Aula 1 de 4 Versão Professor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 1 de 4 Versão Professor"

Transcrição

1 Aula 1 de 4 Versão Professor

2 O QUE É ARQUEOLOGIA? O objetivo da Arqueologia é entender as culturas no passado e no presente. Conhecer seus modos de vida, costumes, sistemas sociais, econômicos, políticos e de crenças. Para chegar a este objetivo, estuda-se o registro arqueológico, que é formado pelo conjunto contextualizado dos registros Professor, ao explicar o conceito de Cultura Material (como expressão material de uma Cultura particular), exemplifique mostrando como diferentes tipos de objetos podem representar uma cultura particular: compare cerâmicas de diferentes culturas, ou moedas de países diferentes, por exemplo. materiais da presença humana em determinado local, seja um sítio arqueológico, uma região inteira ou uma paisagem. Este conjunto distribuído e organizado em um dado espaço constitui a expressão materializada da cultura, e que por isso é chamada de Cultura Material.

3 A Arqueologia é uma ciência multidisciplinar, por isso, diferentes professores podem trabalhá-la em sala de aula segundo a natureza e os conteúdos de suas disciplinas: Professor de História: considerar a dimensão histórica temporal e espacial e social da evidência arqueológica: o objeto foi produzido, consumido e descartado por pessoas que viviam em sociedade e no interior de uma cultura. Professor de Geografia: considerar o contexto geográfico passado e presente da região onde se desenvolveu a cultura estudada: relevo, hidrografia, vegetação, clima, fauna e flora. É possível, por exemplo, quando se discutir indústrias líticas, explorar formações rochosas, tipos de rochas, níveis de dureza de minerais. Professor de Português: no caso de culturas indígenas, discutir a existência de outros idiomas no Brasil, além do português. Influências dos idiomas indígenas no português brasileiro; conhecer a produção literária da época, tanto geral quanto específica da região, quando houver. Professor de Artes: explorar a dimensão estética da evidência arqueológica: questões conceituais, como o belo (arte indígena), por exemplo; questões de história da Arte e Arquitetura no Brasil; especificidades da arte local como materializada na evidência arqueológica (arte rupestre, cerâmica, pintura corporal, etc.). Professor de Ciências (Biologia, Física, Química): explorar questões de datação de materiais (datação por C14 e decaimento de moléculas Química Orgânica), questões sobre a relação entre gasto de energia corporal em deslocamentos sobre relevos no deslocamento de materiais arqueológicos, etc. Sugestões de leituras MILLER, T. O. Usos da Arqueologia na sala de aula. Revista HISTEDBR On line. Campinas, n. 34, 2009, p (http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/34/art11_34.pdf) Artigos publicados em Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issues&pid= &lng=en&nrm=iso)

4 O QUE ESTUDA A ARQUEOLOGIA? A Arqueologia procura entender as culturas humanas através do estudo das evidências materiais: ferramentas, utensílios, cerâmicas, construções e todo tipo de traço material da presença humana. Escavação de Sítio Arqueológico Artefato lítico Costume de pesca com arco e flecha. Paisagem formada por morro construído com conchas (sítio sambaqui). Professor, nesta parte da aula procure incentivar o aluno a pensar se os objetos que usamos hoje foram os mesmos do passado e questione o que pode ter acontecido com eles. Pergunte ao grupo se, em casa, existe algum objeto que tenha sido usado pelos bisavós ou avós, e qual o seu uso atual.

5 Professor, procure exemplificar as diferenças da paisagem antes e depois da interferência das organizações humanas e as mudanças ocorridas no meio natural que ocupavam a partir de suas atividades. A paisagem também faz parte do registro arqueológico, na medida em que ela é resultado da relação entre homem e ambiente. Por isto, a Arqueologia também estuda a paisagem natural para tentar compreender como era o ambiente em que as culturas viviam, e como ocorreram as mudanças ambientais no decorrer do tempo. Considerando isto, o espaço e a paisagem em que as pessoas viveram também são tidos como Patrimônio Arqueológico, pois trazem evidências materiais das culturas estudadas e, por isso, são o Patrimônio Cultural de todos nós.

6 AS DIFERENTES ÁREAS DA ARQUEOLOGIA A ARQUEOLOGIA PRÉ-HISTÓRICA E A ARQUEOLOGIA HISTÓRICA O que diferencia a Arqueologia Pré-Histórica da Arqueologia Histórica é ausência ou presença de evidência escrita direta (histórica). As duas surgiram em contextos diferentes, com objetivos diferentes e, por isso, tem metodologias de trabalho distintas uma da outra. A Arqueologia Pré-Histórica nasceu ligada às preocupações do século XIX sobre a determinação da Antiguidade da Humanidade e surgiu bastante ligada à Geologia e às demais Ciências Naturais e, mais tarde, à História e à Antropologia. A Arqueologia Histórica surgiu a partir dos estudos Renascentistas sobre as Antiguidades Clássicas (Grega e Romana) e Médio Orientais (Egito e Mesopotâmia) e, por isso, nasceu como uma área da Arqueologia ligada mais à História e ao estudo de Línguas.

7 AS DIFERENTES ÁREAS DA ARQUEOLOGIA A ARQUEOLOGIA PRÉ-HISTÓRICA A Arqueologia Pré-Histórica se ocupa dos grupos humanos sem escrita, o que abarca culturas que cobrem todo o período de existência humana sobre a Terra. No Brasil, a Arqueologia Pré-Histórica se dedica ao material desde os primeiros grupos indígenas que aqui viveram há milhares de anos, até materiais mais recentes. Através de diferentes técnicas de pesquisa a Arqueologia recupera vestígios associados ao cotidiano destes grupos antigos, tais como instrumentos de caça e de pesca, restos alimentares, arte rupestre, sepultamentos, entre outros. O estudo destes vestígios fornece elementos para o conhecimento da Pré-História brasileira.

8 AS DIFERENTES ÁREAS DA ARQUEOLOGIA A ARQUEOLOGIA HISTÓRICA No Brasil, a Arqueologia Histórica estuda os diferentes cenários de ocupação humana iniciados a partir do processo colonizador europeu, até os dias atuais. Busca ampliar os conhecimentos sobre o passado mais recente, documentado também pelos textos. Através destes estudos é possível estudar episódios menos conhecidos pela Historiografia Sugestão de Leitura FUNARI, P. P. A. Teoria e Método na Arqueologia Contemporânea: o contexto da Arqueologia Histórica. Mneme, v. 6, n. 13, (http://www.cerescaico.ufrn.br/mneme/pdf/mneme13/124.pdf) e grupos humanos não contemplados por esta (as minorias).

9 MÉTODOS DE CAMPO Em terra São os métodos usados em campo para a localização, registro e recuperação de informações arqueológicas. Basicamente, tratam-se de métodos de prospecção e de escavação. Escavação em trincheiras A prospecção arqueológica é o reconhecimento geral de uma área, do qual também se pode obter informações (coleta de material de superfície, descoberta de novos sítios). Pode ser feito através do caminhamento sobre uma área dividida em setores, de sondagens pelo terreno ou, ainda, através de fotografias aéreas (úteis para elaborar mapas arqueológicos). Os métodos de escavação podem ser em quadras, trincheiras e superfícies amplas.. Professor, procure enfatizar a precisão do trabalho do arqueólogo em procurar objetos antigos, questionando o que acontece com coisas que ficam debaixo da terra por muito tempo. Para isto, você pode fazer uso de fenômenos como a umidade, a infiltração e a sedimentação. Sondagem a partir de poços-teste Acervo: Documento Projeto: UHE Jirau

10 MÉTODOS DE CAMPO Arqueologia Subaquática O patrimônio arqueológico subaquático brasileiro é formado por todos aqueles testemunhos de atividades humanas, isolados ou associados, que se encontram submersos, naufragados, ou na área de transição dos ambientes marítimos, lagoas, rios ou em ambientes que já foram submersos, mas que depois foram aterrados. Através de técnicas específicas de mergulho, o arqueólogo subaquático realiza as mesmas atividades do arqueólogo terrestre: levantamento, escavação, registro, estudo e preservação. Professor, seria uma boa ideia dar exemplos de alguns navios que naufragaram e cidades que foram inundadas para explicar porque é necessário procurar material arqueológico debaixo d água. Conferir o artigo RAMBELLI, Gilson. Temas em debate: Um mergulho na Arqueologia Subaquática brasileira. Jornal Arqueologia em Debate, n. 2, p. 2010, p. 23ss (http://www.sabnet.com.br/jornal/images/jornal_arqueologia_em_debate- 02.pdf) Um museu que possui um importante acervo proveniente da Arqueologia Subaquática é o Museu Náutico da Bahia (no Forte da Barra, em Salvador), veja:

11 ALGUMAS ESPECIALIZAÇÕES DA ARQUEOLOGIA Zooarqueologia Zooarqueologia é o estudo dos vestígios de animais presentes em contextos arqueológicos, isto é, de animais que estiveram no convívio humano. Pode informar sobre o convívio e os usos que os homens faziam dos animais enquanto alimento, meios de transporte, assim como usos de restos de animais para a confecção de instrumentos (como flechas de ossos ou roupas de peles, por exemplo), entre outros.

12 ALGUMAS ESPECIALIZAÇÕES DA ARQUEOLOGIA Paleobotânica Estuda os vestígios florísticos (madeira, pólen, restos de folhagens ou flores preservados) em contextos arqueológicos, podendo dar importantes informações sobre os hábitos alimentares e também determinar os ambientes antigos, conhecidos como paleoambientes, onde viveram os grupos humanos em períodos mais recuados. Os dados paleobotânicos também são úteis para o estabelecimento de datações para o ambiente e para os estratos onde são encontrados vestígios arqueológicos, através da datação pelo pólen, ou da dendrocronologia (pelos anéis da madeira das árvores).

13 ALGUMAS ESPECIALIZAÇÕES DA ARQUEOLOGIA Etnoarqueologia Estuda sociedades atuais e seus modelos de ocupação, com ênfase na pesquisa de sua cultura material. O resultado destes trabalhos pode contribuir na compreensão de contextos antigos, fornecendo modelos de modos de vida. A isto se dá o nome de "analogia", que significa uma forma de leitura indireta do passado humano, através de situações observadas no presente. O etnoarqueólogo procura também entender a maneira como estes vestígios materiais acabam se incorporando no registro arqueológico, ou seja, qual a trajetória que os objetos têm, desde o momento em que foram confeccionados, usados e abandonados, até serem escavados pelo arqueólogo, vários anos, séculos ou milênios depois. A Etnoarqueologia é praticada através da participação ativa e essencial das comunidades através dos procedimentos definidos pela Arqueologia Colaborativa. Sugestão de Leitura Para saber mais sobre como trabalha a Etnoarqueologia e como é feita a analogia, leia: DAVID, Nicholas, KRAMER, Carol. Teorizando a Etnoarqueologia e a analogia. Horizontes Antropológicos, v. 8, n. 18, 2002 (http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext)

14 ARTE RUPESTRE Desde o início da Humanidade os povos deixaram suas marcas através de gravações e pinturas. Desta forma expressavam seu cotidiano, sua religiosidade e identidade. Estas manifestações artísticas são chamadas de Arte Rupestre. Os lugares mais utilizados para realizar arte rupestre são paredes e tetos de cavernas e abrigos, blocos no chão, pedras nos leitos de rios ou lajes a céu aberto. Sobre eles eram desenhadas formas geométricas, humanas e animais que retratavam vários aspectos da cultura de cada povo. No Brasil, as pinturas mais antigas são datadas de anos e estão localizadas na região do Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí. Um dos maiores desafios do arqueólogo no estudo da arte rupestre é compreender o significado das figuras no contexto histórico e cultural daqueles que a produziram.

15 Sugestão Professor: Incentive o grupo a produzir desenhos do seu cotidiano. Como eles representariam o seu dia-a-dia. Organize uma pequena exposição na sala de aula ou em uma área onde outras turmas também possam observar as criações dos seus companheiros. Faça a seguinte brincadeira com os alunos: Já pensou se você fosse um homem das cavernas? Quer tentar? Então, represente através de desenhos cenas e/ou manifestações do seu cotidiano.

16 Aos professores e todos os profissionais envolvidos com a educação, desejamos um ótimo trabalho! Lembrem-se de que todos vocês são agentes sociais essenciais para o aprendizado da comunidade sobre sua identidade histórica e cultural! Apareceremos sempre que pudermos contribuir com sugestões para suas aulas! Até a próxima!

Aula 1 de 4 Versão Aluno

Aula 1 de 4 Versão Aluno Aula 1 de 4 Versão Aluno O QUE É ARQUEOLOGIA? Arqueologia é a ciência que busca entender as culturas humanas a partir do estudo do registro arqueológico, que é o conjunto de todos os traços materiais da

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Alunos de 1ª a 4ª série

Proposta para a apresentação ao aluno. Alunos de 1ª a 4ª série Alunos de 1ª a 4ª série O QUE É ARQUEOLOGIA? Ciência que estuda a história humana através dos materiais usadas no dia a dia das pessoas no passado (ferramentas, utensílios e outras coisas antigas). Tipo

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Professor

Aula 3 de 4 Versão Professor Aula 3 de 4 Versão Professor As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Parque Arqueológico e Museu do Côa

Parque Arqueológico e Museu do Côa Parque Arqueológico e Museu do Côa Atividades Educativas oficinas, visitas temáticas e apresentações Julho, Agosto e Setembro 2012 Durante o Verão, o Museu do Côa é o ponto de partida ideal para conhecer

Leia mais

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território Arqueologia e História Indígena em Museu de Território 154 vaso de cerâmica reconstituído pelo MAC / (200 a 500 anos antes do presente) Sede do MAC em Pains, MG Na cidade de Pains, MG, encontra-se o Museu

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA BOM TRABALHO! (d) é somente o conjunto de ações de governantes e heróis.

EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA BOM TRABALHO! (d) é somente o conjunto de ações de governantes e heróis. COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: DATA: / / 2014 EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA Organize uma rotina de estudos. Comece o quanto antes. Organize seu tempo para o estudo da

Leia mais

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura 1916 Acervo IHGRGS Reconversão Econômica do 4º Distrito Bairros Floresta,

Leia mais

Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões Sul e Sudeste do Brasil

Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões Sul e Sudeste do Brasil Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões

Leia mais

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA OBJETIVOS: 1º ano Conhecer o ambiente de moradia e sua localização através de passeios, fotos e desenhos. Conhecer o ambiente de estudo e sua localização através de passeios, fotos,

Leia mais

Conteúdo Onde selecionar os materiais para o estudo? Como estudar?

Conteúdo Onde selecionar os materiais para o estudo? Como estudar? Olá, Tenho conversado com você nas aulas sobre alguns cuidados importantes durante a resolução da prova para que você seja clara, objetiva e não perca a concentração. Portanto, lembre-se: Siga atentamente

Leia mais

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI ÁREA DO CONHECIMENTO Linguagens Matemática Ciências Humanas 2 TEMA 1º Bimestre Conhecendo a nossa história. 3 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7

Leia mais

Kit educativo da Amazônia Central

Kit educativo da Amazônia Central Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Kit educativo da Amazônia Central http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47564

Leia mais

A Terra conta a sua História EPL

A Terra conta a sua História EPL A Terra conta a sua História EPL Hélder Giroto Paiva Na Antiguidade, tudo era imutável! Considerava-se que a Terra, o Céu, o Homem e todos os seres que o rodeavam tinham sido criados conjuntamente, permanecendo

Leia mais

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas 1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas UNIDADE 1 O Planeta Terra Tema 1: O planeta onde vivemos; Tema 2: Conhecendo a Terra; Tema 3: Continentes e oceanos; Tema 4: Trabalhando com mapas..

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA

COLÉGIO SANTA TERESINHA EU CONFIO COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 3ª ETAPA 2016 PROFESSOR (A): Juliana Silva Cordeiro TURMA: 4º

Leia mais

Conteúdo Onde selecionar os materiais para o estudo? Como estudar? Centro-oeste: do ouro ao agronegócio

Conteúdo Onde selecionar os materiais para o estudo? Como estudar? Centro-oeste: do ouro ao agronegócio Olá, Chegamos na reta final e agora é o momento que a concentração deve ser redobrada. Por isso, não se esqueçam: Interprete cuidadosamente os mapas, tabelas, textos (poemas, letras de músicas, notícias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO CRONOGRAMA DAS PROVAS ARQUEOLOGIA PROVA DATA HORÁRIO Prova Escrita 26 de maio 14h Entrega da proposta de 26 de maio 14h Resultado da prova escrita e 27 de maio 14h sorteio de pontos Prova didática 28 de

Leia mais

CADERNETA DE CAMPO: IMPORTANTE MATERIAL DIDATICO PARA AS AULAS DE CAMPO DE GEOGRAFIA

CADERNETA DE CAMPO: IMPORTANTE MATERIAL DIDATICO PARA AS AULAS DE CAMPO DE GEOGRAFIA CADERNETA DE CAMPO: IMPORTANTE MATERIAL DIDATICO PARA AS AULAS DE CAMPO DE GEOGRAFIA AUTOR: Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico em Geografia (UFPR) otacilio.paz@gmail.com Andréia Alves de Oliveira

Leia mais

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral HISTÓRIA 6º ano

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral HISTÓRIA 6º ano Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral HISTÓRIA 6º ano NOME: IMPRIMA AS FOLHAS. RESOLVA AS QUESTÕES DISSERTATIVAS EM FOLHA DE PAPEL ALMAÇO OU FOLHA DE FICHÁRIO; OS TESTES PODERÃO SER RESPONDIDOS

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade O mundo antigo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade O mundo antigo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade O mundo antigo Professor Isaac Antonio Camargo 1 4 O MUNDO ANTIGO Encontramos a arte na antigüidade dentro de civilizações mais preparadas técnica e socialmente,

Leia mais

As marcas deixadas pela erosão provocada, por exemplo, por mares e gelos; evidenciam a acção de forças internas do planeta;

As marcas deixadas pela erosão provocada, por exemplo, por mares e gelos; evidenciam a acção de forças internas do planeta; À semelhança das páginas de um livro, em cada camada ficaram gravados vários registos dos acontecimentos passados. Ao estudo dos estratos estratigrafia Ao estudo dos fósseis paleontologia É nos estratos

Leia mais

ANO LETIVO 2016 / DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F

ANO LETIVO 2016 / DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F ANO LETIVO 2016 / 2017 DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F 1. Previsão dos tempos letivos disponíveis 1.º Período 16/09 a 16/12 2.º Período 03/01 a 04/04 3.º Período 19/04 a 16/06 Desenvolvimento

Leia mais

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS.

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6ª Ano

Leia mais

18/04/13. E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Arte Professora: Lurdinha Aluno:Ana Paula e Amanda Data: 04/02/2013

18/04/13. E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Arte Professora: Lurdinha Aluno:Ana Paula e Amanda Data: 04/02/2013 E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Arte Professora: Lurdinha Aluno:Ana Paula e Amanda Data: 04/02/2013 Leia o texto a seguir: Um dos períodos mais fascinantes da história humana é a Pré-História. Esse

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: NATUREZA E SOCIEDADE Série: JARDIM II Educação Infantil

PLANO DE CURSO Disciplina: NATUREZA E SOCIEDADE Série: JARDIM II Educação Infantil PLANO DE CURSO Disciplina: NATUREZA E SOCIEDADE Série: JARDIM II Educação Infantil UNIDADE IV: Identidade Quem sou eu? Meu nome Gênero: menino e menina Raça (Etnia) UNIDADE V: Meio de comunicação Escrito

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas 7º ANO - PCA 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo Professor Isaac Antonio Camargo 1 1 DAS CAVERNAS PARA O MUNDO A Pintura Rupestre, assim denominada por por usar a rocha como suporte

Leia mais

01. A pintura rupestre apresenta no período paleolítico figuras feitas do modo naturalista. Defina o termo Naturalismo.

01. A pintura rupestre apresenta no período paleolítico figuras feitas do modo naturalista. Defina o termo Naturalismo. Capítulo 01 - A Arte na Pré-História 01. A pintura rupestre apresenta no período paleolítico figuras feitas do modo naturalista. Defina o termo Naturalismo. R Na pág. 09, na caixa de texto. 02. Os artefatos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-3º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender o conceito de solo e sua formação; Identificar as

Leia mais

A existência do ar A expansão do ar O deslocamento do ar. b) A ação dos ventos também ajuda a reconhecer a existência do ar no ambiente.

A existência do ar A expansão do ar O deslocamento do ar. b) A ação dos ventos também ajuda a reconhecer a existência do ar no ambiente. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 27 / 09 / 2014 II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS 4.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A):

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO III ETAPA LETIVA GEOGRAFIA

ROTEIRO DE ESTUDO III ETAPA LETIVA GEOGRAFIA SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO III ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Disciplina: Geografia Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de:

Disciplina: Geografia Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: O meio natural A Terra: estudos e representações CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Geografia Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: Ensino Básico Ano letivo: 2016/2017

Leia mais

Cultura material e imaterial

Cultura material e imaterial Cultura material e imaterial Patrimônio Histórico e Cultural: Refere-se a um bem móvel, imóvel ou natural, que possua valor significativo para uma sociedade, podendo ser estético, artístico, documental,

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar os principais elementos de clima. Identificar os

Leia mais

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino II Congresso Internacional de Riscos VI Encontro Nacional de Ricos Coimbra, 22 a 25 de Maio de 2010 Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO UNIDADE 1 EU E OS OUTROS *Perceber a diversidade étnica física e de gênero no seu meio de convivência. *Reconhecer mudanças e permanências nas vivências humanas, presentes na sua realidade e em outras

Leia mais

DATA: 04 / 05 / 2015 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 8,0 MÉDIA: 4,8 RESULTADO: %

DATA: 04 / 05 / 2015 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 8,0 MÉDIA: 4,8 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 04 / 05 / 205 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR:

Leia mais

Imagem 1 disponível em: Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014.

Imagem 1 disponível em:  Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014. 6º Fabiana Unidade I História Leia a letra da música de Lulu Santos: Como uma onda. Após a leitura dedicada, utilize a letra da música como ponto de reflexão para responder as questões 01 e 02. Pontuação

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SAMBAQUI DE IGUAÇU Outras designações ou siglas: CNSA : (campo

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: MORRO DA OLARIA Outras designações ou siglas: Município: SEROPÉDICA

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Geografia ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Geografia ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 - O PLANETA TERRA * Explorar o conhecimento sobre a Terra. *Conhecer a estrutura do planeta Terra e suas características. *Compreender que o planeta Terra é formado por oceanos e continentes.

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS - Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. (C. G. 6) - Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 201-2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Metas Curriculares de Ciências Naturais de 8º ano, Projeto Educativo 3º Ciclo. Ciências Naturais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DOBRADURAS DE PAPEL NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

UTILIZAÇÃO DE DOBRADURAS DE PAPEL NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA UTILIZAÇÃO DE DOBRADURAS DE PAPEL NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Shirley Aparecida de Morais Escola 31 de março shiamo@seed.pr.gov.br Rita de Cássia Amaral Vieira rcamaral@hotmail.comr Samantha

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7ºANO 7ºANO No final do 7º ano, o aluno deverá ser capaz de: Compreender o objeto e o método da Geografia. Conhecer diferentes formas de representação da superfície terrestre. Compreender diferentes tipos de

Leia mais

ESCOLA EVANGELIUM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Formando e educando nos caminhos de Deus. Curso FUNDAMENTAL I

ESCOLA EVANGELIUM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Formando e educando nos caminhos de Deus. Curso FUNDAMENTAL I ESCOLA EVANGELIUM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Formando e educando nos caminhos de Deus Origem: PROFESSORA:Franciele Destino ALUNOS/ PAIS Ano 2016 Mês Fev. Mar. Abr. Tipo Etapa 1º TRIMESTRE Curso

Leia mais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11. Temas: Conceitos de Arquivamento

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11. Temas: Conceitos de Arquivamento Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11 Temas: Conceitos de Arquivamento Até agora, estudamos sobre a forma correta de produzir e tramitar os documentos gerados em nosso dia-a-dia. A partir desta

Leia mais

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 1 Todos possuem conceitos variados sobre os termos ciência, sociedade e tecnologia. Ao consultarmos o dicionário Aurélio, encontramos

Leia mais

PLANO DE CURSO I EMENTA

PLANO DE CURSO I EMENTA Disciplina: Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Carga horária total: 75 H PLANO DE CURSO I EMENTA Definições e esboço histórico da cartografia; Representações da Terra; Coordenadas;

Leia mais

N1a Levantamento, Histórico e Danos. patrimônio arquitetônico prof. lucas jordano

N1a Levantamento, Histórico e Danos. patrimônio arquitetônico prof. lucas jordano N1a Levantamento, Histórico e Danos conteúdo 1. Levantamento plani-altimétrico - plantas, um corte (passando pela escada social principal) e fachada principal 2. Ficha de identificação no padrão do IPHAN

Leia mais

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social CONTEÚDO DA UNIDADE 3 Unidade 1 Construção da Identidade Social 3 Pré-História 5 A importância da História 6 A contagem do tempo 7 Identificando os séculos 8 Fontes históricas 10 Os primeiros habitantes

Leia mais

Relatório mergulho Nossa Senhora do Rosário e Santo André (1737) Baía de Todos os Santos/BA

Relatório mergulho Nossa Senhora do Rosário e Santo André (1737) Baía de Todos os Santos/BA Projeto Naufrágios do Brasil Colonial: Relatório mergulho Nossa Senhora do Rosário e Santo André (1737) Baía de Todos os Santos/BA Salvador, 5 de agosto de 2001. Índice: Introdução:... 3 Localização:...

Leia mais

Duração da prova: 1 hora e permanência mínima de 30 minutos.

Duração da prova: 1 hora e permanência mínima de 30 minutos. SIMULADO DE VERIFICAÇÃO 1º ANO INSTRUÇÕES A prova consta de 16 questões. Em cada teste, há cinco alternativas, sendo correta apenas uma. Não marque duas ou mais alternativas na questão, pois a mesma será

Leia mais

Afinal, o que é patrimônio cultural?

Afinal, o que é patrimônio cultural? Afinal, o que é patrimônio cultural? http://www.youtube.com/watch?v=6afujb7cuq0&feature=relmfu São considerados patrimônio cultural : - os monumentos: obras arquitetônicas, esculturas ou pinturas monumentais,

Leia mais

História 2 o ano Unidade 8

História 2 o ano Unidade 8 História 2 o ano Unidade 8 Unidade 8 Nome: Data: 1. Por que as ruas têm nome? Marque com um X a resposta correta. ( ) porque a rua pertence a uma pessoa que escolhe o nome. ( ) porque é mais fácil localizá-la

Leia mais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais Ler e buscar informações Nas aulas de Geografia, é importante que a criança tenha espaço para desenhar e representar as situações,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO

PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO. Reconhecer e identificar elementos espáciotemporais que se referem a acontecimentos, factos, marcas da história pessoal e familiar, da história

Leia mais

CONSIDERANDO a justificativa e fundamentação legal do Centro de Ciências Humanas e Artes constantes do Processo retromencionado;

CONSIDERANDO a justificativa e fundamentação legal do Centro de Ciências Humanas e Artes constantes do Processo retromencionado; RESOLUÇÃO N o 04/92, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Autoriza a criação do Curso de Bacharelado em Artes Plásticas na Universidade Federal de Uberlândia. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO Nome dos proponentes: Octavio Teles, Rodrigo Bonatto Dall Asta

1. IDENTIFICAÇÃO Nome dos proponentes: Octavio Teles, Rodrigo Bonatto Dall Asta 1 PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINAKOSICKI BELLOTTI SUPERVISOR: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO ESTADUAL D. PEDRO II AS MULHERES NO PERÍODO IMPERIAL 18/03/2015 1. IDENTIFICAÇÃO Nome

Leia mais

As Teorias Evolutivas. Princípios da Teoria de Lamarck. Fundamentos da Evolução Biológica. Ideias Evolucionistas - Lamarckismo

As Teorias Evolutivas. Princípios da Teoria de Lamarck. Fundamentos da Evolução Biológica. Ideias Evolucionistas - Lamarckismo Fundamentos da Evolução Biológica As Teorias Evolutivas Várias teorias evolutivas surgiram, mas destacam-se se as teorias de Lamarck e de Darwin. O EVOLUCIONISMO, OU TEORIA DA EVOLUÇÃO, É A EXPLICAÇÃO

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 7º ANO

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 7º ANO EBI/ JI FIALHO DE ALMEIDA CUBA PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 7º ANO Ano lectivo 2007/2008 CALENDARIZAÇÃO Períodos Início Final Tempos lectivos previstos 1º 17 de Setembro 14 de Dezembro 62 2º 3 de Janeiro

Leia mais

PLANO DE ENSINO Curso: Teologia

PLANO DE ENSINO Curso: Teologia PLANO DE ENSINO Curso: Teologia Disciplina: Introdução às Sagradas Escrituras Área: Bíblia Período: I Ano: 2014 Semestre: I Horas: 72 Créditos: 4 Professor: Frei Jacir de Freitas Faria 1. Ementa: 2. Objetivos:

Leia mais

Museu Nacional de Arqueologia Serviço Educativo e de Extensão Cultural!" #!" $%$%$& %$ '!'! http://www.museuarqueologia.pt http://museunacionaldearqueologia-educativo.blogspot.com A Colecção de Antiguidades

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA. PERÍODO QUE VAI DO SURGIMENTO DO HOMEM (± 4 MILHÕES DE ANOS ATRÁS) À INVENÇÃO DA ESCRITA (±4.000 a.c.)

PRÉ-HISTÓRIA. PERÍODO QUE VAI DO SURGIMENTO DO HOMEM (± 4 MILHÕES DE ANOS ATRÁS) À INVENÇÃO DA ESCRITA (±4.000 a.c.) PERÍODO QUE VAI DO SURGIMENTO DO HOMEM (± 4 MILHÕES DE ANOS ATRÁS) À INVENÇÃO DA ESCRITA (±4.000 a.c.) A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA: NOME PERÍODO CRÂNIO LOCAL CARACTERÍSTICA Australopithecus 4,2 1,4 milhões

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Professor Isaac Antonio Camargo 1 Licenciado em Desenho e Plástica UNAERP/SP Mestre em Educação UEL/PR Doutor em Comunicação e Semiótica PUC/SP 6. Arte e Valor Antes de pensarmos a Arte

Leia mais

O que é que defende a teoria da geração espontânea?

O que é que defende a teoria da geração espontânea? O que é que defende a teoria da geração espontânea? Até ao século XIX: ausência de Formulada primeiramente por Aristóteles (filósofo explicações grego). científicas para a origem da vida, persistindo Defende

Leia mais

CONHECER O PASSADO...8

CONHECER O PASSADO...8 Sumário 1 CONHECER O PASSADO...8 Direto da fonte...9 Seguindo pistas...9 O que os mapas revelam...11 O olhar do artista...12 Vestígios do passado...14 Uma história, muitas fontes...15 Medir o tempo, localizar

Leia mais

2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas

2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas 2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas Fazemos leitura espacial quase todo o tempo! Seja quando estamos parados ou quando nos movimentamos. Nosso olho observa e analisa tudo que vemos

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO SÃO SEBASTIÃO I Outras designações ou siglas: Município:

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 BRASIL: UM PAIS DE MUITAS DIVERSIDADES *Conhecer e compreender a diversidade de paisagens do Brasil *Conhecer a diversidade da população brasileira. *Perceber os contrastes sociais existentes

Leia mais

Mercado de Trabalho... 5

Mercado de Trabalho... 5 Introdução... 3 Geologia... 4 Mercado de Trabalho... 5 O curso... 7 O que você pode fazer... 8 Opiniões dos estudantes... 10 Bibliografia... 11 Durante esse trabalho, você irá ver um pouco sobre a faculdade

Leia mais

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 O TEMPO E AS ORIGENS DO BRASIL 1. Contando o tempo Instrumentos de medida do tempo Medidas de tempo: década, século, milênio Linha do tempo

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 4 5 Unidade 4 Nome: Data: 1. Sobre o relevo de planalto, marque V nas alternativas verdadeiras e F nas falsas. ( ) os planaltos sofrem mais a ação de

Leia mais

EMENTA DE PROVA. Prova: P1 / 1º Trimestre. Disciplina: Língua Portuguesa. Ano / Série: 1ª Série ENEM (Ensino Médio) Conteúdos Abordados:

EMENTA DE PROVA. Prova: P1 / 1º Trimestre. Disciplina: Língua Portuguesa. Ano / Série: 1ª Série ENEM (Ensino Médio) Conteúdos Abordados: Disciplina: Língua Portuguesa Módulos 1, 2, 3, 4 e 5. Interpretação textual Linguagem verbal e não verbal A norma culta e o registro coloquial Variantes linguísticas Fonética: letras, fonemas e representação

Leia mais

Transformação, institucionalização e conflito nas esferas espacial, econômica, social e política

Transformação, institucionalização e conflito nas esferas espacial, econômica, social e política iências Humanas E SUAS TEC ECNOLOGIAS Ficha de Estudo 96 Tema Transformação, institucionalização e conflito nas esferas espacial, econômica, social e política Tópico de estudo Representação espacial Entendendo

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I DESAFIO DO DIA ARTES. Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I DESAFIO DO DIA ARTES. Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Habilidades:

Leia mais

al acceso y participación en los beneficios

al acceso y participación en los beneficios NIT Amazônia Oriental Em 2002, sobre a influência da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) e da Medida Provisória Nº. 2186/2001. Projeto Institucional Proteção aos resultados de pesquisas advindo do

Leia mais

Castelo de Leiria. Igreja de Santa Maria da Pena

Castelo de Leiria. Igreja de Santa Maria da Pena Castelo de Leiria Castelo medieval, artística e arquitetonicamente representativo das diversas fases de construção e reconstrução desde a sua fundação até ao século XX. Estruturas que compõem o conjunto

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO O CONTINENTE AMERICANO A AMÉRICA NO MAPA-MUNDÍ LOCALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS LOCALIZAÇÃO DO CONTINENTE AMERICANO

Leia mais

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008 1 Programa de História e Geografia de Portugal - 5º ANO Tema A A Península Ibérica lugar de passagem e fixação Subtema 1 Ambiente natural e primeiros povos Subtema 2 Os romanos na PI resistência e romanização

Leia mais

Biologia e Geologia - 10º Ano Rochas e a história da Terra. Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação:

Biologia e Geologia - 10º Ano Rochas e a história da Terra. Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Ficha de trabalho Biologia e Geologia - 10º Ano Rochas e a história da Terra Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva.

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m L o u r o s a CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO ICHA DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2011/2012 Classificação: Professora: Enc. Educação: Nome:

Leia mais

CANTIGAS, ADIVINHAS CANTIGAS, ADIVINHAS. cantigas, adivinhas e outros versos volumes 1 e 2. e outros versos. e outros versos. projeto pedagógico

CANTIGAS, ADIVINHAS CANTIGAS, ADIVINHAS. cantigas, adivinhas e outros versos volumes 1 e 2. e outros versos. e outros versos. projeto pedagógico projeto pedagógico cantigas, adivinhas e outros versos volumes 1 e 2 CANTIGAS, AS, ADIVINHAS INH AS e outros versos VOLUME 2 ilustrado por Veridiana Scarpelli Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 ESTUDO DO MEIO - 4ºANO. Calendarização Blocos / Conteúdos Objetivos

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 ESTUDO DO MEIO - 4ºANO. Calendarização Blocos / Conteúdos Objetivos Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região do Algarve Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9 a. Série Data: / /2015 Professores: Bento e Alessandro Nota: (valor: 1,0) 4º bimestre A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não

Leia mais

Exercícios para Recuperação

Exercícios para Recuperação Exercícios para Recuperação Nome: Nº 6º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina: Geografia Data: Professor: Leonardo 1 - O documento "Planeta Vivo", emitido pela World Wide Fund for Nature WWF (Ong

Leia mais

Conceitos matemáticos:

Conceitos matemáticos: Conceitos matemáticos: Para entender as possíveis mudanças quantitativas que ocorrem, ao nível de uma amostra de sementes, é preciso compreender alguns princípios básicos de cálculo. Tendo sido desenvolvido

Leia mais

Projeto: Aprendendo com o Turismo

Projeto: Aprendendo com o Turismo Projeto: Aprendendo com o Turismo Integrantes: Carina Benetti, Elisabete Pistorello Dalanhol, Neiva Giacometti, Márcia Baretta, Haide Borges, Rosa Giacometti Escola : EMEF Dr Carlos Nelz- CAIC Gramado

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA ICHLA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA Currículo Novo - 2010/02 - Noturno. RECONHECIMENTO RENOVADO PELA PORTARIA Nº 1.657, DE 07/10/2010 - D.O.U. DE 08/10/2010

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016-6º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula programada (Por que estudamos História?) Páginas Tarefa 1 Lembrar o passado: memória e história 10 e 11 Mapa Mental 3 O tempo

Leia mais

Disciplina: Ciências Curso Professor: Marcel Série: 6º ano ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

Disciplina: Ciências Curso Professor: Marcel Série: 6º ano ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina: Ciências Curso Professor: Marcel Série: 6º ano ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Número: 1 - Conteúdo: - Estrutura da Terra - Características da crosta terrestre, do manto

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Como você acha

Leia mais

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Página 1 de 9 Como entender o Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Em 08 de julho de 2016

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO III ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 3.º ANO/EF

ROTEIRO DE ESTUDO III ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 3.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO III ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 3.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total:

Leia mais

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES VER MAPA E S T A N T E 5 E S T A N T E 4 B E S T A N T E 4 A E S T A N T E 3 B E S T A N T E 3 A E S T A N T E 2 B E S T

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A ESTRUTURANTES: Dimensão econômica do espaço geográfico; Dimensão política do espaço Geográfico; Dimensão

Leia mais