Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares"

Transcrição

1 Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares

2 Contextualização Nota Técnica n.º 09 [Sistemas de Proteção Passiva] Selagem de vãos Aberturas para passagem de cablagens e condutas Nota Técnica n.º 10 [Portas Resistentes ao Fogo] RJ-SCIE [Republicado pelo DL n.º 224/2015, de 9/10] RT-SCIE [Portaria n.º 1532/2008, de 29/12] Cadernos Técnicos PROCIV

3 DEFINIÇÃO Conjunto de medidas que, sem desenvolver uma ação direta sobre o incêndio, que têm como objetivo: PRINCIPAL SECUNDÁRIO circunscrever o incêndio; evitar a derrocada do edifício; evitar o aparecimento de fumos; possibilitar a evacuação segura de pessoas. possibilitar a evacuação segura de bens; garantir a preservação do património arquitetónico; Possibilitar a rápida e segura intervenção dos BOMBEIROS.

4 Domínios do conhecimento Reação ao Fogo, Resistência ao Fogo, Compartimentação Corta-fogo, Desenfumagem passiva (natural).

5 Compartimento Corta-fogo Constituído por paredes e pavimentos resistentes ao fogo com capacidade de o circunscrever durante determinado período de tempo, o que implica que todos os atravessamentos na fronteira do compartimento cortafogo mantenham as mesmas características de resistência.

6 Controlo de Fumo (Métodos Desenfumagem) Meios que promovam a libertação para o exterior do fumo e dos gases tóxicos ou corrosivos, reduzindo a contaminação e a temperatura dos espaços e mantendo condições de visibilidade, nomeadamente nas vias de evacuação.

7 Regime Jurídico SCIE Regulamento Técnico SCIE Versus Notas Técnicas ANPC Conjunto de especificações técnicas; Objetivo complementar a legislação de SCIE; Clarificar as exigências de segurança aos técnicos: autores de projetos; direção e fiscalização de obra.

8 Regime Jurídico SCIE Regulamento Técnico SCIE Versus Notas Técnicas ANPC Clarificar as exigências de segurança às empresas que: Comercializem ou; executem trabalhos de instalação e manutenção de equipamentos e sistemas de SCIE. Responsáveis de segurança dos edifícios e recintos em fase de exploração dos mesmos.

9 Outros documentos técnicos relevantes Regime Jurídico SCIE Regulamento Técnico SCIE Versus Cadernos Técnicos PROCIV # 12 - Manual de Procedimentos para a Realização de Vistorias de Segurança contra Incêndio em Edifícios # 13 - Grandes Superfícies Comerciais Manual de Projeto de Segurança Contra Incêndio # 14 - Manual de Procedimentos para a Apreciação de Projetos de SCIE # 16 - Guia para a Aplicação do Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio aos Projetos de Estabelecimentos Escolares

10 Regime Jurídico SCIE Artigo 2.º- Definições

11 Regime Jurídico SCIE Artigo 9.º- Produtos de construção Classes de reação ao fogo para produtos de construção Classes de resistência ao fogo padrão para produtos de construção Exceção aos anexos I e II: Ver pontos 5, 6 e 7

12 Regime Jurídico SCIE Artigo 10.º- Classificação dos locais de risco Locais de risco C

13 Artigo 25.º- Contraordenações e coimas A obstrução, redução ou anulação das portas resistentes ao fogo que façam parte dos caminhos de evacuação, das câmaras corta-fogo, das vias verticais ou horizontais de evacuação, ou das saídas de evacuação, em infração ao disposto no RT-SCIE. Pessoa singular: Coima graduada de 370 até ao máximo de Pessoa coletiva: Coima graduada de 370 até ao máximo de

14 Artigo 25.º- Contraordenações e coimas A alteração dos meios de compartimentação ao fogo, isolamento e proteção, através da abertura de vãos de passagem ou de novas comunicações entre espaços, que agrave o risco de incêndio, em infração ao disposto no RT- SCIE. Pessoa singular: Coima graduada de 275 até ao máximo de Pessoa coletiva: Coima graduada de 275 até ao máximo de

15 Artigo 25.º- Contraordenações e coimas A alteração dos elementos com capacidade de suporte de carga, estanquidade e isolamento térmico, para classes de resistência ao fogo com desempenho inferior ao exigido, que agrave o risco de incêndio, em infração ao disposto no RT-SCIE. Pessoa singular: Coima graduada de 275 até ao máximo de Pessoa coletiva: Coima graduada de 275 até ao máximo de

16 Artigo 25.º- Contraordenações e coimas A alteração dos materiais de revestimento e acabamento das paredes e tetos interiores, para classes de reação ao fogo com desempenho inferior ao exigido no que se refere à produção de fumo, gotas ou partículas inflamadas, que agrave o risco de incêndio, em infração ao disposto no RT-SCIE. Pessoa singular: Coima graduada de 275 até ao máximo de Pessoa coletiva: Coima graduada de 275 até ao máximo de

17 Artigo 25.º- Contraordenações e coimas A inexistência ou a deficiente instalação, funcionamento ou manutenção dos equipamentos ou sistemas de controlo de fumos, a obstrução das tomadas de ar ou das bocas de ventilação, em infração ao disposto no RT-SCIE. Pessoa singular: Coima graduada de 370 até ao máximo de Pessoa coletiva: Coima graduada de 370 até ao máximo de

18 Artigo 25.º- Contraordenações e coimas A inexistência ou a deficiente instalação, funcionamento ou manutenção de portas e divisórias resistentes ao fogo, em infração ao disposto no RT-SCIE. Pessoa singular: Coima graduada de 370 até ao máximo de Pessoa coletiva: Coima graduada de 370 até ao máximo de

19 RT-SCIE [Portaria n.º 1532/2008, de 29/12] Versus Nota Técnica n.º 09 [ Sistemas de Proteção Passiva] Selagem de vãos; Aberturas para passagem de cablagens e condutas.

20 RT-SCIE Versus NT N.º 09 TÍTULO III Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Proteção Capítulo V Isolamento e Proteção de Canalizações e Condutas [artigos 29.º a 33.º] Campo de aplicação Canalizações Elétricas; Esgotos; Gases; Ar comprimido; Vácuo Condutas Ventilação; Tratamento de ar; Evacuação de efluentes de combustão; Desenfumagem; Evacuação de lixos

21 Desde que sejam aplicadas em edifícios: com altura superior a 9 m; que possuam locais de risco D ou E; sirvam locais de risco C; RT-SCIE Versus NT N.º 09 Excluídos: ductos ou condutas em espaços exclusivamente afetos à UT I, nas condições referidas no n.º 8 do art. 14.º.

22 RT-SCIE Versus NT N.º 09 Divisão em 5 grandes áreas: Resistência ao fogo de elementos estruturais e de elementos integrados Compartimentação horizontal e vertical dos edifícios (isolamento e proteção) [Resistência ao fogo] Condições de evacuação (incluem locais e vias) Materiais e elementos de construção e de revestimento [reação ao fogo] Sistemas de desenfumagem passiva (natural)

23 RT-SCIE [Portaria n.º 1532/2008, de 29/12] Versus Nota Técnica n.º 10 [ Sistemas de Proteção Passiva] Portas resistentes ao fogo

24 RT-SCIE Versus NT N.º 10 TÍTULO III Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Proteção Capítulo VI Proteção de vãos interiores [artigos 34.º a 37.º] Resistência ao fogo de portas; Isolamento e proteção através de CCF; Dispositivos de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo; Dispositivos de fecho das portinholas de acesso a ductos de isolamento.

25 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 34.º RT-SCIE Resistência ao fogo de portas E 30C Resistência ao fogo EI ou E, com escalão de tempo igual a metade da parede em que se inserem. EI 60

26 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 35.º RT-SCIE Isolamento e proteção através de CCF As câmaras corta-fogo devem ser separadas por elementos de construção que garantam: X EI 60 para as paredes não resistentes; REI 60 para os pavimentos e para as paredes resistentes; E 30 C para as portas. Devem dispor de meios de controlo de fumo Nas faces exteriores das portas das câmaras deve ser afixado sinal com a inscrição «Câmara corta-fogo. Manter esta porta fechada» ou com pictograma equivalente.

27 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 35.º RT-SCIE Isolamento e proteção através de CCF E 30C Câmara corta-fogo Manter porta fechada

28 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 36.º RT-SCIE Dispositivos de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo Portas resistentes ao fogo no acesso ou integradas em caminhos de evacuação devem dispor de dispositivos que as reconduzam automaticamente à posição de fechada garantindo a classificação C.

29 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 36.º RT-SCIE Dispositivos de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo Portas resistentes ao fogo que devam ser mantidas abertas, por razões de exploração, devem ser providas de dispositivos de retenção que em caso de incêndio as libertem garantindo o seu fecho. Nas portas equipadas com dispositivos de retenção deve ser afixado sinal com a inscrição: «Porta corta-fogo. Não colocar obstáculos que impeçam o fecho». Nas portas das câmaras corta-fogo ou de acesso a vias verticais de evacuação não podem ser mantidas em situação normal na posição abertas.

30 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 36.º RT-SCIE Dispositivos de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo Portas de duas folhas devem dispor de seletor de fecho.

31 RT-SCIE Versus NT N.º 10 Art. 37.º RT-SCIE Dispositivos de fecho das portinholas de acesso a ductos isolados Classificação C Acessório de fecho automático

32 RT-SCIE Versus NT N.º 10 TÍTULO IV Condições Gerais de Evacuação Capítulo III Vias horizontais de evacuação [artigos 61.º a 63.º] Características das vias; Características das portas; Dimensionamento das CCF;

33 Compromissos futuros Publicação da 1.ª revisão do RT-SCIE; Atualização e publicação das Notas Técnicas N.º 09 e 10; Por Despacho

34

35 Obrigado pela vossa atenção! Técnico Superior de Segurança Contra Incêndios em Edifícios Coordenador de Agrupamento Distrital do Centro Norte Direção Nacional de Planeamento de emergência AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO A ANPC já publicou o a ultima versão dos esclarecimentos sobre os procedimentos para a implementação das medidas de autoproteção. http://www.proteccaocivil.pt/segurancacontraincendios/pages/planosdeseguranca.aspx

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos Título 1 Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos 2 Em Locais de Risco Centrais (desinfecção e esterilização) utilizando oxido de acetileno. Centrais e depósitos

Leia mais

Reação ao fogo de materiais e revestimentos

Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo é a forma como determinado material reage quando arde, ou seja a quantidade de calor e fumo que produz, se ao arder deita gotas incandescentes,

Leia mais

TÍTULO IV. Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção

TÍTULO IV. Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Pág. 1 de 28 TÍTULO IV Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Artigo 33.º Critérios de segurança 6 Nos casos em que a capacidade de suporte não esteja em causa, são admitidos

Leia mais

Ref.ª Newsletter 04/2014

Ref.ª Newsletter 04/2014 Há 20 anos a contribuir para a segurança das empresas. Ref.ª Newsletter 04/2014 Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 220/2008, 12 de Novembro: Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndios em Edifício

Leia mais

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares Câmara Municipal da madora Medidas de utoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares CID D E D M D OR madoraeduca Grafismo:.Galvão/GDC/GIRP - Impressão e acabamento: OG/GIRP Minuta Técnica para Elaboração

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA

SISTEMAS DE SEGURANÇA Enquadramento das Instalação Eléctricas de acordo com Nova Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios João Paulo Rocha, Eng.º Tec. Elect. 1 Introdução INTRODUÇÃO 1 -Apresentação da 2 - Enquadramento

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 09 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 09 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 09 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Caracterizar produtos e métodos complementares ou associados à resistência ao fogo dos elementos estruturais e de compartimentação,

Leia mais

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL "

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL " Major Eduardo Estevam Rodrigues Msc. Engenheiro de Segurança do Trabalho Chefe da Divisão de Operações e Defesa Civil Corpo de Bombeiros Militar

Leia mais

ESTRUTURA Regulamento:

ESTRUTURA Regulamento: REGULAMENTO GERAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS Instalações técnicas Equipamentos e sistemas de Organização e gestão da Carlos Ferreira de Castro Junho de 007 Regulamento Geral de Segurança

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/ [ NT 22 : NOTA TÉCNICA Complementar do RG-SCIE / Ref.ª VIII.I.02 / 2007-05-31 ] NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VIII.I.02/2007-05-31 RESUMO Definir a estrutura das plantas

Leia mais

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - Alexandre Landesmann, Prof. Associado, D.Sc. Dep. Estruturas (FAU) e Lab. Estruturas

Leia mais

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Passiva Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513

A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Passiva Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 A intervenção da APSEI no âmbito da Proteção Passiva Contra Incêndio - Como certificar o serviço de acordo com a NP 4513 3 ÂMBITO Proteção Contra Incêndio Proteção Ativa Proteção Passiva 163 membros 2

Leia mais

Alterações recentes ao Decreto-Lei n.º 220/2008 de 11 de novembro (RJ-SCIE) (Introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 224/2015 de 9 de outubro)

Alterações recentes ao Decreto-Lei n.º 220/2008 de 11 de novembro (RJ-SCIE) (Introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 224/2015 de 9 de outubro) (Introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 224/2015 de 9 de outubro) António Varela Portimão - 27 de maio de 2016 Objetivos das alteração ao RJ-SCIE: Clarificação de alguns aspetos do articulado; Correção de erros

Leia mais

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por:

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016 Errata 01 1. No item 6.2.2 da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: 6.2.2 O recurso de 1ª instância deverá ser encaminhado à AAT ou

Leia mais

Programas de conservação e manutenção

Programas de conservação e manutenção Caracterização do espaço Identificação de riscos Levantamento de meios e recursos Regras de exploração e comportamento Programas de conservação e manutenção Caderno de registo de segurança Abandonar todos

Leia mais

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC Francelino da Silva 1 1. OBJETIVO e APLICAÇÃO da NT 12 Segurança contra incêndio em edifícios Nota técnica N.º 12 da ANPC (NT 12) Sistemas automáticos de deteção

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO COIMBRA, 13 de Outubro de 2010 Mário Augusto Grilo - Eng.º Civil LEGISLAÇÃO ESTRUTURANTE Decreto - Lei nº 220/2008, de 12 de Novembro Regime Jurídico

Leia mais

Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho

Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho Existe uma grande diversidade de empresas de segurança a operar no mercado, capazes de oferecer as mais variadas e avançadas soluções de segurança. Para os proprietários dos sistemas e utilizadores de

Leia mais

LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL E EVENTOS. 27/05/2016 Eng.º Estevão Duarte

LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL E EVENTOS. 27/05/2016 Eng.º Estevão Duarte Título 1 27/05/2016 2 LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONDIÇÕES DE SCI EM ALOJAMENTO LOCAL Lei habilitante Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS 2.1 Diretrizes gerais de projeto para atender aos requisitos de desempenho 2.1.1 Segurança no uso e operação 2.1.2 Segurança contra

Leia mais

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio Método de Gretener Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio INTRODUÇÃO Um método com estas características, ágil, de fácil aplicação e rápida utilização, tem que aglutinar muita

Leia mais

(atualizada em 11/2006) NBR 5667-1:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Parte 1 - Hidrantes de Coluna NBR 5667-2:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro dúctil - Parte 2 - Hidrantes

Leia mais

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Extintores 2,1m 3 Os extintores devem ser convenientemente distribuídos, sinalizados sempre que necessário e instalados em

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º de outubro de 2015

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º de outubro de 2015 8740 Diário da República, 1.ª série N.º 198 9 de outubro de 2015 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 121/2015 de 9 de outubro O Presidente da República decreta, nos termos do

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios)

Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios) Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios) PROCESSO LEGISLATIVO ACTUAL Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro: (Regime Jurídico de SCIE).

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Dec. Lei 220/2008 de 12 novembro (224/2015 de 9/10) Regime Jurídico

Leia mais

Manutenção em SCIE. Aplicado a Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios e Gases

Manutenção em SCIE. Aplicado a Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios e Gases Manutenção em SCIE Aplicado a Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios e Gases Carlos Nobre Manutenção Manutenção é a combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo supervisão,

Leia mais

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Decreto 56818/11 e ITs CLASSIFIQUE A ALTURA Decreto, artigo 3º nº I ; I Altura da Edificação: a. para fins de exigências

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 10/2015, de 16 de janeiro, aprovou o regime

Leia mais

PROTEÇÃO PASSIVA CONTRA FOGO

PROTEÇÃO PASSIVA CONTRA FOGO PROTEÇÃO PASSIVA CONTRA FOGO www.maker.eng.br Novo Cenpes Petrobrás RJ 1 Sobre a Maker Somos uma empresa de Engenharia e Serviços que trabalha há 21 anos com Proteção Passiva contra Incêndio em edificações

Leia mais

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED 2 CARACTERIZACÃO DAS ITED As infra-estruturas de telecomunicações de edifício (ITED) compõem-se de espaços, redes de tubagens, redes de cablagens e restante equipamento e material tais como conectores,

Leia mais

Inspecção de Instalações

Inspecção de Instalações Uma Rede de Tecnologia e Qualidade i Inspecção de Instalações EDIFICAÇÕES de Gás Certificamos o seu bem estar Instituto de Soldadura e Qualidade António Vilarinho 2008 16 de Abril de 2010 Gasoduto Ibérico

Leia mais

NT 08 Isolamento de Risco

NT 08 Isolamento de Risco NT 08 Isolamento de Risco Exemplo Transmissão de Calor Transmissão de Calor Estudos de Afastamentos Estudos de Afastamentos Estudos de Afastamentos Estudos de Afastamentos Estudos de Afastamentos Como

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 08

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 08 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 08 Resistência ao fogo dos elementos de construção SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo

Leia mais

Plano de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil

Plano de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil Plano de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil Escola: EBI Pedras Salgadas CM Vila Pouca de Aguiar Novembro de 2012 CM de Vila Pouca de Aguiar AE Pedras Salgadas Plano de Emergência ÍNDICE Objetivos

Leia mais

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED 2 CARACTERIZACÃO DAS ITED As infra-estruturas de telecomunicações em edifícios (ITED) compõem-se de espaços, redes de tubagens, redes de cablagens e restante equipamento e material tais como conectores,

Leia mais

Portugal - Projeto de SCIE Baseado no Desempenho: a urgência da mudança. Paulo Prata Ramos, Arq.

Portugal - Projeto de SCIE Baseado no Desempenho: a urgência da mudança. Paulo Prata Ramos, Arq. Portugal - Projeto de SCIE Baseado no Desempenho: a urgência da mudança Paulo Prata Ramos, Arq. Para começar Era uma vez um Inglês, um Sueco, um Espanhol e um Português Todos podiam fazer projeto baseado

Leia mais

INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL TÉCNICO

Leia mais

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS Decreto-Lei n.º 142/2010. D.R. n.º 253, Série I de 2010-12-31 Altera as normas de especificação técnica para a composição da gasolina e do gasóleo rodoviário,

Leia mais

Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros

Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros Apresentação à matéria de Prevenção e Sinistros Bruno Geraldo Rodrigues da Silva INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2011 Separação entre edificações (isolamento de risco) Sumario Objetivo Aplicação Definições e

Leia mais

NORMA TÉCNICA 41/2014

NORMA TÉCNICA 41/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 41/2014 Edificações Existentes Adaptação às Normas de Segurança Contra Incêndio e Pânico SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência.

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. SINALIZAÇÃO As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio,

Leia mais

Resistência ao Fogo. Por exemplo:

Resistência ao Fogo. Por exemplo: Resistência ao Fogo Na atual regulamentação a resistência ao fogo é classificada pelas Euroclasses de resistência, através da conjugação de letras, sendo que as mais usadas são: R Resistência estrutural

Leia mais

Decreto-Lei n.º 409/98 de 23 de Dezembro Regulamento de segurança contra incêndio em edifícios de tipo hospitalar.

Decreto-Lei n.º 409/98 de 23 de Dezembro Regulamento de segurança contra incêndio em edifícios de tipo hospitalar. A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Decreto-Lei n.º 409/98, de 23 de Dezembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 409/98 de 23 de Dezembro

Leia mais

Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos. Orlanda de Meneses Cunha

Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos. Orlanda de Meneses Cunha Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos Orlanda de Meneses Cunha 1 DPGU / Divisão de Edifícios e Equipamentos Municipais Faz

Leia mais

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais Luís Cecílio Santos SERVIÇO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL COM PRESIDENTE DA CÂMARA SERVIÇO

Leia mais

Apresentado por Hilton Moreno

Apresentado por Hilton Moreno Apresentado por Hilton Moreno Cuidando dos seus bens mais valiosos. Um projeto de conscientização e orientação sobre a necessidade de modernizar as instalações elétricas, minimizando os riscos de acidentes,

Leia mais

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. 1.1. Abreviaturas e definições Não aplicável

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria) Projeto Prevenção de Incêndio TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS

Leia mais

A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio

A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio FIRE PROTECTION A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio Corpo de Bombeiros - CBPMESP LABORATÓRIOS QUE ENSAIAM NOSSOS PRODUTOS: Escritório Central

Leia mais

ÍNDICE CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2016 CURSOS QUEM SOMOS? P.4 PORQUE É QUE A NOSSA FORMAÇÃO É DIFERENTE? P.4 FORMAÇÃO PRÁTICA E INSTALAÇÔES P.

ÍNDICE CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2016 CURSOS QUEM SOMOS? P.4 PORQUE É QUE A NOSSA FORMAÇÃO É DIFERENTE? P.4 FORMAÇÃO PRÁTICA E INSTALAÇÔES P. ÍNDICE CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2016 QUEM SOMOS? P.4 PORQUE É QUE A NOSSA FORMAÇÃO É DIFERENTE? P.4 FORMAÇÃO PRÁTICA E INSTALAÇÔES OS NOSSOS FORMADORES PERCURSOS PROFISSIONAIS CURSOS P.5 P.6 P..7 SEGURANÇA

Leia mais

CARACTERISTICAS TÉCNICAS

CARACTERISTICAS TÉCNICAS SISTEMA SMART light CARACTERISTICAS TÉCNICAS MOBILIDADE E FLEXIBILIDADE A NATUREZA AUTOPORTANTE DESTE PRODUTO, QUER NA VERSÃO PAREDE DIVISÓRIA, QUER NA PAREDE ARMÁRIO, TEM COMO BASE A SUA TOTAL MOBILIDADE,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2011 Separação entre edificações (isolamento de risco) SUMÁRIO

Leia mais

ANEXO VI LEGISLAÇÃO APLICADA À EXECUÇÃO DO PROJECTO

ANEXO VI LEGISLAÇÃO APLICADA À EXECUÇÃO DO PROJECTO ANEXO VI LEGISLAÇÃO APLICADA À EXECUÇÃO DO PROJECTO Requisitos da Portaria n.º 1532/2008 de 29 de Dezembro: RELATIVOS A: ISOLAMENTO E PROTECÇÃO DAS VIAS DE EVACUAÇÃO Isolamento e protecção das caixas dos

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Unidade Industrial de Tintas

Segurança Contra Incêndio em Unidade Industrial de Tintas Instituto Superior de Engenharia do Porto MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL RAMO DE CONSTRUÇÕES Relatório de Estagio submetido para satisfação parcial dos requisitos do grau de Mestre em Engenharia Civil Especialização

Leia mais

Diretiva Técnica sobre Prevenção de Incêndios em Hospitais 01-02/2007 (v. 2016)

Diretiva Técnica sobre Prevenção de Incêndios em Hospitais 01-02/2007 (v. 2016) Diretiva Técnica sobre Prevenção de Incêndios em Hospitais 01-02/2007 (v. 2016) (V. 2016) Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão DEZ 2016 Revisão obrigatória DEZ

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2015 Instrução Técnica nº 08/2011 - Resistência ao fogo dos elementos de construção 191 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho SEGURANÇA DE PESSOAS: TECNOLOGIAS E CONCEITOS 1 Sumário Acidentes com a eletricidade. Porque acontecem Proteção contra choques elétricos Prevenção de

Leia mais

em vista o disposto na Lei n.º 8.811, de 02 de junho de 2009, D E C R E T A:

em vista o disposto na Lei n.º 8.811, de 02 de junho de 2009, D E C R E T A: PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1706, DE 21 DE JULHO DE 2010. Regulamenta dispositivos da Lei n.º 8.811, de 02 de junho de 2009 e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA,

Leia mais

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição PARTE I INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS 1 ÁGUA FRIA Entrada e fornecimento de água fria Compartimento que abriga o cavalete Medição de água

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

IT - 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO)

IT - 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) IT - 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Tabela 4 (índice para distâncias de Segurança) 2 Aplicação B Tabela 5 (Proteções de Aberturas) 3 Referências Normativas

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições 4 Referências normativas 5 Procedimentos ANEXOS A Planilha de levantamento de dados B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 1 Objetivo Esta Norma Técnica

Leia mais

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO ÍNDICE 1 CADERNO DE ENCARGOS 2 PROJECTO DE EXECUÇÃO A ARQUITECTURA 1.1.2 Solução Proposta 1.1.2.1 - Introdução 1.1.2.2 Caracterização do Espaço 1.1.2.2.1

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Aposta na Reabilitação Urbana O novo modelo de desenvolvimento territorial proposto na Lei de Bases da Política dos Solos, do Ordenamento

Leia mais

(ISOLAMENTO DE RISCO)

(ISOLAMENTO DE RISCO) INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 07/2016 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DA BAHIA INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 07/2016 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Aplicação

Leia mais

Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Arquitectura pela Universidade da Beira Interior, sob a orientação de:

Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Arquitectura pela Universidade da Beira Interior, sob a orientação de: Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Arquitectura pela Universidade da Beira Interior, sob a orientação de: Prof. Doutor Miguel Costa Santos Nepomuceno - Prof. Auxiliar do Departamento

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS O DL 220/2008, que estabeleceu o regime jurídico de segurança contra incêndios (SCIE), diz que estão sujeitos a este regime todos os edifícios ou fracções autónomas, qualquer

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL L ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL 2008 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA IDENTIFICAÇÃO EM PLANTA DE: ESPAÇO ESCOLAR VIAS DE ACESSO DE VIATURAS DE SOCORRO QUARTEL DOS BOMBEIROS DA ÁREA ESQUADRA DA GUARDA NACIONAL

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 05 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de

Leia mais

PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO

PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO As portas podem ser acionadas manualmente ou à distância através de simples comandos ou mesmo por um telemóvel. As portas seccionais abrem verticalmente para cima e ficam

Leia mais

Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto

Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto (atualizada em Outubrol 2016) Turismo de habitação 1. Imóvel antigo particular Imóvel que pelo seu valor arquitetónico, histórico ou artístico,

Leia mais

AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO

AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO Obra: AMBIENTE EM MATOSINHOS ETAR - TRATAMENTO SECUNDÁRIO PLANO DE ESTALEIRO Elaborado por: Verificado por: Validado por: Aprovado por: Data: Data: Data: Data: Mod I/0871.1 Índice 1 - INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA DESPACHO PC 8/2013 - MANDATO 2013/2017 DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS I - De acordo com o disposto no art.º 36º, n.º 2, da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, resolvo delegar nos Vereadores adiante indicados

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO EB1 de Fonte da cal - Balugães ÍNDICE

PLANO DE PREVENÇÃO EB1 de Fonte da cal - Balugães ÍNDICE ÍNDICE I FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 1) Identificação do estabelecimento de ensino 2) Caracterização do espaço 3) Organização interna 4) Espaços livres 5) Acessos 6) Organismos de apoio 7) Características

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37. Subestação elétrica

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37. Subestação elétrica ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37 Subestação elétrica SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

Portas, Envidraçados, Cortinas e outras Soluções Resistentes ao Fogo no Projeto de Arquitetura

Portas, Envidraçados, Cortinas e outras Soluções Resistentes ao Fogo no Projeto de Arquitetura Portas, Envidraçados, Cortinas e outras Soluções Resistentes ao Fogo no Projeto de Arquitetura Índice Presença TRIA Conceitos Técnicos Portas Resistentes ao Fogo Portas Metálicas Resistente ao Fogo - Modelo

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral A NR18 é a norma que regulamenta a Segurança e Medicina do Trabalho na Indústria da Construção

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+ Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do MACS+ Sumário Nova metodologia MACS+ MACS+ Breve descrição da obra Projeto base Solução Blocotelha - Metodologia tradicional

Leia mais

Ordem dos Arquitetos - estratégias para a revisão da regulamentação de SCIE

Ordem dos Arquitetos - estratégias para a revisão da regulamentação de SCIE Ordem dos Arquitetos - estratégias para a revisão da regulamentação de SCIE Introdução O presente Regime Jurídico de SCIE entrou em vigor em 01/01/2009, com a publicação do DL 220/2008, que estabelece

Leia mais

Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção

Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção Lisboa 12 Novembro 2013 1 Regime Jurídico da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Medidas de Autoprotecção Enquadramento; A autoprotecção no RJ-SCIE

Leia mais

SÉRIE MBB BK 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE ENVIDRAÇADOS

SÉRIE MBB BK 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE ENVIDRAÇADOS SÉRIE MBB BK 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE ENVIDRAÇADOS SÉRIE MBB BK 76 77 Fotografias gerais SÉRIE MBB BK 78 79 Fotografias gerais 6 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE PORSEG, SISTEMAS DE SEGURAN ÇA, S.A. PRODUTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 658 30 de novembro de 2012 Página 2 de 6 ÍNDICE Registo das revisões... 3 Preâmbulo... 4 1. Objetivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 5 5. Meios

Leia mais