A importância da técnica de drenagem linfática manual no tratamento pós-operatório de abdominoplastia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância da técnica de drenagem linfática manual no tratamento pós-operatório de abdominoplastia"

Transcrição

1 1 A importância da técnica de drenagem linfática manual no tratamento pós-operatório de abdominoplastia Resumo Vanessa Machado Moura 1 Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional Faculdade Cambury A abdominoplastia ou dermolipectomia é a intervenção cirúrgica mais realizada e consiste na remoção de pele e tecido adiposo excedente da região do abdome, por meio de uma incisão supra-púbica com transposição do umbigo e com plicatura dos músculos retoabdominais. A cirurgia causa um rompimento importante de vasos, ocasionando a obstrução da circulação linfática superficial e, às vezes, a profunda também fica comprometida, resultando em edema. A drenagem linfática manual é um recurso para tratar as consequências das alterações vasculares, ou seja, o edema. O objetivo deste artigo é demonstrar a importância da técnica de drenagem linfática manual no pós-operatório de abdominoplastia. Para alcançar o objetivo proposto pela pesquisa, realizou-se uma revisão bibliográfica sobre o tema nas bases de dados SCIELO (Scientific Eletronic Library Online), PUBMED, LILACS, BIREME, MEDLINE e em livros, analisando os textos para obter informações sólidas sobre o assunto questionado. Por conseguinte, se fez evidente durante a pesquisa que a drenagem linfática pode ser utilizada pelo fisioterapeuta e contribui no processo de cicatrização, diminuição de edemas, absorção de hematomas e seromas, alívio de dores causados pela cirurgia trazendo benefícios ao paciente e resultados satisfatórios. Palavras-chave: Drenagem Linfática Manual; Abdominoplastia; Pós-operatório. 1. Introdução Ultimamente, busca-se conseguir um padrão de beleza padronizado pela mídia, do corpo belo e magro. Na maioria das vezes para conservar a boa aparência estética, as mulheres utilizam de medicamentos, dietas, exercícios e até intervenções cirúrgicas nessa busca. A fisioterapia dermato-funcional atua de maneira a auxiliar nessa procura pelo corpo almejado, aumentando cada dia mais a sua aplicabilidade, apontando resultados (CEOLIN, 2006). A crescente preocupação com os cuidados pós-cirúrgicos vem apresentando resultados positivos por meio da procura e meios preventivos para possíveis complicações, que tem proporcionado ao paciente um pós-operatório mais curto e, consequentemente, um resultado estético mais satisfatório (FERNANDES, 2011). Um dos recursos é a drenagem linfática manual que visa minimizar o edema no pósoperatório de cirurgia plástica. Hoje em dia a drenagem linfática é conhecida pelas comunidades internacionais e tem suas utilizações definidas não só para o tratamento estético, mas também para tratamento em afecções de natureza angiológica, traumáticas, neurológicas, metabólicas e cirúrgicas (BORGES, 2006). Segundo Silva (2001), a cirurgia plástica tem apresentado uma grande procura e a mesma vem aprimorando suas técnicas. É uma área de grande atuação, havendo assim necessidade de 1 Pós-graduando em Fisioterapia Dermato-Funcional. 2 Orientadora: Fisioterapeuta, Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestre em Bioética e Direito em Saúde

2 integração de uma equipe multidisciplinar, e dessa maneira alcançar melhores resultados (BORGES, 2006). A abdominoplastia consiste na retirada de tecido subcutâneo excedente na região do abdome, através de uma incisão suprapúbica com transposição do umbigo e com plicatura dos músculos reto-abdominais. A abdominoplastia é indicada para indivíduos que apresentam gordura localizada abdominal, flacidez decorrente de emagrecimento ou gravidez, flacidez aponeurótica, diástase abdominal, abaulamentos e hérnias (BRAUN e SIMONSON, 2007). De acordo com Manuad (2003), a abdominoplastia compreende um ato operatório que se destina a remoção de gordura localizada no abdômen, assim como da flacidez de pele ao redor da cicatriz umbilical e das estrias situadas entre a linha horizontal que passa pelo umbigo e pelos pubianos. Não se consegue eliminar as estrias localizadas nos flancos e tronco, nem os excessos de gordura dessas regiões. Igualmente pacientes com muita gordura na região do estomago ou com projeção excessiva dele não conseguem, com a abdominoplastia, melhora absoluta na estética dessa região (CAMARGO, 2006). Uma das intervenções cirúrgicas habitualmente realizadas é a abdominoplastia ou dermolipectomia, apesar da cicatriz ser extremamente antiestética e agressiva. É definida como um conjunto de técnicas cirúrgicas que retira o tecido subcutâneo excedente da região do abdômen, através de um corte alongado suprapúbica com transposição do umbigo e com a plicatura dos músculos reto-abdominais o que proporciona aproximação dos músculos oblíquos e promove acinturamento. (GARCIA, GARCIA E BORGES F.S, 2006). Ceolin (2006) descreve que através dessa técnica, consegue-se hoje realizar uma grande quantidade de correções que antigamente não eram possíveis, ou então o eram através de grandes cirurgias. A Fisioterapia Dermato-Funcional tem sido amplamente recomendada pelos cirurgiões plásticos como forma de procedimento de tratamento para as cirurgias plásticas, especialmente nos casos de abdominoplastias associadas à lipoaspiração (EVANS, 2007). O tratamento fisioterapêutico no pós-cirúrgico possibilita: melhora significativa na textura da pele, ausência de nodulações fibróticas no tecido subcutâneo, redução do edema, minimização de possíveis aderências teciduais, bem como maior rapidez na recuperação das áreas com hipoestesias, ou seja, não só possibilita uma redução das prováveis complicações, como também retorna o paciente mais rapidamente ao exercício das suas atividades de vida diária (CEOLIN, 2007). A técnica de drenagem linfática manual vem sendo defendida para ser iniciada logo no primeiro dia pós-operatório com a utilização de manobras de evacuação e captação nas redes ganglionares e vias linfáticas, mas somente realizadas nas áreas distantes da zona edematosa como forma de estimular as anastomoses linfáticas (FERNANDES, 2007). Através de seus movimentos suaves e uma pressão suficiente para propulsionar o líquido intersticial para dentro dos capilares linfáticos. A drenagem linfática manual proporciona o aumento da velocidade da linfa transportada, aumenta a filtração e a reabsorção dos capilares sanguíneos, aumenta a quantidade de linfa processada dentro dos gânglios linfáticos, promove oxigenação dos tecidos, nutrição das células, aumento da quantidade de líquidos excretados, diminuindo o edema e desconfortos possíveis do trauma (FRITZ, 2002). A drenagem linfática manual drena os líquidos excedentes que banham as células, mantendo desta forma, o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais. Ela é também responsável pela evacuação dos dejetos provenientes do metabolismo celular. (GARCIA, GARCIA E BORGES F.S, 2006). Manuad (2003), afirma que os sintomas do pós-operatório podem ser reduzidos pelo atendimento de um profissional qualificado. Observa-se rapidamente a redução do edema e hematomas, com favorecimento da neoformação vascular e nervosa, além de prevenir ou minimizar a formação de cicatrizes hipertróficas, retrações e queloides (CAMARGO, 2006). 2

3 3 Segundo Guirro e Guirro (2002), os cuidados no pós-operatório exercem uma importante influência, no sentido de se evitar sequelas desagradáveis provenientes do ato cirúrgico, como: hematoma, edema, alterações transitórias de sensibilidade e de pigmentação, alterações do relevo cutâneo, cicatrizes aderentes, deprimidas, hipertróficas ou queloideanas, fibrose, deiscência da sutura, infecções, lesões nervosas, seroma, sofrimento cutâneo. O tratamento fisioterapêutico no pós-operatório possibilita: melhora significativa na textura da pele, ausência de nodulações fibróticas no tecido subcutâneo, redução do edema, minimização de possíveis aderências teciduais, bem como maior rapidez na recuperação das áreas com hipoestesias, ou seja, não só possibilita uma redução das prováveis complicações, como também retorna o paciente mais rapidamente ao exercício das suas atividades de vida diária (MORESI, 2003). 2. Sistema Linfático Segundo Borges (2006), o sistema linfático anatomicamente é estudado desde os primórdios, mesmo observando que há uma grande dificuldade devido ao aspecto e coloração translúcida dos vasos linfáticos. Como é citado por alguns autores o sistema linfático se encontra dividido em: capilares linfáticos, vasos pré-linfáticos, troncos linfáticos, ducto linfático, linfonodos e linfa. Transporta a linfa da periferia para o centro em um único sentido, não possui nenhum órgão bombeador e é considerado um arranjo de limpeza corporal. Mesmo que juntamente tenha sido se desenvolvido com o esquema venoso, como fragmento do esquema circulatório de retorno, ele é diverso e compartilha de outros fenômenos como os carcinomatosos, infecciosos e imunitários. Sendo essencial sua função de permuta e captação de líquidos dos espaços intersticiais para que finalmente seja transportado para o sangue. (GODOY, BELCZAK, GODOY, 2005). O sistema linfático consiste de: 1) um sistema vascular, constituído por um conjunto particular de capilares linfáticos, vasos coletores e tronco linfáticos; 2) linfonodos, que servem como filtros do liquido coletado pelos vasos; 3) órgãos linfoides, que incluem tonsilas, baço e o timo, encarregados de recolher na intimidade dos tecidos, o líquido intersticial e reconduzi-lo ao sistema vascular sanguíneo. (GUIRRO E GUIRRO, 2002). Para Fritz (2002), o sistema linfático é uma rede de canais e nós, na qual se desloca uma substância chamada linfa. A linfa é um fluído claro e aquoso semelhante ao plasma. Esse sistema colhe e drena a linfa de diferentes áreas do corpo e a conduz através dos canais linfáticos de volta ao sistema venoso. Ali, ela é depositada e misturada com o sangue venoso, tornando-a circular. O sistema linfático possui diversas funções e opera das seguintes maneiras: - Retorna substâncias vitais, como proteínas do plasma à corrente sanguínea a partir de tecidos do corpo; - Auxiliar na manutenção do equilíbrio de fluído, drenando-os dos tecidos do corpo; - Auxilia a defesa do corpo contra substâncias que causam doenças; - Ajuda na reabsorção de gorduras do sistema digestório. De acordo com Leduc e Leduc (2002) apresentam os principais componentes das vias linfáticas: - Capilares linfáticos: possuem a função de coletar o líquido da filtragem carregado de dejetos do metabolismo celular. A progressão da linfa no nível dos capilares é facilitada por pressões exercidas pelas contrações dos músculos vizinhos e pela pulsação arterial. As mobilizações de

4 4 diversos planos tissulares entre si, durante movimentos do corpo beneficiam a progressão da corrente linfática. - Pré-coletores: recebem a linfa coletada pelos capilares para levá-la à rede dos coletores. Os pré-coletores são valvulados: a porção situada entre duas válvulas é denominada linfângio e seu percurso é sinuoso. Eles desembocam nos coletores, onde uma válvula impede qualquer possibilidade de refluxo. Os pré-coletores são a sede de contrações, ou seja, sua parede é equipada com células musculares que se contraem. Essas células estão situadas na média, à porção contrátil do pré-coletor está situada na porção média do linfângio. - Coletores: recebem a linfa para levá-la até os gânglios. Esses canais compõem vias muito importantes de evacuação: desembocam nas cadeias ganglionares (coletores aferentes) e deixam o gânglio em menor número (coletores eferentes). Os coletores são munidos de musculatura própria que submete os vasos a contrações espetaculares, enviando a linfa pouco a pouco em direção a uma desembocadura terminal. - A respiração favorece o retorno da linfa no canal torácico. Os movimentos de inspiração e de expiração produzem aumentos de pressões seguidos de diminuições que atuam sobre o canal torácico e facilitam o trânsito linfático ate a sua desembocadura venosa. No sistema linfático há linfonodos que são pequenos corpos presentes no caminho dos canais linfáticos, que atuam como filtros para a linfa antes de ela retornar à corrente sanguínea. As principais localizações dos linfonodos mais superficiais são a área cervical, a região axilar e a virilha ou área inguinal. Também existem plexos de canais linfáticos por todo o corpo. Esses canais entrelaçados são encontrados nas seguintes áreas (FRITZ, 2002): - Plexo mamário: vasos linfáticos em volta dos seios; - Plexo palmar: vasos linfáticos na palma (palmar) da mão; - Plexo plantar: vasos linfáticos na sola (planta) do pé. Os linfonodos contêm uma grande quantidade de macrófagos e linfócitos e um arcabouço estrutural de tecido conjuntivo reticular que forma uma malha para a filtragem da linfa. Os patógenos e as toxinas presentes na linfa são destruídos ou desativados e filtrados por meio de uma série de armadilhas fibrosas. A linfa limpa sai do nódulo linfático e continua seu trajeto em direção ao coração (BRAUN e SIMONSON, 2007). Segundo Borges (2006), nos traumas mecânicos, como na cirurgia plástica, pode haver alteração estrutural ou funcional dos vasos linfáticos, causada por laceração ou compressão (hematoma, fibrose). Essa obstrução mecânica alterará o equilíbrio das tensões, resultando de maneira inevitável em edema. Esse edema é definido como o acúmulo de excesso de líquido no espaço intersticial como resultado da quebra do equilíbrio entre a pressão interna e externa da membrana da célula, ou de uma obstrução do retorno linfático e venoso. 3. Drenagem Linfática Manual Na década de sessenta a drenagem linfática começou a ser empregada com a intenção de melhorar os resultados cosméticos de cirurgias. Desde então, já eram observados os benefícios da drenagem linfática manual no tratamento e prevenção de algumas complicações no pós-cirúrgico. Sendo que a execução de manobras no pós-operatório imediato apresenta grandes benefícios para a prevenção e tratamento das sequelas procedente do ato cirúrgico. A drenagem linfática manual aplicada com movimentos rítmicos atua de forma eficaz na drenagem do edema proveniente do ato cirúrgico (GUIRRO e GUIRRO, 2002). Drenagem é uma palavra de origem inglesa e pertencente ao léxico da hidrologia: consiste em evacuar um pântano do seu excesso de água por meio de caneletas que desembocam em um poço ou em um curso de água. A analogia é clara. Na drenagem linfática manual, as manobras são suaves e superficiais, não necessitando comprimir os músculos, e sim mobilizar uma corrente de líquido que está dentro de

5 5 um vaso linfático em nível superficial e acima da aponeurose (GODOY, BELCZAK, GODOY, 2005:110). Dentro das fundamentações gerais sobre a drenagem linfática manual, para a aplicação desse recurso de maneira adequada, deve-se respeitar a anatomia e a fisiologia do sistema linfático, além da integridade dos tecidos superficiais. Para tanto, a drenagem linfática manual precisa ser realizada de forma suave, lenta e rítmica, sem causar dor, danos ou lesões aos tecidos do paciente (TACANI e TACANI, 2008). Ultimamente, a drenagem linfática manual está representada principalmente por duas técnicas, a de Leduc e a de Vodder. Ambas são baseadas nos trajetos dos coletores linfáticos e linfonodos, associando basicamente três categorias de manobras: - manobra de captação: é realizada sobre os segmentos edemaciados, visando aumentar a captação da linfa pelos linfo capilares; - manobra de reabsorção: as manobras se dão nos pré-coletores linfáticos, os quais transportarão a linfa capitada pelos linfo capilares; - manobra de evacuação: o processo de evacuação ocorre nos linfonodos que recebem a confluência dos coletores linfáticos. Segundo Guirro e Guirro (2002), a diferença entre elas está apenas no local da aplicação. Leduc indicou a utilização de cinco movimentos que, combinados entre si, constituem seu sistema de massagem: drenagem dos linfonodos, círculos com os dedos, círculos com o polegar, movimentos combinados (polegar e dedos), pressão em bracelete. Enquanto as manobras de drenagem proposta por Vodder distinguem-se quatro tipos de movimentos: círculos fixos, movimentos de bombeamento, movimento do doador, movimento giratório ou de rotação. De acordo com os mesmos autores a drenagem linfática é um método que mobiliza a linfa, retirando o acúmulo de líquidos de determinadas regiões corporais que resultam na melhor oxigenação local e sua circulação, acelerando o processo de cicatrização, aumentando a capacidade de absorção de hematomas e equimoses e melhorando no retorno da sensibilidade. Souza (2009) afirma que a drenagem linfática manual é de grande importância para estimular a circulação linfática, eliminar toxinas e nutrir tecidos, melhora a defesa e ação antiinflamatória fazendo com que o período de recuperação do pós-operatório seja muito mais rápido, evitando longas limitações. Soares; Soares; Soares (2005) ressaltam que quanto mais precocemente ser iniciada, menor será a probabilidade de acúmulo de líquidos no local e mais rápida a recuperação dessas pacientes, ajudando na penetração do líquido excedente nos capilares sanguíneos e linfáticos intactos da região adjacente à lesão (RIBEIRO, 2003). 3.1 Indicação e contra-indicações da drenagem linfática Macedo e Oliveira (2010), afirmam que a indicação da drenagem linfática em cirurgia plástica é necessariamente para a remoção do edema excessivo localizado no interstício. Mas, só ocorrerá a diminuição deste edema quando houver redução da secreção de cortisol, que é liberado durante o processo de inflamação e reparo e no término da formação do tecido cicatricial, em torno de 20 a 42 dias. Para Camargo e Marx (2000) o edema é o acúmulo anormal de líquido intersticial, com característica predominantemente aquosa e não possui alta concentração proteica. Camargo e Marx apud Coutinho et al.(2006) afirmam que a técnica de drenagem linfática manual vem sendo defendida para ser começada no primeiro dia pós-operatório com a emprego de manobras de evacuação e captação nas redes ganglionares e vias linfáticas, porém somente realizadas nas áreas afastadas da zona edematosa como uma maneira de estimular as anastomoses linfáticas.

6 6 A drenagem linfática atua sobre o edema e hematoma pós-lesão. Mas, além dessa função, auxilia na reparação de ferimentos, pois o fibrinogênio da linfa é o elemento responsável pela formação de coágulos, que darão origem à barreira protetora das lesões. O trauma agudo ou a inflamação crônica no processo de cicatrização dependem inteiramente da eficiência da circulação sanguínea e linfática (BORGES, 2006). De acordo com Guirro e Guirro (2002), as manobras de drenagem linfática manual são indicadas na prevenção e/ou tratamento de: - Edemas; - Linfedemas; - Fibro edema gelóide; - Queimaduras; - Enxertos; - Acne. A drenagem linfática manual vai estimular a circulação linfática proporcionando a diminuição do linfedema e a regeneração do sistema linfático, sendo assim, a drenagem linfática não apresenta risco algum para o paciente de pós-operatório de cirurgias plásticas, apenas se for mal aplicada concentrando muita força, rapidez excessiva, ou direção errada (BORGES, 2006). Guirro e Guirro (2002), afirma que a drenagem linfática manual é contraindicada na presença de: - Processos infecciosos; - Neoplasias; - Trombose venosa profunda; - Erisipela. É de suma importância que o fisioterapeuta tenha todo o domínio sobre processos patológicos e o estágio em que eles se encontram, assim como o tratamento ao qual foi submetido. (BORGES, 2006). Afirma Fritz (2002) que um profissional deve ser capaz de identificar as indicações e contraindicações, que uma indicação é benéfica ao paciente e que acentue a saúde. Há contraindicação quando a prática se torna perniciosa, trazendo malefícios aos pacientes submetidos à técnica proposta. 3.2 Técnicas de aplicação da drenagem linfática manual na abdominoplastia Apesar da existência de versões adaptadas e evoluídas da drenagem linfática manual, aprimoradas por diferentes escolas científicas ao longo da história, conforme achados e pesquisas experimentais de anatomia, fisiologia e fisiopatologia do sistema linfático, todas estas versões seguem os mesmos parâmetros técnicos, não havendo diferença técnica de drenagem linfática manual terapêutica e estética (TACANI e TACANI, 2008). Sabe-se que a drenagem linfática drena os líquidos excedentes que banham as células, mantendo, desse modo, o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais. Também é responsável pela evacuação dos dejetos procedentes do metabolismo celular. Existem dois processos muito distintos que contribuem para a evacuação desses líquidos intersticiais. Sendo o primeiro processo, a captação, realizada pela rede de capilares linfáticos. A captação é a consequência do aumento local da pressão tissular. Quanto mais a pressão aumenta, maior é a recaptação pelos capilares linfáticos. Enquanto o segundo processo consiste na evacuação, longe da região infiltrada, dos elementos recaptados pelos capilares. Esse transporte de linfa que se encontra nos vasos é efetuado pelos pré-coletores em direção aos coletores (LEDUC e LEDUC, 2002).

7 Na fase aguda, segundo Borges (2006) e Guirro e Guirro (2002), a drenagem linfática é um recurso para tratar as consequências das alterações vasculares, ou seja, o edema. No entanto, deve-se considerar que a cicatrização ainda está recente, e dessa maneira a aplicação da técnica deve ser o mais suave possível, evitando deslizamentos e trações no tecido em cicatrização. Ao verificar que nas cirurgias plásticas com incisões extensas há uma interrupção dos vasos linfáticos superficiais prejudicando a drenagem convencional, Callucci, em 1981, sugeriu uma modificação no sentido clássico da drenagem linfática manual que denominou de drenagem linfática reversa. A nova técnica é bem fundamentada, já que na abdominoplastia, por exemplo, a drenagem dos quadrantes (que confluem para a região inguinal) fica interrompida pela retirada de tecido, restando apenas às vias dos quadrantes superiores que confluem para os linfonodos axilares. Enquanto que na ausência da abdominoplastia a drenagem linfática manual clássica envolve movimentos que direcionam a linfa dos quadrantes inferiores para a região inguinal, procedimento este que, quando a incisão se faz presente, pode ocasionar um edema peri-cicatricial, promovendo uma tensão indesejável na lesão (GUIRRO e GUIRRO, 2002). Aplicação precoce das drenagens após a cirurgia poderia prevenir complicações, como o seroma, e proporcionar uma recuperação mais rápida desses pacientes. O seroma é uma das complicações comuns no pós-operatório de abdominoplastia e podem ser observado naqueles pacientes que começam a drenagem com mais de duas semanas de pós-operatório (MANUAD apud SOARES LMA et al, 2005). A sugestão da drenagem linfática manual é a reversa, na qual se realiza as manobras de drenagem direcionadas apenas para as vias íntegras, neste caso, as manobras serão direcionadas para a região axilar, até a reconstituição dos vasos, fato este que ocorre dentro de 30 dias. No entanto, o termo reversa, pode dar falsa impressão que o fluxo pode ser invertido, o que não ocorre, pois o sistema linfático é um sistema de mão única. A aplicação da drenagem linfática manual no pós-operatório deve obedecer aos seguintes princípios, (GUIRRO e GUIRRO, 2002): - Ser suave para evitar possíveis lesões teciduais; - Evitar os movimentos de deslizamentos; - Seguir o trajeto das vias que não foram comprometidas pelo ato cirúrgico; - Elevação do segmento a ser drenado; - Ser realizada de modo que não promova um maior tensionamento na incisão cirúrgica, fixando-a com uma das mãos. Para Godoy, Belczak, Godoy (2005) se inicia a drenagem linfática estimulando a região cervical por mais de 10 minutos, o tempo máximo ainda não está determinado, sugerindo um tempo de drenagem de 15 a 20 minutos na região cervical. Em seguida, pode ser realizada a inspiração e expiração profunda em torno de cinco vezes por minuto. Borges (2006), afirma que para a execução correta da massagem de drenagem linfática manual, deve-se atentar para as seguintes questões: - Os segmentos corpóreos em questão devem estar em posição de drenagem; - A pressão exercida deve seguir sempre os sentidos fisiológicos da drenagem; - A massagem deve iniciar pelas manobras que facilitem a evacuação, objetivando descongestionar as vias linfáticas; - O conhecimento das vias de drenagem linfática é de vital importância para o sucesso da terapia; - As manobras devem ser realizadas de forma rítmica e intermitente com uma pressão de 45mmHg na presença de linfedema; - Em lesões recentes, as manobras de arraste devem ser dispensadas pelo risco de promover cicatrização inadequada. 7

8 8 É de consenso que se deve desbloquear as regiões proximais, ou seja, inicia-se geralmente pela região cervical, axila, região torácica, abdome, raiz do membro sadio. Uma vez que essa abordagem cria um reservatório vazio, por onde podem drenar os linfáticos e facilitar a formação da linfa. Desse modo, atinge as vertentes linfáticas onde se encontram os linfonodos, que têm uma função de filtrar, e limitar a velocidade da drenagem. Por isso, é indispensável conhecer toda a anatomia das vias linfáticas (GODOY, BELCZAK, GODOY, 2005:111). A manobra de drenagem linfática deve ser executada em ritmo lento, pausado e repetitivo, em consideração ao mecanismo de transporte da linfa, cuja à frequência de contração é de 5 a 7 vezes por minuto, não deve ser brusco. As sessões devem ter no mínimo 30 minutos, e o corpo deve ser posicionado de maneira que a pele esteja o menos tensa possível, para dar condições de melhor deslocamento da linfa (Lopes, 2006). 4. Abdominoplastia A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica na pesquisa data folha em 2009, afirma que a abdominoplastia é um dos procedimentos frequentemente realizados em todo mundo, sendo a terceira cirurgia estética mais realizada no Brasil em 2008 (MARTINO, 2010). No início, a terminologia utilizada era a lipectomia abdominal, que foi primeiramente apresentada por Demars e Marx. Este termo foi em seguida modificado para abdominoplastia e caracteriza as cirurgias em que há ressecção de pele e tecido subcutâneo em excesso. No entanto, poderá estar associada ou não a vários outros procedimentos e técnicas em que se atua sobre a musculatura (como rotação e plicatura dos músculos oblíquos externos), aponeurose, e com procedimentos complementares no subcutâneo (como lipoaspiração ou ressecções segmentares). Os procedimentos operatórios utilizados para modificar o contorno e a forma do abdome incluem a abdominoplastia ou dermolipectomia clássica; a abdominoplastia modificada ou mini abdominoplastia ; a abdominoplastia circunferencial ou e em cinto e a dermolipectomia (PORCHAT, 2004). Esses procedimentos evoluíram ao longo do século 20 desde as operações direcionadas à correção de problemas funcionais até o descolamento através de abordagem com incisões transversais inferiores mais encobertas, marcadas por descolamento extenso da pele e camada adiposa. Essa técnica levou ao desenvolvimento da dermolipectomia clássica ou abdominoplastia, que foi utilizada para tratar as formas mais pronunciadas de pele, o excesso de gordura e flacidez muscular (EVANS, 2007). Para Tournieux, Perez apud Soares LMA et al. (2009), a abdominoplastia retira o retalho cutâneo e gordura da região inferior do abdome de maneira que o retalho do abdome superior recobre toda a extensão abdominal. Além disso, é feita a plicatura do músculo reto do abdome, o que proporciona a aproximação dos músculos oblíquos e promove acinturamento. A seleção da técnica particular para o contorno da parede abdominal depende da deformidade exibida pelo paciente. O cirurgião deve saber se o paciente já se submeteu a uma cirurgia abdominal anterior e sob que condições. O exame físico revela a orientação em particular de qualquer incisão prévia. O cirurgião plástico também deve perguntar sobre a evolução da cicatriz e se houve alguma dificuldade com a cirurgia (EVANS, 2007). A abdominoplastia é indicada nos casos em que a pele não tem mais capacidade de contração após uma considerável perda de peso, ou após uma gravidez na qual ocorreu um estiramento em excesso da pele do abdome, e, como consequência disso, as fibras elásticas da pele foram destruídas (celulite) ou os músculos abdominais foram distendidos e se distanciou um do outro na linha central do abdome, o que resultou em uma diástase com hérnia na linha média. Cicatrizes retraídas e dolorosas que apareceram depois de alguma cirurgia ginecológica

9 9 (cesariana) podem também ser o motivo para uma abdominoplastia. Caso a paciente apresente um sobrepeso importante, a perda de peso antes da cirurgia é necessária. Em casos raros, a abdominoplastia pode ser combinada com lipoaspiração. A operação bem geral é realizada sob anestesia geral. O tipo de incisão depende do tipo e da quantidade de pele excedente. Um dia antes da cirurgia, o cirurgião deve conversar com a paciente sobre as mudanças requisitas por ela e sobre o desempenho da operação propriamente dita (MANG, 2006). Ainda segundo Mang (2006), se for realizada de maneira correta, a operação por si só será bem-sucedida e a longo prazo será satisfatória para a paciente. Em relação à técnica cirúrgica, além da dissecção precisa da fáscia abdominal com hemostasia imediata, a linha de incisão na área do biquíni deve ser demarcada de forma cuidadosa, e o reposicionamento e a reconstrução do umbigo deverão ser bem-realizados, de maneira que não existam hérnias umbilicais, nem da parede abdominal. São numerosas as técnicas de cirurgias plásticas que envolvem o abdome, sendo a mais comum à incisão horizontal infraumbilical ou suprapúbica com transposição do umbigo. O abdome representa ainda uma importante área doadora de tecido para as mais variadas reconstruções (GUIRRO E GUIRRO, 2002). 4.1 Pós-operatório de abdominoplastia A cirurgia de abdominoplastia causará dores na coluna devido à posição que o paciente terá que permanecer no pós-cirúrgico. Andará com o tórax dobrado em direção ao abdome, num ângulo de 45 graus, para não esticar a pele e ter risco de soltar os pontos ou ficar tenso, diminuindo a circulação de sangue na região por cerca de 15 dias. Se a paciente já tem problemas de coluna, deverá passar pelo ortopedista para pedir uma carta de liberação (MANG, 2006). O edema (inchaço) ira cedendo mês a mês. No início a paciente terá a impressão de que ficou curta entre o tórax e abdome, achando que não irá voltar ao normal, depois a pele irá ceder aumentando assim o espaço entre a cicatriz e umbigo, sendo o resultado melhor visível no sexto mês de cirurgia e, em algumas pessoas, em 12 meses de cirurgia. A cicatriz por sete meses a um ano fica endurecida, bastante rosada e alta, só iniciando o clareamento, descendo e amolecendo a partir de então. O umbigo será o mesmo, caso haja hérnia deve-se antes consultar o cirurgião geral ou combinar com o cirurgião plástico de tratá-la no mesmo ato cirúrgico, mas hérnias podem recidivar (voltar) com esforços ao longo dos anos (PORCHAT, 2004). Com a tensão feita para esticar a pele do abdome, a cicatriz pode alargar, ficar irregular, principalmente se o tipo de pele já tem tendência à flacidez e a estriar (ter estrias), por isso, não se deve fazer esforço antes do tempo, não se deve esticar-se por 15 dias, ou antes, da ordem médica. Se houver força para se levantar, tosse, espirros, pode romper os pontos. Deve-se pedir ajuda de alguém durante os primeiros 20 dias. O umbigo pode ficar muito comprido em pessoas com grandes sobras de pele e quando o cirurgião o coloca na nova posição durante a cirurgia, por mais cuidado que ele tome, ele pode ter a circulação comprometida, necrosar, estenosar (fechar). Caso aconteça, será necessário, aguardar a cicatrização completa e fazer um retoque (SILVA, 2001). A pele poderá ceder, às vezes por igual, outras vezes mais um lado que outro, deve-se aguardar com calma, pois leva cerca de 6 a 12 meses para ir se acomodando. No pós-operatório a paciente deve: 1 - Sempre respirar bem fundo e devagar como um exercício umas quatro vezes ao dia; 2 - Nunca ficar deitada o tempo inteiro, pois quem menos mexe as pernas são os que mais podem ter trombose (formar um coagulo e migrar para o pulmão, o que pode ocasionar a morte), andar umas 5 a 8 vezes ao dia, como uma corcunda, bem dobrada. Fazer exercícios com os pés dobrando e rodando para bombear o sangue na panturrilha e não ficar com eles

10 para baixo. Sentar, colocar um banquinho e pôr as pernas para cima, mexendo os pés o máximo de tempo possível, se for o caso, usar meias antitrombóticas no tempo determinado pelo médico; 3 - O curativo será feito sempre após o banho. Lavar com água e sabonete, enxugar sempre com toalha limpa ou gaze, passar pomada indicada pelo médico na receita, cobrir com gaze e micropore. Fazer isso por 21 dias, depois dos 21 dias o médico poderá indicar um gel preventivo contra queloides no retorno; 4 - A paciente deve abrir a cinta cirúrgica sempre deitada, respirar fundo e devagar, esperar um tempo, depois sentar, esperar mais um pouco para depois levantar. Nunca tirar a cinta de pé, só quando já estiver acostumada; 5 - Há laços no final de cada corte, em fio transparente. Podem cair sozinhos, se não cair, o médico os retira com cerca de 15 dias, o resto dos pontos a pele absorve, não são retirados. Por vezes, pode-se encontrar uma tela com cola em cima do corte, que é uma cola cirúrgica e se desfará sozinha, não se deve tentar tirar; 6 - Passar hidratante ou gel de arnica nas áreas operadas, mas não passar no corte; 7 - A cinta cirúrgica será usada por três meses e só deverá ser retirada para o banho; 8 - A paciente não deve se esticar de forma alguma, mesmo que a coluna esteja doendo e que o corte não esteja incomodando, pois a pele está dormente e por este motivo a paciente não saberá se esta forçando os pontos, andar com uma inclinação de 45 graus por 15 dias (quando a paciente se estica antes dos 15 dias, a pele fica branca e pode ficar sem circulação, podendo, após 1 semana, ir abrindo de dentro para fora todos os pontos sem a paciente sentir, não se levantar sozinho, fazendo força com o abdome, mesmo que pareça que consegue, ira estourar pontos internos. Só poderá fazer isso sozinha com 20 dias; 9 - Após quinze dias, se estiver tudo bem, poderá retornar ao trabalho, contanto que não carregue peso e não fique abaixando e levantando muitas vezes; 10 - Dormir com a cabeceira e pernas alta, na mesma posição que ficou na cama do hospital, nunca esticada. Durante quinze dias não poderá ficar de lado. Se cansar da posição, deve-se colocar um travesseiro entre as pernas e abaixo de cada ombro, revezando para ficar com o corpo meio inclinado, mas não de lado completamente; 12 - Dirigir somente após vinte dias; 13 - Após dois meses poderá fazer esteira leve e bicicleta; 14 - Não tomar sol, mesmo com blusa e protetor durante três meses; 15 - Cicatrizes podem alargar e dar queloides. Não há como prever como a pele pode reagir à tensão (ser esticada). Por isso a paciente deve fazer o seu máximo para não abusar de esforços, se acontecer, após a pele ceder (10 meses) poderá conversar com o seu médico para realizar um retoque das cicatrizes fazendo o pagamento apenas do uso da internação e centro cirúrgico do hospital, material e anestesista ou tratar com cremes e ácidos, o médico responsável tem obrigação de passar todas as informações necessárias a paciente. Algumas pessoas tendem a manchar a cicatriz de escuro e isso pode ser genético, nesse caso, usam-se pomadas clareantes para amenizar, se precisar; 16 - Procurar tomar as medicações por mais ou menos sete dias, depois poderá suspender e usar o analgésico prescrito quando houver dores, que irão aparecer esporadicamente; 17 - A pele ficará bem dormente, por isso, não encostar-se a fornos e ter cuidado com água muito quente, pois pode se queimar sem perceber. A paciente ficará muito inchada, até deformada, roxa, com o tempo vai saindo aos poucos. Fazer as drenagens linfáticas com o fisioterapeuta especializado para que não fique com fibroses (coágulos de sangue que endurecem debaixo da pele e depois não saem mais); 18 - Vazar um líquido alaranjado parecendo gordura com sangue por vezes é normal, chamase seroma. Nesse caso, devem-se trocar mais vezes o curativo, colocando mais gazes para absorver; 10

11 Se estiver com dreno só será retirado no sétimo dia. Usar a trava sempre que for esvazialo (no vaso sanitário) depois apertar a sanfona, feche-lo de novo e depois soltar a trava para voltar a funcionar conforme orientado no hospital Se fez associada à lipoaspiração, engordar e emagrecer pode fazer com que as áreas lípadas engordem diferentes e fique toda irregular, a paciente deve procurar manter seu peso. No abdome, caso engorde após a cirurgia, pode ganhar gordura ao redor das vísceras (aquela gordura visceral que não pode ser retirada e que fica debaixo do músculo) o que deixa a barriga cada vez mais alta e dura, sem poder operar. Então a paciente deve procurar seguir uma dieta orientada pela equipe de nutrição do hospital. 4.2 Complicações pós-operatórias Segundo Guirro e Guirro (2002), o pós-cirúrgico de abdominoplastia pode apresentar algumas complicações pós-cirúrgicas locais, sendo as mais comuns: deiscências, hematomas, seromas, infecções na cicatriz cirúrgica, alterações cicatriciais, assimetrias, retrações. Além dessas, pode ocorrer irregularidades na parede abdominal, necrose cutânea gordurosa, desvios laterais do umbigo, elevação dos pêlos pubianos. Define-se o seroma como uma coleção líquida, de características exsudativas, formada profundamente ao retalho dermogorduroso (BAROUDI, CHAOUAT APUD MARTINO, 2010). Além das alterações como as cicatrizes hipertróficas e queloideanas originárias principalmente pelo excesso de tensão na região inferior do abdome, o seroma é uma complicação comum, tanto nas cirurgias convencionais, quanto nas associações com lipoaspiração. Outra sequela que pode ocorrer é a necrose cutâneo-gordurosa, felizmente com incidência rara. No Brasil a abdominoplastia clássica foi impulsionada pelo trabalho de Callia em 1963, que preconizou incisões baixas e posicionadas em zonas mais discretas. As cirurgias atuais são realizadas com base em diversos conceitos bem estabelecidos. Uma nova abordagem cirúrgica com cicatrizes menores (18 a 22 cm) foi proposta, ficando conhecida como miniabdominoplastia (GUIRRO E GUIRRO, 2002). Uma cinta abdominal é também colocada até que os drenos Redon sejam retirados. Isso assegura uma boa compressão das superfícies descoladas e dissecadas da ferida operatória, o que previne a formação de seroma e hematomas. Durante esse período, a paciente deve ter repouso no leito em uma posição supina, levemente angulada, com o tronco superior elevado. A cinta abdominal deve ser colocada com tração. Ela deve ser afrouxada caso a paciente apresente dificuldades para respirar. A profilaxia da trombose e da infecção deve ser realizada durante a permanência da paciente no hospital. Se as feridas operatórias ficarem muito tensas, elas poderão alargar e isso pode resultar em cicatrizes grosseiras, distendidas, descoloridas e dolorosas. A compressão da parede abdominal utilizando-se bandagem não deve ser muito forte, uma vez que isso pode causar necrose da porção final distal do retalho ( área mais pobremente vascularizada ) (EVANS, 2007). 5. Fisioterapia Dermato-Funcional A Fisioterapia Dermato-Funcional tem o objetivo de prover a recuperação físico-funcional dos distúrbios endócrino/metabólitos, dermatológicos e musculoesqueléticos (BORGES, 2006). Os cirurgiões plásticos têm indicado a fisioterapia dermato-funcional como forma de procedimento de tratamento para as cirurgias plásticas, principalmente nos casos de abdominoplastias associadas à lipoaspiração. A abordagem fisioterapêutica no pós-cirúrgico permite: redução do edema, melhora significativa na textura da pele, ausência de nodulações

12 12 fibróticas no tecido subcutâneo, minimização de possíveis aderências teciduais. Além do mais, promove maior rapidez na recuperação das áreas com hipoestesias. E desse modo, não só possibilita uma redução das prováveis complicações, como também retorna o paciente mais ligeiramente ao exercício das suas atividades de vida diária (SILVA, GUIRRO e GUIRRO apud COUTINHO et al. 2006). A fisioterapia dermato-funcional, em conceitos científicos sólidos muito tem contribuído tanto no pré quanto no pós-operatório, prevenindo e/ou tratando as respostas advindas das intervenções cirúrgicas, possibilitando ainda a diminuição da ansiedade pós-operatória (GUIRRO E GUIRRO, 2002). Os sintomas do pós-operatório podem ser reduzidos pelo atendimento da fisioterapia através da drenagem linfática manual. Pode ser observada a diminuição do edema e hematomas, com o favorecimento da neoformação vascular e nervosa. Ainda mais poderá prevenir ou minimizar a formação de cicatriz hipertrófica ou hipotrófica, retrações e queloides (LEDUC, GUIRRO e GUIRRO apud SOARES LMA et al, 2005). Para Macedo e Oliveira (2010), a conduta fisioterápica no pós-operatório é largamente alterável e depende das características apresentadas na avaliação, análise do trofismo cutâneo e muscular, análise do edema, análise da cicatriz e análise da dor e sensibilidade do tipo de cirurgia realizada, e do tempo de pós-operatório. No pós-operatório com o intuito de aliviar a pressão nas suturas, é necessário posicionar a cama de um modo específico durante os três primeiros dias depois da operação. Os joelhos devem estar flexionados e o tronco superior levemente elevado. A paciente deve ser mobilizada já no primeiro dia após a operação, para prevenir a formação de coágulos de sangue. Nesse período inicial, deve-se evitar a extensão do tronco superior, mantendo a flexão da coxa sobre o tronco, de maneira que a cicatrização da ferida operatória não seja prejudicada. A movimentação frequente dos membros inferiores é estimulada, uma vez que ela promove o retorno do fluxo sanguíneo. No segundo dia depois da operação, os drenos Redon são removidos, o curativo é trocado, e uma malha modeladora especial de compressão é colocada (GREGORY, 2007). 6. Metodologia Este estudo foi realizado com base em uma revisão de literatura, onde foram coletados artigos científicos publicados entre 2002 e 2012, nos idiomas português, inglês e espanhol. Foram consultadas as bases de dados LILACS, MEDLINE, PUBMED, SCIELO BIREME e revistas científicas definindo-se como palavras-chaves: drenagem linfática, abdominoplastia e pósoperatório. Os livros consultados foram referentes à importância da técnica de drenagem linfática manual no Pós-operatório de abdominoplastia, onde os mesmos foram inseridos na pesquisa devido à relevância de seu conteúdo teórico para a pesquisa. Os critérios de inclusão adotados nesta pesquisa foram todos os temas que abordam o assunto, sendo excluídos desta pesquisa artigos científicos, livros, revistas que não relatam sobre o tema abordado. As palavras-chave utilizadas: Drenagem Linfática Manual; Abdominoplastia; Pós-operatório. 7. Resultados e Discussão Para os autores pesquisados o atendimento de um profissional de saúde é muito importante, pois impede futuras complicações e sequelas comprometendo o processo da cirurgia ao qual o paciente foi submetido.

13 13 De acordo com Borges (2006), o contato entre o fisioterapeuta e o cirurgião plástico é essencial para promover um resultado cirúrgico bem sucedido necessitando do conhecimento não só do cirurgião como também do fisioterapeuta sobre a técnica da cirurgia e da fisiopatologia do pós-operatório, planejando assim, um tratamento adequado e diminuindo as intercorrências. A drenagem linfática manual aplicada após a cirurgia pode prevenir complicações, auxiliar na reparação de ferimentos (cicatrização) e minimizar edema, efetivando uma recuperação mais rápida no pós-cirúrgico e dando condição ao paciente de voltar as suas atividades normais em um menor intervalo de tempo. É uma técnica sistematizada, onde os movimentos devem ter uma sequência pré-determinadas. (GODOY E GODOY, 2005). BORGES (2006) afirma que em grande maioria das intervenções cirúrgicas estéticas ou reparadoras, tem grande necessidade da drenagem linfática manual, por motivo da destruição dos vasos e nervos causados por esses procedimentos, causando edema, dor e diminuição da sensibilidade cutânea, gerando desconforto ao paciente. Com a drenagem linfática manual no pós-operatório imediato há uma melhora tanto do desconforto quanto do quadro álgico. Os dados apresentados neste estudo mostraram que caso exista um excesso de pele e tecido subcutâneo adiposo pendente no abdome (abdome em avental), pode ser de benefício para a paciente à realização de uma abdominoplastia para melhorar o resultado funcional e estético. Na abdominoplastia, a porção de pele abdominal em excesso é removida em conjunto com o tecido adiposo subcutâneo. Em alguns casos, a ressecção do excesso de tecido infraumbilical é suficiente, porém, em geral uma abdominoplastia completa com a translocação do umbigo deve ser realizada para que se obtenham ótimos resultados. É de fundamental importância à intervenção do fisioterapeuta no pós-operatório imediato, prevenindo e/ou tratando as respostas advindas das intervenções cirúrgicas, possibilitando ainda a diminuição da ansiedade pós-operatória. O fisioterapeuta facilita a limpeza mucociliar, evitando-se assim a ocorrência de pneumonia, melhorando a função das vias aéreas. A fisioterapia pós-operatória tem também como função a prevenção de outro grave problema cirúrgico, a trombose venosa profunda (GUIRRO E GUIRRO, 2002). Diferentes são as orientações e recomendações no pós-operatório, mas identifica-se como importantes a utilização da cinta, ingestão líquida adequada, alimentação balanceada, evitar exposição solar, repouso moderado, entretanto um retorno precoce às atividades físicas após liberação médica, cuidados quanto à higienização e hidratação da cicatriz, e um posicionamento adequado, para um retorno precoce às atividades de vida diária. O tempo de pós-operatório influencia diretamente a efetividade das condutas fisioterapêuticas para a recuperação dos pacientes que realizaram cirurgias plásticas. Por isso, o encaminhamento mais tardio pode privar o paciente de uma recuperação mais saudável, mais curta, com menos sofrimento, além de muitas vezes interferir no resultado final da cirurgia (COUTINHO et al., Conclusão A cirurgia plástica do abdome é um procedimento procurado por indivíduos que desejam remodelar o corpo quando apresentam alterações como flacidez abdominal decorrente de hérnias, gravidez, flacidez aponeurótica, diástase abdominal, emagrecimento, abaulamento e excesso de gordura localizada. Neste procedimento cirúrgico ocorre destruição de vasos e nervos que causam dor, edema e diminuição da sensibilidade da pele que gera um grande desconforto ao paciente. A drenagem linfática manual é uma técnica que o fisioterapeuta realiza que visa reduzir os danos pós-operatórios, previne as complicações como trombose venosa profunda, minimiza o edema e acelera o processo de cicatrização, pois atua no sistema linfático onde massagens

14 14 realizadas suavemente com técnica apropriada estimula a circulação linfática drenando os líquidos excedentes que banham as células mantendo o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais e eliminando os metabólicos celulares. A aplicação tardia da drenagem linfática manual pode diminuir os benefícios que ela produz, já que a eficiência da circulação linfática e sanguínea é fundamental na reparação da lesão cirúrgica. É contraindicada quando há tumores malignos ou benignos, distúrbios circulatórios, hiperetesia, processo infeccioso e fragilidade capilar. Com a drenagem linfática o paciente sente uma melhora do desconforto no pós-operatório imediato, do quadro álgico, da congestão tecidual e do retorno precoce da sensibilidade cutânea local sendo assim, a drenagem linfática manual é eficaz e de suma importância no pós-operatório da abdominoplastia. Referências Bibliográficas BORGES, Fabio dos Santos. Dermato-Funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, BRAUN, MB; SIMONSON, SJ. Introdução à massoterapia. Barueri, SP; Manole, CAMARGO, M, C.; MARX, A., G. Reabilitação Física no Câncer de Mama. São Paulo: Editora Roca, COUTINHO MM, DANTAS RB, BORGES FS, SILVA IC. A importância da atenção fisioterapêutica na minimização do edema nos casos de pós-operatório de abdominoplastia associada à lipoaspiração de flancos. Rev. Fisioter Ser CEOLIN, M.M. Efeitos da drenagem linfática manual no pós-operatório imediato de lipoaspiração no abdome. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade do Sul de Santa Catarina. Tubarão, Disponível em: < Acesso em: 10 Junho EVANS, GREGORY R.D. Cirurgia plástica estética e reconstrutora. Rio de Janeiro: Revinter, FERNANDES, Fernando. Acupuntura estética no pós-operatório de cirurgia plástica. 3ª ed. São Paulo: Ícone, 2011). FRITZ, Sandy. Fundamentos da massagem terapêutica. 2ª ed. São Paulo: Manole, GARCIA P.G., GARCIA F.G., BORGES F.S. O uso da eletrolipólise na correção de assimetria no contorno corporal pós-lipoaspiração: relato de caso. Revista Fisioterapia Ser Ano 1 nr 4 out/nov/dez GODOY, J.M.P.:BELCZAK,C.E.Q.; GODOY,GODOY, M.F.E. Reabilitação Linfovenosa. Rio de Janeiro: DiLivros, GODOY, José Maria Pereira.; GODOY Maria de Fátima Guerreiro de.câncer de mama e linfedema de membro superior: Novas opções de tratamento para pacientes. São Paulo: J. M. Pereira de Godoy, GUIRRO E, GUIRRO R. Fisioterapia Dermato-Funcional: Fundamentos, recursos e patologias. 3ª. ed. São Paulo: Manole, LOPES, Daniella Muniz Ferreira; SANTOS, Micheline; CARVALHO, Raquel Pereira; BORGES, Fabio dos Santos ; OLIVEIRA, José Tadeu Madeira. Levantamento da eficácia dos protocolos fisioterapêuticos utilizados na recuperação estética e funcional no póscirúrgico de lipoaspiração. Fisioterapia Ser.vol. 1 nº3, LOPES, M. Drenagem Linfática Manual e a Estética. Blumenau: Odorizzi, LEDUC, Albert; LEDUC, Olivier. Drenagem Linfática. Teoria e Prática. São Paulo: Manole, MANG, Werner L.; tradução Pedro Bins Ely, Débora Lessa da Silva Nora. Manual de cirurgia Estética. Porto Alegre; Artmed, v.(316;316p.): 28cm+DVD-ROM.

15 MACEDO, Ana Carolina Brandt de, OLIVEIRA, Sandra Mara. A atuação da fisioterapia no pré e pós-operatório de cirurgia plástica corporal: uma revisão de literatura. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 4: vol.1,2010. MANUAD, R. Estética e Cirurgia Plastica: Tratamento no pré e pós- operatório. Prefácio De Ivo. Pitanguy. 2ª ed. São Paulo. SENAC, MARTINO, Marcello. Seroma em lipoabdominoplastia e abdominoplastia: estudo ultrassonográfico comparativo. Rev. Bras. Cir. Plást MORESI, Eduardo. Metodologia de pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília, PORCHAT, Carlos Alberto; SANTOS, Elizabeth Gomes dos; BRAVO NETO, Guilherme Pinto. Complicações pós-operatórias em pacientes submetidos à abdominoplastia isolada e combinada à outras cirurgias do abdome. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 31, n. 6, Dec Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso> Acess on 01 Sept OLIVEIRA, Everaldo A. et al. Prevenção do seroma nas abdominoplastias associadas a lipoaspiração e sem drenagem ativa. Rev. Ética e estética. v.9, n.35, n.1, p. 41-7, Disponível em: <http: ://www.rbcp.org.br:/imagebank:/pdf:/ pdf> Acesso em 14 de Setembro de RIBEIRO, Denise Rodrigues. (b). Drenagem linfática manual corporal. 4ª. Ed. São Paulo: Senac, SANCHES, O. Pré e pós-cirurgia plástica. Personalité Revista Profissional Multidisciplinar, n.24, p ago:/ SILVA, D,B. A fisioterapia dermato-funcional como potencializadora no pré e pósoperatório de cirurgia plástica. Fisio & Terapia, 2001 SOARES, Lúcia Maria A.; SOARES; Sandra Mara B. & SOARES, Aline K. A. Estudo comparativo da eficácia da drenagem linfática manual e mecânica no pós-operatório de dermolipectomia. Revista Brasileira em Promoção da Saúde RBPS, Disponível em: <http: //redalyc.uaemex.mx/redalyc//pdf/408/ pdf. Acesso em 13 de Agosto de Souza, T.L. Drenagem linfática como promoção do bem estar e beleza física Disponível em: <http: //www.fisiovitae.com.br/app/webroot/articles/thais0.pdf>. Acesso em: 07 de set TACANI, Rogério; TACANI, Pascale. Drenagem linfática manual terapêutica ou estética: existe diferença? Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano III, nº 17, jul/set2008 TOURNIEUX, Tatiana T. et al. Estudo prospectivo da avaliação da qualidade de vida e aspectos psicossociais em cirurgia plástica estética. Rev. Bras. De Cir. Plas, v 24, n. 3, p ,2009. YAMAGUCHI, Charles; SANCHES, Orlando. Rejuvenescimento facial. In: MAUAD, Raul. Estética e cirurgia plástica: tratamento no pré e pós-operatório. 2ª. ed. São Paulo: Ed. Senac,

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL Cássia Vanessa Baseggio 1 Deborah Ariza 2 Naudimar Di Pietro Simões 3 Resumo: Dermolipectomia abdominal ou abdominoplastia é uma

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório

Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório 1 Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório de abdominoplastia Resumo Jannyle de Jesus Aguiar 1 fisio_jany@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Fisioterapia

Leia mais

Abdominoplastia Cirurgia do abdome

Abdominoplastia Cirurgia do abdome A abdominoplastia destina se à remoção de gordura localizada no abdome inferior, assim como da flacidez de pele ao redor da região umbelical e das estrias situadas entre o umbigo e os pêlos pubianos. Não

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL?

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL? ABDOMINOPLASTIA Também chamada de dermolipectomia abdominal. É um procedimento cirúrgico utilizado para redefinir o contorno abdominal, através da retirada do excesso de pele e gordura depositada, além

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME)

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME) ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME) A abdominoplastia destina-se à remoção de gordura localizada no abdome inferior, assim como da flacidez de pele ao redor da região umbilical e das estrias

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

A drenagem linfática manual como tratamento do edema no pós- cirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha1

A drenagem linfática manual como tratamento do edema no pós- cirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha1 1 A drenagem linfática manual como tratamento do edema no póscirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha 1 rebecadermato@gmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

TÍTULO: ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA E LIPOASPIRAÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA

TÍTULO: ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA E LIPOASPIRAÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA TÍTULO: ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA E LIPOASPIRAÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage.

A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage. A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage. Jaqueline Gomes de Almeida Esteticista facial e corporal formada pelo Senac Santo André e Estudante de fisioterapia pela Fefisa.

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL) A lipoaspiração é um método cirúrgico desenvolvido na Europa, particularmente na Suíça e França a partir de 1977. Foi apresentado pela primeira

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CÓDIGO: Fisio 227 CH TOTAL: 60hs PRÉ-REQUISITO: -----

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

mae Vou ser moda 9 meses de emoções Oferta Saco de bebé La Redoute ( Veja como pode recebê-lo na página 22) Especialgravidez

mae Vou ser moda 9 meses de emoções Oferta Saco de bebé La Redoute ( Veja como pode recebê-lo na página 22) Especialgravidez Oferta Saco de bebé La Redoute ( Veja como pode recebê-lo na página 22) Especialgravidez Natural, cesariana, dentro de água... Conheça os vários tipos de parto Edição Especial n.º 40 2013 Preço Portugal

Leia mais

MASTOLOGIA ORIENTAÇÕES FISIOTERÁPICAS: Coordenação DIVISÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMITÊ DE PADRONIZAÇÕES

MASTOLOGIA ORIENTAÇÕES FISIOTERÁPICAS: Coordenação DIVISÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMITÊ DE PADRONIZAÇÕES O R I E N T A Ç Õ E S AOS PACIENTES MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Coordenação DIVISÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMITÊ DE PADRONIZAÇÕES Essas orientações são essencialmente para pacientes

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular O que são varizes? Varizes são veias que se tornaram dilatadas e tortuosas ao longo das pernas. Algumas varizes são calibrosas e evidentes na pele. Outras, de menor calibre, chamadas de microvarizes ou

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL)

LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL) CRM/MG-25684 Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL) A lipoaspiração é um método cirúrgico desenvolvido na Europa, particularmente

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA)

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) Anualmente milhares de pessoas se submetem a rinoplastia. Algumas destas pessoas estão insatisfeitas com a aparência de seus narizes há muito tempo; outras não estão contentes

Leia mais

HIDROLIPOASPIRAÇÃO (HIDROLIPO, LIPO LIGHT, MINI LIPO)

HIDROLIPOASPIRAÇÃO (HIDROLIPO, LIPO LIGHT, MINI LIPO) CRM/MG-25684 Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica HIDROLIPOASPIRAÇÃO (HIDROLIPO, LIPO LIGHT, MINI LIPO) A Hidrolipoaspiração é um termo criado para a já conhecida Lipoaspiração de

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

OTOPLASTIA (CIRURGIA ESTÉTICA DAS ORELHAS)

OTOPLASTIA (CIRURGIA ESTÉTICA DAS ORELHAS) OTOPLASTIA (CIRURGIA ESTÉTICA DAS ORELHAS) Orelha em abano é um defeito congênito, de característica familiar, geralmente bilateral, cujas alterações consistem em um aumento do ângulo (abertura da orelha)

Leia mais

VANESSA LUZIA PADILHA,

VANESSA LUZIA PADILHA, VANESSA LUZIA PADILHA, fisioterapeuta graduada pela Universidade Positivo (2004). Especialista em Fisioterapia Dermato Funcional (estética) pela Faculdade Evangélica do Paraná (2005). Consultório: Rua

Leia mais

O objetivo da rinoplastia estética é o resultado harmônico e natural, com traços adequados ao rosto da pessoa.

O objetivo da rinoplastia estética é o resultado harmônico e natural, com traços adequados ao rosto da pessoa. RINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO NARIZ) O objetivo da rinoplastia estética é o resultado harmônico e natural, com traços adequados ao rosto da pessoa. Por meio da entrevista com o(a) paciente, o cirurgião

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Lin dema? VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA ENTENDA AS OPÇÕES TERAPÊUTICAS

Lin dema? VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA ENTENDA AS OPÇÕES TERAPÊUTICAS Lin dema? VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA ENTENDA AS OPÇÕES TERAPÊUTICAS É plenamente possível que as mulheres aprendam a gerenciar o linfedema e possam manter uma vida normal com esta sequela do tratamento do câncer

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras)

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) Fatores como: idade, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, etc., poderão deixar como conseqüência sua marca no território

Leia mais

Coutinho et al. Revista Fisioterapia Ser Ano 1 nr 4 out/nov/dez 2006. pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional da Universidade Gama Filho

Coutinho et al. Revista Fisioterapia Ser Ano 1 nr 4 out/nov/dez 2006. pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional da Universidade Gama Filho 1 A IMPORTÂNCIA DA ATENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MINIMIZAÇÃO DO EDEMA NOS CASOS DE PÓS-OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA ASSOCIADA À LIPOASPIRAÇÃO DE FLANCOS. THE IMPORTANCE OF THE PHISICAL THERAPY TREATMENT

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE MEMBRO SUPERIOR EM MULHERES MASTECTOMIZADAS Mara Vania Guidastre - m_risaguist@hotmail.com Marcela Da Silva Mussio - marcela_mussio@hotmail.com Ana Cláudia De Souza Costa - anaclaudia@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

Laserterapia e ultrassom no tratamento pós-operatório da cirurgia plástica de abdominoplastia: Revisão de literatura

Laserterapia e ultrassom no tratamento pós-operatório da cirurgia plástica de abdominoplastia: Revisão de literatura Laserterapia e ultrassom no tratamento pós-operatório da cirurgia plástica de abdominoplastia: Revisão de literatura Vanessa Cunha da Costa 1 vanessa_seabra_anjo@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia

Leia mais

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO A mama é considerada um dos grandes símbolos da feminilidade, pois além de ser uma das partes mais sensuais do corpo feminino, também está fortemente ligada a maternidade.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO Úlcera de Pressão Também conhecida como escara ou úlcera de decúbito. É definida como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos nos tecidos subjacentes (subcutâneo, músculo,

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CH TOTAL PERÍODO HORÁRIO 0395 Recursos Terapeuticos Manuais PROFESSOR (ES) Profa. Esp. Maria da Consolação Rios da Silva 60 h T-40 h/p-20 h 4º MATUTINO EMENTA:

Leia mais

MASTOPLASTIA REDUTORA / MASTOPEXIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO/CORREÇÃO DE PTOSE)

MASTOPLASTIA REDUTORA / MASTOPEXIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO/CORREÇÃO DE PTOSE) MASTOPLASTIA REDUTORA / MASTOPEXIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO/CORREÇÃO DE PTOSE) Mastoplastia ou mamoplastia é o nome dado para as cirurgias das mamas. Alguns tipos de mastoplastia podem ser diferenciados e

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA Vanessa Mota Lins Eder Rodrigues Machado RESUMO: Introdução: Trata-se de um estudo que sintetizou o conhecimento produzido acerca

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC Índice de Massa Corporal Classificação quanto a Distribuição de Gordura: Difusa: distribuição generalizada por todo o corpo Androide: relacionada a

Leia mais

PÓS-CIRÚRGICAS PLÁSTICAS E ESTÉTICA

PÓS-CIRÚRGICAS PLÁSTICAS E ESTÉTICA 58 Cintas Standart Indicadas para pós-operatório de lispoaspiração abdominais, trocantereas, ás coxas e joelhos, assim como no lifting das coxas. A abertura da cinta facilita ao vestir e no pós-operatório

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1

FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1 FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1 Tauana Sofia Vieira 2 Daisy Janice Aguilar Netz 3 Resumo: A procura por cirurgias

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Corporal 1 2 3 Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva ao aparecimento de radicais livres de oxigênio (O--)

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA DE POMPAGEM. Pompagem

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA DE POMPAGEM. Pompagem Pompagem Dentre as várias técnicas da terapia manual, a Pompagem é uma das mais simples de ser aplicada e traz benefícios aos pacientes quase de imediato. Foi desenvolvida por um osteopata Norte-Americano

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

LIPOASPIRAÇÃO À LASER (SLIM LIPO - PALOMAR )

LIPOASPIRAÇÃO À LASER (SLIM LIPO - PALOMAR ) CRM/MG-25684 Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica LIPOASPIRAÇÃO À LASER (SLIM LIPO - PALOMAR ) A lipoaspiração à laser não é um método cirúrgico novo. Desde o início da década, por

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ISIS MAIA DE CASTRO RAQUEL MAIA MONIQUE ABREU

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ISIS MAIA DE CASTRO RAQUEL MAIA MONIQUE ABREU UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ISIS MAIA DE CASTRO RAQUEL MAIA MONIQUE ABREU A Importância dos Exercícios Linfomiocinéticos em Pacientes Portadores de Linfedema no Membro Superior. Rio de Janeiro 2007 ISIS

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347, como profissional

Leia mais