Panorama do Mercado de Trabalho. Centro de Políticas Públicas do Insper

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama do Mercado de Trabalho. Centro de Políticas Públicas do Insper"

Transcrição

1 Panorama do Mercado de Trabalho Centro de Políticas Públicas do Insper Março de 2017

2 Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho e difundir informações para subsidiar o mesmo, o Centro de Políticas Públicas do Insper divulga o Panorama do Mercado de Trabalho. Nessa apresentação, utilizamos informações sobre taxas de inatividade e desemprego, salários médios e horas trabalhadas para mostrar as tendências mais gerais do que vem ocorrendo no mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos.

3 Notas Metodológicas Os dados a seguir mostram o panorama do mercado de trabalho no Brasil. O período analisado foi de 1992 até 2015, utilizando os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), a qual é realizada anualmente pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE). Vale ressaltar que nos anos de 1994, 2000 e 2010 não foram realizadas PNADs e, por esse motivo, nesses anos os valores observados nos gráficos são as médias dos valores imediatamente adjacentes. Além disso, até 2003 a PNAD não abrange as áreas rurais dos estados da Região Norte, exceto o Tocantins.

4 Notas Metodológicas Salários médios Os valores apresentados para os salários correspondem às médias dos salários do trabalho principal, para todas as pessoas ocupadas com salários positivos e 10 anos ou mais de idade. Fizemos cálculos, em primeiro lugar, para 5 faixas educacionais que correspondem aos seguintes graus, completos ou incompletos: primeiro ciclo do Ensino Fundamental (até 4 anos de estudo), o segundo ciclo do Ensino Fundamental (de 5 a 8 anos de estudo), Ensino Médio (de 9 a 11 anos de estudo), o Ensino Superior (de 12 a 16 anos de estudo) e pós-graduação (17 a 18 anos de estudo). Para manter a comparabilidade ao longo do tempo, os valores foram deflacionados para 1º de Outubro de 2015, utilizando-se a série histórica do INPC com as modificações sugeridas por Corseuil e Foguel (2002). CORSEUIL, C. H. e FOGUEL, M. N. Uma sugestão de Deflatores para Rendas Obtidas a Partir de Algumas Pesquisas do IBGE. Rio de Janeiro, Ipea, Texto para Discussão nº 897, 2002.

5 Notas Metodológicas Taxas de desemprego e inatividade As taxas de desemprego e inatividade foram calculadas usando informações sobre População Economicamente Ativa (PEA), População Não Economicamente Ativa (PNEA) e População Desocupada (PD), considerando todos os indivíduos com 10 anos ou mais de idade. A taxa de inatividade foi calculada como a razão entre a PNEA e o total de pessoas com 10 anos ou mais. A taxa de desemprego foi calculada como a razão entre a PD e a PEA. Para verificarmos o comportamento do mercado de trabalho para diferentes grupos de idade, calculamos estatísticas para as seguintes faixas etárias: maiores de 10 anos, pessoas com entre 10 e 22 anos, entre 22 e 50 anos e maiores de 50 anos.

6 Salário Médio

7 Salário Médio Mensal por Faixa de Escolaridade O gráfico 1 nos mostra que o salário médio do trabalho principal apresentou crescimento geral entre 1992 e 2015, com oscilações relevantes. Há dois períodos de crescimento, entre 1992 e 1995 e entre 2004 e Entre eles houve um período de estagnação do salário entre 1995 e 1998, seguido de redução entre 1998 e Entre 2014 e 2015 também se verifica uma redução da média salarial. No gráfico 2, observa-se o salário médio do trabalho principal por faixa de escolaridade da população brasileira. Há uma forte correlação entre o grau de escolaridade e os salários médios. Os valores médios do período como um todo foram de, respectivamente, R$ 1001,24, R$ 1213,48, R$ 1505,08, R$ 3375,83 e R$ 7025,32. Um fato que se destaca no gráfico é o aumento, entre 2004 e 2014, dos ganhos médios dos brasileiros com algum ano concluído na pós-graduação (17 ou 18 anos de estudo), além do aumento persistente dos salários para aqueles com até o Ensino Fundamental concluído.

8 R$ Gráfico Salário Médio Mensal Salário médio

9 R$ Mil Gráfico 2 9 Salário Médio Mensal por Anos de Estudo a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

10 Salário Médio Mensal por Anos de Estudo O gráfico 3 fixa o ano de 1992 igual a um, de maneira que pode-se comparar a evolução dos salários médios de todas as faixas educacionais em uma mesma escala. O que se observa no gráfico, grosso modo, são tendências de crescimento em todas as faixas de escolaridade até o ano de 1995, mais acentuadas nas duas faixas de maior escolaridade, seguidas de queda até A partir de então, houve relativa estabilidade dos salários para a população que completou algum ano da graduação (o que provavelmente possui relação com a expansão desse grau de ensino), enquanto para as demais faixas educacionais houve aumentos mais expressivos. Vale chamar a atenção para o fato de que aqueles com Ensino Médio incompleto até Superior completo apresentaram decréscimo real da renda no período como um todo. Além disso, houve forte tendência de aumento dos salários para população com até 4 anos de estudo ou com algum ano de estudo na pós-graduação, respectivamente a partir de 2003 e No entanto, no ano de 2015 vemos uma forte queda na evolução dos salários médios para todas as faixas educacionais selecionadas.

11 1992=1 Gráfico 3 1,5 Evolução do Salário Médio Mensal por Anos de Estudo 1,4 1,3 1,2 1,1 1,0 0,9 0,8 0,7 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

12 Horas Trabalhadas e Salário Horário O salário mensal pode variar devido às mudanças nas horas trabalhadas ou no salário recebido por hora de trabalho. O gráfico 4 mostra essas duas variáveis, referentes ao trabalho principal. É possível observar que houve redução das horas trabalhadas no período como um todo, 41 horas em 1992 para 38 horas em 2015 (-7,2%). O salário horário, por sua vez, apresentou crescimento de R$ 7,07 para R$ 15,12 no mesmo período (114%). Entre 1992 e 1995 as horas de trabalho foram reduzidas, enquanto que o salário horário cresceu fortemente. Entre 1995 e 2004 as duas variáveis tiveram decréscimo, enquanto que de 2005 a 2011 as horas de trabalho se mantiveram estáveis. Observa-se redução do salário horário em 2008, possivelmente devido aos efeitos da crise internacional. Entre 2011 e 2014, as horas de trabalho se reduziram expressivamente. O salário horário teve crescimento substancial entre 2005 e 2015 (78%), sendo notável o decréscimo dessa variável entre 2013 e 2014.

13 Horas Trabalhadas Salário Horario (R$) 42 Gráfico 4 Horas Trabalhadas e Salário Horário Horas Salário horário

14 Salário Horário por Anos de Estudo O gráfico 5 representa as horas trabalhadas em média no trabalho principal por faixa de escolaridade. Em todo o período, as médias são maiores entre aqueles com graus intermediários de ensino (2º ciclo do Fundamental e Ensino Médio). Além disso, parece haver certo paralelismo entre as trajetórias dos dois maiores graus de escolaridade e entre os dois menores. A redução das horas trabalhadas entre 1996 e 2005 (período com as maiores taxas de desemprego) parecem ser puxadas especialmente pela faixas de escolaridade menor, com até 8 anos de estudo. A partir de 2011 nota-se um novo período de redução das horas de trabalho. O gráfico 6, do salário horário no trabalho principal por faixa educacional, reproduz a disparidade dos salários mensais por escolaridade. Já sem os efeitos da redução das horas trabalhadas, o crescimento proporcional do salário horário (gráfico 7) nos últimos anos foi mais intenso do que o do salário mensal em todas as faixas de escolaridade. Os ganhos foram relativamente maiores entre as faixas de 17 a 18 anos de estudo. É importante indicar que esse grupo também teve grande queda no número de horas trabalhadas. Também chama a atenção os ganhos das faixas de 0 a 4 anos de estudo com crescimento de 92%, no período analisado, porém com patamar inicial muito baixo (R$ 4,03/hora em 1992). É notável a sensível queda no salário horário entre 2013 e 2014 para todas as faixas educacionais, sendo o efeito mais forte na faixa de maior grau de escolaridade.

15 Horas Gráfico 5 45 Horas Trabalhadas a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo

16 R$ Gráfico 6 90 Salário Horário por Anos de Estudo a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

17 1992=1 Gráfico 7 2,6 Evolução do Salário Horário por Anos de Estudo 2,4 2,2 2,0 1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

18 Diferencial Salarial por Anos de Estudo O gráfico 8 mostra a evolução do diferencial salarial por anos de estudo. Desde 1992, o diferencial entre aqueles com algum ano completo no Ensino Superior em relação àqueles com Ensino Médio completo era grande e aumentou 25% até Isso indica a importância da graduação no mercado de trabalho brasileiro, porém também se deve em parte ao crescimento da proporção de pessoas com o Ensino Médio completo na força de trabalho. A redução posterior do diferencial provavelmente teve influência da expansão das matrículas no Ensino Superior desde o final dos anos O diferencial do nível de escolaridade seguinte, entre aqueles que possuem ao menos um ano de pós-graduação em relação aos graduados no ensino superior, aumentou ao longo de quase todo o período, de modo que em 2015 esse diferencial era 40% superior ao nível de 1992 (de cerca de 1,3 em 1992 para 1,8 em 2014).

19 1992=1 Gráfico 8 1,5 Evolução do Diferencial Salarial por Anos de Estudo 1,4 1,3 1,2 1,1 1,0 0,9 0,8 8/4 anos de estudo 11/8 anos de estudo 15,16/11 anos de estudo 17,18/15,16 anos de estudo

20 Desemprego e Inatividade

21 Taxa de Desemprego e Inatividade O gráfico 9 mostra as taxas de desemprego por faixas etárias. A taxa geral, daqueles com 10 anos ou mais, apresentou crescimento no final dos anos 1990, após período de relativa estabilidade e com os menores níveis até Entre 1999 e 2003 ela se estabilizou em patamar mais elevado (em torno de 9,5%) e posteriormente teve uma queda consistente, interrompida entre 2008 e 2009, provavelmente devido aos efeitos da crise econômica internacional. Em 2015 podemos observar a escalada da taxa de desemprego, um aumento acentuado e que atingiu todas as faixas etárias. A recessão pela qual o Brasil passa fez a taxa dos mais jovens atingir o nível de 25% em Note que a taxa dos mais jovens não retorna aos níveis do início dos anos 1990 em 2012, como as demais faixas etárias. A taxa de inatividade daqueles com 10 anos ou mais, mostrada no gráfico 10, exibe estabilidade em torno de 39%, com crescimento entre 2005 e 2015 (de 37% para 41%). Por faixas de idade, os mais jovens e os mais velhos apresentaram níveis maiores, devido respectivamente aos estudos e às aposentadorias.

22 Gráfico 9 30% Taxa de Desemprego por Faixa Etária 25% 20% 15% 10% 5% 0% 10 anos ou mais 10 a 22 anos 22 a 50 anos 50 anos ou mais

23 Gráfico 10 75% Taxa de Inatividade por Faixa Etária 65% 55% 45% 35% 25% 15% 10 anos ou mais 10 a 22 anos 22 a 50 anos 50 anos ou mais

24 Taxa de Desemprego e Inatividade Analisando os gráficos 11, 13, 15 e 17, referentes às taxas de desemprego por escolaridade, nota-se que todas as faixas de escolaridade apresentaram tendências semelhantes de decréscimo a partir de meados dos anos As taxas foram menores entre os mais escolarizados, com algum ano da graduação ou pós-graduação, e entre os menos escolarizados, com até 4 anos de estudo. É importante apontar que as taxas de desemprego vêm crescendo desde 2012 em praticamente todas as idades e escolaridades, atingindo em 2015 o maior da última década. As taxas de inatividade apresentaram tendências bastante variadas de acordo com a idade e escolaridade. No geral, na população com 10 anos ou mais, foram mais inativos os indivíduos das menores faixas de escolaridade, como vemos no gráfico 12. Além disso, as taxas dos menos escolarizados (com até 8 anos de estudo) tiveram aumento ao longo dos anos, enquanto os demais graus de instrução apresentaram relativa estabilidade.

25 Gráfico 11 16% Taxa de desemprego (10 anos ou mais) 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

26 Gráfico 12 70% Taxa de Inatividade (10 anos ou mais) 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

27 Taxa de Desemprego e Inatividade Entre os jovens com até 22 anos (gráfico 13) as taxas de desemprego foram mais baixas entre aqueles com que possuíam entre 12 a 16 anos de estudo. Em relação às taxas de inatividade, houve crescimento acentuado no período como um todo entre indivíduos com 5 a 8 anos de estudo (24 pontos percentuais, chegando a 74% em 2015) e com até 4 anos de estudo (32 p.p., chegando a 90% em 2015). Esses movimentos provavelmente se devem à maior permanência das crianças e adolescentes nas escolas, sem trabalhar. Entre os adultos com 22 a 50 anos (gráfico 15) a taxa de desemprego foi menor entre as pessoas com mais de 12 anos de estudo, enquanto a taxa de inatividade teve decréscimo geral até 2009, quando passou a aumentar. Entre indivíduos com 50 anos ou mais (gráfico 17), a taxa de desemprego se manteve relativamente baixa, inferior a 6,5% desde 2004 para todas as faixas educacionais, enquanto que a taxa de inatividade seguiu alta (48% em média). Aqueles que concluíram ao menos um ano no ensino superior mantiveram taxas de inatividade expressivamente mais baixas do que o restante dos graus de ensino, cujos percentuais nos anos 1990 estavam entre 50% e 55%. A partir de 2000, a taxa daqueles com até 4 anos de estudo se manteve no mesmo nível até 2008, quando passou a aumentar, enquanto que os graus de ensino intermediários apresentaram redução até 2008, com pequeno crescimento posterior. Chama a atenção a forte queda na taxa de inatividade para todas as faixas de escolaridade entre 2013 e 2014 para os indivíduos mais velhos (50 anos ou mais). De forma geral, para todos os grupos de idade, nota-se que houve aumento na taxa de desemprego e diminuição da taxa de inatividade entre 2013 e Em 2015, em contraste, parece haver aumento da taxa de desemprego simultânea a um aumento da inatividade.

28 Gráfico 13 30% Taxa de Desemprego (10 a 22 anos) 25% 20% 15% 10% 5% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo

29 Gráfico % Taxa de Inatividade (10 a 22 anos) 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo

30 Gráfico 15 12% Taxa de Desemprego (22 a 50 anos) 10% 8% 6% 4% 2% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

31 Gráfico 16 30% Taxa de inatividade (22 a 50 anos) 25% 20% 15% 10% 5% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo 17 a 18 anos de estudo

32 Gráfico 17 10% Taxa de Desemprego (50 anos ou mais) 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo

33 Gráfico 18 60% Taxa de Inatividade (50 anos ou mais) 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 0 a 4 anos de estudo 5 a 8 anos de estudo 9 a 11 anos de estudo 12 a 16 anos de estudo

34 Panorama do Mercado de Trabalho Centro de Políticas Públicas do Insper Contato:

Panorama do Mercado de Trabalho Brasileiro

Panorama do Mercado de Trabalho Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Março de 2014 Panorama Educacional Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho e difundir informações

Leia mais

Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper

Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua Centro de Políticas Públicas do Insper Dezembro de 2016 Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho

Leia mais

Panorama Educacional Brasileiro

Panorama Educacional Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Janeiro de 2017 Apresentação A educação é uma questão fundamental no cotidiano brasileiro, pois é a partir de uma boa base educacional que um país se desenvolve

Leia mais

Panorama Educacional Brasileiro

Panorama Educacional Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Março de 2014 Apresentação A educação é uma questão fundamental no cotidiano brasileiro, pois é a partir de uma boa base educacional que um país se desenvolve

Leia mais

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2011 06 2011 PANORAMA GERAL Os microempreendedores

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO Estabelecimentos, emprego formal e rendimentos: NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 PANORAMA GERAL Esta nota analisa o perfil

Leia mais

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução fotos saiba mais De 2014 para 2015, houve, pela primeira vez em 11 anos, queda nos rendimentos reais (corrigidos pela inflação).

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012 MERCADO DE TRABALHO NO RJ: NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 uma análise da PNAD de 2012 NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 PANORAMA GERAL Ao acompanhar a evolução dos pequenos negócios no Estado

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 211 Mercado de trabalho Janeiro de 213 RESULTADOS DA PNAD 211 MERCADO DE TRABALHO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Divulgação ano 2008 BALANÇO DE 2008 MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2008, a População

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2012 O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 Em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego podem

Leia mais

Como superar a precariedade do emprego feminino

Como superar a precariedade do emprego feminino Como superar a precariedade do emprego feminino Ana Flávia Machado (Cedeplar/UFMG) Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Fatos estilizados Radical mudança do papel das mulheres

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Tendências Recentes do Mercado de Trabalho Brasileiro

Tendências Recentes do Mercado de Trabalho Brasileiro Tendências Recentes do Mercado de Trabalho Brasileiro Naercio A. Menezes Filho Pedro Henrique Fonseca Cabanas Bruno Kawaoka Komatsu Policy Paper nº 10 Janeiro, 2014 Copyright Insper. Todos os direitos

Leia mais

Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos

Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos Mercado de trabalho continua gerando menos vagas enquanto a procura por emprego segue em alta Em junho de 2015, o número de

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE 2011 Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento Em março, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou crescimento

Leia mais

Desenvolvimento Socioeconômico na NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23

Desenvolvimento Socioeconômico na NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23 Desenvolvimento Socioeconômico na NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23 METRÓPOLE E NO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23 PANORAMA GERAL O Estado do Rio de Janeiro (ERJ) é caracterizado

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial

Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial 1 Introducão Mônica Josélly Gonçalves Soares 1 Marinalva Cardoso Maciel 2 Natália Cyntia Cordeiro 3

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE AGOSTO DE REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE Taxas de atividade e desocupação estáveis Em agosto de havia 3.081 mil pessoas em idade ativa na Região Metropolitana de Recife. Deste

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres

Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2013 Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres De maneira geral, as mulheres

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO 535 DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO Rosycler Cristina Santos Simão (USP) 1. INTRODUÇÃO É de conhecimento geral que o Brasil destaca-se no cenário mundial como um dos

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Abril de 2016

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Abril de 2016 Abril/2016 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul no mês de abril de 2016 acusa somente números negativos. A desaceleração foi de 5,4% na comparação do mês de abril comomêsdemarço.ocomércio

Leia mais

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho 1 Pesquisa Mensal de Emprego Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre 2003-2008 Rio de Janeiro

Leia mais

A Engenharia também está em crise?

A Engenharia também está em crise? A Engenharia também está em crise? Jun/ 2016 Uma análise do impacto da crise econômica a partir dos dados sobre admissões e demissões no mercado da Engenharia Leonardo de Melo Lins Mário Broering Galvão

Leia mais

DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL

DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 12 Resultados de dezembro de 2014 DESEMPREGO DIMINUI NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa de desemprego total

Leia mais

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV O perfil das mulheres de 10 anos e mais de idade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília - PMB segundo a ótica raça/cor 2010 Lucilene Dias Cordeiro 1 1 Secretaria de Estado de Educação

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

Estrutura Populacional

Estrutura Populacional Estrutura Populacional A estrutura populacional consiste na divisão dos habitantes, de acordo com aspectos estruturais, possibilitando sua análise por meio: da idade (jovens, adultos e idosos); do sexo

Leia mais

COMO ANDA O RIO DE JANEIRO?

COMO ANDA O RIO DE JANEIRO? COMO ANDA O RIO DE JANEIRO? NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2013 Nº22 PANORAMA GERAL Nos últimos anos, o Estado do Rio de Janeiro (ERJ) tem sido o destino de diversos investimentos de grande porte. E as perspectivas

Leia mais

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO Rodrigo Leandro de Moura 1 MAIO DE 2014 1940.07 1943.01 1945.07 1948.01 1950.07 1953.01 1955.07 1958.01 1960.07 1963.01 1965.07 1968.01

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites João Saboia Instituto de Economia - UFRJ 7 e 8 de Maio de 2014 Seminário Política de Salário Mínimo para 2015-2018 Avaliações de Impacto

Leia mais

VCMH/IESS. Variação de Custos Médico-Hospitalares. Edição: Maio de 2016 Data-base: Dezembro de Sumário Executivo

VCMH/IESS. Variação de Custos Médico-Hospitalares. Edição: Maio de 2016 Data-base: Dezembro de Sumário Executivo Variação de Custos Médico-Hospitalares Edição: Maio de 2016 Data-base: Dezembro de 2015 Sumário Executivo O VCMH/IESS O índice VCMH/IESS para planos individuais atingiu 19,3% no período de 12 meses terminados

Leia mais

Desindustrialização no Brasil Diagnósticos, Causas e Consequências

Desindustrialização no Brasil Diagnósticos, Causas e Consequências Março/2015 Desindustrialização no Brasil Diagnósticos, Causas e Consequências Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Estrutura da Apresentação Diagnósticos do Processo de Desindustrialização

Leia mais

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP. Distribuição da Renda Pessoal nas Áreas Censitárias do Estado do Ceará na Década de 2000

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP. Distribuição da Renda Pessoal nas Áreas Censitárias do Estado do Ceará na Década de 2000 LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP uo UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CAEN Nº 09 RELATÓRIO DE PESQUISA Distribuição da Renda Pessoal nas Áreas Censitárias do Estado

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009

Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009 Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009 Novos profissionais estão sendo contratados por um salário 10,7% menor se comparado àqueles que deixaram seus empregos

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges Mestranda do Programa de Pós Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Marconi Gomes da Silva Professor Doutor do Departamento de Economia da Universidade

Leia mais

2 MERCADO DE TRABALHO

2 MERCADO DE TRABALHO 2 MERCADO DE TRABALHO SUMÁRIO Ao longo dos primeiros meses de 2014, o mercado de trabalho revela um cenário de acomodação, que conjuga estabilidade da taxa de desemprego em baixo patamar e desaceleração

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 31º Edição - Junho de 2016 Sumário Conjuntura da Saúde Suplementar 1) Emprego e Planos coletivos 3 2) Renda e Planos individuais 4 3) PIB e Receita/Despesa das operadoras

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE 2011 Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável De acordo com as informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007 Taxa de desemprego registra variação negativa, devido a saída de pessoas do mercado de trabalho. As informações captadas pela Pesquisa

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2011 Ano 4 Número Especial MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011 Os resultados apresentados referem-se aos

Leia mais

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO 2001-08 No período 2001-08, o total de pessoas ocupadas na agricultura nordestina apresentou um quadro de relativa estabilidade. No entanto, houve

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Especial: Mercado de Trabalho (resultados de 2012) Abril/13 Especial: Mercado de trabalho Este especial é um suplemento dos Indicadores Sebrae-SP, que traz dados inéditos sobre o

Leia mais

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Ano 21 - Número 04 ABRIL DE 2012 Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável Em abril, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou relativa estabilidade da taxa

Leia mais

André Urani (aurani@iets.inf.br)

André Urani (aurani@iets.inf.br) Um diagnóstico socioeconômico do Estado de a partir de uma leitura dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (1992-4) André Urani (aurani@iets.inf.br) Maceió, dezembro de 5 Introdução

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,1%

A taxa de desemprego estimada foi 13,1% 5 de novembro de 2014 Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,1 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2014 foi de 13,1. Este valor é inferior em

Leia mais

A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2012 DINAMISMO DO MERCADO DE TRABALHO ELEVA A FORMALIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO DE HOMENS E MULHERES, MAS A

Leia mais

Taxa de desemprego registra comportamento de relativa estabilidade em todas as regiões

Taxa de desemprego registra comportamento de relativa estabilidade em todas as regiões Taxa de desemprego registra comportamento de relativa estabilidade em todas as regiões OUTUBRO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego apresentou

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro

A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro Luma de Oliveira * Marina Silva da Cunha ** RESUMO - Este trabalho tem como objetivo analisar a tendência recente do desemprego no Brasil,

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Taxa de desemprego segue em alta em maio

Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de 6,5% representará o maior aumento em 12 meses desde 2003 A taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas acompanhadas pela PME/IBGE deve ficar em 6,5%

Leia mais

Condição de Atividade (em mil pessoas)

Condição de Atividade (em mil pessoas) NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA 1 EZEMBRO E 2009 Ano 2 ivulgação Nº 12 esemprego mantém tendência de declínio, e a taxa de dezembro é a menor no ano. Os principais resultados da Pesquisa de Emprego

Leia mais

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção O balanço de final do ano de 2005 já mostrará que se não foi um ano perdido, os resultados frustraram as expectativas

Leia mais

Tempo integral no ensino médio e desigualdades sociais. Pesquisa Políticas para o Ensino médio o caso de quatro estados (CE, PE, GO e SP)

Tempo integral no ensino médio e desigualdades sociais. Pesquisa Políticas para o Ensino médio o caso de quatro estados (CE, PE, GO e SP) Tempo integral no ensino médio e desigualdades sociais Pesquisa Políticas para o Ensino médio o caso de quatro estados (CE, PE, GO e SP) Diversificação da oferta e criação de uma rede dupla A diversificação

Leia mais

Desempenho do mercado de trabalho em 2014 interrompe processo de formalização do emprego feminino

Desempenho do mercado de trabalho em 2014 interrompe processo de formalização do emprego feminino A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO 2015 Desempenho do mercado de trabalho em 2014 interrompe processo de formalização do emprego feminino O mundo

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep 88040-900 Florianópolis SC Brasil Fones: (048) 3721-6525, 331-6649 Fax (048) 3721-6649 MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

CENSO ESCOLAR 2016 Notas Estatísticas. Brasília-DF Fevereiro de 2017

CENSO ESCOLAR 2016 Notas Estatísticas. Brasília-DF Fevereiro de 2017 CENSO ESCOLAR 216 Notas Estatísticas Brasília-DF Fevereiro de 217 O DESAFIO DA UNIVERSALIZAÇÃO O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de igualdade de condições para o acesso

Leia mais

Disseminação da Crise Econômica: uma análise regional

Disseminação da Crise Econômica: uma análise regional Disseminação da Crise Econômica: uma análise regional Este boxe avalia a disseminação da crise econômica atual pelas regiões do país, com ênfase em indicadores relacionados a investimentos, ao consumo,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Março de 2015 + 3,0% + 10,3% - 0,3% -0,6 % +0,4% +1,0% +2,5% +6,2% 113 111 109 107 103 101 99 97 Atividade volta a crescer Com expressivos crescimentos do faturamento

Leia mais

Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões

Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões AGOSTO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu em Porto Alegre

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. MÁRCIO NOME N o 6 º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas.

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

PEQUENOS NEGÓCIOS E A BUSCA POR TRABALHO

PEQUENOS NEGÓCIOS E A BUSCA POR TRABALHO PEQUENOS NEGÓCIOS NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2014 Nº30 E A BUSCA POR NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2014 Nº30 PANORAMA GERAL As razões para que um indivíduo abra um pequeno negócio são diversas. Não obstante,

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Janeiro de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Janeiro de 2014 06 de março de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Janeiro de 2014 Índice de Volume de Negócios na Indústria apresentou variação homóloga negativa

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

Panorama Educacional Brasileiro. Centro de Políticas Públicas do Insper

Panorama Educacional Brasileiro. Centro de Políticas Públicas do Insper Panorama Educacional Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Apresentação A educação é uma questão fundamental no cotidiano brasileiro, pois é a partir de uma boa base educacional que um país

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

Mercado de Trabalho Brasileiro: evolução recente e desafios

Mercado de Trabalho Brasileiro: evolução recente e desafios 1 São Bernardo do Campo, 10 de março de 2010. NOTA Á IMPRENSA Mercado de Trabalho Brasileiro: evolução recente e desafios O crescimento econômico brasileiro observado na década atual concretizou-se pelo

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

Uma estimativa do produto potencial no Brasil

Uma estimativa do produto potencial no Brasil MACROECONOMIA Uma estimativa do produto potencial no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho * Resumo - Este artigo calcula o produto potencial da economia brasileira com dados de 1995 a 2010. O artigo

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Quadro-Resumo Taxa mensal de desemprego

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

Ritmo de abertura de vagas cai 8,2% em maio

Ritmo de abertura de vagas cai 8,2% em maio Ritmo de abertura de vagas cai 8,2% em maio Mercado de trabalho continua gerando menos vagas e mais procura por emprego Em maio de 2015, o mercado de trabalho brasileiro abriu 8,2% menos vagas de emprego

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Setembro/2013 registra a sua menor taxa de desemprego 1. Conforme as informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em, a taxa

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Novembro de 2016

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Novembro de 2016 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 10 de janeiro de 2017

Leia mais

No mês em que o Brasil celebra Zumbi dos Palmares, há motivos ACESSO AO ENSINO MÉDIO MELHORA, MAS NÍVEIS DE APRENDIZADO SÃO PREOCUPANTES

No mês em que o Brasil celebra Zumbi dos Palmares, há motivos ACESSO AO ENSINO MÉDIO MELHORA, MAS NÍVEIS DE APRENDIZADO SÃO PREOCUPANTES nº2 nov. 20 DESIGUALDADE RACIAL ACESSO AO ENSINO MÉDIO MELHORA, MAS NÍVEIS DE APRENDIZADO SÃO PREOCUPANTES 1 2 3 >> Proporção de jovens negros estudando no Ensino Médio mais que dobrou desde 2001 >> Distância

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Última atualização: 2014 1 DOMICÍLIOS ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS 2 Água EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO

Leia mais

O desempenho recente da Caixa Econômica Federal e os desafios para a ação sindical na Campanha de 2016

O desempenho recente da Caixa Econômica Federal e os desafios para a ação sindical na Campanha de 2016 O desempenho recente da Caixa Econômica Federal e os desafios para a ação sindical na Campanha de 2016 De 2011 a 2014, a Caixa Econômica Federal ampliou significativamente sua escala de atuação, com desdobramentos

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,5%

A taxa de desemprego estimada foi 13,5% 4 de fevereiro de 2015 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,5 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2014 foi 13,5. Este valor é superior em 0,4

Leia mais

Ano III Nov/2015. Eduardo Rios Ribeiro e Prof. Dr. Luciano Nakabashi

Ano III Nov/2015. Eduardo Rios Ribeiro e Prof. Dr. Luciano Nakabashi No presente boletim é feita uma análise sobre a mudança da estrutura produtiva nas regiões administrativas do estado de São Paulo, com foco nos segmentos da indústria de transformação e da construção civil,

Leia mais

Fonte(s): Boa Vista Serviços/CDL POA.

Fonte(s): Boa Vista Serviços/CDL POA. Os Registros de Inadimplência no SCPC apresentaram comportamento dissonante entre RS e Porto Alegre em outubro. Os indicadores medem o crescimento da entrada (Inclusões) e saída (Exclusões) de registros

Leia mais