A PRESENÇA HISTÓRICA E INTIMISTA NA OBRA, DO DIÁRIO DE SÍLVIA, DE ERICO VERISSIMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRESENÇA HISTÓRICA E INTIMISTA NA OBRA, DO DIÁRIO DE SÍLVIA, DE ERICO VERISSIMO"

Transcrição

1 A PRESENÇA HISTÓRICA E INTIMISTA NA OBRA, DO DIÁRIO DE SÍLVIA, DE ERICO VERISSIMO EMILIANO, Juliane Resumo: O presente artigo da obra, Do Diário de Sílvia, penúltima do terceiro tomo da epopeia, O Tempo e o Vento do escritor Erico Verissimo, pretende abordar um estudo crítico entre a relação de aproximação das disciplinas Literatura e História, uma vez que são mencionadas passagens da História brasileira durante a narrativa da protagonista. Outro aspecto a ser analisado é o gênero confessional diário, uma vez que Sílvia relata conflitos íntimos, dentre eles o sentimento ao irmão de seu marido e sua desconfiança em relação à fé em Deus. Palavras-chave: Do Diário de Sílvia, História, Literatura, Confissão, Verissimo. Introdução Um dos aspectos marcantes do século XX foi o grande surgimento de textos autobiográficos como diários íntimos, memórias, relatos pessoais e confissões. A escrita confessional, centrada no sujeito, de modo que o sujeito é objeto do seu próprio discurso, possibilita a revelação do mundo íntimo de quem escreve, além disso, permite que suas vivências e fatos históricos sejam salvos do esquecimento. Conforme afirma Leonor Arfuch A simples menção do biográfico remete, em primeira instância, a um universo de gêneros discursivos consagrados que tentam apreender a qualidade evanescente da vida opondo, à repetição cansativa dos dias, aos desfalecimentos da memória, o registro minucioso do acontecer, o relato das vicissitudes ou a nota fulgurante da vivência, capaz de iluminar o instante a totalidade. (2010, p. 15) Todavia a escrita em primeira pessoa não foi criada no século XX, ao contrário, há estudos que comprovam que essa narrativa vem desde o século XII, um exemplo disso são as cantigas de amor e de amigo da lírica portuguesa medieval, em que o poeta declama seu amor. Contudo, segundo Maria Luiza Ritzel Remédios, foi a partir do século XVIII, com o assentamento da sociedade burguesa, que a escrita íntima se fortalece enquanto gênero,

2 exatamente no momento em que o homem ocidental adquire uma clara convicção histórica de sua existência. Dentro do repertório da literatura intimista é possível afirmar que as grandes obras clássicas, nas quais o sujeito é apresentado em tom revelador, são As Confissões de Rousseau e Confissões de Santo Agostinho. No entanto o gênero confessional, por muito tempo foi considerado inferior e apartado das altas literaturas, porém, atualmente, vem ganhando com muita expressividade, as prateleiras das livrarias como obras intituladas de ficção e não ficção, já que transmite a possibilidade de uma abertura total da vida íntima de quem escreve, fazendo com que o leitor possa, às vezes, se identificar com o eu da escritura. Outro fator, que impulsiona a compra dessa literatura, é a curiosidade das pessoas sobre o interior, ou melhor, sobre o íntimo do outro, acentuando ainda mais esse crescimento, fazendo com que o escritor dessa obra confessional se torne um artefato de consumo para o leitor. A obra Do Diário de Sílvia (1978), do escritor Erico Verissimo de reconhecida importância, foi selecionada para a análise devido sua pouca ou quase nenhuma importância com relação a outras obras do mesmo, visto que Verissimo foi um dos grandes escritores da segunda fase do Modernismo brasileiro e herdeiro da revolução ideológica e estética, o chamado romance de 30, empreendeu em seus escritos o reconhecimento do espaço social brasileiro por via da documentação, da incorporação de tipos característicos, da aceitação dos falares regionais e, não raro, da denúncia política. No clássico O Tempo e o Vento, que contem três volumes - O Continente, O Retrato e O Arquipélago o autor aqui citado narra à trajetória das famílias Terra e Cambará, realizando uma investigação da história rio-grandense, conotando os destinos de seus personagens com os momentos decisivos da formação da província sulina. A obra Do Diário de Sílvia, penúltima parte do último tomo, descreve uma jovem que resolve anotar seus conflitos num diário, no qual registra a insatisfação com o casamento, o amor impossível pelo cunhado e as dúvidas em relação a sua fé em Deus. Ao mergulhar no universo feminino, Erico Verissimo disseca um mundo em conflito: a época da ditadura do Estado Novo, da guerra civil espanhola e da segunda Guerra Mundial. Tendo em vista que o autor supracitado demonstrou toda influência histórica no Arquipélago, descrevendo uma série de reflexões sobre a sociedade contemporânea dominada pela tirania ideológica, é notória a sua visão sobre política: nunca pertenci a nenhum partido político, mas jamais fui indiferente à política (CHAVES, p. 185, 2001).

3 A posição expressa pelo escritor pode ser constatada na obra aqui pleiteada, que parece resultar na reflexão da presença histórica na literatura. Essa influência pode ser percebida pela semelhança entre alguns personagens da obra a políticos do Brasil e do mundo em situações narradas, também verificadas na História da primeira metade do século XX. 1 A Respectiva Narrativa na Obra do Diário De Sílvia A priori, segundo os escritos de Philippe Lejeune antes de ser um texto, um diário é uma prática, pois seu texto não é senão um subproduto, um resíduo. Manter um diário é antes de mais nada uma maneira de viver (1975, p. 359). Ainda sobre o gênero conforme afirma à autora Sheila Dias Maciel, o diário pode ser definido como: uma crônica cotidiana de uma experiência pessoal e quem o escreve (e se inscreve) interessa-se por anotar pequenas coisas do dia-a-dia ao lado das grandes dúvidas e indagações humanas. Para se compor um diário só é necessário escrever periodicamente, percebendo o imediato, seguindo a monotonia infringida pela repetição dos dias. Três elementos são fundamentais nesta composição: o narrador que escreve em primeira pessoa sobre si e sobre a realidade diária, não tendo acesso ao futuro e mantendo uma periodicidade, ainda que variável. (2002, p. 2) Na literatura confessional, tendo como base as informações acima, o gênero diário tem o objetivo de guardar as lembranças do eu que escreve para impedir o esquecimento e possibilitar um resgate do passado. Além do mais o diário pode ser apresentado, ou melhor, exposto de dois modos de narrar, sendo o modo empírico ou ficcional. A narrativa empírica buscava representar o real, descrever um fato histórico, conforme afirma os escritores Robert Scholes e Robert Kellogg: Os historiadores gregos substituíram em suas narrativas a autoridade da tradição por uma nova espécie de autoridade. O histor, como narrador, não é um gravador ou narrador minucioso, mas um investigador. Examina o passado, visando a separar a realidade do mito [...]. Para os antigos, o histor merecia mais confiança do a testemunha ocular. Um documento com pretensões a alcançar a verdade do fato tinha maior oportunidade de ser aceito como factual quando não parecia demasiadamente pessoal. (1977, p. 170 e 171)

4 Tendo em vista o estudo, acredita-se que os diários, cujo criador descreve seu eu, transmite maior verossimilhança dos fatos acontecidos na realidade. São textos que imprimem uma confiança no leitor, como um documento histórico, já que o percurso da escrita e curto em relação ao fato ocorrido. Com base, ainda nos materiais dos estudiosos Scholes e Kellogg, há outro tipo de autoridade de narrar: Na narrativa mítica ou tradicional, os acontecimentos narrados ficam sempre bem atrás, no passado, e a própria tradição traz consigo uma certa autoridade. O poeta épico é um repositório de tradição, preenchendo simultaneamente as funções de animador e historiador. A tradição lhe outorga a sua autoridade. Limita também sua flexibilidade. A invocação familiar à musa na epopeia homérica bem pode representar uma tentativa, por parte do poeta épico grego, no sentido de mudar a autoridade da estreita tradição para a inspiração que, por ser pessoal e criativa, é mais livre. (1977, p. 170) Conforme a definição acima, e a escolha da obra Do Diário de Sílvia, na qual apresenta o gênero diário como uma narrativa ficcional, no entanto contendo em seu teor traços da narrativa empírica propõem-se realizar uma análise com o intuito de trazer para o palco dos estudos literários e historiográficos a relevância do texto aqui citado como uma fonte de pesquisa para o contexto histórico daquele momento e sua valorização nos escritos de Erico Verissimo. 2 O Fundo Histórico dentro do Escrito Literário Em seu diário a personagem principal da história narra reflexões, pensamentos íntimos, decepções, que revela o conflito interior vivido, por causa dos relacionamentos com sua mãe, seu padrinho Rodrigo, o cunhado Floriano e esposo Jango. Não obstante cita os acontecimentos da época como o governo de Getúlio Vargas, as invasões nazistas, e a Guerra Civil Espanhola. Sílvia foi criada por uma mãe seca, que sofrera decepções, e muitas vezes, descontava na filha suas raivas, já que seu marido havia morrido e deixado apenas dívidas e tristezas, e ela uma mulher de vinte e cinco anos sozinha para criar uma filha tendo, ainda que morar em uma casa sem conforto

5 minha mãe tinha uma pele um pouco cor de terra. Ela mesma era uma terra triste e seca, que produzia frutos escassos e amargos [...]. Minha mãe era viúva e muito pobre. Ganhava a vida como modista. Meu pai morreu quando eu tinha apenas três anos de idade e não deixou nada a não ser dívidas, como mamãe não cansava de repetir. [...]. Tudo na minha casa parecia pobre, triste e feio. Os bicos nus de luz elétrica pendiam no teto na ponta de fios que no verão se cobriam de moscas. As paredes caiadas ficavam manchadas de umidade no inverno. (2005, p. 44 a 46) É por viver em dificuldades e conflitos em casa que ela preferia estar na casa do padrinho quem admira e respeita. Drº. Rodrigo Cambará, homem rico e importante na cidade de Santa Fé. Ele que pagara os estudos dela e ajudara com dinheiro a cuidar da mãe de Sílvia até a morte. Tornou-se um político importante e aliado de Getúlio Vargas, com quem manteve uma aliança política. meu padrinho foi sempre o meu herói. O mais belo homem do mundo. O mais valente. O mais justo. O mais inteligente. O mais generoso. Se era possível um ser humano atingir a perfeição, padrinho a tinha atingidos. Era assim que eu pensava e sentia quando menina e adolescente. Era cega, queria ser cega a tudo quando tendesse a manchar essa imagem ideal. (2005, p. 79) Rodrigo era o pai que a personagem deseja ter, apesar de ter se entristecido e sentida abandonada por ele ter ido morar no Rio de Janeiro, foi um grande incentivador do relacionamento de Jango com ela, visto que era amiga de sua falecida filha Alicinha e desde criança brincava com seus filhos no Sobrado Quero-te pedir com uma filha que perdi. Tu me darias uma imensa alegria se casasse com o Jango, que tanto te ama. Pensa que está no teu alcance tornar esse bom e leal campeiro um homem venturoso. (VERISSIMO, 2005, p. 13). No diário a personagem ainda anota acontecimentos sobre a Segunda Guerra Mundial que teve Adolf Hitler como líder da Alemanha que promoveu um massacre a milhões de judeus, presos políticos de diversos países nos campos de concentração, sendo Auschwitz o mais conhecido, ela menciona fatos da guerra como o avanço das tropas de Hitler na Europa: Em abril os exércitos e Hitler tinham invadido e conquistado a Dinamarca e a Noruega. Em maio, a Bélgica, a Holanda e Luxemburgo (VERÍSSIMO, 2005, p. 21). O modo que as tropas de Hitler estavam tentando tomar posse da França As notícias continuavam péssimas. Os nazistas estavam senhores de quase toda Europa ocidental. Dentro de poucos dias, poderiam entrar em Paris (VERISSIMO, 2005, p.22). Sempre tomando nota dos fatos Sílvia descreve sobre seu amigo judeu Arão Stein, do prazer que ele teve de participar da guerra da Espanha. Fato que ocorreu antes da 2ª Guerra

6 Mundial. Nela estiveram presentes todos os elementos militares e ideológicos que marcaram o século XX. Havia pessoas que se posicionaram as forças do nacionalismo e do fascismo, aliadas as classes e instituições tradicionais da Espanha (O Exército, a Igreja e o Latifúndio) e outro grupo o da Frente Popular que formava o Governo Republicano, representando os sindicatos, os partidos de esquerda e os partidários da democracia. De um lado havia a Direita espanhola, que era uma Cruzada para livrar o país da influência comunista e da franco-maçonaria e restabelecer os valores da Espanha tradicional, autoritária e católica. Para tanto era preciso esmagar a República, que havia sido proclamada em 1931, com a queda da monarquia. Do outro lado, para os Esquerdistas era preciso dar um basta ao avanço do fascismo que já havia conquistado Itália (em 1922), a Alemanha (em 1933) e a Áustria (em 1934). Segundo as decisões da Internacional Comunista, de 1935, elas deveriam aproximar-se dos partidos democráticos de classe média e formarem uma Frente Popular para enfrentar a maré de vitorias nazi-fascistas: Era o privilégio dos privilégios, honra das honras, a beleza das belezas estar ali naquele lugar, naquela hora e com aquela gente. Tínhamos vindo da várias partes do mundo para defender a Espanha republicana e com ela a ideia universal dos direitos do homem. E quando La Pasionária, com sua voz inesquecível, declarou que nós éramos a flor da terra, a consciência do mundo [...] senti que tinha atingido o momento mais belo, mais glorioso da minha vida. (2005, p. 25 e 26) O que percebe-se e que Stein lutara fortemente e aguentara, sem pestanejar, todas as torturas durante a Guerra Civil Espanhola, possibilitando por meio dos trechos acima entender traços da História através do literário, visto que a arte como procedimento pode ser um produto de arte como fato social e como fator social (JIRMUSNKI, 1978, p. 60): Me meteram agulhas debaixo das unhas. Me queimaram o corpo todo com ferros em brasa. Me fizeram outras barbaridades que não posso contar em frente das senhoras. Me atiraram depois, completamente nu, numa cela fria e jogaram água gelada em cima de mim. Mas não me arrancaram nenhuma palavra. Mordi os beiços e não falei. (2005, p. 20) O sofrimento de Stein é semelhante aos ocorridos com pessoas reais durante a guerra da Espanha. Em relação ao contexto histórico no Brasil percebe-se a era da ditadura do Estado Novo como o presidente Getúlio Vargas conduz o Brasil, exemplo a citação abaixo:

7 Tio Bicho leu em voz alta o discurso que Getúlio Vargas fizera recentemente a bordo do couraçado Minas Gerais. O presidente afirmava que marchávamos para um futuro diferente de tudo quanto conhecíamos em matéria de organização econômica, social ou política, e sentíamos que os velhos sistemas e fórmulas antiquadas entravam em declínio. (2005, p. 23) Com a passagem acima sobre o discurso de Getúlio Vargas percebe-se a literatura como sistema social específico e processo comunicativo (OLINTO, 1996, p. 21) Ainda há menções sobre o presidente do Brasil, que por meio de uma carta de Rodrigo para seus familiares em Santa Fé, menciona que Vargas mantem relações com a Alemanha e ao mesmo tempo com os Estados Unidos A princípio me pareceu que, com esse pronunciamento fascistóide, ele se preparava para atrelar o Brasil ao carro do nazismo [...] Comecei a perceber que o nosso homenzinho está apenas marombando, bombeando a situação mundial. No momento precisa contentar alguns dos nossos generais, que parecem fascinados pelos feitos militares do exército alemão. Mas não se iludam! O Getúlio também confabula secretamente com os americanos. (2005, p. 24) Contudo o maior conflito, vivenciado é o relacionamento com seu marido, já que ela foi de certa forma, rejeitada pelo seu cunhado, verdadeiro amor de sua vida, como mostra o seguinte trecho: Eu sabia que não íamos ter muito tempo para o nosso diálogo. E era tão bom ter F. ali sentado ao meu lado! Sua presença tem para mim um poder ao mesmo tempo excitante e sedativo. Seu sensualismo deve estar escondido a sete chaves, pois o que lhe parece nos olhos é uma ternura muito humana e tímida, como que envergonhada de si mesma. (2005, p.28) Como nota-se, Sílvia Cambará é apaixonada por Floriano Cambará, filho mais velho de Rodrigo Cambará e Flora Quadros. Com a indecisão de Floriano, de modo que não declarava o carinho sobre a cunhada, a personagem aceita a proposta de casamento do irmão de Floriano, Jango. Oito da manhã. Acabo de dar café ao meu marido, como uma esposa que se esforça por ser exemplar. A comédia continua. Represento como posso. Mas não posso muito. Não tenho talento de atriz. Não consigo decorar meu papel. Falo e me movimento no palco se convicção. Não presto atenção nas deixas de Jango. Isto é: não digo nem faço no momento exato as coisas que em geral uma boa esposa diz e faz. (2005, p.10)

8 Ao ler este trecho percebe-se que a personagem sofre por não ser feliz com seu parceiro, casou-se, porém não o amava, quando estou na cama com meu marido e ele me abraça e acaricia com gestos que dizem claro de sua intenção, sinto algo difícil de descrever: pânico misturado com repugnância (VERISSIMO, 2005, p. 15). Sílvia mostra que Jango vive um amor a terra do Angico, onde vivem, acima do carinho que imprime por ela, como mostra a citação a seguir: Suponhamos que essa terra, esta cidade, esta querência seja uma mulher...pois bem. O Jango casou-se legitimamente com ela, ama a esposa com um amor arraigado, calmo e seguro de si mesmo. Não tem olhos para as outras mulheres, por mais bela que sejam. Seus erros como marido são mais de omissão que de comissão. (2005, p. 30) Não obstante a esses conflitos, a personagem ainda se sente mais frustrada e triste quando perde seu bebê nossa vida não ia lá muito bem. Piorou consideravelmente em 1940, quando perdia criança no terceiro mês de gravidez. Acho que Jango nunca ficou completamente convencido de que eu não tive nenhuma culpa desse insucesso. (VERISSIMO, 2005, p. 86). E é a partir desse conflito amoroso dentro de si, de modo que não consegue esquecer o cunhado e nem amar e satisfazer seu marido não creio que eu satisfaça Jango de maneira completa, pois nesses minutos de contato carnal permaneço numa espécie de estado cataléptico (VERISSIMO, 2005, p. 16), que Sílvia tenta buscar em Deus uma saída, então procura Irmão Toríbio, filho do major Toríbio Cambará, padre e amigo da família que incentiva a personagem realizar uma reflexão e descobrir que todas as pessoas podem decepcionar menos Deus Não compreendes ainda que o único pai que jamais te abandonará e jamais de decepcionará é Deus? (VERISSIMO, 2005, p. 54). Considerações Finais Partindo da análise do diário que contém cinquenta e duas datas, as quais relatam os anos de 1941 a 1945, Erico Verissimo utiliza o recurso do uso do diário como solução narrativa e da lembrança, para descrever uma história ficcional com teor real demonstrando a aproximação do literário com a história, que pode ser entendido, Segundo Compagnom, como uma abordagem histórica, ou seja, o texto como documento.

9 Seguindo esse pensamento para comprovar a relação das duas disciplinas mencionase o crítico Durval Muniz de Albuquerque Júnior, o qual declara haver uma correlação entre as duas disciplinas, não sendo necessário separar uma da outra, ao contrário, é preciso pensar uma com a outra, que a justaposição das disciplinas é viável nos textos literários e necessária para que haja um maior entendimento do conteúdo. Também é sabido, conforme afirma Aijaz Ahamad, uma descrição de um fato jamais é ideológico ou cognitivamente neutro há uma contenção do vivido com o narrado, de modo que fatos da vida do autor pôde ter influenciado em seus textos, visto que ele viveu no mesmo período histórico dos fatos citados na obra aqui estudada. E como o diário é um meio de preservar a experiência pessoal de um eu possibilitando evitar a perda do passado faz desse gênero um instrumento que permite resgatar, a qualquer momento, um fato vivido pelo narrador. E ainda é entendido que a imagem, ou história do imaginário, permite tratar os documentos literários e artísticos como plenamente históricos, sob condição de ser respeitada sua especificidade. (LE GOFF, 2003, p. 00). Referências Bibliográficas AHMAD, Aijaz. Linguagens do presente. São Paulo: Boitempo, ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de janeiro: Ed. UERJ, CHAVES, Flávio Loureiro. Erico Verissimo: o escritor e seu tempo. Porto Alegre: Universidade/UFRGS, COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, JIRMUNSKI, V. Sobre a questão do método formal. In: TOLEDO, Dionísio de Oliveira (Org.). Teoria da Literatura: formalistas russos. Porto Alegre: Globo, LE GOFF, Jacques. História e memória. 5. ed. São Paulo: Unicamp, LEJEUNE, Philippe. Le pacte autobiographique. Paris: Seuil, MACIEL, Sheila Dias. Diários: escrita e leitura do mundo. ANALECTA Guarapuava, Paraná v. 3 no 1 p jan/jun

