência Medidas de freqüência IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena Kale e Antonio José Leal Costa 2009 Ocorrência de doença Medidas

Leia mais

PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ ( )

PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ ( ) PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ (2008-2012) Pedro Henrique Teixeira Soto 1 ; Gabriela Martini Raitz 2 ; Ludmila Lopes Bolsoni 3 ; Cássia

Leia mais

CAUSAS DE ÓBITOS NO MUNICÍPIO DE SEARA, SC

CAUSAS DE ÓBITOS NO MUNICÍPIO DE SEARA, SC CAUSAS DE ÓBITOS NO MUNICÍPIO DE SEARA, SC Vilma Beltrame * Vinícius Eduardo Benck ** RESUMO Com este estudo objetivou-se descrever o perfil e as causas de óbitos no Município de Seara, SC, no período

Leia mais

Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010

Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010 Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010 Conteúdos O Território NUTS III A População Indicadores sócio-económicos

Leia mais

ACES Braga. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Braga. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

ACES Nordeste. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Nordeste. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

RIPSA - Causas externas

RIPSA - Causas externas RIPSA - Causas externas MATRIZ DE INDICADORES BÁSICOS DENOMINAÇÃO CONCEITUAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO CATEGORIAS FONTES INDICADORES DE MORTALIDADE 1. Mortalidade proporcional por grupos de causas Distribuição

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

As mulheres no Distrito Federal e nos municípios metropolitanos

As mulheres no Distrito Federal e nos municípios metropolitanos As mulheres no Distrito Federal e nos municípios metropolitanos Perfis da desigualdade VERSÃO PRELIMINAR BRASÍLIA MARÇO/2015 Companhia de Planejamento do Distrito Federal Codeplan SAM, Bloco H, Ed. Codeplan

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SAÚDE E SUA IMPLEMENTAÇÃO LOCAL

PLANO NACIONAL DE SAÚDE E SUA IMPLEMENTAÇÃO LOCAL PLANO NACIONAL DE SAÚDE E SUA IMPLEMENTAÇÃO LOCAL 19 de setembro de 2016 Palácio dos Marqueses da Praia e de Monforte Parque da Cidade Loures Médico SP, Chefe de Serviço. Responsável pelo PLS Loures Odivelas

Leia mais

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios.

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. Características demográficas do envelhecimento Vera Andrade, 2014 Pirâmide Etária Pirâmide

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Transições epidemiológica e demográfica

Transições epidemiológica e demográfica Instituto de Estudos de Saúde Coletiva IESC Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Disciplina de Epidemiologia Transições epidemiológica e

Leia mais

ACES Gondomar. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Gondomar. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem Brasília, 17 de novembro de 2015 Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Diretor

Leia mais

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2013

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2013 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4546 FAX: (62) 3201-4545 e-mail: imunoprev.resp@gmail.com

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II AULA 4 Indicadores de saúde: como morrem as pessoas 2017-1 1 Mortalidade proporcional É a distribuição

Leia mais

ACES Maia. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Maia. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a 2005 Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio INTRODUÇÃO As doenças respiratórias estão entre as principais

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde Seminário Internacional de Atenção Primária/Saúde da Família Expansão com qualidade e valorização dos Resultados Dr. Jorge Gomes Secretário Estadual de Saúde Organização do Sistema Organização do SUS em

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 Edição n o 3 agosto de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão sustentada,

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

Mulheres Negras e a Mortalidade Materna no Brasil

Mulheres Negras e a Mortalidade Materna no Brasil Mulheres Negras e a Mortalidade Materna no Brasil Mário F G Monteiro (IMS-UERJ) Leila Adesse (IPAS - Brasil) Jacques Levin (IMS-UERJ) TRABALHO APRESENTADO NO SEMINÁRIO MORTALIDADE MATERNA E DIREITOS HUMANOS

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

Estudo da mortalidade em população idosa de municipios do Rio Grande do Sul no período de 1996 a 2004

Estudo da mortalidade em população idosa de municipios do Rio Grande do Sul no período de 1996 a 2004 A mortalidade em idosos do Rio Grande do Sul 111 Estudo da mortalidade em população idosa de municipios do Rio Grande do Sul no período de 1996 a 2004 Study of mortality in senior population of municipal

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE MEDICINA DO TRABALHO VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Medicina do Trabalho em 24 de Junho de 2015 (: as inclusões

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul 6. SAÚDE 6.1 Introdução A mortalidade infantil e o perfil de morbidade são importantes indicadores das condições de saúde de grupos populacionais. Entretanto, as dificuldades na obtenção de estatísticas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS CEREBROVASCULARES HC-UFG

CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS CEREBROVASCULARES HC-UFG Introdução CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE De acordo com Organização da Mundial de Saúde as doenças cerebrovasculares (DCV) são a principal causa de óbitos no mundo. Assim, as doenças do aparelho circulatório

Leia mais

DESIGUALDADES SOCIAIS E MORTALIDADE INFANTIL NA POPULAÇÃO INDÍGENA, MATO GROSSO DO SUL. Renata PalópoliPícoli

DESIGUALDADES SOCIAIS E MORTALIDADE INFANTIL NA POPULAÇÃO INDÍGENA, MATO GROSSO DO SUL. Renata PalópoliPícoli DESIGUALDADES SOCIAIS E MORTALIDADE INFANTIL NA POPULAÇÃO INDÍGENA, MATO GROSSO DO SUL. Renata PalópoliPícoli Fundação Oswaldo Cruz de Mato Grosso do Sul Luiza Helena de Oliveira Cazola Universidade Anhanguera-Uniderp

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MORTALIDADE EM ADOLESCENTES BRASILEIROS DAS CAPITAIS DAS UNIDADES FEDERADAS

CARACTERÍSTICAS DA MORTALIDADE EM ADOLESCENTES BRASILEIROS DAS CAPITAIS DAS UNIDADES FEDERADAS CARACTERÍSTICAS DA MORTALIDADE EM ADOLESCENTES BRASILEIROS DAS CAPITAIS DAS UNIDADES FEDERADAS João Yunes * Edneia Primo ** YUNES, J. & PRIMO, E. Características da mortalidade em adolescentes brasileiros

Leia mais

MORTALIDADE POR CAUSAS EVITÁVEIS DE 0 A 4 ANOS DE IDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

MORTALIDADE POR CAUSAS EVITÁVEIS DE 0 A 4 ANOS DE IDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR MORTALIDADE POR CAUSAS EVITÁVEIS DE 0 A 4 ANOS DE IDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Katerin Demozzi 1 ; Luísa Araújo 2 ; Willian Augusto de Melo 3. RESUMO: A mortalidade infantil e a perinatal tem grande

Leia mais

JUVENTUDE POR QUE MONITORAR INDICADORES DE JUVENTUDE? Juventude é um segmento da população brasileira de 15 a 29 anos caracterizado por representar um momento da vida com muitas inquietações e descobertas.

Leia mais

As doenças cardiovasculares em Portugal e na região Mediterrânica: uma perspetiva epidemiológica

As doenças cardiovasculares em Portugal e na região Mediterrânica: uma perspetiva epidemiológica Evangelista Rocha 1 Paulo Nogueira 2 1 Coordenador da Prevenção Cardiovascular da Sociedade Portuguesa de Cardiologia 2 Diretor da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Saúde. MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE SÃO PAULO, 1988 a 1998

FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Saúde. MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE SÃO PAULO, 1988 a 1998 FUNDAÇÃO ONCOCENTRO MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO, 1988 a 1998 Apresentação Os dados aqui disponibilizados fazem parte de um estudo de mortalidade realizado pela Fundação Oncocentro de São Paulo e apresentado

Leia mais