Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016"

Transcrição

1 Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Abril de 2016

2 Perguntas essenciais 1. Como o setor financeiro da África Subsariana desenvolveu-se nas últimas décadas em comparação com o de outras regiões? 2. Com as mudanças ocorridas nas últimas décadas, o setor financeiro está agora apto a dar um contributo mais positivo para o crescimento e reduzir a sua volatilidade? 3. O que impulsiona ou inibe o desenvolvimento financeiro na África Subsariana? 4. Quais são as principais recomendações em matéria de política? 2

3 Pergunta 1. Como o setor financeiro da África Subsariana desenvolveu-se nas últimas décadas em comparação com o de outras regiões? 3

4 2014 (ou mais recente disponível),percentagem do PIB 2014, percentagem do PIB A profundidade financeira aumentou na África Subsariana, mas ainda não chegou ao nível das demais regiões em desenvolvimento. Indicadores-padrão da profundidade financeira 1. Crédito ao setor privado, 1995 e CPV BWA SEN TGO STP KEN MOZ BEN SWZ MLI COM LSO ETH CIV CAF CMR COG NGAERI GINRWA SLE TCD NAM ZAF Demais países em desenvolv. (< 100% do PIB) África Subsariana 2. Total dos ativos bancários, 2001 e CPV GMB BEN NAM MOZ AGO MLI LSO CAF MWI UGA BDI COD MUS ZAF SYC Demais países em desenvolv. (< 400% do PIB) África Subsariana 4

5 e o setor financeiro continua dominado pelos bancos. 100 Ativos do setor financeiro, 2012 Percentagem dos ativos do setor respetivo Sudão do Sul Gabão Congo, Rep. Guiné Equatorial Nigéria Angola Camarões Zâmbia Níger Serra Leoa Libéria Mali Guiné Gana Zimbabwe Tanzânia Botswana África do Sul Namíbia Benin Côte d'ivoire Malawi Comoros Gâmbia Togo Madagáscar Senegal São Tomé e Príncipe Guiné-Bissau Moçambique Burundi Etiópia Cabo Verde Uganda Maurícias Ruanda Quénia Suazilândia Lesoto Exportadores de petróleo Outros ricos em recursos naturais Pobres em recursos naturais Total bancário Total não bancário 5

6 A franca expansão das operações dos bancos pan-africanos gera novas oportunidades, mas também desafios. Muitas oportunidades: Aumento da concorrência e do desenvolvimento financeiro Economias de escala Colmatar a lacuna deixada pelos bancos europeus e americanos Desafios: Riscos ligados à supervisão Risco sistémico, com a possibilidade de contribuir para a propagação de choques entre os países Necessidade de quadros de supervisão sólidos e abordagem consolidada para a supervisão financeira 6

7 A região tem liderado o mundo em serviços financeiros inovadores Contas móveis e contas bancárias nas regiões, 2014 Percentagem da população acima de 15 anos Europa Hemisfério Ocidental Conta móvel Ásia Conta bancária Médio Oriente África Subsariana 7

8 Percentagem da população adulta que usa serviços financeiros mas há amplo espaço para aumentar a inclusão financeira África do Sul 2015 Namíbia 2011 Zimbabwe 2014 Quénia 2013 Lesoto 2011 Botswana 2014 Uganda 2013 Suazilândia 2014 Nigéria 2014 Gana 2010 Malawi 2014 Zâmbia 2015 Moçambique 2014 Tanzânia 2013 Inclusão financeira Formal Informal Excluída 8

9 sobretudo para algumas parcelas da população. Contratação de empréstimos junto a uma instituição financeira, Percentagem da população ASS ASS, PBRs ASS, PMRs ASS, frágeis ASS, exp. pet. Ásia, MEED ALC Total Mulheres Homens MENA ASS ASS, PBRs ASS, PMRs ASS, frágeis ASS, exp. pet. Ásia, MEED ALC MENA Total 40% mais pobres 60% mais ricos 9

10 No geral, o desenvolvimento financeiro na região ainda fica atrás do de outras regiões Índice das instituições financeiras Índice dos mercados financeiros (1 = maior nível de desenvolvimento) (1 = maior nível de desenvolvimento) ,5 0 ASS, países de baixo rendimento ASS, países de médio rendimento ASS, países frágeis ASS, exportadores de petróleo ASS Ásia, emerg. e em desenv América 1982 Latina 1984 e 1986 Caraíbas

11 Angola Gabão Nigéria Camarões Chade Congo, Rep. Guiné Equatorial África do Sul Namíbia Botswana Zâmbia Mali Tanzânia Gana Guiné Libéria Rep. Centro-Africana Serra Leoa Maurícias Seicheles Cabo Verde Suazilândia Quénia São Tomé e Príncipe Lesoto Senegal Togo Moçambique Burkina Faso Etiópia Benin Côte d Ivoire Gâmbia Eritreia Níger Rwanda Burundi Uganda Madagáscar Malawi Comoros Guiné-Bissau e do padrão de referência estatístico da própria África Subsariana. Desenvolvimento financeiro: Efetivo e previsto, 2013 (1 = mais desenvolvido; 0 = menos desenvolvido) 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0,0 Efetivo Previsto Exportadores de petróleo Ricos em recursos Pobres em recursos 11

12 Pergunta 2. Com as mudanças ocorridas nas últimas décadas, o setor financeiro está agora apto a dar um contributo mais positivo para o crescimento e reduzir a sua volatilidade? 12

13 Pontos percentuais O desenvolvimento financeiro tem apoiado o crescimento e pode apoiá-lo ainda mais. 2.5 Potencial de impacto do desenvolvimento financeiro sobre o crescimento ASS PBR Exportadores de petróleo Potencial de aumento do crescimento se o hiato for colmatado (esq.) Hiato até ao nível de referência do índice de desenvolvimento financeiro (dir.)

14 Variação da volatilidade do crescimento (desvio-padrão) além de haver reduzido a sua volatilidade. Impacto sobre a volatilidade do crescimento 1,5 1,0 Redução da volatilidade Aumento da volatilidade 0,5 0,0 CMR MWI UGA NGA KEN NAM 0,5 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 Índice de desenvolvimento financeiro 14

15 Pergunta 3. O que impulsiona ou inibe o desenvolvimento financeiro na África Subsariana? 15

16 Os fundamentos macroeconómicos têm impulsionado o desenvolvimento financeiro na região. Coeficientes com índice de desenvolvimento financeiro 0.15 Fatores a impulsionar o desenvolvimento financeiro 0.10 Países em desenvolvimento África Subsariana Abertura da conta de capital Abertura comercial Fundamentos macroeconómicos (= inflação mais baixa) Risco-país menor 16

17 Mas a baixa qualidade institucional tem inibido o desenvolvimento financeiro em muitos países da região. Desenvolvimento financeiro e qualidade institucional em 2013 Classificação institucional Independência do judiciário RWA KEN SEN BEN AGO NAM ZAF R² = 0, ,2 0,4 0,6 0,8 Índice de desenvolvimento financeiro Classificação institucional Solidez da proteção dos investidores RWA AGO BEN KEN 10 Outros RWA Exportadores AGO SEN BEN KEN de NAM petróleo MUS CEMAC ZAFe UEMOA 0 0,2 0,4 0,6 0,8 R² = 0,3063 Ins titu t NAM MUS ZAF SEN R² = 0, ,2 0,4 0,6 0,8 Índice de desenvolvimento financeiro 17

18 A qualidade de algumas instituições é mais importante do que a de outras para o desenvolvimento financeiro. Classificação da qualidade institucional para a melhoria do desenvolvimento financeiro Proteção dos interesses dos acionistas minoritários Solidez das normas de auditoria e reporte Eficiência do quadro jurídico na contestação de regulamentos Eficiência do quadro jurídico na resolução de disputas Transparência das formulação de políticas públicas Eficácia dos conselhos de administração das empresas Direitos de propriedade Independência do judiciário Pagamentos irregulares e subornos Proteção da propriedade intelectual Comportamento ético das empresas Solidez da proteção dos investidores Coeficientes a com distância até ao nível de referência 18

19 Pergunta 4. Quais são as principais recomendações em matéria de política? 19

20 Recomendações em matéria de políticas Proporcionar quadros jurídicos e institucionais sólidos e promover a boa governação societária. Reforçar a supervisão, inclusive transfronteiriça e em base consolidada. Adotar um ambiente normativo propício ao alargamento da inclusão financeira. Apoiar a concorrência bancária para tornar os serviços financeiros mais acessíveis e contribuir de forma positiva para a inclusão financeira e o aumento da eficiência do sistema financeiro. 20

21 As autoridades devem também: Estar cientes de que este processo leva tempo. Reconhecer que, para promover o desenvolvimento financeiro, são necessárias agilidade e gestão cuidadosa (para além de liberalização financeira, integração regional e inovação tecnológica). Ajustar as normas e regulamentos existentes para fazer face aos riscos que surgirem à medida que os sistemas financeiros evoluírem. Acima de tudo, calibrar devidamente as políticas para a África Subsariana. 21

22 Muito obrigado! A edição em linha do relatório sobre as perspetivas regionais para a África Subsariana já está disponível em 22

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Outubro de 2015 Plano geral Tendências de desigualdade na África Subsariana Ligação

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Temos uma abordagem singular

Leia mais

Fazendo Negócios em Cabo Verde

Fazendo Negócios em Cabo Verde Fazendo Negócios em Cabo Verde Svetlana Bagaudinova Especialista Sênior em Desenvolvimento do Sector Privado Leonardo Iacovone Economista Cabo Verde November 23-24, 2010 1 O que mede o Doing Business?

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Prof. Dr. Ayodele Odusola Economista-Chefe e Chefe da Equipa de Estratégia e Análise Escritório Regional

Leia mais

A DEMOGRAFIA E AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ECONOMIA NÃO RESPEITAM A CONSTITUIÇÃO NENHUMA CONSTITUIÇÃO

A DEMOGRAFIA E AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ECONOMIA NÃO RESPEITAM A CONSTITUIÇÃO NENHUMA CONSTITUIÇÃO Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre a Previdência e considerações sobre incentivos (regras) e seus impactos nos gastos, na poupança e na produtividade Paulo Tafner INTITUTO TEOTONIO VILLELA

Leia mais

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade 19.01.2015 Objetivo O objetivo do escopo geográfico da Fairtrade International é determinar em quais países as

Leia mais

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC 1 DECLARAÇÃO PREÂMBULO NÓS, os Chefes de Estado e de Governo ou os Representantes devidamente Autorizados

Leia mais

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções Elisabete Azevedo-Harman (PhD) Especialista Parlamentar Senior/ Pro PALOP TL

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 1 Que imagem você tem quando se fala em África? Pense rápido! O modo como a África é vista ou a imagem que dela nos é dada para consumo constitui uma África dos quatro

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.africa-union.org CONSELHO EXECUTIVO Décima Segunda Sessão Ordinária

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Nome: N.º: telefone: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM Disciplina:

Nome: N.º: telefone:   PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM Disciplina: Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2015 Disciplina: MateMática Prova: desafio nota: QUESTÃO 11 Reutilizando embalagens que provavelmente iriam para o lio,

Leia mais

África e Oriente Médio Perspectivas para 2013

África e Oriente Médio Perspectivas para 2013 África e Oriente Médio Perspectivas para 13 Janeiro - 13 Resumo Executivo As economias do Oriente Médio, Norte da África e África Subsaariana vêm apresentando um desempenho bastante favorável desde o começo

Leia mais

Reiniciar o Motor de Crescimento Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana e Moçambique

Reiniciar o Motor de Crescimento Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana e Moçambique Reiniciar o Motor de Crescimento Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana e Moçambique Ari Aisen Departamento de África Fundo Monetário Internacional Maio de 217 Estrutura da Apresentação

Leia mais

Lidando com Nuvens Negras

Lidando com Nuvens Negras Lidando com Nuvens Negras Perspectivas Económicas Regionais para África Subsariana Departamento Africano Fundo Monetário Internacional Novembro 2015 1 Estrutura da Apresentação I. Contexto Global II. Desafios

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Algeria Algeria Business Multimedia (ABM), Azlan, Silicon 21, Southcomp Polaris Comztek, Interdist, Westcon Africa

Algeria Algeria Business Multimedia (ABM), Azlan, Silicon 21, Southcomp Polaris Comztek, Interdist, Westcon Africa DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS DA CISCO Para fins deste programa, a seguir está uma lista de distribuidores autorizados da Cisco para Mercados emergentes onde a Empresa participante deverá adquirir produtos

Leia mais

Africanidades: alguns aspectos da História Africana dos Negros no Brasil

Africanidades: alguns aspectos da História Africana dos Negros no Brasil Africanidades: alguns aspectos da História Africana dos Negros no Brasil, travessia dos escravizados e o constrangimento de seres humanos à condição de objetos Africanidades: alguns aspectos da História

Leia mais

Aumenta o número de países democráticos na África

Aumenta o número de países democráticos na África Planejamento Aumenta o número de países democráticos na África Em dez anos, subiu de 11 para 48 o número de países africanos democráticos. Esse avanço fez com que alguns países começassem a atuar com maior

Leia mais

Conheça os classificados para a Copa Africana de Nações

Conheça os classificados para a Copa Africana de Nações Conheça os classificados para a Copa Africana de Nações por Por Dentro da África - domingo, setembro 04, 2016 http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/conheca-os-classificados-para-copa-africana-de [:pb]

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da Organização da Unidade Africana (OUA);

Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da Organização da Unidade Africana (OUA); ACTO CONSTITUTIVO DA UNIÃO AFRICANA Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da Organização da Unidade Africana (OUA); 1. Presidente da República Popular e Democrática da Argélia 2. Presidente

Leia mais

Fórum Regional sobre Reforço dos Sistemas de Saúde para os ODS e a CUS de Dezembro 2016, Windoeck, Namíbia

Fórum Regional sobre Reforço dos Sistemas de Saúde para os ODS e a CUS de Dezembro 2016, Windoeck, Namíbia Fórum Regional sobre Reforço dos Sistemas de Saúde para os ODS e a CUS 8-13 de Dezembro 2016, Windoeck, Namíbia Segurança do sangue e outros produtos médicos de origem humana na Região Africana 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 a Página da Educação www.apagina.pt Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acaba de publicar o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Humano

Leia mais

Declaração de Ouagadougou sobre Cuidados de Saúde Primários e Sistemas de Saúde em África: Melhorar a Saúde em África no Novo Milénio

Declaração de Ouagadougou sobre Cuidados de Saúde Primários e Sistemas de Saúde em África: Melhorar a Saúde em África no Novo Milénio Declaração de Ouagadougou sobre Cuidados de Saúde Primários e Sistemas de Saúde em África: Melhorar a Saúde em África no Novo Milénio Uma declaração dos Estados-Membros da Região Africana da OMS Organização

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n. º 206/2016-SIC/DIREX/PF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação protocolado

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009 Embargado para 24 de Março de 2009 Público AMNISTIA INTERNACIONAL LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) 24 de Março de 2009 ACT 50/002/2009 SECRETARIADO INTERNACIONAL,

Leia mais

Working Paper Nº 04 POSIÇÃO DE ANGOLA EM VÁRIOS ÍNDICES INTERNACIONAIS

Working Paper Nº 04 POSIÇÃO DE ANGOLA EM VÁRIOS ÍNDICES INTERNACIONAIS Working Paper Nº 04 POSIÇÃO DE ANGOLA EM VÁRIOS ÍNDICES INTERNACIONAIS 2016 Autor Wilson Silva, Assistente de Investigação CEIC-UCAN CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVRESIDADE CATÓLICA

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO INTRODUÇÃO Em obediência ao despacho de missão número 0164/03/GPAN/2013, exarado por Sua Excelência

Leia mais

PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA DA CEDEAO: QUE LIÇÕES DA CRISE NA ZONA EURO? Degol MENDES

PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA DA CEDEAO: QUE LIÇÕES DA CRISE NA ZONA EURO? Degol MENDES PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA DA CEDEAO: QUE LIÇÕES DA CRISE NA ZONA EURO? Degol MENDES Email: degolmendes@hotmail.com INTRODUÇÃO Com os seus 310 milhões de habantes em 2012 na maioria ovem, a CEDEAO representa

Leia mais

Telefone. operador. 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes

Telefone. operador. 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes Entrada em vigor: 01out2016 5.1. Ordens de transferência C/ operador Telefone S/ Internet e Mobile ATM Maq. Rede Interna 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas em euros 1.1 Para conta domiciliada

Leia mais

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional 3 de Maio de 216 Ciclos dos termos de troca

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Anexo estatístico do desenvolvimento humano

Anexo estatístico do desenvolvimento humano Anexo Estatístico Anexo estatístico do desenvolvimento humano Guia do leitor 129 Legenda dos países e classificações do IDH, 2011 132 Tabelas estatísticas 133 Notas técnicas Cálculo dos índices de desenvolvimento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016 a

PLANO ESTRATÉGICO 2016 a LIDERAR COM RESPONSABILIDADE PLANO ESTRATÉGICO 2016 a 6 2020 Fevereiro de 2016 LIDERAR COM RESPONSABILIDADE 1 ÍNDICE 1. CARACTERIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO 3-4 1.1. A UNIAPAC-África 1.2. DESCRIÇÃO DO CONTEXTO

Leia mais

GUIA PRÁTICO. Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados

GUIA PRÁTICO. Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados GUIA PRÁTICO Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados Onde trabalhamos Países : Afeganistão Angola Bangladeche Benim Burquina Faso Burundi Butão Cabo

Leia mais

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 4 de Julho de 2011 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 Ponto 16 da ordem do dia provisória RELATÓRIO DOS

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

African Economic Outlook 2005/2006. Perspectivas Econômicas da África 2005/2006. Sumário. Summary in Portuguese. Sumário em Português

African Economic Outlook 2005/2006. Perspectivas Econômicas da África 2005/2006. Sumário. Summary in Portuguese. Sumário em Português [ African Economic Outlook 2005/2006 Summary in Portuguese Perspectivas Econômicas da África 2005/2006 Sumário em Português Sumário Os 30 países analisados nesta quinta edição das Perspectivas Econômicas

Leia mais

Principais Descobertas e Recomendações

Principais Descobertas e Recomendações Principais Descobertas e Recomendações A Pesquisa do Orçamento Aberto 2008, uma avaliação compreensiva da transparência orçamentária em 85 países, revela que o estado da transparência orçamentária ao redor

Leia mais

Recuperação Económica e Novos Riscos Perspectivas Económicas Regionais para África Subsariana

Recuperação Económica e Novos Riscos Perspectivas Económicas Regionais para África Subsariana Recuperação Económica e Novos Riscos Perspectivas Económicas Regionais para África Subsariana Victor Lledó, Representante Residente do FMI em Moçambique Universidade Eduardo Mondlane, Maputo 3 de Maio

Leia mais

Pontos essenciais. Fundamento e contexto

Pontos essenciais. Fundamento e contexto Resumo Em 2006, os casos de paludismo estavam avaliados em 247 milhões entre 3,3 biliões de pessoas a risco, causando quase um milhão de mortes, na sua maioria crianças menores de 5 anos. Em 2008, havia

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

EPIDEMIAS RECORRENTES NA REGIÃO AFRICANA DA OMS: ANÁLISE DA SITUAÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA. Relatório do Director Regional ÍNDICE

EPIDEMIAS RECORRENTES NA REGIÃO AFRICANA DA OMS: ANÁLISE DA SITUAÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA. Relatório do Director Regional ÍNDICE 22 de Junho de 2010 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima sessão Malabo, Guiné Equatorial, 30 de Agosto-3 de Setembro de 2010 Ponto 7.10 da ordem do dia provisória EPIDEMIAS RECORRENTES

Leia mais

Visa Application Form with two photos (Impresso para pedido de visto com duas fotos) Last Name Apelido First Name Primeiro Nome

Visa Application Form with two photos (Impresso para pedido de visto com duas fotos) Last Name Apelido First Name Primeiro Nome Visa Form Part A - Parte A Visa Application Form with two photos (Impresso para pedido de visto com duas fotos) TO BE FILLED BY ALL APPLICANTS FOR VISA, TYPE WRITTEN OR CAPITAL LETTERS (A ser preenchido

Leia mais

Os Imperialismos. Prof. Thiago História 1 Aula 35

Os Imperialismos. Prof. Thiago História 1 Aula 35 Os Imperialismos Prof. Thiago História 1 Aula 35 TECNOLOGIA x TRABALHADORES DIMINUIÇÃO DO CUSTO MENOR Nº DE TRABALHADORES MENOS CONSUMO 1ª GRANDE DEPRESSÃO DO CAPITALISMO SOLUÇÕES PARA CRISE A) Concentração

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL

CONTRATO DE ADESÃO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL CONTRATO DE ADESÃO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL A INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio

Leia mais

Preçário UNICAMBIO - AGENCIA DE CAMBIOS, SA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 05-set-2016

Preçário UNICAMBIO - AGENCIA DE CAMBIOS, SA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 05-set-2016 Preçário UNICAMBIO AGENCIA DE CAMBIOS, SA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 05set2016 O Preçário completo [Unicâmbio Agência de Câmbios. S.A], contém

Leia mais

Aspectos políticos e econômicos da África SUMÁRIO DE AULA. Objetivos

Aspectos políticos e econômicos da África SUMÁRIO DE AULA. Objetivos CLUBE MILITAR DEP. CULTURAL DIV. DE CURSOS SERAPREP / CM UNIDADE ÁFRICA ASSUNTO ASPECTOS POLÍTICOS E ECONÔMICOS DA ÁFRICA OBJETIVOS II. 07 à II. 13 ORIENTADOR Cel Benedito da Silva SERRA Junior SUMÁRIO

Leia mais

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)*

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)* 16 de maio de 22 As exportações brasileiras têm crescido substancialmente desde 1981 com diversificação observada no período de 1995 a 2. Baseado em dados anuais obtidos da aliceweb (http://aliceweb.desenvolvimento.gov.br/default.asp),

Leia mais

REFORÇAR O PAPEL DA MEDICINA TRADICIONAL NOS SISTEMAS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA. Relatório do Secretariado RESUMO

REFORÇAR O PAPEL DA MEDICINA TRADICIONAL NOS SISTEMAS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA. Relatório do Secretariado RESUMO 3 de Setembro de 2013 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima terceira sessão Brazzaville, República do Congo, 2-6 de Setembro de 2013 Ponto 10 da Ordem do Dia Provisória REFORÇAR O PAPEL

Leia mais

Geografia 9.º ano. Contrastes de desenvolvimento. Grupo I

Geografia 9.º ano. Contrastes de desenvolvimento. Grupo I Geografia 9.º ano Contrastes de desenvolvimento Grupo I A figura 1 representa a taxa global e regional da pobreza extrema em 1990, 2011 e 2030 (estimativa). 1. Nesta figura (A) o indicador utilizado é

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

PEP/2012 6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA

PEP/2012 6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA PEP/2012 6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar o declínio dos Impérios Inglês, Português e Francês na África (1945-1975), concluindo sobre o processo

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 Sessão 3 Retrospectiva

Leia mais

Conteúdo da Apresentação

Conteúdo da Apresentação MINAG Experiência de Diferentes Modelos de Promoção de Algodão em África e Implicações para Moçambique: Aprendendo das Reformas na África Ocidental e Oriental/Austral Baseado no estudo do Banco Mundial/MSU/Imperial

Leia mais

FAIRTRADE LABELLING INTERNATIONAL ORGANIZATION FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOR

FAIRTRADE LABELLING INTERNATIONAL ORGANIZATION FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOR FAIRTRADE LABELLING INTERNATIONAL ORGANIZATION FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOR Diretrizes: 1. Nós o queremos Nós queremos ter certeza de que todos os produtores deavantajados, de pequenas propriedades,

Leia mais

- REGRAS E VALORES PARA CARREGAMENTO DE DADOS VIA EXCEL - Ficheiro ALUNOS

- REGRAS E VALORES PARA CARREGAMENTO DE DADOS VIA EXCEL - Ficheiro ALUNOS - REGRAS E VALORES PARA CARREGAMENTO DE DADOS VIA EXCEL - Para carregamento dos dados via Excel deverão ser utilizados os ficheiros modelo que estão disponíveis no site para download em formato XLSX, referentes

Leia mais

RELATÓRIO DA REUNIÃO. Prevenir Conflitos, promover a integração

RELATÓRIO DA REUNIÃO. Prevenir Conflitos, promover a integração AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website : www. africa-union.org CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS RESPONSÁVEIS PELAS

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Relatório Africano de Desenvolvimento Humano 2016

Relatório Africano de Desenvolvimento Humano 2016 Relatório Africano de Desenvolvimento Humano 2016 ACELERAR A IGUALDADE DE GÉNERO E O EMPODERAMENTO DAS MULHERES H E N R I K F R E D B O R G L A R S E N D I R E C TO R D O P N U D E M A N G O L A 13 / 12

Leia mais

COMUNICAÇÃO PARA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO MODELO 3 DE IRS RENDIMENTOS OBTIDOS NO ESTRANGEIRO

COMUNICAÇÃO PARA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO MODELO 3 DE IRS RENDIMENTOS OBTIDOS NO ESTRANGEIRO DECLARAÇÃO (Art.º 60, n.ºs 3 e 4, do CIRS) COMUNICAÇÃO PARA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO MODELO 3 DE IRS RENDIMENTOS OBTIDOS NO ESTRANGEIRO IRS MODELO 49 1 ANO A QUE RESPEITAM OS RENDIMENTOS

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.643, DE 26 DE OUTUBRO DE 2000. Dispõe sobre diárias do pessoal civil da Administração Pública Federal direta, indireta e fundacional,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina DIVISÃO CENTRAL DE MARISTELA CRISTINA MARTINS

Universidade Estadual de Londrina DIVISÃO CENTRAL DE MARISTELA CRISTINA MARTINS DIVISÃO CENTRAL DE ESTÁGIOS E INTERCÂMBIOS MARISTELA CRISTINA MARTINS Estágios ESTÁGIO CURRICULAR LEI N 11.788 DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 ESTÁGIO NA UEL DIREITO DO ESTAGIÁRIO ASSINATURA DO TERMO DE COMPROMISSO

Leia mais

Apresentador: Jorge Correia

Apresentador: Jorge Correia SÃO TOME E PRINCIPE CENTRO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OS PAÍSES DA SUB-REGIÃO AFRICANA E DA CPLP Apresentador: Jorge Correia Presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços de São

Leia mais

Unidade 4 O mundo contemporâneo

Unidade 4 O mundo contemporâneo Sugestões de atividades Unidade 4 O mundo contemporâneo 9 HISTÓRIA Globalização 1. Leia o texto a seguir e responda às questões. As pessoas se alimentam, se vestem, moram, são transportadas, se comunicam,

Leia mais

RESUMO. facilitação do comércio;

RESUMO. facilitação do comércio; Perfil do país IÉMEN Quadro Integrado Reforçado (QIR) Q IR Iémen para a assistência em matéria de comércio aos Países Menos Avançados (PMA) RESUMO facilitação do comércio; análise da pobreza; e A classificação

Leia mais

Reflexões Regionais: África

Reflexões Regionais: África Reflexões Regionais: África PERSPECTIVA GLOBAL Fast Fact Sumário Executivo Reflexões Regionais: África é um relatório de pesquisa personalizado, que fornece uma perspectiva africana sobre as descobertas

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A FISCALIDADE CONSTRUÇÃO DO ESTADO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES EM ÁFRICA COMUNICADO DE PRETÓRIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A FISCALIDADE CONSTRUÇÃO DO ESTADO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES EM ÁFRICA COMUNICADO DE PRETÓRIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A FISCALIDADE CONSTRUÇÃO DO ESTADO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES EM ÁFRICA COMUNICADO DE PRETÓRIA Ao longo dos últimos dois dias, nós, os Comissários Fiscais, Administradores

Leia mais

Mundialização das economias

Mundialização das economias Mundialização das economias A globalização ou a mundialização é o fenómeno que tende a aumentar a integração das economias e que afecta os mercados, as operações financeiras e os processos produtivos.

Leia mais

Edital n. 07/2016 SRI Para concessão de apoio à participação de Docentes da UFRN em atividades docentes no exterior A Secretaria de Relações

Edital n. 07/2016 SRI Para concessão de apoio à participação de Docentes da UFRN em atividades docentes no exterior A Secretaria de Relações Edital n. 07/2016 SRI Para concessão de apoio à participação de Docentes da UFRN em atividades docentes no exterior A Secretaria de Relações Internacionais e Interinstitucionais da Universidade Federal

Leia mais

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço.

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço. UNIÃO INTERPARLAMENTAR A União Interparlamentar foi criada em 1894 mas as suas origens remontam a 1889, quando, por iniciativa do Reino Unido e da França, se celebrou a primeira Conferência Interparlamentar

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Relatório do FMI n. o [16/10] Janeiro de 2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE TEMAS SELECIONADOS Este documento sobre a República de Moçambique foi elaborado por uma equipa de especialistas do Fundo Monetário

Leia mais

XX ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL Área 2: Desenvolvimento Econômico PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO PARA O BRASIL NO COMÉRCIO SUL-SUL

XX ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL Área 2: Desenvolvimento Econômico PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO PARA O BRASIL NO COMÉRCIO SUL-SUL XX ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL Área 2: Desenvolvimento Econômico PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO PARA O BRASIL NO COMÉRCIO SUL-SUL Cleidi Dinara Gregori Angélica Massuquetti Rosangela Viegas Maraschin

Leia mais

Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas na África Subsaariana

Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas na África Subsaariana Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas na África Subsaariana Angola reduziu o tempo de comércio internacional fazendo investimentos em infraestrutura e administração portuárias. Áreas

Leia mais

Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014

Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014 Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014 Resultados Preliminares 16 de Outubro 2014 Estrutura da apresentação 1 2 Contexto Enquadramento metodológico a b Conceitos chave Processo de apuramento

Leia mais

Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência de Ministros Responsáveis pelos Recursos Animais em África. 1. Histórico. 2.

Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência de Ministros Responsáveis pelos Recursos Animais em África. 1. Histórico. 2. Estabelecimento de um Mecanismo Integrado de Regional para a Prevenção e Controlo de Doenças Animais Transfronteiriças e Zoonoses em África (IRCM) Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência

Leia mais

Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida. Destaques do Relatório EPT 2006

Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida. Destaques do Relatório EPT 2006 Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida Destaques do Relatório EPT 2006 A alfabetização é: Um direito que ainda é negado; Essencial para atingir a Educação para todos; Fenómeno social e individual;

Leia mais

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde 21 24 de março de 2016 Maputo, Moçambique A economia informal: conceitos,

Leia mais

CLASSIFICADOR AFRICANO DO GÉNERO

CLASSIFICADOR AFRICANO DO GÉNERO CLASSIFICADOR AFRICANO DO GÉNERO Comissão da União Africana CLASSIFICADOR AFRICANO DO GÉNERO Comissão da União Africana Dezembro de 2015 Índice Acrónimos... i Agradecimentos... v Prefácio... vi I. Contexto...

Leia mais

Angola: Potencialidades

Angola: Potencialidades Angola: Potencialidades Regionais e Internacionais Sebastião Martins 21 de Abril de 2015 Índice 1. A República de Angola em Contexto 2. As Potencialidades Domésticas da República de Angola 2.1. Económicas

Leia mais

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai IX-5 Lista de Consulado Geral e s em Kansai 1. Consulado Geral, e consulado em Kansai Consulado Geral Endereço Telefone Australia Ed. Twin 21 MID Tower 16º andar, 06-6941-9271 Consulado Geral da Austrália

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

PROTOCOLO À CARTA AFRICANA DOS DIREITOS DO HOMEM E DOS POVOS, RELATIVO AOS DIREITOS DA MULHER EM ÁFRICA

PROTOCOLO À CARTA AFRICANA DOS DIREITOS DO HOMEM E DOS POVOS, RELATIVO AOS DIREITOS DA MULHER EM ÁFRICA PROTOCOLO À CARTA AFRICANA DOS DIREITOS DO HOMEM E DOS POVOS, RELATIVO AOS DIREITOS DA MULHER EM ÁFRICA 1 PROTOCOLO À CARTA AFRICANA DOS DIREITOS DO HOMEM E DOS POVOS, RELATIVO AOS DIREITOS DA MULHER EM

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Perfil do país RDP DO LAOS

Perfil do país RDP DO LAOS Perfil do país RDP DO LAOS Quadro Integrado Reforçado (QIR) para a assistência em matéria de comércio aos Países Menos Avançados (PMA) ced han I ork En Framew tn egrated RESUMO A RDP do Laos tem-se confrontado

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 486, DE 30 DE SETEMBRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 486, DE 30 DE SETEMBRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 486, DE 30 DE SETEMBRO DE 2016 Dispõe sobre o pagamento de Diárias Nacionais e Internacionais, de Adicional de Deslocamento, de Indenização de Deslocamento e Alimentação, de

Leia mais

Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África

Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África por Por Dentro da África - segunda-feira, novembro 09, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/parceria-global-quer-erradicar-o-casamento-precoce-na-africa

Leia mais

CB ( ) CCO (1943) Beijing (2015) CA (2018) CSW 7 (1953) ECOSOC (2016) CCW (2017) OEA (2017) CPP (1919) CDH (2018) COI (1973) CIJ (2018)

CB ( ) CCO (1943) Beijing (2015) CA (2018) CSW 7 (1953) ECOSOC (2016) CCW (2017) OEA (2017) CPP (1919) CDH (2018) COI (1973) CIJ (2018) CCW CDH REPRESENTAÇÃO OFICIAL NOME COMPLETO DA REPRESENTAÇÃO Afeganistão República Islâmica do Afeganistão 1 1 1 3 Islamic Republic of Afghanistan 1 1 República da África do Sul 1 1 1 1 1 1 1 7 África

Leia mais

Esta ação visa apoiar a modernização, a acessibilidade e a internacionalização do ensino superior nos Países Parceiros.

Esta ação visa apoiar a modernização, a acessibilidade e a internacionalização do ensino superior nos Países Parceiros. I n t e r n a t i o n a l C r e d i t M o b i l i t y Esta ação visa apoiar a modernização, a acessibilidade e a internacionalização do ensino superior nos Países Parceiros. Pretende também reforçar a

Leia mais

DOU 04/10/1995. Art. 1 Os arts. 2, 6 e 13 do Decreto n 343, de 19 de novembro de 1991, passam a vigorar com as seguinte redação:

DOU 04/10/1995. Art. 1 Os arts. 2, 6 e 13 do Decreto n 343, de 19 de novembro de 1991, passam a vigorar com as seguinte redação: DECRETO Nº 1.656, DE 03 DE OUTUBRO DE 1995. (Obs.: Os artigos 2º ao 5º e os anexos deste Decreto foram revogados pelo Decreto nº 3.643, de 29 de outubro de 2000.) DOU 04/10/1995 Dá nova redação aos Artigos

Leia mais