Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais"

Transcrição

1 Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto - Lei 96/2008 de 1 Julho 1 Objectivos Principais Estabelecer um conjunto de critérios de desempenho exigências que potenciem condições de conforto acústico adequadas no interior dos edifícios Garantia de Qualidade na Construção; Permitir uma efectiva harmonização da aplicação de conceitos e metodologias de avaliação do desempenho acústico ao nível comunitário e internacional. Exigências Regulamentares - DL9/2007 Anabela Moreira Permissões de utilização do solo Áreas Urbanas: Cada zona, existente ou prevista, deve ter um mapa de ruído. L Zonas den sensíveis L n na envolvente de aeroportos observam os limites das zonas mistas; Zonas Zonas sensíveis na envolvente de grandes infraestruturas viárias: 55 db(a) 45 db(a) Sensíveis Se existentes +10dB Zonas Mistas Se 65 db(a) futuras 55 +5dB db(a) Hospitais Escolas Zonas residenciais Acústica de edifícios - Exig.Regul. 3

2 RUÍDO: Lei Geral NRRAE Decreto Lei 9/2007 Art.12º Decreto Lei 96/2008 [Decreto Lei 129/2002] RRAE é um regulamento de verificação em obra. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 4 Exigências Regulamentares No Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios (RRAE), aprovado pelo Decreto-Lei nº 96/2008 de 9 de Junho estão definidos os princípios orientadores, de acordo com a normalização europeia, relativamente às grandezas características do desempenho acústico dos edifícios e respectivos índices e a quantificação dos requisitos. As exigências definidas no Regulamento aplicam-se aos seguintes tipos de edifícios, função do uso a que se destinam: Artigo 1.º Tipificação de edifícios Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras (Artº5); Edifícios comerciais e de serviços, e partes similares em edifícios industriais (Artº6); Edifícios escolares e similares, e de investigação (Artº7); Edifícios hospitalares e similares (Artº8); Recintos desportivos (Artº9); Estações de transporte de passageiros (Artº10); Auditórios e salas (Artº10-A). Acústica de edifícios - Exig.Regul. 5 Aspectos Importantes RRAE (1) Estabelece relação coerente com o RGR (Artº12); Regulamento de exigências funcionais; Considera a despenalização de exigências em edifícios situados em zonas históricas; Estabelece exigências mínimas para auditórios e salas, com a recomendação de projecto específico se for o caso; Impõe exigências especificas para fachadas com área translúcida superior a 60%; Todos os parâmetros de calculo são padronizados em função de Tr; Acústica de edifícios - Exig.Regul. 6

3 Aspectos Importantes RRAE (2) Impõe isolamento sonoro reforçado em zonas contempladas pelo nº7 do artº12 do RGR; Estabelece a subscrição de projectos, através de 2 meios: 1. Especialidade em Engenharia Acústica da O.E:; 2. Qualificados, com reconhecimento pelas Associações Profissionais. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 7 Índices de Avaliação D 2m, n, w índice de isolamento sonoro a sons de condução aérea, provenientes do exterior do edifício. Weighted - Ponderado Normalizado Medido a 2 metros da fachada Difference - Isolamento Anabela Moreira Definições Isolamento sonoro a sons de condução aérea, padronizado, D 2m, nt Diferença entre i nível médio de pressão sonora exterior, medido a 2 metros da fachada do edifício (L 1, 2m ) e o nível médio de pressão sonora medido no local de recepção (L 2 ), corrigido da influência das condições de reverberação do compartimento receptor, segundo a expressão: T D m nt L m L Log db T 2, = 1, T Tempo de reverberação no compartimento receptor (s); T 0 Tempo de reverberação de referência (s). T=0,5 s compartimentos de habitação Para compartimentos em que haja tempo de reverberação atribuível em projecto, o valor de referência a considerar será o do respectivo tempo de dimensionamento. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 9

4 Anabela Moreira Índices de Avaliação Índice de isolamento sonoro a sons de condução aérea, provenientes do interior do edifício. Definições Isolamento sonoro a sons de condução aérea, padronizado, D nt Diferença entre o nível médio de pressão sonora medido no compartimento emissor (L 1 ) produzido por uma ou mais fontes sonoras, e o nível médio de pressão sonora medido no compartimento receptor (L 2 ), corrigido da influência das condições de reverberação do compartimento receptor, segundo a expressão: T D nt = L1 L2 + 10Log db T 0 T Tempo de reverberação no compartimento receptor (s); T 0 Tempo de reverberação de referência (s). T=0,5 s compartimentos de habitação Para compartimentos em que haja tempo de reverberação atribuível em projecto, o valor de referência a considerar será o do respectivo tempo de dimensionamento. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 11 Índices de Avaliação Índice de isolamento sonoro a sons de percussão, provenientes de uma solicitação normalizada no interior do edifício. Anabela Moreira

5 Definições Nível sonoro de percussão padronizado, L nt Nível sonoro médio (L i ) medido no compartimento receptor, proveniente de uma excitação de percussão normalizada exercida sobre um pavimento, corrigido da influencia das condições de reverberação do compartimento receptor, segundo a expressão: T L nt Li Log db T ' = 10 0 T Tempo de reverberação no compartimento receptor (s); T 0 Tempo de reverberação de referência (s). T=0,5 s compartimentos de habitação Para compartimentos em que haja tempo de reverberação atribuível em projecto, o valor de referência a considerar será o do respectivo tempo de dimensionamento. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 13 Índices de Avaliação L Ar Nível de avaliação, correspondente ao L Aeq produzido por um dado equipamento numa zona específica do edifício, durante um determinado intervalo de tempo. T r Tempo de reverberação. Anabela Moreira Definições Nível de avaliação padronizado, L Ar,nt Nível sonoro contínuo equivalente, ponderado A, durante um período de tempo especificado (L i ) medido no compartimento receptor, adicionado da correcção devida às características tonais do ruído, K, e corrigido da influência das condições do compartimento receptor, segundo a expressão: T LAr nt LA K Log db T, = T Tempo de reverberação no compartimento receptor (s); T 0 Tempo de reverberação de referência (s). T=0,5 s compartimentos de habitação Para compartimentos em que haja tempo de reverberação atribuível em projecto, o valor de referência a considerar será o do respectivo tempo de dimensionamento. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 15

6 Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras Artigo 5º Zonas Mistas e Sensíveis: D 2m, nt, w 33 db Com grande infra-estrutura de transporte em exploração ou em projecto Zonas de estar e quartos Zonas Sensíveis: D 2m, nt, w 28 db Verificação da conformidade: O valor obtido para D 2m, nt, w acrescido de I (3dB) satisfaz o limite regulamentar. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 16 Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras Artigo 5º Equipamentos Emissor Quartos/ Z. Estar (receptor) L nt, w 60 db Habitação 2 D nt, w 50 db Habitação 3 Verificação da conformidade: O valor obtido para L nt, w diminuído de I (3dB) satisfaz o limite regulamentar. Z de Habitação 1 circulação Garagens Comércio/serviços Cave Acústica de edifícios - Exig.Regul. 17 Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras Artigo 5º Equipamentos Emissor Quartos/ Z. Estar Verificação da conformidade: O valor obtido para L nt, w diminuído de I (3dB) satisfaz o limite regulamentar. (receptor) Habitação 2 Habitação 3 D nt, w Zonas de Circulação: D nt, w 48 db; D nt, w 40 db se o local emissor for um caminho de circulação vertical, quando o edifício for servido por ascensores; D nt, w 50 db se o local emissor for garagem. Zona de Habitação 1 circulação Garagens D nt, w L nt, w 60 db Comércio/serviços Este limite não se aplica se o caminho de circulação for um Cave elevador Acústica de edifícios - Exig.Regul. 18

7 Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras Artigo 5º Equipamentos Emissor Quartos/ Z. Estar (receptor) Habitação 2 Habitação 3 Verificação da conformidade: O valor obtido para L nt, w diminuído de I (3dB) satisfaz o limite regulamentar. Z de Habitação 1 circulação D nt, w 58 db L nt, w 50 db Garagens Comércio/serviços/indústria/locais de diversão Cave Acústica de edifícios - Exig.Regul. 19 Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras Artigo 5º Equipamentos Emissor Quartos/ Z. Estar (receptor) Verificação da conformidade: O valor obtido para L Ar, nt diminuído de I (3dB) satisfaz o limite regulamentar. Ruído Particular de Equipamentos Colectivos: L Ar, nt Ascensores; Habitação Grupos hidropressores; 2 Habitação 3 Sistemas centralizados de ventilação mecânica Automatismos de portas de garagens; Postos de transformação de corrente eléctrica; Z de Habitação Instalações 1 de escoamento de circulação Garagens águas. L Ar, nt 32 db(a) Funcionamento intermitente; L Ar, nt 27 db(a) Funcionamento contínuo; L Ar, nt 40 db(a) Grupo gerador eléctrico de emergência. Comércio/serviços/indústria/locais de diversão Cave Acústica de edifícios - Exig.Regul. 20 EDIFÍCIOS COMERCIAIS E DE SERVIÇOS, E PARTES SIMILARES EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS Isolamento sonoro de fachada Entre ext. e escritórios D 2m,nt,w 30 db; Entre ext. e refeitórios D 2m,nt,w 25 db. Isolamento a sons de percussão Entre escritórios ou recintos de ocupação similar L,nt,w 60 db. Nível de avaliação Locais onde se exerçam actividades que exijam concentração L Ar,nt 42 db(a) func. interm. L Ar,nt 37 db(a) func. contínuo 21

8 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Isolamento sonoro de fachada EXTERIOR Zonas Mistas D 2m,nT,w 33 db Zonas Sensíveis D 2m,nT,w 28 db Salas de aula Salas de professores Salas de aula musical Salas polivalentes Refeitórios Ginásios Oficinas Bercários Corredores de grande circulação 22 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Isolamento a sons aéreos D nt,w 45 db Bibliotecas Local de Emissão Salas de aula Salas de professores D nt,w 45 db D nt,w 45 db Salas de aula Salas de professores Bibliotecas Salas polivalentes Berçários Salas polivalentes Berçários 23 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Isolamento a sons aéreos Local de Emissão Salas polivalentes Berçários D nt,w 50 db Salas de aula musical Salas polivalentes Refeitório Ginásio Oficinas D nt,w 55 db Salas de aula Salas de professores D nt,w 58 db Bibliotecas 24

9 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Isolamento a sons aéreos D nt,w 48 db Local de Emissão Berçários D nt,w 53 db Salas polivalentes Berçários D nt,w 55 db Salas de aula Salas de professores Bibliotecas 25 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Isolamento a sons aéreos Salas polivalentes Berçários D nt,w 30 db Local de Emissão Corredores de grande Circulação (1) D nt,w 35 db Bibliotecas D nt,w 30 db (1) Considerando que existe porta de comunicação entre os locais; se tal não for o caso os valores serão acrescidos de 15 db. Salas de aula Salas de professores 26 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Isolamento a sons de percussão Emissor Salas de aula Berçários Salas polivalentes Corredores de grande circulação Refeitórios Ginásios Oficinas L nt,w 65 db L nt,w 60 db Receptor Salas de aula Salas de professores Bibliotecas Salas de aula musical Salas polivalentes Berçários 27

10 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO Local Salas de aula Salas de professores Gabinete médico Salas de aula musical Berçários Salas polivalentes Refeitórios Ginásios Oficinas Bibliotecas Nível de Avaliação L Ar,nT 40 db(a) func. interm. L Ar,nT 35 db(a) func. contínuo L Ar,nT 35 db(a) func. interm. L Ar,nT 30 db(a) func. contínuo 28 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento sonoro de fachada EXTERIOR Zonas Mistas D 2m,nT,w 33 db Zonas Sensíveis D 2m,nT,w 28 db Salas de consulta ou exame Circulações internas Refeitórios Cozinhas Oficinas 29 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons aéreos D nt,w 40 db Oficinas Local de Emissão Salas de consulta Salas de exame D nt,w 48 db Salas de consulta Salas de exame 30

11 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons aéreos D nt,w 45 db Local de Emissão D nt,w 55 db Salas de consulta Salas de exame 31 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons aéreos Local de Emissão D nt,w 48 db D nt,w 55 db Salas de consulta Salas de exame 32 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons aéreos Local de Emissão D nt,w 30 db Circulações internas (1) D nt,w 35 db Salas de consulta Salas de exame (1) Considerando que existe porta de comunicação com o local de recepção; se não for o caso, os valores indicados deverão ser aumentados em 15dB. 33

12 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons aéreos D nt,w 45 db Refeitórios Cozinhas D nt,w 52 db Salas de consulta Salas de exame 34 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons aéreos D nt,w 48 db Oficinas D nt,w 55 db Salas de consulta Salas de exame 35 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES Isolamento a sons de percussão Emissor Salas de consulta Salas de exame Circulações internas Cozinha Refeitório Oficinas L nt,w 65 db L nt,w 60 db Receptor Salas de consulta Salas de exame 36

13 EDIFÍCIOS HOSPITALARES Local Salas de consulta Salas de exame Nível de Avaliação L Ar,nT 35 db(a) func. interm. L Ar,nT 30 db(a) func. contínuo 37 Avaliação Acústica Entidades Consideradas Projectista Entidade que elabora o projecto de condicionamento acústico, qualificado nos termos do número 2 do artigo 3.º, do Decreto Lei 96/2008 de 9 de Junho. Laboratório de ensaio Entidade que efectua ensaios e medições acústicas de acordo com a normalização aplicável, cumprindo os requisitos fixados nos artigos 33.º e 34.º do Regulamento geral do ruído, aprovado pelo Decreto-Lei 9/2007 de 17 de Janeiro. Acústica de edifícios - Exig.Regul. 38 Factores de Incerteza O valor obtido para o índice de isolamento sonoro a sons de condução aérea, normalizado e ponderado, acrescido de um factor de incerteza I= 3dB, satisfaz o limite regulamentar. O valor obtido para o índice de isolamento sonoro a sons de percussão, normalizado e ponderado, diminuído de um factor de incerteza I = 3 db, satisfaz o limite regulamentar. Anabela Moreira

14 Anabela Moreira Factores de Incerteza O valor obtido para o nível de avaliação, diminuído de um factor de incerteza I=3dB, satisfaz o limite regulamentar. O valor obtido para o tempo de reverberação diminuído de um factor I=25% do limite estipulado, satisfaz o limite regulamentar. PARÂMETROS A VERIFICAR Isolamento a sons aéreos Isolamento a sons de percussão Nível de avaliação D 2m,nT,w L,nt,w -10log(T/T 0 ).+10log(T/T 0 ) L Ar,nt.-10log(T/T 0 ) D nt,w Tempo de reverberação L,nt,w -10log(T/T 0 ) 41 SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS A VERIFICAR Isolamento a sons aéreos Definidas na fase de avaliação, pelo laboratório de ensaio. O projecto de condicionamento poderá recomendar as soluções a verificar. Isolamento a sons de percussão Definidas na fase de avaliação, pelo laboratório de ensaio. O projecto de condicionamento poderá recomendar as soluções a verificar. 42

15 SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS A VERIFICAR a) Tenham diferente constituição; b) Tenham diferente composição c) Sejam influenciadas por diferentes exigências de padronização (tempo de reverberação de referência). 43 EDIFÍCIOS HABITACIONAIS E MISTOS (artigo 5º - RRAE) Isolamento a sons aéreos e de percussão Edifícios de habitação unifamiliares isolados; Edifícios unifamiliares isolados que façam parte de um loteamento específico; Devem ser verificadas para D 2m,nT,w as soluções que: a) Tenham diferente constituição; b) Tenham diferente composição. Edifícios de habitação unifamiliares, iguais, geminados ou em banda; Devem ser verificadas para D 2m,nT,w e D nt,w as soluções que: a) Tenham diferente constituição; b) Tenham diferente composição. Edifícios multifamiliares. Devem ser verificadas para D 2m,nT,w as soluções mais desfavoráveis Devem ser verificadas para D 2m,nT,w e D nt,w e L nt,w as soluções que: a) Tenham diferente constituição; b) Tenham diferente composição. 44 EDIFÍCIOS HABITACIONAIS E MISTOS (artigo 5º - RRAE) Ruído de Equipamentos Deve ser avaliado o nível de ruído (L Ar,nT ) de todos os equipamentos colectivos instalados, nos espaços habitacionais em situação de exposição mais desfavorável. 45

16 !"#$"##% & ' ( ( ) * + (!"#$"##%, ( -. /!"#$"##%

17 EDIFÍCIOS COMERCIAIS E DE SERVIÇOS, E PARTES SEMELHANTES EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS (artigo 6º - RRAE) Devem ser verificados os parâmetros regulamentares (D 2m,nT,w ; D nt,w e L nt,w ) nas soluções construtivas consideradas mais desfavoráveis, assim como o parâmetro regulamentar (Tr) em todos os espaços fechados objecto de licenciamento. 46 EDIFÍCIOS COMERCIAIS E DE SERVIÇOS, E PARTES SEMELHANTES EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS (artigo 6º - RRAE) Ruído de Equipamentos Deve ser avaliado o nível de ruído (L Ar,nT ) de todos os equipamentos considerados, nos espaços em situação de exposição mais desfavorável. 47 EDIFÍCIOS ESCOLARES E SIMILARES, E DE INVESTIGAÇÃO (artigo 7º - RRAE) Isolamento a sons aéreos de percussão; Devem ser verificadas para D 2m,nT,w e D nt,w e L nt,w as soluções que: a) Tenham diferente constituição; b) Tenham diferente composição; c) Sejam influenciadas por diferentes exigências de padronização (tempo de reverberação de referência). Condicionamento acústico; Deve ser verificado o parâmetro regulamentar aplicável (Tr) em todos os espaços fechados objecto de licenciamento. Ruído de equipamentos. Deve ser verificado o nível de ruído (L Ar,nT) de todos os equipamentos considerados, nos espaços em situação de exposição mais desfavorável 48

18 EDIFÍCIOS HOSPITALARES E SIMILARES (artigo 8º - RRAE) Idêntico ao referido relativamente ao artigo 7º 49 RECINTOS DESPORTIVOS (artigo 9º - RRAE) Deve ser verificado o parâmetro regulamentar aplicável (T), em todos os espaços objecto de licenciamento. 50 ESTAÇÕES DE TRANSPORTE (artigo 10º - RRAE) Idêntico ao referido relativamente ao artigo 9º 51

19 AUDITÓRIOS E SALAS (artigo 10-Aº - RRAE) Devem ser verificados todos os parâmetros regulamentares aplicáveis (T; L Aeq ; D nt,w ; D nt, oit63hz ), em todos os espaços objecto de licenciamento. 52 NORMALIZAÇÃO APLICÁVEL 53 Acústica de edifícios - Exig.Regul. 54

20 ENSAIOS DE ISOLAMENTO A SONS AÉREOS Medição do isolamento sonoro a sons aéreos de fachadas e elementos de fachada Medição do isolamento sonoro a sons aéreos entre compartimentos 55 ENSAIO DE ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO 56

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprovação...3 Regiões Autónomas...3 Regime transitório...3 Entrada em vigor...3 REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Disposições gerais...4 Objecto

Leia mais

Decreto-Lei Nº 129/2002 de 11 de Maio - protecção acústica dos edifícios Gesetzesdekret Nr. 129 vom 11. Mai 2002 Lärmschutz bei Gebäuden

Decreto-Lei Nº 129/2002 de 11 de Maio - protecção acústica dos edifícios Gesetzesdekret Nr. 129 vom 11. Mai 2002 Lärmschutz bei Gebäuden Decreto-Lei Nº 129/2002 de 11 de Maio - protecção acústica dos edifícios Gesetzesdekret Nr. 129 vom 11. Mai 2002 Lärmschutz bei Gebäuden A área da acústica esteve ligada, desde muito cedo, ao sector da

Leia mais

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio A área da acústica esteve ligada, desde muito cedo, ao sector da edificação urbana, e, em especial, aos requisitos

Leia mais

PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS

PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS Aplicação da Normalização Europeia e de Marcação CE à Caixilharia Exterior 16 de Setembro de 2009 Eng.ª Odete Domingues PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS ANÁLISE GERAL Local de implantação Conforto

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008. Registado com o n.º DL 35/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008. Registado com o n.º DL 35/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 35/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008 O -Lei 129/2002, de 11 de Maio, aprovou o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A ELABORAÇÃO E SUBSCRIÇÃO DE PROJETOS DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS 1. Introdução De acordo com o disposto no nº 2 do artº 3 do Regulamento

Leia mais

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes CAEd Cálculo Acústico de Edifícios Autores: João Mariz Graça Jorge Patrício Luís Santos Lopes Lisboa, Junho de 2008 1 Introdução O programa CAEd foi desenvolvido por João Mariz da Graça, Jorge Patrício

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 110 9 de Junho de 2008 3359 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 34/2008 de 9 de Junho Nos termos do n.º 2 do artigo 8.º do Decreto -Lei n.º

Leia mais

IMPACTE DO NOVO DL 96/2008 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL

IMPACTE DO NOVO DL 96/2008 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL Acústica 28 2-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra IMPACTE DO NOVO DL 96/28 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL Clotilde A. Lages 1, Rodrigo A. Tomaz 1, Luís Conde Santos

Leia mais

1/32. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 1033/2008

1/32. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 1033/2008 1/32 Decreto-Lei n.º 96/2008, de 9 de Junho, Procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, que aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios JusNet 1033/2008 Link

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

Definição dos Aspectos para Avaliar a Qualidade de Projectos de Acústica de Edifícios de Habitação. Ricardo Miguel Amaral Pinto

Definição dos Aspectos para Avaliar a Qualidade de Projectos de Acústica de Edifícios de Habitação. Ricardo Miguel Amaral Pinto UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Definição dos Aspectos para Avaliar a Qualidade de Projectos de Acústica de Edifícios de Habitação Ricardo Miguel Amaral Pinto Orientador Professora Anabela

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS 12 de Junho de 2002 Rute Roque OBJECTIVO E ENQUADRAMENTO LEGAL Cumprir o Decreto-Lei nº 292/2000 de 14 de Novembro (REGIME LEGAL SOBRE A POLUIÇÃO SONORA

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL

ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL PACS: :55.Rg Patrício, Jorge Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. do Brasil, 1700 Lisboa, Portugal Tel. 5121827; Fax.

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS pág. i DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL T E X T O D E A P O I O À D I S C I P L I N A D E ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS A. P. Oliveira de Carvalho ÍNDICE pág. PREÂMBULO

Leia mais

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV Cliente: GQS Endereço: Alfeite, 2810-001 Almada Referência do Cliente: PTI 38935 Obra n.º: P538 A1489 OE 2779 Designação: Caracterização do Ruído Ambiental da ARSENAL DO ALFEITE, SA. Local de execução:

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Ref.ª Newsletter 04/2014

Ref.ª Newsletter 04/2014 Há 20 anos a contribuir para a segurança das empresas. Ref.ª Newsletter 04/2014 Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 220/2008, 12 de Novembro: Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndios em Edifício

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento, elaborado em conformidade

Leia mais

Ruído Ambiente, ruído de Incomodidade e Isolamento Acústico Exigências Legais. Centre for Nanotechnology and Smart Materials Escola Tecnológica

Ruído Ambiente, ruído de Incomodidade e Isolamento Acústico Exigências Legais. Centre for Nanotechnology and Smart Materials Escola Tecnológica Ruído Ambiente, ruído de Incomodidade e Isolamento Acústico Exigências Legais 7 de Junho 011 Nerga Emídio Maia emaia@citeve.pt O Grupo CITEVE Tecnologia Têxtil A R G E N T I N A C H I L E Centre for Nanotechnology

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

DE RUÍDO E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

DE RUÍDO E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CNAI 2008 Beja, 22-24 de Outubro MAPAS DE RUÍDO E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Luís Conde Santos www.absorsor.pt luis.conde@absorsor.pt Introdução A recente transposição da Directiva 2001/42/CE, relativa

Leia mais

A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA

A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA PÁG. 1 DE 12 A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA IEP002/0 Pág. 2 de 12 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Resumo Não Técnico (RNT), parte integrante da Memória Descritiva,

Leia mais

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular ORDEM DOS ENGENHEIROS Colégio Nacional de Engenharia Electrotécnica Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Leia mais

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / )

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / ) A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / 2 0 0 7 ) P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L D E S Ã O P E D R O D O S U

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Elaboração do projecto de condicionamento acústico de edifícios

Elaboração do projecto de condicionamento acústico de edifícios Ordem dos Engenheiros Comissão Executiva da Especialização em Engenharia Acústica Nota Técnica Elaboração do projecto de condicionamento acústico de edifícios Setembro 2009 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 2

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque PISO / PAREDE 1 Parte 01: Requisitos Gerais; Parte 02: Requisitos para os sistemas estruturais; Parte 03: Requisitos para os sistemas de pisos; Parte 04: Requisitos para os sistemas de vedações verticais

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Aplicação O presente Regulamento disciplina a ocupação e uso do solo da área abrangida pela operação de loteamento do Rossio em

Leia mais

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS / ENSAIOS / CORRECÇÕES A EFECTUAR NO AMBITO DO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFICIOS

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS / ENSAIOS / CORRECÇÕES A EFECTUAR NO AMBITO DO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFICIOS paper ID: 0126 /p.1 CÚSTIC DE EDIFÍCIOS / ENSIOS / CORRECÇÕES EFECTUR NO MBITO DO CONDICIONMENTO CÚSTICO DE EDIFICIOS Jorge Nunes a a PROLB Laboratório de Ruído da Projecovas, projecovas@mail.telepac.pt,

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP

Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP Laudo Técnico Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho realiza-se em cumprimento ao requisito determinado

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO Abril de 2013 IP 3 - Mortágua (EN 228) / Raiva (IC 6). Resumo do Plano de Acção ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - CONSIDERAÇÕES GERAIS...

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 1 de 17 CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 2 de 17 I INTRODUÇÃO O ruído é um dos principais factores que afectam o ambiente urbano, contribuindo de modo significativo para a degradação da qualidade

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo não Técnico EN10 Fogueteiro/Nó de Coina EN10 Porto Alto/Vila Franca de Xira EN10 Vila Franca de Xira/Alverca Relatório nº AG/08/0424-9RNT Página 1

Leia mais

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica Manual ProAcústica sobre a Norma de Desempenho Guia prático sobre cada uma das partes relacionadas à área de acústica nas edificações da Norma ABNT NBR 15575:2013 Edificações habitacionais - Desempenho

Leia mais

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética Complexos Escolares Exemplos de Eficiência Energética Empresa de consultoria em Construção Sustentável, especializada no acompanhamento ao Gabinete de Arquitectura ou Promotor. Desde o inicio em assessoria

Leia mais

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax:

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax: MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DE RUÍDO E VIBRAÇÕES LISBOA Taguspark Edificío Tecnologia I, n.º 11 2780-920 Oeiras Tel: +351 214 228 950 Fax: +351 214 228 959 PORTO Zona Industrial da Maia I, Sector X, Lote

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular 1- Projecto de Instalações Eléctricas Técnicos

Leia mais

Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios

Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios Outubro de 2014 SONIA CARINA MATOS ABREU Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A.

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A. Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo Não Técnico IC10 Santarém / Almeirim (N118) Relatório nº AG/08/0424-5RNT Página 1 de 11 IC10 Santarém / Almeirim (N118) PLANO DE AÇÃO Resumo Não Técnico

Leia mais

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS: índices de isolamento a sons aéreos utilizados no espaço europeu

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS: índices de isolamento a sons aéreos utilizados no espaço europeu ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS: índices de isolamento a sons aéreos utilizados no espaço europeu PACS: 43.35.Cg Patricio J. Presidente de la Sociedad Portuguesa de Acústica Representante Português no CEN Investigador

Leia mais

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica Manual ProAcústica sobre a Norma de Desempenho Guia prático sobre cada uma das partes relacionadas à área de acústica nas edificações da Norma ABNT NBR 15575:2013 Edificações habitacionais - Desempenho

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Director Municipal do Departamento de Gestão Urbanística, Arq. Aníbal caldas. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da 111.02.2011 N/Inf.: (...) N/Ref.ª: (...)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS GABINETE DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL. - Mapa de Ruído do Concelho de Oeiras - Resumo Não Técnico

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS GABINETE DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL. - Mapa de Ruído do Concelho de Oeiras - Resumo Não Técnico CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS GABINETE DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL - Mapa de Ruído do Concelho de Oeiras - NOVEMBRO 2009 1 ÍNDICE 1. Objectivos 2. Como se elabora o Mapa de Ruído 3. Mapa de Ruído do Concelho

Leia mais

Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra

Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra ESTUDO DA QUALIDADE ACÚSTICA EM AUDITÓRIOS MARCO A. OLIVEIRA 1, SANDRA M. SILVA 2,TANIA C. FORTES 3, LUIS M. BRAGANÇA 4 1: Escola de Engenharia da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril

Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril Cristina Seabra, CCDRC Resumo Organização do diploma Abrangência diploma Definições Valores Limite Emissão Monitorização das emissões Cumprimento VLE Portarias que

Leia mais

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia Concepção de Instalações Eléctricas E D José Rui Ferreira Setembro 2002 ITED Infra-estruturas de Telecomunicações em EDifícios Índice -Introdução - Legislação - Inscrição de Empresas / Técnicos -Projecto

Leia mais

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva

MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC. Francelino da Silva MANUTENÇÃO de SADI nota técnica 12 da ANPC Francelino da Silva 1 1. OBJETIVO e APLICAÇÃO da NT 12 Segurança contra incêndio em edifícios Nota técnica N.º 12 da ANPC (NT 12) Sistemas automáticos de deteção

Leia mais

Portaria 311/2002, de 22 de Março (Alterada pela Portaria 299/2011, de 24 de Novembro)

Portaria 311/2002, de 22 de Março (Alterada pela Portaria 299/2011, de 24 de Novembro) Portaria 311/2002, de 22 de Março (Alterada pela Portaria 299/2011, de 24 de Novembro) O Decreto-Lei 4/93, de 8 de Janeiro, que aprovou o Regulamento de Taxas de Instalações Eléctricas, remeteu expressamente,

Leia mais

Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos. Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis

Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos. Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis Quem somos? A France Air Portugal pertence ao grupo France Air, sediado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES Rodrigo Barcelos Pinto 1 ; Erasmo Felipe Vergara 2 ; Dinara Xavier da Paixão 3. (1) Universidade Federal

Leia mais

Lei Municipal N.º 1412

Lei Municipal N.º 1412 Lei Municipal N.º 1412 Art. 7º -- Para cada uma das zonas em que se divide a área urbana, a presente Lei, estabelece, as tabelas de 1 a 7 e no gráfico anexos: I -- os usos adequados, tolerados e inadequados;

Leia mais

NP ISO :2011. Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011. Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 Índice Objectivo e campo de aplicação Referências normativas

Leia mais

III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR

III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR Listagem das Especificações Técnicas em Vigor RITA Especificação Caixas de Rede Colectiva de Tubagens 25.03.40.001 (Ed.2); RITA - Especificação Cabo Tipo V 25.03.40.002

Leia mais

Decreto-Lei n.º 9/2007. de 17 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 9/2007. de 17 de Janeiro Decreto-Lei n.º 9/2007 de 17 de Janeiro A prevenção do ruído e o controlo da poluição sonora visando a salvaguarda da saúde humana e o bem-estar das populações constitui tarefa fundamental do Estado, nos

Leia mais

MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA MADEIRA

MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA MADEIRA TABELA DE TAXAS OPERAÇÕES DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO QUADRO I Licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e ou de obras de urbanização e/ou trabalhos de remodelação de terrenos 1. Emissão

Leia mais

Ruído. Mapas de Ruído

Ruído. Mapas de Ruído Ruído Mapas de Ruído Mapa de Ruído Representação geográfica do ruído do ambiente exterior, onde se visualizam as áreas às quais correspondem determinadas classes de valores em db(a), reportando-se a uma

Leia mais

Desempenho acústico de esquadrias e NBR

Desempenho acústico de esquadrias e NBR Desempenho acústico de esquadrias e NBR 15.575 Deixe o Excesso de Barulho do Lado de Fora A NBR 15.575 é a norma da ABNT com orientações referentes ao desempenho de edificações. A qualidade acústica das

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas políticas e critérios contabilísticos

Leia mais

M A P A S D E R U Í D O ( R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O - D E C. - L E I

M A P A S D E R U Í D O ( R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O - D E C. - L E I M A P A S D E R U Í D O ( R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O - D E C. - L E I 9 / 2 0 0 7 ) P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L R E S U M O N Ã O T É C N I C O C O N C E L H O D E V

Leia mais

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS 1.1 CONTEXTO NORMATIVO Na elaboração do presente Manual ITED foram consideradas as Normas Europeias aplicáveis, nomeadamente: EN 50083 - Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS TÉCNICAS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS TÉCNICAS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS TÉCNICAS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS

Leia mais

Conforto Acústico em Salas de Aula Climatizadas

Conforto Acústico em Salas de Aula Climatizadas Conforto Acústico em Salas de Aula Climatizadas Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Mecânica na Especialidade de Energia e Climatização de Edifícios. Ana Catarina Queimado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO RUÍDO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO RUÍDO 2 PREÂMBULO O ruído é uma questão ambiental que nos últimos anos tem vindo a ter uma relevância crescente a nível nacional, decorrente da implementação das medidas preconizadas no Regime Legal Sobre a

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO

INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE ACÚSTICA MAPA DE RUÍDO PARA O CONCELHO DE VILA VELHA DE RÓDÃO (Resumo não-técnico) Direcção Técnica: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura

Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura 1 Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Analise da Norma NBR 15575 Autor Principal Consultor www.gineraudio.com.br giner@gineraudio.com.br

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Ana Maria Duarte 1, Claudia Silva

Leia mais

CALENDÁRIO * * O calendário poderá estar sujeito a pequenas alterações. Por favor confirme a data. actualizada no site da OASRN.

CALENDÁRIO * * O calendário poderá estar sujeito a pequenas alterações. Por favor confirme a data. actualizada no site da OASRN. CICLO DE LEGISL AÇÃO NA PRÁTICA PROFISSIONAL 2009 CALENDÁRIO * FORMAÇÃO FORMADOR VISEU COIMBRA BRAGA AVEIRO L1 DL60/2007 (RJUE) Dr. Nuno César Machado 4 Junho 18 Junho 30 Abril 7 Maio L2 DL163/2006 (ACESSIBILIDADE)

Leia mais

ACÚSTICA DE SALAS DE AULA

ACÚSTICA DE SALAS DE AULA Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra ACÚSTICA DE SALAS DE AULA D. Alarcão, C. Fafaiol, J. L. Bento Coelho CAPS, DEEC Instituto Superior Técnico, Av. Rovisco Pais, P-1049-001

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS O DL 220/2008, que estabeleceu o regime jurídico de segurança contra incêndios (SCIE), diz que estão sujeitos a este regime todos os edifícios ou fracções autónomas, qualquer

Leia mais

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 3ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 3ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral ANEXO TABELA DE TAXAS Quadro I Taxa geral 1. Apreciação e análise de pedido de licenciamento 38,30 2. Apreciação e análise de pedido de admissão de comunicação prévia 38,30 3. Em operações de loteamento

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

1. Tarifas referentes à prestação de serviços de fiscalização. 2. Tarifas de execução de ramais, nos termos das al. a) e c) do n.º 1 do Art.º.

1. Tarifas referentes à prestação de serviços de fiscalização. 2. Tarifas de execução de ramais, nos termos das al. a) e c) do n.º 1 do Art.º. 2010 ART.º. 1 FIXAÇÃO E ACTUALIZAÇÃO DE TARIFAS Todas as tarifas abrangidas pelo presente regulamento serão fixadas pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, precedendo proposta do Conselho de Administração

Leia mais

LUSOPONTE. PONTE VASCO DA GAMA Mapa Estratégico de Ruído. Resumo Não Técnico

LUSOPONTE. PONTE VASCO DA GAMA Mapa Estratégico de Ruído. Resumo Não Técnico LUSOPONTE PONTE VASCO DA GAMA Mapa Estratégico de Ruído Resumo Não Técnico Procº 046/I/14 RT02-T03-V00 julho, 2015 ÍNDICE DE ANEXOS ANEXO 1 MAPAS DE RUÍDO Pág. Desenho 01 Mapa de Ruído Margem Norte Indicador

Leia mais

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais