ÍNDICE. Apresentação...4. As pesquisas...7. Conhecendo nossa história...9. Modos de Vida e Ocupações Patrimônio Cultural...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Apresentação...4. As pesquisas...7. Conhecendo nossa história...9. Modos de Vida e Ocupações Patrimônio Cultural..."

Transcrição

1 1

2 2

3 ÍNDICE Apresentação...4 As pesquisas...7 Conhecendo nossa história...9 Modos de Vida e Ocupações...11 Patrimônio Cultural...16 Patrimônio Arqueológico...23 O trabalho do arqueólogo...28 Preservação dos Sítios Arqueológicos...36 Preservação do Patrimônio Cultural...37 Ficha Técnica

4 APRESENTAÇÃO Olá, concluímos mais um programa de pesquisa em Meio Ambiente Cultural no estado do Rio de Janeiro. Estas pesquisas foram desenvolvidas pelo Grupo DOCUMENTO no terreno da empresa GOLGI localizado na Estrada de Miguel Pereira (RJ 125) entre o entroncamento do Arco Metropolitano com a Rodovia Presidente Dutra no munícipio de Seropédica RJ. Para entender melhor, a empresa GOLGI é uma incorporadora, proprietária de condomínios logísticos de alta eficiência, criada para atuar nos principais mercados brasileiros, desde a aquisição, a locação e gestão de centros de armazenagem e distribuição de produtos. As pesquisas tiveram inicio em 2014 por meio do Programa de Gestão do Patrimônio Histórico e Cultural (Etapas Resgate e Monitoramento) na fase de licenciamento ambiental do empreendimento onde seriam construídos galpões e estruturas para um condomínio logístico de armazenagem e distribuição de produtos. Imagem ilustrativa do Empreendimento - Fonte Site do Empreendedor O programa foi legalizado através da PORTARIA IPHAN1 N 44, DE 22 DE AGOSTO DE 2014 do Processo n.º / com o objetivo de produzir conhecimento científico sobre a Arqueologia e a História da região de Seropédica, contribuir para a ampliação do conhecimento regional e nacional; identificar e caracterizar as culturas que ocuparam a região Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

5 Esta cartilha apresenta à comunidade parte do resultado dos conhecimentos gerados sobre a história local identificado nas etapas de pesquisa, visando contribuir à (re) valorização, preservação e fruição do patrimônio cultural regional. Colaborar para a prática da sustentabilidade e gestão do conhecimento através do diálogo aberto com a comunidade é uma das propostas do Grupo DOCUMENTO e empresa GOLGI neste programa de pesquisa. ENTENDENDO O PROJETO Este projeto foi planejado para disponibilizar as mais atualizadas tecnologias de infraestrutura e serviços para o centro de armazenagem e distribuição de produtos Golgi Seropédica, com a construção de galpões de armazenagem, vestiários, restaurante e área de apoio ao caminhoneiro. O terreno objeto das pesquisas arqueológicas compreende uma área de m² especialmente denominada Lote C, onde ocorreram atividades de prospecção realizadas pelo Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB) que indicaram a presença positiva de vestígios arqueológicos compostos por peças líticas lascadas. Na etapa Resgate as pesquisa do Grupo Documento foram desenvolvidas por meio de levantamentos sistemáticos e intensivos de superfície com detalhamentos de escavação arqueológicas - abertura de sondagens e trincheiras. 5

6 LOCALIZAÇÃO REGIONAL DO EMPREENDIMENTO 6

7 As pesquisas Para entender um pouco mais sobre as pesquisas do Programa de Gestão do Patrimônio Histórico e Cultural (Etapas Resgate e Monitoramento) do empreendimento da Golgi Seropédica, vamos compreender o que se trata Meio Ambiente Cultural e os estudos como Arqueologia, Patrimônio Cultural que envolve essa abordagem. O Meio Ambiente Cultural constitui a soma do ambiente físico - a geológica, a fauna, a flora, e às paisagens culturalmente construídas pelos diferentes grupos humanos que se desenvolveram na região, ao longo do tempo. Deste ponto de vista, cultura e ambiente são indissociáveis e integram processos sócios naturais formados pelo conjunto de manifestações físicas e culturais de uma paisagem. Remete, por exemplo, a sítios arqueológicos, edificações históricas, conhecimentos e práticas tradicionais de manejo do meio ambiente, entre outros tantos. Imagem aérea de Seropédica, fonte: Google Earth. 7

8 Saiba mais!!! É a partir dessa abordagem que é possível elaborar projetos para Gestão do Patrimônio Cultural que integrem Cultura e Meio Ambiente, otimizando iniciativas que correspondam aos valores culturais das comunidades, dando possibilidade para investigação de Paisagens Culturais. De acordo com a Carta de Bagé, conhecida também por Carta da Paisagem Cultural (2007), Paisagem Cultural é o meio natural ao qual o ser humano imprimiu as marcas de suas ações e formas de expressão, resultando em uma soma de todos os testemunhos resultantes da interação do homem com a natureza e, reciprocamente, da natureza com homem. Exemplar de Cartografia histórica (Recorte de 1767 Planta) Fonte: 8

9 Conhecendo nossa história Agora que vimos a definição sobre Meio Ambiente Cultural, Paisagens Culturais e os elementos que possibilitam os estudos sobre o Patrimônio Cultural, vamos conhecer a história da região e das comunidades onde foram desenvolvidas as pesquisas deste programa. A história do município de Seropédica encontra-se intimamente ligada à história da antiga Fazenda de Santa Cruz, cujas origens remontam à sesmaria2 doada a Cristóvão Monteiro em 30 de dezembro de Por meio de doações e trocas, em 1613, a sesmaria encontrava-se sob posse dos jesuítas do Rio de Janeiro, iniciando a história daquela grande propriedade. Vista parcial da Avenida Central de Seropédica em Sesmaria: Em resumo, era a concessão de terras no Brasil pelo governo de Portugal com objetivo de desenvolver a agricultura, a criação de gado e mais tarde o extrativismo vegetal. O sistema de sesmarias do Brasil era um prolongamento do sistema jurídico português, estabelecido pela lei de 26 de maio de 1375 e baixada por D. Fernando. 9

10 Conhecendo nossa história 10 Devido ao seu tamanho, diversos fragmentos da fazenda Santa Cruz foram arrendados3 a terceiros. Ali eram desenvolvidas atividades agrícolas, pecuárias e manufatureiras, e sua produção era essencial ao abastecimento da região e do Rio de Janeiro. Com a expulsão dos jesuítas do Império Português em 1759, a fazenda foi confiscada pela Coroa e, ao longo do século XIX, partes da propriedade passaram a particulares. Em finais dos anos 1830, foi criada a Imperial Companhia Seropédica Fluminense, que desenvolveu importantes atividades até Já no século XX, em 1938, iniciavase a história da atual Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. A crescente importância do distrito de Seropédica levou à sua emancipação do município de Itaboraí, aprovada em 1995 e efetivada em Mapa da Fazenda de Santa Cruz (século XVIII) Fonte: 3 - Arrendado: Nesse caso, significa um contrato de cessão de produção das terras da fazenda para que outras pessoas pudessem explorar.

11 Modos de Vida e Ocupações Como parte da antiga Fazenda de Santa Cruz, desde o século XVII, a área do atual município de Seropédica esteve intimamente ligada à produção agropastoril. Tal realidade estendeu-se ao longo de todo o século XIX, da qual a sericultura (criação do bicho-da-seda) e a produção de café são destacados exemplos. Contextualizando a Sericultura: É a criação do bicho-da-seda que dá origem ao fio da seda, matéria prima apreciada no mundo inteiro. Criação de bicho da seda - Colheita de folhas de amoreira Fonte: 11

12 Histórico e Desenvolvimento Nas primeiras décadas do século XX, o território do município de Seropédica recebeu importantes instalações. Em 1938, às margens da antiga rodovia Rio-São Paulo, iniciouse a construção do Centro Nacional de Estudos e Pesquisas Agronômicas. Em 1965, foi criada a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFFRJ (IBGE, [s.d.], 1; UFFRJ, História, online). Universidade Rural (RJ) Fonte: 12

13 ...algumas imagens históricas... Fazenda Piloto - Universidade Rural (RJ) Fonte: Criação de Porcos na Fazenda Piloto - Universidade Rural (RJ) Fonte: jpg 13

14 ...nossa linha do tempo... Percebemos que a integração do homem e natureza ocorre constantemente. Ao longo dos tempos as sociedades, os lugares e regiões vão se desenvolvendo. O processo natural da vida é nascer, crescer, reproduzir e morrer, e é nesse processo de evolução que as identidades e tradições culturais são construídas. Por exemplo, aprendemos modos de vida com nossos pais que aprenderem com os pais deles e que iremos repassar para nossos filhos e netos - isso é a nossa herança cultural familiar. Para entendemos melhor vamos à prática!? Essa figura ao lado representa a árvore da sua vida, preencha-a, indicando o nome dos seus familiares e pensando em tudo que você aprendeu com eles. 14

15 Atividade Agora que você já montou a sua árvore, utilize as informações recolhidas e construa um texto sobre a sua história e da sua família. Agora é sua vez 15

16 Patrimônio Cultural Já falamos sobre Meio Ambiente Cultural e seus elementos de estudo. Um pouco sobre a nossa História e agora vamos entender melhor sobre Patrimônio Cultural. Você sabe o que é? É constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes, crenças e memórias. 16

17 Patrimônio Cultural Integram o Patrimônio Cultural as formas de expressão; os modos de criar, fazer, viver; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. Todos estes itens fazem parte de nossa herança cultural. A preservação deste Patrimônio é de interesse geral, tanto do poder público como de toda a sociedade. Exemplo de Patrimônio Imaterial: Grupo de Maracatu 17

18 Você sabia... No Brasil, após ser identificado e reconhecido, o Patrimônio Histórico e Cultural é fiscalizado, protegido, restaurado e preservado por diferentes órgãos na esfera da Federação, do Estado e do Município. Para garantir a proteção e salvaguarda do patrimônio cultural pode se aplicar medidas como TOMBAMENTO. O que é o tombamento? O tombamento é um ato administrativo realizado pelo Poder Público (federal/estadual/municipal) com o objetivo de preservar bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e também de valor afetivo para a população, impedindo a destruição e/ou descaracterização de tais bens. FONTE: montarpaginasecao.o?id=10852&retorno=paginaiphan Exemplar de bem edificado Tombado - Centro Cultural Municipal Oduvaldo Vianna Filho Castelinho do Flamengo Fonte: 18

19 Patrimônio Cultural Todos os tipos de Patrimônio Cultural correspondem àquilo que foi deixado para nós pelos mais velhos e faz parte da nossa identidade. Portanto, deve ser cuidado, preservado por todos, pois é um patrimônio individual e coletivo ao mesmo tempo. O Patrimônio Cultural pode ser divido em duas categorias: O Patrimônio Material e o Patrimônio Imaterial. O Patrimônio Material é composto pelos elementos físicos que fazem parte do cotidiano das comunidades como prédios históricos, imagens religiosas, acervo bibliográfico, estradas de ferro, sítios arqueológicos, entre outros remanescentes físicos que compõem a história e a tradição de uma determinada comunidade. O Patrimônio Imaterial é composto por histórias, expressões artísticas, técnicas artesanais tradicionais, lendas, festas tradicionais que tenham importância e representatividade para alguma comunidade. Este tipo de patrimônio cultural é transmitido de geração em geração. 19

20 Tipos de Patrimônio Cultural Podemos citar como órgãos de defesa ao Patrimônio Cultural o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional IPHAN, que é um órgão nacional, e a Organização das Nações Unidades para a Educação, a Ciência e a Cultura - UNESCO, um órgão mundial. Folia de Reis Pesca Artesanal Capoeira Conheça mais Patrimônios Culturais Cariocas em: 20

21 Atividade Aqui seguem algumas dicas de como contribuir para a identificação do Patrimônio Material e Imaterial de sua comunidade: * Informar, divulgar e agir frente à proteção e conservação deste patrimônio; * Preservar os bens tombados de seu município; * Transmitir as manifestações, expressões e tradições culturais aos mais jovens; * Fiscalizar a ação dos órgãos normativos e dos empreendimentos envolvidos no que diz respeito à proteção patrimonial. Agora que você já sabe o que é Patrimônio Cultural, contribua! Escolha um patrimônio material ou imaterial do Rio de Janeiro e descreva aqui. 21

22 Patrimônio Paisagístico As paisagens também são um patrimônio, que podem estar em constante transformação, sejam elas em decorrência de eventos naturais ou da ação do homem. Então podemos pensar que o Patrimônio Paisagístico compreende lugares que de alguma forma trazem marcas da interação entre o homem e meio natural, ou seja, que de alguma forma tenha algum significado para uma população. Contextualizando! A cidade do Rio de Janeiro foi considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO na categoria paisagem cultural urbana. Vista aérea parcial da Cidade do Rio de Janeiro 22

23 Patrimônio Arqueológico O Patrimônio Arqueológico compreende todos os objetos de estudos do arqueólogo, ou seja, os vestígios matérias da existência humana. Para entender melhor sobre essa relação homem e objeto a ARQUEOLOGIA é a ciência que busca, por meio de estudos rigorosos, reconstruir e interpretar os objetos, aqui chamados de vestígios materiais, deixados pelo homem ao longo do tempo, seja em períodos Pré- históricos ou históricos. Arqueologia vem do grego que significa: Arkhaios (antigo) e logos (conhecimento, estudo). Portanto, arqueologia é o estudo do que é antigo. 23

24 Pesquisas arqueológicas Desde tempos mais antigos o homem vem evoluindo e transformando o meio ambiente. Nesse processo evolutivo a criação e transformação dos objetos estão ligados, pois a função e usos dos objetos podem contar a história dos grupos humanos que os produziram desde tempos mais remotos da humanidade - são como documentos que informam sobre os modos de vida do homem num determinado espaço e tempo. A arqueologia está dividida em duas áreas de pesquisa: Arqueologia Pré-histórica e Histórica A Arqueologia Pré-Histórica estuda as culturas anteriores ao aparecimento e uso da escrita, o que abarca quase toda a existência humana sobre a Terra, desde o início. No Brasil, corresponde ao período anterior à chegada dos colonizadores europeus, compreendendo a história indígena. A Arqueologia Histórica junta o trabalho do Arqueólogo (estudo do registro arqueológico) com o trabalho do Historiador (estudo dos textos de época e relatos orais). No Brasil a Arqueologia Histórica se volta ao estudo dos objetos relacionados às ocupações humanas que ocorreram a partir da chegada do colonizador europeu, no século XVI. 24

25 Vestígios arqueológicos Curiosidades: Se procurarmos a palavra vestígio em um dicionário, você verá que significa: sinal, pegada, marca ou rastro; sinal de uma coisa que aconteceu, de uma pessoa que passou. E a palavra material se refere à matéria, ou seja, tudo aquilo que conseguimos tocar, pegar. Por exemplo: ferramentas em pedra lascada, uma antiga fogueira, fragmentos de vasilhas em cerâmica, restos de construções, entre outras coisas. Todos estes vestígios servem como pistas para os arqueólogos. 25

26 Vestígios arqueológicos Entre os objetos feitos pela mão do homem, encontramos instrumentos e ferramentas em pedras lascadas e polidas, potes, panelas de cerâmica, fogueiras, cascas de moluscos, cachimbos, garrafas de vidro, ossos, antigas habitações, abrigos com arte rupestre ( pinturas e gravuras nas rochas), louças e tantos outros encontrados no solo, subsolo e na água. Vestígios de Grupos Pré Históricos Exemplar de vestígio lítico Seropédica, RJ Exemplar de vestígio lítico AES Tietê, SP Exemplar de vestígio cerâmico UHE Jirau, RO Vestígios de Grupos Históricos Exemplar de vestígio Faiança VLT Rio, RJ Exemplar de vestígios históricos Porto Maravilha, RJ Exemplar de vestígio Histórico (âncora) Porto Maravilha, RJ 26

27 Atividade Depois de tudo que aprendemos até aqui, vamos fazer uma atividade de arqueólogo? Tente reconhecer os objetos das figuras e classificá-los em Pré- Históricos e Históricos. Escreva P.H. para os materiais Pré-Históricos e H para os materiais Históricos:

28 O trabalho do arqueólogo Estudando os objetos associados ao meio ambiente os arqueólogos (profissional que estuda arqueologia) podem entender uma sucessão de informações sobre os grupos humanos que os produziram, como por exemplo: as formas, os usos, as tecnologias e sua evolução, os costumes e hábitos de quem viveu em um determinado território. Vamos entender como é o trabalho do Arqueólogo?A pesquisa arqueológica em campo é dividida em quatro etapas: Diagnóstico Prospecção Resgate (Escavação) Monitoramento Pesquisador realizando monitoramento em campo no interior de SãoPaulo 28

