Proposta Pedagógica Curricular. Ensino Fundamental Anos Iniciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta Pedagógica. 2013 Curricular. Ensino Fundamental Anos Iniciais"

Transcrição

1 Proposta Pedagógica 2013 Curricular Ensino Fundamental Anos Iniciais

2 Proposta Pedagógica Curricular 2013 Ensino Fundamental Pinhais 2013

3 PINHAIS, Secretaria Municipal de Educação de. Proposta Pedagógica Curricular, 2013, Ensino Fundamental Anos Iniciais. Pinhais - Paraná: SEMED, páginas Departamento de Ensino. (planejamento; ensino; aprendizagem; debates; avaliação)

4 Prefeito Municipal de Pinhais Luiz Goularte Alves Secretária Municipal de Educação Andréa Franceschini Diretora do Departamento de Ensino Kelly Panini Fonseca de Souza Gerente do Ensino Fundamental Adriana Denise Bento da Rosa COORDENADORES 2ª EDIÇÃO: Adriana Denise Bento da Rosa Adriana Angela de Lima Ana Lucia Deslandes de Souza Brígida Karina L. N. da Silva Cláudia Soldi Monteiro da Rocha Louize Mari da Rocha Luciana Dal Degan Luciana Orlando dos Santos Marcia da Luz Corrêa Galindo Maria Cristina Custodio Nerilda Emerique Fucio Rosiméri do Rocio Waltrick Born Simone Gualberto Simone do Rocio Kaminski Ramos Solange do Rocio Penna Susi Cristie Rebello da Silva

5

6 EQUIPE DE REVISÃO 2ª EDIÇÃO Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal 31 de Março Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Antonio Alceu Zielonka Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Antonio Andrade Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Aroldo de Freitas Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Cândido Portinari Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Chafic Smaka Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Clementina Cruz Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Dona Maria Chalcoski Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Elis de Fátima Zem Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Felipe Zeni Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Frei Egídio Carloto Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Guilherme Ceolin Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal João Leal Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal João Leopoldo Jacomel Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal José Brunetti Gugelmin Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Lírio Jacomel Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Maria Cappellari Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Marins de Souza Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Odile Charlotte Bruinjé Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Poty Lazzarotto Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Profª.Thereza Corrêa Machado Equipe Docente e Pedagógica Escola Municipal Severino Massignan REVISÃO E APOIO Luciana Orlando dos Santos

7

8 COLABORAÇÃO E ASSESSORIA PEDAGÓGICA 1ª EDIÇÃO: Jocele Lecheta COORDENADORES GERAIS 1ª EDIÇÃO FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS Coordenadora: Neiva Constante Professores/autores: Adriana Cristina Zielinski do Nascimento Luciana Pacheco Klamas Nadir Fernandes dos Santos Olinda de Cássia Curupaná Patrícia Sales de Souza Renata Alves dos Santos Sirlane Miranda Valdo de Souza Melo FUNDAMENTOS PEDAGÓGICOS Coordenadora: Kelly Panini Fonseca de Souza Professores/autores: Ana Carolina Fischer Ana Caroline Schloegel Flavia Liszyk Jaqueline Salamek Maria Amélia das Neves Maria Aparecida Vargas Vanessa Queiros FUNDAMENTOS PSICOLÓGICOS Coordenadora: Cynthia Simoni Goulart Cancelli Professores/autores: Adriana Cristina Zielinski do Nascimento Edison Luis de Paula Taques Marcia Regina Lucas de Lima Marelis de Fátima Rodrigues de Lima ARTE Coordenadoras: Cláudia Azevedo da Silva Nerilda Emerique Fucio Professores/autores: Elaine Costa de Oliveira Elaine Terezinha Pereira Soares Klein Elen Del Rocio Escoto Elisangela Ostrovski Giane Keserle da Costa Bento Jacqueline Madureira Bordinião Joseane Cristina Silva Pinheiro Keuly Marcenvicz da Silva Lucilene de Oliveira Luz Desidério Regiane Fanti Simone Soares Oliveira Thailise Roberta Becker CIÊNCIAS Coordenadoras: Cleide Aparecida Reinbold Steniski Meyre Martins de Assis Professores/autores: Aline Javornik Anne Caroline de Oliveira Caroline Goerl Cristiane Canestraro Coradin Hanslivian Correia Cruz Lilian Cristina Cellarius Mariane de Cássia Camitre Neila Maria Araújo da Silva Regiane Cochek EDUCAÇÃO FÍSICA Coordenadora: Rosiméri do Rocio Waltrick Born Professores/autores: Gabriela de Souza Tóffoli Inara Martins Ferreira Karolline Aracelli Boriollo Marcia Cristina Leme Marchette Paola Suzane Madeira Rosy Alves de Paula Tânia de Campos Silva Pereira EJA Coordenadora: Solange do Rocio Penna Professores/autores: Adriana Angela de Lima Adriana Denise Bento Gisele do Rocio Pereira Manika Jacqueline Madureira Bordinião Lucinéa Rossi de Oliveira Marelis de Fátima Rodrigues de Lima Maria Carina Gomes Barbosa Vera Lucia Agustinho de Oliveira EDUCAÇÃO ESPECIAL Coordenadora Leoni Aparecida da Cruz Louize Mari da Rocha Maria Luiza Gouveia da Fonseca Professores/autores: Araceli Sant Anna Wong Edeluz Maria Pedroso de Carvalho Fabiola Aparecida Prestes de Almeida Ines Kadlubiski Alves Cordeiro Keila Marilei da Silva

