Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná"

Transcrição

1 em C Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná

2 Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum; Em C todas as matrizes consistem em posições contíguas na memória: o endereço mais baixo corresponde ao primeiro elemento; o endereço mais alto corresponde ao último elemento; Um elemento específico da matriz pode ser acessado por meio de um índice; Matrizes podem ter de uma a várias dimensões. 2

3 Matrizes Unidimensionais Forma geral de se declarar uma matriz unidimensional: tipo nome_da_variavel[tamanho]; Como qualquer variável, as matrizes precisam ser declaradas para que o compilador possa alocar espaço na memória para elas; Tipo declara o tipo de base da matriz; Tamanho define a quantidade máxima de elementos que a matriz poderá armazenar 3

4 Matrizes Unidimensionais: Exemplos int valor[100]; Declara uma matriz de 100 elementos do tipo int, chamada valor 4

5 Matrizes Unidimensionais: Exemplos Em C, o índice de uma matriz inicia em 0 (zero) e termina em tamanho-1 Então, para acessar o primeiro elemento da matriz valor: valor[0] = 0; Para acessar o último elemento da matriz nota1: valor[99] = 0; 5

6 Matrizes Unidimensionais: Exemplos double balance[20]; Declara uma matriz de 20 elementos do tipo double, chamada balance 6

7 Matrizes Unidimensionais: Exemplos float nota1[100]; Declara uma matriz de 100 elementos do tipo float, chamada nota1 7

8 Matrizes Unidimensionais: Exemplos char linha[80]; Declara uma matriz de 80 elementos do tipo char, chamada linha Mas para que serve isso?? Resposta: Para armazenar e poder manipular cadeias de caracteres (strings) de interesse (palavras, frases etc) 8

9 Matrizes Unidimensionais: Mas como o compilador calcula a quantidade de memória a ser alocada para uma dada matriz? total em número de elementos bytes = sizeof (tipo) * da matriz Sizeof é um operador unário, em tempo de compilação, que retorna o tamanho, em bytes, da variável ou especificador de tipo entre parêntesis 9

10 Matrizes Unidimensionais: Mas o cálculo do tamanho é feito automaticamente, em tempo de compilação, para cada matriz declarada no programa. Assim Não é preciso se preocupar com a alocação da quantidade de memória suficiente para as matrizes declaradas! 10

11 Matrizes Unidimensionais: 1000 m[0] m[1] m[2] 1003 m[3] m[4] m[5] m[6] 1007 m[7] Armazenamento: exemplo 1 Supondo char m[8]; palavra de memória de 1 byte char ocupando 1 byte (mínimo, segundo padrão ANSI)

12 Matrizes Unidimensionais: 1000 v[0] v[0] v[1] 1003 v[1] v[2] v[2] v[3] 1007 v[3] v[4] v[4] 1010 v[5] v[5] v[6] 1013 v[6] v[7] 1015 v[7] Armazenamento: exemplo 2 Supondo int v[8]; palavra de memória de 1 byte int ocupando 2 bytes (mínimo, segundo padrão ANSI) 12

13 Lendo uma Matriz Unidimensional Usar laço, sempre!! float nota1[50]; int i; for( i=0; i<50; i++) { printf( digite a nota do %d.o aluno\n, i+1); scanf( %f, &nota1[i]); } 13

14 Matrizes Unidimensionais: Atenção: C não tem verificação dos limites de matrizes. Isto significa que pode-se escrever valores para além do final da matriz, sobre outras variáveis ou mesmo sobre o próprio código do programa! 14

15 Matrizes Unidimensionais: Exemplo: o que ocorrerá com o código a seguir?? float nota1[50] int i; for( i=0; i<100; i++) { printf( digite a nota do %d.o aluno\n, i+1); scanf( %f, &nota1[i]); } Como programador, assegure-se que isto nunca ocorra nos seus programas!!! 15

16 Exercício 1 Faça um programa que lê n números e calcula a média aritmética. Após, o programa conta quantos números estão acima da média e imprime esta informação. Pergunta: é necessário usar matriz? Por quê? 16

17 Exercício 1: Solução 1 #include <stdio.h> main() { float valor[1000], media=0.0; int i,n, conta=0; printf( digite o numero de valores\n ); scanf( %d, &n); if( n>1000 n<1 ) printf( erro: o tamanho deve estar entre 1 e %d\n, 1000); else { for( i=0; i<n; i++) { printf( digite o %d.o valor\n, i+1); scanf( %f, &valor[i]); media+=valor[i]; } media/=n; for( i=0; i<n; i++) if( valor[i] > media ) conta++; printf( media= %f \n%d valores acima da media\n, media, conta); } } 17

18 Exercício 1: Solução 2 Usando define #include <stdio.h> #define TAM 1000 main() { float valor[tam], media=0.0; int i,n, conta=0; printf( digite o numero de valores\n ); scanf( %d, &n); if( n>tam n<1 ) printf( erro: o tamanho deve estar entre 1 e %d\n, TAM); else { for( i=0; i<n; i++) { printf( digite o %d.o valor\n, i+1); scanf( %f, &valor[i]); media+=valor[i]; } media/=n; for( i=0; i<n; i++) if( valor[i] > media ) conta++; printf( media= %f \n%d valores acima da media\n, media, conta); } } 18

19 Matrizes Bidimensionais: C suporta matrizes multidimensionais. Uma matriz bidimensional é a forma mais simples Exemplos de declaração: int d[10][20]; Declara uma matriz do tipo int, com 10 linhas e 20 colunas, chamada d 19

20 Lendo uma Matriz Bidimensional: main() { float num[3][4]; int i,j; for(i=0; i<3; i++) for( j=0; j<4; j++) { printf( digite o elemento da linha %d, coluna %d\n, i+1, j+1); scanf( %f, &num[i][j]); } } Usar dois laços aninhados!! 20

21 Matrizes Bidimensionais Organização da Matriz n[3][4] 21

22 Matrizes Multidimensionais: C suporta matrizes com mais de 2 dimensões. O limite de dimensões é definido pelo compilador usado (alguns compiladores não limitam) Exemplo de declaração: int m[10][20][4][100]; 22

23 Exercício 2 Faça um programa que lê n x m valores decimais, armazenando-os em uma matriz com n linhas em colunas. Após, para cada linha da matriz, o algoritmo calcula a média e conta quantos elementos estão acima da média calculada, imprimindo estas informações. 23

24 Inicialização de Matrizes: C permite que a inicialização de matrizes no momento da declaração. Foma geral: tipo nome_da_variavel[tam1][tam2]...[tamn] = {lista_de_valores}; 24

25 Inicialização de Matrizes: Exemplos: int m[10] = { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 }; float aux[5] = { 0.0, 1.0, 2.0, 3.0, 4.0 }; int matriz[10] = { 0 }; Os elementos são inicializados com os valores da lista, seguindo a ordem da esquerda para a direita Se não houver inicializadores suficientes, os elementos faltantes são inicializados com 0 (zero) 25

26 Inicialização de Matrizes: Muitas vezes é possível inicializar uma matriz dentro de um laço (vantajoso quando o laço já existe) int m[100], i; float aux[1000], i; for( i=0; i<100; i++) for( i=0; i<1000; i++) m[i]=i; aux[i]=0.0; 26

27 Inicialização de Matrizes: Matrizes de caracteres: char linha[80] = { E, u,, g, o, s, t, o,, d, e,, C, \0 }; Ou simplesmente char linha[80] = { Eu gosto de C }; 27

28 Matrizes Unidimensionais de caracteres: Usadas para armazenar cadeias de caracteres de interesse (strings) C provê uma biblioteca para o tratamento de strings Convenção: cada string deve terminar com o caractere especial \0 28

29 Matrizes de caracteres: '\0': Serve para delimitar o final de uma cadeia de caracteres (strings) Com ele se pode usar as bibliotecas de tratamento strings de Sua existência deve sempre ser levada em conta no tamanho de uma matriz de caracteres Permite que se armazene uma string com número caracteres menor do que o tamanho-1 da matriz de 29

30 Matrizes de caracteres: Lendo uma string main() { char linha[100]; int i; i=0; while((c=getchar())!= \n ) { linha[i]=c; i++; } linha[i]= \0 ; //ultima posicao recebe o caractere de final de string } 30

31 Matrizes de caracteres: Imprimindo uma string main() { i=0; while( linha[i]!= \0 ) { putchar(linha[i]); i++; } } 31

32 Funções para E/S de Caracteres: Da biblioteca stdio.h getchar(): lê um caractere do teclado. Espera que um a tecla seja pressionada e devolve seu valor (como int) putchar(): escreve um caractere na tela Problema com getchar(): após a tecla ser pressionada, fica esperando que se tecle enter (compatível com o buffer do sistema Unix) 32

33 Funções para E/S de Caracteres: Alternativas para getchar: na maioria dos comipladores, elas estão na biblioteca conio.h getch(): lê um caractere do teclado. Espera que um a tecla seja pressionada e retorna imediatamente (como int) getche(): igual a getch, porém mostra na tela a tecla pressionada 33

34 Funções para E/S de Caracteres: Da biblioteca stdio.h gets(): lê uma string do teclado puts(): escreve uma string na tela 34

35 Funções para Manipulação de Strings: Da biblioteca string.h strcpy(s1,s2) strcat(s1,s2) strlen(s1) strcmp(s1,s2) strcasecmp(s1,s2) strchr(s1,ch) strstr(s1,s2)... 35

Linguagem C Entrada/Saída (console)

Linguagem C Entrada/Saída (console) Linguagem C Entrada/Saída (console) Objetivos Nos artigos anteriores foram utilizadas as funções scanf() e printf(), porém não entramos em maiores detalhes. Agora estudaremos essas e outras funções de

Leia mais

Capítulo 2 Operadores. A função scanf()

Capítulo 2 Operadores. A função scanf() Capítulo 2 Operadores A função scanf() A função scanf() é outra das funções de E/S implementadas em todos os compiladores e nos permite ler dados formatados da entrada padrão (teclado). Sintaxe: scanf(

Leia mais

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação Linguagem C Controle do Fluxo de Execução Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Aqui começaremos a escrever os nossos primeiros programas em uma Linguagem de Programação. Divirta-se!!! Estrutura Seqüencial

Leia mais

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores ! Variáveis, Tipos de Dados e Operadores Engenharias Informática Aplicada 2.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) VARIÁVEL VARIÁVEL É um local lógico, ligado a um endereço físico da memória

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente:

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente: Vetores Vetor é um tipo de dado usado para representar uma certa quantidade de variáveis de valores homogêneos (do mesmo tipo). Imagine o seguinte problema: calcular a média das notas da prova de 5 alunos.

Leia mais

Métodos Computacionais. Strings (Vetor de Caracteres)

Métodos Computacionais. Strings (Vetor de Caracteres) Métodos Computacionais Strings (Vetor de Caracteres) Em C, o tipo char : Caracteres é usado para representar caracteres pode armazenar valores inteiros (em 1 byte), representando assim, 256 valores distintos

Leia mais

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings)

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Até agora, quando desejávamos indicar o número de elementos existentes em um vetor qualquer, utilizávamos uma variável inteira, digamos tam, para armazenar tal

Leia mais

Computação 2. Aula 3. Diego Addan Vetores de caracteres (strings)

Computação 2. Aula 3. Diego Addan Vetores de caracteres (strings) Computação 2 Aula 3 Vetores de caracteres (strings) Diego Addan diegoaddan@gmail.com Vetor de caracteres (Strings) Uma cadeia de caracteres, mais conhecida como string, é uma seqüência de caracteres (letras

Leia mais

Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while.

Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Conceitos básicos do C. 2 Introdução às funções. Entrada e saída. Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Variáveis, constantes, operadores e expressões Switch / break / matrizes e

Leia mais

Introdução a Linguagem C (Parte I) UFPA Sistemas de Informação. Roberto Araujo 2013

Introdução a Linguagem C (Parte I) UFPA Sistemas de Informação. Roberto Araujo 2013 Introdução a Linguagem C (Parte I) UFPA Sistemas de Informação Roberto Araujo 2013 Meu primeiro programa em C #include main() { printf( Primeiro Programa \n ); Biblioteca padrão Função principal

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Aula 8 - Matrizes e Strings

Aula 8 - Matrizes e Strings Programação I Aula 8 - e Prof. Laura Silva de Assis Engenharia da Computação 2 o Período CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca UnED Petrópolis 2n o semestre - 2015 1

Leia mais

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz Variáveis Compostas Homogêneas São conhecidas na linguagem C como matrizes. Vetores e es É um conjunto de variáveis do mesmo tipo, acessíveis com um único nome e armazenadas de forma contínua na memória.

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Aula de hoje Introdução Vetores (revisão) Relacionamento entre vetores e ponteiros Professor: André de Carvalho Definição: coleção de valores de dados individuais com

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I IEC012. Linguagem C - Guia de bolso - Prof. César Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I IEC012. Linguagem C - Guia de bolso - Prof. César Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I IEC012 Linguagem C - Guia de bolso - Prof. César Melo Histórico A linguagem C é uma linguagem de programação inventada na década de 1970 por Dennis Ritchie Brian Kennigaham.

Leia mais

SITUAÇÃO VETORES. Imagine o seguinte problema:

SITUAÇÃO VETORES. Imagine o seguinte problema: 13/08/2014 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AULA 07 VETORES MATRIZES EXERCÍCIOS 1 SITUAÇÃO Imagine o seguinte problema: Crie um programa que

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 03/03/2010 Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Linguagem C vetores. IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Linguagem C vetores. IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Linguagem C vetores IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Até agora... Introdução à linguagem C Estrutura de um programa Escrita e execução do primeiro

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Funções de Entrada e Saída

Funções de Entrada e Saída inicio Escrita no ecrã (Saída de dados) Escrever( introduza o valor do raio ) Raio Leitura do valor do raio S Raio < 0 N O utilizador insere o valor do raio (Entrada de dados do teclado) Escrita no ecrã

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II. Ponteiros

Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II. Ponteiros Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II Ponteiros Profa.: Simone Ceolin Slides (Prof.Tiago Rios da Rocha) Primeiro Semestre 2011 Sumário

Leia mais

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos.

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. Introdução Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. 1 definições Uma string é uma sequência, um conjunto, ou uma cadeia de caracteres.

Leia mais

Linguagem C Variáveis Indexadas ( vetores e Matrizes) Lógica de Programação

Linguagem C Variáveis Indexadas ( vetores e Matrizes) Lógica de Programação Linguagem C Variáveis Indexadas ( vetores e Matrizes) Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Começaremos agora a montar vetores e matrizes na linguagem de programação. Bom trabalho!!! Variáveis Indexadas

Leia mais

Linguagens de Programação I

Linguagens de Programação I Linguagens de Programação I Tema # 7 Vetores ou Matrizes Unidimensionais Matrices Multidimencionais Susana M Iglesias 1 INTRODUÇÃO Um vetor geralmente é associado a uma lista ou conjunto de elementos similares,

Leia mais

Aula 15: Vetores e Matrizes em C

Aula 15: Vetores e Matrizes em C Aula 15: Vetores e Matrizes em C Fernanda Passos Universidade Federal Fluminense Programação de Computadores IV Fernanda Passos (UFF) Vetores e Matrizes Programação de Computadores IV 1 / 50 Agenda 1 Revisão

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C Linguagem de Programação C Aula 08 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais 13 de novembro de 2009 Introdução O que é uma linguagem

Leia mais

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Alocação de Memória Linguagem de Programação Estruturada 1 Alocação dinâmica e ponteiros Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Sumario Introdução Alocação Estática

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros 2 Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros: introdução Toda a informação

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15 Revisão Vetores e Matrizes Trabalho Definição: Introdução a Linguagem C Vetores Estrutura que permite armazenar um conjunto de dados do mesmo tipo na mesma variável;

Leia mais

Métodos Computacionais. Vetores e Matrizes Dinâmicas

Métodos Computacionais. Vetores e Matrizes Dinâmicas Métodos Computacionais Vetores e Matrizes Dinâmicas Vetores Um programa para o cálculo da média Média m n i= = 1 n x i Variância v n i= = 1 ( x i n m) 2 A forma mais simples de estruturar um conjunto de

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

Linguagem C (repetição)

Linguagem C (repetição) Linguagem C (repetição) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Exercício Escrever um programa que conte (mostre na tela) os números de 1 a 100. Comandos aprendidos até o momento: printf, scanf, getchar,

Leia mais

Curso Básico de Programação Aula 11. Revisão Aula Anterior Laços de Repetição While; Do-While; For.

Curso Básico de Programação Aula 11. Revisão Aula Anterior Laços de Repetição While; Do-While; For. Curso Básico de Programação Aula 11 Revisão Aula Anterior Laços de Repetição While; Do-While; For. Introdução à Linguagem C Laços de Repetição While Do-While For while () { } do {

Leia mais

Escreva a função e_caracter que verifica se um determinado caracter é um numero ou não. Escreva um Programa de teste da função.

Escreva a função e_caracter que verifica se um determinado caracter é um numero ou não. Escreva um Programa de teste da função. Engenharia informatica Escreva a função e_caracter que verifica se um determinado caracter é um numero ou não. Escreva um Programa de teste da função. #include Int e_caracter (char c) { Return(

Leia mais

Caracteres e Cadeias de Caracteres

Caracteres e Cadeias de Caracteres Caracteres e Cadeias de Caracteres INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 caracteres e cadeias de caracteres tópicos caracteres cadeias de caracteres (strings) vetor

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada Prática com declaração e inicialização de variáveis Capacidade de representação (estouro de representação) Tamanho ocupado pela variável na memória (comando

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES Prof. André Backes POR QUE USAR ARRAY? As variáveis declaradas até agora são capazes de armazenar um único valor por vez. Sempre que tentamos armazenar um novo valor

Leia mais

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada.

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. e saída Biblioteca stdio.h Comandos Função scanf() Função gets() Função getchar() Material cedido pelo prof. Daniel Callegari scanf() Rotina de entrada que lê todos os tipos de dados. Protótipo: int scanf(const

Leia mais

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Estruturas de Dados Revisão de Ponteiros Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros e Arranjos

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação aula 4 Engenharia Elétrica e Engenharia de Automação Introdução à Computação 1.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) Programas Programas são seqüências de instruções

Leia mais

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução a Linguagem C Prof. Me. Hélio Esperidião Características de um programa De forma geral a maioria dos programas são compostos por dados de entrada, processamento e dados de saída. Entrada de

Leia mais

O vetor é provavelmente um dos mais simples e importantes tipos agregados. Através do seu uso, podemos

O vetor é provavelmente um dos mais simples e importantes tipos agregados. Através do seu uso, podemos Cláudio C. Rodrigues Faculdade da Computação -UFU LINGUAGEM C 04: VETORES, STRINGS E MATRIZES Faculdade da Computação - UFU 1 Introdução & Objetivo O vetor é provavelmente um dos mais simples e importantes

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

Declarando e Utilizando Ponteiros. Para declarar um ponteiro temos a seguinte forma geral: tipo_do_ponteiro *nome_da_variável;

Declarando e Utilizando Ponteiros. Para declarar um ponteiro temos a seguinte forma geral: tipo_do_ponteiro *nome_da_variável; Declarando e Utilizando Ponteiros Para declarar um ponteiro temos a seguinte forma geral: tipo_do_ponteiro *nome_da_variável; É o asterisco (*) que faz o compilador saber que aquela variável não vai guardar

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Faculdade Pio Décimo

Prof. Marcelo Machado Cunha Faculdade Pio Décimo 1 Introdução A linguagem C foi criada por Dennis Ritchie, em 1972, no centro de Pesquisas da Bell Laboratories. Sua primeira utilização importante foi a reescrita do Sistema Operacional UNIX, que até então

Leia mais

Estrutura de Dados. Cadeia de Caracteres. Roberto Araujo Ago/2013

Estrutura de Dados. Cadeia de Caracteres. Roberto Araujo Ago/2013 Estrutura de Dados Cadeia de Caracteres Roberto Araujo Ago/2013 Estrutura de Dados O que é uma estrutura de dados? É um arranjo pré-definido de um ou mais pedaços de dados Ex: Ex: Os carateres 'u', 'v',

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR slides desenvolvidos pela Profa. Rosely Sanches 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar tipos simples em tipos mais complexos formando as

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Professor: André de Carvalho Aula de hoje Introdução Tipos compostos Tipo enumeração Conclusão Tipos compostos A Linguagem C permite criar tipos de dados definíveis

Leia mais

Vetores(Arrays) Olimpíadas de Informática. Aulas preparatórias Introdução a Programação em C.

Vetores(Arrays) Olimpíadas de Informática. Aulas preparatórias Introdução a Programação em C. Olimpíadas de Informática Aulas preparatórias Introdução a Programação em C. Vetores(Arrays) Prof. Gemilson George gemilson@colegiogeo.com.br Blog: informaticageo.wordpress.com GEO.OBI Aula 05 Vetores

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio) Módulo 1 Introdução AEDS I C++ (Rone Ilídio) Introdução Linguagens de Programação Fonte Compilador Executável SO I Hardware C++ - Características Evolução do C, ou seja, possui a mesma sintaxe É uma linguagem

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo ponteiros INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br ponteiros tópicos o que são ponteiros operadores usados com ponteiros passagem de ponteiros para funções referência

Leia mais

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões INF1005: Programação 1 Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Programando em C Funções Variáveis Define Operadores e Expressões Entrada e Saída

Leia mais

Aula 5 Oficina de Programação Introdução ao C. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 5 Oficina de Programação Introdução ao C. Profa. Elaine Faria UFU Aula 5 Oficina de Programação Introdução ao C Profa. Elaine Faria UFU - 2017 Linguagem de Programação Para que o computador consiga ler um programa e entender o que fazer, este programa deve ser escrito

Leia mais

C++ - Matrizes. Observ.: C++ não avisa quando o limite de uma matriz foi excedido. Providenciar a verificação é responsabilidade do programador.

C++ - Matrizes. Observ.: C++ não avisa quando o limite de uma matriz foi excedido. Providenciar a verificação é responsabilidade do programador. C++ - Matrizes É um conjunto de variáveis, do mesmo tipo, referenciadas por um único nome, onde cada variável é diferenciada por meio de um número entre colchetes chamado índice. Declaração : tipo nome

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte 02 Vetores e Matrizes

Algoritmos e Programação Parte 02 Vetores e Matrizes Parte 02 Vetores e Matrizes o Algoritmos e Programação Vetores Estrutura de Dados Homogênea e Estática o Unidimensional o Exemplo : Prédio com um apartamento por andar Conjunto habitacional com apenas

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento

Ambiente de desenvolvimento Linguagem C Ambiente de desenvolvimento Um programa em C passa por seis fases até a execução: 1) Edição 2) Pré-processamento 3) Compilação 4) Linking 5) Carregamento 6) Execução Etapa 1: Criação do programa

Leia mais

Programação de Computadores II. Cap. 7 Cadeias de Caracteres 1/2

Programação de Computadores II. Cap. 7 Cadeias de Caracteres 1/2 Programação de Computadores II Cap. 7 Cadeias de Caracteres 1/2 Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004) Slides adaptados dos

Leia mais

Métodos Computacionais

Métodos Computacionais Métodos Computacionais Objetivos da Disciplina e Introdução a Linguagem C Construções Básicas Objetivos da Disciplina Objetivo Geral Discutir técnicas de programação e estruturação de dados para o desenvolvimento

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton nilton@comp.uems.br Introdução A linguagem C foi inventada por Dennis Ritchie e

Leia mais

Vetores(Arrays) Olimpíadas de Informática. Aulas preparatórias Introdução a Programação em C.

Vetores(Arrays) Olimpíadas de Informática. Aulas preparatórias Introdução a Programação em C. Olimpíadas de Informática Aulas preparatórias Introdução a Programação em C. Vetores(Arrays) Prof. Gemilson George gemilson@colegiogeo.com.br Blog: informaticageo.wordpress.com GEO.OBI Aula 05 Definição:

Leia mais

Ponteiros. Introdução

Ponteiros. Introdução Ponteiros Introdução Conceito Um PONTEIRO ou APONTADOR é uma variável usada para armazenar um endereço de memória. Normalmente, o endereço armazenado em um PONTEIRO é a posição de uma outra variável na

Leia mais

12 - Dados Estruturados Vetores, Matrizes e Strings

12 - Dados Estruturados Vetores, Matrizes e Strings 12 - Dados Estruturados Vetores, Matrizes e Strings Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante Vetores,

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Introdução à Linguagem C Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br

Leia mais

Aula 9 Oficina de Programação Strings. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 9 Oficina de Programação Strings. Profa. Elaine Faria UFU Aula 9 Oficina de Programação Strings Profa. Elaine Faria UFU - 2017 String Cadeia de caracteres (ou String) É uma seqüência de letras e símbolos, na qual os símbolos podem ser espaços em branco, dígitos

Leia mais

5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios.

5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios. 3636363636363636363636363636363636363636363636363636 5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios. 5.1 - Comandos

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Recapitulando Um programa C é uma sequência de diretivas (#include e #define), declarações de funções auxiliares,

Leia mais

Introdução à Programação em C (II)

Introdução à Programação em C (II) Introdução à Programação em C (II) Resumo Streams de Texto Leitura e escrita de caracteres Caracteres como números inteiros Exemplos Cópia de Ficheiros Contagem de Caracteres Contagem de Linhas Contagem

Leia mais

Linguagem de Programação I Vetores e Strings. Thiago Leite Francisco Barretto

Linguagem de Programação I Vetores e Strings. Thiago Leite Francisco Barretto Linguagem de Programação I Vetores e Strings Thiago Leite Francisco Barretto Vetores são matrizes unidimensionais; Uma matriz é uma coleção de

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 4 Funções. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 4 Funções. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 4 Funções 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 0 Revisão 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Variáveis e Constantes Operadores e Expressões Entrada e Saída Tomada de Decisão Construção com laços

Leia mais

Métodos Computacionais. Funções, Escopo de Variáveis e Ponteiros

Métodos Computacionais. Funções, Escopo de Variáveis e Ponteiros Métodos Computacionais Funções, Escopo de Variáveis e Ponteiros Tópicos da Aula Hoje vamos detalhar funções em C Escrevendo funções Comando return Passagem de argumentos por valor Execução de uma função

Leia mais

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012 urso de à urso de à Universidade Federal Fluminense July 16, 2012 Indrodução urso de à O é uma linguagem de programação criada por Dennis Ritchie, em 1972 e que continua a ser muito utilizada até os dias

Leia mais

Estruturas de Dados Aulas 3 e 4: Uso da. 14/03/2011 e 16/03/2011

Estruturas de Dados Aulas 3 e 4: Uso da. 14/03/2011 e 16/03/2011 Estruturas de Dados Aulas 3 e 4: Uso da memória e Vetores 14/03/2011 e 16/03/2011 Uso da memória Existem 3 maneiras de reservar o espaço da memória: Variáveis globais (estáticas) Espaço existe enquanto

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C ICMC USP Linguagem de Programação C Aula: Comandos em C Prof. Dr Alneu de Andrade Lopes O comando if Se condição verdadeira (1) executa comando ou sequencia de comandos. Forma geral: if (condição) { sequência_de_comandos_1;

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação. Sumário. Estruturas de Dados. Agradecimentos. Arranjos: Vetores, Strings & Matrizes em C

Introdução à Ciência da Computação. Sumário. Estruturas de Dados. Agradecimentos. Arranjos: Vetores, Strings & Matrizes em C Agradecimentos Introdução à Ciência da Computação Arranjos: Vetores, Strings & Matrizes em C Parte dos slides a seguir são adaptações dos originais gentilmente cedidos por: Prof. Rudinei Goularte Prof.

Leia mais

Funções em Linguagem C Parte II

Funções em Linguagem C Parte II Slides inicialmente preparados pelo Prof. Dr. Claudio Fabiano Motta Toledo Funções em Linguagem C Parte II Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1. Semestre 2017 Sumário Introdução a Ponteiros Escopo de Variáveis

Leia mais

Cerne. Conhecimento para o Desenvolvimento (21) (11) MSN:

Cerne. Conhecimento para o Desenvolvimento (21) (11) MSN: Conhecimento para o Desenvolvimento Cerne Tecnologia e Treinamento Apostila Visual C++ Express Aplicado à Eletrônica (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 E-mail: cerne@cerne-tec.com.br MSN: cerne-tec@hotmail.com

Leia mais

Estrutura do programa

Estrutura do programa Linguagem C Estrutura do programa Exemplo: #include #include main() { printf( Ola, mundo! ); system( pause ); }

Leia mais

#include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

#include <stdio.h> Void main() { printf( Cheguei!\n); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C #include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C ANTES DO C ERA A LINGUAGEM B B foi essencialmente uma simplificação da linguagem BCPL. B só tinha um tipo de dado, que

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 04 Alocação Dinâmica Edirlei Soares de Lima Vetores - Declaração e Inicialização Declaração de um vetor: int meu_vetor[10]; Reserva um espaço de memória

Leia mais

Tratamento de Caracteres

Tratamento de Caracteres Tratamento de Caracteres Notas de Aula Prof. Francisco Rapchan www.geocities.com/chicorapchan A tabela ASCII Se os computadores manipulam apenas números, como eles podem armazenar os caracteres de um nome

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade Federal do Rio de Janeiro Data: 26/04/05 Disciplina: Computação I 1ª Lista de Exercícios 1) Faça um programa, em pseudo-código, que peça ao usuário que informe n números reais e então calcule

Leia mais

Arrays (Vetores) Arrays (Vetores) 28/04/ Índices. profs. } Ex1: Se eu preciso manipular 100 nomes de pessoas ao mesmo tempo... é melhor...

Arrays (Vetores) Arrays (Vetores) 28/04/ Índices. profs. } Ex1: Se eu preciso manipular 100 nomes de pessoas ao mesmo tempo... é melhor... Arrays (Vetores) Ex1: Se eu preciso manipular 100 nomes de pessoas ao mesmo tempo... é melhor... Declarar 100 variáveis (1 para cada pessoa)... ou Declarar apenas 1 variável(um vetor com 100 nomes)? Ex2:

Leia mais

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 a) Implemente uma função para calcular as raízes de uma equação do segundo grau do tipo ax 2 +bx+c=0. O protótipo dessa função deve ser: void raizes (float a, float b, float

Leia mais

Funções em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Linguagem de Programação Estruturada I. Universidade Federal do Paraná

Funções em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Linguagem de Programação Estruturada I. Universidade Federal do Paraná em C Linguagem de Programação Estruturada I Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Sumário Funções: Conceitos; Forma Geral das funções; Regras de Escopo; Argumentos

Leia mais

Alocação Dinâmica em C

Alocação Dinâmica em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Alocação Dinâmica em C Profa Rosana Braga Adaptado de material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010 Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 28/03/2010 Caracteres Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

Linguagem de Programação C. Prof. Fabrício Olivetti de França

Linguagem de Programação C. Prof. Fabrício Olivetti de França Linguagem de Programação C Prof. Fabrício Olivetti de França Linguagem C 2 Linguagem C Imperativo e estruturado Pequeno conjunto de palavras-chaves, operadores, etc. Tipagem estática, porém fraca Permite

Leia mais

Módulo 5 Vetores e Alocação Dinâmica

Módulo 5 Vetores e Alocação Dinâmica Estruturas de Dados Módulo 5 Vetores e Alocação Dinâmica 1/9/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora

Leia mais

Cap. 2 Expressões na linguagem C

Cap. 2 Expressões na linguagem C Programação de Computadores II Cap. 2 Expressões na linguagem C Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (24) Slides adaptados dos originais

Leia mais

Linguagem C: Ponteiros. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Ponteiros. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Ponteiros Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Ponteiros; Variáveis ponteiros; Operadores de ponteiros; Expressões com ponteiros; Atribuição de ponteiros; Aritmética de ponteiros; Comparação

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato/honoratonunes Linguagem C Prof.

Leia mais

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C DCC 120 Laboratório de Programação Variáveis Uma variável representa um espaço na memória do computador para armazenar um determinado tipo de dado. Em C,

Leia mais