10 OLINTO, Heidrun Krieger. Histórias de literatura: as novas teorias alemãs. São Paulo: Ática, SCHOLES, Robert. KELLOG, Robert. A natureza da narrativa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, VERISSIMO, Erico. Do Diário de Sílvia. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda

CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda PROCESSO SELETIVO 2006/1 História CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno de prova contém dez

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Krystila Andressa Costa da Silva Resumo: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o papel do cinema em um dos momentos históricos

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio B I B L I O T E C A Vida e Obra 1902 João Amado de Faria instala-se em Ilhéus, na zona do cacau, e casa, anos mais tarde, com a baiana Eulália Leal. 1912 Em 10 de Agosto nasce Jorge Amado. 1913 O «coronel»

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

A PALCO ARMADO: TEATRO DE ARENA UMA ESTÉTICA DE RESISTÊNCIA, POR IZAÍAS ALMADA Talitta Tatiane Martins Freitas * Universidade Federal de Uberlândia UFU talittatmf@gmail.com O Teatro de Arena sempre se

Leia mais

Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque

Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque Pensamentos de São Josemaria Escrivá Um mês com Nossa Senhora Primeira Edição São Paulo 2012 PerSe Capa e seleção de figuras Paulo

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01 CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: INTEGRAL Currículo nº 01 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 226, DE 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância

Leia mais

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven.

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven. O JARDIM SECRETO Introdução ao tema Mais que um simples romance sobre a descoberta de um lugar proibido, O jardim secreto revela o fascínio dos primeiros contatos com a natureza e a importância que ela

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS Profa. Esp. Aline Ferreira DURÃES i (UESSBA) Resumo: Este artigo objetiva expor as contradições sócio-históricas existentes na formação

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG ANA PAULA RABELO (ASSOCIAÇÃO EMCANTAR DE ARTE EDUCAÇÃO CULTURA E MEIO AMBIENTE). Resumo Ver

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Data: 08.11.2009 Duração: 05 horas Conhecimentos Específicos: Matemática: 01 a 05 Redação História: 06 a 10 Coloque,

Leia mais

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO A pessoa de Maria foi desde os primeiros séculos do cristianismo uma grade fonte de inspiração para o povo cristão. De fato nas catacumbas de Roma, onde os cristãos

Leia mais

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A ESCRITA DE HOSPÍCIO REVELANDO SENSIBILIDADES MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES Nádia Maria Weber Santos PPG-UFRGS Professora convidada FEEVALE / RS Pensar o "fenômeno social"

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

FAMÍLIAS ADOTIVAS E MITOS SOBRE LAÇO DE SANGUE

FAMÍLIAS ADOTIVAS E MITOS SOBRE LAÇO DE SANGUE FAMÍLIAS ADOTIVAS E MITOS SOBRE LAÇO DE SANGUE Lidia Natalia Dobrianskyj Weber Em geral, relacionamentos em geral são processos delicados e repletos de pequenos entraves - relacionamentos entre pais e

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

A MISSÃO DA PATERNIDADE

A MISSÃO DA PATERNIDADE 1 A MISSÃO DA PATERNIDADE Tx Mult 09/08/2015 INTRODUÇÃO 1. Uma pequena menina disse uma vez à mãe dela, Mamãe, se o Papai Noel traz nossos presentes, e Deus nos dá nosso pão diário, e o governo nos paga

Leia mais

Sentir- se mal não é tão difícil

Sentir- se mal não é tão difícil 3 artigos sobre o Gerenciamento das Emoções Por Andrês De Nuccio Sentir- se mal não é tão difícil Li esses dias uma história segundo a qual uma senhora, preparando- se para sair, trocava diversas vezes

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz Françoise Héritier A tecnologia gera alienação Herdeira intelectual de Lévi-Strauss, a antropóloga francesa diz que os pequenos prazeres da vida foram perdidos e que os recursos modernos impedem a reflexão

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; getulio@eeec.ufg.br.

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

BRAILLE, QUANTO MAIS PRECOCE MELHOR

BRAILLE, QUANTO MAIS PRECOCE MELHOR BRAILLE, QUANTO MAIS PRECOCE MELHOR Carla Maria de Souza 1 - IBC Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O texto a seguir é o relato de duas

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Língua Portuguesa 4 º ano. A camponesa sábia *

Língua Portuguesa 4 º ano. A camponesa sábia * Avaliação 3 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na sétima unidade você leu algumas histórias com príncipes e princesas em seus majestosos castelos. O texto a seguir é mais uma dessas histórias. Ele nos conta

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

VIVER a C A R I D A D E

VIVER a C A R I D A D E VIVER a C A R I D A D E A CARIDADE NA VIDA DE CLAUDIA Nada poderia sem a graça de Deus (Madre Claudia de Ângelis da Cruz) Introdução Viver a Caridade nasceu do desejo de tornar conhecida a vida e a obra

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 assinalando a única alternativa correta. Texto 1 Uma história de Dom Quixote Moacyr Scliar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA.

O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA. O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA. JULIANA SYLVESTRE DA SILVA CESILA (UNICAMP). Resumo O desafio do professor de colocar o aluno em contato

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

Mariana, 9 anos - Escrever esse livro foi uma experiência interessante, legal e divertida!

Mariana, 9 anos - Escrever esse livro foi uma experiência interessante, legal e divertida! Giulia, 12 anos - Participar de um livro dessa importância é muito interessante, pois se eu me revelar uma boa escritora, posso escrever outros textos e outros livros, o que seria muito legal, já que o

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

Um tango para sobreviver

Um tango para sobreviver Um tango para sobreviver Gina Freund Um tango para sobreviver em depoimento a Valéria Martins 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2013 Edição de texto Noga Sklar Editoração: KBR Capa KBR sobre arquivo Google

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Newton Sucupira e a Pós-Graduação - lançamento da Plataforma Sucupira

Newton Sucupira e a Pós-Graduação - lançamento da Plataforma Sucupira 1 Newton Sucupira e a Pós-Graduação - lançamento da Plataforma Sucupira Começo essas minhas palavras reproduzindo o parágrafo inicial de um discurso de agradecimento feito por Newton Sucupira por ocasião

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Maria Olinda Rodrigues Santana. José Vitorino Pinto Santana: fotobiografia de um médico na segunda metade do século XX

Maria Olinda Rodrigues Santana. José Vitorino Pinto Santana: fotobiografia de um médico na segunda metade do século XX Maria Olinda Rodrigues Santana José Vitorino Pinto Santana: fotobiografia de um médico na segunda metade do século XX Porto 2010 José Vitorino Pinto Santana: fotobiografia de um médico na segunda metade

Leia mais

VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR. Por VIVIANE RIBEIRO

VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR. Por VIVIANE RIBEIRO VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR Por VIVIANE RIBEIRO VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR Por VIVIANE RIBEIRO SUMÁRIO SUMÁRIO Introdução... 04 Boas-vindas e bases dos exercícios Preparativos...

Leia mais

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA RESENHA O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA LUCIANA SANTOS BARBOSA* AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. Esta resenha objetiva descrever e analisar

Leia mais

RESENHA. MIRANDA, Ana Semíramis. São Paulo. Companhia das Letras (2013). 272 p.

RESENHA. MIRANDA, Ana Semíramis. São Paulo. Companhia das Letras (2013). 272 p. RESENHA MIRANDA, Ana Semíramis. São Paulo. Companhia das Letras (2013). 272 p. Rodrigo Celente Machado 126 A objetividade do historiador é um absurdo. Isto significa que um acontecimento pode ser examinado

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais