Geografia 9.º ano. Contrastes de desenvolvimento. Grupo I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geografia 9.º ano. Contrastes de desenvolvimento. Grupo I"

Transcrição

1 Geografia 9.º ano Contrastes de desenvolvimento Grupo I A figura 1 representa a taxa global e regional da pobreza extrema em 1990, 2011 e 2030 (estimativa). 1. Nesta figura (A) o indicador utilizado é um indicador composto. (B) a pobreza é medida em termos de rendimento. (C) o limiar de pobreza considerado varia conforme o desenvolvimento da região em causa. (D) recorre-se ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para medir a pobreza humana.

2 2. Em 2011, cerca de 55% da pobreza extrema concentrava-se nas seguintes regiões mundiais (A) África Subsariana e Ásia Oriental e Pacífico. (B) Médio Oriente e Norte de África e África Subsariana. (C) Médio Oriente e Norte de África e Ásia Meridional. (D) África Subsariana e Ásia Meridional. 3. O indicador representado na figura 1 é um indicador (A) cultural. (B) político. (C) económico. (D) ambiental. 4. A região do mundo onde se localiza a maior parte dos países produtores e exportadores de petróleo é o/a (A) Europa Central e Ásia. (B) Ásia Meridional. (C) África Subsariana. (D) Médio Oriente e Norte de África.

3 5. O Relatório de Desenvolvimento Humano é uma publicação anual que avalia o nível e os progressos do desenvolvimento humano. Observa o seguinte quadro. IDH RNB per capita (dólares EUA) Noruega Austrália EUA Alemanha Nova Zelândia Canadá Singapura Dinamarca Qatar Emirados Árabes Unidos Portugal Kuwait Angola Moçambique Guiné Burundi Burkina Faso Eritreia Serra Leoa Chade Rep. Centro-Africana Rep. Dem. Congo Níger Valor N.º de ordem Valor N.º de ordem 0,944 0,933 0,914 0,911 0,910 0,902 0,901 0,900 0,851 0,827 0,822 0,814 0,526 0,393 0,392 0,389 0,388 0,381 0,374 0,372 0,341 0,338 0, Quadro 1 Relação entre o IDH e o RNB per capita FONTE: RDH Atenta no valor do IDH do Qatar. a)classifica esse valor. Justifica. b)apresenta as limitações do IDH na medição do desenvolvimento humano. 5.2.Demonstra, a partir de dois países representados no quadro 1, que a relação entre crescimento económico e desenvolvimento não é óbvia nem automática.

4 Grupo II O que importa não é apenas o nível de rendimento, mas igualmente a forma como este é utilizado. PNUD, Relatório de Desenvolvimento Humano Crescimento económico e desenvolvimento estão relacionados entre si, porque (A) são termos diferentes para designar conceitos idênticos. (B) não pode haver crescimento económico sem desenvolvimento. (C) o crescimento económico é um meio para atingir o desenvolvimento. (D) o crescimento económico é o objetivo do desenvolvimento. 2. O crescimento económico numa sociedade traduz-se (A) no aumento do valor dos bens e serviços produzidos, num determinado intervalo de tempo. (B) na satisfação das necessidades básicas de toda a população, num determinado período de tempo. (C) na repartição equitativa da riqueza criada, num determinado intervalo de tempo. (D) na diminuição, a longo prazo, das agressões ambientais de origem industrial. 3. Considera uma filial da empresa transnacional portuguesa Sonae a operar no Brasil. As receitas geradas por esta empresa contribuem (A) para o PNB português e para o PNB brasileiro. (B) para o PNB brasileiro e para o PIB português. (C) para o PIB brasileiro e para o PNB português. (D) para o RNB português e para o RNB brasileiro. 4. O bem-estar é (A) o estado que deriva da diferença entre aquilo que se espera e aquilo que se alcança. (B) as condições reais da vida de um indivíduo, como, por exemplo, a habitação onde vive. (C) o aumento do rendimento produzido por um indivíduo, num determinado período de tempo. (D) o número de anos que, em média, cada indivíduo tem probabilidade de viver.

5 5. Atenta na figura 2, que representa a distribuição mundial do Índice de Pobreza Multidimensional (IPM), em Fig. 2 Distribuição do IPM no mundo, Indica: a) Dois países com um IPM superior a 33%. b) O significado desse valor. 5.2.Apresenta os contrastes mundiais na distribuição do IPM. Grupo III 1. O endividamento é um dos obstáculos ao desenvolvimento do Terceiro Mundo. Esta afirmação é (A) verdadeira, pois a dívida externa é agravada pelos elevados empréstimos contraídos e pelos respetivos juros. (B) verdadeira, embora os países que concedem os empréstimos não sejam responsáveis pelo endividamento do Terceiro Mundo. (C) falsa, pois tem-se assistido ao perdão total da dívida por parte dos países credores. (D) falsa, pois não tem reflexos económicos nos países em desenvolvimento.

6 2. A análise da figura 3 permite concluir que, nos países em desenvolvimento, a relação entre população e recursos é, atualmente, desequilibrada. Esta afirmação é (A) verdadeira, visto que o ritmo atual de crescimento da população é inferior ao ritmo de crescimento dos recursos. (B) falsa, visto que o ritmo atual de crescimento da população é igual ao ritmo de crescimento dos recursos. (C) falsa, pois há recursos suficientes para toda a população existente. (D) verdadeira, pois o ritmo atual de crescimento da população é superior ao ritmo de crescimento dos recursos. 3. Os países em desenvolvimento são os mais vulneráveis aos efeitos das catástrofes naturais. Esta afirmação é (A) verdadeira, pois são os que possuem menos meios técnicos e financeiros para efetuar a prevenção destes fenómenos. (B) verdadeira, visto que estes fenómenos atingem com maior intensidade os países industrializados. (C) falsa, na medida em que são os que possuem mais meios técnicos e financeiros para efetuar a prevenção destes fenómenos. (D) falsa, pois as catástrofes naturais atingem com a mesma intensidade os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento. 4. A monoprodução e a monoexportação de muitos países em desenvolvimento constitui um obstáculo ao desenvolvimento a nível (A) demográfico. (B) económico. (C) político. (D) social.

7 5. Observa atentamente a figura 4, que representa os conflitos armados no Mundo. Fig. 4 Conflitos armados no mundo 5.1.Refere as duas regiões mundiais com maior número de conflitos vigentes. 5.2.Apresenta três razões que justifiquem o facto de os conflitos armados serem um obstáculo ao desenvolvimento. Grupo IV Aproximadamente, um em cada cinco adultos no mundo de hoje 774 milhões de homens e mulheres não tem acesso à comunicação escrita por meio da alfabetização, 75 milhões de crianças estão fora da escola e outros tantos sem nível de alfabetização adequado para uma participação produtiva na sociedade. UNESCO, O desafio da alfabetização global, (adaptado). 1. A falta de acesso à educação provoca diretamente (A) dificuldades de acesso a empregos bem remunerados. (B) aumento da taxa de mortalidade infantil. (C) diminuição da esperança média de vida. (D) menor poder de compra.

8 2. Entre as causas das dificuldades no acesso à educação por parte dos países em desenvolvimento estão (A) a falta de meios financeiros e a existência de trabalho infantil. (B) a existência de trabalho infantil e a dificuldade de acesso a empregos bem remunerados. (C) a recessão económica e o excesso de população face à disponibilidade de emprego. (D) a dificuldade de acesso a empregos bem remunerados e a recessão económica. 3. Dois indicadores que permitem avaliar as disparidades entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento no acesso à educação são (A) a taxa de alfabetização dos adultos e o RNB per capita. (B) a média de anos de escolaridade e a taxa de alfabetização de adultos. (C) o número de alunos por professor e o PIB per capita. (D) o PNB per capita e a média de anos de escolaridade. 4. O baixo nível de escolaridade constitui um obstáculo ao desenvolvimento a nível (A) demográfico. (B) económico. (C) político. (D) social. 5. Atenta na figura 5. Fig. 5 Habitação nos países desenvolvidos (A) e habitação nos países em desenvolvimento (B). 5.1.Referedois grandes contrastes habitacionais nos países desenvolvidos e nos países em desenvolvimento. 5.2.Apresentaduas causas do desigual acesso à habitação nos países desenvolvidos e nos países em desenvolvimento.

9 TESTE DE AVALIAÇÃO 1 Grupo I 1. (B) a pobreza é medida em termos de rendimento. 2. (A) África Subsariana e Ásia Oriental e Pacífico. 3. (C) económico. 4. (D) Médio Oriente e Norte de África a) É um IDH muito elevado, porque é superior a 0,800. b) Ao ser calculado a partir de um pequeno número de indicadores simples (que nos dão apenas a relação entre o rendimento, a educação e a saúde), não abrange todos os aspetos do desenvolvimento, como a democracia, a participação política, a equidade e a sustentabilidade. Para além disso, é uma média nacional e, por isso, não reflete as desigualdades registadas entre a população de um país No ano a que se reporta a tabela, o Qatar era o país mais rico do mundo, com uma riqueza por habitante de dólares. No entanto, em termos de desenvolvimento, ocupava apenas o 31.º lugar, o que significa que fracassou em canalizar a riqueza para o desenvolvimento, visto que o acréscimo de riqueza não se traduziu numa melhoria correspondente do nível de vida das suas populações. Por seu turno, a Austrália, bastante menos rica que o Qatar (20.º lugar em termos de RNB por habitante dólares), conseguiu registar um desenvolvimento humano muito superior (2.º país mais desenvolvido do mundo). Assim, registou êxito em termos de desenvolvimento humano, pois preocupou-se em canalizar a prosperidade económica para a melhoria do nível de vida das suas populações. Grupo II 1. (C) o crescimento económico é um meio para atingir o desenvolvimento. 2. (A) no aumento do valor dos bens e serviços produzidos, num determinado intervalo de tempo. 3. (C) para o PIB brasileiro e para o PNB português. 4. (A) o estado que deriva da diferença entre aquilo que se espera e aquilo que se alcança a) Índia e Nigéria, por exemplo. b) Significa que a população desses países é considerada multidimensionalmente pobre O IPM é um indicador utilizado em mais de 100 PED. É bastante superior nos países africanos, particularmente os da África Subsariana, em que alguns países apresentam valores superiores a 50%, e menor nos países da América do Sul, onde a generalidade dos países apresenta valores deste indicador inferiores a 20%. Grupo III 1. (A) verdadeira, pois a dívida externa é agravada pelos elevados empréstimos contraídos e pelos respetivos juros. 2. (D) verdadeira, pois o ritmo atual de crescimento da população é superior ao ritmo de crescimento dos recursos. 3. (A) verdadeira, pois são os que possuem menos meios técnicos e financeiros para efetuar a prevenção destes fenómenos. 4. (B) económico África e Sul da Ásia Os conflitos armados são responsáveis, por exemplo, pela destruição de vias de comunicação e outras infraestruturas importantes, pela diminuição da produtividade e pelo encerramento de escolas. Grupo IV 1. (A) dificuldades de acesso a empregos bem remunerados. 2. (A) a falta de meios financeiros e a existência de trabalho infantil. 3. (B) a média de anos de escolaridade e a taxa de alfabetização de adultos. 4. (D) social Por exemplo, nos PED a qualidade das habitações é má e há falta de saneamento básico, ao contrário do que se verifica na generalidade dos PD A falta de meios financeiros e o elevado preço das habitações, por exemplo Satisfação das necessidades (saúde, educação e habitação).

10 Duas das seguintes medidas individuais ou outras relevantes: Adquirir preferencialmente produtos nacionais, da época e frescos. Comprar peixe de pesca sustentável. Andar mais de transportes públicos. Desligar os aparelhos eletrónicos, como a televisão ou o computador, da ficha. Grupo IV 1. (A) pegada ecológica. 2. (C) seriam precisos recursos naturais equivalentes aos produzidos por mais de dois planetas e meio para mantermos o nosso estilo de vida. 3. (C) o carbono. 4. (C) a perda de biodiversidade A pegada ecológica é um indicador que avalia a sustentabilidade dos territórios, comparando a utilização dos recursos naturais e serviços com a capacidade que a natureza tem para os produzir A biodiversidade Quanto mais desenvolvidos são os países, maior a pegada ecológica, pois, ao utilizarem recursos de várias áreas do mundo, afetam áreas cada vez mais vastas e distantes, explorando-as de forma irracional, podendo mesmo conduzir à extinção de espécies, como neste caso. Ao promoverem a plantação de árvores de óleo de palma, favorecem a destruição do habitat de gorilas, chimpanzés e babuínos, podendo levar à sua extinção.

Teste Diagnóstico I Geografia

Teste Diagnóstico I Geografia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

2. Planificações FG9GP_ _F01_5P.indd 8 3/6/15 6:14 PM

2. Planificações FG9GP_ _F01_5P.indd 8 3/6/15 6:14 PM 2. 9 2. Geografia 9.º ano Planificação anual Domínios e subdomínios Conteúdos Número de aulas (de 45 ou 50 minutos) Contrastes de Desenvolvimento 24 ou 34 Países com diferentes graus de desenvolvimento

Leia mais

Geografia. Censo Demográfico. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Censo Demográfico. Professor Luciano Teixeira. Geografia Censo Demográfico Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CENSO DEMOGRÁFICO Entrou em vigor a lei 13.104/15. A nova lei alterou o código penal para incluir mais uma

Leia mais

Desenvolvimento definição

Desenvolvimento definição Desenvolvimento definição O termo situação de foi criado para retratar a de um país, dentro dos moldes capitalistas. Países desenvolvidos são também chamados de: ; ; ; Fatores do Desenvolvimento Crescimento

Leia mais

Desenvolvimento definição

Desenvolvimento definição Desenvolvimento definição O termo situação de foi criado para retratar a de um país, dentro dos moldes capitalistas. Países desenvolvidos são também chamados de: ; ; ; Fatores do Desenvolvimento Crescimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO TRIMESTRAL GEOGRAFIA 9

PLANIFICAÇÃO TRIMESTRAL GEOGRAFIA 9 PLANIFICAÇÃO TRIMESTRAL GEOGRAFIA 9 1. PERÍODO LETIVO 2017 2018 Contrastes de Desenvolvimento Países com diferentes graus de desenvolvimento Compreender os conceitos de crescimento económico e de desenvolvimento

Leia mais

Pegada Ecológica. Desenvolvimento Sustentável

Pegada Ecológica. Desenvolvimento Sustentável Pegada Ecológica Ana Galvão Eng.ª Território 2º Semestre 2004/2005 1 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que assegura das necessidades do presente sem comprometer

Leia mais

Pegada Ecológica. Ana Galvão

Pegada Ecológica. Ana Galvão Pegada Ecológica Ana Galvão Eng.ª Território 2º Semestre 2005/2006 1 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que assegura das necessidades do presente sem comprometer

Leia mais

Pegada Ecológica AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL. António Gonçalves Henriques

Pegada Ecológica AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL. António Gonçalves Henriques AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL PRINCIPAIS FACTORES DAS PRESSÕES HUMANAS SOBRE O AMBIENTE ANÁLISE PROSPECTIVA 2001-2020 crescimento populacional: mais 25%, 7,5

Leia mais

A origem do conceito de Índice de Desenvolvimento Humano

A origem do conceito de Índice de Desenvolvimento Humano ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO A origem do conceito de Índice de Desenvolvimento Humano A abordagem ao desenvolvimento humano emerge num contexto de crescente crítica à visão dominante dos anos 80 do

Leia mais

A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III. Referências ( Livros): BibliEx e PNLD

A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III. Referências ( Livros): BibliEx e PNLD A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III Referências ( Livros): BibliEx e PNLD DIFERENTES MODOS DE VER O MUNDO Regionalização do Mundo (outro critério) Critério utilizado Econômico A regionalização

Leia mais

Nas respostas às questões dos Grupos I, II e III, seleciona a única opção que completa a afirmação inicial de forma correta.

Nas respostas às questões dos Grupos I, II e III, seleciona a única opção que completa a afirmação inicial de forma correta. Nome N. o Turma Avaliação Nas respostas às questões dos Grupos I, II e III, seleciona a única opção que completa a afirmação inicial de forma correta. GRUPO I Observa o gráfico, que representa a evolução

Leia mais

O desenvolvimento e a questão demográfica

O desenvolvimento e a questão demográfica A DEMOGRAFIA E A ECONOMIA O desenvolvimento e a questão demográfica O conhecimento das dinâmicas populacionais revela-se de grande importância para fornecer informação, nomeadamente aos decisores de políticas

Leia mais

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) UMA ANÁLISE DE INDICADORES PARA OS PAÍSES DA REDE IBERO-AMERICANA DE PROSPECTIVA (RIBER)

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) UMA ANÁLISE DE INDICADORES PARA OS PAÍSES DA REDE IBERO-AMERICANA DE PROSPECTIVA (RIBER) 1 OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) UMA ANÁLISE DE INDICADORES PARA OS PAÍSES DA REDE IBERO-AMERICANA DE PROSPECTIVA (RIBER) 2 Introdução 3 Objetivos : Introdução Buscar a adequação dos 15

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL FASES DO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: Até 1750 Regime Demográfico Primitivo Crescimento muito lento da população mundial; Taxa de mortalidade elevada; Taxa de natalidade elevada;

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

2) Cite três conseqüências da desigualdade socioeconômica presente entre os povos nos países em desenvolvimento. (0,8)

2) Cite três conseqüências da desigualdade socioeconômica presente entre os povos nos países em desenvolvimento. (0,8) TEXTO PARA AS QUESTÕES 1 A 4 De acordo com a ONU (2007), a população mundial é de aproximadamente 6,6 bilhões de pessoas. Desse total mais de 5,0 bilhões vivem em nações subdesenvolvidas. Apesar da existência

Leia mais

COLÉGIO SANTA ROSA PROFESSOR: CARLOS FEREIRA E EMERSON. SÉRIE: 8º ANO REVISÃO

COLÉGIO SANTA ROSA PROFESSOR: CARLOS FEREIRA E EMERSON. SÉRIE: 8º ANO REVISÃO COLÉGIO SANTA ROSA PROFESSOR: CARLOS FEREIRA E EMERSON. SÉRIE: 8º ANO. 2017. REVISÃO Primeiro, Segundo e Terceiro Mundo Habitações típicas de países de Terceiro Mundo. O mundo recebeu e recebe diferentes

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aulas 10, 11 e 12 Energia e Desenvolvimento Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi slide 1 / 35 Tópicos a serem discutidos: 1. Impacto no desenvolvimento

Leia mais

Innocenti Report Card 14

Innocenti Report Card 14 Innocenti Report Card 14 Os países ricos terão de fazer mais esforços para assegurar que todas as crianças recebem cuidados, nutrição e protecção como previsto pelos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

OBJETIVOS DEL DESAROLLO SUSTENTABLE ODS

OBJETIVOS DEL DESAROLLO SUSTENTABLE ODS OBJETIVOS DEL DESAROLLO SUSTENTABLE ODS Tomando como Base los 5 Ejes : Personas, Planeta, Prosperidad, Paz y Parcerias Os 5 P sda Agenda 2030 Fonte: www.pnud.org.br/ods.aspx Objetivos : Buscar a adequação

Leia mais

MEDIDAS DE MORTALIDADE

MEDIDAS DE MORTALIDADE MEDIDAS DE MORTALIDADE MEDIDAS DE MORTALIDADE Maneira mais antiga de medir doença (Londres, sec. XVI) Fonte primária: atestados de óbitos A mortalidade por causa dá uma ideia da frequência das doenças

Leia mais

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE 8 de junho de 2011 Sumário Panorama econômico e demográfico mundial; Transição Demográfica;

Leia mais

Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016

Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016 Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE INVESTIGAÇÃO 1 Sumário executivo A economia global está

Leia mais

IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - GABARITO

IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - GABARITO IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - GABARITO 2º EM GEOGRAFIA PROF. LUIZ GUSTAVO 3º Bimestre Resposta da questão 1:[D] A elevação do IDH-M no país decorreu de fatores como a redução da mortalidade infantil

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved.

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO McGraw-Hill/Irwin Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. O QUE É A MACROECONOMIA? Macroeconomia é o estudo do comportamento da economia como um todo

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr.

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. O Nível de desenvolvimento dos países em sua maioria é medido pelo seu IDH. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Aulas 6: Energia e Desenvolvimento

Aulas 6: Energia e Desenvolvimento PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 6 Energia e Desenvolvimento slide 1 / 41 Tópicos a serem discutidos: 1. Impacto no desenvolvimento das escolhas energéticas 2. Desenvolvimento possui

Leia mais

O MUNDO APÓS A GUERRA FRIA O FIM DA BIPOLARIDADE

O MUNDO APÓS A GUERRA FRIA O FIM DA BIPOLARIDADE O MUNDO APÓS A GUERRA FRIA O FIM DA BIPOLARIDADE Em 11 de março de 1985, assume o governo soviético MIKHAIL GORBACHEV; Anuncia então os projetos da GLASNOST (liberdade de expressão) e da PERESTROIKA (reforma

Leia mais

PEGADA ECOLÓGICA: que marcas queremos deixar no Planeta? A Pegada Ecológica: Uma visão geral

PEGADA ECOLÓGICA: que marcas queremos deixar no Planeta? A Pegada Ecológica: Uma visão geral A Pegada Ecológica: Uma visão geral Pegada Ecológica: Uma ferramenta de contabilidade d ecológica É uma medida da quantidade de terra e águas biologicamente produtivas, um indivíduo, população ou atividade,

Leia mais

Relatório sobre A Situação da População Mundial Fundo de População das Nações Unidas UNFPA

Relatório sobre A Situação da População Mundial Fundo de População das Nações Unidas UNFPA Relatório sobre A Situação da População Mundial 2011 Fundo de População das Nações Unidas UNFPA 7 mil milhões / 7 biliões / 7 bilhões de pessoas: seu mundo, suas oportunidades Relatório 2011 O marco dos

Leia mais

Brasil fica em 63º no ranking do IDH Saúde e educação melhoram, mas renda cai

Brasil fica em 63º no ranking do IDH Saúde e educação melhoram, mas renda cai Embargado até o dia 7 de setembro, às 7h Brasil fica em 63º no ranking do IDH Saúde e educação melhoram, mas renda cai Brasília, 6 de setembro de 2005 O tema do Relatório de Desenvolvimento Humano 2005

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL

O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL Prof : Cálidon Costa calidoncosta@gmail.com calidontur@hotmail.com O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL Em 31 de dezembro de 1991, com a dissolução da União Soviética, nasceu um nova

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Outubro de 2015 Plano geral Tendências de desigualdade na África Subsariana Ligação

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 9.º ANO DE GEOGRAFIA - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve de compreender a importância dos transportes nas dinâmicas

Leia mais

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade Lista de exercícios No. 4 EN 2425 - Energia, meio ambiente e sociedade 4.1) a)explique o que é produto interno bruto e função de produção. Explique como as variáveis K, N e R afetam a função de produção.

Leia mais

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde 21 24 de março de 2016 Maputo, Moçambique A economia informal: conceitos,

Leia mais

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Workshop: A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Luanda, 27 de Outubro de 2016 Graduação de Angola de PMA e os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Teste Diagnóstico I Geografia

Teste Diagnóstico I Geografia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

"As disparidades não são pequenas, as mudanças foram grandes, e o mundo já não é mais o mesmo."

As disparidades não são pequenas, as mudanças foram grandes, e o mundo já não é mais o mesmo. "As disparidades não são pequenas, as mudanças foram grandes, e o mundo já não é mais o mesmo." Fases do crescimento mundial: 1ª fase :Crescimento Lento (primitivo) 2ª fase: Crescimento rápido 3ª fase:

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016 Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Abril de 2016 Perguntas essenciais 1. Como o setor financeiro da África Subsariana desenvolveu-se

Leia mais

Tempo de ajustar as políticas económicas

Tempo de ajustar as políticas económicas Tempo de ajustar as políticas económicas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional Maio de 2016 1 O crescimento mundial permanecerá

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

Guiné-Bissau Perfil do país EPT 2014

Guiné-Bissau Perfil do país EPT 2014 Guiné-Bissau Perfil do país EPT 4 Contexto geral País lusófono do oeste africano com mais de,6 milhões de habitantes em, Guiné-Bissau sofre há já vários anos de uma forte instabilidade política. A sua

Leia mais

Por Adão Francisco de Oliveira e Rogério Castro Ferreira

Por Adão Francisco de Oliveira e Rogério Castro Ferreira INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL Por Adão Francisco de Oliveira e Rogério Castro Ferreira Em artigo recente no sítio Alunos on Line, da UOL, o geógrafo Rodolfo F. Alves Pena (2015)

Leia mais

Planificação Trimestral. Página 1 de 12

Planificação Trimestral. Página 1 de 12 Planificação Trimestral 9º Ano Ano Letivo: 2015/2016 DOMÍNIO IV: Atividades Económicas (8º Ano) Subdomínio 3: A Indústria Objetivos gerais 1. Compreender o aparecimento e a evolução da indústria 2. Compreender

Leia mais

Reforçar a resiliência a desastres naturais na África Subsariana

Reforçar a resiliência a desastres naturais na África Subsariana Reforçar a resiliência a desastres naturais na África Subsariana Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional Dezembro de 2016 Plano geral

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

Regiões geoeconômicas: o Norte e o Sul

Regiões geoeconômicas: o Norte e o Sul JOAQUÍN SALVADOR LAVADO (QUINO) / ACERVO DO CARTUNISTA Regiões geoeconômicas: o Norte e o Sul Regionaliação do mundo utiliando o desenvolvimento econômico e social como critério; A diferença entre os países

Leia mais

Geografia 8.º. População e povoamento - 1

Geografia 8.º. População e povoamento - 1 Geografia 8.º População e povoamento - 1 GRUPO I A figura 1 representa as fases da evolução da população mundial, entre o ano 500 e 2050* (*estimativa). A figura 2 representa a repartição da taxa bruta

Leia mais

EDUCAÇÃO E SAÚDE. Ciências da Natureza - UNIPAMPA Vanderlei Folmer- Maria Eduarda

EDUCAÇÃO E SAÚDE. Ciências da Natureza - UNIPAMPA Vanderlei Folmer- Maria Eduarda EDUCAÇÃO E SAÚDE Ciências da Natureza - UNIPAMPA Vanderlei Folmer- Maria Eduarda Qualidade de Vida Qualidade de Vida (1) na linguagem cotidiana, por pessoas da população em geral, jornalistas, políticos,

Leia mais

Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Prof. Dra. Cecília M. Villas Bôas de Almeida

Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Prof. Dra. Cecília M. Villas Bôas de Almeida Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof. Dra. Cecília M. Villas Bôas de Almeida Desenvolvimento e sustentabilidade Problemas... O que é desenvolvimento? O que é desenvolvimento sustentável? Engenharia

Leia mais

Previdência no Brasil: desajustes, poupança, produtividade e reforma. Paulo Tafner

Previdência no Brasil: desajustes, poupança, produtividade e reforma. Paulo Tafner Previdência no Brasil: desajustes, poupança, produtividade e reforma Paulo Tafner CINDES 2017 Vitória, Setembro de 2017 Previdência Social: Fatos Trajetória do envelhecimento e dos gastos previdenciários

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

Marcas: Hyundai, Kia, Samsung, Daewoo, LG e Pantech

Marcas: Hyundai, Kia, Samsung, Daewoo, LG e Pantech A Coreia do Sul possui a décima segunda maior economia do mundo, sendo o principal dos dragões asiáticos, o país atingiu um rápido crescimento económico com a exportação de produtos manufacturados. Na

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO Ano Letivo 2017-2018 TEMAS/ CONTEÚDOS Módulo 1 A Economia e o Problema Económico

Leia mais

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Agenda 2030

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Agenda 2030 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 3 de maio de 2017 Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Agenda 2030 Para procurar concentrar numa mesma plataforma a informação estatística existente, o INE

Leia mais

Controle de natalidade e estrutura etária

Controle de natalidade e estrutura etária Controle de natalidade e estrutura etária GG.10 PAG.06 Teorias o Malthus o Neomathusiana o Reformista As ideias de Malthus 1798, Thomas Malthus alertou que as populações tenderiam a crescer em progressão

Leia mais

AULÃO ENEM - PROFESSOR ALEXANDRE

AULÃO ENEM - PROFESSOR ALEXANDRE AULÃO ENEM - PROFESSOR ALEXANDRE 1) (ENEM) No gráfico estão representados os gols marcados e os gols sofridos por uma equipe de futebol nas dez primeiras partidas de um determinado campeonato Considerando-se

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

20 de março: Dia Internacional da Felicidade

20 de março: Dia Internacional da Felicidade 20 de março 2013 20 de março: Dia Internacional da Felicidade Índice de Bem-Estar para Portugal: um projeto do INE Estaremos a medir o que importa medir em matéria de Bem-Estar das famílias? O que varia

Leia mais

PEP/ ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

PEP/ ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1 PEP/ 2017-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Comparar a distribuição atual da população da região Sudeste com a região Norte do Brasil, na expressão

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 8.º ANO TERCEIRO CICLO ELISABETE SILVA SÉRGIO MONTEIRO

CIÊNCIAS NATURAIS 8.º ANO TERCEIRO CICLO ELISABETE SILVA SÉRGIO MONTEIRO CIÊNCIAS NATURAIS 8.º ANO TERCEIRO CICLO ELISABETE SILVA SÉRGIO MONTEIRO ÍNDICE DOMÍNIO 1 TERRA UM PLANETA COM VIDA DOMÍNIO 2 SUSTENTABILIDADE NA TERRA 1 SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE 6 Terra:

Leia mais

Professora: Andréa Rodrigues Monitora: Rodrigo Lacerda

Professora: Andréa Rodrigues Monitora: Rodrigo Lacerda Crescimento populacional e desenvolvimento sustentável Professora: Andréa Rodrigues Monitora: Rodrigo Lacerda Módulo 2 Bilhões de Pessoas Vivendo em uma era exponencial? Peste Negra Time Caça e Coleta

Leia mais

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé).

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). O termo está vinculado à situação econômica e social das nações ricas ; Para atingir este estado, um país precisa de: 1. Controle

Leia mais

Marco Abreu dos Santos

Marco Abreu dos Santos Módulo 07 Capítulo 3 A atividade agropecuária e o comércio mundial Marco Abreu dos Santos marcoabreu@live.com www.professormarco.wordpress.com Principais produtos agropecuários O cultivo de cereais era

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Não é permitido o uso de corretor. Risque aquilo que pretende que não seja classificado.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Não é permitido o uso de corretor. Risque aquilo que pretende que não seja classificado. Exame Final Nacional de Economia A Prova 712 1.ª Fase Ensino Secundário 2017 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. 14 Páginas

Leia mais

Informações para agir

Informações para agir Recém-nascidos africanos - Informações para agir V Os que sejam utilizados em contexto adequado e façam sentido para quem os utiliza são poderosos para melhorar as políticas, avaliar os progressos, orientar

Leia mais

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA nº 2 Outubro 29 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA MERCADOS DE EXPORTAÇÃO: EUA Canadá Brasil - Angola COMÉRCIO EXTERNO INDICE Balança do Vinho Português.. 3 Exportações

Leia mais

6.4 O CONSUMO DOS RECURSOS NATURAIS E OS SEUS IMPACTOS

6.4 O CONSUMO DOS RECURSOS NATURAIS E OS SEUS IMPACTOS 6.4 O CONSUMO DOS RECURSOS NATURAIS E OS SEUS IMPACTOS O consumo dos recursos naturais e os seus impactos A crescente pressão sobre o consumo é provocada por: Aumento populacional Exigência dos padrões

Leia mais

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades 7ª Economia 79º IDH 57º Competitividade 61º Inovação 35º Educação 12 indicadores Ranking de Competitividade Global Requisitos

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Apresentação Histórico Desafios Dados Distribuição renda Exemplo mundo Situação Brasil Histórico Declaração americana (1776): Declaração dos Direitos,

Leia mais

nº 4 Dezembro 2009 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL

nº 4 Dezembro 2009 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL nº 4 Dezembro 2009 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL 2005 A 2008 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. ÁREA DE VINHA 3 3. PRODUÇÃO 5 4. CONSUMO GLOBAL 8 5. CONSUMO PER CAPITA

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2004

Estatísticas Demográficas 2004 Estatísticas Demográficas 2004 28 de Novembro de 2005 A população residente em Portugal, em 31/12/2004, estimou-se em 10 529 255 indivíduos. Os nascimentos decresceram 2,9% e os óbitos 6,2%, face a 2003.

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O termo desenvolvimento sustentável de há muito é a palavra chave quando alguém quer se referir ao crescimento ou desenvolvimento econômico. Por outro lado, o

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO WALTER ANTÔNIO ADÃO SUPERINTENDENTE DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUARIO E DA SILVICULTURA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO CENÁRIOS - AGRONEGÓCIO 2

Leia mais