Programação: Vetores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação: Vetores"

Transcrição

1 Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto /62

2 Motivação Problema Faça um programa que leia as notas dos alunos de uma turma de 5 alunos, determine e mostre a média aritmética das notas, e o número de alunos com notas inferiores à média. 2/62

3 Motivação (cont.) # include <stdio.h> int main ( void ) { double nota ; double soma = 0.0; for ( int i = 0; i < 5; i ++) { printf (" nota %d: ", i +1); scanf ("%lf", & nota ); soma = soma + nota ; } double media = soma / 5; printf (" média : %2f\n", media ); // e agora... como acessar as notas já digitadas? } return 0; 3/62

4 Motivação (cont.) Este programa utiliza uma única variável para armazenar a nota digitada pelo usuário. Toda vez que o usuário digita uma nova nota, o valor anteriormente digitado é perdido. Após ler todas as notas e calcular a média, não é mais possível comparar cada nota com a média. Solução? Usar uma variável diferente para armazenar cada nota. 4/62

5 Motivação (cont.) # include <stdio.h> int main ( void ) { double n1, n2, n3, n4, n5; printf (" nota 1: "); scanf ("%lf", &n1 ); printf (" nota 2: "); scanf ("%lf", &n2 ); printf (" nota 3: "); scanf ("%lf", &n3 ); printf (" nota 4: "); scanf ("%lf", &n4 ); printf (" nota 5: "); scanf ("%lf", &n5 ); double media = ( n1 + n2 + n3 + n4 + n5) / 5; printf (" média : %2f\n", media ); int cont = 0; if ( n1 < media ) cont ++; if ( n2 < media ) cont ++; if ( n3 < media ) cont ++; if ( n4 < media ) cont ++; if ( n5 < media ) cont ++; printf (" abaixo da média : %d\n", cont ); return 0; } 5/62

6 Motivação (cont.) O problema foi resolvido. Porém o fato de usarmos uma variável diferente para cada nota impossibilita o uso de comando de repetição. Assim foi necessáro escrever scanf 5 vezes, e if 5 vezes. 6/62

7 Motivação (cont.) Estenda o problema para trabalhar com uma turma de 100 alunos. É possível, porém esta será uma tarefa enfadonha e sujeita a erros, pois serão necessários: 100 variáveis distintas, cada uma com um nome diferente. 100 comandos scanf 100 comandos if Pergunta: Existe outra maneira de trabalhar com as 100 variáveis sem usar 100 nomes diferentes? Resposta: Sim, utilizando vetor. 7/62

8 Motivação (cont.) Estenda o problema para trabalhar com um número de alunos que somente será conhecido em tempo de execução. Com este esquema não é possível. Pergunta: Existe uma maneira de trabalhar com um número desconhecido (pelo programador) de variáveis? Resposta: Sim, utilizando vetor. 8/62

9 Vetor Vetor é uma variável composta homogênea unidimensional. Um vetor é formado por uma sequência de variáveis, todas do mesmo tipo de dados. Dizemos que cada variável componente é um elemento do vetor. As variáveis que compõem um vetor são todas identificadas por um mesmo nome. Estas variáveis são alocadas sequencialmente na memória. 9/62

10 Vetor (cont.) 10/62

11 Declaração de uma variável vetor tipo identificador [tamanho]; Primeiro o tipo de dado dos componentes do vetor: int, float, double, char,... Segundo o nome da variável vetor: usando as mesmas convenções de um identificador comum: array, vetor, variaveldenumeros, vet,... E por fim, o tamanho do vetor (isto é, a quantidade de elementos que formam o vetor) escrito entre colchetes: [5], [10], [3],... 11/62

12 Declaração de uma variável vetor (cont.) Exemplos: int vet [6]; // um vetor de 6 inteiros double notas [100]; // um vetor de 100 doubles char texto [256]; // um vetor de 256 caracteres double medias [2* n]; // um vetor de 2* n doubles 12/62

13 Declaração de uma variável vetor (cont.) Todo vetor é um espaço linear na memória dividido em várias variáveis componentes de acordo com o tamanho declarado. Ao declaramos int vet [4] é alocado na memória um espaço linear para 4 variáveis inteiras, representadas da seguinte forma: Assim vet é uma variável vetor formada por 4 espaços de memória. 13/62

14 Acessando elementos de um vetor Os componentes de um vetor são numerados sequencialmente começando com zero. Para identificar cada componente usamos o nome do vetor juntamente com o número que indica a posição do componente na sequência. A posição de um componente é chamada de índice. Exemplo: double Notas [ 10]; 14/62

15 Acessando elementos de um vetor (cont.) Sintaxe: vetor[índice] Primeiramente escreve-se o vetor. Depois escreve-se o índice (uma expressão inteira) entre colchetes. 15/62

16 Acessando elementos de um vetor (cont.) Exemplo: double Notas [ 10]; Notas [1] = 9. 35; printf ("%f", Notas [1]); Notas[1] refere-se ao componente na posição 1 do vetor Notas, ou seja, o segundo elemento do vetor. 16/62

17 Acessando elementos de um vetor (cont.) Uma vez que as variáveis que compõem o vetor têm o mesmo nome, o que distingue cada uma delas é o seu índice, que referencia sua localização dentro da estrutura. 17/62

18 Acessando elementos de um vetor (cont.) 18/62

19 Acessando elementos de um vetor (cont.) A primeira posição de um vetor tem índice 0. A última posição de um vetor tem índice tamanho - 1. Importante: O sistema de execução não verifica se o índice usado para acessar um componente do vetor é válido. É responsabilidade do programador garantir que o índice usado para acessar um elemento de um vetor é válido. 19/62

20 Acessando elementos de um vetor (cont.) Não esqueça: Para acessar uma posição específica de um vetor basta indicar a posição desejada entre colchetes A posição é chamada de índice. A faixa de índices válidos inicia em 0 e termina com o tamanho - 1. Exemplo: os índices válidos para um vetor de tamanho 4 são 0, 1, 2 e 3. 20/62

21 Acessando elementos de um vetor (cont.) Exemplo: Declarar um vetor de tamanho 4 e atribuir o valor 540 na posição 1 e o valor 8456 na posição 3. int vetor [4]; vetor [1] = 540; vetor [3] = 8456; 21/62

22 Acessando elementos de um vetor (cont.) O limite do vetor é sempre o seu tamanho menos 1. No exemplo anterior o vetor é de tamanho 4, a posição máxima é 3, pois 4 1 = 3. Se um valor for atribuído fora dos limites do vetor ocorrerá um erro muito grave, pois o valor estará sendo armazenado em um espaço de memória que não pertence ao vetor. Ainda no exemplo anterior, não se deve fazer vetor [4] = 200; 22/62

23 Exemplo: ler e mostrar um vetor Inserir 5 notas em um vetor, depois disso visualizar as notas inseridas. 23/62

24 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) # include <stdio.h> int main ( void ) { double notas [ 5]; // um vetor de 5 elementos int j; // índice no vetor // entrada dos dados for ( j = 0; j < 5; j ++) { printf (" Inserir nota %d: ", j +1); scanf ("%d", & notas [j ]); } // visualizaç~ao dos dados for ( j = 0; j < 5; j ++) printf ("%d ", notas [j ]); return 0; } 24/62

25 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 25/62

26 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 26/62

27 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 27/62

28 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 28/62

29 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 29/62

30 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 30/62

31 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 31/62

32 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 32/62

33 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 33/62

34 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 34/62

35 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 35/62

36 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 36/62

37 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 37/62

38 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 38/62

39 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 39/62

40 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 40/62

41 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 41/62

42 Exemplo: ler e mostrar um vetor (cont.) 42/62

43 Exemplo: média de 5 notas Faça um programa que leia as notas dos alunos de uma turma de 5 alunos, determine e mostre a média aritmética das notas, e o número de alunos com notas inferiores à média. 43/62

44 Exemplo: média de 5 notas (cont.) # include <stdio.h> int main ( void ) { double notas [5]; int indice ; // leitura dos dados for ( indice = 0; indice < 5; indice ++) { printf (" nota %d: ", indice + 1); scanf ("%lf", & notas [ indice ]); } // cálculo e exibiç~ao da média double soma = 0; for ( indice = 0; indice < 5; indice ++) soma = soma + notas [ indice ]; 44/62

45 Exemplo: média de 5 notas (cont.) double media = soma /5; printf (" média : %2f\n", media ); // cálculo e exibiç~ao da quantidade // de notas abaixo da média int cont = 0; for ( indice = 0; indice < 5; indice ++) if ( notas [ indice ] < media ) cont = cont + 1; printf (" abaixo da média : %d\n", cont ); } return 0; 45/62

46 Exemplo: preenchendo um vetor Colocar os números de 1 a 5 em Vetor. 46/62

47 Exemplo: preenchendo um vetor Colocar os números de 1 a 5 em Vetor. for ( int i = 0; i < 5; i ++) Vetor [i] = i + 1; 46/62

48 Exemplo: preenchendo um vetor Colocar os números de 1 a 5 em Vetor. for ( int i = 0; i < 5; i ++) Vetor [i] = i + 1; Colocar os números de 5 a 1 em Vetor. 46/62

49 Exemplo: preenchendo um vetor Colocar os números de 1 a 5 em Vetor. for ( int i = 0; i < 5; i ++) Vetor [i] = i + 1; Colocar os números de 5 a 1 em Vetor. for ( int i = 0; i < 5; i ++) Vetor [i] = 5 - i; 46/62

50 Uso de constantes com vetores Geralmente é melhor usar um nome representando um valor constante do que usar a própria constante em um programa. Para tanto define-se a constante no início do programa, e no restante do programa usa-se o nome definido. Se for necessário redefinir o valor da constante no texto do programa, o local a ser alterado é somente na declaração da constante. Além disto, o uso de um nome pode ser uma dica do significado da constante. 47/62

51 Uso de constantes com vetores (cont.) Geralmente é melhor definir e usar uma constante para representar o tamanho de um vetor do que escrever o valor do tamanho explicitamente em todas os locais que precisamos do tamanho. 48/62

52 Uso de constantes com vetores (cont.) Uma constante pode ser definida como uma macro do pré-processador usando a diretiva #define. No início da compilação, o pré-processador substitui todas as ocorrências no nome da macro pela definição dada. Este procedimento é apenas manipulação do texto do programa. Não é feita nenhuma checagem de tipo com o nome da macro. Exemplo: # define TAMANHO 5 double VetReais [ TAMANHO ]; // coloca 5,4,3,2,1 no vetor for ( i = 0; i < TAMANHO ; i ++) VetReais [ i] = TAMANHO + i; 49/62

53 Uso de constantes com vetores (cont.) Uma constante pode ser definida no nível da linguagem através do especificador const colocado em uma declaração de variável, antes no nome do tipo. A variável assim definida é similar às outras variáveis, exceto pelo fato de que o seu valor não pode ser alterado. Portanto não é possível fazer uma atribuição a ela. Exemplo: const int TAMANHO = 20 double VetReais [ TAMANHO ], VetCopia [ TAMANHO ]; // copia os dados de um vetor para outro for ( i = 0; i < TAMANHO ; i ++) VetCopia [i] = VetReais [i]; 50/62

54 Exemplo: ordem inversa Construa um algoritmo que leia 300 números inteiros e imprima esses números na ordem inversa de entrada. 51/62

55 Exemplo: ordem inversa (cont.) # include <stdio.h> # define QUANTIDADE 300 // definiç~ao de macro int main ( void ) { int vet [ QUANTIDADE ]; int i; // leitura dos dados for ( i = 0; i < QUANTIDADE ; i ++) { printf (" número %d: ", i + 1); scanf ("%d", & vet [i ]); } // impress~ao na ordem inversa printf ("\ nordem inversa :\n"); for ( i = QUANTIDADE - 1; i >= 0; i - -) printf (" número %d: %d\n", i + 1, vet [i ]); } return 0; 52/62

56 Inicialização de vetores Quando declaramos um vetor, os seus elementos não são inicializados. Neste caso os seus elementos são desconhecidos (lixo) e só deverão ser utilizados após atribuição. Porém é possível fazer a inicialização de um vetor com os valores iniciais desejados. Os valores inicias são colocados entre chaves {}. Exemplo: int v [5] = { 16, 36, 3, 8, 26 }; 53/62

57 Inicialização de vetores (cont.) A quantidade de valores entre chaves não deve ser maior que o tamanho do vetor. A fim de facilitar a inicialização, C permite omitir o número de elementos (tamanho): []. Neste caso, o compilador assume que o tamanho do vetor é igual ao número de valores especificados na inicialização (entre chaves). Exemplo: int v[] = { 16, 36, 3, 8, 26 }; 54/62

58 Busca Dada uma coleção de n elementos, pretende-se saber se um determinado valor x está presente nessa coleção. Para efeitos práticos, vamos supor que essa coleção é implementada como sendo um vetor de n elementos inteiros: v[0]..v[n-1]. 55/62

59 Pesquisa seqüêncial Utilizamos uma variável encontrado para sinalizar se o valor já foi encontrado. Inicialmente o seu valor é falso (representando como 0 no C). Percorremos o vetor desde a primeira posição até a última, ou até o valor ser encontrado: Para cada posição i, comparamos v[i] com o valor x: se forem iguais sinalizamos que o valor foi encontrado atribuindo verdadeiro (representado como 1 no C) à variável encontrado se chegarmos ao fim do vetor sem sucesso concluímos que o valor não existe no vetor 56/62

60 Pesquisa seqüêncial (cont.) Passos: 1. Inicialização int i = 0; int encontrado = 0; /* falso */ 57/62

61 Pesquisa seqüêncial (cont.) 2. Pesquisa while ( i < TAMANHO &&! encontrado ) { if ( vetor [i] == x) encontrado = 1; /* verdadeiro */ else i ++; } 58/62

62 Pesquisa seqüêncial (cont.) 3. Tratamento do resultado if ( encontrado ) printf (" Valor %d encontrado na posiç~ao %d\n", vetor [i], i); else printf (" Valor %d n~ao encontrado \n", vetor [i ]); 59/62

63 Pesquisa seqüêncial (cont.) Exemplo: # include <stdio.h> # define TAMANHO 4 int main ( void ) { int vet [ TAMANHO ]; int i; // leitura dos dados printf (" Digite %d números :\n", TAMANHO ); for ( i = 0; i < TAMANHO ; i ++) scanf ("%d", & vet [i ]); // leitura do valor a ser pesquisado int valor ; printf (" Valor procurado :\n"); scanf ("%d", & valor ); 60/62

64 Pesquisa seqüêncial (cont.) // realiza a pesquisa int encontrado = 0; /* falso */ for ( i = 0; i < TAMANHO &&! encontrado ; i ++) encontrado = ( vet [ i] == valor ); // exibe resultado if ( encontrado ) printf (" encontrado na posiç~ao % d\ n", i - 1); else printf (" n~ao encontrado \n"); } return 0; 61/62

65 FIM Créditos: Baseado no material preparado pelo Prof. Guillermo Cámara-Chávez. 62/62

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente:

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente: Vetores Vetor é um tipo de dado usado para representar uma certa quantidade de variáveis de valores homogêneos (do mesmo tipo). Imagine o seguinte problema: calcular a média das notas da prova de 5 alunos.

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES Prof. André Backes POR QUE USAR ARRAY? As variáveis declaradas até agora são capazes de armazenar um único valor por vez. Sempre que tentamos armazenar um novo valor

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada Prática com declaração e inicialização de variáveis Capacidade de representação (estouro de representação) Tamanho ocupado pela variável na memória (comando

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO. Matrizes. Prof. Alex Camargo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO. Matrizes. Prof. Alex Camargo UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO Matrizes Prof. Alex Camargo alexcamargoweb@gmail.com Definição Matriz é uma variável composta homogênea multidimensional. Conjunto de

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação Fundamentos de Programação Linguagem C++: arrays - aula I Bruno Emerson Gurgel Gomes 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN) 2012 Bruno Gomes (IFRN) Fundamentos de Programação

Leia mais

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores ! Variáveis, Tipos de Dados e Operadores Engenharias Informática Aplicada 2.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) VARIÁVEL VARIÁVEL É um local lógico, ligado a um endereço físico da memória

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Vetores e Strings int vetor[] / rand() / #define / char string[] / gets() Gil Eduardo de Andrade Vetores Introdução Um vetor pode ser definido como é um conjunto de elementos (variáveis)

Leia mais

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012 urso de à urso de à Universidade Federal Fluminense July 16, 2012 Indrodução urso de à O é uma linguagem de programação criada por Dennis Ritchie, em 1972 e que continua a ser muito utilizada até os dias

Leia mais

Aula 9 Oficina de Programação Matrizes. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 9 Oficina de Programação Matrizes. Profa. Elaine Faria UFU Aula 9 Oficina de Programação Matrizes Profa. Elaine Faria UFU - 26 Variáveis Compostas Homogêneas O que uma variável composta homogênea? - Conjunto de variáveis do mesmo tipo - É chamada de forma geral

Leia mais

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná em C Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum; Em C todas as matrizes consistem

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada 1º Programa: olamundo.c #include // biblioteca padrão de E/S /* Programa Olá Mundo */ int main(void) { printf( Olá mundo\n ); //exibe Olá mundo

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo ponteiros INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br ponteiros tópicos o que são ponteiros operadores usados com ponteiros passagem de ponteiros para funções referência

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros 2 Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros: introdução Toda a informação

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação I Tipos de Dados Básicos - C Professora: Norminda Luiza

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação I Tipos de Dados Básicos - C Professora: Norminda Luiza Universidade Federal do Espírito Santo Programação I Tipos de Dados Básicos - C Professora: Norminda Luiza Variáveis Tipos de Dados Básicos Formação dos identificadores o nome deve começar com uma letra

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 Instruções de Entrada Entrada/Leitura de dados Introduzir um valor inteiro/real para X 2 Instruções de Entrada Entrada/Leitura de dados Introduzir um valor inteiro/real

Leia mais

LP II Estrutura de Dados

LP II Estrutura de Dados LP II Estrutura de Dados Linguagem C Seleção e Repetição Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Estruturas de Seleção Simples Composta Aninhada Estruturas de

Leia mais

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1 Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação Lista de Exercícios 1 1. O programa seguinte tem vários erros em tempo de compilação. Encontre-os. Main() int a=1; b=2,

Leia mais

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C DCC 120 Laboratório de Programação Variáveis Uma variável representa um espaço na memória do computador para armazenar um determinado tipo de dado. Em C,

Leia mais

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz Variáveis Compostas Homogêneas São conhecidas na linguagem C como matrizes. Vetores e es É um conjunto de variáveis do mesmo tipo, acessíveis com um único nome e armazenadas de forma contínua na memória.

Leia mais

Computação 2. Aula 5. Profª. Fabiany defines vetor, strings e matriz por parâmetros de função

Computação 2. Aula 5. Profª. Fabiany defines vetor, strings e matriz por parâmetros de função Computação 2 Aula 5 defines vetor, strings e matriz por parâmetros de função Profª. Fabiany fabianyl@utfpr.com.br #define A diretiva #define define um identificador e uma string que o substituirá toda

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes Fundamentos de Programação Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes Prof.: Bruno Gomes 1 Variáveis Representa uma porção da memória que pode ser utilizada pelo programa para armazenar informações

Leia mais

Estrutura do programa

Estrutura do programa Linguagem C Estrutura do programa Exemplo: #include #include main() { printf( Ola, mundo! ); system( pause ); }

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar os dados dos tipos simples em tipos

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Oitava Aula Prática - 29 de outubro de 2010 O objetivo desta aula prática é exercitar ponteiros e funções. 1 Exercícios com ponteiros

Leia mais

Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples

Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples Prof. Vanderlei Bonato: vbonato@icmc.usp.br Prof. Claudio Fabiano Motta Toledo: claudio@icmc.usp.br

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Métodos Computacionais. Strings (Vetor de Caracteres)

Métodos Computacionais. Strings (Vetor de Caracteres) Métodos Computacionais Strings (Vetor de Caracteres) Em C, o tipo char : Caracteres é usado para representar caracteres pode armazenar valores inteiros (em 1 byte), representando assim, 256 valores distintos

Leia mais

Alocação Dinâmica em C

Alocação Dinâmica em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Alocação Dinâmica em C Profa Rosana Braga Adaptado de material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara

Leia mais

Linguagem C (estruturas condicionais)

Linguagem C (estruturas condicionais) Linguagem C (estruturas condicionais) André Tavares da Silva atavares@joinville.udesc.br Comandos de Controle de Fluxo Todos os comandos devem ser terminados com um ;. { e são usados para delimitar um

Leia mais

1 Resumo: Matrizes. 2.1 Como declarar uma matriz IME/USP. Departamento de Ciência da Computação

1 Resumo: Matrizes. 2.1 Como declarar uma matriz IME/USP. Departamento de Ciência da Computação Departamento de Ciência da Computação MAC2166 Introdução a Computação IME/USP Matrizes 1 Resumo: Matrizes são estruturas bi-dimensionais utilizadas para armazenar dados de um mesmo tipo. Para declarar

Leia mais

Vetores Unimensionais

Vetores Unimensionais Vetores Unimensionais Objetivos Entender a importância e a necessidade do uso de Vetores Definição de Manipulação de Vetores Inserir elementos em um vetor (usando laços ou não) Imprimir elementos de um

Leia mais

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Este documento explica como transformar um algoritmo escrito na forma pseudocódigo

Leia mais

[]: ;

<identificador>[<tamanho>]: <tipo>; Vetores e Constantes Imagine uma situação na qual fosse necessário armazenar 100 valores para processamento. Por exemplo, pode ser necessário armazenar as notas de 100 provas de uma turma de alunos. Uma

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

4ª Lista de Exercícios de Programação I

4ª Lista de Exercícios de Programação I 4ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C. 1. Faça um algoritmo que leia 10 valores inteiros armazenando-os em um vetor e depois calcule a soma dos valores

Leia mais

Array em Java. Figura 1 - Exemplo de um array de inteiros

Array em Java. Figura 1 - Exemplo de um array de inteiros Array em Java 1. Objetivos Nesta lição, abordaremos Array em Java. Primeiro, definiremos o que é array e, então, discutiremos como declará-los e usá-los. Ao final desta lição, o estudante será capaz de:

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Introdução à Linguagem C Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática Funções e Ponteiros1 EXERCÍCIOS COM PONTEIROS Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Funções e ponteiros O objetivo desta aula prática

Leia mais

Variável Composta Homogênea Unidimensional e Multidimensional - ARRAY

Variável Composta Homogênea Unidimensional e Multidimensional - ARRAY Variável Composta Homogênea Unidimensional e Multidimensional - ARRAY 1. Introdução Agora que já estudamos as estruturas de controle (sequencial, condicional e de repetição) estudaremos as variáveis compostas

Leia mais

Capítulo 2 Operadores. A função scanf()

Capítulo 2 Operadores. A função scanf() Capítulo 2 Operadores A função scanf() A função scanf() é outra das funções de E/S implementadas em todos os compiladores e nos permite ler dados formatados da entrada padrão (teclado). Sintaxe: scanf(

Leia mais

Métodos Computacionais

Métodos Computacionais Métodos Computacionais Objetivos da Disciplina e Introdução a Linguagem C Construções Básicas Objetivos da Disciplina Objetivo Geral Discutir técnicas de programação e estruturação de dados para o desenvolvimento

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Linguagem C -Vetores e Matrizes- Prof. César Melo Todos os créditos ao Prof. Leandro Galvão Variáveis Compostas São um conjunto de variáveis identificadas por

Leia mais

Resolução de Algoritmos

Resolução de Algoritmos Resolução de Algoritmos Disciplina: Algoritmos e Programação Luciano Moraes Da Luz Brum Universidade Federal do Pampa Unipampa Campus Bagé Email: lucianobrum18@gmail.com Tópicos Resolução dos exercícios

Leia mais

Algoritmos RESUMO - LINGUAGEM C

Algoritmos RESUMO - LINGUAGEM C Algoritmos RESUMO - LINGUAGEM C 1 Sintaxe da linguagem C Componentes reconhecidos pela linguagem C (sintaxe da linguagem): tipos propriedades dos dados; declarações partes do programa, podendo dar significado

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 3 de setembro de 2010

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 3 de setembro de 2010 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 3 de setembro de 2010 1 Introdução O objetivo desta aula prática é exercitar o uso de variáveis de vários tipos

Leia mais

Introdução à Programação em C

Introdução à Programação em C Introdução à Programação em C Tipos e Operadores Elementares Estruturas de Controlo Resumo Novidades em C Exemplo: Factorial Tipos de Dados Básicos Saltos Condicionais: if-then-else Valor de retorno de

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte 02 Vetores e Matrizes

Algoritmos e Programação Parte 02 Vetores e Matrizes Parte 02 Vetores e Matrizes o Algoritmos e Programação Vetores Estrutura de Dados Homogênea e Estática o Unidimensional o Exemplo : Prédio com um apartamento por andar Conjunto habitacional com apenas

Leia mais

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 0 Revisão 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Variáveis e Constantes Operadores e Expressões Entrada e Saída Tomada de Decisão Construção com laços

Leia mais

Matrizes. DCC 119 Algoritmos

Matrizes. DCC 119 Algoritmos Matrizes DCC 119 Algoritmos Matrizes: vetores multidimensionais Assim como os vetores, as matrizes são estruturas de dados homogêneas. Podem ser construídas dos diversos tipos básicos primitivos (real,

Leia mais

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes?

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes? Introdução à Ciência da Computação Ponteiros em C Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros

Leia mais

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação Linguagem C Controle do Fluxo de Execução Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Aqui começaremos a escrever os nossos primeiros programas em uma Linguagem de Programação. Divirta-se!!! Estrutura Seqüencial

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

Linguagem C: diretivas, compilação separada. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: diretivas, compilação separada. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: diretivas, compilação separada Prof. Críston Algoritmos e Programação Diretivas do pré processador Permite que o programador modifique a compilação O pré processador é um programa que examina

Leia mais

Revisão C++ - Parte 1

Revisão C++ - Parte 1 Revisão C++ - Parte 1 Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 5/3/2010 OBJETIVO DA AULA Revisar os principais comandos

Leia mais

5 Comando de Seleção Simples e Composta

5 Comando de Seleção Simples e Composta 5 Comando de Seleção Simples e Composta Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Essa aula introduz o comando de seleção, que permite ao seu programa tomar decisões sobre o fluxo do processamento, ou

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Vetores Para vários problemas precisamos de uma maneira de representar uma sequência de valores com um número

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2014 Roteiro 1 Maior número 2 Soma de n números 3 Fatorial 4 Máximo Divisor Comum (MDC) 5 Números primos

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURA SEQUENCIAL E ESTRUTURAS CONDICIONAIS Introdução à Ciência da Computação Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples

Leia mais

Estruturas Homogêneas II (Matrizes)

Estruturas Homogêneas II (Matrizes) BCC 201 - Introdução à Programação Estruturas Homogêneas II (Matrizes) Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/1 Introdução I Imaginemos que queremos ler as notas de 4 provas para cada aluno e calcular a média

Leia mais

Variáveis primitivas e Controle de fluxo

Variáveis primitivas e Controle de fluxo Variáveis primitivas e Controle de fluxo Material baseado na apostila FJ-11: Java e Orientação a Objetos do curso Caelum, Ensino e Inovação, disponível para download em http://www.caelum.com.br/apostilas/

Leia mais

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio) Módulo 1 Introdução AEDS I C++ (Rone Ilídio) Introdução Linguagens de Programação Fonte Compilador Executável SO I Hardware C++ - Características Evolução do C, ou seja, possui a mesma sintaxe É uma linguagem

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 AULA 15 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 15.1 O comando enquanto-faca- Considere o problema de escrever um algoritmo para ler um número inteiro positivo, n, e escrever todos os números inteiros de 1 a

Leia mais

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada.

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. e saída Biblioteca stdio.h Comandos Função scanf() Função gets() Função getchar() Material cedido pelo prof. Daniel Callegari scanf() Rotina de entrada que lê todos os tipos de dados. Protótipo: int scanf(const

Leia mais

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva.

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva. Linguagem C Funções André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Funções É uma coleção de comandos identificados por um nome (identificador); As funções executam ações e podem retornar valores; main, printf

Leia mais

Figura 1: Uma matriz contem elementos de um mesmo tipo, com início em (0,0). 30 é o número de colunas!

Figura 1: Uma matriz contem elementos de um mesmo tipo, com início em (0,0). 30 é o número de colunas! 22 Matrizes Ronaldo F Hashimoto e Carlos H Morimoto Oobjetivodestaaulaéintroduzirotipomatriz Aofinaldessaaulavocêdeverásaber: descrever o que são matrizes em C Declarar matrizes Como acessar elementos

Leia mais

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos.

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. Introdução Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. 1 definições Uma string é uma sequência, um conjunto, ou uma cadeia de caracteres.

Leia mais

Aula 15 Variáveis Indexadas (vetores)

Aula 15 Variáveis Indexadas (vetores) Aula 15 Variáveis Indexadas (vetores) Além das variáveis normais já conhecidas, podemos ter também variáveis indexadas. Tais variáveis são referenciadas por um nome e um índice. Especialmente úteis para

Leia mais

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento --

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento -- Aula 09 - Operadores de auto incremento e auto decremento, atribuição múltipla, atribuição na declaração, atribuição resumida e algumas regras de boa programação. 1) Operadores de auto incremento ++ e

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 02: Alocação Dinâmica de Memória Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 04 Alocação Dinâmica Edirlei Soares de Lima Vetores - Declaração e Inicialização Declaração de um vetor: int meu_vetor[10]; Reserva um espaço de memória

Leia mais

Elementos de programação em C

Elementos de programação em C Elementos de programação em C Literais e constantes Francisco A. C. Pinheiro, Elementos de Programação em C, Bookman, 2012. Visite os sítios do livro para obter material adicional: www.bookman.com.br e

Leia mais

Estruturas II UFOP 1/35

Estruturas II UFOP 1/35 BCC 201 - Introdução à Programação I Estruturas II Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/35 Conceito de struct I Vetores e matrizes Estruturas de dados homegêneas Armazenam vários valores, mas todos de um mesmo

Leia mais

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões INF1005: Programação 1 Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Programando em C Funções Variáveis Define Operadores e Expressões Entrada e Saída

Leia mais

4. Estruturas Fundamentais de Programação em C

4. Estruturas Fundamentais de Programação em C 4. Estruturas Fundamentais de Programação em C 4.1. Imprimindo Mensagens e Valores no Monitor de Vídeo A biblioteca de entrada e saída (stdio.h) possui a função printf que imprime mensagens e valores diretamente

Leia mais

Linguagem C vetores multidimensionais

Linguagem C vetores multidimensionais Linguagem C vetores multidimensionais IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Até agora... Introdução à linguagem C... Operadores aritméticos, de comparação

Leia mais

Modulo 9: Você define como éo dado... Struct e typedef

Modulo 9: Você define como éo dado... Struct e typedef PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES V - TCC- 00.323 Modulo 9: Você define como éo dado... Struct e typedef Aura -Erick aconci@ic.uff.br, erickr@id.uff.br Roteiro P1, Trabalho 5 e 6 Struct: Introdução; Criando

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S PROGRAMAÇÃO I VA R I Á V E I S, C O N S TA N T E S, O P E R A D O R E S E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S Variáveis 2 Variáveis são locais onde são armazenados os valores na memória. Toda variável é

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: tipos de dados definidos pelo programador: struct union enum typedef

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: tipos de dados definidos pelo programador: struct union enum typedef Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: tipos de dados definidos pelo programador: struct union enum typedef Prof. Renato Pimentel 1 Introdução Tipos de variáveis vistos

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 03: Tipos Abstratos de Dados (TADs) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Introdução à Programação em C (I)

Introdução à Programação em C (I) Introdução à Programação em C (I) Factorial Definição de função para cálculo de factorial Scheme (define (factorial n) (if (= n 1) 1 (* n (factorial (- n 1))))) C int factorial (int n) { if (n == 1) return

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MÊS 04

LISTA DE EXERCÍCIOS MÊS 04 São José dos Campos, 05 de Junho de 2008 Disciplina: CES 10 Introdução à Computação. Semestre 2008-2º Período Professor: Carlos Henrique Quartucci Forster Estagiária: Michelle de Oliveira Parreira Instituto

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008 Introdução O objetivo desta aula prática é exercitar comandos de entrada e saída simples

Leia mais

Introdução a Programação na Linguagem C.

Introdução a Programação na Linguagem C. Introdução a Programação na Linguagem C. Prof. Gemilson George E-mail: gemilson@geo.com.br Skype: gemilson_geo MSN: gemilsongeorge@gmail.com Facebook: facebook.com/gemilson Fone: (83)8880-2046 Blog: informaticageo.wordpress.com

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação. Sumário. Estruturas de Dados. Agradecimentos. Arranjos: Vetores, Strings & Matrizes em C

Introdução à Ciência da Computação. Sumário. Estruturas de Dados. Agradecimentos. Arranjos: Vetores, Strings & Matrizes em C Agradecimentos Introdução à Ciência da Computação Arranjos: Vetores, Strings & Matrizes em C Parte dos slides a seguir são adaptações dos originais gentilmente cedidos por: Prof. Rudinei Goularte Prof.

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Aula de hoje Introdução Vetores (revisão) Relacionamento entre vetores e ponteiros Professor: André de Carvalho Definição: coleção de valores de dados individuais com

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

Capítulo 7 Matriz. Roteiro

Capítulo 7 Matriz. Roteiro Capítulo 7 Matriz Licenciatura em Computação Fundamentos de Lógica para Programação Prof. Nícolas Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br http://professor.ifsertao-pe.edu.br/nicolas.trigo Roteiro Definição

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade Federal do Rio de Janeiro Data: 26/04/05 Disciplina: Computação I 1ª Lista de Exercícios 1) Faça um programa, em pseudo-código, que peça ao usuário que informe n números reais e então calcule

Leia mais

Algoritmo e Programação Matemática

Algoritmo e Programação Matemática Algoritmo e Programação Matemática Fundamentos de Algoritmos Parte 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Dados A funcionalidade principal de um computador

Leia mais

Aula 2 Listas Lineares Sequenciais. prof Leticia Winkler

Aula 2 Listas Lineares Sequenciais. prof Leticia Winkler Aula 2 Listas Lineares Sequenciais prof Leticia Winkler 1 Conteúdo Revisão de Vetor Definição Declaração Acesso dos Elementos Inicialização dos Elementos Exemplo Vetor e Função Lista Linear Operações com

Leia mais

11 - Estrutura de um programa em C

11 - Estrutura de um programa em C 11 - Estrutura de um programa em C directivas para o compilador { main ( ) declarações instruções } -É possível utilizar comentários, exemplo: /* Comentário */ que não são traduzidos pelo compilador, pois

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

cadeia de caracteres (string) INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

cadeia de caracteres (string) INF Programação I Prof. Roberto Azevedo cadeia de caracteres (string) INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br cadeia de caracteres (string) tópicos caracteres cadeia de caracteres referência Capítulo

Leia mais