9 Marlize de Fatima Panizzom Rodrigues Meris Neres de Souza da Costa EDUCAÇÃO PARA RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Coordenadora Simone Gualberto Iara de Fátima Volland Oliveira Maria Luiza Lemos da Silva Lourencetto Monica Regina Bittencourt Osvaldo Teodoro Born Rosangela Aparecida Gepfrie Thaisa Sirlei Chimim Matocanovic Vanessas Queiroz Yone Cristina Fontana Braga ENSINO RELIGIOSO Coordenadora: Cláudia Soldi Monteiro da Rocha Professores/autores: Adriano de Oliveira Andreia Marques de Andrade Brigida Karina Liechock Nogueira da Silva Claudia Regina Kirstein Cordeiro Ivone Maria Lepka Portela Loretta Derbli Durães da Luz Rosolem Marcia Regina Lucas de Lima Noeli Terezinha de Lara Rita de Cássia Ferreira ESCOLA EM TEMPO INTEGRAL Coordenadoras: Claudiane do Rocio Quaglia Nunes Jussara Silvana Romeike Professores/autores: Aline Jovornik Edineia Turmann Eliane do Rocio Pires Santos Graciana Cardoso de Bem Janete Maria da Silva Araújo Lourdes Nelsi Osório Luciane Jess Lucinéa Rossi de Oliveira Vera Lucia Agustinho de Oliveira GEOGRAFIA Coordenadora: Carmem Simone de Carvalho Professores/autores: Áurea Pacheco Quadrado Betes Beatriz Seika Alves de Faria Ivone Maria Lepka Portela Luciana Jungles Saldanha Silmara Aparecida Franco HISTÓRIA Coordenadora: Greicilís Rodrigues Montilla Professores/autores: Anadir dos Reis Miranda Eloana Aparecida Lopes LÍNGUA PORTUGUESA Coordenadora: Susi Cristie Rebello da Silva Professores/autores: Adinilson Robaina Eidisir de Freitas Fernandes Elisabete Fátima Cordeiro da Silva Eloana Aparecida Lopes Giseli Rosa Luciana Orlando dos Santos Maria Isabel Landovski Maria Lúcia Ceccon Pereira Marta Onofra de Azevedo Thaisa Milene Torres Queiroz Radaelli MATEMÁTICA Coordenadoras: Luciana Dal Degan Professores/autores: Andréia Nacur Henrique Celma Maria de Oliveira Claudia do Rocio Melego Janete Maria da Silva Araujo Jucimara Claudia de Almeida Ventura Regiane Cochek Rosana Boeira Ilhéu Rosangela Alves de Godoy Gregório Rose Elaine Rodal Silva Simone do Rocio Kaminski Ramos Simone Terezinha Alberti de Freitas TECNOLOGIA EDUCACIONAL Coordenadora: Marcia da Luz Corrêa Galindo Professores/autores: Adriana Angela de Lima Loretta Derbli Durães da Luz Rosolem Remilda Soares da Silva Sandra Cristina Eineck Pimentel dos Santos Tatiane Fernandes Musial

10

11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO ETAPAS E MODALIDADES DE ENSINO I. Educação Infantil II. Ensino Fundamental III. Educação Especial e Inclusão IV. Educação de Jovens e Adultos Referências PRINCÍPIOS NORTEADORES DA PROPOSTA I. Educação de Qualidade II. Gestão Democrática e Participativa III. Autonomia Para Cidadania IV. Escola Para Todos V. Acesso, Permanência e Sucesso VI. Formação Integral do Educando VII. Qualificação Profissional VIII. Respeito a Diversidade Referências FUNDAMENTOS DA PROPOSTA I. Fundamentos Filosóficos II. Fundamentos Pedagógicos III. Fundamentos Psicológicos OBJETIVOS DA PROPOSTA ENCAMINHAMENTO TEÓRICO-METODOLÓGICO Referências CONCEPÇÃO DE Referências POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO I. Escola em Tempo Integral Referências II. Tecnologia na Educação Referências III. Propostas Complementares Musicalização Incentivo a Leitura Formação Continuada Referências

12 ÁREAS DO CONHECIMENTO ARTE Referências CIÊNCIAS Referências EDUCAÇÃO FÍSICA Referências ENSINO RELIGIOSO Referências GEOGRAFIA Referências HISTÓRIA Referências LÍNGUA PORTUGUESA Referências MATEMÁTICA Referências QUADRO DE CONTEÚDOS - ARTE QUADRO DE CONTEÚDOS - CIÊNCIAS QUADRO DE CONTEÚDOS - EDUCAÇÃO FÍSICA QUADRO DE CONTEÚDOS - ENSINO RELIGIOSO QUADRO DE CONTEÚDOS - GEOGRAFIA QUADRO DE CONTEÚDOS - HISTÓRIA QUADRO DE CONTEÚDOS - LÍNGUA PORTUGUESA QUADRO DE CONTEÚDOS - MATEMÁTICA CONSIDERAÇÕES FINAIS

13 APRESENTAÇÃO No ano de 2007 a Secretaria Municipal de Educação de Pinhais implementou de forma gradativa, o Ensino Fundamental de nove anos em toda a rede. Em 2009, a atual gestão municipal entendendo que a ampliação de mais um ano no Ensino Fundamental não é apenas mais uma determinação legal, mas sim uma garantia da oportunidade ao processo de aprendizagem de qualidade aos educandos, procurou organizar o trabalho pedagógico em todas as Unidades, definindo claramente sua metodologia de trabalho a ser usada do 1º ao 5º ano. Em 2010, a secretaria, por meio do Departamento de Ensino, mais especificamente da Gerência do Ensino Fundamental, organizou uma ampla discussão, envolvendo representantes de todas as unidades que mantêm essa modalidade de ensino. Esses representantes foram convidados a participarem do estudo e a partir desta discussão iniciou-se a construção da Proposta Pedagógica Curricular da Rede Municipal de Ensino de Pinhais que hoje disponibilizamos a todos os professores. Este documento foi construído por profissionais da educação ligados às unidades sob a coordenação da secretaria. Não pretende ser um documento acabado, pelo contrário, deve atender as necessidades de cada momento e estar em constante estudo e discussão para efetivar-se como instrumento norteador da ação pedagógica dos professores. Para maior aprofundamento das ações pedagógicas acerca da organização do Ensino Fundamental na rede municipal de ensino, no ano de 2013 todos os professores, pedagogos, diretores e comunidade escolar participaram de um momento de reformulação do currículo apresentado neste documento com o intuito de regulamentar os encaminhamentos do processo de ensino e aprendizagem nas escolas de Pinhais. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9394/96) faz referência explícita à Proposta Pedagógica, especialmente no artigo 13. Ainda destaca a importância da participação dos profissionais da educação em sua elaboração, bem como para elaborar e cumprir o plano de trabalho de acordo com os princípios estabelecidos por este documento. Partindo desta premissa, consideramos que esta Proposta Pedagógica Curricular atende aos anseios dos professores e desejamos que como tal, possa contribuir para que o trabalho pedagógico do professor se efetive e seja realizado com êxito. Assim, com a ampla participação dos profissionais de educação que atuam na rede municipal de ensino, escrevemos e reformulamos mais uma página da história da educação no município. Luiz Goularte Alves Prefeito Andréa Franceschini Secretária Municipal de Educação 13

14 INTRODUÇÃO A Secretaria Municipal de Educação de Pinhais, ao organizar a Proposta Pedagógica Curricular para os Anos Inicias do Ensino Fundamental tem por objetivo, promover junto aos professores e a comunidade escolar reflexões acerca da teoria e da prática em busca do aperfeiçoamento na qualidade do processo de ensino e aprendizagem nas escolas. Com a ampliação do Ensino Fundamental de oito para nove anos as demandas educacionais ampliaram-se e mais do que uma determinação legal de direito das crianças a mais um ano de estudo obrigatório é necessário fazer valer a garantia da educação destas no espaço escolar. Partindo desta ideia, a educação, por sua vez, configura-se neste documento, um aspecto cultural entendido como, por um lado, a transformação que o homem opera sobre o meio e, por outro, os resultados dessa transformação (SAVIANI 1991 p.40). Transformação possível de perceber por meio do trabalho humano, visto que pela ação exercida sobre a natureza promove transformação, transformação esta que, configura o mundo humano, o mundo da cultura. Diante do desafio de elaborar um documento que orientasse o trabalho pedagógico nas escolas adequado ao tempo histórico vivido pela sociedade atual, a Secretaria organizou etapas para a elaboração deste documento, fundamentado em uma perspectiva de construção coletiva e participativa. Sua elaboração teve início em 2009 quando foi disponibilizado a todos os professores materiais para leituras e estudos sobre a organização do Ensino Fundamental de Nove Anos, sendo que no início do ano de 2010 os estudos continuaram com maiores debates e aprofundamentos. O passo inicial mais marcante foi o encaminhamento do convite a todos os profissionais da Rede Municipal de Ensino para que se inscrevessem e pudessem participar da elaboração desta proposta pedagógica como autores. O resultado foi muito positivo, do nosso ponto de vista, pois tivemos uma adesão de aproximadamente 30% dos profissionais das escolas municipais, entre eles professores, pedagogos e diretores. Estes profissionais foram organizados em dezesseis grupos conforme a área do conhecimento de interesse. Os coordenadores em uma reunião inicial construíram um roteiro para a organização do documento que iniciou-se com a apresentação passando a contemplar introdução, etapas e modalidades de ensino, princípios norteadores da proposta, Fundamentos da proposta, objetivos, encaminhamentos teórico-metodológicos, concepção de avaliação, políticas de educação e as áreas do conhecimento Arte, Ciências, Educação Física, Ensino Religioso, Geografia, História, Língua Portuguesa e Matemática. Em posse deste roteiro cada coordenador de grupo ficou responsável por orientar os debates e estudos nos grupos dentro de uma concepção crítica de educação como também, por redigir com estes a escrita de ideias e conclusões coletivas. É importante salientar que quanto ao princípio norteador Respeito a Diversidade, a coordenadora perpassou os grupos das diferentes áreas do conhecimento para esclarecimentos acerca deste tema, pois não entendemos este princípio como um 14

15 aspecto isolado dentro da proposta ou dentro da escola, ele está presente em diversos momentos e deve fazer parte do todo. Após alguns encontros cada coordenador junto a seu grupo de estudos apresentou à Secretaria Municipal de Educação uma versão inicial que foi analisada coletivamente pelos coordenadores e assessoria pedagógica. A seguir, foi encaminhada às escolas para leitura e análise dos profissionais que por sua vez apresentaram sugestões de melhoria, correções e aperfeiçoamento do documento. De acordo com os apontamentos citados por estes a versão inicial da proposta foi alterada e melhorada até se chegar a esta versão que apresentamos a todas as escolas em 2011 que norteou os encaminhamentos até Em 2013 mais uma vez com a participação de todos os profissionais que atuam diretamente com o Ensino Fundamental nas escolas foi possível revisitar o documento construído em 2010 e diante de uma análise criterioza apontaram as correções necessárias que foram readequadas e registradas nesta segunda edição. É importante salientar que esta Proposta Pedagógica é sempre o resultado de um momento inicial de estudo coletivo acerca dos passos que a educação de Pinhais segue e que não é um material pronto e acabado, mas que está adequado a este momento histórico e que precisará ser revisto e aprimorado constantemente, a fim de acompanhar a sociedade que segue em constantes mudanças rumo ao progresso. 15

16 ETAPAS E MODALIDADES DE ENSINO I - A Educação no Município de Pinhais A partir de uma política de atendimento aos princípios de melhoria da qualidade do ensino, a Prefeitura de Pinhais, por meio da Secretaria Municipal de Educação, tem investido consistentemente no desenvolvimento de suas unidades escolares, dotandoas das condições educacionais e tecnológicas necessárias para a sua modernização, bem como investindo na sistemática formação continuada dos profissionais e na melhoria da gestão educacional. O resultado desse esforço contínuo se expressa nos indicadores do IDEB Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, medido pelo INEP/MEC. O IDEB de 2011 do Município se apresenta com o índice 5,4. Esse indicador traduz o esforço pela melhoria dos processos de ensinar e aprender, envolvendo a implementação de diversos programas que atendem as necessidades educacionais de seus educandos e que promovem a sua formação integral. Tabela 1 Índice de Desenvolvimento da Educação Básica Local Média IDEB Meta para 2021 Brasil 5,0 6,0 Brasil (municipal) 4,7 5,7 Paraná 5,4 6,6 Pinhais 5,4 7,0 Fonte: MEC/INEP Para o enfrentamento dos desafios e demandas educacionais, o município mantém uma rede bem estruturada de instituições educacionais, contando com 19 instituições de Educação Infantil, 22 escolas sendo que destas 5 atendem a Educação de Jovens e Adultos, 20 atendem turmas de pré-escola, 1 na modalidade de Educação Especial e 1 Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado às Deficiências Sensoriais (ver Tabela 2). Há de se avançar no atendimento à Educação Infantil, pois, mesmo com as ampliações realizadas, ainda não foi possível atender toda a demanda manifesta, enquanto que o atendimento ao Ensino Fundamental atinge sua totalidade. Tabela 2 Unidades de Ensino Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI s), Escolas, Escola de Educação Básica na modalidade de Educação Especial e Centro de Atendimento às Deficiências Sensoriais 2003 a 2013 Unidades CMEI S Escolas * Escola de Educ. Básica na modalidade de Educ. Especial Centro de Atendimento às Deficiências Sensoriais

17 Fonte: Prefeitura Municipal de Educação/Secretaria Municipal de Educação - em 2010 Cessação da E.M. Adauto Botelho. Em 2013, a Rede Municipal de Ensino registra educandos matriculados, sendo a maioria no Ensino Fundamental que representa aproximadamente 60% deste total. A cobertura nesse nível de ensino é universal e já incorporou, a partir de 2007, os educandos com seis anos de idade. Observa-se na Tabela 3 que a Educação Especial e a Educação Infantil tiveram um aumento significativo do número de educandos matriculados, no período de 2003 a Tabela 3 Número de Educandos Atendidos pela Rede Municipal de Ensino por Etapa e Modalidade 2003 a 2013 Unidades Educação Infantil Ensino Fundamental Educação Especial Ed. Jovens e Adultos * * * * Fontes: 2001 a MEC/ INEP (http://www.edudatabrasil.inep.gov.br/) e 2007 a Prefeitura Municipal de Pinhais/ Secretaria Municipal de Educação *Dados de 2013 são provisórios referem-se ao dia 04/09/13 No contexto dos avanços promovidos na Educação Municipal, emergem ainda como desafios especiais a expansão da Educação Infantil, a contínua melhoria dos indicadores de qualidade na aprendizagem e desenvolvimento de todos os educandos, e a expansão e qualidade da Educação de Jovens e Adultos no Ensino Fundamental - Fase I. No quadro acima observa-se a queda gradativa na redução do número de educandos da EJA que expressa a superação do índice de Analfabetismo existente no município, o qual foi confirmado por meio do Censo de 2010 que indica a diminuição em torno de 57% em relação ao Censo anterior do ano Com esta redução o município tornou-se Território Livre do Analfabetismo por ter menos de 4% de sua população (pessoas com 15 anos ou mais) não alfabetizada. II - A Educação Infantil Com relação à Educação Infantil, no ano de 2001, a Secretaria Municipal de Educação de Pinhais assumiu plenamente a rede de creches públicas, que até então estava sob a coordenação da Secretaria Municipal de Ação Social. Essa transferência de jurisdição das creches, agora com caráter educacional, apresentou novos desafios para a Secretaria Municipal de Educação, que teve que se estruturar para suprir os recursos humanos e financeiros e promover a organização pedagógica e curricular necessários para fazer frente às necessidades de atendimento da demanda educacional dessa faixa etária. Priorizando a qualidade do atendimento na Rede Municipal de Ensino, a Prefeitura de Pinhais, por meio da Secretaria Municipal de Educação, passou então a 17

18 constituir as condições e medidas necessárias para esse fim, marcadas por ações voltadas para: Melhoria dos espaços físicos; Construção e ampliação de unidades escolares; Qualificação dos equipamentos, mobiliários e materiais pedagógicos; Investimento na formação continuada dos profissionais; Elaboração, implementação e avaliação dos Projetos Políticos Pedagógicos nas instituições; Organização da gestão escolar; Valorização profissional por meio do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério; Avaliação sistemática do processo de desenvolvimento e de aprendizagem das crianças; Elaboração e implementação da Proposta Pedagógica Curricular; Reescrita dos Regimentos Escolares nas unidades de ensino; Elaboração dos Indicadores de Qualidade para a Educação Infantil. Conforme se pode identificar nas Tabelas 04 e 05, sobre a evolução de matrículas da Educação Infantil em Pinhais, no período de 2003 a 2013, a educação de crianças de creche e pré-escola passaram de para correspondendo a um aumento de aproximadamente quatro vezes em relação ao número anterior. É preciso observar, no entanto, que mesmo havendo este acréscimo na oferta de vagas, houve também um aumento na demanda que não pôde ser atendida, a qual foi suscitada pelo crescimento populacional e principalmente pela qualidade promovida nos serviços da Educação Infantil. Os dados revelam que, em média, no período de 2002 a 2006, o maior número de matrículas concentrou-se na faixa de 4 a 6 anos, correspondendo a 70,3% do total de matriculas em 2006, enquanto que 29,7% foi a porcentagem de matriculas de crianças de 0 a 3 anos de idade. Em 2007, com a implantação do Ensino Fundamental de 9 anos, a Educação Infantil passou a atender crianças de até 5 anos, sendo possível ofertar 100 vagas a mais para crianças desta faixa etária e aumentar, consideravelmente, o número de matriculas de crianças de 0 a 3 anos de idade no município. Tabela 04 Educação Infantil e Evolução de Matriculas, de 2003 a 2006 Anos 0 a 3 anos matrículas 0 a 3 /total 4 a 6 anos matrículas 4 a 6 /total 0 a 6 anos matrículas 0 a 3 anos evolução 4 a 6 anos evolução 0 a 6 anos evolução ,60% ,30% ,30% 31,30% 34,70% ,20% ,80% ,70% 47,10% 27,40% ,30% ,70% ,20% 40,80% 40,90% ,70% ,30% ,90% -1,20% -2,00% Fonte: MEC/ INEP (www.edudatabrasil.inep.gov.br) 18

19 Atualmente são atendidas na Educação Infantil (creche e pré-escola) um total de crianças, enquanto que em 2006 o número total era de Neste sentido, conforme se observa na tabela 04 e 05, houve um aumento significativo de matrículas de 2006 a 2010, atendendo-se, aproximadamente, 1400 crianças a mais neste período. Este aumento de matrículas ao longo dos anos foi possível devido à ampliação da rede física e a construção de novas unidades educacionais. Somente entre os anos de 2010 e 2011 foram ampliadas ofertas de vagas em mais 4 unidades. Só no ano de 2012 foram inauguradas mais 3 unidades de Educação Infantil ; CMEI Tarsila do Amaral, CMEI Cora Coralina, CMEI Vinicius de Moraes e uma nova turma de maternal I no CMEI Aprendendo e Crescendo, totalizando a oferta de 492 novas vagas. Nos dados da tabela 05 quanto a evolução de matrículas na Educação Infantil observa-se que há uma aumento significativo no ano de 2013 na ampliação de vagas para crianças de 0 a 3 anos e consequentemente uma diminuição na evolução das vagas de 4 a 6 anos, visto que para esta última faixa etária toda a demanda manifesta já é atendida. Tabela 05 Educação Infantil Evolução de Matrículas De 2007 a 2013 Anos 0 a 3 anos matrículas 0 a 3 /total 4 a 6 anos matrículas 4 a 6 /total 0 a 6 anos matrículas 0 a 3 anos evolução 4 a 6 anos evolução 0 a 6 anos evolução ,70% ,30% ,90% -10,80% 8,10% ,70% ,30% ,60% 16,60% 7,80% ,00% ,00% ,80% 39,10% 35,70% ,10% ,90% ,40% -10,10% 5,90% ,29% ,71% ,06% 17,18% 14,07% ,60% ,40% ,58% 34,62% 17,77% 2013* ,30% ,70% ,82% -18,22% - 2,17% Fonte: Prefeitura Municipal de Pinhais/ Secretaria Municipal de Educação *Dados de 2013 são provisórios referem-se ao dia 04/09/13 O aumento significativo de matrículas na Educação Infantil veio acompanhado de um conjunto de esforços orientados para a melhoria das propostas pedagógicas das instituições educacionais, que foram elaboradas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e esta elaboração ocorreu de forma participativa por seus profissionais, com a assessoria da Secretaria Municipal de Educação. Em atendimento a essas diretrizes, as propostas pedagógicas das instituições contemplam um currículo fundamentado numa concepção de criança como sujeito histórico-social, em desenvolvimento, que constrói o conhecimento a partir das 19

20 brincadeiras e interações vivenciadas, orientadas por princípios políticos, éticos e estéticos. As práticas educativas adotadas para crianças de 0 a 5 anos têm como finalidade a promoção de aprendizagens, o desenvolvimento integral destas, a formação de sua identidade e a relação com o conhecimento sociocultural, porém sem deixar de considerar as particularidades de cada criança em relação às suas formas de expressão, comunicação e interação. Neste contexto, a docência nos Centros Municipais de Educação Infantil é realizada pelos Educadores, que são profissionais que ingressaram mediante aprovação em concurso público e que possuem formação mínima em nível Médio na modalidade Normal. Além destes, conta-se também com os Atendentes Infantis e Atendentes de Creche, os quais auxiliam no atendimento às crianças. Nas escolas de Ensino Fundamental que atendem turmas de Pré-Escolar II, o encaminhamento pedagógico é direcionado por professores que ingressam no município mediante concurso público. Tanto os Educadores quanto os Professores exercem o importante papel de planejar, organizar, desenvolver e avaliar o trabalho pedagógico, de modo a atingir a finalidade educativa. III - O Ensino Fundamental A Secretaria Municipal de Educação de Pinhais é responsável pelo atendimento do primeiro nível dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Atualmente atende aproximadamente educandos na faixa etária de 6 a 15 anos incompletos, nas 21 escolas da área urbana do Município que não possui áreas rurais. O norteamento das políticas públicas municipais, em relação à busca contínua pela qualidade da educação no ensino municipal, faz-se presente nos indicadores educacionais, que repercutem os esforços de modernização da infraestrutura, a melhoria de processos educacionais e a incessante busca de melhoria de qualidade nos processos de ensinar e aprender, considerando para tanto, a implementação de diversos programas que atendam as necessidades específicas para garantia da formação integral dos educandos. Passando para a análise de indicadores de movimentação de educandos no período de 2003 a 2007, verificou-se que esta foi de 12.9%. Observa-se que o número de transferências expedidas ao longo dos anos, com exceção de 2003, foi maior que o número de crianças admitidas. Essa mobilidade apresenta várias causas, dentre as quais pode-se elencar: busca de emprego, vulnerabilidade social e familiar e escape da possibilidade de uma reprovação. As transferências expedidas são para escolas do próprio município, de municípios vizinhos e até para outros estados, com menor incidência. Quanto ao índice de abandono, este sofreu, no período de cinco anos, notável redução, com exceção dos anos de 2004, 2009 e 2012, que apresentaram pico de elevação de (0,17%), (0,14%) e (0,17%), respectivamente. Os dados da reprovação apresentam um desafio especial, uma vez que expressam um bolsão de dificuldade a ser superada. No que se refere a aprovação observa-se um equilíbrio em percentuais. 20

21 Tabela 06 Ensino Fundamental: Matrícula inicial, taxas de abandono, aprovação e repetência, de 2003 a 2012 Anos Matrícula inicial Admitidos Transferênci as Expedidas Abandonos Aprovados Reprovados % Aprovação % Repetência % Abandono ,58 0, ,74 6,09 0, ,06 0, ,4 5,6 0, ,37 0, * n/d ,4 8,4 0, * n/d ,8 8,9 0, * n/d ,14 6,7 0,17 Fonte: Prefeitura Municipal de Pinhais/ Secretaria Municipal de Educação *Os dados de matrícula de 2010, 2011 e 2012 referem-se ao período anual. Os indicadores educacionais revelam, em linhas gerais, apesar de apresentar picos altos e baixos, a melhoria dos indicadores de aprovação, permanência e distorção idade série e apresentam-se bem melhores que os da média nacional expressando os resultados do esforço no sentido de identificar, monitorar e acompanhar os possíveis casos de vulnerabilidade à exclusão, bem como em transformar a escola em espaço de convivência includente e de aprendizagem significativa, mediante ensino de qualidade, pelos quais seus educandos possam preparar-se para o exercício da cidadania, conforme proposto na legislação educacional. Essa melhoria dos indicadores educacionais emerge das diretrizes da Secretaria Municipal de Educação em relação à atualização do currículo; melhoria da infraestrutura das escolas, inclusive com garantia da oferta de tecnologias educacionais em multimídia; implementação de espaços de difusão de cultura e conhecimento; formação continuada dos profissionais da educação; concepção emancipadora de avaliação; acompanhamento e monitoramento quantitativo e qualitativo dos processos de ensinar e aprender; valorização profissional por meio do Plano de Cargos, Carreira e 21

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 02, de 14 de julho de 2010. Regulamenta implementação, no Sistema Municipal de Ensino, do disposto na Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008)

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Atendimento Educacional Especializado AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Conceito O Atendimento Educacional Especializado - AEE É um serviço

Leia mais

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Nível

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

SEMINÁRIO: PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

SEMINÁRIO: PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA SEMINÁRIO: PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Período: 23 e 24 de fevereiro de 2015 Local: Centro de Educação e Centro de Artes e Comunicação CAC Fórum Estadual de Educação

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Pearson Education do Brasil Orientações aos Municípios para Solicitação de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Outubro de 2012 Apresentação Este documento oferece orientações para que os gestores

Leia mais

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME 4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME Mata de São João Bahia 02 de setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Diretoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 436/2012

RESOLUÇÃO Nº 436/2012 RESOLUÇÃO Nº 436/2012 Fixa normas para a Educação Especial e para o Atendimento Educacional Especializado AEE - dos alunos com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento TGD, Altas Habilidades/Superdotação

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO CME/THE N 003 de 15 de abril 2010 Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino de Teresina e revoga a Resolução CME/THE Nº 003, de 06 de abril de 2006.

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Convenção Sobre os Direitos it das Pessoas com Deficiência(ONU

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PROJETO TRAJETÓRIAS CRIATIVAS: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ATENDIMENTO DE JOVENS DE 15 A 17 ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

PROJETO TRAJETÓRIAS CRIATIVAS: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ATENDIMENTO DE JOVENS DE 15 A 17 ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO TRAJETÓRIAS CRIATIVAS: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ATENDIMENTO DE JOVENS DE 15 A 17 ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Área temática: Educação Mônica Baptista Pereira Estrázulas (coordenadora da Ação

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO.

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. CARVALHO, Tereza Cristina de Secretaria Municipal de Educação Município de Araçatuba/SP. Resumo:Partindo

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

AS 20 METAS DO PNE COMISSÃO TÉCNICA DO PME VACARIA/RS

AS 20 METAS DO PNE COMISSÃO TÉCNICA DO PME VACARIA/RS AS 20 METAS DO PNE COMISSÃO TÉCNICA DO PME VACARIA/RS Meta 1: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 a 5 anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 9/2010 Data:

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR Ana Lucia Lima da Costa Pimenta Monteiro Prefeitura Municipal de Biguaçu anamonteiro1970@hotmail.com INTRODUÇÃO: As políticas

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Orientação às Famílias

Orientação às Famílias Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Cartilha Orientação às Famílias Brasília, 10 de agosto de 2012. 1 Presidência da República Ministério da

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS VERSÃO PRELIMINAR PME / 2015 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. BASE LEGAL 2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS 2.1. FLORIANÓPOLIS ASPECTOS HISTÓRICOS, GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS 2.2. EDUCAÇÃO

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado SEDUC CE 1. ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO DOS CEGOS

Atendimento Educacional Especializado SEDUC CE 1. ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO DOS CEGOS Atendimento Educacional Especializado SEDUC CE 1. ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO DOS CEGOS Endereço: Rua: Dr. João Guilherme, 373/399 Antônio Bezerra - 3ª Região CEP 60.356-770 Fortaleza - CE Fonefax:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais