ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 24.fevereiro.2012 NOME: Nº

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 24.fevereiro.2012 NOME: Nº"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 24.fevereiro.2012 NOME: Nº 1. Nos séculos XIII e XIV, entre as principais cidades do Norte de Itália que negoceiam a seda, podemos indicar Roma e Siena. Verona e Siena. Roma e Pisa. Veneza e Florença. 2. As cidades do Norte de Itália desenvolviam o seu comércio entre as cidades e os campos dessa região da Península Itálica. a Europa cristã e o mundo muçulmano de África e do Próximo Oriente. as cidades do Norte da Europa (Mar do Norte e Mar Báltico). o Sul e o Norte do continente africano. 3. De entre as cidades que se vão dedicar ao comércio na região da Flandres, podemos indicar Lille, Gand e Burgos. Lisboa, Bruges e Lille. Lille, Gand e Bruges. Lisboa, Porto e Coimbra. 4. Nas cidades da Flandres comerceiam-se, sobretudo, tecidos de lã grosseira, não tingidos. tecidos de lã com finos padrões e cores diversas. sedas provenientes da China e trazidas pelos mercadores flamengos. tecidos adamascados trazidos da Síria. 5. Os mercadores da Flandres estavam associados na Guilda das 17 cidades. na Bolsa dos Mercadores. na Liga Hanseática. na Companhia dos Mercadores. 6. A Liga Hanseática reunia, no século XIII os principais mercadores das cidades da Flandres. os grandes comerciantes das cidades italianas. as principais cidades alemãs do noroeste. todos os comerciantes que possuíam a fé cristã. Ficha de avaliação de História A 10º Página 1 de

2 7. Os principais produtos comerciados pela Liga Hanseática são o vestuário confeccionado em lã e em seda. os cereais, as madeiras e a cerveja. as lãs da Flandres e os couros de Espanha e Norte de África. a canela e a pimenta proveniente da Índia. 8. As feiras de Champagne atraíam comerciantes de toda a Europa. realizavam-se após as vindimas em França. eram conhecidas pelos seus vinhos. todas as respostas anteriores estão corretas. 9. As feiras de Champagne realizavam-se em 4 cidades diferentes. duravam cerca de 2 meses cada uma. em conjunto, cobriam quase todo o ano, assegurando a chegada de mercadorias durante o ano inteiro. todas as respostas anteriores estão corretas. 10. O intenso desenvolvimento comercial do século XIII levou ao aparecimento das banalidades. do feudalismo na Europa. de um sistema de economia natural (trocas diretas). de uma economia monetária. 11. Para determinar o valor relativo entre o peso das diversas moedas intervenientes numa operação monetária era necessário recorrer a uma letra de câmbio. um pesista. um cambista. uma guilda. 12. Uma letra de câmbio permitia trocar moedas de diferentes países. passar de território em território sem que o comerciante seja atacado. definir quando, quanto e a quem se deve pagar um valor em dívida. juntar diversos comerciantes para realizar uma viagem de negócios. 13. As letras de câmbio e os cheques permitiam enganar os comerciantes mais distraídos. evitar o transporte de grandes somas de dinheiro. a criação de grandes bancos portugueses no século XIII. a realização de uma economia natural, sem recurso ao dinheiro (troca direta). 14. As guildas são uma forma de proteger os comerciantes porque juntam os comerciantes de uma só família que se transformam em sócios capitalistas. juntam comerciantes e financeiros num só negócio de grandes dimensões. Ficha de avaliação de História A 10º Página 2 de

3 15. As bolsas de mercadores juntam os comerciantes de uma só família que se transformam em sócios capitalistas. juntam comerciantes e financeiros num só negócio de grandes dimensões. 16. As companhias comerciais juntam os comerciantes de uma só família que se transformam em sócios capitalistas. juntam comerciantes e financeiros num só negócio de grandes dimensões. Giovanni Piccamiglio queira pagar a Luigi Doria 48 libras e 6 dinheiros, e que essa quantia me seja debitada. 17. No documento transcrito acima, estamos perante um pedido de débito. uma letra de câmbio. um cheque. um foral. 18. A Bolsa de Mercadores, criada em Lisboa em 1293, foi autorizada pelo rei D. Afonso III. D. Diniz. D. Afonso IV. D. João I. 19. A Bolsa de Mercadores, de 1293, impunha que os comerciantes portugueses tivessem 100 marcos de prata depositados em Portugal e outros 100 marcos depositados na Flandres. na Liga Hanseática. no banco das feiras de Champagne. em Roma. 20. Os reis e os senhores protegiam o comércio porque necessitavam dos produtos comerciados pelos burgueses. recebiam rendas desse comércio. desenvolviam a economia dos locais onde se realizava esta atividade. todas as respostas anteriores estão corretas. COTAÇÕES 20 x 10 = 200 pontos FIM Ficha de avaliação de História A 10º Página 3 de

4 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 24.fevereiro.2012 NOME: Nº 1. Nos séculos XIII e XIV, entre as principais cidades do Norte de Itália que negoceiam a seda, podemos indicar Veneza e Florença. Roma e Siena. Roma e Pisa. Verona e Siena. 2. As cidades do Norte de Itália desenvolviam o seu comércio entre as cidades e os campos dessa região da Península Itálica. o Sul e o Norte do continente africano. a Europa cristã e o mundo muçulmano de África e do Próximo Oriente. as cidades do Norte da Europa (Mar do Norte e Mar Báltico). 3. De entre as cidades que se vão dedicar ao comércio na região da Flandres, podemos indicar Lille, Gand e Burgos. Lisboa, Bruges e Lille. Lisboa, Porto e Coimbra. Lille, Gand e Bruges. 4. Nas cidades da Flandres comerceiam-se, sobretudo, tecidos de lã com finos padrões e cores diversas. tecidos de lã grosseira, não tingidos. tecidos adamascados trazidos da Síria. sedas provenientes da China e trazidas pelos mercadores flamengos. 5. Os mercadores da Flandres estavam associados na Bolsa dos Mercadores. na Guilda das 17 cidades. na Companhia dos Mercadores. na Liga Hanseática. 6. A Liga Hanseática reunia, no século XIII todos os comerciantes que possuíam a fé cristã. as principais cidades alemãs do noroeste. os grandes comerciantes das cidades italianas. os principais mercadores das cidades da Flandres. Ficha de avaliação de História A 10º Página 1 de

5 7. Os principais produtos comerciados pela Liga Hanseática são os cereais, as madeiras e a cerveja. o vestuário confeccionado em lã e em seda. a canela e a pimenta proveniente da Índia. as lãs da Flandres e os couros de Espanha e Norte de África. 8. As feiras de Champagne eram conhecidas pelos seus vinhos. realizavam-se após as vindimas em França. atraíam comerciantes de toda a Europa. todas as respostas anteriores estão corretas. 9. As feiras de Champagne duravam cerca de 2 meses cada uma. em conjunto, cobriam quase todo o ano, assegurando a chegada de mercadorias durante o ano inteiro. realizavam-se em 4 cidades diferentes. todas as respostas anteriores estão corretas. 10. O intenso desenvolvimento comercial do século XIII levou ao aparecimento de um sistema de economia natural (trocas diretas). de uma economia monetária. do feudalismo na Europa. das banalidades. 11. Para determinar o valor relativo entre o peso das diversas moedas intervenientes numa operação monetária era necessário recorrer a uma letra de câmbio. uma guilda. um pesista. um cambista. 12. Uma letra de câmbio permitia definir quando, quanto e a quem se deve pagar um valor em dívida. passar de território em território sem que o comerciante seja atacado. trocar moedas de diferentes países. juntar diversos comerciantes para realizar uma viagem de negócios. 13. As letras de câmbio e os cheques permitiam a realização de uma economia natural, sem recurso ao dinheiro (troca direta). a criação de grandes bancos portugueses no século XIII. evitar o transporte de grandes somas de dinheiro. enganar os comerciantes mais distraídos. 14. As guildas são uma forma de proteger os comerciantes porque juntam os comerciantes de uma só família que se transformam em sócios capitalistas. juntam comerciantes e financeiros num só negócio de grandes dimensões. Ficha de avaliação de História A 10º Página 2 de

6 15. As bolsas de mercadores juntam os comerciantes de uma só família que se transformam em sócios capitalistas. juntam comerciantes e financeiros num só negócio de grandes dimensões. 16. As companhias comerciais juntam os comerciantes de uma só família que se transformam em sócios capitalistas. juntam comerciantes e financeiros num só negócio de grandes dimensões. Giovanni Piccamiglio queira pagar a Luigi Doria 48 libras e 6 dinheiros, e que essa quantia me seja debitada. 17. No documento transcrito acima, estamos perante um foral. um pedido de débito. uma letra de câmbio. um cheque. 18. A Bolsa de Mercadores, criada em Lisboa em 1293, foi autorizada pelo rei D. João I. D. Afonso III. D. Diniz. D. Afonso IV. 19. A Bolsa de Mercadores, de 1293, impunha que os comerciantes portugueses tivessem 100 marcos de prata depositados em Portugal e outros 100 marcos depositados no banco das feiras de Champagne. na Flandres. em Roma. na Liga Hanseática. 20. Os reis e os senhores protegiam o comércio porque desenvolviam a economia dos locais onde se realizava esta atividade. recebiam rendas desse comércio. necessitavam dos produtos comerciados pelos burgueses. todas as respostas anteriores estão corretas. COTAÇÕES 20 x 10 = 200 pontos FIM Ficha de avaliação de História A 10º Página 3 de

7 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 24.fevereiro.2012 RESPOSTAS CORRETAS 1 página 20 x 10 = 200 pontos. Opções item ,2, , ,2 Sugestões de resposta ficha de avaliação de História A 10º Página 1 de 1

Milhões de habitantes Milhões de habitantes

Milhões de habitantes Milhões de habitantes Milhões de habitantes 80 70 60 50 40 30 20 10 0 1000 1100 1200 1300 Europa Milhões de habitantes 1,6 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 1100 1200 1300 Portugal Porquê?: Clima de paz devido ao fim dos ataques

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 10.maio.2012 NOME: Nº

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 10.maio.2012 NOME: Nº ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 10.maio.2012 NOME: Nº 1.

Leia mais

PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO

PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO O Crescimento Demográfico Séculos XII-XIV FIM DAS INVASÕES (CLIMA DE PAZ) ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AUMENTO DA PRODUÇÃO

Leia mais

Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental. Módulo 1

Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental. Módulo 1 Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental Módulo 1 1. Transição do Feudalismo para o Capitalismo Expansão marítimo-comercial: um dos principais momentos de transição da Idade Média para a Idade Moderna.

Leia mais

A baixa Idade Média: da crise do Feudalismo à formação dos Estados Nacionais na Europa (Séc. XI-XV) [Cap. 5 e 8] Prof. Rafael Duarte 7 Ano

A baixa Idade Média: da crise do Feudalismo à formação dos Estados Nacionais na Europa (Séc. XI-XV) [Cap. 5 e 8] Prof. Rafael Duarte 7 Ano A baixa Idade Média: da crise do Feudalismo à formação dos Estados Nacionais na Europa (Séc. XI-XV) [Cap. 5 e 8] Prof. Rafael Duarte 7 Ano Busca de mais terras para cultivo. 1) A Baixa idade Média e a

Leia mais

1. Renascimento comercial na Baixa Idade Média. Introdução

1. Renascimento comercial na Baixa Idade Média. Introdução Baixa Idade Média História da Baixa Idade Média, inovações tecnológicas, renascimento comercial, renascimento urbano, origem da burguesia, os burgos, crise do feudalismo, história medieval 1. Renascimento

Leia mais

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Baixa Idade Média Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Cristianismo Surge com a crucificação de Cristo. Se difunde pela necessidade do povo em acreditar em algo além da vida terrena.

Leia mais

A Europa na época das Grandes Navegações

A Europa na época das Grandes Navegações Aula 1 e 2 A Europa na época das Grandes Navegações 1 - Século XV: O Nascimento do Mundo Moderno Setor 1621 2 - A formação do Reino de Portugal 3 - A Expansão Ultramarina Europeia Aula 1 e 2 A Europa na

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Matemática Aplicada às Ciências Sociais Escola Secundária de Jácome Ratton Ano Lectivo 2010/2011 Tema: Modelos Financeiros Conteúdos Percentagens Aumentos e Descontos Juros Impostos (IVA, IRS) Empréstimos

Leia mais

BAIXA IDADE MÉDIA. Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS;

BAIXA IDADE MÉDIA. Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS; Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS; FATORES: O esgotamento das terras As cruzadas (mercadores que abasteciam os viajantes com suas

Leia mais

As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo. Prof. Alan Carlos Ghedini

As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo. Prof. Alan Carlos Ghedini As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo Prof. Alan Carlos Ghedini A Crise do Sistema Feudal Como era a produção? Utilizava trabalho servil Baixo

Leia mais

Aula 01. UNIFESP/Diadema/SP

Aula 01. UNIFESP/Diadema/SP Aula 01 Tópicos da História da Matemática Comercial e Financeira UNIFESP/Diadema/SP Profº Wagner Marcelo. Pommer 08/2017 1 Objetivo Apresentar a noção de juros em uma perspectiva histórica. 2 Introdução

Leia mais

2. RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO. Páginas 16 à 27.

2. RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO. Páginas 16 à 27. 2. RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO Páginas 16 à 27. Sociedade feudal Economia predominantemente agrária; Divisão da sociedade em ordens; e Igreja Católica representava o PODER. PERÍODO DE TRANQUILIDADE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO. Aula 19- Renascimento comercial e urbano Prof. Dawison Sampaio

FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO. Aula 19- Renascimento comercial e urbano Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 19- Renascimento comercial e urbano DeOlhoNoEnem H11 - Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço.(lucro, usura e as práticas burguesas)

Leia mais

- 1453: queda de Constantinopla, conquistada pelos turcos fim do Império Romano do Oriente/Bizantino início da Época/Era Moderna

- 1453: queda de Constantinopla, conquistada pelos turcos fim do Império Romano do Oriente/Bizantino início da Época/Era Moderna - 1453: queda de Constantinopla, conquistada pelos turcos fim do Império Romano do Oriente/Bizantino início da Época/Era Moderna - Condições da expansão cultural: - dinamismo civilizacional do Ocidente

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL

AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL RELEMBRANDO: A DIVISÃO DA IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA V- X BAIXA IDADE MÉDIA X XIV :enfraquecimento das estruturas feudais, ou seja, das principais caraterísticas do

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM História Rafael Av. Dissertativa 15/06/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Prof. José Augusto Fiorin

Prof. José Augusto Fiorin Alta idade média (Séculos v AO X) Baixa Idade Média (SÉCULOS XI AO XV) CARACTERÍSTICAS GERAIS OS POVOS BÁRBAROS O FEUDALISMO O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCO O IMPÉRIO BIZANTINO: O IMPÉRIO

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO

INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO CADEIRA INQUISITÓRIA ESMAGA CRÂNEOS CINTO DE ESTRANGULAMENTO ESMAGA SEIOS FORQUILHA DO HEREGE Sucesso comercial

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A. 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque. 8.junho.

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A. 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque. 8.junho. ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 8.junho.2012 NOME:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

Mudanças no feudalismo

Mudanças no feudalismo Mudanças no feudalismo Capítulo 06 Prof: Diego Gomes e Ariane Bastos Disciplina: História Série: 7 ano Mudanças... Mudanças na forma de produção A partir do século XI, a Europa feudal começou a mudar;

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO DE ESCOLARIDADE: 5º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS Geografia de Portugal

Leia mais

4. Re nasc a i sc me i nto Cult l ural ra Páginas 40 à 55.

4. Re nasc a i sc me i nto Cult l ural ra Páginas 40 à 55. 4. Renascimento Cultural Páginas 40 à 55. A burguesia: ideias e modo de vida ALTA BURGUESIA (mais ricos): Comerciantes de longa distância; Mestres artesãos donos de oficinas de manufatura; e Cambistas.

Leia mais

Correção Ficha Formativa - 5 -

Correção Ficha Formativa - 5 - Correção Ficha Formativa - 5 - 1. Indica as obrigações estabelecidas entre suseranos e vassalos. O suserano tinha que defender e proteger o vassalo e dar-lhe um feudo. O vassalo tinha de prestar auxílio

Leia mais

Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média.

Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. 1.Decadência do Império Romano fragmentação do poder político. Ruralização da Sociedade; Enfraquecimento comercial;

Leia mais

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social:

Leia mais

Este teste é constituído por 16 itens (todos de resposta obrigatória) e termina na palavra FIM.

Este teste é constituído por 16 itens (todos de resposta obrigatória) e termina na palavra FIM. ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Teste sumativo de História A 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Tolerância: 10 minutos 4 páginas 2.fevereiro.2012 Este

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A. 10º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque. 8.junho.

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A. 10º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque. 8.junho. ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A 10º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 8.junho.2012 NOME:

Leia mais

Lista de exercícios de História - 2º Bimestre. Lista de exercícios

Lista de exercícios de História - 2º Bimestre. Lista de exercícios Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de exercícios de História - 2º Bimestre Nome: Ano: 7º A / B Prof. Romão N.: / /17 OS ESTADOS NACIONAIS MODERNOS ABSOLUTISMO MERCANTILISMO SOCIEDADE DE CORTE

Leia mais

UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS. Prof. Victor Creti Bruzadelli

UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS. Prof. Victor Creti Bruzadelli UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS Prof. Victor Creti Bruzadelli A união Ibérica (1580-1640) Morte do rei D. João III (1557); Ascensão de D. Sebastião ao poder; Crises sucessórias: D. Sebastião (1578);

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

EXPANSÃO MARÍTIMA OU GRANDES NAVEGAÇÕES Foi um movimento de expansão e conquistas pelo Atlântico Período Início da Idade Moderna Europa século XV XVI

EXPANSÃO MARÍTIMA OU GRANDES NAVEGAÇÕES Foi um movimento de expansão e conquistas pelo Atlântico Período Início da Idade Moderna Europa século XV XVI EXPANSÃO MARÍTIMA OU GRANDES NAVEGAÇÕES Foi um movimento de expansão e conquistas pelo Atlântico Período Início da Idade Moderna Europa século XV XVI O QUE LEVOU OS PAÍSES EUROPEUS A NAVEGAR PELO OCEANO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha 05 de avaliação de História A. 12º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque. 29.maio.

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha 05 de avaliação de História A. 12º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque. 29.maio. ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha 05 de avaliação de História A 12º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 29.maio.2012 NOME:

Leia mais

Expansão Portuguesa Sécs. XV e XVI

Expansão Portuguesa Sécs. XV e XVI Expansão Portuguesa Sécs. XV e XVI VENHAM COMIGO FAZER UMA VIAGEM PELA EXPANSÃO MARÍTIMA PORTUGUESA! No final, devem saber: Quando começou; Qual foi a 1ª conquista dos Portugueses; Quem era o rei nessa

Leia mais

A Expansão Portuguesa. Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI

A Expansão Portuguesa. Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI A Expansão Portuguesa Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI Na Europa, as terras e povos desconhecidos surgiam em mapas, pinturas, gravuras e livros que influenciaram o pensamento europeu. A acção da

Leia mais

Resposta curta Resposta restrita Resposta extensa

Resposta curta Resposta restrita Resposta extensa ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO 4.º ELEMENTO DE AVALIAÇÃO ESCRITA 16.FEVEREIRO.2017 10º ANO, TURMA C Itens de seleção Itens de construção Tipologia

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de exercícios de História - 1º Bimestre Nome: Ano: 7º A / B Prof. Romão N.: / /17 FEUDALISMO FORMAÇÃO DO SISTEMA FEUDO SOCIEDADE FEUDAL RENASCIMENTOCOMERCIAL

Leia mais

Profa. Alicia Ruiz Olalde

Profa. Alicia Ruiz Olalde Profa. Alicia Ruiz Olalde Comércio Internacional O conjunto de relações comerciais estabelecidas pelos países entre si, por meio das quais buscam satisfazer suas necessidades. Por que os países comerciam

Leia mais

Idade Média. Ocidental. (Séc V ao Século XV)

Idade Média. Ocidental. (Séc V ao Século XV) A Idade Média Ocidental (Séc V ao Século XV) Alta Idade Média (Séc V ao X): fragmentação do império romano; formação dos efêmeros reinos bárbaros; ruralização da sociedade; descentrallização política;

Leia mais

MERCANTILISMO. A política econômica dos Estados Modernos. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco

MERCANTILISMO. A política econômica dos Estados Modernos. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco MERCANTILISMO A política econômica dos Estados Modernos Prof.: Mercedes Danza Lires Greco No feudalismo, a riqueza = terra. Entre os séculos XV e XVIII, a riqueza = dinheiro. Principal atividade geradora

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO ANA FILIPA MESQUITA CLÁUDIA VILAS BOAS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL DOMÍNIO A DOMÍNIO B A PENÍNSULA IBÉRICA: LOCALIZAÇÃO E QUADRO NATURAL A PENÍNSULA IBÉRICA:

Leia mais

ESTADO NACIONAL ABSOLUTISMO EXPANSÃO MARÍTIMA PROF. SORMANY ALVES

ESTADO NACIONAL ABSOLUTISMO EXPANSÃO MARÍTIMA PROF. SORMANY ALVES ESTADO NACIONAL ABSOLUTISMO EXPANSÃO MARÍTIMA PROF. SORMANY ALVES O ESTADO NACIONAL a) A necessidade de reorganização do poder da nobreza frente às s rebeliões camponesas. b) A necessidade de viabilizar

Leia mais

A Fundação do Concelho de Torres Vedras

A Fundação do Concelho de Torres Vedras A Fundação do Concelho de Torres Vedras Selo de Torres Vedras (1260), cera In IAN/TT, Mosteiro de Alcobaça: documentos particulares, m. 10, n.º 4. A 15 de Agosto de 1250, no dia da «Assunção da Bendita

Leia mais

A expansão portuguesa do século XV

A expansão portuguesa do século XV A expansão do século XV O gigante Adamastor Águas ferventes e terra plana Motivações da expansão O Motivações sociais: O Clero: expandir a fé cristã entre outros povos O Nobreza: obter recompensas

Leia mais

O Expansionismo Europeu

O Expansionismo Europeu O Expansionismo Europeu História 8.º ano 1. Classifica as seguintes afirmações em verdadeiras (V) ou falsas (F). Quais os interesses da Coroa portuguesa na expansão marítima? a) Ter acesso a novas fontes

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

MODERNIDADE Renascimento

MODERNIDADE Renascimento MODERNIDADE Renascimento O fim do feudalismo e o início da modernidade: rompimentos e resgates A modernidade Nova Economia Comércio Manufatura Nova política Absolutismo Novas relações sociais Burguesia

Leia mais

1. A multiplicidade de poderes

1. A multiplicidade de poderes 1. A multiplicidade de poderes Europa dividida - senhorios (terras de um senhor) - poder sobre a terra e os homens - propriedade (lati)fundiária - por vezes, descontinuada - aldeias, bosques, igrejas -

Leia mais

AULA DADA, AULA ESTUDADA!!!

AULA DADA, AULA ESTUDADA!!! AULA DADA, AULA ESTUDADA!!! Expansão Marítima Embarcaremos em uma longa e perigosa viagem a bordo dos navios lusitanos e espanhóis rumo à terra das especiarias. Você vai saber quais foram os fatores das

Leia mais

O que foram as Cruzadas? Prof. Tácius Fernandes

O que foram as Cruzadas? Prof. Tácius Fernandes O que foram as Cruzadas? Prof. Tácius Fernandes Compreendendo as Cruzadas a partir de imagens Mapa da Primeira Cruzada Pintura sobre a sétima Cruzada. Data: século 13. Autor desconhecido. Imagem retirada

Leia mais

O que é desenvolvimento?

O que é desenvolvimento? O que é desenvolvimento? O termo foi criado para retratar a situação de crescimento e de um país, dentro dos moldes capitalistas. Países desenvolvidos são também chamados de: Países do Primeiro Mundo;

Leia mais

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. Introdução Os exames de equivalência à frequência incidem sobre a aprendizagem definida para o final do 2.º ciclos do ensino básico, de acordo

Leia mais

Colégio Equipe de Juiz de Fora

Colégio Equipe de Juiz de Fora Colégio Equipe de Juiz de Fora TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 2017 DISCIPLINA: História PROFESSOR(A) : Maiara e Joice SÉRIE: 4º ANO. TURMA: VALOR: 15,0 PONTOS ALUNO(a): NOTA: ORIENTAÇÕES: _ O TRABALHO DEVE SER

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Ano: 7º - Ensino Fundamental Professoras: Letícia e Júlia Atividades para Estudos Autônomos Data: 9 / 10 / 2017 Aluno(a): Nº: Turma: Querido(a) aluno(a), este bloco

Leia mais

Matemática Financeira Plano de Ensino Conceitos Iniciais. Prof.: Joni Fusinato 1

Matemática Financeira Plano de Ensino Conceitos Iniciais. Prof.: Joni Fusinato  1 Matemática Financeira Plano de Ensino Conceitos Iniciais Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com 1 Plano de Ensino Competências: Compreender os diferentes sistemas de capitalização

Leia mais

1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar

1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar 1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar Os zimbos eram pequenas conchas recolhidas na ilha de Luanda e usadas como ornamento e moeda corrente no Reino do Congo. São já referidas por Duarte Pacheco Pereira

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr.

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. EUROPA o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. http://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/04/30/1124394/profissionais-iberoamericanos-preferem-trabalhareuropa-aponta-pesquisa.html Ocupação

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Primeira Letra de Câmbio sacada em Medina del Campo Espanha em 1495

Primeira Letra de Câmbio sacada em Medina del Campo Espanha em 1495 LETRA DE CÂMBIO CONCEITO Letra de Câmbio é o título de crédito que representa uma ordem de pagamento de alguém (sacador) contra outrem (sacado) a favor de um terceiro (tomador). HISTÓRIA Origem provável:

Leia mais

ANO LETIVO 2016 / DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F

ANO LETIVO 2016 / DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F ANO LETIVO 2016 / 2017 DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO: 5.º F 1. Previsão dos tempos letivos disponíveis 1.º Período 16/09 a 16/12 2.º Período 03/01 a 04/04 3.º Período 19/04 a 16/06 Desenvolvimento

Leia mais

Consequência. Contexto. Motivo. Mercantilismo. Dificuldades. Inovações. Viagens MAPA 01 MAPA 02 MAPA 03. Exercício

Consequência. Contexto. Motivo. Mercantilismo. Dificuldades. Inovações. Viagens MAPA 01 MAPA 02 MAPA 03. Exercício Contexto Consequência Motivo Mercantilismo Dificuldades Inovações Viagens MAPA 01 MAPA 02 MAPA 03 Exercício a) Tempo Histórico: Idade Moderna Período: Séc. XV XVII Europa CONTEXTO b) Burguesia (comerciantes)

Leia mais

Correção da Ficha Formativa

Correção da Ficha Formativa Correção da Ficha Formativa 1. Identifica em que continentes se situava o império romano. O Império romano estendeu-se pela Europa, Ásia (próximo oriente) e África (norte de África) 2. Indica as causas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Teste sumativo de História A 10º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Tolerância: 10 minutos 4 páginas 3.fevereiro.2012 Este

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

O Dinheiro. Caderno de Educação Financeira Nº 1. Banco Central de S. Tomé e Príncipe Agosto de 2017

O Dinheiro. Caderno de Educação Financeira Nº 1. Banco Central de S. Tomé e Príncipe Agosto de 2017 O Dinheiro Caderno de Educação Financeira Nº 1 Banco Central de S. Tomé e Príncipe Agosto de 2017 1 Curiosidade: A palavra dinheiro vem do latim denarius, nome de uma antiga moeda romana. Dinheiro é um

Leia mais

VI SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL Vítor Neto

VI SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL Vítor Neto Vítor Neto Vilamoura, 24 de novembro de 2017 PESO DO TURISMO NA ECONOMIA MUNDIAL 2 COMO SE DISTRIBUEM OS TURISTAS PELO MUNDO 1.235 Milhões de Turistas Internacionais - Mundo (2016 OMT) Como se distribuem

Leia mais

História QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÕES: Questão 01 (Valor: 15 pontos) Objetivo. Região. Período. Fato histórico

História QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÕES: Questão 01 (Valor: 15 pontos) Objetivo. Região. Período. Fato histórico História QUESTÕES de 01 a 08 LEIA CUIDADOSAMENTE O ENUNCIADO DE CADA QUESTÃO, FORMULE SUAS RESPOSTAS COM OBJETIVIDADE E CORREÇÃO DE LINGUAGEM E, EM SEGUIDA, TRANSCREVA COMPLETAMENTE CADA UMA NA FOLHA DE

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA REGIÃO DO NORTE: EXPORTAÇÕES E TERRITÓRIO

A COMPETITIVIDADE DA REGIÃO DO NORTE: EXPORTAÇÕES E TERRITÓRIO A COMPETITIVIDADE DA REGIÃO DO NORTE: EXPORTAÇÕES E TERRITÓRIO Exportações excecionais, investimento sofrível Exportações a pesar 45% no PIB: a grande transformação A economia só regressa a 2008 em

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS Prof.: ROBERT OLIVEIRA BLOCOS ECONÔMICOS: TODOS OS BLOCOS SÃO IGUAIS? Os blocos econômicos se dividem em quatro tipos diferentes em alguns pontos, porém o suficiente para estabelecer

Leia mais

A TUTELA JURÍDICA DA MODA

A TUTELA JURÍDICA DA MODA A TUTELA JURÍDICA DA MODA PLMJ, Advogamos com Valor www.plmj.pt Como se regista um desenho/modelo, marca ou logótipo? O registo é feito junto do Instituto de Propriedade Industrial (INPI). O processo inicia-se

Leia mais

O que é desenvolvimento?

O que é desenvolvimento? O que é desenvolvimento? O termo foi criado para retratar a situação de crescimento e de um país, dentro dos moldes capitalistas. Países desenvolvidos são também chamados de: Países do Primeiro Mundo;

Leia mais

Bélgica Dezembro Mercado em números

Bélgica Dezembro Mercado em números Dezembro 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km)

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI. Atividade de História E. Médio U.E. 08

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI. Atividade de História E. Médio U.E. 08 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI Atividade de História E. Médio U.E. 08 1. Cite a caracterização econômica e social da Idade Média. p.3 2. Em quantos períodos está dividida a Idade Média? Quais são? 3. Dê três

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Sexto elemento de avaliação

Sexto elemento de avaliação ESOL SEUNÁRI E SQUILHOS Sexto elemento de avaliação 19.05.2017 10º no Turma Professor: Renato lbuquerque uração da prova formativa: 20 minutos. Tolerância: 5 minutos. Versão Este elemento é constituído

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

Disciplina de Área de Integração Técnico Restauração variantes Restaurante/Bar

Disciplina de Área de Integração Técnico Restauração variantes Restaurante/Bar Disciplina de Área de Integração Técnico de Restauração variantes de Restaurante/Bar e Cozinha/Pastelaria 1º ano Ciclo de Formação 2015/2018 Ano letivo 2015/2016 Mód. 1 - Tema-Problema A Identidade Regional

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO GBPUSD Série I

Prospecto Informativo - ATLANTICO GBPUSD Série I Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO GBPUSD Série I Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 3 meses, denominado em

Leia mais

O Desenvolvimento do sistema socioeconômico. As fases do capitalismo

O Desenvolvimento do sistema socioeconômico. As fases do capitalismo O Desenvolvimento do sistema socioeconômico capitalista As fases do capitalismo As fases do capitalismo Dois eventos marcaram o fim do socialismo pelo mundo: Queda do Muro de Berlim (1989); Desmembramento

Leia mais

Idade Moderna Parte I

Idade Moderna Parte I Idade Moderna Parte I A expansão marítima europeia Período: séculos XV e XVI. Domínio das rotas mediterrânicas para o Oriente pelas cidades italianas. Busca de rotas alternativas Oceano Atlântico. Reinos

Leia mais

07 - MERCANTILISMO E EXPANSÃO MARÍTIMA

07 - MERCANTILISMO E EXPANSÃO MARÍTIMA 07 - MERCANTILISMO E EXPANSÃO MARÍTIMA Mercantilismo Surgimento intervenção das monarquias absolutistas na área econômica expandir o comércio aumentar as reservas financeiras se tornarem governos fortes

Leia mais

Bélgica Junho Mercado em números

Bélgica Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km) e Luxemburgo

Leia mais

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott.

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott. História As Capitanias Hereditárias Professor Thiago Scott www.acasadoconcurseiro.com.br História AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534) A expedição de Martim Afonso de Sousa (1530-1533) marca o início dessa

Leia mais

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO O ABSOLUTISMO ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO Regime político em que o poder está concentrado nas mãos do Rei. Rei: chefe militar, economia, chefe administrativo, controle da Igreja, poder político -> Poder

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO QUESTÃO 1. Renascimento comercial e urbano. O fim das invasões bárbaras na Europa, por volta do século X, trouxe certa paz ao continente. Do período que

Leia mais

PACOTE DE VIAGEM EM PEQUENO GRUPO PARA ITÁLIA! ITÁLIA CLÁSSICA COM TREM DE ALTA VELOCIDADE! Milão, Veneza, Florença, Nápoles, Assis, Cássia e Roma.

PACOTE DE VIAGEM EM PEQUENO GRUPO PARA ITÁLIA! ITÁLIA CLÁSSICA COM TREM DE ALTA VELOCIDADE! Milão, Veneza, Florença, Nápoles, Assis, Cássia e Roma. PACOTE DE VIAGEM EM PEQUENO GRUPO PARA ITÁLIA! ITÁLIA CLÁSSICA COM TREM DE ALTA VELOCIDADE! Milão, Veneza, Florença, Nápoles, Assis, Cássia e Roma. (Capri, Costa Amalfitana e Pompéia como opcional) (9

Leia mais

MUNDIAL. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons

MUNDIAL. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons O COMÉRCIO À ESCALA MUNDIAL Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 9ª AULA - SUMÁRIO O comércio à escala mundial. As novas rotas do comércio intercontinental. A circulação de produtos

Leia mais

BENS. São todas as coisas materiais produzidas para satisfazer as necessidades das pessoas.

BENS. São todas as coisas materiais produzidas para satisfazer as necessidades das pessoas. BENS São todas as coisas materiais produzidas para satisfazer as necessidades das pessoas. SERVIÇOS São todas as atividades econômicas voltadas para a satisfação de necessidades e que não estão relacionadas

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 02 A EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL ATLÂNTICA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 02 A EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL ATLÂNTICA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 02 A EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL ATLÂNTICA Fixação 1) (UERJ) Navegar é preciso, viver não é preciso. Este era o lema dos antigos navegadores, pois embarcar nos navios

Leia mais

De colônia agroexportadora a país industrializado

De colônia agroexportadora a país industrializado De colônia agroexportadora a país industrializado A formação do espaço brasileiro A chegada do colonizador no final do século XV. Inicialmente não são encontradas riquezas minerais. Os indígenas não produziam

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San.

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br Discussão: CASO 1 - Empresa BMW Motors. Empresa Alemã de 1916. - Parque industrial especializado em produção de motocicletas. - Investimento inicial

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Valorização USD

Prospecto Informativo - ATLANTICO Valorização USD Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou Variáveis Subjacentes ou Associados Perfil de Cliente Recomendado ATLANTICO

Leia mais

HISTÓRIA. Professores: André, Guga, Pedro

HISTÓRIA. Professores: André, Guga, Pedro HISTÓRIA Professores: André, Guga, Pedro Questão esperada sobre Mundo Islâmico (Idade Média). A resposta correta, letra A, fala sobre o expansionismo da cultura islâmica. A obra de Avicena, muito famosa,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA. Em 1986 foi criado o fundo de desenvolvimento regional, para ajudar os países mais pobres.

UNIÃO EUROPEIA. Em 1986 foi criado o fundo de desenvolvimento regional, para ajudar os países mais pobres. UNIÃO EUROPEIA UNIÃO EUROPEIA A União Europeia(UE) é uma união econômica e política entre 28 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia,

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada). Não aplicável (conta não remunerada).

Não aplicável (conta não remunerada). Não aplicável (conta não remunerada). Referência: 400016_GBP_20180101_003 DEPÓSITOS À ORDEM MOEDA ESTRANGEIRA Designação Depósitos à Ordem Moeda Estrangeira Condições de acesso Modalidade Clientes pessoas singulares Clientes pessoas coletivas

Leia mais

POLITÉCNICO DE SANTARÉM. Parte I - Questionário. Raciocínio lógico, matemático, compreensão de linguagem escrita e conhecimentos gerais

POLITÉCNICO DE SANTARÉM. Parte I - Questionário. Raciocínio lógico, matemático, compreensão de linguagem escrita e conhecimentos gerais DURAÇÃO: 1 HORA TOLERÂNCIA: 15 MINUTOS PROVA DE CULTURA GERAL (2010-2011 2011) Parte I - Questionário Raciocínio lógico, matemático, compreensão de linguagem escrita e conhecimentos gerais Indique a resposta

Leia mais