ANÁLISE ESSENCIAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ESSENCIAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA"

Transcrição

1 ANÁLISE ESSENCIAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA

2 2

3 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 3

4 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 4

5 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 5

6 Introdução Ninguém pode evitar o contato com os sistemas; Desenvolvimento envolve construir modelos; Técnicas passo a passo; Ferramentas para modelar qualquer tipo de sistema; 6

7 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 7

8 Natureza dos Sistemas Sistema Conceito complexo; Todos os sistemas possuem coisas em comum; Objetivo Construção de sistemas: Estáveis; Confiáveis; 8

9 Natureza dos Sistemas Definição Principal: Conjunto de partes integradas, cada uma realizando uma tarefa específica, concorrendo todas para realização de um objetivo. Existem muitos tipos de sistemas; 9

10 Componentes comuns em SA Hardware; Software Peopleware; Dados; Procedimentos; 10

11 Tipos de SA Sistemas On-line ; Sistemas de Tempo Real; Sistemas de Apoio à Decisão; Sistemas Baseados no Conhecimento; 11

12 Sistemas On- Line São sistemas que recebem entradas diretamente do local onde ele foi criado. São também os sistemas em que as saídas, ou os resultados do processamento, são dirigidas diretamente para onde são necessárias. 12

13 Sistemas de Tempo Real São considerados como variações dos sistemas on-line ; Sistema que controla um ambiente pelo recebimento de dados. Seu processamento e apresentação de resultados, tem a rapidez suficiente para afetar o ambiente naquele momento; [Martin 1967] 13

14 Sistemas de Tempo Real Tipos de Sistemas de Tempo Real: Controle de Processos; Caixa Automático; Obtenção de dados em alta velocidade; Orientação de mísseis; Comutação telefônica; Monitoração de Pacientes; 14

15 Sistemas de Tempo Real STR tem como característica principal a velocidade; Interagem tanto com pessoas, quanto c/o ambiente; Se o computador não responder com rapidez suficiente, o ambiente ficará fora de controle dados que chegam podem ser perdidos; Comportamento tempo-dependente; 15

16 Sistemas de Tempo Real Características de implementação: Simultaneidade de atividades de processamento; Existência de prioridades entre tarefas; Interrupção de tarefas, para atendimento de outra de maior prioridade; Comunicações entre tarefas; Acesso simultâneo a dados de uso comum; Necessidade de muito hand-shaking ; Gerenciamento controlado de memória; 16

17 Princípios Gerais de Sistemas 1) Quanto mais especializado é um sistema, menor sua capacidade de adaptação a circunstâncias diferentes; 3) Quanto maior for um sistema, maior o número de recursos necessários para sua manutenção; 5) Sistemas pertencem a sistemas maiores e possuem subsistemas; 7) Sistemas crescem; 9) Sistemas necessitam de manutenção; 17

18 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 18

19 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 19

20 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 20

21 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolvimento. Cap 7 Modificações na AS 21

22 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 22

23 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 23

24 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 24

25 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 25

26 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 26

27 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 27

28 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 28

29 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 29

30 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 30

31 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 31

32 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 32

33 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 33

34 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 34

35 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 35

36 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 36

37 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 37

38 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 38

39 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 39

40 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 40

41 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 41

42 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 42

43 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 43

44 FIM

Diagrama de transição de Estados (DTE)

Diagrama de transição de Estados (DTE) Diagrama de transição de Estados (DTE) O DTE é uma ferramenta de modelação poderosa para descrever o comportamento do sistema dependente do tempo. A necessidade de uma ferramenta deste tipo surgiu das

Leia mais

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Modelos de Sistemas Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante

Leia mais

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1 Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Conteúdo Programático Capítulo 1: Introdução aos Sistemas de Tempo Real Definição, caracterização e classificação

Leia mais

Componentes do modelo ambiental

Componentes do modelo ambiental Processo de desenvolvimento de sistema de informação Componentes do modelo ambiental Declaração de Objetivos É uma descrição textual concisa do propósito do sistema Lista de Eventos Especificação das atividades

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Análise Estruturada de Sistemas Modelo Essencial O Modelo Essencial Indica o que o sistema deve

Leia mais

4.1.3. Diagrama de contexto

4.1.3. Diagrama de contexto 4.1.3. Diagrama de contexto 1 2 Diagrama de contexto O diagrama de contexto deve mostrar as relações estabelecidas entre o sistema e o meio ambiente, apresentando o sistema com um único processo As entradas

Leia mais

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante modelar o contexto de

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Administração 8º Período

Administração 8º Período Administração 8º Período Disciplina: Sistemas de Informação Plano Diretor de TI Prof: Mafran Oliveira 1 Plano Diretor de Sistemas de Informação Definição: Conjunto estruturado de ações integradas, devidamente

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA RENI CORREIA GAMPER-EMPN ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR

COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA RENI CORREIA GAMPER-EMPN ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR 1 COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA RENI CORREIA GAMPER-EMPN ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR ANALISE DE REQUISITOS PARA UM CONSULTÓRIO ODONTOLOGICO MANOEL RIBAS/PR 2012 2 ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR ANALISE DE REQUISITOS

Leia mais

Dado, Informação e Conhecimento Administração de Sist. De Inf. Prof. Esp. Lucas Santiago

Dado, Informação e Conhecimento Administração de Sist. De Inf. Prof. Esp. Lucas Santiago Dado, Informação e Conhecimento Administração de Sist. De Inf. Prof. Esp. Lucas Santiago Dado, Informação e conhecimento Não é a mesma coisa, uma depende da outra e as duas últimas podem ser decompostas.

Leia mais

Microprocessadores. Sistemas de Entrada / Saída

Microprocessadores. Sistemas de Entrada / Saída Sistemas de Entrada / Saída António M. Gonçalves Pinheiro Departamento de Física Covilhã - Portugal pinheiro@ubi.pt Modos de transferência de informação entre µprocessador e sistemas de Entrada/Saída.

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Análise e Projeto de Sistemas de Informação Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro Sistemas de Informação Ciclo de Desenvolvimento de SI Projeto Análise Estruturada Análise Orientada a Objetos Como

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

EMENTA DA DISCIPLINA Hardware e dispositivos de E/S Sistema Operacional Editor de Texto

EMENTA DA DISCIPLINA Hardware e dispositivos de E/S Sistema Operacional Editor de Texto www.francosampaio.com Informática Curso de Administração de Empresas Prof. Franco Sampaio URCAMP Universidade da Região da Campanha EMENTA DA DISCIPLINA Hardware e dispositivos de E/S Sistema Operacional

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação I

Fundamentos de Sistemas de Informação I 16/3/2016 Componentes de um sistema 1. Entrada 2. Processamento 3. Saída 4. Realimentação (Feedback): interface com usuário, interface com outros sistemas ou subsistemas. 5. Controle Elementos de um sistema

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 CONVENÇÕES, TERMOS E ABREVIAÇÕES... 3 1.1.1 Identificação dos Requisitos... 3 1.1.2 Prioridades

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas Informações Gerenciais Fundamentos sobre Sistemas Informação Teoria Geral dos Sistemas (TGS): Surgida em meados da década 1920. Surgiu como uma crítica à abordagem científica reducionista predominante

Leia mais

Visão Sistémica e Contingencial da Organização

Visão Sistémica e Contingencial da Organização Introdução Visão Sistémica e Contingencial da Organização de Informação Ambiente Geral Tarefa Vitor Vaz da Silva Vitor Vaz da Silva - SI http://tektonia.com 2 O modelo da Teoria das Organizações das concepções

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA. Aplicações Informáticas B 12º Ano - Prova 303 2014/2015

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA. Aplicações Informáticas B 12º Ano - Prova 303 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA Aplicações Informáticas B 12º Ano - Prova 303 2014/2015 1. Introdução Este documento dá a conhecer, aos diversos intervenientes no processo de exames,

Leia mais

Engenharia de Software. Análise Essencial

Engenharia de Software. Análise Essencial Engenharia de Software Análise Essencial 1 Evolução dos métodos de análise de sistemas Métodos Análise Tradicional Análise Estruturada Abordagens Funcional Funcional Dados Ferramentas Textos fluxuogramas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Serviço Cloud. Sustentabilidade

Serviço Cloud. Sustentabilidade Sustentabilidade 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO SERVIÇO CLOUD ENQUADRAMENTO Chegou a era do Data tsunami À medida que os equipamentos suportam e integram novas funcionalidades e as redes têm uma resposta mais

Leia mais

Evolução dos Computadores. O que é computação? O que é computação? Dados. Processamento. Informações

Evolução dos Computadores. O que é computação? O que é computação? Dados. Processamento. Informações Evolução dos Computadores O que é computação? Dados Processamento Informações O que é computação? PEDIDO PROCESSAMENTO Obter o formulário Posiciona-lo na máquina Ler o pedido Datilografar Retirar o formulário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 5 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO Nesta aula serão apresentados e discutidos os conceitos de Gestão de projetos de software, riscos de software,

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor?

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Interagir com sistemas que ainda dependem de agendamentos manuais e de coletas presenciais em vários equipamentos

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Proposta. (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) Dados da Proposta

Proposta. (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) Dados da Proposta Proposta (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) Dados da Proposta Arquivo: D:\Vazzi\FAN\4º Período\Avaliação Final\modelo de proposta fan.odt Criado em: Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2006

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 1.1 Histórico de Revisão

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

NOVIDADE em medição de temperatura sem contato

NOVIDADE em medição de temperatura sem contato Tamanho real Compromisso com o futuro! NOVIDADE em medição de temperatura sem contato - Marca de medição pequena a curta ou longa distância respeito a superfície de medição com ZOOM: - Zoom para longas

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César Gerência de Configuração Profº Rômulo César Gerência de Configuração Cenário Atual Projetos cada vez mais complexos em relação ao tamanho, sofisticação e tecnologias envolvidas Grandes equipes geograficamente

Leia mais

Motivos para você ter um servidor

Motivos para você ter um servidor Motivos para você ter um servidor Com a centralização de dados em um servidor, você poderá gerenciar melhor informações comerciais críticas. Você pode proteger seus dados tornando o backup mais fácil.

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Projeto Estruturado de Sistema

Projeto Estruturado de Sistema Projeto Estruturado de Sistema Sumário 1. FASES NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DO SOFTWARE... 2 1.1 Síntese das Fases... 2 1.2 Controle de Qualidade... 3 2. ATIVIDADES DAS FASES... 3 2.1 Fase 0 - Anteprojeto...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Engenharia de Software I CURSO DE INFORMÁTICA. 3O SEMESTRE PROF.: LUIS AUGUSTO MACHADO MORETTO. ESP.

Engenharia de Software I CURSO DE INFORMÁTICA. 3O SEMESTRE PROF.: LUIS AUGUSTO MACHADO MORETTO. ESP. Engenharia de Software I CURSO DE INFORMÁTICA. 3O SEMESTRE PROF.: LUIS AUGUSTO MACHADO MORETTO. ESP. Na aula passada... Atividade em grupo Intro Eng. Software Conhecimento, Problemas Video habilidades

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

IES-200. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-200. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-200 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Diagrama de Fluxo de Dados 2 Conceitos e regras de um DFD. Diagrama de Fluxo de Dados Análise Essencial:

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

IMPRESSÕES GRUPO SINOS A MELHOR IMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO

IMPRESSÕES GRUPO SINOS A MELHOR IMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO IMPRESSÕES GRUPO SINOS A MELHOR IMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO Impressos Grupo Sinos é o parque gráfico, ou a unidade de negócios do Grupo, onde são impressos os jornais, periódicos, revistas e peças gráficas

Leia mais

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes:

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: SGBD Características do Emprego de Bancos de Dados As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: Natureza autodescritiva

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

[WST] Workflow Solicitação de Treinamento de TI

[WST] Workflow Solicitação de Treinamento de TI [WST] Workflow Solicitação de Treinamento de TI Página 1 de 11 Sumário 1. PROCESSO... 3 1.1 Informações do Processo... 3 1.1.1. Nome... 3 1.12. Título... 3 1.1.3. Descrição... 3 1.1.4. Categoria... 3 1.1.5.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e Engenharia de! Engenharia de e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Universidade Salgado de Oliveira Especialização em Tecnologia da Informação Qualidade em Engenharia de Software Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Prof. Msc. Edigar Antônio Diniz Júnior

Leia mais

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br GUIA DO VISUALIZADOR SUA EMPRESA ONLINE NO MUNDO DA NORMALIZAÇÃO SUMÁRIO 1 O QUE É ABNTCOLEÇÃO...3 1.1 CONFIGURAÇÕES MINIMAS DESEJAVEL...3 1.1.2 SEGURANÇADE REDE...3 2 COMO ACESSAR A SUA COLEÇÃO...4 2.1

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Datalogger de fluxo e de pressão com GPRS

Datalogger de fluxo e de pressão com GPRS Datalogger de fluxo e de pressão com GPRS Sebalog Dx Monitorização da rede via GSM/GPRS Comunicação sem fios Transmissão automática de dados e de alarmes 5 anos de funcionamento autónomo Deteção do impulso

Leia mais

Disciplina: Organização de computadores

Disciplina: Organização de computadores Disciplina: Organização de computadores Professora: Carolina D. G. dos Santos E-mail: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br Unip / Prof. a Carolina 1 à Computador Conceitos Básicos

Leia mais

Requisitos dos postos de usuário para utilizar os aplicativos da Adquira

Requisitos dos postos de usuário para utilizar os aplicativos da Adquira Requisitos dos postos de usuário para utilizar os aplicativos da Adquira 30/08/2007 Autor: Carlos Torrijos Martín Versão 1.10 1.- Introdução 3 2.- Requisitos Hardware dos equipamentos 4 3.- Requisitos

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas 1 Análise Essencial UNIP Ciência da Computação A análise essencial pode ser considerada um refinamento da análise estruturada. O problema existente (ou situação que requer a informatização) é estudado,

Leia mais

ActiveWare Awfree 1.0

ActiveWare Awfree 1.0 Sumário Cadastro do Profissional As fotos capturadas irão aparecer simultaneamente no canto direito da tela: conforme abaixo: Ao iniciar o programa, o primeiro passo é realizar o seu cadastro: Clique no

Leia mais

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO Heleno Pontes Bezerra Neto (helenopontes@lccv.ufal.br) 1. Introdução 1.1. Motivação 1.2 Histórico e Desenvolvimento dos Computadores 1.3. Organização dos Computadores 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MODELO CLIENTE SERVIDOR

MODELO CLIENTE SERVIDOR SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo Cliente Servidor Modelo que estrutura um S.O. como um grupo de processos cooperantes, chamados servidores, que oferecem serviços a processos usuários, denominados clientes;

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada

Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada Graduação em Informática (2009) Profª Itana Gimenes itana@din.uem.br Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br 1 Análise Estruturada Paradigma

Leia mais

Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Análise Estruturada Paradigma estruturado Sistemas são vistos como processos que transformam dados.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Análise de requisitos Definição de requisitos do sistema Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Exercício Análise de Requisitos Análise de Requisitos É o 1º passo

Leia mais

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Sistemas de Informações ( Parte I) Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Administração em Gestão Hospitalar Hospital Universitário - UFJF Ato ou efeito

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e! e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do Processo de Desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica

Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica franciscogerson10@gmail.com Prof. rancisco Gerson A. de Meneses Conteúdo Programático Introdução Comparação (Estruturada / Essencial)

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Conceitos Básicos 01 E-mail: euberchaia@yahoo.com.br. Site: www.echaia.com

Tecnologia da Informação e Comunicação. Conceitos Básicos 01 E-mail: euberchaia@yahoo.com.br. Site: www.echaia.com Redes Tipos e a e Internet tecnologias de redes de acesso Tecnologia da Informação e Comunicação Conceitos Básicos 01 E-mail: euberchaia@yahoo.com.br Site: www.echaia.com Ementa Introdução à evolução da

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação Fontes de Alimentação As fontes de alimentação servem para fornecer energia eléctrica, transformando a corrente alternada da rede pública em corrente contínua. Estabilizam a tensão, ou seja, mesmo que

Leia mais

Aplicações Informáticas B

Aplicações Informáticas B Prova de Exame Nacional de Aplicações Informáticas B Prova 703 2008 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Computação e Processamento de Dados CPD INF400

Computação e Processamento de Dados CPD INF400 Computação e Processamento de Dados CPD INF400 Professor: André Ferreira andre.ferreira@ifba.edu.br Material baseado: Prof.ª Renata Vilas e outros Apresentação Quem vai solicitar aproveitamento de disciplina?

Leia mais