PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO"

Transcrição

1 PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO

2 O Crescimento Demográfico Séculos XII-XIV FIM DAS INVASÕES (CLIMA DE PAZ) ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AUMENTO DA PRODUÇÃO AGÍCOLA MELHORIA DA ALIMENTAÇÃO (AUMENTO DEMOGRÁFICO)

3 Os Progressos Agrícolas O aumento da produção agrícola está ligado à aplicação das seguintes técnicas: Arroteias Aproveitamento de terras através do derrube de florestas e drenagem de pântanos. Utilização do ferro Substituição da madeira pelo ferro nas alfaias agrícolas (arado). Adubação Utilização de estrume animal para fertilização dos campos. Construção de moinhos de vento e de água moer cereal. Afolhamento trienal Divisão da terra em três folhas.

4 Os Progressos Agrícolas

5 Os Progressos Agrícolas Afolhamento Trienal

6 Os Progressos nos Transportes Ferradura Aplicação da ferradura nos cascos (impedia o desgaste). Atrelagem em fila Facilitava a deslocação de cargas pesadas. Uso da Coelheira Colocação de uma coleira nas omoplatas facilitando a tração. Leme fixo à popa facilitava a manobra dos navios. A Atrelagem Tradicional B Atrelagem com Coelheira

7 A Reanimação do Comércio AUMENTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PROGRESSOS NOS TRANSPORTES + CLIMA DE PAZ EXCEDENTES DE PRODUÇÃO MAIOR SEGURANÇA DE DESLOCAÇÕES REANIMAÇÃO DO COMÉRCIO (MERCADOS E FEIRAS) + REAPARECIMENTO DA MOEDA

8 A Reanimação do Comércio: Mercados e Feiras FEIRAS Realizavam-se uma vez por ano e envolviam mercadores de lugares muito distantes (estavam associadas a festas religiosas e peregrinações). MERCADOS Realizavam-se com frequência (semanalmente/mensalmente) e apenas envolviam mercadores locais ou regionais. CRIADAS PELA CARTA DE FEIRA CARTA DE FEIRA Documento passado pelo rei que estabelecia as regras da feira e os direitos e deveres dos mercadores

9

10 A Reanimação das Cidades REALIZAÇÃO DE FEIRAS E MERCADOS NA PROXIMIDADE DAS CIDADES CRESCIMENTO DOS CENTROS URBANOS APARECIMENTO DE NOVAS CIDADES ALARGAMENTO DAS CIDADES EXISTENTES BURGOS (Novos Bairros em que os habitantes deram origem a uma nova classe BURGUESIA)

11 PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV RELAÇÕES SOCIAIS E PODER POLÍTICO

12 O Reforço do Poder Senhorial RECONQUISTA CRISTÃ DOAÇÕES DE TERRAS FEITAS PELOS REIS PORTUGUESES AO CLERO E NOBREZA PELOS SERVIÇOS PRESTADOS SENHORIOS DA NOBREZA (HONRAS) SENHORIOS DO CLERO (COUTOS) REFORÇO DO PODER SENHORIAL

13 Honras Domínios da nobreza (Norte do País) Coutos Domínios do Clero (Sul do País)

14 Os Benefícios dos Senhorios JEIRAS e JUGADOS Serviços gratuitos prestados pelos camponeses do domínio senhorial. RENDAS Pagamento feito pelos camponeses pelo uso e exploração dos casais (mansos). DÍZIMO Imposto pago pelos camponeses nos domínios senhoriais do clero (1/10 da produção). ISENÇÃO FISCAL Isentos de impostos ao rei. APLICAÇÃO DA JUSTIÇA Direito de aplicar a justiça nos seus domínios. Quem atravessava o domínio senhorial pagava Portagem

15 Os Concelhos AVANÇO DA RECONQUISTA PARA SUL (NECESSIDADE DE POVOAR E DEFENDER AS ÁREAS RECONQUISTADAS) CRIAÇÃO DE CONCELHOS (CARTA DE FORAL) CARTA DE FORAL Documento através do qual o rei criava os concelhos e onde estavam definidos os direitos e deveres dos seus habitantes. CONCELHOS

16 Os Símbolos dos Concelhos SELO HABITANTES DOS CONCELHOS Cavaleiros-vilãos ou Homens-bons (tinham rendimentos suficientes para servir a cavalo no exército do rei). Peões (pequenos proprietários e rendeiros que trabalhavam em troca de salário). PELOURINHO CONCELHOS Comunidade de homens livres que tinham autonomia administrativa e judicial.

17 A Centralização do Poder Régio Entre os séculos XIII-XIV os reis em Portugal vão criar medidas para limitar os poderes das ordens privilegiadas e centralizar o poder em si próprios: Inquirições Inquéritos feitos pelo poder central no sentido de recuperar terras usurpadas pelos senhores à coroa Medidas a partir do século XIII Confirmações Confirmação de bens doados pela coroa aos senhores e às povoações Leis de Desamortização Impedir a concentração de terras pelo clero. Proibição de adquirir bens fundiários

18 PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O COMÉRCIO EUROPEU DOS SÉCULOS XII E XIV

19 Os Centros do Comércio Internacional No século XIII as rotas terrestres, fluviais e marítimas colocavam em contacto quatro grandes centros do comércio internacional europeu: Liga Hanseática Feiras da Champagne Cidades Italianas Flandres

20 Lisboa nos Circuitos Comerciais do Século XIII O transporte terrestre continuava problemático pois era muito caro devido à sua lentidão e ao pagamento de peagens e de portagens. O transporte preferido era o fluvial e marítimo porque era mais rápido e barato Lisboa tornou-se porto de escala das rotas europeias o que tornou a cidade centro da vida económica, política e social do país

21 Lisboa e o Comércio Externo Português

Correção Ficha Formativa - 5 -

Correção Ficha Formativa - 5 - Correção Ficha Formativa - 5 - 1. Indica as obrigações estabelecidas entre suseranos e vassalos. O suserano tinha que defender e proteger o vassalo e dar-lhe um feudo. O vassalo tinha de prestar auxílio

Leia mais

O exercício comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas

O exercício comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas 2.3.3. O exercício comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas - cartas de foral concelhos - concelhos urbanos ou perfeitos (formados por cavaleiros-vilãos e peões) vizinhos

Leia mais

Portugal nos séculos XIII e XIV: Sociedade Portuguesa. História e Geografia de Portugal

Portugal nos séculos XIII e XIV: Sociedade Portuguesa. História e Geografia de Portugal Portugal nos séculos XIII e XIV: Sociedade Portuguesa 5.º Ano História e Geografia de Portugal Joana Simas Sociedade Portuguesa Pirâmide social. A sociedade portuguesa no século XIII estava organizada

Leia mais

Prof. José Augusto Fiorin

Prof. José Augusto Fiorin Alta idade média (Séculos v AO X) Baixa Idade Média (SÉCULOS XI AO XV) CARACTERÍSTICAS GERAIS OS POVOS BÁRBAROS O FEUDALISMO O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCO O IMPÉRIO BIZANTINO: O IMPÉRIO

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO QUESTÃO 1. Renascimento comercial e urbano. O fim das invasões bárbaras na Europa, por volta do século X, trouxe certa paz ao continente. Do período que

Leia mais

O espaço português a consolidação de um reino cristão ibérico. O país urbano e concelhio

O espaço português a consolidação de um reino cristão ibérico. O país urbano e concelhio O espaço português a consolidação de um reino cristão ibérico O país urbano e concelhio - zona(s) geográficas de concentração dos concelhos urbanos. - identifique os principais centros urbanos. - 3 razões

Leia mais

Mudanças no feudalismo

Mudanças no feudalismo Mudanças no feudalismo Capítulo 06 Prof: Diego Gomes e Ariane Bastos Disciplina: História Série: 7 ano Mudanças... Mudanças na forma de produção A partir do século XI, a Europa feudal começou a mudar;

Leia mais

Idade Média. Ocidental. (Séc V ao Século XV)

Idade Média. Ocidental. (Séc V ao Século XV) A Idade Média Ocidental (Séc V ao Século XV) Alta Idade Média (Séc V ao X): fragmentação do império romano; formação dos efêmeros reinos bárbaros; ruralização da sociedade; descentrallização política;

Leia mais

História e Geografia de Portugal

História e Geografia de Portugal História e Geografia de Portugal 5º ano Nome: Data: / / Portugal no século XIII 1. Selecciona a resposta correcta: 1.1 Os grupos sociais que formavam a população portuguesa no século XIII eram: [A] A nobreza

Leia mais

H I S T Ó R I A P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O. DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/

H I S T Ó R I A P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O. DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/ DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O H I S T Ó R I A - 1 - TEMA A Das Sociedades Recolectoras Às Primeiras Civilizações SUBTEMA

Leia mais

Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média.

Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. 1.Decadência do Império Romano fragmentação do poder político. Ruralização da Sociedade; Enfraquecimento comercial;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 24.fevereiro.2012 NOME: Nº

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 24.fevereiro.2012 NOME: Nº ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 24.fevereiro.2012 NOME: Nº

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da disciplina e Projeto Eduativo 3º CICLO HISTÓRIA 7º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social:

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL

AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL RELEMBRANDO: A DIVISÃO DA IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA V- X BAIXA IDADE MÉDIA X XIV :enfraquecimento das estruturas feudais, ou seja, das principais caraterísticas do

Leia mais

A economia europeia. Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pelo desenvolvimento do

A economia europeia. Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pelo desenvolvimento do O ANTIGO REGIME O ANTIGO REGIME Período histórico que vai desde o século XVI ao século XVIII que se caracterizou: - na política, pelo Absolutismo; - na economia, pelo Mercantilismo; - na sociedade, pela

Leia mais

1. Renascimento comercial na Baixa Idade Média. Introdução

1. Renascimento comercial na Baixa Idade Média. Introdução Baixa Idade Média História da Baixa Idade Média, inovações tecnológicas, renascimento comercial, renascimento urbano, origem da burguesia, os burgos, crise do feudalismo, história medieval 1. Renascimento

Leia mais

BAIXA IDADE MÉDIA. Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS;

BAIXA IDADE MÉDIA. Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS; Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS; FATORES: O esgotamento das terras As cruzadas (mercadores que abasteciam os viajantes com suas

Leia mais

A Europa na época das Grandes Navegações

A Europa na época das Grandes Navegações Aula 1 e 2 A Europa na época das Grandes Navegações 1 - Século XV: O Nascimento do Mundo Moderno Setor 1621 2 - A formação do Reino de Portugal 3 - A Expansão Ultramarina Europeia Aula 1 e 2 A Europa na

Leia mais

Resposta curta Resposta restrita Resposta extensa

Resposta curta Resposta restrita Resposta extensa ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO 4.º ELEMENTO DE AVALIAÇÃO ESCRITA 16.FEVEREIRO.2017 10º ANO, TURMA C Itens de seleção Itens de construção Tipologia

Leia mais

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Baixa Idade Média Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Cristianismo Surge com a crucificação de Cristo. Se difunde pela necessidade do povo em acreditar em algo além da vida terrena.

Leia mais

ESTADO NACIONAL ABSOLUTISMO EXPANSÃO MARÍTIMA PROF. SORMANY ALVES

ESTADO NACIONAL ABSOLUTISMO EXPANSÃO MARÍTIMA PROF. SORMANY ALVES ESTADO NACIONAL ABSOLUTISMO EXPANSÃO MARÍTIMA PROF. SORMANY ALVES O ESTADO NACIONAL a) A necessidade de reorganização do poder da nobreza frente às s rebeliões camponesas. b) A necessidade de viabilizar

Leia mais

Conceito de Feudalismo:

Conceito de Feudalismo: Conceito de Feudalismo: - IDADE MÉDIA História Medieval Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. O SURGIMENTO DO FEUDALISMO ESTÁ ASSOCIADO À : 1.Decadência do Império Romano vila;

Leia mais

O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média.

