ANÁLISE ESSENCIAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ESSENCIAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA"

Transcrição

1 ANÁLISE ESSENCIAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA

2 2

3 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 3

4 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 4

5 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 5

6 Introdução Ninguém pode evitar o contato com os sistemas; Desenvolvimento envolve construir modelos; Técnicas passo a passo; Ferramentas para modelar qualquer tipo de sistema; 6

7 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 7

8 Natureza dos Sistemas Sistema Conceito complexo; Todos os sistemas possuem coisas em comum; Objetivo Construção de sistemas: Estáveis; Confiáveis; 8

9 Natureza dos Sistemas Definição Principal: Conjunto de partes integradas, cada uma realizando uma tarefa específica, concorrendo todas para realização de um objetivo. Existem muitos tipos de sistemas; 9

10 Componentes comuns em SA Hardware; Software Peopleware; Dados; Procedimentos; 10

11 Tipos de SA Sistemas On-line ; Sistemas de Tempo Real; Sistemas de Apoio à Decisão; Sistemas Baseados no Conhecimento; 11

12 Sistemas On- Line São sistemas que recebem entradas diretamente do local onde ele foi criado. São também os sistemas em que as saídas, ou os resultados do processamento, são dirigidas diretamente para onde são necessárias. 12

13 Sistemas de Tempo Real São considerados como variações dos sistemas on-line ; Sistema que controla um ambiente pelo recebimento de dados. Seu processamento e apresentação de resultados, tem a rapidez suficiente para afetar o ambiente naquele momento; [Martin 1967] 13

14 Sistemas de Tempo Real Tipos de Sistemas de Tempo Real: Controle de Processos; Caixa Automático; Obtenção de dados em alta velocidade; Orientação de mísseis; Comutação telefônica; Monitoração de Pacientes; 14

15 Sistemas de Tempo Real STR tem como característica principal a velocidade; Interagem tanto com pessoas, quanto c/o ambiente; Se o computador não responder com rapidez suficiente, o ambiente ficará fora de controle dados que chegam podem ser perdidos; Comportamento tempo-dependente; 15

16 Sistemas de Tempo Real Características de implementação: Simultaneidade de atividades de processamento; Existência de prioridades entre tarefas; Interrupção de tarefas, para atendimento de outra de maior prioridade; Comunicações entre tarefas; Acesso simultâneo a dados de uso comum; Necessidade de muito hand-shaking ; Gerenciamento controlado de memória; 16

17 Princípios Gerais de Sistemas 1) Quanto mais especializado é um sistema, menor sua capacidade de adaptação a circunstâncias diferentes; 3) Quanto maior for um sistema, maior o número de recursos necessários para sua manutenção; 5) Sistemas pertencem a sistemas maiores e possuem subsistemas; 7) Sistemas crescem; 9) Sistemas necessitam de manutenção; 17

18 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 18

19 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 19

20 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 20

21 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolvimento. Cap 7 Modificações na AS 21

22 INTRODUÇÃO Cap 1 Introdução Cap 2 Natureza dos Sistemas Cap 3 Atores dos Sistemas Cap 4 Ferramentas da AS Cap 5 Ciclo de Vida do Projeto Cap 6 Problemas no Desenvolv. Cap 7 Modificações na AS 22

23 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 23

24 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 24

25 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 25

26 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 26

27 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 27

28 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 28

29 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 29

30 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 30

31 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 31

32 FERRAMENTAS Cap 8 Características das Ferramentas Cap 9 DFD Cap 10 DD Cap 11 Especificação de Processos Cap 12 DER Cap 13 DTE Cap 14 Equilíbrio dos Modelos Cap 15 Ferramentas Adicionais Cap 16 Ferramentas p/ Gerenciam. 32

33 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 33

34 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 34

35 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 35

36 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 36

37 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 37

38 PROCESSO DE ANÁLISE Cap 17 Modelo Básico Cap 18 Modelo Ambiental Cap 19 Modelo Comport. Preliminar Cap 20 Modelo Comportamental Cap 21 Modelo de Implem. do Usu. 38

39 SUMÁRIO PARTE I - INTRODUÇÃO PARTE II - FERRAMENTAS PARTE III - O PROCESSO DE ANÁLISE PARTE IV - PROBLEMAS DE CONTINUIDADE 39

40 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 40

41 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 41

42 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 42

43 PROBLEMAS DE CONTINUIDADE Cap 22 Projeto Cap 23 Programação e Testes Cap 24 Manutenção das Esp. Cap 25 Futuro da Análise 43

44 FIM

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1 Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Conteúdo Programático Capítulo 1: Introdução aos Sistemas de Tempo Real Definição, caracterização e classificação

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br BANCO DE DADOS I Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br Tópicos Conceitos preliminares Definição de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Níveis de Abstração de dados CONCEITOS

Leia mais

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Modelos de Sistemas Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Análise Estruturada de Sistemas Modelo Essencial O Modelo Essencial Indica o que o sistema deve

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Componentes do modelo ambiental

Componentes do modelo ambiental Processo de desenvolvimento de sistema de informação Componentes do modelo ambiental Declaração de Objetivos É uma descrição textual concisa do propósito do sistema Lista de Eventos Especificação das atividades

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

Diagrama de transição de Estados (DTE)

Diagrama de transição de Estados (DTE) Diagrama de transição de Estados (DTE) O DTE é uma ferramenta de modelação poderosa para descrever o comportamento do sistema dependente do tempo. A necessidade de uma ferramenta deste tipo surgiu das

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Serviço Cloud. Sustentabilidade

Serviço Cloud. Sustentabilidade Sustentabilidade 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO SERVIÇO CLOUD ENQUADRAMENTO Chegou a era do Data tsunami À medida que os equipamentos suportam e integram novas funcionalidades e as redes têm uma resposta mais

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

4.1.3. Diagrama de contexto

4.1.3. Diagrama de contexto 4.1.3. Diagrama de contexto 1 2 Diagrama de contexto O diagrama de contexto deve mostrar as relações estabelecidas entre o sistema e o meio ambiente, apresentando o sistema com um único processo As entradas

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e Engenharia de! Engenharia de e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e! e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do Processo de Desenvolvimento

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RASTREAMENTO DE MOTOCICLETAS ORIENTADOR:

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Análise e Projeto de Sistemas de Informação Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro Sistemas de Informação Ciclo de Desenvolvimento de SI Projeto Análise Estruturada Análise Orientada a Objetos Como

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas O QUE SÃO SISTEMAS OPERACIONAIS? Um sistema operacional é um conjunto de rotinas executado pelo processador, de forma semelhante

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS UFU Universidade Federal de Uberlândia ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SOFTWARE Professora: Fabíola Gonçalves. AGENDA Introdução à Engenharia de Software Características do Software

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA. Aplicações Informáticas B 12º Ano - Prova 303 2014/2015

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA. Aplicações Informáticas B 12º Ano - Prova 303 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO A NÍVEL DE ESCOLA Aplicações Informáticas B 12º Ano - Prova 303 2014/2015 1. Introdução Este documento dá a conhecer, aos diversos intervenientes no processo de exames,

Leia mais

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César Gerência de Configuração Profº Rômulo César Gerência de Configuração Cenário Atual Projetos cada vez mais complexos em relação ao tamanho, sofisticação e tecnologias envolvidas Grandes equipes geograficamente

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Prof. Daniel Gondim. Sistemas de Informações

Prof. Daniel Gondim. Sistemas de Informações Prof. Daniel Gondim Sistemas de Informações Conceitos de S.I. Dúvidas É um conjunto de partes coordenadas, que buscam prover a empresa com informações, com o objetivo de melhorar a tomada de decisões.

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento do servidor Tomcat. tomcat série 1.2

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento do servidor Tomcat. tomcat série 1.2 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento do servidor Tomcat tomcat série 1.2 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 01 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 Páginas 03 à 25 1 A mistura de tecnologias da Internet e preocupações empresariais

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

Exercício Pizzaria Análise de Objetivos

Exercício Pizzaria Análise de Objetivos Exercício Pizzaria Análise de Objetivos 1) Dada a descrição do problema abaixo, faça o papel tanto de analista quanto das pessoas envolvidas (use sua imaginação) para: a) Identificar os stakeholders; b)

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação I

Fundamentos de Sistemas de Informação I 16/3/2016 Componentes de um sistema 1. Entrada 2. Processamento 3. Saída 4. Realimentação (Feedback): interface com usuário, interface com outros sistemas ou subsistemas. 5. Controle Elementos de um sistema

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 02 - Estrutura dos Sistemas Operacionais. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 02 - Estrutura dos Sistemas Operacionais. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 02 - Estrutura dos Sistemas Operacionais Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de resposta do servidor DHCP dhcp_response série 3.2 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 02 SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL Valorização das características humanas; Querer Fazer (atitude, determinação, interesse); Saber como fazer (habilidade, técnica); Saber o que e porque

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante modelar o contexto de

Leia mais

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP 1 Um pouquinho de teoria Cobertura e acesso universais são essenciais mas não suficientes Valor: patient health

Leia mais

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF 1. Identificação de um problema a ser implementado 2. Análise

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

O crescente predomínio do software e eletrônicos

O crescente predomínio do software e eletrônicos Automotivo e transporte $ 100 milhões em redução de custos de garantia Produto Teamcenter Iniciativas de negócios Desenvolvimento de novo produto Sistemas de engenharia e mecatrônica Desafios de negócios

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Aula Anterior. Capítulo 2

Aula Anterior. Capítulo 2 Capítulo 2 Clique Ciclo para de Vida editar e o estilo do Organização título do mestre Projeto O Ciclo de vida do projeto Características do ciclo de vida do projeto Relações entre o ciclo de vida do projeto

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.br> Auditoria de Sistemas de Informação Everson Santos Araujo 2 Abordagens Ao redor do computador Através do computador Com o computador 3 Ao redor do computador Auditoria de documento-fonte

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes:

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: SGBD Características do Emprego de Bancos de Dados As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: Natureza autodescritiva

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas Informações Gerenciais Fundamentos sobre Sistemas Informação Teoria Geral dos Sistemas (TGS): Surgida em meados da década 1920. Surgiu como uma crítica à abordagem científica reducionista predominante

Leia mais

Instalando a placa de rede

Instalando a placa de rede Instalando a placa de rede A instalação dos drivers e a configuração de uma placa de rede no Windows 98 independe do tipo de cabo utilizado. Este tipo de instalação não é muito diferente da instalação

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

GRADE HORÁRIA 2º SEMESTRE DE 2015

GRADE HORÁRIA 2º SEMESTRE DE 2015 1º PERÍODO/SEMESTRE # TURNO Noite # SALA # Nº DE ALUNOS 40 PIN I de I Empreendedorismo de I PIN I Empreendedorismo de I Metodologia Científica de I Metodologia Científica OBS.: O 1º período dos Cursos

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

Sistemas de informação (S.I.)

Sistemas de informação (S.I.) Sistemas de informação (S.I.) Índice geral: Contents Índice geral: 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de Gestão Empresarial 3 TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 5 SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 6 Noções

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais