REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares"

Transcrição

1 REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

2 REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou quaisquer outros elementos destinados ao fabrico de sistemas prediais de distribuição de água Os sistemas deverão ser executados em conformidade com as especificações regulamentares aplicáveis, os requisitos do projecto, as regras contidas neste documento, bem como as recomendações dos fabricantes dos diferentes tipos de tubagens 2

3 No traçado das redes de distribuição de água deverão ser tidos em consideração os seguintes aspectos: Preferencialmente, as tubagens deverão ser montadas Nas em zonas exteriores ao edifício podem ser instaladas em valas, paredes ou caleiras devendo-se considerar aspectos como o clima da região 3

4 As canalizações não deverão desenvolver-se sob elementos de fundação, em zonas de acesso difícil, ou ser embutidas em elementos estruturais ou em pavimentos (admite-se esta última situação nos casos de tubagens flexíveis protegidas por magas), em chaminés ou condutas de ventilação O traçado das canalizações deverá ser constituído por troços rectos, com trajectórias horizontais e verticais (com excepção dos sistemas de PER instalado com manga de protecção), ligados entre si através de acessórios apropriados (salvo as situações que a seguir se enumerarão) 4

5 Sempre que o traçado das redes não seja de molde a evitar a acumulação de ar no interior das tubagens e a facilitar a sua saída, deverá equacionar-se a necessidade da instalação de purgas de ar Em tubagens que possibilitem a sua dobragem (em que seja possível prescindir de acessórios para execução mudanças de direcção, como por ex.: cobre em rolo, PER e sistemas Multicamadas) Na opção dos percursos deverá optar-se pelos percursos de menor dimensão Tubagens destinadas ao transporte de água quente 5

6 Deverá prever-se a instalação de válvulas de seccionamento Nas tubagens destinadas à distribuição de água quente, deverá prever-se a aplicação de isolantes térmicos envolventes Os ramais de ligação deverão ser instalados a uma profundidade 0,8 m, que pode ser reduzida para 0,5 m nas zonas não sujeitas a circulação viária 6

7 As tubagens deverão ser identificadas de acordo com o tipo de água transportada, em conformidade com a normalização portuguesa aplicável Em tubagens que disponham de isolamento térmico, ou quaisquer outros revestimentos, a identificação quanto ao tipo de água transportada, deverá ser aposta sobre este As tubagens, quando não embutidas, deverão ficar instaladas de modo a garantir um afastamento mínimo de 0,05 m entre si e o elemento de suporte 7

8 No caso de tubagens instaladas em caleiras, e sempre que se verifique a possibilidade de para as mesmas poderem ser encaminhas águas de lavagem ou outras, deverão estas dispor de sistema de drenagem de modo a evitar o contacto e eventual contaminação da água transportada pelas tubagens aí instaladas As tubagens deverão ser instaladas e/ou fixadas, de modo a que não fiquem sujeitas a quaisquer constrangimentos, salvo os previstos No atravessamento de elementos estruturais ou outros, deverá ficar assegurada a não ligação das tubagens a estes No caso de atravessamentos em que se pretenda evitar através dos mesmos a propagação de eventuais incêndios, as juntas deverão ser seladas com materiais que possuam características intumescentes 8

9 PROTECÇÃO E REVESTIMENTOS (isolamento térmico) As tubagens destinadas ao transporte de água potável fria não devem ficar sujeitas a significativos gradientes térmicos O isolamento térmico das tubagens assume especial relevância quando se trata do transporte de água quente, para reduzir o gradiente entre a temperatura da água à saída do dispositivo de aquecimento e a sua chegada ao dispositivo de utilização, ou no seu regresso ao dispositivo de aquecimento 9

10 A temperatura da água quente na distribuição, quando destinada a fins domésticos e sanitários i 60 ºC e 50 ºC nas unidades d de produção e acumulação, entre os 70 e os 80 ºC Outros factores a considerar serão a possível influência na temperatura (ambiente e eventuais queimaduras por contacto) O isolamento das tubagens deve ser abrangente, incluindo i acessórios de união e zonas de suporte ou amarração. 10

11 Admite-se o não isolamento térmico dos ramais de alimentação dos aparelhos sanitários, devido à sua reduzida dimensão linear. Os produtos a utilizar no isolamento térmico das tubagens (por ex.: coquilhas de polietileno) devem ser imputrescíveis não corrosíveis resistentes aos microrganismos resistentes à humidade ter em conta os aspectos inerentes do comportamento ao fogo referidos (ponto 5) quando sujeitos a acções extremas, deverão ser protegidos de modo a evitar a sua degradação ou envelhecimento, de acordo com as indicações do fabricante (por ex.: aplicação de revestimento exterior de folha de alumínio). 11

12 O Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização dos Edifícios Espessura do isolante (mm) Diâmetro exterior do Temperatura da água (ºC) tubo (mm) Água fria Água quente 0,1 a 10 > a a 100 D < D < < D < < D < > Exceptuam-se destes requisitos as tubagens destinadas à distribuição de água quente sanitária sem circulação permanente em anel, em edifícios de habitação sem sistema de produção centralizado e eventualmente, situações diferenciadas para tubagens enterradas As espessuras indicadas no quadro são válidas para isolamentos com condutibilidade térmica de referência de 0,040 W/(m.K) 12

13 Quando as tubagens estejam instaladas no exterior, os valores das espessuras indicadas no deverão ser incrementados de 10 ou de 20 mm, respectivamente para tubagens transportando água quente ou água fria. 13

14 JUNTAS DE DILATAÇÂO Quando as tubagens ficam sujeitas a significativos gradientes térmicos (com maior relevância para as tubagens destinadas ao transporte de água quente), verifica-se: a variação das suas dimensões o reajustamento no seu posicionamento (o qual é geralmente acompanhado da produção de ruídos e da eventual introdução de tensões) estes efeitos podem ser atenuados ou evitados, através da inserção de juntas de dilatação 14

15 Nas situações de tubagens embutidas, sempre que as suas dimensões lineares o justifiquem As mudanças de direcção das tubagens também poderão ser consideradas como zonas de absorção das variações das suas dimensões lineares Preferencialmente e, sempre que existam juntas de dilatação nas edificações com direcção transversal ao desenvolvimento das tubagens, dever-se-ão instalar nessas zonas juntas de dilatação das tubagens 15

16 Os tipos de juntas de dilatação mais vulgarmente utilizados, são constituídas por: braços de dilatação liras tipo telescópico, devendo este último, ser considerado como a solução preferencial 16

17 AFASTAMENTO ENTRE ELEMENTOS DE SUPORTE OU AMARRAÇÃO (abraçadeiras) Nas situações de não-embutimento, as tubagens deverão ser fixadas através de elementos de suporte ou amarração (abraçadeiras) As abraçadeiras deverão ser dotadas de anéis de elastómero ou de outro material com propriedades elásticas e dieléctricas 17

18 RAIOS DE CURVATURA DAS TUBAGENS Na ligação entre os diversos troços de tubagem e nas mudanças de direcção deverão utilizar-se os métodos de união preconizados pelos respectivos fabricantes Alguns tipos de tubagens, como sejam as de cobre em rolo, as de polietileno reticulado, multicamadas e polibutileno, possibilitam que em algumas situações, se possa prescindir de acessórios de união para obtenção das mudanças de direcção, através da sua dobragem As dobragens deverão ser efectuadas com raios de curvatura amplos, em função dos diâmetros das tubagens, de forma a evitar a redução das suas secções, bem como a eventual introdução de tensões nessas zonas 18

19 DISPOSITIVOS DE PROTECÇÃO E DE SECCIONAMENTO DOS SISTEMAS Nos sistemas prediais de distribuição de água, deverá prever-se a instalação de válvulas de seccionamento à entrada dos ramais de distribuição a montante de purgadores de ar nos ramais de introdução a montante e a jusante dos contadores nas entradas das diferentes instalações sanitárias nos ramais de alimentação de autoclismos nos ramais de alimentação de equipamento de lavagem nos ramais de alimentação fluxómetros nos ramais de alimentação equipamentos destinados à produção de água quente quaisquer outros em que seja previsível a necessidade de corte no abastecimento de água para eventuais operações de manutenção ou reabilitação 19

20 Todos os equipamentos ligados a redes de água destinada ao consumo humano e, sempre que nos mesmos seja previsível a alteração das características da água fornecida, deverão os ramais que os alimentam ser munidos de dispositivos de protecção, do tipo válvula de retenção Todos os sistemas ou partes dos sistemas, em que se torne previsível a degradação da água, quer por estagnação, quer por contacto com meios eventualmente contaminantes 20

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional

Leia mais

ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS.

ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS. ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS. Medição por metro linear de tubagem aplicada, incluindo todos os acessórios e ligações. 1 - A abertura e o tapamento de roços e

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questão 8 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma grande intervenção a realizar num edifício anterior a 1960 situado no concelho de Évora, a uma altitude de 287 m a fração

Leia mais

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS SANEAMENTO Aulas 11 e 12 - Sumário AULAS 11 e 12 ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização. Exemplos CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS Disposições dos órgãos

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 582148 - Canalizador/a Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia (UC) Designação 1 Executar

Leia mais

PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A

PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, S.A. Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

União flexível de tubos

União flexível de tubos Instruções de montagem Acessórios União flexível de tubos Flexible Rohrverbindung Suprastar-O KU 7... com SK60-00-5Z Suprastar-O KU 7... com queimador e SK60-00-5Z 6 70 80 05 (00/) PT Conteudo Instalação...............................................

Leia mais

Acessórios de radiador

Acessórios de radiador Acessórios de radiador Um sistema de aquecimento central é uma das opções mais económicas e eficientes de aquecer uma habitação. Hoje, existe a possibilidade de controlar o funcionamento do sistema através

Leia mais

FOLES DE VEDAÇÃO PARA TUBAGEM PROTEGIDA COM MANGAS

FOLES DE VEDAÇÃO PARA TUBAGEM PROTEGIDA COM MANGAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 309 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 309 29 de Maio de 2007 Página 1 de 6 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

R595 - Caixa multifuncional, em plástico para colectores

R595 - Caixa multifuncional, em plástico para colectores 4 maio 2004 ı comunicação técnica giacomini Aplicação A difusão na construção civil da distribuição de água por colectores, seja em instalações de aquecimento ou em instalações sanitárias, trás notáveis

Leia mais

SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS * GRADE MOVEL * GRADE FIXA * DUTO FLEXIVEL MEDIDAS INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS RPM 2100.

SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS * GRADE MOVEL * GRADE FIXA * DUTO FLEXIVEL MEDIDAS INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS RPM 2100. SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS Ø MM 125 mm RPM 2100 POTENCIA 25 W VAZÃO 200/270 m³/h PRESSÃO 14/20 mmca RUIDO (db) 00 db ÁREA ATÉ 14 m² 26,2 x 21,7 x 20 cm ACABAMENTO PLÁSTICO BRANCO OPCIONAIS * GRADE

Leia mais

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição PARTE I INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS 1 ÁGUA FRIA Entrada e fornecimento de água fria Compartimento que abriga o cavalete Medição de água

Leia mais

Sistema PEX AULA O que é o sistema PEX

Sistema PEX AULA O que é o sistema PEX AULA 12 Sistema PEX 1. O que é o sistema PEX É um sistema predial de instalações hidráulicas composto por tubos flexíveis que pode ser utilizado tanto para água fria quanto para água quente com conceito

Leia mais

INSTALAÇÃO DE CONTADORES EM BATERIA

INSTALAÇÃO DE CONTADORES EM BATERIA INSTALAÇÃO DE CONTADORES EM BATERIA O presente documento visa fornecer as indicações necessárias para a correta instalação de contadores em bateria. A informação aqui disponibilizada não dispensa a consulta

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS DAS REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS E SERVIÇO DE INCÊNDIOS - PROJECTO DE EXECUÇÃO - MEMÓRIA DESCRITIVA

Leia mais

RZ1-K - BS EN XLPE LSZH Cabo Flexível

RZ1-K - BS EN XLPE LSZH Cabo Flexível RZ1-K - BS EN 50267 XLPE LSZH Cabo Flexível APLICAÇÕES Para instalação onde o fogo, emissão de fumos e gases tóxicos são uma potencial ameaça à vida e equipamentos. Cabo flexível de potência ou controlo

Leia mais

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA A instalação colectiva de edifícios deve obedecer ao Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas, sendo constituída por: Quadro

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

Informação técnica Disjuntor

Informação técnica Disjuntor Informação técnica Disjuntor 1 Introdução A selecção do disjuntor correcto depende de diversos factores. Especialmente em sistemas fotovoltaicos, os efeitos resultantes de alguns factores são mais acentuados

Leia mais

QUANDO A HUMIDADE TE PODE LEVAR A ERRAR.

QUANDO A HUMIDADE TE PODE LEVAR A ERRAR. QUANDO A HUMIDADE TE PODE LEVAR A ERRAR. AF/ARMAFLEX o isolamento profissional para prevenir a condensação, em sistemas de refrigeração e climatização, com a marca (Espanha) renovada. Producto Certificado

Leia mais

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas:

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas: O sistema Giacoklima é um sistema inovador ideal para a climatização no Verão e Inverno, que alia o bem estar ao baixo consumo energético. O elemento chave deste sistema é a utilização da água, que permite

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS REDES PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Noções Básicas

Leia mais

Quadros Eléctricos de Entrada

Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Entrada de uma instalação Eléctrica Quadro de Entrada Definição, implantação e localização Condições de escolha do Equipamento Em função do aparelho

Leia mais

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO ÍNDICE 1 CADERNO DE ENCARGOS 2 PROJECTO DE EXECUÇÃO A ARQUITECTURA 1.1.2 Solução Proposta 1.1.2.1 - Introdução 1.1.2.2 Caracterização do Espaço 1.1.2.2.1

Leia mais

MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT PORTUGUÊS

MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT PORTUGUÊS MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT versão. Nov. 2013 Agradecemos a aquisição do nosso produto. Antes de utilizar o equipamento, leia cuidadosamente este manual e guarde-o para referências futuras.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades CÓDIGO Artigo DESIGNAÇÃO UN. QUANT. PREÇO (EUROS) UNIT. TOTAL 1 REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 Rede Exterior 1 1.1.1 Fornecimento

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência 504 Norte Novas Instalações Código do Projeto: 1566-12 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para

Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Anexo sobre o sistema de exaustão de gases queimados para Caldeira mural a gás AQUASTAR ZWC 4/8-3 MFA M ZSC 4-3 MFA M 6 70 63 897-00.O 6 70 63 87 PT (007/) OSW Índice Índice Indicações de segurança e esclarecimentos

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem 6302 2460 03/2001 PT Para os técnicos especializados Instruções de montagem Dispositivo de controlo do retorno DN 25 Solar-Temperaturdifferenzregler Relais Netz Tmax Leia cuidadosamente antes da montagem

Leia mais

CONCEITOS E DEFINIÇÕES

CONCEITOS E DEFINIÇÕES CONCEITOS E DEFINIÇÕES Patologia da Construção Anomalia Degradação Inoperacionalidade Envelhecimento Tempo de vida útil Sintoma Diagnóstico Reabilitação Estudo das anomalias das construções, dos seus elementos

Leia mais

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA >> SISTEMA HÍBRIDO CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO PROGRAMA SOLAR GOLD GUIA DE SELEÇÃO KITS SOLARES ZANTIA > PASSOS DA SELEÇÃO 1 PASS0

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P BEST 2 AVISOS O ar aspirado não deve ser canalizado por uma conduta já utilizada para evacuar fumos produzidos por aparelhos alimentados

Leia mais

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Vista de instalação de esgoto sob laje e shaft em edifício comercial (Fonte: www.suzuki.arq.br).

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS Regras para a concepção dos quadros ou painéis de contagem Elaboração: DPR Homologação: Edição: 2ª Emissão: Av. Urbano Duarte, 100 3030-215 Coimbra Tel.: 239002000

Leia mais

GAMA AMBICABOS CD26R02

GAMA AMBICABOS CD26R02 GAMA AMBICABOS ÍNDICE 1. Apresentação do Tubo... 3 2. Materiais e Plano de Inspecção e Ensaio de Recepção...3-4 3. Especificações Técnicas... 4-5 4. Acessórios... 6 5. Instalação / Utilização... 6 Data.

Leia mais

Capítulo 6. Conclusões e Desenvolvimentos Futuros Introdução Sumário e conclusões

Capítulo 6. Conclusões e Desenvolvimentos Futuros Introdução Sumário e conclusões Capítulo 6 Conclusões e Desenvolvimentos Futuros 6.1- Introdução... 6.2 6.2- Sumário e conclusões... 6.2 6.3- Perspectivas de desenvolvimentos futuros... 6.4 Capítulo 6 - Conclusões e Desenvolvimentos

Leia mais

Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções

Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções 1. INTRODUÇÃO - Relativo ao planejamento regional e urbano - Infra-estrutura: água, saneamento e energia - Representação

Leia mais

Recomendações de instalação em tubagens. TECH Pipe Section MT 4.0 TECH Pipe Section MT 4.1 Climpipe Section Alu2 Mantas TECH WIRED MAT

Recomendações de instalação em tubagens. TECH Pipe Section MT 4.0 TECH Pipe Section MT 4.1 Climpipe Section Alu2 Mantas TECH WIRED MAT Recomendações de instalação em tubagens TECH Pipe Section MT 4.0 TECH Pipe Section MT 4.1 Climpipe Section Alu2 Mantas TECH WIRED MAT INTRODUÇÃO O isolamento térmico trata de reduzir as elevadas perdas

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CONDIÇÕES PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Caixa d' água fria Respiro OESTE Reservatório térmico Radiação solar Retorno para os coletores Consumo SUL 20 20 NORTE

Leia mais

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água Qualinstal GT Água 04/12/2015 Eng. José Rabelo Filho Tema: Interpretação de projeto e execução (interpretação check-list) 1 Objetivo: Dar subsídios para uma Auditoria, com foco na execução Estágio das

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio Método de Gretener Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio INTRODUÇÃO Um método com estas características, ágil, de fácil aplicação e rápida utilização, tem que aglutinar muita

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questão 9 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho do Barreiro, a uma altitude de 15 m. Todos os vãos envidraçados serão constituídos por caixilharia

Leia mais

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações.

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Caleira Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Especificações técnicas do produto Caleiras 102 E 150 Condução de águas pluviais Tubo em PVC rígido Cor: cinza (existe ainda a possibilidade

Leia mais

Instruções de Utilização. Regulador de temperatura ambiente 24/5 (2) A~ com contacto inversor

Instruções de Utilização. Regulador de temperatura ambiente 24/5 (2) A~ com contacto inversor Instruções de Utilização Regulador de temperatura ambiente 24/5 (2) A~ com contacto inversor 0397.. Índice Instruções de Utilização Regulador de temperatura ambiente 24/5 (2) A~ com contacto inversor 2

Leia mais

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR 0 v1.0-030510 Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR APRESENTAÇÃO A Estação Elevatória é uma estação completa de recolha e elevação para águas carregadas pronta a ser instalada. É composta por um reservatório

Leia mais

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h)

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h) 6.8 RECUPERADORES DE CALOR UNIREC Recuperadores de calor monozona de elevada eficiência para instalações domésticas Concebidos para a renovação do ar no interior da habitação, minimizando as perdas energéticas,

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

PISOS e PAREDES RADIANTES

PISOS e PAREDES RADIANTES PISOS e PAREDES RADIANTES *Seguro *Estético *Saudável *Económico *Confortável PORTUGAL BOCKEMUEHL, LDA Apartado 32, Zona Industrial da Cooperativa 3240-217 Ansião Telefone : +351 236 670 110 Telefax :

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893)

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8893) Índice 1. Parâmetros... 3 2. Precauções... 4 3. Informação técnica... 5 3.1. Componentes... 5 3.2. Informação técnica... 5 4. Componentes e dimensões...

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO

MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO MEMÓRIA DESCRITIVA 1 - INTRODUÇÄO O presente estudo refere-se ao conjunto das infra-estruturas eléctricas, constituídas por rede de distribuição em Baixa Tensão e rede de Iluminação Publica, a levar a

Leia mais

T-FLUX-MDF. Manual de Instruções. CHAVE DE FLUXO Tipo Dispersão Térmica TECNOFLUID

T-FLUX-MDF. Manual de Instruções. CHAVE DE FLUXO Tipo Dispersão Térmica TECNOFLUID Português T-FLUX-MDF CHAVE DE FLUXO Tipo Dispersão Térmica Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das Questão 4 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho da Maia, a uma altitude de 126

Leia mais

Thermozone AR 200 A/E/W

Thermozone AR 200 A/E/W R Thermozone AR 00 A/E/W Ambiente, sem aquecimento 8 kw Aquecimento eléctrico Aquecimento a Larguras:,,5 e metros Thermozone AR 00 A/E/W Cortinas de ar para instalação embutida em portas até,5 metros de

Leia mais

Reação ao fogo de materiais e revestimentos

Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo é a forma como determinado material reage quando arde, ou seja a quantidade de calor e fumo que produz, se ao arder deita gotas incandescentes,

Leia mais

Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das

Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das Questão 1 Considere as plantas, alçados e cortes (à escala 1:100) bem como os pormenores construtivos (sem escala) anexos a este enunciado correspondentes a uma moradia a ser construída numa zona rural

Leia mais

Instruções de Utilização. Regulador de temperatura ambiente 24/10 (4) A~ com contacto NC e interruptor

Instruções de Utilização. Regulador de temperatura ambiente 24/10 (4) A~ com contacto NC e interruptor Instruções de Utilização Regulador de temperatura ambiente 24/10 (4) A~ com contacto NC e interruptor 0393.. Índice Instruções de Utilização Regulador de temperatura ambiente 24/10 (4) A~ com contacto

Leia mais

MOTORES ELÉCTRICOS. Cat Out / 11. Telef: Mail:

MOTORES ELÉCTRICOS. Cat Out / 11. Telef: Mail: MOTORES ELÉCTRICOS Cat 021 - Out 2015 1 / 11 Motores com rotor em gaiola de esquilo, fechados, com ventilação exterior. Esta série compreende 16 alturas de veios: de 56 a 355mm. Isolamento classe "F",

Leia mais

3. Redes - Aéreas de BT

3. Redes - Aéreas de BT 3. Redes - Aéreas de BT As redes de distribuição de baixa tensão, são constituídas por condutores isolados em feixe (torçadas), do tipo LXS ou XS. O sistema utilizado pela EDA é o sistema sem neutro tensor,

Leia mais

Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado. Improving Cabling Solutions

Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado.  Improving Cabling Solutions Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O interior

Leia mais

MATERIAIS A UTILIZAR*

MATERIAIS A UTILIZAR* MATERIAIS A UTILIZAR* INSTALAÇÃO DE TERMOACUMULADOR Torneira de esquadria (corte de alimentação ao termoacumulador) ** Parafusos de aço Inox com capacidade para suspender o termoacumulador cheio Buchas

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APLICAÇÃO DE ABRIGOS METÁLICOS E ABRIGOS EM ALVENARIA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-940-CPG-035 1 / 6 ESTA FOLHA

Leia mais

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA NOTA: 1 - Os fabricantes dos metais e louças sanitárias deverão ser participantes do Programa Brasileiro de Qualidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS SETOR DE GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA/OSCIP Marília/SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Rua Carlos Gomes, 167 Sala 64 Centro 17501-000 MARÍLIA/SP Fone/Fax:

Leia mais

Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes

Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes Ficha do Produto Edição 24/03/2014 Identificação 02 06 04 00 001 0 000015 Sika Unitherm - Top S Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes Descrição do Produto Sika Unitherm -Top

Leia mais

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco RENOVAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE LISBOA Reabilitação Conduta DN 600 - Barbadinhos - Monte Arco Instalação por entubamento Tubo DN500 PEAD PE100 SDR17 Actividades criticas do processo de reabilitação

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 442 11 de maio de 2012 Página 2 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 4 5. Características de fabrico...

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT 72,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1995 Emissão: EDP

Leia mais

INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS PROJECTO DE EXECUÇÃO AGOSTO / 2009 MAPA DE TRABALHOS

INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS PROJECTO DE EXECUÇÃO AGOSTO / 2009 MAPA DE TRABALHOS I CLUB HOUSE I.1 REDE EXTERIOR DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS 1 Tubagem e Acessórios 1.1 Fornecimento de tubagem em PVC-U 6kN/m 2 a instalar em vala, incluindo movimento de terras, do tipo "Sanecor"

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Marcação CE em colas para construção Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Conforme Requisitos Essenciais Resistência mecânica e estabilidade Segurança em caso de incêndio Higiene, saúde e ambiente

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

AULA 17 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. SANEAMENTO Aula 17 - Sumário. Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo

AULA 17 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. SANEAMENTO Aula 17 - Sumário. Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo SANEAMENTO Aula 17 - Sumário REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo Aula 17 [1] Mapa de nós Aula 17 [2] Redes de Distribuição / Mapas

Leia mais

PROJETO DE REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. Ampliação / Alteração de edifício industrial

PROJETO DE REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. Ampliação / Alteração de edifício industrial PROJETO DE REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Ampliação / Alteração de edifício industrial Rua Chã Rego Água, 41 - Cabouco Lagoa Açores Sicosta, Soc. Industrial de Carnes, Lda. Dezembro 2015 PROJETO DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO. Versão 0: Guia_Projetos_Loteamentos vf.docx_

ESPECIFICAÇÃO. Versão 0: Guia_Projetos_Loteamentos vf.docx_ GUIA TÉCNICO PARA DE LOTEAMENTOS Página 1 de 5 1 OBJETIVO Esta especificação tem como objetivo definir as normas para elaboração e constituição dos projetos de infraestruturas de abastecimento de água,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO 5º ANO / 2º SEMESTRE DO ANO LECTIVO 2007/2008

Leia mais

KOM II 400 KOM II 600 KOM II 800

KOM II 400 KOM II 600 KOM II 800 MANUAL DE INSTRUÇÕES Unidades de distribuição de ar quente KOM II 400 KOM II 600 KOM II 800 MUITO IMPORTANTE As unidades de distribuição de ar quente NUNCA podem estar desligadas quando o recuperador estiver

Leia mais

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR fabrico de termoacumuladores e bombas de calor www.termobrasa.com TERMOSSIFÃO FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR 45 Anos HISTÓRIA A Termobrasa foi criada em 1970 com o objetivo de fabricar

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Método de cálculo simplificado

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Método de cálculo simplificado ao fogo de lajes mistas aço-betão simplificado Objetivo do método de cálculo 3 Conteúdo da apresentação em situação de incêndio simplificado de lajes de betão reforçadas a 0 C Modelo da laje de pavimento

Leia mais