Recomendações de instalação em tubagens. TECH Pipe Section MT 4.0 TECH Pipe Section MT 4.1 Climpipe Section Alu2 Mantas TECH WIRED MAT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendações de instalação em tubagens. TECH Pipe Section MT 4.0 TECH Pipe Section MT 4.1 Climpipe Section Alu2 Mantas TECH WIRED MAT"

Transcrição

1 Recomendações de instalação em tubagens TECH Pipe Section MT 4.0 TECH Pipe Section MT 4.1 Climpipe Section Alu2 Mantas TECH WIRED MAT

2 INTRODUÇÃO O isolamento térmico trata de reduzir as elevadas perdas térmicas através do fecho dos equipamentos, depósitos e tubagens, etc., que devido às solicitações mecânicas e/ou às elevadas temperaturas são construídos em materiais metálicos com elevadas condutividades térmicas. A redução do fluxo de calor conferida pelo isolamento pressupõe em primeiro lugar uma poupança significativa no que toca ao custo energético, mas também possibilita o correto desenvolvimento dos diferentes processos industriais. Outro fator importante a considerar como consequência da redução das fugas térmicas é o controlo de temperatura da superfície exterior (face fria), que pode pressupor um risco para as pessoas (queimaduras), assim como evitar a sua incidência sobre a temperatura ambiente, quando os equipamentos se situam em locais com presença de pessoas (manutenção ou outra atividade). Os materiais isolantes para esta aplicação apresentam-se sob a forma de mantas ou feltros e coquilhas, escolhendo-se em cada caso o mais idóneo de acordo com a temperatura de trabalho e a sua melhor adaptabilidade para a montagem, em função das características geométricas e dimensões das tubagens. Existe um elemento comum que deverá ser tido em conta em todo o tipo de montagens de isolamento sobre chapa metálica: a preparação da superfície a isolar. Esta tem de estar, na medida do possível, livre de humidades e de partículas soltas provenientes da montagem (rebarbas, restos de soldadura, terra, etc.). Caso se tratem de superfícies de aço-carbono, é conveniente também fazer com que se aplique previamente um tratamento anticorrosão adequado, tendo especial cuidado com os retentores ou zonas onde se preveja uma interrupção do isolamento e haja a possibilidade de presença de água ou humidades. Em seguida, referem-se os principais sistemas de montagem das lãs minerais em tubagens industriais. O corte praticado longitudinalmente na geratriz das coquilhas facilita a colocação das mesmas, assegurando a sua fixação com uma laçada de arame de aço macio galvanizado. 2

3 A temperatura do fluido e o diâmetro da tubagem permitem colocar as Coquilhas de capa dupla. A partir de uma temperatura superior a 200 ºC, o isolamento deve ser colocado em duas ou mais capas de cobre-juntas, quer utilizando duas Coquilhas ou uma Coquilha e uma ou várias mantas. Quando a temperatura quente for inferior a 250 ºC e a temperatura superficial do isolamento não superar os 80 ºC, pode considerar-se a utilização de cobre-tubagens. INSTALAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO EM TUBAGENS COM COQUILHAS A manta é cortada numa dimensão igual ao diâmetro exterior tubagem + dobro da espessura da manta e é colocada sobre a tubagem, cosendo os rebordos da manta pela malha, com arame de aço macio galvanizado. Para tubagens com um diâmetro superior a 250 mm, deve reforçar-se a fixação da manta com laçadas de arame, ou bandas de aço galvanizado com sistema de tensionamento. A partir de uma temperatura superior a 200 ºC, o isolamento deve ser colocado em duas ou mais capas de cobre-juntas. 3

4 INSTALAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO EM TUBAGENS COM MANTAS OU FELTROS Para o revestimento do isolamento pode utilizar-se chapa de alumínio de espessura segundo o diâmetro, chapa galvanizada ou lacada, e chapa de aço inoxidável. Para diâmetros de até mm, a chapa de revestimento é fixada nas juntas longitudinais e transversais, mediante parafusos de rosca chapa, apresentando-se os rebordos de junta transversal e um dos rebordos de junta longitudinal bordoados. Para diâmetros superiores, fixa-se uma bandagem de aço de 40 x 3 mm tensionada por porcas autoblocantes, intercalando uma junta isolante com a tubagem (feltro de lã cerâmica de 3 6 mm segundo temperatura de trabalho), que incorpora distanciadores em Z de 40 x 3 mm, soldados a platina. Sobre os distanciadores é fixada uma platina exterior de 30x3 mm, que serve de suporte e fixação da chapa de revestimento. INSTALAÇÃO DO REVESTIMENTO EXTERIOR (PROTEÇÃO DO ISOLAMENTO) Reveste-se a tubagem principal e as de acompanhamento com uma malha eletrosoldada galvanizada ou inoxidável, cosendo as juntas com arame de aço galvanizado ou inoxidável. Como isolamento utiliza-se manta ou feltro tipo SPINTEX, cosendo os rebordos longitudinais e transversais com arame galvanizado e reforçando com laçadas de arame ou bandas com sistema de tensionamento. Para grandes diâmetros da tubagem principal, colocam-se bandas de 30x3 mm tensionando-as e soldando as extremidades, sobre as quais se fixa a chapa de revestimento exterior com parafusos de rosca de chapa. 4

5 INSTALAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO EM TUBAGENS DE ACOMPANHAMENTO Para o isolamento de retentores e válvulas, utiliza-se um encapsulamento desmontável dividido em duas metades, construído com chapa de alumínio de 0,8 mm e perfis em U de reforço de aço galvanizado ou alumínio, revestindo-o pela face interior com manta TECH WIRED MAT, a qual é fixada por peças em Z e platinas. INSTALAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO EM RETENTORES E VÁLVULAS Nas juntas transversais e longitudinais, assim como na junta com o isolamento térmico da tubagem, intercala-se um feltro de lã cerâmica. Ambas as peças do encapsulamento são fixadas através de quatro fechos de pressão. No caso de tubagens isoladas com mantas de lã mineral deve realizarse o isolamento através de peças devidamente cortadas das mantas por meio de moldes e fixando firmemente o conjunto através do entrelaçado da malha da manta com as tramas contíguas. 5

6 Caso se tratem de tubagens isoladas com coquilhas de lã, as curvas deverão ser isoladas cortando as coquilhas em segmentos ajustáveis e fixando cada segmento através de uma laçada de arame. O revestimento exterior deverá realizar-se através de segmentos de chapa ligados entre si. Estes segmentos deverão ser pré-fabricados em oficina e montados em obra. INSTALAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO EM CURVAS 1. A superfície dos COBRE-TUBAGENS tem de estar perfeitamente limpa, sobretudo de óleos e excesso de pó, já que de outra forma o adesivo da fita cola não cumprirá a sua missão. 2. Antes de fechar a lingueta deve fazer pressão de fecho sobre a coquilha, de maneira a que os dois rebordos da abertura da geratriz entrem em contacto entre si, evitando fugas de energia ou, no caso de se tratar de tubagens de aquecimento, fugas de calor que possam afetar o adesivo da lingueta. 6

7 Estas montagens diferenciam-se primordialmente das anteriores na constituição de uma barreira de vapor eficiente. Os Cobre-tubagens ISOVER são produtos destinados ao isolamento térmico de tubagens para frio, de lã de vidro, moldados que possuem uma abertura na sua geratriz para permitir a sua abertura e, desta forma, a sua colocação sobre a tubagem. Incorporam um revestimento de alumínio reforçado com uma lingueta autoadesiva que permite o seu fecho e confere uma eficaz barreira de vapor. Antes de serem instalados, os Cobre-tubagens devem ser armazenados cobertos, protegidos da ação do sol, da humidade e das variações de temperatura de forma a evitar a degradação do adesivo. INSTALAÇÃO PARA FRIO EM COBRE-TUBAGENS RECOMENDAÇÕES DE INSTALAÇÃO 3. Em segmentos horizontais deve ter-se atenção para que a lingueta dos COBRE-TUBA- GENS forme um telheiro (figura 1) para impedir que os líquidos penetrem no interior do conjunto. 4. As uniões entre COBRE-TUBAGENS devem ser realizadas por meio de fitas adesivas de alumínio, estudadas e adequadas à temperatura que terão de suportar. 7

8 No caso dos COBRE-TUBAGENS, a temperatura exterior do alumínio nunca há de ser superior a 80 ºC. A FITA COBRE-TUBAGENS deve ser de alumínio liso de 30 mícrones de espessura e 50 mm de largura mínimos, e não deve comportar fios de reforço nem papel Kraft. 5. Quando as instalações de tubagens estão cobertas e não estão expostas a golpes nem à ação de agentes externos, o revestimento exterior de alumínio reforçado confere uma proteção e um aspeto estético idóneos. Contudo, em zonas de intempérie e expostas, é necessária a proteção através de chapa de alumínio ou aço galvanizado. 6. Quando as instalações dos cobre-tubagens se realizam no interior mas que a zona se encontre exposta a condições climatológicas externas (por exemplo, primeira fase de uma obra na qual não existam proteções laterais), será necessário reforçar a colagem dos cobretubagens no preciso momento da sua instalação, além das uniões entre cobre-tubagens, através de uma fita de alumínio de 30 mícrones de espessura e 50 mm de largura no mínimo) a cada 400 mm de instalação em forma transversal cobrindo a totalidade do diâmetro do cobre-tubagem. Tubagem. Coquilha TECH PIPE SECTION Laçada de arame de aço macio galvanizado, para fixação coquilhas. Duas laçadas por coquilha a una distância dos rebordos de 200 mm, aproximadamente. Chapa de alumínio de 0,6-0,8 mm, remates em juntas longitudinais e transversais bordoadas. Parafuso rosca-chapa cosido chapa revestimento. Distanciados a mm 8

9 EXEMPLOS DE INSTALAÇÃO TUBAGENS DIÂMETRO ATÉ 273 mm ISOLAMENTO DE UMA OU DUAS CAPAS (segundo espessura e diâmetro tubagens) 1. Tubagem. 2. Junta de feltro de lã cerâmica, espessura 3-6 mm segundo temperatura fluido. 3. Bandagem de 40*3 mm fixada com parafuso e porca autoblocante. 4. Distanciador de 40*3 mm soldado à bandagem. 5. Manta TECH WIRED MAT numa ou várias capas cosidos rebordos em juntas longitudinais e transversais, com arame de aço macio galvanizado. 6. Platina de 30*3 mm exterior, fixada por distanciadores com parafusos autorroscantes de cabeça escariada. A platina é tensionada e fixada nas extremidades com parafuso e porca autoblocante. 7. Chapa de alumínio de 0,8 mm, remates em juntas longitudinais e transversais bordoadas. 8. Parafusos rosca-chapa, fixação chapa de revestimento e cosido em juntas. Distâncias entre eixos de platina a 300 mm. 9

10 TUBAGENS DE GRANDE DIÂMETRO > 600 mm ISOLAMENTO NUMA OU VÁRIAS CAPAS 1. Tubagem. 2. Junta de feltro de lã cerâmica, espessura 3-6 mm, segundo temperatura fluido. 3. Platina de 30*3 mm fixada com parafuso e porca autoblocante. 4. Distanciador de 30*3 mm soldado à platina. 5. Manta TECH WIRED MAT numa ou várias capas cosidos rebordos em juntas longitudinais e transversais, com arame de aço galvanizado. 6. Platina de 40*3 mm exterior, fixada por distanciadores com parafusos autorroscantes de cabeça escariada. A platina é tensionada e fixada nas extremidades com parafuso porca autoblocante. 7. Chapa de alumínio de 0,8 mm, remates em juntas longitudinais e transversais bordoadas. 8. Parafusos rosca-chapa, fixação chapa de revestimento e cosido em juntas. Distância entre eixos de bandagem a 1000 mm. 10

11 TUBAGENS DIÂMETRO ATÉ mm ISOLAMENTO DE UMA OU DUAS CAPAS 1. Tubagem. 2. Coquilha TECH PIPE SECTION, ou manta TECH WIRED MAT numa ou várias capas. 3. Coquilha ou manta, cortadas em segmentos (hexágonos), segundo curvatura tubagem. 4. Laçada de arame de aço macio galvanizado fixação segmentos de coquilhas e reforço segmentos de manta. 5. Chapa de alumínio de 0,6-0,8 mm cortada em segmentos (hexágonos) segundo curvatura tubagem, bordoada no perímetro. 6. Parafusos rosca-chapa para cosimento chapa de revestimento (segmentos) em juntas longitudinais e transversais. 11

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893)

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8893) Índice 1. Parâmetros... 3 2. Precauções... 4 3. Informação técnica... 5 3.1. Componentes... 5 3.2. Informação técnica... 5 4. Componentes e dimensões...

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

LINHA MBI Isolação para coberturas

LINHA MBI Isolação para coberturas LINHA MBI Isolação para coberturas FACEFELT Isolação para coberturas Feltro constituído por lã de vidro aglomerada com resina vegetal e possui características termoacústicas. Revestido em uma das faces

Leia mais

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR fabrico de termoacumuladores e bombas de calor www.termobrasa.com TERMOSSIFÃO FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR 45 Anos HISTÓRIA A Termobrasa foi criada em 1970 com o objetivo de fabricar

Leia mais

ARMACELL ISOLAMENTOS PRÉ-REVESTIDOS

ARMACELL ISOLAMENTOS PRÉ-REVESTIDOS ARMACELL ISOLAMENTOS PRÉ-REVESTIDOS 2 ARMA-CHEK SILVER ARMA-CHEK SILVER 125 Sistema 2 em 1 pré-revestido com substrato AF/Armaflex Sistema pré-revestido para poupança de tempo na instalação. Isolamento

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Isolamento Armaflex AF e XG

Isolamento Armaflex AF e XG Janeiro 1 Isolamento Armaflex AF e XG Disponível numa ampla gama de produtos de em diâmetro e espessura. A Armacell produz térmico de alta qualidade: Evita condensações e previne a corrosão nos equipamentos;

Leia mais

ArtMill Acessórios Ltda EPP Rua Antonio Amorim, 100 Distrito Industrial Cerquilho/SP Fone/Fax: (15)

ArtMill Acessórios Ltda EPP Rua Antonio Amorim, 100 Distrito Industrial Cerquilho/SP Fone/Fax: (15) ArtMill Acessórios Ltda EPP Rua Antonio Amorim, 100 Distrito Industrial Cerquilho/SP Fone/Fax: (15) 3288 4888 1 - A marcação da base é fundamental para determinar o tamanho a ser usado na construção, fator

Leia mais

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023 Manual de instruções Coletor Solar EA0031/EA0023 Índice 1. Especificações técnicas... 3 2. Cuidados... 3 3. Tubo do Coletor Solar... 4 3.1. Componentes... 4 3.2. Parâmetros... 5 4. Coletor Solar... 5 5.

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

Catálogo Geral

Catálogo Geral Catálogo Geral www.cfdoors.pt Painel de Frio Painel de Cobertura Painel Fachada Painel Fachada em Lã Rocha Painel Acústico Painel Cobertura Telha 2 Simbologia Simbologia dos revestimentos CF Doors identificando

Leia mais

Válvula de retenção de disco, tipo "WAFER"

Válvula de retenção de disco, tipo WAFER 18/04/2013 Válvula de retenção de disco, tipo "WAFER" Válvula de retenção de disco oscilante tipo "WAFER" (possibilidade de fabrico com flanges, a pedido). Corpo em fundição de uma peça com forma cónica

Leia mais

K-FLEX K-FLEX ST 74 U M A N O V A G E R A Ç Ã O D E M A T E R I A I S D E I S O L A M E N T O

K-FLEX K-FLEX ST 74 U M A N O V A G E R A Ç Ã O D E M A T E R I A I S D E I S O L A M E N T O K-FLEX 74 U M A N O V A G E R A Ç Ã O D E M A T E R I A I S D E I S O L A M E N T O /SK Tubo de isolamento pré-cortado com adesivo prancha tubos Isolamento elastomérico para todas as aplicações, civil

Leia mais

PISOS e PAREDES RADIANTES

PISOS e PAREDES RADIANTES PISOS e PAREDES RADIANTES *Seguro *Estético *Saudável *Económico *Confortável PORTUGAL BOCKEMUEHL, LDA Apartado 32, Zona Industrial da Cooperativa 3240-217 Ansião Telefone : +351 236 670 110 Telefax :

Leia mais

pro-sanit Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-sanit Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-sanit Perfil côncavo para colocação nos encontros entre paredes e pavimentos, ou entre revestimentos e banheiras, bases de duche ou outros equipamentos sanitários. Substitui a tradicional

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br Francisco Ceará Barbosa, 89 - Amarais - Campinas - SP -.08-00 - fibralit.com.br Fone: 9 000-0800 0 0809 - Fax: 9 - fibralit@fibralit.com.br ORIENTAÇÃO DE COMO PROCEDER NA ESTRUTURAÇÃO E FIXAÇÃO DE PLACAS

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm 10.17 APOIOS ANTIVIBRÁTEIS T-802XXX Suportes de teto tg & tm geral: As séries TG e TM são concebidas para evitar a transmissão de vibrações de unidades de ar condicionado e de qualquer outro equipamento

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

Colectores Solares Suportes

Colectores Solares Suportes Colectores Solares Suportes Energia Solar Colectores Solares KS T AC TLP AC TLP ACR TP Colector Solar KS 2100 T AC Painel absorvedor (Blue Tec eta Plus) de 0,4 mm de espessura tipo harpa (8 tubos de cobre

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA 1) Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e gesso, conforme indicado na figura. Em um dia frio

Leia mais

Paredes Fichas de Aplicação

Paredes Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação e Revestimento Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções Recomendadas Viroc

Leia mais

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM K-FLEX SOLAR R Acoplamento rápido à compressão Sistema completo para instalações de painéis solares térmicos Fácil e rápido

Leia mais

.Permite utilização de perfis de

.Permite utilização de perfis de CAIXINOVA SG 350 CAIXA A CAIXINOVA SG é uma caixa pré-fabricada em poliestireno expandido de alta densidade. A base da caixa possui, na parede exterior um perfil de alumínio para suporte do reboco, e um

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM 2013/14

MANUAL DE MONTAGEM 2013/14 greca LC Chapas em polimglass greca light, com passo de 143 mm. É produzida em várias cores com superfície brilhante e comprimento até 13.500 mm. greca 143 Chapas em polimglass greca, com passo de 143

Leia mais

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 442 11 de maio de 2012 Página 2 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 4 5. Características de fabrico...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG. Especificação Técnica revisada conforme FSET nº 175/2011 acordado com o DERAT.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG. Especificação Técnica revisada conforme FSET nº 175/2011 acordado com o DERAT. EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG NÚMERO: 132008 DESENHO: DT- 494/7 EMISSÃO: MARÇO/2013 VALIDADE: MARÇO/2015 REVOGA: 082104 REVOGA

Leia mais

consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas

consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas é o processo em que a peça é empurrada contra a matriz conformadora, com redução

Leia mais

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO DA FITA (SGT) VHB 4972 Structural Glazing

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO DA FITA (SGT) VHB 4972 Structural Glazing PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO DA FITA (SGT) VHB 4972 Structural Glazing Requisitos para termo de garantia 3M O termo de garantia de 20 anos da fita VHB-4972 somente é emitido após vistoria da obra, com agendamento

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO LIGAÇÕES POR CONECTORES Edson Cabral de Oliveira TIPOS DE CONECTORES E DE LIGAÇÕES O conector é um meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Tipos de conectores:

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO POLICARBONATO COMPACTO E ALVEOLAR

MANUAL DE INSTALAÇÃO POLICARBONATO COMPACTO E ALVEOLAR +3mm >20mm Fique atento a dilatação do Policarbonato e siga as instruções abaixo, para evitar rachaduras posteriores: 1-Na furação, utilize uma broca 1mm maior que a aste do parafuso sugerido para instalação.

Leia mais

Juntas Dielétricas DINAELEK-SMC DINAGRA

Juntas Dielétricas DINAELEK-SMC DINAGRA Juntas Dielétricas DINAELEKSMC DINAGRA Isolamento Elétrico e Vedação JUNTAS DIELÉTRICAS A DINATECNICA desenvolveu uma linha de Juntas Dielétricas que fornece uma solução efetiva de vedação e isolamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007 nº 17 FICHA TÉCNICA Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior Nº Pág.s: 07 17 12 Fevereiro 2007 Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior 01 Para responder às crescentes exigências de conforto higrotérmico,

Leia mais

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas:

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas: O sistema Giacoklima é um sistema inovador ideal para a climatização no Verão e Inverno, que alia o bem estar ao baixo consumo energético. O elemento chave deste sistema é a utilização da água, que permite

Leia mais

ISO Restrições da aplicação: Especificações gerais: Materiais e construção: CERTIFICAÇÃO. Requisitos de montagem (mínimo):

ISO Restrições da aplicação: Especificações gerais: Materiais e construção: CERTIFICAÇÃO. Requisitos de montagem (mínimo): Manga de montagem no chão Modelo n.º: 8510057 (aço macio)/10425 (S.S.) DESCRIÇÃO Construção em aço galvanizado macio ou inoxidável 304. Monta-se numa estrutura de aço ou betão horizontal. A construção

Leia mais

NOVO. Sistema de condução para climatização com. Calhas U23X. matéria-prima cor. Branco

NOVO. Sistema de condução para climatização com. Calhas U23X. matéria-prima cor. Branco NOVO Sistema de condução para climatização com 31 matéria-prima cor U23X 31 U23X Para a fixação e condução de tubos em instalações de climatização com aparelhos do tipo split Desenho inovador que facilita

Leia mais

Acessórios de radiador

Acessórios de radiador Acessórios de radiador Um sistema de aquecimento central é uma das opções mais económicas e eficientes de aquecer uma habitação. Hoje, existe a possibilidade de controlar o funcionamento do sistema através

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

Ventiladores. espirovent VENTILADORES INDUSTRIAIS DUTOS E VENTILADORES INDUSTRIAIS

Ventiladores. espirovent VENTILADORES INDUSTRIAIS DUTOS E VENTILADORES INDUSTRIAIS Ventiladores LIMIT LOAD espirovent uma MARCA do grupo DUTOS E Descricao e Nomenclatura Ventiladores LIMIT LOAD Perspectiva Geral Os ventiladores das series ELSC/ELDC, respectivamente de pás retas inclinadas

Leia mais

QUANDO A HUMIDADE TE PODE LEVAR A ERRAR.

QUANDO A HUMIDADE TE PODE LEVAR A ERRAR. QUANDO A HUMIDADE TE PODE LEVAR A ERRAR. AF/ARMAFLEX o isolamento profissional para prevenir a condensação, em sistemas de refrigeração e climatização, com a marca (Espanha) renovada. Producto Certificado

Leia mais

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 7 Technological Constraints est of tructural dhesives high connections resistance 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS... 82 1.1 COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS... 82 2 ESTUDO

Leia mais

série 70.1 Difusores lineares

série 70.1 Difusores lineares série 70.1 Difusores lineares www.koolair.com Série 70.1 1 ÍNDICE Difusor linear S-74-18 Descrição 4 Quadros de selecção 5 Exemplo de selecção 7 Difusor linear S-74-25, alta capacidade Descrição 8 Quadros

Leia mais

NEW WALL manual de aplicação

NEW WALL manual de aplicação NEW WALL manual de aplicação O New Wall é um painel de poliuretano de alta densidade. Com superfície texturizada é utilizado para decoração e revestimento de paredes. Sua textura é realista, imita materiais

Leia mais

3.4. Condutividade térmica

3.4. Condutividade térmica 3.4. Condutividade térmica Condução térmica Mecanismo de transferência de calor que exige o contacto entre os sistemas. Aquecimento de um objeto metálico A extremidade que não está em contacto direto com

Leia mais

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens Professor: Anderson Luís Garcia Correia

Leia mais

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS LINHA ASTM A325 TIPO 1 São fixadores específicos de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade.

Leia mais

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR fabrico de termoacumuladores e bombas de calor www.termobrasa.com TERMOACUMULADORES COM SERPENTINA FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR 45 Anos HISTÓRIA A Termobrasa foi criada em 1970 com o

Leia mais

Lusomembrana, Lda. Tabela de preços Etics, Reboco e Gesso Cartonado Abril de 2014

Lusomembrana, Lda. Tabela de preços Etics, Reboco e Gesso Cartonado Abril de 2014 REDE DE REBOCO - CAPOTTO/ETICS - CERTIFICADA ETAG 004 Material:alcalino-resistente malha de fibra de vidro Aplicabilidade: Sistema de isolamento térmico externo e reforço interno de reboco e revestimentos

Leia mais

FACHADA VENTILADA CERÂMICA

FACHADA VENTILADA CERÂMICA FACHADA VENTILADA CERÂMICA COVER SOLADRILHO Cover é a solução completa de fachada ventilada em cerâmica extrudida com peças alveolares de 18 mm de espessura. O Cover destaca-se pela sua leveza e facilidade

Leia mais

CURSO TÉCNICO CAD/CAM ÓRGÃOS DE MÁQUINAS NUNO MIGUEL DINIS

CURSO TÉCNICO CAD/CAM ÓRGÃOS DE MÁQUINAS NUNO MIGUEL DINIS CURSO TÉCNICO CAD/CAM 2008-2009 ÓRGÃOS DE MÁQUINAS NUNO MIGUEL DINIS Este foi um dos módulos mais fáceis e divertidos que tivemos pois a matéria já era do meu conhecimento e já tinha tido experiência a

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Chaminés coletivas para caldeiras e esquentadores a gás

Chaminés coletivas para caldeiras e esquentadores a gás 3.10 Chaminés coletivas para caldeiras e esquentadores a gás A norma NP 13384-2 define os tipos de Chaminés modulares coletivas Não Equilibradas (Só evacuação) e Equilibradas (concêntricas). Dispomos de

Leia mais

Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX

Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO ÍNDICE. Características Gerais pag. 0. Princípios de Funcionamento pag. 0. Características Técnicas pag. 0 4. Módulos Eletrônicos

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA PLACA ARRASTADORA E ARRASTADOR São acessórios do torno que servem para transmitir o movimento de rotação do eixo principal em peças a serem usinadas entrepontas

Leia mais

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 A nova norma NBR5419 teve com o diretriz a IEC 62305 e se divide em 4 partes bem distintas,

Leia mais

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo.

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Meios de Ligação 4 Objetivo Conhecer os sistemas de ligação utilizados nas estruturas de aço Ligações nas Estruturas Metálicas Aço As ligações nas

Leia mais

III CONSTRUÇÃO DOS SUPORTES DAS BOBINAS

III CONSTRUÇÃO DOS SUPORTES DAS BOBINAS III CONSTRUÇÃO DOS SUPORTES DAS BOBINAS Serão construídos dois suportes, um para a bobina transmissora, o qual será fixado na barra do detector de metal em posição vertical e outro, para a bobina receptora

Leia mais

Rebarbar: o diâmetro usual dos discos de rebarbar é de 115 ou 125 m consoante o modelo da rebarbadora.

Rebarbar: o diâmetro usual dos discos de rebarbar é de 115 ou 125 m consoante o modelo da rebarbadora. A REBARBADORA A rebarbadora pode ser utilizada para trabalhos de esmerilagem, rebarbagem e corte de metais (chapa metálica, perfis de alumínio, chapas em ferro fundido, etc.) e materiais de construção)

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Instalações em Sistemas Industriais Profa. Roberta Leone Aula 04 MEIOS DE LIGAÇÃO Para que serve? Ligação tubo a tubo, ou a dispositivos, equipamentos tanques

Leia mais

Revestimento de PVC com acabamento superficial brilhante.

Revestimento de PVC com acabamento superficial brilhante. Kaiflex Protect Alu-TEC é um revestimento de tubagem em PVC, semirrígido, com caraterística de curvagem permanente, que protege o isolamento dos danos fornecendo, simultaneamente, um acabamento superficial

Leia mais

Arval. Haironville Portugal HAIRPLAN 300. Soluções de aço para um mundo melhor. Edifício : Zenith de Roen - Arquitecto : B.

Arval. Haironville Portugal HAIRPLAN 300. Soluções de aço para um mundo melhor. Edifício : Zenith de Roen - Arquitecto : B. HAIRPLAN 300 Edifício : Zenith de Roen - Arquitecto : B. TSCHUMI Edifício : Reyes Muller Arquitecto : M. CARILLO Empresa : Giraud-Delay Soluções de aço para um mundo melhor ÍNDICE HAIRPLAN 300 DESCRIÇÃO

Leia mais

52-SM - Parafusos Imperdíveis

52-SM - Parafusos Imperdíveis 472 52-SM - s Imperdíveis Série em tamanho miniatura Modelo com tecnologia de montagem em superfície (SMT) Para instalação em placas de circuito impresso através da tecnologia de montagem em superfície

Leia mais

União flexível de tubos

União flexível de tubos Instruções de montagem Acessórios União flexível de tubos Flexible Rohrverbindung Suprastar-O KU 7... com SK60-00-5Z Suprastar-O KU 7... com queimador e SK60-00-5Z 6 70 80 05 (00/) PT Conteudo Instalação...............................................

Leia mais

Dimensões Em vista do largo campo de aplicação, os perfis de aço são fornecidos em três dimensões diferentes, cada uma com diferentes seções de cobre.

Dimensões Em vista do largo campo de aplicação, os perfis de aço são fornecidos em três dimensões diferentes, cada uma com diferentes seções de cobre. Dimensões Em vista do largo campo de aplicação, os perfis de aço são fornecidos em três dimensões diferentes, cada uma com diferentes seções de cobre. a) Barra condutora de aço com cabeça de cobre F 20

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

instalação para que, no dia mais quente do verão, a separação entre eles seja de 1 cm? a) 1,01 b) 1,10 c) 1,20 d) 2,00 e) 2,02

instalação para que, no dia mais quente do verão, a separação entre eles seja de 1 cm? a) 1,01 b) 1,10 c) 1,20 d) 2,00 e) 2,02 1. (Ufg) Uma longa ponte foi construída e instalada com blocos de concreto de 5 m de comprimento a uma temperatura de 20 C em uma região na qual a temperatura varia ao longo do ano entre 10 C e 40 C. O

Leia mais

Ficha Técnica PORTA SEGURANÇA START / MAX

Ficha Técnica PORTA SEGURANÇA START / MAX As Portas Segurança Portrisa resultam de pesquisas desenvolvidas e da tecnologia empregue. Estas portas são capazes de resistir às mais sofisticadas tentativas de arrombamento sem que a qualidade e a estética

Leia mais

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação www.candigres.com :: candigres@candigres.com Índice Pág. 1.0 Cálculo do Material necessário 4 2.0 Preparação do suporte 4 2.1 Condições Gerais

Leia mais

1. Informações de segurança

1. Informações de segurança 1. Informações de segurança A operação segura desses produtos só pode ser garantida se forem devidamente instalados, comissionados, utilizados e mantidos por pessoal qualificado de acordo com as instruções

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty Manípulo em folha de alumínio Ficha de Atividade Como fazer um uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

Leia mais

2 O cabo óptico CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH

2 O cabo óptico CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH 1 Objetivo: Este manual tem o objetivo de auxiliar a instalação do CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH Furukawa, especificando os acessórios e apresentando as principais recomendações para a instalação.

Leia mais

Movimento Pendular regulável

Movimento Pendular regulável A SERRA DE RECORTES A serra de Recortes (ou Tico-tico) serve para fazer cortes em curva ou rectilíneos numa variedade de materiais: painéis de madeira, tubos de cobre, perfis de alumínio, placas de fibrocimento,

Leia mais

CAF. Caixas CAF. Caixas metálicas, monobloco fabricadas em aço carbono, aço inox ou alumínio.

CAF. Caixas CAF. Caixas metálicas, monobloco fabricadas em aço carbono, aço inox ou alumínio. CAF Caixas CAF Caixas metálicas, monobloco fabricadas em aço carbono, aço inox ou alumínio. REVISÃO 04 29/10/2014 PAINÉIS METÁLICOS SÉRIE CAF Painel monobloco com placa de montagem removível para montagem

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Entre sistemas a temperaturas diferentes a energia transfere-se do sistema com temperatura mais elevada para o sistema a temperatura mais baixa.

Entre sistemas a temperaturas diferentes a energia transfere-se do sistema com temperatura mais elevada para o sistema a temperatura mais baixa. Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1. Mecanismos de transferência de calor: a radiação, a condução e a convecção. O coletor solar e o seu funcionamento. Materiais condutores e isoladores do

Leia mais

Calha DLP de climatização

Calha DLP de climatização Calha DLP de climatização AR CONDICIONADO AQUECIMENTO CANALIZAÇÕES A GAMA ADAPTADA A QUALQUER TIPO DE APLICAÇÃO [ DLP CLIMATIZAÇÃO ] Produtos e sistemas Calha DLP de climatização Um sistema especialmente

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MOTOR STIRLING MOVIDO A ENERGIA SOLAR

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MOTOR STIRLING MOVIDO A ENERGIA SOLAR TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MOTOR STIRLING MOVIDO A ENERGIA SOLAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI BLUMENAU

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

Diverte-te com a tua Nova Capa para Telemóvel! Cortar os quatro cantos com cuidado para não cortar os pontos.

Diverte-te com a tua Nova Capa para Telemóvel! Cortar os quatro cantos com cuidado para não cortar os pontos. Instruções De que precisa: Máquina de costura Totally Me! 2 pedaços de tecido (4,5" x 13") (11,4 cm x 33 cm) 1 pedaço de enchimento adesivo 2,5" (6,4 cm) de elástico fino 1 botão colorido Tesoura Pinos

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os forros Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação

Leia mais

tratamento de juntas invisíveis

tratamento de juntas invisíveis tratamento de juntas invisíveis massa cimentícia BrasiMassa materiais necessários Massa cimentícia BrasiMassa. Fibatape AR (álcali-resistente) 5 cm de largura. Fibatape AR (álcali-resistente) 10 cm de

Leia mais

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA CORTE A LASER O que é o Laser? Amplificação da luz por emissão estimulada de radiação. É um sistema que produz um feixe de luz coerente e concentrado

Leia mais

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas.

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas. SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. MEMORIAL DESCRITIVO... 4 2.1 SISTEMA DE ATERRAMENTO - CONCEPÇÃO... 5 2.2 SISTEMA DE ATERRAMENTO - MEDIÇÃO... 6 2.3 SISTEMA DE CAPTAÇÃO... 6 3. MATERIAIS APLICADOS... 7 3.1

Leia mais

DE TETO PARA PLASMA/LCD

DE TETO PARA PLASMA/LCD SUPORTE ARTICULÁVEL DE TETO PARA PLASMA/LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Fixação no teto. - Articulações que permitem diversas combinações de movimentos laterais e angulares para baixo. -

Leia mais

CAIXA PADRÃO DAE PARA HIDRÔMETROS

CAIXA PADRÃO DAE PARA HIDRÔMETROS CAIXA PADRÃO DAE PARA HIDRÔMETROS ETM 007 VERSÃO 2 Jundiaí 2014 ETM-007 Sumário 1 Objetivo...2 2 Referências normativas...2 3 Definições...2 4 Requisitos gerais...2 Requisitos da caixa padrão DAE S/A para

Leia mais

AQUECIMENTO CENTRAL VENTILAÇÃO AR CONDICIONADO ENERGIA SOLAR

AQUECIMENTO CENTRAL VENTILAÇÃO AR CONDICIONADO ENERGIA SOLAR Contribuinte: nº 502 706 775 Capital social: 7500,00 Matricula na C.R.C. de Aveiro nº 2810 Alvará: 59988 3800-034 Cacia - Aveiro Telf: 234 914 611; Fax: 234 914 979 Email: geral@climacom.pt AQUECIMENTO

Leia mais

MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha. Dimensões e Características. Madeiramento

MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha. Dimensões e Características. Madeiramento MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha Dimensões e Características Madeiramento Utilização de Terminais Normas para o projeto Colocação da cumeeira Ficha técnica da telha: Comprimento 420 mm Largura 330

Leia mais

Calle Dali 2, E-18690 Almuñecar / Spain Web: www.rbm-baumat.es Mail: info@rbm-baumat.es TELHAS SOLARES: GERAR E POUPAR ENERGIA NUM SÓ SISTEMA

Calle Dali 2, E-18690 Almuñecar / Spain Web: www.rbm-baumat.es Mail: info@rbm-baumat.es TELHAS SOLARES: GERAR E POUPAR ENERGIA NUM SÓ SISTEMA Calle Dali 2, E-18690 Almuñecar / Spain Web: www.rbm-baumat.es Mail: info@rbm-baumat.es TELHAS SOLARES: GERAR E POUPAR ENERGIA NUM SÓ SISTEMA GERAR ENERGIA COM A energia solar é infinita e gratuita. FOTOVOLTAICO

Leia mais

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba E Diego Rafael Alba Rebites Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. A solda é um bom meio de fixação, mas, por causa do calor, ela

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO Rscp/labats/demec/ufpr/2017 O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga

Leia mais

Anexo. Tabela. geral de. Novidades. preços. O calor é o nosso elemento

Anexo. Tabela. geral de. Novidades. preços. O calor é o nosso elemento Anexo Tabela geral de preços O calor é o nosso elemento 2016 Novidades A n e x o Tabela geral de 2016 preços N o v i d a d e s Logasol SKT 1.0 Novidade Coletor solar Logasol SKT 1.0 O coletor SKT é uma

Leia mais

navios, automóveis, etc.

navios, automóveis, etc. Os elementos de fixação podem ser colocados ou retirados do conjunto sem causar qualquer dano às peças que foram unidas. Por exemplo, uniões com parafusos, porcas e arruelas. Assim a fixação desses elementos

Leia mais

Opcionalmente, remover o volante soltando a porca de fixação, se necessário.

Opcionalmente, remover o volante soltando a porca de fixação, se necessário. Procedimento para Engaxetamento de haste de Válvulas 1. Objetivo Este procedimento estabelece as condições requeridas para a execução de engaxetamento de válvulas nos serviços de manutenção. Não é aplicável

Leia mais

Escola de Verão em Física 2006/2007

Escola de Verão em Física 2006/2007 Escola de Verão em Física 2006/2007 Qual o melhor isolador térmico para uma casa? eira d a M Fe Vidro Vidro duplo rro Esferovite Actualmente há uma maior necessidade em descobrir novos métodos para reduzir

Leia mais

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1 4 Recomendações 1. Remover a isolação do condutor, de tal forma que seja o suficiente para que, no ato de emendá-los, não ocorra falta nem sobra. 2. Após remover a isolação, o condutor de cobre deve estar

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Dez/2009 VERSÃO DEZ/2009 ACABAMENTOS NATURAL: O acabamento padrão da chapa possui baia reflectância e pode apresentar variações de brilho. BRILHANTE: Esse

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO AQUECEDOR INDUTIVO NACHI [N-SOLUTIONS] DEPARTARTAMENTO DE ENGENHARIA DE APLICAÇÃO

GUIA DO USUÁRIO AQUECEDOR INDUTIVO NACHI [N-SOLUTIONS] DEPARTARTAMENTO DE ENGENHARIA DE APLICAÇÃO GUIA DO USUÁRIO [N-SOLUTIONS] AQUECEDOR INDUTIVO NACHI CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3 DESCRIÇÃO DOS COMPONETES 4 PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 5 UTILIZANDO O N- WARMER INTRODUÇÃO O AQUECEDOR

Leia mais