DADOS INTERNACIONAIS PARA CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DADOS INTERNACIONAIS PARA CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP)"

Transcrição

1

2

3

4 Diretor-presidente Henrique José Branco Brazão Farinha Publisher Eduardo Viegas Meirelles Villela Editora Cláudia Elissa Rondelli Ramos Projeto Gráfico e Editoração S4 Editorial Capa Alex Alprim Preparação de Texto Sandra Scapin Revisão Márcia Duarte Impressão Edições Loyola Copyright 2012 by Editora Évora Ltda. Todos os direitos desta edição são reservados à Editora Évora. Rua Sergipe, 401 Cj Consolação São Paulo SP Cep Telefone: (11) / Site: DADOS INTERNACIONAIS PARA CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP) M216o Malheiros, Rivadavila S. Operando com trading system na bolsa de valores : como criar e aplicar estratégias para curto, médio e longo prazo / Rivadavila S. Malheiros. - São São Paulo : Évora, p. p. ;...cm. Inclui bibliografia. ISBN Mercado de capitais Brasil - Inovações tecnológicas. 2. Bolsas de valores Brasil - Inovações tecnológicas. 3. Ações (Finanças) Brasil - inovações tecnológicas. I. Título. CDD José Carlos dos Santos Macedo Bibliotecário CRB7 n.3575

5 Agradeço aos frequentadores do site Rivanews.com e aos alunos que participaram dos cursos organizados pela CMA Educacional desde Este livro foi feito para vocês, e é a minha forma de retribuir a confiança em mim depositada ao longo de todos esses anos. Sou grato também a todos os departamentos da CMA que, de uma forma ou de outra, contribuem no dia a dia para a evolução do software CMA Series 4, e em especial ao sr. Romualdo Salata, que acreditou no projeto desta obra e não mediu esforços para a sua concretização. Aos amigos da Editora Évora, Henrique Farinha e Eduardo Villela, que abriram espaço para a criação do primeiro livro sobre Trading System em língua portuguesa, voltado ao mercado brasileiro.

6

7 Aviso Importante O objetivo desta obra é discutir conceitos e técnicas que podem ser utilizados para a operação em ações. Todavia, não se pretende fornecer uma forma infalível para obter sucesso em investimentos de qualquer natureza. Todos os exemplos apresentados possuem apenas objetivos didáticos, não representando recomendação de compra ou venda. Tanto o autor quanto a editora não se responsabilizam por quaisquer resultados obtidos pelo leitor devido à utilização dos conceitos e estratégias contidos neste livro.

8

9 Sumário Apresentação xi 1Princípios de uma Estratégia Introdução Definindo o Perfil de Operação Aluguel de Ações Gerenciamento de Risco 17 2Meu Primeiro Trading System Introdução Estrutura de um Trading System Criando um Trading System Expectativa Matemática Otimização Melhorias do Sistema Padronização 49 3Seguidores de Tendência Introdução Canais de Donchian Média Móvel HiLo Activator TRIX Estratégia de Baixa 89 4Estratégias com Candlesticks Introdução Padrões de Alta 100

10 4.3 Padrões de Baixa Trading Systems 110 5Contratendência Introdução Estocástico Estocástico Lento Estocástico Lento na Tendência Commodity Channel Index 141 6Sistemas de Bandas Introdução Canais de Keltner Bandas de Bollinger Oscilador de Bollinger Sistema de Saída 165 7Outras Estratégias de Operação Introdução Bollinger Bandwidth Aroon Indicador de Movimento Direcional Indicador de Volume 189 8Algoritmos de Negociação Introdução Melhor Oferta (Best Offer) Operações de Preço Médio Volume Participation SpreadMaker Algoritmos em Nuvem 207 Posfácio 209 Bibliografia & Leitura Recomendada 211

11 xi Apresentação Cada vez mais a tecnologia vem participando de nossas vidas com uma série de tarefas, tanto corriqueiras como de alta complexidade, sendo automatizadas. Aos poucos, essa tendência vem ganhando força no mercado financeiro com os chamados Trading systems (sistemas mecânicos de operação). Em 2008, o livro E$tratégia acionária para vencer na bolsa de valores teve como objetivo apresentar, de forma simples, os principais conceitos da Análise Técnica. Naquela época, foram apresentadas e acompanhadas de forma contínua e discricionária a aplicação de estratégias que utilizavam suportes e resistência, linhas de tendência, pivots de alta e de baixa, MACD (Moving Average Convergence Divergence - Convergência e Divergência de Médias Móveis), IFR (Índice de Força Relativa) e OBV (On Balance Volume) sobre os gráficos da Petrobras PN e da Vale PNA de 2002 a Três anos se passaram, e, a partir da expertise que os leitores adquiriram, é chegada a hora de criar e testar sistemas baseados em ferramentas populares, como rastreadores de tendência, osciladores, indicadores de bandas e reconhecimento de padrões de candlestick. Quando fazemos o detalhamento completo de todos os procedimentos para a entrada e a saída de uma operação, podemos dizer que foi criado um trading system, que poderá disparar sinais de compra e de venda de forma mecanizada. A ideia deste livro não é provar se uma estratégia é melhor ou pior do que outra, mas destacar quais condições gráficas são necessárias para a eficiência dos métodos baseados em tendência ou acumulação. Para facilitar, antes da codificação de cada estratégia sempre será feita uma explicação da filosofia do indicador empregado, ressaltando seus prós e contras. O Capítulo 1 começa discutindo os perfis de operação e como são feitas as escolhas dos ativos e do tempo gráfico, e a utilização das ferramentas de stops de ganho, de perda e móvel.

12 xii Trading System No Capítulo 2 é definido em detalhes o conceito de Trading System, sua estrutura, sua construção, o processo de simulação (backtesting) e a análise de resultados. A fim de preparar o leitor para os capítulos seguintes, será criado um trading system bem simples. O Capítulo 3 é todo dedicado à filosofia conhecida como Trend Following, e serão construídos trading systems baseados em indicadores como Donchian, Hilo Activator e Trix, para capturar os movimentos de curto, médio e longo prazos em diversos papéis negociados no segmento Bovespa. Somado a isso, será introduzido o conceito de teste de carteira (portfolio backtesting), a partir do qual é possível verificar o desempenho da estratégia na composição de uma carteira de ações ao longo dos anos. O Capítulo 4 apresenta os padrões de candlestick mais conhecidos e dois trading systems: um baseado no formato Grávida de Alta, e outro no padrão Nuvem Negra. No Capítulo 5, a filosofia conhecida como Contratendência é discutida, e uma série de sistemas, tanto para operações de compra quanto de venda (short position), será implementada. O leitor verá diferentes formas de trabalhar com o Oscilador Estocástico, tanto no gráfico diário quanto no intraday, além do uso do CCI (Commodity Channel Index). O Capítulo 6 é focado exclusivamente nos indicadores de canais, como Bollinger e Keltner, e suas aplicações em estratégias pró e contratendência. No Capítulo 7 são apresentados indicadores que têm a capacidade de detectar acumulações e de disparar novas entradas dentro das tendências (Aronn, Bollinger Bandwidth e o Indicador de Movimento Direcional). Além disso, também será criado um sistema com base na evolução do volume negociado da ação. Finalmente, o Capítulo 8 discute o ambiente das operações eletrônicas (DMA - Direct Market Access) e o crescimento das negociações em alta frequência e seus principais algoritmos.

13 Capítulo 1 Princípios de uma Estratégia 1.1 Introdução Ao contrário do que muitos possam pensar, a maior dificuldade no mercado acionário e de derivativos não é encontrar uma boa estratégia, mas conseguir segui -la com consistência e disciplina ao longo do tempo. Dado que a matéria -prima desse negócio é o dinheiro e este é finito, é natural ter medo de perdê -lo. Porém, uma operação perdedora não deve ser capaz de fazer com que desistamos imediatamente da nossa estratégia de operação e mudemos em seguida para um novo método. Esse tipo de atitude cria a eterna busca pelo sistema infalível que conseguirá gerar entradas e saídas perfeitas (síndrome do Santo Graal). É importante entender que não é necessário acertar todas as vezes, e nem mesmo comprar na mínima histórica e liquidar a posição no topo dos topos (esse tipo de cenário é uma exceção ao que acontece no dia a dia do mercado). A prosperidade na renda variável é obtida com a sucessão

14 2 Trading System de operações vencedoras que ao longo do tempo superam os resultados negativos, mas isso só é adquirido mediante um método que minimize as perdas e maximize os ganhos. Outro ponto que precisamos levar em conta é o fator emocional, afinal, o medo e a ganância são emoções inerentes ao ser humano, e eliminá -los por completo é pura utopia. Entretanto, é possível utilizar esses dois sentimentos como um dos fatores no desenvolvimento da estratégia de operação, justamente para definir qual será o nível de risco aceitável e os retornos esperados. Quanto maior o medo, mais conservadora será a estratégia. Quanto maior a ganância, mais arrojadas terão de ser as operações. Outro ponto importante é a escolha de como atuaremos no mercado de renda variável. Alguns são investidores, outros, traders. Investidor é aquele que aplica os seus recursos num determinado ativo acreditando em sua valorização e permanece com essa posição até que os resultados esperados aconteçam. Normalmente, obtém sucesso nas tendências de alta e perde dinheiro nos movimentos de baixa. Já um trader não investe em ativos, apenas os negocia (em inglês trade significa negociar ), aceitando realizar tanto operações de compra quanto de venda para aproveitar, respectivamente, os movimentos de alta e de baixa. A permanência na operação é pautada enquanto ela estiver gerando alegria, saúde e riqueza, não casando com a posição. Definida a forma de atuação, o trader precisará quantificar qual é o seu nível de aversão ao risco (medo de perder) e as suas metas de ganho (gana), encontrando assim a relação risco versus retorno mais adequada ao seu perfil. Só com o conhecimento dessa informação será possível escolher, em seguida, quais os instrumentos financeiros (ações, opções, índice futuro, dólar, etc.) que utilizará para atingir os objetivos traçados. Não basta apenas ter dinheiro no mercado financeiro, a conquista da prosperidade passa pela definição clara de uma estratégia de operação para conseguir, ao longo do tempo, executá -la com disciplina e evitar assim o improviso.

15 Princípios de uma Estratégia 3 O detalhamento de todos os procedimentos para a entrada e a saída de uma operação é chamado trading system, no qual os sinais de compra e de venda são disparados mecanicamente a partir de regras pré -estipuladas. Adicionalmente, o trader poderá programar essas regras e testar a validade de sua estratégia por intermédio da simulação histórica dos preços. Uma das histórias mais famosas sobre a aplicação de um trading system na prática aconteceu em 1984, nos Estados Unidos. Richard Dennis, um famoso operador de Chicago, iniciou uma acalorada discussão com seu sócio, Bill Eckhardt, sobre a possibilidade de transformar qualquer pessoa em um trader de sucesso. Ele acreditava que bons traders poderiam ser criados a partir do zero, desde que tivessem um bom aprendizado e muita disciplina, enquanto Eckhardt defendia que operar com sucesso no mercado era um talento nato. Para descobrir quem tinha razão, eles decidiram colocar um anúncio na revista Barron s em busca de interessados em operar no mercado de renda variável sem a necessidade de conhecimento prévio sobre o assunto (a Figura 1.1 mostra uma cópia do anúncio original). Figura 1.1 Anúncio colocado por Richard Dennis em busca de traders

16 4 Trading System Dos mais de mil candidatos, Richard Dennis escolheu um grupo em torno de vinte aprendizes e os apelidou de Turtles (tartarugas), devido a uma viagem feita a Cingapura onde conheceu um criadouro de tartarugas....iremos criar traders do mesmo jeito que eles criam tartarugas... Richard Dennis Os escolhidos tiveram que assinar um contrato válido por cinco anos, que poderia ser cancelado a qualquer momento por Dennis. Nesse contrato constava que os aprendizes de operadores não precisariam pagar pelos eventuais prejuízos, receberiam 15% dos lucros gerados, não poderiam negociar para si próprios ou trabalhar para terceiros, e deveriam manter sigilo absoluto durante dez anos sobre o sistema de operação que estavam prestes a aprender. Durante duas semanas, os Turtles aprenderam as regras de operação do sistema desenvolvido por Dennis e Eckhardt, e ao longo dos quatro anos seguintes conseguiram gerar um retorno médio anual de 80%. Qualquer pessoa com uma inteligência mediana pode aprender a operar. Não é preciso ser um cientista de foguetes. No entanto, é muito mais fácil aprender o que deve ser feito nas operações do que efetivamente fazê lo. Bill Eckhardt Das palavras de Eckhardt podemos entender que o ponto -chave do sucesso no mercado não é simplesmente possuir uma estratégia que ganhe mais do que as outras; é importante ter disciplina para executá- la. Essa disciplina passa pelo controle emocional, pois sabemos que durante as operações muitos investidores e traders são incapazes de lidar com um cenário de perda de forma racional e acabam permitindo que a intuição dite os rumos da operação. A construção de um sistema mecânico de operação, trading system, tem como virtudes:

17 Princípios de uma Estratégia 5 1. Reduzir o improviso e os efeitos das emoções sobre as operações. 2. Testar no passado ideias de operação antes de colocá-las em prática, evitando que o capital do trader seja utilizado como um balão de ensaio de algo que visualmente parece bom. 3. Avaliar se a estratégia é compatível com os objetivos traçados e, em caso contrário, o que será preciso fazer para readequá -la. 4. Possibilidade de otimizar os parâmetros do sistema para maximizar a relação lucro versus perda. 5. Executar automaticamente as operações de compra e venda. 1.2 Definindo o Perfil de Operação Antes de começar a traçar a estratégia de operação, o trader precisa se autoconhecer para evitar que, ao longo do tempo, passe por momentos de angústia e euforia. Essa autoanálise traz à tona os pontos fracos e as qualidades de cada um.... Você precisa identificar os seus pontos fracos para mudar. Mantenha um diário sobre suas operações de mercado anote as razões que o levaram a entrar ou a sair de todas as posições. Busque padrões repetitivos de sucesso ou de fracasso. Quem não aprende com o passado está condenado a repeti lo O trader bem sucedido é realista. Sabe que suas capacidades são limitadas. Vê o que está acontecendo no mercado e sabe reagir aos fatos... O trader profissional não se dá ao luxo de alimentar ilusões. Alexander Elder

18 6 Trading System Partindo das sugestões do dr. Alexander Elder, o trader precisará responder a perguntas como: y Que tipo de ativo aceita operar? y Qual é o tempo gráfico que não lhe causa grande desconforto? y Tem condições de acompanhar a evolução dos preços no tempo gráfico escolhido? y Como digere as operações perdedoras? y Qual a relação retorno versus risco aceitável? y Trabalha com que tipo de gestão de risco? y Quais ferramentas, gráficas ou fundamentalistas, serão utilizadas na tomada de decisões? Para ajudar nessas respostas, vamos tratar de cada assunto levantado separadamente Perfil do Trader Podemos construir sistemas com objetivos de curto, médio ou longo prazos, sendo que a decisão da escala gráfica deve estar correlacionada com o perfil do trader (a escala gráfica também é conhecida como time frame ou tempo gráfico). A Figura 1.2 apresenta os tipos de perfis encontrados no mercado, suas respectivas escalas e a duração média das operações:

19 Princípios de uma Estratégia 7 Figura 1.2 Perfil de Operação versus Tempo Gráfico y Um trader de longo prazo, conhecido também como Position Trader, não tem interesse em abrir e fechar posições com grande frequência, e considera que a maior parte das flutuações diárias do preço não passa de ruído dentro de um horizonte de tempo mais amplo. O objetivo desse perfil é obter retornos robustos em ações com sólidos fundamentos. Normalmente, as estratégias são montadas a partir de gráficos semanais com indicadores técnicos de rastreamento de tendência. Essas operações não têm limite de tempo e podem ser mantidas por meses ou até mesmo anos, desde que o movimento dos preços esteja a seu favor. y O trader com perfil de médio prazo também opera papéis com bons fundamentos e com indicadores técnicos de rastreamento de tendência, mas, nesse caso, o horizonte de tempo é de alguns meses. Seu objetivo é capturar as tendências que são formadas nesse período; em geral utiliza a escala diária, mas, dependendo da característica gráfica do ativo, o trader poderá optar pelo gráfico semanal. y O trader de curto prazo, conhecido também como Swing Trader, trabalha com tempos gráficos baseados no diário ou intraday (gráficos com escala de 30, 60, 120 minutos, etc.). O objetivo é tirar proveito dos movimentos de alta e de baixa que durem de alguns dias até algumas semanas. Fundamentos não

20 8 Trading System são necessários nos ativos que serão negociados, eles precisam apenas possuir boa liquidez. Outro ponto a ser destacado é que esse tipo de perfil aceita operar a favor e contra a tendência do preço, podendo estruturar tanto operações de compra quanto de venda (mais adiante veremos que para isso será necessário o aluguel das ações). O Swing Trader tem à disposição praticamente toda a gama de ferramentas técnicas criadas até hoje. y O trader de curtíssimo prazo, também conhecido como Daytrader, realiza operações que começam e terminam dentro do mesmo pregão e pode até mesmo trabalhar com vendas a descoberto e efetuar várias operações no mesmo dia. Essas características acabam exigindo a escolha de um tempo gráfico reduzido (intraday de 1 minuto, 5 minutos, 15 minutos, etc.) que consiga capturar os movimentos rápidos dos preços. Esse perfil aceita operar a favor e contra a tendência e, da mesma forma que o Swing Trader, possui um arsenal de ferramentas gráficas para atingir seus objetivos. Vale destacar que, além de possuir alta liquidez, os ativos negociados precisam também apresentar alta volatilidade. Em geral, em termos percentuais, os ganhos e as perdas são pequenos, mas esse trader pode fazer operações com alto grau de alavancagem. No Brasil, a taxação de imposto de renda para essa modalidade é superior às demais. Alerta #1: O time frame correto é aquele que mais se adapta ao perfil do trader.

21 Princípios de uma Estratégia Perfil Gráfico do Ativo Segundo a análise técnica, ao longo do tempo, os preços se desenvolvem em três movimentos distintos: tendência de alta, tendência de baixa e acumulação. Porém, entre os ativos disponíveis na bolsa é possível encontrar alguns com perfis mais acumulativos e outros mais tendenciosos. A escolha da técnica empregada deve estar ligada às características gráficas do papel que será operado, senão o trader não terá os resultados esperados. A Figura 1.3 apresenta o gráfico diário de Cemig PN entre abril de 2009 a abril de A partir dele é possível notar que, apesar de o papel ter experimentado uma forte alta no final de 2009, na maior parte do ano os preços trabalharam dentro de acumulações. Figura 1.3 Cemig PN Ou seja, não seria recomendável aplicar sistemas de tendência no gráfico diário desse papel. Todavia, um mesmo ativo com perfil de acumulação em uma determinada escala pode ser tendencioso em um tempo gráfico menor. A diferença é que a visão será mais curta, e por causa disso o trader terá de avaliar se é compatível com o seu perfil.

22 10 Trading System No final da Figura 1.3, entre janeiro e abril de 2010, o diário de Cemig PN passou por uma acumulação, mas se reduzirmos a escala gráfica para 60 minutos, como mostrado na Figura 1.4, poderemos notar que o papel experimentou duas tendências de alta e duas de baixa, que tiveram uma oscilação de 8%, em média. Figura 1.4 Gráfico de 60 minutos de Cemig PN 1.Tendência de alta de 22 de janeiro a 1º de fevereiro. 2.Tendência de baixa de 1º de fevereiro a 7 de fevereiro. 3.Tendência de alta de 7 de fevereiro a 15 de fevereiro. 4.Tendência de baixa de 15 de fevereiro a 25 de fevereiro. Isso significa que traders com perfil de swing trading puderam aproveitar essas tendências de curto prazo. Resumindo, o gráfico diário de Cemig PN tem características de acumulação, enquanto o intraday de 60 minutos é tendencioso. Outro exemplo sobre a importância da identificação das características gráficas do papel é ilustrado pelo gráfico diário de Vale PNA (Figura 1.5). No período de fevereiro de 2009 a abril de 2010, VALE5 formou acumulações curtas, tanto em tempo quanto em amplitude, e tendências de alta e de baixa bem mais prolongadas que as observadas no diário de Cemig PN.

23 Princípios de uma Estratégia 11 Figura 1.5 Vale PNA No final de 2009 o papel passou por uma fase de acumulação, e uma redução da escala gráfica entre novembro de 2009 e janeiro de 2010 provavelmente mostrará uma série de tendências curtas de alta e de baixa. Alerta #2: É vital identificar qual é o perfil gráfico de cada ativo para avaliar se ele é ou não adequado ao perfil de operação. Esse raciocínio também vale para o gráfico semanal, no qual acumulações nesse tempo gráfico poderão ser tendências menores de alta e de baixa na escala diária Perfil de Volatilidade Após identificar as características gráficas do ativo, o próximo passo é avaliar qual é o perfil histórico de sua volatilidade. Entende -se por

24 12 Trading System volatilidade a dispersão das variações percentuais dos preços em relação à média de retornos. Vamos entender isso um pouco melhor: Suponha que uma ação esteja sendo cotada a R$ 20,00 e a sua volatilidade histórica seja de 50% ao ano. Isso significa que estatisticamente espera -se que ao longo de um ano o preço do papel esteja situado entre R$ 10,00 e R$ 30,00. É importante entender que a volatilidade não indica o sentido dos preços, mas apenas a sua possível faixa de oscilação, isto é, o quanto pode subir ou cair. Como mostra a Figura 1.6, um ativo com alta volatilidade tende a apresentar maiores dispersões de preços em relação a sua média e, em geral, ganha a preferência dos traders mais arrojados. Por outro lado, ativos com um histórico de volatilidade mais baixa acabam sendo os mais utilizados por traders com perfil conservador ou moderado. Figura 1.6 Curva da distribuição normal Vale destacar que um ativo mais volátil não significa que será necessariamente o mais lucrativo de todos. A informação que a alta volatilidade nos dá é de que, possivelmente, oportunidades de curto

25 Princípios de uma Estratégia 13 prazo tenderão a aparecer com maior frequência. Por outro lado, esse ativo será mais arriscado devido às suas grandes flutuações. A fim de exemplificar as diferenças de volatilidade entre dois papéis, vamos analisar os gráficos diários de Itaúsa PN e MMX ON. A escolha de MMX ON como critério de comparação foi feita porque esse papel é negociado em uma faixa de preço similar à Itaúsa PN, além de ambos terem boa liquidez. A Figura 1.7 apresenta o gráfico diário de Itaúsa PN e sua volatilidade histórica diária. Podemos observar que no período de abril a julho de 2010 a volatilidade saiu de 1,30% para 2,60%. Figura 1.7 Volatilidade diária de Itaúsa PN Grosso modo, o papel que apresentava uma oscilação média diária de mais ou menos 1,30% passou a apresentar uma variação média diária de mais ou menos 2,60%. A elevação dessa volatilidade ocorreu, basicamente, pelas bruscas reversões das tendências de alta e de baixa que aconteceram em abril e junho de 2010, respectivamente.

26 14 Trading System Já no diário de MMX ON (Figura 1.8), podemos verificar que de abril a maio de 2010 a volatilidade do papel passou de 2% para 4,6% (o dobro da volatilidade apresentada por Itaúsa PN), e só a partir de junho a volatilidade diária começou a cair, até retornar para a faixa de 2,6% no início de agosto. Essa queda da volatilidade aconteceu graças à entrada dos preços em uma acumulação, mesmo assim, a amplitude desse movimento foi de 20%, e isso não permitiu uma redução maior da volatilidade. Figura 1.8 Volatilidade diária de MMX ON Estes dois gráficos mostram que ambos os papéis passaram por tendências tanto de alta quanto de baixa em 2010, mas o que os diferenciou foi a velocidade nos distintos movimentos. Enquanto, de abril a maio de 2010, Itaúsa PN saiu de R$ 12,50 para R$ 10,50 (queda de 16%), MMX ON passou de uma cotação de R$ 14,00 para R$ 8,40 (baixa de 40%). Em contrapartida, de maio a junho, ITSA4 acumulou uma alta de 13% em relação ao seu fundo, enquanto MMXM3 subiu 44%. Ou seja, o que a maioria das pessoas vê como instabilidade, um swing trader ou um daytrader enxerga como oportunidade.

27 Princípios de uma Estratégia 15 Para diluir a volatilidade em um determinado tempo gráfico basta reduzi -lo para uma escala gráfica menor, desde que o ativo tenha liquidez. Exemplo: se o trader avaliar que a volatilidade no gráfico diário extrapola os níveis previamente estipulados para o seu perfil, ele poderá preferir mudar a escala do papel para 120 ou para 60 minutos. Alerta #3: A volatilidade do ativo é diretamente proporcional ao apetite de risco do trader. É importante ressaltar que a alta volatilidade de um papel não deve ser consequência de sua baixa liquidez. Para ilustrar essa situação, vejamos o gráfico diário de Fibam PN (Figura 1.9). A volatilidade de 4% ao dia entre julho e setembro de 2010 foi ocasionada pelas raras vezes que o papel teve negócios (durante todo o mês de setembro, aconteceram negociações nesse ativo somente em 3 pregões), o que, na prática, não permitiria a aplicação de uma estratégia consistente. Figura 1.9 Volatilidade diária de Fibam PN

28 16 Trading System 1.3 Aluguel de Ações Internacionalmente, operações de compra são conhecidas como long, e operações de venda são chamadas de short. No Brasil, é permitido abrir vendas a descoberto (vender algo que não se possui) somente em operações de daytrade. Para passar de um dia para outro com uma posição vendida é obrigatório realizar o chamado aluguel de ações. Aluguel de ações é uma operação na qual os investidores, chamados doadores, disponibilizam títulos (ações das empresas) para empréstimo, e os traders, conhecidos como tomadores, ficam com a sua custódia por um determinado período, mediante aporte de uma margem de garantia. Pelo aluguel das ações o doador recebe uma taxa de juros livremente estipulada, com base anual e capitalização composta por dias úteis (pro rata), a ser paga no primeiro dia útil após o encerramento do contrato. Mesmo com suas ações alugadas, o doador mantém todos os direitos de proventos (dividendos, juros sobre capital próprio, bonificações e subscrições) referentes a essas ações, tendo a garantia da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) de que os papéis serão devolvidos O tomador do aluguel ficará com o ativo disponível em sua carteira durante o período de vigência do contrato, e terá a obrigação de devolvê -lo até o dia de seu encerramento. Isso implica que a recompra do ativo deve ser feita até três dias antes do prazo da liquidação do contrato de aluguel (D -3) para as devidas compensações. Após alugar as ações, o tomador poderá vendê -las no mercado à vista para aproveitar um movimento de baixa. A queda no preço do ativo proporciona uma recompra com lucro, enquanto a alta do papel ocasiona prejuízo. A garantia requerida para esse tipo de operação é igual ao valor atualizado das ações, acrescido de um percentual definido pelo Banco de Títulos CBLC (acesse o site e busque por cálculo de margem). Esse percentual é fixado considerando -se a liquidez e a volatilidade dos títulos objeto do empréstimo. Os títulos

29 Princípios de uma Estratégia 17 somente são liberados após o tomador ter depositado as garantias necessárias na CBLC e o Banco de Títulos CBLC -BTC ter autorizado a operação. São aceitos pela CBLC como depósito de garantia os seguintes ativos: y Moeda corrente nacional. y Títulos públicos y Ouro ativo financeiro. y Títulos privados (CDBs). y Cotas de ETFs e ações de empresas listadas na BM&FBOVESPA e custodiadas na CBLC. y Cartas de fiança bancária. A CBLC avalia diariamente as garantias pelo seu valor de mercado em moeda corrente nacional, aplicando a este valor um percentual de deságio, de acordo com o respectivo risco (de mercado, de crédito, de liquidez e outros), e considerando os eventuais custos relevantes de realização. Além disso, o valor da margem exigida é acompanhado diariamente e recomposto, se necessário. Como dito anteriormente, o aluguel não é necessário nas operações de daytrade. Isso acontece porque o trader recompra a ação dentro do mesmo pregão e não há transferência de custódia, mas apenas a liquidação por diferença do preços pago e recebido. 1.4 Gerenciamento de Risco Tanto estratégias de alta quanto de baixa eventualmente levam à perda de dinheiro. Justamente por isso, além da saída das operações acionadas por algum tipo de ferramenta da análise técnica (indicadores, padrões gráficos, etc.), o trader poderá estipular limites de perda e de ganho para suas operações.

30 18 Trading System Esses níveis de saída são conhecidos como stops, e extremamente importantes para evitar que ocorra perda substancial do capital, devolução de boa parte dos ganhos já obtidos na operação ou que uma operação ganhadora se transforme em perdedora....no mercado há traders veteranos e traders corajosos, mas não conheço traders veteranos e corajosos... Bob Dinda Vamos entender os três tipos de stops mais comuns no mercado: O chamado money management, ou stop de perda, ou stop loss, é o nível de perda que ao ser atingido liquidará a operação de compra ou de venda. Esse procedimento evita que uma operação de perda tenha um forte impacto sobre o capital aplicado. O stop estipulado pode ser dado em valor absoluto (R$) ou em percentual (%). Na ilustração à esquerda da Figura 1.10 temos uma operação de compra que, após ser iniciada, acabou sendo liquidada com prejuízo a partir do momento em que o preço atingiu um patamar previamente estipulado. Figura 1.10 Stop de Perda Raciocínio semelhante aplica-se para o stop de perda na estratégia de baixa. A ilustração à direita da Figura 1.10 mostra que, neste caso, a liquidação com prejuízo ocorrerá se, após a entrada na venda, o preço do ativo subir e atingir o patamar de preço predeterminado.

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Pergunta: O Ibovtrend um corretora? Resposta: Nós

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Mercado a Termo de Ações

Mercado a Termo de Ações Prof Giácomo Diniz Módulo I Dfiiã Definição Tradicional i São acordos fechados entre partes de compra e venda de um determinadoativo. Nahoradacontrataçãoaspartesestabelecemo preço para a liquidação em

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/ www.convexity.net.br A Convexity possui uma parceria com o Instituto Educacional BM&FBOVESPA. A parceria abrange os seguintes aspectos: - Os treinamentos Convexity são certificados pelo Instituto Educacional.

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas...

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas... Marcos Abe Novatec Sumário Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16 Capítulo 1 Definições básicas...17 Métodos de análise...17 Os agentes do mercado...

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Curso de Inteligência Financeira

Curso de Inteligência Financeira Curso de Inteligência Financeira 1.1- Porque planejar-se financeiramente? 1.2- O que é Inteligência Financeira? 1.3- Guia da Academia Financeira Ajudando você a conquistar sua independência financeira

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Administration CFM Cássia Menatto Mebius ESTUDO DE CASO: Aspectos da Análise fundamentalista versus análise gráfica para uma corretora São

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013 Estratégias Operacionais no Mercado de Ações Giácomo Diniz 01/10/2013 Agenda 1) Aluguel de Ações 2) Estratégia ShortSelling 3) Estratégia Long &Short a) Spread b) Ratio c) Apuração de Resultado 4) ETF

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

Breve Histórico 6 Ativos Elegíveis 7 Utilização dos Ativos Emprestados 7 Participantes 7

Breve Histórico 6 Ativos Elegíveis 7 Utilização dos Ativos Emprestados 7 Participantes 7 Introdução O mercado acionário brasileiro vem ganhando crescente importância nos últimos anos. Nesse processo de desenvolvimento do mercado, com crescente sofisticação das operações e na busca do alargamento

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

MANUAL DE SWING TRADING

MANUAL DE SWING TRADING MANUAL DE SWING TRADING LIÇÕES PRÁTICAS DE UM FLOOR TRADER 1ª Edição Rio de Janeiro Antônio Charbel José Zaib 2013 Z25 Zaib, Charbel Manual de Swing Trading: Lições Práticas de um Floor Trader / Charbel

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite:

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

O COMPORTAMENTO E PERFIL DO INVESTIDOR FRENTE AOS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM AÇÕES

O COMPORTAMENTO E PERFIL DO INVESTIDOR FRENTE AOS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM AÇÕES O COMPORTAMENTO E PERFIL DO INVESTIDOR FRENTE AOS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM AÇÕES Bruna Hiromi USHIWA 1 RGM 072470 Camila Rodrigues BAGATTINE 1 RGM 073812 Karina Godoy CARVACHE 1 RGM 072793 Natali BARBOSA

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

Murillo Lo Visco. Novatec

Murillo Lo Visco. Novatec Murillo Lo Visco Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza

Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza Um tempo atrás, escrevi um ensaio curto sobre como Warren Buffett havia enriquecido tanto, mas não mencionei o quão rico ele havia se tornado. Com

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec capítulo 1 Mercado de ações na bovespa 1.1 Mercado de ações Tudo começa com uma grande idéia que se transforma

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

A seguir demonstraremos os passos a serem seguidos para uma seleção adequada e que atenda as expectativas dos investidores:

A seguir demonstraremos os passos a serem seguidos para uma seleção adequada e que atenda as expectativas dos investidores: Como escolher um Fundo de Investimento (Suitability) Tão importante quanto conhecer os Fundos de Investimento oferecidos é conhecer o seu perfil de investimento. Feito isso, você poderá selecionar corretamente

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Iniciantes Home Broker

Iniciantes Home Broker Iniciantes Home Broker Para permitir que cada vez mais pessoas possam participar do mercado acionário e, ao mesmo tempo, tornar ainda mais ágil e simples a atividade de compra e venda de ações, foi criado

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

INTRODUÇÃO. Índice. 1 Introdução. 2 Definição. 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações

INTRODUÇÃO. Índice. 1 Introdução. 2 Definição. 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações Índice 1 Introdução 2 Definição 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações 5 Que tipo de investidor atua no Mercado Futuro de Ações? 6 Mercado Futuro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES

TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A.

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. CNPJ 61.532.644/0001-15 AVISO AOS ACIISTAS Companhia Aberta AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES, APROVADO PELO CSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM

Leia mais

A estrategia adequada. Uma grande tacada

A estrategia adequada. Uma grande tacada 4 I EDIÇÃO Nº 13 A estrategia adequada Quando se pensa na melhor maneira de investir, é comum surgir a dúvida: é mais vantajoso aplicar tudo de uma só vez ou fazer vários aportes ao longo do tempo? Se

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012. Títulos-Objeto. Todas as ações de emissão de empresas admitidas à negociação na BM&FBOVESPA.

GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012. Títulos-Objeto. Todas as ações de emissão de empresas admitidas à negociação na BM&FBOVESPA. GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores Apostila da Oficina Aprenda a Investir na Bolsa de Valores O objetivo da Oficina é ensinar como começar a investir no mercado acionário. Então vamos iniciar recapitulando os passos básicos. A primeira

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC 11.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar definições, características, estrutura e aspectos operacionais de liquidação

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Relatório AWM Investimentos no atual cenário de juros

Relatório AWM Investimentos no atual cenário de juros Mudança nas características dos investimentos no Brasil A mudança estrutural que o Brasil está vivenciando diante da forte queda de juros, afetou diretamente os investimentos da população. Conforme abordado

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/ 1 2 ÍNDICE 1- NOTA LEGAL... 3 2- SOBRE AUTOR... 3 3- SEMELHANÇA COM O MERCADO FINANCEIRO... 4 4- EXEMPLO DO MERCADO DE AUTOMÓVEIS USADOS... 4 5- CONHECENDO O BÁSICO DAS APOSTAS... 7 6- O QUE É UMA ODD?...

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A.

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A. Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Parceria XTH & Bahia Partners. Informações Gerais aos Interessados

Parceria XTH & Bahia Partners. Informações Gerais aos Interessados Parceria XTH & Bahia Partners Informações Gerais aos Interessados 04/08/2009 2 Conteúdo 1. O que é a Bahia Partners (BP)?... 3 2. Por que a XTH se aliou a BP?... 3 3. Por que a XTH e a BP fecharam parcerias

Leia mais

Guia Produtos. e Serviços

Guia Produtos. e Serviços Guia Produtos e Serviços Conheça a Safra Corretora Torne-se um investidor 5 Carteira acompanhada 7 Safra Net Ações 8 Relatórios 9 Portfólio de produtos 10 Comece a operar na Safra Corretora 27 Taxas Operacionais

Leia mais

BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44

BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44 BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA COMISSÃO

Leia mais