O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média. O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média. ORIGEM e CARACTERÍSTICAS: O processo de decadência do Império Romano, a partir do século III, está na

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE HISTÓRIA - 7º ANO

PLANIFICAÇÃO DE HISTÓRIA - 7º ANO Agrupamento de Escolas A R T U R G O N Ç AL V E S Escola Artur Gonçalves PLANIFICAÇÃO DE HISTÓRIA - 7º ANO Ano Letivo 2013/2014 Conteúdos Programáticos Objetivos/Competências Conceitos Estratégias/Atividades

Leia mais

2. RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO. Páginas 16 à 27.

2. RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO. Páginas 16 à 27. 2. RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO Páginas 16 à 27. Sociedade feudal Economia predominantemente agrária; Divisão da sociedade em ordens; e Igreja Católica representava o PODER. PERÍODO DE TRANQUILIDADE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano lectivo 2010/2011

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano lectivo 2010/2011 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA - 7º AN0 Conteúdos Vocabulário Específico Competências

Leia mais

REVOLUÇÃO AGRÍCOLA E O ARRANQUE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. profdehistoria

REVOLUÇÃO AGRÍCOLA E O ARRANQUE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. profdehistoria profdehistoria Durante os séculos XVII e XVIII, a nobreza rural inglesa levou a cabo transformações nas suas propriedades que provocaram uma verdadeira REVOLUÇÃO AGRÍCOLA na Europa. Alargamento das áreas

Leia mais

A SOCIEDADE EUROPEIA NOS SÉCULOS IX A XII. Joana Cirne Marília Henriques

A SOCIEDADE EUROPEIA NOS SÉCULOS IX A XII. Joana Cirne Marília Henriques A SOCIEDADE EUROPEIA NOS SÉCULOS IX A XII As invasões a Europa e o clima e insegurança Entre os séculos VIII e X a Europa sofreu a seguna vaga e invasões que criaram um clima e insegurança e provocaram

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES 3º CICLO DISCIPLINA HISTÓRIA TURMAS A/B/C ANO: 7º ANO 2010/2011 COMPETÊNCIAS 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. A. Das Sociedades Recolectoras

Leia mais

A Fundação do Concelho de Torres Vedras

A Fundação do Concelho de Torres Vedras A Fundação do Concelho de Torres Vedras Selo de Torres Vedras (1260), cera In IAN/TT, Mosteiro de Alcobaça: documentos particulares, m. 10, n.º 4. A 15 de Agosto de 1250, no dia da «Assunção da Bendita

Leia mais

Professora: Holanda Maria

Professora: Holanda Maria Professora: Holanda Maria Com a crise dos séculos III e IV a escassez de mão-obra escrava levou os grandes proprietários a abandonarem as cidades e rumar para as villae (latifúndios) onde exploravam o

Leia mais

NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE

NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL - EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE À CRISE DO SÉCULO XIV MARIA e ARMANDO Coordenação de HELENA da

Leia mais

O ANTIGO REGIME. A vida social e política na Europa Moderna

O ANTIGO REGIME. A vida social e política na Europa Moderna O ANTIGO REGIME A vida social e política na Europa Moderna CONCEITUAÇÃO A expressão Antigo Regime foi cunhada pelos historiadores para designar o conjunto de características predominantes nas sociedades

Leia mais

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. A IMPLANTAÇÃO DO LIBERALISMO EM PORTUGAL

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. A IMPLANTAÇÃO DO LIBERALISMO EM PORTUGAL 1. A ação reformadora da regência de D. Pedro [cartismo] Mouzinho da Silveira Lista de medidas [1832-33]: libertação da terra - extinção de morgadios, forais, dízimos, bens da Coroa liberdade de comércio

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO: 5º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM: A

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Participa na selecção de informação adequada aos temas em estudo; Interpreta documentos com mensagens diversificadas;

Participa na selecção de informação adequada aos temas em estudo; Interpreta documentos com mensagens diversificadas; COLÉGIO TERESIANO HISTÓRIA - 7.º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2007/2008 COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS 1. Tratamento de informação/utilização de Fontes Participa na selecção de informação adequada

Leia mais

Tema: A Península Ibérica dos primeiros povos à formação de Portugal. Ambiente natural e os primeiros povos

Tema: A Península Ibérica dos primeiros povos à formação de Portugal. Ambiente natural e os primeiros povos RECURSOS TEMÁTICOS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL- 5º ANO CONCEITOS E VOCABULÁRIO Tema: A Península Ibérica dos primeiros povos à formação de Portugal Ambiente natural e os primeiros povos Subtema: A

Leia mais

HISTÓRIA. - Curso Vocacional - 1º ANO -

HISTÓRIA. - Curso Vocacional - 1º ANO - Planificação de História - 1º ano Curso Vocacional 201/2015 p. 1 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA HISTÓRIA - Curso Vocacional - 1º ANO - PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E LONGO PRAZO Ano letivo de 201/2015

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º Ano Teste de Avaliação nº 5 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA -Características: *Grandes transformações no sistema feudal; *aumento da produção agrícola; *aparecimento da burguesia; *crise de poder da nobreza feudal. IGREJA NA

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS DISCIPLINA: História ANO DE ESCOLARIDADE: 7º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS Tema A - Das sociedades recoletoras às primeiras

Leia mais

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação. AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2012/2013 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Panorâmica geral dos séculos XII e XIII. Observação directa Diálogo

Leia mais

A Formação dos Estados Nacionais. Prof. André Vinícius

A Formação dos Estados Nacionais. Prof. André Vinícius A Formação dos Estados Nacionais Prof. André Vinícius Você sabe o que é um Estado? Sabia que na Idade Média não existiam país? Ninguém afirmava ser inglês ou ter nascido em Portugal, por exemplo. Os Reis

Leia mais

Território e gove go r ve n r o

Território e gove go r ve n r o Território e governo As monarquias europeias Entre os séculos XI e XV teve início o processo histórico de formação dos Estados europeus como conhecemos hoje. Os primeiros Estados são chamados de Monarquias

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO Este curso têm por objetivo trazer noções básicos sobre o Feudalismo. De forma que para maiores detalhes e aprofundamento

Leia mais

Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial A preferência pela agricultura Que o soberano e a nação nunca percam de vista que a terra é a última fonte de riquezas e que é o agricultor quem

Leia mais

Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental. Módulo 1

Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental. Módulo 1 Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental Módulo 1 1. Transição do Feudalismo para o Capitalismo Expansão marítimo-comercial: um dos principais momentos de transição da Idade Média para a Idade Moderna.

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS

A FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS A FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS O REI FOI O ELEMENTO UNIFICADOR DE UMA NOBREZA EM CRISE, CONCILIANDO, QUANDO POSSÍVELCOM A RICA BURGUESIA, CONDIÇÕES MATERIAIS PARA O FINANCIAMENTO DO PRÓPRIO ESTADO NACIONAL.

Leia mais

1. Formação do Feudalismo

1. Formação do Feudalismo 1. Formação do Feudalismo 1.1. Herança Romana O COLONATO foi uma instituição de fins do Império Romano, em que trabalhadores (colonos) recebiam um lote de terra para seu sustento, em grandes propriedades

Leia mais

Planificação Anual de História e Geografia de Portugal 5º Ano (Ano letivo: 2017/2018)

Planificação Anual de História e Geografia de Portugal 5º Ano (Ano letivo: 2017/2018) Planificação Anual de História e Geografia de Portugal 5º Ano (Ano letivo: 2017/2018) METAS CURRICULARES AULAS (90 minutos) Domínio 1 A Península Ibérica: localização e quadro natural 8 Subdomínio 1A A

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO ANA FILIPA MESQUITA CLÁUDIA VILAS BOAS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL DOMÍNIO A DOMÍNIO B A PENÍNSULA IBÉRICA: LOCALIZAÇÃO E QUADRO NATURAL A PENÍNSULA IBÉRICA:

Leia mais

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO O ABSOLUTISMO ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO Regime político em que o poder está concentrado nas mãos do Rei. Rei: chefe militar, economia, chefe administrativo, controle da Igreja, poder político -> Poder

Leia mais

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 1º Período.

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 1º Período. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CARVALHOS Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento: 400 Coordenadora: Rosa Santos Subcoordenadora: Armando Castro Planificação Trimestral de

Leia mais

1 Assinala com um X a afirmação verdadeira: Ao conjunto de 206 ossos do corpo humano ligados uns ao outros e nas suas corretas posições chamamos

1 Assinala com um X a afirmação verdadeira: Ao conjunto de 206 ossos do corpo humano ligados uns ao outros e nas suas corretas posições chamamos 4º ANO RUBRICA: NOME: ESCOLA: DATA: INFORMAÇÃO: 1 Assinala com um X a afirmação verdadeira: Ao conjunto de 206 ossos do corpo humano ligados uns ao outros e nas suas corretas posições chamamos cabeça.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL ~ NOVA HISTORIA DE PORTUGAL Direcção de joel SERRÃO e A. H. de OLIVEIRA MARQUES A. H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL NA CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV índice GERAL PREFACIO. INTRODUÇÃO. 9 11 CAPtTULO I A BASE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO TESTE SUMATIVO DE 28.MARÇO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO TESTE SUMATIVO DE 28.MARÇO Itens de seleção Itens de construção ESOL SEUNÁRI E SQUILHOS HISTÓRI - Prof. Renato lbuquerque MTRIZ E ONTEÚOS O TESTE SUMTIVO E 28.MRÇO.2014 10.º NO Tipologia de itens Escolha múltipla ssociação Ordenação

Leia mais

CHEGADA DA EXPEDIÇÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUZA 1530 MARTIM AFONSO DE SOUZA FUNDOU A PRIMEIRA VILA NO BRASIL

CHEGADA DA EXPEDIÇÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUZA 1530 MARTIM AFONSO DE SOUZA FUNDOU A PRIMEIRA VILA NO BRASIL CHEGADA DA EXPEDIÇÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUZA 1530 MARTIM AFONSO DE SOUZA FUNDOU A PRIMEIRA VILA NO BRASIL - SÃO VICENTE e deu início ao cultivo da cana-de-açúcar CAPITANIAS HEREDITÁRIAS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Carla Hammes FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Sec. V a XV Supremacia da Igreja Sistema de produção Feudal Sociedade hierarquizada HIERARQUIA OU ESTAMENTOS A sociedade medieval

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016 Período Módulo Conteúdos Competências Específicas Conceitos/Noções Situações de aprendizagem Avaliação Tempos 1º 0 Estudar/ Aprender História A História: tempos e espaços - Discernir as caraterísticas

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO 5ºANO No final do 5.º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR A Península Ibérica: Localização e quadro -Conhecer e utilizar mapas em Geografia e em História -Conhecer a localização

Leia mais

A Administração Colonial

A Administração Colonial A Administração Colonial HISTÓRIA DO BRASIL Prof. Alan Carlos Ghedini O primeiros 30 anos Até 1530 Desinteresse da Coroa Portuguesa pela nova Colônia Comércio das especiarias ainda era o foco Houve apenas

Leia mais

IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC. V X) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS:

IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC. V X) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Formação e apogeu do Feudalismo. Período de constantes invasões e deslocamentos populacionais. Síntese de elementos do antigo Império Romano + povos bárbaros + cristianismo. 2

Leia mais

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2015 / 2016 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período DOMÌNIO / TEMA D O contexto europeu dos séculos XII a XIV (recuperação

Leia mais

FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO. Aula 19- Renascimento comercial e urbano Prof. Dawison Sampaio

FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO. Aula 19- Renascimento comercial e urbano Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 19- Renascimento comercial e urbano DeOlhoNoEnem H11 - Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço.(lucro, usura e as práticas burguesas)

Leia mais

A REVOLUÇAO FRANCESA (1789 A 1799) TEMA DA REVOLUÇÃO: IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE

A REVOLUÇAO FRANCESA (1789 A 1799) TEMA DA REVOLUÇÃO: IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE A REVOLUÇAO FRANCESA (1789 A 1799) TEMA DA REVOLUÇÃO: IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE QUADRO SOCIAL 1º ESTADO CLERO 2º ESTADO NOBREZA Viviam às custas do Rei 3º ESTADO Alta Burguesia, Pequena Burguesia

Leia mais

REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 7 ANO

REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 7 ANO REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 7 ANO 1) Uns dedicam-se particularmente ao serviço de Deus; outros garantem pelas armas a defesa do Estado; outros ainda a alimentá-lo e a mantê-lo pelos exercícios da paz.

Leia mais

O Passado de Caldas de Aregos. Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa. Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9

O Passado de Caldas de Aregos. Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa. Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9 Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9 Este lugar, situado à beirinha do Douro, na zona mais baixa do actual concelho de Resende, tem

Leia mais

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2016/2017 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Moinho de Palmela. Entre em sintonia com o Ambiente e sinta o esplendor da Natureza

Moinho de Palmela. Entre em sintonia com o Ambiente e sinta o esplendor da Natureza Moinho de Palmela Entre em sintonia com o Ambiente e sinta o esplendor da Natureza Palmela foi desde a sua génese um território propício à fixação humana, como nos documentam os sucessivos testemunhos

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7 ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7 ºANO 7 ºANO No final do 7º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR Das Sociedades Recoletoras às Primeiras Civilizações A Herança do Mediterrâneo Antigo 1. Conhecer o processo de hominização;

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI. Atividade de História E. Médio U.E. 08

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI. Atividade de História E. Médio U.E. 08 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI Atividade de História E. Médio U.E. 08 1. Cite a caracterização econômica e social da Idade Média. p.3 2. Em quantos períodos está dividida a Idade Média? Quais são? 3. Dê três

Leia mais

História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano

História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano A partir do ano 1000 Europa período de relativa tranquilidade. Produção ocidental era baixa (ameaça de fome). Revolução agrícola série de inovações

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Teste sumativo de História A º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Tolerância: minutos 4 páginas (9).março.2012 Este teste é

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação HISTÓRIA 3º Ciclo 7º Ano de Escolaridade Despacho normativo

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Forais de Lanhoso Actualizado em Quinta, 26 Fevereiro :31

Forais de Lanhoso Actualizado em Quinta, 26 Fevereiro :31 É exatamente a partir das Terras do Julgado de Lanhoso que, em 25 de Setembro de 1292, D. Dinis, da cidade de Coimbra, outorga Carta de Foral ao Concelho de Lanhoso, continuando ou respeitando a tradição

Leia mais

A Europa Feudal. Professor Ulisses Mauro Lima historiaula.wordpress.com

A Europa Feudal. Professor Ulisses Mauro Lima historiaula.wordpress.com A Europa Feudal Professor Ulisses Mauro Lima historiaula.wordpress.com Em nome de Deus, dos Homens e do Lucro O feudalismo pode ser definido a partir da estrutura Política, social, econômica e cultural

Leia mais

1. FEUDALISMO. Páginas 04 à 15.

1. FEUDALISMO. Páginas 04 à 15. 1. FEUDALISMO Páginas 04 à 15. Formação do sistema feudal A fragmentação do Império Romano do Ocidente, o estabelecimento dos bárbaros na Europa Ocidental e a ruralização da sociedade geram as condições

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS DISCIPLINA: História e Geografia de Portugal ANO DE ESCOLARIDADE: 5º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS Geografia de Portugal

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º C Teste de Avaliação nº 4 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott.

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott. História As Capitanias Hereditárias Professor Thiago Scott www.acasadoconcurseiro.com.br História AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534) A expedição de Martim Afonso de Sousa (1530-1533) marca o início dessa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL º ano. Conteúdos conceitos Estratégias / recursos Avaliação

PLANIFICAÇÃO ANUAL º ano. Conteúdos conceitos Estratégias / recursos Avaliação HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANIFICAÇÃO ANUAL 2011-2012 5º ano Conteúdos conceitos Estratégias / recursos Avaliação 1º PERÍODO : 13 semanas menos uma 4ª, uma 3ª e duas 5ª e mais uma 6ª feiras (+/-

Leia mais

Foram movimentos que romperam radicalmente com as estruturas do Antigo Regime e marcou a ascensão da burguesia como nova classe economica.

Foram movimentos que romperam radicalmente com as estruturas do Antigo Regime e marcou a ascensão da burguesia como nova classe economica. Foram movimentos que romperam radicalmente com as estruturas do Antigo Regime e marcou a ascensão da burguesia como nova classe economica. O Absolutismo na Inglaterra a presentava uma característica peculiar:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

CRISE DO FEUDALISMO E O RENASCIMENTO URBANO(sécs. X-XVI)

CRISE DO FEUDALISMO E O RENASCIMENTO URBANO(sécs. X-XVI) CRISE DO FEUDALISMO E O RENASCIMENTO URBANO(sécs. X-XVI) 1) Servidão 1.1. O que é servidão? * Trabalho forçado em troca de acesso à terra e proteção * É o status social do camponês no feudalismo * Camponês

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 10.maio.2012 NOME: Nº

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 10.maio.2012 NOME: Nº ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 10.maio.2012 NOME: Nº 1.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA. 7ºANO (Ano Letivo 2015/2016)

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA. 7ºANO (Ano Letivo 2015/2016) ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA 7ºANO (Ano Letivo 2015/2016) Objetivos gerais a privilegiar Domínio das atitus e valores Manifestar interesse pela intervenç

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Prof.: Diego Gomes omonstrodahistoria.blogspot.com.

REVOLUÇÃO FRANCESA. Prof.: Diego Gomes  omonstrodahistoria.blogspot.com. REVOLUÇÃO FRANCESA Prof.: Diego Gomes diegogomes.historia@gmail.com www.facebook.com/profdiegogomes/ omonstrodahistoria.blogspot.com.br/ Objetivos de Ensino/Aprendizagem Conhecer as condições socioeconômicas

Leia mais

DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO DE HISTÓRIA 7º ANO

DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO DE HISTÓRIA 7º ANO DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO DE HISTÓRIA 7º ANO Docente: Gabriel Pavão º Período 4 º Período º Período 7 ANO LETIVO 05.06 TOTAL: 6 Letivos (45 ).º Período.º Período.º Período TOTAL

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 7º História Rafael / Carol Av. Mensal 26/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal Tema 0 - Conhecer o Manual 2012/2013 Aulas previstas-5 1º Período Apresentação Material necessário para o

Leia mais

Este teste é constituído por 16 itens (todos de resposta obrigatória) e termina na palavra FIM.

Este teste é constituído por 16 itens (todos de resposta obrigatória) e termina na palavra FIM. ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Teste sumativo de História A 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Tolerância: 10 minutos 4 páginas 2.fevereiro.2012 Este

Leia mais

As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo. Prof. Alan Carlos Ghedini

As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo. Prof. Alan Carlos Ghedini As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo Prof. Alan Carlos Ghedini A Crise do Sistema Feudal Como era a produção? Utilizava trabalho servil Baixo

Leia mais