29 As pesquisas arqueológicas Diagnóstico: Durante essa etapa é realizado o reconhecimento da área em estudo, para isso são desenvolvidos estudos bibliográficos, análises prévias em campo, análise de mapas e objetos, entre outras coisas. Prospecção: Essa etapa é quando o arqueólogo percorre a área analisando a superfície e fazendo aberturas de sondagens, quando necessário, para encontrar vestígios que estejam enterrados. Resgate: Já nessa etapa, os sítios identificados e suas respectivas peças e vestígios são recuperadas. Monitoramento arqueológico: É o acompanhamento constante na fase de implantação do empreendimento. O Arqueólogo deverá realizar o acompanhamento das ações do empreendimento que inclui: Retirada de vegetação; Trabalho de terraplanagem; Implantação de canteiros de obras; Drenagem; Ainda qualquer outra atividade potencialmente causadora de danos ao patrimônio arqueológico. O pesquisador deverá ter o registro fotográfico de cada trecho do empreendimento e da ficha de monitoramento. 29

30 As pesquisas arqueológicas deste programa Analise de dados dos coordenadores de campo Atividade de peneiramento de sedimento Demarcação de trincheira Escavação da trincheira Estratigrafia da sondagem P4 Limpeza da área onde foi realizada a sondagem 30

31 Os resultados da pesquisa Os arqueólogos também necessitam de laboratórios para completar os estudos de suas escavações. No caso da Arqueologia, o laboratório é o lugar para onde são enviados os vestígios materiais coletados. Ali todos os materiais são separados, de acordo com o local em que foram encontrados e recebem uma ficha de identificação, para facilitar a pesquisa. Vista parcial da área pesquisada 31

32 O laboratório de Arqueologia Os materiais passam então por um processo de limpeza, identificação, catalogação e análise. A partir de todo esse trabalho é possível fazer comparações e interpretações sobre as ocupações humanas que estão sendo pesquisadas. Processo de curadoria e inventário Lavagem e limpeza Acondicionamento em caixas após lavagem e triagem Processo de triagem de materiais 32

33 Atividade Como na atividade anterior você já conseguiu identificar os vestígios em Pré- históricos e históricos, vamos agora para etapa laboratório. Analise as peças por meio das figuras e preencha a ficha de análise. Qual o nome do Objeto? De que material era feito? Quais são suas funções? Está inteiro ou fragmentado? Qual a sua coloração? É uma material de origem pré-histórica ou histórica? Quais os cuidados que devemos ter com esse material? 33

34 Atividade Qual o nome do Objeto? De que material era feito? Quais são suas funções? Está inteiro ou fragmentado? Qual a sua coloração? É uma material de origem pré-histórica ou histórica? Quais os cuidados que devemos ter com esse material? Qual o nome do Objeto? De que material era feito? Quais são suas funções? Está inteiro ou fragmentado? Qual a sua coloração? É uma material de origem pré-histórica ou histórica? Quais os cuidados que devemos ter com esse material? 34

35 Atividade Conseguiu analisar todas as peças? Parabéns. Agora descreva a sua análise em formato de texto, explicando cada vestígio arqueológico. Você consegue! 35

36 Preservação dos Sítios Arqueológicos Todos os sítios arqueológicos são protegidos por lei e é proibido destruí-los ou retirar seus objetos, o que é considerado um crime contra o Patrimônio Nacional. Caso um dia você encontre um sítio arqueológico, pode, e muito, ajudar na sua preservação. Você pode ajudar!!! Em primeiro lugar, é muito importante não recolher e nem retirar os objetos, pois para a pesquisa arqueológica é fundamental conhecer o local em que eles foram encontrados; Em segundo lugar, não cave, remova a terra ou retire a vegetação, não escreva ou desenhe sobre a arte rupestre e não jogue lixo na região; Por fim, conte a um adulto sobre sua descoberta, para que ele possa avisar o órgão responsável pela preservação do sítio arqueológico. Existem órgãos responsáveis na Prefeitura Municipal, no Estado e na Federação. 36

37 Preservação do Patrimônio Cultural Como vimos ao longo desta Cartilha, destruir ou perder o Patrimônio é apagar da memória uma parte de nossa história e de nossas raízes. Todos estes testemunhos constituem a herança cultural que nossos antepassados deixaram e que continua viva em nossas vidas. Ajude na preservação do Patrimônio Cultural brasileiro, que é de cada um de nós. Respostas da Atividade da Página 27: 1 - PH, 2 - PH, 3- PH, 4- H,, 5- H, 6 - H. Ou acesse lendo os QR Codes: Seja um Cientista Cidadão e participe também pelas Mídias Sociais do Programa: Blog: Museu Virtual: 37

38 Ficha Técnica Coordenação Geral L.D. Dra. Erika M. Robrahn-González Arqueóloga, Antropóloga e Historiadora Chief Culture Officer Me. Gerson Levi Lazzaris, MA Antropólogo e Arqueólogo Gestor de Meio Ambiente Cultural Me. Dagoberto Lopes Coordenação de Educação Patrimonial Ma. Marian Helen da S. G. Rodrigues - Arqueóloga, Literata e Psicopedagoga Desenvolvimento de Conteúdo Lucas Bernalli F. Rocha Geografo / Arqueólogo Jr. Jorlan S Oliveira - Arqueólogo e Pesquisador Diagramação e Editoração Eduardo Staudt de Oliveira - Gestor de Marketing, Especialista em Mídias Sociais e Arte Educador. Revisão Institucional Pedro Diniz Coelho de Souza - MSc International Public Policy - UCL A equipe de desenvolvimento do Programa está especificada nos relatórios encaminhados ao IPHAN, de acordo com a Portaria de Pesquisa publicada no D.O.U. 38

39 39

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

Aula 1 de 4 Versão Aluno

Aula 1 de 4 Versão Aluno Aula 1 de 4 Versão Aluno O QUE É ARQUEOLOGIA? Arqueologia é a ciência que busca entender as culturas humanas a partir do estudo do registro arqueológico, que é o conjunto de todos os traços materiais da

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: MORRO DA OLARIA Outras designações ou siglas: Município: SEROPÉDICA

Leia mais

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura 1916 Acervo IHGRGS Reconversão Econômica do 4º Distrito Bairros Floresta,

Leia mais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11. Temas: Conceitos de Arquivamento

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11. Temas: Conceitos de Arquivamento Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11 Temas: Conceitos de Arquivamento Até agora, estudamos sobre a forma correta de produzir e tramitar os documentos gerados em nosso dia-a-dia. A partir desta

Leia mais

Preservação de bens culturais em Porto Alegre: Situação e desafios. Luiz Antônio Custódio

Preservação de bens culturais em Porto Alegre: Situação e desafios. Luiz Antônio Custódio Preservação de bens culturais em Porto Alegre: Situação e desafios 2016 Luiz Antônio Custódio Alguns conceitos: Constituição Federal Brasileira Definição & atribuições Artigo 216 - Constituem patrimônio

Leia mais

CARTA DE BAGÉ ou CARTA DA PAISAGEM CULTURAL

CARTA DE BAGÉ ou CARTA DA PAISAGEM CULTURAL CARTA DE BAGÉ ou CARTA DA PAISAGEM CULTURAL Apresentação Nos dias 13 a 18 de agosto de 2007 realizou-se em Bagé, RS, o Seminário Semana do Patrimônio Cultura e Memória na Fronteira. O evento foi organizado

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO SÃO SEBASTIÃO I Outras designações ou siglas: Município:

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Turismo Histórico-Cultural diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Proposta de Recorte para a Conceituação de Turismo Cultural l o MTur, em parceria com o Ministério da Cultura e o IPHAN,

Leia mais

Parque Arqueológico e Museu do Côa

Parque Arqueológico e Museu do Côa Parque Arqueológico e Museu do Côa Atividades Educativas oficinas, visitas temáticas e apresentações Julho, Agosto e Setembro 2012 Durante o Verão, o Museu do Côa é o ponto de partida ideal para conhecer

Leia mais

CARTA DO RIO DE JANEIRO SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 1

CARTA DO RIO DE JANEIRO SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 1 CARTA DO RIO DE JANEIRO SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 1 1. CONSIDERANDO que a ciência exerce grande influência no desenvolvimento da sociedade, possibilitando transformações no nosso

Leia mais

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 ORGANIZAÇAO DOS ESPAÇOS TERRITORIAIS 1. Organização dos espaços no país Território e fronteira Organização política do Brasil Regiões

Leia mais

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Página 1 de 9 Como entender o Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Em 08 de julho de 2016

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: JOSÉ GRANDE Outras designações ou siglas: ZÉ GRANDE Município:

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 OS LUGARES E SUAS PAISAGENS *Reconhecer semelhanças e diferenças entre as paisagens. *Perceber que as paisagens são constituídas por elementos naturais e culturais. *Compreender que a paisagem

Leia mais

RESOLUÇÃO 07 / CONPRESP / 2015

RESOLUÇÃO 07 / CONPRESP / 2015 RESOLUÇÃO 07 / CONPRESP / 2015 O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo CONPRESP, no uso de suas atribuições legais e nos termos da Lei n

Leia mais

Disciplina: Geografia Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. PLANEJAMENTO ANUAL HABILIDADES CONTEÚDOS AVALIAÇÕES

Disciplina: Geografia Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. PLANEJAMENTO ANUAL HABILIDADES CONTEÚDOS AVALIAÇÕES Disciplina: Geografia Período: 1º Unidade 1: O município e suas paisagens. 1.1. O município. 1.2. Paisagens do município. 1.3. Observando o município de diferentes pontos de vista. Distinguir paisagem

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural

Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural Perspectivas do Plano Municipal de Cultura - PMC O Plano Municipal de Cultura de São Luís (PMC-São Luís) foi concebido e trabalhado durante o ano de 2012, tendo sido

Leia mais

II ETAPA DO CURSO AMBIENTALISTA EDUCADOR DIAGNÓSTICO DE UMA LUTA AMBIENTAL. Lucinda G Pinheiro GESP- Passo Fundo /RS

II ETAPA DO CURSO AMBIENTALISTA EDUCADOR DIAGNÓSTICO DE UMA LUTA AMBIENTAL. Lucinda G Pinheiro GESP- Passo Fundo /RS II ETAPA DO CURSO AMBIENTALISTA EDUCADOR DIAGNÓSTICO DE UMA LUTA AMBIENTAL Lucinda G Pinheiro GESP- Passo Fundo /RS OBJETIVO GERAL Criar uma Unidade de Conservação na região do Berço das Águas, na localidade

Leia mais

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA Autor: Mércia Oliveira Pereira; Co-autor: Francisco de Assis Severo Lima E.E.E.P. Leopoldina Gonçalves Quezado; E-mail: mercia_oli@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A presente norma dispõe sobre as regras de governança do Complexo Histórico

Leia mais

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis polis- Rio de Janeiro. Disciplina: População Espaço o e Ambiente - CST-310 310-3 Aluna: Lira Luz Benites Lázaro Profs: Silvana Amaral

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO DE PARNAÍBA PI: sobrado Dona Auta

CENTRO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO DE PARNAÍBA PI: sobrado Dona Auta CENTRO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO DE PARNAÍBA PI: sobrado Dona Auta CRUZ, ANDREA; SILVA, PAULA Prefeitura Municipal de Parnaíba Secretaria de Infraestrutura Rua Itaúna, 1434 Pindorama, Parnaíba PI CEP: 64215-320

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar os principais elementos de clima. Identificar os

Leia mais

Afinal, o que é patrimônio cultural?

Afinal, o que é patrimônio cultural? Afinal, o que é patrimônio cultural? http://www.youtube.com/watch?v=6afujb7cuq0&feature=relmfu São considerados patrimônio cultural : - os monumentos: obras arquitetônicas, esculturas ou pinturas monumentais,

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO SANTA ÂNGELA Outras designações ou siglas: Município: SEROPÉDICA

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SAMBAQUI DE IGUAÇU Outras designações ou siglas: CNSA : (campo

Leia mais

Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito

Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito Ideia é transformar o espaço de pesquisa em campo escola para alunos brasileiros já em 2018. Julian Sanchez analisando blocos com decoração.

Leia mais

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território Arqueologia e História Indígena em Museu de Território 154 vaso de cerâmica reconstituído pelo MAC / (200 a 500 anos antes do presente) Sede do MAC em Pains, MG Na cidade de Pains, MG, encontra-se o Museu

Leia mais

Aula 1 de 4 Versão Professor

Aula 1 de 4 Versão Professor Aula 1 de 4 Versão Professor O QUE É ARQUEOLOGIA? O objetivo da Arqueologia é entender as culturas no passado e no presente. Conhecer seus modos de vida, costumes, sistemas sociais, econômicos, políticos

Leia mais

Estudo sobre os hábitos alimentares a partir dos ossos do Rincão do 28

Estudo sobre os hábitos alimentares a partir dos ossos do Rincão do 28 Estudo sobre os hábitos alimentares a partir dos ossos do Rincão do 28 Luana da Silva de Souza Prof. Dr. Saul Eduardo Seiguer Milder Este texto trata dos vestígios de ossos resgatados no sítio arqueológico

Leia mais

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas 1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas UNIDADE 1 O Planeta Terra Tema 1: O planeta onde vivemos; Tema 2: Conhecendo a Terra; Tema 3: Continentes e oceanos; Tema 4: Trabalhando com mapas..

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO

PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO. Reconhecer e identificar elementos espáciotemporais que se referem a acontecimentos, factos, marcas da história pessoal e familiar, da história

Leia mais

Aula7 O RITUAL DO TOMBAMENTO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula7 O RITUAL DO TOMBAMENTO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula7 O RITUAL DO TOMBAMENTO META Evidenciar o ato de tombamento como um ato administrativo que preserva e reconhece o patrimônio. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: definir o que vem a ser

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

Assentamentos, Territórios Quilombolas e Mineração Gilda Diniz dos Santos Procuradora-Chefe da PFE/Incra

Assentamentos, Territórios Quilombolas e Mineração Gilda Diniz dos Santos Procuradora-Chefe da PFE/Incra ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA DO INCRA Assentamentos, Territórios Quilombolas e Mineração Gilda Diniz dos Santos Procuradora-Chefe da PFE/Incra

Leia mais

PORTARIA 193/2014 RESOLVE:

PORTARIA 193/2014 RESOLVE: PORTARIA 193/2014 CONSIDERANDO os termos da Portaria 067/2011 do Diretor do Instituto de Ciências Humanas que regulamenta a concessão de Endosso Institucional pelo Instituto de Ciências Humanas para a

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Professor

Aula 3 de 4 Versão Professor Aula 3 de 4 Versão Professor As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: AREAL II Outras designações ou siglas: CNSA : (campo reservado)

Leia mais

Mercado de Trabalho... 5

Mercado de Trabalho... 5 Introdução... 3 Geologia... 4 Mercado de Trabalho... 5 O curso... 7 O que você pode fazer... 8 Opiniões dos estudantes... 10 Bibliografia... 11 Durante esse trabalho, você irá ver um pouco sobre a faculdade

Leia mais

DECRETO Nº E 05 DE JULHO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº E 05 DE JULHO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 35.879 E 05 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre o RIO COMO PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO

Leia mais

A MAIS MODERNA TECNOLOGIA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DA REGIÃO.

A MAIS MODERNA TECNOLOGIA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DA REGIÃO. Rod. W. Luís arco metropolitano Localização privilegiada: Arco Metropolitano (RJ) Terreno 630.000 Área locável total 250.000 m2 m2 Área locável Fase 1 Galpão B 68.000 m2 A MAIS MODERNA TECNOLOGIA DE INFRAESTRUTURA

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Arquitetura e Urbanismo Campus: Niterói Missão Formar o arquiteto e urbanista capaz de atuar no planejamento de espaços internos e externos, traduzindo as necessidades

Leia mais

INTRODUÇÃO PRIMEIRA APROXIMAÇÃO AO PATRIMÓNIO IMATERIAL

INTRODUÇÃO PRIMEIRA APROXIMAÇÃO AO PATRIMÓNIO IMATERIAL INTRODUÇÃO PRIMEIRA APROXIMAÇÃO AO PATRIMÓNIO IMATERIAL Certamente já ouviste falar de Património Cultural, isto é, do conjunto de elementos de uma cultura, produzidos ao longo dos tempos, que recebemos

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Museu da Abadia São Geraldo Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Informações gerais Mantenedores Mosteiro São Geraldo Abadia São Geraldo Coordenação Dom Afonso Vieira,

Leia mais

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 1 de agosto de 2016 ROTEIRO Instituições e Atribuições do Estado Quem faz o que? Constituição Federal Competências

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4003 EDITAL Nº 006/2010 1. Perfil: AL CORUMBÁ II 2010 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Arquitetura e Urbanismo 4. Experiência

Leia mais

Políticas Operacionais

Políticas Operacionais Pág. 1 de 5 Recursos Culturais Físicos Nota: A OP e a BP 4.11 baseiam-se na Revised Draft Operational Policy/Bank Procedure 4.11 (Política Operacional Preliminar Revista/Procedimento Bancário 4.11): O

Leia mais

Kit educativo de Arqueologia Urbana

Kit educativo de Arqueologia Urbana Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Kit educativo de Arqueologia Urbana http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47563

Leia mais

A Convenção do Patrimônio Mundial

A Convenção do Patrimônio Mundial A CANDIDATURA A Convenção do Patrimônio Mundial A UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura cuida de promover a identificação, a proteção e a preservação do patrimônio

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS ATIVIDADES RECURSOS. Breve história da representação da perspetiva.

OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS ATIVIDADES RECURSOS. Breve história da representação da perspetiva. 1º.Período T9 TÉCNICA 9ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO VISUAL 2016/2017 Compreender diferentes tipos de projeção - Compreender a evolução histórica dos elementos de construção e representação da perspetiva.

Leia mais

101

101 PORTO XAVIER 101 PORTO XAVIER Após a decadência do sistema reducional, o território onde se localiza o atual município de Porto Xavier, embora tenha permanecido poucos indígenas, recebeu a chegada gradativa

Leia mais

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados O meio ambiente na CF/1988 Japão (1946), Polônia (1952), Tchecho-Eslováquia (1960), Bulgária (1971), Confederação Helvética (1971), Hungria (1972), Panamá (1972), Ioguslávia (1974), Grécia (1975), Cuba

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 1.138, DE 2008 Determina a sustação do Decreto nº 6.640, de 7 de novembro de 2008, do Poder Executivo, por exorbitar

Leia mais

A Área ( AIAR) (1) I Várzea do Rio Atibaia

A Área ( AIAR) (1) I Várzea do Rio Atibaia Anexo A.15 MUNICÍPIO DE ATIBAIA LEI COMPLEMENTAR Nº /, de de de ORDENAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO - ÁREAS DE INTERESSE AMBIENTAL RELEVANTE DISPOSIÇÕES INCIDENTES Área ( AIAR) (1) Restrições ( Usos,

Leia mais

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PROGRAMAÇÃO DAS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 19h00 - ABERTURA 19h15 - APRESENTAÇÃO SOBRE PLANO DIRETOR 19h30 - MOMENTO DE

Leia mais

N1a Levantamento, Histórico e Danos. patrimônio arquitetônico prof. lucas jordano

N1a Levantamento, Histórico e Danos. patrimônio arquitetônico prof. lucas jordano N1a Levantamento, Histórico e Danos conteúdo 1. Levantamento plani-altimétrico - plantas, um corte (passando pela escada social principal) e fachada principal 2. Ficha de identificação no padrão do IPHAN

Leia mais

MOSTRA DE FOTOGRAFIA E POESIA OLHARES SOBRE O PATRIMÔNIO FLUMINENSE 2016 REGULAMENTO

MOSTRA DE FOTOGRAFIA E POESIA OLHARES SOBRE O PATRIMÔNIO FLUMINENSE 2016 REGULAMENTO MOSTRA DE FOTOGRAFIA E POESIA OLHARES SOBRE O PATRIMÔNIO FLUMINENSE 2016 REGULAMENTO A Mostra de fotografia e poesia Olhares sobre o Patrimônio Fluminense 2016 integra a programação da VI Semana Fluminense

Leia mais

DOCUMENTO DE NARA SOBRE A AUTENTICIDADE Pág. 1 de5. DOCUMENTO DE NARA sobre a AUTENTICIDADE (1994)

DOCUMENTO DE NARA SOBRE A AUTENTICIDADE Pág. 1 de5. DOCUMENTO DE NARA sobre a AUTENTICIDADE (1994) Pág. 1 de5 DOCUMENTO DE NARA sobre a AUTENTICIDADE (1994) Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Fevereiro de 2007 Pág. 2 de5 Preâmbulo 1. Nós, os especialistas reunidos em Nara (Japão),

Leia mais

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Ensino Fundamental 2 Nome N o 6 o ano História Prof. Caco Data / / Ficha 5 OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Norberto Luiz Guarinello I. Orientações: Assinale V (verdadeiro) ou F (falso) e explique a sua

Leia mais

Volume páginas 1.ª edição1995 Vários Apoios 500 exemplares. Volume páginas 1.ª edição1993 Vários Apoios 500 exemplares

Volume páginas 1.ª edição1995 Vários Apoios 500 exemplares. Volume páginas 1.ª edição1993 Vários Apoios 500 exemplares Volume 2 120 páginas 1.ª edição1995 Vários Apoios 500 exemplares Volume 3 299 páginas 1.ª edição1993 Vários Apoios 500 exemplares 1 2 Peça obrigatória nos processos de planeamento, estudo, avaliação e

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Projeto apoio a biblioteca FESP-SP : preservação e integração entre equipes, acervo e disciplina Fernanda Kelly Silva de Brito Rosa Maria Beretta Eixo Temático: Preservação da Memória Institucional. Palavras-chave:

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

EXPERIÊNCIA EM RESTAURAÇÃO: ANTIGO CASTELINHO DE PANAMBI RS.

EXPERIÊNCIA EM RESTAURAÇÃO: ANTIGO CASTELINHO DE PANAMBI RS. EXPERIÊNCIA EM RESTAURAÇÃO: ANTIGO CASTELINHO DE PANAMBI RS. Uma parceria entre autores do projeto, Prefeitura de Panambi e comunidade interessada. PLANEJAMENTO, URBANISMO E APROPRIAÇÃO SOCIAL NA PRESERVAÇÃO

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

Rio Abaixo. Patrimônio Cultural Bens Tombados e Registrados

Rio Abaixo. Patrimônio Cultural Bens Tombados e Registrados do lo a c n o G o Sa Rio Abaixo Patrimônio Cultural Bens Tombados e Registrados Igreja Matriz de São Gonçalo do Amarante Igreja construída em terreno doado por José de Holanda Braga, em 1733. O retábulo

Leia mais

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 O TEMPO E AS ORIGENS DO BRASIL 1. Contando o tempo Instrumentos de medida do tempo Medidas de tempo: década, século, milênio Linha do tempo

Leia mais

Museu Arqueológico Imagens Missioneiras- Igreja

Museu Arqueológico Imagens Missioneiras- Igreja SÃO NICOLAU 189 SÃO NICOLAU Fundado em 1626, pelo Pe. Roque Gonzales de Santa Cruz, foi a primeira redução do primeiro ciclo missioneiro em terras do Rio Grande do Sul. Teve sua instalação definitiva no

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura - RJ Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE Denominação: Represa do Camorim Localização: Parque Estadual da Pedra

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO DA BAIXADA Outras designações ou siglas: RJ-LP-03 Município:

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 COLÔNIA PLANO DE CURSO VIVER NO BRASIL *Identificar os agentes de ocupação das bandeiras *Conhecer e valorizar a história da capoeira *Analisar a exploração da Mata Atlântica *Compreender a administração

Leia mais

ÍNDICE. Memória Descritiva PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO

ÍNDICE. Memória Descritiva PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO ÍNDICE LEVANTAMENTO DO JARDIM E ESPAÇO ANEXO EXISTENTE PEÇAS DESENHADAS 01.1 e 01.2 - Levantamento de Elementos Construídos

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE ATIVIDADE - FCA

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE ATIVIDADE - FCA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL - DILIC SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO AMBIENTAL - SIGA

Leia mais

A Redução de São Miguel Arcanjo

A Redução de São Miguel Arcanjo 1 Leia o texto a seguir, observe a imagem e responda às questões. A Redução de São Miguel Arcanjo A Redução de São Miguel Arcanjo foi fundada em 1632 na região do Tape. Porém, devido aos ataques de paulistas

Leia mais

EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA BOM TRABALHO! (d) é somente o conjunto de ações de governantes e heróis.

EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA BOM TRABALHO! (d) é somente o conjunto de ações de governantes e heróis. COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: DATA: / / 2014 EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA Organize uma rotina de estudos. Comece o quanto antes. Organize seu tempo para o estudo da

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres. Profª. Luciana Silveira Cardoso

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres. Profª. Luciana Silveira Cardoso Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Criação: Resolução nº030/ceg/2009 de 30 de setembro de 2009. Portaria Noormativa nº 40/2007/MEC - Exclusivamente para Registro de Diploma. Curso Reconhecido

Leia mais

A PAISAGEM EM QUE VIVEMOS

A PAISAGEM EM QUE VIVEMOS Seminário Território A memória do futuro, Lisboa, 28 de Setembro de 2012 A PAISAGEM EM QUE VIVEMOS Maria José Festas Assessora Principal, Direcção-Geral do Território PAISAGEM Imagem? Identidade? Memória?

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 BRASIL: UM PAIS DE MUITAS DIVERSIDADES *Conhecer e compreender a diversidade de paisagens do Brasil *Conhecer a diversidade da população brasileira. *Perceber os contrastes sociais existentes

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração.

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração. 1 CONTABILIDADE 1.1 CONCEITO É a ciência que tem como objetivo observar, registrar e informar os fatos econômico-financeiros acontecidos dentro de um patrimônio pertencente a uma entidade; mediante a aplicação

Leia mais

PLANEJAMENTO 2º TRIMESTRE

PLANEJAMENTO 2º TRIMESTRE Disciplina: Educação Artística Despertar a capacidade de observação e de criticidade a partir de diferentes obras e perante suas criações; Respeitar as diferentes culturas e os diferentes olhares perante

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas 7º ANO - PCA 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes

Leia mais

A DESCENTRALIZAÇÃO DA PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS

A DESCENTRALIZAÇÃO DA PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS A DESCENTRALIZAÇÃO DA PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS Elaboração: Carlos Henrique Rangel I - INTRODUÇÃO Minas Gerais desponta no país na implementação de políticas visando a preservação

Leia mais

Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias?

Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias? Painel 4. Praxis IV: O Que É Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias? Prof.ª Rita Ferreira Anastácio rfanastacio@ipt.pt 26 de setembro de 2015 Sumário O que

Leia mais

Regularização fundiária de territórios caiçaras: instrumentos e possibilidades

Regularização fundiária de territórios caiçaras: instrumentos e possibilidades Regularização fundiária de territórios caiçaras: instrumentos e possibilidades Oficina Gestão da Orla e Regularização Fundiária de Imóveis da União 09/11/2015, Caraguatatuba "Arco-íris na plataforma de

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO MINERÁRIO

CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO MINERÁRIO ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO - AGU POTENCIAL CONFLITO DA MINERAÇÃO COM ÁREAS ESPECIAIS/ RESTRITAS CRISTINA CAMPOS ESTEVES Julho/2009 CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO MINERÁRIO Salvador, 7 a 9 de junho de

Leia mais

CARTOGRAFIA COMO POSSIBILIDADE DE METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR

CARTOGRAFIA COMO POSSIBILIDADE DE METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR 1 CARTOGRAFIA COMO POSSIBILIDADE DE METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR Vinícius Biazotto Gomes Luis Eduardo de Barros 1 RESUMO: Este artigo tem como objetivo expor um trabalho no qual foram desenvolvidas ações

Leia mais

Tema do projeto Aonde vou me divertir? Refletindo o uso dos equipamentos públicos de lazer na cidade de Natal RN

Tema do projeto Aonde vou me divertir? Refletindo o uso dos equipamentos públicos de lazer na cidade de Natal RN I. Plano de Aula: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) Data: 18 a 22 de março de 2013 Duração da aula: Duas aulas de 50 min Bolsista: Cinddinesya Nogueira/ Elisabeth Araújo Escola:

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais