PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL. Mercado de trabalho no Distrito Federal em 2011

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL. Mercado de trabalho no Distrito Federal em 2011"

Transcrição

1

2

3 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL Mercado de trabalho no em 2011 Os resultados apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais indicadores da Pesquisa de Emprego e Desemprego do 1. Em 2011, o nível ocupacional no aumentou 1,6%. Esse resultado foi abaixo do verificado no ano de 2010, quando a ocupação expandiu 4,3% (Gráfico 1). A geração de 20 mil postos de trabalho e a relativa estabilidade da População Economicamente Ativa PEA (apenas 3 mil pessoas ingressaram no mercado de trabalho, ou variação de 0,2%), resultou na redução do contingente de desempregados em 17 mil. Em números absolutos, os desempregados foram estimados em 174 mil pessoas, os ocupados em mil e a PEA em mil (Tabela 1, corpo do texto). Tabela 1 Estimativas da População em Idade Ativa, segundo Condição de Atividade Condição de Atividade Absoluta (em mil pessoas) Relativa (%) População em Idade Ativa ,0 População Economicamente Ativa ,2 Ocupados ,7 Desempregados ,9 Em Desemprego Aberto ,6 Em Desemprego Oculto pelo Trabalho Precário ,7 Em Desemprego Oculto pelo Desalento ,7 Inativos com 10 anos e mais ,0 Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. Estimativas (em mil pessoas) obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. Variações / /2010 1

4 Em % Gráfico 1 Variação Anual (1) da População Economicamente Ativa e dos Ocupados ,0 7,0 6,9 PEA Ocupados 6,0 5,0 4,0 3,0 4,4 4,0 3,6 5,4 5,1 5,9 5,9 3,7 3,4 3,3 3,4 3,5 3,0 4,4 4,6 6,1 2,8 3,6 4,3 2,0 1,6 1,6 1,0 0,0 0, ,2 Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. (1) Ano de referência em relação ao ano anterior. 2. A taxa média de desemprego total diminuiu, pelo oitavo ano consecutivo, ao passar de 13,6%, em 2010, para 12,4%, em 2011 (Gráfico 2). Esta foi a menor taxa de desemprego registrada desde 1992, quando a pesquisa foi iniciada. Segundo suas componentes, reduziram-se as taxa de desemprego aberto, ao passar de 9,3%, em 2010, para 8,8%, em 2011 e oculto de 4,4% para 3,6%, no mesmo período (Tabela 2, anexo). 2

5 Gráfico 2 Taxas de Desemprego, segundo Tipo Em % Total Aberto Oculto 22,9 20,2 20,5 20,7 20,9 19,0 18,8 17,7 16,6 15,8 13,6 12, Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. 3. O aumento no nível de ocupação (1,7%) refletiu movimentos diferenciados entre os setores de atividade analisados: geração de postos de trabalho nos Serviços (20 mil postos ou 2,5%) e Comércio (8 mil ou 4,2%); redução nos setores da Indústria (2 mil ou 4,1%), no agregado Outros (6 mil ou 3,4%) (Tabela 2, corpo do texto). No agregado Outros, reduz-se o contingente de pessoas ocupadas no Serviço Doméstico (6 mil ou 6,3%) e na Construção Civil, observa-se um pequeno aumento (2 mil ou 3,0%). No caso da Administração Pública, setor de Serviços, ocorreu recuo no contingente de ocupados (3 mil ou 1,5%) (Tabela 14, anexo). Tabela 2 Estimativas do Número de Ocupados, segundo Setores de Atividade Econômica Setores de Atividade Estimativas (em mil pessoas) Variações Absoluta (em mil pessoas) Relativa (%) / /2010 Total ,7 Indústria ,1 Comércio ,2 Serviços ,5 Outros (1) ,4 Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. (1) Incluem Construção Civil, Serviços Domésticos, etc. obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 3

6 4. O contingente de assalariados aumentou 3,7%, em 2011, resultado do crescimento do setor privado (4,1%) e do emprego público (2,6%). No segmento privado, a expansão do número de assalariados com carteira de trabalho assinada (5,9%) contrastou com a redução dos sem carteira (5,0%). Apresentaram redução os autônomos (6,6%), os trabalhadores domésticos (6,3%) e os trabalhadores classificados em demais posições (5,4%). Os empregadores apresentaram aumento (13,7%) (Tabela 3, corpo do texto). Tabela 3 Estimativas do Número de Ocupados, segundo Posição na Ocupação Posição na Ocupação Estimativas (em mil pessoas) Variações Absoluta (em mil pessoas) Relativa (%) / /2010 Total ,7 Total de Assalariados (1) ,7 Setor Privado ,1 Com Carteira Assinada ,9 Sem Carteira Assinada ,0 Setor Público ,6 Autônomos ,6 Trabalham para o Público ,2 Trabalham para Empresa ,5 Empregadores ,7 Empregados Domésticos ,3 Demais Posições (2) ,4 Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. (1) Inclui os que não informaram o segmento em que trabalham. (2) Incluem donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração, profissionais liberais e outras posições ocupacionais. obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 5. Diminuíram os rendimentos reais médios dos ocupados (0,3%) e em maior medida dos assalariados (2,8%), passando a equivaler a R$ e R$ 2.264, respectivamente. Apresentaram diminuição dos rendimentos tanto os trabalhadores do setor privado (0,4%), quanto no emprego publico (1,9%). No mesmo período, elevaram-se os rendimentos médios dos autônomos (10,7%), e dos empregados domésticos (7,9%). Os empregadores apresentaram diminuição de seus rendimentos (4,6%) (Tabela 4, corpo do texto). 4

7 Tabela 4 Rendimento Médio Real dos Ocupados, segundo Posição na Ocupação Em reais de novembro de 2011 Rendimento Médio Anual Variações (%) Posição na Ocupação /2010 Total de Ocupados ,3 Assalariados (1) ,8 Setor Privado ,4 Com Carteira Assinada ,2 Sem Carteira Assinada ,2 Setor Público ,9 Autônomos ,7 Empregadores ,6 Empregados Domésticos ,9 Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. (1) Inclusive os assalariados que não declararam o segmento onde trabalham. Nota: Exclusive os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. Inflator utilizado: INPC-DF - IBGE. obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 6. A apropriação dos rendimentos do trabalho ocorre de forma desigual no. No entanto, a distância, em termos relativos, tem diminuído para os ocupados e assalariados de 2010 para No caso dos ocupados, em 2011, os 25% mais pobres auferiram, em média, R$ 470, crescimento de 7,8% em relação a 2010 e os 25% mais ricos, obtiveram rendimento médio de R$ 5.617, o que representa diminuição de 1,0% em relação ao ano anterior. No caso dos assalariados, em 2011, os 25% mais pobres receberam, em média, R$ 529, aumento de 3,5% em relação a 2010 e os 25% mais ricos receberam R$ 6.015, diminuição de 2,9% (Tabela 11, anexo). 7. Em 2011, a massa de rendimentos reais aumentou pelo oitavo ano consecutivo (Gráfico 3). Entre os ocupados, a massa de rendimento aumentou devido ao aumento no nível ocupacional e no rendimento médio real. Entre os assalariados, a massa salarial aumentou devido ao crescimento do nível ocupacional, uma vez que o salário médio apresentou redução (Tabela 12, anexo). 5

8 Base = 2000 = 100,0 180,0 Gráfico 3 Índice do Emprego, do Rendimento Médio Real (1) e da Massa de Rendimento Real (1) dos Ocupados (2) ,0 140,0 120,0 100,0 80,0 100,0 100,0 103,7 99,6 103,3 109,0 109,6 108,5 99,6 95,2 86,9 116,0 87,1 101,0 123,0 85,5 105,1 127,5 85,5 109,0 133,0 88,8 118,1 141,1 136,7 96,9 152,5 155,0 146,3 152,3 156,3 145,7 99,6 99,9 100,9 60,0 40,0 20,0 0, Emprego Rendimento Médio Real Massa de Rendimento Real Fonte: PED-DF - Convênio SETRAB-GDF, CODEPLAN, SEADE-SP e DIEESE. (1) Inflator utilizado: INPC -DF - IBGE. (2) Incluem os ocupados que não tiveram remuneração no mês e excluem os trabalhadores familiares sem remuneração e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. 6

9 Anexo Estatístico TABELAS Tabela 01 Estimativa da População Total e Economicamente Ativa e dos Inativos Maiores de 10 anos, Taxas de Participação e de Desemprego Total a Tabela 02 Taxas de Desemprego, por Tipo e por Grupos de Regiões Administrativas a Tabela 03 Taxas de Desemprego, por Atributos Pessoais a Tabela 04 Distribuição dos Desempregados, por Atributos Pessoais a Tabela 05 Estimativas e do Nível de Ocupação, por Setor de Atividade Econômica a Tabela 06 Estimativas e do Nível de Ocupação, por Posição na Ocupação a Tabela 07 do Nível de Ocupação, por Ramo de Atividade a Tabela 08 Distribuição dos Ocupados, por Atributos Pessoais a Tabela 09 Rendimento Médio Real Trimestral dos Ocupados, Assalariados e dos Autônomos no Trabalho Principal a Tabela 10 Rendimento Real Máximo e Mínimo dos Ocupados e dos Assalariados no Trabalho Principal a Tabela 11 Rendimento Médio Real dos Ocupados e dos Assalariados no Trabalho Principal a Tabela 12 do Emprego, do Rendimento Médio Real e da Massa de Rendimentos Reais dos Ocupados e dos Assalariados a Tabela 13 Rendimento Médio Real dos Assalariados no Setor Público e Privado, por Setor de Atividade Econômica e Carteira de Trabalho Assinada e Não-Assinada pelo Atual Empregador- Distrito Federal a Tabela 14 Estimativas e do Nível de Ocupação, por Setor de Atividade Econômica a

10 Tabela 1 Estimativas da População Total e Economicamente Ativa e dos Inativos Maiores de 10 Anos e Taxas de Participação e de Desemprego Total População Economicamente Ativa Inativos Maiores Total Ocupados Desempregados de 10 Anos Taxas (%) Participação (PEA/PIA) Desemprego Total (DES/PEA) População Total (1) , , , ,6 60,0 15, , , , ,5 59,9 14, , , , ,9 59,7 14, , , , ,9 60,1 15, , , , ,2 60,4 16, , , , ,6 61,9 18, , , , ,8 61,8 19, , , , ,5 62,0 22, , , , ,0 62,7 20, , , , ,0 63,1 20, , , , ,7 64,4 20, , , , ,9 64,5 22, , , , ,1 64,5 20, , , , ,3 64,6 19, , , , ,0 65,1 18, , , , ,4 64,8 17, , , , ,9 65,4 16, , , , ,6 65,3 15, , , , ,7 64,4 13, , , , ,2 62,7 12, Variações Anuais (%) 2011/2010 0,2 1,7-8,9 8,0-2,6-8,8 2,2 2010/2009 1,6 4,2-12,4 5,7-1,4-13,9 2,2 2009/2008 2,8 3,7-1,8 3,1-0,2-4,8 2,3 2008/2007 4,6 6,1-1,8 2,2 0,9-6,2 3,2 2007/2006 3,0 4,4-3,4 3,9-0,5-5,9 2,7 2006/2005 3,5 3,7 2,6 1,5 0,8-1,1 2,8 2005/2004 3,4 6,0-6,2 3,0 0,2-9,1 3,1 2004/2003 3,3 5,9-5,4 3,1 0,0-8,7 3,0 2003/2002 3,3 0,6 13,7 3,2 0,2 10,6 2,4 2002/2001 5,4 5,1 6,6-0,3 2,1 1,0 3,3 2001/2000 4,0 3,7 5,5 2,0 0,6 1,5 3,0 2000/1999 4,3 6,9-4,3 1,5 1,1-8,6 3,2 1999/1998 3,7 0,4 16,0 2,8 0,3 12,2 3,3 1998/1997 3,1 1,7 10,4 3,5-0,2 7,1 3,1 1997/1996 5,9 3,7 17,1-0,7 2,5 10,2 2,9 1996/1995 3,8 2,2 12,0 2,6 0,5 8,4 2,8 1995/1994 4,0 2,5 13,6 2,3 0,7 8,5 3,0 1994/1993 3,0 3,7-0,9 4,0-0,3-3,4 2,1 1993/1992 3,1 3,9-1,8 3,5-0,2-4,5 2,0 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Estimativa da População Total elaborada através consultoria com base nas projeções do IBGE. (2) Estimativa em pessoas. Os índices têm como base a média de 2000 = 100. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 8

11 Tabela 2 Taxas de Desemprego, por Tipo de Desemprego Em porcentagem Taxas de Desemprego Por Tipo Por Grupo de Regiões Administrativas Oculto Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Total Aberto Total Precário Desalento Total Aberto Oculto Total Aberto Oculto Total Aberto Oculto ,4 10,0 5,4 2,9 2,5 7,8 5,1 (1) 14,7 9,9 5,0 20,4 12,6 7, ,7 9,6 5,0 2,6 2,5 6,9 5,2 (1) 13,9 9,3 4,8 19,7 12,8 6, ,2 9,6 4,6 2,4 2,1 5,4 3,7 (1) 13,6 9,4 4,1 19,0 12,4 6, ,4 10,5 4,8 2,8 2,1 6,4 4,5 (1) 14,5 10,1 4,5 20,5 13,7 6, ,7 10,8 5,8 3,2 2,7 7,5 5,1 (1) 15,7 10,3 5,4 21,7 13,8 7, ,4 11,2 7,1 4,1 3,0 8,5 5,8 (1) 17,2 11,2 6,1 23,7 13,5 10, ,7 12,3 7,3 4,2 3,1 8,6 6,5 (1) 18,3 11,9 6,4 25,5 15,0 10, ,1 14,4 7,6 4,3 3,3 9,2 6,6 (1) 20,0 14,1 6,0 29,1 17,8 11, ,2 13,3 6,9 3,6 3,3 9,2 6,6 (1) 17,7 12,0 5,8 26,7 17,2 9, ,5 13,1 7,4 3,9 3,5 9,9 6,5 (1) 18,0 12,1 5,9 26,8 16,2 10, ,7 12,9 7,9 4,2 3,6 9,9 7,1 (1) 18,3 12,6 5,7 26,7 14,9 11, ,9 14,7 8,1 4,5 3,6 10,3 7,2 (1) 20,0 13,9 6,1 29,5 17,6 11, ,9 13,0 7,9 4,2 3,7 10,3 8,0 (1) 18,3 12,7 5,6 26,5 14,7 11, ,0 12,4 6,5 3,6 3,0 9,8 7,2 (1) 16,7 11,8 4,9 23,7 14,3 9, ,8 11,2 7,6 4,3 3,2 9,8 7,4 (1) 17,3 10,8 6,6 22,3 12,6 9, ,7 11,5 6,1 3,3 2,9 9,0 6,6 (1) 16,1 11,3 4,8 21,3 13,0 8, ,6 10,8 5,7 3,0 2,7 9,2 6,8 (1) 14,7 10,4 4,3 19,9 12,1 7, ,8 10,6 5,3 2,7 2,6 8,7 6,3 (1) 14,5 10,7 3,8 18,5 11,4 7, ,6 9,3 4,4 2,2 2,2 7,4 5,7 (1) 11,5 8,9 2,6 16,7 10,2 6, ,4 8,8 3,6 2,0 1,6 6,8 5,1 (1) 10,1 8,0 2,2 15,2 10,2 5,0 Variações Anuais 2011/2010-8,8-5,4-18,2-9,1-27,3-8,1-10, ,2-10,1-15,4-9,0 0,0-21,9 2010/ ,9-12,3-17,0-18,5-15,4-14,9-9, ,7-16,8-31,6-9,7-10,5-11,1 2009/2008-4,8-1,9-7,0-10,0-3,7-5,4-7,4 - -1,4 2,9-11,6-7,0-5,8-6,5 2008/2007-6,2-6,1-6,6-9,1-6,9 2,2 3,0 - -8,7-8,0-10,4-6,6-6,9-7,2 2007/2006-5,9 2,7-19,7-23,3-9,4-8,2-10,8 - -6,9 4,6-27,3-4,5 3,2-13,5 2006/2005-1,1-9,7 16,9 19,4 6,7 0,0 2,8-3,6-8,5 34,7-5,9-11,9 4,3 2005/2004-9,1-4,6-17,7-14,3-18,9-4,9-10,0 - -8,7-7,1-12,5-10,6-2,7-21,4 2004/2003-8,7-11,6-2,5-6,7 2,8 0,0 11,1 - -8,5-8,6-8,2-10,2-16,5-1,7 2003/ ,6 14,0 2,5 7,1 0,0 4,0 1,4-9,3 10,3 7,0 10,5 18,1 2,6 2002/2001 1,0-1,5 6,8 7,7 2,9 0,0 9,2-1,7 4,1-3,4-0,4-8,0 9,4 2001/2000 1,5-1,5 7,2 8,3 6,1 7,6-1,5-1,7 0,8 1,7 0,4-5,8 10,4 2000/1999-8,6-7,6-9,2-16,3 0,0 0,0 0, ,5-14,9-3,3-8,2-3,4-16,5 1999/ ,2 17,1 4,1 2,4 6,5 7,0 1,5-9,3 18,5-6,3 14,1 18,7 8,5 1998/1997 7,1 9,8 2,8 2,4 3,3 1,2 12,1-6,4 6,3 4,9 7,6 11,1 2,9 1997/ ,2 3,7 22,4 28,1 11,1 13,3 13,7-9,6 8,7 13,0 9,2-2,2 32,1 1996/1995 8,4 2,9 20,8 14,3 28,6 17,2 13,3-8,3 2,0 20,0 5,9 0,7 16,4 1995/1994 8,5 9,4 4,3 16,7 0,0 18,5 21,6-6,6 7,4 9,8 7,9 10,5 0,0 1994/1993-3,4 0,0-8,0-7,7-16,0-21,7-28,8 - -2,2 1,1-14,6-3,6-3,1-1,5 1993/1992-4,5-4,0-7,4-10,3 0,0-11,5 2,0 - -5,4-6,1-4,0-3,4 1,6-9,3 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Obs 1.: Grupo 1: Grupo de Regiões Administrativas de renda mais alta ( Brasília, Lago Sul e Lago Norte); Grupo 2: Grupo de Regiões Administrativas de renda intermediária (Gama, Taguatinga, Sobradinho, Planaltina, Núcleo Bandeirante, Guará, Cruzeiro, Candangolândia e Riacho Fundo); Grupo 3: Grupo de Regiões Administrativas de renda mais baixa (Brazlândia, Ceilândia, Samambaia, Paranoá, São Sebastião, Santa Maria e Recanto das Emas). Obs 2.: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 9

12 Tabela 3 Taxas de Desemprego, por Atributos Pessoais Taxas de Desemprego, por Atributos Pessoais Em porcentagem Total Homens Sexo Faixa Etária Posição no Domicílio 60 Anos e Mulheres 10 a 15 Anos 16 a 24 Anos 25 a 39 Anos 40 a 49 Anos 50 a 59 Anos Chefes Cônjuges Filhos Mais ,4 13,5 17,7 38,1 25,3 11,7 7,0 (1) (1) 7,8 16,3 27,5 15,7 18,0 13, ,7 12,8 17,0 38,1 25,2 11,3 5,8 (1) (1) 6,6 15,3 27,1 15,7 17,1 13, ,2 12,2 16,5 36,8 25,2 10,5 5,3 (1) (1) 6,7 14,1 26,3 15,4 16,7 12, ,4 14,0 16,8 38,1 26,9 11,5 6,9 (1) (1) 7,8 14,7 27,5 15,8 17,5 13, ,7 14,7 18,8 45,0 28,5 12,9 7,4 (1) (1) 8,5 16,0 29,9 15,8 18,5 14, ,4 16,1 21,0 52,6 30,8 13,9 9,5 7,7 (1) 9,4 18,8 32,0 18,6 20,0 16, ,7 17,3 22,1 61,1 32,7 15,4 10,1 9,2 (1) 10,4 20,6 33,8 19,5 20,6 17, ,1 19,2 25,3 64,3 36,6 17,6 11,8 10,8 (1) 12,1 24,2 36,3 22,6 23,6 19, ,2 17,8 22,9 58,3 34,0 16,4 10,4 9,7 (1) 11,3 21,7 33,3 20,5 22,4 16, ,5 17,7 23,7 63,6 35,4 16,4 10,9 9,6 (1) 11,2 21,3 33,5 22,6 22,6 17, ,7 18,1 23,5 54,5 36,2 16,4 11,4 10,3 (1) 11,1 21,4 34,6 22,1 22,8 17, ,9 20,1 25,6 72,7 40,4 18,0 12,4 9,6 (1) 12,4 22,1 38,6 24,4 25,0 18, ,9 17,8 24,1 69,2 37,9 16,3 10,5 9,1 (1) 10,2 20,9 35,9 22,0 22,5 17, ,0 15,8 22,1 75,0 35,3 15,4 9,4 6,4 (1) 9,1 18,9 32,6 21,7 19,9 17, ,8 15,9 21,8 71,4 35,2 15,1 9,6 7,6 (1) 9,0 18,2 32,8 20,9 19,9 16, ,7 14,7 20,8 71,4 34,3 14,3 8,8 7,0 (1) 8,1 16,9 31,4 21,4 19,0 15, ,6 13,4 19,8 76,5 32,8 13,6 8,0 6,3 (1) 7,3 15,6 29,4 20,0 17,9 14, ,8 13,0 18,7 72,2 33,0 13,0 7,4 5,3 (1) 6,5 14,8 29,2 18,9 17,0 13, ,6 10,6 16,8 76,5 29,0 11,2 5,9 3,8 (1) 5,3 12,0 25,9 17,6 14,5 11, ,4 9,8 15,0 71,4 26,7 10,1 6,1 4,3 (1) 5,1 11,3 23,1 16,5 13,0 11,1 Variações Anuais 2011/2010-8,8-7,5-10,7-6,7-7,9-9,8 3,4 13,2 - -3,8-5,8-10,8-6,3-10,3-5,9 2010/ ,9-18,5-10,2 6,0-12,1-13,8-20,3-28, ,5-18,9-11,3-6,9-14,7-14,5 2009/2008-4,8-3,0-5,6-5,6 0,6-4,4-7,5-15, ,0-5,1-0,7-5,5-5,0-6,1 2008/2007-6,2-8,8-4,8 7,1-4,4-4,9-9,1-10,0 - -9,9-7,7-6,4-6,5-5,8-3,3 2007/2006-5,9-7,5-4,6 0,0-2,6-5,3-8,3-7, ,0-7,1-4,3 2,4-4,5-8,4 2006/2005-1,1 0,6-1,4-4,8-0,3-1,9 2,1 18,8 - -1,1-3,7 0,6-3,7 0,0-2,4 2005/2004-9,1-11,2-8,3 8,4-6,9-5,5-10,5-29, ,8-9,6-9,2-1,4-11,6-2,9 2004/2003-8,7-11,4-5,9-4,8-6,2-9,4-15,3-5, ,7-5,4-7,0-9,8-10,0-6,4 2003/ ,6 11,0 8,9 33,4 11,6 9,8 8,8-6,8-11,7 3,3 11,6 10,4 9,6 10,0 2002/2001 1,0 2,3-0,8-14,3 2,3 0,0 4,6 7,3 - -0,9 0,5 3,3-2,2 0,9 0,0 2001/2000 1,5-0,6 3,5 9,1 4,1 0,0 4,8-1,0 - -0,9-1,8 0,6 10,2 0,9 2,4 2000/1999-8,6-7,3-9,5-9,3-7,1-6,8-11,9-10,2 - -6,6-10,3-8,3-9,3-5,1-15,7 1999/ ,2 11,0 14,5 5,2 11,9 14,3 16,8 17,4-16,3 17,5 7,4 15,9 14,6 11,9 1998/1997 7,1 7,5 5,2 16,2 6,2 10,8 6,3 19,5-10,6 9,6 5,6 4,8 3,0 6,7 1997/ ,2 9,5 11,7 16,9 8,1 7,8 28, ,6 17,5 7,0 17,7 8,1 11,5 1996/1995 8,4 5,0 11,9 18,1 5,9 12,2 7, ,0 8,8 8,7 0,0 5,7 8,8 1995/1994 8,5 14,8 1,8 3,5 6,7 9,5 30, ,4 4,3 4,6 2,6 4,8 8,8 1994/1993-3,4-4,7-2,9-3,4 0,0-7,1-8, ,5-7,8-3,0-1,9-2,3-4,6 1993/1992-4,5-5,2-4,0 0,0-0,4-3,4-17, ,4-6,1-1,5 0,0-5,0-4,4 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. Demais Membros Negros Raça/Cor Não- Negros 10

13 Tabela 4 Distribuição dos Desempregados, por Atributos Pessoais Distribuição dos Desempregados, por Atributos Pessoais Em porcentagem Sexo Faixa Etária Posição no Domicílio Raça/Cor Total Homens Mulheres 10 a 15 Anos 16 a 24 Anos 25 a 39 Anos 40 a 49 Anos 50 a 59 Anos 60 Anos e Mais Chefes Cônjuges Filhos Demais Membros Negros Não- Negros ,0 48,7 51,3 7,1 48,7 32,7 7,1 (1) (1) 21,2 18,6 44,2 15,9 46,9 53, ,0 47,7 52,3 7,2 50,5 33,3 6,3 (1) (1) 18,9 18,9 45,9 16,2 45,0 55, ,0 47,3 52,7 6,4 51,8 31,8 6,4 (1) (1) 20,0 18,2 46,4 15,5 46,4 53, ,0 48,8 51,2 6,4 50,4 31,2 8,0 (1) (1) 20,8 17,6 45,6 16,0 52,8 47, ,0 47,1 52,9 6,4 50,0 32,1 7,9 (1) (1) 20,7 17,9 47,9 13,6 55,7 44, ,0 46,3 53,7 6,1 48,8 32,3 8,5 3,0 (1) 20,7 19,5 45,1 14,6 59,8 40, ,0 46,4 53,6 6,1 47,5 33,7 8,8 3,3 (1) 22,1 19,9 43,6 14,4 68,5 31, ,0 45,2 54,8 4,3 47,6 34,3 9,5 3,3 (1) 22,9 21,4 42,4 13,3 64,3 35, ,0 45,8 54,2 3,5 47,8 35,3 9,0 3,5 (1) 23,4 21,4 42,8 12,4 67,7 32, ,0 44,3 55,7 3,3 48,1 34,4 9,4 3,8 (1) 22,6 20,3 43,9 13,2 68,4 31, ,0 44,7 55,3 2,7 49,1 33,6 9,7 4,0 (1) 22,1 20,4 44,7 12,8 70,4 29, ,0 45,1 54,9 3,1 49,4 33,5 9,7 3,5 (1) 22,6 19,1 46,7 11,7 73,2 26, ,0 43,2 56,8 3,7 49,0 33,3 9,1 3,7 (1) 20,2 19,8 48,1 11,9 73,3 26, ,0 42,1 57,9 3,9 48,2 34,6 9,2 3,1 (1) 19,7 20,2 47,8 12,3 69,7 30, ,0 43,2 56,8 4,3 47,4 33,8 9,8 3,8 (1) 19,7 20,1 48,7 11,5 70,1 29, ,0 42,0 58,0 4,4 46,9 34,5 9,7 4,0 (1) 19,0 19,9 49,1 11,9 69,5 30, ,0 41,0 59,0 5,9 45,5 34,7 9,5 4,1 (1) 18,0 20,3 49,5 12,2 64,9 35, ,0 41,7 58,3 6,0 46,3 34,4 9,6 3,7 (1) 17,0 20,2 51,8 11,0 70,6 29, ,0 39,8 60,2 6,8 46,6 34,0 8,9 3,1 (1) 16,2 18,8 53,4 11,5 72,8 27, ,0 40,8 59,2 5,7 44,8 33,9 10,3 4,0 (1) 17,2 19,5 51,7 11,5 72,4 27,6 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) A amostra não comporta desagregação para essa categoria. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 11

14 Tabela 5 Estimativas e do Nível de Ocupação, por Setor de Atividade Econômica Total Indústria de Transformação Comércio Serviços Construção Civil Serviços Domésticos Outros (1) , , , , , , , , , , , , ,6 6 85, , , , , , ,6 6 85, , , , , , ,3 6 85, , , , , , , , , , , , , ,2 6 85, , , , , , , , , , , , , ,2 6 85, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 Variações Anuais (%) 2011/2010 1,7-4,1 4,2 2,5 3,0-6,3-15,4 2010/2009 4,2 8,9 3,8 4,3 13,6-4,0 8,3 2009/2008 3,7-2,2 1,7 4,8 15,7-2,9-7,7 2008/2007 6,1 15,0 9,8 6,0 6,3-2,9 8,3 2007/2006 4,4 2,6 7,2 3,6 9,1 4,0 0,0 2006/2005 3,7 2,6-3,2 3,1 25,7 8,6 33,3 2005/2004 6,0 11,8 9,0 5,9 9,4-1,1 0,0 2004/2003 5,9 6,3 5,9 5,7 3,2 6,8 12,5 2003/2002 0,6 0,0 2,3 1,6-8,8-2,2-20,0 2002/2001 5,1 6,7 7,3 3,7 6,3 9,8 11,1 2001/2000 3,7 0,0 6,0 4,8-5,9-3,5 28,6 2000/1999 6,9 3,4 8,3 7,7 13,3-1,2 16,7 1999/1998 0,4 0,0-1,8 2,5-9,1-1,1-33,3 1998/1997 1,7-14,7-0,9 3,3-2,9 1,2 50,0 1997/1996 3,7 3,0 7,8 2,7 3,0 6,2-14,3 1996/1995 2,2 26,9 1,0 1,4 0,0 0,0 16,7 1995/1994 2,5 8,3-1,0 4,5-17,5 5,2 0,0 1994/1993 3,7 4,3 5,1 4,2 2,6 0,0 0,0 1993/1992 3,9-14,8 5,4 4,4 14,7 5,5-33,3 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Incluem agricultura, pecuária e outras atividades. (2) Em pessoas. Base: média de 2000 = 100. (4) A amostra não comporta desagregação para essa categoria. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 12

15 Tabela 6 Estimativas e do Nível de Ocupação, por Posição na Ocupação Ocupados (1) Absolutos (4) (5) Total geral (2) Absolutos (4) (5) Absolutos (4) (5) Absolutos (4) Assalariados Setor Privado Total Com Carteira Assinada Sem Carteira Assinada (5) Absolutos (4) (5) Setor Público Absolutos (4) (5) Autônomos Absolutos (4) (5) Empregados Domésticos Absolutos (4) (5) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,7 Variações Anuais (%) 2011/2010 1,7 3,7 4,1 5,9-5,0 2,6-6,6-6,3 2010/2009 4,2 7,4 9,0 10,4 3,1 4,2-5,7-4,0 2009/2008 3,7 5,3 6,3 8,3-2,0 3,2 0,6-2,9 2008/2007 6,1 7,6 9,2 10,2 5,3 4,6 4,2-2,9 2007/2006 4,4 4,0 5,2 4,8 6,7 1,7 4,3 4,0 2006/2005 3,7 2,9 4,5 4,4 6,0-0,4 8,8 8,6 2005/2004 6,0 6,6 9,8 10,4 6,3 2,2 7,2-1,1 2004/2003 5,9 6,0 7,8 7,7 8,2 2,2 10,4 6,8 2003/2002 0,6 1,0 1,4 3,6-6,4 0,9 0,0-2,2 2002/2001 5,1 2,5 5,4 6,2 4,0-2,2 16,8 9,8 2001/2000 3,7 4,8 7,7 8,8 2,7 1,3-1,8-3,5 2000/1999 6,9 8,7 11,4 10,1 15,9 5,6 10,1-1,2 1999/1998 0,4 2,3 2,6 3,3 0,0 1,4-2,0-1,1 1998/1997 1,7 2,8 5,0 4,5 6,8 0,0-6,5 1,2 1997/1996 3,7 4,4 10,2 9,8 9,3-1,4-2,7 6,2 1996/1995 2,2 1,6 2,6 2,2 5,9 0,0 7,8 0,0 1995/1994 2,5 0,7 0,4-0,6 2,0 1,4 6,2 5,2 1994/1993 3,7 4,0 3,2 3,4 6,4 4,4 6,6 0,0 1993/1992 3,9 3,9 4,7 4,2 4,4 3,0 4,6 5,5 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Inclui empregadores, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração, profissionais liberais e outras posições ocupacionais. (2) Excluem os empregados domésticos e incluem aqueles que não sabem a que setor pertence a empresa em que trabalham. Inclui os estatutários e os celetistas que trabalham em instituições públicas (Governos Municipal, Estadual, Federal, empresa de economia mista, autarquia, fundação etc). (4) Em pessoas. (5) Base: média de 2000 = 100. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 13

16 Tabela 7 do Nível de Ocupação, por Setor e Ramo de Atividade Base: Média de 2000 = 100 do Nível de Ocupação, por Setor e Ramo de Atividade Total Geral Indústria de Transformação Construção Civil Comércio Serviços Domésticos Outros (1) ,3 90,0 100,0 79,5 85,9 128, ,3 76,7 114,7 83,8 90,6 85, ,4 80,0 117,6 88,0 90,6 85, ,5 86,7 97,1 87,2 95,3 85, ,4 110,0 97,1 88,0 95,3 100, ,7 113,3 100,0 94,9 101,2 85, ,2 96,7 97,1 94,0 102,4 128, ,6 96,7 88,2 92,3 101,2 85, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100, ,7 100,0 94,1 106,0 96,5 128, ,0 106,7 100,0 113,7 105,9 142, ,6 106,7 91,2 116,2 103,5 114, ,0 113,3 94,1 123,1 110,6 128, ,0 126,7 102,9 134,2 109,4 128, ,5 130,0 129,4 129,9 118,8 171, ,0 133,3 141,2 139,3 123,5 171, ,1 153,3 150,0 153,0 120,0 185, ,3 150,0 173,5 155,6 116,5 171, ,5 163,3 197,1 161,5 111,8 185, ,0 156,7 202,9 168,4 104,7 157,1 Variações Anuais (%) 2011/2010 1,7-4,1 3,0 4,2-6,3-15,4 2010/2009 4,2 8,9 13,6 3,8-4,0 8,3 2009/2008 3,7-2,2 15,7 1,7-2,9-7,7 2008/2007 6,1 15,0 6,3 9,8-2,9 8,3 2007/2006 4,4 2,6 9,1 7,2 4,0 0,0 2006/2005 3,7 2,6 25,7-3,2 8,6 33,3 2005/2004 6,0 11,8 9,4 9,0-1,1 0,0 2004/2003 5,9 6,3 3,2 5,9 6,8 12,5 2003/2002 0,6 0,0-8,8 2,3-2,2-20,0 2002/2001 5,1 6,7 6,3 7,3 9,8 11,1 2001/2000 3,7 0,0-5,9 6,0-3,5 28,6 2000/1999 6,9 3,4 13,3 8,3-1,2 16,7 1999/1998 0,4 0,0-9,1-1,8-1,1-33,3 1998/1997 1,7-14,7-2,9-0,9 1,2 50,0 1997/1996 3,7 3,0 3,0 7,8 6,2-14,3 1996/1995 2,2 26,9 0,0 1,0 0,0 16,7 1995/1994 2,5 8,3-17,5-1,0 5,2 0,0 1994/1993 3,7 4,3 2,6 5,1 0,0 0,0 1993/1992 3,9-14,8 14,7 5,4 5,5-33,3 (continua) 14

17 Tabela 7 do Nível de Ocupação, por Setor e Ramo de Atividade Total Oficina Mecânica Limpeza e Outras Oficinas Trans-portes do Nível de Ocupação, por Setor e Ramo de Atividade Serviços Especializados Admin. e Util. Públ. Creditícios Alimen-tação Educação Saúde Base: média de 2000 = 100 Outros Serviços (2) ,0 80,0 109,4 88,5 54,8 79,9 100,0 65,0 68,3 65,0 47,4 57, ,3 80,0 125,0 88,5 64,5 83,3 115,0 75,0 66,7 65,0 47,4 55, ,6 80,0 112,5 88,5 67,7 87,4 125,0 77,5 73,3 70,0 47,4 60, ,2 86,7 118,8 88,5 74,2 90,2 100,0 90,0 76,7 77,5 63,2 63, ,4 86,7 118,8 92,3 80,6 90,2 90,0 80,0 81,7 77,5 68,4 68, ,7 86,7 115,6 100,0 90,3 87,9 90,0 85,0 85,0 80,0 68,4 79, ,6 100,0 109,4 96,2 96,8 89,1 95,0 95,0 90,0 82,5 73,7 82, ,9 93,3 103,1 92,3 96,8 94,8 100,0 90,0 91,7 90,0 73,7 87, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100, ,8 100,0 115,6 103,8 109,7 103,4 110,0 100,0 106,7 97,5 115,8 103, ,7 106,7 121,9 111,5 122,6 103,4 120,0 112,5 101,7 102,5 131,6 107, ,4 113,3 115,6 103,8 119,4 105,7 130,0 110,0 103,3 102,5 157,9 111, ,7 126,7 112,5 107,7 116,1 110,9 125,0 125,0 110,0 107,5 184,2 122, ,7 126,7 125,0 107,7 116,1 116,7 135,0 135,0 113,3 110,0 221,1 128, ,5 120,0 134,4 115,4 125,8 115,5 135,0 142,5 111,7 120,0 226,3 142, ,1 140,0 118,8 115,4 135,5 114,9 140,0 152,5 116,7 125,0 278,9 149, ,0 140,0 131,3 119,2 145,2 120,7 155,0 147,5 125,0 137,5 326,3 155, ,7 140,0 128,1 130,8 161,3 126,4 140,0 162,5 128,3 145,0 347,4 165, ,1 133,3 131,3 134,6 164,5 131,0 145,0 172,5 131,7 152,5 378,9 173, ,9 153,3 165,6 138,5 171,0 129,9 145,0 177,5 130,0 157,5 342,1 190,5 Variações Anuais (%) 2011/2010 2,5 15,0 26,2 2,9 3,9-0,9 0,0 2,9-1,3 3,3-9,7 10,1 2010/2009 4,3-4,8 2,4 2,9 2,0 3,6 3,6 6,2 2,6 5,2 9,1 4,8 2009/2008 4,8 0,0-2,4 9,7 11,1 4,8-9,7 10,2 2,7 5,5 6,5 6,1 2008/2007 6,0 0,0 10,5 3,3 7,1 5,0 10,7-3,3 7,1 10,0 17,0 4,3 2007/2006 3,6 16,7-11,6 0,0 7,7-0,5 3,7 7,0 4,5 4,2 23,3 4,4 2006/2005 3,1-5,3 7,5 7,1 8,3-1,0 0,0 5,6-1,5 9,1 2,4 11,1 2005/2004 5,9 0,0 11,1 0,0 0,0 5,2 8,0 8,0 3,0 2,3 20,0 5,2 2004/2003 5,7 11,8-2,7 3,7-2,7 4,9-3,8 13,6 6,5 4,9 16,7 10,0 2003/2002 1,6 6,3-5,1-6,9-2,6 2,2 8,3-2,2 1,6 0,0 20,0 2,9 2002/2001 3,7 6,7 5,4 7,4 11,8 0,0 9,1 12,5-4,7 5,1 13,6 4,6 2001/2000 4,8 0,0 15,6 3,8 9,7 3,4 10,0 0,0 6,7-2,5 15,8 3,2 2000/1999 7,7 7,1-3,0 8,3 3,3 5,5 0,0 11,1 9,1 11,1 35,7 14,5 1999/1998 2,5-6,7-5,7-4,0 0,0 6,5 5,3-5,3 1,9 9,1 0,0 5,8 1998/1997 3,3 15,4-5,4-3,8 7,1 1,3 5,6 11,8 5,9 3,1 7,7 4,0 1997/1996 2,7 0,0-2,6 8,3 12,0-2,5 0,0 6,3 4,1 3,2 0,0 16,3 1996/1995 1,4 0,0 0,0 4,3 8,7 0,0-10,0-11,1 6,5 0,0 8,3 7,5 1995/1994 4,5 8,3 5,6 0,0 9,5 3,3-20,0 16,1 4,5 10,7 33,3 5,3 1994/1993 4,2 0,0-10,0 0,0 5,0 4,8 8,7 3,3 10,0 7,7 0,0 8,6 1993/1992 4,4 8,3 5,6 0,0 9,5 3,3-20,0 16,1 4,5 10,7 33,3 5,3 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (conclusão) (1) Incluem agricultura, pecuária e outras atividades. (2) Incluem serviços pessoais; diversões, radiodifusão e teledifusão; serviços comunitários; comércio, administração de valores mobiliários e de imóveis; outros serviços. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. Auxiliares 15

18 Tabela 8 Distribuição dos Ocupados, por Atributos Pessoais Distribuição dos Ocupados, por Atributos Pessoais Em porcentagem Sexo Faixa Etária Posição no Domicílio Raça/Cor Total Homens Mulheres 10 a 15 Anos 16 a 24 Anos 25 a 39 Anos 40 a 49 Anos 50 a 59 Anos 60 Anos e Mais Chefes Cônjuges Filhos Demais Membros Negros Não- Negros ,0 56,5 43,5 2,3 26,1 44,8 17,1 7,6 2,1 45,6 17,4 21,3 15,6 39,0 61, ,0 56,0 44,0 2,0 25,7 44,8 17,7 7,8 2,0 45,7 18,0 21,1 15,2 37,7 62, ,0 56,1 43,9 1,8 25,3 44,5 18,5 7,8 2,1 45,4 18,2 21,5 14,8 38,1 61, ,0 54,7 45,3 1,7 24,9 43,6 19,4 7,9 2,5 44,8 18,7 21,9 14,7 45,3 54, ,0 54,5 45,5 1,6 25,1 43,2 19,5 8,0 2,6 44,5 18,5 22,4 14,4 48,9 51, ,0 54,5 45,5 1,2 24,8 45,0 18,6 8,1 2,3 45,0 19,0 21,6 14,4 53,9 46, ,0 54,3 45,7 0,9 24,0 45,3 19,2 8,0 2,6 46,4 18,7 21,0 13,9 63,9 36, ,0 53,9 46,1 0,7 23,3 45,6 20,2 7,8 2,4 47,2 19,0 21,0 12,9 58,8 41, ,0 53,7 46,4 0,6 23,5 45,6 19,7 8,2 2,5 46,5 19,5 21,7 12,4 58,9 41, ,0 53,4 46,6 0,6 22,5 45,1 20,1 9,0 2,7 46,5 19,3 22,5 11,7 60,3 39, ,0 53,0 47,0 (1) 22,8 44,9 19,8 9,0 2,9 46,4 19,6 22,1 11,8 62,3 37, ,0 52,9 47,1 (1) 21,5 45,1 20,4 9,8 2,9 47,0 19,9 22,0 11,0 65,4 34, ,0 52,7 47,3 (1) 21,2 45,1 20,4 9,8 3,2 46,8 19,8 22,7 10,8 66,7 33, ,0 52,4 47,6 (1) 20,7 44,4 20,8 10,5 3,3 46,4 20,2 23,1 10,4 65,4 34, ,0 52,7 47,3 (1) 20,1 43,9 21,5 10,8 3,4 45,9 20,9 23,1 10,1 65,3 34, ,0 52,3 47,7 (1) 19,2 44,2 21,7 11,3 3,2 46,3 21,1 22,9 9,8 63,5 36, ,0 52,5 47,5 (1) 18,5 43,7 21,8 11,9 3,8 45,5 21,7 23,5 9,3 59,7 40, ,0 52,4 47,6 0,4 17,7 43,1 22,6 12,2 4,0 45,8 21,7 23,6 8,9 65,4 34, ,0 52,9 47,2 (1) 18,0 42,7 22,5 12,5 4,0 45,5 21,8 24,2 8,6 68,0 32, ,0 53,0 47,0 (1) 17,4 43,0 22,5 12,7 4,1 45,6 21,7 24,4 8,2 68,7 31,3 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) A amostra não comporta desagregação para essa categoria. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 16

19 Tabela 9 Rendimento Médio Real dos Ocupados, Assalariados e Autônomos no Trabalho Principal Valores Absolutos Ocupados (1) (4) Rendimento Médio Real Assalariados (2) Valores Absolutos (4) Valores Absolutos Autônomos (4) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 Variações Anuais (%) 2011/2010-0,3-2,8 10,7 2010/2009 1,0-2,3 10,8 2009/2008 3,7 3,5-0,6 2008/2007 7,3 5,7 6,0 2007/2006 5,7 6,3 7,2 2006/2005 3,1 4,1 3,7 2005/2004 1,1 0,9-2,3 2004/2003-1,5 0,6-4,0 2003/ ,2-11,9-16,7 2002/2001-2,6-1,4-3,3 2001/2000 0,4 1,1 0,6 2000/1999-5,7-7,1-4,9 1999/1998 1,6 1,5-1,1 1998/1997-2,3-3,4-10,0 1997/1996-4,3-4,4-3,2 1996/1995 5,9 3,6-2,0 1995/1994 1,1 1,4 6,4 1994/1993-2,0-6,1 10,4 1993/1992 8,3 11,2 6,2 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Excluem os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. (2) Excluem os assalariados que não tiveram remuneração no mês. Inflator atualizado até junho de 2001 pelo IPCR-SDE/GDF, e a partir de junho de 2001 atualizado pelo INPC/DF-IBGE. Valores em reais de novembro de (4) Base: média de 2000 =

20 Tabela 10 Rendimento Real Máximo e Mínimo dos Ocupados e dos Assalariados no Trabalho Principal Limite Máximo dos 10% Mais Pobres Limite Máximo dos 25% Mais Pobres Rendimento Real (1) Ocupados (2) Assalariados Limite Máximo dos 50% Mais Pobres Limite Mínimo dos 25% Mais Ricos Limite Mínimo dos 10% Mais Ricos Limite Máximo dos 10% Mais Pobres Limite Máximo dos 25% Mais Pobres Limite Máximo dos 50% Mais Pobres Limite Mínimo dos 25% Mais Ricos Limite Mínimo dos 10% Mais Ricos Variações Anuais (%) 2011/2010 0,7 0,7 3,3-5,2-4,5 1,1 2,5-3,9-5,1-5,2 2010/ ,4 7,3 7,0-2,6 3,4 5,1 1,1-2,0-5,7-2,6 2009/2008 3,9 2,7-1,7-3,0 6,5 8,0 6,1 4,5-1,9-1,9 2008/2007 3,8 5,7 7,2 9,7 6,6-0,6-0,8 4,1 11,5 13,8 2007/ ,3 2,3 9,9 8,9 10,9 8,6 5,3-1,2 2,4 2,4 2006/2005 2,9 1,2-3,3-3,8 0,8 5,6 2,5-4,7 2,6 14,1 2005/2004 7,3 2,8-4,0-4,0 0,6 0,0-0,7 1,8-1,1 1,2 2004/2003-0,6 2,1 0,5 3,4-0,1-2,7-1,4-0,4 4,5-4,4 2003/2002-4,0-12,0-11,4-10,2-14,3-7,6-9,8-8,2-11,0-13,4 2002/2001 0,8-4,2-6,8-5,7-1,3-2,9-1,4-5,6 1,2 0,8 2001/ ,9 3,8-2,0 2,9 3,9 7,5 1,6-2,2 4,8-1,4 2000/1999-3,9-2,1-5,2-6,2-6,6-5,8-5,6-7,4-7,2-6,5 1999/1998-2,9 0,9-3,1-1,3 5,1 3,0-2,2-2,0-0,5 3,0 1998/1997 1,5-1,2-0,4-2,2-7,8-5,2-5,2-2,7-8,3-3,4 1997/ ,1 4,2-1,0-4,8-5,7 0,4-4,7-7,2-5,0-2,4 1996/1995 0,7 11,2 8,0 5,5 2,3 8,8 7,1 7,9 3,2-2,4 1995/ ,1 11,1 5,3 6,8-0,8 19,5 8,8 9,0 4,7 1,7 1994/ ,0-6,4-3,2 0,7-1,0-10,6-7,1-5,2-2,7-6,9 1993/1992 8,6-3,3 3,5 8,7 13,0-3,8 2,6 5,8 14,5 14,8 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Inflator atualizado até junho de 2001 pelo IPCR-SDE/GDF, e a partir de junho de 2001 atualizado pelo INPC/DF-IBGE. Valores em reais de novembro de (2) Excluem os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. Excluem os os assalariados que não tiveram remuneração no mês. 18

21 Tabela 11 Rendimento Médio Real dos Ocupados e dos Assalariados no Trabalho Principal 10% Mais Pobres 25% Mais Pobres Rendimento Médio Real (1) Ocupados (2) Assalariados Entre 25 e 50% Mais Pobres Entre 50 e 25% Mais Ricos 25% Mais Ricos 10% Mais Ricos 10% Mais Pobres 25% Mais Pobres Entre 25 e 50% Mais Pobres Entre 50 e 25% Mais Ricos 25% Mais Ricos Variações Anuais (%) 2011/ ,1 7,8 3,6 1,1-1,0-0,9 7,4 3,5 0,9-3,0-2,9-2,9 2010/ ,1 8,7 5,6 2,0-0,5-0,3 9,1 6,2 1,9-4,4-2,9-2,1 2009/2008 4,3 6,9 4,3 2,0 3,8 4,8 3,4 3,2 2,0 0,1 4,5 5,2 2008/2007 6,2 3,9 4,9 7,0 7,7 7,3 0,9 1,3 3,0 3,1 7,0 7,0 2007/2006 9,6 7,1 4,2 4,0 6,4 6,0 6,1 4,5 3,4 4,8 7,3 6,6 2006/2005-7,8 3,1-0,2-3,7 5,3 6,1 5,2 3,5-1,1-0,9 6,3 5,7 2005/2004 4,9 4,1 1,1-0,6 1,5 1,8 4,4 2,2-1,2-0,6 1,5 1,7 2004/2003-7,1-1,9-0,8-2,6-1,5-1,7-1,0 0,2-0,7-0,4 0,7 0,7 2003/2002-3,4-8,0-11,5-12,1-12,4-12,6-2,9-7,4-10,7-10,5-12,4-13,0 2002/2001-3,8-2,2-4,2-4,0-1,9-2,2 1,3-2,0-4,5-3,1-0,3-0,3 2001/2000 7,0 6,0 2,9 1,0-0,4-1,0 8,9 4,6 1,6 0,3 0,9 1,2 2000/1999 4,7 0,3-3,8-6,5-6,2-6,1-4,1-5,0-8,1-7,9-6,9-6,5 1999/1998 0,0-0,3-1,2-0,5 2,9 5,2 0,3 0,7-1,0-0,4 2,7 4,6 1998/ ,5 5,0-2,0-3,5-1,8-1,0 7,0 0,4-3,8-3,8-2,7-2,1 1997/1996 5,1 4,6-0,9-3,6-5,0-5,6 6,7 2,0-3,6-5,7-4,2-3,6 1996/1995-1,9 9,7 7,4 8,1 4,7 5,3 5,8 5,9 4,8 6,5 2,1 3,1 1995/ ,6 10,7 10,0 8,6-2,4-5,1 7,1 9,9 7,5 8,7-2,5-4,8 1994/1993-3,4-11,3-6,0-2,6-1,5-2,5-17,9-10,5-6,2-4,7-6,6-8,8 1993/ ,1 3,6 0,7 6,3 10,3 9,2 8,3 2,1 5,2 11,0 13,0 12,3 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Inflator atualizado até junho de 2001 pelo IPCR-SDE/GDF, e a partir de junho de 2001 atualizado pelo INPC/DF-IBGE. Valores em reais de novembro de (2) Excluem os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. Excluem os assalariados que não tiveram remuneração no mês. 10% Mais Ricos 19

22 Tabela 12 do Emprego, do Rendimento Médio Real e da Massa de Rendimentos Reais dos Ocupados e dos Assalariados Base: média de 2000 = 100 Ocupados (1) Assalariados (2) Emprego Rendimento Médio Real Massa de Rendimentos Reais Emprego Salário Médio Real Massa Salarial Real ,3 109,6 85,8 75,9 113,4 86, ,3 105,9 86,2 78,8 112,1 88, ,4 90,6 76,4 82,0 92,2 75, ,5 93,1 80,5 82,6 94,4 77, ,4 109,4 96,7 83,9 112,4 94, ,7 103,3 94,7 87,6 107,1 93, ,2 105,8 98,6 90,0 107,7 96, ,6 106,3 99,4 92,0 108,0 99, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100, ,7 99,6 103,3 104,8 100,2 105, ,0 99,6 108,5 107,4 101,2 108, ,6 86,9 95,2 108,5 88,7 96, ,0 87,1 101,0 115,0 89,8 103, ,0 85,5 105,1 122,6 87,8 107, ,5 85,5 109,0 126,2 88,6 111, ,0 88,8 118,1 131,2 92,6 121, ,1 96,9 136,7 141,2 99,6 140, ,3 99,6 145,7 148,6 102,4 152, ,5 99,9 152,3 159,6 99,3 158, ,0 100,9 156,3 165,5 97,1 160,6 Variações Anuais (%) 2011/2010 1,7 1,0 2,7 3,7-2,2 1,4 2010/2009 4,2 0,3 4,5 7,4-3,1 4,1 2009/2008 3,7 2,8 6,6 5,3 2,9 8,3 2008/2007 6,1 9,1 15,7 7,6 7,5 15,7 2007/2006 4,4 3,9 8,4 4,0 4,6 8,7 2006/2005 3,7 0,0 3,7 2,9 0,8 3,7 2005/2004 6,0-1,8 4,1 6,6-2,2 4,2 2004/2003 5,9 0,2 6,1 6,0 1,3 7,4 2003/2002 0,6-12,8-12,2 1,0-12,4-11,4 2002/2001 5,1-0,1 5,0 2,5 1,0 3,5 2001/2000 3,7-0,4 3,3 4,8 0,2 5,0 2000/1999 6,9-5,9 0,6 8,7-7,4 0,6 1999/1998 0,4 0,4 0,8 2,3 0,3 2,5 1998/1997 1,7 2,4 4,1 2,8 0,6 3,4 1997/1996 3,7-5,5-2,0 4,4-4,7-0,5 1996/1995 2,2 17,5 20,1 1,6 19,1 21,0 1995/1994 2,5 2,8 5,4 0,7 2,3 3,0 1994/1993 3,7-14,5-11,3 4,0-17,7-14,4 1993/1992 3,9-3,3 0,4 3,9-1,2 2,7 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. NOTA: Inflator atualizado até junho de 2001 pelo IPCR-SDE/GDF, e a partir de junho de 2001 atualizado pelo INPC/DF-IBGE. (1) Incluem os ocupados que não tiveram remuneração no mês e excluem os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. (2) Incluem os assalariados que não tiveram remuneração no mês. 20

23 Tabela 13 Rendimento Médio Real dos Assalariados no Setor Público e Privado, por Setor de Atividade Econômica e Carteira de Trabalho Assinada e Não-Assinada pelo Atual Empregador Total de Assalariados (1) Total Indústria de Transformação Assalariados no Setor Privado Setor de Atividade Comércio Serviços Assinada Carteira de Trabalho Não- Assinada Assalariados do Setor Público (2) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Variações Anuais (%) 2011/2010-2,8-0,4 - -0,1 0,1-0,3-2,2-1,9 2010/2009-2,3 0,2-2,8-1,7-2,6 19,5 0,3 2009/2008 3,5 3,4-3,9 3,1 2,9 3,0 5,8 2008/2007 5,7 3,5-0,6 4,0 3,8 0,3 8,8 2007/2006 6,3 5,0-6,5 5,7 4,0 12,2 10,4 2006/2005 4,1 0,8-4,7-1,1 1,8-4,4 8,7 2005/2004 0,9 1,0 - -3,1 3,5 0,3 3,3 5,4 2004/2003 0,6-1,7-0,7-3,7-0,5-7,5 4,2 2003/ ,9-12, ,3-11,7-13,8-4,6-11,3 2002/2001-1,4-0,4 - -3,1 1,2-0,6 1,5 1,8 2001/2000 1,1-1,4 - -0,4-2,7-2,2 1,2 5,4 2000/1999-7,1-5,9 - -1,9-4,8-6,5-1,1-5,9 1999/1998 1,5 0,7 - -1,4-0,1 0,2 3,6 2,7 1998/1997-3,4-3,4 - -8,0-2,0-4,5 4,8-1,7 1997/1996-4,4-0,1 - -1,9-0,7 0,1-2,9-2,4 1996/1995 3,6 3,5 - -2,1 8,0 2,2 9,0 1,9 1995/1994 1,4 3,5-7,8 2,5 2,7 11,4 1,2 1994/1993-6,1-4,1 - -5,0-4,4-3,9-3,3-6,8 1993/ ,2 3,8-3,5 3,1 3,2 7,2 14,9 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. NOTA: Inflator atualizado até junho de 2001 pelo IPCR-SDE/GDF, e a partir de junho de 2001 atualizado pelo INPC/DF-IBGE. Valores em reais de novembro de (1) Exclui os assalariados que não tiveram remuneração no mês e os empregados domésticos. (2) Englobam empregados nos Governos Municipal, Estadual e Federal, nas empresas de economia mista, nas autarquias etc. 21

24 Tabela 14 Estimativas e do Nível de Ocupação, por Setor de Atividade Econômica Total Indústria de Transformação Comércio Serviços Administração Pública Construção Civil Serviços Domésticos Outros (1) , , , , , , , , , , , , , , ,6 6 85, , , , , , , ,6 6 85, , , , , , , ,3 6 85, , , , , , , , , , , , , , , ,2 6 85, , , , , , , , , , , , , , , ,2 6 85, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 Variações Anuais (%) 2011/2010 1,7-4,1 4,2 3,9-1,5 3,0-6,3-15,4 2010/2009 4,2 8,9 3,8 4,6 3,6 13,6-4,0 8,3 2009/2008 3,7-2,2 1,7 4,2 6,1 15,7-2,9 0,0 2008/2007 6,1 15,0 9,8 6,8 4,0 6,3-2,9 0,0 2007/2006 4,4 2,6 7,2 5,3-1,1 9,1 4,0 0,0 2006/2005 3,7 2,6-3,2 5,0-1,7 25,7 8,6 33,3 2005/2004 6,0 11,8 9,0 5,7 5,9 9,4-1,1 12,5 2004/2003 5,9 6,3 5,9 6,8 3,7 3,2 6,8 0,0 2003/2002 0,6 0,0 2,3 1,0 3,2-8,8-2,2-20,0 2002/2001 5,1 6,7 7,3 4,9 0,6 6,3 9,8 11,1 2001/2000 3,7 0,0 6,0 6,3 1,3-5,9-3,5 28,6 2000/1999 6,9 3,4 8,3 8,0 6,9 13,3-1,2 16,7 1999/1998 0,4 0,0-1,8 1,2 6,6-9,1-1,1-40,0 1998/1997 1,7-14,7-0,9 5,0-1,4-2,9 1,2 66,7 1997/1996 3,7 3,0 7,8 5,0-2,1 3,0 6,2-14,3 1996/1995 2,2 26,9 1,0 1,7 0,7 0,0 0,0 16,7 1995/1994 2,5 8,3-1,0 5,3 2,9-17,5 5,2 0,0 1994/1993 3,7 4,3 5,1 4,0 4,6 2,6 0,0 0,0 1993/1992 3,9-14,8 5,4 4,6 4,0 14,7 5,5-33,3 Fonte: Convênio: DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/SETRAB-GDF/CODEPLAN. PED-DF - Pesquisa de Emprego e Desemprego no. (1) Incluem agricultura, pecuária e outras atividades. (2) Em pessoas. Base: média de 2000 = 100. (4) A amostra não comporta desagregação para essa categoria. Obs: quaisquer pequenas diferenças nos dados apresentados devem-se a arredondamentos. 22

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE 2011 Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável De acordo com as informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE 2011 Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento Em março, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou crescimento

Leia mais

AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO

AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 04 Resultados de abril de 2015 AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria de Estado

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 11 Resultados de novembro de 2014 TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA 1. As informações produzidas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego PED no Distrito

Leia mais

Taxa de desemprego aumenta no DF

Taxa de desemprego aumenta no DF MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 25 Nº 01 Resultados de janeiro de 2016 Taxa de desemprego aumenta no DF 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria

Leia mais

DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL

DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 12 Resultados de dezembro de 2014 DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa de desemprego total

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 - Número Especial MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 Os valores aqui apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais indicadores

Leia mais

Taxa de desemprego estável no DF

Taxa de desemprego estável no DF MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 11 Resultados de novembro de 2015 Taxa de desemprego estável no DF 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria

Leia mais

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Ano 21 - Número 04 ABRIL DE 2012 Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável Em abril, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou relativa estabilidade da taxa

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012 Ano 18 Nº 13-2012 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012 Os resultados apresentados referem-se aos valores

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007 Taxa de desemprego registra variação negativa, devido a saída de pessoas do mercado de trabalho. As informações captadas pela Pesquisa

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2013

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2013 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2013 Ano 19 Nº 13-2013 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2013 Os resultados apresentados referem-se aos valores

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Taxa de desemprego aumenta, em comportamento típico para o período

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2014 MARÇO - 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Inúmeras têm sido as abordagens sobre a crescente presença feminina

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO 2011 Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

Taxa de desemprego aumenta pelo quarto mês consecutivo

Taxa de desemprego aumenta pelo quarto mês consecutivo MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Maio de 2015 Taxa de desemprego aumenta pelo quarto mês consecutivo RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED,

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2016 MARÇO - 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal Inúmeras têm sido as abordagens sobre a crescente

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2011 Ano 4 Número Especial MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011 Os resultados apresentados referem-se aos

Leia mais

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Resultados de janeiro de 2015 Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Crescimento da ocupação reduz desemprego

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Crescimento da ocupação reduz desemprego PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 271 266 JUNHO DE 2007 Crescimento da ocupação reduz desemprego Depois de seis meses sem aumento, ocupação na indústria

Leia mais

Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul.

Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2 DE 2011 DIVULGAÇÃO N o 7 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação na Indústria, no Comércio e no agregado Outros

Leia mais

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego Nível de ocupação diminui nos Serviços, na Indústria de Transformação e na Construção e se eleva

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL Resultados de 2013 Divulgação: Novembro de 2014 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 No momento em que se celebra o dia da Consciência

Leia mais

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 Ano 25 - Número Especial DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 Em 2016, de acordo com as

Leia mais

DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL

DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE JUNHO DE 2007 1 2 3 DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL Divulgação junho 2007 1. Para junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de apontam estabilidade

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2016 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 376 Taxa de desemprego aumenta pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação diminui na Indústria de

Leia mais

Melhoria no mercado de trabalho não foi suficiente para garantir uma inserção menos desigual às mulheres

Melhoria no mercado de trabalho não foi suficiente para garantir uma inserção menos desigual às mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2013 MARÇO - 2012 Melhoria no mercado de trabalho não foi suficiente para garantir uma inserção menos desigual às mulheres De maneira

Leia mais

Taxa de desemprego continua ascendente em três regiões

Taxa de desemprego continua ascendente em três regiões Taxa de desemprego continua ascendente em três regiões MAIO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu no Distrito Federal, em Salvador

Leia mais

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 SETEMBRO DE 2013 2 LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

Taxa de desemprego cresce nas cinco regiões

Taxa de desemprego cresce nas cinco regiões Taxa de desemprego cresce nas cinco regiões Março DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu, pelo segundo mês consecutivo no Distrito

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 *

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 * MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 * As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2013, mostram crescimento do nível de ocupação,

Leia mais

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Divulgação ano 2008 BALANÇO DE 2008 MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2008, a População

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. Taxa de desemprego se eleva

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. Taxa de desemprego se eleva PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 JANEIRO 2 DE 2012 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese,

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED fevereiro DE 2016 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 375 Taxa de desemprego aumenta, após quatro meses em relativa estabilidade Nível de ocupação diminui

Leia mais

PED ABC. Maio 2 DE Pequeno crescimento da taxa de desemprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. N o 25

PED ABC. Maio 2 DE Pequeno crescimento da taxa de desemprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. N o 25 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Maio 2 DE 2013 DIVULGAÇÃO N o 25 Pequeno crescimento da taxa de desemprego Aumenta o nível de ocupação no Comércio e Reparação de Veículos Automotores

Leia mais

Em movimento esperado para o período, aumenta a taxa de desemprego

Em movimento esperado para o período, aumenta a taxa de desemprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 MArÇo 2 DE 2014 DIVULGAÇÃO N o 35 Em movimento esperado para o período, aumenta a taxa de desemprego Cresce o nível ocupacional nos Serviços e na Indústria

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO As informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2016

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2016 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

ABC 1 Maio 2. Taxa de desemprego cresce pelo terceiro mês consecutivo

ABC 1 Maio 2. Taxa de desemprego cresce pelo terceiro mês consecutivo MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ ABC 1 Maio 2 Maio² de 2015 Taxa de desemprego cresce pelo terceiro mês consecutivo 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Número especial 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2014 2 As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2014, mostram relativa estabilidade

Leia mais

Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões

Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões AGOSTO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu em Porto Alegre

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Março/2013 Variação negativa do nível ocupacional e leve aumento do desemprego 1. Em março, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram

Leia mais

PED ABC. Novembro 2 DE Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1.

PED ABC. Novembro 2 DE Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2 DE 2012 DIVULGAÇÃO N o 19 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Nível de ocupação se reduz nos Serviços e na Indústria de Transformação

Leia mais

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 26 Número 01 Janeiro de 2017 * Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Abril/2013 Para abril de 2013, taxa de desemprego apresenta redução 1. Em abril, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram redução na

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED ABRIL DE 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 365 Taxa de desemprego mantém tendência de crescimento Nível de ocupação diminui na Indústria de Transformação

Leia mais

Taxa de desemprego registra comportamento de relativa estabilidade em todas as regiões

Taxa de desemprego registra comportamento de relativa estabilidade em todas as regiões Taxa de desemprego registra comportamento de relativa estabilidade em todas as regiões OUTUBRO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego apresentou

Leia mais

DESEMPREGO CRESCE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

DESEMPREGO CRESCE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 FEVEREIRO DE 2013 Ano 6 Divulgação Nº 2 DESEMPREGO CRESCE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO As informações disponibilizadas pela Pesquisa

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1

MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 (nova série com a RM Fortaleza) SETEMBRo 2 DE 2012 RELATIVA ESTABILIDADE DA TAXA DE DESEMPREGO Divulgação N o 68 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2012

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2012 Ano 5 Número Especial O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2012 Os resultados aqui apresentados referem-se

Leia mais

Outubro de 2014 * ELEVAÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

Outubro de 2014 * ELEVAÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 10 Outubro de 2014 * ELEVAÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana

Leia mais

Janeiro de 2016 * RELATIVA ESTABILIDADE DA TAXA DE DESEMPREGO

Janeiro de 2016 * RELATIVA ESTABILIDADE DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 25 - Número 1 Janeiro de 2016 * RELATIVA ESTABILIDADE DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 Em 2015, a taxa de participação

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2014

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2014 Ano 7 Número especial MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2014 Os resultados aqui apresentados referem-se

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO EM 2015 A taxa de participação das mulheres no mercado

Leia mais

Taxa de desemprego permanece estável

Taxa de desemprego permanece estável PESQUISA DE EMRPEGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC¹ 1 Resultados de novembro 2 de 2014 Taxa de desemprego permanece estável 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Belo Horizonte

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Belo Horizonte PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A inserção da população negra no mercado de trabalho da Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED AGOSTO DE 2016 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 381 Taxa de desemprego passou de 17,4% em julho para 17,2% em agosto Nível de ocupação diminui na Indústria

Leia mais

Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres

Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2013 Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres De maneira geral, as mulheres

Leia mais

A inserção feminina no mercado de trabalho na região do ABC em 2013

A inserção feminina no mercado de trabalho na região do ABC em 2013 MARÇO 2014 ESTUDO ESPECIAL A inserção feminina no mercado de trabalho na região do ABC em 2013 A presença de mulheres no mercado de trabalho da região do ABC aumentou pelo segundo ano consecutivo em 2013

Leia mais

DESEMPREGO EM ALTA NA RMF

DESEMPREGO EM ALTA NA RMF PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2014 Ano 7 Divulgação Nº 08 DESEMPREGO EM ALTA NA RMF As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Janeiro DE 2017 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 386 Taxa de desemprego passou de 16,2% em dezembro para 17,1% em janeiro Nível de ocupação diminui

Leia mais

DESEMPREGO CRESCE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

DESEMPREGO CRESCE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 FEVEREIRO DE 2014 Ano 7 Divulgação Nº 02 DESEMPREGO CRESCE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO As informações disponibilizadas pela Pesquisa

Leia mais

MAIO DE Deteriora-se a situação do mercado de trabalho da RMPA

MAIO DE Deteriora-se a situação do mercado de trabalho da RMPA MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 18 - Número 05 MAIO DE 2009 1 Deteriora-se a situação do mercado de trabalho da RMPA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Setembro/2013 registra a sua menor taxa de desemprego 1. Conforme as informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em, a taxa

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Agosto de 2017 Boletim n º 393. Taxa de desemprego recua de 18,3% para 17,9%

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Agosto de 2017 Boletim n º 393. Taxa de desemprego recua de 18,3% para 17,9% PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Agosto de 2017 Boletim n º 393 Taxa de desemprego recua de 18,3% para 17,9% RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, data consagrada

Leia mais

Taxa de desemprego se reduz pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego se reduz pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 FEVEReiro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 46 Taxa de desemprego se reduz pelo segundo mês consecutivo Nível ocupacional se retrai na Indústria de Transformação

Leia mais

Taxa de desemprego mantem-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantem-se relativamente estável NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA 1 JANEIRO E 2010 Ano 3 ivulgação Nº 01 Taxa de desemprego mantem-se relativamente estável As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e esemprego na Região Metropolitana

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2009

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2009 NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA 2009 Ano 2 Número Especial O MERCAO E TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA EM 2009 Os resultados aqui apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais

Leia mais

MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS. Taxa de desemprego relativamente estável em duas regiões Junho de 2017

MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS. Taxa de desemprego relativamente estável em duas regiões Junho de 2017 MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Taxa de desemprego relativamente estável em duas regiões Junho de 2017 Comportamento Mensal Resultados de junho/2017 em relação a maio/2017 Grandes grupos da População

Leia mais

AGOSTO 1 DE 2007 Ocupação mantém-se em crescimento

AGOSTO 1 DE 2007 Ocupação mantém-se em crescimento ME RCADO DE TR ABALHO N A RE GIÃO METROPOLITANA DE PORTO AL EGRE Ano 16 - N úmero 8 AGOSTO 1 DE 2007 Ocupação mantém-se em crescimento As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região

Leia mais

DESEMPREGO EM ELEVAÇÃO REGISTRA NOVO RECORDE

DESEMPREGO EM ELEVAÇÃO REGISTRA NOVO RECORDE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 ABRIL DE 2016 Ano 9 Divulgação Nº 04 DESEMPREGO EM ELEVAÇÃO REGISTRA NOVO RECORDE As informações captadas pela Pesquisa de Emprego

Leia mais

A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2012 DINAMISMO DO MERCADO DE TRABALHO ELEVA A FORMALIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO DE HOMENS E MULHERES, MAS A

Leia mais

Condição de Atividade (em mil pessoas)

Condição de Atividade (em mil pessoas) NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA 1 EZEMBRO E 2009 Ano 2 ivulgação Nº 12 esemprego mantém tendência de declínio, e a taxa de dezembro é a menor no ano. Os principais resultados da Pesquisa de Emprego

Leia mais

Boletim Especial ABRIL MARÇO Emprego Doméstico no Distrito Federal, em 2015

Boletim Especial ABRIL MARÇO Emprego Doméstico no Distrito Federal, em 2015 EMPREGO DOMÉSTICO NO DISTRITO FEDERAL Boletim Especial ABRIL - 2016 MARÇO - 2012 Emprego Doméstico no, em 2015 A Constituição de 1988 foi alterada em 2013 e, a partir de então, os empregados domésticos

Leia mais

F A T A M P A R O A O. Boletim Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte PED/RMBH. Dezembro 11,0%

F A T A M P A R O A O. Boletim Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte PED/RMBH. Dezembro 11,0% Boletim Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte PED/RMBH ANO 13 N.º 12 Dezembro 2007 Taxa de desemprego permanece relativamente estável na RMBH. Dezembro TAXA DE DESEMPREGO

Leia mais

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO - 2012 MARÇO - 2012 MARÇO 2013 O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

Leia mais

A INSERÇÃO DO NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

A INSERÇÃO DO NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Novembro de 2011 A INSERÇÃO DO NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA A discussão a respeito do trabalho

Leia mais

REDUÇÃO DO DESEMPREGO NÃO DIMINUIU DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO

REDUÇÃO DO DESEMPREGO NÃO DIMINUIU DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO Março de 2008 REDUÇÃO DO DESEMPREGO NÃO DIMINUIU DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO Para subsidiar o debate sobre a inserção feminina

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR MARÇO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO RELATIVAMENTE ESTÁVEL NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR MARÇO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO RELATIVAMENTE ESTÁVEL NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR MARÇO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO RELATIVAMENTE ESTÁVEL NA RMS 1. Em março a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), revela

Leia mais

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº %

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº % Quanto à existência de Plano de Saúde observa-se em Ceilândia que 80,9% não contam com este serviço, enquanto 11,0% possui plano empresarial, o que é previsível dado o expressivo percentual de domicílios

Leia mais

DESEMPREGO TEM A MAIOR TAXA PARA AGOSTO DESDE 2009

DESEMPREGO TEM A MAIOR TAXA PARA AGOSTO DESDE 2009 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2016 Ano 9 Divulgação Nº 08 DESEMPREGO TEM A MAIOR TAXA PARA AGOSTO DESDE 2009 As informações da Pesquisa de Emprego e

Leia mais

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2011 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado A população

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2012 O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 Em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego podem

Leia mais

Taxa de desemprego se eleva pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego se eleva pelo segundo mês consecutivo MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego se eleva pelo segundo mês consecutivo 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência

Leia mais

SEMINÁRIO TRABALHO E EMPREENDEDORISMO DA MULHER. Dados Estatísticos

SEMINÁRIO TRABALHO E EMPREENDEDORISMO DA MULHER. Dados Estatísticos SEMINÁRIO TRABALHO E EMPREENDEDORISMO DA MULHER Dados Estatísticos Características da População de Taguatinga, Brazlândia, Vila Estrutural e Ceilândia População Residente Taguatinga, Brazlândia, Vila Estrutural

Leia mais

RELATIVA ESTABILIDADE DA OCUPAÇÃO E DA TAXA DE DESEMPREGO

RELATIVA ESTABILIDADE DA OCUPAÇÃO E DA TAXA DE DESEMPREGO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 ABRIL DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº04 RELATIVA ESTABILIDADE DA OCUPAÇÃO E DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO 2004 2008 No Dia da Consciência Negra,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Série Estudo das Desigualdades Regionais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais EVOLUÇÃO E SITUAÇÃO ATUAL DO EMPREGO DOMÉSTICO NO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher

REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher Edição Especial INSERÇÃO DAS MULHERES DE ENSINO SUPERIOR NO MERCADO DE TRABALHO Introdução De maneira geral, as mulheres

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais