Aula 1: Traços morfossintáticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 1: Traços morfossintáticos"

Transcrição

1 Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece ser a noção correta. Considerando fenômenos de concordância, percebemos que não são exatamente as palavras que são relevantes, mas suas propriedades. Nos quatro primeiros exemplos abaixo, vemos que, se a segunda palavra termina com s, a terceira não pode. Então talvez o que a concordância relacione seja o formato das palavras. Entretanto, isso também não pode ser verdade porque palavras que não terminam em s também parecem exigir que a última palavra termine. (1) The pig grunts. (2) The pigs grunt. (3) *The pig grunt. (4) *The pigs grunts. (5) The man cries. (6) The men cry. (8) The sheep bleats. (9) The sheep bleat. Em todos os exemplos, a forma morfológica das palavras é diferente, mas o padrão é o mesmo. Então o tipo de propriedade da qual estamos falando não pode se basear nas propriedades morfológicas diretamente. Se a relação de concordância é a mesma, então ela não pode relacionar formato de palavras diretamente. Nós precisamos de algo mais abstrato, que é relacionado pela concordância e que resulta em estas formas morfológicas que vemos. Esse coisa mais abstrata é chamada de traço morfológico. Um traço morfológico é uma propriedade das palavras que à qual a sintaxe é sensível e que pode determinar o formato particular que uma palavra tem. Se assumirmos que a palavra sheep pode ser plural, apesar de não conter nenhuma marca, podemos explicar o paradigma acima. O traço de plural claramente tem um efeito no significado das expressões (e, frequentemente, na sua morfologia também). Traços que tem um efeito na interpretação semântica das expressões é chamado de interpretável. Aqueles que não causam nenhum efeito, de ininterpretáveis. Nossa tarefa então será a de descobrir quais são os traços relevantes para a sintaxe.

2 Apesar de haver uma relação entre os traços interpretáveis e a semântica, a relação nem sempre é direta. Uma palavra como costas é gramaticalmente plural, mas se refere a uma entidade singular. Sistemas de traços A concordância em inglês, então, poderia ser explicada assumindo que existe uma diferença entre singular e plural, o que pode ser capturado pela distinção de dois traços morfológicos [sing] e [plural]. Entretanto, essa hipótese parece prever que deveríamos ter também a combinação dos dois traços [sing, plural], o que não ocorre em inglês. Isso demonstra que talvez seja mais econômico assumir para o inglês apenas um traço: sua presença significaria pluralidade e sua ausência singularidade. Para uma língua como o árabe, os dois traços são necessários, para darmos conta do dual, que seria descrito como [sing, plural]. Os dados de hopi parecem confirmar essa hipótese. Um problema para essa explicação pode ser levantada pelo fato de que se esperaria 4 possibilidade, contando com a ausência de qualquer traço, ou subespecificação. Esse problema pode ser resolvido se assumirmos que há um traço default. Ou seja, assumimos que tanto em inglês como em árabe e hopi existe uma regra que adiciona o traço [sing] a toda palavra não especificada para número. Isso ainda resulta no inglês não ter um dual, porque apenas palavras subespecificadas são afetadas pela regra, palavras que já contem o traço [plural] não recebem o traço default. Uma outra maneira possível de tratar o problema seria dizer que os traços tem valores binários. Uma língua com dual, portanto, teria elementos [+sing, +plural]. Nesse caso, uma regra geral poderia barrar combinações do tipo [-sing, -plural] que não parecem existir em nenhuma língua. Num sistema como esse ainda precisaríamos de uma regra extra que forçaria todos os traços a aparecer num feixe de traços para evitar elementos [+sing] ou [-plural]. Ainda uma outra possibilidade seria considerar [número] como o traço relevante e [sing] e [plural] como valores desse traço. Poderíamos escrever isso assim: [número: sing]. Esse sistema dificulta o tratamento das formas duais (ou força a criação de um novo valor: número: dual) mas possibilita que se refira a uma classe natural de traços de número. A escolha entre esses tipos de sistemas de traços é puramente empírica. Para número, o sistema mais econômico parece ser aquele em que uma palavra pode conter ou não conter o traço, contanto que se assuma uma regra que adicione um valor default. O sistema binário requereria duas regras adicionais: uma que eliminasse a combinação [-sing, -plural] e outra que force as palavras a serem valoradas completamente (*[-sing], por exemplo). A proposta

3 de assumir o traço número com os valores sing, plural e dual é simples, mas tem a desvantagem de não expressar que o dual é, na verdade, formado pela junção de sing e plural em algumas línguas. Regras de interface Uma vez que se decida quais traços serão necessários para descrever uma dada língua, podemos usá-los para determinar várias coisas sobre como as palavras podem ser pronunciadas ou interpretadas. Ou seja, podemos postular regras de interface que mapeiam a estrutura sintática e a interpretação semântica e a forma fonética. Um exemplo seria Pronuncie um nome especificado pelo traço [plural] contendo o sufixo s ou então Interprete um nome especificado pelo traço [plural] como referindo a um grupo de entidades. Claramente, essas regras não dariam conta de todos os dados, mas a ideia de que os componentes morfo-fonológico e semântico interpretam os traços morfológicos da sintaxe parece ser muito proveitosa e os exemplos acima mostram como nem a morfo-fonologia nem a semântica são triviais. O importante a notar é que um traço sintático como [plural] serve para relacionar forma (som) e significado. Apesar de não haver um equivalente linguístico da tabela periódica, ou seja, uma lista exaustiva de todos os traços que compõe atomicamente as expressões linguísticas, podemos supor que pelo menos os traços fonológicos e os sintáticos sejam finitos e, talvez, dados pela gramática universal. Obviamente, nem toda língua instancia todos os traços, portanto, o conjunto de traços relevantes para uma dada língua tem de ser motivado empiricamente. Motivando traços A maneira que usamos para motivar os traços discutidos acima ([sing], [plural]) tomou como base os fatos que (i) havia relações entre formas morfológicas e (ii) havia efeitos na interpretação semântica. Esta é a maneira mais sólida de motivar um traço. Entretanto, um traço pode ser motivado apenas por um reflexo morfológico (sem efeito na interpretação semântica); ou com base apenas no significado (sem efeito morfológico). Pode-se postular traços até mesmo na ausência de ambos quando uma relação sintática deva ser estabelecida ou uma predição sobre gramaticalidade não resultará correta (traços de Caso, como veremos, será um caso desse tipo). Um conjunto de traços muito importantes e que parecem ser motivados por vários fenômenos morfológicos é a existência de traços categoriais, que dão origem às classes de palavras. Podemos motivar pelo menos quatro classes: Nomes, Verbos, Adjetivos/Advérbios

4 e Preposições. Uma maneira econômica de descrever essas quatro classes seria postular dois traços como mostrado abaixo: a. nome [N] b. verbo [V] c. adjetivo [N, V] d. preposição [] Uma classificação desse tipo faz as seguintes previsões: alguns processos sintáticos deveriam envolver nomes e adjetivos como uma classe, enquanto outros deveriam envolver adjetivos e verbos. As preposições deveriam formar uma classe separada e nenhum processo deveria envolver preposições e verbos ou preposições e nomes como uma classe natural. Como veremos mais adiante, essa previsão não se sustenta, uma vez que verbos e preposições parecem se agrupar numa classe segundo vários processos sintáticos. Esse sistema também pode ser criticado pelo fato de que as preposições não tem traço categorial nenhum, o que não parece ser correto. Uma alternativa, então, seria usar traços binários: [+N, +V] para Adjetivos e [-N, -V] para preposições. Itens lexicais Línguas diferentes possuem itens lexicais diferentes não só em termos de pronúncia, mas também em termos semânticos. Isso parece indicar que línguas diferentes agrupam traços em conjuntos diferentes. Uma língua como o Gaélico Escocês, por exemplo, usa o mesmo termo para expressar a cor do céu e da grama (o termo é gorn). Um objeto que tem a cor da grama (para nós), mas num tom mais claro seria descrito por outro termo em gaélico. Esse mesmo termo descreve também coisas que nós chamaríamos de cinza (glas). Coisas verdes podem ser gorn ou glas, mas apenas se forem naturais e não feitas pelo homem. Se uma coisa é verde por ter sido pintada, por exemplo, o termo seria uaine. Assim, vemos que o gaélico usa traços semânticos que outras línguas geralmente não usam para formar nomes de cores. Se há um conjunto finito de traços semânticos é difícil dizer, mas o fato é que as línguas agrupam esses traços de diferentes maneiras para formar itens lexicais. Os traços responsáveis pela pronúncia de um item lexical são chamados de traços fonológicos; portanto, o que entendemos por um item lexical é um conjunto de traços fonológicos, semânticos e morfossintáticos. Assumimos então que, para palavras contendo traços fonológicos e semânticos, esses traços são acessados pelas regras de interface para determinar sua pronúncia e interpretação. Note que nada exige que uma palavra tenha os três tipos de traços.

5 Se a sintaxe trabalha com traços ao invés de palavras, podemos levantar a questão de se a sintaxe acessa também os traços fonológicos e semânticos. A visão mais comum é de que não. A sintaxe geralmente não presta atenção para o fato de uma palavra começar por uma plosiva, ou terminar com uma fricativa. Parece ser o caso que a sintaxe não se interessa pelo fato de um item lexical ser semanticamente plural ou singular; ao invés, a sintaxe apenas se interessa pelo fato da palavra conter ou não o traço morfológico [plural]. Isso pode ser comprovado por Minhas costas estão doendo. Considere, também, o fato de algumas línguas marcarem morfologicamente o que se chama de gênero gramatical. É fácil verificar que palavras femininas não necessariamente se referem a entidades femininas no mundo. Em gaélico, por exemplo, a palavra mulher é gramaticalmente masculina. Entretanto, se assumíssemos que os falantes dessa língua de alguma forma considerassem as mulheres masculinas e que os dados de concordância eram sensíveis aos traços semânticos, então o seguinte fato seria difícil de explicar: (i) Thànig am boireannach mòr agus shuidhe i sios. Arrive.past the woman big.masc and sat she down The big woman arrived and she sat down. No exemplo acima, apesar do adjetivo concordar em gênero masculino com o nome boireannach, o pronome i (ela) claramente significa que o nome é tomado como se referindo a uma entidade feminina no mundo (o pronome i contrasta com o pronome e (ele) em gaélico). Isso significa que o substantivo deve conter um traço sintático [masculino] e um traço semântico [feminino]. A concordância acessa o traço sintático, enquanto que a referência pronominal acessa o traço semântico. Assim, assumiremos que relações sintáticas como concordância acessam apenas traços sintáticos, mas não traços fonológicos nem semânticos. Alguns traços sintáticos tem um efeito transparente na interpretação (o traço plural por exemplo), mas a relação nem sempre é precisa (nomes como costas, por exemplos). A ideia de que a sintaxe trabalha exclusivamente com traços sintáticos é conhecida como a tese da autonomia da sintaxe (Chomsky 1957). Traços-phi Muitas línguas diferenciam morfologicamente um verbo que toma aquele que fala como seu sujeito, ou o interlocutor. (cf. a diferença entre I am, you are e he is ). Temos então de assumir mais um traço, geralmente chamado de pessoa. Uma língua como português ou inglês parece diferenciar 3 pessoas: o falante, seu interlocutor e pessoa fora da situação de comunicação. Se postularmos três traços diferentes [1], [2] e [3], prediríamos sete ou oito

6 combinações possíveis, que não parecem ser realizadas nas línguas naturais. Isso parece indicar que as línguas trabalham, na verdade, apenas com os traços de [1] e [2] pessoa, enquanto que a chamada terceira pessoa é a ausência de traços de pessoa. Ainda assim, esse sistema prediria que, além da 1 a pessoa do plural, teríamos uma quarta pessoa composta pelos dois traços [1, 2] e isso realmente é o que achamos em algumas línguas: o pronome de 1 a pessoa inclusivo. Os traços de número, gênero e pessoa são geralmente agrupados com o nome de traços-phi, uma vez que entram todos em relações de concordância nas línguas que os usam. Traços de Caso Em línguas como o português e o inglês, os pronomes podem mudar de forma também dependendo de outras relações que não a concordância. (ii) Eu vi o Joao. (ii) O Joao me viu. Essa variação entre eu e me é descrita como uma variação de Caso morfológico. Tanto o inglês como o português tem um sistema casual bem pobre, que só aparece nos pronomes e com apenas três variações (nominativo, acusativo e obliquo), mas há línguas que diferenciam mais de dez casos (finlandês). Apesar de que, nos exemplos acima, a alteração de forma referente a Caso parece mudar a interpretação semântica (quem fez o que pra quem), há indícios de que o traço de Caso é não-interpretável pois nem sempre muda a interpretação. (iv) I thought him to be happy. (v) I thought he was happy. Nesses exemplos, a interpretação é sempre a mesma, embora o pronome mude. Como há pouca uniformidade morfo-fonológica nos pronomes, vamos assumir que eles não tem traços fonológicos e que sua pronúncia depende inteiramente das regras de interface (ou seja, um pronome com os traços [1, sg, acus] é sempre pronunciado me. No caso do português, poderíamos supor que há apenas os traços [acus] e [obliq], sendo o nominativo a ausência de traço. Entretanto, como traços de caso não se combinam, talvez a melhor opção seja considerar o traço [Caso] e assumir três valores: nominativo, acusativo e obliquo. Traços verbais Até agora falamos sobre traços nominais, mas os verbos também tem traços interpretáveis. O traço de [passado] por exemplo é interpretado semanticamente como sinalizando que o tempo do evento se localiza antes do tempo da enunciação. Em inglês, não parece haver nenhuma

7 motivação para que se assuma um traço de [futuro] além do de passado. O futuro é sempre dado por uma locução usando ou um verbo modal (will) ou o auxiliar go. Se a distinção de tempo no inglês então é binária (passado se opondo ao presente/futuro) podemos assumir apenas um traço [passado] e dizer que esse traço está ausente no presente. Outras línguas, entretanto, terão que ter mais traços. Além disso, mesmo o inglês parece também precisar de um traço de particípio [part] que pode se combinar com o passado para formar os particípios passados (formados com ed) ou sem ele no particípio presente (formado por ing). Além disso, talvez precisemos de um traço para o infinitivo. Desse modo, podemos supor um sistema em que o traço de tempo [tense] tem os valores past, part e inf. Tarefa 1: Parte A Em inglês, há uma classe de palavras denominada pronomes reflexivos que são formados por um pronome mais a palavra self, no singular ou plural. Exemplos são: myself himself ourselves themselves etc. A distribuição dos pronomes reflexivos é restrita, comparada com outros pronomes: (1) *I kicked yourself (2) *He kicked yourself (3) You kicked yourself (4) I saw you. Note que a interpretação de sentenças como (3) é restrita: a pessoa que faz a ação descrita pelo verbo e a pessoa que recebe a ação é necessariamente a mesma. Os pronomes you e yourself em (3), então, são ditos correferentes. Numa sentença como (5), os pronomes também podem ser interpretados como sendo correferentes, mas isso não é necessário para a gramaticalidade da sentença como mostra (6): (5) O Pedro disse que a Maria gosta dele. (6) O Pedro disse que a Maria gosta dela.

8 Em (6), ela não pode ser interpretado como correferente a O Pedro porque correferencialidade parece requerer que os traços-phi dos dois elementos sejam os mesmos. Podemos expressar essa hipótese explicitamente como a Hipótese da correferencialidade: (7) Para duas expressões serem correferenciais, elas precisam conter os mesmos traços-phi. Usando a noção de correferencialidade, podemos tentar explicar os dados acima envolvendo pronomes reflexivos através da Generalização Reflexiva em (8) (8) Generalização Reflexiva (primeira tentativa): Um pronome reflexivo deve ser correferencial com uma expressão na mesma sentença. Exercício 1: explique a (a)gramaticalidade dos exemplos usando a hipótese da correferencialidade e a Generalização reflexiva: (9) You kicked yourselves (10) *We kicked myself (11) *They kicked himself (12) *He kicked herself (13) *She kicked itself Exercício 2: explique porque essas hipóteses não são suficientes para explicar a agramaticalidade de (14) e (15). Como a nossa hipótese poderia ser alterada para dar conta desses exemplos? (14) *Myself saw me. (15) *Himself saw him. Exercício 3: Usando a nova hipótese que você criou no exercício 2, explique se os dados seguintes são ou não problemáticos: (16) *I thought he liked myself. (17) *You said that she liked yourself. Parte B Considere o uso de verbos na forma imperativa: (18) Close the door. (19) Eat dirt! (20) Know yourself. Sentenças no imperativo parecem ter a propriedade de não conter um sujeito, como as demais sentenças do inglês (Mary closed the door, etc). Há duas maneiras de tratarmos esses exemplos:

9 Hipótese A: orações imperativas são como outras orações e têm um sujeito. Entretanto, o sujeito não é pronunciado. Hipótese B: orações imperativas não são como outras orações. Elas não tem sujeito. Exercício 1: Assumindo a Generalização reflexiva da parte A, explique como os dados seguintes sugerem que a hipótese A esteja correta. (21) Keep yourself clean. (22) Look after yourselves. Exercício 2: os dados abaixo comprovam sua resposta do ex. 1 ou são problemáticos? Justifique sua resposta. (23) *Keep myself clean. (24) *Look after herself. Exercício 3: se há um sujeito em (23) e (24), diga quem é o sujeito e por quê. Parte C Seria possível manter a hipótese B da parte B acima se adotarmos uma hipótese extra: (25) Hipótese extra: Apenas reflexivos de segunda pessoa são permitidos em orações imperativas. O que teríamos, então, seria uma escolha entre duas gramáticas: gramática A adota hipótese A, enquanto que a gramática B adota a hipótese B, mais a hipótese extra. Ambas gramáticas dão conta dos dados. A gramática A diz que há um sujeito pronominal na posição de sujeito dos imperativos com os traços-phi corretos para permitir apenas um reflexivo de segunda pessoa. A gramática B diz que não há sujeito nenhum nos imperativos e que, independentemente, apenas reflexivos de segunda pessoa são permitidos em orações imperativas. Exercício 1: Escolha entre a gramática A e B e diga o que motivou a sua escolha. Parte D Considere os dados abaixo: (26) *I kicked me. (27) I kicked myself. (28) *You kicked you. (29) You kicked yourself. Exercício 1: formule uma generalização sobre pronomes que dê conta desses dados. Exercício 2: Explique como a sua generalização dá conta dos dados abaixo. (Dica: pense sobre quais as interpretações possíveis dessas sentenças).

10 (30) He kicked him. (31) They kicked them. Agora considere os seguintes dados com imperativos: (32) Kick me! (33) Kick them! (34*Kick you! Exercício 3: explique os dados acima usando as generalizações criadas até agora, primeiro considerando a gramática A e depois a gramática B. No caso de uma das gramáticas ter problemas, sugira uma alteração na gramática ou uma outra hipótese extra, para dar conta dos dados. Exercício 4: Agora explique qual das duas gramáticas resultantes deve ser preferida e por quê. Tarefa 2: Discuta quais traços verbais precisaríamos para descrever a língua portuguesa.

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência Estratégia de Leitura Elementos de Referência Reference devices ou elementos de referência Ao ler textos sobre qualquer assunto, em qualquer área de conhecimento, todo leitor percebe uma relação de REFERÊNCIA

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Índice APOSTILA DE INGLÊS Módulo I - EXPRESSÕES PARA USO COTIDIANO - SUBJECT PRONOUNS - VERBO

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER Vejamos os exemplos de concordância do verbo ser: 1. A cama eram (ou era) umas palhas. Isto são cavalos do ofício. A pátria não é ninguém: são todos. (Rui Barbosa).

Leia mais

Where do you work? Nei se transformou em repórter e saiu perguntando para todo mundo Where do you work?. Vamos ver o diálogo?

Where do you work? Nei se transformou em repórter e saiu perguntando para todo mundo Where do you work?. Vamos ver o diálogo? A UU L AL A Where do you work? Na aula de hoje, vamos aprender a responder à pergunta Where do you work?, que quer dizer Onde você trabalha?. Assim, você pode dizer às pessoas qual é seu local de trabalho.

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais PRONOMES O pronome é uma palavra usada no lugar do nome (substantivo) para evitar a sua repetição e concorda, em gênero e número com o substantivo que representa. Para cada tipo de Pronome há um tipo de

Leia mais

INGLÊS MÓDULO 4. Pronomes Pessoais, Objetos, Reflexivos, Possessivos, Adjetivos Possessivos. Professor Antonio Donizeti

INGLÊS MÓDULO 4. Pronomes Pessoais, Objetos, Reflexivos, Possessivos, Adjetivos Possessivos. Professor Antonio Donizeti INGLÊS Professor Antonio Donizeti MÓDULO 4 Pronomes Pessoais, Objetos, Reflexivos, Possessivos, Adjetivos Possessivos PRONOMES SUJEITOS (SUBJECT PRONOUNS) Os Pronomes Sujeitos (Subject Pronouns) são usados

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Inglesa

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Inglesa Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Língua Inglesa 51. Alternativa (B) A questão exigia compreender que a road do texto não era de fato uma estrada; era necessário perceber que road era uma metáfora

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 5 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 5 I Querer + verbo Achar + que Eu quero Eu acho Você/ ele/ ela quer Você/ ele/

Leia mais

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adverbiais. 2. Apresentação das conjunções adverbiais mais comuns. 3. Orações Reduzidas. As orações subordinadas

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

What is your occupation?

What is your occupation? What is your occupation? Assunto do dia Muitas vezes, ao preenchermos cadastros em empresas ou simplesmente ao nos apresentarmos em ambientes de trabalho, precisamos responder à pergunta: Por essa pergunta

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Os Pronomes. The Pronouns

Os Pronomes. The Pronouns Os Pronomes The Pronouns Pronome é a classe de palavras que acompanha ou substitui um substantivo ou um outro pronome, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou mesmo situando-o no espaço

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

Curso Intermediário de LIBRAS

Curso Intermediário de LIBRAS Curso Intermediário de LIBRAS 1 Curso Intermediário de LIBRAS 2 Unidade 2 Fazer as compras Sábado foi dia de ir ao Tok Stok. Nós, casal, fomos passear e dar uma voltada para olhar os moveis e objetos.

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

Inglês com Inglesar Jota Filho

Inglês com Inglesar Jota Filho Inglês com Inglesar Jota Filho Aula Prática Parte 5 Texto em Inglês: Reddy Fox He was afraid that he would fall through into the water or onto the cruel rocks below. Granny Fox ran back to where Reddy

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês (Prova escrita e oral) 1.ª e 2.ª Fases 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) As informações

Leia mais

Relatório PIBIC 2012

Relatório PIBIC 2012 Relatório PIBIC 2012 Projeto: Déficit Específico da Linguagem (del) e problemas de linguagem ligados a dificuldades de aprendizagem: um estudo exploratório com vistas à intervenção 1 Alunas: Luiza Frizzo

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ÍNDICE Pronomes...2 Pronomes Pessoais...2 Pronomes de Tratamento...3 Pronomes Possessivos...3 Pronomes Demonstrativos...3 Pronomes Indefinidos...4 Pronomes Relativos...4 Pronomes

Leia mais

Inglês. Curso de Áudio

Inglês. Curso de Áudio Inglês Curso de Áudio Sobre a Autora ingressou na Universidade do Norte de Iowa em 1998, em dois cursos: pedagogia e espanhol. Após se mudar para Indianápolis, estado de Indiana, em 1999, ela passou a

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Orações reduzidas. Bom Estudo!

Orações reduzidas. Bom Estudo! Orações reduzidas Bom Estudo! Orações reduzidas São orações construídas com as formas nominais do verbo infinitivo (terminação em -r), gerúndio (terminação em -ndo) e particípio (terminação em -ado/ -ido),

Leia mais

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA Hindemburg Melão Jr. Introdução Quando Newton formulou a Teoria da Gravitação Universal, ele estabeleceu uma relação entre gravidade e massa e também postulou

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

Turma Regular Semanal Manhã

Turma Regular Semanal Manhã A) ARTIGOS CORRELATOS CONCORDÂNCIA NOMINAL Introdução Leia a frase abaixo e observe as inadequações: Aquele dois meninos estudioso leram livros antigo. Note que as inadequações referem-se aos desajustes

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade

ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade Programa Pró-Ciência Fapesp/IME-USP-setembro de 1999 Antônio L. Pereira -IME USP (s. 234A) tel 818 6214 email:alpereir@ime.usp.br 1 Um carro e dois bodes

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Vêm de todo o lado, atraídos pela lendária hospitalidade portuguesa, mas sobretudo pelo clima,

Leia mais

PORTUGUÊS CIDA BISPO

PORTUGUÊS CIDA BISPO TIPO 1 PORTUGUÊS CIDA BISPO 7º UNIDADE IV Orientações: Não será aceita a utilização de corretivo; não será permitido o empréstimo de material durante a avaliação; use somente caneta esferográfica azul

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 1 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 1 - I Pronomes pessoais Eu Tu 1 Você 2 / ele/ela A gente 3 Nós Vós 4 Eles/ elas

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

ROTEIRO REVISÃO / AVALIAÇÃO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto

ROTEIRO REVISÃO / AVALIAÇÃO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto Componente Curricular: Língua Inglesa Série/Ano Letivo: 7 Ano/ 2014 Professores Ministrantes: Tiago Pereira & Claudia Borges Carga Horária: 5 horas/aula Data: 09/07/2014 Aula: 04 Título:Revisão / 1ª Avaliação

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 MOTIVO ALEGADO PELO CANDIDATO: alternativa

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? *

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * 1.Nesta actividade, vamos estudar de que forma os verbos podem significar situações com durações diferentes. Quando consultamos o dicionário,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Professora: Lícia Souza

Professora: Lícia Souza Professora: Lícia Souza Morfossintaxe: a seleção e a combinação de palavras Observe que, para combinar as palavras loucamente, louco e loucura com outras palavras nas frases de modo que fiquem de acordo

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão : 08 19 25 A questão 08 do código 07, que corresponde à questão 19 do código 08 e à questão 25 do código 09 Assinale a alternativa incorreta em relação à regência nominal. a) São poucos os cargos

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 178/2009-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Aprova o projeto de extensão Curso de Línguas Estrangeiras, na modalidade de Curso, na categoria de Projeto de Extensão por Tempo

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 129/2012-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Convalida o projeto de extensão Curso de Línguas Estrangeiras, na modalidade de Curso, na categoria de Projeto de Extensão por

Leia mais

Inglês Técnico. Unidade 2 Simple Present. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Inglês Técnico. Unidade 2 Simple Present. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Inglês Técnico Unidade 2 Simple Present Curso Técnico em Infmática SUMÁRIO SIMPLE PRESENT... 3 SUBJECT PRONOUNS... 4 Exemplos... 4 Exemplos... 5 2 SIMPLE PRESENT A aula sobre Simple Present mostrará a

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA: 6.2. CONTEÚDOS: To be - past tense

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA: 6.2. CONTEÚDOS: To be - past tense CONTEÚDO E HABILIDADES AULA: 6.2 CONTEÚDOS: To be - past tense 2 CONTEÚDO E HABILIDADES HABILIDADES: Utilizar a forma negativa e interrogativa do To be - past tense para falar de atividades realizadas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Aula7 SHARING ABILITIES. Fernanda Gurgel Raposo

Aula7 SHARING ABILITIES. Fernanda Gurgel Raposo Aula7 SHARING ABILITIES META Iniciar um novo ciclo de estudos - uma vez que encerramos o ciclo de tópicos relacionados à rotina - voltado dessa vez ao discurso produzido a partir dos usos do verbo CAN,

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

CURSO DE INGLÊS BÁSICO

CURSO DE INGLÊS BÁSICO CURSO DE ALEMÃO II Docente Responsável: Profa. Dra. Cibele Cecílio de Faria Rozenfeld Docentes Colaboradores:Lais Mano Número de vagas: 25 Pré-requisito: ter cursado Alemão I pelo CEL/FCLAr ou apresentar

Leia mais

ACTIVITY Verbo To Be na forma Afirmativa

ACTIVITY Verbo To Be na forma Afirmativa ACTIVITY Verbo To Be na forma Afirmativa Categoria: Endereço YouTube: http://www.youtube.com/watch?v=9fyww1zjhno Utilização Se você já teve algum contato anterior com aulas de Inglês, você já ouviu falar

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de Vitor Valerio de Souza Campos Conteúdo do curso Visão geral: consultas são essenciais Lição: inclui sete seções Tarefas práticas sugeridas Teste.

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

A regra geral de concordância verbal é bastante simples: o verbo concorda com o núcleo (ou os núcleos) do sujeito. Desse modo, temos:

A regra geral de concordância verbal é bastante simples: o verbo concorda com o núcleo (ou os núcleos) do sujeito. Desse modo, temos: Concordância Na aula de hoje, estudaremos os principais tipos e ocorrências de itens relacionados à concordância verbal cobrados nos vestibulares do país. Nesse sentido, é válido lembrar que serão observadas

Leia mais

Revisão - Reveja os pontos principais, o Plano de Ação ou os tópicos da discussão do encontro anterior.

Revisão - Reveja os pontos principais, o Plano de Ação ou os tópicos da discussão do encontro anterior. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 9 Aparelho de DVD e TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes (workbooks)

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula!

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! Bete Masini A pontuação é, sem dúvida, um dos principais elementos coesivos do nosso texto. Certamente, não podemos crer no que muitos já falaram (e ainda falam):

Leia mais

Pronomes pessoais atrelados ao uso do verbo to be (am, is e are)

Pronomes pessoais atrelados ao uso do verbo to be (am, is e are) É fundamental saber usar os pronomes, que nos ajudam a fazer substituições, evitando repetições em nossa fala e, principalmente, escrita. Os pronomes são usados para substituir nomes, objetos ou coisas,

Leia mais

Inglês Instrumental GRAMÁTICA PRONOMES.

Inglês Instrumental GRAMÁTICA PRONOMES. Inglês Instrumental GRAMÁTICA PRONOMES DEFINIÇÃO São palavras usadas para substituir um substantivo já mencionado. PRINCIPAIS TIPOS Pessoais Reflexivos Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. ª Claudia Borges Prof. ª Christiane Mourão

9. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. ª Claudia Borges Prof. ª Christiane Mourão 9. o ANO FUNDAMENTAL Prof. ª Claudia Borges Prof. ª Christiane Mourão CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Technology 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

CRASE TEORIA. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as.

CRASE TEORIA. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as. CRASE TEORIA (Aluna do Curso de Secretariado Executivo Trilíngüe da Universidade Estácio de Sá) Crase é a fusão da preposição a com o artigo a ou com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele, aquela,

Leia mais