Natureza e direções das mudanças de alinhamento ocorridas no tronco Tupí

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Natureza e direções das mudanças de alinhamento ocorridas no tronco Tupí"

Transcrição

1 Natureza e direções das mudanças de alinhamento ocorridas no tronco Tupí Ana Suelly Arruda Camara CABRAL Lali/UnB 1. Nesta comunicação será mostrado que a divisão do tronco Tupí em dois ramos principais (Cabral e Rodrigues 2001), fundamentada em dados puramente lingüísticos, como os sistemas de alinhamento, pode ser tomada como favorável à hipótese levantada por Rodrigues (1964 [1958], 2000) de que o centro de dispersão Tupí teria sido na região entre o Guaporé e o Aripuanã. São também discutidas outras diferenças lexicais e morfossintáticas entre os dois ramos que podem servir de indicações adicionais para o fortalecimento da hipótese do centro de dispersão Tupí naquela região. 2. Características lingüísticas favoráveis à hipótese do centro de dispersão Tupí entre o Guaporé e o Aripuanã. Cabral e Rodrigues (2001) mostraram que, nas orações independentes, as línguas do tronco Tupí compartilham ou de um padrão absolutivo, ou de um padrão nominativo, embora várias dessas línguas apresentem, nesses tipos de orações, várias cisões motivadas por fatores de diferentes naturezas semântica, pragmática, sintática, entre outras, como são os casos de várias línguas Tupí-Guaraní, e embora usem diferentes estratégias para distinguir A de S ou S de O prefixos verbais, pronomes independentes, prefixos relacionais, posposições e partículas, processos fonológicos e sintáticos. As línguas que compartilham um alinhamento absolutivo na codificação dos argumentos internos de verbos transitivos e 1

2 intransitivos pertencem às cinco famílias situadas na região Guaporé/Aripuanã (Arikém, Tuparí, Ramaráma, Puruburá, Mondé), enquanto que as línguas que apresentam padrões mais divergentes pertencem às famílias encontradas fora dessa região (Tupí-Guaraní, Awetí, Mawé, Juruna e Mundurukú). Essas diferenças foram tomadas por Cabral e Rodrigues como base para uma primeira divisão do tronco Tupí em dois ramos principais, o ramo I e o ramo II. Como há nos dados de línguas representativas de todas as famílias indicações de um padrão absolutivo, foi aventada a possibilidade de que a forma morfossintática dos verbos no proto-tupí tivesse um alinhamento absolutivo. Com base nessa possibilidade, a maioria das línguas do ramo I seria mais conservadora com respeito ao padrão de alinhamento original do que as línguas do ramo II. Tendo sido esse o caso, as línguas do ramo II teriam desenvolvido várias cisões a partir de um alinhamento absolutivo. Línguas como o Mundurukú teriam sofrido modificações moderadas, línguas como o Juruna teriam mudado de um sistema absolutivo para um sistema nominativo e línguas como as da família Tupí- Guaraní teriam desenvolvido um maior número de cisões. 3. Discussão. A existência de duas séries de formas pessoais nas línguas Tupí de Rondônia é um traço a ser considerado como característico dessas línguas. Nelas (com exceção da família Mondé), as formas dependentes - clíticos ou afixos flexionais codificam o argumento interno de verbos intransitivos e o argumento interno de verbos transitivos, uma manifestação morfológica de um padrão absolutivo. As línguas de Rondônia diferem quanto à função de suas formas pronominais independentes. Em línguas como o Karo, elas codificam o argumento externo de verbos transitivos, mas em línguas como o Karitiana e o Tuparí as formas independentes têm uma função enfática. O Suruí apresenta inovações em seu sistema de alinhamento: (a) cognatos do que nas demais línguas do ramo têm função enfática, nessa língua codificam os argumentos internos de intransitivos e de transitivos, enquanto que as formas dependentes são marcas correferenciais. As línguas de fora de Rondônia são as que apresentam o maior número de inovações. Um sistema tripartido é encontrado em Tupí-Guaraní, Mawé e Awetí. Em Mundurukú, Tupí-Guaraní, Mundurukú e Awetí manifesta-se um padrão nominativo absolutivo nas orações independentes e um padrão absolutivo nas orações dependentes. Jurúna é a única língua desse ramo que apresenta um sistema nominativo-acusativo. 2

3 4. Conclusão Sete formas pessoais podem ser reconstruídas para o proto-tupí com base em formas cognatas encontradas através das famílias do tronco. Estas formas encontram-se distribuídas em dois conjuntos, chamados aqui de conjunto I e conjunto II, como mostrado nos quadros abaixo: Conjunto I PT Ar Tp Ra Mo Pu Ju Mu Mw Aw TG 1 *o - o- o- o- o- o o o- o- o- 2 *e a- e- e- e- e- e e e- e- e- 13 *or j e ta- ote-/ osé te- (?) ot e oré 13 *or j o tój- (?) ulu ~ ul uru- oò&o- oro- 23 *ej- aj- ejat- méj (?) ej e- e/i- Conjunto II PT Ar Tp Ra Mo Pu Ju Mu Mw Aw TG 1 *on n on õn on /on una, on uito - na 2 *en en an e)n en /en ena en en /en ené 13 *or j e, ˆta oté té ot e(dji) oré 13 *or j o uruto oò&o- 23 *ej ajtxa ejat ei(dji) eipé e/ipe O padrão absolutivo é encontrado em todas as línguas do tronco e é também o que prevalece nas orações dependentes da maioria das famílias. O padrão nominativo-absolutivo parece ser uma inovação do Suruí (família Mondé) de Rondônia e da maioria das línguas de fora de Rondônia. Embora esse padrão seja encontrado nas línguas dos dois ramos, há indicações de uma história em comum apenas na minifestação desse sistema no Mawé, no Awetí, no Tupí-Guaraní e no Mundurukú. 3

4 Bibliografia ANGOTTI, Mary Lourdes A Causativização em Mundurukú: aspectos morfo-sintáticos. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília. CABRAL, Ana Suelly A. C. & Rodrigues, Aryon D Pronomes e marcas pessoais em línguas do tronco Tupí. Paper presented at the I International Meeting of the GTLI, Línguas Indígenas Brasileiras: Fonologia, Gramática e História, Universidade do Pará, Belém. CROFTS, M Aspectos da língua Mundurukú. Brasília: Publicações do Summer Institute of Linguistics. FRANCESCHINI, Dulce La langue Sateré-Mawé, description et analyse morphosyntaxique. Tese de doutorado, Université Paris VII. GABAS Júnior, N A Grammar of Karo (Tupi, Brazil). Tese de doutorado, Universidade da Califórnia, Santa Barbara. GALUCIO, A.V The morphosyntax of Mekens (Tupi). Tese de doutorado, University of Chicago. GILDEA, S Pre-Proto-Tupí-Guaraní main clauses person-marking. In Cabral, A. S. A. C. C., and Rodrigues, A. D. (eds.), Atas do Primeiro Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL, p GOMES, Dioney M Predicados Verbais da Língua Mundurukú e Modelos Lexicográficos. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília. JENSEN, Cheryl Comparative study: Tupí-Guaraní. In Desmond C. Derbyshire and Geoffrey K. Pullum (eds), Handbook of Amazonian languages, v. 4. LANDIN, D An Outline of the Syntactic Structure of Karitiana Sentences. Em Estudos Sobre Línguas Tupi do Brasil. Série Lingüística 11. Brasilia: SIL. MONSERRAT, R. M. F. Irmãzinhas de Jesus Língua Asuriní do Xingu: Observações Gramaticais. Belém: Conselho Indigenista Missionário. 4

5 RODRIGUES, A. D Classification of Tupi-Guarani. International Journal of American Linguistics, 24: Baltimore A classificação do tronco lingüístico Tupí. Revista de Antropologia, 12: São Paulo Relações internas na família lingüística Tupí-Guaraní, R_evista de Antropologia, 27/28: São Paulo Hipótese sobre as migrações dos três subconjuntos meridionais da família Tupí-Guaraní. Atas do II Congresso Nacional da ABRALIN. CD-ROM. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina. RODRIGUES, A. D. & DIETRICH, W On the Linguistic Relationship Between Mawé and Tupí-Guaraní, Diachronica XIV.2: Amsterdam. SCHLEICHER, Charles Comparative and internal reconstruction of the Tupi-Guarani language family. Ph.D. dissertation, University of Wisconsin/Madison. STORTO, L Aspects of a Karitiana Grammar. Ph.D. dissertation, Massachusetts Institute of Technology. 5

Sobre o desenvolvimento de padrões absolutivos em famílias orientais do tronco tupí

Sobre o desenvolvimento de padrões absolutivos em famílias orientais do tronco tupí Sobre o desenvolvimento de padrões absolutivos em famílias orientais do tronco tupí Aryon Dall Igna RODRIGUES e Ana Suelly Arruda Câmara CABRAL Laboratório de Línguas Indígenas, Instituto de Letras, Universidade

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

REVISTA DA ABRALIN ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LINGÜÍSTICA

REVISTA DA ABRALIN ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LINGÜÍSTICA REVISTA DA ABRALIN ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LINGÜÍSTICA REVISTA DA ABRALIN ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LINGÜÍSTICA ISSN 16781805 REVISTA DA ABRALIN VOLUME V NÚMEROS 1 E 2 DEZEMBRO DE 2006 REVISTA DA ABRALIN

Leia mais

A ORIGINALIDADE DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS

A ORIGINALIDADE DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS A ORIGINALIDADE DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS Conferência feita na inauguração do Laboratório de Línguas Indígenas do Instituto de Letras da Universidade de Brasília, em 8 de julho de 1999 Aryon Dall

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas

Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas Indígenas do Brasil Luciana Storto Bruna Franchetto Suzi Lima (Organizadoras) Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas Indígenas do Brasil Dados Internacionais de

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS FONOLOGIA, GRAMÁTICA E HISTÓRIA

LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS FONOLOGIA, GRAMÁTICA E HISTÓRIA LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS FONOLOGIA, GRAMÁTICA E HISTÓRIA ATAS DO I ENCONTRO INTERNACIONAL DO GRUPO DE TRABALHO SOBRE LÍNGUAS INDÍGENAS DAANPOLL Tomo II Ana Suelly Arruda Câmara Cabral Aryon Dall'Igna

Leia mais

ASPECTOS DA HISTÓRIA DAS LÍNGUAS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA

ASPECTOS DA HISTÓRIA DAS LÍNGUAS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA ASPECTOS DA HISTÓRIA DAS LÍNGUAS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Instituto de Letras, Universidade de Brasília) Publicado em Simões, M. do S., org., Sob

Leia mais

ESTUDOS LI GUÍSTICOS SOBRE LÍ GUAS I DÍGE AS BRASILEIRAS

ESTUDOS LI GUÍSTICOS SOBRE LÍ GUAS I DÍGE AS BRASILEIRAS SILVA, Wilson. Estudos linguísticos de línguas indígenas brasileiras. ReVEL. Edição especial n. 3, 2009. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. ESTUDOS LI GUÍSTICOS SOBRE LÍ GUAS I DÍGE AS BRASILEIRAS Wilson

Leia mais

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA EIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO P NA LÍNGUA TENETEHÁRA Introdução Quesler Fagundes Camargos / FALE - UFMG Fábio Bonfim Duarte / FALE - UFMG Neste trabalho, temos por objetivo investigar o estatuto

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE DICIONÁRIO PARA A LÍNGUA WAYORO: PASSOS INICIAIS Eurides Aires RIBEIRO (UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA)

CONSTRUÇÃO DE DICIONÁRIO PARA A LÍNGUA WAYORO: PASSOS INICIAIS Eurides Aires RIBEIRO (UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) CONSTRUÇÃO DE DICIONÁRIO PARA A LÍNGUA WAYORO: PASSOS INICIAIS Eurides Aires RIBEIRO (UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) RESUMO: O objetivo mais amplo deste artigo é apresentar resultados

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Liliane Santana Curriculum Vitae

Liliane Santana Curriculum Vitae Liliane Santana Curriculum Vitae Abril/2008 Dados pessoais Nome: Endereço profissional: Endereço eletrônico: Liliane Santana UNESP - Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas de São José do Rio

Leia mais

III Línguas e Culturas Tupí. Histórico dos Encontros Internacionais sobre

III Línguas e Culturas Tupí. Histórico dos Encontros Internacionais sobre III Línguas e Culturas Tupí Histórico dos Encontros Internacionais sobre O III Encontro Internacional sobre Línguas e Culturas dos Povos Tupí foi estimulado pelos resultados positivos dos encontros anteriores

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

O Kaiowá e o Guarani de Mato Grosso do Sul: uma contribuição aos estudos histórico-comparativos da família linguística Tupi-Guarani

O Kaiowá e o Guarani de Mato Grosso do Sul: uma contribuição aos estudos histórico-comparativos da família linguística Tupi-Guarani O Kaiowá e o Guarani de Mato Grosso do Sul: uma contribuição aos estudos histórico-comparativos da família linguística Tupi-Guarani MARTINS, Andérbio Márcio Silva Martins (UFGD/LALI-UnB) 1 No presente

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Gramática Discursivo-Funcional e os estudos tipológicos: um exercício de análise das línguas indígenas do Brasil

Gramática Discursivo-Funcional e os estudos tipológicos: um exercício de análise das línguas indígenas do Brasil Gramática Discursivo-Funcional e os estudos tipológicos: um exercício de análise das línguas indígenas do Brasil (Functional Discourse Grammar and typological studies: an exercise in the analysis of native

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

LÍNGUAS ENTRELAÇADAS: UMA SITUAÇÃO SUI GENERIS DE LÍNGUAS EM CONTATO

LÍNGUAS ENTRELAÇADAS: UMA SITUAÇÃO SUI GENERIS DE LÍNGUAS EM CONTATO PAPIA 21(2), p. 221-230, 2011. ISSN 0103-9415 LÍNGUAS ENTRELAÇADAS: UMA SITUAÇÃO SUI GENERIS DE LÍNGUAS EM CONTATO Alzerinda Braga Universidade Federal do Pará braga@ufpa.br Ana Suelly Arruda Câmara Cabral

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Administração Central Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL Denize Elena Garcia da Silva (Organizadora) Brasília 2004 Este artigo foi extraído

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL Denize Elena Garcia da Silva (Organizadora) Brasília 2004 Este artigo foi extraído

Leia mais

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Quesler Fagundes Camargos 2 (UFMG) Indra Marrime Manuel 3 (UEM) Domingas Machavele 4 (UEM) 1. Introdução A língua Citshwa pertence ao Grupo

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Tradução - Curso de Letras - Licenciatura (Currículos 12172010/ 12172012) Curso de Letras - Tradutor e Intérprete (Currículo 12432010) 1. Estágio supervisionado 1

Leia mais

PARÂMETROS E MACROPARÂMETROS: UM OLHAR SOBRE AS LÍNGUAS INDÍGENAS TEMBÉ E GUAJAJÁRA (TUPI)

PARÂMETROS E MACROPARÂMETROS: UM OLHAR SOBRE AS LÍNGUAS INDÍGENAS TEMBÉ E GUAJAJÁRA (TUPI) UFRJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: LINGÜÍSTICA PARÂMETROS E MACROPARÂMETROS: UM OLHAR SOBRE AS LÍNGUAS INDÍGENAS

Leia mais

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do PBA-CI

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do PBA-CI Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do -CI Rastreabilidade da Matriz de Indicadores - COMITÊ GESTOR INDÍGENA DO -CI - IMPACTOS IMPACTOS E FONTE EXPECTATIVAS Participação indígena

Leia mais

Bianca Pasqualini LEITURA, TRADUÇÃO E MEDIDAS DE COMPLEXIDADE TEXTUAL EM CONTOS DA LITERATURA PARA LEITORES COM LETRAMENTO BÁSICO

Bianca Pasqualini LEITURA, TRADUÇÃO E MEDIDAS DE COMPLEXIDADE TEXTUAL EM CONTOS DA LITERATURA PARA LEITORES COM LETRAMENTO BÁSICO LEITURA, TRADUÇÃO E MEDIDAS DE COMPLEXIDADE TEXTUAL EM CONTOS DA LITERATURA PARA LEITORES COM LETRAMENTO BÁSICO Dissertação de Mestrado PPGLet/UFRGS (2013) Bianca Pasqualini Doutoranda PPGLet/UFRGS Orientadora:

Leia mais

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE CO~CA~AOCOORDENADA PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE DAFALA Edson Campos MAlA (UNICAMP) ABSTRACT: This paper aims at investigating certain syntactic restrictions such as pronominal

Leia mais

Relatório PIBIC 2012

Relatório PIBIC 2012 Relatório PIBIC 2012 Projeto: Déficit Específico da Linguagem (del) e problemas de linguagem ligados a dificuldades de aprendizagem: um estudo exploratório com vistas à intervenção 1 Alunas: Luiza Frizzo

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO CONTEÚDOS ORALIDADE Elementos constitutivos do texto publicitário. Ouvinte. Informação. Princípios reguladores

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 A avaliação é feita através da observação direta e sistemática de acordo com as Metas de aprendizagem. A avaliação

Leia mais

Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco

Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Abstract This paper describes the CINTIL-Treebank Online Searcher, a freely available

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

EMPRÉSTIMOS LINGÜÍSTICOS DO PORTUGUÊS DO BRASIL NA LÍNGUA MUNDURUKÚ (TUPÍ)

EMPRÉSTIMOS LINGÜÍSTICOS DO PORTUGUÊS DO BRASIL NA LÍNGUA MUNDURUKÚ (TUPÍ) Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (1186-1190) EMPRÉSTIMOS LINGÜÍSTICOS DO PORTUGUÊS DO BRASIL NA LÍNGUA MUNDURUKÚ (TUPÍ) Patrícia Vieira NUNES (Faculdade Michelangelo DF) ABSTRACT: This

Leia mais

ANEXO II TEMAS PARA AVALIAÇÃO DAS PROVAS ESCRITA E DIDÁTICA E BIBLIOGRAFIA

ANEXO II TEMAS PARA AVALIAÇÃO DAS PROVAS ESCRITA E DIDÁTICA E BIBLIOGRAFIA ANEXO II PARA AVALIAÇÃO DAS PROVAS ESCRITA E DIDÁTICA E BIBLIOGRAFIA CAMPI: Guajará Mirim CURSOS: Administração, Gestão Ambiental, Ciências da Linguagem e Ciências da Educação CURSO: Administração ÁREA:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: São Carlos-SP Eixo Tecnológico: Controles e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares ESTUDOS LINGÜÍSTICOS PREDICADOS COMPLEXOS Maria José Foltran* Preliminares T? ste artigo tem um caráter eminentemente descritivo. Nosso proposito B J é mostrar que os chamados predicados complexos englobam

Leia mais

Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/UNICAMP). E-mail: dalikama@hotmail.com

Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/UNICAMP). E-mail: dalikama@hotmail.com 1 Graduado em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestrando em Linguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/UNICAMP). E-mail: dalikama@hotmail.com

Leia mais

Descrição tipológico-funcional da oração relativa nas línguas nativas da Amazônia

Descrição tipológico-funcional da oração relativa nas línguas nativas da Amazônia Descrição tipológico-funcional da oração relativa nas línguas nativas da Amazônia (Typologically-functional description of the relative clause in the Amazonian native languages) Amanda D Alarme Gimenez¹,

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação. Plano de Estudos. «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1

Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação. Plano de Estudos. «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1 Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação Plano de Estudos «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1 QUADRO Nº 5 Créditos Observações 1 Ciências do Léxico Análise do Discurso Aquisição

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Teses e dissertações sobre línguas indígenas apresentadas no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL-UNICAMP): Período 1977-2008.

Teses e dissertações sobre línguas indígenas apresentadas no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL-UNICAMP): Período 1977-2008. Angel Corbera Mori (UNICAMP) Teses e dissertações sobre línguas indígenas apresentadas no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL-UNICAMP): Período 1977-2008. As línguas ameríndias têm sido objeto de estudo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

RESENHA/REVIEW. BYBEE, Joan. 2010. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press. 252 págs.

RESENHA/REVIEW. BYBEE, Joan. 2010. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press. 252 págs. RESENHA/REVIEW BYBEE, Joan. 2010. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press. 252 págs. Resenhado por/by: Maria Angélica FURTADO DA CUNHA (Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Teste Seletivo 2014 - Edital 4º Ano Ensino Fundamental I 1. Interpretação de texto; 2. Redação; 3. Operações Fundamentais (probleminhas). 5º Ano Ensino Fundamental I 1. Interpretação

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura

Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura Docente: Prof. Dr. Enrique Huelva Unternbäumen Semestre: 1/2015 Metáfora, metonímia e blending (integração

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn "parser

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn parser PARSER: UM ANALISADOR SINTATICO E SEMANTICO PARA SENTEN«;AS DO PORTUGlltS Joao Luis Garcia ROSA (PUCCAMP) ABSTRACT: This work aims at the analysis and implementation 0/ a semantic parser for oral portuguese

Leia mais

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental 3 o Ano Textos Ler, entender e interpretar contos infantis e textos informativos. Gramática Será dada ênfase à aplicação, pois ela é entendida como instrumento para que o aluno se expresse de maneira adequada

Leia mais

DICAS DE PORTUGUÊS. Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação

DICAS DE PORTUGUÊS. Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação DICAS DE PORTUGUÊS Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação CONCORDÂNCIA NOMINAL Concordância nominal é o princípio de acordo com o qual toda palavra variável referente ao substantivo

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

FLEXA.O PESSOAL EM GUATO 1

FLEXA.O PESSOAL EM GUATO 1 FLEXA.O PESSOAL EM GUATO 1 Adair Pimentel PalacIo UFPE Guato e uma lingua indigena brasileira falada por cerca de 50 das 220 remanescentes da tribo Guato, indios eanoeiros de Mato Grosso e Mato Grosso

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca*

INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca* 131 INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca* RESUMO Este artigo tem como objetivo principal mostrar a influência de Bloomfield sobre a Lingüística Moderna. Procedemos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS CLASSIFICAÇÃO JEL: F12 Fernanda De Negri RESUMO Este artigo analisa a relação entre os padrões tecnológicos e o desempenho externo das

Leia mais

(Linguistics of Indigenous Languages in Brazil)

(Linguistics of Indigenous Languages in Brazil) D.E.L.T.A., Vol. 15, N.º ESPECIAL, 1999 (257-290) 257 A LINGÜÍSTICA INDÍGENA NO BRASIL (Linguistics of Indigenous Languages in Brazil) Lucy SEKI (UNICAMP; CNPq) ABSTRACT: This article presents a panorama

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia 1º ANO 1º básica Leitura e produção de textos/filosofia Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia Língua Portuguesa I Noções Básicas de Língua Portuguesa A gramática e sua subdivisão As relações

Leia mais

DUPLICAÇÃO, SUPLEÇÃO, AFIXAÇÃO E ALTERNÂNCIA VERBAL NAS LÍNGUAS TUPI PLURALIDADE DE SINTAGMAS NOMINAIS OU DE EVENTOS?

DUPLICAÇÃO, SUPLEÇÃO, AFIXAÇÃO E ALTERNÂNCIA VERBAL NAS LÍNGUAS TUPI PLURALIDADE DE SINTAGMAS NOMINAIS OU DE EVENTOS? DUPLICAÇÃO, SUPLEÇÃO, AFIXAÇÃO E ALTERNÂNCIA VERBAL NAS LÍNGUAS TUPI PLURALIDADE DE SINTAGMAS NOMINAIS OU DE EVENTOS? (REDUPLICATION, SUPPLETION. AFFIXATION AND VERBAL ALTERNATION IN TUPI LANGUAGES: NOMINAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

MAWÉ/AWETÍ/TUPÍ-GUARANÍ: RELAÇÕES LINGUÍSTICAS E IMPLICAÇÕES HISTÓRICAS

MAWÉ/AWETÍ/TUPÍ-GUARANÍ: RELAÇÕES LINGUÍSTICAS E IMPLICAÇÕES HISTÓRICAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LINGUÍSTICA, PORTUGUÊS E LÍNGUAS CLÁSSICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA MAWÉ/AWETÍ/TUPÍ-GUARANÍ: RELAÇÕES LINGUÍSTICAS E IMPLICAÇÕES

Leia mais

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome TÍTULO DA TESE Nome do Autor Sobrenome Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO RESUMO Jaqueline Barreto Lé (UEFS/NELP) 1 Este artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

Orações reduzidas. Bom Estudo!

Orações reduzidas. Bom Estudo! Orações reduzidas Bom Estudo! Orações reduzidas São orações construídas com as formas nominais do verbo infinitivo (terminação em -r), gerúndio (terminação em -ndo) e particípio (terminação em -ado/ -ido),

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 DOU de 26/11/08 Componente Curricular: Inglês Instrumental PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 DOU de 26/11/08 Componente Curricular: Inglês Instrumental PLANO DE CURSO E N G E N H A R I A E L É T R I C A Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 DOU de 26/11/08 Componente Curricular: Inglês Instrumental Código: ENG-111 Pré-requisito: Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1

Plano de Trabalho Docente 2013. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Área Profissional: Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.1 Município: São Carlos-SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

< >> IDENTIDADE 6 1 > A Companhia de Jesus e os Colégios 7 2 > O Colégio São João de Brito 14 CAPÍTULO II >>>> ORGANIZAÇÃO GERAL 18 19 22 27 1 > A Comunidade educativa 2 > Organização

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais