Operações Financeiras: juros ativos, juros passivos, descontos financeiros obtidos e concedidos, Aplicações Financeiras.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Operações Financeiras: juros ativos, juros passivos, descontos financeiros obtidos e concedidos, Aplicações Financeiras."

Transcrição

1 Operações Financeiras: juros ativos, juros passivos, descontos financeiros obtidos e concedidos, Aplicações Financeiras. Ao iniciar este capítulo, é preciso saber o que vem a ser juro. Você sabe o que é juro? Segundo o dicionário Michaelis, juro pode ser: Taxa percentual incidente sobre valor ou quantia, numa unidade de tempo determinada; Remuneração que uma pessoa recebe pela aplicação do seu capital; rendimento do dinheiro aplicado. Se juro é a remuneração do dinheiro aplicado, o segundo passo é saber remuneração para quem? Veja 2(dois) exemplos: A empresa aplica um determinado valor no banco, obtendo um rendimento, conhecido como uma receita financeira. A Cia toma empréstimo junto ao banco, remunerando-o, tendo assim uma despesa financeira. Resumindo, quando se recebe juro obtém-se uma receita e quando se paga juro ocorre uma despesa. Juros Ativos e Juros Passivos Juros Ativos e Juros Passivos são os nomes técnicos utilizados na contabilidade, a palavra ativo e passivo que acompanha a palavra juro é apenas um adjetivo para qualificar os juros como positivo ou negativo. Juros Ativos: representam juros positivos, pois o adjetivo Ativo significa a favor da empresa. Neste caso, a empresa recebeu os juros, logo, trata-se de uma Receita. Ex: A empresa recebeu uma duplicata de seu cliente no valor de R$ ,00 com juros de 5,4% a.m, devido atraso de 8 dias. Calcule e contabilize na forma de diário: 5,4 / 100 = 0, ,0540 / 30 = 0,0018 (por dia) ,0018 x 8 dias = 0,0144 R$ ,00 x 0,0144 = R$ 864,00 (juros) D Banco ,00 C Juros Ativos 864,00 (receita financeira) C Duplicatas a Receber ,00 34

2 Juros Passivos: representam juros negativos para a empresa. Ocorre quando a empresa para os juros, logo, trata-se de Despesa. Ex: A empresa pagou uma duplicata junto ao fornecedor no valor de R$ ,00 com juros de 4,5% a.m, devido atraso de 5 dias. Calcule e contabilize na forma de diário: 4,5 / 100 = 0, ,0450 / 30 = 0,0015 (por dia) ,0015 x 5 dias = 0,0075 R$ ,00 x 0,0075 = R$ 375,00 (juros) D Fornecedores ,00 D Juros Passivos 375,00 (despesa financeira) C Banco ,00 O resultado financeiro é o confronto das despesas financeiras e receitas financeiras, que podem ser juros, variações monetárias, juros de clientes, rendimentos de aplicações financeiras, descontos sobre duplicatas, etc. Exercícios de Fixação: 1) São exemplos de despesas financeiras: a) Aluguéis passivos b) dividendos obrigatórios c) comissões dos vendedores d) impostos sobre o lucro e) variações monetárias negativas 2) Uma empresa que consegue pagar uma duplicata com desconto, mas concede um desconto na venda de seu produto, está respectivamente: a) aumentando e diminuindo seu resultado bruto, apenas. b) diminuindo seu resultado bruto e seu resultado operacional c) aumentado seu resultado bruto e diminuindo o seu resultado operacional d) aumentado o seu resultado operacional e diminuindo o seu resultado bruto e) aumentando resultado bruto e seu resultado operacional Professor EUCLIDES BEZERRA 35

3 3) Não pode ser considerada uma despesa financeira: a) Juros cobrados pelo fornecedor, devido pagamento em atraso. b) Juros dos financiamentos de Bancos. c) abatimentos concedidos aos clientes pelo fato dos produtos apresentarem defeitos. d) desconto concedido ao cliente pelo pagamento antecipado da duplicata. e) juros dos empréstimos bancários. Descontos Financeiros Obtidos - são aqueles que a empresa recebe, após garantir a condição imposta pelo fornecedor. Um exemplo de condição é o pagamento antecipado de uma duplicata antes da data de vencimento, obtendo um desconto. Exemplo: pagamento antecipado de uma nota promissória valor de R$ ,00, com desconto de 5%. D Nota Promissória a Pagar ,00 C Descontos Obtidos 1.800,00 (receita financeira) C Banco ,00 Descontos Financeiros Concedidos - São aqueles que a cia concede aos seus clientes, impondo-lhes alguma condição. Um exemplo de condição é a exigência de quitação da dívida antes da data de vencimento, dando-lhe um desconto. Exemplo: recebimento antecipado de uma duplicata no valor de R$ ,00, com desconto de 4%. D Banco ,00 D Descontos Concedidos C Duplicatas a Receber ,00 Operações Financeiras 2.520,00 (despesa financeira) As empresas quando possui excesso de caixa efetua aplicações financeiras com as sobras de caixa e quando precisa de caixa normalmente capta recursos por meio de empréstimos bancários. A aplicação das sobras de caixa no mercado financeiro por meio de aplicações financeiras, para não deixar os recursos parados na conta corrente são investimentos temporários, de curtíssimos prazos e de liquidez imediata, uma vez que a empresa poderá necessitar dos recursos para operacionalizar as suas operações. Essas aplicações renderão juros sobre o valor aplicado. São também conhecidos como operações financeiras ativas. Agora quando a empresa tem insuficiência de caixa, precisa captar recursos e uma forma dessa captação são os empréstimos bancários. Nesta operação a cia paga juros ao credor sobre o valor emprestado. Os empréstimos são operações financeiras passivas. Professor EUCLIDES BEZERRA 36

4 Exemplo Aplicações Financeiras: Em 01 de março de 2009, a Cia EBS efetuou aplicação financeira de curto prazo no Banco SSB S/A, onde possui conta corrente, no valor de R$ 3.250,00. No dia 31 de março, a empresa resgatou o valor de R$ 3.550,00. O banco descontou 15% de imposto de renda. Na aplicação: D Aplicações Financeiras 3.250,00 C Banco 3.250,00 No resgate: D Banco 3.505,00 D IRRF a Recuperar 45,00 (*) C Aplicações Financeiras 3.250,00 C Receitas Financeiras 300,00 (*) este direito será abatido, por ocasião da apuração do IRPJ. A alíquota de IR retido poderá variar de 22,5% a 15% em função do prazo de aplicação. Exemplo Empréstimos Bancários: Em 15 de abril de 2009, a Cia NOVERMELHO efetuou um empréstimo bancário, com juros pré-fixados de 9% a.m. no Banco LUCRO S/A, onde possui conta corrente, no valor de R$ ,00 com vencimento em 15 de maio de O banco cobrou a TAC (taxa de abertura de crédito) equivalente a 0,25% sobre o empréstimo principal. Na contratação do empréstimo: D - Banco ,00 D - Tarifas Bancárias 30,00 C - Empréstimos a Pagar ,00 D - Juros a Vencer 1.080,00 (ativo circulante) C - Empréstimos a Pagar 1.080,00 Pelo reconhecimento da despesa de juros relativo ao mês de abril (15 dias) D - Despesas de Juros 540,00 C - Juros a vencer 540,00 (ativo circulante) Pelo pagamento do empréstimo bancário: D - Empréstimos a pagar ,00 C - Banco ,00 Pelo reconhecimento da despesas de juros relativos ao mês de maio (15 dias) D - Despesa de Juros 540,00 C - Juros a vencer 540,00 Professor EUCLIDES BEZERRA 37

5 Exercício de Fixação EXPERTISE S/A BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2009 EM R$ (REAIS) ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE BANCO ,00 SALÁRIOS A PAGAR ,00 DUPLICATAS A RECEBER ,00 FORNECEDORES ,00 ESTOQUE ,00 ATIVO NÃO CIRCULANTE PATRIMÔNIO LÍQUIDO IMOBILIZADO CAPITAL SOCIAL ,00 VEÍCULOS ,00 RESERVAS DE LUCROS ,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA (3.000,00) TOTAL DO ATIVO ,00 TOTAL DO PASSIVO + PL ,00 Em 31/12/2009, a empresa possuía 150 televisores de 27 polegadas no seu estoque. Durante o mês de janeiro/2010, ocorreram os seguintes fatos: 02/JAN Recebimento antecipado de 90% das duplicatas. Foi concedido um desconto de 6%. 05/JAN Pagamento dos salários do mês anterior. 08/JAN Venda de 120 televisores, a vista, por R$ 900,00 cada. 11/JAN Aplicação efetuada no Banco Kido S/A, no valor de R$ ,00, com taxa de juros pré-fixadas de 6% a.m. (juros simples). 15/JAN Pagamento ao fornecedor, o valor constante no Balanço Patrimonial. Por falhas do contas a pagar, foi pago com atraso, com juros de mora de 3% a.m. O pagamento deveria ser efetuado no dia 05/JAN. 31/JAN Provisão dos salários do mês no valor de R$ ,00. 31/JAN Contabilizar o rendimento da aplicação financeira, correspondente ao período de janeiro/ /JAN A taxa de depreciação dos veículos é de 20% a.a. ICMS/PIS/COFINS não cumulativo. Vendas em São Paulo Elaborar lançamentos na forma de diário, razonetes, Demonstração do Resultado do Exercício e Balanço Patrimonial do mês de Janeiro/2010. Professor EUCLIDES BEZERRA 38

6 Demonstração do Resultado do Exercício da encerrado em RECEITA BRUTA DE VENDAS (-) DEDUÇÕES Vendas Canceladas Descontos Incondicionais ICMS PIS COFINS (=) RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS (-) CMV (=) LUCRO BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesas com vendas Despesas Gerais e Administrativas (=) Resultado antes das Receitas e Despesas Financeiras (-) Despesas e Receitas Financeiras (=) Resultado antes dos tributos sobre o Lucro (-) Imposto de Renda e Contribuição Social s/ Lucro Líquido (=) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO DUPLICATAS DESCONTADAS Quando as empresas necessitam de recursos financeiros, elas têm como uma das alternativas captar recursos por meio das duplicatas emitidas junto aos seus clientes. Esses títulos de crédito que garantem o recebimento de suas vendas. De posse desses títulos de crédito, as empresas, havendo essa necessidade, transfere essas duplicatas para os bancos por meio de endosso. Caso um dos seus clientes não pague a duplicata, o banco debita na conta da empresa. Exemplo: A empresa desconta R$ 8.000,00 de duplicatas no banco DSR.O banco cobra R$ 400,00 de juros pelo prazo de 30 dias e despesa bancária de R$ 25,00. Esta operação foi efetuada no dia 01/04/2009. Como contabilizar? D Banco 7.575,00 D Encargos Financeiros a Apropriar 400,00 (ativo circulante) D Tarifas Bancárias 25,00 C Duplicatas Descontadas 8.000,00 (conta redutora do ativo circulante) Professor EUCLIDES BEZERRA 39

7 No final do mês a empresa recebe o aviso do Banco que o Cliente pagou o título. O que fazer agora? Reconhece os juros e baixa a duplicata: D Juros Passivos 400,00 C Encargos Financeiros a Apropriar 400,00 (ativo circulante) D Duplicatas Descontadas 8.000,00 (conta redutora do ativo circulante) C Duplicatas Receber 8.000,00 E se o cliente não efetuasse o pagamento do título. Como ficaria o lançamento? D Juros Passivos 400,00 C Encargos Financeiros a Apropriar 400,00 (ativo circulante) D Duplicatas Descontadas 8.000,00 (conta redutora do ativo circulante) C Banco 8.000,00 Exercício de Fixação: A) A empresa CAEX S/A em 31/05/2009, descontou no banco as seguintes duplicatas Nº 0039 valor de R$ ,00 vencimento 30/06/2009 Nº 0040 valor de R$ ,00 vencimento 31/07/2009 Nº 0041 valor de R$ ,00 vencimento 31/08/2009 Os valores negociados junto ao banco, foram: R$ 150,00 de despesas bancárias e juros à taxa de 4% a.m. Calcule e contabilize, sabendo-se que todas as duplicatas foram liquidadas nos respectivos vencimentos. Professor EUCLIDES BEZERRA 40

8 B) A empresa CAEX S/A em 31/05/2009, descontou no banco as seguintes duplicatas Nº 0039 valor de R$ ,00 vencimento 30/06/2009 Nº 0040 valor de R$ ,00 vencimento 31/07/2009 Nº 0041 valor de R$ ,00 vencimento 31/08/2009 Os valores negociados junto ao banco, foram: R$ 120,00 de despesas bancárias e juros à taxa de 5% a.m. Calcule e contabilize, sabendo-se que duplicata nº 0040 não foi liquidada, apenas as 0039 e C) A empresa CAEX S/A em 31/05/2009, desconto no banco as seguintes duplicatas Nº 0039 valor de R$ ,00 vencimento 30/06/2009 Nº 0040 valor de R$ ,00 vencimento 31/07/2009 Nº 0041 valor de R$ ,00 vencimento 31/08/2009 Os valores negociados junto ao banco, foram: taxa de R$ 120,00 de despesas bancárias e juros à taxa de 4% a.m. Calcule e contabilize, sabendo-se que duplicata nº 0041 não foi liquidada, apenas as 0039 e Professor EUCLIDES BEZERRA 41

9 D) A empresa CAEX S/A em 31/07/2009, descontou no banco as seguintes duplicatas Nº 0040 valor de R$ ,00 vencimento 31/08/2009 Nº 0041 valor de R$ ,00 vencimento 30/09/2009 Os valores negociados junto ao banco, foram: R$ 120,00 de despesas bancárias e juros à taxa de 5% a.m. Calcule e contabilize, sabendo-se que todas as duplicatas foram liquidadas nos respectivos vencimentos. Professor EUCLIDES BEZERRA 42

10 Cálculo e contabilização da Contribuição Social Sobre o Lucro (CSLL) e Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ); A manutenção do Estado se dá através na sua grande maioria pela arrecadação de tributos. Você sabe o que tributo? O CTN Código Tributário Nacional em seu artigo 3º descreve: Tributo é toda prestação pecuniária compulsiva, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. O CTN, ainda complementa em seu artigo 5º: os tributos são impostos, taxas e contribuições de melhoria. Mas seguindo a linhas de outros doutrinadores, existem também As Contribuições Especiais, e os Empréstimos Compulsórios, pois os mesmos possuem as mesmas características de tributo. Por que o contribuinte tem que pagar imposto de renda? O CTN, artigo 43º determina que a aquisição de disponibilidade econômica ou jurídica, que podem ser: produto do capital (renda), do trabalho ou combinação de ambos, proventos de qualquer natureza, acréscimos patrimoniais são passíveis de imposto de renda. Fiscalmente, analisando as empresas jurídicas, por exemplo, a ocorrência dos lucros se dá por meio das suas atividades operacionais e a lei determina que o fato gerador (ocorreu lucro) é passível de imposto de renda. Além das leis, existe o RIR Regulamento do Imposto de Renda, que dá as diretrizes para o cálculo e recolhimento deste tributo. O RIR/99 determina que sobre a base de cálculo será aplicada a alíquota de 15%. Além dessa alíquota, a parcela da base de cálculo que exceder ao resultado da multiplicação de R$ ,00 pelo número de meses do respectivo período de apuração ficará sujeita a incidência de adicional de IRPJ, aplicando a alíquota de 10%. Exemplificando, a Stilus S/A obteve um resultado positivo antes IR no valor de R$ ,00 em 31/03/2008 (3 meses). Lucro antes IRPJ - R$ ,00 Imposto: R$ ,00 x 15% - R$ ,00 Imposto adicional: (R$ , ,00) x 10% - R$ 2.000,00 Total a Recolher R$ ,00 D IRPJ C PROVISÃO PARA IRPJ R$ ,00 (Resultado) R$ ,00 (Passivo Circulante) ou IRPJ A PAGAR Professor EUCLIDES BEZERRA 43

11 De um modo geral, a CSLL segue o mesmo procedimento que o IRPJ. A alíquota atual é de 9%. Utilizando a mesma base dos dados anteriores: R$ ,00 x 9% = R$ 7.200,00 D CSLL R$ 7.200,00 (Resultado) C PROVISÃO PARA CSLL R$ 7.200,00 (Passivo Circulante) ou CSLL A PAGAR Exercício de Fixação: 1) Calcule e faça os lançamentos contábeis do IRPJ e a CSLL da Cia SIMBA, sabendo-se que o Resultado Operacional anual foi de R$ ,00. 2) Calcule e faça os lançamentos contábeis do IRPJ e a CSLL da Cia MUFAZA, sabendo-se que o Resultado Operacional mensal foi de R$ ,00. 3) Calcule e faça os lançamentos contábeis do IRPJ e a CSLL da Cia RAJAR, sabendo-se que o Resultado Operacional em 30/06/2010 foi de R$ ,00 e a empresa entrou em atividade em 01/04/2010. Professor EUCLIDES BEZERRA 44

12 PROVISÃO PARA CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA PCLD A PCLD Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa é uma conta redutora do ativo que retifica a conta duplicatas a receber ou clientes, buscando apresentar as futuras inadimplências no que diz respeito às vendas a prazo, apresentando o seu valor líquido de realização. Esta prática atende ao Princípio Contábil da Prudência, que determina a adoção do menor valor para os componentes do ATIVO e do maior para os do PASSIVO, sempre que se apresentarem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o patrimônio líquido.(resolução CFC nº 750/93 - artigo 10) Esta provisão é efetuada no final do encerramento do exercício, estimando quanto a empresa deixará de receber, por meio de um percentual aplicado sobre as duplicatas a receber. Para um controle mais próximo da realidade recomenda-se fazer um estudo minucioso junto as duplicatas a receber, diminuindo cada vez os seus riscos e com isso as suas perdas. A constituição da PCLD tem como contrapartida uma conta de Despesas com Crédito de Liquidação Duvidosa (DCLD), que faz parte do grupo de Despesas com Vendas, sendo uma despesa operacional. O lançamento a ser efetuado é assim: D DCLD xxxxxx (Despesas com Vendas DRE) C PCLD xxxxxx (Ativo circulante conta redutora BALANÇO PATRIMONIAL) Até o ano de 1976, o FISCO determinava um percentual que era aplicado sobre as duplicatas a receber, na qual a despesa era dedutível para fins de Lucro Real, mas com a promulgação da Lei nº 9.430/96 as regras foram alteradas, seguindo as seguintes regras, a partir de 01 de janeiro de 1977: I. com declaração de insolvência do devedor, em sentença emanada do Poder Judiciário; II. sem garantia, de valor: a) até R$ 5.000,00, por operação, vencidos há mais de seis meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento; b) acima de R$ 5.000,00 até ,00, por operação, vencidos há mais de um ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, porém mantida a cobrança administrativa; c) superior a R$ ,00, vencidos há mais de um ano, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento; III. Com garantia (proveniente de vendas com reserva de domínio, de alienação fiduciária em garantia ou de operações com outras garantias reais, tais como o penhor de bens móveis e a hipoteca de bens), vencidos há mais de dois anos, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; IV. contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica declarada concordatária, relativamente à parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar. Professor EUCLIDES BEZERRA 45

13 Observação 1: Não se deve calcular a provisão sobre direitos provenientes de vendas com reserva de domínio, de alienação fiduciária em garantia ou de operações com garantia real. Observação 2: É proibida a dedução de perdas relativas a dívidas cujos responsáveis sejam empresas controladoras, controladas, coligadas ou interligadas. Vamos fazer o ciclo completo! Constituição A empresa PROVENDA LTDA no final do exercício de 2008, possui um saldo na conta duplicatas a receber no valor de R$ ,00. Pelo estudo dos exercícios anteriores, verificou que as perdas ocorridas nos últimos três exercícios foram de 4%, sendo este percentual a ser aplicado: R$ ,00 x 4% = R$ ,00 D DCLD ,00 (Despesas com Vendas DRE) C PCLD ,00 (Ativo circulante conta redutora BALANÇO PATRIMONIAL) Provisão Suficiente Durante o mês de janeiro de 2009, depois de esgotados todos os recursos disponíveis na cobrança, uma duplicata no valor de R$ 6.500,00 tornou-se incobrável. A empresa ainda recebeu neste período o montante de R$ ,00. O título que se tornou incobrável precisa ser baixado da contabilidade. Lembre-se que a empresa possuía R$ ,00 em duplicatas a receber. Lançamento contábil no diário: D PCLD 6.500,00 (AC conta redutora BALANÇO PATRIMONIAL) C DUPLICATAS A RECEBER 6.500,00 (AC BALANÇO PATRIMONIAL) Quais são os saldos das DUPLICATAS A RECEBER e da PCLD no final de janeiro de 2009? Duplicatas a Receber PCLD , , , , , , ,00 Provisão Insuficiente Durante o mês de abril, mais uma duplicata tornou-se incobrável, obrigando a ser efetuada a baixa na contabilidade. O valor da duplicata a receber era de R$ 8.000,00, maior que o saldo que constava na provisão. Durante o período de fevereiro a abril a empresa, havia recebido o montante de R$ ,00. Vamos ao lançamento! Professor EUCLIDES BEZERRA 46

14 Lançamento contábil no diário: D PCLD 7.500,00 (AC conta redutora BALANÇO PATRIMONIAL) D Perdas com Cliente 500,00 (Despesas com Vendas DRE) C DUPLICATAS A RECEBER 8.000,00 (AC BALANÇO PATRIMONIAL) Quais são os saldos das DUPLICATAS A RECEBER e da PCLD no final de abril de 2009? Duplicatas a Receber PCLD PERDAS C/ CLIENTES , , , ,00 500, , ,00 Reversão do saldo existente e a constituição de uma nova PCLD Imagine que no final do exercício não foi utilizado o saldo da PCLD na sua totalidade, neste caso, o saldo precisa ser baixado e constituído uma nova provisão, da seguinte forma: Saldo da PCLD R$ 9.000,00 Lançamento contábil no diário: D PCLD 9.000,00 (AC conta redutora BALANÇO PATRIMONIAL) C Recuperação de Despesas 9.000,00 (dedução das Despesas com Vendas DRE) * * Pode-se utilizar a conta com o nome Outras Receitas Operacionais, Receitas Eventuais ou ainda Reversão de Provisões Complementação de Saldo Existente A empresa em 31/12/209 possuía um saldo de duplicatas a receber no valor de R$ ,00 e uma PCLD de R$ 9.000,00 e adota o sistema de complementação, eliminado a reversão do saldo existente. A taxa a ser aplicada pelos estudos foi de 4%. Vamos ao lançamento: R$ ,00 x 4% = R$ ,00 (-) saldo constante na PCLD = R$ 9.000,00 Saldo a provisionar = R$ 7.000,00 D DCLD 7.000,00 (Despesas com Vendas DRE) C PCLD 7.000,00 (Ativo circulante conta redutora BALANÇO PATRIMONIAL) PCLD DCLD 9.000, , , ,00 Professor EUCLIDES BEZERRA 47

15 Exercício 1 NEVER FORGET S/A Balanço Patrimonial encerrado em 31/12/ em R$ Ativo Passivo Ativo Circulante Passivo Circulante Banco ,00 Fornecedores ,00 Duplicatas a Receber ,00 Salários a Pagar ,00 PCLD (5.892,00) Estoques ,00 Patrimônio Líquido Capital Social ,00 Total do Ativo ,00 Total do Passivo + PL ,00 A empresa Never Forget S/A compra e vende guitarra. No final do ano de 2008, possuía em seu estoque 900 unidades. Durante o ano de 2009 ocorreram os seguintes fatos: a) 05/JANEIRO Pagamento dos salários constante no Balanço Patrimonial. b) 15/MARÇO - Venda de 500 guitarras por R$ 1.490,00 cada. Nesta transação foi concedido um desconto de 4%. A cia recebeu 50% a vista e o saldo para receber proporcionalmente em 4 vezes: dupl /MAIO / dupl /DEZEMBRO / dupl /JANEIRO/2010 e dupl /MARÇO/2010. c) 30/ABRIL - Descontado as seguintes duplicatas constante no Balanço Patrimonial, junto ao Banco EBS S/A, com juros de 5% a.m. duplicata nº 082 R$ ,00 vencimento 30/05/2009 duplicata nº 083 R$ ,00 vencimento 30/05/2009 OBS: A duplicata 081 R$ 4.400,00 está a 4 meses atrasada. d) 30/ABRIL - Foi pago todo o valor devido aos fornecedores. e) 30/MAIO - a empresa recebeu a duplicata vencida em 15/MAIO, com juros de 4% a.m. f) 30/MAIO O Banco emitiu aviso que as duplicatas descontadas foram liquidadas. g) 15/JULHO Após todas as tentativas legais, a duplicata 081 foi considerada incobrável, devendo assim proceder a sua baixa. h) 31/DEZEMBRO Provisão dos salários do período no valor de R$ ,00 i) 31/DEZEMBRO Constituição do complemento da PCLD a taxa de 3%. ICMS/PIS/COFINS não cumulativo Vendas em São Paulo IRPJ 15% + 10% se houver adicional e CSLL 9% Efetuar o diário, DRE e Balanço Patrimonial do ano de Exercício 2 - Utilizando o Balanço Patrimonial abaixo e sabendo-se que durante o mês de janeiro/2010, ocorreram os seguintes fatos: a) 10/jan Recebimento de 60% das duplicatas a receber constante no Balanço Patrimonial de 31/12/2009; b) 15/jan - Venda a prazo de 64% do seu estoque por R$ ,00. c) 20/jan - O Banco emitiu aviso que 46% das duplicatas descontadas foram liquidadas. Professor EUCLIDES BEZERRA 48

16 d) 31/jan - um de seus clientes entrou em falência, tornando uma de suas duplicatas incobrável, no valor de R$ 3.600,00. ICMS/PIS/COFINS não cumulativo Vendas em São Paulo IRPJ 15% + 10% se houver adicional e CSLL 9% Efetuar o diário, DRE e Balanço Patrimonial do mês de janeiro/2011. POWER S/A - BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2009 em R$ (Reais) ATIVO PASSIVO Banco ,00 Salários a Pagar ,00 Duplicatas a Receber ,00 Duplicatas Descontadas (24.000,00) PCLD (3.000,00) Estoque ,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social ,00 Reservas de Lucros ,00 TOTAL ,00 TOTAL ,00 Professor EUCLIDES BEZERRA 49

17 Cálculo e Contabilização Folha de Pagamento e Encargos Sociais Folha de Pagamento de salários é um documento no qual são relacionados os nomes dos empregados da empresa com cargo, data de admissão, o valor bruto dos vencimentos, os descontos e adiantamentos e o valor líquido que cada um tem a receber. A mais simples folha de pagamento possui: o valor bruto dos salários, o valor do desconto do INSS e o valor líquido que os empregados receberão. Para tanto, temos que conhecer as tabelas abaixo: Salário de Contribuição do INSS - R$ (jul/2011) Alíquota para fins de Recolhimento do INSS (%) até 1.107,52 8% de 1.107,53 a 1.845,87 9% de 1.845,88 a 3.691,74 11% Teto de Contribuição do INSS R$ 406,09 Salário Família jul/2011 R$ 29,43 para quem ganha até R$ 573,91 R$ 20,74 para quem ganha até R$ 862,60 Imposto de Renda - base - abril/2011 Rendimento Alíquota Deduções Até R$ 1.566,61 isento - De R$ 1.566,62 a R$ 2.347,85 7,50% R$ 117,49 De R$ 2.347,86 a R$ 3.130,51 15% R$ 293,58 De R$ 3.130,52 a R$ 3.911,63 22,50% R$ 528,37 Acima R$ 3.911,63 27,50% R$ 723,95 Deduções para empregado assalariado: R$ 157,47 por dependente; pensão alimentícia paga por acordo judicial ou por escritura pública; contribuição à previdência social; R$ 1.566,61 por aposentadoria a quem já completou 65 anos de idade; contribuições à previdência privada. Além dos salários dos empregados, o empregador precisa pagar também os encargos que incidem sobre a folha de salários, como o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e a parte patronal da contribuição da Previdência Social. Vamos a um exemplo prático, A empresa contratou um empregado para o cargo de assistente contábil, no dia 01/julho/2011, por um salário de R$ 2.500,00, sem dependentes, devendo efetuar o pagamento líquido no dia 05/agosto/2011. Como calcular e contabilizar? Professor EUCLIDES BEZERRA 50

18 No mês de julho é contabilizado a provisão da folha de salários, da seguinte forma: D Despesas com salários 2.500,00 C Salários a Pagar 2.500,00 Depois temos que efetuar os descontos, primeiramente da contribuição da Previdência Social. Neste caso, ficaria assim: R$ 2.500,00 x 11% (ver tabela) = R$ 275,00 D Salários a Pagar 275,00 C Contribuições de Previdência a Recolher 275,00 (passivo circulante) Devido este empregado não possuir dependente e o valor ser acima do limite do salário família, não receberá este benefício, mas o valor pode ser passível de imposto de renda. Vamos ver? A base para o IRRF (imposto de renda retido na fonte) será R$ 2.500,00 R$ 275,00 = R$ 2.225,00. Pela tabela do imposto de renda, deve ser aplicado 7,5%. Qual será o valor a ser descontado? R$ 2.225,00 x 7,5% = R$ 166,88 R$ 117,49 (dedução que consta na tabela) = R$ 49,39 (valor a ser descontado. Vamos contabilizar! D Salários a Pagar 49,39 C IRRF a Recolher 49,39 (passivo circulante) Com esses lançamentos o empregado irá receber no mês seguinte o valor líquido de R$ 2.175,61 Após a contabilização da folha, a empresa precisa apropriar os encargos sociais, sendo eles a Previdência Social e o FGTS. Seguindo o nosso exemplo os valores seriam: Previdência Social parte da empresa R$ 2.500,00 x 26,8% = R$ 670,00 FGTS R$ 2.500,00 X 8% = R$ 200,00 D Contribuições de Previdência C Contribuições de Previdência a Recolher 670,00 (despesa administrativa ou c/vendas) 670,00 (passivo circulante) D FGTS C FGTS a Recolher Notas: 200,00 (despesa administrativa ou c/vendas) 200,00 (passivo circulante) Os 26,8% devidos pela empresa sobre o total bruto da Folha de Pagamento para a Previdência Social tem o seguinte destino: - para a própria Previdência Social...20,0% - para o Seguro Acidente do Trabalho (SAT)...1,0% - para terceiros: Salário Educação...2,5% INCRA...0,2% SENAI/SENAC/SENAT...1,0% SESI/SESC/SEST...1,5% SEBRAE ,6% Total ,8% Professor EUCLIDES BEZERRA 51

19 A porcentagem destinada ao Seguro Acidente do Trabalho SAT poderá ser de 1%, 2% ou 3%, conforme o risco de acidente do trabalho da atividade preponderante da empresa seja considerado leve, médio ou grave. Os percentuais apresentados neste item relativos às retenções sobre a Folha de Pagamento e à parte patronal, podem ser freqüentemente alterados pela Previdência Social. Portanto, na vida prática, deve-se ficar atento a possíveis mudanças na legislação federal para efetuar os cálculos corretamente. Utilizamos a conta de despesa correspondente, mas podemos utilizar a conta de encargos sociais. Quanto a conta Contribuições de Previdência, pode-se utilizar a conta INSS. Exercício de Fixação Contabilizar a folha de salários de julho/2011, que será paga no mês seguinte, com os seguintes dados: Empregados cargo salário dependentes Kelly Silva Recepcionista R$ 1.200,00 não possui Geane Oxford Gerente Financeira R$ 4.800,00 2 Contabilizar a folha de salários de agosto/2011, que será paga no mês seguinte, com os seguintes dados: Empregados cargo salário dependentes Carol Santos Auxiliar Contábil R$ 1.500,00 1 Mariana Xaiane Controller Senior R$ 8.500,00 não possui Professor EUCLIDES BEZERRA 52

20 Outros tipos de descontos - Adiantamento de Salários Normalmente as empresas concedem adiantamento de salários a seus empregados, correspondente a 40% do salário normal e efetua o desconto no momento do pagamento. Veja o exemplo: O empregado ganha R$ 1.960,00 por mês. A empresa paga os salários do dia 05 de cada mês e concede adiantamento salarial de 40% todo dia 20 de cada mês. R$ 1.960,00 x 40% = R$ 784,00 Lançamento contábil no dia 20 D Adiantamento de Salários 784,00 (Balanço Patrimonial ativo circulante) C Banco 784,00 No dia 30, contabiliza-se a folha e efetua a baixa do adiantamento de salário, debitando a conta salário a pagar. Concessão de Vale Transporte De acordo com a Lei nº 7.418, de 16/12/1985, todo trabalhador tem direito ao vale transporte, para se deslocar da residência para o trabalho e vice-versa. O empregado que recebe o vale transporte colabora com o custeio de até 6% do seu salário com este benefício e a empresa arca com a diferença. Veja o exemplo: O empregado utiliza o total de 4 conduções por dia no percurso da residência para a empresa, tendo um custo mensal de R$ 235,40 para 22 dias úteis. O empregado ganha o valor mensal de R$ 1.000,00 A empresa adquire o vale transporte e contabiliza assim: D Adiantamento de Vale Transporte 235,40 (Ativo circulante) C Banco 235,40 Na contabilização da folha (no final do mês), a empresa desconta o vale transporte e baixa o saldo para despesa: R$ 1.000,00 x 6% = R$ 60,00 D Salários a Pagar 60,00 C Adiantamento de Vale Transporte 60,00 D Despesas c/ vale transporte 175,40 C Adiantamento de Vale Transporte 175,40 Exercício de Fixação Com base nos dados abaixo, contabilize: adiantamento de 40%, o vale transporte e a folha de salários de agosto/2011, que será paga no mês seguinte: Empregados cargo salário dependentes vale transporte Marina Santos Assistente Adm R$ 2.800,00 2 R$ 235,40 Gilberto Silva Office-boy R$ 1.000,00 não possui R$ 177,10 Professor EUCLIDES BEZERRA 53

21 Cálculo e Contabilização Provisão de Férias e 13º Salário Férias é sinônimo de descanso e é direito do empregado, que deve ser concedido anualmente pelo empregador, para o mesmo descansar, sem prejuízo da remuneração. (art. 129 CLT Consolidação das Leis do Trabalho). Além das férias, o empregado tem o direito ao acréscimo de 1/3 do salário normal. Se o empregador é obrigado a conceder férias aos seus empregados, estes valores devem ser provisionados mensalmente. E a Receita Federal deve aceitar esta provisão, conforme determina o artigo 337 do RIR/99: Art O contribuinte poderá deduzir, como custo ou despesa operacional, em cada período de apuração, importância destinada a constituir provisão para pagamento de remuneração correspondente a férias de seus empregados (Decreto-Lei nº 1.730, de 1979, art. 4º, e Lei nº 9.249, de 1995, art. 13, inciso I). 1º O limite do saldo da provisão será determinado com base na remuneração mensal do empregado e no número de dias de férias a que já tiver direito na época do encerramento do período de apuração (Decreto-Lei nº 1.730, de 1979, art. 4º, 1º). 2º As importâncias pagas serão debitadas à provisão, até o limite do valor provisionado (Decreto- Lei nº 1.730, de 1979, art. 4º, 2º). 3º A provisão a que se refere este artigo contempla a inclusão dos gastos incorridos com a remuneração de férias proporcionais e dos encargos sociais, cujo ônus cabe à empresa. Isto quer dizer que o empregador efetua a provisão proporcional mensal do valor que pagará ao empregado, e no momento da concessão das férias, efetua a sua baixa. Vamos ao exemplo: O empregado entrou na empresa no dia 01 de agosto de O seu salário mensal é de R$ 2.868,00 Vamos aos cálculos! R$ 2.868,00 / 12 meses = R$ 239,00 = 1/12 e, Mais 1/3 = R$ 239,00 / 3 = R$ 79,67 A provisão de férias será = R$ 239,00 + R$ 79,67 = R$ 318,67 Diário em 31 de agosto de D Férias C Provisão de Férias 318,67 (DRE despesa administrativa/ ou Vendas) 318,67 (Balanço Patrimonial passivo circulante) Além da provisão das férias, é preciso efetuar a provisão dos encargos sociais incidentes sobre as férias, que são: o INSS e o FGTS. Previdência Social (INSS) R$ 318,67 x 26,8% = R$ 85,40 FGTS R$ 318,67 X 8% = R$ 25,49 D Contribuições de Previdência 670,00 C Provisão para Contribuições de Previdência s/ Férias 670,00 (passivo circulante) D FGTS 25,49 C Provisão para FGTS s/ Férias 25,49 (passivo circulante) Professor EUCLIDES BEZERRA 54

22 O 13º (décimo terceiro salário) também é um direito do trabalhador, na qual o empregado recebe um salário proporcional ao período que esteve à disposição do empregador durante o ano. Isto quer dizer que se o empregado entrou em 10 de setembro de 2011, terá direito neste ano a proporção de 4/12 do seu salário, a título de 13º salário. Para fins de cálculos do valor de 13º salário, considera-se mês integral a fração igual ou superior a 15 dias trabalhados. O 13º salário é pago em duas parcelas: a primeira por ocasião das férias, nos meses de fevereiro a 30 de novembro e a segunda parcela até o dia 20 de dezembro. Assim como as férias, o 13º salário precisa ser provisionado, seguindo o princípio da competência. Essa despesa também é dedutível perante o fisco, conforme determina o artigo 338 do RIR/1999: Art O contribuinte poderá deduzir, como custo ou despesa operacional, em cada período de apuração, importância destinada a constituir provisão para pagamento de remuneração correspondente ao 13º salário de seus empregados (Lei nº 9.249, de 1995, art. 13, inciso I). Parágrafo único. O valor a ser provisionado corresponderá ao valor resultante da multiplicação de um doze avos da remuneração, acrescido dos encargos sociais cujo ônus cabe à empresa, pelo número de meses relativos ao período de apuração. Exemplo: O empregado ganha R$ 3.600,00 por mês e a empresa precisa fazer a provisão de 1/12. Como fazer a provisão? Valor do salário (R$ 3.600,00) / 12 = R$ 300,00 (valor da provisão de 13º salário mensal) O lançamento no diário será assim: D 13º Salário C Provisão para 13º Salário 300,00 (DRE despesa administrativa/ ou Vendas) 300,00 (Balanço Patrimonial passivo circulante) Além da provisão do 13º salário, também é preciso efetuar a provisão dos encargos sociais. Previdência Social (INSS) R$ 300,00 x 26,8% = R$ 80,40 FGTS R$ 300,00 X 8% = R$ 24,00 D Contribuições de Previdência 80,40 C Provisão para Contribuições de Previdência s/ 13º Salário 80,40 (passivo circulante) D FGTS 24,00 C Provisão para FGTS s/ Férias 24,00 (passivo circulante) Exercício de Fixação Com base nos dados abaixo, contabilize: as provisões de férias e 13º salário do mês de agosto/2011: Empregados cargo salário Marina Santos Assistente Adm R$ 2.800,00 Gilberto Silva Office-boy R$ 1.000,00 Geane Oxford Gerente Financeira R$ 4.800,00 Professor EUCLIDES BEZERRA 55

23 BALANÇO PATRIMONIAL Conceito é a demonstração contábil que apresenta, de forma qualitativa e quantitativa, a composição dos bens, direitos, obrigações e a situação líquida da empresa em um determinado momento. Costuma-se dizer que o Balanço Patrimonial é a fotografia tirada em uma data, normalmente no dia 31 de dezembro. Composição do Balanço Patrimonial o balanço possui o ativo, passivo e a diferença entre ambos será o patrimônio líquido. Ativo é o conjunto de bens e direitos de propriedade da entidade. São os itens positivos do patrimônio, que trazem benefícios, proporcionam ganho para a entidade. Representa as aplicações de recursos no patrimônio. Passivo são as obrigações exigíveis da entidade, ou seja, as dívidas que serão cobradas a partir da data de seu vencimento, junto a terceiros, bem como os valores aplicados pelos proprietários no negócio. Representa as origens de recursos no patrimônio. Patrimônio Líquido representa os recursos obtidos para aplicação no ativo proveniente dos sócios. Representa a obrigação da entidade para com os sócios. A diferença entre bens e direitos e as obrigações junto a terceiros, corresponde ao patrimônio líquido. Faz parte também do patrimônio líquido o resultado apurado entre a receita e a despesa. Finalidade do Balanço Patrimonial: Demonstrar a situação econômica e financeira da empresa, fornecimento de dados para planejamento futuro, auxiliar no controle, prestar contas aos sócios e sociedade, cumprir as exigências de aspectos societários, comerciais e fiscais, entre outros. Classificação básica do Balanço Patrimonial A lei societária determina que no Ativo, as contas devem ser agrupadas em ordem decrescente de grau de liquidez, sendo: Ativo Circulante, Ativo Não Circulante, composto por: Realizável a Longo Prazo, Investimentos, Imobilizado e Intangível. No Passivo, as contas devem ser agrupadas em ordem decrescente de grau de exigibilidade, sendo: Passivo Circulante, Passivo Não Circulante. No Patrimônio Líquido as contas são: Capital Social, Reservas de Capital, as Reservas de Lucros, Ajuste de Avaliação Patrimonial, Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados. Professor EUCLIDES BEZERRA 56

24 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Conceito é a demonstração contábil que apresenta, de forma objetiva as receitas e as despesas da empresa durante um determinado período de uma forma dedutiva, evidenciando o resultado econômico da cia. As empresas devem seguir a lei societária, conforme modelo previsto no artigo 187: Art A demonstração do resultado do exercício discriminará: I - a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos; II - a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto; III - as despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas, e outras despesas operacionais; IV o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas; (Redação dada pela Lei nº , de 2009) V - o resultado do exercício antes do Imposto sobre a Renda e a provisão para o imposto; VI as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não se caracterizem como despesa; (Redação dada pela Lei nº , de 2009) VII - o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social. 1º Na determinação do resultado do exercício serão computados: a) as receitas e os rendimentos ganhos no período, independentemente da sua realização em moeda; e b) os custos, despesas, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos. 2o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº ,de 2007) (Revogado pela Lei nº ,de 2007) Professor EUCLIDES BEZERRA 57

25 Bibliografia ARAÚJO, I. P. S. Introdução à Contabilidade. 13. ed. São Paulo: Editora Saraiva, BORINELLI, M. L. PIMENTEL, R. C Curso de Contabilidade para Gestores, Analistas e Outros Profissionais. 1º Ed. São Paulo: Editora Atlas, CASTILHO, E., et al. Introdução à Lógica Contábil. 1. ed. São Paulo: Editora Saraiva, CHAGAS, G. Contabilidade Geral Simplificada. 2. ed. São Paulo: Editora Saraiva, Código Civil 11ª edição - Editora Saraiva, CF Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial, CTN Código Tributário Nacional. 8. ed. São Paulo: Editora Saraiva, CLT Consolidação das Leis do Trabalho 29ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, COELHO, F. U. Manual de Direito Comercial. 12. ed. São Paulo: Editora Saraiva, Entendendo o Código Civil CRC-SP e IOB Ed. Thomson, FERREIRA J. R. Resumo de Contabilidade Geral. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Ferreira, FERREIRA, A. B de H. Mini Aurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da Língua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, IUDÍCIBUS, S. de, et al.. Manual de Contabilidade das Sociedades Por Ações (Aplicável às Demais Sociedades. Suplemento. São Paulo: Editora Atlas, IUDÍCIBUS, S. de, et al.. Manual de Contabilidade das Sociedades Por Ações (Aplicável às Demais Sociedades. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas, IUDÍCIBUS, S. de, Equipe de Professores da FEA/USP. Contabilidade Introdutória. 9. ed. São Paulo: Editora Atlas, LEI DE SOCIEDADES ANÔNIMAS: atualizada pela Lei 11638/2007 pela web em 16/09/2008. LEI DE SOCIEDADES ANÔNIMAS: atualizada pela Lei 11941/2009 pela web em 08/07/2009. MACHADO, H.B. Curso de Direito Tributário. 20. ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2002 MARION, J. C. Reis, A. Contabilidade Avançada. 1. ed. São Paulo: Editora Saraiva, MICHAELIS. Dicionário Escolar Língua Portuguesa. 1. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos, PINTO, A. A. G, et al. Gestão de Custos Série Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, RIBEIRO, O. M. Contabilidade Intermediária. 2. ed. São Paulo: Editora Saraiva, RIBEIRO, O. M. Contabilidade Comercial Fácil. 7. ed. São Paulo: Editora Saraiva, SILVA, E. B. da. Anotações em Sala de Aula da Disciplina Contabilidade Comercial. 1. ed. São Paulo: VENET, V. - Apostila Contabilidade Empresarial - Uninove, Professor EUCLIDES BEZERRA 58

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro;

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro; 16/11/2011 (Artigo)13º SALÁRIO - ADIANTAMENTOS, PROVISÃO E BAIXA 1. Considerações Iniciais O 13º salário é um direito que o empregado vai adquirindo ao longo do ano, proporcionalmente ao número de meses

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS UNISERCON UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS CRC/RS3101 BALANÇO PATRIMONIAL ANALÍTICO EXERCÍCIO DE 2011 ooo - xxxxxxx- xxxxxx xx xxxxx xxxx (oo.ooo.oo/oooi-oo) CONTA Folha 1 SALDO 1 1. 1 1. 1. 01 1. 1. 01. 01

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais