A Célula como Unidade de Vida Microscopia e Estudo da Célula

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Célula como Unidade de Vida Microscopia e Estudo da Célula"

Transcrição

1 A Célula como Unidade de Vida Microscopia e Estudo da Célula Até ao início do séc. XVII o conhecimento dos seres vivos limitava-se, fundamentalmente, a organismos macroscópicos. A descoberta da célula só foi possível quando o avanço técnico permitiu o aperfeiçoamento das lentes e a construção do microscópio óptico composto (MOC). Numerosos investigadores interessaram-se, pelo estudo de diversos materiais vivos; os pequenos avanços de uns constituíam, para outros, pontos de partida para estudos mais alargados. Simultaneamente, as técnicas de observação foram sendo melhoradas o que, por sua vez, tornou possíveis observações mais minuciosas e rigorosas. Foi longo o caminho que conduziu a uma das mais importantes generalizações da Biologia a Teoria Celular. TEORIA CELULAR Princípio Unificador da Biologia A célula é a unidade básica de estrutura e função de todos os seres vivos. Todos os seres vivos, dos mais simples aos mais complexos, são constituídos por células, nas quais ocorre um conjunto de reacções químicas necessárias à manutenção da vida. Todas as células provêm de células preexistentes, pois qualquer célula se forma por divisão de uma outra. A célula é a unidade de reprodução e desenvolvimento dos seres vivos; numerosos seres vivos formam-se por divisões sucessivas a partir de uma única célula ovo. A célula é a unidade hereditária de todos os seres vivos. É na célula que está contida a informação genética que é transmitida de geração em geração, durante os processos de divisão celular, permitindo a continuidade das espécies. 1

2 Microscópio Óptico Constituição e Funcionamento O microscópio óptico é um instrumento indispensável aos trabalhos laboratoriais que envolvam o estudo da célula. Ao fornecer imagens ampliadas de grande precisão, torna possível a observação de estruturas invisíveis à vista desarmada. Para uma rentabilização das suas potencialidades torna-se absolutamente essencial conhecer a sua constituição e funcionamento. Parte Óptica Parte Mecânica Sistema de oculares Sistema de objectivas Sistema de iluminação Pé Coluna Tubo ou canhão Platina ou mesa do microscópio Parafusos Revólver Espelho duplo Condensador Diafragma Macrométrico ou Cremalheira Micrométrico Conjunto de lentes que permitem a ampliação do objecto. A ampliação dada pelo microscópio é igual ao produto da ampliação da objectiva pela ampliação da ocular. Ex.: Ampliação da ocular: 10 x Ampliação da objectiva: 15 x Ampliação do microscópio: 10 x 15 = 150 x A objectiva aumenta a imagem do objecto A ocular aumenta a imagem que recebe da objectiva. O espelho é duplo, pois tem uma face plana (para a luz natural) e uma face côncava (para a luz artificial). Destina-se a reflectir para a platina a luz que recebe da fonte luminosa. Distribui regularmente, no campo visual do microscópio, a luz reflectida pelo espelho. Regula a intensidade luminosa no campo visual do microscópio. Suporta o microscópio, assegurando a sua estabilidade. Nos microscópios actuais é frequentemente articulada na zona junto à platina, o que permite inclinar o microscópio, tornando as observações mais cómodos. Cilindro que suporta os sistemas de lentes, localizando-se na extremidade superior a ocular e na inferior o revólver com os objectivas. Placa onde se colocam as preparações a observar. Tem no centro uma abertura circular, a janela, por onde passam os raios luminosos que vão iluminar a preparação (depois de atravessarem o sistema de iluminação). Engrenagem que suporta o tubo e que permite a sua deslocação ou a da platina. É indispensável para fazer a focagem. Imprime ao tubo ou à platina movimentos de amplitude muito reduzida, completando a focagem. Permite explorar a profundidade de campo do microscópio. Disco adaptado à zona inferior do tubo, que suporta 2 a 4 objectivas de diferentes ampliações; por rotação, é possível trocar rápida e comodamente de objectiva 2

3 Microscópio óptico Composto (M.O.C.) Seguidamente apresenta-se a constituição de um M.O.C.: 1- Condensador 2- Revólver 3- Braço ou coluna 4- Objectivas 5- Pinças 6- Platina 7- Parafuso macrométrico 8- Diafragma 9- Parafuso micrométrico 10- Ocular 11- Espelho 12- Base ou pé 13- Tubo óptico do canhão ILUMINAÇÃO E FOCAGEM 1- Iluminar o campo do Microscópio óptico - captar uma quantidade de luz adequada para a observação do Material. a) Fonte luminosa incorporada - Ligá-la; - Regular a abertura do diafragma e a posição do Condensador b) espelho - Orientá-lo em busca de melhor captação de luz; usando a face plana para a luz natural e a face côncava para a luz artificial - Regular a abertura do diafragma e a posição do condensador. 3

4 2- Focar regular a distância entre as lentes e o objecto por forma a obter uma imagem o mais nítida possível. CARACTERÍSTICAS DA IMAGEM EM M.O. A imagem que se obtém no M.O. Composto é: o maior que o objecto (ampliada); o virtual; o invertida e simétrica. O microscópio óptico composto garante imagens adequadas quando as necessidades de ampliação não ultrapassam as 1500 a 2000 vezes. PODER DE RESOLUÇÃO E LIMITE DE RESOLUÇÃO Poder de resolução é a capacidade que o microscópio apresenta de fornecer imagens nítidas e minuciosas. Limite de resolução mínima distância entre dois pontos a partir da qual eles passam a ser confundidos como um único ponto. O Limite de resolução depende do comprimento de onda da luz utilizada. DIMENSÕES EM M.O. Uma das primeiras preocupações de quem estuda a célula é estabelecer uma relação de grandeza das estruturas celulares com as unidades de medida mais usuais, o milímetro e o metro: Metro (m) - 1 Milímetro (mm) 10-3 m Micrómetro (µm) 10-6 m Nanómetro (nm) 10-9 m Angstrom (Å) m Picómetro (pm) m 4

5 OUTROS TIPOS DE MICROSCÓPIOS ÓPTICOS Microscópio óptico de fluorescência Muito usado em Citologia. Permite a observação de estruturas celulares marcadas com substâncias químicas que fluorescem ou emitem luz visível ao serem iluminadas pela luz ultravioleta. Microscópio de contraste de fase tem a vantagem de permitir o exame de células vivas, não coradas. Microscópio de fundo escuro é normalmente utilizado na observação de estruturas de dimensões muito pequenas e transparentes. Microscópio confocal é um microscópio bastante recente. O nome «confocal» significa «ter o mesmo foco», o que, neste caso, corresponde a ter duas lentes alinhadas cujos focos se situam num único ponto do espaço. Assim, há formação de um cone de luz que faz um seccionamento óptico; isto tem a vantagem de permitir observar organismos vivos, sem ser necessário fazer cortes. Preparações Preparações temporárias ou extemporâneas são realizadas quando o objecto se destina a ser observado no momento e depois é desaproveitado. Meios de Montagem utilizados: - Água doce; - Água destilada; - Água salgada; - Soro fisiológico artificial ou soluto de Ringer ou plasma sanguíneo. Estes meios de montagem não alteram as condições do material a observar Líquidos indiferentes. Preparações Definitivas Realizam-se quando o objecto se destina a ser guardado para posteriormente poder voltar a ser observado. 5

6 TÉCNICAS PARA OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS AO MICROSCÓPIO ÓPTICO A microscopia inclui vários tipos de instrumentos e técnicas. De acordo com a constituição e funcionamento do microscópio óptico, o material biológico, para ser observado, tem de ser sujeito a uma série de manipulações físicas e químicas. No microscópio óptico a luz é transmitida através do objecto, de modo que o material tem de ser atravessado pela luz, a fim de se produzir a imagem. Este aspecto impõe que, na observação de tecidos animais ou vegetais em que as células estão justapostas, seja necessário fazer finos cortes de modo a que se apresentem translúcidos. Com esse objectivo, utilizam-se normalmente as seguintes técnicas: 1- Técnica do esfregaço; 2- Técnica do esmagamento; 3- Técnica de cortes finos. TÉCNICA DO ESFREGAÇO 6

7 Técnica utilizada com frequência em bacteriologia. Esta técnica permite a separação de células em meio líquido. Consiste em espalhar um fragmento de tecido ou uma colónia sobre uma lâmina de vidro, o que provoca a dissociação de alguns elementos celulares e a sua aderência ao vidro. Desta maneira forma-se uma camada fina de células, facilitando a observação. Método usado para: - Observação de sangue e outros líquidos orgânicos. (Coloca-se uma gota do líquido sobre uma lâmina e com outra lâmina ou lamela, espalha-se bem (esfregaço). - Após estar seco, o material, pode ser fixado e corado. TÉCNICA DO ESMAGAMENTO Técnica utilizada nos casos em que existe uma aderência fraca entre as células do tecido a observar. Para visualizar as células, basta colocar um pequeno fragmento do tecido entre a lâmina e a lamela e fazer uma pequena pressão com o polegar. Provoca-se, desta forma, um esmagamento do tecido, o que faz com que as células se espalhem, formando uma fina camada, que é facilmente atravessada pela luz. 7

8 TÉCNICA DOS CORTES FINOS Esta técnica é mais complexa e frequentemente utilizada em Histologia. Quando o material a ser estudado apresenta uma consistência mole, é necessário proceder à sua inclusão prévia, embebendo-o, por exemplo, em parafina líquida que, após solidificar, garante uma consistência adequada ao corte. Este corte poderá ser feito com um micrótomo que permite obter fatias muito finas, com cerca de 3 a 6 µm de espessura. O material é banhado por um solvente e mergulhado em parafina derretida pelo calor. A parafina penetra nas células e endurece; forma-se um bloco de parafina que envolve o tecido a observar. Com a ajuda do micrótomo, este bloco é seccionado em fatias finas (espessura 5 µm ). O corte é então colocado sobre uma lâmina de vidro e a parafina é dissolvida por um solvente (xilol), ficando o fino corte de células sobre a lâmina. O material é, em seguida, 8

9 corado e desidratado, procedendo-se à sua montagem, para a qual se utiliza o bálsamo do Canadá (meio de montagem), que, ao solidificar, faz aderir a lamela à lâmina. Outra forma de dar consistência necessária ao material biológico para possibilitar o corte é empregando a congelação; ou seja, congelando o material antes de o cortar. No caso dos tecidos vegetais, que já apresentam uma certa rigidez, é possível fazer cortes sem inclusão, ou então com uma simples inclusão entre dois pedaços de medula de sabugueiro. Quando não é necessário obter cortes extremamente finos, podemos efectuá-los com: - Uma lâmina bem afiada (ex. plo : lâmina de barbear) - Um bisturi Coloração e Fixação Todas as técnicas citológicas implicam frequentemente a coloração de material biológico; a maioria das estruturas celulares só são observáveis ao microscópio óptico composto se a célula for previamente tratada por corantes. Cada corante reage apenas com certos elementos celulares, que ficam contrastados em relação aos outros, o que facilita a observação. Para observarmos células vivas deve-se ter o cuidado de usar corantes que não alterem nem destruam o material biológico. Tais corantes os corantes vitais como é o caso do azul de metileno, do vermelho neutro e da eosina, são utilizados normalmente nas preparações extemporâneas ou preparações temporárias preparações feitas para exames de ocasião. Quando se pretende fazer um grande número de observações ou exames demorados são geralmente utilizadas preparações definitivas. Neste caso, além da coloração, há necessidade de preservar, da maneira mais perfeita possível, a estrutura original das células. Tal efeito consegue-se com a utilização de fixadores substâncias químicas como o formol, o éter, o ácido acético e o álcool que matam rapidamente a célula, mantendo as suas estruturas com a menor alteração possível, sendo assim conservado o material biológico para futuras observações. 9

10 Os agentes susceptíveis de exercerem acção fixadora também podem ser de natureza física; como o frio e o calor. Consoante a estrutura celular que se pretende observar, deve-se ter o cuidado de escolher o fixador mais adequado, pois estes actuam de diferente forma. Corantes Específicos CORANTES ESTRUTURAS Orceína acética Cromossoma Água iodada Núcleo, grãos de amido Eosina Citoplasma Soluto de lugol Parede celulósica, grãos de amido Vermelho neutro Vacúolos Azul de metileno Núcleo Montagem Consiste na colocação do material num meio, entre a lâmina e a lamela, que o isola do exterior, protegendo-o da acção de fungos e bactérias. Usam-se por exemplo a gelatina glicerada e o bálsamo do canadá. A montagem poderá ser completada com a colocação de um verniz ou lacre que recobre as extremidades da lamela utilizada, reforçando o isolamento do exterior. Microscópio Electrónico de Transmissão (MET) Considerações gerais O nosso conhecimento sobre a complexa organização celular é relativamente recente. Até à década de 40 apenas se conhecia da estrutura celular o que era possível observar em função do poder de resolução do microscópio óptico. Olhando ao longe uma floresta, ela surge como uma mancha verde; mas ao perto constatamos ser constituída por árvores e arbustos de espécies e 10

11 tamanhos diferentes. Do mesmo modo, também só depois do aperfeiçoamento das técnicas microscópicas e do aparecimento do microscópio electrónico a célula pôde ser «olhada de perto» e observadas, detalhadamente, as suas ultra-estruturas, até aí «escondidas» na massa semifluida do citoplasma. Com um poder de resolução e de ampliação muito superior ao do microscópio óptico, o microscópio electrónico permitiu penetrar no mundo microscópico da célula. Embora se apresente com uma construção física bastante mais complexa e robusta, o microscópio electrónico de transmissão (M.E.T.) tem, na globalidade, uma estrutura muito semelhante à do microscópio óptico. A diferença fundamental entre estes dois instrumentos de observação reside no facto de o microscópio electrónico não utilizar a luz para dar a imagem do objecto, mas sim um feixe de electrões acelerados, o que faz com que as lentes usadas não sejam de vidro ou cristal, como no microscópio óptico, mas «lentes» electromagnéticas. O comprimento de onda do feixe de electrões pode ser muito reduzido; obtendo-se assim um elevado poder de resolução. No microscópio electrónico de transmissão o feixe de electrões atravessa o material a observar, de modo que a imagem resulta da maior ou menor absorção dos electrões por parte das diferentes estruturas celulares. A imagem é visualizada através de um ecrã fluorescente ou é registada numa película fotográfica. Microscópio Electrónico de Transmissão (MET) Constituição e funcionamento O Microscópio electrónico de transmissão tem basicamente duas partes: 1 Parte electrónica 2 Parte do vácuo 11

12 1 PARTE ELECTRÓNICA O tipos de radiação são feixes de electrões. Existe um filamento de tungsténio em forma de V que está ligado a alta voltagem (40 KV a 120 KV). Esse filamento é levado à incandescência através do aquecimento, o que conduz à emissão de electrões. No MET não existem lentes de vidro ou cristal, mas sim lentes electrónicas (electrostáticas e electromagnéticas). Lentes electrónicas: Lente electrostática é esta lente que proporciona a formação do feixe de electrões canhão de electrões. Lentes electromagnéticas São cilindros ocos, metálicos, percorridos por uma corrente eléctrica que cria um campo magnético permitindo a deflexão do feixe electrónico. A focagem do feixe é conseguida através da variação da corrente que passa nas lentes. 2 PARTE DO VÁCUO Bombas rotativas e bombas de difusão; Pontos na coluna onde o ar é aspirado ; Aparelhos de medida; Reservatórios; Válvulas; Existência, na zona da preparação, de um sistema de isolamento que permite mudar a preparação sem que seja preciso pôr ar no vácuo de toda a coluna. 12

13 A IMPORTÂNCIA DO VÁCUO É importante que exista vácuo pela simples razão de que se existisse ar na coluna do microscópio, a colisão dos electrões com as partículas do ar iria fazer com que os electrões se deslocassem, somente, escassos milímetros, quando, na realidade, têm de percorrer cerca de 2 metros. ECRAN Os nossos olhos não são capazes de observar, directamente, imagens produzidas por electrões. Devido a isso recorre-se a um écran que está pintado com uma substância fluorescente, ou ao uso de uma câmara fotográfica. CÂMARA FOTOGRÁFICA A utilização da câmara fotográfica está relacionada com o facto do feixe de electrões destruir o material biológico. Assim sendo, a imagem é recebida num écran fluorescente que permite uma observação directa, ou então, numa chapa fotográfica que em seguida é revelada. VANTAGENS E INCONVENIENTES DO USO DO MICROSCÓPIO ELECTRÓNICO EM CITOLOGIA Como os electrões só se propagam a distâncias consideráveis no vazio, toda a parte essencial do microscópio electrónico está encerrada numa coluna hermética, mantida sob vácuo; logo, as células não podem ser observadas vivas nem com as suas cores naturais. Além disso, o objecto tem de ser extremamente fino, de modo a permitir que um número suficiente de electrões o atravesse e forme uma imagem. 13

14 Outro aspecto que devemos ter presente é que a grande ampliação dada pelo microscópio electrónico, e o seu correspondente poder de resolução, por vezes possibilita apenas a observação de uma parte de um organito celular, pois a área do objecto que é visualizado varia inversamente à ampliação utilizada. A utilização do microscópio electrónico requer pessoal especializado; o seu preço é elevado, comparativamente ao do microscópio óptico, a par das dificuldades inerentes à preparação de material biológico para observação, faz com que este precioso auxiliar de investigação seja apenas privilégio de alguns laboratórios. Comparação entre o MOC e o MET CARACTERÍSTICAS M.ELECTRÓNICO M. ÓPTICO COMPOSTO TRANSMISSÂO Tipo de radiação Feixe de electrões Luz (fotões) Lentes Condensador Electromagnéticas e electrostáticas Várias lentes electromagnéticas Vidro ou cristal Ampliação vezes 2000 vezes Poder de resolução máximo Focagem Local de formação da imagem Uma ou algumas lentes 0,5 0,1 nm nm Variação da corrente eléctrica que passa através das lentes electromagnéticas A imagem é projectada num ecrã ou registada em película fotográfica As lentes têm um foco fixo e o focagem efectua-se fazendo variar o distância em relação ao objecto Retina do observador Imagem Preto e branco Geralmente colorida Material a observar Não vivo, desidratado, muito fino. É colocado numa grelha de cobre no vácuo. Vivo e não vivo, sendo normalmente colocado numa lâmina de vidro. 14

15 MICROSCÓPIO ELECTRÓNICO DE VARRIMENTO (MEV) Há cerca de 30 anos começou também a ser utilizado um outro tipo de microscópio electrónico o microscópico electrónico de varrimento (M.E.V.). Com uma construção e operação totalmente diferentes do microscópio electrónico de transmissão (M.E.T.). O M.E.V. permite obter imagens da superfície externa de partículas muito pequenas e a três dimensões. TÉCNICAS PARA OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS AO MICROSCÓPIO ELECTRÓNICO Como foi referido, dadas as características de funcionamento do M. E. não é possível a observação de células vivas. O material a examinar é sujeito a um tratamento físico e químico. Este tratamento tem o objectivo de tornar o material suficientemente fino e seco a fim de permitir a passagem de electrões e haver formação de imagem. Tal como acontece no microscópio óptico, o material é primeiramente fixado e depois desidratado, sofrendo, de seguida, uma inclusão em resinas para adquirir a rigidez necessária ao seu seccionamento, com o auxílio de um ultramicrótomo. Uma das técnicas utilizadas é a técnica dos cortes seriados, que permite reconstituir tridimensionalmente as estruturas celulares, pois a célula não é plana e o que observamos em cada preparação não é mais do que uma imagem parcial de um plano de corte que foi realizado na célula. Resumo: Técnicas citológicas usadas em M. Electrónica: - fixação (com Tetróxido de Ósmio); - desidratação; - inclusão em resinas artificiais; - corte (ultramicrótomos); - contraste (utilizam-se substâncias contrastantes como o ósmio, o urânio ou o chumbo, que se ligam de forma diferente às várias estruturas celulares, fazendo variar o grau de penetração dos electrões nesses locais). 15

16 TÉCNICAS ESPECIAIS PARA OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS CELULARES Nos últimos anos têm sido desenvolvidas técnicas especiais no sentido de permitir o isolamento das diferentes estruturas celulares e, consequentemente, uma observação mais minuciosa desses constituintes da célula: Uso de marcadores radioactivos com este método é possível detectar em que local da célula estão a ser sintetizadas determinadas substâncias e acompanhar o seu percurso. É uma técnica sofisticada em que se utilizam substâncias radioactivas que têm a propriedade de impressionar chapas fotográficas auto-radiografia. Criofractura esta técnica tem contribuído grandemente para o estudo da estrutura interna das biomembranas, pois permite a clivagem da bicamada lipídica, deixando observar o seu interior. Centrifugação diferencial permite isolar os diferentes organitos celulares em função da sua massa. Com este método foi possível estudar detalhadamente vários organitos celulares, nomeadamente mitocôndrias, cloroplastos, núcleos e ribossomas. 16

17 ORGANIZAÇÃO CELULAR De acordo com a Teoria Celular, a célula é a unidade básica estrutural e funcional de todos os seres vivos, comportando-se como unidade independente, mesmo nos organismos multicelulares. Apesar desta universalidade de estrutura e função, há diversidade no tamanho, forma e grau de complexidade. Algumas células possuem uma estrutura muito simples, mas a maioria apresenta uma maior complexidade. As células mais simples possuem um número muito reduzido de organitos e não têm sequer um núcleo organizado, individualizado do citoplasma por um invólucro são as células procarióticas. As células mais complexas possuem núcleo organizado e individualizado do citoplasma por um invólucro e numerosos organitos são as células eucarióticas. Os seres constituídos por células procarióticas chamam-se procariontes; incluem bactérias e algumas algas primitivas (algas azuis). Os seres constituídos por células eucarióticas chamam-se eucariontes e incluem os restantes seres vivos. Aspectos comparativos entre Células Procarióticas e Células Eucarióticas Características Células eucarióticas Células procarióticas Tamanho da célula Parede Celular Material genético Organelos Estruturas respiratórias Fotossíntese Flagelos Cerca de 40 µm de diâmetro; em regra 1000 a vezes o volume da célula procariótica. Presente nas plantas e fungos. É rígida e formada por celulose nas plantas e por quitina nos fungos. Possuem verdadeiro núcleo que contém um ou mais nucléolos. Muitos organelos membranares como mitocôndrias, retículo, complexo de Golgi. Hialoplasma e mitocôndrias. Ocorre em cloroplastos com uma estrutura membranar complexa. Organelos locomotores complexos, rodeados por membrana plasmática Diâmetro médio 0,5 5 µm Rígida constituída por polissacarídeos com aminoácidos. Não existe invólucro nuclear, nem nucléolo. O material nuclear está em contacto directo com o citoplasma e constitui o nucleóide. Ausência de organelos com membranas. Contêm muitos ribossomas que têm menores dimensões que os das células eucarióticas. Hialoplasma e membrana plasmática. Sem cloroplastos. Tem lugar, por exemplo, em lamelas fotossintéticas. Organelos locomotores simples, não incluídos na membrana plasmática. 17

18 Aspectos comparativos entre Células Eucarióticas Animais e Células Eucarióticas Vegetais Apesar de em todas as células eucarióticas existir uma estrutura básica semelhante, há algumas diferenças entre a célula animal e a célula vegetal. No quadro seguinte estão evidentes algumas dessas diferenças. Estrutura Célula animal Célula vegetal Parede Celular Ausente Presente Centríolos Presentes (em regra) Ausentes (nas plantas superiores) Plastos Ausentes Presentes Vacúolos Presentes, são pequenos e temporários Presentes, as dimensões aumentam com a idade da célula e o número diminui. 18

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.)

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) O microscópio ótico composto (M.O.C.) é um instrumento usado para ampliar, com uma série de lentes, estruturas pequenas impossíveis de visualizar a olho

Leia mais

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião)

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) O que se pretende 1. Seleccionar material adequado à observação de células eucarióticas vegetais 2.

Leia mais

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.)

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Data de Entrega: Dia 2 de Fevereiro de 2010 Autor: Telmo Daniel Roseiro Rodrigues, Nº

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental - (versão professor) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Pré-requisitos Operacionais: ter noções básicas de manuseamento

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Curso Científico- Natural (Experiência realizada no dia 25/01 e no dia 01/02) Este trabalho foi elaborado por: - Pedro Valverde n.º14 - Pedro Andrez n.º15 10ºano turma

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

AULA PRÁTICA N O 1. Microbiologia INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA, MICROSCOPIA E CÉLULAS MICROBIANAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS

AULA PRÁTICA N O 1. Microbiologia INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA, MICROSCOPIA E CÉLULAS MICROBIANAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS Av. Vitória, 950 Forte São João Vitória-ESTel.: (27) 3331-8500 www.unisales.edu.br AULA PRÁTICA N O 1 Microbiologia EXCELÊNCIA UNIVERSITÁRIA NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS COMPROMETIDOS COM A VIDA E A TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 e 4 Material utilizado e procedimentos efectuados nas experiências

Leia mais

Citologia e envoltórios celulares

Citologia e envoltórios celulares Citologia e envoltórios celulares UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 7 Aula 1/3 A descoberta da célula Teoria celular Microscopia Microscópio Óptico Microscópio Eletrônico Técnicas de

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

Características da imagem em microscopia ótica

Características da imagem em microscopia ótica Escola Secundária Jaime Moniz Relatório n.º1 Características da imagem em microscopia ótica Autor: Ana Luísa 10.º7 n.º3 Disciplina: Biologia e Geologia Data de realização: 01/02/2012 Ano Letivo: 2011/2012

Leia mais

Microscopia. I. Conhecendo o microscópio

Microscopia. I. Conhecendo o microscópio Organização: Eliana Maria Beluzzo Dessen e Jorge Oyakawa Diagramação: Regina de Siqueira Bueno Microscopia I. Conhecendo o microscópio A vista humana não é capaz de perceber objetos com diâmetros inferiores

Leia mais

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 3 de Dezembro

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos Tema 2 - Terra em transformação Bloco de trabalho 4 - A descoberta das células O microscópio Unidade do mundo vivo -

Leia mais

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos ACTIVIDADE EXPERIMENTAL Observação de Células Eucarióticas ao MOC Objectivos Identificar estruturas celulares das células vegetais e animais ao MOC. Verificar que os diferentes corantes actuam de modo

Leia mais

em Microscopio Óptica

em Microscopio Óptica 3 Caract acterís erísticas da imagem em Microscopio Óptica 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 Objectivos de aprendizagem:

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi);

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Cromoplastos e grãos de licopénio

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Técnicas de Biologia Celular e Molecular Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Dimensões em Biologia As células podem ser classificadas como: Macroscópicas: visíveis ao olho humano Microscópicas:

Leia mais

- Nosso corpo é formado por inúmeras estruturas macro e microscópicas;

- Nosso corpo é formado por inúmeras estruturas macro e microscópicas; CAPÍTULO 01 A CÉLULA - Nosso corpo é formado por inúmeras estruturas macro e microscópicas; - O funcionamento interligado e harmonioso dessas estruturas mantém o corpo vivo, em funcionamento; A ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

CITOLOGIA. Disciplina: Bioquímica Prof: João Maurício de Oliveira Coelho

CITOLOGIA. Disciplina: Bioquímica Prof: João Maurício de Oliveira Coelho CITOLOGIA Disciplina: Bioquímica Prof: João Maurício de Oliveira Coelho CÉLULA A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

Introdução à Biologia Celular, Histologia e Embriologia e seus métodos de estudo

Introdução à Biologia Celular, Histologia e Embriologia e seus métodos de estudo Morfologia Biologia Celular, Histologia e Embriologia Docentes Prof. Dr. Cesar Martins: cmartins@ibb.unesp.br Prof. Dr. Cláudio Oliveira Prof. Dr. Rafael H Nóbrega Introdução à Biologia Celular, Histologia

Leia mais

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula é a Citologia (do grego: cito = célula; logos = estudo). A invenção do microscópio no final do século XVI revolucionou a Biologia. Esse instrumento possibilitou

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA O mundo microscópico A quase 400 anos... No início, o instrumento era considerado um brinquedo, que possibilitava a observação de pequenos objetos. Zacharias Jansen e um microscópio

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano O termo célula foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês Robert Hooke, em 1665. Por meio de um microscópio

Leia mais

COMO SÃO AS CÉLULAS?

COMO SÃO AS CÉLULAS? COMO SÃO AS CÉLULAS? Elaboradores José Augusto Juski Junior Luana Kamarowski Lins Alves Vinicius Will Supervisão Caroline Souza Orientação Márcia Helena Mendonça APRESENTAÇÃO Esta atividade tem como objetivo

Leia mais

Iluminação do Espécimen

Iluminação do Espécimen O Zoomscope consiste numa lente ocular, numa peça para o olho e numa lente móvel que permite variar o grau de ampliação. O poder de ampliação pode ser alterado ao girar uma roda situada na parte lateral

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.1 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 Material utilizado Pág.4 Procedimentos Pág.5, 6 e 7

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal)

BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal) BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal) Thiago Campos Monteiro UFMS / CPCS Créditos: Prof a Elisângela de Souza Loureiro Tamanho das células Existem células de vários tamanhos.

Leia mais

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause Introdução à Biologia Celular e Molecular Profa. Luciana F. Krause Níveis de organização Desenvolvimento da Teoria Celular Século XVII desenvolvimento das lentes ópticas Robert Hooke (1665) células (cortiça)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO V. N. FAMALICÃO ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Correcção Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Formanda: Maria do Céu da Mota Rocha

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Ficha 1 Estudo da Célula Disciplina: Ciências Ano: 8 Data: 1º trimestre 2014 Professor(a): Elaine Kozuki Nome do aluno:

Ficha 1 Estudo da Célula Disciplina: Ciências Ano: 8 Data: 1º trimestre 2014 Professor(a): Elaine Kozuki Nome do aluno: Ficha 1 Estudo da Célula Disciplina: Ciências Ano: 8 Data: 1º trimestre 2014 Professor(a): Elaine Kozuki Nome do aluno: 1. Diferencie e explique a diferença Célula eucariota de célula procariota quanto

Leia mais

Teoria Celular. Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular.

Teoria Celular. Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular. Teoria Celular Teoria Celular Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular. Segundo esta teoria, todos os seres vivos são constituídos por células e, apesar da enorme

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Visão panorâmica da célula Algumas grandezas... 1km 1.000m 1m 100 cm 1cm 10 mm 1mm 1000 m 1 m 1000 nm 1Å (Angstron) 10-10 m 1 Visão panorâmica da célula

Leia mais

MICROSCOPIA. MICROSCÓPIO - noções gerais

MICROSCOPIA. MICROSCÓPIO - noções gerais MICROSCÓPIO - noções gerais MICROSCOPIA O olho humano tem poder de resolução de aproximadamente 0,1 mm ou 100 µm. Isto significa que se você olhar dois pontos separados por uma distância menor que 100

Leia mais

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes?

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? Escolha da Objectiva Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? As lentes, também conhecidas como objectivas, são a parte mais importante do seu

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de:

Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: 5 For orma e Tamanho das Células 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: Enumerar diferentes

Leia mais

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM Preparação do Material Biológico para Observação em TEM 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Sandra Mariza Monteiro (smonteir@utad.pt) Preparação do Material Biológico para Observação

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

unidade básica da vida

unidade básica da vida unidade básica da vida Na hierarquia de organização da vida, a célula ocupa um lugar particular, pois constitui a mais pequena unidade estrutural e funcional em que as propriedades da vida se manifestam.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data:

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: 1- A célula é uma importante estrutura do mundo vivo. Todos os seres vivos começam por existir sob a forma de célula. Alguns

Leia mais

A CÉLULA TEORIA CELULAR. www.biogeolearning.com 1. Todas as reacções fundamentais que caracterizam a vida ocorrem no interior das células;

A CÉLULA TEORIA CELULAR. www.biogeolearning.com 1. Todas as reacções fundamentais que caracterizam a vida ocorrem no interior das células; Prof. Ana Rita Rainho A CÉLULA U N I D A D E E S T R U T U R A L E F U N C I O N A L D O S S E R E S V I V O S TEORIA CELULAR Todos os seres vivos são constituídos por células; Todas as reacções fundamentais

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

Parede celular. Membrana celular

Parede celular. Membrana celular 1. A célula como Unidade Básica de Vida A célula é a unidade básica da vida, uma vez que todos os seres vivos são formados por células. De acordo com o número de células, os seres vivos podem classificar-se

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Dimensão da peça = Dimensão do padrão ± diferença

Dimensão da peça = Dimensão do padrão ± diferença Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle mais sofisticados

Leia mais

5.3 Fabricação das placas PCB

5.3 Fabricação das placas PCB 5.3 Fabricação das placas PCB Algumas das placas acima mencionadas foram fabricadas pelo processo desenvolvido pelo departamento. No início, todas as placas eram para ser fabricadas com este processo,

Leia mais

14-03-2010. As bactérias são os mais simples organismos vivos.

14-03-2010. As bactérias são os mais simples organismos vivos. OBSERVAÇÃO DE BACTÉRIAS USANDO A COLORAÇÃO DE GRAM As bactérias são organismos unicelulares procariontes. As bactérias têm um tamanho muito reduzido: mil milhões conseguem caber num centímetro quadrado

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOLOGIA CELULAR AULA 03

PRÁTICAS DE BIOLOGIA CELULAR AULA 03 PRÁTICAS DE BIOLOGIA CELULAR AULA 03 Matipó/MG 2014 Aula Prática - 04 Observação e Diferenciação das Células Eucariontes Introdução Há dois tipos de células eucarióticas: animaise vegetais. Apesar de terem

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Modos de Propagação Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Modos de Propagação Antes de iniciarmos o estudo dos tipos

Leia mais

MICROSCÓPIO ÓPTICO DE CAMPO CLARO

MICROSCÓPIO ÓPTICO DE CAMPO CLARO Psicologia e Saúde Unidade curricular: Biologia Humana I 4ª aula PL MICROSCÓPIO ÓPTICO DE CAMPO CLARO O microscópio é um instrumento utilizado para observar pormenores de objectos ou objectos muito pequenos,

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR I. Métodos instrumentais de análise para o estudo de células e tecidos - Microscopia

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR I. Métodos instrumentais de análise para o estudo de células e tecidos - Microscopia BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR I Métodos instrumentais de análise para o estudo de células e tecidos - Microscopia Objectivos: Listar e descrever as ferramentas de estudo da célula Definir e analisar a metodologia

Leia mais

Aula 1 BIOLOGIA Botânica - Práticas 2012/2013 Departamento de Biologia Vegetal Francisco Carrapiço e Isabel Caçador

Aula 1 BIOLOGIA Botânica - Práticas 2012/2013 Departamento de Biologia Vegetal Francisco Carrapiço e Isabel Caçador Aula 1 BIOLOGIA Botânica - Práticas 2012/2013 Departamento de Biologia Vegetal Francisco Carrapiço e Isabel Caçador http://azolla.fc.ul.pt/aulas/biologiabotanica.html Normas de segurança no laboratório

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

TIPOS DE termômetros. e termômetros ESPECIAIS. Pirômetros ópticos

TIPOS DE termômetros. e termômetros ESPECIAIS. Pirômetros ópticos Pirômetros ópticos TIPOS DE termômetros e termômetros ESPECIAIS A ideia de construir um pirômetro óptico surgiu em meados do século XIX como consequência dos estudos da radiação dos sólidos aquecidos.

Leia mais

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma:

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma: IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS Aluno(a): Turma: Querido (a) aluno (a), Este estudo dirigido foi realizado para que você revise

Leia mais

Lingotes. Estrutura de solidificação dos lingotes

Lingotes. Estrutura de solidificação dos lingotes Lingotes Estrutura de solidificação dos lingotes Genericamente é possível identificar três regiões diferentes em um lingote após solidificação de uma liga metálica: - a região mais externa denominada zona

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. As fotografias

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira 18.01.2013 Estantes cantoneira O sistema de estantes em cantoneira foi concebido para satisfazer as necessidades de armazenagem nas indústrias, oficinas, armazéns, etc, tendo em vista uma solução económica.

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br *Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. INTRODUÇÃO O Colorímetro V8 Brasil é um equipamento desenvolvido com objetivo de proporcionar às oficinas de funilaria

Leia mais

Aperfeiçoamentos no Cabeçote

Aperfeiçoamentos no Cabeçote Aperfeiçoamentos no Cabeçote (transcrito da Enciclopédia Mão na Roda - Guia Prático do Automóvel ED. Globo, 1982 - pg. 537 a 540) Os trabalhos realizados no cabeçote pelas oficinas especializadas atendem

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

A luz propaga-se em linha recta e radialmente em todas as direcções sempre que a velocidade de propagação for constante.

A luz propaga-se em linha recta e radialmente em todas as direcções sempre que a velocidade de propagação for constante. Propagação da luz A luz propaga-se em linha recta e radialmente em todas as direcções sempre que a velocidade de propagação for constante. Ao propagar-se, a luz pode atravessar materiais transparentes

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

Forno Solar. Tipos de fornos solares: Caixa. Painel

Forno Solar. Tipos de fornos solares: Caixa. Painel Forno Solar O forno solar é um equipamento que, concentra os raios solares numa zona, permitindo aquecer os alimentos depositados num recipiente fechado, aí colocado. O primeiro forno solar foi criado

Leia mais

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097 Monitores Universidade da Beira Interior Tecnologias de Computadores Prof.Pedro Araújo Trabalho realizado por: -Diogo Fernandes nº27097 -Gonçalo Paiva nº26743 -Tiago Silva nº27144 Introdução Com o aparecimento

Leia mais