Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1"

Transcrição

1 Plano de ontas Aplicado ao Setor Público 1 Legenda dos níveis de desdobramento: 1 Nível lasse 2º Nível Grupo 3º Nível Subgrupo 4º Nível Título 5º Nível Subtítulo 6º Nível Item 7º Nível - Subitem As contas poderão conter mais níveis do que os dispostos acima. s planos de contas dos entes da Federação somente poderão ser detalhados nos níveis posteriores ao nível utilizado na relação de contas do PASP. Exceção a esta regra corresponde à abertura do 5º nível em intra, inter ou consolidação quando tal conta não existir no PASP e o ente entender ser necessário. A estrutura das contas de consolidação é apresentada a seguir: NTA TÍTUL FUNÇÃ NATUREZA SAL 2 /F ATIV ompreende os recursos controlados por uma entidade como consequência de eventos passados e dos quais se espera que fluam benefícios econômicos ou potencial de serviços futuros a unidade ATIV IRULANTE AIXA E EQUIVALENTES E AIXA ompreende os ativos que atendam a qualquer um dos seguintes critérios: sejam caixa ou equivalente de caixa; sejam realizáveis ou mantidos para venda ou consumo dentro do ciclo operacional da entidade; sejam mantidos primariamente para negociação; sejam realizáveis no curto prazo. ompreende o somatório dos valores em caixa e em bancos, bem como equivalentes, que representam recursos com livre movimentação para aplicação nas operações da entidade e para os quais não haja restrições para uso imediato. 1 Estrutura padronizada para União, Estados, istrito Federal e Municípios. 2 Natureza do Saldo identifica se a conta tem saldo credor (), devedor () ou misto (/). 3 atributo /F tem como objetivo indicar se, ocorrendo uma transação ou evento, o seu registro contábil é obrigatório ou facultativo.

2 AIXA E EQUIVALENTES E AIXA EM MEA NAINAL AIXA E EQUIVALENTES E AIXA EM MEA NAINAL - NSLIAÇÃ AIXA E EQUIVALENTES E AIXA EM MEA NAINAL - INTRA FSS AIXA E EQUIVALENTES E AIXA EM MEA ESTRANGEIRA AIXA E EQUIVALENTES E AIXA EM MEA ESTRANGEIRA - NSLIAÇÃ RÉITS A URT PRAZ LIENTES LIENTES- NSLIAÇÃ RÉITS TRIBUTÁRIS A REEBER RÉITS TRIBUTÁRIS A REEBER - NSLIAÇÃ RÉITS TRIBUTÁRIS A REEBER - INTRA FSS RÉITS TRIBUTÁRIS A REEBER - INTER FSS - UNIÃ ompreende o somatório dos valores em caixa e em bancos, bem como equivalentes, que representam recursos com livre movimentação para aplicação nas operações da entidade e para os quais não haja restrições para uso imediato. ompreende o somatório dos valores de caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o somatório dos valores de caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) do ente. ompreende o somatório dos valores de caixa e equivalentes de caixa em moeda estrangeira. ompreende o somatório dos valores de caixa e equivalentes de caixa em moeda estrangeira. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores a receber por fornecimento de bens, serviços, créditos tributários, dívida ativa, transferências e empréstimos e financiamentos concedidos realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os valores das faturas/duplicatas a receber decorrentes das vendas a prazo de mercadorias ou serviços que ocorram no curso normal das operações da entidade, representando um direito a cobrar de seus clientes. ompreende os valores das faturas/duplicatas a receber decorrentes das vendas a prazo de mercadorias ou serviços que ocorrem no curso normal das operações da unidade, representando um direito a cobrar de seus clientes. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores relativos a créditos a receber oriundos das variações patrimoniais aumentativas tributárias, realizáveis no curso do exercício social subsequente. s tributos são: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições e empréstimos compulsórios. Registra os valores relativos a créditos a receber oriundos das variações patrimoniais aumentativas tributárias, realizáveis no curso do exercício social subsequente. s tributos são: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições e empréstimos compulsórios. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). Registra os valores relativos a créditos a receber oriundos das variações patrimoniais aumentativas tributárias, realizáveis no curso do exercício social subsequente. s tributos são: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições e empréstimos compulsórios. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) do ente. Registra os valores relativos a créditos a receber oriundos das variações patrimoniais aumentativas tributárias realizáveis no curso do exercício social subsequente. s tributos são: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições e empréstimos compulsórios. ompreende os saldos que

3 RÉITS TRIBUTÁRIS A REEBER - INTER FSS ESTA RÉITS TRIBUTÁRIS A REEBER - INTER FSS - MUNIÍPI IVIA ATIVA TRIBUTARIA IVIA ATIVA TRIBUTARIA - NSLIAÇÃ IVIA ATIVA TRIBUTARIA - INTRA FSS IVIA ATIVA TRIBUTARIA - INTER FSS - UNIÃ IVIA ATIVA TRIBUTARIA - INTER FSS - ESTA IVIA ATIVA TRIBUTARIA - INTER FSS - MUNIÍPI serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e a União.. Registra os valores relativos a créditos a receber oriundos das variações patrimoniais aumentativas tributárias realizáveis no curso do exercício social subsequente. s tributos são: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições e empréstimos compulsórios. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um estado. Registra os valores relativos a créditos a receber oriundos das variações patrimoniais aumentativas tributárias realizáveis no curso do exercício social subsequente. s tributos são: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições e empréstimos compulsórios. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um município. ompreende os valores dos créditos de divida ativa tributaria inscritos, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os valores dos créditos de divida ativa tributaria inscritos, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores dos créditos de divida ativa tributaria inscritos, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) do ente. ompreende os valores dos créditos de divida ativa tributaria inscritos, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) de entes públicos distintos, para permitir a consolidação nacional realizada pelo Poder Executivo da União. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e a União. ompreende os valores dos créditos de divida ativa tributaria inscritos, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um estado. ompreende os valores dos créditos de divida ativa tributaria inscritos, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um município IVIA ATIVA NÃ TRIBUTARIA - LIENTES ompreende os valores dos créditos de divida ativa não tributaria inscritos, derivados de clientes, realizáveis no curto prazo IVIA ATIVA NÃ TRIBUTARIA - LIENTES - NSLIAÇÃ Registra os valores dos créditos de divida ativa não tributaria inscritos, derivados de clientes, realizáveis no curso do exercício social subsequente. ompreende os saldos que não serão excluídos

4 RÉITS E TRANSFERÊNIAS A REEBER RÉITS E TRANSFERÊNIAS A REEBER - INTER FSS UNIÃ RÉITS E TRANSFERÊNIAS A REEBER - INTER FSS - ESTA RÉITS E TRANSFERÊNIAS A REEBER - INTER FSS - MUNIÍPI nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores relativos a créditos a receber oriundos da variação patrimoniais aumentativas decorrentes de transferências obrigatórias da União, estados, istrito Federal e municípios. ompreende os valores relativos a créditos a receber oriundos da variação patrimoniais aumentativas decorrentes de transferências obrigatórias da União, estados, istrito Federal e municípios. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e a União. ompreende os valores relativos a créditos a receber oriundos da variação patrimoniais aumentativas decorrentes de transferências obrigatórias da União, estados, istrito Federal e municípios. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um estado. ompreende os valores relativos a créditos a receber oriundos da variação patrimoniais aumentativas decorrentes de transferências obrigatórias da União, estados, istrito Federal e municípios. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um município EMPRÉSTIMS E FINANIAMENTS NEIS ompreende o somatório dos valores de empréstimos e financiamentos concedidos por autorizações legais ou vinculações a contratos e acordos EMPRÉSTIMS E FINANIAMENTS NEIS- NSLIAÇÃ EMPRÉSTIMS E FINANIAMENTS NEIS-INTER FSS - UNIÃ EMPRÉSTIMS E FINANIAMENTS NEIS-INTER FSS - ESTA EMPRÉSTIMS E FINANIAMENTS NEIS-INTER FSS - MUNIÍPI (-) AJUSTE E PERAS E RÉITS A URT PRAZ (-) AJUSTE E PERAS E RÉITS A URT PRAZ- NSLIAÇÃ ompreende o somatório dos valores de empréstimos e financiamentos concedidos por autorizações legais ou vinculações a contratos e acordos. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o somatório dos valores de empréstimos e financiamentos concedidos por autorizações legais ou vinculações a contratos e acordos. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e a União. ompreende o somatório dos valores de empréstimos e financiamentos concedidos por autorizações legais ou vinculações a contratos e acordos. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um estado. ompreende o somatório dos valores de empréstimos e financiamentos concedidos por autorizações legais ou vinculações a contratos e acordos. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um município. ompreende o ajuste para perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a créditos a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende o ajuste para perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a créditos a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende os saldos que não serão excluídos

5 (-) AJUSTE E PERAS E RÉITS A URT PRAZ - INTRA FSS (-) AJUSTE E PERAS E RÉITS A URT PRAZ - INTER FSS - UNIÃ (-) AJUSTE E PERAS E RÉITS A URT PRAZ - INTER FSS - ESTA (-) AJUSTE E PERAS E RÉITS A URT PRAZ - INTER FSS - MUNIÍPI nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o ajuste para perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a créditos a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) do ente. ompreende o ajuste para perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a créditos a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e a União. ompreende o ajuste para perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a créditos a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um estado. ompreende o ajuste para perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a créditos a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende os saldos que serão excluídos nos demonstrativos consolidados do rçamento Fiscal e da Seguridade Social (FSS) de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e um município EMAIS RÉITS E VALRES A URT PRAZ AIANTAMENTS NEIS A PESSAL E A TEREIRS AIANTAMENTS NEIS A PESSAL E A TEREIRS - NSLIAÇÃ TRIBUTS A REUPERAR / MPENSAR TRIBUTS A REUPERAR / MPENSAR - NSLIAÇÃ RÉITS A REEBER PR ESENTRALIZAÇÃ A PRESTAÇÃ E SERVIÇS PÚBLIS RÉITS A REEBER PR ESENTRALIZAÇÃ A PRESTAÇÃ ompreende os valores a receber por demais transações realizáveis no curto prazo. ompreende as antecipações concedidas à pessoal, tais como antecipações de salários e ordenados, adiantamentos de 13º salário, adiantamentos de ferias e outros, alem da entrega de numerário a terceiros sem vinculação especifica ao fornecimento de bens ou serviços. ompreende as antecipações concedidas à pessoal, tais como antecipações de salários e ordenados, adiantamentos de 13º salário, adiantamentos de ferias e outros, alem da entrega de numerário a terceiros sem vinculação especifica ao fornecimento de bens ou serviços. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o somatório dos valores dos tributos a recuperar/ compensar. ompreende o somatório dos valores dos tributos a recuperar /compensar. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os créditos a receber decorrentes da descentralização de serviços públicos, tanto por meio de outorga a entidades da administração indireta como por meio de delegação, nas formas de concessão, inclusive parcerias público-privada - PPP, permissão ou autorização ao particular do direito de exploração de serviços públicos. ompreende os créditos a receber decorrentes da descentralização de serviços públicos, tanto por meio de outorga a entidades da administração indireta, como por meio de delegação, nas formas de

6 E SERVIÇS PÚBLIS - NSLIAÇÃ RÉITS PR ANS A PATRIMÔNI RÉITS PR ANS A PATRIMNI- NSLIAÇÃ EPÓSITS RESTITUÍVEIS E VALRES VINULAS EPÓSITS RESTITUÍVEIS E VALRES VINULAS- NSLIAÇÃ IVIA ATIVA NÃ TRIBUTARIA - EMAIS RÉITS IVIA ATIVA NÃ TRIBUTARIA - EMAIS RÉITS - NSLIAÇÃ concessão, inclusive parcerias público-privada - PPP, permissão ou autorização ao particular do direito de exploração de serviços públicos. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores realizáveis no curto prazo, provenientes de direitos oriundos de danos ao patrimônio, apurados em sindicância, prestação de contas, tomada de contas, processos judiciais e outros. ompreende os valores realizáveis no curto prazo, provenientes de direitos oriundos de danos ao patrimônio, apurados em sindicância, prestação de contas, tomada de contas, processos judiciais e outros. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores de depósitos e cauções efetuados e recebidos pela entidade para garantia de contratos, bem como para direito de uso, exploração temporária de bens ou de natureza judicial, depósitos compulsórios e demais recursos vinculados, realizáveis no curto prazo. ompreende os valores de depósitos e cauções efetuados e recebidos pela entidade para garantia de contratos, bem como para direito de uso, exploração temporária de bens ou de natureza judicial, depósitos compulsórios e demais recursos vinculados, realizáveis no curto prazo. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores dos créditos de divida ativa não tributaria inscritos, exceto as derivadas de clientes, realizáveis no curto prazo. Registra os valores dos créditos de divida ativa não tributaria inscritos, exceto as derivadas de clientes, realizáveis no curto prazo. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) UTRS RÉITS A REEBER E VALRES A URT PRAZ ompreende os outros créditos e valores realizáveis no curto prazo, provenientes de direitos obtidos junto a diversos devedores UTRS RÉITS A REEBER E VALRES A URT PRAZ - NSLIAÇÃ (-) AJUSTE E PERAS E EMAIS RÉITS E VALRES A URT PRAZ (-) AJUSTE E PERAS E EMAIS RÉITS E VALRES A URT PRAZ - NSLIAÇÃ INVESTIMENTS E APLIAÇÕES TEMPRÁRIAS A URT PRAZ ompreende os outros créditos e valores realizáveis no curto prazo, provenientes de direitos obtidos junto a diversos devedores. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o ajuste de perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a demais créditos e valores a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende o ajuste de perdas estimadas com o não recebimento de valores referentes a demais créditos e valores a curto prazo, por inadimplência de terceiros e outras. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreendem as aplicações de recursos em títulos e valores mobiliários, não destinadas à negociação e que não façam parte das atividades operacionais da entidade, resgatáveis no curto prazo, alem das aplicações temporárias em metais preciosos.

7 TÍTULS E VALRES MBILIÁRIS TÍTULS E VALRES MBILIARIS- NSLIAÇÃ APLIAÇÃ TEMPRÁRIA EM METAIS PREISS APLIAÇÃ TEMPRÁRIA EM METAIS PREISS- NSLIAÇÃ (-) AJUSTE E PERAS E INVESTIMENTS E APLIAÇÕES TEMPRÁRIAS (-) AJUSTE E PERAS E INVESTIMENTS E APLIAÇÕES TEMPRÁRIAS - NSLIAÇÃ ESTQUES ompreendem as aplicações de recursos em títulos e valores mobiliários, não destinadas à negociação e que não façam parte das atividades operacionais da entidade, resgatáveis no curto prazo. ompreendem as aplicações de recursos em títulos e valores mobiliários, não destinadas à negociação e que não façam parte das atividades operacionais da entidade, resgatáveis até o final do exercício seguinte. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende as aplicações de recursos em metais preciosos, não destinados a negociação e que não façam parte das atividades operacionais da entidade, resgatáveis no curto prazo. ompreende as aplicações de recursos em metais preciosos, não destinados a negociação e que não façam parte das atividades operacionais da entidade, resgatáveis no curto prazo. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende a diferença entre o valor recuperável do ativo e seu valor contábil, quando o primeiro for menor. ompreende a diferença entre o valor recuperável do ativo e seu valor contábil, quando o primeiro for menor. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o valor dos bens adquiridos, produzidos ou em processo de elaboração pela entidade com o objetivo de venda ou utilização própria no curso normal das atividades MERARIAS PARA REVENA ompreende todos os produtos adquiridos de terceiros para revenda, que não sofrem nenhum processo de transformação na entidade MERARIAS PARA REVENA - NSLIAÇÃ PRUTS E SERVIÇS AABAS PRUTS E SERVIÇS AABAS - NSLIAÇÃ PRUTS E SERVIÇS EM ELABRAÇÃ PRUTS E SERVIÇS EM ELABRAÇÃ - NSLIAÇÃ ompreende todos os produtos adquiridos de terceiros para revenda, que não sofrem nenhum processo de transformação na entidade. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os produtos já terminados e oriundos da própria produção da entidade e disponíveis para venda, estocados na fabrica, ou em depósitos, ou em filiais, ou ainda com terceiros em consignação e os serviços acabados. ompreende os produtos já terminados oriundos da própria produção da entidade e disponíveis para venda, estocados na fabrica, ou em depósitos, ou em filiais, ou ainda com terceiros em consignação e os serviços acabados. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os produtos e serviços em andamento não concluídos na data do balanço. ompreende os produtos e serviços em andamento não concluídos na data do balanço. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) MATÉRIAS-PRIMAS ompreende o estoque de matérias-primas, que será utilizado no processo produtivo.

8 MATÉRIAS-PRIMAS - NSLIAÇÃ ompreende o estoque de matérias-primas, que será utilizado no processo produtivo.. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) MATÉRIAIS EM TRANSIT ompreende o valor dos materiais em processo de transferência para outras unidades da entidade MATÉRIAIS EM TRANSIT - NSLIAÇÃ ompreende o valor dos materiais em processo de transferência para outras unidades da entidade. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) ALMXARIFA ompreende o valor dos materiais destinados ao consumo interno da unidade ALMXARIFA - NSLIAÇÃ ompreende o valor dos materiais destinados ao consumo interno da unidade. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) AIANTAMENTS A FRNEERES ompreende os adiantamentos efetuados pela entidade a fornecedores, vinculados a compras especificas de materiais que serão incorporados aos estoques quando de seu efetivo recebimento. Registra os adiantamentos efetuados pela entidade a fornecedores, vinculados a compras especificas AIANTAMENTS A FRNEERES de materiais que serão incorporados aos estoques quando de seu efetivo recebimento. ompreende os - NSLIAÇÃ saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) UTRS ESTQUES ompreende o valor dos outros bens adquiridos, produzidos ou em processo de elaboração pela entidade com o objetivo de venda ou utilização própria no curso normal das atividades UTRS ESTQUES - NSLIAÇÃ (-) AJUSTE E PERAS E ESTQUES (-) AJUSTE E PERAS E ESTQUES - NSLIAÇÃ VARIAÇÕES PATRIMNIAIS IMINUTIVAS PAGAS ANTEIPAAMENTE ompreende o valor dos outros bens adquiridos, produzidos ou em processo de elaboração pela entidade com o objetivo de venda ou utilização própria no curso normal das atividades. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende o registro das perdas conhecidas em estoques e calculadas por estimativa, relativas a estoques deteriorados ou obsoletos e para dar cobertura a diferenças físicas, quando tais perdas não puderem ser baixadas das próprias contas, pelo fato de não estarem identificados os itens específicos e por constituírem estimativas, bem como o registro do ajuste de perdas para os estoque que tiverem o valor de mercado inferior ao seu custo. ompreende o registro das perdas conhecidas em estoques e calculadas por estimativa, relativas a estoques deteriorados ou obsoletos e para dar cobertura a diferenças físicas, quando tais perdas não puderem ser baixadas das próprias contas, pelo fato de não estarem identificados os itens específicos e por constituírem estimativas, bem como o registro do ajuste de perdas para os estoque que tiverem o valor de mercado inferior ao seu custo. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende pagamentos de variações patrimoniais diminutivas (VP) antecipadas, cujos benefícios ou prestação de serviço a entidade ocorrerão no curto prazo PRÊMIS E SEGURS A APRPRIAR ompreende os valores pagos a titulo de prêmios de seguro a apropriar PRÊMIS E SEGURS A APRPRIAR Registra os valores pagos a titulo de prêmios de seguro a apropriar. ompreende os saldos que não

9 - NSLIAÇÃ serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) VP FINANEIRAS A APRPRIAR ompreende os valores pagos, a título de VP financeiras a apropriar VP FINANEIRAS A APRPRIAR - NSLIAÇÃ ASSINATURAS E ANUIAES A APRPRIAR ASSINATURAS E ANUIAES A APRPRIAR - NSLIAÇÃ ompreende os valores pagos, a título de VP financeiras a apropriar. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores pagos a titulo de assinaturas e anuidades a apropriar. Registra os valores pagos a titulo de assinaturas e anuidades a apropriar. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) ALUGUEIS PAGS A APRPRIAR ompreende os valores pagos a titulo de aluguel a apropriar. ALUGUEIS PAGS A APRPRIAR - Registra os valores pagos a titulo de aluguel a apropriar. ompreende os saldos que não serão NSLIAÇÃ excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) TRIBUTS PAGS A APRPRIAR ompreende os valores pagos a titulo de tributos a apropriar. TRIBUTS PAGS A APRPRIAR - Registra os valores pagos a titulo de tributos a apropriar. ompreende os saldos que não serão NSLIAÇÃ excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). NTRIBUIÇÕES NFEERATIVAS A ompreende os valores pagos a titulo de contribuições confederativas a apropriar APRPRIAR NTRIBUIÇÕES NFEERATIVAS A APRPRIAR - NSLIAÇÃ BENEFÍIS A PESSAL A APRPRIAR BENEFÍIS A PESSAL A APRPRIAR - NSLIAÇÃ Registra os valores pagos a titulo de contribuições confederativas a apropriar. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS). ompreende os valores pagos a titulo de beneficio a pessoal a apropriar. Registra os valores pagos a titulo de beneficio a pessoal a apropriar. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) EMAIS VP A APRPRIAR ompreende os demais valores pagos a apropriar EMAIS VP A APRPRIAR - NSLIAÇÃ ompreende os demais valores pagos a apropriar. ompreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrativos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (FSS) ATIV NÃ IRULANTE ompreende o ativo não circulante: o ativo realizável a longo prazo, os investimentos, o imobilizado e o intangível ATIV REALIZÁVEL A LNG PRAZ ompreende os bens, direitos e despesas antecipadas realizáveis no longo prazo RÉITS A LNG PRAZ ompreende os valores a receber por fornecimento de bens, serviços, créditos tributários, dívida ativa, transferências e empréstimos e financiamentos concedidos e com vencimento no longo prazo.

Alterações no PCASP. GT Abril/2011. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF. Última Atualização: mar/2011

Alterações no PCASP. GT Abril/2011. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF. Última Atualização: mar/2011 GT Abril/2011 Alterações no PASP oordenação Geral de Normas de ontabilidade Aplicadas à Federação STN/NF Última Atualização: mar/2011 Eliminação do termo objeto principal na função das contas relacionadas

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRI A FAZENA SERETARIA TESUR NAINAL MANUAL E NTABILIAE APLIAA A SETR PÚBLI PARTE IV PLAN E NTAS APLIA A SETR PÚBLI Aplicado à União, Estados, istrito Federal e Municípios Válido para o exercício

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1 Plano de ontas Aplicado ao Setor Público 1 Legenda dos níveis de desdobramento: 1 Nível lasse 2º Nível Grupo 3º Nível Subgrupo 4º Nível Título 5º Nível Subtítulo 6º Nível Item 7º Nível - Subitem As contas

Leia mais

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior Página 1 de 5 CIRCULANTE 3.458.065,56 1.875.217,00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

COMUNICADO DGGM Nº 02/2014 SICOM 2014

COMUNICADO DGGM Nº 02/2014 SICOM 2014 MUNIA GGM Nº 02/2014 SIM 2014 A GGM iretoria Geral de Gestão e Modernização do TE MS, com base nas atribuições definidas no artigo 40 da Resolução Administrativa nº 102 /2010 TE/MS, de 19 de maio de 2010,

Leia mais

Plano de Contas Últimas Alterações

Plano de Contas Últimas Alterações Plano de ontas Últimas Alterações oordenação Geral de Normas de ontabilidade Aplicadas à Federação STN/NF Principais mudanças para adequar o PASP às estatísticas fiscais 1. Desdobramento das contas INTER

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRI A FAZENA SERETARIA TESUR NAINAL MANUAL E NTABILIAE APLIAA A SETR PÚBLI PARTE IV PLAN E NTAS APLIA A SETR PÚBLI Aplicado à União, Estados, istrito Federal e Municípios Válido para o exercício

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

Anexo 14 - BALANÇO PATRIMONIAL

Anexo 14 - BALANÇO PATRIMONIAL Página 1 de 3 CIRCULANTE 17.957.906,23 13.781.064,25 CIRCULANTE 2.918.670,71 3.459.718,41 Caixa e Equivalentes de Caixa 11.326.508,18 CRÉDITOS A CURTO PRAZO Clientes Crédito Tributário a Receber Dívida

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104.

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104. ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa - Bancos Conta Movimento - Demais Contas Rede Bancária - Arrecadação Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata - Intra OFSS Recursos Liberados

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Documento gerado em 27/04/2015 15:46:27 Página 1 de 42

Documento gerado em 27/04/2015 15:46:27 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 90.603.291,75 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 39.564.561,26 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS MUNICÍPIO DE CALDAS NOVAS ESTADO DE GOIAS Balanço Financeiro Anexo 1 (Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP)Portaria STN nº 37/2012 5a edição BALANÇO GERAL DO EXERCICIO DE 201 PERÍODO(MÊS)

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRI A FAZENA SERETARIA TESUR NAINAL MANUAL E NTABILIAE APLIAA A SETR PÚBLI PARTE IV PLAN E NTAS APLIA A SETR PÚBLI Aplicado à União, Estados, istrito Federal e Municípios Válido para o exercício

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza ATIVO Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00.00 1.1.1.1.0.00.00.00 1.1.1.1.1.00.00.00 1.1.1.1.1.01.00.00 CAIXA

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Sinopolandia do Norte. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional Home Page: www.crc.org.br E-mail: cursos@crcrj.org.br DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Código 1.1.1.1.0.00.00 Conta Não Escriturada. Apresentar o somatório dos valores das disponibilidades do RPPS em moeda nacional.

Código 1.1.1.1.0.00.00 Conta Não Escriturada. Apresentar o somatório dos valores das disponibilidades do RPPS em moeda nacional. $1(;2,,6(*81'2$370361ž$78$/,=$'$3(/$637036H370361ž )81d 2()81&,21$0(172'$6&217$6 Código 1.0.0.0.0.00.00 Conta Não Escriturada. Apresentar o somatório dos valores dos bens e direitos do RPPS, subagrupados

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA IESP INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA PARAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E CONTROLADORIA

Leia mais

1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.2.3.1.1.03.02 (40966) MÓVEIS MÁQUINAS E E UTENSÍLIOS DE ESCRITÓRIO 339.159,49D 25.

1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.2.3.1.1.03.02 (40966) MÓVEIS MÁQUINAS E E UTENSÍLIOS DE ESCRITÓRIO 339.159,49D 25. 1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.217.589,73D 1.245.340,55D Atual1/8 ATIVO CIRCULANTE 588.962,97D 151.410,23D 194.301,54 188.047,63 166.550,72 160.296,81 616.713,79D 1.1.1.1.1.50.99

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRI A FAZENA SERETARIA TESUR NAINAL MANUAL E NTABILIAE APLIAA A SETR PÚBLI PARTE IV PLAN E NTAS APLIA A SETR PÚBLI Aplicado à União, Estados, istrito Federal e Municípios Válido a partir do exercício

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO 02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO A normatização dos procedimentos contábeis relativos a provisões, passivos contingentes e ativos contingentes foi elaborada

Leia mais

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 129.967,90D 130.464,22D 1/8 1.1.1.1.1.01 ATIVO CIRCULANTE 54.320,75D 54.817,07D E EQUIVALENTES CAIXA MOEDA NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO 51.666,68D 497.996,11

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos 10.1 - Conceitos Norma da lei societária: III os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

Atividade de Contabilidade Gerencial

Atividade de Contabilidade Gerencial FAULAE E TENOLOGIA SENA GOIÁS ontabilidade Gerencial IV PERÍOO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno Atividade de ontabilidade Gerencial Professora: Niuza Adriane da Silva Aluno: Thiago hagas astilho

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS Data de Emissão: 28 de agosto de 2012 Coordenador Geral de Contabilidade e Custos da União Francisco Wayne Moreira Coordenadora de Contabilidade da União Bárbara Verônica

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 99.562,86D 118.646,81D 1/9 ATIVO CAIXA CONTA CIRCULANTE E ÚNICA EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO 97.962,86D 250.343,95 231.260,00

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB).

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB). A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 3.8 para NBC TG 03 e de outras normas citadas: de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11 para NBC TG 23; de NBC T 19.36 para

Leia mais

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas Em sentido amplo, os ingressos de recursos financeiros nos cofres do Estado denominam-se receitas públicas, registradas como receitas orçamentárias, quando representam disponibilidades de recursos financeiros

Leia mais

CÓDIGO DA CONTA CONTÁBIL NO PLANO ATUAL

CÓDIGO DA CONTA CONTÁBIL NO PLANO ATUAL Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - Administração Pública do Estado do Pará (Versão 1.2, 16/08/13) NOTA: Plano de Contas baseado no 'Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - Modelo IPC 00 (Março

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais