COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE"

Transcrição

1 COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE Capacitação / Aulas / Cursos / Palestras oferecidas: Realizada capacitação de 2336 pessoas, com intenção de sensibilizar os servidores sobre a importância do manejo correto do RSS; minimizar a geração de resíduos, a fim de evitar os efeitos negativos sobre o meio ambiente e a saúde pública; reduzir os riscos com acidentes com perfurocortantes segregados incorretamente, atingindo funcionários e servidores, residentes estagiários e equipes terceirizadas do HC. Capacitação sobre Risco Químico e Risco com descarte e manuseio de Resíduos de Serviços de Saúde, atendendo a NR32 com participação de 53 pessoas. Capacitação dos novos Residentes atingindo 123 pessoas. Participação da Comissão em trabalhos externos e eventos: Organização do I Seminário Saúde Livre de Mercúrio no Paraná promovido pela Organização Não Governamental Projeto Hospitais Saudáveis e Organização Internacional Saúde Sem Dano abril/2012. Participação na Reunião de Intercâmbio Internacional de Experiências em Resíduos de Serviços de Saúde em São Paulo, em Junho. Participação em setembro do V Seminário Hospitais Saudáveis - SHS 2012 em São Paulo, com a exposição do trabalho O Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná: Uma visão de corresponsabilidade. Neste seminário colaboramos na escrita de uma moção para o banimento do uso de mercúrio na saúde, vídeo exposto do endereço Participação na Reunião de Membros e Participantes Ativos de Saúde Sem Dano da América Latina 2012, em Buenos Aires, tendo recebido reconhecimento pelo esforço e perseverança. Participação do Curso de Gerentes do HC de maio a setembro de 2012.

2 Atividades Operacionais Realizadas 14 reuniões da Comissão em 2012, além da participação em reuniões do Planejamento Estratégico, onde foi levantada a necessidade da criação do Serviço de Gestão Sócio Ambiental. Recebido em janeiro notificação da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Almirante Tamandaré onde a Comissão realizou visita ao local e relatório que foi acatado pela Secretaria não havendo continuidade do processo. Atendimento das solicitações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) de Curitiba para alteração do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS), protocolado em agosto de 2012, com aprovação da versão final. Atendendo solicitação da SMMA foi solicitado junto a SANEPAR um laudo de anuência para o HC. Continuação da ronda interna de resíduos nas Unidades Gerenciais, realizadas pelos funcionários do próprio setor e avaliadas pela Comissão, levando responsabilidade às Unidades. Avaliação das Unidades Gerenciais quanto ao gerenciamento de resíduos para alcance da meta 2011/2013. Participação na Comissão de Acreditação Hospitalar. Participação na Comissão Gestora Multidisciplinar de Prevenção de Acidente com Perfurocortante. Participação na Comissão de Normatização de Reprocessamento de Artigo do HC-UFPR. Participação na Comissão de Coleta Seletiva Solidária com presença nas reuniões do Ministério do Trabalho e Emprego e Instituto Lixo e Cidadania. Participação no processo de certificação do HC como Hospital Acreditado pelo IPASS.

3 GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE Resíduos Infectantes e Perfurocortantes: Grupo A e E O processo de licitação para contratação de empresa para tratamento de resíduos do HC, HMVFA e UFPR, incluindo campi litoral, foi prorrogado estando vigente até 28/03/2013, sendo a empresa ganhadora a SERQUIP, a R$ 2,45/quilo para coleta no HC e demais campis da UFPR em Curitiba. Encaminhados pelo HC, de janeiro a dezembro de 2012, ,46 quilos de resíduos infectantes e perfurocortantes para tratamento, média mensal de ,45 quilos e diária de 443 quilos, com gasto de R$ ,78/ano. Em 2012 houve um aumento de 9% na relação quilos de resíduos infectantes por paciente/dia, sendo este índice de 1,45 quilos de resíduos infectantes e perfurocortantes/paciente.dia. Resíduos Químicos: Grupo B O processo de licitação para contratação de empresa para tratamento de resíduos do HC, HMVFA e UFPR, incluindo campi litoral, foi prorrogado estando vigente até 28/03/2013, sendo a empresa ganhadora a SERQUIP, com custo de R$ 5,80/quilo. Encaminhados em 2012, ,94 quilos de resíduos químicos, com média de 1.300,16 quilos/mês tratados por processo de incineração a um custo de R$ ,25/ano. A geração deste grupo de resíduo é muito pequena atingindo índice de 0,1 quilo de resíduo químico/paciente.dia em Resíduos Comuns não recicláveis: Grupo D Foi prorrogado até setembro de 2013, o contrato para coleta, transporte e destinação final dos resíduos comuns do HC, à R$ 35,92/m 3 dos resíduos orgânicos e afins e à R$ 2,96/kg dos resíduos sólidos sem contaminação. Em 2012 foram coletados 2.864,40 m 3 de resíduos comuns, o que equivale a ,00 quilos/ano, com média de quilos/mês, resultando no gasto de R$ ,21/ano. Devendo somar quilos/ano de resíduos sólidos sem contaminação com gasto de R$ 3.844,25/ano, sendo o índice de 6,0 quilos de resíduos comuns/paciente.dia. Resíduos Comuns recicláveis: Grupo D Continuidade da doação de materiais recicláveis para Associação de Catadores atendendo o Decreto Federal 5.940/06. Recebido relatório totalizando ,3 quilos/ano de materiais recicláveis do HC, havendo gerado R$ ,37 para a Associação. A média de geração foi de 5.949,12 quilos/mês. Sendo o índice quilos de recicláveis/ paciente dia de 0,65. Em 2012 com a aquisição de um caminhão caçamba pela UIE tivemos a colaboração do Serviço de Transporte levando algumas vezes materiais recicláveis à associação de catadores.

4 Ordens de Serviço Ordens de serviço relacionadas ao Gerenciamento de Resíduos do HC: - 024/2009-DGHC Disciplina o recebimento de materiais médico-hospitalares por doação e proíbe o recebimento de materiais externos para descarte /2009-DGHC Disciplina o recebimento de medicamentos por doação e proíbe o recebimento de medicamentos externos para descarte /2009-DGHC Orientações sobre segregação dos resíduos gerados pelo hospital (lixo hospitalar) /2009-DGHC Previsão de espaço para permanência de carrinhos para armazenamento temporário de resíduos /2012-DGHC Fechamento de coletor de Perfurocortante. Avaliação 2012 A Comissão de Gerenciamento de Resíduos avalia que o Hospital de Clínicas possui um bom plano de gerenciamento de resíduos, a grande maioria dos funcionários e servidores é envolvida com as questões ambientais e o apoio e reconhecimento da direção trás avanços ao programa. Devido o descarte incorreto no momento da geração, foram enviados materiais infectantes juntamente com o resíduo reciclável à associação de catadores, como exemplo bolsas de sangue, seringas e agulhas, o que gera desconforto para o HC na parceria com a associação, apesar de sabermos que são ações isoladas há necessidade de uma campanha mais impactante sobre os riscos do descarte incorreto. Apesar de não termos obtido redução significativa no volume de resíduos infectantes e perfurocortantes, o gráfico anexo mostra a geração média de 72% de resíduos comuns, 8% de recicláveis, 18% de infetantes e perfurocortantes e 2% de resíduos químicos estando muito próximo ao estabelecido pelo ideal pela OMS. Sendo que no total em 2012, geramos quilos de resíduos e o gasto total para tratamento e disposição final foi de R$ ,49. Curitiba, 22 fevereiro de MSc. Lídia Lima Presidente da Comissão de Gerenciamento de Resíduos HC/UFPR

5 Gráfico 1: Comparativo em porcentagem da geração de resíduos em Quantitativo de resíduos gerados no HC/UFPR em % 2% 8% 72% Comum Reciclável Infectante e Perfurocortante Químico

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde 2008 ANTECEDENTES LEGAIS RES. CONAMA 05/1993 RES. CONAMA 283/2001 RDC ANVISA 306/2004

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ OBRIGATORIEDADE DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS

Leia mais

Os métodos e procedimentos de análise dos contaminantes gasosos estão fixados na Norma Regulamentadora - NR 15.

Os métodos e procedimentos de análise dos contaminantes gasosos estão fixados na Norma Regulamentadora - NR 15. Capítulo 5 Resíduos Industriais NR 25 25.1. Resíduos gasosos. 25.1.1. Os resíduos gasosos deverão ser eliminados dos locais de trabalho através de métodos, equipamentos ou medidas adequadas, sendo proibido

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CLÍNICA DO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS, BAHIA

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CLÍNICA DO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS, BAHIA DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CLÍNICA DO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS, BAHIA Leidineia da Silva Moraes Graduanda no curso de Engenharia Sanitária e Ambiental da

Leia mais

Associação das Pioneiras Sociais. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação

Associação das Pioneiras Sociais. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação REDE SARAH DE HOSPITAIS UNIDADE BELO HORIZONTE 13 ANOS DE PRGSS REDE SARAH DE HOSPITAIS DE REABILITAÇÃO SARAH BELO HORIZONTE Dados

Leia mais

O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS PERFURO CORTANTES NOS HOSPITAIS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO - RO

O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS PERFURO CORTANTES NOS HOSPITAIS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO - RO I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS PERFURO CORTANTES NOS HOSPITAIS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO - RO INTRODUÇÃO RAFAEL DIAS DE SOUZA 1, SÂMIA DE OLIVEIRA BRITO 2 A

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

Dr NEILA CRISTINA FREITAS MAIA HOSPITAL E CLÍNICA VETERINÁRIA ZOOVET

Dr NEILA CRISTINA FREITAS MAIA HOSPITAL E CLÍNICA VETERINÁRIA ZOOVET Dr NEILA CRISTINA FREITAS MAIA HOSPITAL E CLÍNICA VETERINÁRIA ZOOVET Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE (2000), nos últimos 10 anos a população brasileira cresceu 16,8%, enquanto

Leia mais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais Seminário de Gestão de Resíduos Industriais "Sistema de Gestão de Resíduos do Instituto de Química da Universidade de São Paulo. Dra. PATRICIA BUSKO DI VITTA pabusko@iq.usp.br (11) 3091-3081 SERVIÇO DE

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 29/12/16 10,75 1,60% 2.776 4.633.800 0,75% ABERTURA 10,48-2,51% 0,75% 02/01/17 10,54 0,57% 2.255 1.131.700-1,06% 03/01/17 10,60 0,56% 4.985 2.903.200 3,73%

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB QUANTO AOS SEUS RESÍDUOS

DIAGNÓSTICO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB QUANTO AOS SEUS RESÍDUOS DIAGNÓSTICO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB QUANTO AOS SEUS RESÍDUOS Geraldo Moreira de Menezes 1 Geógrafo Licenciado, Pela Universidade Estadual Vale do Acaraú em 2008, Fortaleza

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

Thais Rodrigues 01/09/2016

Thais Rodrigues 01/09/2016 Thais Rodrigues 01/09/2016 Quem somos... Empresa focada na área ambiental com linhas de trabalho voltada á gestão de resíduos e cumprimento da legislação ambiental em vigor; O que podemos fazer por você

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

AMBIENTE CRF MG RETROCESSOS

AMBIENTE CRF MG RETROCESSOS I SEMINÁRIO DE RESÍDUOS E MEIO AMBIENTE CRF MG PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS AVANÇOS E RETROCESSOS Farm. Nilce da Silva Santana Moura CRF MG 5405 RT GRSS Núcleo Ambiental HAC FHEMIG COPAGRESS - AMF

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO CORRETA DE RESÍDUOS PERIGOSOS GERADOS Programa Nº 04/2016 Sumário

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO INTRODUÇÃO Os resíduos do serviço de saúde ocupam um lugar de destaque, pois merecem atenção especial em todas as suas fases de manejo (segregação,

Leia mais

Bioética e Biossegurança

Bioética e Biossegurança Bioética e Biossegurança PROF: PATRÍCIA RUIZ ALUNOS: CARLA ALINE 21237, JAQUELINE GARCIA 26112, KAIO BARCELOS 23446, KAROLINA MACEDO 21542, MICHELY EMILIA 22055, NARA ALINE 21188, RAFAELA GADELHA 26067,

Leia mais

SLOGAM DA EMPRESA PPAP

SLOGAM DA EMPRESA PPAP PPAP Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL (Colocar

Leia mais

Parque de Resíduos. FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE

Parque de Resíduos. FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE Parque de Resíduos FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE Vista aérea complexo FUNFARME Hemocentro Hospital H C P. Resíduos Faculdades Ambulatório

Leia mais

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS *Questões de preenchimento obrigatório Seção 2 Identificação do município Município*: Endereço da Prefeitura* (Logradouro, número e complemento;

Leia mais

8. Gestão de Resíduos Especiais. Roseane Maria Garcia Lopes de Souza. Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde?

8. Gestão de Resíduos Especiais. Roseane Maria Garcia Lopes de Souza. Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde? 8. Gestão de Resíduos Especiais Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde? Geradores de Resíduos de Serviços de Saúde Todos os serviços relacionados com o

Leia mais

RSS CLASSIFICAÇÃO (CONAMA 358/2005)

RSS CLASSIFICAÇÃO (CONAMA 358/2005) 8/5/2016 1 RSS CLASSIFICAÇÃO (CONAMA 358/2005) A RISCO BIOLÓGICO não recicláveis nem reutilizáveis art. 20 Alguns são Classe I; B RISCO QUÍMICO (se não tratados Classe I); C RISCO RADIOATIVO; D DOMÉSTICOS;

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Gerenciamento de resíduos químicos de laboratório Leny Borghesan Albertini Alberguini Maria Olímpia de O. Rezende próxima Gerenciamento de Resíduos Químicos de Laboratório

Leia mais

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos Criando valor através de resíduos sólidos Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 A preocupação com a destinação adequada dos resíduos sólidos urbanos

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 6-1. OBJETIVOS: fixar norma para realização dos procedimentos de coleta interna de resíduos radioativos sólidos do grupo C (segundo classificação da NBR 12808/1993) no Sistema FMUSP-HC, observando-se as

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO Juliana Biluca (*), Karen Meridiana Rodrigues de Conto, Douglas Alcindo da Roza,

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 30 de abril de 2014. Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) - Lei 12.305/2010

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SERVIÇO DE SAÚDE/BIOTÉRIO BIOTÉRIO BIODINAMICA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS CAMPUS DE RIO CLARO/SP

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SERVIÇO DE SAÚDE/BIOTÉRIO BIOTÉRIO BIODINAMICA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS CAMPUS DE RIO CLARO/SP PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SERVIÇO DE SAÚDE/BIOTÉRIO BIOTÉRIO BIODINAMICA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS CAMPUS DE RIO CLARO/SP Nosso plano de gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviço de

Leia mais

Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos

Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos O desafio das CEASA S Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos QTC Visão Sobre a Saúde no Brasil A CLÍNICA Privilegia o indivíduo. O processo Saúde Doença tem a ver apenas com o agente e o homem.

Leia mais

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS Seção 2 Identificação do município Município: Endereço completo da Prefeitura: CEP: Telefone (Inserir DDD): E-mail para contato: Seção 3 Identificação

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores, assim definidos como pessoas físicas ou jurídicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA POLÍTICA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE CURITIBA RELATÓRIO

Leia mais

PGRSS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE

PGRSS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE UNIVERSIAE FEERAL O PARANÁ SETOR E CIÊNCIAS A SAÚE CURSO E OONTOLOGIA COMISSÃO E CONTROLE E INFECÇÃO OONTOLÓGICA PGRSS PLANO E GERENCIAMENTO E RESÍUOS E SERVIÇO E SAÚE 2016-2017 UNIVERSIAE FEERAL O PARANÁ

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA:

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: Reciclagem e Compostagem de resíduos sólidos em unidade de saúde - como fazemos PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Ieda Azevedo Nogueira TEL: 21 996259476 E-MAIL: iedazevedonogueira@gmail.com

Leia mais

Como Implantar a NR 32 Aspectos Práticos para os Prestadores de Serviços de Saúde. Prevenção de Acidentes com Materiais Perfurocortantes

Como Implantar a NR 32 Aspectos Práticos para os Prestadores de Serviços de Saúde. Prevenção de Acidentes com Materiais Perfurocortantes Como Implantar a NR 32 Aspectos Práticos para os Prestadores de Serviços de Saúde Prevenção de Acidentes com Materiais Perfurocortantes Noeli Martins Médica do trabalho PORTARIA MTE Nº 1.748, DE 30/08/11

Leia mais

Saúde Sem Mercúrio: Iniciativas da Organização Mundial da Saúde, Saúde Sem Dano e Projeto Hospitais Saudáveis

Saúde Sem Mercúrio: Iniciativas da Organização Mundial da Saúde, Saúde Sem Dano e Projeto Hospitais Saudáveis SEMINÁRIO SAÚDE SEM MERCÚRIO Abril de 2013 Saúde Sem Mercúrio: Iniciativas da Organização Mundial da Saúde, Saúde Sem Dano e Projeto Hospitais Saudáveis Vital Ribeiro Projeto Hospitais Saudáveis / Healthcare

Leia mais

I-Group Care Gestão Hospitalar Rua Antonio de Camardo, 41 Tatuapé São Paulo SP TEL (11) CEL (11)

I-Group Care Gestão Hospitalar Rua Antonio de Camardo, 41 Tatuapé São Paulo SP TEL (11) CEL (11) Página 1 de 7 Proposta I-Group Care Controladoria Administrativa, Técnica e Financeira, inteligência de sistemas para gestão estratégica na área da Saúde. BREVE LISTA DE SERVIÇOS: CONTROLADORIA ADMINISTRATIVA

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

PRODUTOS INSERVÍVEIS DO PÓS CONSUMO Encaminhamento para os produtos que no final da vida útil tornam-se resíduos sólidos, devendo retornar a cadeia pr

PRODUTOS INSERVÍVEIS DO PÓS CONSUMO Encaminhamento para os produtos que no final da vida útil tornam-se resíduos sólidos, devendo retornar a cadeia pr POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: principais avanços e gargalos Eng. Quím. Mário Kolberg Soares Junho/2016 PRODUTOS INSERVÍVEIS DO PÓS CONSUMO Encaminhamento para os produtos que no final da vida

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) ODONTOLOGIA O gerenciamento dos RSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS Saint- Gobain Canalização Itaúna Palestrantes: Adriana Oliveira Adriano Corrêa PGR - Plano de Gerenciamento de Resíduos Parte integrante essencial do sistema de gestão de

Leia mais

RESÍDUOS SOLIDOS DEFINIÇÃO

RESÍDUOS SOLIDOS DEFINIÇÃO RESÍDUOS SOLIDOS DEFINIÇÃO INDUSTRIAL HOSPITALAR DOMÉSTICA ECPs SÓLIDOS E SEMI-SÓLIDOS AGRÍCOLA VARRIÇÃO LODOS E.T.A / E.T.E. COMERCIAL RESÍDUOS SOLIDOS DEFINIÇÃO LANÇAMENTO AMENTO NA REDE PÚBLICA P DE

Leia mais

RSS - TERMINOLOGIA - GERENCIAMENTO INTRA - ESTABELECIMENTO ABNT NBR ABNT NBR Angela Maria Magosso Takayanagui

RSS - TERMINOLOGIA - GERENCIAMENTO INTRA - ESTABELECIMENTO ABNT NBR ABNT NBR Angela Maria Magosso Takayanagui RSS ABNT NBR 12807 ABNT NBR 12809 - TERMINOLOGIA - GERENCIAMENTO INTRA - ESTABELECIMENTO Angela Maria Magosso Takayanagui - 2016 Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP ABNT CEE 129 Comissão Especial

Leia mais

Encontro Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV

Encontro Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV Encontro Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde CMQV Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida Adequação dos hospitais Públicos e Privados à normativa de segurança. Case

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS.

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social / Nome completo: C.N.P.J. / C.P.F.: Endereço: Bairro: Classificação

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada

Leia mais

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016 Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos Pós-grraduação em Engenharia Civil e Ambiental 6 Armazenamento, Coleta e Transporte Professor: Sandro Donnini Mancini

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO

COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COMUNICATTION ON PROGRESS - COP São Paulo 2016 1.Apresentação Situada em posição estratégica na Vila Guilherme - Zona Norte de São Paulo a A.S. Transportes Ltda. é uma empresa

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos DESAFIOS PARA TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAUDE- MG Cenário resíduos de serviços de saúde em Minas Gerais Regulamentação

Leia mais

Augusto Monteiro Guimarães Presidente. (31)

Augusto Monteiro Guimarães Presidente. (31) Augusto Monteiro Guimarães Presidente presidencia@funed.mg.gov.br (31) 3314-4587 Manual Indicadores PGRSS COPAGRESS Manual Indicadores PGRSS COPAGRESS Variação anual da geração de resíduos de serviço de

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Thayse Guilherme Ferreira Curitiba MARÇO 2014 THAYSE GUILHERME

Leia mais

Carência no armazenamento, gerenciamento e destinação do lixo hospitalar em um Município da região de Maringá-PR

Carência no armazenamento, gerenciamento e destinação do lixo hospitalar em um Município da região de Maringá-PR Carência no armazenamento, gerenciamento e destinação do lixo hospitalar em um Município da região de Maringá-PR DENIS PAES DA ROCHA¹ VITOR HUGO CONSONI 1 ANA PAULA CASTELLO PEREIRA(UNINGÁ) 2 RESUMO: O

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE TRANSIÇÃO PARA PROMOÇÃO DE UM AMBIENTE HOSPITALAR SAUDÁVEL

IMPLANTAÇÃO DE TRANSIÇÃO PARA PROMOÇÃO DE UM AMBIENTE HOSPITALAR SAUDÁVEL IMPLANTAÇÃO DE TRANSIÇÃO PARA PROMOÇÃO DE UM AMBIENTE HOSPITALAR SAUDÁVEL Facilitadora: Morgana Moura Enfermeira do Trabalho / Docente Mestranda em Psicanálise do Ensino Superior RECIFE,2013 HOSPITAL Instituição

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNÍCIPIO DE PARNAGUÁ-PI

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNÍCIPIO DE PARNAGUÁ-PI DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNÍCIPIO DE PARNAGUÁ-PI Patrine Nunes GOMES (1) ; Raiane Oliveira de SOUZA (2) ; Stéfany Thainy Rocha PORTO (3) ; Gleison dos Santos

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL

INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL SINDICATOS PARTICIPANTES SINDICOURO Sindicato das Indústrias de Artefatos de Couro do

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-003-01-13 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Dezembro de 2013 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

HOSPITAL SUSTENTÁVEL

HOSPITAL SUSTENTÁVEL HOSPITAL SUSTENTÁVEL QUEM SOMOS Ser uma instituição inovadora e resolutiva na assistência e promoção à saúde. Essa é a missão do Hospital Bandeirantes, que completa 70 anos em maio. Possui Centros de Referência

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE GRSS

PLANO ESTADUAL DE GRSS PLANO ESTADUAL DE GRSS PLANO ESTADUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE 2008-2010 Apoio financeiro: Banco Mundial Agência Nacional de Vigilância Sanitária-Anvisa Ministério da Saúde-VIGISUS

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS SHS 2011 ISCMSP CARMEN E. HADDAD

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS SHS 2011 ISCMSP CARMEN E. HADDAD IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS SHS 2011 ISCMSP CARMEN E. HADDAD PORTARIA Nº 485 11/11/2005 Aprova a Norma Regulamentadora nº 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimento de Saúde ARTIGOS DE INTERESSE

Leia mais

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Celise

Leia mais

PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Setembro - 2010 OBJETIVOS GERAIS: Criar condições viáveis para a população exercer práticas ambientais corretas.

Leia mais

DECRETO Nº DE OUTUBRO DE 2004

DECRETO Nº DE OUTUBRO DE 2004 Prefeitura Municipal de Curitiba DECRETO Nº 983-26 DE OUTUBRO DE 2004 Regulamenta os Arts. 12, 21 e 22 da Lei no 7.833, de 19 de dezembro de 1991, dispondo sobre a coleta, o transporte, o tratamento e

Leia mais

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com RESPONSABILIDADES FASE INTERNA FASE EXTERNA Geração Coleta interna Acondicionamento Armazenamento

Leia mais

Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA

Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA Obra ADEMI Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal. 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório tem como objetivo apresentar a as principais

Leia mais

Noções de Sustentabilidade. Aula 01

Noções de Sustentabilidade. Aula 01 Noções de Sustentabilidade Curso de 80 questões comentadas e inéditas baseado nas disposições legais sobre Sustentabilidade no âmbito do Poder Judiciário. Aula 01 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. QUESTÕES

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA 2 CONDICIONANTES E DETERMINANTES DE SAÚDE: Conceito de Saúde para a Organização Mundial de Saúde, a OMS: Saúde é

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 50 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE

Leia mais

Mostra de Projetos Lixo que vale

Mostra de Projetos Lixo que vale Mostra de Projetos 2011 Lixo que vale Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Umuarama

Leia mais

Realização: Instituto Venture e Ecos da Sardenha

Realização: Instituto Venture e Ecos da Sardenha o Fórum Internacional de Resíduos Sólidos Realização: Instituto Venture e Ecos da Sardenha Curitiba PR 12 a 14 de junho de 2017 8o Fórum Internacional de Resíduos Sólidos III Intercâmbio de práticas e

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Case do Ceará

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Case do Ceará v Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Case do Ceará PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PRECISA-SE pensar a questão desde o catador e o manejo de resíduos na escala local, à espacialização

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 07/2014 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI

Leia mais

III-192 RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE NATAL

III-192 RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE NATAL III-192 RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE NATAL João Rafael Lins Guimarães Engenheiro Civil, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte; Mestre em Engenharia Sanitária,

Leia mais

EDUCAÇÃO CONTINUADA SOBRE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADA À ENFERMAGEM DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EVANGÉLICO DE CURITIBA HUEC

EDUCAÇÃO CONTINUADA SOBRE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADA À ENFERMAGEM DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EVANGÉLICO DE CURITIBA HUEC EDUCAÇÃO CONTINUADA SOBRE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADA À ENFERMAGEM DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EVANGÉLICO DE CURITIBA HUEC KUBRUSLY, Adriana; KROKER, Eloísa Lago; OLIVEIRA, Manuela Mariah

Leia mais

Administração e Gestão Farmacêutica. Josiane, Mônica, Tamara Agosto 2014

Administração e Gestão Farmacêutica. Josiane, Mônica, Tamara Agosto 2014 Administração e Gestão Farmacêutica Josiane, Mônica, Tamara Agosto 2014 Responsabilidade dos geradores pelo gerenciamento dos resíduos até a disposição final; A exigência de se fazer a segregação na fonte;

Leia mais

ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG

ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG 30 Introdução: BERTONI, Aline Cristina CAMPOS, Sandro Xavier de CRUZ, Gilson Campos Ferreira da As Universidades

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

ESTIMATIVA E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES DAS UNIDADES DE SAÚDE DE BARREIRAS - BAHIA

ESTIMATIVA E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES DAS UNIDADES DE SAÚDE DE BARREIRAS - BAHIA ESTIMATIVA E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES DAS UNIDADES DE SAÚDE DE BARREIRAS - BAHIA Andreia Porto de Souza (1) Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Federal do Oeste

Leia mais

HOSPITAL UNIMED NOVA FRIBURGO-RJ

HOSPITAL UNIMED NOVA FRIBURGO-RJ HOSPITAL UNIMED NOVA FRIBURGO-RJ Programa de Educação Continuada e Qualificação em Enfermagem NOVA FRIBURGO - RJ Responsável: Enfermeira Cássia Nunes CONSIDERAÇÕES O Hospital Unimed Nova Friburgo encontra

Leia mais

O gerenciamento dos Resíduos de Serviço de Saúde (RSS) gerados em Farmácias de Fortaleza-Ce

O gerenciamento dos Resíduos de Serviço de Saúde (RSS) gerados em Farmácias de Fortaleza-Ce O gerenciamento dos Resíduos de Serviço de Saúde (RSS) gerados em Farmácias de Fortaleza-Ce Yasmin Pinheiro Vidal 1, Jéssica Maria da Silva Pacheco 1, Tayla Jéssica Santana Andrade 1, Larissa Pereira Manso

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Descarte de Medicamentos Fernanda Peixoto Sepe Melo Autoridade Sanitária - DVMC/SVS/SES-MG 25/08/11

Descarte de Medicamentos Fernanda Peixoto Sepe Melo Autoridade Sanitária - DVMC/SVS/SES-MG 25/08/11 Descarte de Medicamentos Fernanda Peixoto Sepe Melo Autoridade Sanitária - DVMC/SVS/SES-MG 25/08/11 www.saude.mg.gov.br Legislações RDC 306 2004 - Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho e treinamento profissional para os profissionais da Saúde em um Hospital Público em Belo Horizonte, Minas Gerais

Qualidade de vida no trabalho e treinamento profissional para os profissionais da Saúde em um Hospital Público em Belo Horizonte, Minas Gerais Qualidade de vida no trabalho e treinamento profissional para os profissionais da Saúde em um Hospital Público em Belo Horizonte, Minas Gerais Caroline Bicalho Maluf Belo Horizonte Julho, 2012 1. PROBLEMA

Leia mais

CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL. Escola SENAI Celso Charuri Unidade Sumaré CFP 512. Programa de Coleta de Óleo Comestível Usado

CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL. Escola SENAI Celso Charuri Unidade Sumaré CFP 512. Programa de Coleta de Óleo Comestível Usado CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL Escola SENAI Celso Charuri Unidade Sumaré CFP 512 Programa de Coleta de Óleo Comestível Usado Programa Nº 01/2017 Sumário 1. Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais