COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo:"

Transcrição

1 COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1

2 Coleta Deve ser efetuada SEMPRE nos mesmos dias da semana em horários regulares. Tempo MAX. GERAÇÃO / DESTINO FINAL: 2 ou 3 dias: Frequência mínima de coleta: 3 X por semana.

3 OBJETIVOS: Evitar problemas de saúde pública e enchentes Estética e qualidade de vida. 3

4 Cobertura (%) de Coleta SNIS

5 Cobertura (%) de Coleta SNIS

6 Percentuais de coleta por região SNIS

7 Percentuais de coleta por região SNIS

8 Total Coletado 8

9 Total coletado: participação por regiões

10 Massa coletada diária percapita média SNIS

11 Massa coletada diária percapita média SNIS

12 Indicadores: Número de garis por 1000 habitantes: 0,2 e 0,4 Média coletada por agente: 2 a 5 t/jornada 12

13 Metas a alcançar Universalidade e regularidade dos serviços; Participação da comunidade. 13

14 Eficiência da coleta depende: Bom planejamento técnico; Equipamentos específicos; Participação comunitária e Parceria entre e população e o órgão responsável pelo serviço Terceirização: torna a coleta eficiente Prefeitura: órgão fiscalizador.

15 Tipos de Coleta Coleta domiciliar ou regular; Coleta de feiras livres, praias, calçadas e estabelecimentos públicos; Coleta especial: resíduos não recolhidos pela coleta regular, (podas de árvores, bocas de lobo, animais mortos, RSS, pequenos volumes de entulhos,...); Coleta seletiva Recolhe resíduos segregados na fonte (Lei PNRS); Coleta dos estabelecimentos industriais, deve ser diferenciada da regular e especial.

16 Coleta RSS Segregação na origem, acondicionamento correto, transporte interno de resíduos, armazenamento adequado (PGRSS) redução do índice de infecções hospitalares Município pode coletar RSS Classe D e A4 (não necessitam de tratamento e podem ser dispostos em AS) 16

17 Geração: função do número de leitos Local Geração média (kg/leito/dia) Chile 0,97 1,21 Venezuela 3,1 Argentina 1,85 3,65 Peru 2,93 Paraguai 3,8 BRASIL 2,63 RIO DE JANEIRO 3,98 17

18 Viaturas para coleta / transporte de RSS Sem compactação; Dispositivos de captação de chorume; Dispositivos para basculamento de contêineres. Freqüência de coleta (RSS): DIÁRIA 18

19 Coleta Seletiva SNIS MÉDIA de Reciclagem no país: 2,4% Informações SNIS devem ser analisadas com cautela : : : há inconsistências devidas às informações dos municípios. 19

20 Coleta Seletiva SNIS

21 Freqüência de Coleta: Resíduos Domiciliares. Coleta diária: áreas comerciais e centrais Dias alternados: áreas residenciais 21

22 Horário de Coleta Noturna Função do porte do município; Maior produtividade; Maior velocidade média de transporte; Menor interferência nas áreas de circulação intensa; Ruído; Riscos de acidentes. Diurna: Preferencialmente em bairros residenciais. 22

23 Coleta Rotas de coleta Dados levantados: planejamento dos roteiros de coleta, os itinerários por onde os veículos coletores deverão passar para efetuar a coleta?????? O itinerário é implantado de forma que o veículo coletor esgote sua capacidade de carga, percorra todas as ruas e, finalmente dirija-se ao sítio de destinação final.

24 Coleta Rotas de coleta Percurso improdutivo Trechos percorridos em que o veículo não realiza coleta, servindo apenas para deslocamento de um ponto a outro. Regras práticas: Início da coleta: próximo à garagem; Término da coleta: próximo à área de descarga; Coleta sentido descendente quando feita em vias íngremes; Percurso contínuo: coleta nos dois lados da rua.

25 Coleta Rotas de coleta Deve-se elaborar para cada itinerário de coleta: Roteiro gráfico de área, em mapa ou croqui (início/término); Todos os percursos; Pontos de coleta manual (sem acesso a veículos: lixo conduzido pelos coletores); Trechos com percurso morto e manobras especiais, marcha ré, retorno.

26 Rotas de coleta

27 Rotas de coleta

28 Planejamento/Projeto: Resumo Etapa 1: Levantamento de dados: Mapas (Esc. 1:5000 OU 1:10000) Planialtimétricos; Tipo de pavimento e sentido de tráfego; Regiões produtoras: características; Localização: Unidades de: Ensino, Saúde, Indústrias, Shopping Centers e feiras livres; Destino final... 28

29 Etapa 1 (cont...): Total de veículos disponíveis e suas capacidades; VOLUME DE LIXO COLETADO; Distâncias do sítio de destinação final; Possibilidade de aquisição de veículos. 29

30 Etapa 3: Dimensionamento da frota e guarnição. Frota: Função de V coleta, V transporte, Distância da garagem aos setores, ao sítio de disposição final, da jornada de trabalho, geração total, capacidade dos caminhões. Guarnição: um motorista e 2 a 4 servidores. 30

31 Seleção do Veículo Coletor São considerados: A natureza e a quantidade do lixo; Característica viária facilidade de acesso; Tipo de pavimentação e topografia; Facilidade em adquirir peças de reposição; Os custos de operação e manutenção; Disponibilidade financeira do município; Capacitação técnica de manutenção.

32 Coleta Escolha do veículo coletor Caminhões compactadores são recomendados para áreas de média a alta densidades, em vias que apresentem condições favoráveis de tráfego. Nas cidades pequenas os equipamentos sem compactação são os mais indicados. Cidades médias e grandes: áreas com diferentes características justificam o uso de diversos tipos de equipamentos.

33 Características de Equipamentos Capacidade: 0,3 a 0,8 m 3 (120 a 200kg) Capacidade: 1,5 a 2,0m 3 (0,5 tonelada )

34 Características de Equipamentos Capacidade: 3,0 a 5,0m 3 (1 tonelada)

35 Dimensionamento da frota de cada setor de coleta: Ns Número de caminhões necessários para atender a um determinado setor; J (horas) duração útil da jornada de trabalho L (km) N s 1 J { ( L V c ) 2 ( Q ) ( ) } C extensão total das vias (ruas e avenidas) do setor de coleta; Vc (km/h) velocidade média de coleta. Varia entre 4,0 e 6,5 km/h; Dg (km) Distância entre a garagem e o setor de coleta; Vt (km/h) Velocidade média de transporte (da garagem até o setor e do setor até a descarga e viceversa). Varia entre 15 e 30 km/h. D V g t ) 2 ( D v d t

36 Dimensionamento da frota de cada setor de coleta: N s 1 J { ( L V c ) 2 ( D V g t ) 2 ( D v d t ) Q ( C ) } Dd (km) Distância entre o setor de coleta (centro geométrico) e o ponto de descarga; Q (t ou m 3 ) quantidade total de lixo a ser coletada no setor; C (t ou m 3 ) Capacidade dos veículos de coleta. Considera-se 70% da capacidade nominal (variabilidade da quantidade de lixo gerada). Obs: Adota-se 10% adicionais para cobrir manutenções e 5% para emergências

37 Dimensionamento da frota: Exemplo Dados: Bairro: 3 setores de coleta

38 População atendida: Setor habitantes; Setor habitantes; Setor habitantes; Extensão das vias de coleta: Setor 1-7,0 km; Setor 2-6,9 km; Setor 3-4,0 km; Produção percapita: 0,50 kg/hab.dia; Distância da garagem ao setor de coleta: Setor 1-2,5 km; Setor 2-3,0 km; Setor 3-1,8 km; Distância do setor à estação de transbordo: Setor 1-3,5 km; Setor 2-3,4 km; Setor 3-1,0 km; Velocidade média de coleta e transporte: Vc = 4,0 km/h; Vt = 30,0 km/h.; J = 7 horas Capacidade do caminhão compactador C = 10 m 3. USE 70% DO TOTAL DE Capacidade. Peso específico lixo compactado = 800 kg/m 3.

39 Etapa 4: Implantação. Funcionário do planejamento acompanha motorista e faz o percurso. Avaliação de resultados e Ajustes. Indicadores de produtividade, de eficiência operacional, de utilização de mão-de-obra, manutenção, de qualidade e de segurança. 39

40 Etapa 5: Avaliação de desempenho Indicadores de Produtividade (IP) IP1 = Toneladas coletadas/turno/n o veículo Entre 8 e 16 t/turno/caminhão. Em média 2 viagens por turno por caminhão Capacidade média do caminhão compactador: 10 a 15 m 3. IP2 = km de coleta/turno/veículo Indica total km percorrido por veículo por turno 40

41 Etapa 5: Avaliação de desempenho Baixos valores de IP1 e IP2 Baixa eficiência de coleta. Alta quilometragem e baixa tonelagem Baixa densidade do lixo. Baixa quilometragem e alta tonelagem Elevada densidade do lixo. 41

42 Etapa 5: Avaliação de desempenho Utilização do veículo a) Velocidade Média de Coleta Valor médio entre 4,0 km/h e 6,5 km/h b) km de Coleta/(km de Coleta E Transporte) c) km de Coleta/(km Total) d) Tonelagem de Coleta/Capacidade total 42

43 Etapa 5: Avaliação de desempenho Indicadores de uso da Mão de obra: Número de coletores/1000 hab. entre 0,2 e 0,4 Tonelada coletada/turno/coletor entre 2 e 5 na América Latina. (turno de 8 h) 43

44 Etapa 5: Avaliação de desempenho Custos Unitários Envolvidos a) Custo quilométrico1: Custo mensal de coleta/km total mensal percorrido b) Custo quilométrico2: Custo mensal de coleta/peso total mensal transportado c) Custo quilométrico3: Custo Total da coleta/população atendida 44

45 Custos médios por habitante (ABRELPE 2010) Custo médio total anual de coleta no país: Custo por tonelada coletado: CTC CTC = (R$ /ano)/( t/ano) (Dados ABRELPE) CTC ~ R$132,2 / (t coletada)

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada em cada

Leia mais

Planejamento e Gestão de RSU COLETA, TRANSPORTE e TRANSBORDO

Planejamento e Gestão de RSU COLETA, TRANSPORTE e TRANSBORDO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária Planejamento e Gestão de RSU COLETA, TRANSPORTE e TRANSBORDO 22/6/2016 1 Etapas de Planejamento:

Leia mais

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Artigo: Transbordo de Resíduos (Rodrigo

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Planejamento e Gestão de RSU LIMPEZA URBANA PGRSU 2016/1 3ª e 5ª 10:00 às 12:00h 22/6/2016 1 Limpeza Urbana: CF Art 30 Lei 11445/2007

Leia mais

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016 Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos Pós-grraduação em Engenharia Civil e Ambiental 6 Armazenamento, Coleta e Transporte Professor: Sandro Donnini Mancini

Leia mais

Módulo Gerenciamento dos Resíduos Sólidos 4.2. Coleta 4.3. Transporte 4.4. Tratamento Exercícios

Módulo Gerenciamento dos Resíduos Sólidos 4.2. Coleta 4.3. Transporte 4.4. Tratamento Exercícios Módulo 4 4.1. Gerenciamento dos Resíduos Sólidos 4.2. Coleta 4.3. Transporte 4.4. Tratamento Exercícios 4.1 Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos é um conjunto

Leia mais

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência

Leia mais

COLETA LATERAL MECANIZADA X COLETA TRASEIRA MANUAL

COLETA LATERAL MECANIZADA X COLETA TRASEIRA MANUAL Eng. Wilson Molina Ribas COLETA LATERAL MECANIZADA X COLETA TRASEIRA MANUAL APRESENTAÇÃO LAVRITA Lavrita Engenharia com 42 anos de atividade nas áreas de Engenharia, Indústria e Serviços, tornou-se referência

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia)

Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia) 8/5/2016 1 Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia) Relação da Quantidade diária de resíduos da região em função do n o de habitantes IMPORTÂNCIA: Planejamento do SLU: Coleta, Transporte Tratamento

Leia mais

Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS

Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS TWM Soluções Ambientais Ltda A TWM AMBIENTAL nasceu com o compromisso de atender, com responsabilidade e respeito, às necessidades

Leia mais

COLETA DE LIXO SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESCOPO CRITÉRIOS DE PROJETOS ANEXO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS

COLETA DE LIXO SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESCOPO CRITÉRIOS DE PROJETOS ANEXO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE COLETA DE LIXO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 - CRITÉRIOS DE PROJETOS

Leia mais

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras ANEXO IV - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA METODOLOGIA DE EXECUÇÃO Este Anexo tem por objetivo definir os requisitos a serem observados pela LICITANTE na elaboração da METODOLOGIA DE EXECUÇÃO, que

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SINIMBU PODER EXECUTIVO ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SINIMBU PODER EXECUTIVO ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ANEXO II Coleta de Lixo: PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA COLETA DE RESÍDUOS URBANOS E RURAIS - SINIMBU 2015 1. MÃO DE OBRA MOTORISTAS DIURNO DISCRIMINAÇÃO UNIDADE QUANT. PREÇO SUB TOTAL TOTAL Horas Normais

Leia mais

conversas informais com o motorista do veículo coletor, responsável pelo recolhimento diário dos resíduos domiciliares no município, bem como, várias observações in loco, algumas realizadas, inclusive,

Leia mais

Os métodos e procedimentos de análise dos contaminantes gasosos estão fixados na Norma Regulamentadora - NR 15.

Os métodos e procedimentos de análise dos contaminantes gasosos estão fixados na Norma Regulamentadora - NR 15. Capítulo 5 Resíduos Industriais NR 25 25.1. Resíduos gasosos. 25.1.1. Os resíduos gasosos deverão ser eliminados dos locais de trabalho através de métodos, equipamentos ou medidas adequadas, sendo proibido

Leia mais

Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil

Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil 1 Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil 2 Definição PGRS é parte integrante da Lei 12.305, de 2010, que instituiu o PNRS Plano Nacional de Resíduos Sólidos; PGRCC é um documento que aponta

Leia mais

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS. Serviços de Limpeza Urbana. de Porto Alegre

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS. Serviços de Limpeza Urbana. de Porto Alegre AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Serviços de Limpeza Urbana de Porto Alegre 4ª AUDIÊNCIA PÚBLICA 1. Transporte, para o destino final, dos resíduos sólidos urbanos gerados em Porto Alegre 2. Proposta de Instalação de

Leia mais

Transporte Público Urbano PTR Prof. Orlando Strambi

Transporte Público Urbano PTR Prof. Orlando Strambi Transporte Público Urbano PTR-2577 Prof. Orlando Strambi Planejamento da Oferta de Transporte Público Planejamento da oferta de transporte público atendendo a demanda frequência exemplo de uma linha/sentido

Leia mais

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Instituto de Engenharia SP Divisão Técnica de Engenharia Sanitária do Instituto de Engenharia DTES/I.E 06 de abril de 2011 Francisco Luiz Rodrigues

Leia mais

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com RESPONSABILIDADES FASE INTERNA FASE EXTERNA Geração Coleta interna Acondicionamento Armazenamento

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO INTRODUÇÃO Os resíduos do serviço de saúde ocupam um lugar de destaque, pois merecem atenção especial em todas as suas fases de manejo (segregação,

Leia mais

Limpeza urbana em São Paulo e a evolução do sistema de coleta

Limpeza urbana em São Paulo e a evolução do sistema de coleta Limpeza urbana em São Paulo e a evolução do sistema de coleta Brasil O Brasil produz cerca de 215 mil toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos RSU todos os dias. 78,6 milhões de toneladas por ano. Fonte:

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

ANEXO 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO

ANEXO 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO ANEXO 3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO CONTEXTO DEFINIÇÕES 1. ROTA: conjunto contíguo de vias que formará uma rota ciclável. A ROTA diferencia-se de uma via apenas pelo nome, ou seja, duas ou

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NOS MUNICIPIOS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NOS MUNICIPIOS IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional S.Paulo GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NOS MUNICIPIOS Novas Tecnologias para o Saneamento Básico Associação Nacional dos Serviços Municipais

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE

COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE - 2012 Capacitação / Aulas / Cursos / Palestras oferecidas: Realizada capacitação de 2336 pessoas, com intenção de sensibilizar os servidores

Leia mais

LAVAGEM AUTOMOTIVA. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

LAVAGEM AUTOMOTIVA. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: LAVAGEM AUTOMOTIVA 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

BRT: Uma visão sistêmica

BRT: Uma visão sistêmica BRT: Uma visão sistêmica Gustavo Nogueira Marketing do Produto Sistemas de Transporte BRT Campinas, 20 de janeiro de 2016 Presença global da Daimler Ônibus América do Norte Espanha Alemanha México Turquia

Leia mais

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS HSA 0109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Sistema de Limpeza Urbana Engo. Francisco Luiz Rodrigues Profa. Dra. Wanda Risso Günther FSP/USP Fatores que influenciam a geração de resíduos nos centros urbanos

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco.

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco. CONCEITOS DE REDE Uma rede é formada por um conjunto de nós, um conjunto de arcos e de parâmetros associados aos arcos. Nós Arcos Fluxo Interseções Rodovias Veículos Rodoviários Aeroportos Aerovia Aviões

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTE, OBRAS, SANEAMENTO E TRÂNSITO PROJETO BÁSICO

SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTE, OBRAS, SANEAMENTO E TRÂNSITO PROJETO BÁSICO SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTE, OBRAS, SANEAMENTO E TRÂNSITO PROJETO BÁSICO SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES, OBRAS, SANEAMENTO E TRÂNSITO - PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO

Leia mais

RSS CLASSIFICAÇÃO (CONAMA 358/2005)

RSS CLASSIFICAÇÃO (CONAMA 358/2005) 8/5/2016 1 RSS CLASSIFICAÇÃO (CONAMA 358/2005) A RISCO BIOLÓGICO não recicláveis nem reutilizáveis art. 20 Alguns são Classe I; B RISCO QUÍMICO (se não tratados Classe I); C RISCO RADIOATIVO; D DOMÉSTICOS;

Leia mais

OPERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO

OPERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO OPERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO Prof. Luis Antonio Lindau LASTRAN Laboratório Sistemas de Transportes DEPROT - Departamento de Engenharia de Produção e Transportes UFRGS Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ANGICOS/RN

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ANGICOS/RN CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ANGICOS/RN Valquiria Melo Souza Correia UFERSA - Universidade

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA

DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Salvador/BA 25 a 28/11/2013 DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Wilker Jose Caminha dos Santos, Ramynngly

Leia mais

Delivery x2 vs Ford Cargo 816 4x2. VW rpm + 9,10% Ford 1500 rpm

Delivery x2 vs Ford Cargo 816 4x2. VW rpm + 9,10% Ford 1500 rpm Página 1 de 7 Você está em DELIVERY 8.160 4X2 Home» Caminhões Volkwagen» Delivery Olá EDUARDO VASQUES SAIR Home Empresas Caminhões Volkswagen Delivery Delivery 5.150 4x2 Delivery 8.160 4x2 Delivery 9.160

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ROTEIROS DE COLETA SELETIVA

PLANEJAMENTO DE ROTEIROS DE COLETA SELETIVA PLANEJAMENTO DE ROTEIROS DE COLETA SELETIVA Mara Luísa Alvim Motta (1) Arquiteta I da Superintendência de Limpeza Urbana de Belo Horizonte, desde 1995, atualmente coordenadora do Projeto de Coleta Seletiva

Leia mais

Programa Integrado de Gerenciamento de resíduos em Instituição pública de saúde. Neuzeti Santos SP, 24/11/2016

Programa Integrado de Gerenciamento de resíduos em Instituição pública de saúde. Neuzeti Santos SP, 24/11/2016 Programa Integrado de Gerenciamento de resíduos em Instituição pública de saúde Neuzeti Santos SP, 24/11/2016 Neuzeti Santos Administradora Hospitalar Especialista em Gerenciamento de Resíduos de Saúde

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA DO AMBIENTE. Disciplina: Gestão e Tratamento de Resíduos Sólidos

FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA DO AMBIENTE. Disciplina: Gestão e Tratamento de Resíduos Sólidos CASO 1: Maxixe Maxixe é uma cidade de 55385 habitantes. O município administra recolha de resíduos sólidos urbanos da cidade. Os resíduos são recolhido porta-a-porta por coleccionadores / empregados que

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA EQUIPE DIRETORA DE DEPARTAMENTO: Solange Aparecida de Jesus Amorim Auxiliares: Marlene Aparecida dos Santos Iranilda da

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² A medição do serviço de regularização do sub-leito será feita por metro quadrado (m²) de pista concluída, de acordo com plataforma de terraplenagem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Andrelândia (MG) - São Paulo (SP). A ligação, representada na

Leia mais

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos 04/02/16 ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS Celes=na Barros EGF, SA INDICE Histórico da Recolha Sele=va no Grupo Metas de retomas Recolha Sele=va Valorização Orgânica Digestão

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FROTA RODOVIÁRIA: OTIMIZAÇÃO ATRAVÉS DA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS SOB O PRISMA DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DIMENSIONAMENTO DE FROTA RODOVIÁRIA: OTIMIZAÇÃO ATRAVÉS DA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS SOB O PRISMA DA PROGRAMAÇÃO LINEAR DIMENSIONAMENTO DE FROTA RODOVIÁRIA: OTIMIZAÇÃO ATRAVÉS DA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS SOB O PRISMA DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Fernando Borges Silveira 1 Carlos Augusto Silveira 2 RESUMO A logística

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) ODONTOLOGIA O gerenciamento dos RSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG)

Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG) Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG). A ligação, representada na

Leia mais

ANEXO SUGESTÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MOBILIDADE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 19

ANEXO SUGESTÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MOBILIDADE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 19 ANEXO SUGESTÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MOBILIDADE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 19 INDICADORES COMUNS TRANSPORTE COLETIVO CONVENIÊNCIA / CONFIABILIDADE ACESSIBILIDADE INFORMAÇÃO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE)

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE) Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 0 MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS MRS BLOCO 0 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO NÚMERO

Leia mais

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CONSORCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTAVEL - 4AMBIENTAL, COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR)

Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR) Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Manaus (AM) Caracaraí (RR), com uma extensão de 642,20 km. A ligação

Leia mais

Debate. Sarjetas. As valetas construídas nos pés dos aterros servem para conduzir a água proveniente. e das sarjetas para os bueiros.

Debate. Sarjetas. As valetas construídas nos pés dos aterros servem para conduzir a água proveniente. e das sarjetas para os bueiros. Fonte: http://www.drenagem.ufjf.br/06dren _sup03_vpa.htm As valetas construídas nos pés dos aterros servem para conduzir a água proveniente de outras valetas e das sarjetas para os bueiros. Debate Qual

Leia mais

SISTEMA DE LIMPEZA E SERVIÇOS URBANOS E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

SISTEMA DE LIMPEZA E SERVIÇOS URBANOS E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS e Limpeza Pública SISTEMA DE LIMPEZA E SERVIÇOS URBANOS E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Paulo Mangueira Diretor Técnico e de Engenharia COMLURB A Evolução da Limpeza Pública 14 de setembro de 2017 Rio de

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Engenharia de Produção TEORIA DAS FILAS X COLETA DE RESIDUOS SOLIDOS

Engenharia de Produção TEORIA DAS FILAS X COLETA DE RESIDUOS SOLIDOS Engenharia de Produção TEORIA DAS FILAS X COLETA DE RESIDUOS SOLIDOS Hestevan Araujo Gonçalves Claudino Telles de almeida Deivid Luiz de Melo Marques Luis Carlos Troina Brinkeroff Thiago Borges Siqueira

Leia mais

Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias

Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias 1. Informações sobre a praia candidata: 1.1 Nome da Praia 1.2 Região da Praia 1.3 Localização Geográfica Latitude: Longitude: 1.4 Nome do responsável

Leia mais

RESULTADOS DO PILOTO DE ENTREGAS NOTURNAS EM SÃO PAULO. SMT/DSV/CET CISLog/USP

RESULTADOS DO PILOTO DE ENTREGAS NOTURNAS EM SÃO PAULO. SMT/DSV/CET CISLog/USP RESULTADOS DO PILOTO DE ENTREGAS NOTURNAS EM SÃO PAULO SMT/DSV/CET CISLog/USP São Paulo, 18 de maio de 2015 Sumário 1. Objetivo 2. Histórico 3. Avaliação 4. Propostas para próximos passos 1. O projeto

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTATO APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Fernando R. da Matta Baptista - CESAN Irene T. Rabello Laignier ABES -ES Irene T Rabello Laignier,

Leia mais

Diego Mateus da Silva Coordenador de Gestão da Demanda por Viagens, ITDP Brasil. Conceitos e Estratégias de Gestão da Demanda por Viagens (GDV)

Diego Mateus da Silva Coordenador de Gestão da Demanda por Viagens, ITDP Brasil. Conceitos e Estratégias de Gestão da Demanda por Viagens (GDV) Diego Mateus da Silva Coordenador de Gestão da Demanda por Viagens, ITDP Brasil Conceitos e Estratégias de Gestão da Demanda por Viagens (GDV) Objetivo da sessão e roteiro Objetivo da sessão Apresentar

Leia mais

Plano de gerenciamento de resíduos sólidos - PGRS

Plano de gerenciamento de resíduos sólidos - PGRS Plano de gerenciamento de resíduos sólidos - PGRS Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil Marco mundial: Agenda 21 (ECO-92): busca do desenvolvimento sustentável e é o principal

Leia mais

Gestão de Frotas na Limpeza Urbana. Senalimp 13 à 15 de Setembro de 2016

Gestão de Frotas na Limpeza Urbana. Senalimp 13 à 15 de Setembro de 2016 Gestão de Frotas na Limpeza Urbana Senalimp 13 à 15 de Setembro de 2016 Panorama Atual do Segmento de Limpeza Urbana Evolução dos Equipamentos 1 Caminhão de Resíduos 4x2 (Toco) O porque do Toco? 1 Caminhão

Leia mais

Parque de Resíduos. FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE

Parque de Resíduos. FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE Parque de Resíduos FUNFARME Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto SP - HOSPITAL DE BASE Vista aérea complexo FUNFARME Hemocentro Hospital H C P. Resíduos Faculdades Ambulatório

Leia mais

Projeto Básico ANEXO I ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SINIMBU PODER EXECUTIVO

Projeto Básico ANEXO I ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SINIMBU PODER EXECUTIVO ANEXO I 1 Projeto Básico Descrição do Objeto Justificativa Cronograma de prestação de serviços DESCRIÇÃO DO OBJETO A Prefeitura Municipal de Sinimbu descreve o objeto dessa ação como sendo: Item 01: A

Leia mais

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Oficina de trabalho MANEJO DOS RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO DF Painel 2 Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Maria Salete Marreti Brasília A M L U R B A u t o r i d a

Leia mais

1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 29 a 31 de Outubro de 2008

1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 29 a 31 de Outubro de 2008 Diagnóstico da geração e destinação dos resíduos sólidos da Cidade de São Gabriel-RS Acad. Rosangela Silva Gonçalves 1, Acad. Julio Cesar Bresolin Marinho 2, Acad. Ângela Hubert Nelfeld 3, Prof. Dr. Claudia

Leia mais

NEOCASA HÁ MAIS DE 20 ANOS, CONSTRUINDO SONHOS

NEOCASA HÁ MAIS DE 20 ANOS, CONSTRUINDO SONHOS NEOCASA HÁ MAIS DE 20 ANOS, CONSTRUINDO SONHOS A NEOCASA acumula experiência de mais de 20 anos de mercado imobiliário e, em parceria com os seus sócios e gestores, desenvolveu grande know-how na incorporação

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Panorama e Política Nacional de

Panorama e Política Nacional de Panorama e Política Nacional de Resíduos SólidosS Seminário de Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos Regional Sudeste ABES, São Paulo Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Dados

Leia mais

Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC)

Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC) Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC), com uma extensão

Leia mais

PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Setembro - 2010 OBJETIVOS GERAIS: Criar condições viáveis para a população exercer práticas ambientais corretas.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA URBANA DO MUNICIPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA - PA

DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA URBANA DO MUNICIPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA - PA Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA URBANA DO MUNICIPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA - PA Maxwel Lima Santos, IFPA Instituto Federal do Pará, graduando do

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS.

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social / Nome completo: C.N.P.J. / C.P.F.: Endereço: Bairro: Classificação

Leia mais

Agradecimentos... Prefácio...

Agradecimentos... Prefácio... Sumário Agradecimentos........................ Prefácio................................ Apresentação..... CAPÍTULO I O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO LIXO MUNICIPAL loque é gerenciar o lixo municipal de forma

Leia mais

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº / 2012

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº / 2012 LEI Nº 2.294 / 2012 Acrescenta o Capítulo VII-A acompanhado de dispositivos pertinentes, ao Título II da Lei Municipal Nº 921/82 Código de Posturas do Município de Juazeiro Bahia, e dá outras providências.

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS

TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS

Leia mais

3. Acondicionamento. Onde começam os problemas para o serviço de limpeza Urbana de sua cidade?

3. Acondicionamento. Onde começam os problemas para o serviço de limpeza Urbana de sua cidade? 3. Acondicionamento Onde começam os problemas para o serviço de limpeza Urbana de sua cidade? A esta pergunta, certamente, poucas pessoas responderão: Em nossas próprias residências. Pois é exatamente

Leia mais

Objetivo 7 - Garantir a sustentabilidade ambiental

Objetivo 7 - Garantir a sustentabilidade ambiental Apresentação dos Resultados do Relatório ODM BH 2014 - Meta 10 - Reduzir pela metade, até 2015, a proporção da população sem acesso permanente e sustentável à água potável e esgotamento sanitário Ricardo

Leia mais

Coleta de Resíduos Domiciliares Planilha de Composição de Custos. 1. Mão-de-obra

Coleta de Resíduos Domiciliares Planilha de Composição de Custos. 1. Mão-de-obra 1. Mão-de-obra 1.1. Coletor Turno Dia Salário Normal mês 1 1.092,25 1.092,25 Horas Extras (100%) hora 8 9,93 79,44 Horas Extras (50%) hora 26 7,45 193,63 Adicional de Insalubridade % 40 1.365,31 546,13

Leia mais

Estrada de Rodagem Introdução

Estrada de Rodagem Introdução Estrada de Rodagem Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 2 Provas (individual) - Datas a serem marcadas conforme andamento da matéria 1 Trabalho

Leia mais

BREVE HISTÓRICO SANEAMENTO BÁSICO

BREVE HISTÓRICO SANEAMENTO BÁSICO BREVE HISTÓRICO SANEAMENTO BÁSICO DECADA DE 50 Criação dos Serviços Autônomos de Água e Esgotos - SAAE 1968 - CRIAÇÃO BNH Agente financeiro oficial da política de habitação e saneamento 1969 - Instituição

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli NOÇÕES DE TRÁFEGO: Volume de tráfego: É o principal parâmetro no estudo do tráfego. Por definiçãoéonúmerodeveículosquepassaporuma determinada seção de uma

Leia mais

Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos

Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos 1 Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos 2 Disposição Final dos RSU s O poder público confunde aterro sanitário com vazadouros, lixões e depósitos de resíduos; Maior problema dos aterros orgânica

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS - CEASA / MG

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS - CEASA / MG DIRETRIZES PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS - CEASA / MG Mônica de Abreu Azevedo (1) Engenheira Civil, formada pela Universidade Federal de Viçosa,

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Aula 06 Declividade e estruturação viária Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas de Nível Estrada em serra francesa

Leia mais

VISITE NOSSO SITE

VISITE NOSSO SITE VISITE NOSSO SITE www. SOLUÇÕES DE COLETA PARA SUA EMPRESA 1 CONHEÇA A EMPRESA Um pouco sobre a empresa e sua atuação nos serviços prestados na coleta com resposabilidade ambiental e compromisso. 2 EQUIPAMENTOS

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais