Aula 1 de 4 Versão Aluno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 1 de 4 Versão Aluno"

Transcrição

1 Aula 1 de 4 Versão Aluno

2 O QUE É ARQUEOLOGIA? Arqueologia é a ciência que busca entender as culturas humanas a partir do estudo do registro arqueológico, que é o conjunto de todos os traços materiais da presença humana em um dado espaço. Este conjunto forma a Cultura Material, que pode ser entendida como a manifestação materializada de uma Cultura. Fotos: Acervo documento. Escavações UHE Caconde Escavação arqueológica em trincheira Procuramos materiais que possam contar a história das pessoas que os utilizaram no passado. Artefato

3 O QUE ESTUDA A ARQUEOLOGIA? A Arqueologia estuda os objetos (o registro arqueológico) para entender as pessoas que os utilizaram. Os restos das moradias, os objetos, as paisagens transformadas, tudo é Patrimônio Arqueológico, pois representa a herança cultural deixada pelos povos do passado. Escavação de Sítio Arqueológico Artefato lítico Costume de pesca com arco e flecha. Paisagem formada por morro construído com conchas (sítio sambaqui). Foto: Acervo documento. Projeto: UHE Jirau

4 AS DIFERENTES ÁREAS DA ARQUEOLOGIA Arqueologia Pré-Histórica estuda culturas sem escrita. Arqueologia Histórica estuda culturas com escrita. ARQUEOLOGIA PRÉ-HISTÓRICA A Arqueologia Pré-Histórica estuda as culturas anteriores ao aparecimento e uso da escrita, o que abarca quase toda a existência humana sobre a Terra, desde o início. No Brasil, corresponde ao período anterior à chegada dos colonizadores europeus, compreendendo a história indígena. Na Europa, seus estudos abarcam predominantemente as Idades da Pedra, do Ferro e do Bronze.

5 ARQUEOLOGIA HISTÓRICA A Arqueologia Histórica junta o trabalho do Arqueólogo (estudo do registro arqueológico) com o trabalho do Historiador (estudo dos textos de época e relatos orais). No Brasil a Arqueologia Histórica se volta ao estudo dos contextos materiais relacionados às ocupações humanas que ocorreram a partir da chegada do colonizador europeu, no século XVI. Uma de suas contribuições é conhecer melhor as histórias e as culturas dos povos que fizeram parte da formação do Brasil: indígenas, africanos, portuguesas e várias outras nacionalidades; e como, juntas, deram origem à cultura brasileira. Sim! E com a ajuda da tecnologia, a Arqueologia também está estudando nosso presente e ajudando a melhorar nosso futuro! Então a arqueologia rompeu a barreira do tempo?

6 MÉTODOS DE TRABALHO EM CAMPO Escavação em trincheiras Sondagem a partir de poços-teste Para iniciar uma pesquisa é necessário, primeiro, reconhecer a área onde serão realizados os estudos. Para isso se faz um levantamento geográfico da região e, em seguida, a Prospecção, que consiste em um caminhamento sobre a região, registrando possíveis vestígios arqueológicos que estiverem no solo. Este trabalho é complementado com a abertura de sondagens, que compreendem perfurações no terreno que visam identificar possíveis vestígios arqueológicos enterrados. Tudo o que é encontrado é registrado. Para a prospecção o arqueólogo se apoia ainda em vários documentos e tecnologias, como análises de fotografias aéreas, mapas históricos, estudos do meio ambiente e muitos outros. Se forem identificados locais com vestígios arqueológicos (chamados de sítios arqueológicos ), inicia-se uma segunda etapa da pesquisa, a escavação. Existem vários métodos de escavação, que são escolhidos de acordo com o tipo de sítio arqueológico e o que se quer pesquisar. Para que tudo fique bem registrado, os trabalhos são organizados em quadrículas, trincheiras e sondagens marcados no terreno, com o objetivo de obter toda informação possível sobre os grupos humanos que ali estiveram.

7 MÉTODOS DE TRABALHO EM CAMPO Arqueologia Subaquática O arqueólogo também estuda vestígios que estão debaixo da água, através de técnicas próprias de mergulho para identificar, registrar e estudar esse material.

8 ALGUMAS ESPECIALIZAÇÕES DA ARQUEOLOGIA Zooarqueologia Estuda os vestígios de animais em contexto arqueológico, ajudando a compreender o comportamento e a vida dos grupos humanos estudados como, por exemplo: Hábitos alimentares; Uso dos animais em pastoreio ou criação; Uso de animais como força de trabalho (transporte, carga etc.); Uso de partes de animais para confeccionar ferramentas (a partir de ossos, chifres etc.); Uso de animais em práticas religiosas (sacrifícios de animais).

9 ALGUMAS ESPECIALIZAÇÕES DA ARQUEOLOGIA Paleobotânica Estuda os vestígios de plantas em contexto arqueológico, e também contribui na reconstituição de antigos ambientes (paleoambientes). Através desse estudo é possível, por exemplo: Conhecer os hábitos alimentares de uma população e, inclusive, se praticava o cultivo de plantas; Contribuir no conhecimento de mudanças ocorridas no ambiente estudado, ao longo dos milênios; Obter datações para a ocupação humana que está sendo estudada (por pólen, dendrocronologia etc.);

10 ALGUMAS SUBDISCIPLINAS DA ARQUEOLOGIA Etnoarqueologia Estuda sociedades atuais e seus modelos de ocupação, com ênfase na pesquisa de sua cultura material. O resultado destes trabalhos pode contribuir na compreensão de contextos antigos, fornecendo modelos de modos de vida.

11 ARTE RUPESTRE Desde o início da Humanidade os povos deixaram suas marcas através de gravações e pinturas. Desta forma expressavam seu cotidiano, sua religiosidade e identidade. Estas manifestações artísticas são chamadas de Arte Rupestre. Os lugares mais utilizados para realizar arte rupestre são paredes e tetos de cavernas e abrigos, blocos no chão, pedras nos leitos de rios ou lajes a céu aberto. Sobre eles eram desenhadas formas geométricas, humanas e animais que retratavam vários aspectos da cultura de cada povo. No Brasil, as pinturas mais antigas são datadas de anos e estão localizadas na região do Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí. Um dos maiores desafios do arqueólogo no estudo da arte rupestre é compreender o significado das figuras no contexto histórico e cultural daqueles que a produziram.

Aula 1 de 4 Versão Professor

Aula 1 de 4 Versão Professor Aula 1 de 4 Versão Professor O QUE É ARQUEOLOGIA? O objetivo da Arqueologia é entender as culturas no passado e no presente. Conhecer seus modos de vida, costumes, sistemas sociais, econômicos, políticos

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Alunos de 1ª a 4ª série

Proposta para a apresentação ao aluno. Alunos de 1ª a 4ª série Alunos de 1ª a 4ª série O QUE É ARQUEOLOGIA? Ciência que estuda a história humana através dos materiais usadas no dia a dia das pessoas no passado (ferramentas, utensílios e outras coisas antigas). Tipo

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO

COLÉGIO XIX DE MARÇO COLÉGIO XIX DE MARÇO Educação do jeito que deve ser 2016 1 a PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a) Nº Ano: 6º Turma: Data: / /2016 Nota: Professor(a): Ivana Cavalcanti Riolino Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

Kit educativo de Lagoa Santa

Kit educativo de Lagoa Santa Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Kit educativo de Lagoa Santa http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47565

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Professor

Aula 3 de 4 Versão Professor Aula 3 de 4 Versão Professor As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: MORRO DA OLARIA Outras designações ou siglas: Município: SEROPÉDICA

Leia mais

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território Arqueologia e História Indígena em Museu de Território 154 vaso de cerâmica reconstituído pelo MAC / (200 a 500 anos antes do presente) Sede do MAC em Pains, MG Na cidade de Pains, MG, encontra-se o Museu

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SAMBAQUI DE IGUAÇU Outras designações ou siglas: CNSA : (campo

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA. PERÍODO QUE VAI DO SURGIMENTO DO HOMEM (± 4 MILHÕES DE ANOS ATRÁS) À INVENÇÃO DA ESCRITA (±4.000 a.c.)

PRÉ-HISTÓRIA. PERÍODO QUE VAI DO SURGIMENTO DO HOMEM (± 4 MILHÕES DE ANOS ATRÁS) À INVENÇÃO DA ESCRITA (±4.000 a.c.) PERÍODO QUE VAI DO SURGIMENTO DO HOMEM (± 4 MILHÕES DE ANOS ATRÁS) À INVENÇÃO DA ESCRITA (±4.000 a.c.) A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA: NOME PERÍODO CRÂNIO LOCAL CARACTERÍSTICA Australopithecus 4,2 1,4 milhões

Leia mais

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Ensino Fundamental 2 Nome N o 6 o ano História Prof. Caco Data / / Ficha 5 OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Norberto Luiz Guarinello I. Orientações: Assinale V (verdadeiro) ou F (falso) e explique a sua

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 4 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 4 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 A AVENTURA DE NAVEGAR *Descobrir o motivo das grandes navegações *Reconhecer as especiarias e o comércio entre África e Europa. *A importância das navegações. *As viagens espanholas e portuguesas

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO SÃO SEBASTIÃO I Outras designações ou siglas: Município:

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: K1- A Outras designações ou siglas: Município: DUQUE DE CAXIAS

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

O que é arqueologia.

O que é arqueologia. Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 O que é arqueologia http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47550

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: JOSÉ GRANDE Outras designações ou siglas: ZÉ GRANDE Município:

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: FAZENDA SEROPÉDICA I Outras designações ou siglas: CNSA: (campo

Leia mais

DATA: 05 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 6.º ANO/EF

DATA: 05 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 6.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 05 / 05 / 206 UNIDADE I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 8,0

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO -Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: reservado) CNSA : (campo ÁGUAS LINDAS Outras designações ou siglas:

Leia mais

Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões Sul e Sudeste do Brasil

Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões Sul e Sudeste do Brasil Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões

Leia mais

DISCIPLINA:GEOGRAFIA PLANIFICAÇÃO Trimestral DE GEOGRAFIA 8º ANO...

DISCIPLINA:GEOGRAFIA PLANIFICAÇÃO Trimestral DE GEOGRAFIA 8º ANO... DISCIPLINA:GEOGRAFIA PLANIFICAÇÃO Trimestral DE GEOGRAFIA 8º ANO... Competências a desenvolver Conteúdos Tempo 1 (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar

Leia mais

Autor: Anne-Marie Pessis Editora: FUMDHAM Ano: 2003 ISBN: Páginas: 307. Sinopse:

Autor: Anne-Marie Pessis Editora: FUMDHAM Ano: 2003 ISBN: Páginas: 307. Sinopse: Imagens da Pré-história. Parque Nacional Serra da Capivara Autor: Anne-Marie Pessis Editora: FUMDHAM Ano: 2003 85-89313026 Páginas: 307 O Parque Nacional Serra da Capivara guarda informações muito importantes

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 SER CIDADÃO *Reconhecer e valorizar atitudes de convivência, respeito, solidariedade a outras pessoas. *Desenvolver, reconhecer e valorizar as atividades do cotidiano. *Conhecer direitos e deveres

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar os principais elementos de clima. Identificar os

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 48/2012 CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 48/2012 CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 48/2012 CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Arqueologia. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

Leia mais

Licenciamento Ambiental: Mudanças no Processo de Avaliação de Impacto aos Bens Culturais Acautelados

Licenciamento Ambiental: Mudanças no Processo de Avaliação de Impacto aos Bens Culturais Acautelados Licenciamento Ambiental: Mudanças no Processo de Avaliação de Impacto aos Bens Culturais Acautelados CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 216. Constituem PATRIMO NIO CULTURAL BRASILEIRO os bens de natureza material

Leia mais

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA OBJETIVOS: 1º ano Conhecer o ambiente de moradia e sua localização através de passeios, fotos e desenhos. Conhecer o ambiente de estudo e sua localização através de passeios, fotos,

Leia mais

18/04/13. E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Arte Professora: Lurdinha Aluno:Ana Paula e Amanda Data: 04/02/2013

18/04/13. E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Arte Professora: Lurdinha Aluno:Ana Paula e Amanda Data: 04/02/2013 E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Arte Professora: Lurdinha Aluno:Ana Paula e Amanda Data: 04/02/2013 Leia o texto a seguir: Um dos períodos mais fascinantes da história humana é a Pré-História. Esse

Leia mais

Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito

Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito Ideia é transformar o espaço de pesquisa em campo escola para alunos brasileiros já em 2018. Julian Sanchez analisando blocos com decoração.

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS. 50 anos a Serviço da Educação e da Vida CONTEÚDO PARA ESTUDO 2º BIMESTRE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS. 50 anos a Serviço da Educação e da Vida CONTEÚDO PARA ESTUDO 2º BIMESTRE COLÉGIO NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS 50 anos a Serviço da Educação e da Vida CONTEÚDO PARA ESTUDO 2º BIMESTRE 4º ANO A Prof.ª DANIELA 4º ANO B Prof.ª ESTELA DISCIPLINA: PORTUGUÊS Reconhecer as características

Leia mais

A Arqueologia brasileira e o seu papel social

A Arqueologia brasileira e o seu papel social Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 A Arqueologia brasileira e o seu papel social

Leia mais

Kit educativo da Amazônia Central

Kit educativo da Amazônia Central Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Kit educativo da Amazônia Central http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47564

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

Kit educativo de Arqueologia Urbana

Kit educativo de Arqueologia Urbana Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Kit educativo de Arqueologia Urbana http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47563

Leia mais

Estudo sobre os hábitos alimentares a partir dos ossos do Rincão do 28

Estudo sobre os hábitos alimentares a partir dos ossos do Rincão do 28 Estudo sobre os hábitos alimentares a partir dos ossos do Rincão do 28 Luana da Silva de Souza Prof. Dr. Saul Eduardo Seiguer Milder Este texto trata dos vestígios de ossos resgatados no sítio arqueológico

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO SANTA ÂNGELA Outras designações ou siglas: Município: SEROPÉDICA

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: ARY SCHIAVO Outras designações ou siglas: Município: JAPERI Localidade:

Leia mais

Resgate de origens e processos de transformação; Estudo das experiências da humanidade ao longo do tempo;

Resgate de origens e processos de transformação; Estudo das experiências da humanidade ao longo do tempo; Conhecimento histórico Resgate de origens e processos de transformação; Estudo das experiências da humanidade ao longo do tempo; Compreensão dos acontecimentos do passado: sua importânciatemporal temporal

Leia mais

Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados.

Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados. D1(H) Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados. D2(H) Reconhecer os conceitos de memória, história e patrimônio por meio da análise de textos e imagens. D3(H)

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 BRASIL: UM PAIS DE MUITAS DIVERSIDADES *Conhecer e compreender a diversidade de paisagens do Brasil *Conhecer a diversidade da população brasileira. *Perceber os contrastes sociais existentes

Leia mais

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI ÁREA DO CONHECIMENTO Linguagens Matemática Ciências Humanas 2 TEMA 1º Bimestre Conhecendo a nossa história. 3 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7

Leia mais

Planejamento Anual 2014 Geografia 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I

Planejamento Anual 2014 Geografia 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I Geografia 1º período Unidade 1 A identidade e o jeito de cada um. Pessoas e coisas têm nome. Somos diferentes. Unidade 2 Representando o seu corpo. Lateralidade. Unidade 3 De casa até a escola. Casa e

Leia mais

Parque Arqueológico e Museu do Côa

Parque Arqueológico e Museu do Côa Parque Arqueológico e Museu do Côa Atividades Educativas oficinas, visitas temáticas e apresentações Julho, Agosto e Setembro 2012 Durante o Verão, o Museu do Côa é o ponto de partida ideal para conhecer

Leia mais

ANO LETIVO 2016 / DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F

ANO LETIVO 2016 / DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F ANO LETIVO 2016 / 2017 DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F 1. Previsão dos tempos letivos disponíveis 1.º Período 16/09 a 16/12 2.º Período 03/01 a 04/04 3.º Período 19/04 a 16/06 Desenvolvimento

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: AREAL II Outras designações ou siglas: CNSA : (campo reservado)

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Sítios de Interesse Histórico Andrey Rosenthal Schlee, IPHAN

Licenciamento Ambiental nos Sítios de Interesse Histórico Andrey Rosenthal Schlee, IPHAN Licenciamento Ambiental nos Sítios de Interesse Histórico Andrey Rosenthal Schlee, IPHAN Charge de Quino (s.d.) MÉXICO Leopoldo Batres (1852-1926), arqueólogo e antropólogo mexicano. Pesquisou em Teotihuacan,

Leia mais

19 uma centena de sítios com pinturas e gravuras rupestres, entre abrigos sob rocha e simples blocos de granito e de arenito, gravados ou pintados ao longo de cursos d'água, distribuídos, irregularmente,

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas 7º ANO - PCA 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes

Leia mais

Vista da cidade de Iguape e do Porto de Cananéia. 56 Navigator

Vista da cidade de Iguape e do Porto de Cananéia. 56 Navigator 56 Vista da cidade de Iguape e do Porto de Cananéia Arqueologia no Baix aixo Vale do Ribeira * Maria Cristina Mineiro Scatamacchia Doutora em arqueologia pela Universidade de São Paulo, é arqueóloga do

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO MATO DOS ÍNDIOS IV Outras designações ou siglas: Município:

Leia mais

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES DE ARTE 3 TRIMESTRE 2017 Professora: Fernanda Bastos TURMA DATA AVALIAÇÂO CONTEÚDOS PESO

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES DE ARTE 3 TRIMESTRE 2017 Professora: Fernanda Bastos TURMA DATA AVALIAÇÂO CONTEÚDOS PESO CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES DE ARTE 3 TRIMESTRE 2017 Professora: Fernanda Bastos TURMA DATA AVALIAÇÂO CONTEÚDOS PESO 611 22/11 Trabalho 1: Desenho inspirado nos Gatos do artista Aldemir Martins e pintura

Leia mais

Linha do tempo. Arq. Atualidade ac d. C d. C.

Linha do tempo. Arq. Atualidade ac d. C d. C. PRÉ-HISTÓRIA Linha do tempo 500.000 ac 1789 d. C. 1453 d. C. Atualidade Arq. Pré-História identifica dividido em período Anterior a invenção da escrita Paleolítico Neolítico Idade dos Metais 2 milhões

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. Leia as sentenças com atenção. Marque V nas alternativas verdadeiras e F nas falsas. a) Os primeiros habitantes da América

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Ciências ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Ciências ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 A MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES. *Conhecer os fatores que provocam transformações na matéria. *Compreender que existem características que definem os diferentes tipos de materiais. *Compreender

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: ENGENHO DO ALTO Outras designações ou siglas: CNSA: (campo reservado)

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo Professor Isaac Antonio Camargo 1 1 DAS CAVERNAS PARA O MUNDO A Pintura Rupestre, assim denominada por por usar a rocha como suporte

Leia mais

Centro Turístico e Cultural ultima preparação de Museu

Centro Turístico e Cultural ultima preparação de Museu Centro Turístico e Cultural ultima preparação de Museu Centro Turístico e Cultural Mastodonte SPA DURANTE TODO ESTE MÊS DE JANEIRO, o consócio Historiador Vanderley de Brito se dedicou exclusivamente à

Leia mais

196 Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 5 (1): Notíc. em andame

196 Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 5 (1): Notíc. em andame 196 Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 5 (1): Notíc de pesq em andame ia uisa nto Notícia de pesquisa em andamento 197 TERRA DE NEGRO PRETA TERRA: O USO DA TERRA PRETA COMO INSTRUMENTO DE FORTALECIMENTO

Leia mais

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral HISTÓRIA 6º ano

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral HISTÓRIA 6º ano Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral HISTÓRIA 6º ano NOME: IMPRIMA AS FOLHAS. RESOLVA AS QUESTÕES DISSERTATIVAS EM FOLHA DE PAPEL ALMAÇO OU FOLHA DE FICHÁRIO; OS TESTES PODERÃO SER RESPONDIDOS

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 COLÔNIA PLANO DE CURSO VIVER NO BRASIL *Identificar os agentes de ocupação das bandeiras *Conhecer e valorizar a história da capoeira *Analisar a exploração da Mata Atlântica *Compreender a administração

Leia mais

Existem duas formas básicas de processos de formação da estacão: Processos Culturais e Processos não Culturais; i. Factores Culturais - são aqueles

Existem duas formas básicas de processos de formação da estacão: Processos Culturais e Processos não Culturais; i. Factores Culturais - são aqueles Geo-Arqueologia Geo-Arqueologia é aplicação de conceitos de ciência da terra, a técnica ou a base do conhecimento para o estudo de artefactos e os processos envolvidos na criação do registo arqueológico;

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC Depto.de Identificação e Documentação-DID

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC Depto.de Identificação e Documentação-DID FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: CNSA : (campo reservado) SÍTIO TERRA PROMETIDA Outras designações

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO ALDEIA DAS IGAÇABAS Outras designações ou siglas: SÍTIO DAS

Leia mais

Santuários. Arte, Cultura, Peregrinações, Paisagens e Pessoas

Santuários. Arte, Cultura, Peregrinações, Paisagens e Pessoas Santuários Arte, Cultura, Peregrinações, Paisagens e Pessoas O Turismo ou as Peregrinações a Santuários começaram ainda na Pré-História, caso da Gruta de Chovet, com datações de cerca de 31000 BP. Vale

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO DA BAIXADA Outras designações ou siglas: RJ-LP-03 Município:

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação...4. As pesquisas...7. Conhecendo nossa história...9. Modos de Vida e Ocupações Patrimônio Cultural...

ÍNDICE. Apresentação...4. As pesquisas...7. Conhecendo nossa história...9. Modos de Vida e Ocupações Patrimônio Cultural... 1 2 ÍNDICE Apresentação...4 As pesquisas...7 Conhecendo nossa história...9 Modos de Vida e Ocupações...11 Patrimônio Cultural...16 Patrimônio Arqueológico...23 O trabalho do arqueólogo...28 Preservação

Leia mais

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos OFICINA DAS CORES Professor Eduardo Dias Mattos Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP DER-Santos 2016 Artes Visuais Introdução O Projeto foi criado em 2006 pelo Arte Educador, Professor Eduardo

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Hominização

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Hominização 7º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes caçadores

Leia mais

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA Autor: Mércia Oliveira Pereira; Co-autor: Francisco de Assis Severo Lima E.E.E.P. Leopoldina Gonçalves Quezado; E-mail: mercia_oli@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

O legado dos nossos antepassados. Prof. Leonardo Machado Palhares

O legado dos nossos antepassados. Prof. Leonardo Machado Palhares O legado dos nossos antepassados Prof. Leonardo Machado Palhares Periodização da Pré- História Paleolítico (2 milhões de anos a, aproximadamente, 12000 a.c.) : nome de origem grega (Palaiós- antigo; lithos=

Leia mais

TRABALHO DO ARQUEÓLOGO

TRABALHO DO ARQUEÓLOGO ARQUEOLOGIA A Arqueologia pode ser definida como a ciência que estuda o passado humano a partir dos vestígios e restos materiais deixados pelos povos que habitaram a Terra. Também Ao contrário do que se

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR PARA O 2º SEGMENTO História

PROPOSTA CURRICULAR PARA O 2º SEGMENTO História PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO NÃO FORMAL CENFOP Centro de Formação Pedagógica PROPOSTA CURRICULAR PARA

Leia mais

CONHECER O PASSADO...8

CONHECER O PASSADO...8 Sumário 1 CONHECER O PASSADO...8 Direto da fonte...9 Seguindo pistas...9 O que os mapas revelam...11 O olhar do artista...12 Vestígios do passado...14 Uma história, muitas fontes...15 Medir o tempo, localizar

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA GEOGRAFIA

IMPORTÂNCIA DA GEOGRAFIA IMPORTÂNCIA DA GEOGRAFIA - Explicar de que forma os seres humanos transformam os espaços em que vivem e como as ações do homem sobre esses espaços influenciam a vida das pessoas. - Pensar sobre o espaço.

Leia mais

Cap. 2 Pré-História Prof. Dawison Sampaio. Cap. 2- Pré-História Prof. Dawison Sampaio

Cap. 2 Pré-História Prof. Dawison Sampaio. Cap. 2- Pré-História Prof. Dawison Sampaio Cap. 2- Pré-História Prof. Dawison Sampaio 1 H1-Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura. H5 -Identificar as manifestações ou representações da diversidade

Leia mais

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social CONTEÚDO DA UNIDADE 3 Unidade 1 Construção da Identidade Social 3 Pré-História 5 A importância da História 6 A contagem do tempo 7 Identificando os séculos 8 Fontes históricas 10 Os primeiros habitantes

Leia mais

Pinturas Rupestres. Fundação Museu do Homem Americano. Parque Nacional Serra da Capivara

Pinturas Rupestres. Fundação Museu do Homem Americano. Parque Nacional Serra da Capivara Fundação Museu do Homem Americano Parque Nacional Serra da Capivara Pinturas Rupestres Dos numerosos abrigos que existem no Parque uma parte muito importante apresenta manifestações de atividades gráficas

Leia mais

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura 1916 Acervo IHGRGS Reconversão Econômica do 4º Distrito Bairros Floresta,

Leia mais

Amazônia desconhecida: a ocupação humana milenar da floresta

Amazônia desconhecida: a ocupação humana milenar da floresta Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Amazônia desconhecida: a ocupação humana milenar

Leia mais

FUNDAMENTAL. PARTE 1

FUNDAMENTAL. PARTE 1 FUNDAMENTAL PARTE 1 www.ceejamax.com 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...págs. 03 ESPAÇO GEOGRÁFICO E PAISAGEM... 03 LEITURA DAS PAISAGENS... 04 REPRESENTAÇÕES DO ESPAÇO GEOGRÁFICO... 06 MAPA ANTIGO E MAPA ATUAL...

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: K 4 Outras designações ou siglas: Município: DUQUE DE CAXIAS Localidade:

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I DESAFIO DO DIA ARTES. Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I DESAFIO DO DIA ARTES. Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Habilidades:

Leia mais

GABINETE DE ARQUEOLOGIA

GABINETE DE ARQUEOLOGIA GABINETE DE ARQUEOLOGIA Inventariamos e estudamos os vestígio mais antigos da ocupação humana no concelho. Identificamos 51 sítios arqueológicos que se distribuem cronologicamente entre o IIIº milénio

Leia mais

Albanêz Daniella Serafim Dias.

Albanêz Daniella Serafim Dias. A Arte Rupestre e a História Oral Albanêz Daniella Serafim Dias. O estudo referente à pré-história tem contribuído para a ampliação de conhecimentos e pesquisas envolvendo o modo de vida dos primeiros

Leia mais

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 O TEMPO E AS ORIGENS DO BRASIL 1. Contando o tempo Instrumentos de medida do tempo Medidas de tempo: década, século, milênio Linha do tempo

Leia mais

Conteúdos e Competências. FUNDAMENTAL 2 o ANO

Conteúdos e Competências. FUNDAMENTAL 2 o ANO Conteúdos e Competências FUNDAMENTAL 2 o ANO SUMÁRIO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA ENSINO RELIGIOSO COLEÇÃO IMAGINAÇÃO E ARTE... 3 7... 11... 17... 20... * Sujeito a alteração até

Leia mais

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive.

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive. 2ª Geografia 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1- CATEGORIAS DA GEOGRAFIA: Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica, como elemento

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS - Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. (C. G. 6) - Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO DO MORRO Outras designações ou siglas: ALDEIA 2 Município:

Leia mais

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO UNIDADE 1 EU E OS OUTROS *Perceber a diversidade étnica física e de gênero no seu meio de convivência. *Reconhecer mudanças e permanências nas vivências humanas, presentes na sua realidade e em outras

Leia mais

Relatório dos trabalhos arqueológicos efectuados no âmbito do EIA - Terminal de Cruzeiros de Angra do Heroísmo. Trabalho solicitado pela IAS

Relatório dos trabalhos arqueológicos efectuados no âmbito do EIA - Terminal de Cruzeiros de Angra do Heroísmo. Trabalho solicitado pela IAS Relatório dos trabalhos arqueológicos efectuados no âmbito do EIA - Terminal de Cruzeiros de Angra do Heroísmo Trabalho solicitado pela IAS Horta, 20 de Junho de 2010 Relatório dos trabalhos arqueológicos

Leia mais

CARTA DE LAUSANNE CARTA PARA A PROTECÇÃO E GESTÃO DO PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO (1990)

CARTA DE LAUSANNE CARTA PARA A PROTECÇÃO E GESTÃO DO PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO (1990) CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 233 CARTA DE LAUSANNE CARTA PARA A PROTECÇÃO E GESTÃO DO PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO (1990) Introdução É unanimemente reconhecido que o conhecimento das origens e do

Leia mais

EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA BOM TRABALHO! (d) é somente o conjunto de ações de governantes e heróis.

EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA BOM TRABALHO! (d) é somente o conjunto de ações de governantes e heróis. COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: DATA: / / 2014 EXERCÍCIO DE REVISÃO DE HISTÓRIA Organize uma rotina de estudos. Comece o quanto antes. Organize seu tempo para o estudo da

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica e economia do pós-segunda

Leia mais

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Pará Nome do sítio: Ilha da Montanha Outras designações

Leia mais

A CAVERNA DO ÓDIO : UM EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO SOCIAL DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO

A CAVERNA DO ÓDIO : UM EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO SOCIAL DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, S. Paulo, 2:115-121, 1992. A CAVERNA DO ÓDIO : UM EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO SOCIAL DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO Maria Cristina Mineiro Scatamacchia* Suely Ceravolo* Célia

Leia mais

Cultura material e imaterial

Cultura material e imaterial Cultura material e imaterial Patrimônio Histórico e Cultural: Refere-se a um bem móvel, imóvel ou natural, que possua valor significativo para uma sociedade, podendo ser estético, artístico, documental,

Leia mais

al acceso y participación en los beneficios

al acceso y participación en los beneficios NIT Amazônia Oriental Em 2002, sobre a influência da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) e da Medida Provisória Nº. 2186/2001. Projeto Institucional Proteção aos resultados de pesquisas advindo do

Leia mais

História 2 o ano Unidade 8

História 2 o ano Unidade 8 História 2 o ano Unidade 8 Unidade 8 Nome: Data: 1. Por que as ruas têm nome? Marque com um X a resposta correta. ( ) porque a rua pertence a uma pessoa que escolhe o nome. ( ) porque é mais fácil localizá-la

Leia mais