Vetores são estruturas indexadas utilizadas para armazenar dados de um mesmo tipo: int, char, float ou double. Oexemploaseguirédeumvetordeinteiros:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vetores são estruturas indexadas utilizadas para armazenar dados de um mesmo tipo: int, char, float ou double. Oexemploaseguirédeumvetordeinteiros:"

Transcrição

1 18 Vetores Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Nessa aula vamos introduzir o tipo vetor. Aofinaldessaaulavocêdeverásaber: Descrever o que são vetores na linguagem C. Declarar vetores. Como acessar elementos de um vetor e percorrer um vetor. Utilizar vetores para resolver problemascomputacionais Vetores Vetores são estruturas indexadas utilizadas para armazenar dados de um mesmo tipo: int, char, float ou double. Oexemploaseguirédeumvetordeinteiros: Declaração de Vetores Adeclaração de um vetor éfeitadaseguinteforma: <tipo_do_vetor> <nome_do_vetor> [<tamanho_do_vetor>]; Exemplos: int v[80]; 80 é o tamanho do vetor! Adeclaração acima reserva 80 gavetas consecutivas na memória, que corresponde ao tamanho ou número de casas do vetor. Cada gaveta guarda um int. float x[0]; 0 é o tamanho do vetor! Adeclaração acima reserva 0 gavetas consecutivas na memória. Cada gaveta guarda um float. Observação Importante: 1. Na declaração de vetor, o que está entre colchetes deve ser um número constante.. Assim, não é possível fazer algo deste tipo: ou int n = 0; float x [ n ]; / não é permitido declarar colocando uma variável / int n ; printf ( "Entre com n>0: "); scanf ( "%d", &n ); float x [ n ]; 1

2 Ocorretoseria: int n ; float x [0]; / o correto é declarar sempre um tamanho fixo / Uso de Vetores São usados índices para acessar uma casa de um vetor. Um índice éumnúmero natural. Oíndice da primeira casa ésemprezero Exemplo de Uso de Vetores Exemplo 1: 1 # include <stdio. h> 4 int v [80], i ; 5 v [3] = 4; / casa de índice 3 do vetor v recebe o inteiro 4 / 7 i = ; 8 v [ i ] = 3; / casa de índice do vetor v recebe o inteiro 3 / 9 v [ v [ v [ i ]]] = 10; / vc saberia dizer qual casa do vetor v 10 recebe o inteiro 10? 11 / 1 13 return 0; 14 } Na Linha 4, o vetor v com 80 casas édeclarado: ???????? Na Linha, casa de índice 3 do vetor v recebe o inteiro 4: ??? 4???? Na Linha 8, casa de índice do vetor v recebe o inteiro 3: ?? 3 4???? Na Linha 9, temos: i=, v[i]=3 e v[v[i]]=v[3]=4. Desta forma, no comando da Linha 9, a casa de índice 4dovetorvrecebeointeiro10: ?? ??? Exemplo :

3 1 # include <stdio. h> 4 float x [80]; 5 int i ; 7 for ( i=0; i<80; i++) 8 x [ i ] = 0; 9 10 return 0; 11 } Oprogramaacimacolocaovalorzeroemcadaumadascasasdovetorx. Exemplo 3: Oíndice do vetor pode ser uma expressão aritmética, como mostrado a seguir: 1 # include <stdio. h> 4 float x [80]; 5 int i ; 7 for ( i=110; i<190; i++) 8 x [ i 110] = 0; 9 10 return 0; 11 } mas tenha absoluta certeza, porém, de sempre fornecer um índice válido de forma que o resultado da expressão aritmética seja válida (neste exemplo, o resultado da expressão aritmética deve ser um inteiro entre 0 e 79). 18. Percorrimento de Vetores Percorrer um vetor significa varrer o vetor de casa em casa a partir do índice 0 (zero). No percorrimento de um vetor, é necessário saber o número de casas que deve-se fazer este percorrimento.este número normalmente é guardado em uma variável inteira. Muitos problemas computacionais que envolvem vetores têm como solução o uso de um padrão para percorrimento de vetores. Um padrão para percorrer n_casas deumvetor vetor éusarumcomandoderepetição (no caso, vamos usar o comando for) com uma variável inteira indice para o índice das casas do vetor: for ( indice=0; indice < n_casas ; indice++) { <algum comando usando vetor[ indice]> } Leitura de um Vetor Para leitura de vetor, devemos ler elemento a elemento usando o padrão de percorrimento. 3

4 1 # include <stdio. h> 4 float v [100]; 5 int i, n ; 7 printf ( "Entre com 0<n<=100: "); 8 scanf ( "%d" &n ); 9 10 / percorrer o vetor v de 0 a n 1 colocando o valor lido pelo teclado / 11 for ( i=0; i<n ; i++) { 1 printf ( "Entre com v[%d] = ", i ); 13 scanf ( "%f", &v [ i ]); 14 } 15 1 return 0; 17 } Observe com cuidado a linha do programa utilizada para ler o vetor: scanf ( "%f", &v [ i ]); Aposição i do vetor v,ouseja,v[i],éutilizadadamesmaformaqueutizamosqualquervariável atéomomento. Essa variável é passada para a funcao scanf precedida pelo caractere & Impressão de um Vetor Para impressão de vetor, devemos imprimir elemento a elemento usando o padrão de percorrimento. 1 # include <stdio. h> 4 float v [100]; 5 int i, n ; 7 printf ( "Entre com 0<n<=100: "); 8 scanf ( "%d" &n ); 9 10 / percorrer o vetor v de 0 a n 1 imprimindo o valor de cada casa / 11 for ( i=0; i<n ; i++) { 1 printf ( "v[%d] = %f\n", i, v [ i ]); 13 } return 0; 1 } Observação sobre Percorrimento Na declaração de um vetor é definido um número fixo de casas, uma vez que sempre deve-se colocar uma constante na definição do número de casas do vetor. Por exemplo: int v [30]; Mas, como podemos ver nos exemplos de percorrimento para ler e imprimir um vetor, um usuário não necessariamente irá usar todas as casas disponíveis do vetor. Note que no padrão de percorrimento deve sempre 4

5 existir uma variável indicando quantas casas do vetor estão sendo verdadeiramente usadas (variável n_casas do padrão). Assim, normalmente, em problemas computacionais que envolvem vetores deve-se sempre ter uma variável inteira associada a este vetor que diz quantas casas do vetor estão sendo usadas (por exemplo, variável inteira n associada ao vetor v nos exemplos de leitura e impressão de vetores) Exercícios Comentados Exercício 1 Dada uma sequência de 0<n<100 números inteiros, imprimi-la na ordem inversa à da leitura. Exemplo: Para n=5, e a sequência 11, 1, 3, 41, 31,oprogramadeveimprimirasaída 31, 41, 3, 1, 11. Para resolver esse problema, precisamos armazenar todos os elementos da sequência em um vetor (usando padrão de percorrimento), e depois imprimir esses elementos em ordem inversa (usando padrão de percorrimento em ordem inversa). Observe que sem usar vetor, ou seja, usando apenas variáveis, seria muito difícil resolver esse problema para um valor arbitrário de n. Um programa possível, usando vetores, seria: 1 # include <stdio. h> 3 # define MAX int main () { int v [ MAX], n, i ; 7 8 printf ( "Entre com 0<n<100: "); 9 scanf ( "%d", &n ); / percorrer o vetor v do índice 0 a n 1 colocando o valor lido pelo teclado / 1 for ( i=0; i<n ; i++) { 13 printf ( "Entre com v[%d] = ", i ); 14 scanf ( "%d", &v [ i ]); 15 } 1 17 / percorrer o vetor v do índice n 1 a 0 imprimindo o valor de cada casa / 18 for ( i=n 1; i>=0; i ) { 19 printf ( "v[%d] = %d\n", i, v [ i ]); 0 } 1 return 0; 3 } Note que neste exercício definimos uma constante MAX usando o comando define. Observe que MAX é uma constante e não uma variável. Mais sobre definição de constantes, veja o material didático Alguns Detalhes da Linguagem C. Observe então que o tamanho do vetor éfixo,edeveserdefinidoantesdoprogramaserexecutado.éumerro muito comum entre programadores inexperientes ler um número e utilizá-lo para definir o tamanho do vetor. Algo do tipo: 5

6 int n ; printf ( "Entre com n>0: "); scanf ( "%d", &n ); int v [ n ]; Isto está completamenteerrado! Tomecuidadoparavocênão cometer este ERRO! Na solução do problema, no programa, o valor limite foi definido como MAX epossuivalor100. Esseprograma não pode ser executado para sequências maiores que 100. Na Linha, o vetor v com 100 casas édeclarado: ???????? Aleituradointeiron (digamos que leia 5, como no exemplo dado no exercício) que indica quantas das 100 casas do vetor v que serão de fato utilizadas éfeitanalinha9. Após a leitura do vetor (Linhas 11 a 15), a estrutura correspondente na memória pode ser representada como: ??? Note que as casas de índice maior que 4 contêm lixo. Mas, tudo bem, uma vez sabemos o número de casas (guardado na variável n=5) que contêm os valores da sequência. Agora observe a parte do programa para imprimir o vetor invertido (Linhas 17 a 0). Como o vetor foi lido como mostra o esquema acima, devemos percorrer o vetor v desde a última posição lida e decrementar até a primeira. A última posição lida nesse caso foi a posição 4 (quatro), e a primeira foi 0 (zero) Exercício Dados n>0 lançamentos de uma roleta (números entre 0 e 3), calcular a frequência de cada número. Como a gente calcula a frequência de um número? Basta contar quantas vezes ele aparece na sequência. Precisamos, portanto, criar um contador para cada número da sequência possível, ou seja, 37 contadores. Cada contador começa com zero, e toda vez que lancamos a roleta, a gente incrementa apenas o contador correspondente. Ao final, basta calcular as frequências. A solução completa e dada a seguir:

7 1 # include <stdio. h> 4 int freq [37]; 5 int n, i, x ; 7 / zerando o vetor freq / 8 for ( i=0; i<37; i++) 9 freq[ i ] = 0; printf ( "Entre com o número de lançamentos n>0: "); 1 scanf ( "%d", &n ); for ( i=0; i<n ; i++) { 15 printf ( "Entre com um lançamento: "); 1 scanf ( "%d", &x ); 17 freq[ x ] = freq[ x ] + 1; 18 } 19 0 for ( i=0; i<37; i++) 1 if ( freq[ i ] > 0) printf ( "O número %d apareceu %d veze(s)\n", i, freq[ i ]); 3 4 return 0; 5 } Exercício 3 Um exemplo de como vetores pode ser útil. Um vetor poderia guardar os coeficientes de um polinômio de grau n. Porexemplo: float a [101]; int n ; Dessa forma, a[0],a[1],...,a[n] guardam os coeficientes de um polinômio p(x) =a[0] + a[1]x a[n]x n. É claro que, neste particular caso, n não pode ser maior que Erros Comuns Ao desenvolver seus programas com vetores, preste atenção com relação aos seguintes detalhes: índices inválidos: tome muito cuidado, especialmente dentro de um while ou for, de não utilizar índices negativos ou maiores que o tamanho máximo do vetor. Definição do tamanho do vetor se faz na declaração do vetor. O tamanho dele éconstante,sómudando a sua declaração é que podemos alterar o seu tamanho.isso significa que podemos estar desperdiçando algum espaço da memória que fica no final do vetor. Não cometa o erro de ler n, onde n seria o tamanho do vetor, e tentar declarar o vetor em seguida Exercícios Recomendados 1. Dados dois polinômios reais p(x) =a 0 + a 1 x a n x n (n<0) eq(x) =b 0 + b 1 x b m x m (m <40) determinaroprodutodessespolinômios.. Dados dois vetores x e y, amboscomn elementos, n<50, determinaroprodutoescalardessesvetores. 7

8 3. Em uma classe há n alunos, n<100, cadaumdosquaisrealizouk provas, k<4, compesosdistintos. Dados n, k, ospesosdask provas e as notas de cada aluno, calcular a média ponderada das provas para cada aluno e a média aritmética da classe em cada uma das provas. 4. Dada uma sequência de 0<n<00 números inteiros, determinar um segmento de soma máxima. Exemplo: para n=1 easequência ??? um segmento de soma máxima está entreosíndices 4 e 8 e a correspondente soma é Dada uma sequência x 0,x 1,...,x k 1 de números inteiros, com k<300,verifiqueseexistemdoissegmentos consecutivos iguais nesta sequência, isto é, se existem i e m tais que: Imprima, caso existam, os valores de i e m. Exemplo: para k =8easequência x i,x i+1,...,x i+m 1 = x i+m,x i+m+1,...,x i+m ??? existem i= e m=.. Dada uma sequência de n>0 números reais, imprimi-los eliminando as repetições. 8

Figura 1: Uma matriz contem elementos de um mesmo tipo, com início em (0,0). 30 é o número de colunas!

Figura 1: Uma matriz contem elementos de um mesmo tipo, com início em (0,0). 30 é o número de colunas! 22 Matrizes Ronaldo F Hashimoto e Carlos H Morimoto Oobjetivodestaaulaéintroduzirotipomatriz Aofinaldessaaulavocêdeverásaber: descrever o que são matrizes em C Declarar matrizes Como acessar elementos

Leia mais

5 Comando de Seleção Simples e Composta

5 Comando de Seleção Simples e Composta 5 Comando de Seleção Simples e Composta Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Essa aula introduz o comando de seleção, que permite ao seu programa tomar decisões sobre o fluxo do processamento, ou

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Aula 15 Variáveis Indexadas (vetores)

Aula 15 Variáveis Indexadas (vetores) Aula 15 Variáveis Indexadas (vetores) Além das variáveis normais já conhecidas, podemos ter também variáveis indexadas. Tais variáveis são referenciadas por um nome e um índice. Especialmente úteis para

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES

LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES LINGUAGEM C: ARRAY: VETORES E MATRIZES Prof. André Backes POR QUE USAR ARRAY? As variáveis declaradas até agora são capazes de armazenar um único valor por vez. Sempre que tentamos armazenar um novo valor

Leia mais

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente:

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente: Vetores Vetor é um tipo de dado usado para representar uma certa quantidade de variáveis de valores homogêneos (do mesmo tipo). Imagine o seguinte problema: calcular a média das notas da prova de 5 alunos.

Leia mais

Capítulo 6: Arquivos

Capítulo 6: Arquivos Capítulo 6: Arquivos Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Funções de entrada e saída em arquivos Nos capítulos anteriores, desenvolvemos programas que capturam seus dados de

Leia mais

14 Fórmula de Recorrência e Séries (Somas Infinitas)

14 Fórmula de Recorrência e Séries (Somas Infinitas) 14 Fórmula de Recorrência e Séries (Somas Infinitas) Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Nessa aula vamos introduzir fórmulas de recorrência e o uso das mesmas para o cálculo de séries (somas infinitas).

Leia mais

12 Indicador de Passagem

12 Indicador de Passagem 1 Indicador de Passagem Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e Leliane N. de Barros Indicador de Passagem é um padrão bastante utilizado em computação para identificar a ocorrência de um evento que

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação Fundamentos de Programação Linguagem C++: arrays - aula I Bruno Emerson Gurgel Gomes 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN) 2012 Bruno Gomes (IFRN) Fundamentos de Programação

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada Prática com declaração e inicialização de variáveis Capacidade de representação (estouro de representação) Tamanho ocupado pela variável na memória (comando

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

23 Matrizes, Ponteiros e Funções

23 Matrizes, Ponteiros e Funções 23 Matrizes, Ponteiros e Funções Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Oobjetivodestaaulaérelacionarotipomatrizes com ponteiros e assim entender como utilizar matrizes como parâmetros de funções. Ao

Leia mais

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento --

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento -- Aula 09 - Operadores de auto incremento e auto decremento, atribuição múltipla, atribuição na declaração, atribuição resumida e algumas regras de boa programação. 1) Operadores de auto incremento ++ e

Leia mais

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo ponteiros INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br ponteiros tópicos o que são ponteiros operadores usados com ponteiros passagem de ponteiros para funções referência

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15 Revisão Vetores e Matrizes Trabalho Definição: Introdução a Linguagem C Vetores Estrutura que permite armazenar um conjunto de dados do mesmo tipo na mesma variável;

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

1 Resumo: Matrizes. 2.1 Como declarar uma matriz IME/USP. Departamento de Ciência da Computação

1 Resumo: Matrizes. 2.1 Como declarar uma matriz IME/USP. Departamento de Ciência da Computação Departamento de Ciência da Computação MAC2166 Introdução a Computação IME/USP Matrizes 1 Resumo: Matrizes são estruturas bi-dimensionais utilizadas para armazenar dados de um mesmo tipo. Para declarar

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Vetores e Strings int vetor[] / rand() / #define / char string[] / gets() Gil Eduardo de Andrade Vetores Introdução Um vetor pode ser definido como é um conjunto de elementos (variáveis)

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar os dados dos tipos simples em tipos

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

Funções em Linguagem C Parte II

Funções em Linguagem C Parte II Slides inicialmente preparados pelo Prof. Dr. Claudio Fabiano Motta Toledo Funções em Linguagem C Parte II Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1. Semestre 2017 Sumário Introdução a Ponteiros Escopo de Variáveis

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C Aula 01 Programação em Microinformática Prof. Allbert Velleniche de Aquino Almeida E-mail: professor@allbert.com.br Site: http://www.allbert.com.br Histórico O C nasceu na década

Leia mais

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1 Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação Lista de Exercícios 1 1. O programa seguinte tem vários erros em tempo de compilação. Encontre-os. Main() int a=1; b=2,

Leia mais

Vetores Unimensionais

Vetores Unimensionais Vetores Unimensionais Objetivos Entender a importância e a necessidade do uso de Vetores Definição de Manipulação de Vetores Inserir elementos em um vetor (usando laços ou não) Imprimir elementos de um

Leia mais

Estruturas de repetição. Objetivos: - Compreender diversos tipos de comandos de repetições disponíveis na linguagem C.

Estruturas de repetição. Objetivos: - Compreender diversos tipos de comandos de repetições disponíveis na linguagem C. capa Estruturas de repetição Objetivos: - Compreender diversos tipos de comandos de repetições disponíveis na linguagem C. - Aprender a implementar algoritmos em C com laços de repetições. Estruturas de

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2014 Roteiro 1 Maior número 2 Soma de n números 3 Fatorial 4 Máximo Divisor Comum (MDC) 5 Números primos

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 3 de setembro de 2010

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 3 de setembro de 2010 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 3 de setembro de 2010 1 Introdução O objetivo desta aula prática é exercitar o uso de variáveis de vários tipos

Leia mais

Aula 12- Variáveis e valores reais

Aula 12- Variáveis e valores reais Aula 12- Variáveis e valores reais Até agora todos os nossos problemas continham apenas valores inteiros e portanto variáveis do tipo int. Para resolver problemas que usam valores com parte fracionária,

Leia mais

[]: ;

<identificador>[<tamanho>]: <tipo>; Vetores e Constantes Imagine uma situação na qual fosse necessário armazenar 100 valores para processamento. Por exemplo, pode ser necessário armazenar as notas de 100 provas de uma turma de alunos. Uma

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings)

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Até agora, quando desejávamos indicar o número de elementos existentes em um vetor qualquer, utilizávamos uma variável inteira, digamos tam, para armazenar tal

Leia mais

Estruturas de Repetição. for() while() do-while() break; continue;

Estruturas de Repetição. for() while() do-while() break; continue; Estruturas de Repetição for() while() do-while() break; continue; 1 Auto-Ajuda (!) Como ajudar a solucionar erros básicos do meu programa? Verificar os ; Verificar se não há comandos em maiúsculas; Verificar

Leia mais

4ª Lista de Exercícios de Programação I

4ª Lista de Exercícios de Programação I 4ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C. 1. Faça um algoritmo que leia 10 valores inteiros armazenando-os em um vetor e depois calcule a soma dos valores

Leia mais

Este texto contém algumas dicas de programação para resolução de exercícios do curso de Introdução à Programação.

Este texto contém algumas dicas de programação para resolução de exercícios do curso de Introdução à Programação. Dicas de Programação Ronaldo F. Hashimoto e Leliane N. de Barros Este texto contém algumas dicas de programação para resolução de exercícios do curso de Introdução à Programação. Ao final dessa aula você

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Oitava Aula Prática - 29 de outubro de 2010 O objetivo desta aula prática é exercitar ponteiros e funções. 1 Exercícios com ponteiros

Leia mais

Alocação Dinâmica em C

Alocação Dinâmica em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Alocação Dinâmica em C Profa Rosana Braga Adaptado de material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara

Leia mais

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 a) Implemente uma função para calcular as raízes de uma equação do segundo grau do tipo ax 2 +bx+c=0. O protótipo dessa função deve ser: void raizes (float a, float b, float

Leia mais

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes?

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes? Introdução à Ciência da Computação Ponteiros em C Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 04 Alocação Dinâmica Edirlei Soares de Lima Vetores - Declaração e Inicialização Declaração de um vetor: int meu_vetor[10]; Reserva um espaço de memória

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Introdução à Linguagem C Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br

Leia mais

Exercícios - Questões Objetivas

Exercícios - Questões Objetivas Exercícios - Questões Objetivas Apresentação 02 - Tipos de Dados 1. O nome de uma variável é criado por um programador devendo seguir algumas regras, são listas de nomes válidos, EXCETO: a) Nota1, Nota2,

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade Federal do Rio de Janeiro Data: 26/04/05 Disciplina: Computação I 1ª Lista de Exercícios 1) Faça um programa, em pseudo-código, que peça ao usuário que informe n números reais e então calcule

Leia mais

Variável Composta Homogênea Unidimensional e Multidimensional - ARRAY

Variável Composta Homogênea Unidimensional e Multidimensional - ARRAY Variável Composta Homogênea Unidimensional e Multidimensional - ARRAY 1. Introdução Agora que já estudamos as estruturas de controle (sequencial, condicional e de repetição) estudaremos as variáveis compostas

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática Funções e Ponteiros1 EXERCÍCIOS COM PONTEIROS Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Funções e ponteiros O objetivo desta aula prática

Leia mais

INF 1620 P1-11/04/03 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-11/04/03 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-11/04/03 Questão 1 (a) Escreva uma função em C que receba como parâmetro um número inteiro não negativo e retorne, como resultado da função, o valor do seu fatorial. Essa função deve obedecer

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes Fundamentos de Programação Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes Prof.: Bruno Gomes 1 Variáveis Representa uma porção da memória que pode ser utilizada pelo programa para armazenar informações

Leia mais

17 Funções e Ponteiros

17 Funções e Ponteiros 17 Funções e Ponteiros Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Nessa aula introduzimos o mecanismo utilizado pelo C para permitir que funções devolvam mais de um valor, que érealizandoatravés de variáveis

Leia mais

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento Hello World Linguagem C printf("hello world!\n"); main é a função principal, a execução do programa começa por ela printf é uma função usada para enviar dados para o vídeo Palavras Reservadas auto double

Leia mais

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Este documento explica como transformar um algoritmo escrito na forma pseudocódigo

Leia mais

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012 urso de à urso de à Universidade Federal Fluminense July 16, 2012 Indrodução urso de à O é uma linguagem de programação criada por Dennis Ritchie, em 1972 e que continua a ser muito utilizada até os dias

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução As estruturas de repetição, permitem executar mais de uma vez um mesmo trecho de código. Trata-se de uma forma de executar blocos de comandos somente sob determinadas

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 AULA 15 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 15.1 O comando enquanto-faca- Considere o problema de escrever um algoritmo para ler um número inteiro positivo, n, e escrever todos os números inteiros de 1 a

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 Instruções de Entrada Entrada/Leitura de dados Introduzir um valor inteiro/real para X 2 Instruções de Entrada Entrada/Leitura de dados Introduzir um valor inteiro/real

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples Estrutura

Leia mais

MESMO QUE ESTAS VARIÁVEIS TENHAM NOME IDÊNTICOS

MESMO QUE ESTAS VARIÁVEIS TENHAM NOME IDÊNTICOS Funções As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Porque usar funções? Para permitir o reaproveitamento de código já construído (por você ou por outros programadores);

Leia mais

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação

Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C. DCC 120 Laboratório de Programação Tipos de Dados, Variáveis e Entrada e Saída em C DCC 120 Laboratório de Programação Variáveis Uma variável representa um espaço na memória do computador para armazenar um determinado tipo de dado. Em C,

Leia mais

Linguagem C (repetição)

Linguagem C (repetição) Linguagem C (repetição) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Exercício Escrever um programa que conte (mostre na tela) os números de 1 a 100. Comandos aprendidos até o momento: printf, scanf, getchar,

Leia mais

20 Caracteres - Tipo char

20 Caracteres - Tipo char 0 Caracteres - Tipo char Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até agora vimos como o computador pode ser utilizado para processar informação que pode ser quantificada de forma numérica. No entanto,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 2

LISTA DE EXERCÍCIOS 2 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES 1. TIPOS COMPOSTOS DE DADOS LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Considerando as declarações abaixo, responda dizendo

Leia mais

Computação L2. Linguagem C++ Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica.

Computação L2. Linguagem C++ Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica. Computação L2 Linguagem C++ ovsj@cin.ufpe.br Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica. Alfabeto São os símbolos ( caracteres ) permitidos na linguagem: Letras (maiúsculas e minúsculas);

Leia mais

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO.

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO. Exercícios 65 ao 72 - Estrutura de Repetição: Enquanto 65) Escreva um algoritmo para ler um valor entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive). Se o valor lido não estiver entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive),

Leia mais

Estrutura do programa

Estrutura do programa Linguagem C Estrutura do programa Exemplo: #include #include main() { printf( Ola, mundo! ); system( pause ); }

Leia mais

Linguagem C (estruturas condicionais)

Linguagem C (estruturas condicionais) Linguagem C (estruturas condicionais) André Tavares da Silva atavares@joinville.udesc.br Comandos de Controle de Fluxo Todos os comandos devem ser terminados com um ;. { e são usados para delimitar um

Leia mais

Working 6: Vetores I

Working 6: Vetores I Universidade Federal do Espirito Santo Centro Tecnologico Working 6: Vetores I Objetivos: Compreender o funcionamento de vetores e dominar sua implementação; Prazo de Envio: Sexta, 14/1, 23:55. PET Engenharia

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS VETORES E LISTAS LINEARES

ESTRUTURA DE DADOS VETORES E LISTAS LINEARES ESTRUTURA DE DADOS VETORES E LISTAS LINEARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer os vetores Compreender as Listas Sequenciais Implementar uma Lista Sequencial com Vetor GRUPOS? Até o fim

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 3

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 3 AULA 17 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 3 17.1 O cálculo da média aritmética Considere o seguinte problema: dados um número inteiro positivo, n, e uma seqüência, x 1, x 2,..., x n, com n números reais,

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Primeira Aula Prática

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Primeira Aula Prática Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Primeira Aula Prática 1 Introdução No Unix não existe uma interface padrão. Você pode escolher, alterar, tirar e muito mais com diversas

Leia mais

Matrizes. DCC 119 Algoritmos

Matrizes. DCC 119 Algoritmos Matrizes DCC 119 Algoritmos Matrizes: vetores multidimensionais Assim como os vetores, as matrizes são estruturas de dados homogêneas. Podem ser construídas dos diversos tipos básicos primitivos (real,

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Capítulo 06: Arquivos

Capítulo 06: Arquivos Capítulo 06: Arquivos INF1004 e INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Funções de entrada e saída em arquivos Motivação: quando um programa precisa processar

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva.

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva. Linguagem C Funções André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Funções É uma coleção de comandos identificados por um nome (identificador); As funções executam ações e podem retornar valores; main, printf

Leia mais

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos.

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. Introdução Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. 1 definições Uma string é uma sequência, um conjunto, ou uma cadeia de caracteres.

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008 Introdução O objetivo desta aula prática é exercitar comandos de entrada e saída simples

Leia mais

Estruturas de Repetição na Linguagem C. Slides da Prof. Deise Saccol

Estruturas de Repetição na Linguagem C. Slides da Prof. Deise Saccol Estruturas de Repetição na Linguagem C Slides da Prof. Deise Saccol 1 Comando for Estrutura de repetição for (var=valor inicial; condição; incremento) comando; for (var=valor inicial; condição; incremento)

Leia mais

Aula 9 Oficina de Programação Matrizes. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 9 Oficina de Programação Matrizes. Profa. Elaine Faria UFU Aula 9 Oficina de Programação Matrizes Profa. Elaine Faria UFU - 26 Variáveis Compostas Homogêneas O que uma variável composta homogênea? - Conjunto de variáveis do mesmo tipo - É chamada de forma geral

Leia mais

ESTRUTURAS CONDICIONAIS. Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza

ESTRUTURAS CONDICIONAIS. Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza ESTRUTURAS CONDICIONAIS Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURA CONDICIONAL ESTRUTURA DE REPETIÇÃO 2 Estruturas Condicionais

Leia mais

Mini apostila de Python - Oficina de Vestibulandos. PET Computação - UFPR September 2016

Mini apostila de Python - Oficina de Vestibulandos. PET Computação - UFPR September 2016 Mini apostila de Python - Oficina de Vestibulandos PET Computação - UFPR September 2016 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Obtenção e Instalação 3 3 Variáveis 3 4 Operações Matemáticas 5 5 Entrada de Dados 6 6

Leia mais

Métodos Computacionais. Comandos Condicionais e de Repetição em C

Métodos Computacionais. Comandos Condicionais e de Repetição em C Métodos Computacionais Comandos Condicionais e de Repetição em C Tópicos da Aula Hoje vamos acrescentar comportamentos mais complexos a programas em C Comandos Condicionais if-else switch Comandos de Repetição

Leia mais

LP II Estrutura de Dados

LP II Estrutura de Dados LP II Estrutura de Dados Linguagem C Seleção e Repetição Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Estruturas de Seleção Simples Composta Aninhada Estruturas de

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação I Tipos de Dados Básicos - C Professora: Norminda Luiza

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação I Tipos de Dados Básicos - C Professora: Norminda Luiza Universidade Federal do Espírito Santo Programação I Tipos de Dados Básicos - C Professora: Norminda Luiza Variáveis Tipos de Dados Básicos Formação dos identificadores o nome deve começar com uma letra

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Primeiro programa em C #include int main() { int num1, num2, result; scanf("%d",&num1); scanf("%d",&num2); result = num1 + num2; printf("%d",

Leia mais

Linguagem C vetores multidimensionais

Linguagem C vetores multidimensionais Linguagem C vetores multidimensionais IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Até agora... Introdução à linguagem C... Operadores aritméticos, de comparação

Leia mais

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação Linguagem C Controle do Fluxo de Execução Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Aqui começaremos a escrever os nossos primeiros programas em uma Linguagem de Programação. Divirta-se!!! Estrutura Seqüencial

Leia mais

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro.

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. Ficheiros de texto 1 Ficheiros de texto 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. 2. Implementar um programa que procure num ficheiro uma palavra lida do teclado.

Leia mais

PROGRAMAS BÁSICOS EM C++ Disciplina: Introdução à Ciência da Computação Prof. Modesto Antonio Chaves Universidade estadual do Sudoeste da Bahia

PROGRAMAS BÁSICOS EM C++ Disciplina: Introdução à Ciência da Computação Prof. Modesto Antonio Chaves Universidade estadual do Sudoeste da Bahia PROGRAMAS BÁSICOS EM C++ Disciplina: Introdução à Ciência da Computação Prof. Modesto Antonio Chaves Universidade estadual do Sudoeste da Bahia Calculo da área de um triângulo Algoritmo Área Var base,

Leia mais

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná em C Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum; Em C todas as matrizes consistem

Leia mais

Modularidade - Fun ções e Procedimentos

Modularidade - Fun ções e Procedimentos Modularidade - Fun ções e Procedimentos José Gustavo de Souza Paiva Problema Em diversas situa ções, é preciso executar uma tarefa específica diversas vezes em um programa, variando apenas os dados de

Leia mais

2º Roteiro de Laboratório Estruturas condicionais

2º Roteiro de Laboratório Estruturas condicionais 2º Roteiro de Laboratório Estruturas condicionais Tópicos abordados 1. Estruturas if e if/ 1.1. Sintaxe 1.2. Exemplo: par_impar.c 2. Aplicação 2.1. Problema resolvido: [PR 1] 2.2. Problemas propostos:

Leia mais

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada.

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. e saída Biblioteca stdio.h Comandos Função scanf() Função gets() Função getchar() Material cedido pelo prof. Daniel Callegari scanf() Rotina de entrada que lê todos os tipos de dados. Protótipo: int scanf(const

Leia mais

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz Variáveis Compostas Homogêneas São conhecidas na linguagem C como matrizes. Vetores e es É um conjunto de variáveis do mesmo tipo, acessíveis com um único nome e armazenadas de forma contínua na memória.

Leia mais

A Linguagem C. A forma de um programa em C

A Linguagem C. A forma de um programa em C A Linguagem C Criada em 1972 por D. M. Ritchie e K. Thompson. Tornou-se uma das mais importantes e populares, principalmente pela portabilidade e flexibilidade. Foi projetada para o desenvolvimento de

Leia mais

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores ! Variáveis, Tipos de Dados e Operadores Engenharias Informática Aplicada 2.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) VARIÁVEL VARIÁVEL É um local lógico, ligado a um endereço físico da memória

Leia mais

Capítulo 2 Operadores. A função scanf()

Capítulo 2 Operadores. A função scanf() Capítulo 2 Operadores A função scanf() A função scanf() é outra das funções de E/S implementadas em todos os compiladores e nos permite ler dados formatados da entrada padrão (teclado). Sintaxe: scanf(

Leia mais

Linguagens de Programação PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES. Linguagem C. Linguagem C Estrutura Básica. Constante (literais) Linguagem C Primeiro Programa

Linguagens de Programação PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES. Linguagem C. Linguagem C Estrutura Básica. Constante (literais) Linguagem C Primeiro Programa Linguagens de Programação PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES Linguagem C - Introdução Linguagens de Máquina Representação numérica Difícil utilização e compreensão Específica para cada máquina Linguagens Simbólicas(Assembly)

Leia mais