INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014"

Transcrição

1 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014

2 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

3 Gás natural É composto por uma mistura de gases que se formaram a partir de restos fósseis de plantas e animais. O principal ingrediente é o metano (aprox. 90%), contendo ainda Etano (8%), Propano (1,5%) e outros gases em quantidades menores.

4 O gás metano é um gás incolor e inodoro, ou seja, sem cor e sem cheiro, que é amplamente encontrada na natureza. É produzido pela decomposição de materiais orgânicos, tais como madeira ou animais mortos. O abastecimento de gás natural é feito através de uma rede pública de canalizações.

5

6

7 O gás natural é um produto incolor e inodoro, não tem cheiro e é mais leve que o ar.

8 botijões de 13 kg IFRN Sistemas Prediais de Segurança Gás liquefeito de Petróleo (GLP) É extraído do petróleo e tem a característica de ficar sempre em estado líquido quando submetido a altas pressões, sendo por isto chamado de gás liqüefeito de petróleo (GLP). É armazenado em botijões ou cilindros, fabricados com chapa de aço capazes de suportar altas pressões. botijas de 2 kg

9 Gás liquefeito de Petróleo (GLP) O GLP é o nome que damos a uma mistura de propano (50%) e butano (50%), também chamado de gás de cozinha. recipiente especial de 20 kg 45 kg 90 kg

10 Gás liquefeito de Petróleo (GLP) O gás de cozinha é geralmente associado ao desprendimento de um forte odor, entretanto, uma característica marcante do GLP é não possuir cor, nem cheiro próprio. No entanto, por motivo de segurança, uma substância do grupo Mercaptan é adicionada ao GLP ainda nas refinarias. Ela produz o cheiro característico quando há um vazamento de gás. O GLP não é uma substância tóxica, porém se inalado em grande quantidade, produz efeito anestésico 1. 1 ATKINS, Peter; JONES, Loreta; Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente, Porto Alegre: Bookman, 2001.

11

12

13 As Instalações Prediais de Gás Liquefeito de Petróleo, também conhecidas como centrais de GLP, são áreas devidamente delimitadas que contêm os recipientes e acessórios, tubulações e equipamentos destinados ao armazenamento e condução do gás para consumo da própria edificação.

14 ELEMENTOS DO SISTEMA DE GÁS Central de gás Sistema de distribuição; Reguladores de pressão; Medidores de vazão; Pontos de consumo.

15 Central de gás. Área devidamente delimitada que contém os recipientes transportáveis ou estacionário(s) e acessórios, destinados ao armazenamento de GLP para consumo da própria instalação, conforme descrito na NBR

16

17 Rede de distribuição interna Conjunto de tubulações e acessórios situada dentro do limite da propriedade dos consumidores, após o regulador de pressão de primeiro estágio ou estágio único, para GLP, e após o regulador de pressão e na inexistência do mesmo após o limite de propriedade dos consumidores, para GN. Tubos de aço preto ou galvanizado; Tubos de cobre; Tubos de latão; Mangueiras flexíveis de PVC.

18

19

20 Reguladores de pressão. Reduzem a pressão do gás que se encontra dentro dos botijões para os níveis necessários aos aparelhos de queima. Também controla a vazão do gás, mantendo-a constante e nos níveis adequados ao funcionamento dos aparelhos.

21

22

23 Reguladores de pressão. Os tipos de reguladores se diferenciam pela relação entre a pressão de entrada e a de saída; O regulador de 1 estágio reduz a pressão do vasilhame para uma pressão intermediária; O de 2 estágio completa essa redução até os níveis necessários ao funcionamento dos aparelhos.

24 OPSO = OVER PRESSURE SHUT-OFF - Interrompe o fluxo de gás a partir de um valor superior ao permitido para a pressão de saída máxima.

25 Medidores de vazão Aparelho destinado à medição do consumo de gás.

26

27

28

29 SISTEMA DE GÁS COM MEDIÇÃO NO ANDAR

30 SISTEMA DE GÁS COM MEDIÇÃO NO TÉRREO

31 SISTEMA DE GÁS COM MEDIÇÃO NO ANDAR

32

33 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo 1º - O afastamento mínimo entre a central de gás e a projeção horizontal da edificação, deverá atender aos critérios abaixo: I - até 540 Kg... 0,00 m; II - de 540 a 1080 Kg... 1,50 m; III - de 1080 a 2520 Kg...5,00 m; IV - acima de 2520 Kg... 15,00 m.

34 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo 2º - Os registros (válvula de 2º estágio), bem como os medidores de gás, deverão ser instalados nas áreas comuns e possuir ventilação natural;

35 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo 6º - Deverá dispor de sinalização com a inscrição: PERIGO INFLAMÁVEL e PROIBIDO FUMAR em tamanho visível;

36 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo 8º - Quando localizados junto a garagens, deverá ser prevista mureta de proteção contra abalroamento e/ou contato com os escapamentos, com altura não inferior a 60 cm, e afastada l,00 metro dos recipientes; 10 - A prevenção contra incêndio far-se-á: I - utilizando-se extintor(es) de PQ, com 12 Kg para centrais com 450 Kg de GLP, acrescendo-se 04 Kg de pó químico para cada acréscimo de noventa (90 Kg) de GLP;

37 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo 11 - A construção do abrigo dos cilindros observará aos seguintes critérios: I - a central será executada com paredes incombustíveis e cobertura em laje maciça de concreto armado; II - o teto não terá altura inferior à altura dos recipientes acrescida de 60 cm;

38 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo III - será instalada na parte externa das edificações, em locais protegidos do trânsito de veículos ou pedestres, mas de fácil acesso, em caso de emergência; VI - os recipientes serão assentados em piso de concreto em nível igual ou superior ao piso circundante, em locais não sujeitos a temperaturas excessivamente altas ou ao acúmulo de águas de qualquer origem;

39 Seção XV Central de Gás Liquefeito de Petróleo 13 - Não será aceito nos prédios com Central de G.L.P, o uso individual de botijões nos apartamentos por parte dos condôminos, excluindo-se desta forma do consumo coletivo; 14 - Para o cálculo da capacidade instalada, com fins a exigência da central, deverá se considerar um mínimo de 26 Kg de G LP por ponto consumidor;

40

41

42

43

44

NORMA TÉCNICA Nº 005/2000-CBMDF

NORMA TÉCNICA Nº 005/2000-CBMDF NORMA TÉCNICA Nº 005/2000-CBMDF Central Predial de Gás Liquefeito de Petróleo 1. Objetivo 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer os tipos de edificações que devem possuir central de Gás Liquefeito

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL ABRIGO DE GÁS DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 CÓDIGO ABR GLP Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a instalação que utiliza o gás GLP em botijão

Leia mais

TABELA A NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS ( ) 20.1 Líquidos combustíveis.

TABELA A NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS ( ) 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS (120.000-3) Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 Publicação -D.O.U. 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora

Leia mais

ABNT NBR / Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008. CENTRAL DE Gás LP

ABNT NBR / Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008. CENTRAL DE Gás LP ABNT NBR 13523 / 2008 Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008 CENTRAL DE Gás LP CENTRAL DE GÁS LP O QUE É? ÁREA DESTINADA A CONTER OS RECIPIENTES DE ARMAZENAMENTO DO GLP PARA USO DA INSTALAÇÃO e os demais

Leia mais

AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO

AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO Foco: AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO INSTALAÇÕES DE GÁS Gás Natural Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) A inspeção de autovistoria em edificações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS 3 TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 3.1 Escolha das tipologias típicas das instalações de gás... 3.3 3.2 Tipologias típicas em edifícios residenciais... 3.3 3.2.1

Leia mais

NR 20 - NORMA REGULAMENTADORA 20

NR 20 - NORMA REGULAMENTADORA 20 NR 20 - NORMA REGULAMENTADORA 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito sta Norma Regulamentadora - NR fica finido "líquido combustível" como todo aquele que

Leia mais

NR 20 (SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ) Informações

NR 20 (SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ) Informações NR 20 (SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ) Informações NR-20 APRESENTAÇÃO DE INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA CONFORME A NR 20 (LÍQUIDOS E COMBUSTÍVEIS) Perigos e Riscos Características

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 29 Sistema Predial de Prevenção e Combate ao Incêndio Profª Heloise G. Knapik 1 Projetos e especificações

Leia mais

RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014

RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014 CURSO DE INSTALAÇÕES DE GÁS RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014 Gás Natural Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Considerações gerais objetivando à uma inspeção de segurança

Leia mais

Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial

Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial AGENDA DO DIA: Objetivo Apresentar boas práticas de instalação de gás combustíveis Equipamento de proteção individual e ferramentas

Leia mais

ABNT NBR Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP

ABNT NBR Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP ABNT NBR 15514 Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP OBJETIVOS Ao final dessa lição os participantes serão capazes de: Definir termos técnicos associados ao tema; Conhecer condições

Leia mais

ABNT NBR / 2008

ABNT NBR / 2008 ABNT NBR 13523 / 2008 Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008 CENTRAL DE GLP LEGISLAÇÃO Âmbito Federal : ANP 47 / 1999 Sistema de Abastecimento de GLP à granel ANP 18 / 2004 Especificação do GLP ANP 15/ 2005

Leia mais

GF Engenharia IT 21 - SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - Estado de São Paulo (em revisão)

GF Engenharia IT 21 - SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - Estado de São Paulo (em revisão) IT 21 IT 21 - SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - Estado de São Paulo (em revisão) SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO 3 Referências normativas 4 Definições

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 02 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil CONTEÚDO AULA RESERVATÓRIOS SUPERIOR INFERIOR RESERVAÇÃO DE ÁGUA FRIA CONSUMO DE

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/01

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/01 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/01 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS

Leia mais

Dimensionamento de gás

Dimensionamento de gás Dimensionamento de gás Considerações gerais Inicialmente, devemos escolher o tipo de sistema que será projetado para o edifício. Por se tratar de um edifício residencial de "pano de laje" de, aproximadamente,

Leia mais

Dimensionamento de G s

Dimensionamento de G s Dimensionamento de G s Considerações gerais Inicialmente, devemos escolher o tipo de sistema que será projetado para o edifício. Por se tratar de um edifício residencial de "pano de laje" de, aproximadamente,

Leia mais

ABNT NBR / Editada 11/08/08 Valida 11/09/08. CENTRAL DE Gás LP

ABNT NBR / Editada 11/08/08 Valida 11/09/08. CENTRAL DE Gás LP ABNT NBR 13523 / 2008 Editada 11/08/08 Valida 11/09/08 CENTRAL DE Gás LP CENTRAL DE GÁS LP O QUE É? ÁREA DESTINADA A CONTER OS RECIPIENTES DE ARMAZENAMENTO DO GLP PARA USO DA INSTALAÇÃO e os demais componentes

Leia mais

Tecnologias e inovações na extinção de incêndio. Nuno Azevedo

Tecnologias e inovações na extinção de incêndio. Nuno Azevedo Tecnologias e inovações na extinção de incêndio Nuno Azevedo Temas: 1- Classes de fogos; 2- Agentes Extintores; 3- Extintores portáteis; 4- Utilização de um extintor. 2 Classes de Fogo Para o estudo dos

Leia mais

NBR INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS PARA USO RESIDENCIAL. Carlos do Amaral C. Bratfisch (11)

NBR INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS PARA USO RESIDENCIAL. Carlos do Amaral C. Bratfisch (11) NBR 13103 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS PARA USO RESIDENCIAL Carlos do Amaral C. Bratfisch bratfisch@uol.com.br (11) 98346-5525 NBR 13103:2011 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS PARA USO RESIDENCIAL REQUISITOS

Leia mais

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Instalações de Gás Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Tipos de Gases: Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo)

Leia mais

Portaria n 27 de 16 de setembro de 1996

Portaria n 27 de 16 de setembro de 1996 Portaria n 27 de 16 de setembro de 1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O Diretor do Departamento nacional de Combustíveis,

Leia mais

ESTADO DA BAHIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 21/2017. Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

ESTADO DA BAHIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 21/2017. Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos ESTADO DA BAHIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 21/2017 Sistema de Proteção por Extintores

Leia mais

Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções

Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções 1. INTRODUÇÃO - Relativo ao planejamento regional e urbano - Infra-estrutura: água, saneamento e energia - Representação

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00016/ SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00016/ SRP 66 - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ARIDO/RN 153033 - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00016/015-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - CONJUNTO OXIGÊNIO

Leia mais

Prezado técnico talvez você nunca tenha visto o fenômeno abaixo: O nome da substância é «Oleina»

Prezado técnico talvez você nunca tenha visto o fenômeno abaixo: O nome da substância é «Oleina» INFORME TÉCNICO Prezado técnico talvez você nunca tenha visto o fenômeno abaixo: O nome da substância é «Oleina» SINTOMA NO REGULADOR SINTOMA NO AQUECEDOR 1. Vista do interior de regulador de gás com resíduo

Leia mais

Reguladores e mangueiras para uso em botijões de gás

Reguladores e mangueiras para uso em botijões de gás Reguladores e mangueiras para uso em botijões de gás 1. O que é regulador de pressão?...4 2. Como o regulador reduz a pressão?...6 3. O regulador de pressão tem prazo de validade?...6 4. Posso ajustar

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

Cópia impressa pelo Sistema CENWIN Cópia impressa pelo Sistema CENWIN

Cópia impressa pelo Sistema CENWIN Cópia impressa pelo Sistema CENWIN ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT 1995 NBR 13523 Central predial de gás liquefeito de petróleo Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS Descrição Unid. Qtde. Valor Unit. Valor total Valor Unit. Valor Total Máximo Máximo Proposto Proposto 1. Levantamentos e Relatórios 1.1 Levantamento Técnico dos aparelhos a gás (CENSO) em edificações residenciais

Leia mais

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS ( )

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS ( ) NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) 16.1. São consideradas s e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de trabalho

Leia mais

PORTARIA Nº 13 DE 23 DE ABRIL DE 2012

PORTARIA Nº 13 DE 23 DE ABRIL DE 2012 PORTARIA Nº 13 DE 23 DE ABRIL DE 2012 Aprova as modificações na Instrução Técnica 24 atendendo ao Decreto Estadual nº 44.746/08 Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 37/2011 Subestação elétrica SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação ANEXO Modelo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 Torna obrigatória a implantação de instalações de distribuição de gás combustível em edifícios de uso público. I RELATÓRIO A proposição em análise tem como objetivo tornar

Leia mais

MANUSEIO E COMERCIALIZAÇÃO DE GÁS LP EM RECIPIENTE TRANSPORTÁVEL

MANUSEIO E COMERCIALIZAÇÃO DE GÁS LP EM RECIPIENTE TRANSPORTÁVEL MANUSEIO E COMERCIALIZAÇÃO DE GÁS LP EM RECIPIENTE TRANSPORTÁVEL MATERIAL DIDÁTICO Termos de uso Este material é parte do treinamento de manuseio e comercialização de Gás LP em recipiente transportável

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS

CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS ÀS EDIFICAÇÕES PARA SE UTILIZAR DO PROJETO TÉCNICO SIMPLIFICADO QUEM ESTÁ DISPENSADO O Microempreendedor Individual (MEI) que exercer sua atividade tendo como local trabalho

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis

DOSSIÊ TÉCNICO. Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis DOSSIÊ TÉCNICO Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Indexadores: Combustível; Inflamável; Armazenamento; Tanque; Recipiente; Tambores São Paulo, 01 de Julho de 2016. 1. RESULTADO FORNECIDO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MODELO COMPLETO

MEMORIAL DESCRITIVO MODELO COMPLETO 1 ANEXO B ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEMORIAL DESCRITIVO MODELO COMPLETO Ocupação/Uso: Divisão: Descrição: Endereço: Finalidade: ( ) Aprovação ( ) Substituição ( ) Atualização Espaço reservado

Leia mais

NR 16 - Atividades e Operações Perigosas ( )

NR 16 - Atividades e Operações Perigosas ( ) NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de

Leia mais

Higiene e Segurança Industrial. Prof Ivan F. Bottger

Higiene e Segurança Industrial. Prof Ivan F. Bottger Higiene e Segurança Industrial Prof Ivan F. Bottger A análise preliminar de riscos (APR) baseia-se na técnica definida e usada pelos militares nos programas de segurança de seus sistemas. Muitas empresas

Leia mais

16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR.

16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Válvula estabilizadora e otimizadora

Válvula estabilizadora e otimizadora Tipo de Produto: Válvula estabilizadora e otimizadora Marca: GAZUL Nº Série: PROTOTIPO Categoria: --- Código Produto: --- Requerente: Devanir Gonçalves dos Reis Rua Padre Vitoriano Valente, 2347 Ibiporã

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XX, DE XX DE XXXXXXX DE 2011

RESOLUÇÃO Nº XX, DE XX DE XXXXXXX DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº XX, DE XX DE XXXXXXX DE 2011 O Diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP, no uso de suas atribuições,

Leia mais

HFC-227ea. Benefícios. Agente Extintor. HFC-227ea Nome Químico: Heptafluoropropane Conhecido comercialmente como: FM-200 / FE-227

HFC-227ea. Benefícios. Agente Extintor. HFC-227ea Nome Químico: Heptafluoropropane Conhecido comercialmente como: FM-200 / FE-227 O MELHOR AGENTE DE SUPRESSÃO DE CHAMAS INCÊNDIO ATINGE CENTRAL DE OPERADORA TELEFÔNICA E COMPROMETE O SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO E TELEFONIA MÓVEL. Notícia Portal Uol Agente Extintor HFC-227ea Benefícios Um

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 Universidade Federal de Alagoas Campus do Sertão Eixo de Tecnologia TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 Aula 10 Instalações Hidrossanitárias Prof. Alexandre Nascimento de Lima Delmiro Gouveia, outubro de

Leia mais

Proteção e Combate a Incêndios NR-20 e NR-23. Acadêmica: Regiane Ovando

Proteção e Combate a Incêndios NR-20 e NR-23. Acadêmica: Regiane Ovando Proteção e Combate a Incêndios NR-20 e NR-23 Acadêmica: Regiane Ovando Apresentação PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS NR-20 Líquidos Combustíveis e Inflamáveis NR-23 Proteção Contra Incêndios Introdução NR

Leia mais

GÁS NATURAL. A LINHA DA ECONOMIA.

GÁS NATURAL. A LINHA DA ECONOMIA. GÁS NATURAL. A LINHA DA ECONOMIA. Gás Natural. Invisível e essencial. O gás natural é o combustível fóssil mais limpo que existe. Com constituição semelhante à do petróleo, pode ser encontrado no subsolo

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/ Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/ Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 28/2011 Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

DODF Nº de janeiro de 2002 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 01/2002-CBMDF, DE 15 DE JANEIRO DE 2002

DODF Nº de janeiro de 2002 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 01/2002-CBMDF, DE 15 DE JANEIRO DE 2002 DODF Nº 012 17 de janeiro de 2002 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 01/2002-CBMDF, DE 15 DE JANEIRO DE 2002 Aprova a nova Norma Técnica nº 001/2002-CBMDF, que dispõe sobre as Exigências

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 25/2011 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis

Leia mais

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP O GLP é basicamente uma mistura de propano e butano e sua composição é função de disponibilidade dos gases nas refinarias.

Leia mais

13.0 INTRODUÇÃO Para a localização e a sinalização dos extintores deve se observar aos seguintes requisitos:

13.0 INTRODUÇÃO Para a localização e a sinalização dos extintores deve se observar aos seguintes requisitos: UNIDADE: 13 SINALIZAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DOS EXTINTORES 13. SINALIZAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DOS EXTINTORES: 13.0 INTRODUÇÃO Para a localização e a sinalização dos extintores deve se observar aos seguintes requisitos:

Leia mais

CNPJ: / INSC. ESTADUAL:

CNPJ: / INSC. ESTADUAL: ANEXO V Padrões Técnicos a serem obedecidos quando da elaboração do Projeto Hidráulico que permita a Medição Individualizada nas Unidades Usuárias de Condomínios Horizontais ou Verticais I Instalação do

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE GLP-Transporte e Armazenamento-Disposições RESOLUÇÃO ANP nº

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 2 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Chapa Bifeteira Modelos: CB60, CB80, CB100, CB120, CB60P, CB80P, CB100P, CB120P. Revisão 01 / Julho 2016 Página 1 Parabéns pela sua escolha! Os produtos Compact são fabricados seguindo

Leia mais

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim NBR 13103:2011 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos Eng Luiz Felipe Amorim Concentração de CO x tempo de aspiração Objetivos da Norma Aplicação da Norma Projetista x Norma Condições

Leia mais

Manual Técnico. Geradores de calor para sauna seca finlandesa. SOCALOR saunas

Manual Técnico. Geradores de calor para sauna seca finlandesa. SOCALOR saunas Manual Técnico Geradores de calor para sauna seca finlandesa Modelos SF a Lenha SF a Gás Atenção: Não instale este aparelho sem antes ler e seguir detalhadamente as instruções técnicas deste manual ÍNDICE

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 04 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil CONTEÚDO DA AULA PRESSÕES MÍNIMAS E MÁXIMAS PRESSÃO ESTÁTICA, DINÂMICA E DE SERVIÇO

Leia mais

PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS

PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS Aula 12: Instalações de Água Quente Prof. Miguel Gukovas Prof. Rodolfo S Martins Prof. Ronan Cleber Contrera PHD

Leia mais

INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL TÉCNICO

Leia mais

Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1

Biodigestores. Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1 Fontes alternativas de energia - Biodigestores 1 - Cenário A modernização do setor agrícola implica em: maior demanda de energia maior preocupação/legislação com relação aos aspectos sanitários Uma maior

Leia mais

(atualizada em 11/2006) NBR 5667-1:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Parte 1 - Hidrantes de Coluna NBR 5667-2:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro dúctil - Parte 2 - Hidrantes

Leia mais

NORMA TÉCNICA 28/2014

NORMA TÉCNICA 28/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 28/2014 GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) PARTE 1 MANIPULAÇÃO, UTILIZAÇÃO E CENTRAL DE GLP SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

Planilha Orçamentária Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02%

Planilha Orçamentária Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02% 020000 Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02% 020200 Container 020202 CPOS Container alojamento - mínimo 9,20 m² unxmês 2,00 253,33 2,24 511,14 0,069% 020204 CPOS Container sanitário - mínimo

Leia mais

Este informativo visa esclarecer a operação e finalidade do produto GASEG detector de concentração de gás produzido pela DITRONIC LTDA.

Este informativo visa esclarecer a operação e finalidade do produto GASEG detector de concentração de gás produzido pela DITRONIC LTDA. Ditronic Gaseg Detetor de Concentração de Gás Informações sobre o Produto 1. Descrição Geral Este informativo visa esclarecer a operação e finalidade do produto GASEG detector de concentração de gás produzido

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS PREVENÇÃO E COMBATE CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

INSTALAÇÕES PREDIAIS PREVENÇÃO E COMBATE CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO PREVENÇÃO E COMBATE CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1 ENG.ª M.Sc ELAINE SOUZA PREVENÇÃO E COMBATE CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. CONCEITOS GERAIS 2. ETAPAS DE PROJETO 3. NORMAS 4. SITE 5. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA 6.

Leia mais

Aula 01:Instalações Prediais- Esgotos Sanitários- Introdução. Professora: Msc. Maria Cleide Oliveira Lima

Aula 01:Instalações Prediais- Esgotos Sanitários- Introdução. Professora: Msc. Maria Cleide Oliveira Lima Aula 01:Instalações Prediais- Esgotos Sanitários- Introdução Professora: Msc. Maria Cleide Oliveira Lima E-mail: cleide.oliveira@ifrn.edu.br Introdução Introdução INTRODUÇÃO INSTALAÇÃO PREDIAL DE ESGOTO

Leia mais

CC-MD 22 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIASS E ADEQUAÇÃO DE REDE DE SPLINKLERS DOS LABORATÓRIOS

CC-MD 22 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIASS E ADEQUAÇÃO DE REDE DE SPLINKLERS DOS LABORATÓRIOS CC-MD 22 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIASS E ADEQUAÇÃO DE REDE DE SPLINKLERS DOS LABORATÓRIOS INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para o fornecimento de INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO Belém 2014 / Versão

Leia mais

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Composição O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Na natureza, ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, frequentemente acompanhad

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37. Subestação elétrica

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37. Subestação elétrica ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37 Subestação elétrica SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL - RIMA

RELATÓRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL - RIMA RELATÓRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL - RIMA EMPREENDIMENTO: PLENA GÁS - REVENDA DE GÁS GLP 1 OBJETO DO ESTUDO Nome do empreendimento: PLENA GÁS - Liquigás CNPJ: Em andamento Representante Legal: Paulo

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ CARBONATO DE SÓDIO (BARRILHA LEVE)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ CARBONATO DE SÓDIO (BARRILHA LEVE) FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ CARBONATO DE SÓDIO (BARRILHA LEVE) ELABORAÇÃO: 30/NOV/1999 ÚLTIMA REVISÃO: 02/OUT/2014 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E FORNECEDOR Nome do Produto:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 18/2015 LÍQUIDOS E GASES COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 1 REGRAS NO USO DO GÁS LIQUEFEITO DE

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS. para SAAC de até 15M³

GUIA DE BOAS PRÁTICAS. para SAAC de até 15M³ GUIA DE BOAS PRÁTICAS para SAAC de até 15M³ É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Não é permitida a comercialização. Esta publicação foi realizada pelo Sindicato

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL HSPC N.º 17/0010 PG ANEXO V

PREGÃO PRESENCIAL HSPC N.º 17/0010 PG ANEXO V PREGÃO PRESENCIAL HSPC N.º 17/0010 PG ANEXO V Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO FORNECIMENTO DE GÁS GLP À GRANEL PARA ATENDER AO HOTEL SESC PORTO CERCADO. TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO Destina-se,

Leia mais

Problema 1 Problema 2

Problema 1 Problema 2 1 Problema 1 7ª Edição Exercício: 2.42 / 8ª Edição Exercício: 1.44 A área da seção transversal da válvula do cilindro mostrado na figura abaixo é igual a 11cm 2. Determine a força necessária para abrir

Leia mais

AI Parâmetros Urbanísticos e Programa de necessidades

AI Parâmetros Urbanísticos e Programa de necessidades AI-1 2017-2 Parâmetros Urbanísticos e Programa de necessidades Parâmetros Urbanísticos: o Área de projeção máxima da(s) edificação(ões): 750,00m² o Área Total Edificada (áreas de uso fim e respectivas

Leia mais

IT - 19 SISTEMA DE RESFRIAMENTO PARA LIQUIDOS E GASES INFLAMAVEIS E COMBUSTIVEIS

IT - 19 SISTEMA DE RESFRIAMENTO PARA LIQUIDOS E GASES INFLAMAVEIS E COMBUSTIVEIS IT - 19 SISTEMA DE RESFRIAMENTO PARA LIQUIDOS E GASES INFLAMAVEIS E COMBUSTIVEIS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas e Bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

1

1 1 12.07.11 Seguradoras, Corretores e resseguradores. 12.08.11 Reunião técnica 1: Levantamento dos problemas e sugestões. 16.09.11 Reunião técnica 2. Desenvolvimento das sugestões. 17.10.11 Reunião técnica

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CARBONATO DE SÓDIO ANIDRO (BARRILHA)

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CARBONATO DE SÓDIO ANIDRO (BARRILHA) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Periculosidade NR 16, Lei 7.369/85 e seu Decreto /86

Periculosidade NR 16, Lei 7.369/85 e seu Decreto /86 Periculosidade NR 16, Lei 7.369/85 e seu Decreto 93.412/86 Disciplina: Segurança do Trabalho Professora: Elizabeth Spengler Cox de Moura Acadêmicos: Daniel Baldasso Rolón Daniel Humberto Carvalho Conceito

Leia mais

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO A Energia Eólica é a energia gerada pela ação dos ventos e o Exaustor Eólico FC ( Fábrica das Calhas), inteligentemente, aproveita este recurso da natureza, abundante e gratuito,

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas da ABNT e Dec. 9369/88

Leia mais

DECRETO Nº , DE 28 DE ABRIL DE 1997.

DECRETO Nº , DE 28 DE ABRIL DE 1997. Eng. Gerson Medeiros Fabrício CREA 89.100 1/6 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais Obras de Grande Porte 1 Aplicação Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais 2 Onde pode ser aplicado? Hotéis Aplicação 3 Onde pode ser aplicado? Motéis Aplicação 4 Onde pode ser aplicado? Hospitais

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR :2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR :2009 Nome do Produto: ANTIFUNGHI Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: ANTIFUNGHI Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara

Leia mais