Ref.ª Newsletter 04/2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ref.ª Newsletter 04/2014"

Transcrição

1 Há 20 anos a contribuir para a segurança das empresas. Ref.ª Newsletter 04/2014 Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 220/2008, 12 de Novembro: Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndios em Edifício (SCIE). Portaria n.º 1532/2008, 29 de Dezembro: Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Consistem em procedimentos de organização e gestão da segurança e têm duas finalidades principais: a garantia da manutenção das condições de segurança definidas no projeto e a garantia de uma estrutura mínima de resposta a emergências. Pretendem também salvaguardar que os equipamentos e sistemas de segurança contra incêndios estão em condições de ser operados permanentemente e que, em caso de emergência, os ocupantes abandonem o edifício em segurança. As medidas de autoproteção e a gestão da segurança contra incêndios aplicam-se a todos os edifícios e recintos, incluindo os existentes à data da entrada em vigor do regulamento. (De acordo com o art.º 22, do Decreto-Lei 220/2008 de 12 de Novembro) A responsabilidade pela elaboração dos projetos de Segurança Contra Incêndios em Edifícios (SCIE) referentes a edifícios e recintos classificados na 3.ª e 4.ªcategorias de risco, decorrentes da aplicação do presente decreto-lei e portarias complementares, tem de ser assumida exclusivamente por um arquiteto, reconhecido pela Ordem dos Arquitetos (OA) ou por um engenheiro, reconhecido pela Ordem dos Engenheiros (OE), ou por um engenheiro técnico, reconhecido pela Associação Nacional dos Engenheiros Técnicos (ANET). (De acordo com o art.º 16, do Decreto-Lei 220/2008 de 12 de Novembro) Página 1 de 6

2 Quais as contraordenações e coimas aplicáveis à inexistência de medidas de autoproteção? A título exemplificativo, apresentam-se de seguida algumas contra ordenações e coimas aplicáveis no âmbito das medidas de autoproteção. (De acordo com o art.º 25, do Decreto-Lei n.º 220/2008, 12 de Novembro) As Medidas de Autoproteção exigíveis dependem da utilizaçãotipo e da categoria de risco do espaço. Só após a determinação da utilização-tipo e da categoria de risco se pode definir quais as medidas de autoproteção exigíveis e para tal importa analisar inúmeros fatores determinados na legislação referida. Após termos a utilização tipo e a categoria de risco verifica-se no quadro XXXIX, art.º 198, da Portaria n.º 1532/2008, 29 de Dezembro, quais as medidas a elaborar. Página 2 de 6

3 Utilizações Tipo de Edifícios e Recintos Considera-se que a maioria dos edifícios ou recintos foram classificados em 12 utilizações tipo, apresentadas no seguinte quadro: Tipo Utilização Edifícios Tipo I Tipo II Tipo III Tipo IV Tipo V Tipo VI Tipo VII Tipo VIII Tipo IX Tipo X Tipo XI Tipo XII Habitacionais Estacionamentos Administrativos Escolares Hospitalares e Lares de Idosos Espetáculos e Reuniões Públicas Hoteleiros e Restauração Comércio e Gares de Transportes Desportivos e Lazer Museus e Galerias de Arte Bibliotecas e Arquivos Industrias, Oficinas e Armazéns - Condomínios fechados para habitação. - Moradias isoladas, geminadas ou em banda. - Prédios de habitação. - Garagens para recolha de veículos. - Parques de Estacionamento. - Silos auto, abertos ou fechados, públicos ou privados. - Conservatórias do registo civil, comercial, predial. - Balcões de atendimento e Centros de atendimento. - Escritórios de empresas e outras entidades públicas ou privadas. - Centros de formação profissional e de tempos livres. - Estabelecimentos de ensino privados e públicos. - Jardins de infância. - Centros de apoio a idosos e centros de dia e deficientes. - Centros de saúde e clínicas privadas ou públicas. - Hospitais privados e públicos. - Casinos. - Discotecas e estúdios de gravação. - Teatros. - Bares. - Hotéis. - Restaurantes - Centros Comerciais. - Lojas. - Hipermercados. - Estádios. - Ginásios e Health Club. - Pavilhões gimno-desportivos. - Galerias de arte, Museus. - Oceanários, Parques zoológicos, botânicos. - Pavilhões de exposição. - Arquivos. - Bibliotecas. - Cinematecas. - Armazéns. - Estabelecimentos industriais. - Oficinas de reparação e manutenção. (De acordo com art.º 8, do Decreto-Lei 220/2008 de 12 de Novembro) Página 3 de 6

4 O Regulamento classifica os edifícios em categorias de risco. A 1.ª categoria de risco refere-se aos edifícios com mais baixo risco e a 4ª categoria de risco aos edifícios com risco mais elevado. Em função do nível de risco de cada edifício, assim vão ser mais ou menos exigentes as medidas de segurança (autoproteção). Os fatores de risco que condicionam esta classificação variam de utilização tipo para utilização tipo (UT). Em resumo, esses fatores são: Altura da UT; Número de pisos ocupada pela UT abaixo do nível de referência; UT inserida em edifício ou ao ar livre; Área bruta ocupada pela UT; Efetivo da UT (total e em locais do risco D ou E, em edifício ou ar livre); Locais de risco D ou E com saídas independentes diretas ao exterior, no plano de referência; Carga de incêndio modificada; Densidade de carga de incêndio modificada (em edifício ou ar livre). (Despacho 2074/2009) (De acordo com o art.º12 do Decreto-Lei 220/2008 de 12 de Novembro) De quantos em quantos pisos é necessário um edifício estar equipado com meios de extinção? O atual Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndios em Edifícios, publicado através da Portaria nº 1532/2008, de 29 de Dezembro, refere o seguinte, no seu artigo 163º: 1 - Todas as utilizações-tipo, com exceção da utilização-tipo I das 1ª e 2ªcategorias de risco, sem prejuízo das especificações do presente regulamento para os locais de risco, devem ser equipados com extintores devidamente dimensionados e adequadamente distribuídos, em edifícios e nos recintos alojados em tendas ou em estruturas insufláveis, de forma que a distância a percorrer de qualquer saída de um local de risco para os caminhos de evacuação até ao extintor mais próximo não exceda os 15m. 2 - Na ausência de outro critério de dimensionamento devidamente justificado, os extintores devem ser calculados à razão de: a)18l de agente extintor padrão por 500m 2 ou fração de área de pavimento do piso em que se situem; b) Um por cada 200m 2 de pavimento do piso ou fração, com um mínimo de dois por piso. Página 4 de 6

5 Os laboratórios e cozinhas devem ser dotados de mantas ignífugas em complemento dos extintores. (De acordo com o ponto 5, art.º 163 da Portaria 1532/2008 de 29 de Dezembro) Os edifícios ou recintos e as suas frações estão sujeitos a inspeções regulares, a realizar pela ANPC ou por entidade por ela credenciada, para verificação da manutenção das condições de SCIE aprovadas e da execução das medidas de autoproteção, a pedido do responsável de segurança. No caso dos edifícios da 1ª categoria de risco, a responsabilidade de fiscalização é dos municípios, na sua área territorial. A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica também pode fiscalizar no âmbito da colocação no mercado dos equipamentos, o que pode ter implicações nas medidas de autoproteção. As medidas de autoproteção podem ser auditadas a qualquer momento, pelo que o responsável de segurança deve fornecer a documentação e facultar o acesso a todos os espaços dos edifícios e recintos à entidade competente. Embora a segurança contra incêndio diga respeito a todos os ocupantes de um edifício, a segurança é uma responsabilidade que deve ser potenciada ao mais alto nível de gestão da entidade. A manutenção das condições de segurança contra risco de incêndio aprovadas e a execução das medidas de autoproteção aplicáveis aos edifícios e recintos são da responsabilidade das entidades a seguir referidas, consoante a utilização-tipo: Utilização - Tipo Ocupação Responsável de Segurança (RS) II a XII Cada Utilização Tipo Espaços Comuns a várias Utilizações - Tipo Proprietário ou Entidade Exploradora de cada Utilização Tipo Entidade Gestora dos Espaços Comuns a várias Utilizações - Tipo Página 5 de 6

6 As medidas de autoproteção devem ser entregues no centro distrital de operações e socorro - Autoridade Nacional da Proteção Civil (CDOS-ANPC): Até aos 30 dias anteriores à entrada em utilização do espaço, no caso de obras de construção nova, de alteração, ampliação ou mudança de uso. No caso dos edifícios e recintos existentes, a implementação deve ser imediata uma vez que o prazo legal estabelecido para o efeito expirou a 1 de Janeiro de OBS: Todo o conteúdo apresentado anteriormente nesta Nota Informativa, é baseada na legislação apresentada. Página 6 de 6

NOVO REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NOVO REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NOVO REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MANUTENÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS JORGE BERNARDO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SAÚDE DE COIMBRA 13 OUTUBRO 2010 TEMAS A

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifício

Segurança Contra Incêndio em Edifício Segurança Contra Incêndio em Edifício Elaboração de Medidas de Autoproteção - Consultores de Engenharia, Lda tem como obje vo a prestação de serviços de engenharia nas áreas do projeto e da gestão de empreendimentos

Leia mais

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC Francelino da Silva 1 1. OBJETIVO e APLICAÇÃO da NT 12 Segurança contra incêndio em edifícios Nota técnica N.º 12 da ANPC (NT 12) Sistemas automáticos de deteção

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO COIMBRA, 13 de Outubro de 2010 Mário Augusto Grilo - Eng.º Civil LEGISLAÇÃO ESTRUTURANTE Decreto - Lei nº 220/2008, de 12 de Novembro Regime Jurídico

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 01 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª I.I.01/

NOTA TÉCNICA nº 01 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª I.I.01/ NOTA TÉCNICA nº 01 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª I.I.01/2007-05-31 UTILIZAÇÕES-TIPO DE EDIFÍCIOS E RECINTOS RESUMO Desenvolver, com mais detalhe, os conceitos expressos no Artigo 6º do

Leia mais

De acordo com os artigos 12.º e 13.º do RJ-SCIE descrever mais detalhadamente a classificação das quatro categorias de risco para cada UT.

De acordo com os artigos 12.º e 13.º do RJ-SCIE descrever mais detalhadamente a classificação das quatro categorias de risco para cada UT. OBJETIVO De acordo com os artigos 12.º e 13.º do RJ-SCIE descrever mais detalhadamente a classificação das quatro categorias de risco para cada UT. APLICAÇÃO Interpretar ou complementar o RJ-SCIE. Utilização

Leia mais

Programas de conservação e manutenção

Programas de conservação e manutenção Caracterização do espaço Identificação de riscos Levantamento de meios e recursos Regras de exploração e comportamento Programas de conservação e manutenção Caderno de registo de segurança Abandonar todos

Leia mais

Alterações recentes ao Decreto-Lei n.º 220/2008 de 11 de novembro (RJ-SCIE) (Introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 224/2015 de 9 de outubro)

Alterações recentes ao Decreto-Lei n.º 220/2008 de 11 de novembro (RJ-SCIE) (Introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 224/2015 de 9 de outubro) (Introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 224/2015 de 9 de outubro) António Varela Portimão - 27 de maio de 2016 Objetivos das alteração ao RJ-SCIE: Clarificação de alguns aspetos do articulado; Correção de erros

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS O DL 220/2008, que estabeleceu o regime jurídico de segurança contra incêndios (SCIE), diz que estão sujeitos a este regime todos os edifícios ou fracções autónomas, qualquer

Leia mais

Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho

Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho Existe uma grande diversidade de empresas de segurança a operar no mercado, capazes de oferecer as mais variadas e avançadas soluções de segurança. Para os proprietários dos sistemas e utilizadores de

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO A ANPC já publicou o a ultima versão dos esclarecimentos sobre os procedimentos para a implementação das medidas de autoproteção. http://www.proteccaocivil.pt/segurancacontraincendios/pages/planosdeseguranca.aspx

Leia mais

Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção

Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção Lisboa 12 Novembro 2013 1 Regime Jurídico da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Medidas de Autoprotecção Enquadramento; A autoprotecção no RJ-SCIE

Leia mais

NFPA APSEI INSPEÇÕES REGULARES LIÇÕES APRENDIDAS INSPEÇÕES REGULARES. LIÇÕES APRENDIDAS

NFPA APSEI INSPEÇÕES REGULARES LIÇÕES APRENDIDAS INSPEÇÕES REGULARES. LIÇÕES APRENDIDAS INSPEÇÕES REGULARES. LIÇÕES APRENDIDAS 1 Ditado Popular : Mais vale prevenir do que remediar (É melhor adotar previamente as medidas julgadas necessárias no sentido de reduzir a possibilidade de ocorrência

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

Medidas de Autoproteção de Segurança Contra Incêndios em Edifícios

Medidas de Autoproteção de Segurança Contra Incêndios em Edifícios Título 1 Medidas de Autoproteção de Segurança Contra Incêndios em Edifícios 2 Medidas de Autoproteção de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Medidas de prevenção Procedimentos de prevenção ou planos

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO RJ-SCIE Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios

Leia mais

LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL E EVENTOS. 27/05/2016 Eng.º Estevão Duarte

LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL E EVENTOS. 27/05/2016 Eng.º Estevão Duarte Título 1 27/05/2016 2 LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL Lei habilitante Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril,

Leia mais

Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares

Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares Contextualização Nota Técnica n.º 09 [Sistemas de Proteção Passiva] Selagem de vãos Aberturas para passagem de cablagens e condutas Nota Técnica n.º 10

Leia mais

ANEXO L.4 Padrões para Estacionamentos

ANEXO L.4 Padrões para Estacionamentos PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS PLANO DIRETOR ANEXO L.4 Padrões para Estacionamentos Uso Mínimo vagas para PGT - 1 * para automotores Vagas para bicicletas Vagas para motocicletas automotores 1.1

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE

Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE Alexandra Santos 1 QUALIFICAÇÃO DE AUTORES DE PROJETO/MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO E DE TÉCNICOS RESPONSÁVEIS

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS www.campusesine.net SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS Desde dia 1 de janeiro de 2010 passou a ser obrigatória, para todos os edifícios, a existência de um plano de segurança, apesar de se tratar de uma lei com

Leia mais

Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos. Orlanda de Meneses Cunha

Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos. Orlanda de Meneses Cunha Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos Orlanda de Meneses Cunha 1 DPGU / Divisão de Edifícios e Equipamentos Municipais Faz

Leia mais

Plano de Segurança Interno

Plano de Segurança Interno Plano de Segurança Interno Reduzir a probabilidade de ocorrência de incêndios Limitar o desenvolvimento de incêndios; Facilitar a evacuação e salvamento dos ocupantes em risco; Permitir a intervenção eficaz

Leia mais

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares Câmara Municipal da madora Medidas de utoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares CID D E D M D OR madoraeduca Grafismo:.Galvão/GDC/GIRP - Impressão e acabamento: OG/GIRP Minuta Técnica para Elaboração

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS Decreto-Lei n.º 142/2010. D.R. n.º 253, Série I de 2010-12-31 Altera as normas de especificação técnica para a composição da gasolina e do gasóleo rodoviário,

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS. UMA BREVE ANÁLISE DO NOVO QUADRO LEGAL DE SCIE João Lopes Porto

ORDEM DOS ENGENHEIROS. UMA BREVE ANÁLISE DO NOVO QUADRO LEGAL DE SCIE João Lopes Porto ORDEM DOS ENGENHEIROS UMA BREVE ANÁLISE DO NOVO QUADRO LEGAL DE SCIE João Lopes Porto PAINEL sobre a REGULAMENTAÇÃO de SCIE NOVOS DESENVOLVIMENTOS Lisboa, 27 de Maio de 2009 ESQUEMA GERAL NOTA PRÉVIA DL

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+

TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+ TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+ 1 EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS São considerados Empreendimentos Turísticos os estabelecimentos que se destinam a prestar serviços de alojamento turístico,

Leia mais

FORMAÇÃO E SIMULACROS SEGUNDO A REGULAMENTAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS

FORMAÇÃO E SIMULACROS SEGUNDO A REGULAMENTAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS 2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011 FORMAÇÃO E SIMULACROS SEGUNDO A REGULAMENTAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS

Leia mais

H - HABITAÇÃO C - COMÉRCIO

H - HABITAÇÃO C - COMÉRCIO H - HABITAÇÃO H 01 H 02 H 03 H 04 H 05 H 06 H 07 H 08 H 09 H 10 H 11 C 01 C 02 C 03 C 04 K 01 K 02 K 03 K 04 K 05 K 06 K 07 K 08 K 09 K 10 K 11 K 12 K 13 K 14 K 15 K 16 K 17 K 18 K 19 HABITAÇÃO UNIFAMILIAR

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios. Presente e Futuro.

Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios. Presente e Futuro. Engº António Augusto Araújo Gomes Instituto Superior de Engenharia do Porto Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios. Presente e Futuro. Resumo A regulamentação de segurança das instalações

Leia mais

DECRETO N.º 221/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 221/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 221/XII Autoriza o Governo a simplificar o regime de acesso e de exercício de diversas atividades de comércio, serviços e restauração, a regular as profissões dos responsáveis técnicos para

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Estabelecer um critério de classificação de todas as notas técnicas que permita listá-las. APLICAÇÃO ÍNDICE Para interpretar ou complementar

Leia mais

Legislação em Segurança contra Incêndios em. António Mascarenhas Diretor EIPC

Legislação em Segurança contra Incêndios em. António Mascarenhas Diretor EIPC Legislação em Segurança contra Incêndios em Edifícios António Mascarenhas Diretor EIPC 8 Bombeiros morreram em 2013 Incêndios Urbanos Mais de 200 pessoas morreram nos últimos cinco anos em incêndios Urbanos

Leia mais

TABELA TAXAS 2015 ARTIGO 1º - ALVARÁ DE LICENÇA OU ADMISSÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE LOTEAMENTO (COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO)

TABELA TAXAS 2015 ARTIGO 1º - ALVARÁ DE LICENÇA OU ADMISSÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE LOTEAMENTO (COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO) TABELA TAXAS 2015 ARTIGO 1º - ALVARÁ DE LICENÇA OU ADMISSÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE LOTEAMENTO (COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO) VALOR 1 Emissão alvará de licença 602,66 a) Acresce por tipo de utilização I)

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO Capitulo I Assuntos Administrativos 2009 1. Averbamentos: a) Em procedimento de licenciamento ou autorização de operações urbanísticas 48,21 b) Estabelecimentos de restauração e bebidas 40,00 c) Estabelecimentos

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A ELABORAÇÃO E SUBSCRIÇÃO DE PROJETOS DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS Procedimento a adotar após 31 de dezembro de 2016 1. Introdução

Leia mais

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI 3 REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI DL nº 209/2008 de 29 de Outubro todas as adegas estão obrigadas ao licenciamento obras necessárias

Leia mais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto - Lei 96/2008 de 1 Julho 1 Objectivos Principais Estabelecer um conjunto de critérios de desempenho exigências que potenciem condições de conforto

Leia mais

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. Loteamento sem obras de urbanização QUADRO I Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento 1.1 Informação prévia 101,15 d) 1.2 Licenciamento

Leia mais

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO 2017 EM ATUALIZAÇÃO CURSOS CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 Portfólio com 37 cursos de formação Mais de 2.900 formandos desde 2008 Mais de metade dos nossos formandos realizam mais do

Leia mais

MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA MADEIRA

MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA MADEIRA TABELA DE TAXAS OPERAÇÕES DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO QUADRO I Licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e ou de obras de urbanização e/ou trabalhos de remodelação de terrenos 1. Emissão

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A ELABORAÇÃO E SUBSCRIÇÃO DE PROJETOS DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS 1. Introdução De acordo com o disposto no nº 2 do artº 3 do Regulamento

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DOS PERÍODOS DE ABERTURA E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE VIEIRA DO MINHO PREÂMBULO Com a entrada em vigor do Decreto-Lei nº

Leia mais

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Exigências Regulamentares. Definições. Decreto-Lei 96 de 9 de Junho de 2008 TEMPO DE REVERBERAÇÃO

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Exigências Regulamentares. Definições. Decreto-Lei 96 de 9 de Junho de 2008 TEMPO DE REVERBERAÇÃO Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto-Lei 96 de 9 de Junho de 2008 Acústica de edifícios - Exig.Regul. 1 Exigências Regulamentares No Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Leia mais

Sinalética / Signs DN PSP

Sinalética / Signs DN PSP Sinalética / Signs DN PSP Registo Prévio Nr. 226 17 ÍNDICE Legislação Características Técnicas Dimensões e Distância de Observação Combate Contra Incêndio Emergência Panorâmicos Perigo Amovíveis Obrigação

Leia mais

nos termos do disposto no artigo 63º do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, na redação vigente, a autorização de )...

nos termos do disposto no artigo 63º do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, na redação vigente, a autorização de )... Modelo 3 " / 12 3 Exmo. Senhor Presidente!" # $ % & '( nos termos do disposto no artigo 63º do DecretoLei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, na redação vigente, a autorização de )... nos termos do disposto

Leia mais

Segurança privada em estádios e recintos desportivos. Rui Pereira (Diretor de Prevenção e Segurança do SL Benfica)

Segurança privada em estádios e recintos desportivos. Rui Pereira (Diretor de Prevenção e Segurança do SL Benfica) Rui Pereira (Diretor de Prevenção e Segurança do SL Benfica) 1 Agenda: - Enquadramento da Segurança no SL Benfica - Coordenador de Segurança de Recintos Desportivos - Estrutura de Comando da Segurança

Leia mais

PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA LICENÇA DE OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA PARA OBRAS DE CONSERVAÇÃO, ISENTAS OU SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA

PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA LICENÇA DE OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA PARA OBRAS DE CONSERVAÇÃO, ISENTAS OU SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA LICENÇA DE OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA PARA OBRAS DE CONSERVAÇÃO, ISENTAS OU SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA Documentos a entregar 1. Requerimento 2. Cópia do documento

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/ [ NT 22 : NOTA TÉCNICA Complementar do RG-SCIE / Ref.ª VIII.I.02 / 2007-05-31 ] NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/2007-05-31 RESUMO Definir a estrutura das plantas

Leia mais

Diploma. Estabelece o regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios

Diploma. Estabelece o regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios Diploma Estabelece o regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008 de 12 de Novembro A legislação sobre segurança contra incêndio em edifícios encontra-se actualmente

Leia mais

Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios)

Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios) Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios) PROCESSO LEGISLATIVO ACTUAL Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro: (Regime Jurídico de SCIE).

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 94/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 94/XIII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 94/XIII Exposição de Motivos Na sequência da descentralização, para os municípios, da competência para apreciar projetos e medidas de autoproteção, realizar vistorias e inspeções a

Leia mais

ESTRUTURA Regulamento:

ESTRUTURA Regulamento: REGULAMENTO GERAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS Instalações técnicas Equipamentos e sistemas de Organização e gestão da Carlos Ferreira de Castro Junho de 007 Regulamento Geral de Segurança

Leia mais

15,50 15, por fogo ou unidade de ocupação. 10,50 10, prazo - por cada mês ou fracção

15,50 15, por fogo ou unidade de ocupação. 10,50 10, prazo - por cada mês ou fracção izaç ARTIGO 41º Quadro I Alvará de licença ou autorização de loteamento e de obras de urbanização 1. Emissão do alvará de licença ou de autorização 1.1 Acresce, ao montante referido no número anterior:

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada Registo de Entrada Despacho Registado em SPO Reqº.n.º. / / Procº. / / Data / / O Assist. Técnico Em, / / O Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º de outubro de 2015

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º de outubro de 2015 8740 Diário da República, 1.ª série N.º 198 9 de outubro de 2015 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 121/2015 de 9 de outubro O Presidente da República decreta, nos termos do

Leia mais

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 10/2015, de 16 de janeiro, aprovou o regime

Leia mais

REGULAMENTO DOS PERÍODOS DE ABERTURA E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE RESENDE

REGULAMENTO DOS PERÍODOS DE ABERTURA E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE RESENDE REGULAMENTO DOS PERÍODOS DE ABERTURA E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE RESENDE Artigo 1º Objeto A afixação dos períodos de abertura e funcionamento

Leia mais

Diplomas relativos à Segurança Contra Incêndio em Edifícios

Diplomas relativos à Segurança Contra Incêndio em Edifícios Diplomas relativos à Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei nº220/2008 de 12 de novembro com a redação do Decreto-Lei nº224/2015 de 09 de outubro (RJ-SCIE) Portaria nº 1532/2008 de 29 de dezembro

Leia mais

Quadro I Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com obras de urbanização

Quadro I Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com obras de urbanização Quadro I Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com obras de urbanização 1 1 - Emissão do alvará ou admissão de comunicação prévia 75,35 2 a) Por lote 3 b) Por fogo

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ALTERAÇÕES DE UTILIZAÇÃO DOS EDIFÍCIOS (Q6)

INQUÉRITO ÀS ALTERAÇÕES DE UTILIZAÇÃO DOS EDIFÍCIOS (Q6) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10119 VÁLIDO ATÉ 2018/03/31 Contactos para resposta

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS índice 10 11 12 13 15 40 40 41 41 43 43 44 46 49 50 51 52 Capítulo 1 A Organização da Segurança Contra Incêndio em Edifícios 1. Introdução

Leia mais

DESTINATÁRIOS AG, ST e OG dos GAL

DESTINATÁRIOS AG, ST e OG dos GAL 1. OBJETO A presente norma tem por objeto a definição dos procedimentos a adotar no que respeita a: i. Anúncios de Abertura para apresentação de candidaturas por períodos contínuos; ii. Anúncios de Abertura

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE).

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regulamento Técnico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios - Portaria n.º 1532/2008,

Leia mais

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra IMP.PS.01.431.02 IMP.PS.01.431.03 COMUNICAÇÃO DE ABERTURA AO PÚBLICO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EM CASO DE AUSÊNCIA DE AUTORIZAÇÃO PARA FINS TURÍSTICOS (ao abrigo do artigo 31º do Decreto-lei nº 39/2008,

Leia mais

Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO

Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO Auditorias Técnicas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, visam parametrizar Instalações, Equipamentos e materiais Manuseamento de máquinas e produtos químicos Equipamentos

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA

SISTEMAS DE SEGURANÇA Enquadramento das Instalação Eléctricas de acordo com Nova Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios João Paulo Rocha, Eng.º Tec. Elect. 1 Introdução INTRODUÇÃO 1 -Apresentação da 2 - Enquadramento

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS. Adenda

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS. Adenda SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS Adenda Segurança Contra Incêndios 2 TÍTULO: AUTORES: SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS Adenda BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão de Magalhães, n.º 584, 5.º Andar 3000-174

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL 1 ÍNDICE Preâmbulo...3 Capítulo I Disposições Gerais...5 Capítulo II Instalação e Funcionamento...6 Capítulo III Requisitos Gerais...10 Capítulo

Leia mais

Historial da Legislação Acústica em Portugal

Historial da Legislação Acústica em Portugal Ruído Historial da Legislação Acústica em Portugal Lei 11/87: Lei de Bases do Ambiente (em vigor) DL 251/87: 1º Regulamento Geral Sobre o Ruído Revogado pelo 292/200 (alterado pelos DL 76/2002, DL 259/2002

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Regime Jurídico, Normas e Notas Técnicas

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Regime Jurídico, Normas e Notas Técnicas António Augusto Araújo Gomes Henrique Jorge de Jesus Ribeiro da Silva Instituto Superior de Engenharia do Porto Segurança Contra Incêndio em Edifícios Regime Jurídico, Normas e Notas Técnicas Resumo 1.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 220/2008 de 12 de Novembro

Decreto-Lei n.º 220/2008 de 12 de Novembro Decreto-Lei n.º 220/2008 de 12 de Novembro A legislação sobre segurança contra incêndio em edifícios encontra-se actualmente dispersa por um número excessivo de diplomas avulsos, dificilmente harmonizáveis

Leia mais

Tem como objetivo a defesa e a promoção dos interesses dos empresários, nas áreas da Restauração, Bebidas e Hotelaria;

Tem como objetivo a defesa e a promoção dos interesses dos empresários, nas áreas da Restauração, Bebidas e Hotelaria; Maior associação do setor no Algarve; Fundada em 1971; Tem como objetivo a defesa e a promoção dos interesses dos empresários, nas áreas da Restauração, Bebidas e Hotelaria; Disponibiliza ao associado:

Leia mais

Limpeza e Conservação. Manutenção Predial. Brigada de Incêndio. Apoio Administrativo. Gerenciamento e Fiscalização. Multi Serviços.

Limpeza e Conservação. Manutenção Predial. Brigada de Incêndio. Apoio Administrativo. Gerenciamento e Fiscalização. Multi Serviços. Manutenção Predial Limpeza e Conservação Brigada de Incêndio Apoio Administrativo Gerenciamento e Fiscalização Apresentação Multi Serviços Quem Somos 19 anos de atuação 40 clientes ativos 70 milhões de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA Mapa dos relatórios de Vistorias, Inspeções e Fiscalizações Ref.ª relatório ¹ () Vistorias Inspeções Fiscalizações Outros anexos ² Vistorias/Inspeções/Fiscalizações

Leia mais

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39 DECRETO N.º 4.220, DE 29DE JULHO DE 2015. Altera o Decreto n.º 3.988/2014, que Regulamenta a Lei Municipal n.º 4.739/2010, que dispõe sobre os procedimentos necessários para a obtenção do habite-se. legais,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

LEI HABILITANTE. Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro;

LEI HABILITANTE. Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro; LEI HABILITANTE O presente Código tem como legislação habilitante os diplomas que a seguir se enunciam e que se encontram ordenados por referência as respetivas Partes: PARTE A GERAL Artigos 112.º, n.º

Leia mais

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017 TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017 Descrição Taxa proposta (em euros) Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e obras de urbanização

Leia mais

E Vias Modificação de Vias e Logradouros. E Demais Espécies de Logradouros E.2.2 Criação de Faixas de E.2.2.

E Vias Modificação de Vias e Logradouros. E Demais Espécies de Logradouros E.2.2 Criação de Faixas de E.2.2. Anexo A.04 MUNICÍPIO DE ATIBAIA LEI COMPLEMENTAR N.º /, de de de ORDENAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EMPREENDIMENTOS CLASSIFICAÇÃO A.04-1 E.1 Intervenções E.1.1 Na Composição e E.1.1.1 Desmatamento Morfologia

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Ativa Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Ativa Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Ativa Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 3 ÂMBITO Proteção Contra Incêndio 230 membros 2 ASSOCIADOS Manutenção Consultoria

Leia mais

LIMITE DO TERRENO 1/200 1 OUTROS PERIGOS FIM DE OBRAS FIM DE OBRAS. Requerente: RUBRICA. DATA Junho Local: Escala:

LIMITE DO TERRENO 1/200 1 OUTROS PERIGOS FIM DE OBRAS FIM DE OBRAS. Requerente: RUBRICA. DATA Junho Local: Escala: OUTROS PERIGOS ATENÇÃO INÍCIO DE OBRAS FIM DE OBRAS FIM DE OBRAS LIMITE DO TERRENO CIRCULAÇÃO DOS CARROS DE ENTULHO O TÉCNICO Eng.º Casimiro Clara RUBRICA DATA Junho 2015 Requerente: Designação: Demolição

Leia mais

ANEXO 5 ANEXO 5. B (Baixo) A (Alto) M (Médio) B (Baixo) A (Alto) M (Médio) B (Baixo)

ANEXO 5 ANEXO 5. B (Baixo) A (Alto) M (Médio) B (Baixo) A (Alto) M (Médio) B (Baixo) POTENCIAL DE POLUIÇÃO AMBIENTAL, RISCO DE SEGURANÇA E DE IMPACTO NO SISTEMA VIÁRIO TABELA V.- CRITÉRIOS E RESTRIÇÕES RELATIVOS AO POTENCIAL DE POLUIÇÃO AMBIENTAL POR EMISSÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS

Leia mais

Alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos. Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de janeiro

Alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos. Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de janeiro Alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de janeiro OBJETIVOS Eficiência Simplificação Redução de custos de contexto Liberalização de procedimentos Principais

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Informação Prévia), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2) 3) 4) 5) 6) Certidão da descrição e de todas

Leia mais

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA DESPACHO PC 8/2013 - MANDATO 2013/2017 DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS I - De acordo com o disposto no art.º 36º, n.º 2, da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, resolvo delegar nos Vereadores adiante indicados

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES DA PRAÇA MUNICIPAL DE TRANCOSO

REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES DA PRAÇA MUNICIPAL DE TRANCOSO REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES DA PRAÇA MUNICIPAL DE TRANCOSO ÍNDICE REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES DA PRAÇA MUNICIPAL DE TRANCOSO... 1 INTRODUÇÃO... 1 Artigo 1º... 2 Âmbito... 2 Artigo 2º... 2 Objecto... 2

Leia mais

Gestão de Complexos Desportivos

Gestão de Complexos Desportivos Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Complexos Desportivos Módulo 5 sessão 2 Curso profissional de técnico(a) de L/O/G/O apoio à gestão desportiva ÍNDICE 1.5. Áreas multidisciplinares e técnicas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL DO MUNICÍPIO DE VOUZELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL DO MUNICÍPIO DE VOUZELA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL DO MUNICÍPIO DE VOUZELA (Aprovado em Reunião de Câmara no dia 21 de junho de 2013 e em Sessão de Assembleia no dia 28 de junho de 2013) ÍNDICE

Leia mais