Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções"

Transcrição

1 Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções

2 1. INTRODUÇÃO - Relativo ao planejamento regional e urbano - Infra-estrutura: água, saneamento e energia - Representação gráfica: teoria das projeções geométricas planas aplicadas no desenho técnico - Desenho de instalações depende de projetos de Arquitetura e Engenharia Civil. - Planejamento da execução das obras de construção.

3 2. DESENHO DE INSTALAÇÕES: - sistemas básicos que satisfaçam as necessidades humanas - Tipos de instalações: sistemas elétricos; sistema de abastecimentos de água; sistema de esgoto sanitário; sistema de drenagem; sistema de comunicação; sistema de proteção de incêndio.

4 2. DESENHO DE INSTALAÇÕES: - Desenho arquitetônico definido com posicionamento real das área intimas (quartos e banhos) e comuns (sala, cozinha, área de serviço, lazer, etc) - Na fase de projeto: estudo de colocação das instalações e redução de custos. Esboço - Planta Baixa

5 2.1. CANALIZAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRIA - Alimentam os aparelhos sanitários (lavatório, chuveiro, vaso sanitário) das edificações, ligadas à rede geral de abastecimento de água da região onde esta está inserida. - As instalações prediais de água fria, para uso e consumo humano, regem-se pela NBR 5626:1998 Instalação predial de água fria (ABNT, 1998), que : fixa as condições exigíveis, a maneira e os critérios pelos quais devem ser projetadas as instalações prediais de água fria, para atender às exigências técnicas mínimas de higiene, segurança, economia e conforto dos usuários. CONSUMO E DIMENSIONAMENTO. - A capacidade total de reservação não pode ser inferior ao consumo diário, de acordo com a NBR 5626/82. - Estimado em torno de 250 litros por pessoa.

6 2.1. CANALIZAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRIA - Distribuição para edificação

7 2.1. CANALIZAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRIA - Na edificação Sistema direto A água provém diretamente da fonte de abastecimento. Desvantagens: irregularidade No abastecimento público e a variação da pressão ao longo do dia, causando problemas em aparelhos como chuveiros.

8 2.1. CANALIZAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRIA - Na edificação Sistema indireto A água provém de um ou mais reservatórios existentes no edifício

9 2.1. CANALIZAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRIA - Na edificação Sistema misto O sistema de distribuição misto é aquele no qual existe distribuição direta e indireta ao mesmo tempo,

10 TUBULAÇÕES E NORMAS - condução de bens e serviços via tubulações (água) - tubos em metal ou plástico para transporte de vapor, gases e líquidos em todos tipos de equipamentos. - Tubos têm comprimentos de até 6000 mm - conexões: usados para ligar e compor sistemas. Tipos de conexões (exemplo com roscas)

11 TUBULAÇÕES E NORMAS - Válvulas e registros - interrupção da passagem de gases e líquidos a) Registro de gaveta b) Registro macho, c) De retenção com esfera d) Globo e) Retenção com portinhola, f) Borboleta.

12 TUBULAÇÕES E NORMAS - Exemplo de montagem de um sistema de tubulações

13 TUBULAÇÕES E NORMAS - Norma ANSI Y para representação de tubulações

14 TUBULAÇÕES E NORMAS - Exemplo de montagem de um sistema de tubulações

15 2.1. CANALIZAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRIA - Exemplo de planta baixa com tubulações

16 APLICAÇÃO DE ÁGUA FRIA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Normas pertinentes é NSCI/94 Norma de Segurança Contra Incêndios e, NBR Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio. - NSCI (1994) estabelece que as edificações devem ser classificadas em função da ocupação, localização e da carga de fogo. Risco leve: que comportem carga de fogo média estimada menor do que 60 kg/m 2. Ex: Residencial, Pública, Escolar, Reunião de público, comercial e mista Risco médio: que comportem carga de fogo média estimada entre 60 e 120 Kg/m 2. Ex: Hospitalar-laboratorial, Garagens, Comercial, Industrial e mista Risco elevado: que comportem carga de fogo média estimada maior do que 120 Kg/m 2. Ex: Comercial, Industrial, mista e especiais Carga de Fogo: calculo realizado com o valor do poder calorífico (tabela 5.1) do material utilizado nas ocupações.

17 APLICAÇÃO DE ÁGUA FRIA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Obrigatoriedade do uso de extintores: independente do número de pavimentos ou da área total construída, será exigido Sistema Preventivo por extintores - O número mínimo de extintores necessários para um sistema preventivo, depende: - Do risco do incêndio - Da adequação do agente-extintor à classe de incêndio do local a proteger; - Da ocupação. - Area protegida conforme tabela 5.3:

18 APLICAÇÃO DE ÁGUA FRIA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Obrigatoriedade do uso de Sistema Hidráulico Preventivo : em edificações com 4 ou mais pavimentos ou área total construída igual ou superior a 750 m2. Canalizações: - A canalização do sistema poderá ser em tubo de ferro fundido ou galvanizado, aço preto ou cobre. - O diâmetro interno mínimo deve ser de 63 mm e o deverá suportar a pressão superior a 15 kg/cm 2. Mangueira: - As mangueiras devem ser flexíveis, de fibra resistente à umidade e com revestimento interno de borracha. (tabela 5.6) - Guardadas em nos abrigos, de modo a facilitar o seu emprego imediato.

19 APLICAÇÃO DE ÁGUA FRIA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Detalhe esquemático de um edifício com a canalização de incêndio Reservatório de água para hidrante Hidrante

20 2.2. CANALIZAÇÃO DE ÁGUA QUENTE E CONVENÇÕES - a instalação de água quente é, praticamente indispensável em qualquer prédio. - não há fornecimento público ou natural de água quente, ela deverá ser produzida dentro da edificação. - As exigências técnicas mínimas a serem atendidas pela instalação de água quente estão na norma NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente (ABNT, 1993). - a temperatura mínima com que a água quente deverá ser fornecida depende do uso a que se destina.

21 2.2. CANALIZAÇÃO DE ÁGUA QUENTE E CONVENÇÕES - Tipos de aquecedores - Sistema individual: água quente para um único aparelho ou no máximo, para aparelhos do mesmo ambiente - Sistema central privado a gás: água quente para todos os aparelhos de uma unidade residencial

22 2.2. CANALIZAÇÃO DE ÁGUA QUENTE E CONVENÇÕES - Tipos de aquecedores - Sistema central coletivo: produz água quente para todos os aparelhos ou unidades da edificação - Sistema de aquecimento com energia solar: Não é poluidora; é auto-suficiente; é completamente silenciosa; é uma fonte alternativa de energia; geralmente está disponível no local do consumo pelo uso de coletores solares.

23 2.2. CANALIZAÇÃO DE ÁGUA QUENTE E CONVENÇÕES - Sistema de aquecimento com energia solar:

24 2.2. CANALIZAÇÃO DE ÁGUA QUENTE E CONVENÇÕES - Exemplo de planta baixa com água quente e fria.

25 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS - canalizações e dispositivos destinados a coletar e afastar da edificação as águas servidas por fins higiênicos, encaminhando-as ao destino adequado. - Estas instalações regem-se pelas normas NBR-5688 e NBR-8160 de 1999; - o uso da gravidade é essencial em projeto de drenagem - adoção de tetos falsos para impedir a visualização da tubulação

26 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS Para projetar uma instalação de esgoto, é necessário saber: Localização dos diversos aparelhos sanitários Localização dos coletores públicos Trajetória a ser seguida pelas tubulações, a qual deve ser a mais curta e retilínea possível. As canalizações devem ser assentadas de forma a permitir reparos sem danos à estabilidade da construção, ou seja, não devem ser solidárias à estrutura e devem ser localizadas longe de reservatórios d água, locais de depósito ou preparo de gêneros alimentícios.

27 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS

28 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS Projeto de Esgoto (Fonte: Projeto de Conclusão de Curso Aluno IF/CEFET)

29 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS Projeto de Esgoto (Fonte: Projeto de Conclusão de Curso Aluno IF/CEFET)

30 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS Projeto de Esgoto (Fonte: Projeto de Conclusão de Curso Aluno IF/CEFET)

31 2.3. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E DOMÉSTICAS Projeto de Esgoto (Fonte: Projeto de Conclusão de Curso Aluno IF/CEFET)

32 2.4. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS - Recolhimento de águas de chuvas - Uso de calhas que recebe a água que caem em coberturas e dutos e declives dirige-a para o nível mais baixo. - dutos externos e embutidos. calha duto

33 2.4. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS - Exemplo de planta baixa com rede de drenagem

34 2.4. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS - Exemplo de planta baixa no ambiente da cozinha

35 2.4. CANALIZAÇÕES DE DRENAGEM DOMÉSTICA E PLUVIAL - Detalhe da caixa de gordura vem da cozinha sai para rede

36 2.5. DESENHO DE INSTALAÇÕES EM PERSPECTIVA - Quantidade de pisos - Existência de muitas derivações - Mais de uma coluna de abastecimento ou prumada - Faz-se o uso de perpsectiva isométrica da rede de água, chama-se kit de montagem - Kit de montagem quantificação de dispositivos e acessórios.

37 REFERÊNCIAS NBR 5626:1998 Instalação predial de água fria. Rio de Janeiro: ABNT, 1998 NBR 7198:1993 Projeto e execução de instalações prediais de água quente. Rio de Janeiro: ABNT, NBR Sistemas prediais de água pluvial, esgoto sanitário e ventilação - Tubos e conexões de PVC, tipo DN Requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 1999 NBR Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e execução. Rio de Janeiro: ABNT, 1999 FRENCH, Thomas; VERCK, Charles J. Desenho Técnico e Tecnologia Gráfica. 8a. Ed. São Paulo: Globo, p SILVA, Arlindo; RIBEIRO, Carlos T.; DIAS, J.; SOUZA, Luiz. Desenho Técnico Moderno. 4a. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006, 475p Google Imagens INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS - Universidade Federal de Sergipe - UFS Departamento de Engenharia Civil Material de Curso Disponível em: Acessado em 15/06/10 INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS - Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Material de Curso Disponível em: Acessado em 15/06/10 NSCI/94 Norma de Segurança Contra Incêndios, Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, Disponível em Acessado em 15/06/10 NBR Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio. Rio de Janeiro: ABNT 2003

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição PARTE I INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS 1 ÁGUA FRIA Entrada e fornecimento de água fria Compartimento que abriga o cavalete Medição de água

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: INSTALAÇÕES PREDIAIS HIDRÁULICO-SANITÁRIAS CÓDIGO: EHR031 CLASSIFICAÇÃO: OBRIGATORIA PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA:

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro.

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro. MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Obra: CONSTRUÇÃO DO POSTO DE SAÚDE FENACHAMP End.: Rua Campo Experimental, 190 - Bairro São Miguel Garibaldi DESCRIMINAÇÕES: A construção desta unidade de saúde

Leia mais

Instalações prediais de esgotos sanitários

Instalações prediais de esgotos sanitários Instalações prediais de esgotos sanitários Esgotos sanitários Objetivos de uma instalação de esgotos sanitários: Coletar e afastar da edificação os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Instalações em Edifícios II

Instalações em Edifícios II UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA ESCOLA SUPERIOR TÉCNICA Instalações em Edifícios II Instalações Predias de Esgotos Sanitários 1 Índice 1. Esgotamento de Águas Residuais 1.1. Componentes do Sistema de Esgoto 1.1.

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Gás natural É composto por uma mistura

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência 504 Norte Novas Instalações Código do Projeto: 1566-12 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL ABRIGO DE GÁS DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 CÓDIGO ABR GLP Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a instalação que utiliza o gás GLP em botijão

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

Instalações Prediais Aula 2

Instalações Prediais Aula 2 Instalações Prediais Aula 2 Prof. Dr. Alexandre Marques Buttler Identificação Curso: Engenharia Civil Carga horária: 2 h/aula Ano letivo: 2011 Aula teórica: sexta (19:20 21:00) 2 CONTRATO DE TRABALHO Cll

Leia mais

PLANO DE ENSINO FICHA Nº 1 (permanente)

PLANO DE ENSINO FICHA Nº 1 (permanente) PLANO DE ENSINO FICHA Nº 1 (permanente) Disciplina: Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários Código: TH030 Natureza: ( X ) obrigatória ( ) optativa (X) Semestral ( ) Anual ( ) Modular Modalidade: ( X )

Leia mais

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA NOTA: 1 - Os fabricantes dos metais e louças sanitárias deverão ser participantes do Programa Brasileiro de Qualidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Uma linha completa de tubos e conexões idealizados para cada ambiente da sua obra. SEGURANÇA E ECONOMIA PARA SUA OBRA

Uma linha completa de tubos e conexões idealizados para cada ambiente da sua obra.  SEGURANÇA E ECONOMIA PARA SUA OBRA Uma linha completa de tubos e conexões idealizados para cada ambiente da sua obra. www.hidraulicapotenza.com.br Nosso negócio é fazer o seu projeto fluir. Somos um dos mais renomados grupos especializados

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO AULA 5 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO PROF. ELAINE GARRIDO VAZQUEZ elaine@poli.ufrj.br MONITORA: Thais Hartmann Viégas thaishv@poli.ufrj.br PLANO DE ESTUDOS Data Semana

Leia mais

Anexo IV - ESCOPO DO PROJETO COMPLETO DE EDIFICAÇÕES

Anexo IV - ESCOPO DO PROJETO COMPLETO DE EDIFICAÇÕES 1 Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - SMDU TERRITÓRIOS CEU PLANILHA DE ESCOPO PROJETO EDIFICAÇÕES Produto 1 Plano de Trabalho e Relatório de Viabilidade

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria) Projeto Prevenção de Incêndio TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS

Leia mais

POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO

POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO Energia Solar Energia térmica A baixa temperatura (até 100 o C) A média temperatura (até 1000 o C) Aquecimento de ambientes aquecimento de água Condicionamento de ar refrigeração

Leia mais

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS 1.1- FUNDAÇÕES Blocos em concreto simples 0.45mx0,40mx0,24m 1.4- COBERTURA Em telhas recicladas de tetra pack e alumínio. Uma cobertura ecologicamente

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS REDES PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Noções Básicas

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015 Biblioteca Educa Campus Educa Materiais Projetos Hidro-sanitário e Prevenção e Combate a Incêndio Lista de materiais do Térreo Esgoto - Caixas de Passagem Caixa de areia pluvial com grelha CAG- 60x60cm

Leia mais

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Vista de instalação de esgoto sob laje e shaft em edifício comercial (Fonte: www.suzuki.arq.br).

Leia mais

Dimensionamento - Sistema Predial de água Fria. Instalações Hidrossanitárias Profª Bárbara Silvéria

Dimensionamento - Sistema Predial de água Fria. Instalações Hidrossanitárias Profª Bárbara Silvéria Dimensionamento - Sistema Predial de água Fria Instalações Hidrossanitárias Profª Bárbara Silvéria Estimativa de Consumo Diário (CD) Estimativa de Consumo Diário (CD) Prédios de até 2 pavimentos não necessitam

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO 1. Consumo Predial Para fins de cálculo do consumo diário, não havendo outras indicações, deve-se considerar as seguintes taxas de consumo (extraído

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 2 Instalações de água quente Generalidades As instalações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

INSTALAÇÃO DE KIT S DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÃO DE KIT S DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE KIT S DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LOTE 2 Versão: 001 Vigência: 12/2014 GRUPO

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL MANANCIAL É toda fonte de água utilizada

Leia mais

Adaptador Storz 2 1/2''

Adaptador Storz 2 1/2'' Adaptador Storz /'' Adaptador Storz /'' Entrada: Rosca fêmea NBR 5667 5 FPP Saída: Engate rápido Storz /'' NBR 60 /'' x /'' Storz ABNT NBR 9 / 60 rmitir o fluxo ver tendência ui passagem Utilizado na Saída

Leia mais

(atualizada em 11/2006) NBR 5667-1:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Parte 1 - Hidrantes de Coluna NBR 5667-2:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro dúctil - Parte 2 - Hidrantes

Leia mais

COMO OBTER UMA LIGAÇÃO DE ESGOTO DOMÉSTICO

COMO OBTER UMA LIGAÇÃO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMO OBTER UMA LIGAÇÃO DE ESGOTO DOMÉSTICO Este documento tem como objetivo orientar os nossos clientes/requerentes quanto aos procedimentos a serem seguidos para a solicitação de ligação de esgoto em

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Fria (Parte 2)

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Fria (Parte 2) Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Fria (Parte 2) Critérios para Dimensionamento Consumo máximo possível das Tubulações Este critério se baseia na hipótese do uso simultâneo de todas as peças de utilização

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Agosto - 2016 1 Projeto de Arquitetura: Introdução 1.1 Introdução O início da concepção do projeto arquitetônico

Leia mais

Casa na rua 3, n.361 Loteamento Praia de Itamambuca

Casa na rua 3, n.361 Loteamento Praia de Itamambuca 1. Apresentação Casa na rua 3, n.361 Loteamento Praia de Itamambuca Memorial Descritivo Casa a 350m da praia, com dois pavimentos, três suítes, mezanino, sala de estar, varanda social, lavabo, cozinha,

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais

Barra de Apoio cromada L=90cm, BWC para deficientes fornecimento e instalação.

Barra de Apoio cromada L=90cm, BWC para deficientes fornecimento e instalação. No item 1.5.1.1 do presente edital é referenciado adequação a NBR 9050 da ABNT como padronização no uso dos metais sanitário específicos a acessibilidade. De acordo com as especificações técnicas dos itens

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE COORDENAÇÃO DE MANUTENÇÃO SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE COORDENAÇÃO DE MANUTENÇÃO SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS Instruções de preenchimento: AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE Para preenchimento desta ficha, sugere-se a participação das equipes Comercial, de Manutenção, de TI, de Meio ambiente, de Operações

Leia mais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais Obras de Grande Porte 1 Aplicação Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais 2 Onde pode ser aplicado? Hotéis Aplicação 3 Onde pode ser aplicado? Motéis Aplicação 4 Onde pode ser aplicado? Hospitais

Leia mais

Reservatórios de Distribuição de Água

Reservatórios de Distribuição de Água UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Reservatórios de Distribuição de Água Disciplina: Saneamento Prof. Carlos Eduardo F Mello e-mail: cefmello@gmail.com Foto: Reservatórios

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CONDIÇÕES PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Caixa d' água fria Respiro OESTE Reservatório térmico Radiação solar Retorno para os coletores Consumo SUL 20 20 NORTE

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 25 Sistema Predial de Águas Pluviais Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de águas pluviais

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

STF ASSESSORIA & CONSULTORIA S/C LTDA

STF ASSESSORIA & CONSULTORIA S/C LTDA São Paulo, 03 de julho de 2014. À SKR Empreendimento: JURUCÊ. A/C Carolina Barbosa C/C aos demais projetistas. Ref. 1º Relatório de análise dos sistemas passivos e ativos de prevenção e combate a incêndio

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 13 Sistema Predial de Água Quente: Energia Solar e Aquecimento a Gás Profª Heloise G. Knapik 1 Energia

Leia mais

Sistema PEX AULA O que é o sistema PEX

Sistema PEX AULA O que é o sistema PEX AULA 12 Sistema PEX 1. O que é o sistema PEX É um sistema predial de instalações hidráulicas composto por tubos flexíveis que pode ser utilizado tanto para água fria quanto para água quente com conceito

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM PEX (tubos e conexões) SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM PEX (tubos e conexões) SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM PEX (tubos e conexões) LOTE 1 Versão: 002 Vigência: 06/2015

Leia mais

NOSSA TECNOLOGIA É A SUA SEGURANÇA METALCASTY

NOSSA TECNOLOGIA É A SUA SEGURANÇA METALCASTY WWW.METALCASTY.COM.BR NOSSA TECNOLOGIA É A SUA SEGURANÇA METALCASTY MANGUEIRAS FLEXCASTY 100% NACIONAL CONHEÇA A LINHA DE MANGUEIRAS FLEXCASTY COM A QUALIDADE QUE VOCÊ JÁ CONHECE SAIBA MAIS. ACESSE NOSSO

Leia mais

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água Qualinstal GT Água 04/12/2015 Eng. José Rabelo Filho Tema: Interpretação de projeto e execução (interpretação check-list) 1 Objetivo: Dar subsídios para uma Auditoria, com foco na execução Estágio das

Leia mais

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL Utilização Instalação Dados técnicos Importante Não instale e não use o seu Aquecedor Solar Soletrol antes de ler este manual. Edição 10/2002 APRESENTAÇÃO PARABÉNS!

Leia mais

AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO

AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO Foco: AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO INSTALAÇÕES DE GÁS Gás Natural Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) A inspeção de autovistoria em edificações

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas Unidade I: pluviais 0 Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas pluviais 1.1 Terminologia Área de contribuição: é a área somada

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

Planilha Orçamentária Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02%

Planilha Orçamentária Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02% 020000 Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02% 020200 Container 020202 CPOS Container alojamento - mínimo 9,20 m² unxmês 2,00 253,33 2,24 511,14 0,069% 020204 CPOS Container sanitário - mínimo

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO)

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) 1.20. Quebrador de vácuo Dispositivo destinado a evitar o refluxo por sucção da água

Leia mais

RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014

RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014 CURSO DE INSTALAÇÕES DE GÁS RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014 Gás Natural Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Considerações gerais objetivando à uma inspeção de segurança

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 34/2011 Hidrante urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS A Apolo Tubos e Equipamentos S.A, fundada em 1938 na cidade do Rio de janeiro, foi a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro. Pioneira no Brasil na fabricação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CONTAGEM

CÂMARA MUNICIPAL DE CONTAGEM P R O M U L G A Ç Ã O D E L E I Faço saber que a Câmara Municipal de Contagem aprovou e eu promulgo e faço publicar, nos termos do 8º do art. 80 da Lei Orgânica do Município de Contagem, de 20 de março

Leia mais

ACUMULADORES DE ÁGUA FRESCA FS/1R

ACUMULADORES DE ÁGUA FRESCA FS/1R DESCRIÇÃO DO PRODUTO FS/1R Acumulador solar de água fresca com um registo Acumulador combinado simples em aço (S 235 JR), para o modo de aquecimento e a preparação da água de serviço, em conjunto com uma

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão parâmetros de cálculo 4. Velocidade Velocidade é distância percorrida por unidade de tempo. A unidade usual é m/s. Uma maneira de entender a velocidade da água na tubulação é imaginar uma partícula de

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

Bombas pressurizadoras Bosch. Seu banho sempre com a pressão de água ideal.

Bombas pressurizadoras Bosch. Seu banho sempre com a pressão de água ideal. Bombas pressurizadoras Bosch. Seu banho sempre com a pressão de água ideal. www.bosch.com.br/termotecnologia 2 Bombas pressurizadoras com fluxostato Seu banho sempre com a pressão de água ideal PB-88 PB-135

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial INTRODUÇÃO A água da chuva causa danos: à durabilidade das construções; à boa aparência das construções. A água de chuva deve ser coletada e transportada

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES 1. ALTURA DE SUCÇÃO (AS) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. 2. ALTURA DE RECALQUE (AR)

Leia mais

Adaptador Storz 2 1/2''

Adaptador Storz 2 1/2'' Adaptador Storz /'' Adaptador Storz /'' Entrada: Rosca fêmea NR 5667 5 FPP Saída: Engate rápido Storz /'' NR 60 /'' x /'' Storz ANT NR 9 / 60 rmitir o fluxo ver tendência ui passagem Utilizado na Saída

Leia mais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais 1 / 25 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI`S 6. PROCEDIMENTOS E MÉTODOS DE EXECUÇÃO 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 8. LOCAIS PARA INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO DAS

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário INTRODUÇÃO Prezado Cliente, Este Manual do Proprietário foi elaborada com a finalidade de transmitir, no momento da compra de seu imóvel, todas as informações referentes a sua unidade,

Leia mais

ESTUDOS DE CASO. Análise de Consumo de Água: Condomínio nio Residencial em Florianópolis. Marina Vasconcelos Santana Orientação: Enedir Ghisi

ESTUDOS DE CASO. Análise de Consumo de Água: Condomínio nio Residencial em Florianópolis. Marina Vasconcelos Santana Orientação: Enedir Ghisi ESTUDOS DE CASO Análise de Consumo de Água: Condomínio nio Residencial em Florianópolis Marina Vasconcelos Santana Orientação: Enedir Ghisi Introdução Uso irracional dos recursos naturais Preocupação mundial

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistemas prediais de esgoto

Leia mais

Hidrante Consultoria e Projetos (62) Projetando Instalações Prediais de Combate a Incêndio CONCEITOS E APLICAÇÃO

Hidrante Consultoria e Projetos  (62) Projetando Instalações Prediais de Combate a Incêndio CONCEITOS E APLICAÇÃO Hidrante Consultoria e Projetos www.hidrante.com.br (62) 3251-0220 Projetando Instalações Prediais de Combate a Incêndio CONCEITOS E APLICAÇÃO Apresentação Flávio Eduardo Rios Engenheiro Civil desde 1979

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

ANÁLISE DE PERDAS EM ESCOAMENTOS DENTRO DE

ANÁLISE DE PERDAS EM ESCOAMENTOS DENTRO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br ANÁLISE DE PERDAS EM ESCOAMENTOS DENTRO DE TUBULAÇÕES

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 582148 - Canalizador/a Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia (UC) Designação 1 Executar

Leia mais

INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO

INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO Dados Gerais do Empreendimento: - Localização: Rua Ogê Fortkamp, Trindade, Florianópolis/SC; - Projeto aprovado nº 55.682 em 12/09/2007, substituído em 08/12/09, e alvará de

Leia mais

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades CÓDIGO Artigo DESIGNAÇÃO UN. QUANT. PREÇO (EUROS) UNIT. TOTAL 1 REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 Rede Exterior 1 1.1.1 Fornecimento

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008 Bombas Hidráulicas Nelson R. Amanthea Jun2008 Objetivos Introdução Máquinas Hidráulicas Bombas Hidráulicas Recalque Sistemas de Bombeamento Denominação o Deslocamento Direto o Cinéticas Bombas Centrífugas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Alvorada do Oeste

Prefeitura Municipal de Alvorada do Oeste 3.0 ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇOS HIDROSSANITÁRIOS 3.1 TUBULAÇÃO PARA ESGOTO 3.1.1 TUBO PVC ESGOTO JS PREDIAL DN 40 MM 3.1.2 TUBO PVC ESGOTO JS PREDIAL DN 50 MM 3.1.3 TUBO PVC ESGOTO JS PREDIAL DN 100 MM

Leia mais

PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A

PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, S.A. Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES... ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 2.1 TARIFA MÍNIMA... 3 TARIFAÇÃO... 3 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO... 4 2.4 TARIFA SOCIAL...

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2 Versão: 003 Vigência: 12/2014 GRUPO INSTALAÇÕES DE REGISTROS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA CURSOS QUE ATENDE Engenharia Civil IDENTIFICAÇÃO DEPARTAMENTO

Leia mais

INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência:

Leia mais

ACUMULADORES DE CAMADAS PRO-HEAT

ACUMULADORES DE CAMADAS PRO-HEAT ACUMULADOES DE CAMADAS PO-HEAT DESCIÇÃO DO PODUTO DADOS TÉCNICOS Acumulador de camadas Pro-Heat com conexão do permutador de esfera Acumulador de camadas de alta qualidade, em aço (S 235 J), para o modo

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA Página: 1 Data de Criação: 22/03/2004 Período Início: 2004/01 Horas Aula Teórica: 68 Prática: 0 ExtraClasse: 0 Carga Horária:68 Número de Créditos: 4 Sistema de Aprovação: Aprovação por Média/Freqüência

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS SETOR DE GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA/OSCIP Marília/SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Rua Carlos Gomes, 167 Sala 64 Centro 17501-000 MARÍLIA/SP Fone/Fax:

Leia mais

Residencial. Mona Lisa CRECI 17429J

Residencial. Mona Lisa CRECI 17429J APARTAMENTO TIPO Planta Apartamento TIPO 1 Dormitórios 45,52 m² área útil privativa + vaga Planta Apartamentos com 2 Dormitórios (2º dormitório reversível) por conta do comprador Schultzer de Camargo Valter

Leia mais

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por:

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016 Errata 01 1. No item 6.2.2 da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: 6.2.2 O recurso de 1ª instância deverá ser encaminhado à AAT ou

Leia mais

TABELA 1. Valores adotados na PNB 591 da rugosidade absoluta ( ), em mm para tubos usuais. Tipos de condutos

TABELA 1. Valores adotados na PNB 591 da rugosidade absoluta ( ), em mm para tubos usuais. Tipos de condutos TABELA 1. Valores adotados na PNB 591 da rugosidade absoluta ( ), em mm para tubos usuais. Tipos de condutos (mm) Mín Uso Máx 1. Tubo de alumínio - 0,06-2. Tubo de aço: juntas soldadas e interior contínuo

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 288

Norma Técnica Sabesp NTS 288 Norma Técnica Sabesp NTS 288 Cavalete múltiplo Manutenção - Ligação de Água (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m 3 /h ou 3,0 m 3 /h) Especificação São Paulo Junho 201: revisão 1 NTS 288:201 Norma Técnica Sabesp

Leia mais

Ao proporcionar esse tipo de informação a COMGÁS reafirma o seu compromisso com a segurança e a qualidade das instalações de gás.

Ao proporcionar esse tipo de informação a COMGÁS reafirma o seu compromisso com a segurança e a qualidade das instalações de gás. Março / 2014 Introdução Muito além do que fornecer o gás natural aos seus clientes, a COMGÁS se preocupa em oferecer orientação sobre os procedimentos para projeto e execução das instalações internas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais