Introdução à Linguagem de Programação Java 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Linguagem de Programação Java 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA"

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA

2 2 INDICE 1. COMENTÁRIOS Comentário de uma linha Comentário de múltiplas linhas IMPRESSÃO DE TEXTOS Imprimindo um texto simples Imprimindo um texto simples (printf) Imprimindo um texto em uma nova linha Imprimindo um texto com quebra de linhas TIPOS DE VARIÁVEIS Tipo de variável byte Tipo de variável short Tipo de variável int Tipo de variável long Tipo de variável float Tipo de variável double Tipo de variável char Objeto String Tipo de variável boolean DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS Declarando uma variável sem conteúdo Declarando uma variável inicializada Atribuindo valor a uma variável IMPRESSÃO DE TEXTOS JUNTAMENTE COM VALORES DE VARIÁVEIS Imprimindo texto e variáveis através de concatenação Imprimindo texto e variáveis através de substituição LEITURA DE VALORES EM TEMPO DE EXECUÇÃO A PARTIR DA JANELA DE SAÍDA DO IDE º Passo Instanciado a classe Scanner (criação do objeto entrada) º Passo Obtenção do valor digitado pelo usuário... 15

3 3 7. EXIBIÇÃO DE MENSAGENS E LEITURA DE VALORES EM TEMPO DE EXECUÇÃO A PARTIR DA INTERFACE GRÁFICA Exibição de uma mensagem através de caixa de diálogo Leitura de um valor através de uma caixa de diálogo DECLARAÇÃO DE UM VETOR (ARRAY UNIDIMENSIONAL) Declaração de um vetor com número de elementos definido Declaração de um vetor com número de elementos definido posteriormente Declaração de um vetor Declaração do número de elementos de um vetor Declarando um vetor inserindo o valor de seus elementos Atribuindo um valor a um elemento do vetor DECLARAÇÃO DE UMA MATRIZ (ARRAY BIDIMENSIONAL) Declaração de uma matriz com número de elementos definido Atribuindo um valor a uma posição da matriz ESTRUTURAS DE DECISÃO if Operadores lógicos if..else ESTRUTURA DE ESCOLHA switch..case ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO while do..while for CONVERSÃO DE TIPOS Conversão de tipos através de cast Conversão de outros tipos de variáveis para String Conversão de uma String para outros tipos de variáveis... 33

4 4 1. COMENTÁRIOS 1.1. Comentário de uma linha // (texto) Comentário de uma linha ou de final de linha 01. // System.out.println ( Meu primeiro programa ); 02. // qualquer comentário Todo o código ou texto que se apresentar após as duas barras na linha em questão não será considerado pelo compilador 1.2. Comentário de múltiplas linhas /* (texto) */ Comentário de múltiplas linhas 01. /* System.out.println ( Meu primeiro programa ); 02. System.out.println ( Meu segundo programa ); 03. System.out.println ( Meu terceiro programa ); 04. */ Todo o texto ou código contido entre /* e */ não será considerados pelo compilador

5 5 2. IMPRESSÃO DE TEXTOS 2.1. Imprimindo um texto simples System.out.print ( texto escolhido ); Imprime um texto na tela do programa 01. System.out.print ( Meu primeiro programa ); Imprime o texto Meu primeiro programa na janela de saída da IDE Saída: Meu primeiro programa 2.2. Imprimindo um texto simples (printf) System.out.printf ( texto escolhido ); Imprime um texto na tela do programa 01. System.out.printf ( Meu primeiro programa ); Imprime o texto Meu primeiro programa na janela de saída da IDE Saída: Meu primeiro programa

6 Imprimindo um texto em uma nova linha System.out.println ( texto escolhido ); Imprime o texto desejado em uma nova linha 01. System.out.println ( Meu primeiro programa ); 02. System.out.println ( Meu primeiro programa ); Imprime o texto Meu primeiro programa duas vezes na janela de saída da IDE (em linhas diferentes) Saída: Meu primeiro programa Meu primeiro programa 2.4. Imprimindo um texto com quebra de linhas System.out.println ( novo \ntexto \nescolhido); A cada \n inserida no texto a ser impresso será realizada uma quebra de linha 01. System.out.println ( Meu \nprimeiro \nprograma ); Imprime o texto Meu primeiro programa com uma quebra de linha entre as palavras Saída: Meu primeiro programa

7 7 3. TIPOS DE VARIÁVEIS Na sequencia do texto, serão descritas de maneira concisa os tipos variáveis presentes na linguagem de programação Java e qual o conteúdo admitido por cada uma delas. As informações sobre as variáveis foram retiradas da documentação da linguagem Java e podem ser consultadas no seguinte endereço: https://docs.oracle.com/javase/tutorial/java/nutsandbolts/datatypes.html Tipo de variável byte Descrição: byte Armazenamento admitido: Admite um valor Inteiro de 8 bits. Pode armazenar valores entre -2 7 = -128 e 2 7-1= Tipo de variável short Descrição: short Armazenamento admitido: Admite um valor Inteiro de Inteiro de 16 bits. Pode armazenar valores entre = a = Tipo de variável int Descrição: int Armazenamento admitido: Admite Inteiro de 32 bits. Pode armazenar valores entre = e =

8 Tipo de variável long Descrição: long Armazenamento admitido: Admite um valor Inteiro de 64 bits. Pode armazenar valores entre e Tipo de variável float Descrição: float Armazenamento admitido: Admite um número com notação de ponto flutuante normalizada em precisão simples de 32 bits em conformidade com a norma IEEE Pode assumir valores entre e46 e e Tipo de variável double Descrição: double Armazenamento admitido: Admite um número com notação de ponto flutuante normalizada em precisão dupla de 64 bits em conformidade com a norma IEEE Pode assumir valores entre e324 e e+308

9 Tipo de variável char Descrição: char Armazenamento admitido: Admite um caractere de notação Unicode de 16 bits. É utilizada para armazenar valores alfanuméricos e também pode ser utilizado como um valor inteiro na faixa de valores de 0 à Objeto String Descrição: String Explicação: Strings são amplamente utilizadas na linguagem de programação Java, são uma sequencia de caracteres, utilizadas para o armazenamento de textos. É importante ressaltar que uma String não é um tipo primitivo de variável e sim uma classe. Armazenamento admitido: Um objeto String admite o armazenamento de textos (sequencia de caracteres) 3.9. Tipo de variável boolean Descrição: boolean Armazenamento admitido: Admite o armazenamento de um valor true (verdadeiro) ou false (falso)

10 10 4. DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS 4.1. Declarando uma variável sem conteúdo int numero; Para declarar uma variável na linguagem Java, é necessário informar o tipo da variável e depois o nome da mesma. A variável declarada dessa maneira possui seu valor padrão como null (nulo). Pode-se considerar que a mesma está vazia. 01. int numero; 02. String nome; Declara no algoritmo uma variável do tipo inteiro denominada numero (linha 01) e na linha 02, é declarada uma variável do tipo String denominada nome 4.2. Declarando uma variável inicializada int numero = 10; Para declarar uma variável inicializada, é necessário informar o tipo da variável, o nome da mesma e o valor que a mesma deve ter. É importante saber que o valor da variável pode ser modificado durante o algoritmo, como qualquer outra variável. 01. char sexo = m ; 02. int dia = 28;

11 11 Declara no algoritmo uma variável do tipo char denominada sexo com o valor m (linha 01) e na linha 02, é declarada uma variável do tipo int denominada dia com o valor Atribuindo valor a uma variável numero = 5; Na linguagem Java, para atribuir um valor a uma determinada variável, é utilizado o sinal de igualdade =. Na atribuição de valores as variáveis, como em qualquer outra linguagem, devem ser respeitados os tipos das variáveis 01. int numero; 02. String nome; numero = 5; 05. nome = Fernando ; Na linha 04, é atribuído o valor 5, a variável denominada numero e na linha 05 é atribuído o valor Fernando a variável denominada nome, respeitando-se os seus respectivos tipos.

12 12 5. IMPRESSÃO DE TEXTOS JUNTAMENTE COM VALORES DE VARIÁVEIS 5.1. Imprimindo texto e variáveis através de concatenação System.out.println ( texto + variável); Imprime na janela de saída do IDE um texto juntamente com o valor de uma variável através do método da concatenação. Para a realizar a concatenação de textos com valores de variáveis, é utilizado o operador int idade; 02. String nome; idade = 18; 05. nome = José ; System.out.println ( Meu nome é: + nome); 08. System.out.println ( Minha idade é: + idade + anos ); A linha 07, Imprime o texto Meu nome é : concatenado com o valor atual da variável nome (José), e a linha 08, imprime o texto Minha idade é: concatenado com o valor da variável idade, concatenado com o texto anos na janela de saída do IDE Saída: Meu nome é: José Minha idade é: 18

13 Imprimindo texto e variáveis através de substituição System.out.printf ( texto %s, variável); Imprime na janela de saída do IDE um texto juntamente com o valor de uma variável de forma que o texto %s, é substituído pela variável informada 01. int idade; 02. String nome; idade = 18; 05. nome = José ; System.out.printf ( Meu nome é %s e minha idade é %s, nome, idade); A linha 07, Imprime o texto Meu nome é %s e minha idade é %s de forma que o conjunto de caracteres %s, é substituído pelas variáveis informadas na sequencia do comando Saída: Meu nome é José e minha idade é 18

14 14 6. LEITURA DE VALORES EM TEMPO DE EXECUÇÃO A PARTIR DA JANELA DE SAÍDA DO IDE º Passo Instanciado a classe Scanner (criação do objeto entrada) Scanner nome_do_objeto = new Scanner (System.in); Para realizar a leitura de qualquer valor digitado pelo usuário durante a execução do aplicativo através da janela de saída do IDE, é necessário instanciar a classe Scanner, esta classe está contida no Java e é classe a responsável pela leitura de valores. No exemplo abaixo é possível observar a criação do objeto entrada a partir da classe Scanner. 01. Scanner entrada = new Scanner (System.in); Na linha 01, é criada uma instância da classe Scanner no algoritmo. A instância de uma classe, também é denominada de objeto. Pode-se dizer também que na linha 01, é criado o objeto chamado entrada a partir da classe Scanner Quando a classe Scanner for instanciada no código-fonte do aplicativo, será obrigatória sua importação (será explicado pelo professor). Saída: Meu nome é: José Minha idade é: º Passo

15 Obtenção do valor digitado pelo usuário variável = entrada.next(); variável = entrada.nextint(); Alguns dos métodos contidos no objeto instanciado a partir da classe Scanner realizam a leitura dos valores a partir da janela de saída da IDE. Estes métodos são: nome_do_objeto.next() para valores do tipo String nome_do_objeto.nextint() para valores do int nome_do_objeto.nextdouble() para valores do tipo double Etc. (Sempre respeitado o tipo da variável referente ao valor a ser obtido) 01. String nome; 02. int idade; Scanner entrada = new Scanner (System.in); nome = entrada.next(); 07. idade = entrada.nextint(); Na linha 06, a variável nome recebe um valor do tipo String digitado pelo usuário do aplicativo na janela de saída do IDE e na linha 07, a variável idade recebe um valor do tipo int digitado pelo usuário

16 16 7. EXIBIÇÃO DE MENSAGENS E LEITURA DE VALORES EM TEMPO DE EXECUÇÃO A PARTIR DA INTERFACE GRÁFICA A linguagem de programação Java tem a sua disposição a biblioteca gráfica Swing que em uma de suas possibilidades, permite exibir uma caixa de diálogo para o usuário e realizar a obtenção de um valor digitado pelo usuário em tempo de execução através também de uma caixa de diálogo Exibição de uma mensagem através de caixa de diálogo JOptionPane.showMessageDialog(null, texto_a_ser_exibido ); Para exibir uma caixa de diálogo através da interface gráfica do Java é utilizado a classe JOptionPane. O método utilizado para exibir uma mensagem pop up é o.showmessagedialog(null, texto) 01. JOptionPane.showMessageDialog(null, Bom dia ); Na linha 01, é exibida uma caixa de diálogo para o usuário com o texto Bom dia Quando a classe JOptionPane for utilizada no código-fonte do aplicativo, será obrigatória a seguinte importação: javax.swing.joptionpane Saída:

17 Leitura de um valor através de uma caixa de diálogo nome_da_variável = JOptionPane.showInputDialog("texto_a_ser_exibido"); Assim como para realizar a exibição de uma mensagem através de uma caixa de diálogo, para realizar a leitura de uma valor através de uma caixa de diálogo é utilizado a classe JOptionPane. O método utilizado é o showinputdialog("texto_a_ser_exibido"); 01. String nome; 02. nome = JOptionPane.showInputDialog("Digite o nome"); Na linha 01, é exibida uma caixa de diálogo com a mensagem Digite um número e com uma caixa de texto para que o usuário informe a informação solicitada Quando a classe JOptionPane for utilizada no código-fonte do aplicativo, será obrigatória a seguinte importação: javax.swing.joptionpane Saída:

18 18 8. DECLARAÇÃO DE UM VETOR (ARRAY UNIDIMENSIONAL) 8.1. Declaração de um vetor com número de elementos definido int nome_do_vetor[ ] = new int [numero_de_elementos]; Realizar a declaração de um vetor (array) com o número de elementos definidos na linguagem Java, é muito semelhante a declaração de uma variável. É necessário informar o tipo do vetor, seu nome e o sinal [ ]. Na sequencia é necessário realizar a declaração do número de elementos que o vetor poderá admitir 01. int vetor[ ] = new int [5]; Na linha 01, é declarado um vetor do tipo inteiro chamado vetor com 5 elementos É importante sempre lembrar que a contagem das posições do vetor sempre são iniciadas na posição 0 (zero). De acordo com o exemplo supracitado, na declaração de um vetor de 5 posições, as posições disponíveis são: vetor[0], vetor[1], vetor[2], vetor[3], vetor[4] 8.2. Declaração de um vetor com número de elementos definido posteriormente Declaração de um vetor String nome_do_vetor [ ]; Para realizar somente a declaração de um vetor é necessário informar seu tipo, nome e os caracteres [ ]

19 String nome[ ]; Na linha 01, foi declarado que no algoritmo existirá um vetor do tipo String denominado nome, no entanto ainda não foi informada a quantidade de elementos que o mesmo poderá armazenar. É importante lembrar que o vetor somente poderá ser utilizado, após a declaração da sua quantidade de elementos Declaração do número de elementos de um vetor nome_do_vetor = new tipo_do_vetor [5]; Para realizar a declaração do número de elementos de um vetor, é necessário informar o nome do vetor anteriormente declarado (sem o número de elementos), sinal de igual e a declaração new tipo_do_vetor e a o número de elementos entre o sinal de colchetes. 01. String nome[ ]; 02. nome = new String [5]; Na linha 01, foi declarado que no algoritmo existirá um vetor do tipo String denominado nome, e na linha 02 foi declarado que o vetor nome poderá armazenar 5 elementos do tipo String A quantidade de elementos de um vetor pode ser declarada em qualquer local no algoritmo, no entanto o vetor não poderá armazenar nenhuma informação até que seja informada a quantidade de elementos que o mesmo pode armazenar

20 Declarando um vetor inserindo o valor de seus elementos tipo_do_vetor nome_do_vetor [ ] = { valor_1, valor_2, valor_3 }; É possível realizar na declaração de um vetor o valor dos seus elementos. De forma que quando isto é feito não é necessário informar a quantidade de elementos do vetor visto que a quantidade de elementos será igual a quantidade de elementos informados como valores na declaração 01. String nome [ ] = { Carlos, José, Matheus }; Na linha 01, foi declarado um vetor do tipo String denominado nome com os valores Carlos (posição 0), José (posição 1), Matheus (posição 2) 8.4 Atribuindo um valor a um elemento do vetor nome_do_vetor [posição_do_vetor] = valor; Para atribuir um valor a uma posição do vetor, é necessário informar o nome do vetor, a posição do vetor (entre colchetes) e o valor a ser atribuido 01. int nota [ ]; 02. nota = new int [3]; 03. nota [2] = 10; Na linha 03, o elemento 2 do vetor nota recebe o valor 10

21 21 9. DECLARAÇÃO DE UMA MATRIZ (ARRAY BIDIMENSIONAL) 9.1. Declaração de uma matriz com número de elementos definido int nome_da_matriz [ ] [ ]= new int [numero_de_elementos] [numero_de_elementos]; Realizar a declaração de uma matriz (array bidimensional) com o número de elementos definidos na linguagem Java, é muito semelhante a declaração de um vetor (array unidimensional), a única diferença é que é necessário informar também o número de elementos da segunda dimensão do array (colunas) 01. int pontos[ ] [ ] = new int [3] [5]; Na linha 01, é declarado uma matriz (array bidimensional) do tipo int denominada pontos com 3 linhas e 5 colunas Assim como em um vetor (array unidimensional) também é possível definir a quantidade de elementos de uma matriz em qualquer posição do algoritmo. Seguindo a mesma lógica do exemplo citado para vetores. 01. int pontos[ ] [ ]; 02. pontos = new int [3] [5]; Obs:

22 22 Na linguagem Java pode ser declarado o formato de array que o usuário desejar; array unidimensional, array bidimensional, array tridimensional; etc 01. int pontos[ ] [ ]; 02. int pointer [ ] [ ] [ ]; 9.2. Atribuindo um valor a uma posição da matriz nome_da_matriz [posição_da_linha_da_matriz] [posição_da_coluna_da_matriz] = valor; Para atribuir um valor a uma posição de uma matriz, é necessário informar o nome do vetor, a posição na linha da matriz (entre colchetes), a posição na coluna da matriz (entre colchetes) e o valor a ser atribuido 01. int pontos [ ] [ ]; 02. pontos = new int [3] [3]; 03. pontos [2] [1] = 7; Na linha 03, o elemento da matriz situado na linha 2, coluna 3, recebe o valor 7

23 ESTRUTURAS DE DECISÃO if if (condição){ comando ou bloco de comandos; } Para construir uma estrutura de decisão em Java, é necessário utilizar o comando if, informar a condição (teste lógico) e entre chaves o comando ou bloco de comandos que serão executados caso a condição seja verdadeira. Não é necessário colocar o código entre chaves o código a ser executado, no entanto essa é uma forma de tornar o código-fonte de um aplicativo mais organizado por isso o autor prefere utilizar esta maneira. 01. if (A == B) { 02. System.out.println ( A variável A é igual a variável B ); 03. } Na linha 01, é realizada a criação da estrutura de decisão if e realizado o teste condicional referente a igualdade entre as variáveis A e B. Caso o valor desse teste seja verdadeiro, será exibida na janela de saída da IDE o

24 24 texto: A variável A é igual a variável B (linha 02), caso contrario, nenhuma ação será executada Operadores lógicos lógicos: A linguagem de programação Java possui os seguintes operadores Tabela 1. Operadores lógicos Operador Operação > Maior que > Menor que >= Maior ou igual que <= Menor ou igual que == Igual!= Diferente && E OU if..else if (condição){ comando ou bloco de comandos; } else { comando ou bloco de comandos; }

25 25 Na estrutura de decisão if, também é possível utilizar o comando else visto que este realiza a execução de um comando ou bloco de comandos, caso o teste condicional realizado na estrutura de decisão seja falso 01. if (A == B) { 02. System.out.println ( A variável A é igual a variável B ); 03. } 04. else { 05. System.out.println ( As variáveis tem valores diferentes ); 06. } Na linha 01, é realizada a criação da estrutura de decisão if e realizado o teste condicional referente a igualdade entre as variáveis A e B. Caso o valor desse teste seja verdadeiro, será exibida na janela de saída da IDE o texto: A variável A é igual a variável B (linha 02). Na linha 04 é utilizado o comando else que realiza a execução de um comando ou bloco de comandos (linha 05), caso o teste condicional da estrutura de decisão retorne falso

26 ESTRUTURA DE ESCOLHA switch..case switch (variável a ser testada) { case valor_1: { bloco de comandos; } break; case valor_2: { bloco de comandos; } break; default: { bloco de comandos; } break; } Para construir uma estrutura de escolha na linguagem de programação Java é necessário utilizar o comando switch e informar a variável a ser verificada. Na sequencia é necessário utilizar o comando case, para especificar o bloco de comandos a serem executados mediante a variável encontrada. Também é necessário utilizar o comando break após cada case. O bloco default (opcional) é executado quando o valor da variável verificada não corresponde a nenhum dos casos

27 switch (numero) { 02. case 1: { 03. System.out.println ( Foi digitado o número 1 ); 04. } break; 05. case 2: { 06. System.out.println ( Foi digitado o número 2 ); 07. } break; 08. default: { 09. System.out.println( Não foi digitado o número 1 nem o número 2 ); 10. } break; 11. } Na linha 01, é realizada a criação da estrutura de escolha switch e realizado o teste condicional referente a variável do tipo int denominada numero. Caso o valor desta variável seja 1, será exibido o texto: Foi digitado o número 1 (linha 03), caso o valor da variável numero seja 2, será exibido o texto: Foi digitado o número 2 (linha 06), caso o valor encontrado não corresponda a nenhum dos casos, será executado o bloco default e exibido o texto: Não foi digitado o número 1 nem o número 2 (linha 09), caso contrario, nenhuma ação será executada.

28 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO while while (teste condicional) { } bloco de comandos; Para a construção da estrutura de repetição while, é necessário informar o comando while e na sequencia o teste condicional a ser realizado. Caso o teste condicional seja verdadeiro, o laço de repetição é iniciado e executado até que o mesmo apresente um valor falso Caso seja necessário um contador, é importante não esquecer de incrementá-lo para evitar um loop infinito 01. int i = 1; 02. while (i > 0 && i < 11) { 03. System.out.println ( O valor atual do contador é: + i); 04. i++;

29 } Na linha 02, é realizada a criação da estrutura de repetição while e realizado o teste condicional referente à variável do tipo int denominada i. Caso o valor desta variável seja maior que 0 e menor que 11, o laço de repetição será iniciado e será exibido o texto: O valor atual do contador é: + valor _da_variável (linha 03). Na linha 04 é realizado o incremento do contador e na linha seguinte é finalizada a estrutura de repetição do..while do{ bloco de comandos; } while (teste condicional) Para a construção da estrutura de repetição do..while, é necessário informar o comando do e entre chaves o comando ou bloco de comandos a ser executado. Após isso é necessário informar o comando while e o teste condicional a ser realizado. A principal diferença entre a estrutura de repetição while e do..while é que a estrutura de repetição do..while executa o seu bloco de comandos, para depois realizar o teste condicional e verificar se executará novamente a repetição do bloco. Ou seja ela executa pelo menos uma vez o bloco de comandos seja a condição verdadeira ou falsa enquanto na estrutura de repetição while caso o teste condicional seja falso o bloco de comandos não é executado nenhuma vez 01. int i = 10;

30 do { 03. System.out.println ( O valor atual do contador é: + i); 04. System.out.println ( Não esqueça de incrementar o contador ); 05. i--; 06. } while (i > 0); Na linha 02, é realizada a criação da estrutura de repetição do..while e informado o bloco de comandos a ser executado (linhas 03 e 04). Na linha 05 é realizado o decremento da variável de controle i (contador) e na sequencia é finalizado o bloco de comandos e informado o teste condicional referente à variável do tipo int denominada i, sendo que caso o valor desta variável seja maior que 0, o bloco de comandos é executado novamente for for (inicialização da variável; teste condicional; incremento ou decremento) { } comando ou bloco de comandos; Para a construção da estrutura de repetição for, é necessário informar o comando for e na sequencia entre parênteses, inicializar a variável de controle (contador), informar o teste condicional do laço de repetição e o incremento ou decremento da variável de controle. Após isso é necessário informar entre chaves o comando ou bloco de comandos a serem executados caso o teste condicional seja verdadeiro. A principal diferença da estrutura de repetição for para as outras duas mencionadas (while e do..while) é que na declaração da estrutura de repetição for, já é determinado o número de vezes que a mesma será repetida A estrutura de repetição for realiza automaticamente o incremento ou decremento da variável de controle mediante as informações passadas na sua declaração

31 for (int i = 1; i <=10; i++) { 02. System.out.println ( O valor atual do contador é: + i); 03. } Na linha 01, é realizada a criação da estrutura de repetição for e inicializada a variável de controle i, informado o teste condicional (se i for menor ou igual a 10) e o incremento da variável i (contador). Na linha 02 é declarado o bloco de comandos a ser executado e na linha 03 é finalizada a estrutura de repetição. 13. CONVERSÃO DE TIPOS Durante o desenvolvimento de um aplicativo muitas vezes será necessário realizar a conversão de tipos de variáveis, principalmente quando trabalhos com interfaces gráficas. A linguagem de programação Java possui diversos métodos de conversão de tipos sendo alguns desses explicados abaixo Conversão de tipos através de cast nome_da_variavel = (tipo_a_ser_convertido) variável_a_ser_convertida; O cast (conversão) é utilizado para conversões explícitas e pode ser utilizado em todos os tipos primitivos, exceto boolean. 01. double valor = 23.5; 02. byte letra = A ; 03. int value = (int) valor; 04. char letter = (char) letra;

32 32 Na linha 03, é declarado uma variável do tipo int denominada value que através do cast (conversão de tipos) recebe o conteúdo da variável valor do tipo double Na linha 04, é declarado uma variável do tipo char denominada letter que através do cast (conversão de tipos) recebe o conteúdo da variável letra do tipo byte Obs: A conversão através de cast para tipos primitivos pode ser realizada respeitando a seguinte tabela: Tabela 2. Casts possíveis Para: De: byte short char int long float double byte Impl. (char) Impl. Impl. Impl. Impl. short (byte) (char) Impl. Impl. Impl. Impl. char (byte) (short) Impl. Impl. Impl. Impl. int (byte) (short) (char) Impl. Impl. Impl. long (byte) (short) (char) (int) Impl. Impl. float (byte) (short) (char) (int) (long) Impl. double (byte) (short) (char) (int) (long) (float) * fonte: Apostila Java e orientação a objetos Caelum. Disponível em: Obs: Em algumas das células da Tabela 2, é possível observar a informação Impl. que nesse caso é a abreviação da palavra implícita. Quando a conversão de tipos de variáveis é implícita, não é necessário nenhum tipo de conversão pois a linguagem de programação a realiza automaticamente.

33 Conversão de outros tipos de variáveis para String nome_da_variavel = String.valueOf (variável_a_ser_convertida); Através da sintaxe descrita, é possível converter qualquer tipo de variável para uma String. 01. double valor = 23.5; 02. String temp; 03. temp = String.valueOf (valor); Na linha 03, a variável temp do tipo String, recebe o conteúdo da variável valor do tipo double convertido para o tipo String Conversão de uma String para outros tipos de variáveis nome_da_variavel = Tipo_da_variável.valueOf (variável_string_a_ser_convertida); Através da sintaxe descrita, é possível converter uma variável do tipo String para uma variável de qualquer outro tipo. 01. String temperatura = 36.6 ; 02. double temp; 03. temp = Double.valueOf (temperatura); Na linha 03, a variável temp do tipo double, recebe o conteúdo da variável temperatura do tipo String convertido para o tipo double

Lógica de Programação. Lógica de Programação com Java

Lógica de Programação. Lógica de Programação com Java Lógica de Programação Lógica de Programação com Java Sumário Lógica de programação 1. Algoritmos 2. Comentários no código 3. Tipos de dados 4. Constantes e Variáveis 5. O que devemos saber para começar

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes Implementação Orientada a Objetos - Profª. Danielle Martin. Guia da Sintaxe do Java

Universidade de Mogi das Cruzes Implementação Orientada a Objetos - Profª. Danielle Martin. Guia da Sintaxe do Java Guia da Sintaxe do Java TIPOS PRIMITIVOS DE DADOS DO JAVA São os tipos nativos de dados do Java, que podem ser usados na declaração de atributos, variáveis, parâmetros. Tipo primitivo Tamanho Valor padrão

Leia mais

Variáveis primitivas e Controle de fluxo

Variáveis primitivas e Controle de fluxo Variáveis primitivas e Controle de fluxo Material baseado na apostila FJ-11: Java e Orientação a Objetos do curso Caelum, Ensino e Inovação, disponível para download em http://www.caelum.com.br/apostilas/

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Professor: Diego Oliveira Conteúdo 05: Linguagem Java Conteúdo da Aula Linguagem Java Tipos Primitivos Operadores Aritiméticos Operadores Lógicos Precedência de Operadores

Leia mais

Estruturas de Repetição em Java

Estruturas de Repetição em Java 1 Linguagem de Programação Estruturas de Repetição em Java A realização da repetição controlada por contador requer: 1. Uma variável de controle (ou contador de loop). 2. O valor inicial da variável de

Leia mais

Java 2 Standard Edition Tipos, literais, operadores e controle de fluxo

Java 2 Standard Edition Tipos, literais, operadores e controle de fluxo Java 2 Standard Edition Tipos, literais, operadores e controle de fluxo Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Operadores e controle de fluxo da execução Este módulo explora as estruturas procedurais da

Leia mais

Introdução à Linguagem C++

Introdução à Linguagem C++ Introdução à Linguagem C++ C++: Definição C++ C A Linguagem de Programação C++ pode ser definida como uma extensão da Linguagem C; Todo código de programação em Linguagem C pode a priori ser compilado

Leia mais

Ambientação com a Sintaxe de Java: parte 1

Ambientação com a Sintaxe de Java: parte 1 Ambientação com a Sintaxe de Java: parte 1 Prof. Gustavo Wagner FATEC-PB Programas em Java Texto do programa: arquivo com extensão.java Arquivo contém ao menos uma classe Nome do arquivo deve ser IGUAL

Leia mais

Tipos, Literais, Operadores

Tipos, Literais, Operadores Tipos, Literais, Operadores Identificadores São palavras utilizadas para nomear variáveis, métodos e classes Na linguagem Java, o identificador sempre começa por letra, sublinhado(_) ou cifrão ($) Não

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Aula 4 Estruturas de Controle

Aula 4 Estruturas de Controle UNIP Universidade Paulista Ciência da Computação Aula 4 Estruturas de Controle Prof. Célio Ricardo Castelano 1 Tópicos Abordados 1) Instruções de seleção em Java: 2) Instruções de repetição em Java: 2

Leia mais

Revisão C++ - Parte 1

Revisão C++ - Parte 1 Revisão C++ - Parte 1 Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 5/3/2010 OBJETIVO DA AULA Revisar os principais comandos

Leia mais

Estruturas de Controle em c#

Estruturas de Controle em c# Estruturas de Controle em c# Fábio Moura Governo de Pernambuco Agenda Tipos de estruturas de controle; if; if-else; if-else-if; switch-case; while; do-while; for; foreach; Exercício. Tipos de Estruturas

Leia mais

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis Introdução a classes e objetos Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis Estruturas de Seleção if... else Operador condicional (? : ) switch Aula de Hoje Estruturas de Repetição: while/do... while/for

Leia mais

Lição 4 Fundamentos da programação

Lição 4 Fundamentos da programação Lição 4 Fundamentos da programação Introdução à Programação I 1 Objetivos Ao final desta lição, o estudante será capaz de: Identificar as partes básicas de um programa em Java Reconhecer as diferenças

Leia mais

JAVA. Professor: Bruno Toledo

JAVA. Professor: Bruno Toledo JAVA Professor: Bruno Toledo Funcionamento de uma LP Em uma Linguagem de Programação (LP) como C e Pascal, temos o seguinte quadro quando vamos compilar um programa. Código fonte em c Teste.c Gera código

Leia mais

Estruturas de Controle

Estruturas de Controle Estruturas de Controle Mário Meireles eixeira UMA DEIN ópicos Estruturas de Controle condicionais repetição Expressões Lógicas operadores relacionais operadores lógicos Estruturas de Controle 2 1 Introdução

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S PROGRAMAÇÃO I VA R I Á V E I S, C O N S TA N T E S, O P E R A D O R E S E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S Variáveis 2 Variáveis são locais onde são armazenados os valores na memória. Toda variável é

Leia mais

PHP: Printa Hello World na página do navegador, mais fácil do que no Java.

PHP: <?php echo(hello World);?> Printa Hello World na página do navegador, mais fácil do que no Java. Nome: Vinícius Meng 3º ano Escrever em tela: public class HelloWorld { public static void main (String[] args) { System.out. println ("Hello World"); Printa Hello World na tela do terminal. echo("hello

Leia mais

Array em Java. Figura 1 - Exemplo de um array de inteiros

Array em Java. Figura 1 - Exemplo de um array de inteiros Array em Java 1. Objetivos Nesta lição, abordaremos Array em Java. Primeiro, definiremos o que é array e, então, discutiremos como declará-los e usá-los. Ao final desta lição, o estudante será capaz de:

Leia mais

Linguagem de Programação C. Prof. Fabrício Olivetti de França

Linguagem de Programação C. Prof. Fabrício Olivetti de França Linguagem de Programação C Prof. Fabrício Olivetti de França Linguagem C 2 Linguagem C Imperativo e estruturado Pequeno conjunto de palavras-chaves, operadores, etc. Tipagem estática, porém fraca Permite

Leia mais

Sintaxe Básica de Java Parte 2

Sintaxe Básica de Java Parte 2 Sintaxe Básica de Java Parte 2 Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Instruções Condicionais A instrução

Leia mais

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES Prof. André Backes LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve

Leia mais

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES Prof. André Backes LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve

Leia mais

Introdução a JAVA. Variáveis, tipos, expressões, comandos e blocos

Introdução a JAVA. Variáveis, tipos, expressões, comandos e blocos + Introdução a JAVA Variáveis, tipos, expressões, comandos e blocos +Roteiro 2 Variáveis e tipos Operadores aritméticos, lógicos, relacionais e bit-a-bit Atribuição Comandos básicos Ler, Escrever, Condicional,

Leia mais

Estruturas de Decisão

Estruturas de Decisão Motivação O controle do fluxo da execução em Java utiliza os mesmos comandos existentes em outras linguagens Decisão: if-else, switch-case Repetição: for, while, do-while Desvios: return, continue, break

Leia mais

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Este documento explica como transformar um algoritmo escrito na forma pseudocódigo

Leia mais

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C DCC 120 Laboratório de Programação Variáveis Uma variável representa um espaço na memória do computador para armazenar um determinado tipo de dado. Em C,

Leia mais

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 0 Revisão 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Variáveis e Constantes Operadores e Expressões Entrada e Saída Tomada de Decisão Construção com laços

Leia mais

Algoritmos I Aula 13 Linguagem de Programação Java

Algoritmos I Aula 13 Linguagem de Programação Java Algoritmos I Aula 13 Linguagem de Programação Java Professor: Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Ciência da Computação IDE Eclipse IDE (Integrated development environment) Criar um projeto

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição 1 Comando while Deseja-se calcular o valor de: 1 + 2 + 3 +... + N. Observação: não sabemos, a priori, quantos termos

Leia mais

5 Arrays. 5.1 Criando um array. 5.2 Inicializando arrays. c:\>java Array Janeiro tem 31 dias.

5 Arrays. 5.1 Criando um array. 5.2 Inicializando arrays. c:\>java Array Janeiro tem 31 dias. 5 Arrays Arrays são grupos de variáveis do mesmo tipo. As arrays podem armazenar variáveis de qualquer tipo (tipo de dado primitivo ou objetos), mas é importante lembrar que todos os valores devem ser

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES Prof. André Backes POR QUE USAR ARRAY? As variáveis declaradas até agora são capazes de armazenar um único valor por vez. Sempre que tentamos armazenar um novo valor

Leia mais

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS 782 - Programação em C/C++ - estrutura básica e conceitos fundamentais Linguagens de programação Linguagem de programação são conjuntos de palavras formais, utilizadas na escrita de programas, para enunciar

Leia mais

Arrays. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul

Arrays. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL 2015 Arrays ou vetores são estruturas de dados que armazenam usualmente uma quantidade fixa de dados de um determinado tipo Também são conhecidos como estruturas

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java Linguagem Java Objetivos Compreender como desenvolver algoritmos básicos em JAVA Aprender como escrever programas na Linguagem JAVA baseando-se na Linguagem Portugol aprender as sintaxes equivalentes entre

Leia mais

Programação com Acesso a BD. Programação com OO Acesso em Java

Programação com Acesso a BD. Programação com OO Acesso em Java Programação com OO Acesso em Java a BD Curso: Técnico em Informática Campus: Ipanguaçu José Maria Monteiro Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio Departamento Clayton Maciel de Informática

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Laços de Repetição for() / while() / do{}while() Gil Eduardo de Andrade Introdução Laços de Repetição Um laço de repetição permite que um determinado trecho de código seja executado

Leia mais

Algoritmos. Algoritmos. Linguagem de programação. Conceitos. Conceitos. Conceitos. Sintaxe do comando para incluir bibliotecas no programa:

Algoritmos. Algoritmos. Linguagem de programação. Conceitos. Conceitos. Conceitos. Sintaxe do comando para incluir bibliotecas no programa: Algoritmos Algoritmos Leandro Tonietto Unisinos ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto/inf/pg1/algoritmosi_java.pdf Mar-2008 Possuem sintaxe flexível e são mais úteis para descrição

Leia mais

Linguagem C++ Estruturas de controle Parte II Estruturas de repetição

Linguagem C++ Estruturas de controle Parte II Estruturas de repetição Fundamentos de Programação Linguagem C++ Estruturas de controle Parte II Estruturas de repetição Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Estruturas de Controle Permitem o controle da sequência de execução de um

Leia mais

Orientação a Objetos e Java

Orientação a Objetos e Java Orientação a Objetos e Java Daves Martins davesmartins@yahoo.com.br Mestre em Computação de Alto Desempenho pela UFRJ Especialista em Banco de Dados Analista Web Orientação a Objetos e Java Características

Leia mais

#include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

#include <stdio.h> Void main() { printf( Cheguei!\n); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C #include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C ANTES DO C ERA A LINGUAGEM B B foi essencialmente uma simplificação da linguagem BCPL. B só tinha um tipo de dado, que

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO II REVISÃO POO

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO II REVISÃO POO REVISÃO POO INTRODUÇÃO À LINGUAGEM JAVA CRIANDO CLASSES EM JAVA Convenção de Nomes em Java Classes iniciam com letras maiúsculas Métodos, atributos e variáveis locais iniciam com minúsculas. Declaração

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Faculdade de Computação Aula Revisão Marcelo Zanchetta do Nascimento Material elaborado pela Profa. Ana Carolina Lorena - UNIFESP Desenvolvimento de Software ANÁLISE IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Semana 2 Estruturas de Condição, Seleção e Repetição. Prof. Tiago Jesus de Souza

Semana 2 Estruturas de Condição, Seleção e Repetição. Prof. Tiago Jesus de Souza Atualização Técnica e Pedagógica de Professores no componente de Lógica de Programação com C# (console) Semana 2 Estruturas de Condição, Seleção e Repetição Prof. Tiago Jesus de Souza Introdução Nesta

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Palavras Reservadas da Linguagem Java

Palavras Reservadas da Linguagem Java Palavras Reservadas da Linguagem Java Palavras Reservadas da Linguagem Java: Categorias Tipos de dados primitivos Literais Pseudo-variáveis Desvio e controle de fluxo Pacotes Exceções Modificadores de

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II. Ponteiros

Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II. Ponteiros Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II Ponteiros Profa.: Simone Ceolin Slides (Prof.Tiago Rios da Rocha) Primeiro Semestre 2011 Sumário

Leia mais

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente:

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente: Vetores Vetor é um tipo de dado usado para representar uma certa quantidade de variáveis de valores homogêneos (do mesmo tipo). Imagine o seguinte problema: calcular a média das notas da prova de 5 alunos.

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

A Linguagem C. A forma de um programa em C

A Linguagem C. A forma de um programa em C A Linguagem C Criada em 1972 por D. M. Ritchie e K. Thompson. Tornou-se uma das mais importantes e populares, principalmente pela portabilidade e flexibilidade. Foi projetada para o desenvolvimento de

Leia mais

Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while.

Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Conceitos básicos do C. 2 Introdução às funções. Entrada e saída. Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Variáveis, constantes, operadores e expressões Switch / break / matrizes e

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO MATLAB

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO MATLAB TURMA 1 AULA 5 INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO MATLAB MINICURSO PET-POTÊNCIA 2016.1 RÔMULLO RANDELL MINICURSO PET-POTÊNCIA 2016.1 INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO MATLAB RÔMULLO RANDELL Turma

Leia mais

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento Hello World Linguagem C printf("hello world!\n"); main é a função principal, a execução do programa começa por ela printf é uma função usada para enviar dados para o vídeo Palavras Reservadas auto double

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução As estruturas de repetição, permitem executar mais de uma vez um mesmo trecho de código. Trata-se de uma forma de executar blocos de comandos somente sob determinadas

Leia mais

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões INF1005: Programação 1 Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Programando em C Funções Variáveis Define Operadores e Expressões Entrada e Saída

Leia mais

UNIDADE I AULA II. Introdução à programação Java

UNIDADE I AULA II. Introdução à programação Java UNIDADE I AULA II Introdução à programação Java Java é uma linguagem sensível ao caixa, ou seja, distingue maiúsculas de minúsculas: nome é diferente de Nome, por exemplo. Comentários São os textos usados

Leia mais

Cap. 2 Expressões na linguagem C

Cap. 2 Expressões na linguagem C Programação de Computadores II Cap. 2 Expressões na linguagem C Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (24) Slides adaptados dos originais

Leia mais

Métodos Computacionais. Comandos Condicionais e de Repetição em C

Métodos Computacionais. Comandos Condicionais e de Repetição em C Métodos Computacionais Comandos Condicionais e de Repetição em C Tópicos da Aula Hoje vamos acrescentar comportamentos mais complexos a programas em C Comandos Condicionais if-else switch Comandos de Repetição

Leia mais

JSP Prof. Daniela Pires. VARIAVEIS... 2 Tipos de Dados... 2 String Float Integer Boolean... 3

JSP Prof. Daniela Pires. VARIAVEIS... 2 Tipos de Dados... 2 String Float Integer Boolean... 3 Conteúdo VARIAVEIS... 2 Tipos de Dados... 2 String... 2 Float... 3 Integer... 3 Boolean... 3 Variáveis... 4 O que são variáveis?... 4 Tipo de variáveis... 5 Concatenação:... 6 1 VARIAVEIS Antes de falarmos

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. A diferença a entre as matrizes e as arrays é que acrescentamos mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. A diferença a entre as matrizes e as arrays é que acrescentamos mais Curso de PHP FATEC - Jundiaí Matrizes Multidimensionais A diferença a entre as matrizes e as arrays é que acrescentamos mais um índice para identificar a posição na matriz. O número n de índices será diretamente

Leia mais

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução a classes e objetos Prof. Marcelo Roberto Zorzan Aula de Hoje Abstração de Dados Classes e Objetos Definição de Métodos Métodos com parâmetro Abstração de Dados Processo mental através do qual

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA I

PROGRAMAÇÃO I A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA I PROGRAMAÇÃO I A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA I Prof. Dr. Daniel Caetano 2017-1 Objetivos Conhecer os tipos de dados, constantes e como declarar variáveis Conhecer os operadores e expressões Conhecer e

Leia mais

INF1337 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS

INF1337 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS INF1337 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Departamento de Informática PUC-Rio Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Programa Capítulo 3 Ponteiros e Variáveis de Objeto Construtores

Leia mais

Sintaxe Básica de Java Parte 1

Sintaxe Básica de Java Parte 1 Sintaxe Básica de Java Parte 1 Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marcioubeno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Estrutura de Programa Um programa

Leia mais

NOME DO ALUNO: AVALIAÇÃO SIMULADA

NOME DO ALUNO: AVALIAÇÃO SIMULADA CURSO: ECA ECV EEL EPR - EMC SÉRIE: 1 a. e 2 a. DISCIPLINA: Algoritmos e Programação PROFESSOR: Paulo Cesar F. De Oliveira, BSc, PhD* RA: DATA: 21/11/2016 NOTA: NOME DO ALUNO:, AVALIAÇÃO SIMULADA 1ª Questão

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação GGI030 Programação Orientada a Objetos 1o. Semestre de 2017 Prof.

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação GGI030 Programação Orientada a Objetos 1o. Semestre de 2017 Prof. Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação GGI030 Programação Orientada a Objetos 1o. Semestre de 2017 Prof. Renato Pimentel Prática 02 Java básico Atividade individual. Crie um novo projeto

Leia mais

Linguagem C (estruturas condicionais)

Linguagem C (estruturas condicionais) Linguagem C (estruturas condicionais) André Tavares da Silva atavares@joinville.udesc.br Comandos de Controle de Fluxo Todos os comandos devem ser terminados com um ;. { e são usados para delimitar um

Leia mais

Material III-Bimestre Introdução e conceitos fundamentais da Linguagem C#

Material III-Bimestre Introdução e conceitos fundamentais da Linguagem C# Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina POO -2017 Material III-Bimestre Introdução e conceitos fundamentais da Linguagem C# http://www1.univap.br/~wagner Prof.

Leia mais

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação Linguagem C Controle do Fluxo de Execução Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Aqui começaremos a escrever os nossos primeiros programas em uma Linguagem de Programação. Divirta-se!!! Estrutura Seqüencial

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 APROG Algoritmia e Programação Linguagem JAVA Básico Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 Linguagem Java Estrutura de um Programa Geral Básica Estruturas de Dados Variáveis Constantes Tipos de Dados

Leia mais

Classes o Objetos. Classes, objetos, métodos e variáveis de instância

Classes o Objetos. Classes, objetos, métodos e variáveis de instância Classes o Objetos Um recurso comum de cada aplicativo feito até agora é que todas as instruções que realizavam tarefas localizavam-se no método main. Se você tornar parte de uma equipe de desenvolvimento

Leia mais

Módulo 04 Expressões, Estruturas de Seleção e Controle de Fluxo. Última atualização: 09/06/2010

Módulo 04 Expressões, Estruturas de Seleção e Controle de Fluxo. Última atualização: 09/06/2010 Módulo 04 Expressões, Estruturas de Seleção e Controle de Fluxo Última atualização: 09/06/2010 Objetivos Distinguir entre variáveis de instância e locais; Descrever como iniciar variáveis de instância;

Leia mais

Classes e Objetos. Sintaxe de classe em Java

Classes e Objetos. Sintaxe de classe em Java Classes e Objetos Classes e Objetos A Programação Orientada a Objetos (POO) é uma técnica de programação que se baseia na construção de classes e utilização de objetos. Os objetos são formados por dados

Leia mais

AULA 6 - ARRAYS. Array de 10 elementos

AULA 6 - ARRAYS. Array de 10 elementos 1 AULA 6 - ARRAYS Arrays são objetos que armazenam diversas variáveis do mesmo tipo. Eles podem conter variáveis de referência primitivas ou de objeto, mas o array propriamente dito sempre será um objeto

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If...

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Else Switch Prof. Renato Pimentel 1 Operações relacionais Operações

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Estruturas de Controle. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo

Linguagem C. Programação Estruturada. Estruturas de Controle. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo Programação Estruturada Linguagem C Estruturas de Controle Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Introdução Tipos de Estruturas de Controle Estruturas de Seleção Simples

Leia mais

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução a classes e objetos Prof. Marcelo Roberto Zorzan Aula de Hoje Abstração de Dados Classes e Objetos Definição de Métodos Métodos com parâmetro Abstração de Dados Processo mental através do qual

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí TIPOS DE VARIÁVEIS

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí TIPOS DE VARIÁVEIS Curso de PHP FATEC - Jundiaí TIPOS DE VARIÁVEIS - Inteiros - Ponto Flutuante - String - Array - Objetos - Booleanos PHP utiliza checagem de tipos dinâmica, ou seja, uma variável vel pode conter valores

Leia mais

CURSO DE POO COM JAVA

CURSO DE POO COM JAVA 07 CURSO DE POO COM JAVA Arrays PROF. MARCOS VINICIUS marcos.engsoft@gmail.com Introdução Imaginemos que queiramos trabalhar com as notas dos alunos. Supondo que cada aluno deva ter cinco notas, podemos

Leia mais

Conceitos Básicos Linguagem C

Conceitos Básicos Linguagem C Conceitos Básicos Linguagem C PROF. MAURÍCIO A DIAS MACDIASPAE@GMAIL.COM 2 Método Método básico para construção de algoritmos 1. Compreender completamente o problema a ser resolvido, se possível dividindo

Leia mais

Módulo 5. Instruções if e switch. Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 5. Instruções if e switch. Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio) Módulo 5 Instruções if e switch Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio) Comando de decisão if Executa uma determinada seqüência de comandos se sua condição for verdadeira Sintaxe if (condição)

Leia mais

Seqüências de Caracteres

Seqüências de Caracteres Seqüências de Caracteres Strings Material da Prof. Ana Eliza Definição Uma STRING é uma seqüência de caracteres. Exemplos Maria José Número 10 5% de R$ 20,00 Introdução a Programação II - Prof. Márcio

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação Fundamentos de Programação Linguagem C++: arrays - aula I Bruno Emerson Gurgel Gomes 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN) 2012 Bruno Gomes (IFRN) Fundamentos de Programação

Leia mais

Introdução à Programação em C (I)

Introdução à Programação em C (I) Introdução à Programação em C (I) Factorial Definição de função para cálculo de factorial Scheme (define (factorial n) (if (= n 1) 1 (* n (factorial (- n 1))))) C int factorial (int n) { if (n == 1) return

Leia mais

4 TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

4 TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Programação Orientada a Objetos Aula 4 Programação Orientada a Objetos Entrada e Saída de Dados GUI em Java: pacote Swing O exemplo abaixo emprega o pacote Swing (javax.swing), que emprega componentes

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 Mestrado em Educação (em andamento) Pós-graduação em Negócios em Mídias Digitais (em andamento) MBA em Marketing e Vendas Especialista em games : Produção e Programação Bacharel em Sistema de Informação

Leia mais

Programação de Computadores I Funções de Repetição da Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Funções de Repetição da Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Funções de Repetição da Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO Comando WHILE O comando while executa um bloco de comandos enquanto a condição testada for verdadeira (diferente

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Introdução à Linguagem C Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br

Leia mais

PROGRAMAS BÁSICOS EM C++ Disciplina: Introdução à Ciência da Computação Prof. Modesto Antonio Chaves Universidade estadual do Sudoeste da Bahia

PROGRAMAS BÁSICOS EM C++ Disciplina: Introdução à Ciência da Computação Prof. Modesto Antonio Chaves Universidade estadual do Sudoeste da Bahia PROGRAMAS BÁSICOS EM C++ Disciplina: Introdução à Ciência da Computação Prof. Modesto Antonio Chaves Universidade estadual do Sudoeste da Bahia Calculo da área de um triângulo Algoritmo Área Var base,

Leia mais

Programação Orientada a Objeto Java

Programação Orientada a Objeto Java Programação Orientada a Objeto Java Aula 2 Introdução a Programação Java Sintaxe da Linguagem e Principais Conceitos Profª Kelly Christine C. Silva Sumário Construção do programa Saída de dados Entrada

Leia mais

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Introdução à Programação em C Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Linguagem C Criada em 1972 para uso no LINUX; Sintaxe base para diversas outras (Java, JavaScript, PHP, C++,

Leia mais

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná em C Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum; Em C todas as matrizes consistem

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros 2 Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros: introdução Toda a informação

Leia mais

Sintaxe da linguagem Java

Sintaxe da linguagem Java Sintaxe da linguagem Java (PG) Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Pedro Alexandre Pereira (palex@cc.isel.ipl.pt) Classe pública com método main Uma classe pública com nome A tem

Leia mais