Yara Mendes Cordeiro Araújo 2 Universidade Estadual de Montes Claros/MG - Unimontes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Yara Mendes Cordeiro Araújo 2 yaramcamoc@yahoo.com.br Universidade Estadual de Montes Claros/MG - Unimontes"

Transcrição

1 QUESTÃO SOCIAL, REDES DE SOLIDARIEDADE E ESTRATÉGIAS DE SOBREVIVÊNCIA DAS FAMÍLIAS ENTRE RECURSOS MATERIAIS E O SIMBÓLICOS: UMA ANÁLISE NA REGIÃO DO CERRADO NORTE MINEIRO 1 Yara Mendes Cordeiro Araújo 2 Universidade Estadual de Montes Claros/MG - Unimontes Luciene Rodrigues 3 Universidade Estadual de Montes Claros/MG - Unimontes Área temática: Desenvolvimento e Espaço: ações, escalas e recursos Resumo O artigo propõe um estudo sobre as redes de solidariedade e das estratégias de sobrevivência das famílias no norte de minas. O objetivo da pesquisa foi compreender as famílias em seu cotidiano, as formas como se organizam, produzem, reproduzem e criam novas formas de viver, suas maneiras de transpor as dificuldades. Para isso, realizou-se pesquisa bibliográfica e empírica. O estudo bibliográfico teve como fios condutores a perspectiva da crise da sociedade salarial, questão social, redes de solidariedade e as estratégias de sobrevivência. Nessa linha, o referencial analítico utilizado na elaboração teórica teve a contribuição de autores, dentre eles destacam-se Castel (2008), Harvey (1995), Estivill (2003), Draibe (1989) Polanyi (2000) Carvalho (1994;1997;2005) dentre outros. Em relação à pesquisa empírica, essa pode ser caracterizada como exploratória e foi desenvolvida na Feira de Artesanato que ocorreu durante o VI Encontro Regional Povos dos Cerrado - sustentabilidade e desenvolvimento: meio ambiente, cultura e território no Norte de Minas, realizado no período de 02 a 05 de junho de 2011 na cidade de Pirapora, Minas Gerais. Foram aplicados questionários e entrevistas para registrar os dados, opiniões e percepções das famílias sobre os seus processos de trabalho. Os entrevistados foram escolhidos aleatoriamente entre as famílias ou grupos feirantes. Diante do diagnóstico levantado, percebeu-se que as estratégias desenvolvidas pelas famílias partem de ações que vão desde a formação de redes de ajuda mútua situadas no seio da própria família ou no campo da Economia Solidária. Nesse âmbito os recursos conseguidos são materiais e simbólicos a exemplo da renda, do capital social, da reciprocidade e das solidariedades. Assim, as formas identificadas participam de uma economia plural visando maximizar, renda, consumo e o social aspectos responsáveis pela manutenção dos laços entre famílias ou grupo de economia solidária. As estratégias são vistas como positivas pelas famílias que tem o fator trabalho como principal meio de articulação e de possibilidades de desenvolvimento econômico e social dos agrupamentos seja no campo doméstico ou não. Contudo, na percepção das famílias entrevistadas o desenvolvimento precisa ser ampliado saindo assim da esfera da sobrevivência e das condições precárias. Palavras chave: Questão social; redes de solidariedade. estratégias de sobrevivência. recursos. famílias. 1 Estudo resultante de pesquisa com opoio da Fapemig/CNPq. 2 Graduação em Ciências Sociais e Mestre em Desenvolvimento Social pela Unimontes. 3 Graduação em Ciências Econômicas. Doutora em História Econômica pela Universidade de São Paulo e Profª. titular do Departamento de Economia da Unimontes e do PPGDS - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Unimontes.

2 Abstract The article presents a study on the networks of solidarity and survival strategies of families in northern mines. The objective of this research was to understand families in their daily lives, the ways to organize, produce, reproduce and create new forms of life, their ways of incorporating difficulties. For this, we carried out literature research and empirical. The bibliographical study was to wire the perspective of the wage crisis in society, social issues, solidarity networks and survival strategies. In this line, the analytical framework used in the theoretical development was contributed by authors, among them stand out from Castel (2008), Harvey (1995), Estivill (2003), Draibe (1989) Polanyi (2000) Carvalho (1994, 1997; 2005) among others. In relation to empirical research, this can be characterized as exploratory and was developed in the Craft Fair that took place during the Sixth Regional Meeting of the Cerrado Peoples - and sustainable development: environment, culture and territory in the north of Minas, conducted from 02 the June 5, 2011 in the city of Pirapora, Minas Gerais. Questionnaires and interviews were applied to record the data, opinions and perceptions of families about their work processes. Respondents were chosen randomly among the families or groups fairground. Once the diagnosis raised, it was noted that the strategies developed by families leave the stock ranging from the formation of mutual help networks located within the family or in the field of Economic Development. Achieved within the resources that are material and symbolic example of the income, capital, reciprocity and solidarity. Thus, the identified forms part of a plural economy aiming to maximize income, consumption and social aspects responsible for maintaining links between families or group solidarity economy. Strategies are seen as positive for the families that have the labor factor as the primary means of articulating and possibilities of economic and social groupings in the country is home or not. However, the perception of the families interviewed development needs to be extended well out of the realm of survival and poor conditions Key: words: Question social solidarity networks. survival strategies. resources. families

3 Introdução Não estamos apenas em uma crise econômica, mas numa crise do compromisso que funda a sociedade, na crise do projeto. O que, às vezes, é chamado de crise de hegemonia, isto é, da capacidade das elites e dos grupos sociais que a sustentam de propor uma visão de mundo e um modelo de desenvolvimento aceitáveis para toda a sociedade. 4 A tendência global de transformações na sociedade salarial ou do mundo do trabalho articulada à crise dos grandes projetos de crescimento econômico e de intervenção do Estado no mercado tem trazido novos desafios para as famílias ou indivíduos em âmbito global, nacional e regional que sofrem com exclusão dos processos de desenvolvimento e das políticas sociais. Falar de políticas sociais implica falar em direitos sociais e para tanto falar de direitos sociais nos remete a noção de cidadania 5 que tem como componentes distintivos tais direitos. A crise econômica advinda dos mecanismos do mercado e das políticas neoliberais tem fragilizado os mecanismos garantidores dessa cidadania. Infelizmente, apesar dos avanços tecnológicos de nossa sociedade e apesar das conquistas inimagináveis da sociedade do século XXI, a pobreza continua resistente às análises e os esforços que os Estados dizem estar resolvendo (COSTA, 2005, p. 254). Especialmente nas últimas décadas, o ocidente com o seu modelo de desenvolvimento hegemônico engendrou demasiados desequilíbrios nas relações societais. Como bem observou Castel (1998) esses desequilíbrios poderiam ser explicados pela emergência de uma nova problemática advinda do progresso e da riqueza alcançados com a dinâmica da produção industrial. A questão social reitroduzida com o advento da sociedade salarial gerou aos que não estavam integradas nesse sistema, incertezas, precariedades e novas formas de instabilidade social. Com um olhar essencialmente Durkheimiano, Castel (1998) define a questão social por uma inquietação quanto à incapacidade de manter a coesão de uma sociedade. A ameaça de ruptura é apresentada por grupos cuja existência abala a coesão do conjunto (CASTEL, 1998, p.41). Neste contexto, na dinâmica das políticas sociais, a participação dos diferentes atores sociais se apresenta como uma alternativa às questões primordiais do desenvolvimento. Na contemporaneidade, a questão social passa a ser de responsabilidade de todos. Palavras como solidariedade tornou-se senso comum passando a significar a disposição altruísta voluntária de um indivíduo, de grupos, famílias, de organização ou empresa, um quase sinônimo de cidadania (PAOLI, 2003, p.160). Os sistemas de apóio baseados na solidariedade são vistos por muitos na modernidade como uma saída alternativa a exclusão social, para outros a reinvenção solidária mostra-se como panacéia. Diante das questões sociais fomentada pela crise emergem em diferentes contextos estratégias de (sobre) vivências criadas por redes de solidariedade para obtenção de diferentes recursos para satisfação das condições materiais de produção e reprodução social de existência das famílias em situação de desigualdades sociais. O objetivo desse artigo é analisar alguns dos principais desdobramentos destes processos no campo teórico e empírico com vistas a observar diante da crise da sociedade salarial como as famílias trabalhadoras e inseridas na informalidade criam estratégias para se apropriarem dos recursos para satisfação de suas necessidades; quais tipois de recursos existentes e o empacto destes nas suas condições de vida. Para responder tais questões, a investigação teve como sujeitos os feirantes ou famílias participantes da feira de artesanato promovida pela Universidade Estadual de Montes Claros-MG no VI 4 LIPIETZ, A. Audácia: uma alternativa para o século XXI. São Paulo: Nobel, In. MICHEL, Renaut; RIBEIRO, Rosana. Considerações sobre a determinação do nível de emprego em contexto de reestruturação produtiva e globalização financeira. Revista Archètypon.V.1, nº.1 dez p Status concebido àqueles que são membros integrais de uma comunidade. Todos aqueles que possuem o status são iguais com respeito aos direitos e obrigações pertinentes ao status. MARSHALL,T.H. Cidadania e Classe Social e Status. Brasília; Fundação Projeto Rondon, 1988.

4 Encontro Povos do Cerrado ocorrido em Pirapora. A aplicação de questionários e entrevistas com os feirantes foram utilizadas como instrumentos metodológicos para coleta de dados. Pode se depreender do olhar sobre os sujeitos estudados que as estratégias de sobrevivência criadas nas experiências geram oportunidades para obtenção de diferentes recursos, materiais e simbólicos capazes de fomentar a geração de trabalho, renda e reprodução social das famílias mendiante as mutualidades das sociabilidades primárias. O trabalho está estruturado em três partes além desta introdução e das considerações finais. Primeiramente, discute-se sobre alguns dilemas ligados a crise da Sociedade Salarial. Em seguida, na segunda seção será explicitada uma discussão acerca da ampliação das redes de solidariedade em meio a crise da sociedade salarial. A intenção é mostrar de que forma o processo de mudanças no sistema capitalista veio propiciar uma extraordinária fragmentação social onde os vulneráveis são os mais atingindo pelos efeitos do progresso. As redes de solidariedade, a exemplo da família e das experiências no âmbito da Economia Solidária nesse sentido, (re) aparecem como uma alternativa não só social, mas econômica. Na terceira e última parte do trabalho, discute-se os resultados da pesquisa a partir do olhar para os mecanismos de intervenção social ou estratégias criadas pelas famílias. 1. Dilemas ligados a crise da Sociedade Salarial Ao discutirem acerca da pós-modernidade, Harvey (1992) e Santos (2003) se apóiam sob os mais diversos enfoques, mas os mesmos apresentam pontos em comum; o fato de partirem do mesmo pressuposto: da crise da pós-modernidade. A crise apontada por esses autores reflete em todas as dimensões: cultural, econômica, política, social, ambiental e moral. Harvey (1992) define esse momento histórico de crise de superacumulação iniciada no final dos anos de 1960, e que chegou no auge em 1973 está relacionada à lógica transformativa do capital entendido com o um processo de reprodução da vida social por meio da produção de mercadorias. Nesse processo todas as pessoas pertencentes ao mundo capitalista estão profundamente implicadas. Para Harvey (1992) o capitalismo ( modo dinâmico e revolucionário de organização social ) é responsável por transformar de modo incansável e incessantemente a sociedade em que está inserido. Numa outra perspectiva Castel (1998) atribui as mudanças ocorridas no modelo de produção capitalista a instituição do livre acesso ao trabalho no século XVIII. De acordo com o autor esse mecanismo de controle das massas é tão importante quanto as transformações que vem ocorrendo no bojo do sistema capitalista. Como frisa Castel, foi o com o advento da condição salarial que foi reintroduzida a questão social sobre bases absolutamente novas no início do século XIX e nos séculos que se seguiram. No entedimento de Harvey: se houve alguma transformação na economia política do capitalismo do final do século XX, cabe-nos estabalecer quão profunda e fundamental pode ter sido a mudança (...) em processos de trabalho, hábitos de consumo, configurações geográficas e geopolíticas, poderes e práticas do Estado etc,. (HARVEY, 1996, p.117). A crise mundial apontada pelo autor se deve a um período de transição de um padrão de acumulação capitalista rígido (Fordismo) aos novos modos de acumulação capital (Flexível). O resultado tem sido a produção da fragmentação, da insegurança e do desenvolvimento desigual no interior de uma economia de fluxos de capital do espaço global unificado. Este processo reflete uma produção desigual da natureza em diferentes regiões geográficas, pois as mesmas não têm possibilidades iguais de criarem condições para o desenvolvimento do capital, assim, o capital age, separa ou agrupa de acordo com seus interesses (HARVEY, 1992). Neste sentido, os efeitos da acumulação flexível tornam-se cada vez mais visíveis na segmentação da força de trabalho; redução de emprego regular em favor do crescente uso de trabalho de tempo parcial, temporário ou sobcontratado, sem carteira assinada, precarização da força de trabalho,

5 aumento da informalidade, etc. Essas mudanças no mercado de trabalho, sobretudo na década de 1990 com a intensificação da globalização somada a reestruturação produtiva e a privatização de empresas públicas representam uma conjuntura desfavorável aos trabalhadores principalmente àqueles inseridos no mercado formal, uma dramática ruptura causadora de desemprego. Trabalhadores antes incluídos no mercado formal vieram somar se aos já historicamente excluídos, pertencente ao mercado informal. Estivill (2003) explica que: A crise econômica que surge na década de 70 faz cair as bases de um modelo anterior. Já não é possível pensar em crescimento, com pleno emprego que utiliza matérias primas e energias abundantes e baratas. Os recursos encareceram e expande-se a consciência da escassez dos recursos naturais (...) as reconversões industriais, a deslocação fabril, a descentralização produtiva estão na ordem do dia (...) o mercado de trabalho transforma e expulsa os grupos mais fracos, que depois também sentem mais dificuldades na reintregação laboral. Ressurge o velho fantasma do desemprego, alcançando uma grande porcentagem da população que pensava estar protegida e afastada de tais riscos [...]. (ESTIVILL, 2003, p.8). No plano Político, a tese do pensamento único instaura à lógica do Estado Mínimo, da desregulamentação e privatização da esfera pública. A ascensão do neoliberalismo significou o desmonte do social. No Brasil as décadas de 1980 e 1990 são marcadas pela crise descrita produzida pela globalização seletiva que se refletiu em todas as dimensões. O fenômeno da globalização e concomitantemente das políticas neoliberais trouxeram grandes conseqüências para o país, principalmente no tocante às mudanças no mercado de trabalho. A redução do emprego, aliada à diminuição das responsabilidades públicas do estado no domínio dos serviços e direitos sociais, contribui diretamente para o aumento do número de pessoas que vivem em situações de extrema pobreza. É nesse sentido, que Arrigh (1997) chama atenção para o fato de que na economia capitalista mundial o traço mais marcante é a distribuição desigual dos frutos advindos do crescimento econômico. Conseqüentemente, apenas uma minoria da população mundial desfruta da riqueza democrática e o faz somente por meio de uma luta perene contra as tendências excluídoras e exploradoras [...] (ARRIGHI, 1997, p.128) Há um consenso que a exclusão social tem aumentado no capitalismo contemporâneo. As análises de Cimadamore, Hartley & Siqueira (2006, p.28) evidenciam que a experiência recente da América Latina mostra que a reestruturação econômica no contexto das reformas de cunho neoliberal tem sido ineficiente e ineficaz em sua tentativa de lidar, seja com a velha pobreza seja com a nova pobreza (...). A política social continua sendo uma prioridade gritante na maioria destes países (...) por apresentarem fatos inaceitáveis e as estatísticas da pobreza e de extrema pobreza (...), o que lança uma sombra sobre os discursos e as boas intenções declaradas, em nível nacional e internacional. Araújo e Lima (2006) dizem que no Brasil, a matriz geradora de iniqüidades sociais é a questão distributiva. Na perspectiva desses autores a raiz da questão social no Brasil está na arrancada industrial a partir de 1930 e em estratégicos momentos de planejamento do desenvolvimento industrial brasileiro. O perfil das desigualdades no Brasil toma uma nova dimensão a partir da década de 80 do século passado, quando se esgota o ciclo de crescimento iniciado nos anos de Em 1980 tem-se um período de crise de estagnação e inflação em que o crescimento, nos termos em que se processava, não erradicava a pobreza e gerou elevado nível de desemprego e precarização das relações de trabalho. Neste sentido, na visão dos autores, o termo excluídos não é mera retórica, crescem de fato os segmentos excluídos do processo de crescimento. Diante desse contexto, diferentes autores apontam para um novo paradigma que se delineia sob a égide da participação, da responsabilidade e da cooperação. Assim a questão social passa a ser problemas de todos. Governo, mercado, sociedade devem dar a sua contribuição nas mazelas que afligem a humanidade. A pobreza, a miséria, a exclusão social deve incomodar toda a sociedade. Nesta perspectiva no plano das relações sociais, parece imperar a lógica da auto-organização e da co-participação e da responsabilidade da sociedade civil diante da redução da esfera de atuação dos estados nacionais (MATOS, 2005, p.17). Ao estudar os processos de urbanização no Brasil

6 contemporâneo, Matos pontua que a globalização da econômica conjugada a reestruração produtiva iniciada nos anos 1970, bem como das políticas neoliberais, ao mesmo tempo que piora as condições de vida de maior parte da população aumenta os níveis de desigualdades social e econômica, uma das características perversas bastante conhecida dos brasileiros. A perspectiva geográfica de matos nos ajuda a entender pontos importantes no que se refere às redes de solidariedade e as estratégias de sobrevivência das famílias inseridas nas economias dos setores populares. Sobre esse ponto será tratado nas seções a seguir. 2. Ampliação das redes de solidariedade em meio a crise da sociedade salarial Na atual conjuntura socioeconômica e política é possível, conforme Matos & Braga (2005) a existência de diversos tipos de redes, como por exemplo, a que privilegiamos para esse estudo as redes de solidariedade das famílias inseridas em contextos de desigualdades sociais. Esse estudo privilegia uma análise das estratégias de sobrevivência criadas pelas famílias em âmbito local, mas não poderia deixar fazer uma interface do papel do Estado, do mercado e de outros tipos de redes de solidariedade em conexão com as políticas sociais. Desta maneira, por redes de solidariedade entendemos uma multiplicidade de relações sociais que podem se apresentar de duas formas conforme aponta o estudo de Draibe (1989). As redes de solidariedade podem se apresentar na forma tradicional e na forma moderna. A tradicional será composta por relações primárias com a família extensa, a comunidade local, a igreja e a filantropia e as associações corporativas etc. Na forma Moderna encontra-se organizações contemporâneas de associativismo e cooperativismo, envolvendo associações de bairros, de vizinhança, as comunitárias, as ONG s (Organizações Não Governamentais). Todas estas formas (...) se articulam, tanto para a demanda, quanto para a distribuição e controle de bens e serviços sociais (DRAIBE (1989, p.7). Carvalho (1997) ao fazer um estudo sobre as redes de solidariedade tradicionais, salienta que elas são os braços solidários da própria comunidade e ao mesmo tempo o braço do Estado. Elas são representadas pela família, pela igreja, pela vizinhança no local. A razão de existência dessas redes é uma clientela ou minoria que dependem de ações como as dos mutirões de autoconstrução, as diversas experiências de ajuda mútua práticas comunitárias e de vizinhança (na guarda das crianças, no setor de alimentação, na coleta e processamento do lixo, etc. As considerações feitas por Carvalho são pertinentes às questões desenvolvidas neste estudo. Em artigo que trata da Reemergência das Redes de Solidariedade no Brasil na Formatação da Política Social Contemporânea, a autora afirma: as redes de solidariedade primárias nunca foram descartadas, mesmo em tempos de globalização da economia, já que elas foram e ainda são, para as camadas populares, a condição de resistência e sobrevivência. Como exemplo cita a família alargada composta por um grupo de conterrâneos que possibilita a maximização de rendimentos, apoios, afetos e relações que facilitem a obtenção de emprego, moradia, saúde, etc. Percebe-se que a matriz analítica dessa perspectiva está presente em Polanyi (2000) assim como em Mauss (2001;2003) que fazem parte da vertente teórica da sociologia econômica que aborda a existência de uma economia Plural distinguida por quatros princípios, o mercado (intercâmbio) o estatal (redistributivista) a reciprocidade e a administração domestica, como mostra a figura abaixo:

7 FIGURA 1 - Polanyi e a natureza plural da economia. Fonte: Grupo de Pesquisa em Economia Solidária da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Grupo Ecosol - UNISINOS Conforme Polanyi (2000) embora a economia do intercâmbio constituísse força de mudanças e dominação ela não eliminou outras atividades que preexistiam. Karl Polanyi reconhece que o intercâmbio de mercado, embora fundamental em várias sociedades, não elimina outras modalidades de trocas materiais e simbólicas como as das famílias objeto desse estudo que criam estratégias de sobrevivência que podem transitar por distintas redes solidariedade e pela economia Plural exemplificada no desenho de Polanyi, na sociabilidade primária e secundária. Quanto à representação dos princípios em tela nas estratégias das famílias estudadas observa-se sua auto-organização pelos princípios da reciprocidade e da adminstração doméstica representadas nos recursos não monetários ou simbólicos expressos nos sistemas de ajuda mútua, doação, cooperação, solidariedade, amizade dentre outros recursos simbólicos como será mostrado nas análises dos dados da pesquisa de campo. Em relação a representação dos princípios mercantil e da redistribuição nas estratégias de sobrevivência objeto em questão, pode se depreender que na esfera secundária mercantil e monetária, às famílias são permitidas pelo mercado, através de suas atividades econômicas o encontro entre oferta e demanda de bens e serviços com fins de troca através da fixação de preço (PINTO, 2006, p. 46) e poder de barganha. Na representação do princípio da redistribuição nas estratégias das famílias tem se a correspondência a um tipo de solidariedade que não se confunde com a solidariedade natural como destacado por Castel (2005), mas uma tipologia de solidariedade social cuja autoridade central não seria o Estado como idealmente aparece no esquema de Polanyi, mas a família que teria a função e responsabilidade de redistribuição dos recursos alocados para fins a prover as necessidades e proteção de seus membros. Tais necessidades, podem estar ligadas ao trabalho, renda, assistência a educação e a saúde, a habitação, não satisfeitas muitas vezes pelo Estado como proposto no exemplo acima, apontado no aspecto redistribuição. Assim a solidariedade vista nas estratégias, extrapola da dimensão intersubjetiva e relacional para uma dimensão de responsabilidades da família que providência um mínimo de bem público de proteção social aos seus pares. Desse movimento da economia plural nas experiências das famílias pesquisadas pode se depreender que assiste-se a uma acomodação entre os pólos mercantil e não mercantil (Estado/redistribuição dos recursos alocados dos impostos. Grifo nosso), responsável por

8 subordinar o pólo não monetário, relativo aos princípios da reciprocidade e domesticidade (PINTO, 2006, p ). Diante disto, em complemento as idéias expostas, é possível sublinhar que: As formas tradicionais de organização produtiva domiciliar, comunitária e cooperativa tendem a ficar reduzidas ao papel de sobrevivência ou subordinação à lógica mercantil. Essas mesmas formas organizativas atuam também como redutoras do custo de reprodução da força de trabalho assalariada (PINTO, 2006, p. 48). Entende-se, assim que nos interstícios da política social, as redes de solidariedade na contemporaneidade se traduzem em unidades protetoras cuja função seria a de garantir aos cidadãos padrões mínimos de inserção social. Nesse sentido a família passa ser vista numa perspectiva da responsabilização pela proteção social, uma espécie de Welfare Family (FONTENELE, 2007, p.2). Para Montaño (2002), a noção de solidariedade seria impulsora de uma nova cultura carregada de valores altruístas, colaboracionistas, onde trabalhadores e cidadãos em geral estariam percebendo a necessidade de ajuda a próximo; estimularia a participação cidadã, cada qual se sentido responsável pela solução das próprias necessidades como do carecimento do seu vizinho e da sua comunidade. O autor chama a atenção para uma nova solidariedade em curso que está relacionada a ações implementadas pela sociedade civil em âmbito local. Desta forma, com a diminuição das repostas estatais às necessidades sociais, os laços de solidariedade entre os particulares tendem a aumentar criando espaços de participação social. Ainda conforme afirma, existe um ocultamento no que ele chama de auto responsabilização dos usuários particulares quando de refere ao projeto de solidariedade. Na verdade, o que se percebe nesse processo é a des-responsabilização estatal (e do capital) com a resposta às seqüelas da questão social (MONTAÑO, 2002, p.168). Na óptica de Rosanvallon (1997), O Estado não é hoje como o foi (em tempos de Welfare State em alguns países centrais) o único agente de solidariedade. Em contexto de crise, a solidariedade não é somente estatal, mas passa a ser de múltiplos atores sociais que compõem a sociedade-providência que constituem, em comum, braços de um Estado inadimplente com os empobrecidos e excluídos (CARVALHO, 1997). Nesse contexto das redes de solidariedade, a sociedade participa na questão social e, portanto, no complemento de ações publicas. Esse fato pode ser verificado nas dinâmicas sociais e econômicas das famílias situadas no Norte de Minas Gerais. Esses aspectos mais empíricos serão apresentados a seguir. 3. Estratégias de auto-organização do trabalho: A família como unidade econômica e redistribuidora de recursos no enfrentamento da questão social no cerrado norte mineiro [...] Tanto a família quanto o Estado são instituições imprescindíveis ao bom funcionamento das sociedades capitalistas. Os indivíduos que vivem em sociedade necessitam consumir, além de bens e mercadorias, serviços que não podem ser obtidos pela via do mercado. Para alguns destes, dependem dos serviços públicos ofertados pelo Estado; outros bens e serviços dependem da família, pela via de sua condição de provedora de afeto, socialização, apóio mútuo e proteção Aspectos teóricos As estratégias de auto-organização do trabalho tratadas nesse texto são representadas pelas famílias ou pelo conjunto de trabalhadores/as situados/as no Norte de Minas Gerais, região composta de sete microrregiões que no total somam 89 municípios. Estudiosos dessa região destacam que a mesma faz 6 CARVALHO. Maria do Carmo Brant de. Famílias e políticas públicas. In: ACOSTA, Ana Rojas; VITALER, Maria Amália Faller (orgs.). Família: redes, laços e Políticas Públicas. São Paulo: Cortez: Instituto de Estudos Especiais-PUC/SP, 2005, p. 269.

9 parte do Estado com maior expressividade na questão econômica ou participação do PIB Produto Interno Bruto. Para esse resultado conforme análises, a região do Estado com maior índice é a região central 7 com 45% do PIB em 2006 e o Norte de Minas 8 responsavel por 3,8% da riqueza do Estado, ficando na frente do Noroeste de Minas (1,5%), do Vale do Jequitinhonha/Mucuri (1,8%), e do Alto Paranaiba (3,6%). (SANTOS, 2009, p. 54). Ao analisar o crescimento econômico da região Norte de Minas desde a década de 1960 e 1970, Rodrigues (2000) afirma que crescimento econômico da região oriundo do processo de industrialização 9 melhorou significamente o setor de infraestrutura, contudo as assimetrias permaneciam, o que evidenciava nas grandes desigualdades de condições de vida dos estratos sociais mais baixo tanto em áreas rurais quanto urbanas. Como mostra os estudos de Leite e Pereira: O Norte de Minas tem como uma das suas características mais marcantes o fato de localizar-se numa área de transição, tanto do ponto de vista ambiental, quanto socieconômico. Com seus ecossistemas de cerrado e caatinga, seu clima tendendo à semi-aridez e as precárias condições de vida da maior parte da sua população, apresenta uma maior proximidade com a realidade nordestina. É comum relacionar a região com a pobreza, a seca, a marginalização, o isolamento regional, a dependência dos municípios frente às transferências da União e do Estado, fenômenos que, historicamente, aproximam-na mais do Nordeste brasileiro do que do Sudeste. É considerada como uma região de transição (...) Conhecendo mais de perto o Norte de Minas não podemos deixar dar razão a essa visão dualista da região, através da qual identificamos, concomitantemente, muita pobreza e nichos de riqueza, modernidade e tradicionalismo, produção e escassez, discursos e realidade. (LEITE E PEREIRA, 2008, p ). Diante dessas questões postas, cabe uma indagação: o que impulsiona as famílias ou grupos a se mobilizarem em torno do que aqui estamos chamando de estratégias de sobrevivência, redes de solidariedade, recursos materiais e simbólicos? Como destacado na realidade do norte de Minas descrita por Rodrigues (2000), Leite e Pereira (2008) dentre outros pesquisadores regionais, o que impulsiona tais estratégias de enfrentamento das questões sociais é a questão distributiva dos recursos de modo desigual entre a população. Tais processos caóticos decorrem segundo Martins e Nunes (2004, p.7) de uma dinâmica global do planeta, respaldada doutrinamente nas teorias utilitaristas e economicistas que desvalorizam a política, vem gerando sobretudo nos países do sul e com intensidade na América Latina intensos processos de exclusão que atingem diferentes dimensões da vida social. Sobre esses aspectos do individualismo utilitarista ameaçadores da vida social, Milton Santos destaca sobre a capacidade de resistência dos mais pobres e de se recriar novas estratégias de sobrevivência. Assim comenta que tais capacidades devem-se pelo fato de que o nosso tempo está consagrado pelo paradoxo avassalador do número de objetos ou bens materiais presentes no mercado ao mesmo tempo em que se multiplicam fontes de escassez de recursos para uma maioria da população. E diante deste contexto: A cidade pronta a enfrentar seu tempo a partir de seu espaço, cria e recria uma cultura com a cara de seu tempo e de seu espaço e de acordo ou em oposição aos donos de seu tempo, que são também os donos do espaço. É dessa forma que, na convivência com a necessidade e com o outro, se elabora uma política, a política dos de baixo, constituída a partir das visões do mundo e dos lugares. Trata-se de uma política de novo tipo, que nada tem a ver com a política 7 A região central do Estado de Minas Gerais é composta pelas microrregiões: Diamantina, Três Marias, Curvelo, Sete Lagoas, Conceição do Mato Dentro, Para de Minas, Belo, Horizonte, Itabira, Itaguara, Ouro Preto, Conselheiro Lafaiete, São João Del Rei e Barbacena. 8 A região do Norte de Minas é composta pelas microrregiões: Januária, Janaúba, Salinas, Pirapora, Montes Claros, Grão Mogol e Bocaiúva. 9 Conforme Rodrigues (2000), o processo de modernização das estruturas econômicas da região norte mineira desenvolveu - se em decorrência das ações da SUDENE criada em 1959 pelo governo federal no sentido de agir na região Nordeste e Norte de Minas com vistas ao desenvolvimento em relação aos incentivos à industrialização. O norte de Minas constitui região de transição entre o Sudeste e Nordeste. Geograficamente localiza-se na região Sudeste. Para fins de planejamento federal, está inserida na região nordeste, pela semelhança de traços entre seus indicadores socioeconômicos.

10 institucional. Esta última se funda na ideologia do crescimento, da globalização etc., e é conduzida pelo cálculo dos partidos e das empresas. A política dos pobres é baseada no cotidiano vivido por todos, pobres e não pobres, e é alimentada pela simples necessidade de continuar existindo (SANTOS, 2003, p. 132). Santos (2003) menciona ser a experiência das carências e escassez a ponte entre o cotidiano vivido e o mundo. Santos observa ainda que os não possuidores ao lado da busca de bens materiais finitos cultivam a procura de bens infinitos como a solidariedade e a liberdade: esses quanto mais se distribuem mais aumentam. Milton Santos atribui um papel primordial dos pobres na produção do presente e do futuro. Para ele, a pobreza é uma situação de carências, mas também de luta, um estado vivo, de vida ativa, em que a tomada de consciência é possível. Os pobres descobrem a cada dia formas inéditas de trabalho e de luta. Assim eles enfrentam e buscam remédio para suas dificuldades e, portanto, são obrigados a lutar todos os dias para prosseguir vivendo. A partir desse quadro de análise, a Família entendida como microrredes de solidariedades denominada por Carvalho (1997) tem o seu papel crucial no desenvolvimento, pois a família, independente das suas pluralidades de formas, é o primeiro sujeito que referencia e totaliza a proteção e a socialização dos indivíduos [...]. Ela se constitui num canal de iniciação e aprendizado dos afetos e das relações sociais (CARVALHO, 1994, p. 93). Vista por esse ângulo, de acordo Dowbor (2005, p ), a família constitui um processo de reprodução social [...] que se constrói através de laços de solidariedade. Sendo a família a pedra angular da reprodução social como aponta o autor, o fator solidariedade será o responsável pela cedimentação dos laços. sobretudo, daqueles que giram em torno das questões de sobrevivência em resposta as situações de desigualdades. Nesse sentido, além do aspecto do papel de socialização da família no que tange a sua função de reprodução social, outro ângulo do objeto de estudo confere seu status frente à distribuição dos bens matérias. A proteção familiar não se traduz apenas em vínculos relacionais e de pertencimento, mas contribui também e especialmente para reforço de renda. Nesse sentido, Dowbor que percebe a família como unidade econômica destaca que o trabalho sempre representou uma dimensão de continuidade entre as gerações e, portanto a principal estratégia familiar ou de sobrevivência que pode permitir uma distribuição interna. Sobre esses aspectos da economia da unidade familiar, cabe delinear algumas explicações sobre o que venha a ser as expressões estratégia familiar ou estratégias de sobrevivência termo utilizado nesse estudo para designar diferentes formas encontradas ou criadas pelas famílias pobres como meio de obtenção de recursos e proteção social. Assim Draibe (1994, p. 111) descreve que essas expressões, [...] foram cunhadas nos estudos e abordagens antropológicas dos comportamentos de famílias pobres para dar conta do modo integrado com que agem, visando otimizar tanto o acesso quanto a distribuição dos recursos que logram alcançar. Ancorados na organização e prioridades internas que, na prática, estabelecem, estes comportamentos definem, a cada momento do clico familiar, o lugar de cada um dos seus membros na unidade doméstica. A economia familiar ganha assim concreção, seja pelos seus aspectos imediatamente econômicos (integração de renda e de consumo), seja pela racionalidade específica que aí se constrói e passa a presidir os esforços de acesso e distribuição a bens simbólicos e materiais. O que são as estratégias de sobrevivência das famílias no seu cotidiano senão a expressão da falta de igualdade social, de igualdade de direitos sociais. Ao refletir sobre as estratégias de sobrevivências das famílias como forma de obtenção de recursos escassos, sobretudo a renda, não se deve perder de vista tais problemáticas como a pobreza e exclusão. Nesses processos encontramos os motivos que impulsionam grande parte das famílias brasileiras inseridas em determinados contextos a acionar as redes de solidariedade e diferentes tipos de estratégias para produção e reprodução da vida material e simbólica.

11 Para Dowbor, uma visão geral que está se materializando é que não basta só o formal empresarial e o emprego no Estado. É preciso desenvolver outras formas de inserção da população na economia. As estratégias de sobrevivências das famílias mediante diferentes tipos de redes de solidariedade nesse contexto, seria como um sistema alternativo de produção e teria a função de equacionar as questões básicas do desenvolvimento no quadro dos direitos sociais. Na perspectiva Durkheimiana (1973), são as patologias sociais eventuais que dão origem a mecanismos institucionais que visam restabelecer o equilíbrio da solidariedade. Assim, iniciativas tomadas na esfera privada para compensar o fracasso do Estado a exemplo da economia da família, da economia solidária dentre outras atividades dos setores populares estariam inseridas em contexto de intensa fragmentação social onde os indivíduos passam a ver nessa economia uma oportunidade de inclusão social. Polanyi (2000), partindo de um viés semelhante, formulou uma opinião similar quando defendeu a tese de que a sociedade é dotada de um instinto de autoproteção; a mão oculta da sociabilidade cria naturalmente formas de inclusão social para os menos privilegiados. No entendimento Castel (2005), no interior das sociabilidades primárias, pode se encontrar a família providência, assim denominada pelo autor em analogia ao Estado providência ou ao Estado Social. O termo utilizado faz menção aos indivíduos que para reproduzir sua existência mobilizam as potencialidades existentes. Nas palavras de Castel (2008,p.51), os indivíduos desestabilizados [...] solicitando recursos econômicos e relacionais do meio familiar e ou social [...] terão um mínimo de solidariedade natural (e obrigatória grifo nosso) na comunidade. (CASTEL, 2005, p.51). Como observado nas práticas das famílias objeto desse estudo O papel da família no desenvolvimento: aspectos empíricos das estratégias de sobrevivências Esse artigo propõe uma reflexão sobre as estratégias desenvolvidas pelas famílias em âmbito local na região do norte de Minas Gerais com o propósito de verificar dentre outros objetivos como essas iniciativas vêm encontrando sua real concretização na busca de recursos para sobrevivência. Para isso, realizou-se um estudo com algumas famílias que participaram da Feira de Artesanato que ocorreu durante o VI Encontro Regional Povos dos Cerrado - sustentabilidade e desenvolvimento: meio ambiente cultura e território no Norte de Minas, realizado no período de 02 a 05 de junho de 2011 na cidade de Pirapora, Minas Gerais. Foram aplicados 12 questionários com questões abertas e fechadas e entrevistas individuais semi-estruturadas com os integrantes da feira. Para essa técnica da entrevista, foi utilizado o gravador para registrar a opinião e percepção das famílias sobre as estratégias e recursos buscados por elas para geração de trabalho e renda e vivências. Os entrevistados foram escolhidos aleatoriamente entre os feirantes. A proposta da coleta de dados visou obter informações das experiências individuais ou coletivas das famílias/grupos participantes da feira com o propósito de compreender e identificar as diferentes estratégias de (sobre) vivências e de reprodução social, seus esforços de auto-organização ou a forma como se organizam para geração de trabalho e renda, destancando a emergência das redes de solidariedade sóciofamiliar e da economia solidária dentre outros tipos de redes; identificar os vários tipos de recursos sejam provenientes dos próprias individuos/famílias/grupos, do Estado, mercado ou da sociedade civil organizada. Ademais, objetivou-se traçar um perfil socioeconômico que caracterizam as famílias e/ou grupos a partir das variáveis: sexo, faixa etária, idade, escolaridade, renda, estado civil, ou organização familiar, número de filhos, ocupação e ramos de atividade. O local onde residem as famílias que forneceram os dados pertinentes a pesquisa, encontra-se em destaque na TAB. abaixo:

12 TABELA 1 Distribuição das famílias pesquisadas no Norte de Minas (N= 12) Localidade/Cidade Nº % Pirapora 5 37 Montes Claros 3 23 Janaúba 1 8 Várzea da Palma 1 8 PacoPaco/Assentamento Rural - Umbuzeiro 1 8 Assentamento São Francisco/ Pirapora 1 8 Total Fonte: Dados obtidos junto aos entrevistados a partir da Pesquisa de Campo Conforme dos dados registrados, a maior parte das famílas entrevistadas são oriundas das cidades de Pirapora local onde foi realizada a feira e de Montes Claros com 37% e 23% respectivamente. Do total de pesquisados, 16% são de origem rural, especificamente de assentamentos rural e indígena. Quanto aos domicílios, a maioria residem em moradias próprias (58,3%), alugados (25%) e cedido (16, 7%). As famílias moram nas suas localidades há mais de 10 anos ( 67%). Em relação às respostas dadas no questionário, tem-se que a maioria é do sexo feminino (67%) como mostra o GRAF % Feminino Masculino 67% Gráfico 1 - Distribuição dos entrevistados quanto ao gênero. (N=12) Fonte: Dados obtidos junto aos entrevistados a partir da Pesquisa de Campo Quanto à composição das famílias, do universo feminino (67%), percebe-se uma uma variação de arranjos familiares. Os dados registraram 33,3% representativos de mulheres casadas pertencentes ao modelo tradicional de família integrado por pai, mãe e filhos. Nesse caso, a renda gerada pelas mulheres na atividade econômica, segundo informações obtidas, servem como complemento do

13 orçamento familiar. O outro percentual (33,4%) é corresponde a mulheres chefes de família composta de mãe e filhos com distribuição entre solteiras (16,7%); separada (8,3%) e viúva (8,3 %). Registra-se que todas a mulheres pesquisadas possuem de 1 a 8 filhos e uma média de 3, 3% (filhos) por mulher. Para o universo masculino pesquisado, 25% dos entrevistados são casados e 8% solteiro. A composição familiar também apresentou a presença de 1 a 8 filhos entre os casado e o solteiro, com média de (3, 75%) de filhos por família dos homens pesquisados. Em relação à faixa etária, os dados indicaram dos entrevistados idades entre 34 a 72 anos, sendo que houve uma concentração entre 34 a 49 anos (75%) e uma média de 43 anos de idade para os integrantes das atividades pesquisadas. Quanto a variável escolaridade, o GRAF. 2 mostra que os entrevistados têm escolaridades diferenciados. Os maiores índices percentuais se concentram no ensino médio completo (34%) e ensino fundamental incompleto (33,%) e respectivamente tem-se (17%) com ensino médio incompleto, e de modo igual os percentuais de (8,8%) para o ensino fundamental incompleto e superior incompleto. 8% 8% 17% 33% 34% Ensino Médio Completo Ensino Fundamental Incompleto Ensino Superior Incompleto Ensino Fundamental Completo Ensino Médio Incompleto Gráfico 2 - Escolaridade (N=12) Fonte: Dados obtidos junto aos entrevistados a partir da Pesquisa de Campo Em relação a renda dos entrevistados, a maioria 92,% possuem renda mensal entre 1 a 2 salários mínimos conforme evidenciado no GRAF. 3. Registrou-se somente um percentual de 8% de rendimento acima de 3 salários mínimos, cujo entrevistado possui escolaridade de nível superior incompleto, formação de técnico agropecuário e empreende a produção de sandálias, produto exposto na feira. 50% 6 42% ,% Mais de 3 S/M Mais de 1 a 2 S/M 1 S/M Mais de 1 a 2 S/M Mais de 3 S/M S/M Gráfico 3 - Renda familiar total (N=12) Fonte: Dados obtidos junto aos entrevistados a partir da Pesquisa de Campo 2011.

14 Em relação às atividades desenvolvidas pelas famílias no que concerne a obtenção de rendimentos, em sua maioria, são atividades produtivas variadas nos ramos do comércio e indústria com baixa qualificação. Em relação às estratégias de sobrevivência criadas pelas famílias nesses setores de atividades, destaca-se, sobretudo a produção de artesanato (83%) e alimentos (17%). Na sua maioria (75%) as atividades são oriundas do mercado informal e (25%) são formalizadas. A pesquisa constatou que boa parte dos negócios (58.3%) é de natureza coletiva e portando ligadas a Economia Solidária cujas atividades podem ser da forma associativa ou cooperativa. Nesse tipo de atividade econômica a constituição dos grupos podem ser de parentes e não parentes como nos casos registrados. A composição dos grupos variaram entre 4 a 30 membros. Entre os entrevistados participantes da economia solidária, encontrou-se representantes dos seguintes grupos: Povos do Cerrado em Ação, do assentamento rural São Francisco (produção de doces, licores, artesanato - projeto frutos do cerrado); Comprarte - cooperativa de coleta seletiva e reciclagem; empreendimento alegria de viver (produção e venda de vassouras ecológicas); Centro de referência do Idoso de Pirapora Artesanato (Pintura e produção de bordados) e Associação de Artesãos e reciclagem de Jabaúba. Em relação ao tempo de existência das atividades em tela, a mais recente possui 1 ano de existência, em relação às demais, o tempo de existência varia entre 2 a 27 anos. Quanto aos outros empreendimentos não associados ou pertecentes ao campo específico da Economia Solidária, observou-se a participação direta de familiares nas atividades de Arte e Alumínio e PVC, Pintura, alimentos e artesanato. A família, nesse tipo de estratégia é pensada também como grupo coletivo. Quanto ao funcionamento das microunidades de produção e comércio essas funcionam de modo geral em feiras e ambulantes (58,4%), em imóvel próprio exclusivo (25%), dentro da própria residência (8,3%) e em imóvel alugado (8,3%). Em relação os mecanismos ou estratégias criadas pelas famílias como fonte de renda destacase a produção de alimentos, bebidas, confecções, pinturas. As ocupações se concentraram em autônomos (58,3%), desempregados (16,7%) e empregados (25%). A pesquisa constatou que além do percentual de desempregados e autônomos, há um percentual de trabalhadores que possuem emprego e também estão inseridos junto às estratégias de sobrevivência como forma de complementar ou aumentar a renda familiar, dado o baixo nível rendimento já destacado. No que se refere aos valores gerados nas atividades com a venda dos produtos esses variam entre R$200,00 a R$ 1300,00. Como os resultados da pesquisa indicaram, as famílias buscam recursos mediante diferentes estratégias que podem ser nas redes da economia da família (DOWBOR, 2005), cujos membros apresentam vínculos sociofamiliares e na economia solidária (SINGER, 2002). Conforme os dados, nos dois tipos de estratégias, há a participação das famílias em redes de solidariedade, seja na forma de rede mais tradicional ou na moderna a exemplo dos agrupamentos da Economia Solidária que também se articulam com outras redes, do Estado e da Sociedade Civil organizada. Embora as famílias possam se enquadrar em uma forma ou outra de organização econômica, ambas partem dos setores populares e de um público alvo com características próprias e semelhantes quanto as condições socioeconômicas e, portanto estão em busca de soluções comuns e complementares no que diz respeito as suas condições de vida. A troca de idéias e troca de vida, as vivências foram alguns dos fatores destacados, sobretudo pelas mulheres como fatores responsáveis pelo processo de autonomia, de quebra da resistência masculina ou do marido pela ausência do lar quando na participação nos espaços de eventos. De acordo com a pesquisa, as estratégias das famílias que se situam no campo economia solidária oferecem possibilidades de quebrar o isolamento e de expansão de cooperação e intercâmbio com outras redes de solidariedade, o que aumenta a probabilidade das estratégias e obtenção dos recursos materiais e simbólicos como observado nos relatos: A solidariedade é um pelo outro, teve uma chuva muito forte, o muro caiu da casa de uma, nós fomos atrás da prefeitura, Alguém da família do grupo, ficou doente, nós estamos lá junto. O associado tira bolso para pagar as despesas, se tiver mais gente, mais eventos, projetos, poderíamos fazer uma poupança para despesas da associação, Hoje a associação não anda com as próprias pernas, há necessidade de apoio do governo. Há pessoas que está em outra associação e na nossa, quando choca com outros eventos, nós dividimos o grupo.

15 As experiências de economia solidária se organizam como grupos e tendem a se a desenvolver novas formas de articulações entre os associados, o poder público e a sociedade civil organizada que apóia as iniciativas. Alguns exemplos dessas articulações das famílias são com a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares ITCP da Universidade Estadual de Montes Claros e a Prefeitura de Pirapora que apoiaram a feira e o Movimento do Graal e da Associação Vencer juntos que apóiam diversos grupos de Economia Solidária na região. Quanto às experiências de organização autônoma das famílias que não estão engajadas nos grupos da economia solidária, mas se restringe somente ao grupo familiar, as estratégias são articuladas em interação e articulação entre os membros no núcleo familiar. Entende se que ambas as formas de auto-organização do trabalho das famílias são estratégias que confluem para um mesmo ponto, qual seja, o objetivo para geração de renda. Essas diferentes estratégias de sobrevivência se articulam por laços de solidariedade, seja no âmbito sóciofamiliar ou grupal dos empreendimentos da Economia Solidária. No âmbito familiar, as estratégias de sobrevivência giram mais em torno dos membros, do pai, da mãe, dos filhos ou de parentes. Nesse caso, solidariedade é marcada pelo apoio familiar, na ajuda na fabricação e vendas dos produtos. Nesse sentido, os recursos econômicos conseguidos para administração e manter o negócio, são próprios e da ajuda familiar. Em alguns casos a família recorre aos recursos de financiamento. Quanto às estratégias e recursos próprios conseguidos com o esforço dos membros da família, ouvimos alguns entrevistados dizerem em seus relatos sobre como se auto organizam e empreendem esforços com vistas à sobrevivência, reprodução social e a socialização da família nos seus espaços. A nossa renda sai é da terra. Meu marido e eu plantamos e vendemos, nós fazemos de tudo, plantamos pimenta, horta, abóbora, fazemos tempero, bolo, biscoito, eu vendo roupa também e ganho porcentagem. Quando a coisa não dá certo, procuramos outra, tira de um e põe no outro para pagar, vende alface e compra trigo. Sempre comida na mesa agente tem. Desde quando casei eu e meu marido trabalhamos na zona rural, desde que eu tinha 13 anos eu trabalho, eu já fiz de tudo para cuidar da minha família, agente somos muito unidos, eu e meu marido já ralou e já comemos o pão que o diabo amassou para criar nossos filhos. Um filho já terminou o segundo grau, minha filha já fez faculdade na Unimontes. Eu já panhei pequi, já tirei gordura, eu adoro trabalhar, tem muita mulher que gosta de depender do marido e que põe o dinheiro na mão, eu não gosto, eu gosto de trabalhar para ajudar o meu marido, porque tem mês que pode ter salário, tem mês que agente não tem nada, mas agente faz um bico aqui e outro ali. (ENTREVISTADA 4) Percebe-se do relato acima, que as estratégias empreendidas pela família para obtenção de recursos servem para proteção do grupo familiar e manutanção de suas vidas. O cenário destacado nas entrelinhas do relato evidencia a pobreza e a desigualdade, traços marcantes de grande parcela da população brasileira. A situação em que vive essa família pesquisada denuncia as relações de trabalho precário que obriga os integrantes dessa família a enfrentarem as adversidades para manter o núcleo familiar. Como descreve a entrevistada: Você vê eu assim alegre, correndo e tudo, mas eu sou doente, eu tenho problemas de coluna, dos nervos, minha coluna é desviada. Quando eu trabalho com horta, se você ver como eu fico.. A única coisa que eu queria era ajuda para minha saúde, que eu ganho não dá para pagar um especialista. Eu tendo saúde, coragem para trabalhar eu tenho. (ENTREVISTADA 4.) De acordo com o depoimento, todo o esforço para sustentar a família advém do amor pela família. Como ainda relata por isso eu não desisto, é difícil desistir das coisas. Nós criamos nossos filhos, são tudo trabalhador, tudo honesto, tá tudo empregado hoje. Essa economia da família segundo Dowbor (2005, p.293) permite uma redistribuição interna entre os que produzem um excedente e os que necessitam desse excente. Tal observação também é reparada por Carvalho numa perspectiva mais

16 contextualizada. Assim comenta sobre a relevância da família para a esfera pública, embora esteja no âmbito privado. De uma maneira analógica, a autora compara a família as políticas sociais e tal relação semelhante que há entre essas duas dimensões é que: ambas visam dar conta da reprodução e da proteção social dos grupos que estão sob sua tutela. Se, nas comunidades tradicionais, a família se ocupava quase exclusivamente dessas funções, nas comunidades contemporâneas elas são compartilhadas com o Estado pela via das políticas públicas. [...] Nas décadas mais recentes, tanto nos países centrais quanto, sobretudo, nos países da periferia capitalista, a família volta a ser pensada como co-responsável pelo desenvolvimento dos cidadãos ( CARVALHO, 2005, p, 267). A pesquisa de campo permitiu dimensionar algumas questões enfrentadas pelas famílias quanto as suas necessidades de recursos. Como já destacado acima no relato de uma das entrevistadas, falta políticas públicas. Outras reivindicações se expressaram nos relatos das famílias que querem que seus produtos sejam reconhecidos, valorizados, que elas tenha capacitação, cursos profissionalizantes, transporte para transportarem seus produtos, dentre outras reivindicações. Percebe-se o desafio que se coloca as políticas públicas voltadas para a família, sobretudo daquelas cujos traços socioeconômicos se aproximam das famílias objeto desse estudo. Em síntese, é preciso políticas sociais de apoio para os recursos materiais de que necessitam as famílias. Ser solidário em tempos de escassez é importante e ajuda no desenvolvimento social e local. Contudo, parafraseando Castel (2005), quando o navio se enche de água e está na iminência de se afundar é importante que a família venha a ajudar, não se descarta o seu papel. Mas, como as incertezas são por demais numerosas, uma função de salvar vidas deve ficar bem clara, a do Estado responsável por comandar a manobra e evitar o naufrágio da sociedade. Considerações finais Nos interstícios da política social, as redes de solidariedade na contemporaneidade, bem como as estratégias de auto-organização do trabalho das famílias que vivem do trabalho por conta própria se traduzem em unidades protetoras cuja função seria a de garantir aos cidadãos padrões mínimos de inserção social. Nesse sentido as famílias funcionam como importante mecanismos de intervenção na questão social. Sempre presentes de uma forma ou de outra na história, essas redes de solidariedade sócio familiar ou da economia solidária reaparecem e tem a sua grande importância na estrutura social em diferentes partes do Brasil e do mundo. No cenário onde se encontram tais redes também se encontram a crise da sociedade salarial e dos agravantes das políticas sociais recessivas, que impuseram processos de fragmentação e de exclusão social. No Brasil, contingentes cada vez maiores, alijados do mercado de trabalho e abandonados pelas políticas sociais em recuo, viram-se compelidos a buscar meios de criar suas próprias oportunidades de trabalho e sobrevivência. Na realidade pesquisada a sobrevivência da família conta com contribuição da mulher que ajudam na complentação da renda e em alguns casos por ser arribo de família contribuem em grande medida para o sustendo dos filhos. Neste contexto indagamos qual é o papel do Estado nessa nova conjuntura? As metamorfoses da questão social descrita por Castel caminha nessa direção de tentar mostrar que a questão social que emergiu da sociedade salarial se mostra hoje sob novas bases, sob nova roupagem (mas sem se esquecer das velhas bases) nos interstícios de um sistema de mercado que se renova a cada momento e com ele muda a dinâmica social e política, o que urge de ações efetivas aos excluídos dos processos socioeconômico. As transformações no mundo do trabalho também apresenta fônomenos atuais de exclusão que não podem ser comparados com as antigas categorias de exploração. Desta forma verificamos a emergência de uma nova questão social Castel (2005).

17 Nesse horizonte, as estratégias econômicas desenvolvidas pelas famílias pesquisadas partem de ações que vão desde a formação de redes de ajuda mútua situadas no seio da própria família ou no campo da Economia Solidária. Outras estratégias para obtenção de recursos são buscadas pelas famílias junto ao Estado, mercado e sociedade civil organizada, o que leva a concluir que a importância da participação dos diferentes atores nas problemáticas sociais se apresenta como uma alternativa às questões primordiais do desenvolvimento. Desse modo, os sistemas de apoio baseados na solidariedade podem ser vistos na contemporaneidade com uma saída, uma forma ou estratégia de sobrevivência cujos esforços empreendidos pelos mais pobres são direcionados para manutenção da vida material e simbólica. Assim, as formas identificadas participam de uma economia plural visando maximizar, renda, consumo e o social aspectos responsáveis pela manutenção dos laços entre famílias ou grupo de economia solidária. As estratégias são vistas como positivas pelas famílias que tem o fator trabalho como principal meio de articulação e de possibilidades de desenvolvimento econômico e social dos agrupamentos seja no âmbito doméstico ou não. Contudo, na percepção da famílias entrevistadas o desenvolvimento precisa de ser ampliado saindo assim do âmbito da sobrevivência e das condições precárias. Referências ARRIGHI, Gionvanni. A ilusão do desenvolvimento. Rio Janeiro, Vozes ARAÚJO, Tarcisio Patrício de; LIMA, Roberto Alves de. Políticas Públicas de Emprego como instrumento de redução da pobreza e da desigualdade no Brasil. In: CIMADAMORE, Alberto; HARTLEY, Dean; SIQUEIRA, Jorge (orgs.). A pobreza do Estado: Reconsiderando o papel do Estado na luta contra a pobreza global. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales - CLACSO, CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 7ª ed.petrópolis, R.J.:Vozes, COSTA, Maria Cristina Castilho. Sociologia: Introdução à ciência da sociedade. São Paulo: Moderna, CARAVALHO, Maria do Carmo Brant de. A priorização da família na agenda da política social. In: Família Brasileira a Base de Tudo. São Paulo: Cortez, A Reemergência das redes de solidariedades microterritoriais na formatação da política social contemporânea. In: São Paulo Perspect: v.11(4):16-21, Disponível em produtos/ssp/ v11 n pdf. Acesso em 02/06/ Famílias e políticas públicas. In: ACOSTA, Ana Rojas; VITALER, Maria Amália Faller (orgs.). Família: redes, laços e Políticas Públicas. São Paulo: Cortez: Instituto de Estudos Especiais- PUC/SP, DRAIBE, Sônia Miriam. Por um reforço da proteção à família: contribuição à reforma dos programas de assistência social no Brasil. In: Família Brasileira a Base de Tudo. São Paulo: Cortez, As políticas sociais brasileiras; Diagnósticos e Perspectivas. In: Para a década de 90. Prioridades e perspectivas de políticas públicas. Brasília: IPEA/IPLAN, 1989.

18 DOWBOR, Ladislau. Economia da Família. In: ACOSTA, Ana Rojas; VITALER, Maria Amália Faller (orgs.). Família: redes, laços e Políticas Públicas. São Paulo: Cortez: Instituto de Estudos Especiais- PUC/SP, DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo. Abril Cultural,1983. ESTIVILL, Jordi. Panorama da luta contra a exclusão social. Conceitos e estratégias. Genebra: Bureau Internacional do Trabalho, STEP/ Portugal.2003 FONTENELE, Iolanda Carvalho. A família na mira do Estado: proteção ou controle? III Jornada Internacional e Políticas Públicas, Maranhão, Disponível em: Acesso em 15/07/11. HARVEY, David. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 6 ed. São Paulo: Loyola, KANITZ, Stephen. Um novo caminho. In: Revista. Problemas Brasileiros nº 337 jan/fev PAOLI. Maria Célia. Empresas e Responsabilidade social: Os enredamentos da cidadania no Brasil. In: SANTOS, Boaventura de Souza. Democratizar a Democracia. Os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro. Civilização brasileira, LIPIETZ, A. Audácia: uma alternativa para o século XXI. São Paulo: Nobel, In. MICHEL, Renaut; RIBEIRO, Rosana. Considerações sobre a determinação do nível de emprego em contexto de reestruturação produtiva e globalização financeira. Revista Archètypon.V.1, nº.1 dez p.15 LEITE, Marcos Esdras. Geoprocessamento aplicado ao estudo do espaço urbano: o caso da cidade Montes Claros / MG Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Uberlândia, LEITE, Marcos Esdras; PEREIRA, Anete Marília. Expansão Territorial e os Espaços de Pobreza na Cidade de Montes Claros. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, 20 a 26 de março de 2005 Universidade de São Paulo. ROSANVALLON, Pierre. A crise do Estado-providência. Goiânia: UnB/UFG, RODRIGUES, Luciene; OLIVEIRA, Marcos F. Formação econômica do Norte de Minas e o período recente. In: Formação social e econômica do Norte de Minas. Montes Claros: UNIMONTES, MARSHALL,T.H. Cidadania e Classe Social. Brasília; Fundação Projeto Rondon, MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: Introdução de Claude Levi Strauss. Perspectivas do homem. Lisboa Portugal, MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naift, MONTAÑO, Carlos. Terceiro Setor e questão social: Crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, MATOS, Ralfo (org.). Espacialidade em Rede: população, urbanização e migração no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte:C/ Arte, 2005.

19 MATOS, Ralfo; BRAGA, Fernando. Redes Geográficas, Rede Sociais e Movimentos da População no Espaço. In. MATOS, Ralfo (org). Espacialidade em Rede: população, urbanização e migração no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte:C/ Arte, MARTINS, Paulo Henrique; NUNES, Brasilmar Ferreira. Apresentação: A nova ordem social. In:MARTINS, Paulo Henrique; NUNES, Brasilmar Ferreira (orgs.). A nova ordem social. Perspectivas da solidariedade contemporânea. Brasília. Pararelo 15, SANTOS, Milton. Por uma outra globalização do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, POLANY, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus, PINTO, João Roberto Lopes. Economia Solidária. De volta a arte da associação. UFRGS. Porto Alegre, 2006.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O perfil das ONGs no neoliberalismo *

O perfil das ONGs no neoliberalismo * O perfil das ONGs no neoliberalismo * Elton Alcantara eltonluizcosta@gmail.com Gustavo Palmares gupalmaresrj@hotmail.com Letícia Chahaira leticiachahaira@yahoo.com.br Rafael Teixeira rafaelteixeira_ufrj@yahoo.com.br

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Gênero e Políticas Sociais: o programa Mulheres da Paz

Gênero e Políticas Sociais: o programa Mulheres da Paz Gênero e Políticas Sociais: o programa Mulheres da Paz Ana Carolina Santos Maia anacarolinamaia@ufrj.br Instituto de Filosofia e Ciências Sociais/ 6 período Brena O Dwyer Spina da Rosa Machado brenaspina@globo.com

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas CAPÍTULO 68. 8 IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas Percepções dos(as) titulares sobre o programa Os(as) titulares do Programa Bolsa Família percebem a situação de pobreza de forma

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

Nova divisão de classes dos brasileiros

Nova divisão de classes dos brasileiros 1 Olá amigo, Meu nome é Isaac Martins, sou professor e fundador do Instituto Isaac Martins, empresa de consultoria e treinamento que atua na área comercial com foco em televendas. Conheça um pouco mais

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Dádiva: Solidariedade e doação de medula óssea

Dádiva: Solidariedade e doação de medula óssea Dádiva: Solidariedade e doação de medula óssea Maria de Fátima Patu da Silva 1, Paulo Henrique Martins 2 e Raul Antônio Morais Melo 3 Introdução O presente trabalho introduz uma discussão sobre a temática

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES DE PORTO ALEGRE

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES DE PORTO ALEGRE IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES DE PORTO ALEGRE Diagnóstico e Desafios 11 e 12 de setembro de 2009 Políticas Públicas e o Orçamento em Porto Alegre Mulheres no Orçamento Participativo:

Leia mais

Movimentos sociais - tentando uma definição

Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais - tentando uma definição Analogicamente podemos dizer que os movimentos sociais são como vulcões em erupção; Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais ocorrem quando

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Iracema Clara Alves Luz, 3º módulo de Agronomia/UFLA, chokbool@hotmail.com; Paula Terra Duarte, 8º módulo de Agronomia/UFLA,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais