CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DOENÇAS BRÔNQUICAS EM FELINOS JULIANA TOLEDO DUARTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DOENÇAS BRÔNQUICAS EM FELINOS JULIANA TOLEDO DUARTE"

Transcrição

1 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DOENÇAS BRÔNQUICAS EM FELINOS JULIANA TOLEDO DUARTE SÃO PAULO 2009

2 3 JULIANA TOLEDO DUARTE DOENÇAS BRÔNQUICAS EM FELINOS Trabalho de Conclusão de Curso realizado durante o 10º semestre do curso de Medicina Veterinária sobre orientação da Profª. Dra. Ana Claudia Balda. SÃO PAULO 2009

3 4 DUARTE, J.T. Asma Felina/Juliana Toledo Duarte. São Paulo: Centro Universitário FMU, p.62; 26 Notas 1.Bronquite e asma felina. I. Juliana Toledo Duarte. II. Asma Felina

4 5 JULIANA TOLEDO DUARTE DOENÇAS BRÔNQUICAS EM FELINOS Trabalho de Conclusão de Curso realizado durante o 10º semestre do curso de Medicina Veterinária sobre orientação da professora Ana Claudia Balda. Profª. Dra. Ana Claudia Balda Orientador Profª. MS. Dra. Aline Machado de Zoppa 1º avaliador M.V. Fabiana Paula Di Giorgio 2º avaliador

5 Para Duky e Honey, o gato e a cadela que me amaram da forma mais pura e que foram tão especiais em minha vida. 6

6 7 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço à Deus por me colocar neste caminho tão gratificante e permitir que tudo o que eu sempre sonhei esteja se realizando, por me auxiliar nas minhas escolhas e por me confortar nas horas difíceis. A minha formação pessoal e profissional não poderia ter sido concretizada sem a ajuda da minha mãe Elizabeth Toledo, que no decorrer da minha vida, proporcionou-me além de extenso carinho e amor, os conhecimentos da integridade, da perseverança e de procurar sempre em Deus a força maior para o meu desenvolvimento como ser humano. Por essa razão, gostaria de agradecer e reconhecer minha imensa gratidão, ninguém um dia recebeu mais amor e apoio incondicional do que tive de você. Mãe, eu te amo do umbigo! Agradeço também à minha família pela base sólida que me deu força para encarar a vida de frente, em especial minha vovó Beth e minha tia Rute que sempre me mimaram. Obrigada pela dedicação, pelos ensinamentos, e pelo apoio em todos os momentos da minha vida. Amo vocês. Ao vovô Alfeu (in memorian) que presenciou o início, que participa a distância no final e que onde está sei que torce por mim! Ao meu primo Leonardo Toledo, que sempre foi como um irmão, e a minha amiga Fernanda Fozzati, obrigada pela força de sempre, pelos conselhos, pela ajuda, pelos auxílios nas situações boas e ruins, pelas risadas e pelos momentos de descontração. Que vocês também consigam completar essa trajetória para encontrar um lugar ao sol. Ao amigo e veterano Leandro Chaud, que durante o curso também sempre esteve ao meu lado me passando força e entusiasmo para superar eventuais obstáculos e programar os mais importantes projetos para o futuro. Sou grata ao Rogério, que mesmo entrando no final do curso se tornou o melhor amigo da sala, obrigada pela atenção, pelas risadas, e pelo apoio. À minha orientadora Ana Claudia Balda, por todo o conhecimento passado, pelas supervisões, orientações e por ter me auxiliado na conclusão dessa monografia. Aos demais professores deste instituto que fizeram parte dessa jornada em sala de aula, no hospital veterinário, e nos corredores, em especial: Aline Machado de Zoppa, Ronaldo Jun Yamato, Debora Gidali Menaged, e Eduardo Lopes Eziliano (in memorian).

7 8 À Médica Veterinária Fabiana Di Giorgio, alguém em que eu me espelho e que admiro. Muito obrigada pelo apoio, por me ensinar e me ajudar nesses primeiros passos dentro da profissão e principalmente, pela amizade e todos os bons momentos compartilhados. Ao Dr. Alir Di Biaggi Filho sou muito grata, pois apesar do pouco tempo juntos, me incentivou, me ensinou e me fez apaixonar ainda mais por uma espécie ímpar, os felinos. Agradeço também a Dra. Luciana Chiara e a Dra. Cláudia Maria Joia, pela ajuda, pelos ensinamentos e pelo apoio nessa fase final da minha vida acadêmica. Aos meus antigos amigos que permaneceram comigo mesmo com toda a distância, provocada por este curso. Em especial à Carla e Fabiana. O contato é pouco, mas o carinho é imenso. Minha gratidão especial, ao Nescau, Wolverine, Mel, Delilah, e tantos outros animais que me ensinaram e me ensinam a cada dia. E finalmente a todos aqueles que direta ou indiretamente, contribuíram para esta imensa felicidade que sinto nesse momento. À todos vocês, meu muito obrigada! Venci!!!

8 9 Gatos amam mais as pessoas do que elas permitiriam. Mas eles têm sabedoria suficiente para manter isso em segredo Mary Wilkins

9 10 RESUMO DUARTE, J.T. Doenças brônquicas em felinos. 62 p, 2009 A asma felina caracteriza-se por uma reação do organismo aos diversos tipos de alérgenos ou agentes infecciosos. Essa reação conduz a uma inflamação de toda a árvore brônquica, com excesso de produção de muco e secreções. Conseqüentemente, o lúmen brônquico torna-se menor e o gato exibe algum grau de dificuldade respiratória, essa doença não tem cura e o objetivo do tratamento é reduzir a quantidade de secreções produzidas, diminuir a inflamação brônquica e, assim, promover um melhor fluxo de ar aos brônquios, diminuindo o número de crises asmáticas. Como medida profilática, deve-se eliminar os desencadeantes ambientais identificados nos arredores do paciente. Para os gatos com crises freqüentes é necessário o uso de broncodilatadores, bem como de anti-inflamatórios esteroidais. Palavras chave: Asma felina. Inflamação brônquica. Broncodilatadores. Anti-inflamatórios esteroidais.

10 11 ABSTRACT DUARTE, J.T. Doenças brônquicas em felinos [Bronchial disease in cats] 62 p, 2009 The feline asthma is characterized by a body's reaction to various types of allergens or infectious agents. This reaction leads to inflammation of the entire bronchial tree, with excess production of mucus and secretions. Therefore, the bronchial lumen becomes smaller and the cat displays some degree of breathing difficulty, this disease has no cure and the goal of treatment is to reduce the amount of secretions produced, reduce bronchial inflammation and thus promote better airflow to the bronchial tubes, reducing the number of asthma attacks. As a prophylactic measure, it should eliminate the environmental triggers identified in the vicinity of the patient. For cats with seizures frequently require the use of bronchodilators and anti-inflammatory steroids. Key words: Feline asthma. Bronchial inflammation. Bronchodilators. Anti-inflammatory steroids.

11 12 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Classificação da doença brônquica felina QUADRO 2 Resposta das vias aéreas aos estímulos nocivos QUADRO 3 Principais manifestações clínicas em gatos com doenças brônquicas QUADRO 4 Questões que podem esclarecer o tipo de doença brônquica presente QUADRO 5 Causas de Tosse e distrição respiratória em gatos QUADRO 6 Doses dos fármacos β2 agonista QUADRO 7 Dosagens dos broncodilatadores para uso em gatos QUADRO 8 Dosagens dos corticosteróides em gatos com asma e bronquite crônica QUADRO 9 Causas de não resposta aos corticosteróides em gatos com doenças brônquicas crônicas... 53

12 13 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Imagem histopatológica pulmonar de um felino com bronquite severa onde a arquitetura foi perdida FIGURA 2 Principais divisões do aparelho respiratório FIGURA 3 Imagem ilustrativa do tórax de um felino sem alterações FIGURA 4 Imagem histopatológica do brônquio de um felino, sem alterações. 20 FIGURA 5 Felino com distrição respiratória durante uma crise de asma brônquica FIGURA 6 Felino com a boca aberta demonstrando sinais de distrição respiratória severa FIGURA 7 Caixa de oxigênio FIGURA 8 Felino na caixa de oxigênio FIGURA 9 Auscultação pulmonar em um felino FIGURA 10 Percussão torácica em um felino FIGURA 11 Radiografia torácica de um felino normal, as áreas de baixa radiopacidade correspondem aos lobos pulmonares e à traquéia, que estão preenchidos por ar FIGURA 12 Radiografia torácica típica de um felino com asma FIGURA 13 Radiografia torácica de um felino com asma FIGURA 14 Radiografia torácica do mesmo felino com asma, em projeção ventro-dorsal FIGURA 15 Broncoscopia de um felino, onde nota-se diminuição do lúmen brônquico FIGURA 16 Imagens obtidas por broncoscopia FIGURA 17 Equipamento para realizar o lavado traqueal FIGURA 18 Lavado traqueal em um felino FIGURA 19 Citologia do lavado traqueal de um felino com bronquite crônica FIGURA 20 Citologia do lavado traqueal de um felino com asma. Observa-se eosinofilia e excesso de muco FIGURA 21 Citologia do lavado traqueal de um felino com pneumonia FIGURA 22 Felino em uma tenda de oxigênio FIGURA 23 Felino sendo medicado através do espaçador... 54

13 14 FIGURA 24 Espaçador utilizado para administrar a medicação inalatória em felinos FIGURA 25 Felino sendo medicado através de um espaçador caseiro FIGURA 26 Felino recebendo a medicação inalatória através de um espaçador caseiro... 56

14 15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ASPECTOS ANATÔMICOS E FUNCIONAIS FATORES PREDISPONENTES E ETIOPATOGENIA FISIOPATOGÊNIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DIAGNÓSTICO Anamnese e Exame Físico do Paciente Exame Radiográfico Broncoscopia Avaliações Cardiopulmonares Estudos Laboratoriais Lavados traqueobrônquicos Técnica do lavado traqueal DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS TRATAMENTO Tratamento emergencial Terapia intermediária e a longo prazo Terapia com broncodilatadores Terapia com corticosteróides Terapia com medicações inalatória Terapia com antibióticos Terapia com anti-histamínicos PROGNÓSTICO... 58

15 16 10 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 60

16 14 1 INTRODUÇÃO As doenças respiratórias que comumente comprometem o trato respiratório inferior dos felinos são: bronquite crônica, asma brônquica e pneumonias de origem viral e bacteriana (SHERDING, 1989). Na asma brônquica, ocorre com freqüência, um aumento da sensibilidade alérgica do animal às substâncias estranhas existentes no ar (GUYTON; HALL, 2006). Um felino pode ter mais de um tipo de bronquite, embora nem sempre seja possível a determinação dos tipos de doença brônquica presente sem o uso de testes sofisticados de função pulmonar, na maioria dos gatos podem-se utilizar os dados clínicos de rotina, dados do histórico, achados do exame físico, radiografias torácicas, análise de espécimes das vias aéreas e progressão das manifestações clínicas, para classificar a doença. A classificação proposta por Moise et al (1989, apud NELSON; COUTO, 2006), formulada com base nos processos patológicos semelhantes que ocorrem em seres humanos, é recomendada para os felinos como uma maneira de definir melhor a doença brônquica nessa espécie, a fim de obterem recomendações para o tratamento e o prognóstico (Quadro 1).

17 15 Asma Brônquica: Característica predominante: obstrução reversível das vias aéreas primariamente resultantes de broncoconstrição. Outras Características Comuns: hipertrofia do músculo liso; aumento na produção de muco, inflamação eosinofílica. Bronquite Aguda: Característica predominante: inflamação reversível das vias aéreas de curta duração (< 1-3 meses). Outras Características Comuns: aumento na produção de muco, inflamação neutrofílica e macrofágica. Bronquite crônica: Característica predominante: inflamação crônica das vias aéreas (> 2 3 meses) resultando em lesão irreversível (por exemplo, fibrose). Outras Características Comuns: aumento na produção de muco; inflamação neutrofílica, eosinofílica, ou mista; isolamento de bactérias ou microrganismos causadores de infecção ou como habitantes não-patogênicos; asma brônquica simultânea. Enfisema: Característica predominante: destruição das paredes alveolares e brônquicas, resultando em espaços aéreos periféricos aumentados. Outras Características Comuns: lesões cavitárias (bolhas); resultante de (ou simultâneo com) bronquite crônica. QUADRO 1 - Classificação da doença brônquica felina. Fonte: NELSON; COUTO, 2006 A principal causa de bronquite crônica em seres humanos é o fumo, em gatos, não foram identificadas as causas de bronquite crônica e asma. Sabe-se que a fumaça, agentes poluentes e irritantes, o granulado da caixa de areia, produtos de limpeza, problemas alérgicos, infecções e o convívio com fumantes, favorecem o aparecimento das manifestações clínicas (MORAIS, 2003). A reação alérgica provoca um edema localizado nas paredes dos bronquíolos

18 16 terminais, e um espasmo da musculatura brônquica. Estes efeitos aumentam a resistência das vias aéreas que vão aos alvéolos. O diâmetro bronquiolar torna-se ainda mais reduzido durante a expiração para se alargar novamente durante a inspiração (Figura 1) (CUNNINGHAM, 2004). FIGURA 1 - Imagem histopatológica pulmonar de um felino com bronquite severa onde a arquitetura foi perdida. Corado com hematoxilina e eosina. Fonte: MOORE, 2005 A capacidade funcional residual e o volume residual do pulmão sofrem um grande aumento durante as crises asmáticas, justamente pela dificuldade da expiração (GUYTON; HALL, 2006). Os principais fatores responsáveis pelo aumento desta resistência pulmonar são: muco, edema, inflamação, espessamento de parede brônquica e broncoconstrição (MORAIS, 2003).

19 17 2 ASPECTOS ANATÔMICOS E FUNCIONAIS O sistema respiratório é composto por estruturas tubulares que comunicam o parênquima pulmonar com o meio exterior visando conduzir o ar do meio ambiente para os alvéolos pulmonares (CUNNINGHAM, 2004). O aparelho respiratório pode ser dividido em: porção condutora composto pelas fossas nasais, nasofaringe, laringe, traquéia, brônquios e bronquíolos; porção de transição e porção respiratória representada pelos alvéolos, que são os responsáveis pela troca gasosa, ductos e sacos alveolares (Figura 2) (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). FIGURA 2 - Principais divisões do aparelho respiratório. Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008 A traquéia e os brônquios formam um sistema continuo de tubos que conduzem o ar

20 18 entre a laringe e os bronquíolos. A traquéia está unida indiretamente ao diafragma pelos ligamentos pulmonares e tecido conjuntivo mediastínico e, também, mais eficientemente, pela pressão intrapleural negativa que torna os pulmões aderentes à parede torácica, incluindo o diafragma (Figura 3) (DYCE; SACK; WENSING, 1997). Na árvore brônquica, a traquéia ramifica-se originando dois brônquios curtos, chamados de primários, que penetram no pulmão através do hilo, pelo hilo também entram artérias, e saem vasos linfáticos e veias, que formam uma estrutura revestida por um tecido conjuntivo denso, esse conjunto é conhecido como raiz pulmonar. Esses brônquios primários dão origem a outros brônquios, que vão suprir os lobos pulmonares, denominados brônquios lobares, que continuam se dividindo repetidas vezes, até formar os bronquíolos. Cada bronquíolo penetra num lóbulo pulmonar, onde se ramifica originando cerca de cinco a sete bronquíolos terminais (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008).

21 19 FIGURA 3 - Imagem ilustrativa do tórax de um felino sem alterações. Fonte: Hill s Atlas of Veterinary Clinical Anatomy, 2006 Os bronquíolos terminais darão origem a um ou mais bronquíolos respiratórios, marcando assim o início da porção respiratória, esta compreende os ductos alveolares, sacos alveolares e alvéolos (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). A laringe, traquéia e brônquios, são revestidos por tecido conjuntivo fibroelástico; nas ramificações menores dos brônquios o epitélio torna-se cilíndrico simples ciliado, seguindo para mucosa uma camada muscular lisa, formada por dois feixes musculares dispostos em espiral que circulam os brônquios. Externamente a essa camada muscular, existem glândulas do tipo mucoso ou misto, cujos ductos abrem para luz brônquica (Figura 4) (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008).

22 20 FIGURA 4 - Imagem histopatológica do brônquio de um felino, sem alterações, corado com hematoxilina e eosina. Fonte: MOORE, 2005 As partes cartilaginosas existentes são envolvidas por tecido conjuntivo rico em fibras elásticas (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). É comum encontrarmos nódulos linfáticos nos pontos de ramificação da árvore brônquica (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). Os bronquíolos que se encontram nos segmentos intralobulares, e que tem diâmetro de um milímetro ou menor, não possuem cartilagem, glândulas ou nódulos linfáticos. O epitélio que nas porções iniciais é cilíndrico simples ciliado, passa à cúbico simples ciliado ou não nas porções finais. A lâmina própria é delgada e constituída principalmente por fibra elástica (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). Comparando-se a espessura das paredes dos brônquios com as dos bronquíolos percebe-se que a musculatura bronquiolar é mais desenvolvida que a brônquica. Dessa maneira os espasmos asmáticos são causados principalmente pela contração da musculatura bronquiolar (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). A musculatura brônquica e a musculatura dos bronquíolos estão sob o controle do nervo vago e do sistema simpático. A estimulação vagal diminui o diâmetro dos segmentos brônquicos e bronquiolares, enquanto a estimulação do simpático produz efeito contrário. Assim se explica porque a adrenalina e outras drogas simpaticomiméticas são utilizadas com freqüência nas crises de asma, para relaxamento da musculatura lisa (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). O bronquíolo respiratório pode ser considerado um bronquíolo terminal, revestido por um epitélio simples que varia de colunar baixo á cubóide, podendo ainda apresentar cílios na

23 21 porção inicial. O músculo liso e as fibras elásticas estão bem desenvolvidos. É onde encontramos os alvéolos (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). Os alvéolos são expansões saculiformes e são revestidos por um epitélio capaz de realizar trocas gasosas (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). O volume do parênquima pulmonar é fornecido pelos brônquios, vasos pulmonares, tecido conjuntivo perivascular e tecido conjuntivo peribrônquico. Os brônquios principais direito e esquerdo emergem na bifurcação traqueal sobre o coração e, após entrarem no pulmão, a raiz de cada um deles, emite um brônquio para o lobo cranial, antes de continuar caudalmente (DYCE; SACK; WENSING, 1997). O pulmão direito é o maior dos dois. Possui lobos cranial, médio, caudal e acessório; o pulmão esquerdo possui um lobo cranial dividido e um lobo caudal simples. Os lobos são tão profundamente divididos por fissuras que vários deles se ligam apenas pelos brônquios e vasos sanguíneos. (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). Os lóbulos pulmonares não são perceptíveis a olho nu devido a uma membrana serosa que os envolve, denominada pleura pulmonar ou visceral (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). Os pulmões estão normalmente expandidos pela pressão do ar dentro da árvore respiratória, sendo elásticos, encolhem e colabam-se tão logo o ar entre nas cavidades pleurais por traumatismo, cirurgia ou dissecação. Possuem uma coloração que varia de intensidade com o conteúdo de sangue, os pulmões dos animais que passam suas vidas em atmosferas extremamente poluídas, adquirem uma tonalidade acinzentada, por causa do depósito de fuligem ou de outras partículas inaladas (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). Os ductos alveolares são condutos longos e tortuosos, formados por ramificações dos bronquíolos. Esse segmento possui inúmeros alvéolos e sacos alveolares em suas paredes. Os alvéolos são pequenas invaginações em forma de saco, que constituem as últimas porções da árvore brônquica (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008). O oxigênio do ar alveolar passa para o sangue capilar através de membranas, e o gás carbônico difunde-se em direção contrária (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2008).

24 22 3 FATORES PREDISPONENTES E ETIOPATOGENIA A bronquite pode se desenvolver em gatos de qualquer idade, embora seja mais comum em adultos jovens e em animais de meia-idade (NELSON; COUTO, 2006). De acordo com Morais (2003) essas doenças parecem ocorrer mais em gatos siameses, usualmente entre seis e oito anos. A origem da bronquite alérgica felina é desconhecida havendo evidências de ter como causas alérgenos inalados; portanto os proprietários devem ser cuidadosamente questionados, com o intuito de estabelecer uma associação entre as manifestações clínicas e a exposição a possíveis alérgenos ou irritantes, tais como: granulado sanitário recém-introduzido (geralmente perfumado), fumaça de cigarro ou de lareira, produtos de limpeza, itens domésticos que contenham perfumes, como desodorante ou spray para cabelos, e também qualquer modificação recente no ambiente em que vive o gato, o que poderia também ser uma fonte de alérgenos. As exacerbações e mudanças sazonais constituem outro sinal de exposição a um alérgeno em potencial, causando assim a inflamação dos brônquios (NELSON; COUTO, 2006). As ocorrências episódicas e sazonais de sinais respiratórios não são incomuns, mas a afecção freqüentemente torna-se persistente e não-sazonal (BICHARD; SHERDING, 1998).

25 23 4 FISIOPATOGÊNIA A bronquite pode ser aguda quando for de curta duração e reversível. Pacientes com bronquite aguda têm aumento de muco por inflamação neutrofílica, ou por macrófagos (MORAIS, 2003). Na bronquite crônica ou de longa duração, ocorre também o aumento de muco intraluminal com inflamação neutrofílica, eosinofílica ou mista e presença de fibrose. A bronquite crônica é um processo irreversível, mas que pode ser controlado (MORAIS, 2003). Alguns fatores reversíveis que ocorrem na bronquite aguda, por exemplo, são: broncoespasmo e inflamação. Fatores irreversíveis presentes na bronquite crônica são: fibrose e enfisema (NELSON; COUTO, 2006). A asma é uma obstrução reversível que resulta de hiperreatividade da árvore brônquica, pode acompanhar a bronquite, está associada à hipertrofia dos músculos lisos, ao aumento da produção de muco, e usualmente à inflamação eosinofílica. Várias peculiaridades anatômicas e funcionais das vias aéreas de felinos ajudam a explicar porque gatos têm asma. Como a árvore brônquica tem uma capacidade limitada de resposta aos estímulos nocivos, a exposição crônica a estes estímulos, independente da causa, leva à alterações anatômicas e funcionais similares (Quadro 2) (MORAIS, 2003). Epitélio Hipertrofia Metaplasia Erosão e Ulceração Células Globóides e Hipertrofia Aumento da produção - glândulas submucosas de muco viscoso Mucosas e Submucosas Edema Infiltrado inflamatório - bronquiais Músculo liso Bronquial Hipertrofia Espasmo - QUADRO 2 - Resposta das vias aéreas aos estímulos nocivos. Fonte: MORAIS, 2003

26 24 5 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Felinos com problemas brônquicos são trazidos à clínica por apresentarem distrição respiratória ou tosse (Quadro 3) (MORAIS, 2003). Tosse: Auscultação Pulmonar: Sonora e paroxística Produtiva Distrição Respiratória: Sibilos Crepitações Ruídos mudam de intensidade com profundidade da inspiração Manifestações Clínicas: pulmonares Expiratória ou mista Padrão Obstrutivo Presença de sons Respiração Oral Hipertermia Leve Perda de Peso Apatia Cianose Anorexia QUADRO 3 - Principais manifestações clínicas em gatos com doenças brônquicas. Fonte: MORAIS, 2003 As manifestações variam de tosse intermitente até distrição respiratória grave. Em felinos com problemas brônquicos, a tosse é paroxística, sonora, associada a chiados, e respiração ruidosa. A tosse costuma ser produtiva, e ocasionalmente é seguida de expectoração (MORAIS, 2003). De acordo com Nelson e Couto (2006) as manifestações clínicas são lentamente progressivas e não estão presentes: perda de peso, anorexia, depressão ou outras manifestações sistêmicas. Em controvérsia Sherding (1989) justifica que, a tosse pode ser tão violenta que acaba por desencadear o vômito ou a rejeição de líquidos digestivos, e isso ocorre devido à

27 25 expectoração das secreções traqueobrônquicas que estão associadas a espirros e engasgos, também relata que a principal queixa do proprietário, é a falta de apetite e o emagrecimento crônico do animal. No exame físico observa-se uma manifestação clínica importante, que é a extrema dificuldade respiratória apresentada pelo paciente, caracterizada por uma expiração laboriosa, associada ao colapso das vias respiratórias na expiração, resultante de espasmo brônquico, obstrução luminal por muco e exsudato, além do edema da musculatura lisa brônquica (LORENZ; CORNELIUS; FERGUSON 1993). Um gato em crise exibe esforços respiratórios aumentados durante a expiração, associados a taquipnéia, ficando prostrado no solo com cotovelos afastados, pescoço esticado, boca aberta com a língua para fora, com ruídos respiratórios acentuados, vulgarmente designados por farfalheira, e cianose nos casos mais severos devido à oxigenação insuficiente (Figuras 5 e 6) (SHERDING, 1989) FIGURA 5 - Felino com distrição respiratória durante uma crise de asma brônquica. Fonte: acesso em: 27 nov 2009

28 26 FIGURA 6 - Felino com a boca aberta demonstrando sinais de distrição respiratória severa. Fonte: acesso em: 27 nov 2009 Ocasionalmente além dos sibilos respiratórios, estão presentes também crepitações. Essas alterações clínicas são resultantes da obstrução das vias aéreas menores, podendo não ser digno de nota nos intervalos entre os episódios de crise asmática (NELSON; COUTO, 2006).

29 27 6 DIAGNÓSTICO A condição dos felinos que apresentam angústia respiratória aguda deve ser estabilizada antes da realização de exames diagnósticos (NELSON; COUTO, 2006). O diagnóstico presuntivo de bronquite felina é estabelecido mediante o exame clínico e exames complementares, destacando-se as radiografias torácicas. Os resultados da análise dos fluidos da lavagem traqueal e da lavagem bronco-alveolar podem confirmar a presença de inflamação das vias aéreas, e juntamente com um desses procedimentos, são realizados os testes para dirofilariose e parasitismo pulmonar, com a finalidade de identificar doenças específicas que possam estar envolvidas. Acredita-se que os gatos com bronquite (particularmente asma brônquica) apresentam eosinofilia periférica, entretanto, esse achado não é específico nem sensível, e não devendo ser utilizado para excluir, ou diagnosticar definitivamente a bronquite felina. (NELSON; COUTO, 2006). 6.1 Anamnese e exame físico do paciente A anamnese de um paciente felino com suspeita de doença brônquica deve ser completa e cuidadosa, sendo um auxílio útil no diagnóstico. As respostas do proprietário para as seguintes questões podem indicar o tipo de doença brônquica presente (Quadro 4) (MCKIERNAN, 1990).

30 28 Há quanto tempo o proprietário tem notado o problema? A duração do problema determina se a doença é crônica (persistente por meses ou anos), subaguda (menos do que 24 horas), ou está entre as duas. A tosse é produtiva ou não? Tosse que produz secreção pode ser indicativa de uma infecção, tal como bronquite. O gato tem problema respiratório? O gato ronca ou espirra? Existe secreção nasal ou ocular? Chiados ou respiração ruidosa são manifestações de doenças do trato respiratório inferior. Contudo, espirro, ronqueira, secreção nasal e ocular são características de doenças do trato respiratório superior. QUADRO 4 - Questões que podem esclarecer o tipo de doença brônquica presente. Fonte: MCKIERNAN, 1990 O veterinário deve observar o animal em sua mesa, ou na caixa de transporte, antes de iniciar o exame físico. A freqüência respiratória de um gato calmo deve ser em média de 20 a 40 respirações por minuto (SHERDING, 1989). Um gato com distrição respiratória, normalmente está ansioso e possui uma pequena reserva pulmonar, por essa razão a contenção durante o exame deve ser mínima e o exame físico deve ser realizado o mais breve possível. Muitos animais precisam ser colocados em uma caixa de oxigênio durante o exame físico (Figuras 7 e 8) (SHERDING, 1989). FIGURA 7- Caixa de oxigênio. Fonte: MOORE, 2005

31 29 FIGURA 8 - Felino na caixa de oxigênio. Fonte: MOORE, 2005 Devemos notar também, a profundidade e a regularidade da respiração, e assim classificar se essa distrição respiratória ocorre na inspiração ou na expiração. Distrição respiratória inspiratória ocorre em doenças restritas, tais como pneumotórax, efusão pleural ou neoplasia. Distrição respiratória do tipo expiratória ocorre em doenças obstrutivas tais como bronquites, bronquiectasias, edema pulmonar severo ou asma, e ainda assim a distrição respiratória pode ser mista. Pequenas respirações rápidas são típicas de doenças restritivas; respirações baixas e profundas ocorrem com doenças obstrutivas (MCKIERNAN, 1990). A temperatura retal de um paciente com distrição respiratória estará elevada devido o esforço respiratório intenso, não significando febre por infecção pulmonar, e sim hipertermia (SHERDING, 1989). Os ruídos pulmonares anormais detectados pela auscultação incluem ruídos brônquicos altos, chiados (tipicamente expiratórios), roncos e estalidos (Figura 9). O som hiperressonante pode ser obtido pela percussão (Figura 10) (BICHARD; SHERDING, 1998).

32 30 FIGURA 9 - Auscultação pulmonar em um felino. Fonte: MOORE, 2005 FIGURA 10 - Percussão torácica em um felino. Fonte: MOORE, 2005 A auscultação cardíaca é geralmente normal; no entanto, um murmúrio sistólico de origem incerta torna-se detectável em alguns gatos. Observa-se arritmia sinusal (incomum em felinos normais) nos gatos com bronquite (BICHARD; SHERDING, 1998). O que devemos lembrar é que a tosse (comum na broncopatia e infecções parasitárias brônquicas) é incomum nos gatos com insuficiência cardíaca (BICHARD; SHERDING, 1998).

33 Exame Radiográfico Radiografias são imagens produzidas pela passagem de raios X através dos tecidos, registradas em um filme fotográfico. A interação dos fótons dos raios X com os écrans intensificadores dentro do chassi produzem uma fluorescência. Esta luz interage com a prata do filme para produzir uma imagem latente. A imagem é convertida em branco e preto no processo de revelação (Figura 11) (O BRIEN, 2003). FIGURA 11 - Radiografia torácica de um felino normal, as áreas de baixa radiopacidade correspondem aos lobos pulmonares e à traquéia, que estão preenchidos por ar. Fonte: acesso em 21 nov 2009 As radiografias fornecem informações, não respostas. Qualquer posicionamento, técnica ou revelação erradas poderá levar a uma imagem sem qualidade diagnóstica (O BRIEN, 2003).

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS GIBELLINI, Caio C. SOUZA, Camila C. RODRIGUES, Taliane R. Discentes do curso de Medicina Veterinária FAMED ZAPPA, Vanessa Decente do curso de Medicina Veterinária FAMED

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso RAIOS-X AR Gordura Osso preto cinza branco Radiotransparente Radiopaco Imagens formadas pelas diferentes DENSIDADES radiográficas GÁS GORDURA TECIDOS MOLES/ ÁGUA OSSO Radiologia torácica Primeira opção

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

BRONQUITE ALÉRGICA FELINA

BRONQUITE ALÉRGICA FELINA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇAO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO "LATO SENSU" EM CLÍNICA DE PEQUENOS ANIMAIS BRONQUITE ALÉRGICA FELINA Priscila Moreira

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

PNEUMONIA E EDEMA PULMONAR: ESTUDO COMPARATIVO PNEUMONIA AND PULMONARY EDEMA: A COMPARATIVE STUDY

PNEUMONIA E EDEMA PULMONAR: ESTUDO COMPARATIVO PNEUMONIA AND PULMONARY EDEMA: A COMPARATIVE STUDY PNEUMONIA E EDEMA PULMONAR: ESTUDO COMPARATIVO PNEUMONIA AND PULMONARY EDEMA: A COMPARATIVE STUDY MURAKAMI, Vanessa Yurika Acadêmico do Curso de Medicina Veterinária da FAME/ACEG - Garça SP neessa_murakami@hotmail.com

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Tratamento - Oxigenioterapia; - Fisioterapia respiratória; - Ventilação mecânica; - Antibioticoterapia; - Hidratação; - Nutrição.

Tratamento - Oxigenioterapia; - Fisioterapia respiratória; - Ventilação mecânica; - Antibioticoterapia; - Hidratação; - Nutrição. Insuficiência Respiratória Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO Insuficiência respiratória é toda a situação que não permite

Leia mais

Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa

Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa O Sucesso da Terapêutica Homeopática VII Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa Profa. Dra. Maria Luiza Delavechia HUVET UFF; IHB; ABRAH Rinite Bilateral Crônica Rino Sinusite Trato respiratório

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR

BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 24 mg/ml Aminolex IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aminolex FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução injetável 24mg/ml. Ampola de vidro de 10 ml Solução

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO NC, sexo masculino, 66 anos, realiza TC de tórax por suspeita de fibrose pulmonar. Queixa-se de falta

Leia mais

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.:

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.: PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

COLAPSO TRAQUEAL EM YORKSHIRE: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE TOSSE

COLAPSO TRAQUEAL EM YORKSHIRE: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE TOSSE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COLAPSO TRAQUEAL EM YORKSHIRE: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE TOSSE Geovana Campanerutti Cavalaro 1, Veruska Martins da Rosa 2, Eduardo Alcântara Ribeiro 3,

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006)

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Sachs APE, Berger MY, Lucassen PLBJ, Van der Wal J, Van Balen JAM, Verduijn MM. traduzido do original em holandês

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

- TC Tórax - - Terminologia descri7va - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave.

- TC Tórax - - Terminologia descri7va - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave. - TC Tórax - - Lesões elementares / padrões fundamentais - - Terminologia descri7va - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave Abril 2012 Aprisionamento aéreo a) Inspiração b) Expiração - Retenção

Leia mais

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações:

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: secreções, líquido, corpo estranho. Doenças Obstrutivas B- Na parede da via aérea: contração do músculo liso (asma),

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON SISTEMA RESPIRATÓRIO A respiração é a troca de substâncias gasosas entre o ar que

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

TRATO RESPIRATÓRIO. Prof a Dr a Naida Cristina Borges

TRATO RESPIRATÓRIO. Prof a Dr a Naida Cristina Borges TRATO RESPIRATÓRIO Prof a Dr a Naida Cristina Borges Trato respiratório Trato respiratório ANTERIOR TÓRAX Sinais clínicos!!! Diagnóstico Trato Respiratório Anterior Trato Respiratório Anterior Caracterização

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)*

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO De acordo com a Sociedade Americana do Tórax (American Toraxic Society), os elementos diagnósticos para a DPOC são a história clínica,

Leia mais

Compreender as Exacerbações Pulmonares

Compreender as Exacerbações Pulmonares Compreender as Exacerbações Pulmonares COMPREENDER AS EXACERBAÇÕES PULMONARES INTRODUÇÃO Reconhecer as alterações nos sinais e nos sintomas da sua doença pulmonar é muito importante para o controlo da

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2)

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergências em cães e gatos Envenenamentos e intoxicações (inseticidas, venenos para roedores, produtos de limpeza, medicações, chocolates, etc) Escoriações

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Unidade 4 Funções da nutrição

Unidade 4 Funções da nutrição Sugestões de atividades Unidade 4 Funções da nutrição 8 CIÊNCIAS Nutrição. As proteínas, encontradas em alimentos como leite, ovos, carne, soja e feijão, são fundamentais para nossa saúde. Justifique essa

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais